9
FILOSOFIA DAS ORIGENS:
Uma Introdução à Controvérsia
Evolucionismo & Criacionismo
Nahor Neves de Souza Junior, doutor em...
Filosofiadasorigens10
the source of knowledge used in the construction of evolutionary models regarding
the origins and th...
Acta Científica – Ciências Humanas – v. 2, n. 19, 2º Semestre de 2010 11
a assimilação de informação não científica – oriu...
Filosofiadasorigens12
Estruturas conceituais precursoras
Com exceção do empirismo, todas as demais estruturas conceituais ...
Acta Científica – Ciências Humanas – v. 2, n. 19, 2º Semestre de 2010 13
Estruturas conceituais atuais
Dentreaspossibilida...
Filosofiadasorigens14
Figura 2 - Principais Estruturas Conceituais Atuais (esquema simplificado)
Essa mesma inteligência d...
Acta Científica – Ciências Humanas – v. 2, n. 19, 2º Semestre de 2010 15
Os adeptos do design inteligente questionam, cons...
Filosofiadasorigens16
Figura 3 – Modelo de Origem da Vida (Evolucionismo), inspirado em Mayr (2006)
Deste modo, no referid...
Acta Científica – Ciências Humanas – v. 2, n. 19, 2º Semestre de 2010 17
I. A Bíblia – a mais completa e confiável fonte d...
Filosofiadasorigens18
de propagação com modificações, que tem resultado em um amplo leque de adaptações e
especializações ...
Acta Científica – Ciências Humanas – v. 2, n. 19, 2º Semestre de 2010 19
Figura 6 – A Grande Catástrofe (Livro: Uma Breve ...
Filosofiadasorigens20
VIII. Os atuais desastres naturais – uma chave para o passado e para o
futuro: Os desastres geológic...
Acta Científica – Ciências Humanas – v. 2, n. 19, 2º Semestre de 2010 21
O fato de a reputação, tanto da ciência (ou dos c...
Filosofiadasorigens22
Brasileira, 2004.
_________. Os Atuais Desastres Geológicos: Uma Chave para o Passado e para o Futur...
of 14

Nahor Neves de Souza Junior - Uma introdução à controvérsia evolucionismo e criacionismo

Published on: Mar 3, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Nahor Neves de Souza Junior - Uma introdução à controvérsia evolucionismo e criacionismo

  • 1. 9 FILOSOFIA DAS ORIGENS: Uma Introdução à Controvérsia Evolucionismo & Criacionismo Nahor Neves de Souza Junior, doutor em Geologia pela USP, professor de Ciência e Religião no UNASP, campus Engenheiro Coelho, diretor do Geoscience Research Institute - Brasil, nahor.junior@ unasp.edu.br. Resumo:Noconfrontocriacionismo&evolucionismo,nãoéraronosdepararmos com as seguintes assertivas: (1) “O Evolucionismo é uma teoria cientificamente comprovada”; (2) “O Criacionismo corresponde a uma interpretação literalista e equivocada da Bíblia”; (3) “O Evolucionismo promove o ateísmo em detrimento dos valores morais e éticos”; (4) “O Criacionismo científico limita-se aos fatos da ciência”. Para a correta avaliação destas declarações, torna-se imprescindível uma genuína compreensão dos fundamentos das próprias estruturas conceituais envolvidas. Na verdade,diálogosconstrangedores,oumesmoconfrontosagressivos–frequentemente observados entre os defensores das duas cosmovisões em questão – poderiam ser evitados, ou, pelo menos, minimizados, se nos dedicássemos honestamente à tarefa de identificar as fontes do conhecimento utilizadas na construção dos modelos evolucionistas sobre as origens e o modus operandi dos cientistas criacionistas. Palavras-chave:Epistemologia,Teologia,Cosmovisão,Criacionismo,Evolucionismo. PHILOSOPHY OF THE ORIGINS: AN INTRODUCTION TO THE CONTROVERSY BETWEEN EVOLUTIONISM AND CREATIONISM Abstract: In the confrontation between creationism and evolutionism, it is not rare to encounter the following affirmations: (1)“Evolutionism is a scientifically proven theory”; (2) “Creationism corresponds to a literalist and incorrect interpretation of the Bible”; (3) “Evolutionism promotes atheism because of a loss of moral and ethical values”; (4) “Scientific creationism is limited by scientific facts”. For the correct evaluation of these affirmations, it is necessary a genuine comprehension of the foundations of the individual structural concepts involved. In truth, embarrassing dialogues, or even aggressive confrontation – frequently observedwithinthedefendersofbothcosmovisionsinquestion–couldbeavoided, or, at least, minimized, if we dedicated ourselves honestly to the task of identifying História e Filosofia da Ciência
  • 2. Filosofiadasorigens10 the source of knowledge used in the construction of evolutionary models regarding the origins and the modus operandi of creationist scientists. Keywords: Espistemology,Theology, Cosmovision, Creationism, Evolutionism. Introdução ObiólogoalemãoErnstMayr(1904–2005),consideradooprincipalacadêmicodarwinista do século 20, no final de sua intensa e extensa vida acadêmica – 700 artigos científicos e 25 livros produzidos ao longo de 80 anos dedicados ao evolucionismo – escreveu com bastante lucidez seu último livro: What makes biology unique? (2004). Nessa publicação, Mayr expõe algumas interessantes e surpreendentes ideias sobre a filosofia da biologia, como por exemplo: “Nenhum princípio da biologia histórica jamais poderá ser reduzido às leis da física ou da química”. Coerentemente com essa afirmativa, podemos então deduzir que o reducionismo deveria ser ignorado na construção de modelos biológicos. No entanto, na teoria abiogenética da vida, dentre outros modelos evolucionistas, a correta proposição de Mayr parece não ser respeitada. O longevo biólogo evolucionista considera ainda, que a famigerada frase de Theodosius Dobzhansky – “Nada em Biologia faz sentido a não ser à luz da evolução” – está correta apenas para a biologia não funcional ou histórica. Na realidade, o próprio Mayr, de maneira pouco ortodoxa, no mesmo livro em apreço, subdivide a filosofia da biologia em dois ramos fundamentais que, em princípio, não devem ser confundidos: um pertence à biologia funcional (situa-se no campo das ciências naturais) e o outro se refere à biologia histórica (ou biologia evolucionista). Enquanto que na biologia funcional a experimentação científica é frequentemente utilizada, a biologia evolucionista é caracterizada por cenários imaginários, narrativas hipotéticas onde, evidentemente, a experimentação não é apropriada. Vários princípios da biologia histórica – seleção natural, filogenia, especiação, etc. – segundo Mayr, deverão ainda ser interpretados como conceitos e não leis naturais (que fundamentam as ciências exatas). Mas, se a biologia histórica não pertence ao campo do empirismo científico, deveríamos então, em princípio, ser capazes de identificar a verdadeira fontedeconhecimentos–denatureza,evidentemente,nãocientífica–deondesãoextraídosos referidos cenários imaginários. Muito embora o próprio evolucionista Mayr assinale a presença de uma componente não-científica, na construção de modelos explicativos das origens, muitos cientistas relutam em admitir este real e necessário procedimento que, evidentemente, estará também presente na construção do conhecimento sobre as origens sob outras perspectivas (criacionismo, design inteligente, etc.). Na verdade, a ciência com fundamento puramente empírico constitui um ideal inatingível, especialmente quando se procura interpretar eventos passados únicos e irreproduzíveis (origem da vida, das espécies, etc.). Nesse sentido, o cientista, em suas atividades de pesquisa – mesmo sendo sério e competente – estará sendo guiado não apenas pela objetividade científica (será que existe?), mas também estará sendo influenciado (direta ou indiretamente) pela sua própria visão de mundo. Assim, quando se procura compreender prováveis fenômenos pretéritos (não vigentes ou desconhecidos),
  • 3. Acta Científica – Ciências Humanas – v. 2, n. 19, 2º Semestre de 2010 11 a assimilação de informação não científica – oriunda de conjecturas de natureza religiosa, filosófica ou metafísica – é inevitável. Devemos então admitir, honestamente, que não importa o quanto a ciência venha a se desenvolver nos próximos 100 ou 200 anos, seu campo de ação sempre será limitado, tendo em vista as restrições do próprio método científico. O cientista, por mais experiente e imparcial que seja, terá – mediante a percepção sensorial e empírica – apenas uma visão incompleta da realidade total. No entanto, infelizmente, com uma atitude triunfalista, muitos cientistas – mesmo tendo ultrapassado (inconscientemente) as fronteiras da própria ciência – no sentido de legitimar suas opiniões, utilizam a expressão a ciência afirma isto ou aquilo, quando na realidade quem afirma é o próprio cientista, sob forte influência de uma determinada estrutura conceitual. Estruturas conceituais Não é tarefa difícil constatarmos uma significativa variedade de estruturas conceituais subjacentes ao modus faciendi acadêmico. Por exemplo, a própria história da ciência moderna, desde os seus primórdios (século 16) até o presente século, nos possibilita identificar a marcante presença de ideias (originais ou modificadas) oriundas do pensamento grego. As cosmovisões passíveis de reconhecimento, a partir do século 19 (um século de grandes transformações paradigmáticas), constituem o produto de determinadas estruturas conceituais precursoras que, por sua vez, podem ainda hoje ser identificadas no establishment científico (Figura 1). Na realidade, esse quadro retrata apenas algumas dentre muitas outras estruturas conceituais. Mesmo nesse contexto restritivo, as estruturas conceituais aqui mencionadas serão ainda abordadas de maneira bastante sucinta, tendo em vista os objetivos do presente trabalho (apenas uma breve introdução a este tão abrangente e complexo tema). Figura 1 – Estruturas Conceituais: Precursoras (A) e Atuais (B)
  • 4. Filosofiadasorigens12 Estruturas conceituais precursoras Com exceção do empirismo, todas as demais estruturas conceituais precursoras (lista à esquerda da Figura 1) apresentam duas modalidades, com diferentes significados que, em princípio, não devem ser confundidos. Os símbolos, ou abreviações, de cada uma destas estruturas conceituais, são úteis para a composição esquemática das cosmovisões atuais. Iab – Empirismo: Importante paradigma da metodologia científica – eficazmente valorizado desde o século 16 – que se limita à investigação daquilo que é passível de ser captado do mundo externo pelos sentidos, destacando-se a observação isenta e cuidadosa e a experimentação. IIa – Teologia Bíblica: Procura identificar e caracterizar a existência, a natureza, os atributos e a interferência divina na história humana e universal, segundo a própria palavra de Deus revelada – a Bíblia. O Deus revelado no “Livro dos livros” (a Bíblia) é o mesmo Deus que se revela no livro da natureza (Rm 1: 19 e 20). IIb – Teologia Natural: Proposta filosófica que considera Deus em sua essência, em sua natureza, em seus atributos e em suas obras, tal como Ele pode ser reconhecido pela inteligência humana, através dos fenômenos naturais. Nesse caso, o único instrumento cognitivo para se aproximar de Deus é a razão humana (não a fé). IIIa – Naturalismo Metafísico: Conhecimento das primeiras causas e dos princípios do mundo natural, sob uma perspectiva exclusivamente ateísta da realidade. Nesse sentido, toda a realidade poderia ser explicada mecanicamente, em termos de causas e leis naturais. Nega-se o supernatural. Portanto, a natureza é tudo o que existe. IIIb – Naturalismo Metodológico: O mundo natural é passível de ser investigado de modo racional e sistematicamente. Assim, enfatiza-se a busca de compreensão dos fenômenos observáveis, mediante o método científico, mas não se nega a possibilidade de que haja alguma realidade além daquela acessível à pesquisa empírica. IVa – Herança Grega Aristotélica: Na lógica aristotélica, os objetos naturais (são eternos) devem ser avaliados, essencialmente, não pela sua estrutura material, mas sim pelo princípio orientador de um propósito (teleologia) ou objetivo racional (forma ou causa final), inerentemente ligado à própria matéria, que impele os processos naturais. IVb – Herança Grega Neo-Platônica: Nessa visão de mundo, todas as coisas são imbuídas de vida ou possuem uma alma. Considera-se o universo como um ser autocriativo dotado de um princípio passivo (matéria) e um princípio ativo (espírito universal racional) que habita no interior da matéria e dirige os processos naturais. Va – Mecanicismo Teológico: Na filosofia mecanicista (versão original), as partes do universo se engrenam como os elementos de uma grande máquina (ou relógio gigante) que, com sua regularidade, permanência e previsibilidade, apontam para o Deus Criador (o “Relojoeiro Perfeito”) da teologia bíblica – o “Grande Engenheiro Mecânico”. Vb – Mecanicismo Materialista: Tentativa de se enquadrar a filosofia mecanicista no retrato materialista da razão científica. Elimina-se então o conteúdo teológico original, deixando intactos apenas os conceitos mecanicistas.
  • 5. Acta Científica – Ciências Humanas – v. 2, n. 19, 2º Semestre de 2010 13 Estruturas conceituais atuais Dentreaspossibilidadesdeassociaçãodasestruturasconceituaisprecursoras,resultando nas atuais cosmovisões, destacamos aquelas mais frequentemente mencionadas na literatura pertinente. As referidas associações podem ser identificadas logo abaixo de cada uma das oito estruturas conceituais atuais (lista à direita da Figura 1). Por exemplo, o evolucionismo deísta é caracterizado pela composição de quatro princípios precursores (Iab, IIb, IIIb, “Va”): o empirismo, a teologia natural, o naturalismo metodológico e o “mecanicismo teológico”. Apenas uma cosmovisão precursora precursora está presente em todas as estruturas conceituais atuais – o empirismo. Ou seja, a metodologia científica pode ser eficazmente desenvolvida por qualquer cientista, independentemente de sua visão de mundo. Podemos então entender que a ciência traduz uma linguagem universal que possibilita contatos produtivos, envolvendo, em muitos casos, pessoas com princípios morais, religiosos ou filosóficos totalmente diversos. A utilização de símbolos “entre aspas” significa a presença de uma estrutura conceitual precursora com seu significado modificado. Por exemplo, no mecanicismo teológico – na perspectiva do autor do presente artigo – os 11 primeiros capítulos do livro de Gênesis constituem narrativas históricas, em harmonia com o texto bíblico em sua totalidade. Assim, o relato da criação (literal e não figurativo), da primeira semana de Gênesis, revela os atos criativos do Grande Arquiteto. Nesse sentido, tanto no evolucionismo deísta e teísta, como no criacionismo progressivo e islâmico, a divindade criadora do “mecanicismo teológico” (“Va”) não se coaduna com o Deus Criador, Mantenedor e Restaurador, como apresentado na Bíblia, nem com a narrativa da criação como exposta em Gênesis 1 e 2. Das atuais cosmovisões, sem dúvida alguma, três se destacam (estão sublinhadas na Figura 1): evolucionismo ateísta, design inteligente e criacionismo (Figura 2). Antes de procedermos a alguns necessários esclarecimentos envolvendo a controvérsia entre criacionismo e evolucionismo, convém explicar sucintamente as verdadeiras propostas do movimento do design inteligente. Essa interessante estrutura conceitual tem sido mal compreendida e, frequentemente, desvirtuada pela mídia. Segundo a proposta do design inteligente (TDI), a mente humana está plenamente apta para perceber a diferença entre acaso e desígnio, e esta percepção – de importância fundamental nos acontecimentos cotidianos – é frequentemente utilizada na investigação científica, especialmente nas atividades de pesquisa experimental. Assim, o design inteligente principia sua argumentação com a seguinte questão: Os objetos (por exemplo, os organismos biológicos) – mesmo que nada seja conhecido sobre sua origem – exibem características, empiricamente detectáveis, que sinalizam com segurança a ação de uma causa inteligente? Os próprios proponentes dessa estrutura conceitual sugerem a melhor resposta para a referida pergunta que, por sua vez, constitui a premissa fundamental do design intencional: Existem sistemas naturais que não podem ser explicados, adequadamente, em termos de forças naturais não dirigidas e que apresentam características que, em quaisquer outras circunstâncias, nós atribuiríamos à inteligência.
  • 6. Filosofiadasorigens14 Figura 2 - Principais Estruturas Conceituais Atuais (esquema simplificado) Essa mesma inteligência deixaria então um rastro (assinatura) denominado “complexidade especificada”. Por um lado, a complexidade assegura que o sistema natural, em questão, não é tão simples que possa ser explicado facilmente por casualidade. A especificação, por sua vez, garante que esse mesmo sistema exibe um tipo de padrão que é a marca registrada da inteligência. O design inteligente procura se limitar, exclusivamente, ao campo de atuação da ciência, ou seja, a origem da vida e dos organismos não é considerada. A existência de “sistemas irredutivelmente complexos”, identificados frequentemente na Biologia, representa um dos principais argumentos utilizado pelos adeptos deste modelo. Uma complexidade irredutível pode ser traduzida por um sistema, cujas várias partes estão inter- relacionadas de tal forma que, remover uma única parte destruiria completamente a funcionalidade deste mesmo sistema. Evidentemente, os sistemas irredutivelmente complexos evocam intencionalidade ou planejamento (argumento teleológico), quer tenham sido construídos de maneira gradual ou instantaneamente. Isso significa dizer que, os referidos sistemas (por exemplo, uma simples célula) não podem ter se desenvolvido mediante pequenas e sucessivas modificações ao acaso (processo não-dirigido), o que contraria frontalmente as presumíveis modificações evolutivas progressivas (onde não se admitem metas, planos ou propósitos).
  • 7. Acta Científica – Ciências Humanas – v. 2, n. 19, 2º Semestre de 2010 15 Os adeptos do design inteligente questionam, consistentemente, as principais afirmativas evolucionistas (origem espontânea da vida, processos macroevolutivos, etc.). No entanto, não se promove a intuitiva ligação entre a causa (projetista) e o efeito (projeto), entre o planejador e as evidências de planejamento, ou ainda entre o designer e o design. Outro importante fator limitador do design inteligente refere-se ao seu próprio campo de ação – restrito, praticamente, às ciências biológicas. Evolucionismo Considerando-se a extraordinária popularidade alcançada pelo evolucionismo, podemos seguramente afirmar que seus principais postulados são frequente e didaticamenteexpostospelaliteraturaespecializada,bemcomodivulgadosinsistentemente pela mídia em geral. Portanto, com exceção de alguns poucos comentários pertinentes a esta modesta contribuição ao tema, este autor julga não ser necessário um maior aprofundamento nas questões positivas, negativas ou mesmo polêmicas envolvendo a estrutura conceitual evolucionista. Tendo em vista a insistente personalização darwiniana conferida à cosmovisão evolucionista moderna, seu significado se ajusta melhor (no contexto da Figura 1) ao evolucionismo ateísta, traduzido aqui simplesmente como evolucionismo. Poderíamos então definir esta estrutura conceitual como: uma cosmovisão onde ocorrem associações intuitivas ou intencionais entre o conhecimento científico e o naturalismo metafísico. Na verdade, o naturalismo metafísico – principal fonte de conhecimento não-científico utilizado na construção de modelos sobre as origens – é confundido ou amalgamado com a metodologia científica, de tal maneira, que a grande maioria dos pesquisadores ateístas ou evolucionistas, no campo das ciências naturais, parece não ter consciência desta realidade. A seleção natural, frequentemente, é evocada como o principal mecanismo promotor das transformações evolutivas. Ou seja, a seleção natural é revestida de um poder criativo e construtivo extraordinário e ilimitado, muito superior a fantástica habilidade artística humana com seu espantoso potencial para a inovação tecnológica. Assim, de maneira estranha e ilógica, esse processo natural – involuntário e sem propósito – revelaria mais perspicácia para planejar e selecionar, do que aquela verificada nas próprias ações humanas, mediante a seleção artificial e os seus sofisticados artefatos desenvolvidos com inteligência e propósito. Este então é o motivo de incluir a herança grega neo-platônica (“IVb”) no contexto do próprio evolucionismo ateísta. Objetivando exemplificar o evolucionismo, utilizaremos os argumentos defendidos pelo próprio biólogo evolucionista Mayr (apresentados na introdução do presente artigo). Com a finalidade de tornar o exemplo (construção de um modelo explicativo da origem da vida – Figura 3) mais didático, adicionar-se-á o conceito de hipótese ad hoc. A função de uma hipótese ad hoc (ou hipótese auxiliar) tem como único objetivo legitimar ou defender uma teoria, quando não se tem à disposição elementos que possibilitem uma compreensão objetiva e isenta da realidade.
  • 8. Filosofiadasorigens16 Figura 3 – Modelo de Origem da Vida (Evolucionismo), inspirado em Mayr (2006) Deste modo, no referido modelo, a ideia da abiogênese (vida surgindo a partir da matéria inorgânica) – oriunda de um mundo pré-biótico fictício – constituiria um subproduto do naturalismo metafísico. A tentativa de se reproduzir, experimentalmente, este mesmo cenário totalmente imaginário, utilizando apuradas e complexas técnicas de laboratório – experimento de Urey-Miller – justificaria a designação “científico” para este experimento? Criacionismo Utilizando-se o mesmo procedimento adotado para exemplificar o evolucionismo, consideremos a interpretação criacionista para a origem da vida. Na Figura 4, com o conhecimento bíblico no lugar do naturalismo metafísico, os cenários imaginários da biologia histórica são substituídos pela narrativa bíblica da criação. A hipótese auxiliar emprestada do movimento do design inteligente – complexidade irredutível (já mencionada anteriormente) – tem desafiado muitos cientistas pela sua racionalidade e consistência. A realidade de um Deus Criador é colocada no lugar da abiogênese. Curiosamente, o verdadeiro significado de criacionismo – cosmovisão onde ocorrem associações intuitivas ou intencionais entre o conhecimento bíblico-histórico e o conhecimento científico – parece não ser familiar para muitos criacionistas e, evidentemente, desconhecido para a grande maioria dos evolucionistas. Justifica-se então um maior detalhamento sobre alguns princípios defendidos pela estrutura conceitual criacionista, como descritos a seguir. Figura 4 – Modelo de Origem da Vida (Criacionismo), inspirado em Mayr (2006)
  • 9. Acta Científica – Ciências Humanas – v. 2, n. 19, 2º Semestre de 2010 17 I. A Bíblia – a mais completa e confiável fonte de informação: São muitas as evidênciasdisponíveisqueconferemautenticidadeao“Livrodoslivros”:profeciascumpridascom exatidão; sua preservação, praticamente intacta, ao longo dos séculos; historicidade corroborada pela Arqueologia; etc. Assim, os relatos das origens e do Grande Cataclismo, como descritos no livro de Gênesis, constituem verdades históricas (2Tm 3: 16 e 17). II.Planejamentoepropósitonaorigemdouniverso:Atotalidadedamatériapresente no Universo – e as leis (inalteráveis ou permanentes) de interação que a caracterizam – foram trazidas à existência pelo Criador e constituem a manifestação de seu contínuo propósito (Hb 11: 3). Crer no Criador do universo não significa negar os processos naturais, mas sim um estímulo ou convite para o estudo e compreensão das leis conservativas – criadas pelo próprio Deus – que regem o comportamento da matéria e dos corpos celestes. III.ATerra–oprojetoperfeitodeumplanetaadequadoàvida:Averdadeiraorigem da vida, das espécies e do homem está claramente revelada na narrativa da primeira semana (literal), em Gênesis 1 e 2. Na ocasião, são estabelecidas as leis e processos físicos, químicos e biológicos conservativos (destacando-se a capacidade de reprodução), objetivando assegurar a continuidade dos organismos em nosso planeta. O habitat edênico estava livre da atividade predatória. Os mecanismos de controle populacional são finamente (perfeitamente) ajustados. O equilíbrio ecológico é perfeito (Projeto Ideal ou Plano “A”). A natureza apresenta uma única face – a face bela (Gn 2: 1-4). IV. A investigação científica – um eficiente método para a correta interpretação dos fenômenos naturais: A exequibilidade do método científico reside, principalmente, na curiosidade intelectual (inerentemente ligada à própria natureza do homem) e na possibilidade das inúmeras interações racionais, entre a mente humana e os sistemas ordenados da natureza. O mundo de Gênesis 1 e 2 é muito bom – criado com inteligência, sabedoria e propósito, passível então de ser racionalmente perscrutado a fim de ser compreendido – nas suas mais variadas esferas e escalas – onde as leis naturais e os seus correspondentes princípios e efeitos poderiam ser descobertos e estudados de modo objetivo (metodologia científica). Até hoje, constatamos a impressionante e fina sintonia entre o fantástico livro da natureza e as extraordinárias aptidões intelectuais do ser humano – criado à imagem e semelhança de Deus (Gn 1: 26 e 27) – com suas admiráveis descobertas científicas e tecnológicas. V. A origem, não casual, dos processos degenerativos: Com a introdução do pecado (Gn 3) – na historia do planeta Terra – começam então a entrar em operação processos degenerativos, resultando na consequente diminuição de complexidade e de ordem. A natureza passa a mostrar, pela primeira vez, uma segunda face – a face disforme (Gn 3: 14–19). Mutações gênicascomeçamaocasionaraperdadealgunspadrõesdecomportamento,criadosinicialmente. Manifestam-se alterações metabólicas adaptativas, visando à perpetuidade dos seres vivos – reprodução intensificada, desenvolvimento de habilidades tanto para o ataque ou captura como para a defesa ou escape, dentre muitos outros mecanismos de sobrevivência. Inicia-se uma nova ordem ecológica, onde os predadores aparecem pela primeira vez. A nova cadeia alimentar é então caracterizada pelo ciclo de vida-morte. VI. Potencial para modificações (dentro de limites) dos organismos – o significadode“espéciebiológica”:Osorganismoscriadosforamdotadoscomacapacidade
  • 10. Filosofiadasorigens18 de propagação com modificações, que tem resultado em um amplo leque de adaptações e especializações dentro de tipos básicos (“microevolução”). Esse tipo básico é equivalente ao termo“espécie”utilizadorepetidamentenanarrativabíblicadacriação(Gn1e2).Assim,ostipos básicos, criados na semana da criação, podem hoje ser correlacionados a unidades taxonômicas mais abrangentes (Gênero e Família), além da unidade básica – Espécie. Assim, a origem das “espécies” não estaria vinculada ao “tronco” de uma única “árvore” (Evolucionismo), mas sim a uma “floresta”, cujos “troncos” corresponderiam aos vários tipos básicos (Figura 5). Figura 5 – A origem das espécies (Criacionismo & Evolucionismo) VII. A coluna geológica e o registro fóssil – evidências de uma grande catástrofe: A superfície do planeta Terra foi total e radicalmente transformada, mediante a ação catastrófica de Fenômenos Geológicos Globais, em um evento ocorrido após a criação conhecido como Dilúvio – Gênesis 6-8. Os efeitos do Grande Cataclismo podem ser perfeitamente identificados na própria coluna geológica (“Cambriano” ao “Neógeno”) e no correspondente registro fóssil (Figura 6). A disposição dos seres no Registro Fóssil retrata: a morte trágica e o soterramento rápido e ordenado dos seres (Mobilidade Diferenciada); o sepultamento contínuo e sequencial de plantas e animais (Flutuabilidade Seletiva), que antes viviam organizadamente distribuídos (Zoneamento Paleoecológico). Configura-se, imediatamente após o dilúvio, a importância das mudanças “microevolutivas” ou adaptativas, para o povoamento dos novos e variados ecossistemas recém estabelecidos(Gn7e8).Énesseperíodo,derápidasmudanças(“Pleistoceno”),queseestabeleceu a “Grande Idade do Gelo” e a formação de alguns fósseis, incluindo os humanos (Homo erectus, Homo sapiens Neanderthalensis, Homo sapiens sapiens cro-magnon, etc.).
  • 11. Acta Científica – Ciências Humanas – v. 2, n. 19, 2º Semestre de 2010 19 Figura 6 – A Grande Catástrofe (Livro: Uma Breve História da Terra)
  • 12. Filosofiadasorigens20 VIII. Os atuais desastres naturais – uma chave para o passado e para o futuro: Os desastres geológicos recentes, se somados à totalidade das catástrofes naturais (com a interferência humana, ou não), configuram um quadro com tendências nitidamente crescentes (aumento acelerado). Quais seriam as causas desta alarmante realidade? Existem meios humanos de interferir, visando a inversão desta tendência? Uma análise séria deste quadro é de tríplice importância: 1 - As ações individuais e coletivas, no presente, objetivando o cuidado com o meio ambiente; 2 - Os atuais eventos geológicos catastróficos (pontuais), como uma importante chave de um passado recente, caracterizado por uma única e grande catástrofe (global); 3 - O aumento dos desastres naturais, em geral, apontando para um evento futuro, aguardado por muitos como o maior acontecimento da história da humanidade – o retorno de Jesus Cristo a esta Terra (Lc 21: 27 e 28). O planeta Terra no seu aspecto físico será totalmente restaurado, imediatamente após o desfecho justo e misericordioso do grande conflito entre o bem e o mal (Ap 20, 21 e 22). O atual e precário “equilíbrio ecológico” será extinto. A face disforme da natureza será totalmente extirpada. A natureza, novamente, mostrará apenas uma face – a face bela (Isaías 65: 17; Apocalipse 21: 1-7). Conclusão A breve exposição das bases epistemológicas do evolucionismo e do criacionismo, no presente trabalho, pode ser traduzida como um convite à reflexão e discussão de tão importante tema. Na verdade, a necessidade de se aprimorar os conhecimentos concernentes à controvérsia entre criacionismo e evolucionismo não pode ser mais ignorada. O confronto entre as duas cosmovisões deve ser considerado um assunto relevante, especialmente para aqueles diretamente envolvidos ou comprometidos com a educação (em todos os níveis), com a filosofia, com a ciência e/ou com a Bíblia. Essa questão, como nunca, assume importância decisiva, levando-se em conta: O atual estado do conhecimento científico, com destaque para os recentes• avanços nos campos da Geologia, Paleontologia, Genética, Bioquímica e outras áreas afins; A constatação de que algumas importantes linhas de pesquisa, com excelente• potencial para novas descobertas e esclarecimentos (promoveriam verdadeiros progressos no campo das ciências naturais), estão sendo ignoradas. A existência de centenas de ilustres cientistas (dissidentes), professores e• pesquisadores de conceituadas universidades e importantes instituições de pesquisas – Harvard University, MIT, Smithsonian Institution, Oxford University, University of Cambridge, University of California-Berkeley, Stanford University, Princeton University, University of Chicago, University of colorado, Academia de Ciências Naturais da Rússia, dentre outras – manifestando, publicamente, seu descontentamento ou ceticismo acerca da teoria da evolução de Darwin;
  • 13. Acta Científica – Ciências Humanas – v. 2, n. 19, 2º Semestre de 2010 21 O fato de a reputação, tanto da ciência (ou dos cientistas) como da Bíblia (ou• dos teólogos), estar sob sérios questionamentos; A urgente necessidade de se desenvolver diálogos mais produtivos, dentro do• possível, entre os proponentes do evolucionismo e do criacionismo. Assim, discussões acadêmicas sobre temas ligados às origens (da vida, dos fósseis, do homem, dentre outros), onde essa importante controvérsia se faz presente, deveriam ser promovidos com muito mais frequência. E, quando realizadas, seriam muito mais proveitosas se fossem desenvolvidas – com conhecimento de causa – em um fórum não tendencioso onde, em nenhum momento, fosse adotada uma estratégia de intimidação. Aqueles envolvidos nessa controvérsia – não importa a natureza de suas convicções (criacionistas ou evolucionistas) – deveriam ter suficiente conhecimento científico, teológico e filosófico, bem como a plena liberdade para expor suas ideias. O ambiente universitário não seria o local ideal para eventos dessa natureza? Nesse sentido, as prestigiadas universidades públicas e particulares deveriam ser as primeiras a demonstrar, efetivamente, a genuína flexibilidade intelectual ou liberdade de discussão, abrindo espaço para que estas questões fossem debatidas democraticamente. Referências bibliográficas ALMEIDA FILHO, E. E. A Teoria do Design Inteligente. In: Revista Criacionista. Sociedade Criacionista Brasileira, ano 33, n. 71, 2º semestre de 2004, p. 5-15. BEHE, M. A Caixa Preta de Darwin: O Desafio da Bioquímica à Teoria da Evolução. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. 1997. CHALMERS, A. F. O que é ciência afinal? Editora Brasiliense, 1993. DARWIN, C. A Origem das Espécies. Rio de Janeiro: Ediouro Publicações S.A., 2004. DAWKINS, R. O Relojoeiro Cego – A Teoria da Evolução Contra o Desígnio Divino. São Paulo: Companhia das Letras - Editora Schwarcz Ltda., 2003. HOOYKAAS, R. A Religião e o Desenvolvimento da Ciência Moderna. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1988. HUXLEY, T. H. Darwiniana – A Origem das Espécies em Debate. São Paulo: Madras Editora Ltda., 2006. JUNKER, R.; SCHERER S. Evolução – Um Livro Texto Crítico. Brasília: Editora Qualidade – Sociedade Criacionista Brasileira, 2002. KUHN, THOMAS S. A Estrutura das Revoluções Científicas. 8 ed. Editora Perspectiva S.A., 2003. MAYR, E. Biologia, Ciência Única. São Paulo: Editora Schwarcz LTDA (Companhia da Letras), 2006. MONDIN, B. Quem é Deus – Elementos de Teologia Filosófica. 2 ed. São Paulo: Ed. Paulus. 2005. PEARCEY, N. R.; THAXTON, C. B. A Alma da Ciência – Fé Cristã e Filosofia Natural. São Paulo: Editora Cultura Cristã, São Paulo, 2005. SOUZA JR, N. N. Uma Breve História da Terra. 2 ed. Brasília: Sociedade Criacionista
  • 14. Filosofiadasorigens22 Brasileira, 2004. _________. Os Atuais Desastres Geológicos: Uma Chave para o Passado e para o Futuro. In: Parousia, ano 9, n.1. Engenheiro Coelho, SP: UNASPRESS. 2010, p. 109- 133.