Por que é importante o
rastreamento do
tabagismo?
Profa . Ângela Jornada Ben
Departamento de Saúde Pública UFCSPA
Médica ...
Tabagismo é doença
• O tabagismo é uma doença crônica que
surge devido à dependência da nicotina,
estando, portanto, inser...
No Brasil, a prevalência do tabagismo tem
diminuído, mas ainda é alta: de 17,2% (PNAD,
2008) para 14,8% em 2012 (VIGITEL, ...
Diagnóstico Clínico
• É considerado fumante o indivíduo que fumou
mais de 100 cigarros, ou 5 maços de cigarros, em
toda a ...
Diagnóstico Clínico
•
É considerado dependente de nicotina, o fumante que apresenta
três ou mais dos seguintes sintomas n...
Conceito de tabagismo
• Fumante atual: aquele que fumou pelo menos um dia nos
últimos trinta dias;
• Fumante regular: aque...
Tabagismo causa doença
• O tabagismo faz com que os fumantes se
exponham continuamente a cerca de 4.720
substâncias tóxica...
Conceito de tabagismo passivo
• Inalação da fumaça de derivados do
tabaco (cigarro, charuto, cigarrilhas,
cachimbo e outro...
Tabagismo passivo causa doença
• A absorção da fumaça do cigarro por aqueles que convivem
em ambientes fechados com fumant...
Referências
•
Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer – INCA. Coordenação de
Prevenção e Vigilância (CO...
Por que é importante o rastreamento do tabagismo?
of 11

Por que é importante o rastreamento do tabagismo?

Profa . Ângela Jornada Ben Departamento de Saúde Pública UFCSPA Médica de Família e Comunidade Mestre em Epidemiologia
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Por que é importante o rastreamento do tabagismo?

  • 1. Por que é importante o rastreamento do tabagismo? Profa . Ângela Jornada Ben Departamento de Saúde Pública UFCSPA Médica de Família e Comunidade Mestre em Epidemiologia
  • 2. Tabagismo é doença • O tabagismo é uma doença crônica que surge devido à dependência da nicotina, estando, portanto, inserido, desde 1997, na Classificação Internacional de Doenças (CID10) da Organização Mundial de Saúde (OMS). CID10: F17 Transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de fumo.
  • 3. No Brasil, a prevalência do tabagismo tem diminuído, mas ainda é alta: de 17,2% (PNAD, 2008) para 14,8% em 2012 (VIGITEL, 2012). Entre escolares a prevalência de fumo chega a 23% (VIGESCOLA, 2005). Cerca de 200.000 mortes são causadas por ele. Está recomendado o rastreamento do tabagismo em todos os adultos, incluindo as gestantes. Grau de recomendação A. Cadernos de Atenção Primária: rastreamento, 2010
  • 4. Diagnóstico Clínico • É considerado fumante o indivíduo que fumou mais de 100 cigarros, ou 5 maços de cigarros, em toda a sua vida e fuma atualmente (OPAS, 1995). 100 cigarros 5 maços
  • 5. Diagnóstico Clínico • É considerado dependente de nicotina, o fumante que apresenta três ou mais dos seguintes sintomas nos últimos 12 meses: a) b) c) d) e) f) forte desejo ou compulsão para consumir a substância, no caso, nicotina; dificuldade de controlar o uso da substância (nicotina) em termos de início, término ou nível de consumo; quando o uso da substância (nicotina) cessou ou foi reduzido, surgem reações físicas devido ao estado de abstinência fisiológico da droga; necessidade de doses crescentes da substância (nicotina) para alcançar efeitos originalmente produzidos por doses mais baixas, evidenciando uma tolerância à substância; abandono progressivo de outros prazeres ou interesses alternativos em favor do uso da substância (nicotina), e aumento da quantidade de tempo necessário para seu uso e/ou se recuperar dos seus efeitos; persistência no uso da substância (nicotina), apesar da evidência clara de consequências nocivas à saúde. PORTARIA Nº 442 DE 13 DE AGOSTO DE 2004.
  • 6. Conceito de tabagismo • Fumante atual: aquele que fumou pelo menos um dia nos últimos trinta dias; • Fumante regular: aquele que passou da experimentação a um estado de possível dependência (ter fumado 100 ou mais cigarros na vida e ainda continuar fumando); • Ex-tabagista: aquele que deixou de fumar há pelo menos um mês; • Não-fumantes: pessoas que nunca fumaram ou fumam há menos de 1 mês. Enquanto o fumante atual deve ser alvo de medidas preventivas, os fumantes regulares devem ser objeto de medidas direcionadas à cessação.
  • 7. Tabagismo causa doença • O tabagismo faz com que os fumantes se exponham continuamente a cerca de 4.720 substâncias tóxicas, sendo causa de aproximadamente 50 doenças diferentes, destacando-se as doenças cardiovasculares, o câncer e as doenças respiratórias obstrutivas crônicas. O risco de AVC e mortalidade geral é aumentado em pacientes diabéticos que fumam. O tabagismo é o principal fator preventivo de morte. WHO, 1993; U.S. Surgeon General, 1989; Rosemberg, 2002; IARC 1987; Dube and Green, 1982; US National Health Institute.
  • 8. Conceito de tabagismo passivo • Inalação da fumaça de derivados do tabaco (cigarro, charuto, cigarrilhas, cachimbo e outros produtores de fumaça) por indivíduos não fumantes, que convivem com fumantes em ambientes fechados. O tabagismo passivo é a 3ª maior causa de morte evitável no mundo.
  • 9. Tabagismo passivo causa doença • A absorção da fumaça do cigarro por aqueles que convivem em ambientes fechados com fumantes causa: 1. 1. 1. Em adultos não fumantes: • Maior risco de doença por causa do tabagismo, proporcionalmente ao tempo de exposição à fumaça; • Um risco 30% maior de câncer de pulmão e 24% maior de infarto do miocárdio do que os não fumantes que não se expõem. Em crianças: • Maior frequência de resfriados e infecções do ouvido médio; • Risco maior de doenças respiratórias como pneumonia, bronquites e exacerbação da asma. Em bebês: • Um risco 5 vezes maior de morrerem subitamente sem uma causa aparente (Síndrome da Morte Súbita Infantil); • Maior risco de doenças pulmonares até 1 ano de idade, proporcionalmente ao número de fumantes em casa.
  • 10. Referências • Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer – INCA. Coordenação de Prevenção e Vigilância (CONPREV). Abordagem e Tratamento do Fumante - Consenso 2001. Rio de Janeiro: INCA, 2001. http://www.inca.gov.br/tabagismo/publicacoes/tratamento_consenso.pdf • Plano de Implantação da Abordagem e Tratamento do Tabagismo na Rede SUS. Portaria GM/MS 1.035/04 Portaria SAS/MS 442/04. http://www.inca.gov.br/tabagismo/publicacoes/plano_abordagem_sus.pdf • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Rastreamento / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília :Ministério da Saúde, 2010. http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad29.pdf • Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Um panorama da Saúde no Brasil: Acesso e Utilização de Serviços, Condições de Saúde e Fatores de Risco e Proteção à Saúde 2008. Rio de Janeiro: IBGE; 2010. http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2008/sup lementos/tabagismo/pnad_tabagismo.pdf • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2011: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 132 p.: il. – (Série G. Estatística e Informação em Saúde).