POLUIÇÃO HÍDRICA
Introdução
Fundamental para a vida em nosso planeta, a água tem se tornado uma
preocupação em todas as...
aumento do número de microrganismos e à consequente deterioração da
qualidade da água.
A hipóxia é um fenómeno de baixa ...
Prevenção da poluição
Introdução e panorama
A prevenção da poluição na fonte – nas indústrias, na agricultura e nos
ass...
• Pela modificação de equipamentos ou tecnologias para que
gerem menos resíduos;
• Pela implementação de melhorias nas á...
tratamento em diversas fases para remover contaminantes. Os custos ambientais
e econômicos dessa estratégia são elevados,...
desenvolvam ações preventivas voltadas para a redução não apenas da poluição,
mas também de seus custos. Ações voltadas p...
gerados em 99 metros cúbicos por mês e, ao mesmo tempo, a realizar economias
significativas (UNIDO).
Poluição agrícola
...
níveis de DQO, gerando um custo muito alto para o curtume. Um projeto realizado
conjuntamente pelo Zimbábue e pela Agênci...
Programa Campesino, Nicarágua.
Tais práticas possibilitam a reutilização de matéria biológica e limitam a
dependência de...
Muitos produtores rurais utilizam seus sistemas de irrigação por gotejamento para
distribuir fertilizantes e, desta forma...
objetivos a redução da poluição por nutrientes e agrotóxicos provenientes da
agricultura, por meio da implementação de bo...
escoamentos superficiais urbanos. Essas enxurradas acumulam poluentes à
medida que escoam pelas superfícies impermeabiliz...
incluindo ruas e calçadas permeáveis, telhados “verdes”, cercas vivas e áreas de
absorção entre
as pistas de rodagem que...
manutenção de infraestrutura, incluindo meio- fios, sarjetas e galerias
subterrâneas (US EPA, 2007). Práticas de DBI pode...
disponibilizada nas residências; já em muitos países em desenvolvimento, esse
serviço ainda é bastante limitado, e mesmos...
por dia. Na Índia, a Water Health International, por meio de um projeto de US$ 15
milhões financiados pela IFC [ramo come...
Ao invés de garantir a segurança da água para municípios, regiões ou vilarejos,
esses sistemas no local de consumo (point...
Em muitos casos, as indústrias requerem água de determinada qualidade como
insumo essencial de seus processos produtivos....
comunidades locais são simplesmente despejados diretamente nos cursos de
água. Mais de 80 por cento do esgoto produzido n...
mecânicos para misturar a água e promover a coagulação que também facilita a
subsequente remoção de contaminantes por fil...
Comunidade
Em muitos locais, inexistem sistemas de coleta de tratamento de esgoto sanitário
municipal. A falta desses si...
fluxos pequenos e intermitentes de água que não são passíveis de tratamento por
meio de processos biológicos como lodo at...
Construtoras e incorporadoras imobiliárias em diversas cidades nos países de
economias emergentes relatam que estão integ...
seco ou molhado. Fossas sépticas oferecem um método comum de tratamento
domiciliar de efluentes provenientes de toalete d...
Guangxi, na China, existe um projeto de grande vulto financiado pelo UNICEF,
pela SIDA e pela Cruz Vermelha que está send...
Tratamento de efluentes agrícolas
Em muitos casos, efluentes agrícolas, ou águas de escoamento superficial, são
captados...
processo da restauração busca identificar um conjunto de condições históricas e a
sua trajetória natural de desenvolvimen...
proporcionam lições gerais a respeito de restauração de águas superficiais,
conforme mostrado no estudo de caso a seguir....
exemplo, podem imitar algumas das funções e serviços de ecossistemas naturais,
mas raramente conseguem ter um desempenho ...
O conceito foi inicialmente introduzido pelo Programa Hidrológico Internacional da
Organização para a Educação, a Ciência...
mananciais, a administração de riscos, a valorização da água, a divisão dos
recursos hídricos e a eficiente administração...
Definição
Podemos definir poluição ambiental como a ação de contaminar as águas,
solos e ar. Esta poluição pode ocorrer ...
of 32

Poluição hídrica2014

Quimicq Ambiental
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Science      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Poluição hídrica2014

  • 1. POLUIÇÃO HÍDRICA Introdução Fundamental para a vida em nosso planeta, a água tem se tornado uma preocupação em todas as partes do mundo. O uso irracional e a poluição de rios, oceanos, mares e lagos, podem ocasionar, em breve, a falta de água doce, caso não ocorra uma mudança drástica na maneira com que o ser humano usa e trata este bem natural. Causas e consequências da poluição da água Os principais fatores de deterioração dos rios, mares, lagos e oceanos são: poluição e contaminação por produtos químicos e esgotos. O homem tem causado, desde a Revolução Industrial (segunda metade do século XVIII), todo este prejuízo à natureza, através dos lixos, esgotos, dejetos químicos industriais e mineração sem controle. Em função destes problemas, os governos com consciência ecológica, tem motivado a exploração racional de aquíferos (grandes reservas de água doce subterrânea). Na América do Sul, temos o Aquífero Guarani, um dos maiores do mundo e ainda pouco utilizado. Grande parte das águas deste aquífero situa-se em subsolo brasileiro (região sul). Pesquisas realizadas pela Comissão Mundial de Água e de outros órgãos ambientais internacionais afirmam que cerca de três bilhões de habitantes em nosso planeta estão vivendo sem o mínimo necessário de condições sanitárias. Cerca de um milhão não tem acesso à água potável. Em razão desses graves problemas, espalham-se diversas epidemias de doenças como diarreia, leptospirose, esquistossomose, hepatite e febre tifoide, que matam mais de 5 milhões de pessoas por ano, sendo que um número maior de doentes sobrecarregam os hospitais e postos de saúde destes países. * Poluição Química das águas: Ocorre por produtos químicos nocivos e indesejáveis, sendo essa a mais problemática de todas as poluições das águas que estamos citando, pois seus efeitos podem ser sutis e demorar muito tempo para serem percebidos. Entre os principais poluentes químicos estão os fertilizantes agrícolas, sendo que esse tipo de poluição e as suas consequências (como o fenômeno da eutrofização). A eutrofização é o fenómeno causado pelo excesso de nutrientes num corpo de água mais ou menos fechado, o que leva à proliferação excessiva de algas, que, ao entrarem em decomposição, levam ao
  • 2. aumento do número de microrganismos e à consequente deterioração da qualidade da água. A hipóxia é um fenómeno de baixa concentração de oxigénio que ocorre em ambientes aquáticos, quando a concentração de oxigénio dissolvido (OD) encontra-se a níveis reduzidos, ao ponto de causar danos nos organismos aquáticos presentes no ecossistema. Chuvas ácidas, inundações, redução do potencial hídrico do planeta, e o aparecimento de inúmeras doenças ocasionadas pela poluição, são alguns dos graves exemplos das consequências e do nível de degradação da natureza em Em suma, existem várias ações que podem ser tomadas para evitar a poluição hídrica. Outros poluentes são compostos sintéticos, como plásticos, herbicidas, inseticidas, tintas, detergentes, solventes, remédios e aditivos alimentares. Há também os derramamentos de petróleo por acidentes de navios que transportam esse combustível ou mesmo no momento da perfuração e extração, pois as jazidas petrolíferas ficam a maioria, no fundo do mar. Além disso, o descarte de compostos inorgânicos e minerais, como os metais pesados, podem causar intoxicações, deformações e morte. * Poluição Sedimentar das águas: Ocorre quando há o acúmulo de partículas em suspensão, tais como do solo e de produtos insolúveis inorgânicos e orgânicos. Isso é resultado, por exemplo, da acumulação de lixos e detritos que possuem poluentes químicos e biológicos que impedem a entrada de luminosidade nos recursos hídricos, o que dificulta a fotossíntese realizada pelas algas e a visualização da comida pelos animais aquáticos. * Poluição Radioativa das águas: Ocorrem por meio dos resíduos radioativos lançados no ar e no solo por experiências nucleares, lixos atômicos gerados em usinas nucleares e em hospitais.
  • 3. Prevenção da poluição Introdução e panorama A prevenção da poluição na fonte – nas indústrias, na agricultura e nos assentamentos humanos – é geralmente a forma mais barata, fácil e eficaz de proteger a qualidade da água. Em cenário industrial, essa estratégia é conhecida como produção mais limpa; para promovê-la, é necessária a participação não só da indústria, mas também do governo, conforme articulado na Agenda 21 durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento de 1992, e reiterado dez anos mais tarde durante a Cúpula Mundial sobre o Desenvolvimento Sustentável. Prevenir contra a poluição significa reduzir ou eliminar resíduos na fonte. Essa redução na fonte, como a primeira e mais importante das estratégias para a prevenção da poluição, reduz ou elimina o uso de substâncias perigosas, poluentes e contaminantes. A eliminação ou a redução do uso de contaminantes pode ser alcançada por meio de ações como as destacadas a seguir: • Indústria – pela reformulação de produtos para que produzam menos poluição e exijam menos recursos durante sua fabricação e uso; • Agricultura – pela redução do uso de materiais tóxicos para o controle de pragas, da aplicação de nutrientes e do uso da água; • Assentamentos Humanos – pela redução da produção de águas servidas e das quantidades de materiais perigosos utilizados e lançados;
  • 4. • Pela modificação de equipamentos ou tecnologias para que gerem menos resíduos; • Pela implementação de melhorias nas áreas de capacitação, manutenção e gestão domiciliar com vista à redução de vazamentos e emissões fugitivas; e. • Pela redução do consumo de água. A prevenção contra a poluição difere do controle da poluição em diversas maneiras. O controle da poluição, ou práticas de “final de cano” (end-of-pipe) – tais como armazenamento e transporte de resíduos; reciclagem (exceto a reciclagem durante processos); recuperação de energia; tratamento de resíduos; disposição final de resíduos; a separação de resíduos – é diferente da prevenção, uma vez que trata dos resíduos depois de eles serem gerados. A prevenção contra a poluição, por sua vez, tem como objetivo a redução geral dos volumes de resíduos. Uma importante vantagem da prevenção da poluição é que ela protege, ao mesmo tempo, todos os meios (ar, água e terra); enquanto o controle da poluição pode apenas deslocar resíduos de um meio para outro (ex.: um lavador de poluição atmosférica – scrubber – pode transferir contaminantes do ar para a água). Há também enormes benefícios financeiros que podem ser alcançados pela abordagem da prevenção da poluição. Os resíduos representam, essencialmente, um custo para a indústria ou prestador de serviços à comunidade. A geração de resíduos durante um processo indica o uso ineficiente de materiais e recursos; prevenir contra a poluição pode transformar fluxos de resíduos em valiosas fontes de recursos. A prevenção contra a poluição atinge sua causa fundamental: a ineficiência. Prevenir contra a poluição significa gastar menos com o manuseio, armazenagem, tratamento, remediação e monitoramento regulatório de resíduos. Proteção de mananciais Cada vez mais, comunidades e gestores de água têm encontrado na proteção de seus mananciais a principal forma de melhorar a qualidade da água e reduzir os custos de tratamento. A forma tradicional de gerenciamento de água envolve o
  • 5. tratamento em diversas fases para remover contaminantes. Os custos ambientais e econômicos dessa estratégia são elevados, especialmente em uma conjuntura em que os custos energéticos vêm aumentando. O novo paradigma emergente enfoca a proteção de fontes vitais de água potável contra a contaminação para assim reduzir ou eliminar a necessidade de tratamento. Ecossistemas saudáveis e resistentes ajudam a purificar e regular a água, evitando assim o ingresso da poluição nos cursos de água. A cidade de Nova York tem o maior sistema de abastecimento de águas superficiais não filtradas do mundo, alimentada pelo escoamento das Montanhas Catskills. Um dos componentes essenciais de seu sistema de abastecimento é a proteção dos mananciais. Na década de 1990, foram realizados aprimoramentos no sistema de abastecimento da cidade para que uma população crescente pudesse continuar a ser abastecida com água potável de alta qualidade. A primeira opção considerada foi a construção de uma estação de filtragem de água, ao custo de aproximadamente US$ 6 bilhões, com um custo de operação anual de US$150 milhões. Em vista do elevado custo desta opção, o Departamento de Meio Ambiente de Nova York resolveu adotar uma abordagem diferente. Por um valor bem menor, instituiu um programa de proteção da bacia hidrográfica nas regiões de captação de água potável que incluiu a edição de regulamentos acerca de atividades poluidoras na bacia hidrográfica (mais especificamente, a localização de fossas sépticas); iniciativas de planejamento inovadoras; desenvolvimento e financiamento das melhores práticas de gestão agrícola; e a aquisição de terras. Poluição Industrial No contexto industrial, refere-se à prevenção contra a poluição como produção mais limpa. Por serem de fonte localizada, os lançamentos de efluentes poluentes industriais geralmente estão sujeitos à regulação. SOLUÇÕES PARA MELHORAR A QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS Portanto, fica mais fácil caracterizar a qualidade do efluente, e normalmente existem maiores incentivos regulatórios e financeiros para que as indústrias
  • 6. desenvolvam ações preventivas voltadas para a redução não apenas da poluição, mas também de seus custos. Ações voltadas para a adoção de sistemas de produção mais limpa vêm recebendo apoio de programas das Nações Unidas, inclusive do PNUMA e outras organizações. Em 1994, a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) lançou, em parceria com o PNUMA, o Programa Nacional de Centros de Produção Mais Limpa (NCPCs), que auxilia países em desenvolvimento e países com economias em transição a incorporarem sistemas de produção mais limpa a seus planos de desenvolvimento industrial e a sua legislação ambiental, além de estimular a realização de atividades de apoio à produção mais limpa. O conceito básico por trás da produção mais limpa é a ampliação da eficiência do uso de matérias-primas, da energia e da água, bem como a redução de fontes de resíduos e de emissões. A produção mais limpa pode ser implementada de diversas formas: • Pela redução ou pela eliminação do uso de solventes em processos industriais; • Pela redução ou pela eliminação do uso de componentes químicos tóxicos nos processos; • Pela redução do uso geral da água no sistema; e • Pelo fechamento do ciclo da água nas indústrias e pela eliminação de lançamentos de águas servidas. A produção mais limpa oferece a dupla vantagem de reduzir impactos ambientais e ampliar a produtividade e a competitividade (UNIDO). Por exemplo, uma avaliação realizada em uma unidade industrial pelo Programa Nacional de Produção Mais Limpa de Cuba ajudou um fabricante de sucos a ampliar sua produção em 23 por cento e aumentar suas receitas anuais ao mesmo tempo em que reduzia as concentrações de cargas efluentes poluidoras em 40 por cento, entre outros benefícios ambientais. O Centro de Produção Mais Limpa da Guatemala ajudou uma empresa de laticínios a reduzir o volume de efluentes
  • 7. gerados em 99 metros cúbicos por mês e, ao mesmo tempo, a realizar economias significativas (UNIDO). Poluição agrícola Conforme já observado, atividades agrícolas em todo o mundo contribuem significativamente (em média, cerca de 70 por cento) para as cargas de poluentes hídricos. Águas de escoamento agrícola muitas vezes contêm contaminantes como nitrogênio, fósforo, agrotóxicos e sedimentos, que acometem tanto águas superficiais quanto subterrâneas. Existem diversas maneiras de reduzir os impactos da agricultura sobre a qualidade da água, cujo escopo de intervenção pode variar desde o nível da propriedade rural, ao da bacia hidrográfica, até o nível nacional. Estudo de caso Produção mais limpa em um curtume em Zimbábue (DANIDA) possibilitou ao curtume implementar um novo processo de Tecnologia de Produção Mais Limpa (PML) para a remoção do pelo do couro sem que haja a necessidade de dissolução. O pelo é então removido dos efluentes por um processo de filtragem, podendo ser aproveitado como fertilizante (SIRDC). A adoção deste processo reduziu os níveis de DQO nos efluentes em 50 por cento, resultando em significativas economias para a empresa. Ademais, o projeto teve um período de carência bastante reduzido – de apenas três anos –, e seu custo total foi de US$ 40.670, o que representa uma economia anual de US$ 13.500 (SIRDC). Em muitos países africanos, a produção de couro é uma importante fonte de renda, mas pode também ser grande fonte de poluição hídrica (UN WWAP, 2003). Um curtume na cidade de Harare, Zimbábue, de nome Imponente Tanning Ltda., gerava efluentes com alta demanda química de oxigênio (DQO), causada pela utilização de sulfatos e outros componentes químicos na remoção do pelo do couro por meio de um processo de dissolução. A empresa passou a ser cobrada pela prefeitura da cidade de Harare pelo tratamento dos efluentes, com base nos
  • 8. níveis de DQO, gerando um custo muito alto para o curtume. Um projeto realizado conjuntamente pelo Zimbábue e pela Agência Dinamarquesa para o Desenvolvimento Internacional CUIDANDO DAS ÁGUAS Na propriedade rural No âmbito da propriedade rural, muitas inovações diminuem a necessidade de utilização de insumos químicos. Em particular, as tendências da agricultura orgânica ou biológica afastam-se da utilização de produtos químicos sintéticos em favor da rotação de culturas, cobertura com matéria orgânica, compostagem, plantio direto e manejo integrado de pragas. A rotação de culturas é um método há muito tempo utilizado para evitar o esgotamento de nutrientes do solo. Ademais, está comprovado que práticas como o plantio direto – que dispensam a aração intensiva e deixam quantidades variáveis de resíduos vegetais no solo – aumentam os teores de matéria orgânica e dispensam o uso de fertilizantes sintéticos. A adubação verde com alfafa, leguminosas e outras plantas capazes de fixar nitrogênio é outra prática que enriquece o solo sem recorrer a produtos químicos. A compostagem com matéria vegetal e esterco Em 1987, a União Nacional de Agricultores e Pecuaris- tas (UNAG) da Nicarágua fundaram o Programa Campesino (PCaC), uma iniciativa inovadora para promover boas práticas agrícolas por meio da educação entre pares. Atualmente, produtores de 817 comunidades são beneficiados pela metodologia PCaC, que favorece o compartilhamento de conhecimentos e experiências entre os produtores. As práticas propostas focalizam recursos e condições locais. Em particular, o programa busca estimular a participação ativa das comunidades rurais na transferência de conhecimentos práticos acerca da produção orgânica, da produção agroflorestal sequencial, de diversificação agrícola e da saúde ambiental, implementando práticas simples, baratas e eficazes. Educação agrícola sustentável entre pares, Programa Campesino a Campesino. Fonte: União Nacional Agricultores e Pecuaristas (UNAG) Estudo de caso
  • 9. Programa Campesino, Nicarágua. Tais práticas possibilitam a reutilização de matéria biológica e limitam a dependência de insumos químicos e outras tecnologias intensivas em energia. Merece destaque a conservação do solo e da água; o uso de cobertura orgânica e a construção de diques, cercas vivas e barreiras estão entre os métodos utilizados para conservação da água; controle da erosão; e ampliação do estoque de matéria orgânica e da biodiversidade do solo. A captação de águas pluviais também é estimulada. Na região de Masaya, o uso de fertilizantes químicos diminuiu em 90 por cento, e houve um aumento da produtividade anual e de culturas perenes, associado a práticas de PCaC, tais como a rotação de culturas, a incorporação de resíduos vegetais a terra, o uso de barreiras naturais para combater a erosão, o refloresta- mento, a adubação verde e o emprego de esterco no lugar de fertilizantes sintéticos (IFAP, 2005). Para reduzir o uso de agrotóxicos, alguns produtores rurais vêm adotando técnicas de manejo integrado de pragas, que compreende práticas específicas de cultivo e uso de insetos benéficos para efetuar o controle de pragas. Por exemplo, a cultura é observada cuidadosamente, e qualquer manifestação de doença ou praga é imediatamente removida ou colocada em quarentena. Caso a infestação alcance níveis inaceitáveis, recorre-se a métodos mecânicos, incluindo a montagem de barreiras contra insetos, a utilização de armadilhas, a limpeza por aspiração e a gradeação para evitar a reprodução e a proliferação de pragas. Utilizam-se controles naturais, como insetos, fungos ou bactérias benéficas, que podem consumir ou de outra forma atacar as pragas. Em certos casos, podem ser aplicados produtos químicos direcionados a tipos específicos de insetos; estes, porém, diferem dos inseticidas de amplo espectro, que podem afetar muitas espécies de insetos inofensivos ou benéficos. Finalmente, a redução da quantidade total de água aplicada aos cultivos diminui a lixiviação de nitratos e de outros componentes químicos e seu transporte para corpos de água. O uso de irrigação de gotejamento está sendo ampliado em todo o mundo. Sistemas de gotejamento e de micro aspersão reduzem as perdas de água pela evaporação e percolação profunda, sendo desta forma mais eficiente em termos de utilização da água que os métodos de inundação ou aspersão.
  • 10. Muitos produtores rurais utilizam seus sistemas de irrigação por gotejamento para distribuir fertilizantes e, desta forma, podem reduzir as quantidades aplicadas, pois o fertilizante é utilizado na dosagem exata para alcançar as raízes do cultivo. Qualquer escoamento superficial destas operações deve ser recolhido por meio de drenos ou lagos de contenção de águas servidas, para reaproveitamento posterior. Como esta água geralmente contém resíduos de fertilizantes, seu reaproveitamento pode reduzir a necessidade de insumos adicionais de nutrientes. Na bacia hidrográfica Em nível de bacia hidrográfica, o controle do escoamento da água superficial deve considerar a localização e os diferentes tipos de ocupação da terra. Em particular, encostas íngremes facilitam o escoamento superficial de água, sedimentos e componentes químicos de terras sob cultivo. Curvas de nível e terraços podem diminuir a erosão e o escoamento superficial de terras sob cultivo e são de grande importância para a prevenção contra a poluição em encostas mais acentuadas. Ademais, muitos produtores rurais individuais recebem sua água por meio de projetos de manejo coletivo, em nível de sub-bacia ou de bacia hidrográfica. Essas organizações podem prestar serviços aos produtores rurais e facilitar a adoção de sistemas de irrigação mais eficientes. Por exemplo, para instalar um sistema de irrigação por aspersão ou gotejamento, a água precisa ser conduzida em canos pressurizados. Muitos distritos de água abastecem seus usuários utilizando sistemas de canais abertos, e essa infraestrutura teria de ser reformada para possibilitar mais opções de irrigação aos produtores rurais. Além disso, as organizações de abastecimento de água devem manter registros de acompanhamento do uso da água e de sua qualidade. A Bacia do Rio Danúbio (que deságua no Mar Negro) está severamente afetada por água de baixa qualidade, especialmente em consequência da eutrofização provocada por escoamento superficial de águas utilizadas na agricultura. Para tratar deste problema, o PNUMA e o Fundo para o Meio Ambiente Mundial (GEF) lançaram o Projeto Regional do Danúbio, que tem como um de seus principais
  • 11. objetivos a redução da poluição por nutrientes e agrotóxicos provenientes da agricultura, por meio da implementação de boas práticas que reduzem a aplicação de fertilizantes e evitam que esterco e outros poluentes cheguem aos cursos de água (PNUMA-DRP). Em níveis nacional e estadual/provincial Por fim, é importante que os Estados normatizem as práticas agrícolas e estabeleçam limites para poluentes de escoamento superficial. Essas normas devem ser de fácil implementação e fiscalização, prevendo mecanismos de monitoramento e mensuração e aplicação de multas e outras punições em casos de violação. Além de fazer valer a lei, os programas implementados pelos estados podem auxiliar os produtores rurais na adoção de práticas inovadoras por meio da prestação de serviços de assistência técnica e extensão rural. Podem também oferecer incentivos financeiros pela adoção de técnicas agrícolas que consumam menores quantidades de insumos e fornecer subsídios ou crédito para o aprimoramento da infraestrutura e instalação de sistemas de irrigação mais eficientes. Por exemplo, em 1986, a Indonésia proibiu o uso de 57 tipos de inseticidas e eliminou subsídios para agrotóxicos durante um período de dois anos (Kraemer et al., 2001). Essas ações foram acompanhadas por programas de capacitação bem difundidos entre os servidores do governo e os produtores rurais acerca de métodos de manejo biológico de pragas; até 2002, mais de um milhão de produtores rurais havia recebido essa capacitação (PANNA). CUIDANDO DAS ÁGUAS Assentamentos humanos Tradicionalmente, o desenvolvimento urbano e suburbano não levava em consideração os efeitos da urbanização sobre os processos hidrológicos naturais. A implantação de assentamentos humanos pode levar à redução da capacidade de recarga de aquíferos pelo fato de provocar a diminuição das áreas de recarga. O aumento das superfícies impermeáveis nas cidades (ruas, telhados, estacionamentos, calçadas) inibe a infiltração de água no solo e provoca enormes
  • 12. escoamentos superficiais urbanos. Essas enxurradas acumulam poluentes à medida que escoam pelas superfícies impermeabilizadas. O significativo impacto dos escoamentos poluídos sobre a qualidade da água coloca em destaque a relação existente entre os temas da ocupação do solo e da qualidade da água e enfatiza a necessidade de contemplar questões relacionadas com a qualidade da água nas políticas de desenvolvimento urbano e ordenamento do uso do solo. Estratégias de crescimento inteligente, particularmente as que frisam o desenvolvimento de baixo impacto, trazem inúmeros benefícios, inclusive a minimização dos impactos adversos da urbanização na qualidade da água. O crescimento inteligente é um conceito amplo de ocupação do solo que promove o desenvolvimento planejado, favorecendo a proteção e o melhoramento da saúde pública e ambiental, beneficiando de diversas maneiras a qualidade da água. Por exemplo, construções e comunidades com planta baixa compacta ajudam a preservar terras naturais que conseguem absorver e filtrar águas de escoamento superficial e enxurradas. O crescimento inteligente também propicia escolhas de estilo de vida que reduzem a poluição hídrica, estimulando, por exemplo, caminhadas em vez de deslocamentos de automóvel, e pequenos gramados que exigem menos fertilizantes e agrotóxicos, favorecendo, por fim, a redução da quantidade de poluentes introduzidos em corpos de água pelo escoamento superficial. O desenvolvimento de baixo impacto (DBI) é uma categoria de crescimento inteligente de especial relevância para a qualidade da água. O DBI é uma abordagem de manejo de águas de escoamento superficial e enxurradas que pode ajudar a minimizar os efeitos negativos da ocupação do solo em áreas urbanas e suburbanas sobre a qualidade da água e a hidrologia natural da bacia. A abordagem depende basicamente do uso de vegetação e de superfícies permeáveis para permitir a infiltração da água no solo, assim reduzindo os volumes potencialmente poluídos de água de escoamento superficial e permitindo a filtração natural através do solo para melhorar a qualidade da água. A abordagem DBI engloba uma gama de estratégias e práticas específicas,
  • 13. incluindo ruas e calçadas permeáveis, telhados “verdes”, cercas vivas e áreas de absorção entre as pistas de rodagem que, em vez de conduzirem a água diretamente para galerias pluviais, permitem sua infiltração no solo (US EPA, 2000). Instalações que filtram águas de enxurrada através da vegetação e do solo reduzem comprovadamente o total de sólidos em suspensão em até 90 por cento; poluentes orgânicos e óleos em 90 por cento; e metais pesados em mais de 90 por cento (US EPA, 1999). Algumas regiões urbanizadas alcançaram avanços significativos na projeção e na implementação de soluções inovadoras para o manejo de águas pluviais. A cidade de Portland, no estado de Oregon nos Estados Unidos, por exemplo, vem-se tornando líder na implementação de estratégias de DBI. Em 2007, a Assembleia Municipal da Cidade de Portland adotou a Resolução Ruas Verdes (Green Streets), que promove políticas de DBI voltadas para a redução dos volumes de escoamento de águas poluídas e a minimização de sobrecargas de esgoto, evitando assim que essa poluição alcance rios e córregos. Essas políticas acarretam várias vantagens adicionais, pois auxiliam na recarga de águas subterrâneas e ampliam os espaços verdes na área urbana (City of Portland, Oregon, 2009). A prefeitura também atualizou seu código de práticas de construção para facilitar a implementação dessas políticas, estabelecendo normas para implementação de sistemas que evitam que a água da chuva coletada por calhas de telhado siga para as galerias municipais de águas pluviais ou de esgoto, favorecendo sua infiltração no solo e/ou o tratamento das águas de escoamento superficial no local em que acumulam (Portland City Code, Chapter 17.37). A cidade agora incorpora abordagens de “ruas verdes” em todas as novas áreas de expansão urbana, restauração e melhoramento financiados pelo município de Portland, em conformidade com o Manual de Manejo de Águas Pluviais. O ordenamento do solo urbano passa por constantes reformas; isso significa que há sempre muitas oportunidades para a implementação de estratégias de DBI. Ademais, essas práticas geralmente têm um custo menor que as técnicas tradicionais de manejo de águas pluviais, que exigem a construção e a
  • 14. manutenção de infraestrutura, incluindo meio- fios, sarjetas e galerias subterrâneas (US EPA, 2007). Práticas de DBI podem ainda reduzir os custos de tratamento de águas potencialmente aproveitáveis para o abastecimento de água potável. Uma avaliação desses sistemas, realizada nos Estados Unidos e no Canadá, constatou uma economia com despesas de capital da ordem de 15 a 80 por cento, se comparadas com a infraestrutura tradicional (US EPA, 2007). Mesmo assim, existem muitas barreiras para a utilização de técnicas de DBI, entre elas a falta de conhecimentos técnicos e a existência de regulamentos de zoneamento e manejo de águas pluviais que exigem que as águas das enxurradas sejam concentradas e removidas das vias de rodagem o mais rápido possível. SOLUÇÕES PARA MELHORAR A QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS Tratamento Se ações voltadas a evitar a entrada de poluição nas fontes de água se comprovam ineficazes ou insuficientes, torna-se então necessário adotar medidas para tratar e melhorar a qualidade da água, visando a torná-la própria para o consumo humano ou outras finalidades. Também é necessário tratar as águas servidas após sua utilização nessas finalidades. As seções a seguir examinam o tratamento da água potável em diferentes escalas, o tratamento da água para outras finalidades e o tratamento de resíduos líquidos domésticos, industriais e agrícolas. Existem soluções tecnológicas para tratar a água até determinado padrão, bem como sistemas ecológicos capazes de purificar e melhorar a qualidade da água. A seguir, são descritas várias soluções para o tratamento de águas residuais e a produção de água potável, fazendo uso desde abordagens de alta tecnologia intensiva em consumo de energia, até sistemas de baixo consumo energético de baixa tecnologia. Tratamento de água potável O tratamento da água potável pode ser efetuado em nível municipal, comunitário ou domiciliar, e existem tecnologias de tratamento para cada uma dessas escalas. Nos países desenvolvidos, geralmente, a água potável tratada e encanada é
  • 15. disponibilizada nas residências; já em muitos países em desenvolvimento, esse serviço ainda é bastante limitado, e mesmos nos domicílios servidos por sistemas de abastecimento é preciso tratar a água recebida para torná-la própria para consumo. Município As empresas de abastecimento de água potável captam água de diversos tipos de fonte. A água pode ser captada de fontes subterrâneas, rios, lagos, canais, reservatórios, ou mesmo dos mares. Após transportar a água da fonte, a empresa de abastecimento precisa efetuar o tratamento para assegurar sua potabilidade, por meio do melhoramento de suas características físicas, químicas e biológicas. A purificação da água pode demandar uma série de processos, dependendo da qualidade da fonte. Geralmente, as empresas de abastecimento realizam uma triagem para remover partículas maiores, pré-condicionamento para retificar a dureza (tratar o teor de cálcio) e normalizar o pH; depois, floculação para clarear a água por meio de coagulação e decantação de partículas; e, em seguida, fi ltração para remover partículas em suspensão e contaminantes microbiológicos. A fase final é a desinfecção que, em nível municipal, envolve o uso de cloro ou desinfetantes à base de cloro (que podem deixar resíduos na torneira) ou ozônio. Comunidade Os sistemas de tratamento de água potável também podem ser implementados em nível comunitário. Podem incluir estações de filtragem ou desinfecção, montadas em escala comunitária, para fornecer água potável segura de fontes locais. Um exemplo é o modelo da Water Health International, pelo qual a água é filtrada e desinfetada utilizando tecnologia ultravioleta. A água processada por esse método pode então ser comercializada para uso residencial ou comercial, como água potável para consumo humano, ou para uso em processos comerciais. Algumas comunidades contratam esse sistema por meio de um depósito para a instalação do Centro Water Health e do pagamento mensal pela água consumida. Cada centro é projetado para abastecer, em média, uma comunidade de 3.000 residentes com até 20 litros de água potável por pessoa,
  • 16. por dia. Na Índia, a Water Health International, por meio de um projeto de US$ 15 milhões financiados pela IFC [ramo comercial do Banco Mundial] está disponibilizando sistemas de purificação descentralizada de água para 600 comunidades e está também desenvolvendo projetos no México, nas Filipinas e no Sri Lanka. Intervenções de nível comunitário para abastecimento de água potável purificada podem ser implementadas em situações de emergência e durante cenários de transição. No Iraque, projetos-piloto do PNUMA-IETC produziram água potável a partir de fontes de água salobra proveniente de pântanos, por meio da instalação de unidades de osmose reversa de baixa pressão em seis comunidades. Outras abordagens testadas incluem: energia fotovoltaica ampliada para distribuição de água em nível comunitário; e ensaios-piloto com destiladores de água movidos à energia solar (PNUMA 2009). Domicílios Durante a última década, o tratamento de água potável em nível domiciliar vem ganhando espaço. Mesmo reconhecendo que, idealmente, toda pessoa deve ter acesso à água potável segura, a partir de uma torneira no seu domicílio, há uma demanda crescente por estratégias que garantam a qualidade da água potável por meio do tratamento e da armazenagem em nível domiciliar. A Tabela 3 apresenta uma estimativa, elaborada pela OMS, da eficácia de diferentes intervenções na redução de índices de morbidade causada por diarreia. O tratamento prévio da água no local de uso ou no domicílio – por meio de desinfecção por UV, cloro ou fervura – é considerado uma forma efetiva de redução de índices de morbidade causada por diarreia, e novas análises destacam a importância de melhorar a qualidade da água para melhorar a saúde. Diversas estratégias já estão sendo utilizadas para efetuar o tratamento de a água domiciliar no local, desde os sistemas de baixo custo e de pequena escala de desinfecção por cloro, filtros de barro, produtos de floculação/desinfecção, desinfecção solar e fervura da água em casa, até aqueles caríssimos, utilizando sistemas de osmose reversa que, dependendo do tipo, podem exigir grande consumo de energia ou de água.
  • 17. Ao invés de garantir a segurança da água para municípios, regiões ou vilarejos, esses sistemas no local de consumo (point-of-use) resolvem o problema de acesso à água segura apenas em nível do usuário individual. Essa abordagem deixa por conta das forças do mercado a distribuição, diretamente ao consumidor final, de opções de purificação da água, sem depender de empresas, comunidades, municípios ou de uma agência de abastecimento centralizado. Por exemplo, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a Population Services International e outros grupos públicos e privados desenvolveram um Sistema de Água Segura que utiliza uma solução de desinfecção por cloro, já distribuído em 19 países em 5 continentes. Tratamento para outras finalidades Uso agrícola A água empregada na agricultura pode ser de qualidade bem inferior à de água potável ou àquela empregada para usos industriais. No entanto, em alguns casos a água pode passar por tratamento utilizando técnicas tradicionais como as descritas na seção sobre água potável municipal, ou por meio de bioremediação. Cada vez mais, as áreas agrícolas estão recorrendo a águas servidas recicladas como nova fonte resistente à secas. Em alguns países, foram instituídos regulamentos para assegurar que a água reciclada é segura para usos agrícolas. Preocupações quanto à escassez de água na Jordânia impulsionaram a implementação de um Projeto de Reaproveitamento de Água (WRIP na sigla em inglês) de 2002-2004, que realizou projetos demonstrativos, respondendo a inquietações do público, por meio de campanhas de conscientização, e ao desenvolvimento de unidades de reaproveitamento multiagenciais. Ademais, atividades agroflorestais sustentáveis são cada vez mais percebidas como estratégias de proteção de mananciais, por serem formas extensivas de ocupação da terra que facultam a permeabilidade do solo e permitem a recarga de aquíferos, sendo bem menos prejudiciais para a hidrologia natural que a expansão de áreas urbanas. É, no entanto, imprescindível que os insumos químicos sejam minimizados para evitar a contaminação de águas superficiais e subterrâneas. Usos industriais
  • 18. Em muitos casos, as indústrias requerem água de determinada qualidade como insumo essencial de seus processos produtivos. Para tanto, instalam unidades de purificação para alcançar os níveis de qualidade básica necessários para a produção de uma gama de produtos, tais como medicamentos, componentes de computadores, produtos químicos de alta qualidade, alimentos processados e outros. Métodos de purificação da água empregados pelas indústrias incluem os processos biológicos, físicos e químicos descritos na seção referente ao tratamento municipal de água potável. Algumas indústrias precisam de água com níveis específicos de alcalinidade ou de água destilada e podem proceder com processos de tratamento específicos para converter águas superficiais, subterrâneas ou abastecidas pelo município para alcançar a qualidade necessária para seus processos específicos. Em algumas áreas do mundo onde a água potável de qualidade é escassa, as indústrias podem uti lizar efluentes tratados provenientes de estações de tratamento de águas servidas municipais, que muitas vezes são de qualidade superior às outras fontes de águas superficiais ou subterrâneas disponíveis. SOLUÇÕES PARA MELHORAR A QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS Tratamento de efluentes O tratamento de efluentes pode ser realizado por meio de sistemas centralizados em nível municipal (isto é, grandes sistemas que tratam águas servidas de muitos usuários em um único local) ou por sistemas descentralizados (isto é, que efetuam o tratamento para uma única residência, empresa ou pequeno grupo de usuários individualizados). Sistemas centralizados normalmente efetuam lançamentos nas águas superficiais; enquanto sistemas descentralizados podem produzir água para reaproveitamento no local, ser lançada no solo ou nas águas superficiais, ou passarem por tratamentos adicionais, conforme necessário. Tradicionalmente, o tratamento de efluentes urbanos em países industrializados é realizado em unidades centralizadas. Normalmente, efluentes industriais são tratados no local, mas quantidades limitadas podem ser encaminhadas para sistemas municipais centralizados. Em muitas partes do mundo, especialmente nos países em desenvolvimento, os sistemas centralizados são insuficientes, pouco confiáveis, ou simplesmente inexistentes e os efluentes de muitas
  • 19. comunidades locais são simplesmente despejados diretamente nos cursos de água. Mais de 80 por cento do esgoto produzido nos países em desenvolvimento é lançado sem qualquer tratamento em corpos de água receptores (UN WWAP, 2009). As quantidades de coliforme fecal nos rios da Ásia estão 50 vezes acima do teor aceitável de acordo com diretrizes da OMS (PNUMA, 2000). Existe uma tendência crescente a favor do tratamento descentralizado de efluentes. Sistemas descentralizados muitas vezes oferecem uma alternativa mais barata em relação a sistemas centralizados; contudo, tendem a ser mal projetados, passam por menos supervisão e podem representar grande fonte de contaminação de águas subterrâneas caso não efetuem o tratar de efluentes de forma adequada. Tratamento de efluentes domésticos Municipal Efluentes municipais consistem de líquidos transportados por resíduos humanos de privadas, lavatórios, cozinhas e outros usos tipicamente domiciliares. Incluem águas servidas comerciais e alguns efluentes industriais. A qualidade da água residual é comprometida física (cor, odor, temperatura etc.), química (bioquímica, demanda de oxigênio, carbono orgânico total etc.) e biologicamente (contaminantes microbiológicos como coliformes, agentes patogênicos, vírus). Para tratar esses parâmetros físicos, químicos e biológicos da qualidade da água, utilizam-se processos que geram dois fluxos de saída: uma de efluente tratada e a outra de resíduo sólido ou lodo. Tecnologias físicas de tratamento de água funcionam por meio da filtragem de contaminantes dos efluentes ou simplesmente destruindo tais contaminantes, utilizando sistemas mecânicos. A filtração geralmente envolve a passagem de águas contaminadas por grades finas ou usando sistemas de osmose reversa, que separa as partículas contaminantes mais finas da água. O processo de deixar sólidos em suspensão decantarem para o fundo de uma área de retenção (processo conhecido como sedimentação) é utilizado para permitir a remoção mais fácil de contaminantes. É possível, também, a utilização de meios
  • 20. mecânicos para misturar a água e promover a coagulação que também facilita a subsequente remoção de contaminantes por filtragem ou processos de decantação. A fervura, a incineração e a irradiação são também considerados métodos físicos para a desinfecção de efluentes (isto é, remoção ou neutralização de determinados agentes patogênicos). Tecnologias químicas de tratamento de água funcionam por meio da introdução de componentes químicos que fragmentam, neutralizam, ou agregam contaminantes. Soluções químicas são capazes de “limpar” pequenas partículas poluentes – nutrientes como nitratos e fosfatos e micro-organismos – de efluentes não capturados usando métodos físicos de tratamento. Tratamentos químicos muitas vezes empregam a desinfecção ou a coagulação/ floculação para limpar efluentes. Desinfecção é o tratamento de efluentes, usando produtos químicos para destruir agentes patogênicos. Historicamente, o agente desinfetante mais comum no tratamento de água é o cloro; contudo, diversos outros produtos químicos, como sais de alumínio e de ferro, ozônio e luz ultravioleta, podem ser utilizados. Coagulação e floculação é o processo de desestabilizar partículas para permitir que se vinculem com contaminantes menores para formar agregados maiores que são mais fáceis de separar fisicamente. Soluções biológicas utilizam processos naturais de organismos vivos – micróbios ou plantas – no tratamento de efluentes. Por exemplo, filtros biológicos consistem de um leito fixo de materiais, como pedra, turfa orgânica ou espuma de poliuretano, coberto com um filme de textura microbiana que limpa contaminante por meio de absorção e adsorção. Métodos de lodo ativado utilizam micro-organismos para converter carbono encontrado nos efluentes em gás carbônico e água, ou para ajustar níveis de nitrogênio. Cada vez mais, sistemas de tratamento de efluentes incorporam “terras úmidas construídas”, que utilizam sistemas vegetais para desagregar contaminantes antes de serem lançados em um corpo de água natural. CUIDANDO DAS ÁGUAS
  • 21. Comunidade Em muitos locais, inexistem sistemas de coleta de tratamento de esgoto sanitário municipal. A falta desses sistemas de coleta de tratamento de esgoto sanitário municipal é especialmente notável quando a distribuição de populações suburbanas, periféricas ou rurais é muito dispersa. A falta de densidade faz que a coleta, o transporte e o tratamento centralizado de efluentes se tornem mais difícil. A falta de tratamento municipal em muitas áreas do mundo em desenvolvimento ocorre essencialmente por falta de recursos e investimentos governamentais. Em se tratando de assentamentos menos densos, ou aqueles que carecem de conexões com sistemas centralizados de saneamento, sistemas comunitários podem ser a solução para o tratamento de efluentes antes de seu lançamento em corpos de águas superficiais. Sistemas de tratamento de efluentes comunitários se baseiam nos mesmos princípios dos sistemas centralizados (tratamento físico, químico e biológico) recriados em uma escala menor. A participação de sistemas localizados ou de circuito fechado no setor de abastecimento de água potável e de tratamento de efluentes é pequena, porém crescente. Esses sistemas variam em forma e função, podendo ser sistemas de baixo consumo de energia e baixo custo para captação, armazenagem, desinfecção e tratamento de resíduos. Exemplos desses incluem abordagens de ecos saneamento e tradicionais de fossas sépticas. Existem também sistemas localizados de alto custo e intensivos em consumo de energia, como as miniunidades convencionais de purificação de água (por exemplo, as que utilizem osmose reversa ou tecnologias ultravioletas) e estações de tratamento de efluentes (como biorreatores de membrana). Ao mesmo tempo, avanços tecnológicos estão reduzindo as deseconomias de escala associados a sistemas de menor porte. Biorreatores de membrana podem disponibilizar o tratamento de alta qualidade a um menor custo em escala bem menor que antes, e a microfiltração, a osmose reversa, a eletro diálise e as tecnologias avançadas possibilitam o tratamento de
  • 22. fluxos pequenos e intermitentes de água que não são passíveis de tratamento por meio de processos biológicos como lodo ativado ou biorreatores de membrana. O tratamento descentralizado de efluentes é promovido por varias agências de desenvolvimento. Por exemplo, o método de tratamento descentralizado de efluentes, denominado Dewats, é também conhecido como ecos saneamento “molhado”. Dewats fornece uma série de módulos para obter água terciária tratada de qualidade – por meio de sedimentação, reatores compartimentados, filtros anaeróbicos e lagoas de polimento – usando relativamente pouca energia. O sistema Dewats é cada vez mais utilizado em áreas urbanas periféricas e em empresas de pequeno ou médio porte, especialmente em áreas que tradicionalmente usam água nas latrinas. Dewats é bastante difundido na Índia, no Sudeste Asiático e, mais recentemente, na África. A aplicação de abordagens de fita tecnologia tais como terras úmidas artificialmente construídas, pode ser adotada para escoamento superficial de águas pluviais e tratamento de esgoto doméstico. Essas abordagens podem atuar como tampão contra os efeitos de grandes quantidades de águas pluviais, enquanto, ao mesmo tempo, retêm, transformam, acumulam e/ou absorvem certos compostos tóxicos que têm origem em superfícies impermeáveis. Esse tipo de abordagem mostrou-se eficaz no sistema de purificação do Rio Akanoi, projetado para auxiliar na melhoria da qualidade da água do Lago Biwa (Japão) pelo tratamento de águas pluviais e de escoamento superficial agrícola; como também no tratamento localizado de águas servidas urbanas e de sistemas de terras úmidas em Huaxin, cidade de Xangai, na China. Diversas empresas privadas, hoje, oferecem tratamento convencional de água e efluentes em pequena escala. Cada vez mais, as economias emergentes exigem tratamento no local de efluentes, ao invés de permitir conexão com sistemas centralizados já sobrecarregados. A nova legislação da Índia exige que todos os grandes geradores de efluentes tratem todos os seus resíduos no local. Isso gerou uma proliferação na oferta de prestadores de serviços que projetam e desenvolvem unidades de abastecimento de água e de tratamento de efluentes para prédios de escritórios, apartamentos e outros usuários.
  • 23. Construtoras e incorporadoras imobiliárias em diversas cidades nos países de economias emergentes relatam que estão integrando os sistemas de tratamento de efluentes e de tratamento de água nos prédios residenciais por exigência dos compradores, especialmente nas áreas urbanas de regiões em que a água é mais escassa. Apesar da implantação de um minissistema convencional de tratamento de efluentes terem um custo aparentemente elevado, o valor é inferior a um quinto do preço da água fornecida por caminhões-pipa ou de outras fontes. Efluentes tratados podem ser aproveitados para uso em jardins, para descarga de toaletes e para a recarga de águas subterrâneas. Há uma tendência crescente em áreas periurbanas e rurais dos países em desenvolvimento e emergentes, bem como em áreas de ocupação nova nos países desenvolvidos, de optar por sistemas alternativos que não os convencionais de abastecimento de água e tratamento de esgotos sanitários municipais. Sistemas de pequena escala podem ser mais eficientes em termos energéticos, demandar menos manutenção (se projetados com base nos sistemas Ecosan ou Dewats) e incorrerem menores custos para instalação de tubulações do que um sistema centralizado que abranja distâncias maiores. No entanto, sistemas de pequena escala muitas vezes exigem mais espaço e podem não ser os mais adequados para áreas urbanas de povoamento mais denso. Tais sistemas podem reduzir a pressão sobre sistemas centralizados de abastecimento de água e diminuir a necessidade de expandir as redes; contudo, complicam os mecanismos regulatórios tradicionais, pois levam a uma situação em que a água potável e a água para outras finalidades (descargas de toalete e irrigação paisagística) provêm de diferentes fontes, e o tratamento e a disposição final de resíduos ocorrem em diversos locais. Domicílios Efluentes domésticos podem muitas vezes ser tratados localmente. Por questões de saúde pública, essa forma de tratamento é mais apropriada em áreas rurais ou em assentamentos dispersos. Esse tratamento pode ser efetuado com toalete
  • 24. seco ou molhado. Fossas sépticas oferecem um método comum de tratamento domiciliar de efluentes provenientes de toalete de descarga. Uma fossa séptica é uma câmara impermeável na qual efluente domiciliares (tanto água negra do toalete quanto água cinza do banho, da pia e da lavanderia) são depositados. Duas câmaras servem para decantar os sólidos e propiciar processos anaeróbicos que decompõem os sólidos e a matéria orgânica. O tratamento nessas câmaras é incompleto, e o lodo acumulado precisa ser periodicamente removido e seco. Existem diversos tipos de sistemas de toalete seco (Morgan, 2007; Mara, 1984; Jah, 2005). Entre estes, há toaletes rasos em que, após um curto período de uso, uma árvore é plantada (Arborloo); e toaletes de compostagem profunda, dos quais material húmico é reaproveitado na horticultura. O conceito geral por trás destes toaletes compõe o modelo de ecos saneamento. Ecos saneamento, um método promovido por diversas agências de desenvolvimento, inclusive Stockholm Environment Institute (SEI) e Deutsche Gesellschaft fur Technische Zusammenarbeit (GTZ), baseia-se no conceito de fechar o circuito de nutrientes em saneamento, distanciando- se de abordagens convencionais de saneamento que dependem da água. O modelo tradicional de saneamento foi desenvolvido em países ricos em recursos hídricos, que muitas vezes não se adéqua às realidades de países que enfrentam escassez de água. Ademais, uma das premissas centrais do ecos saneamento é que o excremento humano contém valiosos nutrientes que, desde que manuseados corretamente, podem auxiliar na conquista da segurança alimentar. Ecosaneamento envolve a separação da urina da matéria fecal, aplicando urina estéril diretamente nas plantas, e a compostagem de matéria fecal (principalmente secagem) até que se torne segura a sua aplicação na terra. Esse método é frequentemente empregado em conjunto com blocos de toaletes comunitário, em áreas com lençóis freáticos elevados e em áreas (periurbanas e rurais) nas quais não há sistema de esgoto sanitário. É uma abordagem muito utilizado na Índia, na China, na Suécia, na África e em partes da Europa Oriental. Instalações de ecos saneamento estão se proliferando rapidamente na China e na Índia e ambos os países têm escritórios de ecos saneamento. Na Província de
  • 25. Guangxi, na China, existe um projeto de grande vulto financiado pelo UNICEF, pela SIDA e pela Cruz Vermelha que está sendo implementado pela ONG local Jui San Society e por comitês locais de saúde pública desde 1997. O projeto abrangia 17 províncias (em 2003) e resultou na instalação de 685.000 novos toaletes de ecos saneamento (GTZ, 2005). Tratamento de efluentes industriais Processos industriais podem gerar quantidades significativas de águas servidas. Quando não é possível evitar a geração de tais efluentes ou quando não podem ser reciclados no local, é necessário que sejam tratados antes da sua disposição final. Normas a respeito da qualidade de efluentes industriais estão em vigor em várias partes do mundo, contudo, em muitas locais, não são devidamente aplicadas e fiscalizadas. Em alguns casos, se os efluentes industriais não forem perigosos, podem ser tratados pela estação de tratamento municipal. Em casos em que a qualidade da água do efluente industrial líquido é altamente degradada ou tóxica, o proprietário da unidade industrial deve ser responsabilizado pela remoção de poluentes da água antes do seu lançamento e pela disposição final de lodo perigoso. Dispositivos utilizados em estações de tratamento municipais podem ser usados também em escala industrial; por exemplo, operadores ou proprietários de unidades industriais que gerem efluentes com misturas de óleo e água devem adquirir equipamentos como separadores de óleo, evaporadores de resíduos e unidades de osmose reversa. Processos de lodo ativado, ou filtros biológicos, podem ser úteis para mitigar os efeitos de contaminação microbiana. Solventes, tintas, produtos farmacêuticos, agrotóxicos e produtos orgânicos sintéticos podem dificultar o processo de tratamento de efluentes e a meta deve ser reduzir ou eliminar o uso desses produtos, ou assegurar um método de disposição final que não dependa da água. Entre os métodos de tratar produtos sintéticos orgânicos há o processamento de oxidação avançada, a destilação, a adsorção, a vitrificação e a incineração. Muitos materiais orgânicos tóxicos e metais pesados como cádmio, cromo, zinco, prata, tálio, arsênio e selênio também são de difícil tratamento nos efluentes industriais.
  • 26. Tratamento de efluentes agrícolas Em muitos casos, efluentes agrícolas, ou águas de escoamento superficial, são captados para serem reaproveitados ou descartados; águas de qualidade extremamente baixa podem ter de passar por tratamento antes de ser reaproveitadas ou descartadas. Normalmente, recorre-se a opções de tratamento menos intensivo porque a qualidade da água não precisa atender a padrões de potabilidade exigidos para que possa ser reaplicada no campo ou lançada em um corpo de água. A bioremediação é uma forma de tratamento pela qual, plantas, micro-organismos, fungos ou suas enzimas são utilizados para filtrar e remover contaminantes das águas poluídas. Na Nicarágua, por exemplo, produtores rurais estão experimentando com cultivos tolerantes ao sal que reduzem a salinidade de efluentes agrícolas, o que é normalmente muito difícil de se fazer sem uso de processos caros e intensivos em energia como osmose reversa. O tratamento por terras úmidas é outra opção de grande utilidade para a remoção de nitratos, componentes muito comuns na água de escoamento superficial agrícola, pois as terras úmidas criam ambientes anóxicos que favorecem a desnitrificação. Restauração ecológica e eco hidrológica A humanidade modificou radicalmente o planeta, alterando o clima, desviando grande porcentagem da água doce disponível, dobrando a taxa de fixação de nitrogênio e transformando os contornos da terra e descaracterizando os habitats florestais, várzeas, prados e deltas em terras agrícolas e cidades. Essas e outras alterações antrópicas provocaram degradação da superfície terrestre e de ecossistemas de água doce e marinhos; prejudicaram a saúde de ecossistemas e as funções que desempenham; e causaram taxas de extinção estimadas em 100 a 1.000 maiores que na era pré-humana (Chapin et al, 2000). Durante a última metade do século XX, o reconhecimento destes impactos aumentou bastante e hoje há cada vez mais esforços empreendidos para proteger e restaurar habitats e ecossistemas degradados e ameaçados em todo o mundo. A Sociedade para a Restauração Ecológica Internacional (SER) afirma que “a restauração ecológica é o processo de assistir na recuperação de um ecossistema que sofreu degradação, danos ou destruição” (SER, 2004). O
  • 27. processo da restauração busca identificar um conjunto de condições históricas e a sua trajetória natural de desenvolvimento evolucionário e recolocar o ecossistema nesta trajetória. Tais esforços exigem um bom entendimento das condições históricas e de ecossistemas comparáveis, um compromisso de longo prazo para com a disponibilização dos recursos necessários e, geralmente, monitoramento intensivo e gestão. Mesmo reunindo todos os esforços para tratar e reduzir a poluição busca obrigar os poluidores a internalizar tais custos. Diversos benefícios afluem desses esforços. É, reconhecidamente, muito menos oneroso controlar a poluição na fonte que remediar seus efeitos a jusante ou restaurar ecossistemas danificados e degradados. No caso de alguns recursos degradados, por exemplo, aquíferos contaminados, a restauração é simplesmente inviável, o que torna imperativo controlar ou eliminar contaminantes antes de seu lançamento. Entre os instrumentos disponíveis para obrigar poluidores a arcar com custos dessa natureza estão regulamentos, fiscalização, pressão pública e, em certos casos, incentivos fiscais (UN WWAP, 2009). O requisito básico para o sucesso de ações de restauração efetivas é uma clara identificação das condições existentes e dos problemas que acometem o recurso a ser restaurado. A pesquisa inicial pode ser dispendiosa e tecnicamente complexa, mas é um passo essencial para o êxito futuro do projeto. Como pré-requisitos para formulação de laudos técnicos, o processo engloba: coleta e análise de dados, definição das condições existentes e fatores de distúrbio, comparativos com as condições desejadas ou de referência, análise dos impactos de práticas de gestão atualmente em vigor. Essas etapas estabelecem as bases para a formulação de um conjunto de condições futuras desejadas, a identificação da escala e as considerações, apontando os objetivos e as limitações da restauração e a definição de metas e objetivos. Somente após a elaboração de amplo diagnóstico dos problemas e da definição de objetivos torna-se possível à implementação das ações de restauração, a serem seguida por ações de monitoramento, avaliação e gestão adaptativa (FISCRWG, 1998). Mesmo em países em desenvolvimento, os custos gerados pela deterioração da qualidade da água são muito superiores aos custos de esforços para remediar a qualidade da água. Esforços para restaurar o Rio Nairóbi e o Lago Victoria
  • 28. proporcionam lições gerais a respeito de restauração de águas superficiais, conforme mostrado no estudo de caso a seguir. Eco hidrologia Já existem abordagens consagradas que podem ser utilizadas para tratar da poluição de fontes localizadas ou difusas, no âmbito de bacia hidrográfica, por meio da aplicação de eco hidrologia e fito tecnologia. Essas abordagens baseiam-se no entendimento dos inter- relacionamentos entre processos ecológicos do ciclo das águas e sua captação e apoiam o papel de processos, esses elementos, esforços de restauração podem ser prejudicados ou mesmo aniquilados caso haja alterações mais contundentes na bacia hidrográfica ou na região, ou caso careçam do apoio e do envolvimento da comunidade local (SER, 2004). Projetos para restauração de fontes de água doce podem ser de natureza simples, como a remoção de uma barragem a montante e a recriação do leito natural do rio para restaurar a hidrografia que prevalecia antes da intervenção, a devolução de sedimentos e nutrientes ao sistema, a restauração de condições de temperatura da água históricas e o fomento à migração e à competição de espécies nativas em sistemas dinâmicos para os quais são adaptadas. Dependendo do porte do rio e das demandas a jusante, a remoção de uma barragem pode ser um processo de custo relativamente baixo. Por exemplo, o projeto de demolição da barragem Brownsville no Vale Willamette, nos Estados Unidos, retirou um barramento de 33,5 metros de largura que interrompia o fluxo do Rio Calapooia a um custo de US$ 860 mil, assim restaurando mais de 60 km de habitat ocupado por diversas espécies ameaçadas, inclusive salmões das espécies Chinook de primavera (Oncorhynchus tshawytscha) e Steelhead de inverno (O. mykiss). Em muitos casos, a restauração de processos naturais, como os fluxos naturais de um rio, simplesmente não é viável. Em outros casos, os esforços de restauração buscam replicar as estruturas e as funções de ecossistemas naturais de água doce por meio da instalação de obras construídas, como canais e comportas; no entanto, esses, em geral, não conseguem proporcionar os benefícios gerados por sistemas naturais. Terras úmidas construídas, por
  • 29. exemplo, podem imitar algumas das funções e serviços de ecossistemas naturais, mas raramente conseguem ter um desempenho tão saudável quanto terras úmidas naturais (MA, 2005a). No entanto, muitos dos fatores que degradam a qualidade da água em ecossistemas de água doce podem ser monitorados ou gerenciados para melhorar a salubridade do ecossistema. Existe, inclusive, uma consciência cada vez maior de que ignorar os impactos da poluição geram, em longo prazo, custos muito mais elevados que as medidas de remediação em curto prazo (UN WWAP, 2009). Essa consciência emergente já produziu alguns avanços. Por exemplo, a proibição de certos agrotóxicos já está em vigor em muitas regiões, o que tem gerado melhorias demonstráveis na qualidade da água e da salubridade dos ecossistemas (Carr e Neary, 2008). Historicamente, os custos da poluição foram externalizados. Poluidores simplesmente lançavam contaminantes em cursos de água de domínio público, repassando, assim, os custos para o meio ambiente, o público em geral e as gerações futuras. Muitos dos ecossistêmicos na melhoria da qualidade da água. A articulação dessa abordagem com as capacidades sociais e econômicas existentes em determinada região por meio do envolvimento de todos os usuários de água pela criação de um comitê de gestão da bacia hidrográfica é o elemento fundamental para o encontro de soluções sistêmicas que incorporam elementos ambientais e sociais. A quantidade e a qualidade da água em determinada região são condicionados não só por fatores climáticos, mas também por fatores bióticos. A eco hidrologia integra conhecimentos da hidrologia e da ecologia para criar uma abordagem mais holística para entendimento e gestão de sistemas de água doce. A eco hidrologia considera as inter-relações entre, de um lado, a bacia de captação – como o gabarito da dinâmica das águas e dos nutrientes – e, do outro, a modificação de habitats e processos biológicos, desde a sucessão ecológica e produtividade biológica, até a circulação de nutrientes no ciclo microbiano (Wagner e Zalewski, 2009).
  • 30. O conceito foi inicialmente introduzido pelo Programa Hidrológico Internacional da Organização para a Educação, a Ciência e a Cultura das Nações Unidas (UNESCO) como abordagem de gestão em resposta à falta de resultados positivos das estratégias tradicionais de gestão de enchentes, qualidade da água e controle de erosão. Com o objetivo de buscar soluções para os problemas dos recursos hídricos da Terra, foi realizado no Japão, em março de 2003, o III Fórum Mundial de Água. Políticos, estudiosos e autoridades do mundo todo aprovaram medidas e mecanismos de preservação dos recursos hídricos. Estes documentos reafirmam que a água doce é extremamente importante para a vida e saúde das pessoas e defende que, para que ela não falte no século XXI, alguns desafios devem ser urgentemente superados: o atendimento das necessidades básicas da população, a garantia do abastecimento de alimentos, a proteção dos ecossistemas e mananciais, a administração de riscos, a valorização da água, a divisão dos recursos hídricos e a eficiente administração dos recursos hídricos. Embora muitas soluções sejam buscadas em esferas governamentais e em congressos mundiais, no cotidiano todos podem colaborar para que a água doce não falte. A economia e o uso racional da água devem estar presentes nas atitudes diárias de cada cidadão. A pessoa consciente deve economizar, pois o desperdício de água doce pode trazer drásticas consequências num futuro pouco distante. CUIDANDO DAS ÁGUAS Com o objetivo de buscar soluções para os problemas dos recursos hídricos da Terra, foi realizado no Japão, em março de 2003, o III Fórum Mundial de Água. Políticos, estudiosos e autoridades do mundo todo aprovaram medidas e mecanismos de preservação dos recursos hídricos. Estes documentos reafirmam que a água doce é extremamente importante para a vida e saúde das pessoas e defende que, para que ela não falte no século XXI, alguns desafios devem ser urgentemente superados: o atendimento das necessidades básicas da população, a garantia do abastecimento de alimentos, a proteção dos ecossistemas e
  • 31. mananciais, a administração de riscos, a valorização da água, a divisão dos recursos hídricos e a eficiente administração dos recursos hídricos. Embora muitas soluções sejam buscadas em esferas governamentais e em congressos mundiais, no cotidiano todos podem colaborar para que a água doce não falte. A economia e o uso racional da água devem estar presentes nas atitudes diárias de cada cidadão. A pessoa consciente deve economizar, pois o desperdício de água doce pode trazer drásticas consequências num futuro pouco distante. Por Jennifer Fogaça Graduada em Química Poluição do Solo A poluição do solo é qualquer alteração das suas características naturais através da deposição, descarga, infiltração ou acumulação no solo de produtos poluentes. As suas principais fontes de poluição são resíduos (lixos domésticos e industriais) deitados no solo sem qualquer tipo de tratamento, os pesticidas e fertilizantes utilizados na agricultura e os detritos da criação de animais. Diferentes produtos tóxicos aparecem misturados com o lixo. Quando acumulados e com o passar do tempo, infiltram-se no solo. Esta situação é agravada quando chove. A água da chova atravessa o lixo dissolve os produtos tóxicos nele existentes e, por infiltração ou escoamento, poluem as águas subterrâneas, os ribeiros, os rios e os lagos. bibliografia: http://cyberturma.no.sapo.pt/poluicao
  • 32. Definição Podemos definir poluição ambiental como a ação de contaminar as águas, solos e ar. Esta poluição pode ocorrer com a liberação no meio ambiente de lixo orgânico, industrial, gases poluentes, objetos materiais, elementos químicos, entre outros. Problemas causados A poluição ambiental prejudica o funcionamento dos ecossistemas, chegando a matar várias espécies animais e vegetais. O homem também é prejudicado com este tipo de ação, pois depende muito dos recursos hídricos, do ar e do solo para sobreviver com qualidade de vida e saúde. Poluentes

Related Documents