NAGASAKI:
 
 
O
 conflito
 entre
 representação
 e
 
memória
 
Autora:
 Daniela
 Israel
 
Orientador:...
[…]
 ser
 membro
 de
 uma
 
comunidade
 humana
 
 é
 situar-­‐se
 em
 relação
 ao
 
 seu
 ...
[…]
 ser
 membro
 de
 uma
 
comunidade
 humana
 
 é
 situar-­‐se
 em
 relação
 ao
 
 seu
 ...
[…]
 ser
 membro
 de
 uma
 
comunidade
 humana
 
 é
 situar-­‐se
 em
 relação
 ao
 
 seu
 ...
a)  O
 conceito
 de
 representação
 
b)  Os
 estudos
 de
 memória
 e
 silenciamento
 
c)  O
 sen^do	...
[…]
 ser
 membro
 de
 uma
 
comunidade
 humana
 
 é
 situar-­‐se
 em
 relação
 ao
 
 seu
 ...
 
 
 
MEMÓRIA
 COLETIVA:
 
 
 a
 seleção
 –
 e
 a
 consequente
 
exclusão
 –
 de
 pontos	...
 
 
 
MEMÓRIA
 COLETIVA:
 
 
 a
 seleção
 –
 e
 a
 consequente
 
exclusão
 –
 de
 pontos	...
O
 SILÊNCIO
 DE
 NAGASAKI:
 
a)
 Sen^mento
 de
 Culpa
 
 
 
b)
 Respeito
 aos
 mortos
 
 
...
PASSADO:
[...] operamos em
“sociedades e comunidades
para quais o passado é
essencialmente o padrão
para o presente”
 
...
...
 Nagasaki
 mais
 terrível,
 apesar
 da
 sua
 menor
 carnificina:
 a
 sua
 
aniquilação
 convert...
[…]
 ser
 membro
 de
 uma
 
comunidade
 humana
 
 é
 situar-­‐se
 em
 relação
 ao
 
 seu
 ...
[…]
 ser
 membro
 de
 uma
 
comunidade
 humana
 
 é
 situar-­‐se
 em
 relação
 ao
 
 seu
 ...
NAGASAKI
 
 
O
 conflito
 entre
 representação
 e
 
memória
 
Autora:
 Daniela
 Israel
 
Orientador:	...
Nagasaki: O conflito entre representação e memória.
Nagasaki: O conflito entre representação e memória.
Nagasaki: O conflito entre representação e memória.
of 17

Nagasaki: O conflito entre representação e memória.

Material apresentado no Seminário de Pós-Graduação da Universidade FEEVALE 2015. Disponível em: http://www.feevale.br/Comum/midias/356f8263-b10b-4278-bd6d-d6fc0c62b9da/Ci%C3%AAncias%20Sociais%20Aplicadas.pdf
Published on: Mar 3, 2016
Published in: Science      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Nagasaki: O conflito entre representação e memória.

  • 1. NAGASAKI:     O  conflito  entre  representação  e   memória   Autora:  Daniela  Israel   Orientador:  Dr.  Daniel  Conte   Mestranda  em  Processos  e  Manifestações  Culturais   Universidade  FEEVALE
  • 2. […]  ser  membro  de  uma   comunidade  humana    é  situar-­‐se  em  relação  ao    seu  passado  [...]  ainda  que     APENAS  PARA  REJEITA-­‐LO.   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)     […]  ser  membro  de  uma   comunidade  humana    é  situar-­‐se  em  relação  ao    seu  passado  [...]  ainda  que     APENAS  PARA  REJEITA-­‐LO.   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)     […]  ser  membro  de  uma   comunidade  humana    é  situar-­‐se  em  relação  ao    seu  passado  [...]  ainda  que     APENAS  PARA  REJEITA-­‐LO.   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)
  • 3. […]  ser  membro  de  uma   comunidade  humana    é  situar-­‐se  em  relação  ao    seu  passado  [...]  ainda  que     APENAS  PARA  REJEITA-­‐LO.   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)     […]  ser  membro  de  uma   comunidade  humana    é  situar-­‐se  em  relação  ao    seu  passado  [...]  ainda  que     APENAS  PARA  REJEITA-­‐LO.   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)     Quando o avião da força aérea norte-americana decolou em 9 de agosto de 1945, o destino não era Nagasaki.
  • 4. […]  ser  membro  de  uma   comunidade  humana    é  situar-­‐se  em  relação  ao    seu  passado  [...]  ainda  que     APENAS  PARA  REJEITA-­‐LO.   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)     Na ordem de alvos prioritários estava Kokura, Niigata e, por último, Nagasaki.   Quando o avião da força aérea norte-americana decolou em 9 de agosto de 1945, o destino não era Nagasaki.
  • 5. a)  O  conceito  de  representação   b)  Os  estudos  de  memória  e  silenciamento   c)  O  sen^do  do  passado
  • 6. […]  ser  membro  de  uma   comunidade  humana    é  situar-­‐se  em  relação  ao    seu  passado  [...]  ainda  que     APENAS  PARA  REJEITA-­‐LO.   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)     REPRESENTAÇÃO: […] é do crédito concedido (ou recusado) à imagem que uma comunidade produz de si mesma, portanto de seu ‘ser percebido’, que depende a afirmação (ou negação) de seu ser social.   (CHARTIER,  2002,  p.  10)
  • 7.       MEMÓRIA  COLETIVA:      a  seleção  –  e  a  consequente   exclusão  –  de  pontos  de   referência  comuns  de  uma   comunidade.     (POLLAK,  1989)
  • 8.       MEMÓRIA  COLETIVA:      a  seleção  –  e  a  consequente   exclusão  –  de  pontos  de   referência  comuns  de  uma   comunidade.     (POLLAK,  1989)             SILENCIAMENTO:         [...]  Entendido  como  a  tenta^va,  imposta  ou   voluntária,  de  apagar  da  memória  cole^va  um   evento  traumá^co.         A  existência  de  lembranças  traumá^cas  impõe  a   todos  aqueles  que  querem  evitar  culpar  as  ví^mas   uma  posição  de  silêncio.     O  sen^mento  de  culpa  como  um  fator  que   favorece  o  processo  de  silenciamento  [...]             (POLLAK,  1990)
  • 9. O  SILÊNCIO  DE  NAGASAKI:   a)  Sen^mento  de  Culpa       b)  Respeito  aos  mortos       c)  Não-­‐Sobreviventes     (HERSEY,  2002,  p.69  e  99)
  • 10. PASSADO: [...] operamos em “sociedades e comunidades para quais o passado é essencialmente o padrão para o presente”   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)     […]  ser  membro  de  uma   comunidade  humana    é  situar-­‐se  em  relação  ao    seu  passado  [...]  ainda  que     APENAS  PARA  REJEITA-­‐LO.   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)
  • 11. ...  Nagasaki  mais  terrível,  apesar  da  sua  menor  carnificina:  a  sua   aniquilação  converteu  o  que  poderia  ter  sido  uma  aberração  [...]  em   um  padrão.  Ela  virou  de  estratégia  para  uma  tá^ca;  aplicada   facilmente  em  nossas  cidades  hoje,  sejam  elas  quais  forem.     (GONÇALVES,  2011,  p.  86)
  • 12. […]  ser  membro  de  uma   comunidade  humana    é  situar-­‐se  em  relação  ao    seu  passado  [...]  ainda  que     APENAS  PARA  REJEITA-­‐LO.   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)     […]  ser  membro  de  uma   comunidade  humana    é  situar-­‐se  em  relação  ao    seu  passado  [...]  ainda  que     APENAS  PARA  REJEITA-­‐LO.   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)     […]  ser  membro  de  uma   comunidade  humana    é  situar-­‐se  em  relação  ao    seu  passado  [...]  ainda  que     APENAS  PARA  REJEITA-­‐LO.   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)     RELIGIÃO  CRISTÃ:   Fortalece  o  sen^mento  de  culpa  e   silenciamento   CIDADE  NÃO-­‐JAPONESA:   Marcas  do  intercâmbio  cultural  entre   China,  Holanda  e  Nagasaki   CONTEXTO  INTERNACIONAL   A  ameaça  de  uma  Guerra  Nuclear    entre  EUA  e  URSS   POSICIONAMENTO  JAPONÊS     O  uso  de  shusenbi  (o  fim  da  guerra)  no   lugar  de  haisendi  (dia  da  derrota)
  • 13. […]  ser  membro  de  uma   comunidade  humana    é  situar-­‐se  em  relação  ao    seu  passado  [...]  ainda  que     APENAS  PARA  REJEITA-­‐LO.   (HOBSBAWM,  1998,  p.  22)     Referências  Bibliograficas     CHARTIER,  Roger.  À  beira  da  falésia.  A  História   entre  certezas  e  inquietude.  Porto  Alegre:  Ed.  Da   Universidade/UFRGS,  2002.         GONÇALVES,  Ana  CrisKna.  A  Representações  de   Hiroshima:  a  problemá^ca  da  11.  124p.   Dissertação  (Mestrado  em  língua,  literatura  e   cultura  japonesa),  Faculdade  de  filosofia,  letras  e   ciências  humanas.    Departamento  de  Letras   Orientais.  Universidade  de  São  Paulo,  2011.     HERSEY,  John.  Hiroshima.  2.ed.  Companhia  das   Letras.  São  Paulo:  2002.       HOBSBAWM,  Eric.  Sobre  a  História.  São  Paulo:   Companhia  das  Letras,  1998.       PERALVA,  Osvaldo.  Um  retrato  do  Japão.  5.ed.   Editora  Moderna.  São  Paulo:  1990.     POLLAK,  Michael.  Memória,  Esquecimento  e   silêncio.  In:  Estudos  Históricos,  Rio  de  Janeiro,  vol.   2,  n.  3,  1989.       SAKURAI,  Célia.  Os  Japoneses.  Editora  Contexto,   2ed.,  2  reimpressão.  São  Paulo:  2014.
  • 14. NAGASAKI     O  conflito  entre  representação  e   memória   Autora:  Daniela  Israel   Orientador:  Dr.  Daniel  Conte   Mestranda  em  Processos  e  Manifestações  Culturais   Universidade  FEEVALE   daniela_israel@uniriuer.edu.br

Related Documents