EVANIR LEITE DA SILVA
Rio de Janeiro – RJ
Março de 2001
BIODANZA - um caminho para o desenvolvimento da AUTO-ESTIMA
1
INTERNATIONAL BIOCENTRIC FOUNDATION
ASSOCIAÇÃO ESCOLA DE BIODANZA ROLANDO TORO DO RIO DE JANEIRO
CURSO DE FORMAÇÃO DE DO...
2
BIODANZA – UM CAMINHO PARA O DESENVOLVIMENTO DA AUTO-ESTIMA
EVANIR LEITE DA SILVA
MONOGRAFIA APRESENTADA À
ASSOCIAÇÃO ES...
3
AGRADECIMENTOS
ROLANDO TORO ARANEDA
Que com sua genialidade, criou a Biodanza.
ECY FERREIRA COSTA
Que me ensinou a dar o...
4
Chamamento
Somos la memoria del mundo.
Sólo debemos recordar lo que
Está en nuestras células.
Los frutos del verano.
El ...
5
ÍNDICE
1. INTRODUÇÃO.......................................................................................................
6
1.INTRODUÇÃO
Sempre dediquei uma atenção especial à auto-estima. Mesmo antes de
entrar para a Biodanza, li muitos textos...
7
2. IMPORTÂNCIA DA AUTO-ESTIMA1
Nos idos de 1970/1980 não existia uma teoria geral da auto-estima, nem
sequer uma definiç...
8
As pessoas com auto-estima elevada, certamente, podem ser derrubadas
por um excesso de problemas, mas são rápidas em rec...
9
3. O QUE É AUTO-ESTIMA2
Neste item apresentaremos os conceitos de NATHANIEL BRANDEN,
Psicólogo Teórico, Psicoterapeuta d...
10
responsáveis por nossas escolhas e atos e, dessa forma, nosso
desenvolvimento não será bloqueado. Aceitar não significa...
11
A auto-aceitação, em última análise, refere-se a uma atitude de
autovalorização e de compromisso, que deriva, fundament...
12
 Sentir-se inadequado à vida, com sensação de culpa, vergonha ou
inferioridade e, uma clara ausência de auto-aceitação...
13
4. AUTO-ESTIMA, AFETO E APRENDIZAGEM7
(Adaptação do texto “Auto-Estima”, MARIA DO ROSÁRIO SILVA SOUZA
– Psicopedagoga –...
14
5. AUTO-ESTIMA E AMOR8
Não é difícil perceber a importância da auto-estima para o sucesso no
âmbito dos relacionamentos...
15
6. AUTO-ESTIMA E O BRINCAR9
(Adaptação do texto “O brincar e o desenvolvimento da auto-estima”,
CLOVES AMORIM – Departa...
16
7. AUTO-IMAGEM E A QUESTÃO DA CULPA10
A nossa meta é possuir uma auto-imagem forte e positiva, mantendo-a
independente ...
17
8. ESTRUTURAÇÃO DA AUTO-ESTIMA11
A auto-estima é um rico e inesgotável campo de estudos. Tem função
vital na vida human...
18
A forma como nos sentimos acerca de nós mesmos é algo que afeta
crucialmente todos os aspectos da nossa experiência. No...
19
 À medida que a pessoa avançar na escala evolutiva, passar a praticar mais
as ações que mantêm a auto-estima. O que de...
20
9. BIODANZA E AUTO-ESTIMA
Não há como se desenvolver a auto-estima num contexto isolado e, fora
de um processo grupal. ...
21
Encanto - Identidad Afectiva - Identidad Sexual
Creatividad - Adaptación
AUTORREALIZACIÓN
AUTOCREACIÓN
EXISTENCIAL
POTE...
22
9.1 Componentes do Esquema Dinâmico da Identidade12
Identidade
IDENTIDADE é a comovedora e intensa sensação de estar vi...
23
Vivência de Estar Vivo
A vivência de estar vivo está afetada constantemente pelo humor
corporal e pelos estímulos exter...
24
A expressão genética se manifesta nas Cinco Linhas de Vivência, que
representam os cinco conjuntos do potencial humano:...
25
26
A proposta da Biodanza não consiste somente em dançar, senão em
ativar, mediante certas danças (dança vista como movime...
27
É através da afetividade que chegamos à inteligência suprema, que
abrange: amor indiferenciado, consciência ética, inte...
28
9.7 Contato e Carícias17
O contato é uma fonte de saúde. Permite o fluxo da informação e a
conexão da energia da vida.
...
29
9.8 Efeito das Carícias a Nível Orgânico e Existencial18
Os efeitos neurofisiológicos da carícia foram estudados por RE...
30
9.11 Efeito das Carícias sobre a Existência21
 Prioridade do sentimento, no desenvolvimento do projeto existencial;
 ...
31
10. CONCLUSÃO
10.1 Quanto à Auto-Estima24
Negar a importância da auto-estima é um erro, mais atribuir-lhe valor
demasia...
32
10.3 Quanto `a Biodanza26
Biodanza não é uma disciplina alternativa. É uma extensão das ciências
humanas. Integra o cor...
33
11. ANEXO
Neste item apresentaremos os depoimentos de alguns alunos da Oficina:
ABRINDO AS PORTAS PARA O CRESCIMENTO, c...
34
 Foi maravilhoso pelo crescimento pessoal e pelo compartilhamento com
outras pessoas (L.S.S., empregado da EMBRATEL).
...
35
12.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BRANDEN, Nathaniel – O Poder da Auto-Estima. S. Paulo, Saraiva, 1996
__________ Auto-Esti...
of 36

Biodanza como um caminho para o desenvolvimento da auto-estima | Por Evanir Leite da Silva

Monografia apresentada à Escola de Biodanza Rolando Toro do Rio de Janeiro como requisito parcial para obtenção do título de professoras de Biodanza.
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Presentations & Public Speaking      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Biodanza como um caminho para o desenvolvimento da auto-estima | Por Evanir Leite da Silva

  • 1. EVANIR LEITE DA SILVA Rio de Janeiro – RJ Março de 2001 BIODANZA - um caminho para o desenvolvimento da AUTO-ESTIMA
  • 2. 1 INTERNATIONAL BIOCENTRIC FOUNDATION ASSOCIAÇÃO ESCOLA DE BIODANZA ROLANDO TORO DO RIO DE JANEIRO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES BIODANZA – UM CAMINHO PARA O DESENVOLVIMENTO DA AUTO-ESTIMA EVANIR LEITE DA SILVA RIO DE JANEIRO – RJ 2001
  • 3. 2 BIODANZA – UM CAMINHO PARA O DESENVOLVIMENTO DA AUTO-ESTIMA EVANIR LEITE DA SILVA MONOGRAFIA APRESENTADA À ASSOCIAÇÃO ESCOLA DE BIODANZA ROLANDO TORO DO RIO DE JANEIRO, PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE PROFESSOR TITULAR DE BIODANZA ORIENTADOR: ANTONIO JOSÉ SARPE
  • 4. 3 AGRADECIMENTOS ROLANDO TORO ARANEDA Que com sua genialidade, criou a Biodanza. ECY FERREIRA COSTA Que me ensinou a dar os primeiros passos na Biodanza. MARIA LÚCIA PESSOA SANTOS Que me iniciou no enfrentamento dos meus medos. MARIA ADELA CREMONA MARTINS IRIGOYEN Que facilitou a minha vivência de viver de forma criativa e feliz. ANTONIO JOSÉ SARPE Que me ajudou a enfrentar os desafios da vida, com muita sabedoria. GLADYS TRINDADE DE ARAÚJO Que me ajudou a concretizar um projeto da vida. INÊS PACÍFICO Que me deu muita força para a elaboração desta monografia. NÉLIDA PEREZ Que contribuiu com informações importantes para a elaboração desta monografia. ANTONIO PÚPERI Pelo carinho de me enviar uma cópia da sua monografia. MEUS COMPANHEIROS DE FORMAÇÃO Pela cumplicidade e coesão. MEUS COMPANHEIROS DO GRUPO REGULAR Que contribuíram para a elevação da minha auto-estima. MEUS ALUNOS DE BIODANZA Que me impulsionaram a seguir em frente. MINHA MÃE Pelo apoio e incentivo para a realização de um sonho.
  • 5. 4 Chamamento Somos la memoria del mundo. Sólo debemos recordar lo que Está en nuestras células. Los frutos del verano. El amor voluptuoso. La capacidad de ponerse en el lugar del otro. El contacto. El coraje de innovar. El abrazo, el adiós y el encuentro. El mar en nuestra piel. La música de la vida. La danza de la vida. Biodanza nos devuelve La memoria ancestral La posibilidad absoluta de amor. Rolando Toro Araneda
  • 6. 5 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO................................................................................................................6 2. IMPORTÂNCIA DA AUTO-ESTIMA............................................................................7 3. O QUE É AUTO-ESTIMA...............................................................................................9 3.1 Características da Pessoa com Auto-Estima Elevada 3.2 Características da Pessoa com Auto-Estima Baixa 3.3 Características da Pessoa com Auto-Estima Mediana 4. AUTO-ESTIMA, AFETO E APRENDIZAGEM...........................................................13 5. AUTO-ESTIMA E AMOR.............................................................................................14 6. AUTO-ESTIMA E O BRINCAR...................................................................................15 7. AUTO-IMAGEM E A QUESTÃO DA CULPA............................................................16 8. ESTRUTURAÇÃO DA AUTO-ESTIMA......................................................................17 8.1 Princípios Básicos da Auto-Estima 8.2 Crítica a NATHANIEL BRANDEN 9. BIODANZA E AUTO-ESTIMA...................................................................................20 9.1 Componentes do Esquema Dinâmico da Identidade 9.2 Desenvolvimento dos Potenciais Genéticos 9.3 Biodanza e Auto-Estima 9.4 Definição de Biodanza 9.5 Inteligência Afetiva 9.6 Processo de Crescimento 9.7 Contato e Carícias 9.8 Efeito das Carícias a Nível Orgânico e Existencial 9.9 Efeito das Carícias sobre as Emoções e os Sentimentos 9.10 Efeito das Carícias sobre a Percepção e a Consciência 9.11 Efeito das Carícias sobre a Existência 9.12 Ação Terapêutica do Contato e da Carícia 9.13 Integração 10. CONCLUSÃO................................................................................................................31 10.1 Quanto à Auto-Estima 10.2 Quanto ao Potencial Genético 10.3 Quanto à Biodanza 11. ANEXO...........................................................................................................................33 12. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS............................................................................35
  • 7. 6 1.INTRODUÇÃO Sempre dediquei uma atenção especial à auto-estima. Mesmo antes de entrar para a Biodanza, li muitos textos que não me satisfizeram, dado à superficialidade com que foram tratados. Quando entrei para o Grupo Regular de Biodanza, comecei a vivenciar a transformação da minha auto-estima. À medida que eu ia caminhando no meu processo de crescimento, aumentava ainda mais o meu interesse pelo tema. Ao me iniciar no Curso de Formação de Facilitadores de Biodanza, decidi que a minha monografia seria sobre a auto-estima. Estava certa disso, tanto que compartilhei esta decisão a todos que me cercavam. Comecei a ter sensações de medo e coragem. Confiava nas conquistas que eu obtivera com a Biodanza e, por isso mesmo, acreditava que poderia vencer as dificuldades e embarcar nesta aventura maravilhosa. Pesquisando a bibliografia da Biodanza, verifiquei que a auto-estima era muito pouco trabalhada. Ao reler os textos sobre Identidade, constatei que lá estava tudo o que procurava, com a profundidade e seriedade tão peculiar de ROLANDO TORO ARANEDA, criador do Sistema Biodanza. A auto-estima é o componente básico da Identidade. Começa a se desenvolver a partir das protovivências (sensações orgânicas que o bebê experimenta nos primeiros meses de vida) e, se expressa através das potencialidades vitais, afetivas, criativas, sexuais e transcendentes. A Biodanza está centrada na Identidade e, consequentemente, na auto- estima. Adota a metodologia vivencial num contexto grupal, favorecendo o desenvolvimento da auto-estima. Este trabalho evidencia a maneira pela qual chegamos á Biodanza. Apresenta os recursos para que a pessoa possa se desenvolver, dar o salto evolutivo. Destaca como ponto central a “ atuação da Biodanza no desenvolvimento da auto-estima do adulto”. O meu grande desafio e a minha grande ousadia estão espalhados nesta monografia.
  • 8. 7 2. IMPORTÂNCIA DA AUTO-ESTIMA1 Nos idos de 1970/1980 não existia uma teoria geral da auto-estima, nem sequer uma definição consensual sobre o termo. Os autores diziam coisas diferentes, o que acarretava medição de fenômenos diversos e, às vezes, um conjunto de dados invalidava outros. O campo era uma Torre de Babel. Ainda hoje não há uma definição de auto-estima que seja aceita por todos. Há nos Estados Unidos um Conselho Nacional da Auto-Estima com escritórios instalados em diversas cidades. Quase toda semana em algum lugar do país, há uma conferência na qual as discussões sobre auto-estima têm um papel de destaque. O interesse na auto-estima não se limita aos Estados Unidos. Vem se espalhando pelo mundo, como por exemplo Oslo(Noruega), Grã-Bretanha, vários países da Europa, inclusive a antiga União Soviética. Lamentavelmente não encontramos nenhuma menção a ROLANDO TORO ARANEDA, criador do Sistema Biodanza, que na minha opinião é o mais adequado para o desenvolvimento da auto-estima. Hoje em dia auto-estima se tornou moda. Está na boca de todos, não significando um melhor entendimento, correndo o risco de ser trivializada. O impacto da auto-estima em nossa vida não necessita do nosso entendimento, nem do nosso conhecimento. Ela faz o seu trabalho dentro de nós, saibamos disso ou não. Somos livres para tentar apreender a dinâmica da auto-estima ou, para permanecer inconsciente a respeito dela. Nesse caso continuaremos sendo um mistério para nós mesmos e, teremos que arcar com as conseqüências. A auto-estima é formada por fatores internos quanto externos. Fatores internos são os que residem dentro do indivíduo ou que são gerados por ele, tais como idéias ou crenças, práticas ou comportamentos. Fatores externos são os oriundos do meio ambiente, tais como mensagens verbais ou não verbais, fruto da convivência com pais, pessoas significativas, professores, membros de uma organização ou, até mesmo os que nos são transmitidos pela cultura. A auto-estima não substitui um teto nem a comida, mas aumenta a probabilidade da pessoa satisfazer essas necessidades. A auto-estima não substitui o conhecimento e habilidades necessários para se agir com eficiência no mundo, mas aumenta a probabilidade de serem adquiridos. 1 Nathaniel Branden, Auto-Estima e os Seus Seis Pilares, 1996
  • 9. 8 As pessoas com auto-estima elevada, certamente, podem ser derrubadas por um excesso de problemas, mas são rápidas em recuperar-se. Daí se pensar na auto-estima como o sistema imunológico da consciência, provedor de resistência, força e capacidade de regeneração. Queremos enfatizar que a auto-estima saudável relaciona mais com uma maior flexibilidade na vida, ao invés de impermeabilidade ao sofrimento. A auto-estima tem uma participação essencial no processo da vida; é indispensável ao desenvolvimento normal e saudável. A auto-estima é a base e o realce da vida. Vivemos numa economia global caracterizada por mudanças rápidas, aceleradas inovações científicas e por um nível de competitividade sem precedentes. A turbulência de nossa época exige indivíduos fortes, com claro senso de identidade, competência e valor. Para acompanharmos o desenvolvimento a que estamos submetidos, precisamos saber quem somos e nos centrarmos em nós mesmos. Temos que saber o que é importante para nós, caso contrário, será fácil sermos jogados de um lado para o outro, tragados por valores estranhos a nós, perseguindo valores que não dizem respeito a quem de fato somos. Precisamos aprender a pensar por nós mesmos, a cultivar nossos próprios recursos e assumir a responsabilidade pelas escolhas, pelos valores e pelas ações que dão forma à nossa vida. A estabilidade que não podemos encontrar no mundo terá que ser criada dentro de cada um de nós.
  • 10. 9 3. O QUE É AUTO-ESTIMA2 Neste item apresentaremos os conceitos de NATHANIEL BRANDEN, Psicólogo Teórico, Psicoterapeuta do Branden Institute for Self-Esteen em Los Angeles. Há mais de vinte e cinco anos ele introduziu um novo e revolucionário conceito de auto-estima. É autor de treze livros sobre o tema. “Auto-estima é a disposição que a pessoa tem para experimentar a si mesmo como alguém competente para lidar com os desafios básicos da vida (entender e dominar os problemas) e ter acesso à felicidade (respeitar os próprios interesses e necessidades). É o sistema imunológico da consciência. É a saúde da mente” (NATHANIEL BRANDEN). Segundo NATHANIEL BRANDEN os dois pilares da auto-estima são a autoconfiança e o auto-respeito. Estas são as características definidoras e fundamentais da auto-estima. Representam a essência da auto-estima. Autoconfiança é sentir-se seguro, sendo capaz de fazer escolhas diante dos desafios da vida. Auto-respeito é a certeza de ter valor como pessoa. É ter um sentimento de valor intrínseco. O auto-respeito é uma atitude de afirmação do direito de viver e de ser feliz; é sentir-se confortável ao expressar, de maneira apropriada, idéias, vontades e necessidades; é a sensação de que o prazer e a satisfação são direitos naturais. É ter a expectativa da amizade, do amor e da felicidade, como consequência natural de quem somos e do que fazemos. A capacidade de desenvolver autoconfiança e auto-respeito saudáveis é inerente à nossa natureza, pois o fato de estarmos vivos, alimentados por uma fonte cenestésica profunda, é o que torna consciente nossa identidade. Autoconceito ou Auto-imagem é o que pensamos a nosso próprio respeito, seja na forma qualificadora ou desqualificadora. Auto-aceitação3 significa aceitar a si mesmo e estar do seu próprio lado, a seu favor, sem negar ou evitar o fato em sí. É a recusa em manter um relacionamento antagônico consigo mesmo. A auto-aceitação exige que enfoquemos nossa experiência como uma atitude, que torne irrelevante os conceitos de aprovação ou desaprovação. Porém, a auto-aceitação não implica numa ausência de vontade de mudar ou evoluir. A verdade é que ela é uma precondição de mudança. Se aceitarmos, de fato, o que sentimos e o que somos, nos tornaremos mais 2 Nathaniel Branden, Auto-Estima e os Seus Seis Pilares, 1996 3 Nathaniel Branden, O Poder da Auto-Estima, 1996 Nathaniel Branden, Auto-Estima e os Seus Seis Pilares, 1996
  • 11. 10 responsáveis por nossas escolhas e atos e, dessa forma, nosso desenvolvimento não será bloqueado. Aceitar não significa, necessariamente, gostar; não significa que não possamos imaginar ou desejar mudanças e melhoras. Aceitar é respeitar a realidade; significa vivenciar, sem negação, que um fato é um fato. Somos sempre mais fortes quando não tentamos lutar contra a realidade. Se pudermos nos abrir para a nossa experiência e lembrar que somos maiores do que uma única emoção, poderemos, no mínimo, começar a transceder os sentimentos indesejáveis e, muitas vezes, dispensá-los. A aceitação plena e sincera tende, com o tempo, a dissolver a raiva, a inveja ou o medo. A aceitação é essencial para uma mudança positiva. Se eu me recuso a aceitar o fato de que muitas vezes vivo inconscientemente, como vou aprender a viver mais conscientemente? Se me recuso a aceitar o fato de que muitas vezes vivo de forma irresponsável, como vou aprender a viver com mais responsabilidade? Se eu me recuso a aceitar o fato de que muitas vezes vivo de modo passivo, como vou aprender a viver de maneira mais ativa? Não posso superar um medo cuja realidade nego. Não posso resolver um problema cuja existência não admito. Não posso curar uma dor que me recuso a reconhecer como minha. Não posso modificar traços de caráter que insisto em não ter. Não posso me desculpar por um ato que não reconheço ter cometido. Aceitar a nós mesmos é aceitar o fato de que as coisas que pensamos, sentimos e fazemos são todas expressões do nosso ser, no momento em que ocorrem. O problema da falta de aceitação não está, de maneira alguma, restrito a negativas. Podemos ter medo de nossos pontos positivos, tanto quanto de nossas fraquezas. Por exemplo, ter medo de nossa genialidade, de nossa ambição, de nosso arrebatamento, de nossa beleza, assim como de nosso vazio, de nossa passividade, de nossa depressão, ou de nossa feiúra. Nossos pontos negativos se relacionam com o problema da inadequação; nossos pontos positivos, com o desafio da responsabilidade. Quanto mais estivermos prontos para vivenciar e aceitar quem somos, maiores se tornarão os nossos recursos interiores. Nos sentiremos mais adequados perante os desafios e as oportunidades da vida. É também mais provável que encontremos ou criemos um estilo de vida que se adapte às nossas necessidades individuais. A auto-aceitação também se refere à coragem para gostarmos de nós mesmos, com ou sem defeitos.
  • 12. 11 A auto-aceitação, em última análise, refere-se a uma atitude de autovalorização e de compromisso, que deriva, fundamentalmente, do fato de estarmos vivos e conscientes da nossa existência. 3.1 Características da Pessoa com Auto-Estima Elevada4  Percepção ampliada do seu entorno, intuição, criatividade, autonomia, flexibilidade, habilidade para lidar com mudanças, disponibilidade para admitir/corrigir erros, benevolência e cooperação.  Capacidade para lidar com os problemas que surgem na vida pessoal e profissional, erguendo-se com maior rapidez após um tombo e, com mais energia para recomeçar.  Ser ambicioso, não necessariamente no sentido profissional ou financeiro, mas em termos do que se espera experimentar na vida emocional, intelectual, criativa e espiritual.  Capacidade de se expressar com clareza, com comunicações mais abertas, honestas e adequadas, refletindo a riqueza interior.  Capacidade para manter relacionamentos nutritivos, ao invés de tóxicos.  Capacidade para tratar os outros com respeito, benevolência, boa vontade e equanimidade, por não percebê-los como ameaça.  Sentir-se em ressonância com os sistemas viventes, com autonomia e prazer de vincular-se.  Tendência a avaliar suas capacidades de maneira realista.  Capacidade de persistir diante das dificuldades.  Capacidade de persistir nas tarefas por um tempo, significamente, maior do que as pessoas com auto-estima baixa.  Capacidade de perseverar, mantendo-se conectado com os desejos mais íntimos , sem sucumbir diante das frustrações inevitáveis da vida.  Capacidade de buscar o desafio e o estímulo para metas exigentes e valiosas. 3.2 Características da Pessoa com Auto-Estima Baixa5  Pouca ressonância com o seu entorno afetivo, dificuldade para perceber os acontecimentos de forma clara, rigidez, medo do novo e não-familiar, conformismo ou rebeldia impróprios, postura defensiva, comportamento por demais submisso ou supercontrolador, medo dos outros ou hostilidade em relação a eles. 4 Nathaniel Branden, Auto-Estima e os Seus Seis Pilares, 1996 5 Nathaniel Branden, Auto-Estima e os Seus Seis Pilares, 1996
  • 13. 12  Sentir-se inadequado à vida, com sensação de culpa, vergonha ou inferioridade e, uma clara ausência de auto-aceitação, autoconfiança e amor por si mesmo.  Perceber os outros como inferiores.  Desistir ou fazer o que tem de ser feito, sem dar, de fato, o melhor de si.  Buscar a segurança naquilo que é conhecido e pouco exigente.  Necessidade de provar o que é ou, de esquecer de si próprio, vivendo de modo mecânico e inconsciente.  Comunicações nebulosas, evasivas e impróprias, devido à incerteza quanto a seus próprios pensamentos e sentimentos e/ou, à ansiedade diante da reação do outro.  Buscar a auto-estima baixa nos outros, não de maneira consciente, mas pela lógica de que isso os faça sentir que encontrou a alma gêmea.  Diminuir a resistência frente às advertências da vida.  Viver mais para evitar o sofrimento, do que para experimentar o prazer, advindo daí o comportamento social supercontrolador.  Ter medo da intimidade, da felicidade e da plenitude. 3.3 Características da Pessoa com Auto-estima Mediana6  Ter a capacidade de flutuar entre sentir-se adequado ou inadequado, certo ou errado, manifestando essa inconsistência no comportamento e, reforçando a incerteza.  Agir, às vezes, com sabedoria e, outras vezes como um tolo. 6 Nathaniel Branden, Auto-estima e os seus Seis Pilares, 1996
  • 14. 13 4. AUTO-ESTIMA, AFETO E APRENDIZAGEM7 (Adaptação do texto “Auto-Estima”, MARIA DO ROSÁRIO SILVA SOUZA – Psicopedagoga – Campinas – SP – VIA INTERNET) A auto-imagem se desenvolve muito cedo na relação da criança com os pais/outras pessoas significativas, que atuam como espelhos, desenvolvendo determinadas imagens à criança. O afeto é muito parecido com o espelho. Quando demonstramos afetividade por alguém, essa pessoa torna-se nosso espelho e nós nos tornamos o dela, refletindo um no sentimento de afeto do outro. É assim que se desenvolve o vínculo do amor, essência humana. É nessa interação afetiva que desenvolvemos nossos sentimentos positivos ou negativos e, construímos nossa auto-imagem. Se os pais/outras pessoas significativas sempre opinarem de forma negativa, sempre taxarem de inútil e incapaz, ou fizerem zombarias e ironias a respeito do comportamento da criança, estarão contribuindo para que ela forme uma imagem inadequada sobre o seu valor como pessoa. Se com os amigos, na rua e na escola se repetirem as mesmas relações, teremos uma pessoa com baixa auto-estima e auto-imagem negativa. Se a criança for incentivada e elogiada naquilo que fizer, sentirá que sua família lhe quer bem e a respeita. Se sentirá importante, saberá que pode aprender e conseguirá. E, quanto mais acreditar que pode fazer, mais conseguirá realizar. Com isso, começará a confiar nas suas capacidades. É importante ensinar à criança que ela poderá fazer algumas coisas bem, e que poderá ter problemas com outras. Mas, esperamos que ela faça o melhor que puder. Com isso estaremos contribuindo para que a criança desenvolva a atitude da auto-aceitação. É também de grande ajuda que os pais/pessoas significativas admitam seus próprios erros ou fracassos perante à criança. Ela precisa saber que as outras pessoas também não são perfeitas. Errar e aceitar, faz parte da vida de todos nós. Quando a criança sentir que não tem condições de realizar algo, teremos que estimulá-la. Talvez tenhamos de dizer-lhe: “Claro que você pode. Vamos lhe ajudar”. O mais importante é estabelecer metas realistas e adequadas em conformidade com a idade da criança, dando-lhe oportunidade de se desenvolver, sem super protegê-la ou pressioná-la, nem compará-la com outras crianças. Dessa forma, a criança poderá formar uma auto-imagem positiva de si mesma, elevando a sua auto-estima. 7 Maria do Rosário Silva Souza, Texto: Auto-Estima, via INTERNET
  • 15. 14 5. AUTO-ESTIMA E AMOR8 Não é difícil perceber a importância da auto-estima para o sucesso no âmbito dos relacionamentos íntimos. Não existe barreira maior para a felicidade romântica do que o medo de não ser merecedor de amor e de estar fadado ao sofrimento. Medos como esses dão origem a profecias que acabam por se cumprir. Se a pessoa tem uma sensação fundamental de valor intrínseco e se sente capaz de ser amada, terá uma base para apreciar e amar os outros. O relacionamento amoroso será natural. A felicidade não a deixará ansiosa. Confiar na sua competência e no seu valor e, na capacidade do outro para reconhecê-los e apreciá-los, também dá origem a profecias que terminam por se realizar. Se porém faltarem o respeito e o prazer pelo que se é, a pessoa terá pouco a dar, exceto suas necessidades insatisfeitas. Na sua pobreza emocional, tenderá a ver as pessoas, essencialmente, como fontes de aprovação ou desaprovação. Não as apreciará pelo que são e têm o direito de ser. Verá apenas o que elas poderão ou não fazer por ela. Não estará buscando pessoas a quem admirar e com as quais compartilhar a excitação e a aventura da vida. Estará buscando quem não a condene e, talvez se impressione com sua pessoa, com a face que apresenta ao mundo. Sua capacidade de amar continua subdesenvolvida, porque a auto-estima necessária para manter o amor está ausente. Mesmo que em nível consciente a pessoa repudie seu sentimento de não ser capaz de ser amado, mesmo que insista em ser “maravilhoso”, a auto- imagem precária vai permanecer no fundo, minando tentativas dela se relacionar. Sem querer transforma-se num sabotador do amor. A pessoa tenta amar, mas as bases da segurança interior não existem. Pelo contrário, o que há é o medo secreto de que esteja fadada, apenas, ao sofrimento. Por isso escolhe alguém que, inevitavelmente, irá lhe rejeitar ou lhe abandonar. Ou, então, escolhe alguém com quem a felicidade seria possível, subverte o relacionamento com excessivas exigências de segurança, dando vazão a uma possessividade irracional, transformando pequenos atritos em catástrofes, buscando controlar através da subserviência ou dá dominação, dando um jeito de rejeitar seu parceiro antes que ele a rejeite. 8 Nathaniel Branden, Auto-Estima e os Seus Seis Pilares, 1996
  • 16. 15 6. AUTO-ESTIMA E O BRINCAR9 (Adaptação do texto “O brincar e o desenvolvimento da auto-estima”, CLOVES AMORIM – Departamento de Psicologia – PUC/PR – VIA INTERNET) A infância é o período essencial para o desenvolvimento saudável. Sofre a influência da auto-estima e da auto-imagem, que são variáveis que interferem, modelam, modulam e alteram o curso desejado e esperado para o existir pleno de uma criança. A auto-estima, componente básico da identidade, é uma das condições do desenvolvimento integrado da identidade. Tem sua gênese na infância, nos processos de interação social na família ou na escola. Alterações da auto-estima na infância acarretam transtornos de aprendizagem, transtornos de comunicação verbal, falta de atenção, enurese, fobia social, transtorno de identidade sexual e outros. Uma baixa auto-estima está correlacionada com altos níveis de ansiedade, insegurança, pouca estabilidade emocional, passividade, hiper sensibilidade à crítica e baixo rendimento escolar/profissional. Por outro lado, uma criança com auto-estima alta tem maior probalidade de um bom e adequado ajuste psicológico, de apresentar condutas de cooperação, segurança e bom humor. A auto-estima pode modificar-se significativamente, e ser fortalecida, através de experiências emocionais/cognitivas, que o brincar oferece. Crianças e adultos podem obter benefícios para seu crescimento pessoal, no ato de brincar. Nesta perspectiva, o brincar pode ser encarado como prevenção, no seu sentido mais amplo que, além de reduzir a incidência de patologia física e psicológica, significa a manutenção do bem-estar. Através do brincar e das brincadeiras, a criança é capaz de manejar situações psicológicas aversivas, restabelecer seu controle interior, sua auto- estima e, desenvolver relações de confiança consigo mesma e com os outros. É brincando que a criança mergulha na vida, podendo ajustar-se às expectativas sociais e familiares. Portanto, é no brincar que a criança tem a oportunidade de interagir com pessoas e objetos, liberar sua criatividade, explorar seus limites e adquirir repertórios comportamentais/afetivos de forma reforçadora e prazerosa. O lúdico reforça a auto-estima, alterando o ciclo do conhecimento, ou seja, uma pessoa com auto-estima elevada, muda a imagem que tem de si mesma, para uma forma mais saudável. 9 Cloves Amorim, Texto: O brincar e o desenvolvimento da auto-estima, via INTERNET
  • 17. 16 7. AUTO-IMAGEM E A QUESTÃO DA CULPA10 A nossa meta é possuir uma auto-imagem forte e positiva, mantendo-a independente da nossa competência ou da falta dela, da aprovação ou da desaprovação de qualquer outra pessoa. A maneira como pensamos a respeito do nosso comportamento é de vital importância, em especial nos momentos em que sentimos uma tendência à autocondenação por sermos culpados. A culpa, obviamente, subverte a auto- estima. A chamada culpa que encontramos nas pessoas, está relacionada com a desaprovação ou com a condenação de pessoas importantes, tais como pais ou pessoas significativas. As pessoas têm medo de serem criticadas, repudiadas, condenadas. Ficam muitas vezes intimidadas com os valores e as preferências dos outros, à custa de suas próprias necessidades, percepções e auto-estima. Muitas vezes as pessoas não vêem seu ato como algo errado e, neste caso, o que sentem não é literalmente culpa, é uma pseudo culpa. Portanto, a solução para essa categoria de culpa é ouvir a autêntica voz do ser, respeitar o seu próprio julgamento acima das crenças dos outros e, com as quais não compartilha de verdade, embora possa fingir fazê-lo. Um dos piores erros que podemos cometer é dizer a nós mesmos que o sentimento de culpa representa, necessariamente, algum tipo de virtude. A rigidez intransigente conosco não é motivo de orgulho. Ela nos deixa passivos e impotentes. Não inspira mudança, paralisa. Sofrer é talvez a mais simples das atividades humanas; ser feliz é talvez a mais difícil. A felicidade não requer rendição à culpa, mas a emancipação dela. É preciso ter muita coragem, tanto para ser honesto a respeito das nossas virtudes, como dos nossos defeitos. Portanto, é preciso coragem para trabalhar na libertação da nossa culpa. É preciso honestidade, perseverança e um compromisso com a independência, bem como viver ativamente, de forma consciente, com autenticidade e com responsabilidade. Se pudermos olhar para o nosso contexto pessoal com benevolência e vontade de entender, sem negar o erro; se pudermos ser para nós mesmos um bom amigo, então poderemos nos curar; poderemos sentir remorso ou arrependimento, nunca autocondenação. A conseqüência desta atitude será a mudança. Aprenderemos que existem modos melhores de viver e de modificar a visão que temos de nós mesmos e do mundo. 10 Nathaniel Branden, Auto-Estima e os Seus Seis Pilares, 1996 Nathaniel Branden, Auto-Estima: Como Aprender a Gostar de Si Mesmo, 1997
  • 18. 17 8. ESTRUTURAÇÃO DA AUTO-ESTIMA11 A auto-estima é um rico e inesgotável campo de estudos. Tem função vital na vida humana. A vida da criança principia numa condição de total dependência dos pais, enquanto que a vida e o bem-estar do adulto dependem da sua capacidade de pensar, sentir e agir. Devemos valorizar as experiências infantis que incentivam e nutrem o raciocínio, a autoconfiança e a autonomia da criança. Nas famílias nas quais a realidade é com freqüência negada e a consciência geralmente punida, erguem-se obstáculos devastadores à auto- estima; cria-se um mundo dantesco no qual a criança pode achar que pensar é inútil e perigoso. Se uma criança cresce num ambiente familiar estimulante e apropriado, ela tem mais probabilidade de aprender as ações que sustentam sua auto- estima, embora não haja garantia disso. As pesquisas apontam que uma das melhores maneiras de se ter auto- estima elevada, é contar com pais que a tenham e sirvam de modelo. Se os pais educarem as crianças com amor e respeito; se permitirem que elas experimentem uma aceitação consistente e benevolente; se derem a elas uma estrutura de apoio coerente e amorosa; se não as assaltarem com contradições; se não as expuserem ao ridículo; à humilhação e aos maus tratos físicos, como meios de os controlar; se projetarem sua crença na competência e bondade delas, teremos uma boa chance de que elas possam internalizar todas essas atitudes e, em conseqüência, assentar as bases para a construção de uma auto-estima saudável. Mas nenhuma pesquisa jamais provou que esse resultado seja inevitável. Há pessoas que parecem ter sido soberbamente educadas pelos padrões já indicados e, que se tornaram adultos inseguros e com dúvidas sobre si mesmos. Há pessoas que vêm de ambientes terríveis, que foram educadas por adultos que fizeram tudo errado e, ainda assim vão bem na escola, criam relacionamentos estáveis e satisfatórios, têm um senso poderoso de valor e de dignidade e, na vida adulta satisfazem todos os critérios de uma auto-estima desenvolvida. Esses indivíduos souberam, quando crianças, extrair os benefícios do ambiente em que viveram e, que outras pessoas achariam insuportáveis. Essas pessoas encontraram água, onde outras só veriam o deserto. 11 Nathaniel Branden, Auto-Estima e os Seus Seis Pilares, 1996
  • 19. 18 A forma como nos sentimos acerca de nós mesmos é algo que afeta crucialmente todos os aspectos da nossa experiência. Nossas reações aos acontecimentos do cotidiano são determinadas por quem e pelo que pensamos que somos. Os dramas da nossa vida são reflexos das visões mais íntimas que temos de nós mesmos. A auto-estima é a chave para o sucesso ou para o fracasso. É também a chave para entendermos a nós mesmos e aos outros. Auto-estima significa acreditar e confiar em nós mesmos, para sentirmos mais confiantes a respeito de quem somos. 8.1 Princípios Básicos da Auto-Estima  Confiar nas próprias idéias e saber-se merecedor da felicidade. Essa é a essência da auto-estima. O poder dessa convicção, a respeito de si mesmo, está no fato de tratar-se de mais que um julgamento ou sentimento. É um fator motivacional. Inspira o comportamento. Está diretamente afetado pela maneira como agimos. A relação causal flui em ambas as direções. Há um contínuo fluxo de efeitos recíprocos entre nossas ações no mundo e a nossa auto-estima. O nível da nossa auto-estima influencia os nossos atos e, a maneira como agimos influencia o nível da nossa auto-estima. O valor da auto-estima não está apenas no fato dela permitir que nos sintamos melhor, mas dela permitir que vivamos melhor, respondendo aos desafios e às oportunidades de maneira mais rica e mais apropriada.  Viver com autoconfiaça, auto-respeito e auto-aceitação, que são as atitudes básicas para a manutenção da auto-estima.  Autoconfiança significa a confiança que se tem na capacidade para entender os fatos da realidade, que pertencem à esfera dos interesses e necessidades, ancorados pela segurança pessoal.  Auto-respeito significa o respeito por si próprio, face à certeza de reconhecer o seu valor como pessoa.  Auto-aceitação é a aceitação de si mesmo e a determinação de evoluir a partir daí, com as mudanças que se fizerem necessárias.  Manter uma atitude, envolvendo a disciplina de agir de uma certa maneira, muitas vezes seguida, consistentemente. Não se trata de uma ação impulsiva ou impetuosa, nem de uma resposta apropriada a uma crise. Pelo contrário, trata-se de uma maneira de operar no dia-a-dia, nas grandes e pequenas questões; é um modo de se comportar que também é um modo de ser.
  • 20. 19  À medida que a pessoa avançar na escala evolutiva, passar a praticar mais as ações que mantêm a auto-estima. O que determina o nível da auto- estima é o que o indivíduo faz, representado por sua ação no mundo.  Ao trabalhar com a auto-estima, estar atento a dois perigos. Um deles é simplificar demais o que a auto-estima exige, satisfazendo a ânsia das pessoas por arranjos rápidos e soluções fáceis. O outro é render-se a uma espécie de fatalismo ou determinismo, que de fato presume que os indivíduos têm ou não têm auto-estima. Que o destino de todos está traçado para sempre, desde os primeiros anos de vida, e que não há muito que se possa fazer em relação a isso. Essas visões encorajam a passividade e obstruem a visão do que é possível.  Não subestimar seu poder de mudar e crescer. A maioria das pessoas acredita, de forma implícita, que o padrão de ontem tem de ser o de amanhã. Não vêem as opções que, objetivamente, existem. É raro saberem o quanto pode fazer por si mesmas, se suas metas forem um crescimento genuíno e uma auto-estima elevada se estiverem dispostas a assumir a responsabilidade pela própria vida. Não se dá conta de que a crença de que são importantes, torna-se uma profecia com capacidade de auto-realização. 8.2 Crítica a NATHANIEL BRANDEN NATHANIEL BRANDEN é o autor que me deu vários subsídios. Ele tem uma linguagem e uma orientação mais cognitiva. Se detém mais no que se pensa. Por outro lado, o enfoque da Biodanza recupera a fonte íntima e profunda da auto-estima, que brota das intensas sensações de sentir-se vivo e de ser uma fonte de prazer. A autovaloração se desenvolve num mundo de sensações. Agora vamos ampliar esses conceitos com a Biodanza, que possibilita desenvolver a auto-estima, a partir da corporeidade vivida.
  • 21. 20 9. BIODANZA E AUTO-ESTIMA Não há como se desenvolver a auto-estima num contexto isolado e, fora de um processo grupal. Ela é de fundamental importância, dentro do Esquema Dinâmico da Identidade. “ O ego é antes de tudo, um ego corporal” (FREUD). Através da Biodanza resgatamos a corporeidade vivida, que é o alimento fundamental para o desenvolvimento da auto-estima. Vou apresentar-lhes o Esquema Dinâmico da Identidade, que está diretamente relacionado com a auto-estima. A expressão e a integração da identidade é o objetivo maior da Biodanza. Toda riqueza dos potenciais humanos necessitam do elo afetivo para manifestar-se e, em meio a esse campo vital a auto-estima encontra o seu lugar de destaque.
  • 22. 21 Encanto - Identidad Afectiva - Identidad Sexual Creatividad - Adaptación AUTORREALIZACIÓN AUTOCREACIÓN EXISTENCIAL POTENCIAL GENETICO ESQUEMA DINAMICO DE LA IDENTIDAD TROFOTROPICO (Restauraciõn) ERGOTROPICO (Lucha – fuga) BIODANZA SENSACION DE VIDA (Endógena) 1ª noción de ser diferente Pensarse a si mismo Autoimagem Decisión Para actuarPadrones De respuesta Selectividad (saber lo que se quiere) AUTOESTIMA CONCIENCIA DE SI 1ª noción del cuerpo Sentirse a si mismo Cuerpo fuente de placer o dolor
  • 23. 22 9.1 Componentes do Esquema Dinâmico da Identidade12 Identidade IDENTIDADE é a comovedora e intensa sensação de estar vivo, gerando a si mesmo. É o que cada pessoa é, frente a qualquer outro sistema de realidade. A Identidade Psicológica é a capacidade de experimentar a si mesmo, como entidade e como centro de percepção do mundo, a partir de uma ineludível e comovedora vivência corporal. A identidade é biológica, tem suas raízes na estrutura genética, se manifesta a nível celular, visceral e psicológico-existencial. Mantém estreita relação entre percepção corporal e percepção de si mesmo. Nos primeiros anos de vida se inicia a expressão psicológica da identidade, que dura a vida toda. Ela está em permanente mudança. Se expressa a partir do potencial genético, através do desenvolvimento das cinco linhas de vivência. Auto-Estima AUTO-ESTIMA é a vivência do próprio valor e da auto-aceitação, proveniente da intensa sensação de estar vivo, de sentir a si mesmo, de sentir- se como fonte de prazer e de saber o que se quer. A auto-estima tem raiz vivencial e mística. Se estrutura na base da qualificação afetiva dos pais e outras pessoas próximas. A auto-estima tem sua origem nas protovivências, sensações orgânicas que o bebê experimenta no primeiro ano de vida. Quando as protovivências são bem estimuladas na primeira infância, geram vivências integradoras durante o desenvolvimento; quando são negativas, produzem graves transtornos na personalidade. A auto-estima se desenvolve nas cinco linhas de vivência. Auto-Imagem AUTO-IMAGEM é a imagem mental (interna e externa) que se tem de si mesmo. A auto-imagem tem um caráter mais conceitual e formal. Se estrutura na confrontação com o espelho, que mostra a aparência e os riscos pessoais, porém também se combina com certas análises introspectivas sobre o que se representa para os demais e para si mesmo. 12 Rolando Toro Araneda, Identidad e Integracion, 2000
  • 24. 23 Vivência de Estar Vivo A vivência de estar vivo está afetada constantemente pelo humor corporal e pelos estímulos externos. Porém, sua gênese é visceral. Viver na alegria de “ser com o outro” significa “conviver”, adquirir a capacidade de vínculo afetivo. A vivência de si surge durante a “convivência”. Dançar em grupos, descobrindo progressivamente os rituais de aproximação, permite a integração da identidade. “Nossa identidade se revela na presença do outro”. Consciência de Si Mesmo A consciência de si mesmo se organiza por um duplo caminho: consciência do próprio corpo/consciência de ser diferente. Primeiras Noções sobre o Próprio Corpo A percepção do próprio corpo evolui através das experiências cotidianas: o corpo como fonte de prazer; o corpo como fonte de dor, sofrimento ou mal-estar. O corpo como fonte de prazer ou dor desenvolve uma estrutura de seletividade bastante estável, que permite ao indivíduo saber o que quer e buscar sua auto-realização, a autocriação existencial. Primeiras Noções de Ser Diferente A consciência de ser diferente se dá no contato com o grupo, onde a identidade se torna perceptível no espelho com outras identidades. Este processo vai nos levar à consciência da própria singularidade (ser único) e, ao ato de pensar sobre si mesmo frente ao mundo, configurando a auto-imagem. 9.2 Desenvolvimento dos Potenciais Genéticos13 Se encontrarmos, através das protovivências, as condições favoráveis à expressão de nossos potenciais, sem que uma linha de vivências e sobreponha à outra, teremos assegurada a integração necessária à expressão da identidade, como também teremos as condições otimizadas para o desenvolvimento da auto-estima. O desenvolvimento evolutivo da cada indivíduo se cumpre, à medida que os potenciais genéticos encontram oportunidade para expressar-se, através da existência. Os ecofatores (fatores ambientais) determinam a expressão do potencial genético. 13 Rolando Toro Araneda, Definicion y Modelo Teórico de Biodanza, 2000
  • 25. 24 A expressão genética se manifesta nas Cinco Linhas de Vivência, que representam os cinco conjuntos do potencial humano: Vitalidade  É o potencial do equilíbrio orgânico, homeostase (equilíbrio interno, estabilidade dinâmica do organismo), ímpeto vital e harmonia biológica (Inconsciente Vital). Sexualidade  É a capacidade de fecundação, de sentir desejo sexual e prazer. Criatividade  É o elemento de renovação que deve aplicar-se à própria vida: criar a si mesmo, por criatividade em cada ato e realizar atividades artísticas. Afetividade  É o amor indiscriminado pelos seres humanos e pela vida em geral. É o útero afetivo que cada um tem, para dar continente aos demais. Transcendência  É a capacidade de ir além ao Ego e integrar unidades cada vez maiores. Implica na expansão da consciência e no êxtase místico. 9.3 Biodanza e Auto-Estima Sendo o método de Biodanza vivencial, como veremos a seguir e, sendo a auto-estima um sentimento que brota das raízes cenestésicas no desenvolvimento do indivíduo, como vimos anteriormente, podemos afirmar que o método Biodanza como um todo, em sua proposta de desenvolver os potenciais, apresenta-se como um contínuo e eficaz recurso de alimentação da auto-estima. 9.4 Definição de Biodanza14 “Biodanza é um sistema de integração afetiva, renovação orgânica e reaprendizagem das funções originárias de vida, baseada em vivências induzidas pela música, pela dança, pelo canto e por situações de encontro em grupo” (ROLANDO TORO ARANEDA). 14 Rolando Toro Araneda, Definicion y Modelo Teorico de Biodanza, 2000
  • 26. 25
  • 27. 26 A proposta da Biodanza não consiste somente em dançar, senão em ativar, mediante certas danças (dança vista como movimento vivencial), potenciais afetivos e de comunicação que nos conectem com nós mesmos, com o semelhante e com a natureza. Biodanza emprega uma metologia vivencial, que dá ênfase à experiência vivida, mais que a informação verbal, permitindo a transformação interna, sem a intervenção dos processos mentais de repressão. Tem como objetivo prioritário a superação das dissociações. Os exercícios utilizados na Biodanza estimulam o Inconsciente Vital (memória cósmica) e a expressão dos potenciais humanos, através da deflagração de vivências, cuja indução freqüente de determinados tipos, possibilitam a reorganização de respostas frente à vida. O núcleo integrador da abordagem da Biodanza é a afetividade, sendo de fundamental importância destacar o conceito de inteligência afetiva, criado por ROLANDO TORO ARANEDA. 9.5 Inteligência Afetiva15 “Inteligência é a capacidade afetivo-motora de estabelecer conexões com a vida e, de relacionar a identidade pessoal com a identidade do universo” (ROLANDO TORO ARANEDA). As expressões máximas da inteligência humana são o amor e a amizade. O amor visto como uma interação sutil das identidades que pugnam por alcançar uma só identidade com o outro; um impulso de fusão com outras pessoas; sem contudo ser um estado momentâneo, mas um processo que envolve a existência. A afetividade é a base da comunicação autêntica. Gera inteligência relacional, empatia, compaixão, solidariedade e consciência ética. Induz sentimentos adaptativos de aceitação, compromisso e generosidade. Organiza a percepção. E, através dela, podemos transcender o Ego. Se manifesta em níveis profundos do inconsciente coletivo (memória da espécie) e do inconsciente vital (memória cósmica). Segundo ROLANDO TORO ARANEDA, inteligência afetiva é a capacidade de resolver problemas da vida com a vida; é a unidade da mente com o universo. 15 Rolando Toro Araneda, Inteligencia Afectiva, 2000
  • 28. 27 É através da afetividade que chegamos à inteligência suprema, que abrange: amor indiferenciado, consciência ética, inteligência social, empatia, compaixão, inteligência da ação prática, seletividade, assertividade, capacidade de programação, capacidade de decisão, capacidade de rechaço, inteligência lógica, coerência com as afinidades, expansão da consciência (percepção cósmica da unidade), percepção ampliada, percepção da totalidade, inteligência sistêmica, inteligência matemática, inteligência operacional, análise, síntese, inteligência criativa. 9.6 Processo de Crescimento16 Biodanza desenvolve um processo de mudança que envolve o corpo em seus diversos níveis: neurológico, endócrino, imunológico e emocional. Onde o grupo é essencial, por induzir novas formas de comunicação e vínculo afetivo. O grupo é uma matriz de renascimento, no qual cada participante encontra continente afetivo e permissão para a mudança. A presença do semelhante modifica o funcionamento das pessoas, em todos os seus níveis orgânicos e existenciais. As pessoas chegam à Biodanza com dificuldade para estabelecer vínculos profundos, como insegurança, estados depressivos, angústia, desconfiança, hostilidade, egocentrismo, carência afetiva, falta de ímpeto vital, problemas com stress, baixa auto-estima e ausência de motivação para viver. A Biodanza ajuda a resolver uma diversidade de problemas e quadros clínicos, atuando na ativação de funções gerais, ou seja, expressão da identidade, comunicação afetiva e funções integrativas do organismo. A Biodanza se utiliza da música, que é o instrumento de mediação entre a emoção e o movimento corporal. Estimula a dança expressiva, a comunicação afetiva e a vivência de si mesmo. Outro fator importante é que a identidade é permeável à música e, por isso mesmo, pode expressar-se através dela. A Biodanza também se utiliza do contato e da carícia, que são instrumentos fundamentais para o processo de crescimento. 16 Rolando Toro Araneda, Definicion y Modelo Teorico de Biodanza, 2000
  • 29. 28 9.7 Contato e Carícias17 O contato é uma fonte de saúde. Permite o fluxo da informação e a conexão da energia da vida. No contato tátil, verbal ou visual se estabelece uma conexão que transmite uma mensagem emocional, que vai da simples informação até a comunicação afetuosa e telepática. O contato tem efeito sobre a sexualidade, propiciando a revalorização corporal e o aumento da auto-estima. O contato deve alcançar a categoria de carícia, ou seja, o contato corporal, cuja condição essencial é um balanço entre o desejo de dá-la ou recebê-la. A carícia é um ato de íntimo reconhecimento e de valorização da pessoa como um todo. Tem dimensões orgânicas e existenciais. A carícia desperta a fonte do desejo e expressa a identidade. Induz mudanças funcionais a nível orgânico e existencial. As motivações existenciais se enriquecem pela força do eros e pelo desejo de amor. O desenvolvimento do erotismo é essencial no processo de mudança. Biodanza propõe o conceito de acariaciamento, ao invés de carícia. A falta de carícias produz sérias distorções da imagem corporal. A relação com o nosso corpo está condicionada pelo contato com o outro. Vivemos nossa corporeidade quando acariciamos e somos acariciados. Quando uma pessoa se sente acariciada e desejada por outra, reforça um sentimento de auto-estima. Valoriza seu corpo como algo agradável, capaz de despertar desejo e oferecer prazer. Simultaneamente, se desperta o desejo sexual como resposta às carícias. Todo corpo que não é acariciado, começa a morrer. O contato e a carícia têm efeitos emocionais e viscerais sobre o nosso corpo. “É através do contato e da carícia que nos valorizamos. Chegamos a ser “sujeito” para o outro. A autovalorização se produz, na medida em que a pessoa sente que o outro a busca, porque ela é agradável ao contato. Um corpo acariciado torna-se “saboroso”, isto é, apetitoso. Acariciar e ser acariciado é o íntimo reconhecimento do nosso valor como ser vivo, “único”. A carícia é a chave do contato harmônico (SANDRA SALMAZO)”. 17 Rolando Toro Araneda, Contacto y Caricias, 2000
  • 30. 29 9.8 Efeito das Carícias a Nível Orgânico e Existencial18 Os efeitos neurofisiológicos da carícia foram estudados por RENÉ SPITZ em crianças hospitalizadas. As investigações de SPTIZ representam uma evolução na Pediatria. Novas investigações demonstraram que as carícias ativam o sistema cárdio-respiratório, dissolvem as tensões motoras crônicas de defesa e reforçam o sistema imunitário. Contribui também para a produção de hormônios sexuais e para a manutenção da sexualidade. “No aspecto psicológico, as carícias diminuem a repressão sexual e as tendências ao autoritarismo (W.REICH)”. Outros efeitos notáveis da carícia são a expressão da identidade e o aumento da auto-estima. 9.9 Efeito das Carícias sobre as Emoções e os Sentimentos19  Aumento da auto-estima;  Revalorização e amor ao próprio corpo;  Integração afetivo-sexual;  Aumento da potência e da intensidade afetiva;  Respostas emocionais integradoras como a ternura, o amor e a alegria;  Capacidade para dar e receber afeto;  Ter amor comunitário e interesse por atividades que reforcem os padrões de vínculo;  Abaixamento do nível de ansiedade, decorrente dos efeitos ansiolíticos;  Reconhecimento e assunção do “fetiche”. 9.10 Efeito das Carícias sobre a Percepção e a Consciência20  Percepção mais essencial do mundo e do semelhante;  Ampliação da consciência;  Elevação da consciência ecológica;  Reforçamento da identidade;  Percepção integrada de si mesmo;  Consciência comunitária. 18, 19 e 20 Rolando Toro Araneda, Contacto y Caricias, 2000
  • 31. 30 9.11 Efeito das Carícias sobre a Existência21  Prioridade do sentimento, no desenvolvimento do projeto existencial;  Introdução de fatores hedônicos (gozo ou prazer) no estilo de vida;  Ter sentimento de felicidade;  Não ficar alienado;  Manter o equilíbrio nos componentes do estilo de vida (Ergo, Trofo e Gonadotrópico);  Ter sentimento de liberdade;  Aumentar a consistência existencial. 9.12 Ação Terapêutica do Contato e da Carícia22 A Biodanza considera o contato como a ação terapêutica mais importante, na medida em que o contato corporal, e em especial a carícia, ativa, mobiliza, transforma e reforça nossa identidade. Na sua prática, cria possibilidades para que a pessoa possa reinscrever novos mandatos, que possibilitarão o desenvolvimento evolutivo. São estes: “mova-te”, “expressa- te”, “aproxima-te”, “toca e te deixa tocar”, “sente”. Estes mandatos induzem a pessoa a viver na plenitude do ser. 9.13 Integração23 Biodanza gera, mediante exercícios e danças, campos específicos muito concentrados, que estimulam o desenvolvimento integrado dos potenciais genéticos. Uma sessão de Biodanza é um bombardeio de ecofatores positivos sobre a função integradora-adaptativa-límbico-hipotalâmica. A estimulação concentrada, proveniente do meio ambiente, permite mudanças discretas de caráter evolutivo e uma constante reorganização biológica. A integração adaptativa é o processo de crescimento, no qual os potenciais genéticos, altamente diferenciados se expressam e se organizam em sistemas cada vez mais amplos, a nível orgânico e emocional, criando uma rede de interações que potenciam a identidade. 21 e 22 Rolando Toro Araneda, Contacto y Caricias, 2000 23 Rolando Toro Araneda, Definicion y Modelo Teorico de Biodanza, 2000
  • 32. 31 10. CONCLUSÃO 10.1 Quanto à Auto-Estima24 Negar a importância da auto-estima é um erro, mais atribuir-lhe valor demasiado é outro. A auto-estima não é uma panacéia de múltiplas finalidades. Uma noção bem desenvolvida de si mesmo é uma condição necessária ao nosso bem-estar, mas não é o suficiente. Sua presença não é garantia de satisfação, mas sua falta garante uma certa medida de ansiedade, frustração e desespero. Ressaltamos que a auto-estima interage com outras forças da identidade. Assim como o sistema imunológico saudável não é garantia de que a pessoa nunca fique doente, ele a torna menos vulnerável a doenças e mais bem preparada para combatê-las. Da mesma forma, a auto-estima saudável não é garantia de que a pessoa nunca sentirá ansiedade e depressão diante das dificuldades da vida, mas a torna menos suscetível e mais bem equipada para suportá-las, dar a volta por cima e superá-las. 10.2 Quanto ao Potencial Genético25 Investigações atuais sobre o Potencial Genético permitem concluir que o número de potencialidades que o homem expressa através de sua vida é uma parte do total contido dentro de sua dotação. Existem milhões de combinações dentro da dupla espiral. A expressão dos genes está regulada por um verdadeiro “relógio genético” e, alguns genes se expressam tardiamente, enquanto outros o fazem em períodos prematuros da vida (ROLANDO TORO ARANEDA). Dentro das cadeias existem enormes segmentos silenciosos de potencialidades inexpressadas e desconhecidas. É importante compreender que o suporte genético, que antigamente se concebeu como uma estrutura selada do destino, aporta milhares de potencialidades que somente esperam a possibilidade de expressar-se (ROLANDO TORO ARANEDA). A criação de novas opções mediante a concentração de ecofatores, deflagram expressões genéticas imprevisíveis (ROLANDO TORO ARANEDA). Estas constatações sugerem a importância de se facilitar a expressão genética nos primeiros anos de vida, como também a possibilidade de se dar expressão às potencialidades, em idades avançadas da vida (ROLANDO TORO ARANEDA). 24 Nathaniel Branden, Auto-Estima e os Seus Seis Pilares, 1996 25 Rolando Toro Araneda, Definicion y Modelo Teorico de Biodanza, 2000
  • 33. 32 10.3 Quanto `a Biodanza26 Biodanza não é uma disciplina alternativa. É uma extensão das ciências humanas. Integra o corpo, as vivências e o movimento em situações de grupo, abrindo novos caminhos terapêuticos. O objetivo da Biodanza é desenvolver os potenciais de saúde. Propõe a mudança, a partir da parte sã, dentro de uma estrutura cenestésico-vivencial. Tem um enfoque pedagógico e terapêutico. Se baseia no estudo do homem como unidade. Visa a integração psicofísica, a profilaxia, a reabilitação existencial, a reeducação da afetividade e o tratamento complementar das enfermidades mentais e psicomotoras. A estimulação da integração psicofísica (superação das dissociações) se realiza, mediante a estrutura operativa: música-movimento-vivência. Seu fundamento é Bios-Vida. “Biodanza é um caminho para se reencontrar a alegria e o prazer de viver. Um acesso a um novo modo de viver, despertando nossa sensibilidade adormecida e, favorecendo a adoção de um novo estilo de vida” (ROLANDO TORO ARANEDA). Face a tudo o que foi explicitado até aqui; a constatação da maravilha, da potência e da complexidade da Biodanza; as conquistas obtidas no meu processo evolutivo, oriundas da minha experiência vivencial; a verificação de que a Biodanza se centra na identidade, busca o desenvolvimento integral do homem, trabalhando o tempo todo com a questão da auto-estima; não tenho a menor dúvida e, é com muita convicção que eu afirmo: “Biodanza é um caminho para o desenvolvimento da auto-estima”. 26 Rolando Toro Araneda, Definicion y Modelo Teorico de Biodanza, 2000
  • 34. 33 11. ANEXO Neste item apresentaremos os depoimentos de alguns alunos da Oficina: ABRINDO AS PORTAS PARA O CRESCIMENTO, com duração de 16 horas. Esta foi uma experiência de BIODANZA EM EMPRESA, realizada na EMBRATEL - Empresa Brasileira de Telecomunicações:  Entrei aqui com muitas tristezas e depressões. Hoje estou mais confiante em mim (L.R.S.R., aposentada da EMBRATEL).  A Biodanza é ótima, fez mexer com as minhas emoções (A.M.V., aposentada da EMBRATEL).  A oficina veio numa hora importantíssima, em que eu precisava mudar alguma coisa na minha vida, mesmo sem saber (C.A.P., aposentado da EMBRATEL).  Uma lição de amor, companheirismo e afeto, que deveríamos não só expressar em cinco dias, mas na nossa vida inteira (E.S.D., aposentada da EMBRATEL).  Pretendo por em prática o exercício de viver melhor, sendo feliz e fazendo feliz quem se aproximar de mim (M.Z., aposentada da EMBRATEL).  Mostrou novos caminhos para eu seguir em frente, com muita força e perseverança, vivendo muito mais o presente (A.M.C.C., aposentada da EMBRATEL).  Representou o encontro comigo mesma, a valorização da troca de energia com as outras pessoas (M.A.S., aposentada da EMBRATEL).  Aprendi a gostar de mim, a ter mais flexibilidade na resolução de problemas (S.R.A., aposentada da EMBRATEL).  Sinto-me mais solta e arrojada (N.B., empregada da EMBRATEL).  Percebi que sou uma pessoa única, que posso me aceitar e me valorizar (V.L.C.N., empregada da EMBRATEL).  O amor é o único meio de mudar. É a mola propulsora da vida (M.G.C., empregada da EMBRATEL).
  • 35. 34  Foi maravilhoso pelo crescimento pessoal e pelo compartilhamento com outras pessoas (L.S.S., empregado da EMBRATEL).  Pude vivenciar a força da alegria, do movimento, da estima e do contato afetivo comigo e com os outros (M.H., empregada da EMBRATEL).  Pude sentir a emoção de viver as mais simples coisas, com a certeza de estar livre, sem amarras internas (A.K.B., empregado da EMBRATEL).  Foi importante o fato de perceber como se deve dar valor a pequenos momentos de prazer e, a arte de viver o presente (S.S., empregada da EMBRATEL).  Hoje estou com a auto-estima bem mais elevada (P.M.S., empregada da EMBRATEL).
  • 36. 35 12.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRANDEN, Nathaniel – O Poder da Auto-Estima. S. Paulo, Saraiva, 1996 __________ Auto-Estima e os Seus Seis Pilares. S. Paulo, Saraiva, 1996 __________ Auto-Estima: Como Aprender a Gostar de Si Mesmo. S. Paulo, Saraiva, 1997 __________ Auto-Estima, Liberdade e Responsabilidade. S. Paulo, Saraiva, 1997 __________ Auto-estima e Autodescoberta. S. Paulo, Saraiva, 1997 PÚPERI, Antonio – Biodanza e Auto-Estima. Monografia de Titulação do Sistema Rolando Toro, 1999 TORO, Rolando – Apostila: Antecendentes Filosoficos Del Principio Biocentrico. 1º Simposium de Altos Estudios para la Excelencia Profesional de Biodanza, 2000 __________ Apostila: Contacto y Caricias – Curso de Formación Docente de Biodanza, 2000 __________ Apostila: Definicion y Modelo Teorico de Biodanza. Curso de Formación Docente de Biodanza, 2000 __________ Apostila: Identidad e Integracion. Curso de Formación Docente de Biodanza, 2000 __________ Apostila: Inteligencia Afectiva, 2000

Related Documents