NATAL
 DE
 SOMBRAS
 
 
Passeio
 sozinha
 por
 uma
 rua
 cheia
 de
 luz
 
Observo
 pessoas
 ...
of 1

Natal sombras joana_serrano_12_1

Poema vencedor do concurso de "Poesias de Natal" promovido pela Biblioteca Escolar da Escola Secundária da Amadora, escola sede do Agrupamento de Escolas Pioneiros da Aviação Portuguesa.
Published on: Mar 3, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Natal sombras joana_serrano_12_1

  • 1.   NATAL  DE  SOMBRAS     Passeio  sozinha  por  uma  rua  cheia  de  luz   Observo  pessoas  que  entram  e  saem  de  lojas   Transportam    sacos  nas  mãos,  cheios  de  caixas   embrulhadas  com  papel  colorido  e  laços   Esperam  ansiosas  pelo  momento  em  que  as  entregam   e  observam  os  olhos  curiosos  de  quem  as  abre.     Não  sei,  na  realidade,  o  que  faço  aqui.   Sinto  nos  meus  bolsos  o  vazio  da  falta  de  dinheiro,   A  ausência  da  vontade  de  voltar  para  casa   Não  tenho  sacos  nas  mãos  e  o  coração,   esse  há  muito  que  se  esvaziou.   Há  muito  que  o  Natal  ganhou  um  significado  insignificante   Imagino,  porém,  uma  noite  feliz   e  tento,  contudo,  torná-­‐la  nisso   tento  dar-­‐lhe  alguma  luz,  algum  brilho,   um  pouco  de  magia.     Observo  as  pessoas,  agora  sentada   num  banco  frio,  calada   acompanhada  pela  solidão   e,  enquanto  passa  gente  iluminada,   sinto  uma  sombra  negra  mergulhada  na  solidão   ao  meu  redor,  à  minha  volta.   E  lembro  a  minha  infância  e  sinto  falta   Sinto  falta,  não  das  prendas  ou  da  fartura  da  ceia   De  que  a  minha  mesa  continua  cheia   Mas  da  união  e  do  amor   Sinto  falta  de  ter  todos  à  minha  volta   De  ter  todos  presentes,  desse  imenso  calor!     Quando  relembro,  não  lembro  a  riqueza   Mas  os  momentos  de  convívio   Em  que  o  meu  pai  lançava  as  suas  piadas   As  minhas  primas  brincavam   As  minhas  avós  e  a  minha  mãe  na  cozinha   cozinhavam  e  fritavam  sonhos.     Agora  tudo  não  passa  disso,   Um  meio  sonho   Acalentado  por  uma  pessoa  ingénua.   Essa  sou  eu...   E  vou  continuar  nesta  rua  da  Baixa   A  olhar  as  luzes  e  as  pessoas,   À  espera  que  volte  a  vontade  de  voltar  para  casa.   Maria  Magalhães