NARRATIVAS
TRANSMÍDIA
Article:Transmedia project design theoretical and analytical
considerations. GAMBARATO, Renira.
Prof...
UM JEITO NOVO
para engajar marcas, produtos e audiência
TRANSMEDIA
STORYTELLING
MÚLTIPLAS
ABORDAGENS
Estudiosos e profissionais de mídia aplicam metodologias,
diferente abordagens e métodos para uma melh...
VÁRIAS ABORDAGENS
Semiótica (vários tipos de semiótica),
narratologia, sociologia, etnografia à economia, marketing,
brandi...
O QUE É NT?
Ainda não existe consenso sobre o que exatamente significa
NT. Mas, embora a definição esteja aberta,
é possível...
Além disso:“O termo transmídia deve ser considerado um
adjetivo, não um substantivo, isto é, uma palavra capaz de
descreve...
O termo NT foi cunhado em 2003 por
Henry Jenkins em seu artigo publicado pela
Technology Review (2003).Três anos depois,
e...
CONCEITO DE JENKINS
Uma história transmidiática se desenrola através de múltiplos
suportes midiáticos, com cada novo texto...
CONCEITO SCOLARI (2009)
"Uma especial estrutura narrativa que se expande através de
diversas linguagens diferentes (verbal...
ENTENDAM!
Não se trata de oferecer o mesmo conteúdo
em diferentes plataformas de mídia, mas sim a
experiência, construção ...
• O filme rendeu US$ 4 milhões em bilheteria. As narrativas
transmídia geraram uma receita de US$ 20 milhões
“SINÔNIMOS” CONFUSOS
Intermedia (Dick Higgins, 1966), multimídia
(Bob Goldstein, 1966), cross-media (Paul Zazzera, 1999), ...
Transmedia storytelling, cross-media e multimídia
Provavelmente os termos mais mencionados ao lado
de NT são cross-media e...
A CONFUSÃO...
Cross-media são experiências interativas integradas que
ocorrem em toda a mídia múltipla, com múltiplos auto...
COMO DEVE
FUNCIONAR
Para além das confusões, existem várias características que
podem ser rastreadas nas NT como, por exem...
CARACTERÍSTICAS
SEGUNDO JENKINS
Embora a definição seja flexível, na maioria das vezes as
narrativas transmídia incluem info...
CASE
A produção multiplataforma
Diário de Sofia (2003) é um exemplo de
sistema aberto NT. O projeto foi produzido
em difere...
ENVOLVIMENTO
Qualquer trabalho único de mídia pode, em
teoria, fazer uma platéia rir ou chorar.
Mas como fazer uma audiênc...
AS CARACTERÍSTICAS DA NT
Trabalho realizado por Renira Gambarazo em Workshop na
UFMG outubro 2015.
Mais informações acesse...
DIFERENÇA ENTRE
INTERAÇÃO E PARTICIPAÇÃO
Dica: tente pensar na influencia do resultado.
O projeto ficou diferente ou não? O ...
PARTICIPAÇÃO
Como as pessoas puderam participar desse projeto?
Vários canais e a audiência foi convidada a se expressar.
F...
MODELO ANALÍTICO DE NT
Extraído do trabalho:https://talkingobjects.files.wordpress.com/2011/08/gambarato-ijep-full-text.pdf
SÃO 10 TÓPICOS
Por que analisar e categorizar?
Temos a mania de aplicar conceitos e não categorizar.Assim,
quando algo dá ...
TÓPICO 1
Premissa e propósito
Esse projeto é sobre o que?
Esse projeto é para que?
É para fazer um marketing de produtos?
...
QUAIS são os elementos: Qual é o ponto. Fazer um resumo da
história. Quais são os principais eventos. O que de mais
import...
Criar estratégias para as pessoas irem lá!
- Significa um gap (uma informação que está faltando).“Não
entrega quem matou”. ...
FOCANDO UM GRUPO DE PESSOAS MAIS
INTERESSADAS e que essas sem passariam a
falar sobre o projeto
Existem referências como e...
Universo que abriga várias dimensões dessa grande história.
Grande e robusta que se espalha. Universo.
Construção do mundo...
Quem são os personagens principais e segundários?
A história tem uma spin off? Uma história principal que tem um
personage...
Extensão são os canais utilizados
para contar essa história
A série de televisão é uma extensão. (plataforma televisão).
O...
Quantas extensões tem o projeto?
Elas expandem uma narrativa?
Cada uma dessas extensões segue
e dá continuidade para a his...
Internet
TV
Rádio
Mídia impressa
Mídia móvel
Roll out – uma linha do tempo que descreve quando cada
extensão foi lançada. ...
Quem é o alvo do projeto?
É um projeto local? internacional? De jovens? Crianças?Todos?
Que tipo de usuários a gente tem? ...
TÓPICO 8
Interação, participação
Conteúdo gerado pelo usuário: Nós temos, dentro do projeto,
as condições para abraçar o c...
Quando a transmidiação começou?
Esse projeto foi planejado para ser transmidiático?
PROACTIVE – desde o começo pensado
e p...
ESTÉTICA
O projeto usa vídeo? foto? som? o que usa? estamos falando de
uma estética relista? algum estilo de design especí...
of 36

Narrativas transmidia

Trabalho de Narrativa Transmídia - Webjornalismo - Newton Paiva. Professor Alysson Lisboa Neves
Published on: Mar 3, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Narrativas transmidia

  • 1. NARRATIVAS TRANSMÍDIA Article:Transmedia project design theoretical and analytical considerations. GAMBARATO, Renira. Professor:Alysson Lisboa
  • 2. UM JEITO NOVO para engajar marcas, produtos e audiência TRANSMEDIA STORYTELLING
  • 3. MÚLTIPLAS ABORDAGENS Estudiosos e profissionais de mídia aplicam metodologias, diferente abordagens e métodos para uma melhor compreensão da estrutura das NT (Long 2007; Dena 2009; Scolari 2012; Saldre,Torop 2012).
  • 4. VÁRIAS ABORDAGENS Semiótica (vários tipos de semiótica), narratologia, sociologia, etnografia à economia, marketing, branding e assim por diante. PARA UM MESMO CONCEITO
  • 5. O QUE É NT? Ainda não existe consenso sobre o que exatamente significa NT. Mas, embora a definição esteja aberta, é possível traçar suas principais características. A palavra transmidiática em si. não há o prefixo trans em combinação com a mídia. Este prefixo latino significa além, através, transversal, transmitindo a ideia de transcendência. A palavra transmedia significa ir além, transcendendo uma variedade de meios de comunicação. Geoffrey Long (2007: 32)
  • 6. Além disso:“O termo transmídia deve ser considerado um adjetivo, não um substantivo, isto é, uma palavra capaz de descrever e qualificar um substantivo.” Neste contexto, a utilização do termo transmídia para descrever uma forma particular de contar histórias surgiu em 1991, quando Marsha Kinder publicou o livro Playing with Power in Movies,Television, and Video Games: From Muppet Babies to Teenage Mutant Ninja Turtles. Em seu livro, ela define comerciais como “supersistemas transmedia intertextuais” (1991: 3)
  • 7. O termo NT foi cunhado em 2003 por Henry Jenkins em seu artigo publicado pela Technology Review (2003).Três anos depois, ele melhorou o conceito e publicou sua definição, no seu livro Cultura da Convergência de 2006.
  • 8. CONCEITO DE JENKINS Uma história transmidiática se desenrola através de múltiplos suportes midiáticos, com cada novo texto contribuindo de maneira distinta e valiosa para o todo. Na forma ideal de narrativa transmidiática, cada meio faz o que faz de melhor – a fim de que uma história possa ser introduzida em um filme, ser expandida pela televisão, romances e quadrinhos; seu universo possa ser explorado em games ou experimentado como atração de um parque de diversões. Cada acesso à franquia deve ser autônomo, para que não seja necessário ver o filme para gostar do game, e vice-versa. Cada produto determinado é um ponto de acesso à franquia como um todo. (JENKINS, 2008, p. 135).
  • 9. CONCEITO SCOLARI (2009) "Uma especial estrutura narrativa que se expande através de diversas linguagens diferentes (verbal, icônica etc.) e mídias (cinema, quadrinhos, televisão, jogos de vídeo etc.). Não é apenas uma adaptação a partir de uma mídia para outra. São diferentes meios e linguagens participando e contribuindo para a construção transmidiática do mundo narrativo" (2009: 587).
  • 10. ENTENDAM! Não se trata de oferecer o mesmo conteúdo em diferentes plataformas de mídia, mas sim a experiência, construção de mundo, conteúdo desdobramento que geram as possibilidades para a história a evoluir com conteúdo novo e pertinente.
  • 11. • O filme rendeu US$ 4 milhões em bilheteria. As narrativas transmídia geraram uma receita de US$ 20 milhões
  • 12. “SINÔNIMOS” CONFUSOS Intermedia (Dick Higgins, 1966), multimídia (Bob Goldstein, 1966), cross-media (Paul Zazzera, 1999), o discurso multimodal (Gunther Kress eTheo van Leeuwen, 2001), superfictions (Peter Hill, 2001), múltiplas plataformas (Stephen JefferyPoulter, 2003), sangramento tela (Matt Hanson, 2003), ambiente narrativa em rede (Andrea Zapp, 2004), mundo transmedial (Lisbeth Klastrup and SusanaTosca, 2004), distributed narratives (Jill Walker, 2004), hybrid media (Jak Boumans, 2004), media mix (Mizuko Ito, 2005), cross-sited narratives (Marc Ruppel, 2005), deep media (Frank Rose, 2011).
  • 13. Transmedia storytelling, cross-media e multimídia Provavelmente os termos mais mencionados ao lado de NT são cross-media e multimídia. Eles realmente sinônimos? Não, definitivamente não, mas esta resposta não é unânime. A partir do prefixo cross, há a indicação de movimento, de ação através de algo, e ideia de interseção. Por isso, a palavra cross-media é comum. Uma variedade de meios que se cruzam entre si. OS SINÔNIMOS MAIS USADOS
  • 14. A CONFUSÃO... Cross-media são experiências interativas integradas que ocorrem em toda a mídia múltipla, com múltiplos autores e têm múltiplos estilos. O público se torna um papel ativo em uma experiência cross-media. O problema é que as experiências ocorrem em toda a Internet, vídeo e cinema, televisão eTV a cabo, dispositivos móveis, DVD, impressão e rádio. O aspecto de mídia da “experiência crossmedia” geralmente é algum nível de interatividade do público. (Davidson et al 2010:. 4)
  • 15. COMO DEVE FUNCIONAR Para além das confusões, existem várias características que podem ser rastreadas nas NT como, por exemplo, um tipo de comunicação que dirige o enredo do público de um meio para outro; a capacidade de construir o conteúdo através de uma variedade de meios de comunicação e a capacidade de existir não apenas pela justaposição de diferentes dispositivos e plataformas, mas para espalhar o objetivo comum sobre as diferentes plataformas ao longo de uma produção integrada.
  • 16. CARACTERÍSTICAS SEGUNDO JENKINS Embora a definição seja flexível, na maioria das vezes as narrativas transmídia incluem informações sobre uma chave da história em uma variedade de plataformas. Cada uma com o que faz de melhor. São múltiplos pontos de entrada na Storyworld e a oportunidade para ação coletiva, ao invés de consumo passivo.
  • 17. CASE A produção multiplataforma Diário de Sofia (2003) é um exemplo de sistema aberto NT. O projeto foi produzido em diferentes países (Portugal, Brasil, Reino Unido, EUA,Alemanha,Turquia,Vietnã, Chile etc.) MisturandoTV, Internet, celular e outros meios de comunicação, tais como livros e revistas. Sofia, a protagonista, é uma espécie de amiga virtual que interage com o público e permite as pessoas a participar da sua vida de alguma forma.
  • 18. ENVOLVIMENTO Qualquer trabalho único de mídia pode, em teoria, fazer uma platéia rir ou chorar. Mas como fazer uma audiência sentir-se diretamente envolvida nos eventos em uma história? Este é o poder de narrativa transmídia. (Phillips 2012: 5)
  • 19. AS CARACTERÍSTICAS DA NT Trabalho realizado por Renira Gambarazo em Workshop na UFMG outubro 2015. Mais informações acesse: http://talkingobjects.org/
  • 20. DIFERENÇA ENTRE INTERAÇÃO E PARTICIPAÇÃO Dica: tente pensar na influencia do resultado. O projeto ficou diferente ou não? O comentário influenciou em alguma coisa? Não?Tem um resultado que é diferente por aquilo que o usuário fez? Ex: Eastloshigh.com O projeto é para quem? Audiência – adolescentes! Quais são os temas: Universo do adolescente – gravidez, musica, dança, culinária. Qual a maneira clara de participação: Principal plataforma uma série deTV online (HULU) A série está na terceira temporada.
  • 21. PARTICIPAÇÃO Como as pessoas puderam participar desse projeto? Vários canais e a audiência foi convidada a se expressar. Foi perguntado: Quais assuntos vocês estão interessados? As pessoas foram dando seu input e os produtores foram olhando isso e passaram a definir quais eram os temas a partir do interesse da própria audiência (output). Alguém está ouvindo essa voz que está falando? Atribuem ao sucesso o fato de eles terem prestado atenção nos assuntos que eram de interesses dos latinos.
  • 22. MODELO ANALÍTICO DE NT Extraído do trabalho:https://talkingobjects.files.wordpress.com/2011/08/gambarato-ijep-full-text.pdf
  • 23. SÃO 10 TÓPICOS Por que analisar e categorizar? Temos a mania de aplicar conceitos e não categorizar.Assim, quando algo dá errado, não sabemos por onde começar. Analisar para entender o que funciona e o que não funciona. O que poderia ser feito então para resolver isso. Se preparando para fazer melhor. O que precisa ser alterado? Análise vai ajudar esse processo.
  • 24. TÓPICO 1 Premissa e propósito Esse projeto é sobre o que? Esse projeto é para que? É para fazer um marketing de produtos? É um projeto político? Projeto de entretenimento? Qual o propósito do projeto? É ficcional ou não ficcional ou projeto mixed? Qual o propósito fundamental?
  • 25. QUAIS são os elementos: Qual é o ponto. Fazer um resumo da história. Quais são os principais eventos. O que de mais importante está acontecendo? Qual é o espaço de tempo? (Hoje? fala do passado? quem vem do passado e vai lá para o futuro?) Janela de tempo. Existem elementos de gamificação envolvidos nessa história. Insere elementos de jogo? Emprega mecanismo de jogos em situações que não são jogos? Existe ganhar ou perder nesse projeto? Quais são as estratégicas para expandir (o que ajudou a expandir?) TÓPICO 2 Narrativa
  • 26. Criar estratégias para as pessoas irem lá! - Significa um gap (uma informação que está faltando).“Não entrega quem matou”. Quem é responsável por isso.As pessoas ficam com esse ar de mistério. Falta alguma coisa interessante que eu quero saber. Negative capability - pista que ajuda a audiência migrar de uma plataforma para outra. – pista mais simples que tem. (acesse nosso FB,Twitter...) – sair dali e ir para outra parte da história. EX: cartaz do filme IA (SUPERFAN) Migratory cues - Ex: Nos creditos “Terapeuta dos sentimento da máquina”.Tem um nome. e a pessoa tem curiosidade. – Jannine Sallas – tinha a página da universidade – professora universitária. TÓPICO 2 Narrativa - (cont)
  • 27. FOCANDO UM GRUPO DE PESSOAS MAIS INTERESSADAS e que essas sem passariam a falar sobre o projeto Existem referências como essa na história? Intermedialidade ou intertextualidade: Conversa entre dois textos. Diálogo. Um texto que faz referência a outro (propaganda que foi feita para o superbowlVW e menininho Dart Daver) https://www.youtube.com/watch?v=nBBHUjbliAk TÓPICO 2 Narrativa - (cont)
  • 28. Universo que abriga várias dimensões dessa grande história. Grande e robusta que se espalha. Universo. Construção do mundo. Hogwarts - quando a história ocorre? - Em que mundo essa história se passa? - Real? ficcional ou uma mistura? - como esse mundo é apresentado geograficamente? - qual a aparência desse mundo - é grande o suficiente para suportar essa expansão transmidiática? TÓPICO 3 Worldbuilding
  • 29. Quem são os personagens principais e segundários? A história tem uma spin off? Uma história principal que tem um personagem secundário e transforma esse, em protagonista na nova história. Personagem não é só o mocinho e o bandido Será que a gente pode considerar a audiência um personagem dessa história? TÓPICO 4 Personagens
  • 30. Extensão são os canais utilizados para contar essa história A série de televisão é uma extensão. (plataforma televisão). O aplicativo do celular (é uma extensão) Um livro é como uma extensão. Impresso ou e-book. (cada um tem uma plataforma diferente, mas cada uma tem uma extensão) Um livro impresso e um livro digital.Ambos são plataforma livro E-book é extensão internet e o livro impresso é extensão mídia impressa. A gente tem mais extensões que plataformas Internet é plataforma: blog é extensão TÓPICO 5 Extensões
  • 31. Quantas extensões tem o projeto? Elas expandem uma narrativa? Cada uma dessas extensões segue e dá continuidade para a história? Respeitar a lógica da história. Se o personagem tem filhos ele deve ter também em outras histórias. - Elas criam esse entusiasmo nas pessoas? Criam curiosidade? Ela enriquece? Social mídia. Qualquer projeto tem um perfil no FB. Mas são poucos projetos que fazem alguma coisa lá. -Tais extensões fazem algum sentido? Hoje em dia tudo é App, mas faz sentido ter? TÓPICO 5 Extensões
  • 32. Internet TV Rádio Mídia impressa Mídia móvel Roll out – uma linha do tempo que descreve quando cada extensão foi lançada. Primeiro lança o web site (vem ai o filme...) existe uma estratégia de roll out – o que vem antes, depois (1º aspecto – audiência - interesse. 2º lança o filme. TÓPICO 6 Plataforma de mídia
  • 33. Quem é o alvo do projeto? É um projeto local? internacional? De jovens? Crianças?Todos? Que tipo de usuários a gente tem? Estão mais interessados em ver tudo? O que interessa para essas pessoas? Que tipo de entretenimento? Que tipo de dispositivo eles usuam? (estamos adequados?) Business modelBusiness model Free Totalmente gratuito Premium paga para ter acesso ao aplicativotem que pagar tudo) Freemium paga para ter alguns upgrades - crowdfunding TÓPICO 7 Audiência e mercado
  • 34. TÓPICO 8 Interação, participação Conteúdo gerado pelo usuário: Nós temos, dentro do projeto, as condições para abraçar o conteúdo gerado pela audiência? Imersão (estar fisicamente participando) Extrability – camisas, canecas, elementos da história para incorporar no seu dia a dia (toys). Engajamento
  • 35. Quando a transmidiação começou? Esse projeto foi planejado para ser transmidiático? PROACTIVE – desde o começo pensado e planejado para ser transmidiático RE-ACTIVE – não foi planejado para ser, mais foi a posteriori. Depois do sucesso de um game ou um livro gera um projeto transmidiático. Eu tenho um documentário que é ligado a uma série de televisão, qual a estrutura básica desse projeto? Qual a primeira extensão. TÓPICO 9 Estrutura
  • 36. ESTÉTICA O projeto usa vídeo? foto? som? o que usa? estamos falando de uma estética relista? algum estilo de design específico? Ex: Série Madman (atmosfera dos anos 1960) investiu de maneira profunda no estilo da década de 60 em NY. Criaram uma coleção de roupas inspirada na série. Como o som funciona nesse projeto? Tipologia, elementos visuais e estéticos...