Margareth Rago (org.)
Renato Aloizio de Oliveira Gimenes (org.)
NARRAR O PASSADO,
REPENSAR A HISTÓRIA
Série IDÉIAS 2 –...
Coleção IDÉIAS 2
NARRAR O PASSADO, REPENSAR A HISTÓRIA
Profa. Dra. Margareth Rago e Renato Aloizio de Oliveira Gimenes (...
SUMÁRIO
5 Nota à 2ª edição
7 Apresentação
Margareth Rago & Renato A. de Oliveira Gimenes
13 A História Intelectual e o...
217 Discutindo a Sociabilidade Moderna: o caso
da Maçonaria
Alexandre Mansur Barata
239 Teoria da História e a Questão ...
NOTA À 2ª EDIÇÃO
Mais de dez anos após a publicação da primeira edição desse livro,
pode-se dizer que se os desafios col...
APRESENTAÇÃO
Margareth Rago & Renato A. de Oliveira Gimenes
A disciplina da História tem sofrido profundas transformaçõe...
8 Apresentação
o engendraram, como explica Paul Veyne, e incorporando, ao mesmo
tempo, a dimensão da subjetividade tanto...
Margareth Rago e Renato A. de O. Gimenes 9
marcada pelas reflexões sobre a linguagem e as relações saber-poder,
segundo ...
10 Apresentação
que os sujeitos se definem a si mesmos, seja em relação a formações
discursivas dominantes, seja em rela...
Margareth Rago e Renato A. de O. Gimenes 11
Histórico, Artístico e Cultural da Secretaria Executiva de Cultura do Estado ...
A HISTÓRIA INTELECTUAL
E O RETORNO DA LITERATURA
David Harlan*
Havia um tempo em que os historiadores pensavam haver es...
14 A História Intelectual e o Retorno da...
O retorno da literatura mergulhou os estudos históricos numa
profunda crise ...
David Harlan 15
e aliviadas de seus fardos referenciais, as palavras tornaram-se proteicas e
incontroláveis. Como explic...
16 A História Intelectual e o Retorno da...
fato de que as narrativas são feitas de palavras, também elas começam a gerar...
David Harlan 17
Contudo, a crítica literária pós-moderna tornou-se tão poderosa
e influente numa série tal de disciplina...
18 A História Intelectual e o Retorno da...
solaparam a possibilidade de construção de uma estrutura de conhecimento
emp...
David Harlan 19
De modo a recuperar a intenção do autor, os historiadores devem
reconstruir o mundo mental no qual o aut...
20 A História Intelectual e o Retorno da...
mecanismo de auto-transformações não intencionais e auto-notificações
irrest...
David Harlan 21
o texto permanece significante precisamente porque eclipsa e transcende
as intenções do autor.18
Mas Sk...
22 A História Intelectual e o Retorno da...
sua anterior natureza transparente e uma vez mais se colocaria ao dispor do
...
David Harlan 23
a escrita meramente transcreve graficamente a fala, ou que escrita é fala, um
tipo de fala congelada, um...
24 A História Intelectual e o Retorno da...
os historiadores não podem despir-se de seus preconceitos e parcialidades
de...
David Harlan 25
Skinner, em contraste, argumentou que podemos despir o texto
de seus significados acumulados, reconstrui...
26 A História Intelectual e o Retorno da...
Como se pode esperar, suas declarações recentes têm tido um tom
progressivam...
David Harlan 27
em sociedades particulares e em momentos determinados”.30 Uma vez
que as linguagens conceituais de uma s...
28 A História Intelectual e o Retorno da...
autônomo, um método que ofereça um meio de tratar os fenômenos
do pensamento...
David Harlan 29
escritos entre 1820 e 1830. “No espaço de quarenta ou cinquenta anos
tudo mudou: o que se falava, a mane...
30 A História Intelectual e o Retorno da...
história do discurso implica uma perda que alguns historiadores podem
não qu...
David Harlan 31
da consciência do autor”. Quando os historiadores o lêem, eles entram
portanto “em comunicação com a pró...
32 A História Intelectual e o Retorno da...
“Ouçamos ainda uma vez mais – a camada um pouco
abaixo. Todos os objetos vis...
David Harlan 33
claramente que qualquer outro, o impasse ao qual foi trazida esta
disciplina.48
Os novos historiadores ...
34 A História Intelectual e o Retorno da...
livros, que lembram o autor daquelas outras proposições daqueles outros
livr...
David Harlan 35
A história do discurso (“contextualismo radical”, como alguns
proponentes a chamam) tornou-se a mais pre...
36 A História Intelectual e o Retorno da...
em um dado momento histórico”.59 E em Victorian Anthropology, George
Stockin...
David Harlan 37
não é uma observação nova. Como William James explicou há três quartos
de século, um contexto de algum m...
38 A História Intelectual e o Retorno da...
discurso em particular, o que contribuía (se é que alguma coisa contribuía)
...
David Harlan 39
– não muito tempo atrás – considerado o projeto daquilo que Pocock
chamava de “verdadeiro método históri...
40 A História Intelectual e o Retorno da...
ou ‘”transcodificada” de outros textos, textos cujos antecedentes são
encont...
David Harlan 41
também mentalmente compondo um texto alternativo ou “virtual”. Deste
modo, textos “escritíveis” “iniciam...
42 A História Intelectual e o Retorno da...
novo; não importa quantas vezes nós os reinterpretemos, eles sempre
têm algo...
David Harlan 43
ensaios metodológicos de Pocock e Skinner.81 Este questionamento
revelou eventualmente, como não poderia...
44 A História Intelectual e o Retorno da...
Foi neste ponto que Skinner e Pocock, face a questões que ameaçavam
expor su...
David Harlan 45
A proposta de Skinner e de Pocock para a reforma da história
intelectual é essencialmente uma proposta p...
46 A História Intelectual e o Retorno da...
multidão de luzes”.84 Como explicou uma vez Emmanuel Levinas,
“é precisament...
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
Narrar o passado 2a.edicao
of 365

Narrar o passado 2a.edicao

Narrar o passado, repensar a história. Livro organizado por Margareth Rago e Renato Aloizio de Oliveira Gimenes.
Published on: Mar 3, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Narrar o passado 2a.edicao

  • 1. Margareth Rago (org.) Renato Aloizio de Oliveira Gimenes (org.) NARRAR O PASSADO, REPENSAR A HISTÓRIA Série IDÉIAS 2 – 2ª Edição Instituto de Filosofia e Ciências Humanas Universidade Estadual de Campinas Campinas – 2014
  • 2. Coleção IDÉIAS 2 NARRAR O PASSADO, REPENSAR A HISTÓRIA Profa. Dra. Margareth Rago e Renato Aloizio de Oliveira Gimenes (orgs.) Instituto de Filosofia e Ciências Humanas – Universidade Estadual de Campinas Diretora: Prof. Dr. Jorge Coli Diretor Associado: Prof. Dr. Jesus José Ranieri ISBN 978-85-86572-56-2 Comissão de Publicações: Coordenação Geral Prof. Dr. Jesus José Ranieri; Coordenação da Coleção Idéias: Profa. Dra. Neri de Barros Almeida; Coordenação das Coleções Seriadas: Prof. Dr. José Carlos Pinto de Oliveira; Coordenação da Coleção Trajetória: Prof. Dr. Álvaro Bianchi; Coordenação das Coleções Avulsas: Profa. Dra. Guita Grin Debert. Representantes dos Departamentos: Profa. Dra. Neri de Barros Almeida – DH; Prof. Dr. José Carlos Pinto de Oliveira – DF; Prof. Dr. Álvaro Bianchi – DCP; Profa. Dra. Guita Grin Debert – DA. Representantes dos funcionários do Setor de Publicações e Gráfica: Maria Cimélia Garcia e Samuel Ferreira Representantes discentes: Rodrigo Bulamah (pós-graduação); Gabrieli Simões (graduação). Editoração e finalização miolo e capa: Setor de Publicações Produtor Editorial: Maria Cimélia Garcia Projeto da capa: Vlademir José de Camargo Capa: “Promessas”, detalhe de Aquarela, série pequenos formatos, de Sonia Longo, 1998. Impressão: Gráfica do IFCH – Unicamp FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA DO IFCH – UNICAMP Bibliotecária: Neiva Gonçalves de Oliveira CRB/8 nº 6792 N167 Narrar o Passado, repensar a história / Margareth Rago... [et. al.], orgs. Campinas, SP : UNICAMP/IFCH, 2014. 376 p. : il. 2. ed. (Coleção Idéias; 2). ISBN 9788586572562 1. História – Teoria. 2. Memória – História. 3. Narrativa. 4. Poder (Ciências sociais). 5. Subjetividade. I. Rago, Luzia Margareth, 1948- II. Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. III. Título. IV. Série. CDD – 901 Índices para catálogo sistemático: História – Teoria 901 Memória – História 153.12 Narrativa 808.036 Poder (Ciências sociais) 303.3 Subjetividades 126
  • 3. SUMÁRIO 5 Nota à 2ª edição 7 Apresentação Margareth Rago & Renato A. de Oliveira Gimenes 13 A História Intelectual e o Retorno da Literatura David Harlan 61 História, Ciência, Escritura e Política Antonio Paulo Benatte 103 História e Pós-Estruturalismo José Antonio Vasconcelos 121 A Nova História Intelectual de Dominick LaCapra e a Noção de Raça Celia Maria Marinho de Azevedo 133 Oswald de Andrade: literatura como política Renato Aloizio de Oliveira Gimenes 173 Diálogos (Im) possíveis ou a Trama dos Discursos Andréa Ferreira Delgado 191 Biografia: um gênero de fronteira entre a História e a Literatura Benito Bisso Schmidt 203 Brincando nos Campos do Senhor: religiosidade, pós-modernismo e interpretação Mauro Polacow Bisson
  • 4. 217 Discutindo a Sociabilidade Moderna: o caso da Maçonaria Alexandre Mansur Barata 239 Teoria da História e a Questão de Gênero na Antiguidade Clássica Lourdes M. G. C. Feitosa 257 História e Antropologia: encontros e desencontros Nanci Vieira de Oliveira 271 Ficção e História nas Bruzundangas dos Inícios do Século 21 Carlo Romani 295 A História em Xeque: Michel Foucault e Hayden White Fábio Henrique Lopes 319 O Discurso das Imagens Libertárias Raquel Azevedo 353 El Pensamiento Moderno y el Pensamiento Posmoderno em Arqueología Andrés Zarankin
  • 5. NOTA À 2ª EDIÇÃO Mais de dez anos após a publicação da primeira edição desse livro, pode-se dizer que se os desafios colocados à disciplina da História ainda são inúmeros, o crescimento e a especialização da disciplina permitiram o aprofundamento de muitos temas e importantes transformações internas. Vários dos questionamentos e práticas que causavam polêmica décadas atrás, em especial, as críticas e propostas trazidas pelo pós-estruturalismo, pela “virada linguística”, pela epistemologia feminista, pelos estudos pos-coloniais e pela psicanálise, que subvertiam as noções vigentes de verdade, real, cultura, discurso, poder, saber, documento, identidade, entre outras, foram incorporados e são abordados ou praticados sem provocar discussões em demasia. Assim sendo, considerando a atualidade e a qualidade dos textos que aqui se apresentam, desde estudos teóricos a trabalhos que cruzam história e literatura na leitura de temas específicos, optamos por manter essa coletânea sem alterações, procurando atender à demanda que nos tem sido feita. Em relação aos autores e autoras, vale lembrar que muitos dos aqui presentes, antes doutorandos no Programa de Pós-graduação em História do IFCH da UNICAMP, tornaram-se, ao longo dessa década, experientes professores e pesquisadores nas universidades públicas ou privadas em que atuam, continuando a narrar diferentemente o passado e a repensar continuamente a História. Margareth Rago
  • 6. APRESENTAÇÃO Margareth Rago & Renato A. de Oliveira Gimenes A disciplina da História tem sofrido profundas transformações nas últimas décadas, exigindo o posicionamento dos historiadores diante de questões teóricas e metodológicas muito complexas. Também no Brasil, frequentemente afirma-se, em nossa comunidade acadêmica, a dificuldade de serem encontrados textos teóricos que apresentem, discutam e avaliem, sobretudo para os alunos, as profundas mutações epistemológicas em curso. Afinal, já faz muito tempo que deixamos de contar simplesmente os fatos, como se realizássemos algum tipo de radiografia clara e límpida do passado, enquanto, nas últimas três décadas, deixamos de acreditar que o historiador revela um suposto "passado-coisa", para usar a expressão de Jacques Le Goff, que estaria pronto e organizado à sua espera. Mais do que nunca, descobrimos que a História é plural, assim como o passado que narra, e que não pode ser reduzida a uma única forma e conteúdo.1 Perdendo a inocência, passamos a refletir sobre discursos históricos, ou mesmo a psicanalisá-los e a desconstruir as interpretações históricas dominantes. É interessante notar, nesse sentido, que cada vez mais procuramos conhecer um determinado objeto histórico muito mais como construção do que como realidade dada, historicizando as práticas que 1 Vejam-se a respeito: Keith Jenkins. A História repensada. Tradução de Mario Vilela. Revisão Técnica de Margareth Rago. São Paulo: Contexto, 2001; On “What’s History?” From Carr and Elton to Rorty and White, London and New York: Routledge, 1995; Georg G. Iggers – Historiography in the Twentieth Century. From Scientific Objectivity to the Postmodern Challenge. London: Wesleyan University Press, 1997.
  • 7. 8 Apresentação o engendraram, como explica Paul Veyne, e incorporando, ao mesmo tempo, a dimensão da subjetividade tanto dos protagonistas, quanto do próprio historiador.2 Assim, buscamos perceber, por exemplo, como a República brasileira foi "inventada" no discurso dos historiadores dos anos trinta, ao invés de procurar explicá-la em si mesma. O documento, portanto, já não é uma "janela transparente para o passado", como diz Nietzsche, a partir da qual a realidade se mostra nitidamente, mas uma materialidade, um discurso também ele, ou um "monumento", na expressão de Foucault, acúmulo de interpretações superpostas.3 Aliás, pensando-se como um sujeito específico, determinado social, étnica, sexual e geracionalmente, e não mais como um sujeito universal, situado acima do bem e do mal, capaz de dizer divina e objetivamente "a verdade" do passado, o/a historiador/a assume o lugar de onde fala e incorpora textualmente sua subjetividade. A construção do saber histórico, como qualquer outro, é um trabalho minucioso, lento e inacabado, que se dá a partir da produção de verdades parciais, utilizando-se de “categorias instáveis”, como afirma Sandra Harding, ou de conceitos provisórios e de muita pesquisa empírica.4 Na direção dessas indagações, a proposta deste livro é apresentar ao público vários artigos que refletem sobre a produção do conhecimento histórico, a partir de áreas temáticas específicas. Escrita da história, discurso, fato e narratividade, ciência e ficção, literatura e história, tempo e temporalidade são questões presentes nas discussões que abordam temas referentes tanto à teoria, quanto à política e à religiosidade. Apesar das diferenciações temáticas, uma orientação comum permite inscrever os textos aqui reunidos no campo da História Cultural, 2 Paul Veyne – Como se escreve a História. Foucault revoluciona a História. Brasília: UNB, 1976. 3 F. Nietzsche – Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1976; Michel Foucault. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense – Universitária, 1976. 4 Sandra Harding – “A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista”, Revista de Estudos Feministas, vol. 1, n. 1, 1993, Rio de Janeiro CIEC/ ECO/UFRJ.
  • 8. Margareth Rago e Renato A. de O. Gimenes 9 marcada pelas reflexões sobre a linguagem e as relações saber-poder, segundo as formulações de Michel Foucault, Gilles Deleuze, Jacques Derrida, R. Barthes, Hayden White e Dominick La Capra, especialmente. Os textos aqui reunidos foram, na maior parte, produzidos ao longo do curso de Teoria da História oferecido no segundo semestre de 1998, no Programa de Pós-Graduação em História do Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp e nas discussões realizadas na Linha de Pesquisa que hoje se denomina: gênero, subjetividades, cultura material e cartografia. Poderiam ser agrupados do seguinte modo: – História, Literatura e Narrativa: abrigam-se aqui reflexões teóricas que privilegiam a investigação das formas com que a escritura histórica se estruturou institucionalmente no tempo, procurando pensar suas conexões com o poder. Nessa mesma frente, focalizam-se igualmente os laços históricos e conceituais que ligam os domínios da História e da Literatura, seja para encontrar o que há de literário na escritura histórica – sua estilística, que interage com os métodos historiográficos – seja para, no sentido inverso, investigar historicamente, na Literatura, novas possibilidades de se pensar a vida social e política de um determinado período, tendo em mente que a narrativa literária joga sempre com a forma com que os sujeitos interagem entre si, através da crítica dos valores, da percepção, da política, do sexo, das formas de constituição das emoções e das identidades. – Política e Cultura: nesta unidade, podemos perceber um enfoque bastante diferenciado em relação à intersecção entre os domínios da política e da cultura. Diferentemente de concepções teóricas que pressupõem uma separação entre mundo político e mundo cultural, os trabalhos aqui reunidos partem de uma ótica que estabelece que as práticas culturais são imediatamente políticas, na medida em que é no campo da cultura que os sujeitos históricos podem definir, ou desconstruir suas identidades e territórios; numa palavra, é neste campo
  • 9. 10 Apresentação que os sujeitos se definem a si mesmos, seja em relação a formações discursivas dominantes, seja em relação a práticas alternativas de vivência do corpo, da política, dos saberes e da existência social coletiva. – Religiosidade e Mitologia: nesta unidade temática, encontram-se artigos em que se examinam as relações entre o discurso histórico e suas ligações com o domínio dos mitos e da religião. Nesses textos, temos também uma reflexão teórica sobre a articulação entre História e Antropologia, constituindo um diálogo crítico bastante rico, no qual podemos perceber o uso criativo de conceitos pertencentes tanto às duas disciplinas, quanto à investigação do campo mítico e religioso. Ainda que a coletânea apresente uma gama de temas diferenciados, uma preocupação comum atravessa esses trabalhos: levar a público um tipo de conhecimento produzido na universidade, que busca caminhos alternativos para narrar a História, construindo diferentes objetos, mas sempre procurando destacar o peso político que elementos como a religião, a mitologia, a escritura histórica, a literatura e a teoria possuem como instituintes de formas de existência social coletiva e subjetiva. Dos autores: David Harlan – professor do Departamento de História da Califórnia State University, San Luís Obispo. Antonio Paulo Benatte – doutor em História Cultural pela Unicamp; professor adjunto da Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG; pesquisador-colaborador do IFCH/Unicamp. José Antonio Vasconcelos – doutor em História pela Unicamp, com pós-doutorado em História na Universidade da Virgínia, E.U.A., professor do Departamento de História da Universidade de São Paulo. Célia Maria Marinho de Azevedo – professora doutora aposentada em História na Unicamp. Realizou o doutorado na Universidade de Columbia, E.U.A. Renato Aloizio de Oliveira Gimenes – Mestre em História pela UNICAMP; historiador-pesquisador do Departamento de Patrimônio
  • 10. Margareth Rago e Renato A. de O. Gimenes 11 Histórico, Artístico e Cultural da Secretaria Executiva de Cultura do Estado do Pará (DPHAC/SECULT). Professor da Faculdade de Castanhal (PA). Andrea Delgado – doutora em História Cutural pela Unicamp. Benito Bisso Schmidt – doutor em História pela Unicamp; professor do Departamento de História da UFRGS. Mauro Polacow Bisson – doutor em História Cultural pela Unicamp; professor da Universidade de Ribeirão Preto e da Universidade de Franca, São Paulo. Alexandre Mansur Barata – doutor em História Social pela Unicamp. Professor do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduaçao em História da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Pesquisador do Núcleo de Estudos em História Social da Política (NEHSP) e do Projeto Pronex-CNPQ-Faperj “Dimensoes e fronteiras do Estado Brasileiro no século XIX” (2010-2013). Lourdes M. G. C. Feitosa – doutora em História Cultural pela Unicamp; professora da Universidade Sagrado Coração (USC) em Bauru/ SP. Nanci Vieira de Oliveira – doutora em História pela Unicamp; professora assistente do Departamento de Ciências Sociais, área de Antropologia, do IFCH da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Carlo Romani – doutor em História Cultural pela Unicamp; Professor da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO. Fábio Henique Lopes – doutor em História Cultural pela Unicamp. Professor do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Pesquisador do CNPq. Raquel de Azevedo – ex-doutoranda em História pela Unicamp. Andrés Zarankin – doutor em História Cultural pela Unicamp; professor titular do Departamento de Sociologia e Antropologia da Universidade Federal de Minas Gerais. Margareth Rago – professora titular do Departamento de História do IFCH da Unicamp; professora visitante da Universidade de Colúmbia, em Nova Yorque (2010-2011).
  • 11. A HISTÓRIA INTELECTUAL E O RETORNO DA LITERATURA David Harlan* Havia um tempo em que os historiadores pensavam haver escapado ao "meramente literário", um tempo em que eles haviam estabelecido os estudos históricos no sólido fundamento do método objetivo e do argumento racional. No entanto, os recentes avanços em crítica literária e em filosofia da linguagem solaparam esta confiança. Agora, após uma ausência de cem anos, a literatura volta à história, montando seu circo de metáfora e alegoria, interpretação e aporia, traço e signo, exigindo que os historiadores aceitem sua presença zombeteira bem no coração daquilo em que, insistiam eles, consistia sua disciplina própria, autônoma e verdadeiramente cientifica.1 * Professor do Departamento de História da Califórnia State University, San Luís Obispo. Tradução do inglês de José Antônio Vasconcelos. Este artigo foi escrito para John Patrick Diggins. Eu não estou certo se ele concorda com o argumento que desenvolvi aqui, mas todas as questões são dele. Eu também gostaria de agradecer a S. A. M. Adshead, George Cotkin, Robert Fitz-simmons, Allan Megill e Leonard Wilcox, por terem despendido tempo lendo este ensaio, por me ajudarem a melhorá-lo, e por me salvarem de inúmeros erros crassos. 1 A descrição clássica da volta da linguagem é a Gramatologia, de Jacques Derrida. Como Derrida observou no capítulo inicial, “nunca tanto como no presente [a linguagem] tem invadido, como tal, o horizonte global das pesquisas mais diversas e dos discursos mais heterogêneos, diversos e heterogêneos em sua função, método e ideologia”. Of Grammatology, Baltimore, 1974, p. 6. Para uma discussão provocativa sobre a volta da literatura especificamente para a história, Cf. Linda Orr. “The revenge of literature: a History of History”. New Literary History, 18, Autumn 1986, p. 1-22.
  • 12. 14 A História Intelectual e o Retorno da... O retorno da literatura mergulhou os estudos históricos numa profunda crise epistemológica, questionando nossa crença num passado fixo e determinável, comprometendo a possibilidade de representação histórica e abalando nossa habilidade de nos localizarmos no tempo. O resultado disso tudo, acredita-se, tem sido uma redução do conhecimento histórico a um tecido de tramas e retalhos, constituindo uma ausência essencial. Este ensaio descreve a volta da literatura à história, examina as respostas de alguns historiadores de destaque, e sugere caminhos a serem tomados a partir daqui. O retorno da literatura foi preparado, a princípio, por Ferdinand de Saussure, com sua insistência em que a linguagem constitui e articula a realidade, ao invés de refleti-la ou expressá-la. Depois de Saussure, o significado tornou-se uma função do sistema linguístico, com suas regras fixas e pares de oposições, ao invés de algo a ser descoberto na natureza ou no passado. O pós-estruturalismo apareceu no final dos anos 60 como uma tentativa de substituir o sistema linguístico de Saussure, firme, estável e fechado, por uma concepção de linguagem instável, aberta e proteica. Os pós-estruturalistas atacaram primeiramente o entendimento saussureano do signo como a união entre uma palavra (o significante) e a ideia ou objeto por ela representado (o significado).2 Para Jacques Derrida, Roland Barthes e outros, esta unidade presumida não passa de uma ficção: os significantes não estão ligados aos significados; eles meramente apontam para outros significantes. No lugar de um sistema estruturado, gerando significados fixos, ficamos com uma cadeia infinita de significantes, nos quais o sentido é sempre postergado, e finalmente ausente. Não há um ponto de referência externo, não há uma última palavra, não há um “significado transcendental” que estabeleça o sentido, garantindo-o de uma vez por todas. Há somente a atuação incessante e não mitigada dos significantes – significantes libertos da tirania do significado, significantes não mais acorrentados ao esquema estruturalista de regras e oposições. Desligadas de fundamento 2 A crítica de Derrida e dos linguistas estruturalistas pode ser encontrada em seu “Structure, Sign and play in the discourse of the Human Sciences”, em Jacques Derrida. Writing and Difference. Chicago, 1978, p. 278-93; e em Derrida, Grammatology, p. 27-73.
  • 13. David Harlan 15 e aliviadas de seus fardos referenciais, as palavras tornaram-se proteicas e incontroláveis. Como explicou Derrida, “isto, estritamente falando, resulta na destruição do conceito de ‘signo’ e de toda sua lógica”.3 Se o signo e a referência foram as primeiras vítimas do pós-estruturalismo, a narrativa foi a segunda.4 Os historiadores sempre tomaram por princípio que uma narrativa, especialmente uma narrativa histórica, continha um sentido fixo e determinável: a visão do autor sobre este ou aquele tópico, uma expressão de personalidade ou caráter, alguma representação do mundo no qual o autor vivia, e assim por diante. Eles geralmente tentavam capturar o sentido “sentindo-se dentro” da narrativa, tentando nela experienciar toda a concretude e particularidade do autor, da ideia ou do período por ela supostamente representados. Mas esta noção tradicional de narrativa foi fatalmente comprometida pela fuga dos significantes de seus significados controladores e de seu sistema de oposições subjacente. Como resultado desta fuga, as palavras tornaram-se protéicas e prolíficas. Na história de Donald Barthelme, A Picture History of the War, o general exclama: “Existem vermes nas palavras. Os vermes nas palavras são como feijões mexicanos saltitantes, agitados pelo calor da boca!”.5 Pelo 3 Derrida. Grammatology, p. 7. Eu exagerei a oposição estruturalismo/ pós-estruturalismo de modo a destacar as diferenças cruciais entre ambos. Na verdade, a fuga possível dos significantes, sua tendência em decolar e assumir uma vida própria” tem preocupado os acadêmicos pelo menos desde o Renascimento. Cf. Adena Rosmarin. “On the Theory of “Against Theory’”. Critical Inquiry, 8, Summer 1982, p. 778-79. 4 Cf. Hayden White, The Content of the Form: narrative discourse and historical representation (Baltimore: 1987); Paul Ricoeur. Time and Narrative, 3. vols. (Chicago: 1984-88); com J. T. Mitchell. On narrative. Chicago: 1981, uma importante coleção de artigos que apareceu originalmente em Critical Inquiry; e Wallace Martin. Recent Theories of Narrative. Ithaca, 1987. 5 Donald Barthelme. “A picture history of the war”, em Barthelme. Unspeakable Practices, Unnatural Acts. New York: 1968, p. 142. Antes, nesta mesma história, Barthelme apresenta o exasperado general inquirindo a ninguém em particular: “Por que a linguagem me subverte, subverte minha alta posição, minhas medalhas, minha idade avançada, sempre que tem uma chance? O que a linguagem tem contra mim – eu que tenho sido bom para ela, respeitando suas pequenas particularidades por sessenta anos?” ibid. p. 139-40.
  • 14. 16 A História Intelectual e o Retorno da... fato de que as narrativas são feitas de palavras, também elas começam a gerar leituras múltiplas e sentidos divergentes. Aquilo que havia sido consistente, unificado e auto-suficiente, torna-se subitamente “diversificado, múltiplo e repleto de contradições”. A narrativa coerente, sustentando um sentido único, determinado e constatável, torna-se “dispersa em nuvens de partículas linguísticas... cada uma com sua própria valência pragmática”.6 Historiadores são pessoas céticas. Para eles cada um deveria guiar-se confiando no próprio nariz, como um cão de caça. Eles receiam que, uma vez deixando-se distrair por uma teoria, eles passarão seus dias a vagar por um labirinto cognitivo do qual não encontrarão o caminho que os conduza à saída. A crítica literária é certamente o pior destes labirintos, especialmente em sua versão pós-moderna.7 Os historiadores desviam seus olhos, mas o pouco que vêem confirma seus mais terríveis temores: a teoria literária é esotérica, subversiva, anarquista – algo que se deveria evitar como uma questão de higiene intelectual. Como o editor do Critical Inquiry explicou recentemente, pessoas de senso comum tipicamente consideram a teoria literária como profissionalmente indecorosa, politicamente sem efeito, moralmente niilística, cognitivamente inconsequente, estilisticamente hedionda e intelectualmente perigosa. Ela é percebida como uma invenção estrangeira (especialmente francesa), uma moda passageira, uma sacola de truques facilmente domesticável, e uma tentação inexplicável para os jovens.8 6 Jean-François Lyotard, The Postmodern Condition, Minneapolis: 1984, p. xxiv. 7 Para uma breve mas interessante discussão sobre porque o ceticismo linguístico vai muito além do ceticismo ideológico, e por que os historiadores se sentem tão pouco à vontade com “a coisa da linguagem”, Cf. Hans Kellner. “A bedrock of order: Hayden White’s linguistíc humanism”. History and Theory, 19, 1980, p. 12 e seguintes. 8 Tom MitchelI, “The golden age of criticism: seven theses”, ensaio lido na Universidade de Canterbury, em julho de 1987. Richard Rorty atribuiu a observação acerca da higiene intelectual a um “filósofo analítico de distinção”; Rorty. Consequences of Pragmatism: essays, 1972-1980. Bringhton: 1982, p. 224.
  • 15. David Harlan 17 Contudo, a crítica literária pós-moderna tornou-se tão poderosa e influente numa série tal de disciplinas,9 e levantou um número tão grande de questões perturbadoras acerca dos fundamentos conceituais da própria história, que os historiadores não podem mais ignorá-la. Especialmente historiadores intelectuais. Como disciplina responsável por manter viva nossa memória cultural e nossas tradições intelectuais, é a história intelectual que mais tende a perder na análise pós-moderna da representação e da narrativa. A mais influente tentativa recente de reconstrução da história intelectual foi feita por Quentin Skinner e J. G. A. Pocock. Skinner escreveu diversos estudos importantes sobre o pensamento político nos primórdios da Idade Moderna, e uma série de ensaios metodológicos. Estes escritos têm sido largamente influentes, as críticas a eles geralmente ineficazes, e suas tentativas de reconstrução da história intelectual aparentemente bem sucedidas; tanto que talvez devêssemos ceder ante sua alegação de haver estabelecido “uma nova ortodoxia” entre os historiadores das ideias.10 Esta nova ortodoxia foi erigida sobre dois alicerces. O primeiro é o reconhecimento, por parte de Skinner, de que os recentes avanços em filosofia da linguagem e em filosofia da ciência – especialmente os trabalhos de Willard Quine, Thomas Kuhn, Paul Feyerabend e outros – 9 Aqui J. Hillis Miller está descrevendo o “triunfo” contemporâneo da filosofia: “A teoria é agora tão dominante em todo lugar na escrita e no ensino das humanidades e das ciências sociais que seria melhor falar de um triunfo universal da teoria ao invés de qualquer resistência efetiva a ela. Isto é verdade a despeito das denúncias que continuam a aparecer, por exemplo, na media... O que eu quero dizer com “triunfo da teoria”? Eu quero dizer o que é óbvio de todos os lados, não somente a atenção agora dada à teoria literária mesmo pela media, mas a imensa proliferação de ensaios, livros, teses, novas coletâneas, novos periódicos, disciplinas, currículos, programas, corpos docentes, conferências, simpósios, grupos de estudo, institutos, centros e “centros de pesquisa focalizada” tudo dedicado à teoria crítica. É uma parafernália gigantesca de esforço intelectual coletivo”. Miller. “But are things as we think they are?” Times Literary Supplement, 4410, October, 9-15, 1987, p. 1104. 10 Quentin Skinner, “Hermeneutics and the role of history”. New Literary History. l, 1975-76, p. 214.
  • 16. 18 A História Intelectual e o Retorno da... solaparam a possibilidade de construção de uma estrutura de conhecimento empírico sobre qualquer base que se pretenda independente ou anterior à interpretação. O resultado foi um retrocesso maciço do empirismo – um retrocesso ocorrido em praticamente todas as ciências humanas.11 O segundo alicerce consiste numa hermenêutica essencialmente romântica.12 Desde suas origens na mitologia grega até seu refinamento na erudição bíblica do século XIX e sua emergência como uma especialidade acadêmica, o principal objetivo da hermenêutica romântica permaneceu constante: a recuperação da intenção do autor. A apropriação por Skinner da hermenêutica levou-o a insistir em que a primeira responsabilidade do historiador é reconstituir as “intenções primárias” do autor, onde a mensagem real do texto será encontrada.13 11 Quentin Skinner (ed.). The Return of Grand Theory in the Human Sciences. Cambridge: 1985, p. 1-20. 12 “Não pode haver dúvida que a influência da tradição hermenêutica em geral desempenhou um papel esclarecedor na ajuda da propagação da idéia de interpretação como essencialmente uma questão de recuperar e apresentar o significado de um texto”. Skinner. “Hermenêutics and the role of history”, p. 214. 13 Skinner considerava o “conhecimento de tais intenções” como “indispensável”; “Hermeneutics and the role of history”, p. 211. É a isto que Martin Jay se referiu como “a ilusão de que os textos sejam meramente intencionalidades congeladas esperando para ser re-experienciadas em uma data futura”; Jay. “Should intellectual history take a linguistic turn? Reflections on the Habermas-Gadamer debate”, in: Dominick LaCapra and Steven Kaplan, (orgs.) Modem European Intellectual History: reappaisals and new perspectives (Ithaca: 1982) p. 106. Esta abordagem dos textos primeiramente sofreu o ataque dos New Critics nas décadas de 1930 e 1940. Para uma defesa recente, cf. Steven Knapp e Walter Benn Michaels, “Against Theory”. Critical Inquiry, 8, Summer, 1982, p. 723-42; as réplicas críticas no vol. 9, June, 1983 e vol. 11, March, 1985; e Steven Knapp e Walter Bem Michaels, “Against Theory 2: hermeneutics and deconstruction”. Critical Inquiry, 14, Autumn, 1987, p. 49-68. Os seguidores de Leo Strauss naturalmente nunca desistiram da esperança de recuperar a intenção do autor. Cf. a discussão de Gordon Wood a respeito dos esforços de Strauss em recuperar a “intenção original” dos Fundadores em “The fundamentalists and the constitution”. New York Review of Books, 25, February 18, 1988, p. 33-40.
  • 17. David Harlan 19 De modo a recuperar a intenção do autor, os historiadores devem reconstruir o mundo mental no qual o autor escreveu seu livro – todo o conjunto de princípios linguísticos, convenções simbólicas e suposições ideológicas nas quais o autor viveu e pensou. Somente fixando o texto do autor neste contexto elaboradamente reconstruído é que os historiadores podem esperar recuperar “tudo o que pode ter sido tencionado”. Em “Hermeneutics and the role of history”, Skinner condensou suas prescrições num único silogismo: “l. Nós devemos recuperar as intenções do autor ao escrever, de modo a entender o significado daquilo que ele escreve. 2. Para recuperar tais intenções é... essencial cercar o texto dado com um contexto apropriado de suposições e convenções a partir das quais o exato significado pretendido possa ser decodificado. 3. Isto leva à crucial conclusão de que um conhecimento destas suposições e convenções deva ser essencial ao entendimento do sentido do texto”.14 As prescrições de Skinner podem ter-se tornado a “nova ortodoxia” entre os historiadores intelectuais, mas como todo homem de igreja sabe, ortodoxias geram hereges. Neste caso, os apóstatas parecem ser, no dizer de Skinner, “os formalistas de Yale e seus vários aliados filosóficos”, ou seja, os pós-estruturalistas. E eles parecem estar ganhando adeptos entre as fileiras dos próprios aliados de Skinner, “um recente número de teóricos em hermenêutica”, abertamente exibindo “uma curiosa tendência” para adotar “os pressupostos dos formalistas.”15 Em “Hermeneutics and the role of history”, Skinner atacou os pós-estruturalistas diretamente, condenando sua “análise crua”, descartando-os como “confusos”. O que Skinner repudia nos pós-estruturalistas, naturalmente, é sua teoria da linguagem. Para Derrida, Michel Foucault, Paul de Man e outros, a linguagem é um sistema autônomo que constitui mais do que reflete; é um 14 Skinner, “Hermeneutics and the role of history”, p. 216. 15 Skinner, “Hermeneutics and the role of history”, p. 213.
  • 18. 20 A História Intelectual e o Retorno da... mecanismo de auto-transformações não intencionais e auto-notificações irrestritas, e não um conjunto de significados estáveis e referências externas.16 E é intertextual, ao invés de intersubjetiva, escrevendo seus próprios significados acumulados sobre os desejos e intenções do autor. O paradigma da linguagem para os pós-estruturalistas é, portanto, não a fala, mas a escrita, com o seu autor, ausente, sua audiência desconhecida, e seu texto sem regras vomitando suas múltiplas significações, conotações e implicações. Este entendimento de linguagem tem pelo menos duas implicações imediatas para a história intelectual. Primeiramente ele sugere que o sujeito desta disciplina, um sujeito que pensa, deseja, tenciona – o autor de textos clássicos, como na teoria política – desapareceu, sua biografia é reduzida a não mais que um outro texto, a autoridade na qual ela repousa em ainda outro texto, a autoridade deste em novamente um outro texto, e assim por diante, ad infinitum. Donde, portanto, “a morte do autor”.17 Em segundo lugar, se o autor desapareceu, o texto também; como uma entidade autônoma e discreta, com um significado determinado e discernível, este também foi dissolvido pela intertextualidade. Para os pós-estruturalistas, 16 Eu não pretendo sugerir que não existam diferenças significativas entre Derrida, Foucault e De Man acerca da natureza da textualidade. Para uma discussão sobre as diferenças entre Derrida e Foucault a este respeito cf. Edward Said. “The problem of textuality: two exemplary positions”. Critical Inquiry, 4, 1978, p. 673-714. Paul de Man estava especialmente preocupado em preservar algo da capacidade referencial da linguagem; cf. Paul de Man, Allegories of Reading: figural language in Rousseau, Nietzsche, Rilke and Proust. New Haven: 1970, para sua tentativa em identificar os limites da desconstrução. Os capítulos sobre Rousseau são especialmente importantes a este respeito. 17 Cf. Roland Barthes, “The death of the author”, em Stephen Heath (org.) Image, Music, Text: Roland Barthes, London, 1977. “Os nomes de autores e doutrinas não têm aqui valor substancial. Eles não identificam nem identidades nem causas. Seria frívolo pensar que ‘Descartes’, ‘Leibniz’, ‘Rousseau’, ‘Hegel’, etc. são nomes de autores, dos autores de movimentos ou deslocamentos que nós assim designamos. O valor individual que eu atribuo a eles é primeiramente o nome de um problema”; J. Derrida. Of Grammatology, p. 99.
  • 19. David Harlan 21 o texto permanece significante precisamente porque eclipsa e transcende as intenções do autor.18 Mas Skinner acredita poder escapar disso tudo pensando a linguagem como fala ao invés de escrita, isto é, utilizando a teoria dos atos da fala.19 A teoria dos atos da fala afirma, primeiramente, que a fala é o modelo paradigmático para todo uso da linguagem; em segundo lugar, que os atos da fala são intersubjetivos, e não intertextuais; em terceiro lugar, que os atos da fala são atos sociais, que eles ocorrem em situações sociais concretas das quais derivam seu significado; em quarto lugar, que os atos da fala são atos nos quais os agentes propositadamente manipulam a linguagem de maneira a realizar certas ações – eles comandam, eles afirmam, eles prometem. Em outras palavras, os atos da fala (e por extensão, todas as sentenças) são ações humanas intencionais que ocorrem em situações sociais específicas. Se a teoria dos atos da fala pudesse ser aplicada à história intelectual, como acredita Skinner, ela poderia prover o fundamento conceitual a partir do qual o nosso entendimento tradicional de história pudesse ser defendido contra o massacre do criticismo pós-estruturalista. A teoria dos atos da fala poderia defender a história intelectual de quatro diferentes maneiras. Primeiramente, a importância que a teoria dos atos da fala dá ao contexto no qual as expressões vocais são feitas significa que os textos e os seus significados seriam ancorados no alicerce de situações históricas específicas; isto poria um fim aos significantes livres e flutuantes e a toda a incerteza por eles trazida. Em segundo lugar, a linguagem reassumiria 18 E porque ele transcende e eclipsa o discurso no qual foi escrito. Derrida argumentou que “o texto constantemente vai além desta representação [a representação do historiador acerca do ‘próprio’ discurso do texto] por todo o sistema de suas fontes e suas próprias leis”. Além disso, “a questão da genealogia [do texto] excede de longe as possibilidades presentemente dadas por sua elaboração”; Derrida. Of Grammatology, p. 101. 19 Tanto quanto Pocock. Cf. Pocock, “An appeal from the new to the old whigs? A note on Joyce Appleby’s ideology and the history of political thought”. Intellectual History Newsletler, 3, 1981, p. 47. Os trabalhos clássicos sobre a teoria dos atos da fala são J. L. Austin. How to Do Things With Words. Cambridge: 1963; e John Searle. Speech acts: An Essay in the Philosophy of Language. London: 1972.
  • 20. 22 A História Intelectual e o Retorno da... sua anterior natureza transparente e uma vez mais se colocaria ao dispor do olhar objetivo do historiador. Exatamente como estávamos acostumados a fazer antes da chegada dos pós-estruturalistas, nós podíamos ler um texto histórico e perscrutar através de sua linguagem como se estivéssemos olhando através de uma janela, descobrindo todo tipo de coisa sobre o autor e o mundo no qual o autor vivia, quase como se tivéssemos nos tornado um dos espiões de Deus. Em terceiro lugar, pelo fato de que a teoria da fala focaliza os sujeitos intencionais fazendo algo (falando ou escrevendo) – porque é intersubjetiva ao invés de intertextual – ela promete resgatar os autores do esquecimento ao qual o pós-estruturalismo os consignou. Em quarto lugar, e derivando diretamente do que foi dito acima, se a teoria dos atos da fala pudesse ser aplicada à história intelectual, ela reinstalaria a intenção autoral como primeira preocupação dos historiadores. Mas isto tudo daria certo? A resposta é não. Basicamente, a teoria dos atos da fala trata da fala e não da escrita. Os atos da fala são eventos localizados em pontos específicos no tempo e em contextos sócio-culturais concretos. Aquele que fala e aquele que ouve estão imediatamente presentes um ao outro, e partilham uma realidade comum à qual os significantes podem se referir e se incrustar instantaneamente. Por estas razões, a referência nos atos da fala não é tida como problemática.20 Skinner considera que o mesmo é verdade para a escrita, que esta pode ser considerada análoga à fala, e que 20 Mas é precisamente este “fonocentrismo”, este privilégio da fala sobre a escrita, que Derrida atacou tão vociferadamente. Derrida quer reduzir a fala a uma espécie de escrita, uma “archi-écriture”. Ele quer formular “uma nova situação para a fala”, para obrigar “sua subordinação dentro de uma estrutura da qual ela não mais será o arconte”. De fato, em Gramatologia, ele chegou a declarar “a morte da fala” (8). Seu ataque mais explícito a Austin e à teoria dos atos da fala foi em “Signature Event Context”. Glyph, I, 1977, p. 172-97. Mas cf. a defesa de John Searle em “Reiterando as diferenças”, Glyph, I, 1977, p. 198-208; e a resposta de Derrida, “Limited Inc abe, Glyph, 2, 1977, p. 162-254. Este debate levantou um grande interesse. Comentários podem ser encontrados em Gayatri Chakravorty Spivak, “Revolutions that as yet have no model”, Dia critics, 10, 1980, pp. 29-49; e Christopher Norris Deconstruction: theory and practice. London: 1982, p. 108-15.
  • 21. David Harlan 23 a escrita meramente transcreve graficamente a fala, ou que escrita é fala, um tipo de fala congelada, uma fala graficamente fixada. Claramente, porém, este não é o caso: fala não é o mesmo que escrita, escritores não são o mesmo que pessoas falando, e leitores não são a mesma coisa que ouvintes; o leitor do escritor não é análogo ao ouvinte daquele que fala. Não há diálogo entre escritor e leitor: o leitor não interroga o escritor, e o escritor não responde ao leitor. Como explicou Paul Ricoeur em Hermeneutics and the Human Sciences, “o leitor está ausente do ato de escrever; o escritor está ausente do ato de ler. O texto produz portanto um duplo eclipse de leitor e escritor”.21 E se a realidade comum partilhada pelo que fala e pelo ouvinte não pode ser transferida ao escritor e leitor, e significantes não podem, portanto, ser fundamentados no ato da sugestão, da insinuação (como se dá nos atos da fala), então a referência e a representação tornam-se altamente problemáticas. Uma vez que o texto encontra-se liberado da referência autoral, ele é também liberado da intenção autoral. Dessa maneira o autor se desvanece, suas intenções desaparecem, e o texto começa a oferecer possibilidades que seu autor pode jamais sequer ter imaginado. É exatamente nesse ponto que o trabalho de Hans Georg Gadamer torna-se importante para os historiadores. Conforme vimos, a hermenêutica da qual Skinner apropriou-se era basicamente uma hermenêutica romântica do século XIX, concebida e dirigida num único sentido: o resgate da intenção do autor. Ela requer que os historiadores se aproximem do texto com as mentes tão abertas e livres de preconceito quanto possível, e tentem entender o texto em seus próprios termos, e não nos termos peculiares às suas próprias situações. Em outras palavras, ela requer que os historiadores se transportem para dentro da cultura e da mente do autor. Em Truth and Method, Gadamer oferece uma crítica devastadora de todo este projeto.22 Gadamer mostrou primeiramente que 21 Paul Ricoeur. Hermeneutics and the Human Sciences. Cambridge: 1981, p. 146. Nas palavras de Derrida, “a escrita é o nome destas duas ausências”; Of Gramatology, p. 40-41. 22 Para uma crítica humorística mas mordaz deste projeto, cf. a história “Pierre Menard, Author of Don Quixote”, de Jorge Luis Borges, em Fictions. New York: 1962, p. 42-51.
  • 22. 24 A História Intelectual e o Retorno da... os historiadores não podem despir-se de seus preconceitos e parcialidades de modo a projetar-se nas mentes de seus autores porque os preconceitos do historiador são o que faz o entendimento possível em primeiro lugar. Estes preconceitos não são simplesmente obstáculos a serem superados ou descartados; eles constituem os pré-requisitos para o entendimento, ainda que simultaneamente limitem seu potencial de alcance. Os historiadores estão incrustados em suas próprias tradições históricas; seu entendimento de um documento em particular faz-se possível pela (e circunscrita a) sua posição nesta tradição. “A história não nos pertence”, escreveu Gadamer, “nós pertencemos a ela.” “A consciência do indivíduo não passa de um piscar nos circuitos fechados da vida histórica. Eis porque os preconceitos do indivíduo constituem a realidade histórica de seu ser.”23 Nós nos aproximamos do passado então, não num estado de virgindade histórica, mas com todas as suposições, pressupostos e preconceitos que não só fazem de nós pessoas reais, localizadas numa tradição histórica particular, mas também torna possível uma aproximação imaginativa a outros tempos.24 A segunda questão em Gadamer é que o texto a ser interpretado também está incrustado numa tradição histórica particular – não a tradição na qual o texto foi escrito (jamais poderemos recuperá-la), mas a tradição de interpretação que cresceu em torno do texto desde que ele foi escrito.25 23 Hans Georg Gadamer. Truth and Method. New York: 1975, p. 245. 24 Gadamer reconheceu que a identificação de preconceitos “legítimos” é um dos problemas “fundamentais” da hermenêutica. Gadamer, “Prejudices as conditions of understanding”, que compreende a Parte Dois de Truth and Method. Cf. a primeira parte desta seção, “The rehabilitation of authority and tradition”, pp. 245-253. 25 Gadamer referiu-se a isto como “sua realidade de ser experienciada constantemente renovada”; Truth and Method, p. xix. A posição de Gadamer, como destaquei aqui, é, em algumas maneiras, uma extensão da insistência de Martin Heidegger sobre a historicidade do texto, sua insistência de que tanto o texto quanto nosso entendimento deles são irremediavelmente históricos. Cf. a discussão de Richard Rorty sobre Heidegger em “Overcoming the tradition: Heidegger and Dewey”, Consequences of Pragmatism: essays, 1972-1980. Bringhton: 1982, p. 37-59.
  • 23. David Harlan 25 Skinner, em contraste, argumentou que podemos despir o texto de seus significados acumulados, reconstruir a situação histórica em que ele foi inicialmente escrito, reinserir o texto em seu contexto reconstruído, e ali discernir seu sentido inerente. Ele queria “repristinar” o texto. Mas a análise de Gadamer mostra ser isso impossível; o texto não pode nunca ser separado das interpretações através das quais ele chegou a nós, interpretações que agora “constituem a realidade histórica de seu ser”. Entender um texto significa entender sua história efetiva. Pretendê-lo de outro modo é transformar o texto, que “cresceu e foi transmitido historicamente” em “um objeto de física”.26 Gadamer consegue ser bastante incisivo a esse respeito: “a reconstrução das circunstâncias originais, como toda restauração do tipo, consiste numa realização sem sentido, tendo em vista a historicidade de nosso ser. O que é reconstruído, uma vida trazida do passado perdido, não é a original. Em sua continuação num estado alienado, ela adquire comumente uma existência cultural secundária... Mesmo a pintura retirada do museu e recolocada na igreja, ou uma construção restaurada à sua condição original já não são mais o que eram antes – tornam-se simplesmente atrações turísticas. De modo seme-lhante, uma hermenêutica que considera o entendimento como a reconstrução do original não seria mais que a recuperação de um significado morto”.27 A crítica de Gadamer foi a ponta de lança daquilo que Skinner agora reconhece como uma “recusa crescente... A recuperar o significado pretendido como qualquer parte da tarefa do intérprete”.28 Em meados dos anos 80, Skinner encontrou-se chamado a defender uma posição que não mais que dez anos antes ele havia intitulado de “a ortodoxia emergente.” 26 Rorty, Consequences of Pragmatism, xxi. 27 Rorty, Consequences of Pragmatism, 149. David Hoy fez a mesma observação: o significado não é algo dado, um em-si-mesmo, que somente precisa ser desdobrado”, isto é, ao invés, “condicionado por sua história de recepção e influência”; Hoy. Critical Circle. Berkeley: 1978, p. 103 e 93. 28 Skinner, Return of the grand theory to the human sciences, p. 8.
  • 24. 26 A História Intelectual e o Retorno da... Como se pode esperar, suas declarações recentes têm tido um tom progressivamente defensivo sobre suas posições. Ele parece sitiado, como se tivesse armado uma barricada em torno de seu escritório, escrevendo detrás de seus arquivos virados de ponta-cabeça. Ele acusa “subversivos com propósitos diversos”, que “procuram demolir as alegações da teoria e do método de organizarem os materiais da experiência”, de terem plantado “as dúvidas filosóficas proliferantes”, e “as objeções morais que têm sido levantadas em anos recentes.” E ele previne que estas “ameaças aos fundamentos das ciências humanas” confrontam-nos com nada mais que “o espectro do relativismo epistemológico”.29 A situação crítica na qual a história intelectual agora se encontra é ainda mais aparente no recente trabalho de J. G. A. Pocock. Tal como Skinner, ele tem realizado grandes contribuições tanto para a prática como para a teoria da história. Também como Skinner, ele começou sua carreira como integrante do grupo da Universidade de Cambridge que incluía Peter Laslett e John Dunn. Numa série de livros e artigos brilhantes que começaram a aparecer em meados dos anos sessenta, o grupo de Cambridge afirmava que os historiadores deveriam prestar mais atenção à função, ao contexto e à aplicação voláteis das linguagens conceituais... Encontradas 29 Skinner. Return of the grand theory to the human sciences, p. 1-20, passim. Ouve-se historiadores verbalizando este tipo de reação alarmista cada vez mais hoje em dia. James Kloppenberg recentemente preveniu seus colegas que os desenvolvimentos em crítica literária ameaçam “por fim a todo intercâmbio crítico”, que o significado em si mesmo – “todos os significados” – irão brevemente “desmoronar na ininteligibilidade”. A teoria literária contemporânea simplesmente “faz a escrita da história impossível”; Kloppenberg, “Deconstruction and hermeneutic strategies for intellectual history”. Intellectual History Newsletter, 9, April 1987, p. 7, 10. Stantely Fish discutiu tal “medo da teoria” em “Consequences”, Critical Inquiry, 11, 1985, p. 439 e seguintes. Para uma sugestão de que o “medo da teoria” possa estar espalhado entre os historiadores, cf. Dominick LaCapra, “On grubbing in my personal archives: an historiographical expose...”. Boudary 2: A Journal of postmodern Literature and Culture, 13, Winter-Spring 1985, p. 43-68.
  • 25. David Harlan 27 em sociedades particulares e em momentos determinados”.30 Uma vez que as linguagens conceituais de uma sociedade em particular tenham sido recuperadas e descritas, os historiadores teriam então acesso ao menu de significados que estas linguagens tornam possível (ou impossível) aos escritores e leitores vivendo naquela cultura. Esta foi uma idéia imensamente poderosa, que permitiu que os historiadores de Cambridge reescrevessem enormes seções da história do pensamento político britânico. Analisando a linguagem conceitual da Inglaterra no século XVII, eles foram capazes de mostrar, por exemplo, que a classe latifundiária contemporânea não tinha a possibilidade de perceber as implicações revolucionárias que as gerações seguintes leram no Segundo Tratado de John Locke. Em outras palavras, estudando a linguagem conceitual de uma cultura em particular, poderíamos descobrir o que era ou não possível às pessoas daquela cultura terem pensado. Pois, como comentou Pocock, “os homens não são capazes de fazer aquilo sobre o que eles não tenham meios de dizer o que tenham feito; e o que eles fazem deve ser em parte algo que eles possam dizer e conceber”.31 O historiador tenta “encontrar convenções e regularidades que indiquem o que poderia ou não ser dito na linguagem, e de que maneiras a linguagem qua paradigma encoraja, obriga ou proíbe seu usuário de pensar ou falar”.32 E disto, o que os escritores vivendo numa cultura em particular poderiam (ou não) ter dito pelas palavras por eles escritas. E o que os leitores (os leitores de Locke, por exemplo) poderiam ou não ter entendido por suas palavras. Skinner queria que os historiadores se voltassem ao estudo da linguagem como um meio de recuperar a intenção do autor, mas Pocock esperava interessá-los pela linguagem por si mesma, especialmente pela evolução de sistemas de linguagem, em particular durante longos períodos de tempo. Nisso ele tem sido muito bem sucedido. Já em 1971 ele era capaz de descrever e celebrar “a emergência de um método verdadeiramente 30 Pocock tal como citado por Joyce Appleby, “Ideology and the history of political thought”, Intellectual History Group Newsletter, 2 (1980), p. 11. 31 Pocock tal como citado por Appleby, ibidem, p. 15. 32 G. A. Pocock, Virtue. Commerce and History: essays on political thought and history, chiefly in the eighteenth century . New York: 1985, p. 10.
  • 26. 28 A História Intelectual e o Retorno da... autônomo, um método que ofereça um meio de tratar os fenômenos do pensamento político estritamente como fenômenos históricos”.33 De fato, em ambos os lados do Atlântico, os historiadores intelectuais agora se ocupam, como esperava Pocock, com “a investigação de linguagens políticas inteiras, incluindo a questão de como elas se interagem e ganham predominância umas sobre as outras”.34 Como Fernand Braudel, François Furet, Emmanuel Le Roy Ladurie e outros membros da escola de Annales, Pocock enfatizava la longue durée, as continuidades duradouras de pensamento e percepção ao longo de extensos intervalos de tempo. Em The Machiavellian Moment, por exemplo, ele descreve como a linguagem do humanismo cívico se desenvolveu durante um período de 500 anos, desde a Itália do século XV até a América do século XIX. Mas aqui chegamos ao problema central da abordagem de Pocock: o foco nas linguagens ou discursos que se desenvolvem, se expandem, se contraem e se substituem ao longo de grandes intervalos de tempo tende a obscurecer as contribuições de pensadores individuais, o que certamente não é a intenção dos historiadores de Cambridge. Mas, ainda que em seu próprio campo da história do pensamento político britânico, seu trabalho enviou Thomas Hobbes, Locke e os outros gigantes do pensamento intelectual inglês a um “limbo conceitual”.35 Vistos a partir da perspectiva de sistemas linguísticos desenvolvendo-se gradualmente ao longo de centenas de anos, os indivíduos – sejam eles camponeses franceses ou escritores ingleses – simplesmente desaparecem no arrolar-se do tempo. Ninguém sabe disso melhor do que Michel Foucault, o conhecido mestre da história do discurso até sua morte em 1984. Leia vinte textos médicos entre 1770 e 1780, sugeria Foucault, e então leia outros vinte 33 Pocock. Politics, Language and time, p. 3, 11. Pocock modestamente reconheceu que ele mesmo “aparentemente estava preocupado com esta transformação desde um estágio anterior”, p. 3. 34 David Hollinger, “Historians and the discourse of Intellectuals”, in John Hingham; Paul K. Conkin (orgs.) New directions in American intellectual history. Baltimore: 1979, n. 2, p. 60. 35 Appleby, “Ideology and the history of political thought”, p. 15.
  • 27. David Harlan 29 escritos entre 1820 e 1830. “No espaço de quarenta ou cinquenta anos tudo mudou: o que se falava, a maneira como se falava; não apenas remédios, naturalmente, não apenas as doenças e suas classificações, mas a própria perspectiva mudou. Quem foi o responsável por isso?” Um mundo conceitual inteiro desapareceu, seu lugar foi tomado por um novo “discurso”, uma nova rede com suas próprias exclusões e obliterações, “um novo jogo, com suas próprias regras, decisões e limitações, com sua própria lógica interna, seus próprios parâmetros e passagens cegas”.36 Em outras palavras, as regras que governam a formação e transformação de qualquer discurso são invocadas sob a consciência do escritor. A partir da decisão de Foucault, anunciada nas primeiras páginas da Arqueologia do Saber, de “abandonar qualquer tentativa de ver o discurso como um fenômeno de expressão”, “discurso não é o desdobramento da majestática manifestação de um sujeito que pensa, que sabe e que fala, mas pelo contrário, uma totalidade, na qual a dispersão do sujeito, e sua descontinuidade consigo mesmo pode ser determinada”.37 Pelo seu próprio objeto de estudo, por sua preocupação inevitável com as transformações abruptas e súbitas rupturas que marcam a vida dos discursos, e pelo seu foco sobre a longue durée, a história dos discursos dispersa o agente histórico, “o sujeito do saber”.38 Eis porque Foucault fala tão derrisoriamente “daquilo que você pode chamar a criatividade dos indivíduos”; de fato, é por isso que os indivíduos têm sido virtualmente obliterados de suas histórias. A transformação da história intelectual numa 36 Michel Foucault, in: Fons Elders (org.), Reflexive Water: the basic concerns of mankind. London: 1974, p. 150. 37 Michel Foucault, The archaeology of knowledge and the discourse of language. New York: 1972, p. 55. A perspectiva de Foucault não é singular, naturalmente; a dispersão do sujeito tem sido um elemento forte na vida intelectual francesa desde a década de 1960, mais obviamente o trabalho de Claude Lévi- Strauss, Louis Althusser e os historiadores de Annales, entre outros. 38 Como Foucault escreveu, “ao invés de se referir de volta para a síntese da função unificadora de um sujeito, as várias modalidades enunciativas manifestas sua dispersão. Para os vários status, os vários lugares, as várias posições que ele pode ocupar ou ser dado ao fazer um discurso. Para a descontinuidade dos planos do qual ele fala”. Archaeology of knowledge, p. 54, 149.
  • 28. 30 A História Intelectual e o Retorno da... história do discurso implica uma perda que alguns historiadores podem não querer aceitar. Pocock é um deles. Em Virtue, Commerce and History, seu último trabalho, ele delineia uma distinção entre a “história do pensamento político” e a “história do discurso político”, e reconhece que a corrente tradicional flui do primeiro para o segundo. Mas Pocock afirma-se solidamente contra este movimento. E ele assim procede por uma razão crucial e reveladora: porque ele está, em suas palavras, engajado numa escrita da história “ideologicamente liberal”.39 Com isto ele quer dizer uma história que preserve a integridade do sujeito. Opostamente à “história do discurso político”, a “história do pensamento político” continuará sendo uma história de “homens e mulheres que pensam”.40 Em Virtue, Commerce and History, Pocock pede-nos para pensar no sujeito – o escritor de teoria política do século XVII, por exemplo – como um sujeito criativo, manipulando auto-conscientemente um sistema de linguagem “polivalente”. Por “polivalente”, Pocock entende que as palavras individuais de um tal sistema “denotam e são conhecidas por denotar coisas diferentes ao mesmo tempo’.41 Visto deste modo, todo sistema de linguagem é uma miscelânea de “sublínguas, expressões idiomáticas, retórica e modos de fala, cada um variando em seu grau de autonomia e estabilidade”.42 O escritor põe-se do lado de fora e, diante desta floresta linguística, confrontando-a como um conjunto de possibilidades verbais a serem manipuladas e exploradas de modo a realizar suas intenções – intenções trazidas em cena pela escrita. “O autor pode mover-se por entre estes padrões de polivalência, empregando-os, e recombinando-os de acordo com a medida de sua capacidade.” O texto produzido não é um heterocosmo linguístico, mas o produto de uma “mente singular e poderosa”, possuindo portanto toda a unidade retórica, lógica e metodológica que seu autor lhe impõe”. Ele é “uma articulação 39 Pocock. Virtue, Commerce and History, p. 34. 40 Pocock. Virtue, Commerce and History, p. 1-2. 41 Pocock. Virtue, Commerce and History, p. 30, ênfase minha. 42 Pocock. Virtue, Commerce and History, p. 7.
  • 29. David Harlan 31 da consciência do autor”. Quando os historiadores o lêem, eles entram portanto “em comunicação com a própria pessoa do autor”.43 Mas é precisamente esta ânsia pela presença do autor – uma presença que parece vislumbrar-se logo abaixo da superfície do texto, mas uma presença que é, de fato, sempre adiada, sempre em algum outro lugar, sempre já ausente – é este anseio pela comunhão com a pessoa do autor que os desenvolvimentos recentes em crítica literária e na história do discurso poderosamente põem em dúvida.44 Barthes, Derrida, Foucault e outros tornaram-nos dolorosamente conscientes dos desejos que trazemos em nossos textos: nosso desejo de neles encontrar algum senso compensador de conexão e totalidade, alguma reafirmação de inteireza e amplitude. É difícil, depois de Barthes, Derrida e Foucault, continuarmos aproximando-nos de nossos textos como objetos que deveriam ser transparentes, como sinais de algo mais, como máscaras ocultando algo mantido em reserva, algo se revelará no final como total, primário e essencial, uma presença perfeita. Herman Melville tentou dizer-nos isto há mais de cem anos. Não é este o significado da terrível busca de Ahab pela baleia branca? Não estava Ahab tentando ler a baleia do modo como lemos nossos textos, tentando perfurar sua brancura vã, tentando penetrar em seu vazio enlouquecedor, de modo a revelar alguma presença original? Não é isto que Ahab tentava explicar a Starbuck no tombadilho do Pequod? 43 Pocock. Virtue, commerce and History, p. 9, 23, 25. 44 Nós não tivemos de esperar para que a crítica literária contemporânea nos dissesse isso; foi precisamente contra o desejo de encontrar no texto alguma comunhão entre o escritor e o leitor que Nathaniel Hawthorne nos preveniu no prefácio de Scarlett Letter. “Quando ele atira suas folhas em direção ao vento”, Hawthorne escreveu, o autor imagina estar se dirigindo aos “poucos que o entenderão, melhor que seus colegas de escola e seus companheiros de vida... Como se o livro impresso, arremessado em toda parte deste grande mundo, certamente encontrasse o segmento dividido da própria natureza do autor e completasse seu ciclo de existência trazendo-o em comunhão com o livro”; Hawthorne. The Scarlett Letter. New York: 1973, p. 35.
  • 30. 32 A História Intelectual e o Retorno da... “Ouçamos ainda uma vez mais – a camada um pouco abaixo. Todos os objetos visíveis, homem, não são mais que máscaras de papelão. Mas em cada evento – no ato vivo, no feito indubitável – lá, de alguma coisa desconhecida mas ainda assim racional brota a moldura de suas feições por detrás de sua máscara irracional. Se o homem atacasse, atravessasse a máscara! Como pode o prisioneiro atingir o lado de fora a não ser arremetendo-se contra a parede? Para mim a baleia branca é esta parede, empurrada de encontro a mim... Esta coisa inescrutável é o que eu mais odeio; e seja a baleia o agente, ou seja ela o principal, eu descarregarei meu ódio sobre ela”.45 Pocock está consciente disto tudo, naturalmente, tanto quanto está consciente dos recentes desenvolvimentos em crítica literária e em filosofia da linguagem. Ele sabe, como ele próprio admite, que a linguagem permite “a definição de problemas e valores políticos de certas maneiras e não de outras”. Ele tem conhecimento de que as intenções não podem existir fora da linguagem, que “os modos de fala disponíveis [a um escritor] lhe dão as intenções que ele pode ter”.46 E ele sabe que a imagem de um escritor posicionando-se fora de seu próprio universo de discurso, anterior a ele, manipulando e explorando este universo de modo a expressar as intenções que o escritor de alguma maneira lhe trouxe, parecerá altamente improvável aos críticos literários, senão aos próprios historiadores. Em outras palavras, ele sabe que não pode mais encontrar “a pessoa do autor”47, escondendo-se detrás do texto, não mais que Ahab podia esperar confrontar Deus por trás da “máscara irracional” da baleia branca. Mas Ahab esperava poder fazê-lo, e do mesmo modo Pocock também espera. J. G. A. Pocock é o mais teoricamente sofisticado dos historiadores práticos. Por sua recusa em abandonar o sonho da presença do autor, por sua insistência em que a história intelectual consiste numa busca para o resgate de “homens e mulheres que pensam”, ele nos mostra, mais 45 Herman Melville, Moby Dick. New York: 1986, p. 256-57. 46 Pocock. Virtue, Commerce and History, p. 8, 5. 47 Pocock. Virtue, Commerce and History, p. 25.
  • 31. David Harlan 33 claramente que qualquer outro, o impasse ao qual foi trazida esta disciplina.48 Os novos historiadores orientados ao discurso, os quais agora dominam a escrita da história intelectual americana, parecem felizes e alheios aos perigos que preocupam Pocock – que uma história do discurso dissolverá o sujeito tradicional da história intelectual, o autor criativo e pensante de tempos passados – reduzindo o autor, nas palavras de Pocock, “a um mero bocal de sua própria linguagem”.49 Eles simplesmente assumem, sem muita discussão, que eles podem submergir o sujeito numa história dos discursos, e ainda, de alguma maneira, reter o sujeito como um agente dotado de intencionalidade.50 Mas, se Pocock e os historiadores do discurso diferem acerca dos perigos em face ao sujeito, eles se unem quando se trata dos perigos do “presentismo”, que eles todos consideram como a escória da historiografia profissional. Por “presentismo” eles entendem, nas palavras de John Dunn, “a estranha tendência a um monte de escrita, na história do pensamento político especialmente, feitas daquelas proposições daqueles grandes 48 Hayden White confrontou-se com este mesmo dilema: de uma lado uma aguda sensibilidade para com as maneiras pelas quais a linguagem tanto constitui como dissolve o sujeito; de outro lado um profundo compromisso para com o humanismo liberal, para com o sujeito humano e a liberdade epistemológica. Hans Kellner descreveu o dilema de White com admirável destreza: “Se a linguagem é irredutível, um começo ‘sagrado’, então a liberdade humana é sacrificada. Se os homens são livres para escolherem seus protocolos linguísticos, então alguma força anterior e mais profunda precisa ser colocada. White afirma como um paradoxo existencial que os homens são livres e que a linguagem é irredutível”; Kellner, “A bedrock of order”, p. 23. 49 Pocock. Virtue, Commerce and History, p. 5. 50 Nem todos os historiadores do discurso são tão desatentos. Thomas Haskell, por exemplo, nos preveniu acerca de uma corrente “profundamente determinista” em grande parte da história intelectual contemporânea, embora isso não o faça reconsiderar o chamado para uma história baseada no discurso. Cf. Thomas Haskell, “Deterministic implications of intellectual history”. in: John Hingham and Paul K. Conkin (eds.) New Directions in American Intellectual History. Baltimore: 1979, p. 145.
  • 32. 34 A História Intelectual e o Retorno da... livros, que lembram o autor daquelas outras proposições daqueles outros livros”.51 Não há nada de novo nesta acusação; Herbert Butterfield costumava criticar seus colegas por aquilo que ele chamava de “a falácia patética” pelo que ele designava a “abstração de coisas de seu contexto histórico, julgando-as separadas de seu contexto – estimando-as e organizando o estudo histórico por um sistema de referências diretas ao presente”.52 Como sugere esta frase de Butterfield, o outro lado do “presentismo” é o “contextualismo”, a insistência de que um texto em particular somente pode ser entendido quando colocado no “contexto historicamente e socialmente especifico de discussão pública” no qual ele foi escrito.53 Em outras palavras, numa “rede de discurso intelectual” em particular. Na prática, isto se refere aos vários discursos especializados de intelectuais, uma história das “comunidades de discurso nas quais elas funcionam, e das relações variadas que elas manifestam com relação à cultura em sentido mais amplo”.54 51 John Dunn. Political Obligation in Its Historical Context. London: 1980, p. 15, citado por Richard Rorty in Rorty, J.B. Schneewind e Quentin Skinner (eds.) Philosophy in History: essays on the historiography of philosophy. New York: 1984. 52 Citado por George Stocking, “On the limits of ‘presentism’ and ‘historicism’ in the historiography of the behavioral sciences”, In: Stocking. Race, Culture and Evolution: essays in the history of anthropology. New York: 1968, p. 3. O termo “falácia patética” foi originalmente forjado por John Ruskin como uma referência pejorativa para a atribuição de sentimentos humanos a objetos na natureza. Cf. “Of the pathetic fallacy”, In: John Ruskin. Modern Painters, vol. 3, Boston: s.d., p. 200-218. 53 Hollinger, “Historians and the discourse of intellectuals”, p. 54. 54 Dominick LaCapra. “Rethinking intellectual history and reading texts” in: Dominick LaCapra; Steven Kaplan (eds.) Modern European Intellectual History: reappraisals and new perspectives, Ithaca, 1982, p. 69. Mas Cf. também o simpósio sobre história intelectual e a história dos discursos, Intellectual History Newsletter, 1, Spring 1979, especialmente os ensaios de Haskell, Bruce Kuclick, Stocking, Skinner, David Hall e William R. Taylor.
  • 33. David Harlan 35 A história do discurso (“contextualismo radical”, como alguns proponentes a chamam) tornou-se a mais predominante e influente tendência entre os historiadores intelectuais americanos – a dominante e agora convencional ortodoxia.55 New Directions in American Intellectual History, a mais recente pesquisa no campo, foi dominada pelos contextualistas, como também o é a Intellectual History Newsletter. Os contextualistas estão bem colocados, bem organizados e cada vez mais intolerantes quanto a abordagens alternativas.56 Mas o contextualismo encara problemas reais, problemas que estão se tornando cada dia mais evidentes. O mais óbvio e premente destes problemas diz respeito à dificuldade de se definir a relevante “rede de discurso intelectual” com qualquer precisão.57 Alguns historiadores, contextualistas de idéia fixa, têm insistido que todo texto deve ser colocado no “contexto imediato das pessoas, instituições e questões menos importantes nas quais [seu autor] viveu e trabalhou”.58 Mas outros contextualistas sustentam que o contexto relevante pode tornar-se menos imediato, e que de fato pode tornar-se dolorosamente remoto. Em “Historians and the Discourse of Intellectuals”, David Hollinger, um dos mais influentes defensores do contextualismo – concede que o contexto relevante possa ser definido de maneira tal que inclua todo “o conhecimento teórico, as tradições literárias e religiosas, e outras fontes culturais que os historiadores sabem que tenham sido acessíveis aos mais bem informados membros de uma dada sociedade 55 Tanto Hollinger quanto Haskell usam a expressão “contextualismo radical”. Cf. David Hollinger, “T. S. Kuhn’s theory of science and its implications for history”. American Historical Review, 78, April 1973, p. 377; e Haskell, “Deterministic implications of intellectual history”, p. 138. 56 Cf. LaCapra, “Grubbing on my personal archives”; e a discussão sobre The bard of savagery, de Diggins, abaixo. 57 Eu resolvi não trabalhar aqui com um problema colateral: que o conceito de discurso implica o conceito anterior de (e identificação dos) “períodos” históricos. Para uma discussão iluminativa desse problema, cf. Frederic Jameson. The political unconcious: narrative as a socially simbolic act, London: 1981, p. 28. 58 Thomas Haskell, “Veblen on capitalism: intellectual history in and out of context”. Reviews in Amercian History, 1, 1979, p. 559.
  • 34. 36 A História Intelectual e o Retorno da... em um dado momento histórico”.59 E em Victorian Anthropology, George Stocking, um historiador da antropologia que tem desempenhado um papel predominante nos debates sobre contextualismo, desenvolveu uma abordagem que ele chama de “contextualização múltipla”.60 Como notou um resenhista, “tão múltiplas são as abordagens de Stocking que mesmo uma lista delas iria requerer mais palavras do que uma resenha como esta poderia conter... Ele demonstra sensibilidade também para com as pressões sociais, políticas e econômicas que ajudaram a moldar as idéias”.61 De modo semelhante, o historiador Dominick LaCapra identificou pelo menos seis diferentes tipos de redes nas quais os textos deveriam ser colocados para análise contextual, cada qual “devendo conter não somente outros escritores e leitores contemporâneos, mas também as tradições encobertas e até mesmo os impulsos em parte reprimidos os quais não se conformam às convenções que prevalecem numa comunidade qualquer”.62 Em outras palavras, a comunidade relevante pode incluir toda a civilização ocidental. E mais. Em segundo lugar, antes que os historiadores possam colocar um texto em seu contexto putativo, eles devem (re) constituir este contexto – o que é em si mesmo um ato poético – e então interpretá-lo, do mesmo modo como se ele próprio fosse um texto.63 Em outros termos, nós não podemos conhecer um “contexto” que não tenha sido já textualizado.64 Isto 59 Hollinger, “Historians and the discourse of intellectuals”, p. 55. 60 Cf. Stocking, “On the limits of ‘presentism’ and ‘historicism’”; seu ensaio na Intellectual History Newsletter (referenciada na nota número 55 [54?] acima); e a introdução a seu livro Victorian Anthropology. New York: 1987. 61 Cf. a resenha de George Levine, New York Times Book Review, March 1, 1987. 62 LaCapra, como parafraseado por Kloppenberg, “Deconstruction”, 18. 63 Como LaCapra salientou, “o próprio contexto deveria ser visto como um texto de espécies. “Sua ‘leitura’ e interpretação colocam problemas tão difíceis quanto aqueles colocados pelos textos escritos mais intrincados.”; LaCapra, Rethinking Intellectual History: texts, contexts, language. Ithaca: 1983, p. 116-117. 64 “A idade já no passado é de fato constituída em todo respeito como um texto”; Derrida, Of Grammatology, lxxxix, ênfase no original. Frederic Jameson
  • 35. David Harlan 37 não é uma observação nova. Como William James explicou há três quartos de século, um contexto de algum modo anterior à textualização – uma “realidade ‘independente’ do pensamento humano” – é uma coisa muito difícil de se encontrar”. “Ele reduz a noção de... Alguma presença aborígene na experiência, antes que qualquer crença acerca da presença tenha vindo a tona, antes que qualquer concepção humana tenha sido aplicada. É o que é absolutamente mudo e evanescente ... Nós podemos vislumbrá-la, mas não podemos agarrá-la; o que nós agarramos é sempre algum substituto, que o pensamento huma-no prévio peptonizou e cozinhou para nosso consumo ... Nós podemos dizer que onde quer que a encontremos, ela já é uma fraude”.65 A distinção básica entre texto e contexto pode não ter entrado em colapso em todo lugar, mas mesmo entre os epistemologicamente conservadores, ela parece ter se tornado um problema.66 Finalmente, o contextualismo sofre de sua tendência, frequentemente sujeita a reclamações, de reduzir trabalhos complexos ao status de documentos.67 Quando os historiadores orientados ao discurso analisam um determinado texto, eles querem saber como ele funcionava dentro de um argumentou do mesmo modo em The politicai unconscious: o contexto não é “imediatamente presente como tal, não é alguma realidade externa do senso comum... mas ao invés deve ser sempre reconstituída depois do fato”; p. 81. 65 James citado por Richard Poirier. The renewal of literature: emersonian reflexions. New York: 1987, p. 48, ênfase no original. 66 Como John Toews observou depois de uma discussão acerca da inevitável textualização do contexto, “começa-se a perguntar-se se é possível evitar de algum modo as armadilhas da teoria referencial ou representacional sem cessar de ‘fazer’ história e restringir-se a pensar sobre ela”. Toews, “Intellectual history after the linguistic turn: the autonomy of meaning and the irreducibility of experience”. American Historical Review, 92, October 1987, p. 886. 67 Além das reclamações de LaCapra, citadas na nota 69 (abaixo), cf. aquelas de Norman Grabo e Patrícia Caldwell, In: Sacvan Bercovitch (ed.), The American puritan imagination, Cambridge: 1974, p. 26, 33, 36.
  • 36. 38 A História Intelectual e o Retorno da... discurso em particular, o que contribuía (se é que alguma coisa contribuía) para aquele discurso, como ele influenciou ou modificou o discurso, e assim por diante.68 Em outras palavras, seu interesse primário repousa no contexto e não no texto. O interesse no texto é puramente instrumental: eles querem saber o que ele pode lhes dizer sobre o discurso, do qual ele é, para estes historiadores, nada mais que uma manifestação, um símbolo, um documento.69 La Capra intitulou esta “história intelectual de antropologia cultural ou simbólico-retrospectiva” – uma disciplina na qual os “textos complexos” são sistematicamente diminuídos ao serem usados como evidência na reconstrução de um ou outro discurso histórico. Em outras palavras, uma atividade na qual os textos são, uma vez mais, abordados como algo que não eles próprios.70 O contextualismo radical – seja ele na forma da história do pensamento político de Skinner e Pocock, ou seja à guisa de uma história do discurso – é uma das mais importantes e influentes tentativas já feitas para deter o declínio da história intelectual. Ele tem tomado conhecimento e tentado incorporar alguns dos recentes desenvolvimentos em crítica literária, em filosofia da linguagem e em filosofia da ciência, e eleja foi 68 Hollinger, “Historians and the discourse of intellectuals”, p. 53. 69 “Há atualmente uma tendência excessiva em dar prioridade a abordagens sociais e socioculturais, e menosprezar a importância de se ler e interpretar textos complexos”; LaCapra, “Rethinking intellectual history”, p. 83. LaCapra criticou essa tendência. Hollinger, por outro lado, quer que prossigamos ainda mais nessa direção. Para ele deveríamos abordar textos complexos de modo inteiramente instrumental, usando-os para iluminar o discurso dos quais eles são somente manifestações. Cf. Hollinger, “Historians and the discourse of intellectuals”, p. 43-44. 70 LaCapra, “Rethinking intellectual history”, p. 83. Cf. Hayden White, “The context in the text: method and ideology in intellectual history”, In: White. The Content of the Form. Baltimore: 1987, p. 185-213, para uma discussão interessante sobre essa tendência. Uma das ironias do contextualismo é que em sua atração, sua afinidade e sua cumplicidade para com o rigor científico, os historiadores contextualistas parecem-se com ninguém mais senão seus arqui-antagonistas, os críticos descontrucionistas. Cf. Eugene Goodheart, The Skeptical Dispôsition in Contemporary Criticism. Princeton: 1984, p. 149154, para uma discussão interessante sobre o desconstrucionismo nessas linhas.
  • 37. David Harlan 39 – não muito tempo atrás – considerado o projeto daquilo que Pocock chamava de “verdadeiro método histórico”. Mas isso não nos dá uma resposta efetiva às críticas, dúvidas e suspeitas que os pós-estruturalistas levantaram acerca da história intelectual: a crença de que a linguagem é um sistema autônomo de transformações não intencionais, e não um conjunto estável de referências estabelecidas, uma obstinada economia de oposições e diferenças que constituem ao invés de refletir; as consequentes dúvidas sobre o referencial de linguagem e as capacidades representacionais; a crescente suspeita de que a narrativa possa ser incapaz de transmitir um significado fixo, determinado e acessível; e, finalmente, o eclipse do autor que tenciona, um autor autônomo. Por todo seu interesse em linguagem e em discurso, o contextualismo radical não nos deu nem os meios com os quais refutar estas alegações e dúvidas, e nem quaisquer sugestões de como construir algo a partir delas. Suponhamos por um momento que as alegações acumuladas contra a história intelectual são verdadeiras. Suponhamos que a história intelectual realmente se ponha nua diante de seus críticos, seu cânone exposto a uma pretensiosa imposição sobre o passado, sua esperança de recuperar a intenção do autor vista como pouco mais que um anseio metafísico, seus textos tradicionais sacrificados à insaciável goela da intertextualidade. A descrição que Northrop Frye faz da Nova Crítica ajusta-se à história intelectual ainda melhor: “uma religião de mistérios sem um evangelho”.71 Para onde vamos a partir daqui? Podemos começar com o problema dos textos: com quais textos os historiadores intelectuais deveriam preocupar-se? Qualquer tentativa de privilegiar um conjunto particular de textos está fadada a tornar-se algo problemático hoje em dia, devido às alegações da intertextualidade, que dissolvem a identidade autônoma de trabalhos individuais. Os pós-estruturalistas querem que consideremos os textos individuais como os produtos e a consequência de outros textos escritos antes deles. Qualquer texto particular, dizem-nos, é meramente uma versão “decodificada” 71 Northop Frye citado por Jonathan Culler em sua apresentação a Tzvetan Todorov, The Poetics of Prose. Ithaca: 1977, p. 7.
  • 38. 40 A História Intelectual e o Retorno da... ou ‘”transcodificada” de outros textos, textos cujos antecedentes são encontrados em outros textos ainda mais antigos. Por trás do texto individual existem somente outros textos que se referem (quando não são eles mesmos auto-referenciais) a ainda outros textos, e assim por diante, num regresso aparentemente infinito. A referência torna-se intertextual, a origem se dissolve, e o texto é dispersado. E de embalo vai junto qualquer distinção significativa entre “grandes livros” e livros de historinhas.72 Na realidade, entretanto, ninguém, nem mesmo entre os pós-estruturalistas, tem qualquer dificuldade em diferenciar os “grandes livros” dos livros de historinhas.73 Nem mesmo Barthes, que por primeiro popularizou a noção de “intertextualidade.” Ele distingue textos “legíveis” (lisible) dos textos “escritíveis” (scritiblé). Por textos “legíveis” ele entende textos que obedecem às convenções aceitas de leitura e interpretação. Pelo fato de sabermos “como” lê-los, nós os lemos passivamente, encontrando neles exatamente o significados que nossas convenções identificam para nós. Textos “escritíveis”, por outro lado, desafiam as convenções que isolam e identificam o significado no texto “legível”, o leitor tem de entrar pessoalmente no texto, tem de participar ativamente na fabricação de qualquer significado que ali se desenvolva. Em outras palavras, textos “escritíveis” forçam o leitor, enquanto este lê, a estar 72 Intertextualidade é associada mais de perto com Roland Barthes e Julia Kristeva, mas a idéia não é nova para eles. Jorge Luis Borges, por exemplo, tem jogado com essa noção durante anos. Cf. sua história “As ruínas circulares”, in: Borges, Fictions, como um bom exemplo. Para uma tentativa de salvar o texto autônomo da goela da intertextualidade, cf. Stanley Fish, Is There a Text in This Class: the authority of interpretive communities. Cambridge: 1980; e Geofrey H. Hartman, Saving the Text: literature/Derrida/philosophy. Baltimore: 1981, especialmente o capítulo 5, “Words and wounds”. 73 LaCapra afirma o mesmo; cf. “Rethinking intellectual history”, p. 51. Os problemas e desentendimentos têm a ver menos com a identificação de trabalhos canónicos que em decidir como interpretá-los. Para uma discussão interessanten de (e uma resposta a) ataques recentes sobre o cânone na história literária americana, cf. Werner Sollors, “A critique of pure pluralism”, In: Scavan Bercovitch (ed.), Reconstructing American Literary History, Cambridge, 1986, p. 250-279.
  • 39. David Harlan 41 também mentalmente compondo um texto alternativo ou “virtual”. Deste modo, textos “escritíveis” “iniciam produções de significado, ao invés de transmitir os significados por si mesmos”.74 Eles despertam, cultivam e guiam a produção de significados por parte do leitor. Eles convidam o leitor a reescrevê-los, seduzindo o leitor a tornar-se um escritor. Isto é o que Barthes queria dizer quando afirmou que “o texto que você escreve deve provar que ele me deseja.75 LaCapra provavelmente tinha alguma coisa como isso em mente ao formular a distinção entre “trabalhos complexos” e “documentos”. Assim como os textos “escritíveis” de Barthes, os “trabalhos complexos” de LaCapra distinguem-se por sua tendência a subverter os protocolos e convenções de leitura comumente aceitos. Eles desenvolvem “a função contestadora do ato de questionar [os entendimentos recebidos] de modo a ter implicações mais amplas para o viver”.76 A noção de texto “escritível”, de Barthes, é também análoga à definição de trabalho “canônico”, de Frank Kermode.77 Trabalhos canônicos são aqueles textos que têm gradualmente se revelado multidimensionais e “omnisignificantes”, aqueles trabalhos que produziram uma plenitude de significados e interpretações, sendo que somente uma pequena porcentagem deles se faz presente numa única leitura. Textos canônicos têm “qualidades não detectáveis exceto num momento apropriado no futuro”.78 Eles geram novos modos de ver coisas velhas, e novas coisas que nunca vimos antes. Não importa o quão sub-repticiamente ou o quão radicalmente mudemos nossa abordagem em relação a eles, eles sempre responderão com algo 74 Wolfgang Iser citado por Jerome Bruner, Actual Minds, Possible Worlds. Cambridge: 1986, p. 25. Iser declarou que esse tipo de leitura é “único em literatura”; Iser, The act of reading: a theory of aesthetic response. Baltimore: 1978, p. 109. Mas em lugar algum ele explicou porque ele não pode ser aplicado também a outras formas narrativas. 75 Roland Barthes. The pleasure of the Text, New York: 1975, p. 6, ênfase no original. 76 LaCapra, “Rethinking intellectual history”, p. 65. Mas cf. também LaCapra, History and Criticism. Ithaca: 1985, p. 18 e seguintes, 38 e seguintes. 77 Frank Kermode. Forms of attention, Chicago, 1985. 78 Kermode. Forms of attention, p. 75.
  • 40. 42 A História Intelectual e o Retorno da... novo; não importa quantas vezes nós os reinterpretemos, eles sempre têm algo iluminador a dizer-nos. Sua própria indeterminação demonstra que eles jamais podem ser exauridos. Como observou Wolfgang Iser, o texto canônico “recusa-se a ser totalmente sugado para depois ser atirado num monte de lixo”.79 Textos canônicos são multidimensionais, “omnisignificantes”, inexauríveis, perpetuamente novos e, por todas estas razões, “permanentemente valiosos”. É possível, portanto, diferenciar os “grandes livros” dos livros de historinhas, independentemente da intertextualidade. Recorrendo a Barthes, LaCapra e Kermode, podemos juntar os remendos de critérios provisórios de trabalho para a identificação dos livros pelos quais a história intelectual possa se interessar.80 Mas agora surge um outro problema: esta lista de trabalhos canônicos, arranjados nesta linda ordem cronológica, é ela o produto de um genuíno processo histórico? Ela representa verdadeiramente as vozes encorpadas de uma grande conversação que tem-se desenvolvido ao longo das eras pelos gigantes intelectuais da história ocidental? Estariam os grandes pensadores de todas as épocas realmente conversando uns com os outros, numa extensa conversa histórica, sendo os grandes livros os remanescentes textualizados deste elevado diálogo? Estas questões já tinham sido levantadas nos anos trinta, quando elas se direcionavam contra o projeto de “História das Idéias”, de Arthur Lovejoy. E elas foram novamente levantadas, mais agressivamente, pelos novos historiadores sociais nos anos sessenta, e nos primeiros 79 Iser. Act of reading, p. 7. “Ao invés de ser capar de apreender significado como um objeto, o crítico é confrontado com um espaço vazio. E este vazio não pode ser preenchido por um único significado referencial, e qualquer tentativa de reduzi-lo desse modo leva ao disparate”; p. 8. 80 Hayden White também estabeleceu uma distinção entre os livros de historinhas e os “textos clássicos”. A diferença “tem a ver com a extensão pela qual o texto clássico revela, de fato ativamente atrai a atenção para seus próprios processos de produção de significado e faz desses processos seu próprio assunto, seu próprio conteúdo”’. The Education of Henry Adams é, portanto, um texto clássico por causa de sua “criatividade autoconsciente e auto-celebrativa”; White, The Content of the Form, p. 212.
  • 41. David Harlan 43 ensaios metodológicos de Pocock e Skinner.81 Este questionamento revelou eventualmente, como não poderia deixar de ser, que este “grande diálogo” era uma ficção; ele simplesmente não aconteceu. Ao invés de uma maravilhosa conversação, desenvolvida por sucessivas gerações de grandes pensadores, ela foi exposta como uma construção intelectual concebida pelos historiadores contemporâneos, de modo a estabelecer uma ligação entre os vários livros por eles considerados como canônicos. Como se percebeu mais tarde, não havia nenhuma verdadeira relação histórica entre os próprios livros. Como explicou John Gunnel, em 1979, “Com o passar dos anos, por convenção acadêmica, um repertório básico de trabalhos foi selecionado, cronologicamente arranjado, representado como um verdadeiro [fenômeno] histórico, infundido com um significado evolucionário, carregado com uma significância derivada dos vários temas e motivos simbólicos, e oferecida como os antecedentes intelectuais dos contemporâneos... [padrões de] pensamento”.82 81 In: “The limits of historical explanation”, Philosophy, 41, 1966, pp. 199-215, por exemplo, Skinner lançou um ataque devastador sobre “o modelo de influência” – pelo que ele queria dizer o hábito de tratar escritores anteriores como se estivessem antecipando escritores subseqüentes. Três anos depois ele ofereceu uma versão bastante expandida desta crítica em “Meaning and understanding in the history of ideas”, History and Theory, 8, 1969, pp. 3-56. 82 John Gunnell. Political Theory: tradition and interpretation. Lanham, 1979, p. 68. É surpreendente que este construto ideal pudesse alguma vez ser tomado como uma tradição histórica genuína. Em 1919 T. S. Eliot explicou que “os monumentos existentes formam uma ordem ideal entre si, a qual é modificada pela introdução do novo (o realmente novo) trabalho entre eles”; Eliot. Selected essays. London: 1934, p. 15, ênfase minha. Mesmo assim, tanto a história da filosofia contemporânea quanto a filosofia da história contemporânea têm sido largamente moldadas (ou desmoldadas) pela “revelação” que Gunnell descreveu. Como David Hoy recentemente explicou, “a ruptura realmente fundamental na filosofia contemporânea...é entre aqueles (como Dewey, Heidegger, Cavell, Kuhn, Feyerabend e Habermas) que tomas Hegel e a história de maneira séria, e aqueles que vêem ‘problemas filosóficos recorrentes’ sendo discutidos por todos”; Hoy, “Taking history seriously: Foucault, Gadamer, Habermas”. Union Seminary Quarterly Review, 34, Winter 1979, p. 85.
  • 42. 44 A História Intelectual e o Retorno da... Foi neste ponto que Skinner e Pocock, face a questões que ameaçavam expor sua disciplina como um truque, tentaram reconstruir a história intelectual, dando a ela seus trabalhos canônicos, a partir dos quais todos poderiam perceber o que lhes faltava: um contexto histórico genuíno. Mas as dificuldades encontradas em sua tentativa, combinadas com o massacre do pós-estruturalismo, deixou a história intelectual com um cânone, mas sem uma explicação histórica de sua existência. Os historiadores intelectuais exploram minuciosamente uma pilha de ossos, em busca do que uma vez tinha sido o esqueleto associado à sua disciplina. Se a história intelectual tiver de ser reconstruída, este monte de ossos deverá receber alguma forma e figura, alguma estrutura definida. Precisamos de algo para tomar o lugar de nossa antiga crença de que os grandes livros eram um produto de um real diálogo transgeracional entre os grandes pensadores. Precisamos dar ao cânone um passado, uma identidade historicamente condicionada. Nós podemos encontrar exatamente o que precisamos no argumento acerca da interpretação bíblica que surgiu primeiramente durante a Reforma Protestante. Central para a Reforma, naturalmente, era a convicção de Lutero de que todo homem não era mais seu próprio sacerdote, mas seu próprio intérprete. Por detrás desta convicção repousam duas crenças ainda mais básicas: primeiro, que as escrituras eram auto-suficientes e auto-interpretativas, que elas possuíam um sentido claro, fixo e determinado que emergia diretamente do próprio texto, sem qualquer auxilio do complicado aparato interpretativo que a Igreja gradualmente desenvolveu, e que agora exigia; e, em segundo lugar, que as escrituras deveriam ser tomadas literalmente, ao invés de alegoricamente, como a Igreja também insistia. “As alegorias de Orígenes não valem uma titica”, dizia Lutero, “elas são o lixo da Escritura.”83 Para o Protestantismo Reformador, a insistência da Igreja nos procedimentos interpretativos e no significado alegórico se colocava entre os cristãos e sua Bíblia, pondo uma barreira entre eles e o acesso imediato à Palavra. 83 Lutero citado por Susan A. Handelman. The Slayers of Moses: the emergence of rabinic interpretation in modern literary theory. Albany: 1982, p. 123.
  • 43. David Harlan 45 A proposta de Skinner e de Pocock para a reforma da história intelectual é essencialmente uma proposta protestante. Tal como Lutero, eles afirmam que os textos históricos transmitem significados fixos, e que estes significados são acessíveis e, em última análise, determináveis, se os críticos ou os historiadores simplesmente se derem ao trabalho de atravessar as camadas de interpretação que se põem entre o texto não corroborado e suas mentes inquiridoras. Tal como Lutero, eles consideram estas camadas de interpretação acumulada como se fossem um impedimento, uma obstrução, um obstáculo, uma barreira entre os historiadores e as “intenções primárias” do autor. A riqueza do material interpretativo que cerca um trabalho histórico é por eles tida como uma incrustação numa escala tal que os historiadores precisam esmagá-la em pedaços com seu “método verdadeiramente histórico”, de modo a obter a pérola do significado autêntico, aquilo que o autor “realmente quis dizer”, aquilo que o texto “realmente diz”. Os problemas que este procedimento tem encontrado sugere que o que precisamos é de uma tradição interpretativa construída não sobre o anseio pela presença do autor e pelo significado invariável, não sobre a ilusão do texto como uma “intencionalidade congelada esperando para ser novamente experienciada”, mas no reconhecimento de que todo texto, no mesmo momento em que começa a existir, já foi atirado nas águas, que nenhum texto pode jamais esperar novamente juntar-se a seu pai, que é o destino de todo texto dar início ao caminhar errante de um filho pródigo que não mais retorna. É bastante interessante o fato de que podemos encontrar tal abordagem tanto na tradição interpretativa rabínica, como na tradição interpretativa católica. O Judaísmo Rabínico não começa com a Palavra como a expressão imaculada da vontade de Deus, a Palavra radiante, com seu significado original, antes de qualquer ato de interpretação, mas com a Torah como a promessa de um sentido múltiplo, um convite à interpretação e reinterpretação contínuas. Não é a encarnação – a Palavra feito carne – mas a interpretação – a palavra repleta de significado – que é o ato divino central do Judaísmo Rabínico. Em toda palavra brilha uma “infinita
  • 44. 46 A História Intelectual e o Retorno da... multidão de luzes”.84 Como explicou uma vez Emmanuel Levinas, “é precisamente um discurso, não encarnado em Deus, que assegura-nos um Deus vivo entre nós... O espiritual não se apresenta como uma substância sustentável, mas pelo contrário, apresenta-se através de sua ausência; Deus torna-se real não por meio de sua encarnação, mas através da Lei” – ou o que dá no mesmo, através do texto.85 Este é o conceito que Gershom Scholem chamou de “propensão preexistente”, a idéia de que a Torah implicitamente contém toda interpretação que os comentadores posteriores eventualmente descobririam. “Vocês devem portanto Me abandonar, desde que guardem Minha Torah.” Como expressou o Rabi Joshua ben Levi, um professor Palestino do século três, “Torah, Mishnah, Talmud e Agga-dah – deveras, até mesmo os comentários que algum aluno brilhante fará um dia a seu professor – já foram dados a Moisés no Monte Sinai”. E, como acrescentou Scholem, “mesmo as questões que tal aluno brilhante fará um dia a seu professor! ‘”86 Finalmente, há a maravilhosa história da discussão de Rabi Eliézer com os Sábios acerca do forno de Aknai. Quando Deus gritou “Por que disputam com Rabi Eliézer, se vocês todos vêem que em tudo o halachah concorda com ele!” Rabi Jeremias respondeu, “A Torah já nos foi dada no Monte Sinai; não prestaremos atenção a uma voz vinda dos céus.” Neste ponto Deus “riu prazerosamente” e admitiu “Meus filhos Me derrotaram, Meus filhos Me derrotaram”.87 Em The Slayers of Moses, Susan Handelman defende que toda a história da crítica ocidental tem sido uma discussão entre judeus e cristãos acerca da esperança de encontrar Deus em sua Palavra, o autor em seu 84 Gershom Scholem. The Messianic Idea in Judaism and Other Essays on Jewish Spirituality. New York: 1984, p. 295. 85 Emmmanuel Levinas citado por Handelman. Slayers of Moses, p. 172, ênfase no original. 86 Citado por Scholem, The Messianic Idea, p. 289. Frank Kermode fez desta noção de Torah a própria definição de canonicidade: “Estar dentro do cânone é ser creditado com números indefinidamente grandes de relações internas e segredos possíveis, ser traçado como um heterocosmo, uma Torah em miniatura”; Kermode, Forms of Attention, p. 90. 87 Seder Nezikin. Tractate Baba Metzia 58b-59b, vol. 10, pp. 351-352 de Baba Metzia na Tradução de Soncino.