PREVENÇÃO DE ACIDENTES
A BORDO DE NAVIOS NO MAR
E NOS PORTOS
Presidente da República
Luiz Inácio Lula da Silva
Ministro do Trabalho e Emprego
Luiz Marinho
FUNDACENTRO
Presidenta ...
PREVENÇÃO DE ACIDENTES
A BORDO DE NAVIOS NO MAR
E NOS PORTOS
CÓDIGO DE PRÁTICAS DA OIT
São Paulo
2005
A edição original desta obra foi publicada pela Secretaria Internacional
do Trabalho, Genebra, sob o título: Accident pre...
PREFÁCIO
De acordo com a decisão tomada pelo Corpo Diretivo da OIT em
sua 254a sessão (Novembro de 1992), uma junta de e...
A aplicação de algumas destas recomendações pode ser imprati-cável
para alguns tipos específicos de navios ou operações m...
Muitas das informações compiladas neste código foram coletadas
em códigos nacionais de práticas e publicações relacionada...
APRESENTAÇÃO
Nos últimos dez anos, a Fundacentro, através de seu corpo técnico, fez
um estudo amplo dos portos brasileir...
ÍNDICE
1 Disposições gerais ......................................................................19
1.1 Objetivo .........
5.2 Utilização de substâncias químicas ..................................43
5.3 Prevenção de incêndio ......................
9.5 Proteção das escotilhas de carga e outras aberturas em
torno do convés .................................................
12.7 Ar comprimido .................................................................92
12.8 Cilindros de gás comprimido ....
16.6 Baterias e praças de baterias ......................................... 113
16.7 Trabalho com telas de tubos catódic...
20.5 Roldanas e talhas ............................................................135
20.6 Ganchos de içar ................
23.3 Salas de atividades físicas ...............................................160
23.4 Piscinas ..........................
18
1
DISPOSIÇÕES GERAIS
19
1.1 Objetivo
1.1.1 O objetivo deste código é fornecer recomendações práti-cas
com orientações...
1.2.2 As recomendações deste código devem ser consideradas
condições básicas mínimas para a proteção dos marítimos com se...
pamentos de respiração autônoma e respiradores, conforme
necessário;
f) Especialista: um membro competente da tripulação...
o) Armador: quaisquer pessoas ou organizações proprietárias de
um navio ou agindo em seu nome, responsáveis pelo navio e ...
2
OBRIGAÇÕES E
RESPONSABILIDADES GERAIS
2.1 Obrigações gerais da autoridade competente nos Estados de
Bandeira
2.1.1 ...
2.1.5 A inspeção e a vistoria dos navios devem ser realizadas
normalmente pela autoridade competente.3 Caso tais tarefas ...
2.1.8 A autoridade competente deve agir imediatamente para
investigar deficiências comprovadas ou relatadas por autoridad...
2.3 Obrigações e responsabilidades gerais dos armadores de navios
2.3.1 Geralmente, o armador do navio é o responsável pr...
d) sejam usados materiais e produtos com segurança, não colo-cando
em risco a saúde dos marítimos; e
e) sejam empregados...
2.3.6 Os armadores devem proporcionar uma supervisão tal que
certifique que as tarefas dos marítimos sejam executadas em ...
truídos sobre os riscos relacionados com o seu trabalho e com o ambien-te
do navio e treinados nas precauções que devem s...
derar também o estabelecimento de um sistema de informação para re-latar
os incidentes.
2.3.15 Os armadores devem encora...
2.4.5 O comandante deve emitir avisos e instruções de maneira
clara e compreensível, em língua ou línguas entendidas por ...
realista, eficiente e meticulosa nos intervalos requeridos, de acordo com
as regras e as normas aplicáveis.14
2.4.12 O c...
b) cuidar de sua própria segurança e saúde e das outras pessoas
que possam ser afetadas por seus atos ou omissões no trab...
2.6 Obrigações e responsabilidades gerais do comitê de segurança
e saúde a bordo do navio
2.6.1 O comitê de segurança e ...
2.6.8 O comitê de segurança e saúde deve ter acesso às informa-ções
de conhecimento do comandante e do armador sobre os r...
2.8.2 No cumprimento de suas funções, o representante de segu-rança
deve ter acesso à informação, ao auxílio e ao assesso...
3
NOTIFICAÇÃO DE ACIDENTE
37
3.1 Disposições gerais
3.1.1 A finalidade principal da investigação, da comunicação e
da...
38
4
SISTEMAS DE AUTORIZAÇÃO
DE TRABALHO
39
4.1 Disposições gerais
4.1.1 O sistema de autorização de trabalho é um métod...
40
5
CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE
SEGURANÇA E SAÚDE A BORDO
5.1 Ordem e limpeza no navio, saúde e higiene pessoal a bordo
5...
5.1.7 Quadros de aviso, instruções e indicadores de funciona-mento
devem ser mantidos limpos e legíveis.
5.1.8 Objetos p...
5.1.17 Aerossóis contendo produtos voláteis ou inflamáveis nun-ca
devem ser usados ou colocados perto de chamas nuas ou d...
5.2.2 Um registro (folha de informações do produto), com os
dados obtidos do fabricante para determinar o grau de perigo ...
5.3.1.2 O descarte negligente de fósforos e pontas de cigarros é
perigoso: cinzeiros ou outros recipientes adequados deve...
5.3.2.12 Murais contendo avisos e instruções sobre primeiros
socorros em caso de choque elétrico devem ser afixados nos l...
engajados em tarefas envolvendo um risco especial, o qual pode ser
reduzido com o uso do equipamento de proteção individu...
com tiras reguláveis para apoiá-lo firmemente na cabeça do usuário,
assim como uma tira no queixo para impedir sua queda....
5.4.5.2 A seleção do equipamento correto é essencial. Como exis-te
uma grande variedade de equipamento disponível para o ...
5.5.2 O conteúdo dos extintores de incêndio portáteis deve ser
indicado por um código de cor definido pelas normas da aut...
6
EMERGÊNCIAS E EQUIPAMENTOS DE
EMERGÊNCIA A BORDO
51
6.1 Disposições gerais
6.1.1 Devem ser cumpridas todas as norma...
6.1.6 O objetivo dos exercícios de preparação para casos de
emergência é familiarizar o pessoal com suas respectivas obri...
6.2.2 Os marítimos não devem manusear ou descarregar qual-quer
extintor de incêndio sem a devida necessidade, devendo rel...
6.2.7 É importante que os símbolos usados no plano de controle
de incêndios a bordo sejam compreendidos pelo corpo de bom...
6.2.14 Os marítimos devem se exercitar na vedação das passa-gens
e no fechamento dos sistemas de ventilação.
6.2.15 Um e...
6.3.2 Balsas infláveis devem ser enviadas sempre para manu-tenção
preventiva. Se possível, os exercícios de abandonar nav...
57
6.4 Operações com helicóptero8
6.4.1 Um número suficiente de membros da tripulação deve ser
treinado nas operações c...
6.4.4 A tripulação deve ser treinada em procedimentos de eva-cuação
por helicóptero.
6.4.5 Uma área para operações de iç...
publicado pela IMO, devem ser adotados, especialmente se a busca for
conduzida com outros navios.
59
6.6 Outros exercíc...
60
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
Prevencao de acidentes a bordo de navios
of 218

Prevencao de acidentes a bordo de navios

prevenção de acidentes a bordo de navios
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Health & Medicine      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Prevencao de acidentes a bordo de navios

  • 1. PREVENÇÃO DE ACIDENTES A BORDO DE NAVIOS NO MAR E NOS PORTOS
  • 2. Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho FUNDACENTRO Presidenta Rosiver Pavan Diretor Executivo Antônio Roberto Lambertucci Diretora Técnica Arline Sydneia Abel Arcuri Diretora de Administração e Finanças Renata Maria Celeguim
  • 3. PREVENÇÃO DE ACIDENTES A BORDO DE NAVIOS NO MAR E NOS PORTOS CÓDIGO DE PRÁTICAS DA OIT São Paulo 2005
  • 4. A edição original desta obra foi publicada pela Secretaria Internacional do Trabalho, Genebra, sob o título: Accident prevention on board ship at sea and in port. An ILO code of practice. Tradução e reprodução autorizadas. Copyright  1996 Organização Internacional do Trabalho. Tradução Portuguesa Copyright  2005 Fundacentro Catalogação na Fonte Biblioteca Fundacentro Prevenção de acidentes a bordo de navios no mar e nos portos: códi-go de práticas da OIT. São Paulo: Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho, 2005. Título original: Accident prevention on board ship at sea and in port. An ILO code of practice, c 1996. Tradução: Marco Junio de Faria Godinho. Revisor técnico da edição em português: Antônio Carlos Garcia Junior. 214 p. ISBN: 85-98117-10-2 1. Segurança do trabalho. 2. Trabalho portuário CDU 614.8 CIS/OIT Jiwi Xubix As designações empregadas nas publicações da OIT, as quais estão em conformidade com a prática seguida pelas Nações Unidas, bem como a forma em que aparecem nas obras, não implicam juízo de valor por parte da OIT no que se refere à condição jurídica de nenhum país, área ou território citados ou de suas autoridades, ou, ainda, concernente à delimitação de suas fronteiras. A responsabilidade por opiniões expressas em artigos assinados, estu-dos e outras contribuições recai exclusivamente sobre seus autores, e sua publicação não significa endosso da Secretaria Internacional do Tra-balho às opiniões ali constantes. Referências a firmas e produtos comerciais e a processos não implicam qualquer aprovação pela Secretaria Internacional do Trabalho, e o fato de não se mencionar uma firma em particular, produto comercial ou processo não significa qualquer desaprovação.
  • 5. PREFÁCIO De acordo com a decisão tomada pelo Corpo Diretivo da OIT em sua 254a sessão (Novembro de 1992), uma junta de especialistas foi convocada para se reunir em Genebra, entre os dias 28 de Setembro e 05 de Outubro de 1993, e revisar o Código de Práticas em Prevenção de Acidentes a Bordo de Navios no Mar e nos Portos. A junta foi composta por 15 especialistas¹ após a realização de consultas prévias, sendo de-signados pelos grupos componentes do corpo diretivo; de governos, empregadores e trabalhadores, com cinco indicações cada, que traba-lharam em conjunto com outros técnicos convidados. Depois de exami-narem e finalizarem a minuta do texto, preparada pelo Escritório Inter-nacional do Trabalho, eles validaram o presente código. Os especialistas consideraram que o Código de Práticas constituiu um corpo de recomendações de grande valia para os Estados-Membros da OIT. Ele não deve ser entendido como um instrumento legalmente impositivo e não teve a intenção de se impor às leis e regulamentos nacionais ou quaisquer outras normas nacionais de segurança e saúde do trabalho. Suas recomendações práticas foram criadas para a utiliza-ção por aqueles que detêm a responsabilidade sobre a saúde e a seguran-ça do trabalhador a bordo de um navio. Seu objetivo é fornecer aos armadores e marítimos, e a quaisquer outros envolvidos com questões desta natureza, orientações para todos, em ambos os setores, o público e o privado. 1 Especialistas designados pelos governos Sr. L. D. Barchue, Representante Adjunto da Missão Permanente da República da Libéria na Organização Marítima Internacional (IMO). Sr. A. Flatrud, Diretor de Departamento do Diretorado Marítimo da Noruega. Capitão H. Matsuda, Diretor do Escritório de Segurança no Emprego, Divisão de Administração, Departamento Marítimo do Bureau de Segurança e Tecnologia Marítima do Ministério dos Transportes, Japão. Sr. W. Rabe, Chefe Adjunto da Divisão de Investigação Naval, Comandante (G-MMI) da Guarda Costeira dos Estados Unidos. Assessor Técnico: Sr. C. Young, Especialista em Transporte Marítimo, Comandante (G-MVP-4) da Guarda Costeira dos Estados Unidos. Sra. E. A. Snow, Principal Executiva, Segurança e Saúde Ocupacional Marítima, Diretorado Naval, Organização de Inspetoria Geral, Departamento de Transporte do Reino Unido. Especialistas designados pelos empregadores Capitão K. Akatsuka, Gerente Geral, Associação dos Armadores do Japão. Capitão K. R. Damkjaer, Chefe de Divisão, Associação dos Armadores da Dinamarca. Sr. Koltsidopoulos, Assessor Jurídico do Sindicato dos Armadores da Grécia.
  • 6. A aplicação de algumas destas recomendações pode ser imprati-cável para alguns tipos específicos de navios ou operações marítimas. Em tais casos, todo e qualquer esforço deve ser feito para atendê-las na sua intenção original. Os riscos envolvendo qualquer tipo de operação mencionada neste código devem ser levados em consideração quando da aplicação destas medidas. Um código como este não consegue cobrir todos os aspectos da segurança, seja no trabalho ou nos períodos de descanso, a bordo dos navios no mar e nos portos e, de certo modo, nenhuma atividade huma-na está livre de riscos. Os acidentes ocorrem, na maioria dos casos, pela ausência de conhecimento ou por treinamento inadequado, pelo conhe-cimento insuficiente do navio e de suas operações, desviando-se, assim, dos procedimentos corretos, causando imprudências e exposição a ris-cos desnecessários, freqüentemente, em operações bastante simples. Pru-dência e previsão são características naturais do bom marítimo na exe-cução do seu trabalho que deveriam transformá-las em hábitos perma-nentes contra riscos em quaisquer circunstâncias, inclusive nas situa-ções rotineiras. Capitão M. R. Lowle, Gerente de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da Shell Tankers Ltda., Reino Unido. Capitão J.C. Park, Gerente Geral do Departamento Naval da Associação de Armadores da Coréia. Especialistas designados pelos trabalhadores Sr. L. Dolleris, Presidente do Sindicato dos Engenheiros Chefes (Maskinmestrenes Forening) da Dinamarca. Sr. N. McVicar, Organizador Nacional RMT do Sindicato Nacional dos Trabalhadores Ferroviários, Navais e de Transportes do Reino Unido. Sr. H. Rodriguez Navarrete, Secretário Geral da Federação de Marítimos do Chile (FETRICH). Sr. A Papaconstutinos, Secretário Nacional Adjunto do Sindicato Marítimo da Austrália. Sr. T. Tay, Secretário Geral do Sindicato de Oficiais Navais de Singapura. Observadores dos Estados-Membros Sr. E. H. Funcionário de Operações Portuárias, Direção Geral dos Portos, Seção Portuária do Bahrein. Sr. S. R. Sanad, Funcionário do Ministério das Finanças do Bahrein Sr. E. Hosannah, Primeiro Secretário da Missão Permanente do Brasil em Genebra. Sr. G. Boubopoulus, Tenente HCG, Divisão de Trabalho Marítimo, Guarda Costeira, Ministério da Marinha Mercante, Grécia. Sr. F. Wakaki, Conselheiro da Missão Permanente do Japão em Genebra. Sra. L. Vallarino, Embaixadora da Missão Permanente do Panamá em Genebra. Organizações intergovernamentais representadas Comissão da Comunidade Européia (CEC): Sr. L. Dutailly Organizações não governamentais representadas Confederação Internacional das Organizações Sindicais Livres (ICFTU): Sr. G. Ryder, Sr. D. Cunniah. Organização Internacional dos Empregadores (IOE): Sra. B. Perkins. Organização Internacional de Normalização (ISO): Sr. R. R. Spencer, Sr. F. Abram. Federação Internacional dos Armadores (ISF): Sr. D. Dearsley, Capitão F. M. Marchant. Federação Internacional dos Trabalhadores dos Transportes (ITF): Sr. J. P. Whitlow. Federação Sindical Mundial (WFTU): Sr. A Potapov
  • 7. Muitas das informações compiladas neste código foram coletadas em códigos nacionais de práticas e publicações relacionadas à seguran-ça. Considerando-se a impossibilidade destas orientações gerais cobri-rem cada aspecto da segurança e da saúde a bordo, uma lista comple-mentar, com publicações e outras informações, foi adicionada neste có-digo. Os especialistas reconhecem que alguns países e empresas de trans-porte marítimo estabeleceram programas e políticas mais avançados para segurança e saúde que aquelas aqui preceituadas. Eles apóiam total-mente estes desenvolvimentos e encorajam outros na apropriação des-tas iniciativas. Ao longo do código, existem referências a publicações, resolu-ções e instrumentos da OIT e da Organização Marítima Internacional (IMO), bem como as publicações de outras organizações intergoverna-mentais e não-governamentais. Todas as vezes que tais instrumentos, resoluções e publicações forem utilizados, deve-se assegurar que as edi-ções e versões mais recentes, aplicáveis, sejam consultadas. O texto foi aprovado para publicação pelo Corpo Diretivo da OIT na sua 261a sessão (novembro de 1994). Representantes da OIT Sr. B. K. Nilssen, Chefe do Serviço das Indústrias Marítimas, OIT. Sr. D. Appave, Serviço das Indústrias Marítimas, OIT. Sr. B. Wagner, Serviço das Indústrias Marítimas, OIT. Sra. T. Bezar-Palmer, Setor de Apoio Multi-setorial, OIT. Consultor da OIT Capitão I. Lavery, Serviços de Pesquisa e Consultoria, Universidade de Ulster, Reino Unido.
  • 8. APRESENTAÇÃO Nos últimos dez anos, a Fundacentro, através de seu corpo técnico, fez um estudo amplo dos portos brasileiros e a bordo de embarcações e viu de perto as condições de trabalho e as principais fontes de riscos à vida e à saúde dos trabalhadores. Como instrumento para realização deste trabalho, a Fundacentro elabo-rou e executou o Programa Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho Portuário e Aquaviário, o Propomar. Esse programa perdurou de 1997 a 2000 e seus resultados foram apresentados no 1º Congresso Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho Portuário e Aquaviário, ocorrido em 2000 na cidade de Vitória-ES. Seus resultados repercutiram no campo legal com a publicação de duas propostas de normas regulamentadoras: em 1997 a Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Portuário – NR 29 – e logo após, em 2002, a Norma de Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário – NR 30. Essas normas regulamentaram, respectivamente, as convenções 152 e 147 da Organização Internacional do Trabalho – OIT. A Fundacentro tem demonstrado estar atenta às demandas da sociedade e aos compromissos de nosso país com os organismos internacionais. Agora, com a publicação deste Código de Práticas de Segurança para Prevenção de Acidentes a Bordo de Navios no Mar e nos Portos, da OIT, a Fundacentro disponibiliza um importante instrumento de divul-gação para proteger e melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores da marinha mercante. Antônio Carlos Garcia Junior Tecnologista da Fundacentro Revisor técnico da edição em português
  • 9. ÍNDICE 1 Disposições gerais ......................................................................19 1.1 Objetivo ..............................................................................19 1.2 Aplicação ............................................................................19 1.3 Definições gerais. ...............................................................20 2 Obrigações e responsabilidades gerais ....................................23 2.1 Obrigações gerais da autoridade competente nos Estados de Bandeira ...........................................................23 2.2 Obrigações e responsabilidades gerais das autoridades competentes distintas do Estado de Bandeira .....................25 2.3 Obrigações e responsabilidades gerais dos armadores de navios. ............................................................................26 2.4 Obrigações e responsabilidades gerais do comandante ......30 2.5 Obrigações e responsabilidades gerais dos marítimos ........32 2.6 Obrigações e responsabilidades gerais do comitê de segurança e saúde a bordo do navio ...................................34 2.7 Obrigações e responsabilidades gerais do oficial de segurança ............................................................................35 2.8 Obrigações e responsabilidades gerais do(s) representante(s) de segurança .............................................35 3 Notificação de acidentes ...........................................................37 3.1 Disposições gerais ..............................................................37 4 Sistemas de autorização do trabalho .....................................39 4.1 Disposições gerais ............................................................39 5 Considerações gerais sobre segurança e saúde a bordo .......41 5.1 Ordem e limpeza no navio, saúde e higiene pessoal a bordo .................................................................................41
  • 10. 5.2 Utilização de substâncias químicas ..................................43 5.3 Prevenção de incêndio ......................................................44 5.4 Roupas de trabalho e equipamento de proteção individual ..........................................................................46 5.5 Sinais, avisos e códigos de cores ......................................49 6 Emergências e equipamentos de emergência a bordo ..........51 6.1 Disposições gerais ........................................................... 51 6.2 Equipamento de combate a incêndio, exercícios e treinamento .......................................................................52 6.3 Exercícios e treinamento de abandono de navio............... 55 6.4 Operações com helicóptero ..............................................57 6.5 Homem ao mar e resgate no mar ......................................58 6.6 Outros exercícios ..............................................................59 7 Transporte de cargas perigosas ...............................................61 7.1 Disposições gerais ............................................................61 7.2 Precauções especiais .........................................................63 7.3 Fontes adicionais de informação ......................................64 8 Acesso seguro ao navio ...........................................................67 8.1 Meios de acesso ao navio .................................................67 8.2 Escadas e passarelas de portaló do navio .........................69 8.3 Escadas portáteis ..............................................................70 8.4 Escadas do prático ............................................................70 8.5 Transporte de pessoas por via aquática .............................71 9 Movimentação segura no navio ...............................................73 9.1 Disposições gerais ............................................................73 9.2 Corredores e passadiços....................................................73 9.3 Portas estanques ................................................................74 9.4 Iluminação ........................................................................74
  • 11. 9.5 Proteção das escotilhas de carga e outras aberturas em torno do convés .................................................................75 9.6 Acesso aos porões e outros espaços ..................................76 9.7 Drenagem .........................................................................76 10 Acesso e trabalho em espaços confinados .............................77 10.1 Disposições gerais .........................................................77 10.2 Precauções no acesso aos espaços confinados ..............77 10.3 Obrigações e responsabilidades de uma pessoa competente e de um oficial responsável ........................78 10.4 Preparação e segurança do local antes do acesso ..........79 10.5 Teste da atmosfera nos espaços confinados...................80 10.6 Uso do sistema de autorização do trabalho ...................81 10.7 Procedimentos e normas aplicáveis antes do acesso .....81 10.8 Procedimentos e medidas aplicáveis durante o acesso ..82 10.9 Medidas complementares para acesso a locais com atmosfera presumida ou efetivamente insegura ............82 10.10 Equipamentos autônomos de respiração e equipamento de reanimação ...............................................................84 10.11 Manutenção do equipamento e treinamento..................85 11 Levantamento e transporte manual de cargas.....................87 11.1 Disposições gerais .........................................................87 12 Ferramentas e materiais de trabalho ...................................89 12.1 Disposições gerais .........................................................89 12.2 Ferramentas manuais .....................................................89 12.3 Ferramentas portáteis elétricas, pneumáticas e hidráulicas .....................................................................89 12.4 Oficina e máquinas de bancada (instalações fixas) ..........90 12.5 Esmeris .............................................................................91 12.6 Lampiões ..........................................................................92
  • 12. 12.7 Ar comprimido .................................................................92 12.8 Cilindros de gás comprimido ............................................ 92 13 Solda, corte com maçarico e outros trabalhos a quente ........95 13.1 Disposições gerais ............................................................95 13.2 Equipamento de proteção individual ................................95 13.3 Precauções contra incêndios, explosões e ambientes de risco à vida .........................................................................96 13.4 Equipamento de solda elétrica ..........................................96 13.5 Precauções durante a solda com arco elétrico ..................97 13.6 Corte com maçarico e solda forte .....................................97 14 Trabalhos de pintura ................................................................99 14.1 Disposições gerais ............................................................99 14.2 Pintura por pulverização ...................................................99 14.3 Pintura nas superestruturas e no casco............................100 15 Trabalho nas superestruturas e no casco do navio ...............101 15.1 Disposições gerais ..........................................................101 15.2 Plataformas e andaimes ..................................................102 15.3 Cadeiras suspensas .........................................................103 15.4 Cabos ..............................................................................103 15.5 Escadas portáteis ............................................................104 15.6 Escadas de corda.............................................................104 15.7 Trabalhos no casco com o apoio de chatas .....................104 16 Trabalho com eletricidade e equipamentos elétricos ...........107 16.1 Disposições gerais ..........................................................107 16.2 Fiação elétrica, lâmpadas portáteis, ferramentas elétricas e outros equipamentos móveis ...................................... 110 16.3 Sistemas de alta voltagem............................................. 112 16.4 Retificadores e equipamentos eletrônicos .................... 112 16.5 Equipamento de radiocomunicação .............................. 112
  • 13. 16.6 Baterias e praças de baterias ......................................... 113 16.7 Trabalho com telas de tubos catódicos (VDUs), inclusive microcomputadores ....................................... 114 17 Trabalho com substâncias perigosas, irritantes e exposição a radiações .......................................................... 115 17.1 Disposições gerais ...................................................... 115 17.2 Trabalho com poliésteres insaturados ........................... 116 17.3 Trabalho com substâncias adesivas .............................. 116 17.4 Remoção de isolamento, pinturas e outros revestimentos .. 116 17.5 Trabalho com amianto .................................................. 117 17.6 Trabalho com fibras minerais sintéticas ....................... 117 17.7 Rádio e instalações de radar ......................................... 117 17.8 Radiações ionizantes..................................................... 118 18 Manutenção dos cabos de aço e cabos de fibra ..................... 119 18.1 Disposições gerais ....................................................... 119 18.2 Cabos de aço ................................................................120 18.3 Cabos de fibra ..............................................................121 19 Fundeio, atracação e amarração............................................125 19.1 Disposições gerais .......................................................125 19.2 Ancoragem ..................................................................125 19.3 Características dos cabos de fibras sintéticas para atracar ou rebocar ........................................................126 19.4 Amarração e desamarração ..........................................127 19.5 Amarração em bóias ....................................................128 20 Operações com cargas no convés ou no porão ......................129 20.1 Disposições gerais ..........................................................129 20.2 Estivagem da carga ......................................................... 129 20.3 Equipamentos de içar .....................................................132 20.4 Utilização de lingas ........................................................ 133
  • 14. 20.5 Roldanas e talhas ............................................................135 20.6 Ganchos de içar ..............................................................135 20.7 Manilhas .........................................................................135 20.8 Trabalho no convés durante a navegação .......................136 20.9 Mar grosso ......................................................................136 20.10 Trabalho nas escotilhas e nos porões .............................137 21 Trabalho na sala de máquinas ...............................................139 21.1 Disposições gerais .........................................................139 21.2 Caldeiras, vasos de pressão e tubulações de vapor .........143 21.3 Maquinário de propulsão ...............................................145 21.4 Turbinas ..........................................................................145 21.5 Motores de combustão interna ........................................146 21.6 Compressores de ar e reservatórios ................................146 21.7 Sistemas de refrigeração .................................................146 21.8 Sistemas de óleo e combustíveis ....................................147 21.9 Sistemas de direção ........................................................147 21.10 Operação da sala de controle e espaços desguarnecidos................................................................147 21.11 Sistemas hidráulicos .......................................................148 22 Trabalho em cozinhas, despensas e áreas de manipulação de alimentos ......................................................151 22.1 Carga e armazenamento de provisões .............................151 22.2 Preparação de alimentos .................................................152 22.3 Trabalho nas cozinhas, despensas e refeitórios...............155 23 Segurança nos alojamentos ....................................................159 23.1 Disposições gerais ..........................................................159 23.2 Equipamentos de lavanderia ...........................................160 16
  • 15. 23.3 Salas de atividades físicas ...............................................160 23.4 Piscinas ........................................................................... 161 23.5 Sistemas de esgotamento sanitário ................................. 161 24 Tipos específicos de embarcações ........................................163 24.1 Disposições gerais ..........................................................163 24.2 Graneleiros e transporte de granéis................................. 165 24.3 Navios porta-contêiners .................................................. 167 24.4 Navios Ro-Ro (rol-on-roll-off) e ferries ......................... 170 24.5 Petroleiros .......................................................................173 24.6 Navios químicos .............................................................175 24.7 Navios gaseiros ............................................................... 176 24.8 Navios de passageiros .....................................................178 24.9 Embarcações de apoio marítimo.....................................181 Anexos ............................................................................................191 Anexo 1 – Formulário de autorização de trabalho ...................191 Anexo 2 – Referências e leitura complementar ........................194 Anexo 3 – Normas ISO .............................................................203 Índice remissivo.............................................................................205 17
  • 16. 18
  • 17. 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 19 1.1 Objetivo 1.1.1 O objetivo deste código é fornecer recomendações práti-cas com orientações úteis para a segurança e a saúde no trabalho a bor-do, visando: a) prevenir acidentes, doenças e outros acontecimentos de risco à saúde dos marítimos provenientes do trabalho a bordo de navios no mar e nos portos. b) garantir que a responsabilidade pela segurança e pela saúde seja entendida, permanecendo como prioridade de todos os envolvidos com o transporte marítimo, incluindo governos, armadores e marítimos; e c) promover consultas e cooperação entre os governos, bem como entre as organizações de armadores e de trabalhadores e, entre si, na melhoria constante da segurança e da saúde a bordo dos navios. 1.1.2 O código também provê orientação para a implementação das disposições da Convenção Marítima para a Prevenção de Acidentes de Trabalho, 1970 (nº 134) e Recomendação de 1970 (nº 142), bem como de outras Recomendações e Convenções aplicáveis da OIT. 1.2 Aplicação 1.2.1 O código trata da segurança e da saúde de todos os maríti-mos que trabalham a bordo de navios, armados pública ou privadamente, atuando normalmente na navegação marítima comercial. No entanto, seções também podem ser aplicadas a barcos que navegam em águas interiores ou a barcos de pesca.
  • 18. 1.2.2 As recomendações deste código devem ser consideradas condições básicas mínimas para a proteção dos marítimos com seguran-ça e saúde. 20 1.3 Definições gerais ¹ 1.3.1 Para os propósitos deste código, os seguintes termos fo-ram definidos, como se segue: a) Autoridade competente: ministro, departamento de governo ou outra autoridade com poder para estabelecer normas, regu-lamentos, ordens ou outras instruções com força de lei, no que concerne à segurança e à saúde a bordo de qualquer embarca-ção registrada em seu território ou de qualquer navio em seu mar territorial ou portos; b) Pessoa competente ou oficial competente: especialista ou ofi-cial com as competências adequadas, como treinamento apro-priado e conhecimento suficiente, experiência e habilidade, incluindo, quando necessário, a titulação na capacitação soli-citada pela autoridade competente para ocupar uma função específica, para executar uma tarefa especial ou assumir res-ponsabilidades de supervisão. A autoridade competente deve definir o critério para a designação destas pessoas e pode de-terminar suas obrigações e responsabilidades;² c) Tripulação: marítimos trabalhando no navio e o comandante; d) Oficial: todos aqueles assim considerados na lei ou por nor-mas nacionais;³ e) Equipamento de proteção individual: inclui, sem impor limi-tações, trajes de proteção, capacetes de segurança, proteção facial e ocular, proteção auditiva, luvas, calçados de seguran-ça, cabos de salvamento, cintos e coletes de segurança, equi- 1 O uso do masculino no texto deve ser lido como se referindo a ambos os gêneros. 2 Os critérios, no mínimo, devem ser aqueles da Convenção Internacional sobre Padrões de Treinamento, Certificação e Chefia de Quartos para Marítimos da IMO, 1978 (e qualquer revisão ou emendas subseqüentes), aqueles da Convenção de Marinha Mercante da OIT (Padrões Mínimos) de 1976, nº 147, e outros instrumentos relevantes. 3 Ver também 1.3.1 (b) acima.
  • 19. pamentos de respiração autônoma e respiradores, conforme necessário; f) Especialista: um membro competente da tripulação, distinto 21 do oficial; g) Pessoas responsáveis: pessoas com autoridade direta ou indiretamente delegada pelo comandante ou armador do na-vio para conduzir ou supervisionar obrigações ou operações definidas; h) Oficial de segurança: oficial designado pelo comandante ou armador do navio responsável pela condução de certas atividades relacionadas à segurança e à saúde a bordo; i) Política de segurança: documentos escritos pelo armador do navio registrando, em termos amplos, seu comprometimento, suas metas e seus objetivos; j) Programa de segurança: plano detalhado para implementar os ideais e as intenções registradas na política de segurança; k) Representante de segurança: membro eleito ou indicado pe-los componentes da tripulação para representá-los no comitê de segurança e saúde a bordo; l) Comitê de Segurança e Saúde: comitê encarregado de exami-nar e lidar com todos os aspectos da segurança e saúde a bor-do e com os temas correlatos; m) Marítimo*: qualquer pessoa empregada em qualquer função, trabalhando num navio ou embarcação, pública ou privada, engajado na navegação comercial marítima, excetuando-se os navios de guerra; n) Navio ou embarcação: quaisquer barcos registrados, públicos ou privados, engajados na navegação comercial marítima; * N. do T.: No Brasil, o termo aquaviário, apesar do uso formal amplo e aceito, aplica-se comumente aos trabalhadores navegando em águas interiores, rios, lagos e baías. Já o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (Rio de Janeiro: Objetiva, 2001, 1 ed.) distingue o marítimo, qualquer trabalhador embarcado em navios oceânicos, do marinheiro, aquele que pratica e exerce as artes e os ofícios de marinharia.
  • 20. o) Armador: quaisquer pessoas ou organizações proprietárias de um navio ou agindo em seu nome, responsáveis pelo navio e sua armação ou pelos marítimos que nele trabalham. Para os propósitos deste código, o termo pode incluir também, por exemplo, uma empresa administradora de navios. 22
  • 21. 2 OBRIGAÇÕES E RESPONSABILIDADES GERAIS 2.1 Obrigações gerais da autoridade competente nos Estados de Bandeira 2.1.1 A autoridade competente, com base numa análise dos ris-cos à segurança e à saúde, em concordância com as organizações dos armadores de navios e dos marítimos, deve adotar leis ou normas nacio-nais para garantir a segurança e a saúde dos marítimos trabalhando a 23 bordo de navios.* 2.1.2 Uma aplicação prática destas leis ou normas nacionais deve ser disponibilizada através de padrões técnicos ou códigos de práticas, ou por outros métodos adequados. 2.1.3 Na efetivação dos parágrafos 2.1.1 e 2.1.2 acima, a autori-dade competente deve observar devidamente os padrões relevantes adotados por organizações internacionalmente reconhecidas no campo da segurança marítima.¹ 2.1.4 A autoridade competente deve estabelecer serviços apro-priados de inspeção para cumprir ou administrar a aplicação das leis e normas nacionais, provendo os meios necessários para tanto, ou se cer-tificar de que a inspeção adequada ocorre e que as normas são cumpri-das e respeitadas.2 * No Brasil, aplica-se a Norma Regulamentadora NR 30, aprovada pela Portaria nº 34 de 04/12/ 2002 da Secretaria de Inspeção do Trabalho/MTE, publicada no Diário Oficial da União em 09/ 12/2002. 1 Estas incluem, da OIT, a Convenção de Marinha Mercante (Padrões Mínimos) n. 147 de 1976; a Convenção sobre Prevenção de Acidentes (Marítimos) nº 134 de 1970; as Recomendações para Prevenção de Acidentes (Marítimos) nº 142 de 1970; da IMO, a Convenção Internacional para a Segurança da Vida no Mar (SOLAS) de 1974; a Convenção Internacional sobre Padrões de Treinamento, Titulação e Chefia de Quartos para Marítimos (efia de Quartos para Marítimos (nacional sobre Linhas de Carga (ICL) de 1966; a Convenção sobre a Regulamentação Internacional para Prevenir Abalroamento no Mar (COLREG) de 1972 e as revisões subseqüentes desses instrumentos.
  • 22. 2.1.5 A inspeção e a vistoria dos navios devem ser realizadas normalmente pela autoridade competente.3 Caso tais tarefas sejam dele-gadas às sociedades classificadoras ou outras entidades, a autoridade competente deve assegurar que seus compromissos internacionais4 se-jam atendidos e que leis e normas nacionais sejam cumpridas. 2.1.6 As medidas a serem tomadas para assegurar a cooperação organizada entre armadores e marítimos, promovendo segurança e saú-de a bordo de navios, devem ser previstas por lei ou norma nacional, ou pela autoridade competente.5 Tais medidas podem incluir, sem impor limites às mesmas, as seguintes normas: a) o estabelecimento em cada navio de um comitê de segurança e saúde com poderes e obrigações bem definidas; b) a indicação de representante(s) eleito(s), dentre os marítimos, com poderes e responsabilidades bem definidas; e c) a indicação, pelo comandante ou pelo armador, de um oficial adequadamente qualificado e experiente na promoção da se-gurança e da saúde no trabalho. 2.1.7 Quando leis ou regulamentações nacionais comparáveis estiverem em vigor, no que concerne ao parágrafo 2.1.6, a autoridade competente deve assegurar que a organização e a execução de tais me-didas sejam tão ou mais eficazes do que as recomendadas acima. 2 Para assegurar inspeções em conformidade com a Convenção nº 147, a publicação da OIT Inspeção das condições de trabalho a bordo de navios: Guia de procedimentos deve ser seguida. De acordo com o artigo 2º da Convenção nº 134, a autoridade competente em cada país marítimo deve tomar as medidas necessárias para assegurar que os acidentes de trabalho sejam informados e investigados adequadamente e que as estatísticas completas sejam mantidas e analisadas. Também poderão ser usadas as orientações OIT/IMO para a investigação de acidentes em que a fadiga seja um fator contribuinte. 3 Ver também as Recomendações para Inspeção do Trabalho (Marinheiros) nº 28 de 1926. 4 Para que organizações atuem em nome da autoridade competente, devem ser aplicadas recomendações da Resolução A.739(18), 1993, da IMO, e suas revisões. 5 As Recomendações sobre Saúde e Segurança Ocupacional (nº 164), de 1981, propõem a consti-tuição dos comitês de segurança, especificando os direitos do comitê e de seus membros. O artigo 7º da Convenção sobre Prevenção de Acidentes (Marítimos) de 1970 (nº 134) dispõe, por sua vez, sobre o estabelecimento de um comitê responsável pela prevenção de acidentes constituído por membros da tripulação e sujeito à autoridade do comandante*. 24 * Previsto na NR 30 brasileira.
  • 23. 2.1.8 A autoridade competente deve agir imediatamente para investigar deficiências comprovadas ou relatadas por autoridades com-petentes de outros Estados relacionadas aos navios registrados em seu território e tomar as medidas necessárias para corrigir tais deficiências. 2.1.9 Onde ou quando a segurança do navio ou a segurança e a saúde da tripulação estiverem em risco, a autoridade competente deve tomar medidas efetivas para impedir o navio de zarpar, de acordo com as leis e as normas nacionais, até que as causas sejam sanadas, assegu-rando conformidade plena com as leis e as normas nacionais aplicáveis. 2.1.10 A autoridade competente deve estabelecer em leis e nor-mas os padrões mínimos para definir instalações, procedimentos e trei-namentos médicos adequados ao pessoal a bordo. Devem ser devida-mente observados os instrumentos relevantes da OIT.6 Todo navio deve manter a bordo o Guia Médico Internacional para Navios ou um guia nacional equivalente. 2.1.11 A autoridade competente deve assegurar que os trabalha-dores a bordo de navios registrados em seu território estejam devida-mente titulados, quando e onde necessário. Devem ser devidamente observados os instrumentos relevantes da OIT e da IMO, orientações, resoluções e publicações, com especial atenção ao Documento de Refe-rência: Um Guia Internacional de Treinamento Marítimo, de 19857, e 25 suas revisões ulteriores. 2.2 Obrigações e responsabilidades gerais das autoridades com-petentes, distintas do Estado de Bandeira 2.2.1 Devem ser devidamente observados os princípios relevan-tes da lei internacional, quando e onde as obrigações necessárias impu-serem a aplicação de medidas por parte de uma autoridade competente, distinta da autoridade competente do Estado de Bandeira. 6 Em especial, a Convenção sobre Proteção à Saúde e Cuidados Médicos (Marítimos) de 1987 (nº 164). 7 Observando-se a Convenção Internacional sobre Padrões de Treinamento, Titulação e Chefia de Quartos para Marítimos, de 1978, bem como outros instrumentos, resoluções e publicações da OIT e da IMO.
  • 24. 2.3 Obrigações e responsabilidades gerais dos armadores de navios 2.3.1 Geralmente, o armador do navio é o responsável primordial pela segurança e a saúde de todos os trabalhadores a bordo do navio. No entanto, a responsabilidade diária é do comandante, que deve obser-var os procedimentos solicitados pelo armador do navio. Os armadores devem fornecer os meios adequados e a organização necessária, estabe-lecendo uma política apropriada para a segurança e a saúde dos maríti-mos, de acordo com as leis e as normas nacionais e internacionais. A política e o programa de segurança devem estabelecer as responsabili-dades de todas as partes, inclusive das guarnições, das equipes de terra e de quaisquer empresas sub-contratadas.8 2.3.2 O desenvolvimento da segurança eficiente no grau neces-sário, atingindo altos padrões, dependem da previsão, da boa organiza-ção e do apoio total da gerência e de todos os marítimos. Sendo assim, os armadores devem consultar as organizações de marítimos no que tange à política de segurança e saúde. 2.3.3 Os armadores devem assegurar que os projetos dos navios levem em consideração os princípios ergonômicos e sejam elaborados em conformidade com as leis, normas, padrões e códigos de práticas, nacionais e internacionais. 2.3.4 Os armadores devem fornecer e manter nos navios equipa-mentos, ferramentas, manuais atualizados de provisionamento e outras documentações, organizar todo planejamento e as operações da forma mais pratica possível, evitando a criação do risco de acidentes ou lesões para os marítimos. Em especial, as atividades devem ser planejadas, preparadas e realizadas de tal maneira que: a) sejam prevenidos os prováveis perigos a bordo; b) sejam evitadas posturas e movimentos corporais excessiva-mente extenuantes ou desnecessários; c) sejam levadas em conta a segurança e a saúde dos marítimos na organização de todo trabalho; 8 Tais políticas devem basear-se no Código Internacional de Gestão para a Operação Segura de Navios e Prevenção da Poluição (Segurança Internacional para o Gerenciamento – Código ISM), Resolução A.741 (18) da Assembléia da IMO, 1993, e suas alterações posteriores. 26
  • 25. d) sejam usados materiais e produtos com segurança, não colo-cando em risco a saúde dos marítimos; e e) sejam empregados métodos de trabalho para protegê-los contra os efeitos nocivos de agentes químicos, físicos e biológicos. 2.3.5 Os armadores devem observar as leis nacionais e interna-cionais apropriadas ao decidirem quantas pessoas farão parte da tripula-ção e considerar os padrões necessários de preparo físico, estado de saúde, experiência, competência e habilidades lingüísticas para garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores na execução de suas obrigações e responsabilidades, quando trabalharem a bordo. Ao fazer isso, os ar-madores devem: a) levar em conta as ligações entre a segurança a bordo do navio e as condições aceitáveis de trabalho e alojamento, incluindo horas de trabalho, períodos de descanso, roupas de cama, uten-sílios de refeitório, acomodação adequada e nutrição;9 b) verificar se o marítimo possui os certificados médicos e as titulações de competência apropriadas, empenhando-se para confirmar sua validade; c) reconhecer o cansaço como um risco potencial para a seguran-ça e a saúde e, portanto, planejar as operações nos navios levan-do em consideração o período de trabalho necessário e as con-dições predominantes a bordo de forma a minimizar a fadiga;10 d) onde as circunstâncias não permitem os períodos de descanso adequados aos marítimos, a complementação da tripulação deve ser providenciada ou a programação de trabalho da em-barcação deve ser redistribuída; e e) levar em consideração relatórios e recomendações feitas pelo comandante ou pelo comitê de segurança, no que se refere à adequação do número de marítimos, seu grau de competência e habilidades necessários para uma operação livre de aciden-tes 27 no navio. 9 Convenção da OIT sobre Bem Estar no Mar e nos Portos (nº 173) de 1987, Convenção (Padrões Mínimos) de Marinha Mercante (nº 147) de 1976 e Recomendação sobre Utensílios de Refeitório, Roupas de Cama (Tripulação) e Outros Provisionamentos (nº 78) de 1946. 10 Ver a Resolução A.772 (18) da IMO, 1993, sobre Fatores de Fadiga em Segurança e Tripulação.
  • 26. 2.3.6 Os armadores devem proporcionar uma supervisão tal que certifique que as tarefas dos marítimos sejam executadas em conformi-dade com a segurança e a saúde no trabalho. Os armadores devem orientar o comandante, e este deve instruir os oficiais para que o traba-lho de todos a bordo seja organizado de forma a evitar os riscos desne-cessários à saúde e à segurança. Devem assegurar que os comandantes e os marítimos estejam totalmente cônscios de que as atividades desen-volvidas a bordo podem afetar sua segurança e sua saúde. 2.3.7 Os armadores devem providenciar a designação de uma pessoa das operações em terra firme, preferencialmente do maior nível possível dentro da hierarquia gerencial, para: a) consultar pormenorizadamente com o comandante e a tripu-lação sobre todos os assuntos concernentes à segurança e à 28 saúde; b) revisar os relatórios dos comitês de segurança e saúde a bordo do navio e levar em consideração quaisquer melhorias sugeridas e outras informações pertinentes recebidas do navio; e c) monitorar o desempenho do equipamento e do pessoal. 2.3.8 Os armadores devem estabelecer comitês de segurança e saúde a bordo dos navios ou tomar outras providências adequadas, con-sistentes com as leis e as normas nacionais, para permitir a participação dos marítimos no estabelecimento das condições seguras de trabalho. As obrigações e responsabilidades de tais comitês, bem como dos mem-bros designados para os mesmos, estão descritas na seção 2.6 abaixo. Quando da especificação dos procedimentos dos comitês, de seus mem-bros e representantes, os armadores devem consultar as organizações relevantes dos marítimos. 2.3.9 Os armadores devem providenciar inspeções de segurança regulares em todas as seções de seus navios por pessoas competentes em intervalos adequados. A inspeção deve também incluir as ferramen-tas, os equipamentos e o maquinário dos quais depende a segurança dos marítimos. Precauções devem ser tomadas na inspeção, como, por exem-plo, assegurando que os tanques sejam ventilados e os gases, liberados. Tais inspeções devem ser compatíveis, no mínimo, com as normas nacionais. 2.3.10 Os armadores devem assegurar que, antes de assumirem suas responsabilidades, todos os marítimos sejam adequadamente ins-
  • 27. truídos sobre os riscos relacionados com o seu trabalho e com o ambien-te do navio e treinados nas precauções que devem ser tomadas para evitar acidentes e danos à saúde. O treinamento deve cobrir as opera-ções do dia-a-dia a bordo do navio, bem como o planejamento das con-tingências e a preparação para emergências. Um manual de treinamento contendo informações e instruções sobre equipamento salva-vidas e métodos de sobrevivência devem ser mantidos em cada refeitório, sala de recreação ou em cada cabine.11 O manual deve ser escrito em termos de fácil compreensão e ilustrado, sempre que possível. 2.3.11 Os armadores devem tomar medidas práticas para assegu-rar que, antes de assumirem suas responsabilidades, os marítimos to-mem conhecimento das leis, normas, padrões, códigos de prática, instruções e orientações nacionais e internacionais relevantes relacio-nadas com a prevenção de acidentes e danos à saúde. O domínio ou o conhecimento lingüístico dos marinheiros deve ser levado em conside-ração na disseminação dessas informações. 2.3.12 Os armadores devem fornecer equipamento médico apro-priado e pessoal treinado, de acordo com as leis e as regulamentações nacionais (ver parágrafo 2.1.10). O Guia Médico Internacional para Navios, ou um guia nacional equivalente, deve ser mantido a bordo. 2.3.13 Os armadores devem comunicar todos os acidentes de tra-balho, doenças e ocorrências perigosas à autoridade competente, de acor-do com as leis e as normas nacionais. Todos os acidentes fatais ou com lesões graves devem ser comunicados imediatamente à autoridade com-petente12 e uma investigação deve ser realizada (ver o Capítulo 3). Ou-tras lesões, resultando na incapacitação temporária para o trabalho, que podem estar especificadas em leis e normas nacionais, bem como doen-ças classificadas como ocupacionais, devem ser comunicadas à autori-dade competente na forma e no tempo porventura especificado. 2.3.14 Os armadores devem investigar todos os acidentes e inci-dentes, analisar suas causas subjacentes e divulgar, de maneira apro-priada, para toda a companhia, o que foi aprendido. Eles devem consi- 11 Dispositivo constante no Capítulo III do Anexo da Convenção Internacional para a Segurança da Vida no Mar. 12 Conforme previsto na Convenção (Marítimos) sobre Prevenção de Acidentes da OIT (nº 134) de 1970. 29
  • 28. derar também o estabelecimento de um sistema de informação para re-latar os incidentes. 2.3.15 Os armadores devem encorajar os marítimos a informa-rem todas as condições e operações inseguras com riscos para a saúde. 2.3.16 Os armadores devem fornecer a cada navio os equipamen-tos necessários, manuais e outras informações para garantir que todas as operações sejam realizadas de maneira a reduzir ao mínimo as condi-ções adversas à segurança e à saúde dos marítimos. 2.3.17 Os armadores devem suprir os marítimos com informa-ções corretas concernentes à segurança e aos riscos à saúde e às medi-das preventivas relacionadas com o processo de trabalho. Essa informa-ções devem ser apresentadas em formato e linguagem de fácil compre-ensão para os membros da tripulação. 2.4 Obrigações e responsabilidades gerais do comandante 2.4.1 O comandante deve implementar a política e o programa de segurança e saúde dos armadores a bordo dos navios. A política e o programa, inclusive as regras de segurança e instruções, devem ser co-municados com clareza a todos os membros da tripulação. O coman-dante deve assegurar que o trabalho desenvolvido a bordo do navio seja realizado de maneira a evitar a possibilidade de acidentes e a exposição dos trabalhadores a condições que possam levá-los a sofrer lesões e da-nos à saúde. 2.4.2 O comandante deve assegurar que toda atividade reque-rendo o trabalho em conjunto de vários marinheiros, submetidos a risco especial, seja supervisionado por uma pessoa competente. 2.4.3 O comandante deve assegurar que os marítimos sejam de-signados apenas para trabalhar com atividades adequadas a sua idade, a seu estado de saúde e a suas competências. 2.4.4 O comandante deve assegurar que nenhum jovem seja de-signado para uma obrigação inapropriada.13 13 Recomendações para a Proteção do Jovem Marítimo (nº 153) de 1976. 30
  • 29. 2.4.5 O comandante deve emitir avisos e instruções de maneira clara e compreensível, em língua ou línguas entendidas por toda a tripu-lação, e verificar de forma conveniente que tais avisos e instruções fo-ram compreendidos com clareza. 2.4.6 O comandante deve assegurar, em atendimento às leis e às normas nacionais, bem como aos acordos coletivos, onde existirem, que toda a tripulação a bordo tenha: a) uma carga de trabalho tolerável; b) horas razoáveis de trabalho; c) período de descanso razoável durante o turno do trabalho, com especial atenção ao trabalho extenuante, perigoso ou monóto-no; 31 e d) dias de descanso em intervalos razoáveis. 2.4.7 O comandante deve investigar todos os acidentes e inci-dentes, registrá-los e comunicá-los em conformidade com as leis e as normas nacionais e com os procedimentos para os relatórios dos arma-dores (ver Capítulo 3). 2.4.8 O comandante deve assegurar a disponibilidade de manu-ais de operação, planos do navio, leis e normas nacionais, procedimen-tos de segurança e outras informações similares a todos os marinheiros que as necessitem para executar seu trabalho com segurança. Em espe-cial, o comandante deve assegurar que as instruções e os avisos neces-sários relacionados com a segurança e a saúde da tripulação sejam afi-xados em locais de fácil visualização e acesso ou que sejam colocados à disposição dos tripulantes por quaisquer meios eficientes. 2.4.9 Quando os comitês de segurança e saúde a bordo de um navio são estabelecidos, o comandante deve organizar reuniões regula-res em intervalos de 4 a 6 semanas ou conforme necessitar e assegurar que as informações consignadas nas atas do comitê recebam a devida atenção. 2.4.10 O comandante deve assegurar que o equipamento de se-gurança, inclusive todo o equipamento de emergência e proteção, seja mantido em boas condições e adequadamente armazenado. 2.4.11 O comandante deve assegurar que todos os exercícios de treinamento e as simulações obrigatórias sejam conduzidas de forma
  • 30. realista, eficiente e meticulosa nos intervalos requeridos, de acordo com as regras e as normas aplicáveis.14 2.4.12 O comandante deve assegurar que sejam ministrados prá-ticas e treinamentos em procedimentos de emergência. O uso de qual-quer equipamento especial de emergência deve ser demonstrado à tri-pulação periodicamente. 2.4.13 A menos que seja contrário à lei nacional ou às práticas de uso, o comandante deve assegurar que uma ou mais pessoas sejam designadas para servir como oficial de segurança (obrigações descritas na seção 2.7). 2.4.14 O comandante deve instituir o sistema de “permissão de trabalho” a bordo do navio (ver Capítulo 4). 2.5 Obrigações e responsabilidades gerais dos marítimos 2.5.1 Os marítimos devem participar no estabelecimento das con-dições de segurança no trabalho e devem ser incentivados a opinarem sobre os procedimentos de trabalho adotados e seus efeitos sobre a se-gurança e a saúde, sem temor de serem despedidos ou de outras medi-das que os prejudiquem. 2.5.2 Os marítimos têm o direito de se retirarem em situações ou operações perigosas, quando tiverem boas razões para acreditar que existam riscos iminentes e graves a sua segurança e saúde. Em tais cir-cunstâncias, o oficial competente deve ser informado imediatamente sobre o risco, e os marítimos devem ser protegidos das conseqüências indevidas, de acordo com as normas e as práticas nacionais.15 2.5.3 Apesar do parágrafo 2.5.2, os marítimos devem abandonar o navio somente com a ordem expressa do comandante ou, na sua au-sência, sob ordem da pessoa competente que lhe seja hierarquicamente 32 superior. 2.5.4 Os marítimos devem: a) cooperar tanto quanto possível com o armador na aplicação das medidas de segurança e saúde prescritas; 14 No mínimo, em atendimento ao disposto no Capítulo III do Anexo ao SOLAS (1974), como emendada. 15 Baseado no artigo 13 da Convenção sobre Segurança e Saúde Ocupacional de 1981 (nº 155).
  • 31. b) cuidar de sua própria segurança e saúde e das outras pessoas que possam ser afetadas por seus atos ou omissões no traba-lho; c) usar e preservar o vestuário e o equipamento de proteção in-dividual ao seu dispor e não usar incorretamente quaiquer meios disponíveis para sua própria proteção ou de terceiros; d) relatar imediatamente ao seu superior hierárquico direto qual-quer situação na qual acreditem incorrer em riscos com os quais não saibam lidar pessoalmente; e) resguadar as normas estabelecidas de segurança e saúde; f) participar das reuniões de segurança e saúde. 2.5.5 Exceto numa emergência ou quando devidamente autori-zados, os marítimos não devem modificar, remover ou deslocar qual-quer equipamento de segurança ou dispositivo fornecido para a sua proteção ou para a proteção de outrem, ou ainda dificultar a aplicação de qualquer método ou processo adotado com vistas a prevenir aciden-tes e prejuízos à saúde. 2.5.6 Os marinheiros não devem operar ou manipular equipa-mentos que não estejam devidamente autorizados a operar, manter ou 33 usar. 2.5.7 O marítimo que der uma ordem ou de alguma forma ins-truir outro, deve ter certeza de que tal ordem ou instrução foi compreen-dida. 2.5.8 Caso um marítimo não compreenda claramente uma or-dem, instrução ou qualquer outra comunicação, deve imediatamente solicitar explicações. 2.5.9 Os marítimos têm a obrigação de ser particularmente dili-gentes durante os treinamentos de extinção de incêndios com barcos salva-vidas e em outros exercícios e simulações de emergência. 2.5.10 A tripulação deve implementar a política e o programa de segurança e saúde dos armadores, como a eles delegado pelo coman-dante, de maneira diligente e profissional, e demonstrar seu apoio total à segurança a bordo. Devem fazer de tudo ao seu alcance para manter sua própria segurança e saúde, bem como a dos outros membros da tripulação e de terceiros a bordo.
  • 32. 2.6 Obrigações e responsabilidades gerais do comitê de segurança e saúde a bordo do navio 2.6.1 O comitê de segurança e saúde deve colaborar na imple-mentação da política e do programa de segurança e saúde dos armado-res, estabelecendo um fórum em que os marítimos possam influenciar os temas de segurança e saúde, de acordo com o parágrafo 2.1.6. 2.6.2 O comitê de segurança e saúde deve ser constituído por, no mínimo, oficiais e membros designados ou eleitos, conforme conve-niente, mantendo, pela sua importância, uma representação balanceada entre departamentos e funções a bordo. 2.6.3 Todos os membros do comitê de segurança e saúde devem receber informações adequadas, por exemplo, em impressos, audiovisuais e outros, sobre os temas de segurança e saúde. 2.6.4 As obrigações e responsabilidades do comitê de segurança e saúde incluem, mas não se limitando a elas, as seguintes recomenda-ções: a) assegurar que as normas de segurança e saúde dos armadores e das autoridades competentes sejam seguidas; b) enviar ao armador, através do comandante, solicitações e re-comendações em nome da tripulação; c) discutir e tomar atitudes apropriadas no que se refere a quais-quer questões de segurança e saúde que afetem a tripulação, avaliar a adequação dos equipamentos de segurança e proteção, inclusive, dos equipamentos salva-vidas; e d) estudar os relatórios de acidentes. 2.6.5 Uma memória escrita de todas as reuniões do comitê deve ser elaborada e cópias destas atas devem ser emitidas e afixadas para o conhecimento de todos os membros da tripulação em locais visíveis. Uma cópia deve ser enviada à pessoa designada pelo armador, em terra firme, como o responsável pela segurança do navio. 2.6.6 Os membros do comitê não podem estar sujeitos à demis-são ou qualquer outra medida prejudicial no exercício da função. 2.6.7 O comitê de segurança e saúde deve ser consultado duran-te o planejamento ou a modificação dos processos de trabalho que pos-sam afetar a segurança e a saúde a bordo. 34
  • 33. 2.6.8 O comitê de segurança e saúde deve ter acesso às informa-ções de conhecimento do comandante e do armador sobre os riscos ou perigos em potencial a bordo, incluindo as informações sobre as cargas perigosas ou de risco. Os membros do comitê devem ter acesso ao Códi-go Marítimo Internacional sobre Mercadorias Perigosas e a outra pu-blicações 35 relevantes da IMO. 2.6.9 Aos membros deve ser assegurado um tempo razoável do seu período de trabalho para exercer suas funções, incluindo a partici-pação nas reuniões do comitê de segurança e saúde. 2.7 Obrigações e responsabilidades gerais do oficial de segurança 2.7.1 A menos que seja contrário à lei ou a prática nacional, o oficial de segurança deve implementar a política e o programa de segu-rança e saúde do armador e cumprir as instruções do comandante para: a) aperfeiçoar a atitude e melhorar a conscientização da tripula-ção em segurança; b) investigar quaisquer reclamações sobre segurança trazidas a sua atenção e repassar as mesmas ao comitê de segurança e saúde e para o indivíduo, quando necessário; c) investigar os acidentes e fazer as recomendações apropriadas para evitar a repetição dos mesmos; d) realizar as inspeções de segurança e saúde; e e) monitorar e executar a bordo a qualificação em segurança dos marítimos. 2.7.2 Sempre que possível, o oficial de segurança deve buscar a cooperação e o apoio do comitê de segurança e saúde, do(s) represen-tante( s) de segurança e de quaisquer outros na execução de suas obriga-ções. 2.8 Obrigações e responsabilidades gerais do(s) representante(s) de segurança 2.8.1 A menos que contrarie a lei ou a prática nacional, o(s) representante(s) de segurança deve representar a tripulação nas ques-tões que afetem a segurança e a saúde.
  • 34. 2.8.2 No cumprimento de suas funções, o representante de segu-rança deve ter acesso à informação, ao auxílio e ao assessoramento do comitê de segurança e saúde, do armador do navio, das corporações de oficio, incluindo as organizações dos trabalhadores, quando necessário.16 2.8.3 O(s) representante(s) de segurança: a) devem ser eleitos ou indicados pela tripulação, dentre os mem-bros da mesma, de acordo com o parágrafo 2.6.2, e devem participar das reuniões do comitê de segurança e saúde; b) não devem ser submetidos à demissão ou a outras penalidades no exercício das funções. 2.8.4 O(s) representante(s) de segurança devem: a) ter acesso à todas as partes do navio; b) participar da investigação de acidentes e incidentes; c) ter acesso à toda documentação necessária, inclusive relatórios de investigação, atas das reuniões dos comitês de segurança e saúde etc.; e d) receber capacitação apropriada. 16 Ver as Convenções da OIT sobre a Liberdade de Associação e Proteção ao Direito de Organização de 1948 (nº 87), Direito de Organização e Negociação Coletiva, de 1949 (nº 98), e da Marinha Mercante (Padrões mínimos), de 1976 (nº 147). 36
  • 35. 3 NOTIFICAÇÃO DE ACIDENTE 37 3.1 Disposições gerais 3.1.1 A finalidade principal da investigação, da comunicação e da análise dos acidentes deve ser a prevenção da sua repetição. 3.1.2 A causa ou as causas de todos os acidentes ou incidentes devem ser investigadas pelo oficial de segurança do navio. 3.13 Um relatório completo de qualquer incidente deve ser ela-borado para o comitê de segurança e saúde e, através do comandante, deve chegar às pessoas responsáveis em terra firme. Os armadores de-vem comunicar os acidentes de trabalho e as doenças ocupacionais à autoridade competente, de acordo com o parágrafo 2.3.13. 3.1.4 Relatórios de acidentes e incidentes devem ser discutidos nas reuniões do comitê de segurança e saúde a bordo do navio e atitudes devem ser tomadas para reduzir a possibilidade de repetições dos aci-dentes e incidentes. Os relatórios devem ser analisados também pela administração em terra e, se necessário, a política de segurança e saúde do armador deve ser corrigida para considerar os resultados das conclu-sões da investigação.
  • 36. 38
  • 37. 4 SISTEMAS DE AUTORIZAÇÃO DE TRABALHO 39 4.1 Disposições gerais 4.1.1 O sistema de autorização de trabalho é um método pelo qual os procedimentos de segurança são especificados por escrito, emi-tindo- se um formulário para os marítimos encarregados de uma tarefa, que pode envolver um trabalho de natureza arriscada. 4.1.2 Autorizações devem ser usadas apenas nas tarefas de maior risco e o sistema não deve tornar-se complicado em demasia. 4.1.3 O formulário deve descrever o trabalho a ser realizado com as precauções de segurança necessárias. Todos os riscos previsíveis de-vem ser considerados, com um procedimento de segurança pré-deter-minado definido e adotado. As precauções necessárias devem ser des-critas na seqüência e na ordem corretas de aplicação de cada uma delas. 4.1.4 A autorização deve conter uma lista de verificação cuida-dosamente planejada para identificar, controlar ou eliminar riscos. Deve-se definir previamente o procedimento de emergência aplicável na even-tualidade de um acidente ou incidente. 4.1.5 Uma autorização deve ser emitida somente por um oficial com experiência na execução do trabalho. O oficial deve certificar-se de que as verificações foram feitas corretamente e, junto com a pessoa en-carregada, assinar a autorização somente quando estiverem convencidos de que o trabalho pode ser realizado em condições de segurança. O co-mandante deve referendar, com sua assinatura, todas as autorizações. 4.1.6 Devem ser previstos procedimentos sobre o fechamento em pontos de isolamento, assinaturas dessas autorizações, com o cance-lamento da permissão vigente e a emissão de uma nova autorização. 4.1.7 Um modelo de autorização de trabalho está incluído no Apêndice 1 .
  • 38. 40
  • 39. 5 CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SEGURANÇA E SAÚDE A BORDO 5.1 Ordem e limpeza no navio, saúde e higiene pessoal a bordo 5.1.1 A importância da ordem e da limpeza na prevenção de aci-dentes e situações de risco à saúde deve receber prioridade no treina-mento de cada membro da tripulação até que se torne um hábito natural. 5.1.2 Pequenas deficiências na estrutura, no equipamento ou no mobiliário (pregos e parafusos salientes, guarnições e maçanetas frou-xas, chão desnivelado em más condições, bordas grosseiras de madeira com farpas e portas emperradas, por exemplo) podem causar cortes, hematomas, tropeções e quedas. Tão logo observadas, elas devem ser reparadas. 5.1.3 Qualquer derramamento de óleo ou de qualquer outra subs-tância causadora de riscos deve ser imediatamente removido. 5.1.4 Acúmulos de gelo, neve ou similar devem ser removido das áreas de trabalho e das passagens no convés. 5.1.5 Painéis revestidos, isolados ou contendo amianto, afrou-xados ou danificados no curso da viagem, com bordas ou superfícies expostas, devem ser protegidos para aguardar o reparo apropriado com um revestimento ou cobertura adequada a fim de evitar que as fibras de amianto se desprendam e se dispersem no ar. Materiais identificados com amianto devem ser manuseados somente para manutenção essen-cial e, ainda assim, estritamente de acordo com as normas nacionais e internacionais, conforme cada caso. Em geral, o uso de amianto como material isolante deve ser proibido (ver também o Parágrafo 17.5.5). 5.1.6 Luzes tremulantes podem indicar problemas na fiação ou nas instalações, podendo causar choques elétricos ou incêndios. Elas devem ser inspecionadas e reparadas por uma pessoa competente. Bul-bos queimados de lâmpadas devem ser substituídos o mais rapidamente 41 possível.
  • 40. 5.1.7 Quadros de aviso, instruções e indicadores de funciona-mento devem ser mantidos limpos e legíveis. 5.1.8 Objetos pesados, sobretudo se estão colocados acima do nível do convés, devem ser estivados de maneira segura para evitar des-locamentos com o balanço do navio. Do mesmo modo, devem estar estivados e adequadamente travados, o mobiliário e demais objetos pas-síveis de queda ou deslocamento durante a navegação com mar grosso. 5.1.9 Portas, abertas ou fechadas, devem estar permanentemen-te presas. 5.1.10 Rolos de cabos, de aço ou de fibras, no convés, devem ser posicionados de modo a não causar riscos de tropeções. 5.1.11 Por qualquer razão que seja, os marítimos não podem posicionar-se sobre um seio de cabo estendido no convés. Nunca devem posicionar-se próximos ou mover-se sobre um cabo de aço sob tensão. 5.1.12 Os cabos estão freqüentemente sob tensão durante as ope-rações de amarração. Logo, sempre que possível, os marítimos devem posicionar-se em local protegido do efeito chicotada na eventualidade de um rompimento. 5.1.13 A estivagem e a distribuição dos equipamentos e máqui-nas nas cobertas devem ser bem planejadas e organizadas de maneira que cada item tenha seu local próprio de armazenamento. 5.1.14 Os marítimos devem afastar-se, sempre, evitando circu-lar perto ou embaixo de qualquer carga que esteja sendo erguida ou 42 enquanto ela estiver suspensa. 5.1.15 O lixo apresenta um risco de incêndio e pode causar escorregões, quedas ou ocultar outros perigos. Ele deve ser tratado de acordo com a legislação MARPOL aplicável.¹ 5.1.16 Tarefas devem ser cumpridas, considerando sempre a pos-sibilidade de riscos envolvendo outras pessoas; por exemplo, a água de lavagem do convés pode atingir outros espaços e causar escorregões e quedas. 1 Convenção Internacional sobre a Prevenção da Poluição por Navios (MARPOL), de 1973, com as emendas do Protocolo de 1978, Anexos I e V, e demais normas correlatas.
  • 41. 5.1.17 Aerossóis contendo produtos voláteis ou inflamáveis nun-ca devem ser usados ou colocados perto de chamas nuas ou de outras fontes de calor, mesmo quando vazios. 5.1.18 (1)As vacinações requeridas e o reforço na atualização das inoculações preventivas obrigatórias devem ser corretamente aplicados na tripulação. (2) Pequenos cortes e arranhões devem ser imediatamente trata-dos. (3) Precauções devem ser tomadas para evitar picadas de insetos. Em especial, medidas contra a malária devem ser tomadas antes, durante e depois de visitas aos portos onde a malária exista reconhecidamente. 5.1.19 Padrões altos de limpeza e higiene pessoal devem ser man-tidos sempre. Meios para higienização, como lavar as mãos, devem ser disponibilizados nos sanitários. Elas devem ser extremamente bem la-vadas após a manipulação de tintas e após uma possível exposição a 43 substâncias tóxicas. 5.1.20 O trabalho em condições de muita umidade e calor pode causar exaustão ou insolação. Medidas sensatas devem ser tomadas, como a ingestão de água em quantidade suficiente e, se necessário, a adição de sal. 5.1.21 Os marítimos devem se proteger do sol em áreas tropi-cais e devem ser informados de que a exposição prolongada ao sol, mesmo com a pele protegida, pode ser perigoso. 5.1.22 Os marítimos devem ser conscientizados sobre os efeitos nocivos à saúde causados pelo tabagismo. 5.2 Utilização de substâncias químicas2 5.2.1 Produtos tóxicos e outras substâncias perigosas devem ser usados e armazenados de tal forma que usuários e terceiros sejam salva-guardados de acidentes, lesões ou comprometimento do seu bem estar. 2 Consultas podem ser feitas ao Manual de Treinamento – Segurança e Saúde na Manipulação de Produtos Químicos no Trabalho, de A. Bakar Che Man e D. Gold (Genebra, 1992) ou outra obra similar.
  • 42. 5.2.2 Um registro (folha de informações do produto), com os dados obtidos do fabricante para determinar o grau de perigo oferecido pelas substâncias, deve ser mantido a bordo, disponível a todos os inte-ressados. 5.2.3 Na medida do possível, a substância deve ser armazenada em sua embalagem original ou num recipiente correspondente, identifi-cado corretamente para evitar dúvidas quanto ao uso. As substâncias devem ser mantidas em depósitos trancados e bem ventilados. 5.2.4 Produtos químicos devem ser manuseados sempre com ex-tremo cuidado e proteção adequada, utilizando roupas protetoras ou equipamentos de proteção individual. As instruções do fabricante de-vem ser estritamente obedecidas. Uma atenção especial deve ser dada à 44 proteção dos olhos. 5.2.5 Alguns produtos de limpeza, tais como soda cáustica e alvejante, são produtos químicos e podem causar queimaduras na pele. Um produto químico procedente de recipiente sem identificação jamais deve ser utilizado. 5.2.6 A exposição a certas substâncias, como óleos minerais, solventes químicos e naturais, inclusive produtos de limpeza domésti-ca, como detergentes, podem causar dermatites. Essas substâncias de-vem ser manipuladas com luvas apropriadas e o armador deve fornecer cremes bloqueadores que podem auxiliar na proteção da pele. 5.2.7 No caso de acidentes com produtos químicos, o Guia Mé-dico de Primeiros Socorros, publicado conjuntamente pela IMO, OMS e OIT, deve ser consultado. 5.3 Prevenção de incêndios 5.3.1 Tabagismo3 5.3.1.1 O consumo de tabaco só deve ser permitido em áreas es-tritamente liberadas, apresentando instruções especificas sobre a per-missão, e avisos de advertência claramente redigidos sobre a proibição devem ser posicionados, onde necessário, com grande visibilidade e des-taque. 3 Ver o Capítulo 24 sobre normas especiais para navios tanques.
  • 43. 5.3.1.2 O descarte negligente de fósforos e pontas de cigarros é perigoso: cinzeiros ou outros recipientes adequados devem ser dispo-nibilizados para uso nos locais onde é permitido fumar. 5.3.1.3 Os marítimos devem ser alertados sobre os riscos de fu-mar na cama. 5.3.2 Instalações e equipamentos elétricos 5.3.2.1 Pessoas sem autorização não devem manipular equipa-mentos e instalações elétricas. 5.3.2.2 Falhas elétricas em equipamentos, instalações, cabos e conexões devem ser notificadas imediatamente à pessoa responsável competente. 5.3.2.3 Sobrecargas em circuitos não podem ser permitidas, pois 45 podem causar incêndios. 5.3.2.4 Aquecedores portáteis, enquanto equipamentos do navio, devem ser usados somente em circunstâncias excepcionais, com as ad-vertências devidas quanto aos riscos inerentes ao seu manuseio. 5.3.2.5 Aparelhos pessoais de aquecimento não devem ser usa-dos sob quaisquer circunstâncias. 5.3.2.6 Todos os aparelhos elétricos portáteis devem ser desco-nectados dos condutos principais quando fora de uso. 5.3.2.7 Todos os equipamentos elétricos de uso pessoal nos alo-jamentos devem ser conectados à rede somente com tomadas padroni-zadas, compatíveis com as existentes no navio. 5.3.2.8 Extensões e tomadas multiuso não devem ser usadas para conectar vários aparelhos elétricos na rede dos alojamentos. 5.3.2.9 Quando do uso de equipamento ou lâmpadas portáteis, os marítimos devem certificar-se de que cabos flexíveis estão protegidos com o isolamento, sem risco de rompimento ao cruzarem portas, escotilhas, gateiras etc. quando se cerrarem portas, portinholas ou tampas. 5.3.2.10 Os marítimos não devem posicionar antenas portáteis nas proximidades das antenas da embarcação. 5.3.2.11 Os marítimos não devem tentar reparar seus equipamen-tos pessoais (rádios, aparelhos de CD ou quaisquer outros) sem remover as tomadas, e os mesmos devem ser verificados por uma pessoa compe-tente antes de serem novamente conectados a rede.
  • 44. 5.3.2.12 Murais contendo avisos e instruções sobre primeiros socorros em caso de choque elétrico devem ser afixados nos locais ne-cessários por todo o navio: todos os marítimos devem ser capazes de compreendê-los e de executar os procedimentos explicitados. 5.3.3 Lavanderia e roupa molhada 5.3.3.1 Cuidados devem ser tomados ao secar peças de vestuá-rio. Roupas não podem ser penduradas, nem diretamente, nem próxi-mas a aquecedores, e nunca colocadas para secar na sala de máquinas. 5.3.4 Combustão espontânea 5.3.4.1 Restos, trapos e outros tipos de lixo, bem como roupas encharcadas de tinta, óleo, solventes etc., são perigosos se deixados em locais inadequados, pois podem sofrer combustão espontânea. Todo o lixo deve ser armazenado em recipientes próprios até o seu descarte com segurança. 5.3.5 Cozinhas 5.3.5.1 Nas cozinhas existem riscos especiais de incêndio e, ne-las, meios para extinguir chamas causadas por gordura e óleo de cozi-nha devem estar facilmente disponíveis, como cobertores antichamas e extintores adequados (ver também o Capítulo 22). A água nunca deve ser usada na tentativa de combater fogo provocado por óleo quente nas áreas da cozinha. 5.4 Roupas de trabalho e equipamento de proteção individual4 5.4.1 Normas gerais 5.4.1.1 As roupas de trabalho devem ser ajustadas ao corpo, sem abas frouxas e adequadas às atividades previstas. 5.4.1.2 Calçados de segurança adequados devem ser usados sem-pre. 5.4.1.3 Os armadores devem assegurar o fornecimento de equi-pamento de proteção individual aos marítimos, principalmente quando 4 Consultas podem ser feitas ao Capítulo 22 sobre Segurança e Saúde no Trabalho nas Docas – Um código de prática da OIT (2ª edição revisada, 1977). 46
  • 45. engajados em tarefas envolvendo um risco especial, o qual pode ser reduzido com o uso do equipamento de proteção individual. 5.4.1.4 Os marítimos devem ser sempre lembrados de que a uti-lização do equipamento de proteção pessoal não lhes permite relaxar com os padrões pessoais de segurança, uma vez que o equipamento não elimina os riscos, apenas proporciona uma proteção limitada no caso de acidente. 5.4.1.5 O equipamento de proteção individual deve ser do tipo e padrão aprovado pela autoridade competente. Existe uma grande varie-dade de equipamento disponível e é essencial que nenhum item seja solicitado ou aceito, a não ser que sejam adequados às tarefa a que se destinem. 5.4.1.6 As instruções do fabricante devem ser mantidas em segu-rança com o respectivo equipamento e consultadas sempre para os pro-pósitos de uso e manutenção. 5.4.1.7 A eficiência do equipamento de proteção individual não depende apenas do seu modelo, mas também da sua conservação em bom estado. Essas condições devem ser inspecionadas periodicamente. 5.4.1.8 Todos os marítimos devem ser treinados no uso do equipa-mento de proteção individual e alertados sobre suas limitações. Pessoas usando tais equipamentos devem verificá-los sempre a cada utilização. 5.4.1.9 Os marítimos que possam vir a sofrer exposição a subs-tâncias especialmente corrosivas ou contaminantes devem receber e uti-lizar equipamentos de proteção específicos para cada caso. 5.4.1.10 Roupas usadas na cozinha e nos locais com máquinas, onde existe o risco de queimaduras ou escaldadura, devem cobrir o cor-po adequadamente para minimizar o risco, devendo ser feitas com ma-terial de baixa combustão, como o algodão. 5.4.2 Proteção para a cabeça 5.4.2.1 Capacetes podem ser projetados para diferentes propósi-tos. Um capacete concebido para oferecer proteção contra objetos que caem pode não oferecer proteção apropriada contra respingos de produ-tos químicos. Por isso, pode ser necessário o uso de capacetes diferencia-dos em certos tipos de navios. 5.4.2.2 Em geral, o casco de um capacete é construído com ape-nas uma peça inteira, trazendo no seu interior um dispositivo de apoio 47
  • 46. com tiras reguláveis para apoiá-lo firmemente na cabeça do usuário, assim como uma tira no queixo para impedir sua queda. 5.4.2.3 O apoio regulável interno e a jugular devem ser ajustados assim que o capacete for colocado na cabeça, propiciando um encaixe justo e cômodo. 5.4.3 Proteção auditiva 5.4.3.1 Os marítimos, que pela natureza de suas obrigações são expostos a níveis altos de ruído, como aqueles que trabalham na sala de máquinas, devem receber e usar sempre protetores para os ouvidos. 5.4.3.2 Existem vários tipos de protetores disponíveis para o uso a bordo, incluindo tampões de inserção e protetores externos (tipo con-cha), os quais podem ser de projeto e modelo diferenciados. Recomen-dam- se protetores adequados às circunstâncias e às condições climáti-cas específicas. 5.4.3.3 Em geral, os protetores externos oferecem proteção mais 48 eficiente. 5.4.3.4 Protetores auditivos devem estar disponíveis já na entra-da da sala de máquinas. 5.4.4 Proteção para os olhos e a face 5.4.4.1 Protetores para os olhos e a face estão disponíveis para uma grande variedade de situações. Uma análise cuidadosa das caracte-rísticas do risco deve ser feita para garantir a seleção do protetor ade-quado. 5.4.4.2 Óculos comuns de prescrição (corretivos), a menos que produzidos para um certo padrão de segurança, não oferecem proteção. Alguns óculos de proteção são projetados para uso sobre os óculos co-muns de prescrição. 5.4.5 Equipamento de proteção das vias respiratórias5 5.4.5.1 Equipamento adequado de proteção respiratória deve ser fornecido para o trabalho em condições em que existam riscos de defi-ciência de oxigênio ou exposições à fumaça, pó e gases venenosos, pe-rigosos ou irritantes. 5 Ver também o Capítulo 10, ingresso e trabalho em espaços confinados.
  • 47. 5.4.5.2 A seleção do equipamento correto é essencial. Como exis-te uma grande variedade de equipamento disponível para o uso a bordo, deve-se buscar assessoria sobre o equipamento apropriado para certos tipos de navios e para cada uso específico. 5.4.5.3 Os marítimos devem ser treinados na utilização e na con-servação 49 do equipamento. 5.4.5.4 A máscara incorporada ao respirador e a do equipamento respiratório devem ser ajustadas corretamente para evitar vazamentos e infiltrações. O uso de óculos, a menos que projetados para este uso es-pecífico, ou barba e bigode podem interferir na selagem perfeita da máscara na face. 5.4.6 Proteção para mãos e pés 5.4.6.1 Luvas devem oferecer proteção contra os risco no traba-lho a ser executado e devem ser apropriados a cada tipo de tarefa. Por exemplo, luvas de couro são geralmente melhores para manusear objetos grosseiros ou afiados, luvas térmicas, para lidar com objetos quentes e luvas de borracha, sintéticas ou de PVC, para manipular ácidos, álcalis, diferentes tipos de óleos, solventes e substâncias químicas. 5.4.6.2 Todos os marítimos devem usar calçados de segurança apropriados durante o trabalho. Sapatos e botas devem ter solados fir-mes, antiderrapantes e biqueiras reforçadas. Sandálias e calçados co-muns não devem ser usados na jornada de trabalho. 5.4.7 Proteção contra quedas 5.4.7.1 Marinheiros trabalhando na superestrutura, pendurados sobre a borda ou em qualquer posição em que o risco de cair exista, devem usar coletes salva-vidas e cintos de segurança, conectados inde-pendentemente da plataforma de trabalho (ver também o Capítulo 15) com cabos de segurança. 5.5 Sinais, avisos e códigos de cores 5.5.1 Sinais e símbolos são métodos muito eficientes para alertar contra possíveis riscos e também uma forma não-lingüística de transmi-tir informações. Sinais e avisos de segurança devem obedecer ao forma-to e à cor das normas baixadas pela autoridade competente.
  • 48. 5.5.2 O conteúdo dos extintores de incêndio portáteis deve ser indicado por um código de cor definido pelas normas da autoridade competente. Cada extintor de incêndio deve portar uma etiqueta com as instruções de uso correto. 5.5.3 Existem vários padrões de cor para codificar o núcleo dos cabos elétricos e cuidados devem ser tomados, sempre, para assegurar que a tripulação conheça o significado dessas cores a bordo de cada navio. No caso de reposições necessárias, elas devem ser de acordo com o sistema de código. 5.5.4 Cilindros de gás devem ser claramente rotulados com o nome do gás, sua fórmula química ou símbolo. O corpo do cilindro deve ser da cor correspondente ao seu conteúdo. Uma cartela do código de cor deve ser fornecida. 5.5.5 Tubulações devem ser marcadas com o código de cores indicando seu conteúdo. Tubos de reposição devem ser marcados em conformidade com o mesmo código. 5.5.6 Embalagens contendo mercadorias perigosas devem ser identificadas e marcadas da maneira correta e adequada (ver também o Capítulo 7). 50
  • 49. 6 EMERGÊNCIAS E EQUIPAMENTOS DE EMERGÊNCIA A BORDO 51 6.1 Disposições gerais 6.1.1 Devem ser cumpridas todas as normas de segurança nacio-nais e internacionais que se referem aos equipamentos, às reuniões de inspeção e a outras concentrações, exercícios e treinamentos para a for-mação das equipes de atendimento nas situações de emergências.¹ 6.1.2 Programas de treinamento em emergência a bordo de na-vios devem levar em consideração o Documento de Referência: Um Guia Internacional de Treinamento Marítimo IMO/OIT (edição de 1985 ou mais recente).² 6.1.3 Os marítimos devem ser informados sobre os locais para onde devem ir ao soar o sinal de emergência e suas obrigações ao alcan-çarem o ponto de encontro. O local deve estar claramente marcado e identificado. 6.1.4 O comandante deve assegurar que uma lista de obrigações seja compilada e atualizada permanentemente e que cópias sejam ex-postas em locais visíveis e de fácil acesso em todo o navio. A lista de obrigações deve conter detalhes sobre o sinal de alarme geral e outros sinais de emergência, bem como as ações a serem tomadas quando esses sinais forem ativados. Devem estar incluídos os meios pelos quais a or-dem de abandonar navio será dada. A lista deve indicar os deveres indivi-duais de todo o pessoal a bordo e a cada membro da tripulação deve ser comunicado pormenorizadamente, por escrito, suas obrigações pessoais. 6.1.5 Todos os marítimos envolvidos devem reunir-se para os exercícios de treinamento usando as roupas apropriadas. 1 Em especial a Convenção Internacional para a Segurança da Vida Humana no Mar, SOLAS, 1974, Capítulo III, conforme revisto. 2 Em especial Seções 10, 11 e 12.
  • 50. 6.1.6 O objetivo dos exercícios de preparação para casos de emergência é familiarizar o pessoal com suas respectivas obrigações e assegurar que eles se incumbam de cumpri-las da forma devida. Cada membro da tripulação deve participar dos exercícios de acordo com as normas nacionais e internacionais.3 6.1.7 A periodicidade dos exercícios deve ser variada para garantir que os marítimos que não tenham participado de um exercício determinado por razões de trabalho possam participar do seguinte. Os marítimos devem receber treinamento, tão logo quanto possível, preferencialmente antes mesmo do embarque no navio, para assegurar que cada um, desde o início, seja capaz de cumprir suas responsabilidades com a segurança. 6.1.8 Os exercícios freqüentemente envolvem toda a tripulação, mas pode ser preferível reservar alguns exercícios para membros da tripulação com tarefas específicas. 6.1.9 Apesar dos exercícios serem parte essencial do treinamen-to para emergências, um programa de treinamento deve contar com mais do que exercícios. Informações devem ser dadas a toda a tripulação so-bre assuntos como sobrevivência em águas frias4 e instruções sobre o uso de itens especiais do equipamento devem ser dadas a alguns mem-bros 52 da tripulação. 6.2 Equipamentos de combate a incêndio, exercícios e treinamentos 6.2.1 (1) Dispositivos de proteção contra fogo, extintores de in-cêndio, equipamentos de respiração e outros dispositivos de segurança devem ser fornecidos de acordo com as normas aplicáveis ao navio e o atendimento ao disposto pela autoridade competente. (2) Esses equipamentos devem ser conservados em bom estado, de acordo com as instruções do fabricante, disponíveis para utilização a qualquer momento. 3 SOLAS, 1974, Capítulo III e revisões. 4 Por exemplo, uma cópia do Guia de Bolso para Sobrevivência na Água Muito Fria da IMO, deve ser distribuído a todos os marítimos.
  • 51. 6.2.2 Os marítimos não devem manusear ou descarregar qual-quer extintor de incêndio sem a devida necessidade, devendo relatar quaisquer defeitos ou casos de descarga acidental ao oficial responsá-vel. 6.2.3 Imediatamente após o embarque, quando conveniente, os marítimos devem familiarizar-se com a localização e a operação dos equipamentos de combate a incêndio a bordo e sua utilização eficiente no combate aos diferentes tipos de incêndios. Esse conhecimento deve ser verificado por um oficial responsável (quanto a navios de passagei-ros, ver Capítulo 24). 6.2.4 Membros selecionados da tripulação devem ser treinados a bordo no uso dos seguintes equipamentos de combate a incêndio: (a) todos os tipos de extintores de incêndio portáteis existentes a 53 bordo; (b) equipamentos autônomos de respiração; (c) mangueiras com lanças de jato e aspersão; (d) qualquer sistema fixo de combate, como dispersores de espu-ma ou dióxido de carbono; (e) mantas antichama; e (f) trajes de bombeiros. 6.2.5 Quando factível, os exercícios de combate a incêndio de-vem acontecer tanto nos portos quanto em alto mar. 6.2.6 Apesar de muitos incêndios ocorrerem nos portos, pode ser difícil organizar um exercício, em colaboração com o corpo de bom-beiros, brigada ou autoridade responsável local. Esse problema pode ser contornado dando ciência à tripulação sobre os conhecimentos e os pro-cedimentos necessários de serem informados aos bombeiros locais, adi-cionando- se também ao conteúdo das normas gerais de combate a in-cêndios, da carteira de combate ao fogo do navio, estas informações específicas e posicionando a carteira em local de fácil visualização e consulta para o pessoal de terra, próximo do acesso à embarcação.5 5 SOLAS, 1974, Capítulo II e revisões.
  • 52. 6.2.7 É importante que os símbolos usados no plano de controle de incêndios a bordo sejam compreendidos pelo corpo de bombeiros em terra. Símbolos gráficos devem ser usados o máximo possível.6 6.2.8 O combate eficiente a um incêndio requer a total coopera-ção do pessoal em todos os departamentos do navio. 6.2.9 Para os propósitos de um exercício simulado de combate ao fogo, um princípio de incêndio deve ser assumido como ocorrendo em alguma parte da embarcação. O alarme deve ser ativado e as ações necessárias devem ser tomadas em conformidade com a política de se-gurança e saúde do navio. 6.2.10 O tipo e a posição do fogo devem provocar simulações variadas de incêndios numa seqüência bem concebida, acontecendo na maioria das seções do navio com todos os tipos de combate. Os locais devem incluir: (a) porões, tanques, depósitos do bico de proa e armários de tin-tas; (b) sala de máquinas e caldeiras; (c) alojamentos e cabines; e (d) cozinhas. 6.2.11 Os treinamentos de combate a incêndio devem ser tão realistas quanto as circunstâncias permitirem. Quando possível, o equi-pamento local de combate, como extintores, devem ser ativados e a vi-sibilidade das máscaras nos equipamentos autônomos de respiração deve ser reduzida para simular uma operação em atmosfera densa de fumaça. 6.2.12 O sistema fixo de combate com água deve ser usado e a guarnição da sala de máquinas deve garantir a operação das bombas de incêndio com pressão total de água nos dutos. A bomba de emergência deve ser usada nos exercícios com o pessoal também sendo treinado na operação de outros sistemas fixos, como dispersores de espuma e dióxido de carbono. 6.2.13 Todo equipamento ativado durante os exercícios de in-cêndio devem ser imediatamente reabastecidos com seus dispositivos 54 em carga máxima. 6 Estes símbolos são os recomendados na Resolução A.654 (16) de 1989 da IMO.
  • 53. 6.2.14 Os marítimos devem se exercitar na vedação das passa-gens e no fechamento dos sistemas de ventilação. 6.2.15 Um exercício de combate a incêndio pode acontecer no primeiro estágio da simulação de abandonar navio. 6.3 Exercícios e treinamento de abandono de navio7 6.3.1 Cada exercício de abandonar navio deve incluir: (a) convocação do pessoal para os pontos de reunião por meio do sistema de alarme geral e a comprovação de que estejam cien-tes da ordem de abandonar o navio. Uma verificação deve ser feita para assegurar que todo o pessoal está em posição; (b) confirmação das posições e da preparação para as tarefas da 55 lista de obrigações; (c) verificação da equipe quanto à adequação do vestuário para minimizar o choque de temperatura, no caso da necessidade de se lançarem diretamente ao mar; (d) verificar se os coletes salva-vidas estão corretamente vesti-dos; (e) onde possível, baixar pelo menos um bote salva-vidas após a preparação necessária para o lançamento; (f) ligar e operar o motor do bote salva-vidas; (g) onde necessário, operar os turcos para o lançamento dos botes salva-vidas; e (h) mergulhadores em saturação não estão aptos a usar os botes salva-vidas convencionais em uma emergência. As orienta-ções da IMO devem ser obedecidas para estes mergulhadores. O atendimento às orientações da IMO satisfazem ao Capítulo 3 do Código de Segurança para Sistemas de Mergulho, Reso-lução A.831 da IMO. 7 Abandonar navio e outros exercícios salva-vidas devem ser conduzidos de acordo com as normas nacionais, as quais, no mínimo, devem ser equivalentes àquelas do Capítulo III do Anexo ao SOLAS (1974) e revisões.
  • 54. 6.3.2 Balsas infláveis devem ser enviadas sempre para manu-tenção preventiva. Se possível, os exercícios de abandonar navio devem ocorrer quando uma das balsas estiver com a data de manutenção próxi-ma. Inflar uma balsa na água e treinar a tripulação nas técnicas de abor-dagem propiciam uma experiência extremamente valiosa. 6.3.3 Cada bote salva-vidas deve ser lançado ao mar e manobra-do pelo menos uma vez a cada três meses. Se possível, deve-se evitar baixar ou içar um bote com a tripulação a bordo. 6.3.4 Ao manobrar os turcos ou embarcar os botes usando um dispositivo motor, os marítimos devem afastar-se sempre das peças mó-veis. 6.3.5 A manivela do guincho de um bote salva-vidas não é pro-jetada para rotação, exceto em ações de içamento manual. Mesmo as-sim, as manivelas devem ser removidas do guincho logo que a ação manual for interrompida. Se por alguma razão a manivela não puder ser removida e a chance do giro, por ação da gravidade ou da eletricidade, existir, os marítimos devem manter-se bem afastados dela, apesar da imobilidade aparente. 6.3.6 (1) Marítimos sendo baixados em um bote salva-vidas aber-to devem permanecer sentados, segurando nos cabos de segurança e mantendo as mãos no interior da amurada para evitar esmagamento contra o costado do navio; (2) Os marítimos devem manter seus dedos distantes do cabo de içamento, quando desprendendo ou prendendo os blocos nos ganchos de içamento enquanto o bote estiver na água. 6.3.7 Antes que a embarcação, suspensa nos turcos de gravida-de, seja recuperada com um dispositivo motor, o funcionamento das chaves limitadoras e dos dispositivos similares devem ser verificados. 6.3.8 Botes salva-vidas de queda livre devem ser ocupados a qual-quer tempo de forma ordenada. Os marítimos devem prender-se imedia-tamente aos assentos com o cinto de segurança e seguir as instruções do 56 oficial responsável.
  • 55. 57 6.4 Operações com helicóptero8 6.4.1 Um número suficiente de membros da tripulação deve ser treinado nas operações com helicóptero. 6.4.2 Uma lista de verificação de segurança deve ser usada como base na preparação de todas as operações navio/helicóptero. A lista de verificações deve incluir recomendações típicas, como: (a) todos os objetos soltos devem ser presos ou removidos; (b) todas as antenas devem ser baixadas; (c) mangueiras de incêndio devem estar prontas, à postos, bom-bas funcionando com água disponível na pressão correta para o convés; (e) mangueiras de espuma, monitores e equipamento portátil de espuma devem estar prontos; (e) equipamento adicional, como alicates de corte e alavancas, devem estar disponíveis; (f) grades devem ser baixadas, onde necessário; e (g) bandeirolas ou birutas devem ser usadas para indicar a direção do vento. 6.4.3 Um plano de contingência deve ser estabelecido para minimizar o efeito da queda de um helicóptero no navio e os marinhei-ros devem ser treinados na execução do plano. O plano deve prever: (a) operadores de equipamento de espuma à postos, com pelo menos dois usando trajes de bombeiros; (b) equipe de resgate à postos, com no mínimo dois membros usan-do trajes de bombeiros; (c) barcos de resgate para homem ao mar à postos para serem imediatamente baixados; e (d) operadores, a postos com ganchos de resgate, equipados com luvas adequadas e botas de borracha. 8 A segurança da tripulação do helicóptero e dos marítimos deve ser considerada. Consultas devem ser feitas, por exemplo, ao Guia de Operações Helicóptero/Navio (3ª edição de 1989 ou mais recente), publicado pela Câmara Internacional de Marinha Mercante.
  • 56. 6.4.4 A tripulação deve ser treinada em procedimentos de eva-cuação por helicóptero. 6.4.5 Uma área para operações de içamento com helicóptero deve ser estabelecida. A área deve incluir uma zona interna desobstruída, em chapa de aço, totalmente livre e com diâmetro mínimo de 5 metros e uma zona circular externa para manobras com diâmetro mínimo 30 metros, onde todos os obstáculos estão abaixo de 3 metros em altura. 6.5 Homem ao mar e resgate no mar 6.5.1 Cada navio deve ter um plano de contingência na eventua-lidade de alguém cair na água. O plano deve considerar as característi-cas próprias do navio, o equipamento salva-vidas disponível e o tama-nho da tripulação. Por exemplo, um exercício típico pode ser a ação necessária quando os oficiais de quarto observarem da ponte alguém caindo do convés principal no mar. Isso incluiria: (a) executar uma curva de Williamson ou outra que o navio possa executar, segundo a conveniência; (b) lançar a bóia salva-vidas de soltura rápida da ponte; (c) soar o alarme geral ou de emergência; (d) anunciar o tipo de emergência no sistema de som para que o barco de resgate possa ser preparado; (e) designar uma pessoa para o leme e posicionar vigias; (f) marcar com o radar a posição do homem na água; (g) iniciar mensagens de alerta como “Pan Pan Pan”; e (h) posicionar o navio no sotavento e lançar o bote de resgate. 6.5.2 Deve ser lembrado que o comandante pode levar alguns minutos para alcançar a ponte para assumir a operação e que algumas decisões devem ser tomadas antes que ele ali chegue. 6.5.3 O procedimento de como recolher uma pessoa do mar para dentro do barco deve preferivelmente ser praticado durante períodos em que o navio estiver ancorado. 6.5.4 Se uma busca for necessária, os procedimentos descritos no Manual de Busca e Resgate para Navios Mercantes (MERSAR), 58
  • 57. publicado pela IMO, devem ser adotados, especialmente se a busca for conduzida com outros navios. 59 6.6 Outros exercícios 6.6.1 O treinamento de emergência não deve se limitar a exercí-cios de abandonar navio, combate a incêndio e homens ao mar. Os ma-rítimos devem realizar treinamentos contínuos e de atualização em quais-quer situações de emergência que possam ocorrer a bordo do navio. 6.6.2 Exercícios para o resgate de marítimos em espaços confi-nados são críticos. Os marítimos devem ser exaustivamente treinados nos procedimentos descritos no Capítulo 10. 6.6.3 Os marítimos devem receber treinamento em primeiros-socorros antes do embarque no navio. Treinamento especial deve ser dado de acordo com os tipos de carga e operações. Treinamentos para atualização dos procedimentos devem ser realizados em bases regula-res. Pôsteres, panfletos e outros meios, relembrando os procedimentos de primeiros socorros, devem ser afixados e disponibilizados por todo o navio.
  • 58. 60

Related Documents