PORQUE ENSINAR GÊNEROSTEXTUAIS NA ESCOLA?Maria Helena Santos DubeuxLeila Nascimento da SilvaAna Cláudia Rodrigues G. Pessoa
A LÍNGUA: PERSPECTIVA SOCIOINTERACIONISTAAÇÃO SOCIALSITUADO NUMCONTEXTOHISTÓRICOREPRESENTAALGO DOMUNDO REALCULTURAL LINGUÍ...
• No pensamento bakhtiniano a linguagemé concebida de um ponto de vistahistórico, cultural e social que inclui,para efeito...
• Referimo-nos a tipos textuais para tratarmosde sequências teoricamente definidas pelanatureza linguística da sua composi...
O que são tipos?• Não são textos com funções sociais definidas. Sãocategorias teóricas determinadas pelaorganização dos el...
O que são gêneros textuais?• Para Schneuwly e Dolz (2004), sãoinstrumentos culturais disponíveis nasinterações sociais. Sã...
• Assim, para que a interação entre falantesaconteça, cada sociedade traz consigo um legadode gêneros, por meio dos quais ...
Pensamento Bakhtiniano• Aprendemos a moldar nossa fala às formas dogênero e, ao ouvir a fala do outro, sabemos deimediato,...
OS GÊNEROS TEXTUAISEFEITONORMATIVOMODELADORESDO DISCURSOINSTRUMENTO
CONCEITO DE INSTRUMENTOPapel do gêneroMEDIADORA ação é mediadapor objetosespecíficosInstrumentopsicológicoVygotskiano,INTE...
Os objetos específico se constituemnos instrumentos que• ”[...] encontram-se entre o indivíduo que agee o objeto sobre o q...
AMPLIAÇÃO DO GÊNERO• O e-mail e o blog que, como recursos recentesdecorrentes do progresso tecnológico, sãorespectivamente...
Direito: Produzir e compreender gêneros textuais diversos deacordo com a exigência da situação comunicativa• Como atingir ...
Como pode ser o ensino na escola?• o ensino da leitura e da escrita na escola pode sersistematizado de forma que o aluno p...
IMPORTANTE:• Com essa discussão teórica acerca do conceitode gênero textual, procuramos fornecer aoprofessor elementos que...
CUIDADOS:• 1 - Escolher os textos a serem lidos, considerando-se não apenas osgêneros a que pertencem, mas, sobretudo, o s...
Conhecendo trava-línguas:• O pato pia a pia pinga quanto mais a pia pinga mais o pato pia.• Com o objetivo de conversar so...
Referências :BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.KOCH, Ingedore; ELIAS, Vanda. L...
of 18

PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola

Published on: Mar 4, 2016
Source: www.slideshare.net


Transcripts - PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola

  • 1. PORQUE ENSINAR GÊNEROSTEXTUAIS NA ESCOLA?Maria Helena Santos DubeuxLeila Nascimento da SilvaAna Cláudia Rodrigues G. Pessoa
  • 2. A LÍNGUA: PERSPECTIVA SOCIOINTERACIONISTAAÇÃO SOCIALSITUADO NUMCONTEXTOHISTÓRICOREPRESENTAALGO DOMUNDO REALCULTURAL LINGUÍSTICOEm uma perspectiva sociointeracionista, o eixo do ensino dalíngua materna é a compreensão e produção de textos.
  • 3. • No pensamento bakhtiniano a linguagemé concebida de um ponto de vistahistórico, cultural e social que inclui,para efeito de compreensão e análise, acomunicação efetiva e os sujeitos ediscursos nela envolvidos.Noções fundamentais para se trabalhar leiturae produção textual na sala de aula
  • 4. • Referimo-nos a tipos textuais para tratarmosde sequências teoricamente definidas pelanatureza linguística da sua composição:narração, exposição, argumentação,descrição, injunçãoTIPOS TEXTUAIS
  • 5. O que são tipos?• Não são textos com funções sociais definidas. Sãocategorias teóricas determinadas pelaorganização dos elementos lexicais, sintáticos erelações lógicas presentes nos conteúdos aserem falados ou escritos, distinguindo-secapacidades de linguagem requeridas para aprodução de diferentes gêneros textuais.(MARCUSCHI, 2005; MENDONÇA 2005; SANTOS,MENDONÇA E CAVALCANTE, 2006).
  • 6. O que são gêneros textuais?• Para Schneuwly e Dolz (2004), sãoinstrumentos culturais disponíveis nasinterações sociais. São historicamentemutáveis e, consequentemente, relativamenteestáveis. Emergem em diferentes domíniosdiscursivos e se concretizam em textos, quesão singulares.
  • 7. • Assim, para que a interação entre falantesaconteça, cada sociedade traz consigo um legadode gêneros, por meio dos quais são partilhadosconhecimentos comuns. Em consequência dasmudanças sociais, os gêneros se transformam,desaparecem, dão origem a outros gêneros.Desse modo, novos gêneros textuais vão seconstituindo, em um processo permanente, emfunção de novas atividades sociais.
  • 8. Pensamento Bakhtiniano• Aprendemos a moldar nossa fala às formas dogênero e, ao ouvir a fala do outro, sabemos deimediato, bem nas primeiras palavras, pressentir-lhe o gênero, adivinhar-lhe o volume (a extensãoaproximada do todo discursivo), a dada estruturacomposicional, prever-lhe o fim. (…) Se nãoexistissem os gêneros do discurso e se não osdominássemos, se tivéssemos de construir cadaum de nossos enunciados, a comunicação verbalseria quase impossível.
  • 9. OS GÊNEROS TEXTUAISEFEITONORMATIVOMODELADORESDO DISCURSOINSTRUMENTO
  • 10. CONCEITO DE INSTRUMENTOPapel do gêneroMEDIADORA ação é mediadapor objetosespecíficosInstrumentopsicológicoVygotskiano,INTERACIONISMOSOCIALSocialmenteelaboradosFrutos dasexperiências dasgeraçõesprecedentesPapel do gêneroMEDIADORA ação é mediadapor objetosespecíficosAÇÃOSujeitoObjetoINTERACIONISMOSOCIALSocialmenteelaboradosFrutos dasexperiências dasgeraçõesprecedentes
  • 11. Os objetos específico se constituemnos instrumentos que• ”[...] encontram-se entre o indivíduo que agee o objeto sobre o qual ou a situação na qualele age: eles determinam seucomportamento, guiam-no, afinam ediferenciam sua percepção da situação naqual ele é levado a agir [...]”. Schneuwly (2004,p. 21).
  • 12. AMPLIAÇÃO DO GÊNERO• O e-mail e o blog que, como recursos recentesdecorrentes do progresso tecnológico, sãorespectivamente transmutações das cartas e dosdiários .• O desafio para o ensino da língua portuguesa étrabalhar com essa diversidade textual na sala deaula, explorando de forma aprofundada o que épeculiar a um gênero textual específico, tendoem vista situações de uso também diversas.
  • 13. Direito: Produzir e compreender gêneros textuais diversos deacordo com a exigência da situação comunicativa• Como atingir esse direito?• é necessário que as crianças possam tercontato com a diversidade de gêneros detipologias distintas ao longo da suaescolaridade .
  • 14. Como pode ser o ensino na escola?• o ensino da leitura e da escrita na escola pode sersistematizado de forma que o aluno possa refletir,apropriar-se e usar diversos gêneros textuais.Conforme sintetizam Mendonça e Leal (2005),com uma proposta de aprendizagem em espiral,um mesmo gênero pode ser trabalhado em anosescolares diversos ou até na mesma série, comvariações e aprofundamentos diversos.
  • 15. IMPORTANTE:• Com essa discussão teórica acerca do conceitode gênero textual, procuramos fornecer aoprofessor elementos que lhe permitam criarsituações de ensino que favoreçam o processodo alfabetizar letrando.
  • 16. CUIDADOS:• 1 - Escolher os textos a serem lidos, considerando-se não apenas osgêneros a que pertencem, mas, sobretudo, o seu conteúdo (o que édito), em relação aos temas trabalhados.O objetivo é que as crianças aprendam a ler e escrever, mastambém aprendam por meio da leitura e da escrita.• 2 - Propor situações de leitura e produção de textos com finalidadesclaras e diversificadas, enfocando os processos de interação e nãoapenas as reflexões sobre aspectos formais. Podemos exemplificarumas dessas situações através de uma atividade presente nos livros• didáticos:
  • 17. Conhecendo trava-línguas:• O pato pia a pia pinga quanto mais a pia pinga mais o pato pia.• Com o objetivo de conversar sobre o texto algumas questões podem ser formuladas:• 1) O nome desse tipo de texto é trava-línguas. Você sabe por quê?• 2) Quem conhece outros trava-línguas? Fale os que você conhece para os colegas.• 3) Agora vamos treinar bastante os trava-línguas apresentados pelos colegas e• vamos ver quem consegue dizer mais rápido e sem errar as palavras.• 3 - Escolher os gêneros a serem trabalhados, com base em critérios claros,considerando-se, sobretudo: os conhecimentos e habilidades a serem ensinados; asrelações entre os gêneros escolhidos e os temas/conteúdos a serem tratados.• 4 - Abordar os gêneros considerando não apenas aspectos composicionais eestilísticos, mas, sobretudo, os aspectos sociodiscursivos (processos de interação,como as finalidades, tipos de destinatários, suportes textuais, espaços decirculação...).
  • 18. Referências :BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.KOCH, Ingedore; ELIAS, Vanda. Ler e compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2009.MARCUSCHI, Luiz Antonio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Angela Paiva;MACHADO, AnnaRachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora. Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.MENDONÇA, Márcia. Gêneros: por onde anda o letramento? In: XAVIER, Antonio Carlos dos Santos; ALBUQUERQUE,Eliana Borges Correia; LEAL, Telma Feraz (orgs.). Alfabetização e letramento: conceitos e relações. Belo Horizonte:Autêntica, 2005.MENDONÇA, Márcia; LEAL, Telma Leal. Progressão escolar e gêneros textuais. In: XAVIER, Antonio Carlos dos Santos;ALBUQUERQUE, Eliana Borges Correia; LEAL, Telma Feraz (orgs.). Alfabetização e letramento: conceitos e relações. BeloHorizonte: Autêntica, 2005.SANTOS, Carmi Ferraz; MENDONÇA, Márcia; CAVALCANTE, Marianne, Carvalho Bezerra.Trabalhar com texto é trabalharcom gênero? In: SANTOS, Carmi Ferraz, MENDONÇA, Márcia; CAVALCANTE, Marianne, Carvalho Bezerra (orgs.).Diversidade textual os gêneros na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.SCHNEUWLY, Bernard. Gêneros e tipos de discurso: considerações psicológicas e ontogenéticas. In: CHNEUWLY, Bernard;DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado das Letras, 2004.SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campina: Mercado das Letras, 2004.13

Related Documents