Adriano Demetrius
Página | 1
E com muito prazer que estamos lançando mais este livro levando ate
a vocês um pouco mais da nossa historia das nossas raí...
Dia de Santa Ana e nanã- 26 de Julho
Saudação: Saluba Nanã!
Cores: lilás, roxo
Dia da semana: Domingo
Página | 3
A origem da vida
Nanã é sem dúvida muito antiga, suas características são muito diversas, Orixá
dos mistérios é uma divind...
Seus cânticos são súplicas para que leve Iku , a morte, para longe e quem
permite que a vida seja mantida.É a força da Nat...
Nanã, vive voltada para a comunidade, sempre tentando realizar as vontades e
necessidades dos outrasNanã é a sacerdotisa q...
o povo do Daomé, atual República do Benin, assimilando sua cultura e
incorporando alguns Orixás dos dominados à sua mitolo...
-É graças a seus instrumentos que trabalhamos pelo nosso alimento. É graças
a seus instrumentos que cultivamos os campos. ...
Nanã na Criação do Homem
Dizem que quando Olorum encarregou Oxalá de fazer o mundo e modelar o
ser humano, o Orixá tentou ...
filha de Oxum seria uma filha de Nanã "escondida". Nanã faz o caminho
inverso da mãe da água doce. É ela quem reconduz ao ...
adormece os conhecimentos do espírito para que eles não interfiram com o
destino traçado para toda uma encarnação.Em outra...
Coloque esse coração sobre as folhas do repolho roxo e enfeite com a flor de
hortênsia. Acenda as velas em volta da oferen...
Outras historias de nanã
Afirma-se que Nanã era a rainha de um povo e que tinha poder sobre os
mortos. Para roubar esse po...
para Nanã não podem ser feitos com instrumentos de metal.Nanã Buruku é
cultuada no Candomblé Jeje como um vodun e no Cando...
Frutas
Uva roxa Por ser rica em vitaminas A, B e C, além de proteínas, carboidratos,
iodo, fósforo e flavonóides, a uva pr...
Banana roxa Considerada como uma das frutas mais antigas do mundo, a
bananeira teve sua origem provavelmente na Ásia, mas ...
Plantas
Agapanto: É um vegetal pertencente a Oxalá, Nanã e a Obaluayê. O branco
é de Oxalá e o lilás é da deusa das chuvas...
Página | 17
Assa-peixe: Usada em banhos de limpeza e nos ebori dos filhos do orixá das
chuvas. Na medicina popular ela é aplicada nas ...
Gervão: Além de ser folha sagrada de Nanã, também é Xangô. Sem
aplicação nas obrigações rituais. A medicina caseira a indi...
Quitoco: Usada em banhos de descarrego ou limpeza. Para a medicina
popular esta erva resolve males do estômago, tumores e ...
os Filhos De Nanã
Uma pessoa que tenha Nanã como Orixá de cabeça, pode levar em conta
principalmente a figura da avó: cari...
Os filhos de Nanã são calmos e benevolentes, agindo sempre com dignidade e
gentileza. São pessoas lentas no exercício de s...
Qualidades de Nanã
Nanã Abenegi: Dessa Nanã nasceu o Ibá Odu, que é a cabaça que traz
Oxumarê, Oxossi Olodé, Oya e Yemanjá...
Ibiri de nanã
Ibiri ou Ibíri é um apetrecho da cultura afro brasileira, inerente ao Orixá
Nanã, indispensável em sua indum...
Sincretismo na igreja católica
Sabe-se muito pouco sobre Santa Ana. Sabe-se que esta era mãe de Maria de
Nazaré, esposa de...
e a resignação com que sofriam a esterilidade levaram-lhes ao prêmio de ter
por filha aquela que havia de ser a Mãe de Jes...
igreja Matriz - Santana de Parnaíba (SP)Igreja Matriz, também conhecida como
Paróquia de Sant'Ana.É considerada o marco ma...
Obrigado aminha mãe querida por todas as lutas que a senhora me ajudou
com muita fé e amor peço a senhora que me livrai me...
of 29

Nanã

a origem da vida e da morte uma emoçionante historia desta grande orixa nanâ
Published on: Mar 3, 2016
Published in: Spiritual      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Nanã

  • 1. Adriano Demetrius Página | 1
  • 2. E com muito prazer que estamos lançando mais este livro levando ate a vocês um pouco mais da nossa historia das nossas raízes. Historias da nossa mãe nanã esta grande orixá. Agradecemos a todos os nossos leitores seja de qual for a sua religião aqui nesta edição vamos compreender a razão da vida dos orixás onde a justiça a fé a coragem faz parte não só dos orixás mas de todos os filhos (as) de oxalá esperamos que gostem desta leitura deste livro aqui nos deparamos com a verdadeira fé a verdadeira coragem desejo a todos vocês uma ótima leitura muito axé e que nossa mãe nanã nós de axé muita sabedoria Pagina..............................3.....................a origem da vida Pagina..............................8..................nanã na criação do homem Pagina.............................10 .....................simpatia de nanã Pagina...............................11....................nanã e oxalá Pagina..............................12 ........................outras historias de nanã Pagina..............................14..................frutas Pagina.............................16............................plantas Pagina...............................20......................os filhos de nanã Pagina...............................22........................qualidade de nanã Pagina.................................24...................... ibiri de nanã Pagina..................................25......................sincretismo na igreja católica Página | 2
  • 3. Dia de Santa Ana e nanã- 26 de Julho Saudação: Saluba Nanã! Cores: lilás, roxo Dia da semana: Domingo Página | 3
  • 4. A origem da vida Nanã é sem dúvida muito antiga, suas características são muito diversas, Orixá dos mistérios é uma divindade de origem simultânea à criação do mundo, pois quando Oduduá separou a água parada, que já existia, e liberou o saco de criação a terra, no ponto de contato desses dois elementos formou-se a lama dos pântanos, local onde se encontram os maiores fundamentos de Nanã. Senhora de muitos búzios, Nanã sintetiza em si a morte, fecundidade e riqueza.Seu nome designa pessoas idosas e respeitáveis e, para os povos Jêje, da região do antigo Daomé, significa mãe. Sendo a mais antiga divindade das águas, ela representa a memória ancestral.É a mãe antiga, Ìyá Agbà por excelência.É a mãe dos orixás Irokô, Obaluaiê e Oxumarê, é respeitada como mãe de todos os outros Orixás, nesse caso pela antiguidade.Nanã é o princípio, meio e o fim, o nascimento, a vida e a morte.Ela é a dona do Axé por ser o orixá que dá vida e a sobrevivência, a senhora dos Ibás que permite o nascimento dos deuses e dos homens.As águas paradas e lamacentas dos pântanos têm uma aparência morta a primeira vista mas existe a vida de plantas ,micro organismos que como as plantas buscam nas profundezas das lagoas, na lama, a vida e o sustento. Nanã.Senhora da morte, geradora de Iku ,morte. Deusa dos pântanos e da Lama.Nanã é o encantamento da própria morte. Página | 4
  • 5. Seus cânticos são súplicas para que leve Iku , a morte, para longe e quem permite que a vida seja mantida.É a força da Natureza que o homem mais teme, pois ninguém quer morrer! Ela é a Senhora da passagem desta vida para outras, comandando o portal mágico, a passagem das dimensões. Em terras da África, Nanã é chamada de Iniê e seus assentamentos, objetos sagrados, são salpicados de vermelho. Nanã é lama, é terra com contato com a água.Nanã também é o pântano, o lodo, sua principal morada e regência. Ela é a chuva, a tempestade, a garoa.O banho de chuva, por isso, é uma espécie de lavagem do corpo, homenagem que se faz à Nanã, lavando-se no seu elemento. A chuva é a parte da vida, que vai irrigar a terra, Se ela cai demais, é porque a força da Natureza, Nanã, está insatisfeita. Considerada a Iabá Orixá feminina mais velha, foi anexada pelos iorubanos nos rituais tal a sua importância. Nanã é a possibilidade de se conhecer a morte para se ter vida.É agradar a morte, para viver em paz. Nanã é a mãe, boa, querida, carinhosa, compreensível, sensível, bondosa, mas que, irada, não reconhece ninguém.Entre os símbolos de Nanã está o ibiri, que é feito com palitos do dendezeiro que representa a multidão de Eguns, que são seus filhos na terra dos homens, e Nanã o carrega como mimasse uma criança.Os búzios que simbolizam morte por estarem vazios e fecundidade porque lembram os órgãos genitais femininos, também pertencem a Nanã. Contudo, o símbolo que melhor sintetiza o caráter de Nanã é o grão, pois ela domina também a agricultura e todo o grão tem que morrer para germinar. Nanã é a morte que reside no âmago da vida, que possibilita o renascimento. Nanã não roda na cabeça de homem.Seus adeptos dançam com a dignidade que convém a uma senhora idosa e respeitável.Seus movimentos lembram um andar lento e penoso, apoiado num bastão imaginário. Em certos momentos, viram para o centro da roda e colocam seus punhos fechados, um sobre o outro, parecendo segurar um bastão. Em determinada atribuição cuida dos mortos enquanto seus corpos se decompõem no lodo, se preparando para formarem novos seres.Protege contra feitiços e perigos de morte. Página | 5
  • 6. Nanã, vive voltada para a comunidade, sempre tentando realizar as vontades e necessidades dos outrasNanã é a sacerdotisa que, segura de suas experiências sabe o momento de agir. Seu mundo é a natureza viva e morta, ela é capaz de sentir quando o peso da realidade exterior bloqueia as possibilidades de concretizar suas intenções, por isso quando a realidade está obscura, ela se senta, recolhe suas lembranças, medita e escuta o caminho a seguir.Considerada avó de todos os orixás. Sua dança é lenta, andar curvado, demonstrando sua idade madura, sua velhice.Na síntese mitológica iorubana Nanã é considerada a mais velha deusa da nação, predominando com associações diretas com a morte e com a posição reservada aos bem mais idosos. Segundo alguns mitos Nanã é a mãe de Ossaim.Nanã é um orixá bastante complexo, representa a memória transcendental do ser humano e o acervo das reações pré-históricas de nossos antepassados.É uma divindade das águas paradas e dos pântanos, responsável pela matéria prima da vida, barro, que deu forma ao primeiro homem, assim da criação do mundo e dos seres. Nanã rege fisicamente o estômago, os intestinos, a memória e os pés, temida por todos que conhecem seus hábitos e costumes, este é o Orixá representante da continuidade da existência humana e, portanto, da morte. Salubá Nanã Burúku, entidade que separa os vivos dos mortos.Nanã muito temida, parece manter a imagem mais ligada as antigas Iyámi.É dada como amante mais velha de Oxalá que ao seduzi-la roubou parte de seus poderes, mas em troca faz dela mãe de Omulu e Oxumarê.Nanã também tem relações com Xangô.Outros tabus conservam igualmente características ameaçadoras ainda que veladas. Não gosta de homens, e é praticamente assexuada, possuindo grande capacidade de trabalho, e autossuficiente, tem hábitos austeros e intolerante a preguiça, falta de educação, desordem, desperdício. Previdente, organizada e rigorosa nos princípios morais.Zeladora dos bons costumes e princípios morais, não perdoa mentirosos, traições, desonestidades. Nanã, é um Orixá feminino de origem daomeana, que foi incorporado há séculos pela mitologia ioruba, quando o povo nagô conquistou Página | 6
  • 7. o povo do Daomé, atual República do Benin, assimilando sua cultura e incorporando alguns Orixás dos dominados à sua mitologia já estabelecida. Resumindo esse processo cultural, Oxalá, mito ioruba ou nagô, continua sendo o pai e quase todos os Orixás. Iemanjá, mito igualmente ioruba, é a mãe de seus filhos nagô e Nanã jeje assume a figura de mãe dos filhos daomeanos, nunca se questionando a paternidade de Oxalá sobre estes também, paternidade essa que não é original da criação das primeiras lendas do Daomé, onde Oxalá não existia.Os mitos daomeanos eram mais antigos que os nagôs, pois vinham de uma cultura ancestral que se mostra anterior à descoberta do fogo.A melhor maneira para entendimento e estudo futuro antes de se perder totalmente, foi acertar essa cronologia com a colocação de Nanã e o nascimento de seus filhos, como fatos anteriores ao encontro de Oxalá e Iemanjá.Nanã é uma velhíssima divindade das águas, vinda de muito longe e há muito tempo.E Ogum é um poderoso chefe guerreiro que anda, sempre, à frente dos outros Imalés.Eles vão, um dia, a uma reunião. É a reunião dos duzentos Imalés da direita e dos quatrocentos Imalés da esquerda. Eles discutem sobre seus poderes. Eles falam muito sobre Obatalá, aquele que criou os seres humanos. Eles falam sobre Orunmilá, o senhor do destino dos homens. Eles falam sobre Bará, Um importante mensageiro! Eles falam muita coisa a respeito de Ogum, que graças a seus instrumentos podem viver. Declarando que é o mais importante entre todos. Nanã contesta então: -Não digam isto. Que importância tem, então, os trabalhos que ele realiza? Os demais orixás respondem: Página | 7
  • 8. -É graças a seus instrumentos que trabalhamos pelo nosso alimento. É graças a seus instrumentos que cultivamos os campos. São eles que utilizamos para esquartejar e guerrear. Nanã conclui que não renderá homenagem a Ogum. Por que não haverá um outro Imalé mais importante? Ogum diz: -Ah! Ah! Considerando que todos os outros Imalés me rendem homenagem, me parece justo, Nanã, que você também o faça. Nanã responde que não reconhece sua superioridade. Ambos discutem assim por muito tempo. Ogum perguntando: -Você pretende que eu não seja indispensável ? Nanã garantindo que isto ela podia afirmar dez vezes. Ogum diz então: -Muito bem! Você vai saber que eu sou indispensável para todas as coisas. Nanã, por sua vez, declara que, a partir daquele dia, ela não utilizará absolutamente nada fabricado por Ogum e poderá, ainda assim, tudo realizar. Ogum questiona: -Como você fará? Então não sabe que sou o proprietário de todos os metais? Estanho, aço,chumbo, ferro, cobre. Eu os possuo todos. Os filhos de Nanã eram caçadores. Para matar um animal, eles passaram a se servir de um pedaço de pau, afiado em forma de faca, para o esquartejar. Os animais oferecidos a Nanã são mortos e decepados com instrumentos de madeira. Não pode ser utilizada a faca de metal para cortar sua carne, por causa da disputa que, desde aquele dia, opôs Ogum a Nanã. Página | 8
  • 9. Nanã na Criação do Homem Dizem que quando Olorum encarregou Oxalá de fazer o mundo e modelar o ser humano, o Orixá tentou vários caminhos. Tentou fazer o homem de ar, como ele. Não deu certo, pois o homem logo se desvaneceu. Tentou fazer de pau, mas a criatura ficou dura. De pedra, mas ainda a tentativa foi pior. Fez de fogo e o homem se consumiu. Tentou azeite, água e até vinho de palma, e nada. Foi então que Nanã veio em seu socorro e deu a Oxalá a lama, o barro do fundo da lagoa onde morava ela, a lama sob as águas, que é Nanã. Oxalá criou o homem, o modelou no barro. Com o sopro de Olorum ele caminhou. Com a ajuda dos Orixá povoou a Terra. Mas tem um dia que o homem tem que morrer. O seu corpo tem que voltar à terra, voltar à natureza de Nanã. Nanã deu a matéria no começo mas quer de volta no final tudo o que é seu. Portanto, para alguns, Nanã é a Divindade Suprema que junto com Zambi fez parte da criação, sendo ela responsável pelo elemento Barro, que deu forma ao primeiro homem e de todos os seres viventes da terra, e da continuação da existência humana e também da morte, passando por uma transmutação para que se transforme continuamente e nada se perca. Esta é uma figura muito controvertida do panteão africano. Ora perigosa e vingativa, ora praticamente desprovida de seus maiores poderes, relegada a um segundo plano amargo esofrido, principalmente ressentido. Orixá que também rege a Justiça, Nanã não tolera traição, indiscrição, nem roubo. Por ser Orixá muito discreto e gostar de se esconder, suas filhas podem ter um caráter completamente diferente do dela. Por exemplo, ninguém desconfiará que uma dengosa e vaidosa aparente Página | 9
  • 10. filha de Oxum seria uma filha de Nanã "escondida". Nanã faz o caminho inverso da mãe da água doce. É ela quem reconduz ao terreno do astral, as almas dos que Oxum colocou no mundo real. É a deusa do reino da morte, sua guardiã, quem possibilita o acesso a esse território do desconhecido. A senhora do reino da morte é, como elemento, a terra fofa, que recebe os cadáveres, os acalenta e esquenta, numa repetição do ventre, da vida intra- uterina. É, por isso, cercada de muitos mistérios no culto e tratada pelos praticantes da Umbanda e do Candomblé, com menos familiaridade que os Orixás mais extrovertidos como Ogum e Xangô, por exemplo. Muitos são portanto os mistérios que Nanã esconde, pois nela entram os mortos e através dela são modificados para poderem nascer novamente. Só através da morte é que poderá acontecer para cada um a nova encarnação, para novo nascimento, a vivência de um novo destino – e a responsável por esse período é justamente Nanã. Ela é considerada pelas comunidades da Umbanda e do Candomblé, como uma figura austera, justiceira e absolutamente incapaz de uma brincadeira ou então de alguma forma de explosão emocional. Por isso está sempre presente como testemunha fidedigna das lendas. Jurar por Nanã, por parte de alguém do culto, implica um compromisso muito sério e inquebrantável, pois o Orixá exige de seus filhos-de-santo e de quem a invoca em geral sempre a mesma relação austera que mantém com o mundo. Nanã forma par com Obaluaiê. E enquanto ela atua na decantação emocional e no adormecimento do espírito que irá encarnar, ele atua na passagem do plano espiritual para o material (encarnação), o envolve em uma irradiação especial, que reduz o corpo energético ao tamanho do feto já formado dentro do útero materno onde está sendo gerado, ao qual já está ligado desde que ocorreu a fecundação.Este mistério divino que reduz o espírito, é regido por nosso amado pai Obaluaiê, que é o "Senhor das Passagens" de um plano para outro.Já nossa amada mãe Nanã, envolve o espírito que irá reencarnar em uma irradiação única, que dilui todos os acúmulos energéticos, assim como adormece sua memória, preparando-o para uma nova vida na carne, onde não se lembrará de nada do que já vivenciou. É por isso que Nanã é associada à senilidade, à velhice, que é quando a pessoa começa a se esquecer de muitas coisas que vivenciou na sua vida carnal.Portanto, um dos campos de atuação de Nanã é a "memória" dos seres. E, se Oxóssi aguça o raciocínio, ela Página | 10
  • 11. adormece os conhecimentos do espírito para que eles não interfiram com o destino traçado para toda uma encarnação.Em outra linha da vida, ela é encontrada na menopausa. No inicio desta linha está Oxum estimulando a sexualidade feminina; no meio está Yemanjá, estimulando a maternidade; e no fim está Nanã, paralisando tanto a sexualidade quanto a geração de filhos. Esta grande Orixá, mãe e avó, é protetora dos homens e criaturas idosas, padroeira da família, tem o domínio sobre as enchentes, as chuvas, bem como o lodo produzido por essas águas.Quando dança no Candomblé, ela faz com os braços como se estivesse embalando uma criança. Sua festa é realizada próximo do dia de Santana, e a cerimônia se chama Dança dos Pratos Simpatia de nanã Quem quer união da família faz oferendas para a grande avó dos orixás, Nanã. Também para aquelas pessoas que estão com parentes idosos ou crianças doentes, aqueles que estão passando por período depressivo e querem ver restabelecido a sua saúde e daqueles a quem amamos, devemos trabalhar na linha da energia de Nanã. 3 batatas doces roxas cozidas sem casca 3 colheres de sopa de mel 1 flor de hortênsia lilás ou roxa 3 velas comuns lilás ou roxa folhas de repolho para servir de prato para a batata doce e forrar o chão Fazer uma massa com a batata doce cozida, amassando com um garfo até ficar homogênea. Regue com o mel e faça um formato de coração com essa massa. Página | 11
  • 12. Coloque esse coração sobre as folhas do repolho roxo e enfeite com a flor de hortênsia. Acenda as velas em volta da oferenda colocando na beira de um rio ou em um jardim ou campo aberto. Peça proteção para você e/ou para seus entes queridos. Cuidado para não provocar incêndios! Caso faça em um jardim de casa deixar 3 dias e despachar normalmente no lixo depois. Nanã e oxalá em uma das suas jornadas oxalá conheceu uma linda senhora bondosa estava ela em sua aldeia construindo as muralhas de sua casa amassando aquela terra molhada construindo o barro com seus pés então oxalá chegando diante dela lhe disse que tu faz ai mulher no meio desta lama então nana olhando serenamente respondeu (na terra tudo se cria tudo se faz somos eternamente filhos dela somos eternamente gratos por ela da terra tiro meu sustento da terra tiro minha moradia com este barros que meus pés estão açoitando daqui saíram meus tijolos minha fortaleza para construir minha casa meu refugio. ela olhando para cima porque se encontrava em uma pequena vala sentiu uma grande admiração naquele homem olhando em seus olhos ela lhe disse e toquem és de onde vem como se chama porque estas vestido assim de branco mas porque....) então aquele homem interrompeu a indagação daquela mulher)...sorrindo olhos serenos lhe falou. Acalmaste mulher não tenho terra moradia nem destino sou o ar que tu respira sou o alimento do dia a dia sou afortaleza de sua moradia sou a terra o barro que tu transforma em tijolos eu sou OXALÁ naquele instante aquela mulher lhe jogou-se ao chão.entao oxalá levantou aquela mulher e disse você e digna do meu amor eterno levane-se mulher assim nanã levantou e abraçou oxalá como vocês já notaram em outras edições nanã teve participação de quase todos os orixás isso para mostrar para todos a grandeza e a importância deste orixá Página | 12
  • 13. Outras historias de nanã Afirma-se que Nanã era a rainha de um povo e que tinha poder sobre os mortos. Para roubar esse poder, Oxalá desposou-a, mas não ligava para ela. Nanã, então, fez um feitiço para ter um filho. Tudo aconteceu como ela queria mas, por causa do feitiço, o filho, Omolu nasceu todo deformado. Horrorizada, Nanã jogou-o no mar para que morresse. Como castigo pela crueldade, quando Nanã engravidou de novo, Orunmilá disse que o filho seria lindo mas se afastaria dela para correr mundo. Assim, nasceu Oxumaré, que durante seis meses do ano vive no céu como o arco-íris, e nos outros seis é uma cobra que se arrasta no chão.Em outra lenda, conta-se que, na aldeia chefiada por Nanã, quando alguém cometia um crime, era amarrado a uma árvore. Nanã então chamava os Eguns para assustá-lo. Ambicionando esse poder, Oxalá foi visitar Nanã e deu-lhe uma poção que fez com que ela se apaixonasse por ele. Nanã dividiu o reino com ele, mas proibiu a sua entrada no Jardim dos Eguns. Oxalá então espionou-a e aprendeu o ritual de invocação dos mortos. Depois, disfarçando-se de mulher com as roupas de Nanã, foi ao jardim e ordenou aos Eguns que obedecessem "ao homem que vivia com ela" (ele mesmo). Quando Nanã descobriu o golpe, quis reagir mas, como estava apaixonada, acabou aceitando deixar o poder com o marido. Hoje no Culto aos Egungun só os homens são iniciados para invocar os Eguns.Uma terceira lenda refere que, certa vez, os Orixás se reuniram e começaram a discutir qual deles seria o mais importante. A maioria apontava Ogum, considerando que ele é o Orixá do ferro, o que deu à humanidade o conhecimento sobre o preparo e uso das armas de guerra, dos instrumentos para agricultura, caça e pesca, e das facas para uso doméstico e ritual. Somente Nanã discordou e, para provar que Ogum não era tão importante assim, torceu com as próprias mãos o pescoço dos animais destinados ao sacrifício em seu ritual. É por isso que os sacrifícios Página | 13
  • 14. para Nanã não podem ser feitos com instrumentos de metal.Nanã Buruku é cultuada no Candomblé Jeje como um vodun e no Candomblé Ketu como um orixá da chuva, das águas paradas, mangue, pântano, terra molhada, lama e considerada a mãe dos orixás Obaluaiyê, Iroko, Osanyin, Oxumarê e Yewá. Nanã é chamada carinhosamente de "Avó", por ser usualmente imaginada como uma anciã. É cultuada em todo o Brasil nas religiões Afro-brasileiras. Seu emblema é o Ibiri que caracteriza sua relação com os espíritos ancestrais. Como "Mãe-Terra Primordial" dos grãos e dos mortos, Nanã Buruku poderia ser equiparada à deusa greco-romana Deméter-Ceres-Cíbele.A existência do culto de Nanã Buruku é atribuída a tempos remotos, anteriores à descoberta do ferro, por isso, em seus rituais, não costumam ser utilizados objetos cortantes de metal.O baobá ("Adansonia digitata em iorubá ossê e em Fon akpassatin) é sua árvore sagrada.No sincretismo afro-católico, Nanã Boroquê, como é chamada na Umbanda, é equiparada à Sant'Ana.Nanã no Batuque - RS: Nanã no Batuque (Religião Afro-Gaúcha) é a Iemanjá mais velha de todas, embora não seja Iemanjá. Na Umbanda, ela não costuma ser considerada chefe de falange, sendo sua figura arquétipa muitas vezes associada à Omulu e outras vezes aos domínios de Iemanjá. Nanã é descrita como uma velha senhora que teria rejeitado seu filho Omulu mas este filho foi adotado pela amorosa Iemanjá. O sincretismo de Nanã com Sant'Ana, avó maternal de Jesus, e padroeira dos professores, reforça a impressão de que ela é muito antiga e que sua chegada ao Brasil foi anterior a dos Iorubas. Nanã é dona da lama do fundo dos rios, lama com qual foram modelados os homens. Rege nos pântanos. Tem também relações com a morte. Este orixá vem de épocas tão distantes, que nenhuma pesquisa foi capaz de identificar suas origens. Seu culto se espalhou, através dos tempos, de Leste a Oeste. Nanã é um termo que expressa deferência por qualquer pessoa idosa e significa "Mãe" em diversos dialetos africanos. Na Umbanda, Nanã vem incorporada de forma calma, curvada e com movimentos circulares nas mãos, muito associada também aos Pretos-Velhos.Nanã desconhece o ferro e outros metais por tratar-se de umOrixá da Pré-história. NANÃ significa raiz, aquela que se encontra no centro da terra. Página | 14
  • 15. Frutas Uva roxa Por ser rica em vitaminas A, B e C, além de proteínas, carboidratos, iodo, fósforo e flavonóides, a uva protege o coração contra infartos, já que ajuda a desobstruir as artérias e regula as taxas de colesterol no sangue. Hábil roxo O fruto é delicioso ao natural, como seu primo abiu (Pouteria caimito). A árvore se presta admiravelmente bem ao paisagismo, principalmente em espaços médios a grandes Melão A maior parte do melão é constituída de água. Mesmo assim, é muito nutritivo e contem pouquíssimas calorias. Página | 15
  • 16. Banana roxa Considerada como uma das frutas mais antigas do mundo, a bananeira teve sua origem provavelmente na Ásia, mas já era consumida pelos indígenas do Brasil antes da chegada dos portugueses. Pera Verde por fora e branca por dentro, a pera comum, ou europeia, com seu tradicional formato de lâmpada e gostinho água com açúcar, nunca apresentou aroma, coloração e sabor para ganhar um lugar de honra no rol das frutas mais apreciadas pelos brasileiros maçã é uma das frutas mais consumidas no mundo. Devido a sua facilidade de cultivo e não possuindo sazonalidade, ou seja, sendo colhida durante todo o ano, pode ser usada de forma ampla na culinária. Página | 16
  • 17. Plantas Agapanto: É um vegetal pertencente a Oxalá, Nanã e a Obaluayê. O branco é de Oxalá e o lilás é da deusa das chuvas e do orixá das endemias e das epidemias. É também aplicado como ornamento em pejis, e banhos dos filhos destes orixás. Não possui uso na medicina popular. Altéia – Malvarisco: Muito empregada nos banhos de descarrego e na purificação das pedras dos orixá Nanã, Oxum, Oxumare, Yansã e Yemanjá. Muito prestigiada nos bochechos e gargarejos, nas inflamações da boca e garganta. Angelim-amargoso – Morcegueira: Pertence a Nanã e Exu. Muito usada em carpintaria, por ser madeira de lei. Folhas e flores são utilizadas nos abô dos filhos de Nanã. As cascas dizem respeito a Exu; elas são aplicadas em banhos fortes de descarrego, com o propósito de destruir os fluidos negativos.
  • 18. Página | 17
  • 19. Assa-peixe: Usada em banhos de limpeza e nos ebori dos filhos do orixá das chuvas. Na medicina popular ela é aplicada nas afecções do aparelho respiratório em forma de xarope. Utilizada como emostático . Avenca: Vegetal delicadíssimo e mimoso. Tem emprego nas obrigações de cabeça e nos abô embora ela mereça ser economizada em face de sua delicadeza para ornamento. A medicina popular indica as folhas para debelar catarros brônquios e tosses. :Cedrinho Este vegetal possui muitas variedades, todas elas pertencentes a deusa das chuvas. Sua aplicação é total na liturgia dos cultos afro-brasileiros. Empregado nas obrigações de cabeça, nos abô, banhos de corpo inteiro e nos de purificação. Excelente abô de ori, tonificador da aura. Em seu uso caseiro combate as disenterias, suas folhas em cozimento em banhos ou chá curam hérnias. É tônico febril rebeldes. Página | 18
  • 20. Gervão: Além de ser folha sagrada de Nanã, também é Xangô. Sem aplicação nas obrigações rituais. A medicina caseira a indica no tratamento das doenças do fígado, levando suas folhas em cozimento adicionando juntamente raízes de erva-tostão. O chá do gervão também debela as doenças dos rins Manacá: Seu uso ritualístico se limita aos banhos de descarrego. Muito empregada na magia amorosa. Nesse sentido, ela é usada em banhos misturada com girassol e mil-homens. O chá de suas raízes é utilizado pela medicina caseira para facilitar o fluxo menstrual. Quaresma – Quaresmeira: Esta arboreta tem aplicação em todas as obrigações de cabeça, nos abô e nos banhos de limpeza e purificação dos filhos da deusa das chuvas. Durante o ritual toda a planta é aproveitada, exceto a raiz. A medicina caseira a indica nos males renais e da bexiga, em chá Página | 19
  • 21. Quitoco: Usada em banhos de descarrego ou limpeza. Para a medicina popular esta erva resolve males do estômago, tumores e abscessos. Internamente é usado o chá, nos tumores aplica-se as folhas socadas. Nmerva cidreira Chá de tabuleiro (CE), erva cidreira, falsa melissa, erva cidreira brava, erva cidreira do campo (PA), salva do Brasil, salva limão, alecrim do campo, salva brava (RS), cidrila, orégano e salvia nos outros países Latino-Americanos. pinhão roxo é uma planta promissora para a produção de biodiesel. Desta planta, obtém-se biocombustível que libera poucos poluentes, e o CO2 liberado pode ser reciclado através da própria lavoura; contudo, Página | 20
  • 22. os Filhos De Nanã Uma pessoa que tenha Nanã como Orixá de cabeça, pode levar em conta principalmente a figura da avó: carinhosa às vezes até em excesso, levando o conceito de mãe ao exagero, mas também ranzinza, preocupada com detalhes, com forte tendência a sair censurando os outros. Não tem muito senso de humor, o que a faz valorizar demais pequenos incidentes e transformar pequenos problemas em grandes dramas. Ao mesmo tempo, tem uma grande capacidade de compreensão do ser humano, como se fosse muito mais velha do que sua própria existência. Por causa desse fator, o perdão aos que erram e o consolo para quem está sofrendo é uma habilidade natural. Nanã, através de seus filhos-de-santo, vive voltada para a comunidade, sempre tentando realizar as vontades e necessidades dos outros. Às vezes porém, exige atenção e respeito que julga devido mas não obtido dos que a cercam. Não consegue entender como as pessoas cometem certos enganos triviais, como optam por certas saídas que para um filho de Nanã são evidentemente inadequadas. É o tipo de pessoa que não consegue compreender direito as opiniões alheias, nem aceitar que nem todos pensem da mesma forma que ela. Suas reações bem equilibradas e a pertinência das decisões, mantém-nas sempre no caminho da sabedoria e da justiça. Todos esses dados indicam também serem os filhos de Nanã, um pouco mais conservadores que o restante da sociedade, desejarem a volta de situações do passado, modos de vida que já se foram. Querem um mundo previsível, estável ou até voltando para trás: são aqueles que reclamam das viagens espaciais, dos novos costumes, da nova moralidade, etc. Quanto à dados físicos, são pessoas que envelhecem rapidamente, aparentando mais idade do que realmente têm. Página | 21
  • 23. Os filhos de Nanã são calmos e benevolentes, agindo sempre com dignidade e gentileza. São pessoas lentas no exercício de seus afazeres, julgando haver tempo para tudo, como se o dia fosse durar uma eternidade. Muito afeiçoadas às crianças, educam-nas com ternura e excesso de mansidão, possuindo tendência a se comportar com a indulgência das avós. Suas reações bem equilibradas e a pertinência de suas decisões mantêm-nas sempre no caminho da sabedoria e da justiça, com segurança e majestade. O tipo psicológico dos filhos de NANÃ à introvertido e calmo. Seu temperamento é severo e austero. Rabugento, é mais temido do que amado. Pouco feminina, não tem maiores atrativos e à muito afastada da sexualidade. Por medo de amar e de ser abandonada e sofrer, ela dedica sua vida ao trabalho, à vocação, à ambição social. A orixá Nanã Buruquê rege uma dimensão formada por dois elementos, que são: terra e água. Ela é de natureza cósmica pois seu campo preferencial de atuação é o emocional dos seres que, quando recebem suas irradiações, aquietam-se, chegando até a terem suas evoluções paralisadas. E assim permanecem até que tenham passado por uma decantação completa de seus vícios e desequilíbrios mentais. Nanã forma com Obaluaiyê a sexta linha de Umbanda, que é a linha da Evolução. E enquanto ele atua na passagem do plano espiritual para o material (encarnação), ela atua na decantação emocional e no adormecimento do espírito que irá encarnar. Enquanto Nanã decanta e adormece o espírito que irá reencarnar, Obaluaiyê o envolve em uma irradiação especial, que reduz o corpo energético, já adormecido, até o tamanho do feto já formado dentro do útero materno onde está sendo gerado Este mistério divino que reduz o espírito ao tamanho do corpo carnal, ao qual já está ligado desde que ocorreu a fecundação do óvulo pelo sêmen, é regido por nosso amado pai Obaluaiyê, que é o “Senhor das Passagens” de um plano para outro. Página | 22
  • 24. Qualidades de Nanã Nanã Abenegi: Dessa Nanã nasceu o Ibá Odu, que é a cabaça que traz Oxumarê, Oxossi Olodé, Oya e Yemanjá. Nanã Adjaoci ou Ajàosi: É a guerreira e agressiva que veio de Ifé, às vezes confundida com Obá. Mora nas águas doces e veste-se de azul. Nanã Ajapá ou Dejapá: É a guardiã que mata, vive no fundo dos pântanos, é um Orixá bastante temido, ligado a lama, a morte, e a terra. Veio de Ajapá. Está ligada aos mistérios da morte e do renascimento. Destaca-se como enfermeira; cuida dos velhos e dos doentes, toma conta dos moribundos. Nela predomina a razão.Nanã Asainan ou Asenàn: Provisoriamente sem dados inerentes a este caminho do Orixá Nanã. Nanã Buruku ou Búkùú: Também é chamada Olú waiye (senhora da terra), ou Oló wo (senhora do dinheiro) ou ainda Olusegbe. Este Orixá veio de Abomey; ligado à água doce dos pântanos, usa um ibirí azul. Nanã Iyabahin ou Lànbáiyn: Provisoriamente sem dados inerentes a este caminho do Orixá Nanã. Nanã Obaia ou Obáíyá: É ligada a água e a lama. Mora nos pântanos; usa contas cristal vestes lilás e veio do país Baribae. Nanã Omilaré: É a mais velha, acredita-se ser a verdadeira esposa de Oxalá. Associada aos pântanos profundos e ao fogo. É a dona do universo, a verdadeira mãe de Omolu Intoto. Veste musgo e cristal. Nanã Savè: Veste-se de azul e branco, e usa uma coroa de búzios. Nanã Ybain: É a mais temida. Orixá da varíola. Usa cor vermelha, é a principal, come directo na lagoa, dando origem a outros caminhos. Para chamá-la, a ekeji tem que ir batendo com seus otás para fazê-la pegar suas filhas. Nanã Oporá: Veio de Ketu, coberta de òsun vermelho. É a mãe de Obaluaiyê, ligada a terra, temida, agressiva e irascível. Nanã Xalá: Muito ligada ao Branco e a Oxalá. Página | 23
  • 25. Ibiri de nanã Ibiri ou Ibíri é um apetrecho da cultura afro brasileira, inerente ao Orixá Nanã, indispensável em sua indumentária, geralmente visto em seu assentamento igba nanã. Confeccionado com nervura da folha do Iji opé e ichã, ornado com búzios, palha da costa, fio de conta e cabaça. Utilizado nos rituais do olubaje e opanije, tem finalidade de afastar os espíritos (eguns) para o seu espaço sagrado, e eliminar as energias negativa da comunidade, proporcionando a longevidade. Este artefato na historia de nanã ela carregava a chave que abria a porta entre a vida e a morte dentro deste artefato ibiri Página | 24
  • 26. Sincretismo na igreja católica Sabe-se muito pouco sobre Santa Ana. Sabe-se que esta era mãe de Maria de Nazaré, esposa de São Joaquim e Avó de Jesus. Sabe-se também que esta teria após o nascimento da Virgem Maria tido mais uma ou duas filhas, pois Deus liberara após Joaquim ter ficado 40 dias no deserto. O nome dessas filhas são: Maria Salomé e Maria de Cleofas. Os dados biográficos que sabemos sobre os pais de Maria foram legados pelo Proto-Evangelho de Tiago, obra citada em diversos estudos dos padres da Igreja Oriental, como Epifânio e Gregório de Nissa. Sant'Ana, cujo nome em hebraico significa graça, pertencia à família do sacerdote Aarão e seu marido, São Joaquim, pertencia à família real de Davi. Seu marido, São Joaquim, homem pio fora censurado pelo sacerdote Rúben por não ter filhos. Mas Sant’Ana já era idosa e estéril. Confiando no poder divino, São Joaquim retirou-se ao deserto para rezar e fazer penitência. Ali um anjo do Senhor lhe apareceu, dizendo que Deus havia ouvido suas preces. Tendo voltado ao lar, algum tempo depois Sant’Ana ficou grávida. A paciência Página | 25
  • 27. e a resignação com que sofriam a esterilidade levaram-lhes ao prêmio de ter por filha aquela que havia de ser a Mãe de Jesus. Eram residentes em Jerusalém, ao lado da piscina de Betesda, onde hoje se ergue a Basílica de Santana; e aí, num sábado, 8 de setembro do ano 20 a.C., nasceu-lhes uma filha que recebeu o nome de Miriam, que em hebraico significa "Senhora da Luz", passado para o latim como Maria. Maria foi oferecida ao Templo de Jerusalém aos três anos, tendo lá permanecido até os doze anos. Pelo texto Caverna dos Tesouros, atribuído a Efrém da Síria, Ana (Hannâ) era filha de Pâkôdh e seu marido se chamava Yônâkhîr.. Yônâkhîr e Jacó eram filhos de Matã e Sabhrath. Jacó foi o pai de José, desta forma, José e Maria eram primos.São João Damasceno, ao escrever sobre o Natal, deixa claro que São Joaquim e Santa Ana são os pais de Maria. A devoção aos pais de Maria é muito antiga no Oriente, onde foram cultuados desde os primeiros séculos de nossa era, atingindo sua plenitude no século VI. Já no ocidente, o culto de Santana remonta ao século VIII, quando, no ano de 710, suas relíquias foram levadas da Terra Santa para Constantinopla, donde foram distribuídas para muitas igrejas do ocidente, estando a maior delas na igreja de Sant’Ana, em Düren, Renânia, Alemanha.Seu culto foi tornando-se muito popular na Idade Média, especialmente na Alemanha. Em 1378, o Papa Urbano IV oficializou seu culto . Em 1584, o Papa Gregório XIII fixou a data da festa de Sant’Ana em 26 de Julho, e o Papa Leão XIII a estendeu para toda a Igreja, em 1879.Em França, o culto da Mãe de Maria teve um impulso extraordinário depois das aparições da santa em Auray, em 1623.Tendo sido São Joaquim comemorado, inicialmente, em dia diverso ao de Sant’Ana, o Papa Paulo VI associou num único dia, 26 de julho, a celebração dos pais de Maria, mãe de Jesus. Página | 26
  • 28. igreja Matriz - Santana de Parnaíba (SP)Igreja Matriz, também conhecida como Paróquia de Sant'Ana.É considerada o marco mais importante do município.De acordo com os registros históricos, em meados de 1560, foi erguida nacidade a primeira capela, dedicada a Santo Antônio. A pequena igreja erafeita de pau-a- pique e coberta de folhagensNo ano de 1580, a segunda capela, dedicada a Sant'Ana, foi construída.Em 1610 uma terceira capela foi construída, também por André Fernandes, e,em 1625, foi elevada a Matriz, hoje conhecida como Paróquia de Sant'Ana.A edificação atual data de 1882, e seu estilo é eclético, possuindo pisoem canela preta e altares que acompanham a liturgia. procissão de Senhora Santa Ana, Página | 27
  • 29. Obrigado aminha mãe querida por todas as lutas que a senhora me ajudou com muita fé e amor peço a senhora que me livrai me de todas as perseguições de todo ódio a ti confio minha querida mãe por toda minha vida suplicarei a sua misericórdia que oxalá possa sempre estar em meus caminho junto com o seu amor assim seja minha mãe nanã Página | 28

Related Documents