Paulo Ricardo Di Blasi Consultor Financeiro Professor da FGV e do IBMEC Ex-Assessor da Presidência do PREVI-RIO [email_ad...
Política de Investimento Anual Aprovada no Órgão Superior Apresentação do Modelo de Gestão a ser Adotado Estratégia de Alo...
Portaria MPS 155/08 (Política de Investimentos)
Aprova ç ão pr é via da Pol í tica de Investimentos Identificação da Oportunidade Fundamentação da análise Política de Inv...
Risco de Mercado oscilação do preço dos ativos Risco de Crédito Risco de Liquidez capacidade de pagamento Risco Operacio...
A capacidade de análise e monitoramento do risco dos ativos determina a modalidade preferencial de gestão dos investimento...
Critérios de Contratação e de Seleção de Gestores <ul><li>Apresentar os critérios que serão utilizados na seleção dos gest...
<ul><li>Restrição orçamentária dos Governos (que inviabiliza o cumprimento atuarial com recursos fiscais) </li></ul><ul><l...
<ul><li>O cenário macroeconômico que será utilizado como base na alocação de recursos dos RPPS, pode ser construído a part...
<ul><li>Após o cenário macroeconômico traçado, as estratégias de investimentos deverão ser estipuladas. </li></ul><ul><ul>...
<ul><li>Risco de Crédito: </li></ul><ul><ul><li>Estipular os limites de risco de crédito para o RPPS, através dos ratings ...
Critérios para análise dos investimentos Estratégia de Alocação dos Recursos Análise dos Investimentos 1 Política de Inves...
Limites de Diversificação e Concentração Limite Div. 20% Aberto:15% Fechado:5% Total: 15% 20% PL FI 30% 20% PL FI 70% IMA ...
Limite Div. 5% 5% 20% PL FI 15% 20% PL FI Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário 5% 20% PL FI 20% RPPS 25% PL FI Cota...
Limites de Diversificação e Concentração Não compõem os limites de aplicações em moeda corrente previstos na Resolução As ...
<ul><li>Fluxo de caixa de entrada superior ao fluxo de caixa de saída </li></ul><ul><li>Receitas previdenciárias maiores q...
Modelo de gestão de liquidez O estabelecimento de projeções de fluxos de caixa ao longo do tempo e a classificação dos inv...
<ul><li>Visão tradicional de alocação de ativos: concentração em renda fixa. </li></ul><ul><li>Conseqüência: modelo fortem...
<ul><li>Concentração de alocação em renda fixa. </li></ul><ul><li>Correção recente em favor de maiores alocações em renda...
Fundo de Ações Títulos Públicos Alocação Ótima Fundo Direitos Creditórios Fundos Previdenciários Fundos Referenciados Fund...
<ul><li>A gestão de recursos dos RPPS entrou em uma uma nova era. </li></ul><ul><li>Investidores de longo prazo devem busc...
Paulo Ricardo Di Blasi Consultor Financeiro Professor da FGV e do IBMEC Ex-Assessor da Presidência do PREVI-RIO [email_add...
of 22

23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790

Palestra sobre política de investimentos perante a resolucao 3790, ministrada por Paulo di Biais no 23º Encontro Regional da Associação Paulista de Entidades de Previdência do Estado e dos Municípios, realizada nos dias 8 e 9/12/2009
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Economy & Finance      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - 23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790

  • 1. Paulo Ricardo Di Blasi Consultor Financeiro Professor da FGV e do IBMEC Ex-Assessor da Presidência do PREVI-RIO [email_address] Tel. (21) 8200-6716 Política de Investimentos - Resolução CMN 3.790/09
  • 2. Política de Investimento Anual Aprovada no Órgão Superior Apresentação do Modelo de Gestão a ser Adotado Estratégia de Alocação dos Recursos Critérios de Contratação de Pessoas Jurídicas Limites de Diversificação e Concentração dos Ativos Busca e Manutenção do Equilíbrio Financeiro e Atuarial Resolução CMN 3.790 – Art. 4 ° e Art. 5 °
  • 3. Portaria MPS 155/08 (Política de Investimentos)
  • 4. Aprova ç ão pr é via da Pol í tica de Investimentos Identificação da Oportunidade Fundamentação da análise Política de Investimento Anual Processo Decisório Risco de Liquidez Risco de Crédito Risco de Mercado Aprovação no CA e na Presidência Caso aprovado Realização do Investimento
  • 5. Risco de Mercado oscilação do preço dos ativos Risco de Crédito Risco de Liquidez capacidade de pagamento Risco Operacional retenção do ativo execução da ordem Política de Investimento Anual
  • 6. A capacidade de análise e monitoramento do risco dos ativos determina a modalidade preferencial de gestão dos investimentos Modelo de Gestão a ser Adotado Gestão Própria Gestão Mista Gestão Própria Outras modalidades de investimento Títulos públicos federais pós-fixados Títulos públicos federais atrelados a índices de preços e prefixados Capacidade de gestão dos investimentos
  • 7. Critérios de Contratação e de Seleção de Gestores <ul><li>Apresentar os critérios que serão utilizados na seleção dos gestores: </li></ul><ul><ul><li>Critérios Qualitativos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Credibilidade da Instituição junto ao mercado financeiro </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Solidez da Instituição </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Experiência na gestão de recursos de clientes institucionais </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Qualidade da equipe e turnover </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Qualidade do atendimento na área de relacionamento </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Critérios Quantitativos: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Performance (risco/retorno) dos produtos enquadrados na legislação vigente </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Performance do gestor nos momentos de crise </li></ul></ul></ul>
  • 8. <ul><li>Restrição orçamentária dos Governos (que inviabiliza o cumprimento atuarial com recursos fiscais) </li></ul><ul><li>Perda da atratividade da remuneração dos títulos do Governo </li></ul><ul><li>Necessidade de gerenciamento da liquidez </li></ul>Cenário Proposto Cenário Atual <ul><ul><li>Ambiente macroeconômico estável </li></ul></ul><ul><ul><li>Redução da remuneração dos títulos públicos federais </li></ul></ul><ul><ul><li>Novos instrumentos para diversificação da carteira </li></ul></ul>Como gerir os investimentos? Estratégia de Alocação dos Recursos
  • 9. <ul><li>O cenário macroeconômico que será utilizado como base na alocação de recursos dos RPPS, pode ser construído a partir de cenários macroeconômicos obtidos junto às instituições financeiras, às consultorias e através dos relatórios FOCUS, do Banco Central, que é publicado semanalmente . </li></ul>Estratégia de Alocação dos Recursos
  • 10. <ul><li>Após o cenário macroeconômico traçado, as estratégias de investimentos deverão ser estipuladas. </li></ul><ul><ul><li>Ex: </li></ul></ul><ul><li>Os limites de concentração de títulos e valores mobiliários emitidos por um mesmo emissor devem respeitar as regras da resolução CMN 3.790/09. </li></ul><ul><ul><li>Limite Resolução 3.790/09: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>20% em títulos de um mesmo emissor pessoa jurídica(Exceto Tesouro Nacional) </li></ul></ul></ul>Estratégia de Alocação dos Recursos Segmento Limite Máximo Limite Mínimo Limite Resolução CMN 3.790/09 Retorno Esperado 2010 Renda Fixa 95.00% 75.00% 100.00% 12.00% Renda Variável 25.00% 5.00% 30.00% 25.00% Imóveis 0.00% 0.00% Condições Especiais
  • 11. <ul><li>Risco de Crédito: </li></ul><ul><ul><li>Estipular os limites de risco de crédito para o RPPS, através dos ratings emitidos por agências classificadoras de risco em funcionamento no país. Ex: </li></ul></ul><ul><li>Risco de Mercado: </li></ul><ul><ul><li>Renda Fixa: Value at Risk (VaR) e Stress Test. </li></ul></ul><ul><ul><li>Renda Variável: Value at Risk (VaR) e Tracking Error </li></ul></ul>Estratégia de Alocação dos Recursos
  • 12. Critérios para análise dos investimentos Estratégia de Alocação dos Recursos Análise dos Investimentos 1 Política de Investimentos aprovada pelo Conselho de Administração 4 Alocação eficiente dos recursos 3 Cumprimento das obrigações atuariais 2 Gerenciamento de Riscos
  • 13. Limites de Diversificação e Concentração Limite Div. 20% Aberto:15% Fechado:5% Total: 15% 20% PL FI 30% 20% PL FI 70% IMA Operações Compromissadas lastreadas em Títulos Publicos Federais 15% 20% RPPS 20% PL FI 70% IMA 20% RPPS 25% PL FI 70% IMA Cotas de Fundos de Investimentos em DIREITOS CREDITÓRIOS – FIDC , de baixo risco de crédito. 100% Títulos Públicos Federais e cotas de Fundos de Investimento com 100% de Títulos Públicos Federais. 80% Limite Apl. Depósito em POUPANÇA (instituições com baixo risco de crédito) Cotas de Fundos de Investimentos de RENDA FIXA, de baixo risco de crédito (30% tit. Privados – 80% DPGE) Cotas de Fundos de Investimento REFERENCIADOS em indicadores de desempenho de renda fixa (30% tit. Privados – 80% DPGE) Cotas de Fundos de Investimento PREVIDENCIÁRIOS de renda fixa ou referenciado, desde que apliquem recursos exclusivamente em títulos públicos federais ou títulos privados de baixo risco de crédito. (30% tit. Privados – 80% DPGE) Ativos de Renda Fixa
  • 14. Limite Div. 5% 5% 20% PL FI 15% 20% PL FI Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário 5% 20% PL FI 20% RPPS 25% PL FI Cotas de Fundos de Investimentos em Ações 20% PL FI 20% PL FI Limites de Diversificação e Concentração Cotas de Fundos de Investimentos classificados como Multimercado, sem alavancagem 30% Cotas de Fundos de Investimento Previdenciários classificados como ações 20% Limite Apl. Cotas de Fundos de Investimentos em Participações, fechados, cumulativo com o limite dos Fundos de Índices Cotas de Fundos de Índices Referenciados em ações, negociadas em bolsa de valores, indexadas ao Ibovespa, IbrX e IbrX-50 Ativos de Renda Variável
  • 15. Limites de Diversificação e Concentração Não compõem os limites de aplicações em moeda corrente previstos na Resolução As aplicações no segmento de imóveis serão efetuadas exclusivamente com os imóveis vinculados por lei ao RPPS Limites Imóveis
  • 16. <ul><li>Fluxo de caixa de entrada superior ao fluxo de caixa de saída </li></ul><ul><li>Receitas previdenciárias maiores que as despesas com pagamento de benefícios </li></ul><ul><li>Plano de custeio com receitas atuais e futuras em montante suficiente para cobrir as respectivas despesas previdenciárias </li></ul><ul><li>Capitalização das sobras de caixa atuais que garantirão o pagamento de benefícios futuros </li></ul>Equilíbrio Financeiro e Atuarial Equilíbrio Financeiro Equilíbrio Atuarial
  • 17. Modelo de gestão de liquidez O estabelecimento de projeções de fluxos de caixa ao longo do tempo e a classificação dos investimentos Equilíbrio Financeiro e Atuarial Fluxos de Caixa Liquidez imediata 1 2 3 4 5 10 Vencimentos na medida em que os recursos líquidos vão sendo utilizados no cumprimento das obrigações atuariais Títulos para Negociação Títulos Mantidos até o Vencimento Anos
  • 18. <ul><li>Visão tradicional de alocação de ativos: concentração em renda fixa. </li></ul><ul><li>Conseqüência: modelo fortemente baseado na obtenção de retornos dependentes de um único ativo. </li></ul><ul><li>Este modelo apresenta alto risco para investidores de longo prazo: </li></ul><ul><ul><li>boas decisões de alocação geram superávits significativos; más decisões geram déficits significativos. </li></ul></ul><ul><ul><li>dependência crônica dos movimentos e humores do mercado financeiro. </li></ul></ul>Equilíbrio Financeiro e Atuarial
  • 19. <ul><li>Concentração de alocação em renda fixa. </li></ul><ul><li>Correção recente em favor de maiores alocações em renda variável. </li></ul><ul><li>Ações e outras classes de ativos devem fazer parte de uma alocação diversificada. </li></ul><ul><li>A ausência destes ativos acarreta em risco de erosão do poder de compra, sem a possibilidade de recomposição através de retornos obtidos pela gestão eficiente (renúncia injustificada de rentabilidade). </li></ul>Equilíbrio Financeiro e Atuarial
  • 20. Fundo de Ações Títulos Públicos Alocação Ótima Fundo Direitos Creditórios Fundos Previdenciários Fundos Referenciados Fundos de Renda Fixa Comitê de Investimentos / Conselho Deliberativo Análise de Riscos e Expectativa de Retornos por Estratégia Seleção de Instrumentos e Gestores Fundos Multimercados Equilíbrio Financeiro e Atuarial
  • 21. <ul><li>A gestão de recursos dos RPPS entrou em uma uma nova era. </li></ul><ul><li>Investidores de longo prazo devem buscar diversificar as aplicações, utilizando alternativas de otimização dos investimentos. </li></ul>Conclusões
  • 22. Paulo Ricardo Di Blasi Consultor Financeiro Professor da FGV e do IBMEC Ex-Assessor da Presidência do PREVI-RIO [email_address] Tel. (21) 8200-6716 OBRIGADO!

Related Documents