1
Escola Básica e Secundária Professor Reynaldo dos Santos
Tema:
Popper - SIM
A evolução científica
dá-se pela eliminação
...
2
Tese de Karl Popper: A Ciência é objetiva
 Quem, como Popper, acredita na objetividade da ciência, pensa que as teorias...
3
 Kuhn entende a história da ciência como sucessão de paradigmas. Um paradigma centra-se numa teoria
que proporciona pro...
4
critérios podem entrar em conflito, e o modo como os conflitos são resolvidos também é subjetivo,
pois depende daquilo q...
of 4

Popper vs kuhn - O problema da objetividade do conhecimento científico

Fil
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Popper vs kuhn - O problema da objetividade do conhecimento científico

  • 1. 1 Escola Básica e Secundária Professor Reynaldo dos Santos Tema: Popper - SIM A evolução científica dá-se pela eliminação das teorias refutadas. Há uma progressiva aproximação à verdade. A escolha DE UMA TEORIA depende tanto de critérios objetivos como de factores sujetivos. Os paradigmas são incomensuráveis Kuhn - Não O PROBLEMA DA OBJETIVIDADE DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO Formulação do Problema:
  • 2. 2 Tese de Karl Popper: A Ciência é objetiva  Quem, como Popper, acredita na objetividade da ciência, pensa que as teorias científicas são descrições da realidade, ainda que imperfeitas, e que à medida que o conhecimento científico avança vamo-nos aproximando da verdade, obtendo uma imagem cada vez mais correta da realidade.  Kuhn rejeita esta perspetiva.  Resumo: 1. As teorias científicas têm como caraterística essencial poderem ser falsificadas ou refutadas pela experiência; 2. O objetivo da ciência é encontrar teorias verdadeiras, embora nunca possamos estar certos da sua verdade. 3. A ciência progride em direção à verdade por tentativa e erro: eliminação das teorias que são refutadas e formulação de conjeturas; 4. As teorias científicas são descrições da realidade e dão-nos uma imagem cada vez mais aproximada e isenta de preconceitos da realidade. As novas teorias corrigem ou substituem as anteriores. Por isso, a Ciência é um conhecimento objetivo. Tese de Thomas Kuhn: A Ciência não é objetiva (não inteiramente) 3. Escolhas subjetivas 2. Critérios objetivos 1. Incomensurabilidade dos Paradigmas
  • 3. 3  Kuhn entende a história da ciência como sucessão de paradigmas. Um paradigma centra-se numa teoria que proporciona problemas e soluções exemplares a uma comunidade de investigadores. Além dessa teoria, um paradigma inclui pressupostos filosóficos e regras de diversos géneros para desenvolver a atividade científica. Assim, a um paradigma corresponde toda uma forma de fazer ciência numa certa área de investigação.  A ciência normal é a atividade científica conduzida sob um paradigma. Nos períodos de ciência normal os cientistas pretendem reforçar o paradigma e não refutá-lo. Para esse efeito dedicam-se à “resolução de enigmas”, isto é, a solucionar os problemas especializados que se colocam dentro do paradigma. As anomalias são os enigmas que resistem às tentativas de resolução. A acumulação de anomalias gera uma crise. Surge um paradigma rival e a ciência normal dá lugar à ciência extraordinária. Quando os investigadores mudam para o novo paradigma, dá-se uma revolução científica.  Kuhn defende que os paradigmas são incomensuráveis: não podem ser comparados objetivamente de modo a se determinar qual é o melhor ou qual está mais próximo da verdade. A incomensurabilidade dos paradigmas é uma consequência de eles serem radicalmente diferentes: cada paradigma tem os seus próprios problemas, conceitos e regras.  Kuhn reconhece alguns critérios objetivos para escolher teorias, tais como: 1.Precisão: teorias de acordo com a observação e a experiência; 2.Consistência: as teorias não devem ser incoerentes nem incompatíveis com outras teorias aceites; 3.Simplicidade: as teorias devem unificar os fenómenos; 4.Abrangência: corresponde ao alcance de uma teoria. Ex: uma teoria que explique todos os tipos de movimento tem um alcance maior do que uma teoria que explique apenas um tipo de movimento; 5.Fecundidade: as teorias fecundas permitem novas descobertas científicas.  Kuhn defende que estes critérios não são suficientes para ditar uma escolha objetiva. Por um lado, esses critérios são vagos, pelo que a sua aplicação é bastante subjetiva; por um outro lado, esses 2. Critérios objetivos
  • 4. 4 critérios podem entrar em conflito, e o modo como os conflitos são resolvidos também é subjetivo, pois depende daquilo que cada cientista valoriza mais.  Não existem critérios de escolha de teorias que permitam avaliar objetivamente paradigmas rivais, pelo que essa avaliação envolve sempre fatores subjetivos.  Fatores subjetivos responsáveis por uma Ciência não objetiva: