DADOS DE COPYRIGHT
Sobre a obra:
A presente obra é disponibilizada pela equipe Le Livros e seus diversos parceiros, com o
...
Por que os homens mentem
E as Mulheres choram?
Bárbara & Allan Pease
C Allan e Barbara Pease, 2003
tradução Pedro Jorgesen...
fotolito
RR Donnelley América Latina - Premedia/Mergulhar
impressão
Cromosete Gráfica e Editora Ltda
CIP-BRASIL. CATALOGAÇ...
SINDICATO NACIONAL DOS
EDITORES DE LIVROS
P375P Pease, Allan Por que os homens mentem e as mulheres choram? /
Allan e Barb...
A RABUGICE
Quando uma pessoa não pára de reclamar
Capítulo 2
SETE COISAS QUE OS HOMENS
FAZEM DEIXANDO AS MULHERES
LOUCAS
Capítulo 3
POR QUE AS MULHERES CHORAM?
Os perigos da chantagem...
O TESTE DE APELO SEXUAL DA
MULHER
Como é que você faz os homens funcionarem?
Capítulo 10
O QUE FAZ OS OLHOS DOS HOMENS SAL...
O TESTE DO APELO SEXUAL
MASCULINO
Capítulo 12
O QUE ATRAI AS MULHERES
Capítulo 13
QUANDO O CAÇADOR PENDURA O ARCO A aposentadoria
Agradecimentos
Bibliografia
Introdução...
direto ao assunto?", "Por que as mulheres reclamam o tempo todo?", "Por que tenho de
recolher do chão minhas meias às dez ...
queriam e aonde estavam indo, enquanto muitos homens se sentiam deixados para trás.
Se uma mulher esbofeteia um homem em p...
A mulher evoluiu como parideira e defensora da prole. Como resultado, o cérebro feminino se
programou para nutrir, educar ...
HELEN ROWLAND
Somos a única espécie que tem problemas permanentes com a corte, o ritual do acasalamento
e o relacionamento...
quatro primeiros anos de casamento, e, se incluirmos casais que não chegaram a se casar, é
razoável supor que a taxa de se...
irmãos, irmãs, primos, vizinhos e colegas de trabalho. Não acertamos sempre, mas achamos
que acertamos a maior parte do te...
corridas de auto-móveis, façam compras com absoluta objetividade, e os homens tenham de
passar uma vez por mês num simulad...
As mulheres também acham que reclamar mostra o quanto elas se preocupam com eles, mas os
homens raramente vêem isso da mes...
todo. É verdade que as mulheres são assim de nascença? Por favor, me ajude."
De um grupo de mulheres que jantavam num rest...
O engenho chamado cadeira de imersão
Sob o manto da lei ela guia o cortejo,
Alegria e terror do povo do vilarejo.
Se a mul...
Algumas mulheres eram obrigadas a desfilar pela cidade, como uma advertência às outras
mulheres, com uma máscara de ferro ...
pouco e os homens acham que as mulheres falam sem parar.
Como é a vítima
Do ponto de vista do homem, as reclamações repeti...
tons e por isso costumam perder o fio da meada quando ouvem uma mulher falando.
As trilhas múltiplas podem se manifestar a...
Uma das situações mais difíceis para o homem é quando a trilha múltipla é ligada durante o
processo de reclamação. Aí é de...
isso. Está mais preocupada com o "quadro maior" de sua vida profissional, onde recebe
elogios, homenagens e propostas. Tem...
Reclamar é sinal de que a mulher quer mais: mais reconheci-mento da família por tudo o que
fez e mais oportunidades para t...
como se fosse sua mãe. No final, ambos chegam a um ponto em que não se vêem mais como
parceiros, amantes e grandes amigos....
sofá para ver futebol na TV. Não lhe passa pela cabeça que sua mulher está
falando em código. Sentada sozinha na cama, a m...
mesmo egoísta! Que tal colocar sua família em primeiro lugar uma vez na vida? Você nunca
faz nada nesta casa - espera que ...
sobre você.
Eis como Sue poderia lidar com Daniel, falando o mais suavemente possível: Sue: "Daniel,
você está chegando ta...
culpa, se em casa há um pai ou uma mãe reclamando o tempo todo: da criança desobediente ou
da mãe ou do pai rabugentos? A ...
acabar pegando a toalha - basta ela agüentar as suas reclamações, o que é um preço
provavelmente pequeno a pagar. Portanto...
cheia de lixo estragado. O quarto fedia! O custo dessa lição foram alguns lençóis sujos e
fedorentos que Cameron foi obrig...
realizações da outra pessoa?
- Você se recusa a dividir o trabalho doméstico porque acha que quem traz o dinheiro merece
f...
SETE COISAS OUE OS -HOMENS FAZEM DEIXANDO
AS MULHERES LOUCAS
Não é fácil dizer o número de características irritantes que ...
Karen 'Quase Louca'."
Para saber por que o homem insiste em dar soluções para toda e qualquer situação, é
necessário conhe...
dizendo e ele fica zangado porque ela não aceita as suas soluções. "Por que você não cala a
boca e escuta?", ela reclama v...
queria a campanha na sua mesa antes de eu encerrar o expediente na sexta-feira. Dá
pra acreditar? Ele simplesmente não me ...
como foi o jantar:
Sarah: "Meu chefe está me criando o maior problema. Quando cheguei para trabalhar hoje de
manhã, ele di...
eles se sentem no direito de oferecer soluções e dizer o que ela deve fazer. A mulher se
ressente muito disso. O mais prov...
Durante milhares de anos o homem passou parte da noite olhando a fogueira depois de voltar
da caçada. Ele se sentava entre...
canais. Como ele não responde ao que ela fala, ela desafia, perguntando: "Qual foi a última
coisa que eu disse?" Para sua ...
As fêmeas, defensoras dos ninhos e da prole, não se aventuravam sozinhas para além do
horizonte, de modo que aprenderam a ...
Os homens, quando vão ao banheiro, nunca levam um grupo de apoio.
Hoje em dia, todos os banheiros públicos têm instalações...
talvez possa ser lembrado, de maneira calma e firme, que no mundo islâmico milhões de
homens se sentam para urinar todos o...
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
of 183

Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease

Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Por que os homens mentem e as m allan e barbara pease

  • 1. DADOS DE COPYRIGHT Sobre a obra: A presente obra é disponibilizada pela equipe Le Livros e seus diversos parceiros, com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos acadêmicos, bem como o simples teste da qualidade da obra, com o fim exclusivo de compra futura. É expressamente proibida e totalmente repudíavel a venda, aluguel, ou quaisquer uso comercial do presente conteúdo Sobre nós: O Le Livros e seus parceiros disponibilizam conteúdo de dominio publico e propriedade intelectual de forma totalmente gratuita, por acreditar que o conhecimento e a educação devem ser acessíveis e livres a toda e qualquer pessoa. Você pode encontrar mais obras em nosso site: LeLivros.Net ou em qualquer um dos sites parceiros apresentados neste link. Quando o mundo estiver unido na busca do conhecimento, e não mais lutando por dinheiro e poder, então nossa sociedade poderá enfim evoluir a um novo nível.
  • 2. Por que os homens mentem E as Mulheres choram? Bárbara & Allan Pease C Allan e Barbara Pease, 2003 tradução Pedro Jorgesen Junior preparo de original Regina da Veiga Pereira revisão José Tedin Pinto Sérgio Bellinello Soares capa e ilustrações Silvana Mattievich projeto gráfico de miolo e editoração Marcia Raed
  • 3. fotolito RR Donnelley América Latina - Premedia/Mergulhar impressão Cromosete Gráfica e Editora Ltda CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE.
  • 4. SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS P375P Pease, Allan Por que os homens mentem e as mulheres choram? / Allan e Barbara Pease; tradução de Pedro Jorgensen Junior. - Rio de Janeiro: Sextante, 2003. Tradução de: Why men lie and women cry ISBN 85-7542-063-1 1. Relação homem-mulher. 2. Sexo - Diferenças (Psicologia). 3. Papel sexual. r. Pease, Barbara. lI. Título. Todos os direitos reservados por EDITORA SEXTANTE / GMT EDITORES LTDA. Rua Voluntários da Pátria, 45 - Gr. 1.404 - Botafogo 22270-000 - Rio de Janeiro - RJ Te!.: (21) 2286-9944 - Fax: (21) 2286-9244 Atendimento: 0800-22-6306 E-mail: atendimento@esextante.com.br www.esextante.com.br 03-0645. CDD 306.7 CDU 392.6 Sumário Introdução Capítulo 1
  • 5. A RABUGICE Quando uma pessoa não pára de reclamar Capítulo 2
  • 6. SETE COISAS QUE OS HOMENS FAZEM DEIXANDO AS MULHERES LOUCAS Capítulo 3 POR QUE AS MULHERES CHORAM? Os perigos da chantagem emocional Capítulo 4 O SISTEMA ULTRA-SECRETO DE PONTUAÇÃO DAS MULHERES Como estragar a semana de um homem Capítulo 5 ESCLARECENDO OS SETE MAIORES MISTÉRIOS DOS HOMENS Capítulo 6 A OUTRA MULHER A mãe dele Capítulo 7 Os MISTERIOSOS CAMINHOS DA LINGUAGEM FEMININA Capítulo 8 "VOCÊ ACHA QUE Eu FICO GORDA COM ESTA ROUPA?" Por que os homens mentem? Capítulo 9
  • 7. O TESTE DE APELO SEXUAL DA MULHER Como é que você faz os homens funcionarem? Capítulo 10 O QUE FAZ OS OLHOS DOS HOMENS SALTAREM O poder da atração sexual feminina Capítulo 11
  • 8. O TESTE DO APELO SEXUAL MASCULINO Capítulo 12
  • 9. O QUE ATRAI AS MULHERES Capítulo 13 QUANDO O CAÇADOR PENDURA O ARCO A aposentadoria Agradecimentos Bibliografia Introdução Nascemos nus, molhados e famintos. Depois as coisas pioram. PROVÉRBIO CHINÊS Por que os homem mentem? Por que eles acham que têm de estar sempre com a razão? Por que evitam se comprometer? E as mulheres, por que choram para conseguir o que querem? Por que insistem num assunto até a morte? Por que não tomam a iniciativa sexual com mais freqüência? Em pleno século vinte e um, os desentendimentos e conflitos entre os sexos ainda estão tão presentes em nossas vidas quanto na primeira vez em que Adão e Eva se desentenderam. Em três décadas de estudos e pesquisas sobre as diferenças entre homens e mulheres - analisando quilômetros de filmes e gravações, escrevendo livros, dando entrevistas na TV, trocando informações em conferências -, milhares de vezes nos foi perguntada a razão de determinados comportamentos de homens e mulheres. As car-tas, telefonemas e e-mails vinham de pessoas perplexas com o comportamento do sexo oposto, e frustradas por não saberem lidar com a situação. Por isso decidimos escrever Por que os Homens Mentem e as Mulheres Choram? Catalogamos as quarenta perguntas mais freqüentes de leitores de todo o mundo e procura-mos respondê-las usando, além da nossa experiência, pesquisas, levantamentos, estudos científicos atualizados e o nosso bom senso. A partir daí, desenvolvemos soluções práticas para ajudar você a sintonizar o canal certo na comunicação com o sexo oposto. Por que os Homens Mentem e as Mulheres Choram? procura responder as perguntas que ficam martelando na cabeça das mulheres à uma da madrugada, do gênero: "Por que os homens devoram as outras mulheres com os olhos?" e "Por que eles ficam o tempo todo dizendo o que devo fazer e como devo pensar?". Procura também elucidar os problemas com que os homem se de-batem às dez da manhã de domingo, quando se levantam da cama sozinhos ou sem conseguir que suas parceiras falem com eles. Examinamos as perguntas deles também, como, por exemplo: "Por que as mulheres não vão
  • 10. direto ao assunto?", "Por que as mulheres reclamam o tempo todo?", "Por que tenho de recolher do chão minhas meias às dez horas da manhã de um domingo?". As mulheres se preocupam com o futuro até arranjarem um marido. Os homens nunca se preocupam com o futuro até que arranjam uma esposa. Hoje, a ciência consegue explicar por que as mulheres falam tanto, por que gostam de "jogar verde para colher maduro", por que querem ficar sabendo de todos os detalhes a respeito das pessoas ao seu redor e por que raramente tomam a iniciativa de fazer sexo. Hoje sabemos as razões evolutivas e biológicas que explicam por que os homens só conseguem fazer uma coisa de cada vez, por que detestam ir ao shopping, por que não param o carro para pedir orientação, por que têm hábitos e manias que deixam as mulheres tão irritadas e por que não sabem quase nada da vida pessoal de seus amigos, mesmo depois de passarem um fim de semana inteiro pescando em sua companhia. Por que os Homens Mentem e as Mulheres Choram? chama a atenção para coisas óbvias que escapam à maioria das pessoas. Talvez você já tenha notado que muitas mulheres parecem ter uma necessidade biológica de comprar almofadas decorativas e de mudar a arrumação dos móveis para os homens tropeçarem quando chegam em casa de madrugada. E também como poucas delas compreendem a emoção de ver e rever o replay de uma jogada, é improvável que um homem perceba que a descoberta de uma roupa de grife num balcão de liquidação é uma das coisas mais extraordinárias que podem acontecer para uma mulher. Por que as coisas são tão difíceis para homens e mulheres? Hoje em dia, ser homem tornou-se uma árdua tarefa. Desde que, na década de 1960, as feministas passaram a ter mais voz e mais êxitos, a taxa de suicídio entre as mulheres diminuiu mais de 34%, enquanto que entre os homens aumentou 16%. Mesmo assim, o foco da discussão ainda é a cruz que as mulheres car-regam nesta vida. No último quarto do século vinte, à medida que as mulheres conquistavam mais e mais liberdades, considerando muitas vezes o homem como o inimigo a ser vencido, os relacionamentos e as famílias passaram a viver uma enorme tensão. As mulheres estavam iradas e os homens, perplexos e confusos. Durante ge-rações, os papéis haviam sido nitidamente definidos. O homem era o chefe da família e o principal responsável por seu sustento; sua palavra era lei e suas áreas de decisão eram claras; ele era o protetor e o provedor. A mulher era mãe, dona-de-casa, secretária, professora ou assistente social. O homem sabia quais eram as suas responsabilidades e a esposa conhecia as dela. A vida parecia simples. De repente, tudo começou a mudar. Seriados e comerciais de TV passaram a mostrar os homens como idiotas incompetentes diante de mulheres superiores, mais inteligentes e cada vez mais adeptas da causa da igualdade. O problema é que as mulheres pareciam saber o que
  • 11. queriam e aonde estavam indo, enquanto muitos homens se sentiam deixados para trás. Se uma mulher esbofeteia um homem em público, todo mundo parte do princípio de que ele é que está errado. Os homens, muitas vezes, parecem não entender as regras do jogo. Uma mulher que protestasse contra as desigualdades era objeto de simpatia, enquanto que um homem que fizesse o mesmo era acusado de inimigo das mulheres. O número de pia-das aviltantes sobre homens cresce a cada dia. É só você pensar nas que recebe por e-mail. Veja a última que anda circulando entre as mulheres e que a maioria dos homens considera extremamente desmoralizante e ameaçadora: Qual é a definição de um homem? Um suporte para um pênis. Não se pode negar que esse tipo de coisas que a maioria dos homens encara como hostilidade aberta contribui largamente para o estado depressivo que parece estar se abatendo sobre toda uma geração. A taxa de suicídios entre os homens jovens e velhos é hoje a maior da História, com os japoneses encabeçando a lista. Os homens estão inseguros quanto à sua própria identidade e falta-lhes exemplos a serem seguidos. Mas as coisas estão difíceis também para as mulheres. O feminismo começou chamando a atenção para as desigualdades entre os sexos e prometendo libertar as mulheres dos grilhões que as mantinham aprisionadas ao fogão. Hoje, cerca de 50% das mulheres do mundo ocidental trabalham - mesmo quando não querem. Na Grã-Bretanha, uma em cada cinco famílias é chefiada por uma mulher sozinha, contra uma em cada cinqüenta chefiadas por homens em igual situação. Em geral, essas mulheres desempenham os papéis de mãe, pai e provedor. Elas agora sofrem de úlcera, cardiopatias e outras enfermidades relacionadas ao estresse, exatamente como sempre aconteceu com os homens. Estima-se que a bulimia afete de 4 a 5% das universitárias, contra apenas 7 em cada 300 universitários. Estima-se que 25% de todas as mulheres do mundo ocidental serão solteiras permanentes no ano de 2020. Trata-se de uma situação antinatural, em total desacordo com nossas necessidades humanas e biológicas básicas. As mulheres de hoje são superatarefadas, se enraivecem com freqüência e estão ficando cada vez mais solitárias. Os homens têm a sensação de que as mulheres querem que eles pensem e se comportem como elas. Estamos todos muito confusos. Este livro traz um mapa para ajudá-los a se mover nesse labirinto em que se transformaram os relacionamentos e a identificar as pistas escorregadias, as curvas traiçoeiras e os becos sem saída. Por que homens e mulheres têm tantos problemas?
  • 12. A mulher evoluiu como parideira e defensora da prole. Como resultado, o cérebro feminino se programou para nutrir, educar e prover de amor e carinho a vida das pessoas. O homem evoluiu com uma programação totalmente diferente - caçar, guerrear, proteger, prover materialmente e resolver problemas. Compreende-se, portanto, que os cérebros dos homens e das mulheres tenham se programado para funções e prioridades distintas. Pesquisas científicas propiciadas pelas novas técnicas de ressonância magnética do cérebro confirmam este fato. A maior parte dos livros sobre relações humanas é escrita por mulheres e mais de 80% de seu público é também constituído de mulheres. Geralmente, o tema desses livros são os homens, seus erros e o que fazer para melhorá-los. A maioria dos terapeutas e conselheiros matrimoniais são também mulheres. Isto nos faria concluir que as mulheres dão mais atenção aos relacionamentos do que os homens. E é verdade, sob muitos aspectos. Cuidar dos relacionamentos não é uma função natural da psique masculina, de seu modo de pensar e de sua escala de prioridades. Conseqüentemente, os homens ou não se empenham nem um pouco, ou desistem rápido dos relacionamentos, porque acham o modo de pensar e agir das mulheres muito complicado. Às vezes a coisa é tão difícil que o melhor é ir embora logo para não ser visto como um fracasso. Mas a verdade é que tanto os homens quanto as mulheres desejam relacionamentos bons, saudáveis e gratificantes. Apenas, homens e mulheres supõem que um belo dia vai aparecer um relacionamento perfeito, sem que haja necessidade de nenhum estudo ou preparação especial. As mulheres costumam cometer o equívoco de supor que, porque um homem a ama, ele tem também de entendê-la. Só que geralmente ele não entende. Nós chamamos o outro sexo de "oposto" por um bom motivo - somos realmente opostos. Para a mulher, basta conhecer bem um único homem para entender todos os homens; enquanto que um homem nunca entenderá nenhuma mulher, mesmo que conheça todas elas.
  • 13. HELEN ROWLAND Somos a única espécie que tem problemas permanentes com a corte, o ritual do acasalamento e o relacionamento - as outras espécies já têm tudo programado e se saem muito bem. A viúva-negra e o louva-a-deus, que matam seus parceiros logo após o acasalamento, conhecem as regras do jogo e as seguem fielmente. O polvo é outro bom exemplo. É um animal simples, com um cérebro minúsculo, que nunca discute sexo nem como fazer para chegar lá, muito menos as diferenças entre macho e fêmea. Em determinado momento, a fêmea entra no cio, os machos se aproximam movendo os seus tentáculos, ela escolhe aquele cujos tentáculos mais lhe agradam e dá o sinal verde. Ela jamais o acusa de não lhe dar atenção e ele não fica pensando se foi bom para ela como foi para ele. Não há por perto sogros nem cunhados querendo dar conselhos, e a fêmea jamais cogita descobrir se está gorda demais, nem anseia por um campeão sexual. Os humanos, porém, são infinitamente complicados. As mulheres dizem querer homens sensíveis, mas não querem que sejam sensíveis demais. Os homens não entendem muito bem essa sutil diferença. Não percebem que precisam ser sensíveis em relação aos sentimentos da mulher, mas duros e másculos em outras situações. Para se moverem nesse labirinto, os homens precisam aprender algumas técnicas que encontrarão neste livro, que também ensina às mulheres técnicas para identificar e atender os anseios masculinos. Se vocês escreverem as palavras "relacionamento" e "sexo" num site de busca da Internet, obterão 36.714 referências, somente em inglês, para ajudá-los a fazer as coisas fluírem melhor. Para os outros animais, relacionamentos são procedimentos diretos guiados pela necessidade de sobrevivência de cada espécie. Eles não pensam a respeito - simplesmente fazem. Nós, porém, evoluímos tanto, que hoje precisamos conhecer a melhor maneira de lidar com o sexo oposto para ter alguma chance de levar uma vida feliz e desfrutar a quota de prazer, emoção e enriquecimento que um bom relacionamento é capaz de proporcionar. Pelo mundo todo Por que os Homens Mentem e as Mulheres Choram? é o degrau que, na escada do relacionamento, vem depois de Por que os Homens Fazem Sexo e as Mulheres Fazem Amor?, e trata de aspectos da vida em que a maioria das pessoas nunca pensa ou simplesmente não percebe. Para escrever este livro, viajamos por mais de trinta países, coletando e confrontando informações e pesquisas sobre o relacionamento entre os sexos. Neste trabalho procuramos estabelecer temas universais, definir problemas comuns e finalmente apresentar soluções práticas. Os comporta-mentos e cenários que descrevemos neste livro não se aplicam a todas as pessoas o tempo todo. São histórias reais cujos princípios se aplicam à maioria das pessoas na maior parte do tempo de seus relacionamentos com o sexo oposto. Se você se dá bem com a maioria das pessoas a maior parte do tempo, seja morando junto, trabalhando, lidando e amando o sexo oposto, a sua vida deve ser bastante feliz. Infelizmente, vemos que a maioria das pessoas ainda não se entende durante uma boa parte do tempo. O índice de divórcios na Grã-Bretanha, por exemplo, ultrapassa hoje a marca dos 50% nos
  • 14. quatro primeiros anos de casamento, e, se incluirmos casais que não chegaram a se casar, é razoável supor que a taxa de separações entre os casais é algo entre 60 e 80%. 700% dos divórcios começam com o casamento Por que os Homens Mentem e as Mulheres Choram? é uma pre-ciosa oportunidade para você eliminar um pouco do sofrimento, da angústia e da confusão de sua vida. Tudo poderá ficar mais fácil. É um livro repleto de bom senso e de fatos científicos apresentados de forma bem-humorada e de fácil assimilação. Ele explica o comportamento do "outro sexo", sejam eles companheiros, filho, filha, mãe, pai, parentes, amigos ou vizinhos. Aprendendo uma segunda língua Para ter êxito com o sexo oposto você precisa saber falar duas línguas - a das mulheres e a dos homens. Se você só fala inglês e está visitando a França, não adianta pedir em inglês um típico prato britânico. Os franceses não vão entender nada. Mas se você comprar um livrinho de expressões traduzidas que lhe ensine as palavras e frases básicas da outra língua, o problema de comunicação está resolvido. Os habitantes locais vão amar e serão superprestativos, mesmo que você tropece um pouco nas palavras. As pessoas ficam bem impressionadas quando vêem que nos esforçamos para entendê-las e nos comunicarmos com elas. "Será que eu vou ter de mudar de sexo?" As pessoas nos perguntam com freqüência: "Vocês estão me dizendo que eu devo pensar, falar e agir como o sexo oposto?" Em hipótese alguma. Quando você compra um telefone celular, ele vem com um manual de instruções. Depois que você aprende a fazê-lo funcionar e a programá-lo para as funções que deseja, ele lhe proporciona satisfação, lucro e diversão. Por que os Homens Mentem e as Mulheres Choram? é um manual de instruções para ajudar a entender o sexo oposto e saber que botões apertar para obter o melhor resultado. Depois de entender a evolução do homem, a mulher passa a ter muito mais facilidade de compreender e aceitar seus comportamentos e seus processos mentais. O homem, por sua vez, quando entende o caminho percorrido pela mulher, pode também se beneficiar de suas experiências e seus pontos de vista. É um enorme ganho e alívio para ambos. Experiência em primeira mão Nós, os autores, somos muito bem casados, amantes fiéis e grandes amigos um do outro. Somos também pais de quatro lindos filhos. Em Por que os Homens Mentem e as Mulheres Choram? recorremos também às nossas experiências pessoais, desejando proporcionar-lhe uma visão equilibrada do relacionamento entre homem e mulher, procurando, o mais possível, ser imparciais. A pesquisa que fizemos sobre os vários temas deste livro e o próprio ato de escreve-lo nos propiciou um entendimento mais completo de nós mesmos e de nossos pais,
  • 15. irmãos, irmãs, primos, vizinhos e colegas de trabalho. Não acertamos sempre, mas achamos que acertamos a maior parte do tempo com a maior parte das pessoas. O resultado é que nosso relacionamento com os que nos são próximos vem melhorando expressivamente e, de um modo geral, as pessoas gostam de nós. Nada é perfeito, mas, tirando a média, vamos muito bem. Como dar este livro de presente Depois do sucesso mundial de nosso último livro Por que os Homens Fazem Sexo e as Mulheres Fazem Amor? (mais de seis milhões de exemplares vendidos em 33 línguas até o dia de hoje), alguns homens nos acusaram de ter dificultado suas vidas. A alegação era a de que suas mulheres usavam o livro para persegui-los afirmando "Allan disse isso..." e "Barbara disse aqui-10. . .". Por que os Homens Fazem Sexo e as Mulheres Fazem Amor? obteve um grande sucesso entre as mulheres de todos as nacionalidades e nós temos perfeita consciência de que algumas o deram de presente aos seus homens dizendo incisivamente: "Você precisa ler isso! Leia do começo ao fim - mas sobretudo as partes que eu marquei para você ler." Quando uma mulher dá de presente a outra um livro sobre desenvolvimento pessoal, aquela que recebe se sente homenageada e agradecida por ter ganho algo que vai ajudá-la a crescer. Mas um homem talvez se sinta insultado, achando que a mulher está tentando mostrar que ele não é bom do jeito que é. Talvez recuse o livro dizendo simplesmente "Não preciso de nada disso!", deixando-a ferida e desconcertada. Portanto, se você, leitor, é homem, meus parabéns! - saiba que faz parte de uma minoria que quer compreender como as mulheres pensam e agem. Se você é mulher, talvez seja mais prudente perguntar ao seu homem a opinião dele sobre os conselhos do livro, porque os homens adoram dar opiniões. Marque as páginas que você quer que ele leia e deixe o livro sobre a mesa do café ou no banheiro. E por fim... Dizem que é ótimo ser homem, porque uma barriga discreta e o cabelo grisalho conferem até um certo charme, as rugas dão personalidade e o preço da roupa de baixo é absolutamente razoável. Ninguém conversa com você olhando para os seus peitos e você não precisa ir ao salão de beleza se preparar para a reunião social. Dizem que é ótimo ser mulher porque você pode conversar com um indivíduo do sexo oposto sem ter de imaginá-lo nu, consegue ser desculpada por chefes do sexo masculino quando é acometida de seus misteriosos transtornos ginecológicos, e os táxis param ao seu aceno. Você dança sem parecer uma rã num liquidificador e não é obrigada a ter ereção. Talvez um dia homens e mulheres venham a ser parecidos. Talvez as mulheres venham a gostar de ver
  • 16. corridas de auto-móveis, façam compras com absoluta objetividade, e os homens tenham de passar uma vez por mês num simulador de TPM. Os assentos de vaso sanitário serão fixados, as mulheres só falarão durante os comerciais e os homens só lerão a Playboy pelo seu valor literário. Mas nós duvidamos - pelo menos no que diz respeito aos próximos milênios. Enquanto isso, seguiremos aprendendo a entender, administrar e gostar de nossas diferenças. E seremos recompensados com amor e carinho. Desfrutem, pois, o nosso livro! BARBARA & ALLAN PEASE **************** Capítulo 1 A RABUGICE Quando uma pessoa não pára de reclamar Rabujar: aborrecer, atormentar, encher o saco, torrar a paciência, repreender, amolar, ficar fungando no cangote, molestar, altercar, dominar (o marido), importunar, afligir, provocar, irritar. Rabugento: indivíduo, especialmente mulher, que reclama o tempo todo. Rabugenta é um termo tradicionalmente usado pelos homens para qualificar as mulheres. Em sua maioria, as mulheres não se consideram rabugentas. Elas acham que se limitam a lembrar aos seus homens as coisas que eles têm de fazer: cumprir sua parte nas tarefas domésticas, tomar os remédios, não abusar da bebida, avisar quando for se atrasar, consertar o que estiver quebrado, tirar roupa suja e toa-lhas molhadas do chão. Em muito pequenas doses, a rabugice pode até ser considerada construtiva. Onde estariam tantos homens sem uma mulher advertindo-os para não tomar cerveja nem comer sanduíches demais, para que façam regularmente seus exercícios e testes de colesterol? Reclamar, em certas situações, pode servir para mantê-los vivos. O homem rabugento, no entanto, é coisa que a sociedade vê de um modo inteiramente diverso. Segundo a nossa cultura, os homens não reclamam. Eles são afirmativos, líderes naturais e estão o tempo todo transmitindo o seu saber - e lembrando educadamente às mulheres o caminho a seguir quando elas o esquecem. Sim, eles criticam, vêem defeitos, reclamam e se queixam, mas é sempre para o bem das mulheres. Conselhos como "Confira sempre seu extrato bancário! Quantas vezes eu tenho de lhe dizer?" e "Não dá pra você cuidar um pouquinho mais da sua aparência quando meus amigos vêm à nossa casa?" se repetem com uma persistência admirável e, acima de tudo, mostram o quanto eles se preocupam com elas.
  • 17. As mulheres também acham que reclamar mostra o quanto elas se preocupam com eles, mas os homens raramente vêem isso da mesma forma. A mulher censura o homem por deixar um rastro de desordem por onde passa, por molhar todo o banheiro quando toma uma chuveirada e por espalhar o jornal enquanto o lê. Ela sabe que está sendo irritante, mas acha que com os homens só se conseguem as coisas repetindo e repetindo as mesmas instruções, até que um dia a ficha caia. Como ela acha que suas queixas são justificadas, mesmo sabendo que está sendo irritante, não se importa em continuar reclamando. As amigas também não acham que ela está sendo rabugenta - para elas o homem é bagunceiro, egoísta, difícil de lidar, razão pela qual a sua companheira sofredora merece toda a simpatia. Geralmente, porém, quando a mulher começa a repetir suas ordens, o cérebro masculino só ouve uma coisa: "Lá está ela reclamando de novo." Como uma torneira pingando, as reclamações vão lhe consumindo a alma e podem gerar com o tempo um feroz ressentimento. Homens de todos os lugares colocam a "mania de reclamar" no topo da lista de suas aversões particulares. Só nos Estados Unidos, são mais de dois mil casos por ano de homens que matam suas esposas alegando que foram levados a isso pelas reclamações delas. Em Hong Kong, um marido que deu uma martelada na cabeça da esposa, causando-lhe danos cerebrais permanentes, foi beneficiado com redução da pena de prisão por um juiz que considerou que ele foi levado a cometer a violência porque a mulher era excessivamente rabugenta. A rabugice das mulheres vs As lamúrias dos homens As mulheres reclamam; os homens dão instruções. Depois de ler Por que os Homens Fazem Sexo e as Mulheres Fazem Amor?, um homem que se autodenominou "Jeremy Dominado" enviou-nos o seguinte e-mail: "Preciso da ajuda de vocês. Sou casado com a Rainha das Reclamações e não suporto nem mais um minuto sua implicância, suas censuras e suas queixas. Da hora em que eu chego em casa até a hora em que vou dormir, ela fica reclamando o tempo todo sem parar. Chegamos ao ponto em que a única comunicação que há entre nós é ela me dizendo tudo o que eu deixei de fazer durante o dia, a semana, o mês e desde que nos casamos. A situação está tão ruim que estou pedindo ao patrão para ficar trabalhando depois do expediente. Dá para imaginar? Eu prefiro ficar no trabalho do que voltar para casa. Ficar ouvindo as reclamações dela me causa um estresse tão violento que a dor de cabeça já começa no carro, no caminho de volta. Não devia ser assim - eu devia me alegrar por largar o trabalho e chegar em casa para vê-Ia. Meu pai costumava me dizer que toda mulher reclama e enche o saco, mas eu não acreditava nele até me casar. Meus colegas dizem que suas mulheres também reclamam com eles o tempo
  • 18. todo. É verdade que as mulheres são assim de nascença? Por favor, me ajude." De um grupo de mulheres que jantavam num restaurante ouviu-se a seguinte conversa a respeito de seus maridos: Loura: "Pois é, ele nunca está satisfeito. Se queixa o tempo todo. Se eu não quero fazer sexo na hora em que ele quer, fica se lamuriando, e eu só cedo para ele calar a boca, mas curto muito pouco. Tem horas que eu não estou a fim, mas ele insiste tanto que no final acho melhor topar do que ficar ouvindo suas lamúrias." Morena: "Stephen é igualzinho. Acha defeito em tudo o que eu faço. Se eu me arrumo para ir jantar com os amigos dele, reclama dizendo que eu me arrumo mais para os outros do que para ele, que eu acho seus amigos mais atraentes do que ele. Se eu não me arrumo, ele se queixa de que eu não ligo para ele porque não cuido da minha aparência. Às vezes eu penso que é impossível acertar." Terceira mulher: "Então por que será que os homens dizem que as mulheres torram a paciência deles com suas reclamações?" Risada geral. A rabugice através dos tempos Ao longo da história, as mulheres sempre apareceram como rabugentas, como pessoas que reclamam sem parar. Na literatura, rabugento é um adjetivo que se aplica preferencialmente aos velhos e às mulheres. Até o século dezenove, as leis inglesas, norte-americanas e européias permitiam que o homem se queixasse ao juiz da implicância ou "rabugice" da sua mulher. Se a acusação ficasse provada, ela era condenada à "cadeira de imersão". A cadeira de imersão ficou famosa nos Estados Unidos e Grã-Bretanha como instrumento de punição de bruxas, prostitutas, autores de pequenos crimes e mulheres rabugentas. A mulher infratora era amarrada numa cadeira pendurada na extremidade de um braço móvel e mergulhada no rio ou lago mais próximo por um período de tempo predeterminado. O número de vezes que ela era imersa dependia da gravidade da ofensa e/ou da quantidade de condenações anteriores. Um registro de um tribunal inglês do ano de 1592, diz: "...a esposa de Walter Hycocks e a esposa de Peter Phillips são notórias rabugentas. Fica decidido, portanto, que se lhes dirá na igreja para parar com a rabugice. Mas se seus maridos e vizinhos se queixarem uma segunda vez, elas serão punidas com a cadeira de imersão." O seguinte poema de autoria de Benjamin West, publicado em 1780, mostra como os homens, em séculos passados, levavam a sério o excesso de reclamações: A Cadeira de Imersão Veja lá, meu amigo, no lago do nosso cantão
  • 19. O engenho chamado cadeira de imersão Sob o manto da lei ela guia o cortejo, Alegria e terror do povo do vilarejo. Se a mulher rabugenta provoca discussão Com palavras obscenas ou fora de questão; Se a esposa ruidosa tem a ousadia De mandar na casa com tremenda gritaria, Dizes: pára, ou ficarás à míngua; Na cadeira aprenderás a governar tua língua. Nela a infratora ocupa o seu posto Com a carranca pomposa estampada no rosto. Atada à cadeira, mergulha no tanque, Mas uma só vez não é ainda o bastante; A mulher é içada e vocifera Como jamais ousou nenhuma megera. Pois quando se atira água à fogueira, Sobe ainda mais alto a labareda. É preciso então levar a camponesa Uma segunda vez às profundezas, E antes que se perca a paciência, Uma terceira e quarta vez, sem reticências. Esposas briguentas, meu caro, nunca mais. Quando o fogo é ardente, a água fria desfaz. E quando a cadeira de imersão não era punição suficiente, havia outras possibilidades.
  • 20. Algumas mulheres eram obrigadas a desfilar pela cidade, como uma advertência às outras mulheres, com uma máscara de ferro presa à cabeça com uma barra de metal que ia até dentro da boca para prender a língua. A última mulher a passar pela cadeira de imersão depois de condenada como "rabugenta contumaz", foi Jennifer Pipes, de Leominster, Inglaterra, em 1809. Como é a rabugenta A rabugenta sempre espera que sua vítima, movida pelo sentimento de culpa, faça o que ela quer. Seu objetivo é incitar a vítima a obedecer-lhe, senão por achar realmente que precisa fazê-la, mas para acabar simplesmente com a discussão. As mulheres sabem que reclamam, mas isso não quer dizer que elas gostam de ficar reclamando. Geralmente elas o fazem para alcançar um objetivo. Algumas mulheres transformaram a rabugice em uma forma de arte. Nós identificamos cinco tipos básicos de reclamação: A Reclamação Monotemática: "Kurt, por que você não pendura sua toalha?" Pausa. "Kurt, você disse que ia pendurar a toalha." Cinco minutos mais tarde: "E a toalha, Kurt? Ainda está no chão." A Reclamação Multitemática: "Nigel, a grama do jardim da frente está um nojo, a maçaneta da porta do quarto está caindo e a janela da cozinha ainda está emperrada. Quando é que você vai trocar a lâmpada da sala e...", etc., etc. A Reclamação Beneficente: "Já tomou seus remédios hoje, Ray? E pare de comer essa pizza - ela faz mal para o seu colesterol e aumenta o seu peso..." A Reclamação via Terceiros: "Moira disse que Shane já limpou a churrasqueira e que eles vão dar um churrasco amanhã. Na velocidade que você vai, o verão acaba antes." A Reclamação Antecipada: "Dale, eu só espero que você controle a bebida esta noite. Nós não vamos repetir o vexame do ano passado, vamos?" Geralmente as mulheres dão gargalhadas com esses relatos. Elas se reconhecem e reconhecem as próprias palavras, mas acham que não há alternativa. Quando o grau de reclamações fica fora de controle, os relacionamentos da rabugenta com as pessoas pode ser afetado. A tendência do homem é ignorá-la ainda mais, o que só aumenta a sua irritação e às vezes a sua fúria. Sentindo-se sozinha, a rabugenta pode acabar ressentida e infeliz. Quando a rabugice fica fora de controle, ela é capaz de destruir completamente o relacionamento. Pode-se ver claramente que as mulheres têm uma capacidade de falar muito maior do que os homens. Isso explica por que as mulheres acham que os homens, de um modo geral, falam
  • 21. pouco e os homens acham que as mulheres falam sem parar. Como é a vítima Do ponto de vista do homem, as reclamações repetidas são um lembrete contínuo, indireto e negativo das coisas que ele deixou de fazer e dos seus defeitos. Elas ocorrem principalmente no fim do dia, justo na hora em que o homem mais precisa de um tempo para ficar "olhando a fogueira", como faziam seus antecessores primitivos ao voltar de um exaustivo dia de caça. Quanto mais o agressor reclama, mais a vítima se refugia atrás das barreiras defensivas que deixam a mulher enlouquecida - jornais, computadores, trabalho de casa, cara de desânimo, amnésia, surdez aparente e controles remotos. Ninguém gosta de ficar sujeito à raiva contida, a mensagens ambíguas, à autopiedade, à censura, e nem de ser continuamente acusado de tudo. Todo mundo evita a rabugenta, deixando-a sozinha e ressentida. E quanto menos reconhecida, quanto mais prisioneira e isolada ela se sente, mais a vítima está sujeita a sofrer. Quanto mais reclama, mais isolada fica. O único resultado concreto do excesso de reclamações é a destruição do relacionamento entre a rabugenta e a vítima, por-que a vítima acredita que precisa se defender o tempo todo. Por que as mulheres são mais rabugentas? A mulher possui uma estrutura cerebral que lhe permite superar qualquer homem do planeta em termos de falação e rabugice. As ilustrações que se seguem, feitas a partir de exames de ressonância magnética de cinqüenta homens e cinqüenta mulheres, mostram (em negro) as áreas ativas do cérebro usadas para as funções da fala e da linguagem. É uma imagem gráfica de homens e mulheres conversando e se comunicando uns com os outros. Pode-se ver claramente que as mulheres tem uma capacidade de falar muito maior do que os homens. Isso explica por que as mulheres acham que os homens, de um modo geral, falam pouco e os homens acham que as mulheres falam sem parar. Áreas do cérebro usadas para a fala e a linguagem. Instituto de Psiquiatria, Londres, 2001. Homem Mulher A mulher tem uma organização mental a que chamamos de trilhas múltiplas - ela é uma malabarista capaz de manter no ar quatro ou cinco bolas ao mesmo tempo. Consegue rodar um programa de computador enquanto fala ao telefone, e ouve uma segunda conversa atrás dela no restaurante enquanto conversa com os companheiros de mesa. É capaz de falar sobre vários te-mas sem qualquer relação uns com os outros numa mesma conversa e usa cinco tons de voz para mudar de assunto e enfatizar questões. Os homens só. conseguem identificar três desses
  • 22. tons e por isso costumam perder o fio da meada quando ouvem uma mulher falando. As trilhas múltiplas podem se manifestar até numa mesma frase: Bill: "A Sue virá para o Natal?" Debbie: "Ela disse que virá dependendo de como ficarem as coisas com as encomendas de tapetes, que diminuíram por causa da crise econômica, e Fiona talvez não venha porque Andrew precisa consultar um especialista, e Nathan perdeu o emprego e tem de procurar outro, e Jodi não pode se ausentar do trabalho - o patrão dele é terrível! -, de modo que a Sue disse que poderia chegar cedo para a gente sair para comprar as roupas para o casamento de Emma, e aí eu pensei que se nós puséssemos ela e o Len no quarto de hóspedes poderíamos pedir ao Ray para chegar cedo para. . ." Bill: "Isso quer dizer 'sim' ou 'não'?" Debbie: "Bem, isso também depende de Adrian, o patrão da Diana, deixar que ela se ausente do trabalho, porque o carro dele está na oficina e ela tem de...", etc., etc. Bill achava que tinha feito uma pergunta simples e ficaria satisfeito com uma resposta simples do tipo 'sim' ou 'não'. Em vez disso, recebeu uma resposta em "trilhas múltiplas" envolvendo onze pessoas e nove assuntos diferentes. Frustrado, ela vai ver televisão. A organização mental do homem contém uma única trilha. Ele só consegue se concentrar em uma coisa de cada vez. Quando abre um mapa no carro, ele desliga o rádio. Se a mulher fala quando ele chega a um trevo na estrada, ele erra o caminho e põe a culpa nela por estar falando. Quando o telefone toca, ele pede para todo mundo calar a boca para poder falar. Alguns homens, às vezes situados em posições de poder, têm dificuldade de andar e mascar chiclete ao mesmo tempo. O cérebro masculino só tem uma trilha. O homem não consegue fazer amor e explicar ao mesmo tempo por que não levou o lixo para fora.
  • 23. Uma das situações mais difíceis para o homem é quando a trilha múltipla é ligada durante o processo de reclamação. Aí é demais. Ele simplesmente cala a boca, dando início a um círculo vicioso em que a rabugenta aumenta o volume da voz e a força de suas acusações e reivindicações, e a vítima recua ainda mais para trás da barreira, às vezes física, que usa para se proteger. Como nem sempre é possível sair de cena, a pressão aumenta até o ponto em que a vítima contra-ataca, causando uma áspera discussão que pode até degenerar em violência física. Por que o excesso de reclamação nunca dá certo? o principal equívoco da rabugice é a forma de abordar o problema, colocando o homem numa atitude defensiva e bloqueando a absorção da mensagem. A rabugenta trata do problema em parcelas pequenas, mesquinhas, triviais: "Você nunca leva o lixo para fora, você se recusa a recolher suas roupas..." e vai por aí afora. Seus "pedidos" são débeis, choramingados e carregados da culpa que ela quer impor à vítima. Em geral ela os agrupa de uma forma que o cérebro masculino tem limitada capacidade de decifrar. Para o homem, é como ser mordido por uma nuvem de mosquitos: leva picadas por todo o corpo e não consegue matá-los. "Eu não lhe peço para fazer quase nada em casa, peço?.. Levar o lixo para fora não é nada demais, é? .. e como você sabe, o médico disse que eu não posso pegar peso... passei o fim de semana me matando de trabalhar para deixar essa casa mais ou menos decente e você passou o tempo todo sentado vendo televisão... se você tivesse vergonha na cara ia consertar a torneira, porque esse pinga-pinga está me deixando louca..." Esse tipo de reclamação é o mais ineficaz possível na obtenção dos objetivos e se torna um hábito destrutivo que produz enorme estresse, desarmonia, ressentimento e raiva, podendo facilmente acabar em reação física violenta. Onde acontece a pior rabugice? A rabugice raramente se manifesta no ambiente de trabalho, a menos que o rabugento e a vítima tenham uma relação íntima. Um claro sinal de intimidade entre chefe e secretária é ela reclamar das coisas que ele deixou de fazer. A origem da rabugice está no equilíbrio de forças entre duas pessoas. Ao notar que o chefe deixou de fazer alguma coisa, a secretária pode gentilmente lembrar-lhe ou simplesmente fazer por ele. Afinal, isso é parte do seu trabalho. Mas quando se sente mais segura de sua posição, mais poderosa, indispensável mesmo, ela pode começar a reclamar com o chefe para que ele seja mais eficiente em seu trabalho. Pode até chegar ao ponto de achar que é capaz de fazer o trabalho melhor do que ele. Nesse estágio, a rabugice pode ir crescendo e, mesmo não tendo força suficiente para lhe tirar o trabalho, a secretária, até inconscientemente, talvez veja a reclamação contínua como uma forma de desgastar o chefe, de "trazê-lo até o seu nível" e fazê-lo perceber o quanto está em falta. A mulher profissionalmente feliz e realizada raramente reclama em casa. Falta-lhe tempo e energia para
  • 24. isso. Está mais preocupada com o "quadro maior" de sua vida profissional, onde recebe elogios, homenagens e propostas. Tem uma forma mais objetiva de pedir as coisas, e se seu companheiro não faz a sua parte do trabalho doméstico, ela ignora-o, paga alguém para fazê-lo ou arranja um companheiro que faça. Ela atua a partir de uma posição de força. A chamada "mulher fatal" também não costuma reclamar. Sua força é de outro tipo: ela usa seu poder sexual para conseguir de seu homem o que quer. Pode ser que ela nem se dê ao trabalho de reclamar da roupa suja espalhada pelo chão - ela própria larga a sua roupa pelo chão, e de um modo muito sensual. No entanto, quando o relacionamento se torna permanente, essa deusa do sexo pode se transformar na pior das rabugentas. As deusas do sexo não reclamam das roupas largadas pela casa - elas deixam as próprias roupas espalhadas pelo chão. A mulher loucamente apaixonada também tende a não reclamar. Ela está tão amarrada à visão romântica que criou de seu parceiro, tão ocupada armando planos de fazer amor louca e apaixonada-mente em todos os lugares da casa, que não se dá conta de que há roupas pelo chão e louça suja em cima da mesa. Seu parceiro, igual-mente absorvido pela excitação do novo relacionamento, fará qual-quer coisa para agradá-la. Ninguém sente necessidade de reclamar. A rabugice sempre acontece entre pessoas que têm uma ligação íntima - esposas, maridos, mães, filhos, filhas e parceiros que coabitam. É por isso que o estereótipo da rabugenta, a rabugenta dos números cômicos, é sempre a esposa ou a mãe - as prisioneiras das tarefas domésticas, que geralmente se sentem sem nenhum poder sobre a própria vida e incapazes de mudá-la de um modo claro e direto. A mulher profissional irradia força material e psíquica. A do gênero se:ry transpira força sexual. Ambas são fortes, independentes e livres. A mulher que recorre regularmente à rabugice, porém, se sente sem forças, frustrada, com a única alternativa de ficar batendo o pé, com uma raiva confusa e contida. Ela sabe que a vida pode ser bem melhor, mas se sente culpada demais para admitir que não gosta de seu papel. E fica confusa e perdida por não saber o que pensar. Séculos de estereótipos, de cultura familiar, de revistas senti-mentais e de filmes e comerciais de TV convenceram-na de que o ideal da mulher verdadeiramente feminina é ser a Esposa e Mãe Perfeita. Mesmo sabendo, no íntimo, que merece mais, ela passou por anos e anos de lavagem cerebral para aceitar uma "verdade" que talvez não lhe sirva mais. Não quer ter em seu tú mulo a inscrição "Manteve a cozinha sempre limpa", mas não sabe como se libertar para construir para si uma vida melhor. Muitas vezes ela sequer percebe que seus sentimentos são normais e saudáveis, os mesmos de todas as mulheres. Nossa pesquisa revela que as mulheres que possuem objetivos bem claros, que trabalham mais de trinta horas por semana, ou que aceitam e exercem com alegria o ritual monótono e repetitivo do trabalho doméstico e da maternidade, raramente são rabugentas. A rabugice pode ser um apelo por reconhecimento
  • 25. Reclamar é sinal de que a mulher quer mais: mais reconheci-mento da família por tudo o que fez e mais oportunidades para ter algo melhor. "A minha mãe tem de chamar a atenção das pessoas para tudo o que faz", suspira Adam, um adolescente vítima de constantes reclamações. "Toda vez que lava a louça ou passa o aspirador no tapete ela faz um comentário irônico para chamar a atenção sobre si mesma. Acaba que eu preferia que ela não fizesse nada. Por que é que ela tem de ficar reclamando por causa de qualquer coisinha?" Ela fica falando sobre "qualquer coisinha" porque a sua vida se transformou numa coleção de pequenas coisas. É difícil uma pessoa se sentir confiante e poderosa se tudo o que fez da manhã à noite é trivial, previsível e rotineiro. Qualquer um pode passar o aspirador no tapete. Ao contrário do soldado, que é enaltecido por dar a vida pelo bem-estar de seu país, ninguém manda gravar o nome dela num memorial de mármore por dedicar a vida ao bem-estar da família. Não existe Prêmio Nobel para a manutenção da paz doméstica. A mãe de Adam reclama com ele, pedindo reconhecimento, justamente porque ninguém dá valor às suas tarefas. Não se ganha prêmio literário escrevendo fantásticas listas de compras. A Esposa e Mãe Perfeita não foi torturada (ao menos na acepção comum desse termo) nem passou por padecimentos grandiosos. Suas tarefas cotidianas parecem demasiado banais para justificar protestos e reivindicações de reconhecimento público. Seu sofrimento é de um tipo invisível. É a angústia da maioria oprimida, silenciosa, sofredora. Se Adam desse à mãe um pouco do reconhecimento que ela implora - e merece -, a qualidade de sua vida teria uma melho-ra impressionante. Mulheres cuja rabugice saiu de controle geralmente são espo-sas e mães solitárias e decepcionadas, que carregam na alma o sentimento frustrante da falta de amor e de reconhecimento. Eis aqui uma das chaves para diminuir a rabugice: dar à rabugenta o reconhecimento devido pelo desempenho das tarefas pequenas e rotineiras da sua vida acaba com a maior parte das reclamações. O complexo de mãe Muitas mulheres pensam que são o único adulto sensível da família. Acham que os maridos e namorados agem como crianças. O homem, em seu ambiente de trabalho, pode se comunicar, resolver problemas, produzir resultados positivos e, no final, ganhar um salário significativamente maior do que as mulheres situadas na mesma posição. Como sua parceira sabe que ele tem essas aptidões, fica enormemente frustrada pelo fato de ele não usá-las em casa. Estudos provam que os homens casados vivem mais tempo do que os solteiros. Mas alguns homens dizem que o tempo é que parece mais longo. O problema é que freqüentemente a mulher fica tentada a tratar seu parceiro menos como um homem capaz do que como um menino levado. Ele reage então, se comportando como tal. Essa mudança de atitude é a primeira pedra no caminho perigoso do desgaste do relacionamento. Quanto mais o homem se rebela, mais a mulher reclama. Quanto mais ele resiste, mais ela age
  • 26. como se fosse sua mãe. No final, ambos chegam a um ponto em que não se vêem mais como parceiros, amantes e grandes amigos. Para o homem, não há maneira mais segura de matar a paixão do que começar a achar que vive com sua mãe, e, para a mulher, do que sentir que vive com um menininho imaturo, egoísta e preguiçoso. Soluções para a rabugice: dizer o que se quer A discussão estava feia. O restaurante inteiro se calou enquanto a voz do casal se erguia, cada vez mais alta. Tudo começara por causa da pizza que eles iriam escolher. Ele queria calabresa com alcaparras. Ela, que detestava alcaparras, queria havaiana, e começou a acusá-lo de nunca dar atenção aos seus desejos. Era um absurdo ele dizer que o abacaxi estragava a pizza. Além do mais, se ele se desse ao trabalho de fazer compras e ajudá-la a cozinhar, não seria preciso saírem com tanta freqüência para comer na pizzaria. E ela também não queria comer pizza toda hora: preferia uma comida mais saudável. Com toda essa pizza, ela estava começando a engordar. Será que era pedir demais deixar que ela escolhesse a pizza ao menos uma vez na vida? Depois dessa última frase, fez-se silêncio. O restaurante inteiro ficou na expectativa de qual seria a resposta do homem. Ele não perdeu a calma. Sorveu o seu vinho, olhou para o chão, para o cardápio, e finalmente de volta para a esposa. "O problema não é a pizza, não é?", disse finalmente. "São os últimos quinze anos." A rabugice costuma ser sinal de que há um problema de comunicação entre duas pessoas. Mas, em vez de enfrentá-lo, em geral elas se pegam em trivialidades e se atormentam mutuamente com palavras cruéis. Esta é uma tendência especialmente comum entre as mulheres. Muitas meninas ainda crescem acreditando que devem ser simpáticas e doces, e colocar em último lugar os seus sentimentos e necessidades. Quando se tornam adultas, crêem que seu papel é apaziguar, contornar os problemas e serem simpáticas e afetuosas. Muitas mulheres têm dificuldade de dizer simplesmente, não como reclamação, mas como reconhecimento: "Eu não estou feliz com essa vida. Sinto-me sufocada. Quero me afastar disso tudo por duas semanas, me virar sozinha e ter um tempo só para mim. O que você acha de eu deixar as crianças com minha mãe por uma semana, depois você tirar uma semana no trabalho para ficar com elas? Eu acho que isso me faria muito bem e sinto que, ao retornar, eu estarei muito mais feliz e agradável de conviver." Para inúmeras mulheres parece muito mais difícil dizer isso do que bater boca publicamente por causa da escolha de uma pizza. A mulher geralmente espera que o homem perceba intuitivamente o que ela está querendo expressar ao dizer coisas diferentes do que realmente quer. Ela acha que se bocejar e disser "Estou tão cansada, acho que vou para a cama" e se afastar, o homem vai escovar os dentes, fazer seu gargarejo com halitol, passar desodorante, vestir algo mais confortável, deitar junto dela, aconchegá-la nos braços e procurar reconfortá-la quem sabe até com uma sessão de sexo. Em vez disso, o homem resmunga, vai até a geladeira pegar outra cerveja e se aboleta no
  • 27. sofá para ver futebol na TV. Não lhe passa pela cabeça que sua mulher está falando em código. Sentada sozinha na cama, a mulher acaba desistindo e caindo no sono, com uma sensação de rejeição e desamor. Reclamações constantes apenas mascaram um problema maior de comunicação. Quando a mulher aprende a dizer direta e serenamente o que quer, o homem responde mais positivamente. A mulher tem de entender que o funcionamento do cérebro masculino é comparativamente mais simples e que os homens raramente conseguem adivinhar o que suas esposas e parceiras realmente pretendem para além das - palavras efetivamente ditas. Quando os dois se dão conta disso, a comunicação melhora e acaba a necessidade da rabugice - do excesso de reclamação ineficaz. Soluções para a rabugice: dizer o que sente Um homem jamais lhe dirá que se sente diminuído quando você critica o seu comportamento. Nem dirá que fustigá-lo com reclamações lhe causa os mesmos problemas que ele costumava ter com a mãe quando era adolescente. E nunca lhe dirá que acha você sexualmente tão desinteressante quanto a mãe dele. Quando descobre que você não confia em sua capacidade de tomar decisões acertadas, ele fica se achando um fracasso, alguém que nunca conseguirá satisfazer suas expectativas. E se cala. Mesmo que vocês conversem bastante, isso não significa que estão conseguindo transmitir corretamente suas mensagens. Quase todos os problemas de relacionamento, como infidelidade, ofensas físicas ou verbais, monotonia, depressão e rabugice são o resultado de problemas de comunicação. Raramente a mulher pergunta: "Por que ele não fala mais comigo?" O homem, por sua vez, mesmo que pense "Minha mulher não sente mais atração por mim", nunca discute o problema com ela. Se sua mulher está sempre reclamando, é porque está tentando lhe dizer alguma coisa que você não está ouvindo, e portanto vai continuar falando até você ouvir. Você, por sua vez, não escuta porque ela não está lhe transmitindo o problema da forma correta. Como dissemos, as mulheres costumam abordar seus homens de uma forma equivocada, usando linguagem indireta. Uma noite, Daniel chega tarde em casa vindo do trabalho e encontra sua esposa Sue esperando com cara de poucos amigos. Antes de ele ter chance de dizer qualquer coisa, ela se lança ao ataque: Sue: "Você não tem consideração! Por que é que chegou tão tarde outra vez? Eu nunca sei onde você está! O jantar ficou frio - você só pensa em você o tempo todo! Daniel: "Não grita comigo. Você está reclamando e exagerando como sempre! Eu trabalho até tarde para nós termos dinheiro e conforto... mas para você isso não basta!" Sue: "Você é
  • 28. mesmo egoísta! Que tal colocar sua família em primeiro lugar uma vez na vida? Você nunca faz nada nesta casa - espera que eu faça tudo!" Daniel (se afastando): "Larga do meu pé! Estou morto, quero descansar. Você só sabe reclamar comigo o tempo todo." Sue (furiosa): "Ah, então é assim! Vai logo saindo de fininho, não é? Agindo que nem criança outra vez. Sabe qual é o seu problema? Você está sempre fugindo das coisas, nunca quer falar sobre elas!" Em vez de comunicar o que realmente sentia através de um discurso direto, Sue expressou sua hostilidade de forma indireta, levando Daniel a adotar um comportamento defensivo. Depois que Daniel entra com posição defensiva, a comunicação se interrompe, impedindo que a situação se esclareça. Nenhum dos dois está escutando nem prestando atenção. Sue repete a mesma mensagem o tempo todo e Daniel sempre se omite, achando que ela não passa de uma insuportável rabugenta. Simplesmente eles estão deixando de dizer como realmente se sentem. E seus problemas só tendem a piorar. Soluções para a rabugice: a técnica do "Eu" Para conseguir a atenção de Daniel, a primeira coisa que Sue deve fazer é evitar partir para cima dele, colocando-o na defensiva. Ela pode usar a técnica do "Eu", em vez de usar o tempo todo a palavra você. Eis aqui algumas frases do tipo você, usadas por Sue, que deixam Daniel profundamente irritado: - Você não tem consideração! - Você é um egoísta! - Você está outra vez agindo como criança! - Você sabe muito bem qual é o seu problema! - Você está sempre fugindo! A língua do "você" é de ataque, e sempre coloca o outro na defensiva. É como se Sue fosse um promotor, de dedo em riste na acusação. A técnica do "Eu" permite que ela comunique seus sentimentos a respeito do comportamento de Daniel, sem julgá-los. Esta técnica permite que você mantenha uma conversa normal com seu parceiro sem precisar brigar. Ela acaba com a discussão - para sempre. A técnica do "Eu" tem quatro partes. Ela descreve o comportamento do seu parceiro, sua interpretação desse comportamento, seus sentimentos e o impacto que esse comportamento tem
  • 29. sobre você. Eis como Sue poderia lidar com Daniel, falando o mais suavemente possível: Sue: "Daniel, você está chegando tarde a semana inteira e não me telefona para avisar [comportamento]. Está havendo algum problema, você está saindo com alguém? [interpretação]. Eu estou começando a achar que você não se interessa e nem gosta mais de mim. Com isso eu fico magoada [sentimentos]. Quando isso acontece, eu fico louca de preocupação com o que pode ter acontecido [conseqüências]." Daniel: "Sue, me desculpe. Eu não imaginava que você estivesse se sentindo assim. Eu não estou evitando você. Eu gosto de você de verdade. E (eu) não estou saindo com ninguém, querida. Eu tenho andado tão atarefado no trabalho ultimamente, tenho trabalhado tanto, que estou ficando estressado. Quando chego em casa, [eu] estou tão cansado que preciso de um tempinho para mim mesmo. Eu não quero que você se sinta assim, e (eu) prometo que daqui em diante (eu) vou telefonar para você toda vez que tiver de ficar no trabalho até mais tarde." A técnica do "Eu" é poderosa porque reduz a atitude de defesa, aumenta a sinceridade e esclarece os sentimentos de todos. É quase impossível irritar alguém com essa técnica. No exemplo acima, as mensagens de Daniel e Sue foram claramente comunicadas, resolvendo o problema. As declarações do tipo "Eu" funcionam melhor quando são expressas na hora adequada, da maneira adequada e no tom de voz adequado. portanto, respire fundo algumas vezes, espere até sua raiva aplacar e o outro ter condições de ouvir. Soluções para a rabugice: Deixar o homem olhando a fogueira por uns trinta minutos Quando o homem primitivo voltava para a caverna, depois de um exaustivo dia de caçada para alimentar a família, precisava ficar uns trinta minutos olhando a fogueira, sem falar, para recobrar as energias. O mesmo acontece com um homem que chega tarde do seu trabalho: precisa de um tempo para se recuperar. A maioria das mulheres, porém, quer falar imediatamente. Eis aqui como aplicar essa técnica. Daniel: "Querida, eu tive um dia realmente longo e difícil-me dá meia hora para eu poder assentar a poeira e relaxar? Eu prometo que depois converso com você." Sue: "Meu bem, eu preciso conversar com você sobre o que aconteceu hoje. Quando é que vamos poder falar?" Se Daniel concorda com uma determinada hora (e a respeita) e Sue espera enquanto ele "olha a fogueira", não há discussão, não há tensão e ninguém se sente intimidado. Soluções para a rabugice: quem treina quem? Parte da responsabilidade dos pais consiste em lembrar, per-suadir e até exigir das crianças determinados comportamentos com vista à sua segurança, seu bem-estar e seu sucesso na vida. Mas em que ponto o exercício dessa responsabilidade se converte em rabugice? E de quem é a
  • 30. culpa, se em casa há um pai ou uma mãe reclamando o tempo todo: da criança desobediente ou da mãe ou do pai rabugentos? A resposta correta é: do pai ou da mãe. Os pais condicionam o padrão de comportamento da criança. Se o padrão dos pais é lembrar, insistir e pedir várias vezes antes de a criança atender, ela aprende que não é necessário atender ao primeiro chamado. Dessa forma, a criança treina o responsável para ficar repetindo a exigência e, no fundo, acha que ele não quer que a exigência seja cumprida. Para você, responsável, este é um círculo vicioso. Quanto mais você repete e reclama, mais a criança resiste. Quanto mais você se frustra com a desobediência dela, mais enfático e zangado fica. Aí a criança começa a se ressentir dessa zanga porque realmente acha que não fez nada de errado. Fica confusa e frustrada. O que começou como um simples pedido de "Venha jantar!" vira uma guerra. A relação pais rabugentos/filhos desobedientes pode ser facil-mente corrigi da. Tudo de que vocês precisam é disciplina e firmeza - com vocês mesmos, bem entendido, não com a criança. Sejam firmes com vocês mesmos, não apenas com seus filhos. Prepare-se para não ceder numa situação específica durante trinta dias sem vacilar. Diga aos seu filhos que você vai pedir a cooperação deles uma única vez, e que, se eles não atenderem, a escolha é deles próprios. Indique então as conseqüências da desobediência. Por exemplo: "Jade, eu quero que você pegue a sua roupa suja do chão do quarto e coloque no cesto. Se você não colocar lá, ela não será lavada." É aqui que a autodisciplina e a firmeza entram em cena. Quem vai ceder primeiro? Se você ceder e recolher a roupa, vol-ta ao ponto de partida. Se tiver auto disciplina e firmeza, deixará a roupa suja acumular e não dará ouvidos às queixas de falta do que vestir. Pode parecer cruel, mas você estará ensinando hábitos responsáveis, sem falar que terá uma casa mais feliz. E os futuros parceiros de seus filhos não irão reclamar de seus maus hábitos. O comportamento dos filhos é o resultado direto do treina-mento dado pelos pais, para o bem e para o mal. Não reclame com eles - treine-os Se você percebe que está o tempo todo reclamando com uma pessoa, isso quer dizer que essa pessoa treinou você para fazer o que ela quer que você faça. Em outras palavras, ela está criando as regras e você está obedecendo. Digamos, por exemplo, que você pede mil vezes a alguém para não largar a toalha molhada no chão do banheiro, e a pessoa continua fazendo a mesma coi-sa. Então você acaba recolhendo as toalhas usadas porque não gosta de bagunça no banheiro e porque acha que, se você não pegar, ninguém vai pegar e não haverá mais toalhas secas para usar. O que acontece neste caso é que a outra pessoa sabe que no final você vai
  • 31. acabar pegando a toalha - basta ela agüentar as suas reclamações, o que é um preço provavelmente pequeno a pagar. Portanto, você se deixou treinar pela outra pessoa. Eis como reverter a situação: dê uma toalha limpa - de preferência de cores diferentes - a cada criança e/ou adulto da casa e diga-lhes que essa é a sua toalha pessoal, pela qual eles têm de ser totalmente responsáveis. Diga-Ihes que, se alguma toalha suja ou molhada for deixada no chão, você vai apanhá-la porque não gosta de bagunça no banheiro e isso infringe o seu direito de ter uma casa limpa. Diga-lhes que vai colocar a toalha do infrator no quintal, em cima do muro, na casa do cachorro ou debaixo do travesseiro dele. Na primeira vez que você aplicar essa tática haverá gargalhadas, confusão e protestos. Siga em frente e leve até o fim o seu propósito, do contrário você continuará sendo a pessoa treinada. Digamos, por exemplo, que da próxima vez que isso acontecer você coloca a toalha molhada no fundo do armário das vassouras. Quando o infrator for tomar banho, irá descobrir como é desagradável se enxugar com uma toalha úmida e fedorenta. Duas ou três vezes bastam para ele ser treinado a recolher e pendurar sua toalha. A mesma técnica funciona com meias sujas, roupa de baixo e qualquer coisa que você não queira ver joga-da pela casa. Com essa técnica, você se torna o treinador e não ° treinado, e as reclamações não serão mais necessárias. Se, no entanto, você seguir recolhendo as coisas de todo mundo, terá optado por continuar sendo a pessoa treinada e perderá o direi-to de reclamar com quem quer que seja por deixar as roupas espalhadas pelo chão. Soluções para a rabugice: um estudo de caso com crianças Cameron, treze anos, recebeu a incumbência de levar o lixo para fora toda quarta-feira à noite. Ele costumava dizer que levaria o lixo depois do jantar, ou depois que acabasse o filme, ou assim que saísse do banho, mas sempre esquecia de faze-lo. Semana após semana, o cheiro de comida estragada ia se espalhando pela casa à medida que o lixo se amontoava. A mãe deixou de pedir e passou a reclamar. A família toda já não supor-tava as reclamações e não agüentava mais sentir o cheiro de lixo. Mas Cameron não estava nem aí - ele simplesmente esquecia e pouco se importava com as reclamações. Finalmente, a mãe de Cameron se deu conta de que o filho a havia treinado para reclamar e resolveu reagir. Disse- lhe que, como ele não cumpria com sua responsabilidade de levar o lixo para fora, toda a família estava sofrendo com o cheiro de comida estragada. E comunicou as conseqüências que ele iria sofrer por sua desobediência: o lixo que não fosse levado para fora seria colocado em seu quarto. Já que ele não se incomodava com o cheiro de comida estragada, não teria problema de dormir com ela. A coisa lhe foi apresentada de maneira divertida, relaxada, não-agressiva. A família mal pôde esperar a noite de quarta-feira. Como de hábito, Cameron esqueceu de levar o lixo. Na noite seguinte, quando puxou o lençol para deitar na cama, ele a encontrou
  • 32. cheia de lixo estragado. O quarto fedia! O custo dessa lição foram alguns lençóis sujos e fedorentos que Cameron foi obrigado a lavar - ele sabia as conseqüências. Mas nunca mais esqueceu de tirar o lixo. Como entender uma rabugenta Se a vítima for honesta consigo mesma, admitindo que existe alguma verdade nas reclamações da rabugenta e reconhecendo que a rabugice é geralmente um grito por reconhecimento, o problema pode ser rapidamente transformado em uma situação em que todos ganham. Sentir-se importante é a maior necessidade da natureza humana. As pesquisas têm demonstrado, inúmeras vezes, que as pessoas que trabalham o dia inteiro, que têm a sua contribuição e o seu esforço reconhecidos, reclamam menos do que aquelas que passam longos períodos dentro de casa, isoladas de outros adultos. Do mesmo modo, as donas-de-casa que realmente gostam do que fazem, que sentem orgulho de manter um lar limpo e confortável, de preparar uma comida boa e saudável e dar carinho para a sua família, também não costumam reclamar - desde que recebam a gratidão e o reconhecimento devidos. Os rabugentos são geralmente pessoas que executam trabalhos monótonos e repetitivos ou que se ressentem de estar isolados em casa. Para algumas mulheres, lavar a roupa, limpar os tapetes, fazer as camas, fazer as compras e cozinhar, não vendo sentido maior no que fazem, pode entorpecer a mente depois de um ou dois anos. Se acrescentamos a este coquetel filhos mal-criados que desfazem em dez minutos o trabalho de um dia inteiro, temos uma pessoa que vai recorrer à rabugice para chamar a atenção e tentar fazer com que as outras pessoas se sintam tão infelizes quanto ela. Quando o fundamento da reclamação é verdadeiro, a vítima tem de admitir a sua parcela de responsabilidade pela rabugice. A rabugice é o resultado da falta de comunicação. O desafio da vítima Para atingir uma situação onde todos vencem, as duas partes precisam querer e dividir a responsabilidade pela mudança. A vítima das reclamações deve reconhecer e aceitar que tem de COntribuir para a solução do problema. A tendência da vítima é desenvolver um comportamento agressivo ou omisso, o que torna as coisas mais difíceis. Ela ignora a rabugenta, tenta gritar ainda mais alto, sai da sala ou da casa e inventa desculpas para não atender os seus pedidos. A vítima não reflete sobre sua parcela de responsabilidade, até porque está infernizada pelas reclamações, e coloca toda a culpa sobre a rabugenta. A única saída é parar e fazer uma auto-avaliação, vendo na rabugice um pedido de socorro: - Você está ouvindo a outra pessoa? - Você entende a frustração da outra pessoa? - Você exibe superioridade, fazendo-a sentir-se desvalorizada? - Você reconhece as
  • 33. realizações da outra pessoa? - Você se recusa a dividir o trabalho doméstico porque acha que quem traz o dinheiro merece ficar em casa numa boa? - Você é absolutamente preguiçoso e imprestável? - Existe alguma raiva profunda que alimenta a sua má-vontade de entender os problemas do outro? - Você quer ser feliz? Se você quer realmente ser feliz, sente-se capaz de sentar com a outra pessoa e falar sobre os problemas de vocês? O desafio da rabugenta Se você é rabugenta, já parou para pensar que o outro pode não ter capacidade de atender os seus pedidos? Você está se comportando como se fosse a mãe autoritária dele? Exige que ele atenda imediatamente seus pedidos e reclamações, independente das necessidades dele naquele momento? Você repete o tempo todo as suas demandas? - Se sua resposta para qualquer dessas perguntas é sim, sente-se com o outro e comuniquese usando a língua do "Eu". - Diga-lhe o que está deixando você frustrada. - Faça um acordo do melhor horário para as suas solicitações. - Pare de ficar se repetindo. - Afirme suas necessidades e sentimentos e ouça atentamente a resposta de seu marido. - Procure saber a opinião dele. Talvez ele tenha uma idéia melhor. - Evite frases acusatórias do tipo "Você", que produzem resistência no outro. - Qual será a solução ou as conseqüências no caso de ele não modificar seu comportamento negligente? - O que você está fazendo para melhorar sua auto-imagem? - Você se gratifica sempre que atinge seus objetivos? - Você quer ser feliz? Para muitas pessoas, reclamar pode se transformar num hábito, um meio de se comunicar que faz delas pessoas emburradas, infelizes e ressentidas com aqueles que deveriam ser uma fonte cotidiana de alegria, calor e apoio. Mas as coisas não precisam ser assim. Seguindo nossas estratégias simples, você pode construir um futuro muito mais feliz e amoroso para ambos. Capítulo 2
  • 34. SETE COISAS OUE OS -HOMENS FAZEM DEIXANDO AS MULHERES LOUCAS Não é fácil dizer o número de características irritantes que as mulheres vêem nos homens, mas, pelas cartas que recebemos de mais de cinco mil leitoras, chegamos às sete perguntas que as mulheres fazem com maior freqüência sobre os homens. - Por que os homens oferecem soluções e dão conselhos o tempo todo? - Por que os homens ficam passeando pelos canais de TV com o controle remoto? - Por que os homens não param o carro para pedir orientação? - Por que os homens insistem em deixar o assento do vaso sanitário levantado? - Por que os homens criam tanto problema para ir fazer compras? - Por que os homens têm hábitos pessoais tão desagradáveis? - Por que os homens gostam de piadas grosseiras? Esses hábitos dos homens que as mulheres classificam de "maus" pertencem a duas categorias: os que eles aprenderam em sua criação e os que estão relacionados com a programação do cérebro masculino Mas ambos são passíveis de solução. Todo mundo pode ser reeducado, basta saber como fazê-lo. Por que os homens oferecem soluções e dão conselhos o tempo todo? "O meu marido está me irritando imensamente com a sua mania de querer arranjar solução para tudo. Ele vive me dando conselhos sobre como lidar com todos os problemas da minha vida - mesmo que eu não queira! Quando eu só quero falar sobre meu dia e meus sentimentos, ele fica me interrompendo para dizer o que eu devo fazer, pensar e dizer. Ele é o máximo para resolver problemas quando se trata de "coisas" - torneiras pingando, lâmpadas queimadas, defeitos no carro e no computador e coisas assim -, mas quando se trata de me ouvir, ele simplesmente não funciona. E se eu não sigo seus "conselhos", ele fica aborrecido.
  • 35. Karen 'Quase Louca'." Para saber por que o homem insiste em dar soluções para toda e qualquer situação, é necessário conhecer algumas características do modo de operação do cérebro masculino. Desde as eras mais primitivas, o macho evoluiu como caçador. A capacidade de atingir alvos móveis, fundamental para que todos pudessem se alimentar, foi sua grande contribuição para a sobrevivência da raça humana. Ele necessitava de precisão para atingir a presa e eliminar os inimigos que lhe disputavam a comi-da e ameaçavam sua família. Em conseqüência, desenvolveu-se em seu cérebro uma área denominada "visual-espacial" que lhe permite realizar com sucesso toda a sua razão de viver: atingir objetivos e resolver problemas. Os homens se tornaram pessoas direcionadas para os resultados e medem o próprio sucesso pelas realizações e pela capacidade de resolver problemas. Em suma, os homens se definem e se auto-avaliam segundo sua capacidade de resolver problemas. O homem se valoriza pelos resultados que é capaz de alcançar ou pela precisão com que consegue atingir uma zebra em movimento. Todo homem acha que é a única pessoa capacitada para resolver os próprios problemas e por isso não acha necessário discuti-los com ninguém. Ele só pede ajuda a outra pessoa quando sente necessidade de uma opinião especializada, e considera que assim está dando um inteligente passo estratégico. O homem a quem ele pede opinião, por sua vez, se sente honrado com a consulta. Quando um homem pede conselho a outro homem, aquele que dá o conselho encara a consulta como um elogio. Por isso, quando a mulher oferece um conselho que o homem não pediu, ele sente como se ela declarasse que o considera incompetente, incapaz de resolver seus problemas. Para o homem, pedir conselho é uma demonstração de fraqueza, pois ele acha que deveria resolver seus problemas sozinho. É por isso que ele raramente fala a respeito das coisas que o preocupam. Ele adora oferecer soluções e conselhos aos outros, mas conselhos não solicitados, especialmente se partem de uma mulher, não são bem-vindos. Por que as mulheres se aborrecem com as soluções masculinas? O cérebro da mulher está estruturado para a comunicação por meio da fala, e o principal propósito da fala é um só: falar. Na maior parte das vezes, ela não está procurando respostas e muito menos pedindo soluções. Eis aqui o problema da maioria dos casais: à noite, ela geralmente quer falar sobre os acontecimentos do dia e compartilhar seus sentimentos, mas, como ele pensa que ela está trazendo seus problemas para ele resolver, começa a oferecer soluções. Ela se chateia porque ele não presta atenção no que ela está
  • 36. dizendo e ele fica zangado porque ela não aceita as suas soluções. "Por que você não cala a boca e escuta?", ela reclama veementemente enquanto se dirige para a porta. "Se você não quer a minha opinião", ele grita de volta enquanto a porta bate, "não peça!" Cada um acha que o outro não dá valor ao que está dizendo. A mulher quer apenas que o homem a ouça com interesse, mas ele pensa que ela está lhe pedindo uma solução. Ele acha que está sendo atencioso e amoroso quando procura resolver os problemas da mulher. Ela pensa que ele é indiferente ou está ignorando seus sentimentos ao não escutar. Estudo de caso: Sarah e Andy Sarah teve um dia difícil no trabalho: o chefe ficou marcando em cima, ela foi censurada por um erro administrativo, perdeu a carteira e quebrou uma unha. Ela sente que seu mundo está desmoronando e quer conversar com Andy sobre o assunto quando chegar em casa. Ela prepara um bom jantar na expectativa de que terão uma conversa longa e franca enquanto comem. Ele será amável e simpático. Ela poderá abrir o coração com alguém que gosta dela, sabendo que depois vai se sentir muito melhor. Ela quer .que ele escute, que a faça sentir-se amada e compreendida e que transmita a convicção de que ela será capaz de resolver seus problemas. Mas Andy também teve um dia difícil. Encerrou o expediente com vários problemas importantes ainda pendentes, que terá de resolver antes de voltar para o trabalho no dia seguinte. No caminho de casa, sua mente continua trabalhando em busca de soluções. Sarah lhe telefonou contando que teve um dia ruim, mas ele realmente precisa de um tempo para resolver seus próprios problemas. Ele chega em casa, dá um rápido "oi" a Sarah e vai para a sala assistir ao noticiário da TV. Ela dá uma olhada na comida e diz que o jantar estará pronto em quinze minutos. Ele pensa: "Ótimo! Quinze minutos de sossego antes de comer." Sarah pensa: "Ótimo! Quinze minutos para ir conversando antes do jantar." Sarah: "Como foi o seu dia, querido?" Andy: "Bem." Sarah: "Eu tive o pior dia da minha vida, não estou agüentando mais!" Andy (ainda com um olho nas notícias} "Você não está agüentando mais o quê?" Sarah: "O meu chefe está me criando o maior problema. Quando cheguei para trabalhar de manhã, ele disse cobras e lagartos do meu trabalho e quis saber por que eu não tinha ainda terminado a nova campanha de publicidade. Depois me disse que queria ela pronta no fim da semana e que estava agendando com o cliente uma reunião na segunda-feira para ver o trabalho. Quando eu tentei explicar que a campanha não estava pronta porque ainda estou trabalhando no projeto Seinfield, que ele me tinha dito que era urgente, e que eu não teria como terminar os dois projetos nesse prazo, ele me interrompeu dizendo que não queria mais ouvir desculpas e que
  • 37. queria a campanha na sua mesa antes de eu encerrar o expediente na sexta-feira. Dá pra acreditar? Ele simplesmente não me ouviu... (ficando danada da vida) ... aí mudou de assunto e disse que me veria às seis da tarde de sexta-feira para examinar os problemas de última hora. Tive vontade de ir embora. Eu acho que não agüento mais isso..." Andy: "Olha, Sarah, é simples... o que você tem de fazer é se defender, dizer a ele que você não pode terminar os dois projetos ao mesmo tempo e perguntar qual dos dois ele quer primeiro. Amanhã você vai lá e diz a ele que esse prazo é impossível, que ele vai precisar ajustá-lo ou colocar alguém para ajudar você com os dois projetos." Sarah (ficando emotiva} "Eu não posso acreditar no que estou ouvindo! Estou falando com você sobre o chefe que fica me dando ordens e não me ouve, e você começa a dizer tudo o que eu tenho de fazer. Não dá pra você simplesmente me ouvir? Estou cheia de homens que sempre sabem de tudo." Andy: "Saraaah! Se você não quer a minha opinião, não me venha falar de seus problemas. Resolva-os você mesma e pare de se queixar comigo! Eu já tenho problemas suficientes que, por sinal, sempre resolvo sozinho!" Sarah (quase chorando} "Ah, é? Então vá se danar! Eu arranjo outra pessoa que me escute e que não vai ficar me dizendo o que eu fiz de errado! Você cuida do seu jantar! Eu vou sair e não sei a que horas volto!" Para homens e mulheres do mundo todo, esta é uma cena bastante comum. No final, Sarah se sente abandonada, desamada e ferida. Andy se sente desvalorizado e perplexo, porque Sarah criticou justamente a sua maior aptidão: resolver problemas. Como Andy poderia ter lidado com a situação Vamos retroceder a fita e ver como Andy podia ter evitado uma noite tão ruim. Sarah: "Como foi o seu dia, querido?" Andy: "Foi bom. Tenho alguns problemas de trabalho para resolver de manhã, mas vou ficar melhor depois que puder pensar um pouco neles." Sarah: "Eu tive o pior dia da minha vida, não estou agüentando mais!" Andy: "Ah, meu amorzinho, quero que você me conte tudo o que aconteceu, mas antes me dê uns quinze minutinhos para eu resolver meus problemas de trabalho. Durante o jantar vou ouvi-la com a maior atenção e carinho." Sarah: "Está bem... eu chamo você quando o jantar estiver pronto. Quer um drinque agora?" Andy: "Obrigado, querida... Eu adoraria." Ao pedir quinze minutos e obtê-los, Andy tem agora tempo e espaço para "sentar-se diante da fogueira" e pensar nos seus problemas. Sarah se sente confiante e feliz, porque ele lhe dará toda a atenção durante o jantar. Ela vai poder desabafar e se sentir melhor com a vida. Eis
  • 38. como foi o jantar: Sarah: "Meu chefe está me criando o maior problema. Quando cheguei para trabalhar hoje de manhã, ele disse cobras e lagartos do meu trabalho e quis saber por que eu não tinha terminado a nova campanha publicitária. Aí, ele me disse que queria ela pronta no fim da semana e que estava agendando com o cliente para vir na segunda-feira ver o nosso trabalho. Quando tentei explicar que a campanha não estava pronta porque eu ainda estou trabalhando no projeto Seinfield, que ele me tinha dito que era urgente..." Andy (com uma expressão de interesse) "Querida, mas que coisa terrível! Será que ele não sabe que você anda trabalhando à beça? Você parece tão estressada..." Sarah: "Você nem sabe como eu ando estressada! Bem, mas aí eu comecei a explicar que a campanha não foi terminada porque o projeto Seinfield consome muito tempo. Mas no meio da minha explicação ele simplesmente me interrompeu dizendo,que não queria mais ouvir desculpas e queria a campanha na sua mesa na sexta-feira, antes do fim do expediente! Dá pra acreditar?" Andy (demonstrando interesse e resistindo a dar conselhos) "Parece que ele está realmente criando um problema bem difícil para você..." Sarah: "Ele simplesmente não me escutou... mudou de assunto e disse que me veria às seis da tarde na sexta-feira para tratar de alguma mudança de última hora. Eu estou tão estressada que tenho vontade de ir embora..." Andy (abraçando-a) "Que dia difícil você teve, querida. O que é que você pretende fazer?" sarah: "Vou pensar no assunto esta noite, acordar cedo de manhã e, se não tiver nenhuma boa idéia, eu gostaria realmente que você me ajudasse a achar uma solução. Estou cansada e estressada demais, mas fiquei muito feliz de poder contar para você. Obrigada por me ouvir, querido. Estou me sentindo muito melhor agora..." Ao não oferecer soluções imediatas, Andy evitou uma discussão, ganhou um drinque e não acabou dormindo sozinho no sofá da sala. E Sarah, ao dar a Andy um tempo para ele mesmo, evitou as discussões habituais e se sentiu feliz consigo mesma e com a vida. Quando você quer fazer negócio com o sexo oposto Homens e mulheres fazem negócios de maneira muito diferente, e quando as duas partes não entendem plenamente o que isso implica, o seu relacionamento comercial pode vir a ser financeiramente desastroso. A mulher, antes de começar a tratar de negócios, tem necessidade de estabelecer um relacionamento com o homem, conversar sobre diversos assuntos, às vezes num nível bastante pessoal, para ver que tipo de pessoa ele é, e se é confiável. Muitos homens têm um entendimento equivocado desse comportamento. Alguns chegam a pensar que ela está lhe dando papo por motivos sexuais ou, na melhor das hipóteses, supõem que ela está pedindo conselhos sobre como resolver seus problemas. Aí
  • 39. eles se sentem no direito de oferecer soluções e dizer o que ela deve fazer. A mulher se ressente muito disso. O mais provável é que ela classifique o homem como uma pessoa que não escuta e que não lhe dará a devida atenção no caso de fazerem negócios jun-tos. Passa a tratá-lo com reservas, deixando-o confuso e aturdi-do com o mau funcionamento de seu relacionamento comercial. O homem precisa entender que, até nos negócios, é mais fácil lidar com uma mulher quando ela primeiro estabelece uma ligação pessoal. E a mulher precisa entender que o homem se sente desconfortável discutindo assuntos pessoais e por isso prefere passar direto aos negócios. Quando as duas partes se compreendem, tornam-se muito mais propensas a assumir compromissos - o que a longo prazo leva a um relacionamento comercial muito mais consistente. Como evitar discussões com o sexo oposto Quando a mulher está tensa e preocupada, precisando conversar, o melhor e mais simples é dizer ao homem: "Eu preciso conversar com você sobre várias coisas. Não preciso de soluções, só quero que você ouça." Com essa abordagem, o homem fica satisfeito e sabendo exatamente o que ela espera dele. Solucão Quando a mulher fala e o homem não sabe se ela está pedindo soluções ou apenas desabafando, basta perguntar: "Você quer que eu ouça ou quer que eu ajude a encontrar soluções?" Dependendo do que ela disser, ele saberá como comportar-se. Em geral, a mulher quer ser ouvida, não aconselhada. No paraíso, cada homem tem três controles remotos e os assentos do vaso sanitário ficam sempre levantados. Resumindo: conselhos são percebidos de maneira diferente por homens e mulheres. Para o homem, dar conselhos é ser atencioso e demonstrar amor, mas a mulher pode interpretá-los como prova de que o homem não está disposto a ouvi-Ia. A lição aqui é simples e definitiva: para o homem, ouvir com empatia, principalmente quando a mulher se mostra preocupada, e, caso não esteja seguro do que ela deseja, perguntar. Para a mulher, deixar claro o que espera do homem com quem está desabafando. Por que os homens ficam passeando pelos canais de TV com o controle remoto? Controle remoto. Definição feminina: Aparelho que serve para mudar de um canal da TV para outro. Definição masculina: Aparelho que serve para percorrer todos os 55 canais a cada dois minutos e meio.
  • 40. Durante milhares de anos o homem passou parte da noite olhando a fogueira depois de voltar da caçada. Ele se sentava entre os companheiros, em estado de transe, e ficava longos períodos sem se comunicar. Os companheiros nunca lhe pediam para falar ou participar. Para o homem, esta é uma forma eficiente de aliviar o estresse e de recarregar as baterias para as atividades do dia seguinte. O homem moderno ainda olha para a fogueira no fim do dia, mas agora recorrendo a jornais, livros e controles remotos. Certa vez, quando estávamos no longínquo delta do Okavango, ao norte do deserto de Kalahari, no sul da África, notamos uma antena movida a energia solar em cima de uma cabana da aldeia. Entramos e vimos um grupo de mateiros do Kalahari, vestidos de tangas, na frente da televisão, com um controle remoto passando de mão em mão, cada um esperando a sua vez de ficar passeando pelos canais. As mulheres de todo o mundo têm uma aversão especial pelo hábito masculino de ficar mudando de canal. Ao fim de um longo dia, a mulher gosta de relaxar assistindo a um programa de televisão, de preferência uma novela cheia de relacionamentos e cenas de emoção. O cérebro da mulher está estruturado para interpretar as palavras e a linguagem corporal dos atores, ela gosta de prever os resultados das situações e também de assistir aos comerciais. Para o homem, porém, ver televisão é um processo totalmente diferente, que existe para satisfazer dois impulsos principais. Por ter o cérebro orientado para a resolução de problemas, ele está interessado em chegar o mais rápido possível às conclusões. Passeando pelos canais, ele analisa os problemas de cada programa e reflete a respeito das soluções cabíveis. Em segundo lugar, o homem gosta de esquecer seus problemas vendo os problemas dos outros, o que é uma das explicações para o fato de a quantidade de homens que assistem aos noticiários da TV ser seis vezes maior que a de mulheres. Como a mente do homem só é capaz de fazer uma coisa de cada vez, olhar os problemas das outras pessoas sem se sentir responsável por eles lhe permite esquecer as próprias preocupações. Trata-se, pois, de uma forma de aliviar o estresse, assim como navegar pela Internet, consertar o carro, regar as plantas, fazer ginástica ou a opção quase sempre favorita, fazer sexo. Concentrado em uma coisa, o homem consegue esquecer seus problemas e se sentir em paz consigo mesmo. Os homens não querem saber o que está passando na televisão, eles querem saber o que mais está passando na televisão. Quando uma mulher está preocupada com um problema, dedicar-se a qualquer uma dessas atividades não faz a menor diferença - o problema continuará preocupando a sua mente, capaz de ocupar-se de vários assuntos ao mesmo tempo. Ela precisa falar sobre o problema para obter algum alívio. Essa diferença básica entre os sexos é uma freqüente fonte de problemas. A mulher tenta conversar com o homem justamente na hora em que ele está lendo o jornal ou navegando pelos
  • 41. canais. Como ele não responde ao que ela fala, ela desafia, perguntando: "Qual foi a última coisa que eu disse?" Para sua frustração, ele geralmente é capaz de dizer. Ele escutou a falação da mulher, mas, com o cérebro ocupado na tarefa de ler o jornal, não estava realmente ouvindo nem analisando o que ela dizia. Apenas lembrava as palavras dela. A mulher costuma acusar o homem de estar a quilômetros de distância quando ela tenta conversar. Isso o deixa confuso, pois ele acha que sua mera presença física é suficiente. A mulher, porém, quer que ele esteja presente também emocionalmente. Ela se ressente da aparente desatenção do homem e a interpreta como desinteresse pela pessoa dela. O homem se ressente de não poder desfrutar um momento de ociosidade, mesmo depois de ter tentado oferecer soluções e ser rejeitado. Quanto mais a mulher insiste, mais o homem resiste. Quanto mais ele resiste, mais ressentida ela fica. A mulher precisa entender que olhar a fogueira é a forma que o homem tem de aliviar o estresse e, portanto, não deve tomar essa atitude em termos pessoais. Quando ele fala, é uma coisa de cada vez. O cérebro feminino, de trilhas múltiplas, permite que ela fale sobre uma diversidade de coisas, passadas, pre-sentes e futuras, todas ao mesmo tempo. O silêncio do homem não significa que ele não a ama. Significa que ele quer um momento de sossego. O homem, por sua vez, deve entender que a mulher precisa falar para desabafar e aliviar o estresse, sem preocupar-se em chegar a soluções. Solução Para resolver o problema do controle remoto, ela deve dizer ao homem, calmamente, que isso a perturba e pedir para ele por favor não o fazer quando ela estiver assistindo ao seu programa. E se não adiantar, ela deve considerar a hipótese de comprar o seu próprio aparelho de televisão e ir ver seu programa em outro cômodo. Por que os homens não param o carro para pedir orientação? Durante mais de 100.000 anos, os homens usaram o componente espacial de seu cérebro para rastrear a presa e atingir o alvo. Nesse período, eles aprenderam a arte de manter o senso de direção e reconhecer os caminhos para poder caçar a grandes distâncias sem perder o rumo de casa. Isso explica por que mais de um terço dos homens, quando entram pela primeira vez em uma sala sem janelas, consegue apontar o norte num raio de 90 graus, coisa de que somente uma em cada cinco mulheres é capaz. A explicação mais plausível para o senso de direção dos homens é a maior concentração de ferro no hemisfério direito do cérebro masculino, que lhes pennite sentir o norte magnético. Esta é a mesma habilidade que o homem utiliza para encontrar o lugar onde estava sentado num estádio de futebol, para localizar o carro num grande estaciona-mento e para retomar a um lugar onde esteve uma única vez.
  • 42. As fêmeas, defensoras dos ninhos e da prole, não se aventuravam sozinhas para além do horizonte, de modo que aprenderam a se guiar por meio de marcos - o senso de direção nunca foi uma necessidade nem parte de sua descrição de funções. Vendo uma árvore, um lago ou uma montanha, ela era capaz de se localizar e encontrar o caminho de casa. Esta é, portanto, a chave para o homem ensinar o caminho a uma mulher. Se ele disser "vá até a rua onde tem uma árvore enorme, depois siga em direção ao edifício cor-de-rosa ao lado do Banco Nacional, do outro lado da avenida", é provável que ela chegue ao seu destina. Mas se ele disser "pegue a terceira saída a oeste na Rodovia 23 e ande cinco quilômetros para o norte", ela pode desaparecer para sempre. Os homens nunca se perdem - só descobrem destinos alternativos. Para o homem, reconhecer que está perdido significa que fracassou em sua aptidão número um - achar o caminho. Ele preferiria ir para o pelourinho do que admitir para uma mulher que está perdido. Se você é mulher, está sentada no banco do carona e acaba de passar pela mesma garagem pela terceira vez, é importante não criticá-lo nem dar conselhos, sobretudo se não tem a intenção de ficar a pé. Solução Compre um mapa ou um guia e deixe-o no carro. Uma estratégia emergencial rápida e segura é dizer-lhe que você precisa muito ir ao banheiro, o que o obrigará a parar, de preferência, num posto de gasolina. Enquanto você está no banheiro, ele tem tempo de pedir orientação, fingindo que. está comprando alguma coisa. Ou talvez, dependendo da relação de confiança que já foi construída entre os dois, você pode dizer carinhosamente que está aflita para chegar ao destino e pedir-lhe para parar. Peça você a informação, mas se assegure que ele a ouça. Por que são necessários quatro milhões de espermatozóides para encontrar e fertilizar um único óvulo? Porque nenhum deles gosta de perguntar qual é o caminho. Por que os homens insistem em deixar levantado o assento do vaso sanitário? Até o final do século dezenove, os banheiros eram cubículos nos fundos das casas, do lado de fora. Sempre que uma mulher ia ao banheiro, levava consigo outra mulher, por segurança. O homem, porém, tinha de ir sozinho e se defender em caso de necessidade. Homens nunca urinavam em banheiros, mas nas moitas ou apoiados em objetos, hábito que os modernos herdaram de seus antepassados. É por isso que a gente raramente vê um homem urinando em campo aberto, mas sempre encosta-do numa parede ou numa árvore. Quando a descarga foi inventada no final do século dezenove, o banheiro se mudou para dentro das casas e dos estabelecimentos públicos. Mas a prática de ir ao banheiro em grupo permanece entre as mulheres. Nunca se ouvirá um homem dizer: "Ei, Fred, eu vou ao banhei-ro... Você não quer vir comigo?"
  • 43. Os homens, quando vão ao banheiro, nunca levam um grupo de apoio. Hoje em dia, todos os banheiros públicos têm instalações separadas para homens e mulheres, com assentos para as mulheres e mictórios fixados às paredes para os homens. As mulheres sempre sentam, mas os homens só sentam em 10-20% dos casos. As residências modernas são projetadas e construídas para acomodar igualmente homens e mulheres, mas os homens ficam em desvantagem, pois os banheiros domésticos acomodam sobretudo as necessidades femininas. Em casa, o homem tem de levantar a tábua para não molhar o lugar onde a mulher vai sentar. Mas quando esquece de abaixá-la de volta, é severamente criticado, o que deixa muitos homens bastante irritados. Por que é que as mulheres nunca se dão ao trabalho de levantar o assento para o homem? Na Suécia há um artigo de lei obrigando o homem a urinar sentado em banheiros públicos, por ser politicamente correto. Quando Deus terminou de criar o universo, viu que ainda faltavam duas coisas para serem divididas entre Adão e Eva. Uma, ele explicou, era um instrumento que permitiria ao seu possuidor urinar em pé. A dão ficou excitadíssimo e implorou a Deus que o deixasse para ele. Eva sorriu, benevolente, e disse a Deus que, se Adão o queria tanto, podia ficar. Então Deus o entregou a Adão, que imediatamente foi urinar numa árvore e desenhar uma figura na areia. E Deus viu que isso era bom. A seguir, Deus dirigiu-se a Eva. "Bem, eis aqui a outra coisa", disse, "eu acho que você pode ficar com ela. " "Obrigada", respondeu Eva. "Como se chama?" E Deus respondeu, sorrindo: "Orgasmos múltiplos. " Um de nossos leitores homens escreveu-nos para dizer como foi que ele e sua mulher enfrentaram o problema do assento do vaso sanitário: "As mulheres precisam entender que o pênis tem seus próprios desígnios. O homem pode entrar numa cabine de banheiro (quando todos os mictórios estão ocupados), mirar perfeitamente no meio do vaso sanitário, e mesmo assim o pênis consegue urinar em cima do rolo de papel higiênico, na perna esquerda da calça ou em cima do sapato. Eu falo sério, não dá para confiar nele. "Depois de 28 anos de casados, minha esposa agora resolveu me treinar. Não tenho mais permissão para urinar como homem em pé. Ela exige que eu urine sentado. E me convenceu de que este é um pequeno preço a pagar. Se ela for ao banheiro à noite e sentar outra vez na tábua molhada, ou cair dentro do vaso por-que eu deixei o assento levantado, ela me mata enquanto eu estiver dormindo." Na verdade, o homem não dá a menor importância para o fato de o assento estar abaixado ou levantado, mas pode se chatear com a mulher se ela lhe exigir autoritariamente que o deixe abaixado, em vez de pedir educadamente - ou abaixá-lo ela mesma. Solução Pedir ao homem que urine sentado poderá acarretar alguns problemas. Se o homem se recusar,
  • 44. talvez possa ser lembrado, de maneira calma e firme, que no mundo islâmico milhões de homens se sentam para urinar todos os dias - o que absolutamente não lhes compromete a masculinidade. Diz-se que o Profeta urinou em pé uma única vez na vida, num jardim onde era impossível sentar. Se isso não for suficiente para convencê-lo, simplesmente estabeleça novas regras domésticas. Passa a ser tarefa dele lavar o banheiro, o que significa passar um pano no chão diariamente para limpar todas as gotas extraviadas. Quem sabe isso possa tornar a posição sentada mais atraente? Se estiver ao seu alcance, a solução ideal é comprar uma casa com dois banheiros - um para ele, outro para ela - ou reformar a casa atual para criar um banheiro extra. Desta forma, cada um pode desfrutar o padrão de limpeza e higiene que lhe agrada, sem ter de se preocupar com o outro. Por que os homens criam tanto problema para fazer compras? A grande vantagem de ser homem é poder comprar dois temos, três camisas, um cinto, três gravatas e dois pares de sapatos em menos de oito minutos. E isso é roupa para durar mais de cinco anos. Ele é capaz de comprar presentes de Natal para toda a família em quarenta minutos, às quatro da tarde do dia 24, e sozinho ainda por cima. Para um homem, um par de sapatos, um terno e duas camisas duram anos, talvez décadas. E o melhor é que, por causa disso, a carteira dele dura muito mais. Para a maioria dos homens, fazer compras é uma atividade situada no mesmo plano de fazer exame de próstata com um médico de mãos frias. O psicólogo britânico Dr. David Lewis descobriu que o estresse que o homem experimenta durante as compras de Natal equivale ao de um policial lidando com a multidão enfurecida num distúrbio. Para a maioria das mulheres, ao contrário, fazer compras é uma das formas preferidas de aliviar o estresse. As razões disso são claras para quem já estudou a evolução diferenciada do cérebro masculino e feminino e compreendeu as suas respectivas programações. A vida primitiva do homem como caçador lhe deu uma espécie de "visão em túnel" que lhe permite mover-se diretamente do ponto A para o ponto B em linha reta. Os ziguezagues entre lojas e quiosques necessários ao que a mulher considera uma compra bem-sucedida deixam o homem extremamente ansioso, porque toda mudança de direção exige uma decisão consciente. A mulher, porém, com sua visão periférica mais ampla, ziguezagueia com a maior tranqüilidade em meio a um shopping center abarrotado de gente. Os homens evoluíram como criaturas que matavam sua presa e voltavam para casa. Hoje, é exatamente assim que os homens gostam de fazer compras. As mulheres fazem compras da forma como suas ancestrais catavam alimentos: saindo o dia inteiro com outras mulheres para um lugar onde uma delas se lembrava de ter visto crescendo plantas saborosas. Não tem de haver um objetivo ou diretriz específica, e