1
2
Desde 1960 a população evoluiu de forma irregular refletindo o comportamento das
variáveis de que depende: natalidade, m...
3
De 1941 a 2012, a taxa de crescimento
migratório sofreu grandes oscilações que se
refletiram no crescimento populacional...
4
1960/70: emigração para a Europa e fuga ao serviço militar
(emigração legal e clandestina)
1974/76: imigração de África ...
5
6
Como tem evoluído a taxa bruta de natalidade desde 1960?
1960 – 24‰ 2012 - 7,8‰
A um ritmo irregular, verifica-se um dec...
7
Como tem evoluído a taxa bruta de mortalidade e a taxa de
mortalidade infantil desde 1960?
TMI
TBM
1960 – 9,1‰ 2012 - 9 ...
População portuguesa: variação relativa
(1950-2011)
Fonte – Censos da população, INE 8
Causas da variação intercensitária (1960-2011)
1960/1970: -2,6%
 Surto emigratório para os países da Europa Ocidental
em ...
1970/1981: 13,5%
 Subida acentuada do preço do petróleo
 Revolução dos cravos, 25 de abril de 1974
 Independência das e...
1981/1991: 0,34%
 Continuação da tendência decrescente das taxas de
crescimento natural
 Aumento da emigração temporária...
1991/2001: 4,95%
 Aumento da imigração, particularmente, dos países do
Leste Europeu (fim dos regimes socialistas, na URS...
2001/2011: 1,98%
 Crise económica internacional com reflexos na Zona
Euro
 Decréscimo do número de imigrantes
 Aumento ...
14
2010
2030 2060
2050
Estrutura etária da população
portuguesa, 2010 a 2060
De população adulta em 2010, Portugal
evoluiu...
15
Fonte - INE
O que dizem as estatísticas mais recentes
 O número de nados vivos e o de óbitos desceram de 2012 para
2013
 O índice si...
População residente (Nº), Portugal, 2008-2013
17
Entre 2008 e 2010, a população manteve-se praticamente
estável (0,09%).
D...
Variação populacional e suas componentes (Nº),
2008-2013
18
De 2008 a 2010 o saldo migratório compensava o saldo
natural n...
Nados-vivos (Nº) e Índice sintético de fecundidade
(Nº), Portugal, 2008-2013
19
A incapacidade de renovação das gerações a...
Óbitos (Nº) e Taxa de mortalidade (‰), Portugal, 2008-
2013
20
21
Esperança de vida à nascença (anos), Portugal,
2006-2008 a 2011-2013
22
Para além da redução da natalidade, a esperança de...
Saldo migratório e suas componentes (Nº),
Portugal, 2008-2013
23
Reflexo da crise económica recente, Portugal tornou-se um...
Estrutura etária da população portuguesa, 2010
24
Estrutura etária da população portuguesa, 2060
25Projeção
of 25

População portuguesa_Estatísticas Demográficas

Conjuntos de diapositivos com informação estatística relativa a períodos de tempo diversos. O primeiro período destaca a evolução de variáveis demográficas entre 1960 e 2013. Há outros períodos como 1941-2012, 2001-2013, 1950-2011, 2008-2011 e pirâmides etárias de 2010 a 2060. A diversidade de intervalos de tempo resulta das datas correspondentes aos vários gráficos e permitem, por isso, análises de diferentes perspetivas.
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - População portuguesa_Estatísticas Demográficas

  • 1. 1
  • 2. 2 Desde 1960 a população evoluiu de forma irregular refletindo o comportamento das variáveis de que depende: natalidade, mortalidade (saldo natural), imigração e emigração (saldo migratório). Desde 2010, houve um decréscimo de cerca de 145 mil pessoas devido a, ambos os saldos, serem negativos: saldo natural de – 47 505 pessoas e saldo migratório de – 97 915 pessoas.
  • 3. 3 De 1941 a 2012, a taxa de crescimento migratório sofreu grandes oscilações que se refletiram no crescimento populacional. À exceção dos períodos entre 1941/50 e 1981/83 nos quais houve predomínio do crescimento natural, nos restantes anos foi notória a influência do saldo migratório. Taxas de crescimento natural, migratório e efetivo (%), Portugal, 1941 - 2012
  • 4. 4 1960/70: emigração para a Europa e fuga ao serviço militar (emigração legal e clandestina) 1974/76: imigração de África (Movimento dos Retornados) (processo de descolonização) 1981/91: novos fluxos de emigração (incremento da emigração temporária, quebra da emigração definitiva) 1991/01: aumento da imigração (queda do Muro de Berlim e colapso da URSS; investimentos portugueses em infraestruturas: atração de estrangeiros do Leste Europeu, dos PALOP e do Brasil) 2001/11: redução do saldo migratório de 0,65%, em 2000, para 0,04% em 2010 (crise económica mundial, europeia e nacional; desemprego; incremento de emigração definitiva e menor imigração) 2011/12: taxas de crescimento migratório negativas (permanência da crise económica).
  • 5. 5
  • 6. 6 Como tem evoluído a taxa bruta de natalidade desde 1960? 1960 – 24‰ 2012 - 7,8‰ A um ritmo irregular, verifica-se um decréscimo acentuado da taxa de natalidade. Apesar do seu valor ser inferior a 8‰, a tendência parece apontar para que desça ainda mais. Fonte – INE e PORDATA
  • 7. 7 Como tem evoluído a taxa bruta de mortalidade e a taxa de mortalidade infantil desde 1960? TMI TBM 1960 – 9,1‰ 2012 - 9 ‰ Ao longo dos últimos 52 anos a taxa bruta de mortalidade manteve-se estável, com pequenas oscilações. Já a TMI registou uma evolução excecional, de 77‰ para 3‰
  • 8. População portuguesa: variação relativa (1950-2011) Fonte – Censos da população, INE 8
  • 9. Causas da variação intercensitária (1960-2011) 1960/1970: -2,6%  Surto emigratório para os países da Europa Ocidental em reconstrução  Mobilização militar para combater os movimentos de guerrilha nas ex-colónias  Reforço da emigração clandestina  Diminuição real ou efetiva da população -2,6%  Perdas mais acentuadas nos distritos do Interior  Despovoamento de aldeias do Interior do país 9 Consequências
  • 10. 1970/1981: 13,5%  Subida acentuada do preço do petróleo  Revolução dos cravos, 25 de abril de 1974  Independência das ex-colónias (de África a Timor)  Crise económica do sistema capitalista  Regresso de emigrantes da Europa  Regresso dos militares das ex-colónias  Movimento dos retornados das ex-colónias  Aumento acentuado da população efetiva +13,5% 10
  • 11. 1981/1991: 0,34%  Continuação da tendência decrescente das taxas de crescimento natural  Aumento da emigração temporária  Quebra da emigração definitiva  Aumento da imigração oriunda, principalmente, de África (ex-colónias)  Crescimento real positivo particularmente em distritos do litoral: Lisboa, Setúbal, Porto, Faro.  Aumento significativo do saldo migratório (I>E)  Desaceleração do crescimento efetivo +0,34% 11
  • 12. 1991/2001: 4,95%  Aumento da imigração, particularmente, dos países do Leste Europeu (fim dos regimes socialistas, na URSS, desde 1917, e dos países do Leste Europeu sujeitos ao regime soviético depois de 1945), do Brasil e das ex-colónias.  Decréscimo do crescimento natural devido á descida continuada da taxa de natalidade  Agravamento da tendência para o envelhecimento da população  Acentuação dos contrastes demográficos regionais: litoral povoado – interior despovoado  Ligeiro crescimento efetivo +4,95% 12
  • 13. 2001/2011: 1,98%  Crise económica internacional com reflexos na Zona Euro  Decréscimo do número de imigrantes  Aumento significativo da emigração definitiva  Saldos naturais negativos  Saldos migratórios negativos  Incapacidade de renovação das gerações  Forte envelhecimento  Tendência acentuada de perda real da população absoluta 13
  • 14. 14 2010 2030 2060 2050 Estrutura etária da população portuguesa, 2010 a 2060 De população adulta em 2010, Portugal evoluiu no sentido de uma verdadeira inversão da sua pirâmide etária.
  • 15. 15 Fonte - INE
  • 16. O que dizem as estatísticas mais recentes  O número de nados vivos e o de óbitos desceram de 2012 para 2013  O índice sintético de fecundidade foi de 1,21 filhos (1,28 em 2012)  O número de emigrantes permanentes (53 786) ultrapassou, em 2013, o de imigrantes permanentes (17 554).  Saldos naturais e migratórios negativos contribuem para o agravamento da tendência de envelhecimento demográfico, da redução do peso relativo da população jovem e da população em idade ativa e do aumento da proporção de pessoas idosas.16 2012 2013 Nascimentos 89 841 82 787 Óbitos 107 612 106 543 População 10 487 289 10 427 301
  • 17. População residente (Nº), Portugal, 2008-2013 17 Entre 2008 e 2010, a população manteve-se praticamente estável (0,09%). De 2010 até 2013, a diminuição do número de habitantes é cada vez mais acentuada (-1,38%).
  • 18. Variação populacional e suas componentes (Nº), 2008-2013 18 De 2008 a 2010 o saldo migratório compensava o saldo natural negativo. A partir de 2010, ambos os saldos são negativos. Portugal perde população!
  • 19. Nados-vivos (Nº) e Índice sintético de fecundidade (Nº), Portugal, 2008-2013 19 A incapacidade de renovação das gerações agrava-se de ano para ano.
  • 20. Óbitos (Nº) e Taxa de mortalidade (‰), Portugal, 2008- 2013 20
  • 21. 21
  • 22. Esperança de vida à nascença (anos), Portugal, 2006-2008 a 2011-2013 22 Para além da redução da natalidade, a esperança de vida à nascença contribui significativamente para o envelhecimento .
  • 23. Saldo migratório e suas componentes (Nº), Portugal, 2008-2013 23 Reflexo da crise económica recente, Portugal tornou-se um país pouco atrativo: a emigração aumentou; a imigração baixou. Ambas, indiciam uma estagnação em 2012 e 2013.
  • 24. Estrutura etária da população portuguesa, 2010 24
  • 25. Estrutura etária da população portuguesa, 2060 25Projeção