O vampiro estendeu as mãos depressa, em direção a o pescoço dela.. Pelo visto, ele ...
Alma?_5a.indd 2 11/01/13 18:17
Gail Carriger ALMA? O protetorado da sombrinha: o primeiro livro ...
Copyright © 2009 by Tofa Borregaard Publicado mediante contrato com Little, Brown and Company, Nova...
Agradecimentos Meus mais profundos agradecimentos às senhoras do WCWC e às suas Canet...
Alma?_5a.indd 6 11/01/13 18:17
ALMA?Alma?_5a.indd 7 11/01/13 18:17
Alma?_5a.indd 8 11/01/13 18:17
Capítulo 1 Em que a Sombrinha Demonstra sua Utilidade A srta. Alexia Ta...
10 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha aquele sujeito nem se te...
11 Alma? O Primeiro Livro italiana, dedicara-s...
12 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha A moça ficou pasma. O...
13 Alma? O Primeiro Livro jovem se desequilibr...
14 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha Em seguida, a srta....
15 Alma? O Primeiro Livro incidente com o porco-e...
16 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha — Pouquíssimo estrag...
17 Alma? O Primeiro Livro — Bom, sabe, é ...
18 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha — A inanição explica...
19 Alma? O Primeiro Livro um sujeito daquele...
20 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha A srta. Tarabotti t...
21 Alma? O Primeiro Livro O conde correu...
22 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha — Alexia! — Fora um r...
23 Alma? O Primeiro Livro O professor anui...
24 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha O professor tirou os ...
25 Alma? O Primeiro Livro — Tentaremos manter...
26 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha deferência. Já tratara d...
27 Alma? O Primeiro Livro — E, além disso, é...
of 27

Primeiro Capítulo

Published on: Mar 4, 2016
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Primeiro Capítulo

  • 1. O vampiro estendeu as mãos depressa, em direção a o pescoço dela.. Pelo visto, ele concluíra que, como não podia sugar o sangue da moça, estrangulá-la seria uma alternativa razoável. A srta. Tarabotti recuou e, ao mesmo tempo, fincou o palito de cabelo na pele branca da criatura. O prendedor penetrou apenas um centímetro. O vampiro reagiu com um meneio frenético, que, mesmo sem o uso de sua força descomunal, fez a jovem se desequilibrar nos sapatos altos de veludo. Ela retrocedeu. Ele ficou parado, urrando de dor, com o objeto parcialmente cravado no peito. Então, a srta. Tarabotti tateou em busca da sombrinha, procurando-a atabalhoadamente em meio às iguarias esparramadas, torcendo para que não sujassem seu vestido novo. Encontrou-a e, enquanto se endireitava, fez um amplo movimento circular com ela. Por puro acaso, a pesada ponteira da sombrinha bateu na ponta do palito de madeira, fazendo-o penetrar direto no coração do vampiro. A criatura ficou paralisada, com expressão de total assombro no rosto bonito. Então, caiu para trás, em cima da torta de melado já destroçada, tombando feito um aspargo mole, cozido demais. Seu rosto cor de alabastro adquiriu um tom amarelo-acinzentado, como se ele estivesse com icterícia; em seguida, o ser ficou imóvel. Os livros da srta. Tarabotti davam o nome de inanimação a esse fim do ciclo de vida de um vampiro. Como ela achou aquela cena muito parecida com um suflê murchando, resolveu naquele momento passar a chamá-lo de Grande Colapso.Alma?_5a.indd 1 11/01/13 18:17
  • 2. Alma?_5a.indd 2 11/01/13 18:17
  • 3. Gail Carriger ALMA? O protetorado da sombrinha: o primeiro livro Tradução FLÁVIA CARNEIRO ANDERSON RIO DE JANEIRO, 2013 1a EDIÇÃOAlma?_5a.indd 3 11/01/13 18:17
  • 4. Copyright © 2009 by Tofa Borregaard Publicado mediante contrato com Little, Brown and Company, Nova York, NY EUA. , TÍTULO ORIGINAL Soulless CAPA Diana Cordeiro FOTO DE CAPA Getty Images Foto da modelo gentilmente cedida por Donna Ricci, Clockwork Couture DIAGRAMAÇÃO Impresso no Brasil Printed in Brazil 2013 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ C312a Carriger, Gail Alma? / Gail Carriger; tradução de Flávia Carneiro Anderson. - Rio de Janeiro: Valentina, 2013. 308p. : 23 cm. (O protetorado da sombrinha; 1) Tradução de: Soulless ISBN 978-85-65859-04-2 1. Ficção fantástica inglesa. I. Anderson, Flávia Carneiro. II. Título. III. Série. CDD: 823 12-9387. CDU: 821.111-3 Todos os livros da Editora Valentina estão em conformidade com o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Todos os direitos desta edição reservados à EDITORA VALENTINA Rua Santa Clara 50/1107 – Copacabana Rio de Janeiro – 22041-012 Tel/Fax: (21) 3208-8777 www.editoravalentina.com.brAlma?_5a.indd 4 11/01/13 18:17
  • 5. Agradecimentos Meus mais profundos agradecimentos às senhoras do WCWC e às suas Canetas Implacáveis, multicoloridas: sua crítica resulta em sabedoria e, tomara, muito chá. Aos meus pais, que tiveram a excelente ideia de recompensar bons comportamentos com idas à livraria. E também a G e E: pessoas de boas vibrações e patronos da fera escrevinhadora, por mais diabólica que ela seja.Alma?_5a.indd 5 11/01/13 18:17
  • 6. Alma?_5a.indd 6 11/01/13 18:17
  • 7. ALMA?Alma?_5a.indd 7 11/01/13 18:17
  • 8. Alma?_5a.indd 8 11/01/13 18:17
  • 9. Capítulo 1 Em que a Sombrinha Demonstra sua Utilidade A srta. Alexia Tarabotti não estava se divertindo naquela noite. Os bailes da sociedade não passavam de distrações medíocres para soltei- ronas e, embora ela fosse uma delas, não era do tipo que via graça neles. Então, quando fora para a biblioteca, seu refúgio favorito em qualquer residência, a cereja que faltava no bolo: deparara com um vampiro. Ela o fuzilara com os olhos. O vampiro, por sua vez, deixara claro que aquele encontro tornara a festa bem mais interessante, pois ali estava aquela mulher, sozinha, com um vestido de gala decotado. Ocorre que, naquela situação específica, o que ele ignorava poderia ser sua derrocada. A srta. Tarabotti nascera sem alma, e qualquer vampiro de boa linhagem sabia que uma dama assim devia ser evitada a qualquer custo. Não obstante, ele se aproximou dela, surgindo das sombras da biblio- teca com as presas prontas para entrar em ação. Mas, assim que tocou nela, viu-se misteriosamente paralisado. Ficou ali inerte, ao som distante de um quarteto de cordas, buscando sem sucesso, com a língua, as presas que haviam sumido de forma inexplicável. A srta. Tarabotti não ficou nem um pouco surpresa; a ausência de alma tinha o poder de neutralizar as forças sobrenaturais. Ela lançou um olhar sisudo para o vampiro. Sem dúvida alguma a maioria dos mortais a veria apenas como uma típica inglesa arrogante; contudo, como era possívelAlma?_5a.indd 9 11/01/13 18:17
  • 10. 10 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha aquele sujeito nem se ter dado ao trabalho de checar a lista oficial de aber- rações de Londres e arredores? A criatura recobrou depressa a compostura. Mas, quando se afastou da srta. Tarabotti, derrubou o carrinho de chá perto de si. Assim que deixou de tocá-la, suas presas reapareceram. Pelo visto, não eram das mais afiadas. Ele, então, deu um bote de serpente, tentando mordê-la de novo. — Mas que topete! — exclamou a moça. — Ainda nem fomos apresentados! Jamais um vampiro tentara mordê-la. Ela conhecia alguns apenas pela reputação, claro, e era amiga de Lorde Akeldama. Mas, também, quem não era amigo de Lorde Akeldama? Só que nunca antes um vampiro tentara se alimentar dela! Então, apesar de abominar a violência, a srta. Tarabotti se viu obrigada a agarrar as narinas do degenerado — uma parte delicada e sensível do corpo — e a empurrá-lo. Ele tropeçou no carrinho de chá derrubado, perdeu o equilíbrio de um jeito surpreendentemente deselegante para um vampiro e despencou no chão. Caiu estatelado em cima da bandeja com torta de melado. A jovem sentiu grande desânimo. Adorava torta e viera ansiando co- mer justamente aquela, inteirinha. Pegou a sombrinha. Não era de bom- tom usá-la em um baile da sociedade, mas quase nunca saía sem levá-la. Ela própria a idealizara: preta, componentes de bronze, ponteira de prata em forma de cápsula, babados e amores-perfeitos de cetim, de tom roxo, com bordados aqui e ali. A srta. Tarabotti a usou para golpear o vampiro bem em cima da ca- beça, enquanto ele tentava se desvencilhar do contato íntimo que acabara de travar com o carrinho de chá. A cápsula deu lastro suficiente à sombri- nha de bronze para que provocasse um baque bastante satisfatório. — Comporte-se! — advertiu ela. O vampiro urrou de dor e caiu de novo na torta de melado. A jovem aproveitou a oportunidade e o golpeou com força entre as pernas. O uivo vampiresco aumentou, e a criatura se encolheu em posição fetal. A moça, uma jovem inglesa digna, apesar de não ter alma e ser meioAlma?_5a.indd 10 11/01/13 18:17
  • 11. 11 Alma? O Primeiro Livro italiana, dedicara-se, ao contrário de outras moças, a longas caminhadas e cavalgadas, o que a deixara mais forte do que se imaginava. Ela deu um salto à frente — tão grande quanto alguém poderia com três camadas de anáguas, anquinhas drapeadas e saia de tafetá plissado — e se inclinou sobre o vampiro. Ele continuava a se contorcer, segurando as partes íntimas. Embora a dor não devesse se prolongar por muito tempo, em virtude do poder de recuperação sobrenatural dos vampiros, naquele momento ele sofria bastante. A srta. Tarabotti tirou o longo palito de madeira que sustentava seu pen- teado esmerado. Enrubescendo ante a própria ousadia, rasgou a camisa dele, por sinal, vulgar e engomada demais, e deu uma espetada no peito, em cima do coração. Aquele palito de cabelo era bem comprido e pontudo. Com a mão livre, ela fez questão de tocar no peito dele, pois somente por meio de contato físico conseguiria anular os poderes sobrenaturais do sujeito. — Pare já com essa gritaria horrorosa — ordenou ela à criatura. O vampiro parou de grunhir e ficou imóvel. Seus lindos olhos azuis se marejaram um pouco enquanto ele fitava o palito de madeira, ou, como a srta. Tarabotti gostava de chamá-lo, a estaca de cabelo. — Faça o favor de se explicar! — exigiu a moça, pressionando-o mais. — Mil perdões. — O vampiro pareceu confuso. — Quem é a senho- rita? — Ele procurou as presas, com hesitação. Tinham sumido. Para deixar bem clara sua posição, parou de tocá-lo (mantendo, no entanto, o palito de cabelo no mesmo lugar). As presas dele ressurgiram. Ele abafou um grito de assombro. — O que é a fenhorita? Penfei que fôfe uma dama, folitária. Eu teria o direito de me alimentar, pois a deifaram fó, por pura neglivênfia. Creia-me, não foi de propófito — ceceou ele com as presas, o pânico transparecendo nos olhos. Contendo-se para não rir do ceceio, a srta. Tarabotti disse: — Não precisa fazer tanto drama. Tenho certeza de que sua abelha- rainha já lhe falou sobre a minha espécie. — Ela voltou a tocar no peito dele. Os caninos do vampiro se retraíram. Ele a encarou como se um bigode animalesco tivesse crescido no rosto da srta. Tarabotti e ela houvesse rosnado para ele.Alma?_5a.indd 11 11/01/13 18:17
  • 12. 12 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha A moça ficou pasma. Os sobrenaturais, fossem eles vampiros, lobiso- mens ou fantasmas, só existiam em virtude da superabundância de almas, um excedente que se recusava a morrer. A maioria sabia que havia outros como ela, que nasciam totalmente sem alma. O renomado Departamento de Arquivos Sobrenaturais (DAS), um setor da Administração Civil de Sua Majestade, denominava seu tipo preternatural. A srta. Tarabotti achava a expressão digna. Já os termos usados pelos vampiros para designar gente como ela eram bem menos lisonjeiros. Afinal de contas, tinham memória longa e haviam sido caçados pelos preternaturais. Se por um lado os sim- ples mortais eram mantidos no escuro, por assim dizer, por outro, qual- quer vampiro digno de respeito tinha obrigação de reconhecer o toque de um preternatural. A ignorância daquele podia ser considerada inaceitável. A srta. Tarabotti informou, como se ele fosse uma criancinha: — Eu sou preternatural. O vampiro pareceu constrangido. — Claro que sim — concordou, sem cecear mais e sem compreender bem o que ela dissera. — Minhas sinceras desculpas, formosa dama. Estou deveras encantado em conhecê-la. A senhorita é minha primeira — hesi- tou em pronunciar a palavra — preternatural. — Em seguida, franziu o cenho. — Nem sobrenatural, nem natural, claro! Que tolice a minha não perceber a dicotomia. — Ele semicerrou os olhos, com malícia. Passou a ignorar, deliberadamente, o palito de cabelo e a olhar com ternura para a srta. Tarabotti. A moça tinha plena consciência de seus atrativos femininos. Pode- ria, no máximo, esperar ser chamada de “exótica” mas jamais de “for- , mosa” Não que já tivesse recebido esses elogios antes. Ela concluiu que . os vampiros, como quaisquer predadores, usavam todo o seu charme quando acuados. O vampiro estendeu as mãos depressa, em direção ao pescoço dela. Pelo visto, ele concluíra que, como não podia sugar o sangue da moça, estrangulá-la seria uma alternativa razoável. A srta. Tarabotti recuou e, ao mesmo tempo, fincou o palito de cabelo na pele branca da criatura. O prendedor penetrou apenas um centímetro. O vampiro reagiu com um meneio frenético, que, mesmo sem o uso de sua força descomunal, fez aAlma?_5a.indd 12 11/01/13 18:17
  • 13. 13 Alma? O Primeiro Livro jovem se desequilibrar nos sapatos altos de veludo. Ela retrocedeu. Ele fi- cou parado, urrando de dor, com o objeto parcialmente cravado no peito. Então, a srta. Tarabotti tateou em busca da sombrinha, procurando-a atabalhoadamente em meio às iguarias esparramadas, torcendo para que não sujassem seu vestido novo. Encontrou-a e, enquanto se endireitava, fez um amplo movimento circular com ela. Por puro acaso, a pesada pon- teira da sombrinha bateu na ponta do palito de madeira, fazendo-o pene- trar direto no coração do vampiro. A criatura ficou paralisada, com expressão de total assombro no rosto bonito. Então, caiu para trás, em cima da torta de melado já destroçada, tombando feito um aspargo mole, cozido demais. Seu rosto cor de alabastro adquiriu um tom amarelo-acinzentado, como se ele estivesse com icterícia; em seguida, o ser ficou imóvel. Os livros da srta. Tarabotti davam o nome de inanimação a esse fim do ciclo de vida de um vampiro. Como ela achou aquela cena muito parecida com um suflê murchando, resolveu naquele momento passar a chamá-lo de Grande Colapso. Ela pretendia sair de fininho do recinto, sem que ninguém tomasse co- nhecimento de sua presença. Com isso deixaria para trás seu melhor palito de cabelo e o tão merecido chá, além de uma boa dose de drama. Mas, infeliz- mente, alguns jovens dândis resolveram entrar naquele exato momento. O que aqueles sujeitos vestidos daquele jeito pretendiam fazer na biblioteca era uma incógnita. A srta. Tarabotti supôs que tinham se perdido enquanto procuravam o salão de jogos. Fosse como fosse, a presença deles obrigou-a a fingir que ela, também, tinha acabado de encontrar o vampiro morto. En- colhendo os ombros, resignada, a srta. Tarabotti deu um grito e desmaiou. Continuou desacordada, com determinação, apesar de lhe administra- rem grande quantidade de sais aromáticos — o que fez seus olhos lacri- mejarem muito —, da câimbra na parte posterior do joelho e de o novo vestido de baile estar ficando todo amassado. As várias camadas de bainhas verdes, em tons brilhantes, que estavam no auge da moda, para comple- mentar o corpete de couraça, tombavam no anonimato, amarrotadas sob o peso de seu corpo. Seguiu-se a inevitável algazarra: gritaria e grande alvoroço, juntamente com os tinidos barulhentos provocados por uma das criadas, que ajeitava a louça e as iguarias esparramadas.Alma?_5a.indd 13 11/01/13 18:17
  • 14. 14 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha Em seguida, a srta. Tarabotti escutou o som que, por um lado, meio que previra e, por outro, receara. Uma voz autoritária expulsou tanto os dândis quanto os demais curiosos, que haviam ido até lá assim que ficaram sabendo da cena dramática. Em um tom que não dava margem a protestos, o sujeito bradou um “saiam daqui” para que pudesse “se inteirar dos detalhes com a moça” . Faz-se silêncio no ambiente. — Escute bem. Vou recorrer a algo bem mais forte do que sais aromá- ticos — resmungou ele à orelha esquerda da jovem. O tom de voz era baixo, com leve sotaque escocês. Teria provocado calafrios e primitivos pensamen- tos simiescos sobre luares e longas fugas na srta. Tarabotti, tivesse ela alma. Em vez disso, fez com que a moça suspirasse, exasperada, e se sentasse. — Boa noite para o senhor também, Lorde Maccon. O clima está ótimo para esta época do ano, não está? — Ela levou as mãos aos cabe- los, que ameaçavam despencar sem o palito no lugar certo. Procurou disfarçadamente o professor Lyall, segundo em comando de Lorde Conall Maccon. Este costumava ficar bem mais calmo quando o seu Beta estava por perto. A srta. Tarabotti já percebera que aquele devia ser o principal papel de um número dois, sobretudo de um que fosse ligado a Lorde Maccon. — Ah, que bom vê-lo de novo, professor Lyall — pros- seguiu ela, sorrindo, aliviada. O Beta em questão, professor Lyall, era um sujeito magro e alourado, bem-humorado, de idade indeterminada, tão agradável quanto o Alfa se mostrava carrancudo. Deu um largo sorriso e cumprimentou-a, tirando o chapéu, de tecido clássico e modelagem impecável. Sua gravata plastrom era igualmente discreta, pois, embora tivesse sido feita com destreza, o modelo do nó era modesto. — Srta. Tarabotti, é uma satisfação desfrutar de sua companhia outra vez — disse, em tom de voz suave e delicado. — Pare de adular a moça, Randolph — repreendeu-o Lorde Maccon. O quarto Conde de Woolsey era bem mais alto que o professor Lyall e andava quase sempre de cenho franzido. Ou, ao menos, parecia manter uma eterna expressão carrancuda na presença da srta. Tarabotti, desde oAlma?_5a.indd 14 11/01/13 18:17
  • 15. 15 Alma? O Primeiro Livro incidente com o porco-espinho (que, sinceramente, não ocorrera por culpa dela). Tinha olhos de tom castanho-amarelado incrivelmente belos, cabelos castanho-avermelhados e nariz muito bem-feito. Naquele momento, fuzi- lava a moça com os olhos a uma distância escandalosamente curta. — Por quê, srta. Tarabotti, sempre que eu chego para resolver uma de- sordem numa biblioteca, a senhorita está envolvida? — perguntou o conde. Ela lançou-lhe um olhar ferino e alisou a parte frontal do vestido de tafetá verde, procurando alguma mancha de sangue. Lorde Maccon observou-a, com admiração. A srta. Tarabotti podia ter uma visão crítica do próprio rosto sempre que se olhava no espelho de manhã, mas não havia nada de errado com sua aparência. O conde só deixaria de notar esse detalhe tentador se tivesse bem menos alma e dese- jos sexuais. Mas é óbvio que ela sempre estragava o momento sedutor ao abrir a boca. Na humilde opinião dele, ainda estava por nascer uma mu- lher mais irritantemente tagarela. — Louvável, porém desnecessária — comentou Lorde Maccon, refe- rindo-se à tentativa da moça de remover manchas inexistentes. A srta. Tarabotti lembrou-se de que ele e sua espécie exibiam um grau de civilidade ínfimo. Não se podia esperar muito deles, ainda mais em cir- cunstâncias tão delicadas como aquelas. Naturalmente, o professor Lyall era uma honrosa exceção à regra, sempre bastante refinado. Ela olhou-o de soslaio, com admiração. Lorde Maccon franziu ainda mais o cenho. Naquele caso, a falta de civilidade era só do conde, mesmo. De acordo com os boatos, ele vivia em Londres havia relativamente pouco tempo — viera da Escócia, dentre todos os lugares mais primitivos. O professor deu uma leve tossida para chamar a atenção do Alfa. Os olhos castanho-amarelados do conde o fitaram com tanta intensidade que deveriam ter queimado. — O que foi? O Beta se curvara sobre o vampiro e passara a examinar o palito de cabelo com interesse. Apalpou o ferimento, com a mão envolta em um lenço impecavelmente branco.Alma?_5a.indd 15 11/01/13 18:17
  • 16. 16 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha — Pouquíssimo estrago, na verdade. Quase não há respingos de san- gue. — Ele se inclinou e respirou fundo. — Sem dúvida alguma West- minster — concluiu. O Conde de Woolsey pareceu entender. Dirigiu o olhar penetrante ao vampiro morto. — Devia estar faminto. O professor virou o corpo. — O que foi que aconteceu aqui? — O Beta pegou uma série de pequenas pinças de madeira no bolso do colete e, com uma delas, exami- nou a parte de trás da calça do vampiro. Em seguida, fez uma pausa, vas- culhou de novo os próprios bolsos e tirou um estojinho de couro. Abriu-o com um clique e pegou um dispositivo estranhíssimo, similar a um par de óculos de proteção. O objeto era dourado, com lentes múltiplas em um dos lados, entre as quais parecia haver algum tipo de líquido. Vinha tam- bém equipado com uma série de botões e mostradores. Após colocar a geringonça ridícula no nariz, o professor se inclinou de novo sobre o vampiro, girando os mostradores com habilidade. — Pelo amor de Deus — exclamou a srta. Tarabotti —, o que é isso na sua cara? Mais parece uma mistura falsificada de binóculo com vários óculos de ópera. Qual é o nome desse troço, binóptico ou lunetoscópio? O conde deixou escapar uma risadinha, mas, em seguida, tentou fingir que não o fizera. — O que acha de lunóticos? — sugeriu, não podendo resistir a dar um palpite. Seus olhos brilharam de tal forma quando ele o disse, que a srta. Tarabotti ficou meio desconcertada. O professor desviou os olhos de seu objeto de estudo e encarou os dois. Seu olho direito se mostrou terrivelmente ampliado. Uma visão tão grotesca que a moça teve um sobressalto involuntário. — São minhas lentes monoculares de ampliação cruzada, com dispo- sitivo modificador de espectro, de valor inestimável. Agradeço se não zom- barem delas tão escancaradamente. — Ele voltou a se concentrar na tarefa. — Ah. — A srta. Tarabotti ficou bastante impressionada. — Como funcionam? O professor a olhou, de súbito, animado.Alma?_5a.indd 16 11/01/13 18:17
  • 17. 17 Alma? O Primeiro Livro — Bom, sabe, é muito interessante mesmo. Quando se gira esse bo- tãozinho aqui, a distância entre essas duas placas de vidro muda, permi- tindo que o líquido... Um resmungo do conde o interrompeu. — Não o encoraje, srta. Tarabotti, ou passaremos a noite inteira aqui. Meio desapontado, o professor dirigiu a atenção outra vez ao corpo do vampiro, parecendo desconfiado. — Mas, afinal, que substância é essa espalhada na roupa dele? O chefe, optando pela abordagem direta, fechou a cara de novo e lan- çou um olhar acusatório para a srta. Tarabotti. — Mas que diabo é essa gosma? — Ah, infelizmente, torta de melado. Uma perda trágica, ouso dizer — respondeu a moça. Seu estômago escolheu aquele exato momento para roncar, concordando. Ela teria corado de vergonha, de um jeito gracioso, se não tivesse a tez dos “italianos pagãos”, que, como dizia a mãe, nunca enrubes- ciam, com ou sem garbo. (Tentar convencer a progenitora de que, na verdade, o cristianismo se originara na Itália, o que tornava o povo italiano oposto aos pagãos, era uma perda de tempo e fôlego.) A srta. Tarabotti recusou-se a la- mentar a impetuosidade de seu estômago e encarou desafiadoramente Lorde Maccon. Fora por causa da fome que saíra de fininho, mais cedo. Sua mãe garantira que haveria o que comer no baile. Entretanto, quando chegaram lá, só viram uma tigela de ponche e um punhado de agrião murcho. Como nun- ca fora do tipo que deixava o estômago levar a melhor, a srta. Tarabotti pedira chá e lanche ao mordomo e se dirigira à biblioteca. Considerando que quando ia a um baile costumava se esconder nos arredores da pista de dança, tentando deixar claro que não desejava ser tirada para dançar valsa, o chá podia ser en- carado como uma alternativa bem-vinda. Embora fosse deselegante fazer esse tipo de pedido aos criados dos outros, quando a pessoa recebia promessas de sanduíches e deparava apenas com um punhado de agrião, o jeito era ela re- solver o assunto à sua moda! O professor, homem bondoso, tagarelava ao léu, fingindo não perceber o ronco de seu estômago. Embora o houvesse percebido, claro. Escutava muito bem. Por sinal, todos tinham escutado. Ele ergueu os olhos, o rosto totalmente distorcido por causa dos lunóticos.Alma?_5a.indd 17 11/01/13 18:17
  • 18. 18 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha — A inanição explicaria por que o vampiro entrou em desespero a ponto de atacar a srta. Tarabotti num baile, em vez de ir aos cortiços, como fazem os mais espertos em situação de penúria. A srta. Tarabotti fez uma careta. — Tampouco pertencia a uma colmeia. Lorde Maccon arqueou uma das sobrancelhas escuras, deixando claro que não estava impressionado. — E como sabe disso? — perguntou o conde à preternatural. O professor explicou: — Não precisa ser tão direto com a moça. Uma abelha-rainha jamais permitiria que um membro de sua prole ficasse tão esfomeado. É provável que este fosse um errante, completamente desgarrado da colmeia local. A srta. Tarabotti se levantou, mostrando ao conde que desmaiara com todo o conforto numa almofada de sofá, caída no chão. Ele deu um largo sorriso, mas fechou a cara assim que a moça o olhou com desconfiança. — Tenho outra teoria. — Ela apontou para as roupas da criatura. — Um nó de gravata plastrom malfeito e uma camisa barata? Nenhuma colmeia digna de respeito permitiria que uma larva dessas saísse em público sem trajes apropriados. É surpreendente que ele não tenha sido barrado na entrada. O lacaio da duquesa deveria ter reparado nesse plastrom antes mes- mo que o indivíduo entrasse na fila, e o expulsado à força. Suponho que cada dia esteja mais difícil encontrar empregados competentes, com os melhores se tornando zangões, mas uma camisa dessas! O Conde de Woolsey a encarou. — Roupas baratas não são desculpa para cometer homicídio. — Hã, é o que o senhor pensa. — A srta. Tarabotti analisou a camisa de corte impecável de Lorde Maccon e o laço primoroso de sua gravata plastrom. O cabelo escuro estava um pouco longo e desalinhado demais para atender aos ditames da moda e o rosto, mal barbeado, mas ele era al- tivo o bastante para manter aquela rudeza de proletário sem parecer desma- zelado. A jovem tinha certeza de que o nó de sua gravata de lã escocesa, em tons de preto e prateado, havia sido dado a duras penas. Era bem provável que ele gostasse de andar sem camisa pela casa. O pensamento provocou- lhe um arrepio como jamais sentira antes. Devia ser bastante difícil manterAlma?_5a.indd 18 11/01/13 18:17
  • 19. 19 Alma? O Primeiro Livro um sujeito daqueles asseado. Sem falar bem-vestido. Era mais alto e forte que a maioria dos homens. A srta. Tarabotti precisava dar crédito ao criado pessoal dele, que, na certa, devia ser um zelador muito tolerante. Lorde Maccon costumava ser bastante paciente. Como a maioria de sua espécie, tinha aprendido a sê-lo no convívio com a sociedade refinada. Entretanto, a srta. Tarabotti parecia trazer à tona seus piores instintos animais. — Pare de tentar mudar de assunto — disse o conde, exasperado e incomodado com o olhar perscrutador da moça. — Conte o que aconte- ceu. — Ele assumiu a expressão de dirigente do DAS, pegou um tubinho de metal, uma pena e um frasco de líquido transparente. Em seguida, desenrolou o tubo com um pequeno dispositivo acionado por manivela, abriu a tampa do frasco e mergulhou a pena ali. O líquido crepitou de forma ameaçadora. A srta. Tarabotti se indignou com seu jeito despótico. — Não venha me dar ordens nesse tom de voz, seu... — ela procurou uma expressão particularmente insultante — …cachorro! Felizmente não faço parte da sua matilha. Lorde Conall Maccon, o Conde de Woolsey, era o Alfa dos lobisomens da região e, portanto, tinha acesso a uma ampla gama de métodos extre- mamente cruéis de lidar com a srta. Tarabotti. Em vez de recuar ante o insulto dela (cachorro, mesmo!) ele lançou mão de sua arma mais ofensiva, desenvolvida após décadas de experiência com várias lobas Alfas. Podia ser escocês, mas isso só o tornava mais preparado para lidar com fêmeas de temperamento forte. — Pare de brincar com as palavras à minha custa, madame, ou me verei obrigado a ir procurar sua mãe no salão de baile e trazê-la aqui. A moça torceu o nariz. — Hã, era só o que faltava! Isso não é jogar limpo. Quanta crueldade gratuita — censurou-o. A mãe dela não sabia que tinha uma filha preter- natural. A sra. Loontwill, sobrenome que adquirira após se casar de novo, tendia demais à frivolidade em qualquer situação. Era propensa a ataques de histeria e a usar amarelo. Fazê-la se confrontar com um vampiro mor- to e a verdadeira identidade da filha podia ser considerado uma receita perfeita para o desastre, em todos os sentidos.Alma?_5a.indd 19 11/01/13 18:17
  • 20. 20 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha A srta. Tarabotti tinha sido informada de sua condição de preternatural aos seis anos de idade, por um gentil cavalheiro de cabelos grisalhos e ben- gala de prata, da Administração Civil — um especialista em lobisomens. Assim como o cabelo escuro e o nariz grande, ela herdara a preternatura- lidade do pai italiano, já falecido. Isso significava, na prática, que palavras como eu e para mim eram por demais teóricas para ela. Sem dúvida possuía uma identidade, um coração que se emocionava e tudo o mais; só não ti- nha alma. Então, aos seis anos, anuíra educadamente para o senhor grisalho. E passara a ler um monte de livros de filósofos gregos a respeito de razão, lógica e ética. Se não tinha alma, tampouco possuía moral, o que a levara a buscar uma alternativa plausível. A mãe a considerava uma literata, o que já lhe parecia desalmado o bastante, e se sentia profundamente desgostosa com a predileção da filha mais velha por bibliotecas. Seria enfadonho ter que enfrentar a progenitora bem naquela hora, dentro de uma. Lorde Maccon se dirigiu à porta com determinação, deixando claro que pretendia chamar a sra. Loontwill. A srta. Tarabotti cedeu, sem jeito. — Ah, está bom! — exclamou e, com as saias verdes farfalhando, aco- modou-se em um sofá de brocados cor de pêssego, perto da janela. O conde ficara ao mesmo tempo satisfeito e irritado quando percebe- ra que a moça pegara a almofada, em que tinha desmaiado, e a colocara de volta no sofá, sem que ele percebesse seu movimento ao fazê-lo. — Eu vim tomar chá e fazer um lanche na biblioteca. Tinham me prometido que haveria o que comer no baile, mas, caso não tenha notado, não tem comida nesta casa. Lorde Maccon, que precisava de uma grande quantidade de alimentos, sobretudo de proteínas, já percebera. — O Duque de Snodgrove é famoso pela parcimônia com o orça- mento dos bailes da esposa. Alimentos na certa não fizeram parte da lista de serviços oferecidos. — Ele soltou um suspiro. — O homem é dono da metade de Berkshire e nem sequer oferece um sanduíche decente. A srta. Tarabotti fez um gesto solidário com as mãos. — Exato! Então entende por que tive de pedir meu próprio repasto? Queria que eu ficasse com fome?Alma?_5a.indd 20 11/01/13 18:17
  • 21. 21 Alma? O Primeiro Livro O conde correu os olhos insolentemente por suas curvas generosas, notando que ela era bem provida nos lugares certos, mas recusou-se a lhe dar confiança, mostrando-se compassivo. Manteve a cara fechada. — Acho que é exatamente o que pensou o vampiro quando a encon- trou desacompanhada. Uma mulher solteira, sozinha num recinto, nesta época tão civilizada! Ora, se fosse lua cheia, até eu a teria atacado! A srta. Tarabotti olhou-o de cima a baixo e pegou a sombrinha de bronze. — Meu caro senhor, bem que gostaria de tê-lo visto tentar. Como era um Alfa, Lorde Maccon mostrava certo despreparo ante desafios tão ousados, apesar de sua origem escocesa. Ele a olhou por um instante, surpreso, e, em seguida, retomou o ataque verbal. — Sabe que as normas sociais modernas têm uma razão de ser, não sabe? — Toda regra tem uma exceção: eu estava esfomeada — ressaltou ela, como quem dava um basta ao assunto, sem entender por que ele batia na mesma tecla. O professor Lyall, ignorado por ambos, buscava, compenetrado, algo no próprio colete. Por fim, encontrou um sanduíche meio esmagado, de presunto com picles, enrolado em um saquinho de papel pardo. Sempre cortês, ele o ofereceu à srta. Tarabotti. Em circunstâncias normais, ela teria recusado a oferta, devido ao estado lastimável do lanche, mas o gesto foi tão amável, feito com tamanho acanha- mento, que não lhe restou alternativa senão aceitar. Na verdade, estava ótimo. — Que delícia! — elogiou, surpresa. Ele sorriu. — Sempre trago alguns desses, para usar quando Sua Senhoria se ir- rita. Na maioria das vezes, essas oferendas mantêm a fera sob controle. — Ele franziu a testa e fez a ressalva: — Exceto nas noites de lua cheia, claro. Quem dera que um sanduíche de presunto com picles bastasse nessas horas. A srta. Tarabotti se empertigou, interessada. — Mas o que é que fazem na lua cheia? Lorde Maccon tinha plena consciência de que ela mudava de assunto de propósito. Com a paciência esgotada, resolveu chamá-la pelo primeiro nome.Alma?_5a.indd 21 11/01/13 18:17
  • 22. 22 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha — Alexia! — Fora um rugido longo e contínuo, polissilábico. Ela agitou o sanduíche diante do conde. — Hum… Aceita uma metade, milorde? Lorde Maccon franziu ainda mais o cenho, se é que era possível. O professor tirou os lunóticos do rosto, colocou-os na aba da cartola, na qual pareceram estranhos olhos mecânicos sobressalentes, e comentou, aproveitando o ensejo: — Srta. Tarabotti, não creio que tenha se dado conta da gravidade da situação. Se não comprovarmos que agiu em legítima defesa porque o vampiro se comportava de modo totalmente irracional, pode ser acusada de homicídio. Ela engoliu tão rápido o pedaço de sanduíche que engasgou e come- çou a tossir. — O quê? Como assim? O conde dirigiu o olhar ferino ao seu segundo em comando. — Agora quem é que está sendo direto demais com a moça? — indagou. Lorde Maccon era relativamente novo no cenário londrino; chegara como um total desconhecido, entrara na disputa para se tornar o Alfa do Castelo de Woolsey e ganhara. Mesmo quando não assumia a forma de lobisomem, causava palpitações nas jovens, em virtude da combinação irresistível de mistério, prestígio e periculosidade. Como tinha obtido do ex-líder da alcateia o cargo no DAS, no Castelo de Woolsey, e o título de nobreza, seu nome sempre constava nas listas de convidados de jantares da sociedade. O Beta, que ele herdara do bando de lobos, passava por maus bocados: fazia malabarismos para seguir os protocolos e acobertar as diversas gafes de Lorde Maccon. Até então, a franqueza excessiva era o maior problema do professor Lyall que, às vezes, passava dos limites. Ele não quisera assustar a srta. Tarabotti, mas, naquele momento, ela pareceu totalmente vencida. — Só estava sentada aqui — explicou a srta. Tarabotti, deixando o sanduíche de lado, ao perder o apetite. — Ele me atacou do nada, sem motivo algum. Suas presas estavam à mostra. Tenho certeza de que, se eu fosse uma simples mortal, ele teria sugado todo o meu sangue. Fui obriga- da a me defender.Alma?_5a.indd 22 11/01/13 18:17
  • 23. 23 Alma? O Primeiro Livro O professor anuiu. Havia duas alternativas socialmente aceitáveis para um vampiro esfomeado ao extremo: tomar uns goles de vários zangões perten- centes a ele ou à sua colmeia, ou pagar pelo privilégio de recorrer às prosti- tutas de sangue nas docas. Afinal, estavam no século XIX e não se atacavam os outros assim, sem mais nem menos, sem pedir permissão! Até mesmo os lobisomens, que perdiam o autocontrole nas noites de lua cheia, faziam ques- tão de manter vários zeladores por perto, para trancafiá-los. O próprio pro- fessor tinha três; já para controlar Lorde Maccon, eram necessários cinco. — Será que algo ou alguém o levou a ficar naquele estado? — inda- gou o professor. — Acha que o prenderam até ele ficar faminto e perder o controle das faculdades? — Lorde Maccon considerou a ideia. O professor Lyall pegou os lunóticos na cartola, colocou-os de novo e examinou, de perto, os pulsos e o pescoço da criatura. — Não há sinais de confinamento nem de tortura, mas é difícil ter certeza, em se tratando de um vampiro. Mesmo em estado agudo de he- matopenia, as feridas superficiais teriam cicatrizado em… — Ele pegou a pena e o tubo de metal da mão de Lorde Maccon, mergulhou a ponta no líquido transparente e crepitante e fez algumas contas com rapidez. — … pouco mais de uma hora. — Os cálculos ficaram gravados no metal. — E depois, o que aconteceu? Ele escapou ou deixaram que fugisse de propósito? — Pareceu bastante lúcido para mim — ponderou a srta. Tarabotti. — Afora a parte do ataque, claro. Foi capaz de conversar normalmente comigo. Tentou até me seduzir. Devia ser um vampiro bastante jovem. Além do mais — fez uma pausa dramática, baixou a voz e disse em um tom sepulcral —, ele ceceava com os caninos. O professor mostrou-se chocado e olhou para ela, pestanejando atra- vés das lentes assimétricas; entre os vampiros, cecear era considerado o suprassumo da vulgaridade. A srta. Tarabotti prosseguiu: — Agiu como se nunca tivesse tido aulas de etiqueta na colmeia nem pertencesse a uma classe social. Era praticamente um bárbaro. — Ela nun- ca pensou que usaria aquele termo para se referir a um vampiro.Alma?_5a.indd 23 11/01/13 18:17
  • 24. 24 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha O professor tirou os lunóticos e os guardou no pequeno estojo com um ar de quem concluiu o assunto. Lançou um olhar grave para o seu Alfa. — Sabe, então, o que isso significa, não sabe, milorde? Lorde Maccon já não franzia o cenho, e sua expressão mostrava-se séria. A srta. Tarabotti achou que aquele semblante combinava mais com ele, deixando sua boca retilínea e trazendo um brilho resoluto aos olhos de tom castanho-amarelado. Ela imaginou, distraída, como ele ficaria se desse um sorriso franco. Mas, em seguida, pensou consigo mesma que talvez fosse melhor nem saber. O foco de suas divagações respondeu à pergunta: — Significa que alguma abelha-rainha anda fazendo, deliberadamen- te, metamorfoses fora das normas do DAS. — Não crê que se trata apenas de um caso isolado? — indagou o professor, tirando um pedaço de tecido branco dobrado do colete. Ele sa- cudiu o pano, que revelou ser um grande lençol de seda fina. A srta. Tara- botti estava começando a se impressionar com a quantidade de objetos que ele guardava na vestimenta. — Pode ser o início de algo bem maior — prosseguiu Lorde Mac- con. — É melhor voltarmos para o DAS. Precisamos interrogar as col- meias locais. As rainhas não vão gostar nada disso. Independentemente de todo o resto, esse incidente é muito constrangedor para elas. — Ainda mais quando souberem do uso da camisa de má qualidade — concordou ela. Os dois cavalheiros enrolaram o corpo do vampiro no lençol de seda. O professor conseguiu carregá-lo, com facilidade, num dos ombros. Mes- mo quando assumiam a forma humana, os lobisomens eram bem mais fortes que os mortais. O conde fixou os olhos de tom castanho-amarelado na moça. Ela es- tava sentada, com recato, no sofá estofado. Uma de suas mãos, enluvada, segurava o cabo de ébano de uma sombrinha ridícula. A srta. Tarabotti estava com os olhos castanhos semicerrados, pensativa. Ele daria cem li- bras para saber o que ela pensava naquele momento. Tinha certeza de que, se perguntasse, ela lhe contaria exatamente o que lhe passava pela cabeça, mas não queria lhe dar esse gostinho. Em vez disso, declarou:Alma?_5a.indd 24 11/01/13 18:17
  • 25. 25 Alma? O Primeiro Livro — Tentaremos manter seu nome fora disso, srta. Tarabotti. No meu relatório constará apenas que uma moça comum teve sorte e conseguiu escapar de um ataque descabido. Ninguém precisa saber do envolvimento de uma preternatural. Então, foi a vez de a srta. Tarabotti encará-lo. — Por que vocês do DAS sempre fazem isso? Os dois homens pararam, confusos, para fitá-la. — Fazemos o quê, srta. Tarabotti? — perguntou o professor. — Costumam me dispensar como se eu fosse uma criança. Será que não veem que posso ser útil? Lorde Maccon soltou um resmungo. — Quer dizer que poderia sair por aí se metendo legalmente em enrascadas, em vez de só nos aborrecer o tempo todo? A srta. Tarabotti se esforçou para não se ofender. — O DAS emprega mulheres; eu soube até que vocês tem um pre- ternatural na folha de pagamento lá no Norte, trabalhando no monitora- mento de fantasmas e nos casos de exorcismo. Lorde Maccon estreitou, de imediato, os olhos cor de caramelo. — Quem exatamente lhe contou isso? A moça arqueou as sobrancelhas. Claro que ela jamais trairia o infor- mante que lhe passara tais informações em confiança! O conde entendeu bem sua expressão. — Está bem, esqueça a pergunta. — Não esqueço — retrucou a srta. Tarabotti, altiva. O professor Lyall, que ainda carregava o corpo num dos ombros, se apiedou dela. — É verdade, há mulheres e preternaturais no DAS — admitiu. Lorde Maccon tentou cutucar o Beta, mas ele se esquivou com uma agilidade que deixava clara sua prática. — Mas não temos nenhuma preternatural mulher, nem fidalga. Todas as que trabalham no DAS são representantes típicas da classe operária — disse o conde. — Você ainda está aborrecido por causa da questão do porco-espi- nho — murmurou ela, ao mesmo tempo em que inclinava a cabeça comAlma?_5a.indd 25 11/01/13 18:17
  • 26. 26 Gail Carriger O Protetorado da Sombrinha deferência. Já tratara daquele assunto antes, com o chefe de Lorde Maccon no DAS, para ser mais exata. Um sujeito de quem ela sempre se lembraria como o Senhor Amável de Cabelos Grisalhos. A simples ideia de uma dama de sua estirpe pensar em trabalhar era chocante demais. “Minha que- rida, e se sua mãe descobrir?” perguntara o chefe do conde. , — O DAS não é um órgão secreto? Posso trabalhar como agente secreta. — A srta. Tarabotti precisava tentar de novo. Ao menos o professor demonstrava um pouco de simpatia por ela. Talvez pudesse colaborar elogiando-a por lá. Lorde Maccon caiu na risada. — Agente secreta? A senhorita? Tão sutil quanto um elefante numa loja de cristais. — Mas logo se maldisse por suas palavras, ao perceber a conster- nação da jovem. Ela se apressou em disfarçar, embora tivesse ficado magoada. O Beta o agarrou pelo braço, com a mão livre. — Por favor, tenha modos. O conde pigarreou, dando a impressão de ter se arrependido. — Não quis ofendê-la, srta. Tarabotti. — A entonação escocesa vol- tou à voz. A srta. Tarabotti assentiu, sem erguer os olhos. Brincou com um dos amores-perfeitos de sua sombrinha. — Senhores — disse ela, com um brilho sutil nos olhos —, eu gosta- ria muito de ser útil. Lorde Maccon esperou até ele e o Beta chegarem ao saguão — depois de terem se despedido da srta. Tarabotti com polidez, ao menos no caso do professor Lyall — para fazer a pergunta que de fato o incomodava. — Minha nossa, Randolph, por que ela simplesmente não se casa? — A pergunta foi feita em tom frustrado. Randolph Lyall encarou o Alfa, bastante confuso. Em geral, o conde era um homem muito perspicaz, apesar de toda a arrogância e da imper- tinência escocesa. — Ela já passou um pouco da idade, senhor. — Tolice! — exclamou Lorde Maccon. — Não deve ter mais que um quarto de século.Alma?_5a.indd 26 11/01/13 18:17
  • 27. 27 Alma? O Primeiro Livro — E, além disso, é muito... — o professor procurou uma forma cortês de dizê-lo — … contundente. — Bah. — O aristocrata agitou uma das mãos, desconsiderando a ideia. — Só tem a personalidade um pouco mais forte que a maioria das mulheres deste século. Deve haver inúmeros cavalheiros esclarecidos que saberiam apreciar o seu valor. O professor, cujo instinto de sobrevivência era forte, sentiu que se fizesse algum comentário desabonador sobre a aparência da jovem talvez acabasse com a cabeça arrancada. Ele e a maioria dos membros da alta sociedade podiam até achar que a srta. Tarabotti tinha a pele um pouco escura demais e o nariz maior que o ideal, mas o Beta não acreditava que o Alfa compartilhasse da mesma opinião. O professor atuava como Beta do quarto Conde de Woolsey desde que Conall Maccon atacara todos eles. Considerando que isso ocorrera havia apenas vinte anos e que a lembran- ça sangrenta continuava vívida, nenhum lobisomem, tampouco o profes- sor Lyall, ousava questionar por que Lorde Maccon se dera ao trabalho de lutar pelo complicado território londrino. O conde era um sujeito enig- mático, com um gosto igualmente misterioso no que dizia respeito às mulheres. O professor deduzira que seu Alfa parecia realmente gostar de narizes aquilinos, peles bronzeadas e atitudes ousadas. Portanto, preferira apenas comentar: — Talvez seja o sobrenome italiano, senhor, que a mantenha solteira. — Hum, pode ser — concordou ele, sem dar a impressão de ter se convencido. Os dois lobisomens saíram da residência do duque rumo à noite lon- drina, um com o corpo do vampiro, o outro com uma expressão intrigada.Alma?_5a.indd 27 11/01/13 18:17

Related Documents