SALVADOR DOMINGO 11/5/2014B2 POLÍTICA
ELEIÇÕES 2014 Em 1998, 2006 e 2010, Salvador, Feira e Conquista cumpriram o
papel de...
of 1

eleição nas três maiores cidades da bahia

Published on: Mar 4, 2016
Source: www.slideshare.net


Transcripts - eleição nas três maiores cidades da bahia

  • 1. SALVADOR DOMINGO 11/5/2014B2 POLÍTICA ELEIÇÕES 2014 Em 1998, 2006 e 2010, Salvador, Feira e Conquista cumpriram o papel de ajudar os eleitos a disparar e vencer as disputas ainda em primeiro turno Candidatos cobiçam os três maiores colégios eleitorais DONALDSON GOMES Os candidatos vencedores nas quatro últimas eleições para o governo da Bahia con- seguirammaisdametadedos votos nos três principais co- légios eleitorais – Salvador, Feira de Santana e Vitória da Conquista – em três ocasiões. Em2002,únicaexceção,ogo- vernadoreleitonaépoca,Pau- lo Souto (DEM), perdeu nas cidades por 200 mil votos. Na maioria dos casos, em 1998, 2006 e 2010, Salvador, Feira e Conquista cumpriram o papel de ajudar os eleitos a disparar e vencer as disputas ainda em primeiro turno. Foi assim em 2010, quando Wagner disputou a reeleição e saiu vencedor das urnas com mais de quatro milhões de vo- tos. Pouco mais de um milhão saiu dos três centros urbanos. Agora, quando o governa- dor não terá o nome na urna pela primeira vez em 12 anos, os grupos que querem gover- nar a Bahia preparam as es- tratégias para ganhar essas três áreas. Em Salvador, onde foi o es- colhido por pouco mais de 64% dos eleitores, Wagner abriu mais de 620 mil votos de frente em relação ao se- gundo colocado. NascidadesdeFeiradeSan- tana e Vitória da Conquista, o governadormanteveafrente, embora com percentuais me- nores, de 50,6% e 49,5%, res- pectivamente. Um em cada quatro votos válidos na eleição de 2010 saiu das três cidades – únicas com mais de 100 mil eleito- res, e que por isso podem ter disputas de segundo turno em eleições municipais. Jun- tas, elas respondem por pou- co mais de 25% do total de eleitores. Isso em um estado com 417 municípios e dimensões con- tinentais já é motivo mais do que suficiente para despertar aatençãodequemdesejacon- quistar o direito de morar no Alto de Ondina e trabalhar no terceiro andar do prédio da Governadoria pelos próxi- mos quatro anos. Mas, além da concentração de eleitores, os representan- tes dos pré-candidatos ouvi- dos pela reportagem admi- tem que vencer, principal- mente na capital, terá um sa- bor especial. Estratégias Apesar de destacar a impor- tância de todas as cidades pa- ra vencer a eleição, o presi- dente do PT na Bahia, Eve- raldo Anunciação, diz que o pré-candidato governista, o deputado federal Rui Costa (PT), terá argumentos para convencer os eleitores das maiores cidades baianas a apoiá-lo. Ele lembra que o PT vinha de derrota nas eleições mu- nicipais em Salvador e Feira de Santana de 2008 e, ainda assim, o governador Jaques 64% foi o percentual de votos válidos que o governador Jaques Wagner (PT) recebeu em Salvador quando foi candidato à reeleição na última eleição estadual, disputada há quatro anos. Ele foi o candidato ao governo do estado mais votado na capital baiana por três eleições seguidas Wagnertevedesempenhopo- sitivo nos locais. “O fato de termos sido der- rotados nessas cidades não significa necessariamente que teremos um mau desem- penhodeRui.Nóstemosmais de R$ 8 bilhões em investi- mentos de mobilidade. Se a avaliação vai ser das ações, teremos um desempenho ex- traordinário”, aposta. Para Anunciação, o poder de transferência de votos dos prefeitos do DEM em Salva- dor e Feira de Santana não é tão certo quanto a oposição acredita. “O prefeito de Sal- vador(ACMNeto)foieleitono aperto, em segundo turno”. Entretanto, é exatamente emNetoenoprefeitodeFeira, Zé Ronaldo, que a oposição aposta para elevar os núme- ros de Paulo Souto, que há quatroanosteve198milvotos nacapitale70milemFeirade Santana. “Nósnãotínhamosumaes- trutura que nos permitisse sonhar com um resultado di- ferente naquela ocasião”, lembra o presidente do DEM baiano, José Carlos Aleluia. Agora, as fichas serão apos- tadasnasavaliaçõespositivas dos dois prefeitos. “ACM Neto é o nosso arquiteto político. Ele e Zé Ronaldo, que faz um grande governo em Feira, se- rão nossos cartões de visitas”, afirma Aleluia. A senadora Lídice da Mata, pré-candidata pelo PSB, deve apostar no chamado voto de opinião e no público ligado à educação, diz o coordenador dacampanhadela,Domingos Leonelli. “Não só essas três cidades, mas as 20 maiores cidades têm uma grande con- centração de pessoas que são mais sensíveis ao discurso de Lídice, que será focado na questão da educação”, diz. A reportagem tentou, sem sucesso,contatosportelefone com os pré-candidatos do PSOL, Marcos Mendes, e do PRTB, Rogério Tadeu da Luz. 53,5% foi o percentual de votos alcançado pelo prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), no segundo turno da última eleição, disputado contra Nelson Pelegrino (PT) Votação para governador nos três maiores colégios eleitorais da Bahia RETRATO DE 2010 FONTE Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Editoria de Arte A TARDE 26,7 50,6 Feira de Santana Geddel Vieira Lima (PMDB) Marcos Mendes (PSOL) Luiz Carlos Bassuma (PV) Paulo Souto (DEM) Sandro Santa Bárbara (PCB) Jaques Wagner (PT) 40.215 1.745 17.141 70.233 336 133.097 15,4 0,7 6,5 0,1 49,5 Conquista (136667 votos) Marcos Mendes (PSOL) Geddel Vieira Lima (PMDB) Jaques Wagner (PT) Luiz Carlos Bassuma (PV) Paulo Souto (DEM) Sandro Santa Bárbara (PCB) 531 18.847 67.693 10.253 39.275 68 0,4 13,8 7,5 28,7 0,1 Salvador Luiz Carlos Bassuma (PV) Sandro Santa Bárbara (PCB) 9 64,3 10,3 15 Marcos Mendes (PSOL) Jaques Wagner (PT) Geddel Vieira Lima (PMDB) Paulo Souto (DEM) 113.613 1.368 17.386 815.314 131.398 189.126 0,1 1,3 Votos Votos válidos (em %) Eleitor mais esclarecido leva em conta a conjuntura para decidir Respeitando-se as diferenças que existem entre todos os seres humanos, a principal característica do eleitor de uma grande cidade brasileira é a insatisfação, expressa no chamado voto de protesto. O cientista político Jovinia- no Neto diz que este eleitor costuma escolher os candida- tos muito mais com base em uma conjuntura, uma situa- ção de momento. “Após a redemocratização, construiu-se uma história de alternância nas cidades maiores, porém com marcas mais oposicionistas. O elei- torado é mais independente, marcado por um grande grau de insatisfação”, diz. A situação, segundo ele, contrasta com o quadro mais usual nas menores cidades, que guardariam um desenho político em que candidatos com perfis mais ligados ao centro e à direita disputam o poder. “Esse desenho político da política centro-conservadora se perpetuou no interior. Os políticos aprendem, às vezes com base na realidade, que precisam estar ao lado do go- verno”, afirma. O modelo do interior, se- gundo Neto, remonta ao pe- ríodo anterior ao golpe mi- litarde1964,quandodoispar- tidos eminentemente rurais, a UDN e o antigo PSD, dis- putavam o poder. “Com o golpe, os dois gru- pos convergiram para a Are- na, mas mantiveram as dis- putas internamente. Nas ca- pitais não havia disputas mu- nicipais, então esse modelo ficou no interior”, explica. JovinianoNetolembraaúl- tima eleição municipal em Salvador, cujo resultado teria sido influenciado pelas gre- ves de policiais e de profes- sores naquele ano. “Aquelas greves criaram um clima negativo para a po- pulação, o que terminou por favorecer o candidato que re- presentava a oposição”, lem- bra o cientista político. Para Neto, Salvador varia muito mais de acordo com a conjuntura que Feira de San- tana e Vitória da Conquista. “Em Conquista e Feira te- mos posições partidárias maisclaras.Noprimeirocaso, temos uma cidade com bases muito antigas do PT, e no se- gundo, ainda que exista uma divisão, ultimamente o elei- toradopendemaisparaogru- po que está no poder”, diz. Apesar de reconhecer que a dinâmica das grandes cida- des difere das pequenas, o professor do departamento de ciência política da Univer- sidade Federal da Bahia, Cló- vis Oliveira, recomenda mui- to cuidado para “não imagi- nar que o eleitor das grandes cidades é mais esclarecido, enquanto o das pequenas são reféns da ignorância”. Paraele,agrandediferença em cidades como Salvador e Feira de Santana, as duas úni- cas da Bahia com mais de meio milhão de habitantes, é uma realidade socioeconô- mica mais difusa. “De alguma maneira, as grandes cidades têm um voto mais crítico, porém também formado por pequenos nú- cleos em que se repetem pa- drões de pequenas cidades. Além disso, não se podem pensar nos pequenos muni- cípios como grotões. Quem vive em cidades pequenas não é refém da ignorância”, diz Oliveira. Poder de influência Uma característica dos gran- des centros urbanos é o que ClóvisOliveirachamadeuma maior “infraestrutura parti- dária”. Nestes locais, os par- tidos políticos estariam mais bem estruturados e, durante as campanhas eleitorais, te- riam um maior poder de in- fluência sobre a população. “Basta verificarmos a quan- tidade de mobilizações em Salvador. Esse ativismo e essa militância política mais des- tacada é característica de ci- dade grande”, diz. Transferência de votos não é tarefa simples, diz especialista Depoisdeconcluírematarefa de montar as chapas que vão representar os grupos políti- cos a que pertencem, o go- vernador Jaques Wagner (PT) e o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), vão tentar mos- trar na próxima eleição que são bons cabos eleitorais. O processo de transferên- cia de votos, no entanto, não é tão simples como pode pa- recer, avisa o professor Clóvis Oliveira, do departamento de ciência política da Universi- dade Federal da Bahia. “Temqueseverificarbema popularidade do padrinho, mas o processo de escolha não depende só disso. A in- fraestrutura partidária, es- trutura de diretórios, capaci- dade de mobilização de mi- litantessãofatoresimportan- tes”, lembra. ParaOliveira,apopularida- de deve ser analisada junto com a logística de campanha e com o aparato de comuni- cação que o partido possui. Além disso, complementa, “não se pode imaginar que é possível colar no candidato apenas os aspectos positivos do padrinho. Vai o conjunto de qualidades e defeitos”. Para o cientista político Jo- viniano Neto, este é um fator que pode variar de acordo com a propaganda eleitoral. “O governador, por exemplo, pode estar mal avaliado hoje e melhorar amanhã se con- seguir mostrar o que fez”. Eleição de 2012 foi influenciada pelas greves de policiais e professores, diz Joviniano Neto

Related Documents