POLÍTICA DE COTAS
CACUO – Atualidades – vespertino e noturno –
21/06/2013
1. CONTEXTO HISTÓRICO
 Era colonial-escravocrata:
 Paralelo com a educação: Dívida histórica do país com
afrodescendente...
 Ainda de acordo com Boris Fausto, na obra citada,
"costuma-se dividir os povos africanos em dois
grandes ramos étnicos: ...
 TRABALHO ESCRAVO: Depois de comprado no
mercado, o escravo podia ter três destinos
principais: serescravo doméstico, ist...
 RESISTÊNCIA E QUILOMBOS: De
qualquer modo, apesar das fugas e da
formação dos quilombos, dos quais se
destacou Palmares ...
2. CONTEXTO SOCIAL – ENSINO SUPERIOR
 “As ações afirmativas ou sistema de cotas é
certamente o assunto mais polêmico quan...
POLÍTICA DE AFIRMAÇÃO DE COTAS:
“O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, em 26 de abril,
que o sistema de cotas raciais...
CRÍTICAS AS COTAS: Críticos da proposta, contudo, argumentam
que os negros nunca foram impedidos de frequentar universida...
 “As universidades têm autonomia para definir o
funcionamento do sistema de cotas, por isso existem
diversos modelos espa...
 As universidades e instituições federais de
ensino deverão reservar já no próximo vestibular 12,5%
das vagas para alunos...
 As cotas serão preenchidas de acordo com as notas dos
alunos. As vagas remanescentes estarão disponíveis aos
autodeclara...
Politica de cotas
Politica de cotas
Politica de cotas
Politica de cotas
of 15

Politica de cotas

Published on: Mar 4, 2016
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Politica de cotas

  • 1. POLÍTICA DE COTAS CACUO – Atualidades – vespertino e noturno – 21/06/2013
  • 2. 1. CONTEXTO HISTÓRICO  Era colonial-escravocrata:  Paralelo com a educação: Dívida histórica do país com afrodescendentes e indígenas  “Segundo Boris Fausto, em sua "História do Brasil", "estima-se que entre 1550 e 1855 entraram pelos portos brasileiros 4 milhões de escravos, na sua grande maioria jovens do sexo masculino". Outros historiadores mais antigos como Pedro Calmon e Pandiá Calógeras falam em quantias que variam entre 8 e 13 milhões. Caio Prado Jr. cita 7 milhões.” (http://educacao.uol.com.br/disciplinas/historia-brasil/escravidao-no-brasil- escravos-eram-base-da-economia-colonial-e-imperial.htm (08/11/2005 ))
  • 3.  Ainda de acordo com Boris Fausto, na obra citada, "costuma-se dividir os povos africanos em dois grandes ramos étnicos: os sudaneses, predominantes na África ocidental, Sudão egípcio e na costa do golfo da Guiné, e os bantos, da África Equatorial e tropical, de parte do golfo da Guiné, do Congo, Angola e Moçambique. Essa grande divisão não nos deve levar a esquecer que os negros escravizados no Brasil provinham de muitas tribos ou reinos, com suas culturas próprias. Por exemplo: os iorubas, jejes, tapas, hauças, entre os sudaneses; e os angolas, bengalas, monjolos e moçambiques entre os bantos".  http://educacao.uol.com.br/disciplinas/historia-brasil/escravidao-no-brasil-escravos- eram-base-da-economia-colonial-e-imperial.htm - 08/11/2005
  • 4.  TRABALHO ESCRAVO: Depois de comprado no mercado, o escravo podia ter três destinos principais: serescravo doméstico, isto, é fazer os serviços na casa do senhor; escravo do eito, que trabalhava nas plantações ou nas minas; e escravo de ganho, que prestava serviços de transporte, vendia alimentos nas ruas, fazia trabalhos especializados como os de pedreiro, marceneiro, alfaitate, etc., entregando a seu senhor o dinheiro que ganhava.
  • 5.  RESISTÊNCIA E QUILOMBOS: De qualquer modo, apesar das fugas e da formação dos quilombos, dos quais se destacou Palmares no século 17, os escravos africanos ou afro-brasileiros como um todo não tiveram condições de abolir por conta própria o sistema escravocrata. Com a Independência, embora a questão da abolição tenha sido levantada, a escravidão continuou a vigorar no país até a promulgação da Lei Áurea, em 13 de maio de 1888 - como coroação de uma ampla campanha abolicionista.
  • 6. 2. CONTEXTO SOCIAL – ENSINO SUPERIOR  “As ações afirmativas ou sistema de cotas é certamente o assunto mais polêmico quando se trata do ingresso ao ensino superior no Brasil. No começo do século, eram poucas as universidades públicas que reservavam vagas para candidatos negros e/ou de baixa renda (...). Com o passar dos anos, mais e mais instituições públicas de ensino superior passaram a adotar a prática, até que praticamente todas passaram a usar. A medida que seria provisória está se tornando definitiva, já que as universidades perceberam a letargia dos governos federais, estaduais e municipais em melhorar o ensino nas escolas públicas.”  http://vestibular.brasilescola.com/cotas/
  • 7. POLÍTICA DE AFIRMAÇÃO DE COTAS: “O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, em 26 de abril, que o sistema de cotas raciais em universidades não contraria a Constituição brasileira. O resultado do julgamento sanciona a prática, adotada por instituições públicas de ensino superior, de manter reservas de vagas para estudantes negros, pardos e índios.” (http://vestibular.uol.com.br/resumo-das-disciplinas/atualidades/educacao-a-polemica-do- sistema-de-cotas.htm - 04/05/2012)
  • 8. CRÍTICAS AS COTAS: Críticos da proposta, contudo, argumentam que os negros nunca foram impedidos de frequentar universidades por uma questão racial, mas por motivos econômicos e sociais. Por esta razão, as cotas deveriam privilegiar alunos pobres, sejam eles brancos, pardos ou negros. (http://vestibular.uol.com.br/resumo-das-disciplinas/atualidades/educacao-a-polemica-do-sistema-de- cotas.htm - 04/05/2012)
  • 9.  “As universidades têm autonomia para definir o funcionamento do sistema de cotas, por isso existem diversos modelos espalhados pelo país. A prática mais comum é reservar parte das vagas para estudantes que cursaram o ensino médio em escolas públicas. Algumas instituições chegam a separar até 70% das vagas para esse perfil de candidato. Também muito frequente é a reserva de vagas para afrodescendentes, índios, deficientes e membros de comunidades quilombolas. O sistema de cotas raciais causa polêmica pela subjetividade no momento da entrevista do candidato, ou seja, quais são os critérios para definir se o vestibulando é negro ou moreno, ou se realmente é índio ou apenas um descendente distante?! Negros que sempre estudaram em escolas particulares devem ter direito a cotas?!” (http://vestibular.brasilescola.com/cotas/)
  • 10.  As universidades e instituições federais de ensino deverão reservar já no próximo vestibular 12,5% das vagas para alunos que cursaram todo o ensino médio em escolas públicas. Dessas vagas, 50% serão para candidatos com renda familiar mensal de até 1,5 salário mínimo por pessoa, a outra metade é para quem ganha acima disso.  De acordo com o MEC (Ministério da Educação), uma proporção de todas as vagas reservadas nas duas faixas de renda será para quem se declarar negro, pardo ou índio de acordo com o tamanho dessas populações em cada Estado. Ao longo de 4 anos, o índice de vagas reservadas será de 50%.  http://noticias.universia.com.br/atualidade/noticia/2012/10/16/975168/entenda-como-funciona- lei-das-cotas-nas-universidades-federais.html - 16/10/2012
  • 11.  As cotas serão preenchidas de acordo com as notas dos alunos. As vagas remanescentes estarão disponíveis aos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas, seguindo a ordem de menor renda. Em seguida, terão prioridade os demais estudantes de baixa renda.  A renda será calculada com base nos três meses anteriores ao da inscrição no processo seletivo. A portaria estabelece exclusão do cálculo os programas sociais, como o Bolsa Família, Pró-Jovem e demais programas de transferência de condicionada de renda implementada por estados ou municípios.  As instituições de ensino terão prazo de 30 dias para iniciar a implementação das disposições. As reservas serão graduais, 25% das cotas por ano, ou seja, 12,5% das vagas totais. O prazo final é 30 de agosto de 2016.  http://noticias.universia.com.br/atualidade/noticia/2012/10/16/975168/entenda-como-funciona- lei-das-cotas-nas-universidades-federais.html - 16/10/2012

Related Documents