O POÇO DE DARVAZA: A PORTA DO INFERNO Rolagem automática
Em pleno deserto de Karakum (Turkemenistão) , perto de Darvaza, encontra-se uma cratera de uns 50 m de diâmetro e 20 m d...
O poço de Darvaza não é obra da natureza, mas o resultado de uma prospecção mineira fracassada feita pelos soviéticos em 1...
Uma equipe de geólogos perfurava o solo em busca de uma jazida de gás natural quando, de repente, econtraram uma cavidade ...
Ninguém ousou descer na cratera para salvar a equipe, em virtude da grande quantidade de gás toxico. Os geólogos decidiram...
Não foi um boa ideia. Os soviéticos subestimaram as dimensões da caverna e de seu conteúdo inflamável. O gás que se consum...
Por outro lado, ignora-se por quanto tempo queimará a « Porta do Inferno ». Apesar de o poço de Darvaza situar-se numa reg...
O calor intenso só permite uma aproximação rápida, já que é insuportável
Mais uma vez, temos a prova de que é perigoso brincar com as forças da natureza, sobretudo quando não se lhes conhece a pr...
of 9

Poço de Darvaza

Em pleno deserto de Karakum (Turkemenistão) , perto de Darvaza, encontra-se uma cratera de uns 50 m de diâmetro e 20 m de profundidade. Os habitantes do local a chamam de « Porta do Inferno ». Dentro do poço, queima um fogo ardente há décadas, um incêndio que parece sem fim.
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Education      Business      Technology      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Poço de Darvaza

  • 1. O POÇO DE DARVAZA: A PORTA DO INFERNO Rolagem automática
  • 2. Em pleno deserto de Karakum (Turkemenistão) , perto de Darvaza, encontra-se uma cratera de uns 50 m de diâmetro e 20 m de profundidade. Os habitantes do local a chamam de « Porta do Inferno ». Dentro do poço, queima uma fogo ardente há décadas, um incêndio que parece sem fim.
  • 3. O poço de Darvaza não é obra da natureza, mas o resultado de uma prospecção mineira fracassada feita pelos soviéticos em 1970
  • 4. Uma equipe de geólogos perfurava o solo em busca de uma jazida de gás natural quando, de repente, econtraram uma cavidade subterrânea que provocou o afundamento da equipe .
  • 5. Ninguém ousou descer na cratera para salvar a equipe, em virtude da grande quantidade de gás toxico. Os geólogos decidiram tocar fogo no gás que vinha do poço de Darvaza, incinerando a equipe até que todo o gás se consumisse.
  • 6. Não foi um boa ideia. Os soviéticos subestimaram as dimensões da caverna e de seu conteúdo inflamável. O gás que se consumiria em algumas semanas continua a arder desde 1971, ou seja, há quase 40 anos.
  • 7. Por outro lado, ignora-se por quanto tempo queimará a « Porta do Inferno ». Apesar de o poço de Darvaza situar-se numa região de difícil acesso e com numerosas restrições burocráticas para visitá-la, muitas pessoas vão a este local isolado do Turkemenistão para observar um fenômeno de fascinante desolação.
  • 8. O calor intenso só permite uma aproximação rápida, já que é insuportável
  • 9. Mais uma vez, temos a prova de que é perigoso brincar com as forças da natureza, sobretudo quando não se lhes conhece a profundidade. De noite, o espetáculo do poço de Darvaza é dantesco: o fogo reluz em toda sua magnitude, dando ao poço um aspecto de cratera vulcânica em chamas, o que sem dúvida honra-lhe o nome de « porta do inferno ».