Porque a Burocracia deve MORRER!
(Baseado num artigo do Guru dos negócios Gary Hamel)
Uma terrível epidemia, aflige gran...
então toda a organização terá que “obediente” e servilmente manter-se à tona, num estado
vegetativo que assustaria qualqu...
"O que precisamos", diz Hamel, "é um conjunto radicalmente novos princípios de gestão e processos
que nos ajudarão a tira...
poderosos o suficiente para amolgar o “velho mundo” actual e em desagregação acelerada. E
ninguém pode fazer isso por si ...
Desbloquear inovação dos colaboradores através de plataformas digitais
Outra pista para alcançar a transformação e atende...
E as prescrições específicas para os profissionais são servidos que são, supostamente para melhorar
os lucros privados e ...
of 6

Porque a-burocracia-deve-morrer

Uma terrível epidemia, aflige grande parte da raça humana. O seu nome não é Ebola. É chamada de burocracia, escreve o guru de negócios Gary Hamel em dois artigos na Harvard Business Review. "..
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Business      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Porque a-burocracia-deve-morrer

  • 1. Porque a Burocracia deve MORRER! (Baseado num artigo do Guru dos negócios Gary Hamel) Uma terrível epidemia, aflige grande parte da raça humana. O seu nome não é Ebola. É chamada de burocracia, escreve o guru de negócios Gary Hamel em dois artigos na Harvard Business Review. Esta terrível doença (uma praga devastadora sem antídoto à vista) torna as nossas organizações e empresas (publicas e privadas) em "insípidas, inerciais, incrementais e sem inspiração ... Para encontrar uma cura, vamos ter de reinventar a arquitetura e a ideologia da administração moderna." Curiosamente, Hamel diz, estes são "dois temas que muitas vezes não são discutidos nas salas nem mesmo nas escolas de negócios. ". Artigos de Hamel ( aqui e aqui ) fazem parte da série , em preparação para o Fórum Drucker que está a decorrer em Viena, Áustria, em novembro 13-14. (Toda a conferência pode ser vista on-line gratuito com transmissão ao vivo .) O que é a burocracia? Hamel dá-nos uma vívida descrição. "Estratégia começa o jogo no topo.” O Poder escorre barbara e selváticamente. “.. Grandes líderes designam pequenos líderes. Indivíduos competem por uma pequena promoção. Compensação correlaciona com grau. As tarefas são atribuídas. Os gestores avaliam o “desempenho” e as regras firmemente circunscrevem a discrição”. A Burocracia "constitui o sistema operativo para praticamente todas as organizações de grande, ou pequena escala no planeta. É indiscutível que a burocracia desativa as nossas organizações “ e torna-as pesos-pesados, a caminho de uma morte lenta e com custos cada vez mais insustentáveis para a maioria da humanidade. “As empresas não morrem devido à concorrência. Elas é que encontram formas criativas de cometer suicídio” [Sridhar Vembu, empreendedor indiano ]. A burocracia é " simples e escalável ", mas" uma responsabilidade profunda "em ambiente “hyperkinetic” de hoje. Ela superpondera qualquer nova forma de pensar e ... perpetua o passado. Ela assenta no poder imutável e cristalizado das hierarquias taylorianas e na obediência cega de mandados a mandadores.. A burocracia desencoraja a dissidência e gera bajuladores. A burocracia é executada de cima para baixo" por um pequeno grupo de executivos “experientes” que não conseguem amortizar a sua depreciação do capital intelectual. "É semelhante à centralização de estilo soviético e" é o inimigo da resiliência ... Se eles não estão dispostos a se adaptar e aprender,
  • 2. então toda a organização terá que “obediente” e servilmente manter-se à tona, num estado vegetativo que assustaria qualquer ser dotado de um assombro de inteligência. ". A Burocracia é dominada pela "ideologia do controlismo" e "adora o altar de conformidade.". Um bom burocrata adora soltar aos quatro ventos que o seu projecto foi realizado “de acordo com as melhores práticas”, mesmo sabendo que nem faz ideia do que isso signifique. A burocracia é hostil a "povo irregular com ideias irregulares que criam os modelos de negócios irregulares e que geram os retornos irregulares", e assim "aleijados de vitalidade organizacional. E assim encolhem o nosso incentivo para sonhar, imaginar e contribuir. "Isso faz com que as nossas organizações permaneçam entricheirada num núcleo forte e inexpugnável de incompetência gritante e mais ainda assustadora". (Imagem e crédito para: istockphoto.com) A maior mudança corporativa, diz Hamel, não matou a doença da burocracia. "Achataram as hierarquias corporativas, mas não as eliminaram. Temos elogiado alguma capacitação, mas não a distribuição e delegação da autoridade executiva. Temos incentivado os funcionários a falar, mas não lhes permitimos sequer apresentar ideias e menos ainda tentarem definir uma estratégia. Como ouvi há poucos anos, num banco deste “país sem culpa”, um importante administrador desta organização, em reunião com alguns executivos e quando um destes impelido a dizer algo, começou pela frase “eu penso que … “. O dito administrador do banco e quadro maçonico, estoirou numa fúria demente, perante o inicio da frase do pobre executivo e vociferou numa raiva incontida.... “VOCÊ NÃO ESTÁ AQUI NEM É PAGO PARA PENSAR, MAS PARA TRABALHAR ..”... Simplesmente grotesco, mas eu assisti a tudo isto horrorizado com o que conhecia ser a burocracia combinada com o mais puro e perverso exercício do poder gratuito e numa demostração de bestialidade medieva, só vista em tempos de escravidão e servidão. São estas as empresas de Portugal e estes os gestores que ”afundam e destroem qualquer empresa em 12 ou menos meses.” e por puro gozo pessoal e também muitos ganhos, subtraídos à maioria de todo um povo. Mas, continuando com as opiniões de Hamel sobre porque deve de facto MORRER A BUROCRACIA - “criaram advogados e defensores da inovação (mais como moda do que qualquer outra forma positiva de evoluir), mas não desmantelaram sistematicamente as barreiras que impedem que os trabalhadores sejam marginalizados por ousarem pensar diferente e terem ideias “absurdas”. Nós conversamos (sem parar) sobre a necessidade de mudança, mas não nos ensinaram a ser militantes internos activos. Temos denunciado a burocracia, mas não fomos capazes de a destronar; e agora devemos…!!"
  • 3. "O que precisamos", diz Hamel, "é um conjunto radicalmente novos princípios de gestão e processos que nos ajudarão a tirar vantagem de escala, sem se tornar numa gestão esclerosada, que irá maximizar a eficiência sem sufocar a inovação, que irá impulsionar a disciplina sem extinguir a liberdade." A burocracia é uma doença que "nenhuma quantidade de terapia incremental a pode curar." Ela é imune à "renovação proativa de baixo para cima." As suas "estruturas e processos organizacionais são inerentemente tóxicos e intoleráveis para com a mais pequena mudança." É "emocionalmente insípida "e" ignorante quando se trata da galvanização .. da. imaginação e sobretudo de gerir e cultivar a paixão. ". E sem emoção e paixão, não há seres humanos e apenas fragmentos de seres animais capazes de obedecer com o móbil de serem deixados em paz e com uma ou outra promoção pelo meio. Nada distingue esta forma de vida empresarial de um instinto animal descrito por Pavlof. E continuando com o Guru Hamel..."À medida que os ventos da destruição criativa continuam a reforçar-se, essas enfermidades se tornarão ainda mais debilitantes." A maioria dos "wikis remédios-ideia atualmente recomendadas, incubadoras de empresas, colaboração on-line, “design thinking," liderança autêntica ", et al - são ... Têm demonstrado não ser mais eficazes do que as dezenas de "correções" que vieram antes deles. ". O principio de Peter que se resume à seguinte regra “Num sistema hierárquico, todo o funcionário tende a ser promovido até ao seu nível de incompetência. “ e enunciado há já quase um século atrás, continua a ser a realidade e a prática de gestão, como “no tempo dos nosso avós”.. e lá continuamos a fazer as coisas como no tempo dos romanos… "Para construir organizações que estão aptas para competir no futuro", diz Hamel, "temos de ir mais fundo, muito mais profundo." Temos de "desafiar as nossas crenças fundamentais ... de organizações que ainda estão com práticas puramente feudais no seu núcleo." Hamel. "Não há outra maneira de dizê-lo", diz Hamel, "A burocracia deve morrer. Temos de encontrar uma maneira de colher as bençãos da burocracia de precisão, consistência e previsibilidade a ao mesmo tempo de matá-la ". Como inventar o futuro Felizmente, com a sociedade diante de um grande desastre tal, outro artigo da série por Nilofer Merchant, um escritor e empresário, e professor na Universidade de Stanford, diz-nos como poderemos inventar o futuro. "Precisamos mais do que grandes ideias ou palavras expressivas, ou uma visão ultra-clara para inventar o futuro", diz Merchant. "A fim de considerar novas ideias, você tem que estar disposto a deixar de ir aquelas que não lhe servem mais." "O desafio, no entanto, não é como jogar fora o velho para abraçar o novo. Isso seria loucura ... Em vez disso, o que precisamos é uma maneira de acolher as novas ideias, criando novos modelos
  • 4. poderosos o suficiente para amolgar o “velho mundo” actual e em desagregação acelerada. E ninguém pode fazer isso por si só. " E dá o exemplo de Eric Liu, fundador da Universidade Cidadã, que executa programas concebidos para ajudar a desenvolver as habilidades de cidadania efetiva. A chave é "um objetivo comum e partilhado, com muitas estratégias diferentes, possivelmente, o mais provável opostas para atingir esse objetivo." Isto, diz Merchant ", é o" como novo ", de forma colaborativa, que molda as ideias para ser melhor, para ser mais forte, e, finalmente, tornar-se real. Para inventar o futuro, não precisamos de mais ideias, ou melhores palavras, ou visões de direcção, para inventar o futuro. Em vez disso, precisamos desafiar crenças comuns e interesses arraigados. Precisamos parar de puxar o outro para baixo pelo rabo e, em vez construir as nossas ideias em conjunto. ". Sobretudo “precisamos de mais coo-petição e colaboração e menos competição (pelo menos a que não é nada sadia nem saudável e mina as sociedades por completo).” FGonçalves (2005) O caminho para a transformação Se a burocracia deve morrer, o que temos para substituí-la ? O que poderia ser esta invenção colaborativa do futuro ? Algumas pistas são oferecidas por outro artigo da série por Vineet Nayar, o ex-CEO da HCL Technologies. Hoje, a tecnologia está criando desafios humanos. "Um, tecnologias digitais encurtaram os ciclos de execução simplificada e com vantagens compactadas construídas sobre bits em vez de átomos. Dois, com o surgimento de organizações especializadas que podem realizar fabricação e logística, suporte ao cliente e serviços pós-venda e de TI, as barreiras à entrada em muitas indústrias caíram. E três, as novas tecnologias tornaram possível mais análises de consumo, maior visibilidade e escala, forçando o abandono de padronização e para ofertas personalizadas e experiências únicas. E “não devemos esquecer que no futuro a experiência e as emoções são tudo e os produtos tendencialmente desaparecerão..” FG 2008. Hoje, diz Nayar, "a fórmula vencedora tornou-se: Ideias Inovadoras + proporcionando experiências únicas + Permitindo a Liderança. "Para implementar esta fórmula, uma organização precisa de transformação, por sua vez, envolve a quebra livre de três armadilhas: " A armadilha lógica . As empresas muitas vezes tem que pensar em fazer o que os outros acreditam que é impossível ... Seus líderes têm que se afastar de passos incrementais, tais como redução de custos, e pensar em saltos gigantescos que irá colocá-los no caminho da transformação. A disrupção é tudo e o fix não muda nada. " A Armadilha Continuidade ... o melhor talento é geralmente motivado por desafios e como enfrentá-los. A armadilha Liderança … a experiência do cliente é suprema, por isso os líderes devem inspirar os funcionários a criar e oferecer experiências únicas batendo em suas ideias. ".
  • 5. Desbloquear inovação dos colaboradores através de plataformas digitais Outra pista para alcançar a transformação e atender o desafio de Hamel de desbloquear esses recursos humanos que estão sendo esmagados pela burocracia, escreve o professor Bill Fischer a partir de IMD, na Suíça, em outro artigo desta série, compreende plataformas de inovação. "A criação de uma plataforma para a inovação significa autonomia -. E ainda não sacrificar os benefícios de ter uma boa estratégia" as plataformas "prometem um grau de liberdade e empreendedorismo na entrega, mantendo muitas das vantagens de escala e de contexto. " "Se você precisa de uma melhor noção do que eu quero dizer com plataforma", escreve Fischer, "pense sobre o iPad, da Apple (ou o Android da Google), um produto de electrónica de consumo produzido em massa que também oferece uma base sobre a qual outros parceiros podem criar e capturar valor com a sua forma independente produzido aplicações, música, multimédia, livros, etc ( e estamos apenas no começo desta revolução de escala). A Apple tem mantido um grau relativamente alto de controle sobre como algo é desenvolvido, e mais como o valor pode ser capturado a partir dela, mas o uso e utilidade de sua plataforma excede em muito qualquer coisa que alguém na Apple jamais poderia ter imaginado. Em certo sentido, a Apple tornou-se o produtor em massa de um item de “commodity” que liberta a imaginação de uma comunidade de desenvolvedores, e uma boa parte de sua base de clientes, também ". E este é apenas o começo, pois a roda da mudança que está a transformar a nossa sociedade das “coisas” ou átomos em bits ainda só agora deu o seu primeiro vislumbre, mas o futuro está já aí ao virar da década ou menos - a economia da conceptualidade. Fischer dá detalhes de como as plataformas foram introduzidos na ciências da vida dos holandeses e na ciência dos materiais da gigante DSM, e a Haier, home-appliance líder global chinesa. E não se esqueça de economia Não se esqueça de economia, escreve Pankaj Ghemawat, professor de Estratégia Global na IESE Business School em Barcelona, e m um outro artigo da série. Há coisas que "os economistas sabem que os gestores não (e vice-versa)." Economistas argumentam que "as catástrofes só acontecem porque as regras do jogo em que as empresas operam deve ser falhado. Os economistas divergem sobre a real incidência destas falhas de mercado e a relação custo-eficácia dos esforços governamentais para as combaters, mas eles concordam amplamente que os únicos fatores que prejudicam o desempenho são externos para as empresas ". "As empresas e gestão de especialistas, ao contrário, tendem assumir a posição oposta. Eles argumentam que " o mau desempenho é (principalmente) causada por falhas de gestão - especificamente, erros de cálculo de vários tipos - em vez de falhas inerentes ao funcionamento do mercado.
  • 6. E as prescrições específicas para os profissionais são servidos que são, supostamente para melhorar os lucros privados e o bem-estar público ". "Nenhuma escola de pensamento, no entanto, tem toda a razão. Nos seus esforços para caracterizar falhas importantes como sendo (para um grupo) sempre falhas de mercado e (para o outro grupo) falhas de gestão, os dois grupos acabam perdendo percepções de cada um. " Talvez, Ghemawat está sugerindo, a economistas e gestores que devem prosseguir com a ideia radical de Merchant: E que tal falarem uns com os outros e colaborarem? E não se esqueça, será “inovar ou morrer “.. NOTA: Este artigo foi traduzido e adaptado por Francisco Gonçalves com base no artigo original que pode ser consultado aqui, escrito por Steve Denning para a revista Forbes, e baseado num par de artigos escritos na Harvard Business Review por Gary Hamel. Por Francisco Gonçalves @ Notas Soltas in 10Nov2014 Anexos: A transmissão ao vivo do Fórum Drucker Não vai a Viena para o Fórum Drucker em 13-14 novembro? Sem problemas! Você pode assistir a toda a conferência, com transmissão ao vivo livre, na sequência de um processo de registo de luz. Os detalhes estão disponíveis aqui. E leia também: Três Key Issues O Drucker Forum deve abordar Futuro do Capitalismo já está aqui A Grande Transformação: um ponto de viragem A Grande Transformação: Tem capitalismo chegou a um ponto de viragem Os cinco surpresas da gestão radical Artigos relacionados : A massa de que são feitos os patrões de Portugal ! Há assédio moral em excesso no trabalho e nas empresas em Portugal É a má gestão, que contribui para baixas de produtividade dos Europeus ? Vivo num país, tão perto, mas tão distante no seu desenvolvimento e na sua capacidade de re-invenção! Como a produção Social pode revitalizar e reinventar a Economia do País Construindo pontes para o futuro com uma nova cultura de colaboração Estou mesmo furioso !! Por entre Muros, barreiras e Tiranos!

Related Documents