1
Prevenindo Acidentes
na Construção Civil
1ª edição — 2012
2ª edição — 2013
3
Prevenindo Acidentes
na Construção Civil
Dentre os acidentes do trabalho com mortes no Brasil, 28%
ocorrem na Construção...
EDITORA LTDA.
Índice para catálogo sistemático:
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira...
Dedicatória
Esta é minha segunda publicação
sobre acidentes do trabalho.
Dedico este trabalho a todos os amigos prevenci...
7
O enxadão da obra bateu onze hora
Vam s’embora, João!
Vam s’embora, João!
O enxadão da obra bateu onze hora
Vam s’embora...
9
SUMÁRIO
Prefácio...........................................................................................................
10
Capítulo 28 — Cabos de Aço............................................................................ 184
Capítulo 29...
11
PREFÁCIO
Provavelmente a Construção Civil, principalmente em nosso país, é o setor
em que mais ocorrem acidentes do tra...
12
engenheiros de Segurança do Trabalho a remover as causas desse malefício
que nos assola e que causa grandes prejuízos à...
13
da Construção Civil, colaborando com técnicos de segurança, engenheiros,
médicos e enfermeiros do trabalho, além de val...
15
CAPÍTULO 1
RESUMO HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO CIVIL
De maneira geral, há três modalidades de Construção Civil: as construçõ...
16
mente por engenhosas formas de atrito com materiais facilmente inflamáveis,
talvez tenha contribuído para que as pessoa...
17
Desde aqueles tempos remotos foi incansável a busca, pela humanidade,
de melhores e mais seguras condições de vida.
Pau...
18
Voltemos às suas origens, ou, mesmo, à sua evolução histórica, desde os
tempos das cavernas até as mais recentes tabas ...
Prevenindo Acidentes Na Construção Civil
Prevenindo Acidentes Na Construção Civil
Prevenindo Acidentes Na Construção Civil
of 18

Prevenindo Acidentes Na Construção Civil

.
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Services      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Prevenindo Acidentes Na Construção Civil

  • 1. 1 Prevenindo Acidentes na Construção Civil
  • 2. 1ª edição — 2012 2ª edição — 2013
  • 3. 3 Prevenindo Acidentes na Construção Civil Dentre os acidentes do trabalho com mortes no Brasil, 28% ocorrem na Construção Civil. Decorrem de acidentes do trabalho nesta mesma atividade cerca de 18% das incapacidades permanentes para o trabalho. Quedas são o principal fator causador de lesões ou mortes na Construção Civil, mas há outros importantes fatores que precisam ser prevenidos. O livro trata ainda da elaboração de um programa permanente de prevenção de acidentes. FLÁVIO RIVERO RODRIGUES Advogado. Ex-diretor de Recursos Humanos de diversas empresas de grande porte. Possui experiência internacional na área de Segurança do Trabalho e também na de Exploração Florestal. Aposentado, atualmente dedica-se à prestação de serviços no campo da Segurança e Saúde do trabalho, ministrando cursos e palestras. 2ª edição
  • 4. EDITORA LTDA. Índice para catálogo sistemático: Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Rua Jaguaribe, 571 CEP 01224-001 São Paulo, SP — Brasil Fone (11) 2167-1101 www.ltr.com.br Projeto de Capa: FÁBIO GIGLIO Impressão: IMAGEM DIGITAL Maio, 2013 © Todos os direitos reservados Rodrigues, Flávio Rivero Prevenindo acidentes na construção civil / Flávio Rivero Rodrigues. — 2. ed. — São Paulo : LTr, 2013. 1. Acidentes do trabalho 2. Acidentes do trabalho — Leis e legislação 3. Acidentes do trabalho — Prevenção 4. Construção civil 5. Construção civil — Normas de segurança 6. Segurança do trabalho I. Título. 13-04087 CDD-363.117 1. Construção civil : Acidentes do trabalho : Prevenção : Problemas sociais 363.117 Versão impressa - LTr 4874.9 - ISBN 978-85-361-2530-5 Versão digital - LTr 7564.9 - ISBN 978-85-361-2570-1
  • 5. Dedicatória Esta é minha segunda publicação sobre acidentes do trabalho. Dedico este trabalho a todos os amigos prevencionistas e, em especial, à minha família, agora enriquecida com a vinda de Ícaro, meu neto nascido há pouco. A vocês, Shirley, Adriane, Flávio Luiz, Isla, Ananda e Ícaro, o meu abraço fraterno (e eterno).
  • 6. 7 O enxadão da obra bateu onze hora Vam s’embora, João! Vam s’embora, João! O enxadão da obra bateu onze hora Vam s’embora, João! Vam s’embora, João! Que é que você troxe na marmita, Dito? Troxe ovo frito, troxe ovo frito E você Beleza, o que é que você troxe? Arroz com feijão e um torresmo à milanesa, Da minha Tereza! Vamos armoçar Sentados na calçada Conversar sobre isso e aquilo Coisas que nóis não entende nada Depois, puxá uma paia Andar um pouco Pra fazer o quilo É dureza, João! É dureza, João! É dureza, João! É dureza, João! O mestre falou Que hoje não tem vale não Ele se esqueceu Que lá em casa não sou só eu Estes singelos versos deAdoniran Barbosa e Carlinhos Vergueiro refletem bem uma situação que já não existe mais. Será que não? Será que ainda não temos nossos “boias-frias” espalhados por aí? Pior, será que a simplicidade de um trabalho como esse, à base do enxadão, não estaria sendo substituída por máquinas cada vez mais complexas e que requerem conhecimentos avançados que os nossos trabalhadores da Construção Civil não têm? Será que hoje não estaríamos sofrendo mais e mais graves acidentes, para os quais não estamos preparados nem sabemos como prevenir? Procuremos juntos a resposta para essa questão.
  • 7. 9 SUMÁRIO Prefácio............................................................................................................. 11 Capítulo 1 — Resumo Histórico da Construção Civil........................................ 15 Capítulo 2 — As Primeiras “Construções”......................................................... 19 Capítulo 3 — O Cimento................................................................................... 30 Capítulo 4 — Considerações sobre Acidentes do Trabalho.............................. 34 Capítulo 5 — A Legislação................................................................................ 37 Capítulo 6 — A NR-18 e Legislação Pertinente................................................ 39 Capítulo 7 — O PCMAT e Dúvidas quanto à sua Aplicação............................. 42 Capítulo 8 — Demais Itens Obrigatórios........................................................... 45 Capítulo 9 — Como Elaborar um PCMAT......................................................... 52 Capítulo 10 — Equipamento de Proteção Individual — Conceitos................... 56 Capítulo 11 — EPI e suas Aplicações............................................................... 60 Capítulo 12 — Proteção contra Riscos Químicos............................................. 82 Capítulo 13 — Riscos Biológicos...................................................................... 90 Capítulo 14 — Riscos de Natureza Mecânica................................................... 95 Capítulo 15 — Riscos de Natureza Física......................................................... 104 Capítulo 16 — Trabalhos em Espaços Confinados........................................... 114 Capítulo 17 — Riscos Ergonômicos.................................................................. 117 Capítulo 18 — Máquinas Operatrizes............................................................... 121 Capítulo 19 — Sinalizações, Avisos e Proibições............................................. 126 Capítulo 20 — Trabalhos em Escavações e Demolições.................................. 131 Capítulo 21 — Andaimes................................................................................... 136 Capítulo 22 — Regras de Engenharia para a Construção de Andaimes.......... 144 Capítulo 23 — Prevenção de Quedas............................................................... 148 Capítulo 24 — Trabalhos em Alturas................................................................. 153 Capítulo 25 — Serviços em Eletricidade........................................................... 155 Capítulo 26 — Máquinas Pesadas.................................................................... 162 Capítulo 27 — Guindastes e Gruas.................................................................. 172
  • 8. 10 Capítulo 28 — Cabos de Aço............................................................................ 184 Capítulo 29 — Investigando Acidentes............................................................. 187 Capítulo 30 — Análise de Riscos e Investigação de Acidentes........................ 196 Capítulo 31 — Cuidados com Empresas Terceirizadas e com os “Gatos”........ 199 Capítulo 32 — Brigadas de Incêndio................................................................. 202 Capítulo 33 — Primeiros Socorros.................................................................... 209 Capítulo 34 — Práticas Comuns dos Trabalhadores (Atos Inseguros)............. 211 Capítulo 35 — Revivendo Conceitos de Segurança e Treinamento.................. 214 Capítulo 36 — Programa de Segurança do Trabalho........................................ 219 Bibliografia......................................................................................................... 223
  • 9. 11 PREFÁCIO Provavelmente a Construção Civil, principalmente em nosso país, é o setor em que mais ocorrem acidentes do trabalho, muitos dos quais com consequências trágicas e mortes. Vejam abaixo os dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT): • Um trabalhador da Construção Civil no Brasil tem três vezes mais possibilidades de morrer em acidentes que em qualquer outro país desenvolvido do mundo. Veja: — Estados Unidos: 200 mortes por ano — União Europeia: 1.300 mortes por ano — China: 1.500 mortes por ano (estimativa) — Chile: 26 mortes por ano — Brasil: 26.424 acidentes na Construção Civil, resultando desde lesões leves (mas que requerem afastamento do trabalho), lesões graves, incapacidades permanentes e mortes.Se, por baixo, mesmo sem termos a noção exata de incapacidades permanentes e mortes (a estimativa do INSS, em 1999 era de 28%), nós podemos nos considerar os campeões mundiais de mortes ou incapacidades permanentes, com cerca de 7.400 casos por ano. O custo dos acidentes do trabalho no Brasil chega a 36 bilhões de reais, entre diárias pagas a acidentados, pensões por mortes, reabilitação para o trabalho, indenizações e dias perdidos em razão de acidentes. O número de mortos na Construção Civil só é menor que os decorrentes de acidentes de trânsito. Por que permitimos que tantos brasileiros percam a vida ou sua capacidade laborativa nessa atividade econômica? Há inúmeros fatores que contribuem para que isso ocorra, muitos deles ligados a projetos, materiais utilizados, resistência desses materiais, mas principalmente, creio, em razão da incapacidade e do improviso da mão de obra envolvida nessa atividade. A verdade, entretanto, é que somos os “campeões mundiais” em matéria de acidentesnaConstrução Civil.Basta ver os dados da OIT-ONU sobre o assunto. O que está na origem de tudo isso? Por que tantos brasileiros perdem a vida ou ficam mutilados ao exercerem seu modesto trabalho na atividade que, talvez, mais cresce no país, a Construção Civil? Há várias causas.Este livro procura não apenas identificar essas causas, mas principalmente (repito: PRINCIPALMENTE) auxiliar os técnicos e os
  • 10. 12 engenheiros de Segurança do Trabalho a remover as causas desse malefício que nos assola e que causa grandes prejuízos à nação, em geral, e às famílias, em particular. Este livro visa alertar e, principalmente, treinar os trabalhadores para evitar os riscos e perigos a que estão expostos durante seu trabalho. Nosso país possui inúmeras empreiteiras e construtoras, muitas de nível internacional, realizando grandes obras no exterior. Estou certo de que empresas como a Odebrecht, Camargo Corrêa, OAS, Queiroz Galvão, Delta, Mendes Junior, MRV, Tecnisa, Christiani-Nielsen, WTorre, Gafisa, Tenda, Serveng-Civilsan e muitas outras desse porte possuem elaborados e consistentes programas de Segurança e Medicina do Trabalho, com equipes formadas e dedicadas a identificar riscos, preveni-los e, principalmente, treinar seus trabalhadores a evitá-los. Em contrapartida, há centenas, milhares de pequenas construtoras ou empreiteiras que não dispõem de nenhum recurso preventivo, o que redunda em números tão assustadores quanto os que expusemos acima. O Ministério do Trabalho também publica dados (nem sempre com a frequência desejada) e muitas estatísticas envolvendo acidentes do trabalho, assim como o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS);porém, não dispõem esses órgãos de informações mais detalhadas sobre as verdadeiras causas desses acidentes, nem como, porque ou o que antecedeu o acidente (suas verdadeiras causas) e o que foi feito depois, pois isso demandaria estudos mais avançados para os quais os órgãos públicos não dispõem de recursos adequados. “Crescem acidentes de trabalho com volta das obras”. Essa notícia está estampada em “O Estado de S. Paulo”, página B4, edição de 21.01.2012. O jornal acrescentava ainda que o número de acidentes graves na indústria da Construção Civil aumentou 10% em relação a 2010, segundo o Ministério da Saúde. Os números causam espanto: no período de janeiro a outubro de 2011 pelo menos 40.779 trabalhadores desse setor sofreram acidentes graves, dos quais 1.143 vieram a falecer. Nessa mesma edição o Prof. José Pastore, da USP, estima que cerca de 71 bilhões de reais por ano é quanto o país perde em decorrência dos acidentes do trabalho e das doenças ocupacionais. Diz ainda o Prof. Pastore que esse custo certamente está subestimado pois refere-se aos trabalhadores formais, com carteira assinada. Há, porém, um custo social inestimável, vivido pelos familiares dos acidentados, que na maioria das vezes são os únicos provedores da família que, assim, vê-se impossibilitada de sobreviver condignamente. Este livro procura contribuir para minimizar essas estatísticas, trazendo regras e informações essenciais para a prevenção de acidentes na indústria
  • 11. 13 da Construção Civil, colaborando com técnicos de segurança, engenheiros, médicos e enfermeiros do trabalho, além de valorizar a ação da fiscalização do trabalho e o próprio Sindicato dos Trabalhadores no setor. Resta, portanto, à iniciativa das empresas e empreiteiras, grandes ou pequenas, o trabalho de agir no sentido de prevenir acidentes nas atividades da Construção Civil. É o que pretendemos, modestamente, abordar nesta publicação. O autor.
  • 12. 15 CAPÍTULO 1 RESUMO HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO CIVIL De maneira geral, há três modalidades de Construção Civil: as construções leves, tais como casas residenciais, casas de comércio e pequenos armazéns; as construções pesadas, como edifícios de médio ou grande porte e industriais médios; e as construções superpesadas, tais como grandes estradas, ferrovias, viadutos e pontes, hidroelétricas, usinas de força e, ultimamente, túneis de metrô e até os futuros assim chamados “trens-bala”. Comoeoquefazíamos,emtermosdeConstrução Civil, no passado remoto? É sabido que a humanidade, até uns 50.000 anos atrás (ou mais), vivia se deslocando de um lugar para outro, em busca de caça, pesca ou simplesmente coletando os alimentos que encontravam.A África subsaariana, o sul da Europa (na região do Mediterrâneo), a China e o Oriente Médio foram os locais onde tudo começou. Naqueles tempos difíceis, é certo que o homem procurava cavernas ou grutas que fossem as mais seguras para morar, dormir, cozinhar, enfim, tocar a vida adiante.É certo também que a expectativa de vida do homem dificilmente passava dos 30 anos, em face dos riscos que enfrentava, doenças, ataque de animais ou outras tribos concorrentes. É fácil imaginar como seria a vida humana dentro daquelas cavernas imundas e inseguras, poluídas, úmidas, onde faziam suas necessidades pessoais, criavam seus bebês e viam morrer os mais fracos ou os mais velhos. Em suas andanças por aquele mundo an- tigo, onde hoje estariam países como o Sudão, o Egito, a Somália, a Tanzânia, o Iraque (antiga Mesopotâmia, que pode ser considerada por muitos autores como o berço da civilização), a Turquia e outras regiões próximas, o homem foi descobrindo lugares mais aprazíveis para viver, principalmente nas proximidades de rios piscosos. O advento do fogo (inicialmente em decorrência de queimadas subsequentes a raios) e posterior-
  • 13. 16 mente por engenhosas formas de atrito com materiais facilmente inflamáveis, talvez tenha contribuído para que as pessoas deduzissem que seria melhor permanecerem em locais fixos, ao invés de ficarem vagando pelas pradarias à procura de locais onde pudessem se instalar. Logo a seguir, o homem iniciou a construção de vasos cerâmicos, dando início a uma nova fase em sua vida, o armazenamento de água e comida, possibilitando um novo “modus vivendi”. A princípio, os cerca de 12 milhões de pessoas que habitavam nosso planeta a uns 25.000 ou 30.000 anos concentravam-se no leste da África, ao longo das planícies férteis do chamado Oriente Médio (onde hoje se localiza o Iraque e, principalmente, a Turquia) (e onde também coletavam azeitonas, nozes, figos, uvas nativas e outros frutos naturais), e no sul da Europa, junto ao Mediterrâneo, onde construíram suas moradias, cabanas e grutas e viviam da caça e do extrativismo, fazendo da busca por comida uma tarefa diária e estafante, mas disciplinada. A descoberta do fogo, como afirmado acima, possibilitou ao homem cozinhar seus alimentos junto às entradas das grutas e cabanas. Já no período neolítico, por volta de 10.000 a.C., o homem dispunha de armas e equipamentos (principalmente o bronze e, bem mais tarde, o ferro) que lhe permitia trabalhar com mais eficiência e rapidez.Surgiram, a partir daí, as primeiras manifestações de arte, inicialmente os maravilhosos e intrigantes desenhos rupestres em grutas; porém, o homem foi aos poucos se tornando sedentário, com papéis claramente definidos na busca de caça e alimentação. Usavam-se instrumentos variados, até que um fato notável ocorreu: o advento da agricultura. Colhiam-se sementes de cereais antigos, plantados ao longo de habitações mais ou menos fixas.O arroz foi inicialmente o vegetal que lhes possibilitava sobreviver às mais duras condições de clima e, assim, saciar a fome durante períodos prolongados de seca, pois o arroz resiste ao tempo e permite ser conservado por longos períodos. É sabido que os primeiros cultivares tiveram origem no Extremo Oriente, principalmente onde hoje está a China, uma das mais antigas civilizações humanas. Mais uma vez enfatizamos que a Construção Civil está intimamente ligada ao advento da agricultura, pois uma dependia diretamente da outra, possibilitando a ambas criarem meios de vida mais saudáveis e, por conseguinte, melhores condições de vida dos habitantes daquelas regiões. Foi a partir daí que teve início um longo processo entre o homem e seu meio ambiente, sempre na busca de melhores condições de vida, segurança e abastecimento de alimentos.
  • 14. 17 Desde aqueles tempos remotos foi incansável a busca, pela humanidade, de melhores e mais seguras condições de vida. Paulatinamente o homem passou a procurar por melhores lugares para viver, domar suas caças, criar seus animais domésticos e, por fim, outros lugares para viver, mais salubres que as cabanas e grutas que até então habitava. Com a descoberta do bronze, inicialmente, e do ferro malhado em bigornas rudimentares, conseguiram esses povos um extraordinário crescimento quanto às suas habitações, seus modos de vida e, principalmente, quanto à evolução de sua maneira de viver e de produzir lares habitáveis e relativamente mais confortáveis que simples cabanas. Nascia aí a verdadeira e perene noção de Construção Civil, que seguiria por muitos séculos adiante. Lembremo-nos: até aqueles longínquos dias de nossos antepassados o passar do tempo resumia-se a viver em grutas, cavernas ou choupanas, sem se preocupar com o dia de amanhã. À medida que essas preocupações passaram a fazer parte da vida dessas civilizações, o mundo se tornou outro. Desde aqueles tempos até nossos dias os processos de engenharia e arquitetura na Construção Civil têm evoluído significativamente, mas o grande salto arquitetônico ainda estaria por vir, com a construção no primeiro milênio de obras monumentais. Na Idade Média, entre os anos de 1300 e 1400, imensos castelos medievais, como os de Florença, além da própria Capela Sistina, no Vaticano, são exemplos vivos da Engenharia e Arquitetura daqueles tempos. Esses exemplos ocorreram, é verdade, quando já se manipulava calcário endurecido e pedras, já que o cimento só seria descoberto muitos séculos depois. Na França, em Paris, erigiram-se colunas gigantescas para suportar a Pont Neuf (por sinal, apesar do nome, é a mais velha ponte da cidade) e por ali ainda trafegam milhares de carros e pedestres a cada dia. Verdadeira obra de arte. Mão de obra escrava ou servil era abundante. Engenheiros e, principalmente, arquitetos que trabalharam em grandes obras durante os anos 1300 a 1500 eram prestigiados e subsidiados por papas ou grandes mecenas. Mas isso já é parte mais recente da história da Construção Civil e não é relevante abordar esses temas nesta obra.
  • 15. 18 Voltemos às suas origens, ou, mesmo, à sua evolução histórica, desde os tempos das cavernas até as mais recentes tabas ou ocas de nossos indígenas. Temos também no México e nos Andes verdadeiras cidades e templos que ainda resistem até hoje. Construções feitas de tijolos secados ao sol e pedras calcárias pelos maias, astecas e incas se constituem em pontos de atração turística. Na América pré-colombiana, a contar dos esquimós no extremo norte até nossos indígenas amazonenses, há incontáveis avanços dos meios de moradia e relações comunitárias.

Related Documents