PRESSUPOSTOS
REVELACIONAIS NA CULTURA
&
PRESSUP0STOS
COMUNICACIONAIS NA LÍNGUA
BARREIRAS À VERDADEIRA
COMUNICAÇÃO DA
(QUE ...
“As coisas que nós sabemos vocês não
Sabem. As coisas que vocês sabem nós
também sabemos!”
Produzido por Silas de
Lima – B...
Tamũ kã rebikuharet
As tradições dos
nossos ancestrais
“Nós observamos tabus e resguardos baseados nas
experiências dos no...
Tamũ kã dza?o aret –
As estórias e ensinos
dos ‘nossos’
antepassados
“Bem, vocês estão lendo os escritos de Moisés e
acham...
Monã tara mõe kã
dza?o / dzidzera aret
Palavras ou cânticos
dos moribundos.
— O seu povo costuma prestar atenção quando al...
Padze kã dz?o/murũha
aret
Palavras dos xamãs
“Bem, nossos pajés sabem muito. Eles podem nos indicar
onde está o bando de p...
Morawã
(anormalidades)
Mistérios,
pressentimentos
ou presságios
“Nós prestamos atenção aos sinais ao nosso redor. O canto ...
Noné pouwai aret
Os sonhos
“Vocês dão atenção para os sonhos? Vocês sabem que durante o
sonho nosso espírito/alma faz viag...
STATUS EPISTÊMICO E
EVIDENCIALIDADE
Uma influência cultural
na comunicação
linguística
PRESSUPOSTOS COMUNICACIONAIS
NA LÍN...
A Evidencialidade
Em todas as línguas humanas, há formas
para se indicar a origem da informação, o que
pode ser manifesto ...
Outras, não, uma vez que nem
todas as línguas têm a evidencialidade
como uma categoria gramatical, o que
aponta para a nec...
Antes disso, no entanto, Boas
(1911) e Sapir (1921), segundo
Dendale e Tasmowski (2001), já
aceitavam a importância do
dom...
Segundo a terminologia de Chafe (1986),
em seu sentido amplo, essa noção estaria
relacionada à fonte da informação quanto
...
Ao que tudo indica, a posição mais
encontrada na literatura sobre evidencialidade e
modalidade é a de inclusão, em que uma...
Pressupostos Revelacionais - Pressupostos Comunicacionais
Pressupostos Revelacionais - Pressupostos Comunicacionais
of 16

Pressupostos Revelacionais - Pressupostos Comunicacionais

Breve descrição sobre as fontes de revelação reconhecidas pelas sociedades tradicionais; e sobre O Status Epistêmico e a Evidencialidade, como influências culturais na comunicação linguística.
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Science      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Pressupostos Revelacionais - Pressupostos Comunicacionais

  • 1. PRESSUPOSTOS REVELACIONAIS NA CULTURA & PRESSUP0STOS COMUNICACIONAIS NA LÍNGUA BARREIRAS À VERDADEIRA COMUNICAÇÃO DA (QUE ME PERDOEM OS ADEPTOS DO RELATIVISMO CULTURAL E MORAL)
  • 2. “As coisas que nós sabemos vocês não Sabem. As coisas que vocês sabem nós também sabemos!” Produzido por Silas de Lima – Baseado na Sociedade Wayãpi (Amapá)
  • 3. Tamũ kã rebikuharet As tradições dos nossos ancestrais “Nós observamos tabus e resguardos baseados nas experiências dos nossos pais.
  • 4. Tamũ kã dza?o aret – As estórias e ensinos dos ‘nossos’ antepassados “Bem, vocês estão lendo os escritos de Moisés e achamos interessantes, só que nós também temos a palavra de nossos antepassados e ela é tão importante quanto o seu livro.”
  • 5. Monã tara mõe kã dza?o / dzidzera aret Palavras ou cânticos dos moribundos. — O seu povo costuma prestar atenção quando alguém está para morrer? Eles escutam o cântico dos moribundos? — Não.— respondi. — Chii!! Que gente insensível a sua! Nosso povo faz questão de ouvir as últimas palavras de quem está para morrer. Não somos desatenciosos como vocês. É por isso que sabemos.
  • 6. Padze kã dz?o/murũha aret Palavras dos xamãs “Bem, nossos pajés sabem muito. Eles podem nos indicar onde está o bando de porcos do mato para nossos caçadores. Se ocorre uma doença, eles podem fazer uma fumaça com ervas e outras coisas que vão subir e indicar a origem da doença para nos vingarmos do despacho que outros fizeram.”
  • 7. Morawã (anormalidades) Mistérios, pressentimentos ou presságios “Nós prestamos atenção aos sinais ao nosso redor. O canto da sigau é muito importante. Quando ela fica zangada (cantando de modo diferente), isso é um aviso. Animais quando agem fora do seu habitual, sempre trazem “avisos” de coisas importantes que podem acontecer conosco. Se você vir um pássaro noturno de dia, preste atenção; é um aviso mesmo.
  • 8. Noné pouwai aret Os sonhos “Vocês dão atenção para os sonhos? Vocês sabem que durante o sonho nosso espírito/alma faz viagens extra corporais e visita lugares diferentes? Olha, quando a gente sonha existe um ‘recado’ que alguém está querendo passar pra gente. Os sonhos são muito importantes.”
  • 9. STATUS EPISTÊMICO E EVIDENCIALIDADE Uma influência cultural na comunicação linguística PRESSUPOSTOS COMUNICACIONAIS NA LÍNGUA
  • 10. A Evidencialidade Em todas as línguas humanas, há formas para se indicar a origem da informação, o que pode ser manifesto gramatical ou lexicalmente. Todas as línguas humanas, nesse sentido, apresentam formas para apontar ou ocultar a fonte da informação em uma determinada cadeia de elocução, o que é uma estratégia comunicativa fundamental para os falantes. Algumas línguas apresentam sistemas evidenciais elaborados em que há marcas linguísticas específicas as quais são utilizadas para codificar as diferentes experiências cognitivas constitutivas de um dado conteúdo proposicional.
  • 11. Outras, não, uma vez que nem todas as línguas têm a evidencialidade como uma categoria gramatical, o que aponta para a necessidade de se delimitar os domínios categoriais da evidencialidade. Conforme Jacobsen (1986), citado por Dendale e Tasmowski (2001), o termo evidencialidade foi primeiramente visto em uma compilação feita por Franz Boas em 1947. Todavia Jakobson (1957), com a publicação do livro Shifters, Verbal Categories and the Russian Verbs, popularizou o uso do termo Evidencial como rótulo para uma categoria verbal que sinalizava acerca da fonte da informação sobre a qual a afirmação do falante estava baseada.
  • 12. Antes disso, no entanto, Boas (1911) e Sapir (1921), segundo Dendale e Tasmowski (2001), já aceitavam a importância do domínio semântico da evidencialidade centrado na fonte da informação ou no conhecimento do falante. De lá para cá, as referências feitas à fonte de informação são vinculadas a atitudes sobre o status epistêmico da informação, uma vez que, de acordo com Dendale e Tasmowski (2001), os marcadores linguísticos que codificam tais domínios semânticos são os mesmos geralmente. De acordo com Aikhenvald e Dixon (2001), a evidencialidade é uma categoria gramatical obrigatória cujo primeiro significado é a fonte de informação.
  • 13. Segundo a terminologia de Chafe (1986), em seu sentido amplo, essa noção estaria relacionada à fonte da informação quanto à questão de se o falante realmente viu aquilo sobre o que ele está falando, ou se ele apenas tece conjecturas sobre a ocorrência de um dado evento baseado em alguma evidência, ou ainda se alguém lhe contou um determinado fato, ou se ele apenas ouviu falar sobre tal fato. Aikhenvald e Dixon (2001) afirmam que todas as línguas têm algum mecanismo para expressar a fonte de informação, muito embora nem todas as línguas tenham a evidencialidade como uma categoria gramatical. Línguas como o inglês, o japonês e o português utilizam significados lexicais para especificar opcionalmente a fonte da informação.
  • 14. Ao que tudo indica, a posição mais encontrada na literatura sobre evidencialidade e modalidade é a de inclusão, em que uma noção está atrelada à outra, ou seja, um domínio encontra-se dentro do escopo semântico do outro. Há aí duas possibilidades: uma em que se admite que a função dos marcadores evidenciais é indicar o grau de compromisso do falante com a verdade da sua proposição. Tal posição é a de Chafe (1986), que concebe a modalidade epistêmica no domínio da evidencialidade. A outra posição, defendida por Palmer (1986), localiza a evidencialidade no escopo da modalidade epistêmica. Assim o grau de comprometimento do falante com aquilo que ele diz pode incluir o “ouvir dizer”, ou discurso reportado, e a inferência, ou experiência sensorial.

Related Documents