Políticas públicas que impactam o Agronegócio.Seminário ANCP – Ribeirão Preto/SP – 05/04/2013João Sampaio
Principais entraves para o sucesso do agronegócio brasileiro Fonte: Revista Exame (YOSHIDA, 2008). Entrevistados CEO...
Principais entraves que impactam o nosso negócio 1. Eficiência e Produtividade 2. Sanidade e qualidade 3. Investimentos e ...
1. Eficiência e Produtividade1. Uso mais eficiente de pastagens maior produção de carne por hectare Aumentar lotaçã...
2. Sanidade e Qualidade1. Febre Aftosa: Status sanitário – Febre Aftosa- Reconhe...
2. Sanidade e Qualidade• Estima-se que o Brasil perde cerca de US$ 16 bilhões devido restrições sanitárias.• Não há es...
3. Investimentos e Elevado Custo Operacional Negócio cíclico – ciclo do boi “Commoditizado” Intensivo em mã...
4. Política Fiscal e TrabalhistaLegislação trabalhista Setor emprega em torno de 1 milhão de trabalhadores no Brasil ...
4. Elevada Carga Tributária• Acúmulos de créditos de ICMS/PIS/COFINS das entradas, em razão de exportações, desoneraçõe...
4. Elevada Carga TributáriaRanking dos Países – Carga Tributária Tributação do Agronegócio% sobre o salário base U...
5. Inadequada Matriz de Transporte Ranking da Infraestrutura Mundial Os custos logísticos no Brasil representam 20% do...
5. Inadequada Matriz de Transporte Infraestrutura deficiente principalmente nas últimas fronteiras agrícolas do país e n...
5. Inadequada Matriz de Transporte• Excessivamente concentrada no modal rodoviário - +60 % do total das cargas movimentad...
5. Inadequada Matriz de Transporte Conteinerização – Crescimento TEU (milha...
6. Mudança Geográfica da Produção Boi: Migração para Norte e Centro-Oeste Fonte: ABIEC ...
6. Mudança Geográfica da Produção Indústria frigorífica: Ainda bastante presente no Centro Sul do país ...
7. Barreiras sanitárias e técnicas 1. BARREIRAS NÃO COMERCIAIS a. Lobby dos Produtores Locais dos Países Importadores, ...
7. Barreiras sanitárias e técnicas Participação do Brasil nos Maiores Mercados Importadores de Carne Bovina ...
7. Barreiras sanitárias e técnicas2. FRAGILIDADES NO BRASIL a. Falta da atualização da Legislação Brasileira – última re...
9. Sustentabilidade e Bem estar animal Evolução da produtividade ...
9. Sustentabilidade: Marfrig / McDonald’sFazenda da Marfrig escolhida pelo McDonald’s para sua nova campanha de marketing ...
10. Marketing e Imagem Tendências de consumo:• Migração de consumo para carnes brancas em países desenvolvidos• ...
of 22

Políticas Públicas que Impactam o Agronegócio

Palestra apresentada pelo João Sampaio, Vice-Presidente da Marfrig, no 19° Seminário Nacional de Criadores e Pesquisadores ANCP, no dia 05 de abril de 2013.
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Business      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Políticas Públicas que Impactam o Agronegócio

  • 1. Políticas públicas que impactam o Agronegócio.Seminário ANCP – Ribeirão Preto/SP – 05/04/2013João Sampaio
  • 2. Principais entraves para o sucesso do agronegócio brasileiro Fonte: Revista Exame (YOSHIDA, 2008). Entrevistados CEOs (Chief Executive Officer) de 121 das maiores empresas do agronegócio Brasileiro. 2
  • 3. Principais entraves que impactam o nosso negócio 1. Eficiência e Produtividade 2. Sanidade e qualidade 3. Investimentos e Elevado Custo Operacional 4. Políticas Fiscal e Trabalhista - Elevada Carga Tributária 5. Inadequada Matriz de Transporte 6. Mudança Geográfica da Produção 7. Barreiras sanitárias e técnicas 8. Câmbio 9. Sustentabilidade 10. Marketing e Imagem 3
  • 4. 1. Eficiência e Produtividade1. Uso mais eficiente de pastagens maior produção de carne por hectare Aumentar lotação depende de: - qualidade de forragem - manejo e reforma de pastagens2. Uso mais eficiente do rebanho maior produção de carne por cabeça Melhoria de índices zootécnicos: - Taxa de desfrute - Idade de abate SANIDADE - Peso de carcaça GENÉTICA - Taxa de fertilidade NUTRIÇÃO - Ganho de peso - Mortalidade 4
  • 5. 2. Sanidade e Qualidade1. Febre Aftosa: Status sanitário – Febre Aftosa- Reconhecer novas áreas livre sem vacinação é primordial- Expansão da área livre com vacinação2. BSE:- Status de risco negligenciável para BSE obtido em maio/2012 (e reafirmado em fevereiro/13) é essencial para consolidar a defesa sanitária brasileira3. Controle de resíduos e contaminantes4. Liberação do uso de Beta-agonistas EU Approved Zone5. Rastreabilidade6. Carne Ingrediente Carne culinária Carne GourmetPicados, moídos, food service Cortes e raças especiais, (-) valorizado Dia-a-dia natural, orgânica (+) valorizado 5
  • 6. 2. Sanidade e Qualidade• Estima-se que o Brasil perde cerca de US$ 16 bilhões devido restrições sanitárias.• Não há esforços efetivos para incremento das parcerias com as fronteiras, principalmente Bolívia, Paraguai e Venezuela.• A área de defesa e vigilância sanitária não aparece entre as principais da política agrícola por destinação de recursos. Conforme dados de execução orçamentária do Ministério da Fazenda, ao MAPA no ano passado foram destinados R$ 92 milhões para a rubrica Defesa Sanitária Animal. Outros R$ 14,6 milhões foram para Defesa Sanitária Vegetal e nada para a de Vigilância Sanitária.• O orçamento é baixo quando comparado ao potencial dos mercados que estão fechados a exportações brasileiras por problemas sanitários. Também é baixo em comparação ao que recebem os 4 grupos que, somados, concentram 89,14% dos recursos para a política agrícola. São eles: • Programa de Desenvolvimento da Economia Cafeeira (R$ 1,275 bilhão, equivalentes a 15,12% dos recursos para agricultura) • Programa Nacional de Agricultura Familiar Pronaf (R$ 1,782 bilhão, correspondentes a 21,13%) • Programa de Produção e Abastecimento Alimentar (de estoques, que recebeu R$ 2,874 bilhões ou 34,07%) • Apoio administrativo (custeio do Mapa, inclusive pessoal, que teve R$ 1,587 bilhão ou 18,82% dos recursos).
  • 7. 3. Investimentos e Elevado Custo Operacional Negócio cíclico – ciclo do boi “Commoditizado” Intensivo em mão-de-obra-Indústria Margens operacionais estreitas Alto grau de endividamento-Indústria Intensivo em Capital 7
  • 8. 4. Política Fiscal e TrabalhistaLegislação trabalhista Setor emprega em torno de 1 milhão de trabalhadores no Brasil CNI prevê que o setor terá que investir R$7 bilhões para se adaptar à NR 36 Pausa obrigatória de 20 minutos a cada 100 minutos de trabalho em salas climatizadas entre 12 e 14 graus. Readaptação das linhas com bancos e assentos ergonômicos Diferença de desgaste físico entre as jornadas em aves, suínos e bovinos. Equalização da NR com as exigências sanitárias e do SIF. Horas in itinere – as unidades industriais ficam longe das cidades e as empresas disponibilizam ônibus para transporte dos trabalhadores. Há um entendimento por parte da justiça condenando ao pagamento de horas extras o tempo do trajeto de ida e volta ao trabalho. 8
  • 9. 4. Elevada Carga Tributária• Acúmulos de créditos de ICMS/PIS/COFINS das entradas, em razão de exportações, desonerações no mercado interno (alíquota zero) para saídas de carnes e derivados e incentivos fiscais• Morosidade da RFB na liberação de Pedidos de Ressarcimento e da SEFAZ na homologação de créditos acumulados, com sérios prejuízos ao fluxo de caixa. (Glosas em processos de compensação de créditos, gerando contencioso lento e despendioso)• Alíquota de ICMS de 4% nas saídas de produtos importados (Resolução Senado nº 13/2012 - Guerra dos Portos)• PIS/COFINS importação• Reintegra• Decisões judiciais obtidas por produtores rurais pessoas físicas acerca do recolhimento do "Funrural"• Glosas de créditos de ICMS nas aquisições ou transferências interestaduais em situações relacionadas a Guerra Fiscal• Contribuição Previdenciária com base na Folha de Salários X Contribuição Previdenciária com base Receita Bruta (nova sistemática)• Políticas de Substituição Tributária e Antecipação Tributária de ICMS instituídas por vários Estados para centralizar a arrecadação e fiscalização do ICMS. 9
  • 10. 4. Elevada Carga TributáriaRanking dos Países – Carga Tributária Tributação do Agronegócio% sobre o salário base U$30 mil. Fonte: UHY EUA: 0,7%Brasil 57,56% Europa: 5,1%Itália 51,84% Brasil: 19%França 42,79%Eslováquia 35,20%República Checa 34,00%Espanha 33,40%Áustria 31,19%China 30,88%Japão 25,79%Alemanha 22,81%México 22,63%Rússia 21,06%Austrália 17,50%Holanda 16,22%Israel 14,07%Canadá 9,15%EUA 8,84%Índia 3,67%
  • 11. 5. Inadequada Matriz de Transporte Ranking da Infraestrutura Mundial Os custos logísticos no Brasil representam 20% do custo total do setor, enquanto nos EUA representam 10%. Temos um custo adicional de cerca de R$ 1 bi por ano. 11
  • 12. 5. Inadequada Matriz de Transporte Infraestrutura deficiente principalmente nas últimas fronteiras agrícolas do país e nosportos Alta concentração de transporte rodoviário 12
  • 13. 5. Inadequada Matriz de Transporte• Excessivamente concentrada no modal rodoviário - +60 % do total das cargas movimentadas no país. A malha nacional tem uma extensão total de 1,6 milhões de quilômetros. Destes, cerca de 200 mil (12%) são estradas pavimentadas. Estados Unidos têm mais de 6 milhões de quilômetros de estradas, 70% com asfalto.• Modal ferroviário responde por ~20% do transporte de cargas no país. Segundo a ANTT, metade da carga transportada é de minérios. O restante é composto, em geral, por produtos siderúrgicos. Em todo Brasil, são 28 mil quilômetros de malha ferroviária. Nos Estados Unidos, 10 vezes mais (280 mil). No Brasil, menos da metade da malha, 12 mil quilômetros, é usada com frequência. Nos Estados Unidos, tudo é usado.• Modal hidroviário é pouco expressivo, apesar de ser, segundo parâmetros mundiais, o modal que proporciona menor custo de frete. Em uma década, o volume de carga movimentada aumentou 75% e deve ultrapassar 1 bilhão de toneladas até 2014, segundo a Associação Brasileira dos Terminais Portuários (ABTP). Os portos brasileiros já operam no limite. 13
  • 14. 5. Inadequada Matriz de Transporte Conteinerização – Crescimento TEU (milhares) 14
  • 15. 6. Mudança Geográfica da Produção Boi: Migração para Norte e Centro-Oeste Fonte: ABIEC 15
  • 16. 6. Mudança Geográfica da Produção Indústria frigorífica: Ainda bastante presente no Centro Sul do país Situação agravada pela deficiência logística Fonte: ABIEC 16
  • 17. 7. Barreiras sanitárias e técnicas 1. BARREIRAS NÃO COMERCIAIS a. Lobby dos Produtores Locais dos Países Importadores, induzem as autoridades destes Países a adotar barreiras técnicas (em nome da saúde pública e / ou da saúde animal) b. Argumentações frágeis são impostas sem direito a um aprofundamento técnico das situações levantadas c. Desabilitações de Países e/ou Estados e/ou Plantas são feitas em condições as vezes misteriosas d. Dificuldade de negociar com Países que não pertencem a OMC – Organização Mundial do Comércio, pois adotam regras unilaterais – as quais são mutáveis a qualquer momento e. Cartel de Importadores induzem as autoridades de alguns Países Importadores f. Morosidade (as vezes anos) do processo de habilitação de Países Produtores g. Imposição de burocracias adicionais no processo de Licenças de Importação implicam na inviabilização de negócios h. Cotas de Importação usadas como “moeda de negociação”, adicionando custos ao processo 17
  • 18. 7. Barreiras sanitárias e técnicas Participação do Brasil nos Maiores Mercados Importadores de Carne Bovina 18
  • 19. 7. Barreiras sanitárias e técnicas2. FRAGILIDADES NO BRASIL a. Falta da atualização da Legislação Brasileira – última revisão efetuada nos anos 70 b. Dificuldade de introdução de novas tecnologias mundiais em função da legislação atual e da falta de estrutura para avaliação c. Falta de concurso público para repor profissionais do Governo que se aposentam e também para atender a demanda crescente de produção d. Modelo de gestão pública não atende mais as demandas do mercado: seja em velocidade, capacitação técnica e quantidade numérica e. A chamada “ditadura dos técnicos” impera sobre as boas práticas mundiais e o bom senso de gestão f. Falta de orçamento governamental em valores mínimos necessários impede a evolução técnica e aspectos preventivos a serem efetivados g. Falta de adidos agrícolas do Brasil nos Países Importadores dificulta a obtenção de oportunidades que surgem diariamente em detrimento a outros Países Produtores h. Adoção de linha de Saúde Animal deveria transcender as fronteiras do Brasil através de uma Política Preventiva com todos os Países Vizinhos da América do Sul i. Participar do Mercosul, em alguns aspectos, impede sua evolução com acordos bilaterais mais importantes para o Brasil 19
  • 20. 9. Sustentabilidade e Bem estar animal Evolução da produtividade 179,0 1,30 178,0 1,20 177,0 1,10 176,0 1,00 175,0 0,90 174,0 0,80 173,0 0,70 Pasture area (million hectares) Cattle occupation (heads/hectare) 20
  • 21. 9. Sustentabilidade: Marfrig / McDonald’sFazenda da Marfrig escolhida pelo McDonald’s para sua nova campanha de marketing 21
  • 22. 10. Marketing e Imagem Tendências de consumo:• Migração de consumo para carnes brancas em países desenvolvidos• Consumo diretamente ligado ao aumento de renda em países em desenvolvimento• Saúde, bem estar, alimentos mais saudáveis e convenientes Ligação entre Pecuária e Desmatamento Imagem do Brasil no exterior como grande exportador de alimentos 22

Related Documents