Na capa: Soeiro Pereira Gomes, , a bordo do Liberdade, num dos Passeios do Tejo.
SOElRO
PEREIRA GOMES
NA ESTELRA DA LLBERD...
Museu do Neo-Realismo
Coordenador
David Santos
Conservação e investigação
David Santos
Luísa Duarte Santos
Sílvia de Araúj...
Catálogo
Edição
Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e
Museu do Neo-Realismo, Novembro de 2009
Organização e coordenaçã...
Soeiro Pereira Gomes, no inicio dos anos 40.
o escritor militante
Maria da Luz Rosinha
Presidente da Câmara Municipal
o Museu do Neo-Realismo prossegue, uma vez mais, ...
vila de Alhandra e a toda a nossa região ribatejana. Por isso, "Na Esteira da Liberdade",
a exposição comemorativa do cent...
Na fragata Liberdade, Soeiro Pereira Gomes
com Fernando Piteira Santos, Rui Grácio, António Redol, entre outros.
Soeiro Pereira Gomes recitando poesia,
num dos Passeios do Tejo, no princípio da década de 1940.
Apresentação
David Santos
Coordenador do Museu do Neo-Realismo
o Museu do Neo-Realismo constituiu-se, inicialmente, em tor...
Soeiro Pereira Gomes teve uma vida curta mas intensa, lutando pela melhoria das
condições de vida daqueles que o rodeavam,...
pertenceram ao escritor e irão incorporar o seu espólio, estando já presentes na actual
exposição.
Em termos institucionai...
12
-
Soeiro Pereira Gomes, Fernando Lopes Graça,
Sidónio Muralha e outros, a bordo do Liberdade, num dos Passeios do Tejo.
Na Esteira da liberdade
Luisa Duarte Santos
Quatro núcleos expositivos, quatro obras fundamentais - os contos e crónicas1,...
estudo acerca de Soeiro, cruzando informações, textos, factos, interpretações diversas, indo
colher também em outras fonte...
Da liberdade da sua infância pelas serranias do Douro, à ausência de liberdade em tempos de
clandestina luta por essa mesm...
"A aldeia também sonha. Sonham as almas, cansadas pelo árduo labor do dia; sonham
talvez com os prados, as sementeiras, o ...
literárias, contactando com o movimento presencista, cujo primeiro número da revista
"Presença" surgiu a 1927.
Soeiro comp...
Recorde-se um fragmento da "Última carta"8, crónica-conto escrita na clandestinidade, e
destinado a um novo "livro, em pre...
Ainda enfermo, chegou a Lisboa num barco de carga, indo restabelecer-se uns dias para
Alhandra, na casa da avó do colega J...
20
-
1 __
111.111 II
00 ___ ••
TEAT�O SALVAPOR MABQUES
Alhandra
DOMINGO. 2 DE JUNHO DE 1935
;-�"-�___-;---- As 21,1(/ 1I0H...
Clube Desportivo da Casa de Recreio para o Pessoal da
Fábrica Cimento Tejo. I naugurada a 2 Junho de 1936, tendo
Soeiro si...
empregado, o sr. João da Silva. Os outros tomaram ar solene nas secretárias, como reis
em trono, miraram-me. Adivinhei-lhe...
a Vila Franca e a Lisboa, ao Teatro Éden. Esta peça tinha sido igualmente sujeita a exame
prévio, com o mesmo desenlace da...
"Uma ideia, um esforço, uma vontade - e tudo é possível."20
"Pereira Gomes (. . .) animador incansável dessa iniciativa" [...
Este conto constitui-se como efectivo precursor de um género de narrativas que só apareceria
publicado um par de anos mais...
publicação, como a no "Sol Nascente", ficaram por cumprir, pelo encerramento coercivo do
periódico, ficando assim alguns d...
"No realismo não basta a exactidão: é preciso também a interpretação. A exactidão
dá-nos o ambiente, os conflitos. Mas é p...
encerra com a data de "Setembro / 1 944", não apresentando emendas de vulto, ao contrário
do manuscrito que inclui inúmera...
�o
-
Soeiro Pereira Gomes declamando,
num dos Passeios do Tejo.
A fragata Liberdade.
A
Soeiro
Soeiro trocou alguma correspondência no ano de 1 940, não apenas sobre a eventual censura
de um conto-crónica que estava p...
OP"ERAR lOS E CA MP.ONESES!
Trabalhadores ! Fil.hos e filhas d � nosso Povo!
G R E V E D E D O I S D I A S
p e l o Pã o e ...
intenção politizada, porque pensamos que a motivação fosse sobretudo de cariz humano e
social) ou a criação de bibliotecas...
ribeirinha de Sacavém a Vila Franca, um dos movimentos grevistas mais marcantes deste
período, pela extensão da mobilizaçã...
dedicando-se totalmente ao partido. Como tinha antecipado mais de dois anos antes, numa das
cartas ao irmão Alfredo:
"Se a...
o escritor militante não cedeu, e começou uma nova vida, vida de fugas e refúgios, de
cuidados e resistência. Substituiu c...
palestra ainda antes da clandestinidade, ou ter sido escrito depois, é um artigo sobre os
meios de produção e a força do t...
no mundo, como mostram os poucos documentos que restaram; por exemplo, as " [Notas
sobre as Eleições presidenciais e aspec...
que ficaram inacabados. Porém, Soeiro conseguiu ainda trabalhar na última versão de
"Engrenagem", re-atribuindo-Ihe o títu...
Precisamente três meses antes de morrer, escreve as suas disposições testamentárias que
entrega a este seu irmão:
"As minh...
Cada vez mais doente, e já em Lisboa, a irmã Alice e o cunhado Adolfo Casais Monteiro
conseguiram ainda interná-lo, no Ins...
Bibliografia
Bibliografia Activa
Monografias
Esteiros. Lisboa : Edições Sirius (Romance, 2). 1 a edição,
1 941 .
Capa e de...
Engrenagem. Porto : Edições SEN. [1]a edição, 1 951 .
Apresentação de Alice Gomes.
Com retrato de Soeiro Pereira Gomes.
MN...
Inclui "Contos Vermelhos" ( "Refúgio perdido", "O pio dos
mochos" e "Mais um herói") e outros escritos ("O capataz",
"[As ...
Bibliografia Passiva
Monografias
AA.W. As greves de 8 e 9 de Maio de 1944. Lisboa: Edições
Avante (Documentos para a histó...
Periódicos
Costa, José Patrício da. "A revista «Carnaval» sobe á cena no
próximo sábado".
ln Mensageiro do Ribatejo, Ano I...
"Dos nuevas vitimas de la dictadura salazarista".
ln Mundo Obrero, 2 Março 1 950.
"«Refúgio Perdido» por Soeiro Pereira Go...
Madeira, João. "Nos trilhos da Clandestinidade (1 944-1949).
Soeiro Pereira Gomes e o PCP".
ln História, nO 20, novasérie,...
,
,
Retrato de Soeiro Pereira Gomes,
por José Rodrigu�.
j
�
..
,
..
...
.. .
-""
"
-':'"
.
de aprofundamento. Soeiro desempenha um papel importante na organização das históricas
greves de 8 e 9 de Maio de 1 944, i...
casa, encontram-se outros intelectuais comunistas - escritores como Alves Redol, Sidónio
Muralha e Alexandre Cabral.
*
Em ...
Joaquim Soeiro Pereira Gomes nasceu há 100 anos, em 1 4 de abril de 1 909, em Gestaçô,
concelho de Baião, no distrito do P...
Soeiro Pereira Gomes
tomar a palavra:
dedicatórias e promessa
Manuel Gusmão
1 . Quando quem dedica um conto, também dedica...
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
of 179

Na esteira da liberdade

Soeiro Pereira gomes
Published on: Mar 3, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Na esteira da liberdade

  • 1. Na capa: Soeiro Pereira Gomes, , a bordo do Liberdade, num dos Passeios do Tejo. SOElRO PEREIRA GOMES NA ESTELRA DA LLBERDADE •
  • 2. Museu do Neo-Realismo Coordenador David Santos Conservação e investigação David Santos Luísa Duarte Santos Sílvia de Araújo Igreja Inventaríação e catalogação Luísa Duarte Santos Sílvia de Araújo Igreja Graça Silva Lurdes Pina Odete Belo Serviço educativo Marta Borges Ana Anacleto Comunicação e relações públicas Rogério Silva Comunícação e edição David Santos Rogério Silva Lurdes Aleixo Registo Luísa Duarte Santos Sílvia de Araújo Igreja Graça Silva Biblioteca Odete Belo Secretariado Gabriela Candeias Eugénia Viana 2 - Ficha técnica Recepcionistas-vigilantes Alice Cardoso Inês Serrazina Maria Guiomar Alves Rute Oliveira Vanda Isabel Arsénio Exposição Organização Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Divisâo de Património e Museus Museu do Neo-Realismo Curadoria Luísa Duarte Santos Assistência de curadoria Lurdes Aleixo Investigação, selecção e org. documental Luísa Duarte Santos Apoio à pesquisa Graça Silva Lurdes Pina Odete Belo Museografia Luísa Duarte Santos David Santos Júlio Miguel Rodrigues Coordenação de produção Luísa Duarte Santos Produção Luísa Duarte Santos Graça Silva Lurdes Aleixo Rogério Silva Secretariado Gabriela Candeias Eugénia Viana Conservação e restauro Luísa Duarte Santos Graça Silva Filipa Moniz Montagem Luísa Duarte Santos David Santos Eugénia Viana Graça Silva Lurdes Aleixo Marta Borges Rogério Silva Miguel Oliveira/GGIRP DOVSM/ DEFG: carpintaria, pintura, serralharia e electricidade Grafimeios Planeamento e logística Luísa Duarte Santos Lurdes Aleixo Seguros Allianz Seguros Comunicação Rogério Silva GGIRP Filomena Serrazina Prazeres Tavares Serviço educativo Marta Borges Ana Anacleto o
  • 3. Catálogo Edição Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e Museu do Neo-Realismo, Novembro de 2009 Organização e coordenação editorial Luisa Duarte Santos Textos Maria da Luz Rosinha David Santos Luisa Duarte Santos Manuel Gusmão Produção Luisa Duarte Santos Apoio à produção Lurdes Aieixo Pesquisa e organização documental Luísa Duarte Santos Catalogação Graça Silva Design gráfíco Júlio Miguel Rodrigues GGIRP Digitalização de documentos e textos Luísa Duarte Santos Eugénia Viana Revisão Luísa Duarte Santos Rogério Silva Produção gráfíca: Pré-impressão, Impressão e Acabamento Palmigráfica ISBN 978-989-8254-03-0 Coordenadas Latitude: 38° 57' 1 6,15" N Longitude: 8° 59' 22,79" W Depósito Legal 301761 /09 Tiragem 600 exemplares Museu do Neo-Realismo Rua Alves Redol, 45 2600-099 Vila Franca de Xira neorealismo@cm-vfxira.pt www.museudoneorealismo.pt © Museu do Neo..Realismo © Dos textos e das fotografias, os autores Agradecimentos Manuel Gusmão Museu de Alhandra - Casa Dr. Sousa MartinsIAna Paula Mota Biblioteca Municipal de Vila Franca de Xira Museu Municipal de Vila Franca de Xira António Mota Redol Cimianlo 1 Vítor Costa, Arsénio Gaião Valcerami 1 Luís Eduardo "il�i� 1.lunidp�o ��Jr deVda Franca de Xira Apofo: nnTcnne_ 3 -
  • 4. Soeiro Pereira Gomes, no inicio dos anos 40.
  • 5. o escritor militante Maria da Luz Rosinha Presidente da Câmara Municipal o Museu do Neo-Realismo prossegue, uma vez mais, o objectivo de rever e ampliar a memória do movimento cultural que lhe dá o nome. Partindo da análise do espólio literário doado em 1992 a esta instituição, e no âmbito das comemorações do centenário do nascimento de Soeiro Pereira Gomes (1909-1949), o Museu do Neo-Realismo apresenta, na sua saia nobre, a grande exposição retrospectiva deste autor fundamentai para a nossa região. Na verdade, ele foi um dos escritores maiores do movimento neo-realista português, cuja obra marca, de modo notável, a literatura portuguesa do século XX. Soeiro apresenta, no entanto, não só uma obra atenta aos problemas sociais da sua época, mas também caracterizada por um lirismo e uma qualidade metafórica extraordinárias. Nascido nas terras do Douro, na serrana aldeia de Gestaçô (concelho de Baião), e após uma breve passagem por Angola, vai morar, recém-casado, em Alhandra. O seu empenho cívico nas colectividades operárias desta vila prolongar-se-á num envolvimento cultural, ligado ao teatro e às letras, reflectindo preocupações sociais de oposição política ao regime do Estado Novo. Depois da publicação de algumas crónicas e contos iniciais, Soeiro Pereira Gomes escreve um romance ímpar: Esteiros (1941), narrativa consciente e realista sobre o trabalho dos 'meninos' nos telhais na margem do Tejo, e dedicada com esperança, aos "filhos dos homens que nunca foram meninos". Nos encontros intelectuais e político-culturais com outros jovens neo-realistas de Vila Franca de Xira, mormente nos 'passeios culturais do Tejo', a bordo da fragata Liberdade, partilhavam-se ideias, canções proibidas e promessas de transformação social em acções militantes. O compromisso integral com a acção política, na altura na clandestinidade, e a sua morte prematura, aos 40 anos de idade, inviabilizaram de modo indirecto o prosseguimento sistemático de uma carreira literária que todos sabiam promissora e essencial para o Portugal do século XX. Soeiro Pereira Gomes representa, ainda assim, apesar de todas contingências da vida, um património literário e cívico incontornável que merece ser recordado com afectividade e sentido de homenagem. Não podemos esquecer ainda que Soeiro Pereira Gomes será sempre lembrado como um escritor particularmente ligado à 5 -
  • 6. vila de Alhandra e a toda a nossa região ribatejana. Por isso, "Na Esteira da Liberdade", a exposição comemorativa do centenário do seu nascimento, significa para o Museu do Neo-Realismo e para o nosso Município um investimento cultural e científico de grande amplitude, reconhecendo desse modo a necessidade de transmitir às novas gerações o humanismo inexcedível de um dos exemplos maiores da cultura literária portuguesa. 6 -
  • 7. Na fragata Liberdade, Soeiro Pereira Gomes com Fernando Piteira Santos, Rui Grácio, António Redol, entre outros.
  • 8. Soeiro Pereira Gomes recitando poesia, num dos Passeios do Tejo, no princípio da década de 1940.
  • 9. Apresentação David Santos Coordenador do Museu do Neo-Realismo o Museu do Neo-Realismo constituiu-se, inicialmente, em torno da doação de espólios literários de importantes escritores ligados ao movimento neo-realista. Depois do exemplo de Manuel da Fonseca que, ainda em vida, doou ao Museu o seu espólio, logo em 1991, seguiu-se o espólio literário de Soeiro Pereira Gomes, que foi incorporado no Centro de Documentação em 1992, doado pelos irmãos do escritor. A importância desses actos ajudou sobremaneira a consolidar a ideia e o destino deste Museu. O património legado nos anos iniciais por escritores e suas famílias constituiu um contributo decisivo para a definição das linhas orientadoras desta instituição. Não há museus sem património e a generosidade que representa a doação de espólios ou obras de arte não só reflecte a dimensão e consciência cultural dos doadores, como confirma a ideia de que só a congregação de vontades permite sonhar e concretizar projectos museológicos desta natureza. No centenário do nascimento de Soeiro Pereira Gomes, o Museu do Neo-Realismo não podia deixar de assinalar tão importante efeméride. "Soeiro Pereira Gomes - Na Esteira da Liberdade" apresenta-se, assim, como uma grande exposição biobibliográfica de valor retrospectivo. Com curadoria de Luísa Duarte Santos, esta mostra pretende recuperar a memória de um escritor maior, mas também o valor de um homem que soube como poucos conciliar a sua vida com a dos outros, revelando um grande sentido de solidariedade e partilha. São todas essas dimensões que esta exposição procura valorizar, sendo certo que a análise biográfica e literária dos estudos agora publicados pela curadora da exposição e pelo Professor Manuel Gusmão reflectem necessariamente diferentes linhas de leitura, ambas reconhecendo todavia a grandeza humanista da produção literária de Soeiro. Basta lembrar a riqueza e a sensibilidade de uma obra como Esteiros (1941), o grande romance pelo qual ainda hoje evocamos o nome de Soeiro Pereira Gomes, para acentuarmos a ideia de que a literatura neo-realista também se manifestou em apreço a uma grande dimensão formal. O lirismo e a metaforização desenvolvidos nessa obra remete- nos para uma estreita ligação entre um conteúdo de forte apelo social e político e uma criatividade que não abdica do seu intrínseco valor literário. 9 -
  • 10. Soeiro Pereira Gomes teve uma vida curta mas intensa, lutando pela melhoria das condições de vida daqueles que o rodeavam, nomeadamente os alhandrenses com os quais convivia diariamente, depois de ter casado com Manuela Câncio Reis e se ter fixado nesta pequena vila ribatejana. A construção da piscina pública do Alhandra Sporting Club, liderada por Soeiro, é uma referência maior desse iegado de empreendorismo cívico e social. Na verdade, o labor literário teve sempre em Soeiro Pereira Gomes a concorrência do trabalho administrativo da empresa "Cimento Tejo" e ainda da acção política de oposição ao Estado Novo. Como membro do Partido Comunista Português, o escritor vai assumindo maiores responsabilidades no Ribatejo, sendo impelido, depois das greves de 1944, a entrar para a clandestinidade, o que afecta a sua dedicação à escrita. Esteve ligado ao MUNAF e ao MUD, sendo eleito, em 1946, para o Comité Central do PCP. Colaborou, entre outros, nos jornais O Diabo, O Alhandra, ou o República, escrevendo contos e ensaios que marcaram o seu estilo literário e o seu posicionamento político e cultural de inspiração marxista. Entre a grave doença e a escassez de cuidados de saúde adequados, e a resistência por um povo sofrido, Soeiro Pereira Gomes prossegue com a escrita do romance Engrenagem e de Contos Vermelhos, entre outros contos, postumamente publicados em livro. Autor de rara sensibilidade e lucidez, a sua vida termina aos 40 anos, a 5 de Dezembro de 1949, sem ter abandonado a clandestinidade, e deixando na memória dos que o conheceram uma incomensurável tristeza pela perda de um grande homem e de um escritor a quem vida não deixou manifestar-se na sua inteira plenitude. A presente exposição comemorativa do centenário de Soeiro Pereira Gomes não teria sido possível, no entanto, sem o contributo de diversas pessoas e entidades, a quem gostaria de manifestar o meu reconhecimento. Em primeiro lugar, um agradecimento especial à curadora da exposição, Luísa Duarte Santos que, uma vez mais, soube desenvolver com empenho e profissionalismo uma grande mostra retrospectiva em prol da consolidação institucional do Museu do Neo­ Realismo. Gostaria também de agradecer ao Professor Manuel Gusmão o extraordinário ensaio que escreveu a convite do Museu e que pode ser lido neste catálogo. Ao Eng. António Mota Redol o reconhecimento pela doação de três importantes objectos, um estojo de talher em prata, uma caneta de tinta permanente e uma lapiseira Parker que 10 -
  • 11. pertenceram ao escritor e irão incorporar o seu espólio, estando já presentes na actual exposição. Em termos institucionais, gostaria de agradecer a colaboração prestada pelo Museu de Alhandra, e em particular à sua responsável, Eng. Ana Paula Mota, nomeadamente a cedência de alguns objectos e fotografias ligados ao escritor e à vila de Alhandra. Este agradecimento é ainda extensível à Junta de Freguesia de Alhandra e ao seu ex-Presidente, Jorge Serafim Ferreira. À Biblioteca Municipal de Vila Franca de Xira, na figura do seu Director, Dr. Vítor Figueiredo, pelos periódicos cedidos. À Ora Graça Nunes, Directora do Museu Municipal, pelo empréstimo de um conjunto significativo de fotografias de época. Um agradecimento também à empresa Cimianto, ao Eng. Vítor Costa e a Arsénio Gaião, pela cedência de duas rodas dentadas que integram a exposição. À Valcerami e a Luís Eduardo pela cedência de um conjunto de tijolos que servem de cenário a um dos núcleos da actual exposição. A toda a equipa do Museu do Neo-Realismo, uma palavra de agradecimento pelo valor de um trabalho em equipa que se manifesta na concretização desta importante exposição sobre o centenário de Soeiro Pereira Gomes, figura determinante para o movimento neo-realista português. Neste contexto, resta-me agradecer ao GGIRP, em particular ao designer Júlio Miguel Rodrigues, que acompanhou desde a primeira hora o processo de imagem e concepção desta mostra, e ainda a Filomena Serrazina, Miguel Oliveira e Prazeres Tavares pela cooperação na sua produção e divulgação. II -
  • 12. 12 - Soeiro Pereira Gomes, Fernando Lopes Graça, Sidónio Muralha e outros, a bordo do Liberdade, num dos Passeios do Tejo.
  • 13. Na Esteira da liberdade Luisa Duarte Santos Quatro núcleos expositivos, quatro obras fundamentais - os contos e crónicas1, "Esteiros", a "Engrenagem", e os "Contos Vermelhos" - , quatro estações do an02, quatro fases da vida de um escritor - os primeiros anos e os primeiros escritos, o reconhecimento como escritor com o seu primeiro romance, as actividades cívicas e militantes num embate contra a engrenagem, a vida clandestina como refúgio de mais um herói - estas foram as linhas basilares na concepção da Exposição que homenageia Joaquim Soeiro Pereira Gomes, no seu centenário. Neste sentido, não haveria melhor oportunidade para revelar ao público em geral, grande parte do espólio literário de Soeiro Pereira Gomes que, até agora, esteve sobretudo acessível aos investigadores e estudiosos que consultam o centro de documentação do Museu. Através de recursos expositivos e de uma linguagem museográfica, pretendemos partilhar o conhecimento e o entendimento deste Espólio, e do próprio Autor, de um modo extensivo e diversificado: a sua produção literária, ficcional ou de cariz ensaístico, com manuscritos ou dactiloscritos; muitas vezes com versões sucessivamente modificadas para um mesmo texto; a sua história pessoal e as actividades cívicas, culturais, militantes que desenvolveu ao longo da sua vida, através de vária documentação escrita, objectos pessoais e fotografias; as críticas à sua obra literária e o seu lugar no movimento neo-realista. Quando já não faz parte dos programas obrigatórios do ensino secundário, uma obra como os "Esteiros", que muitos de nós se lembram de ter lido e estudado na adolescência, consideramos importante levar aos jovens estudantes este autor notável e, dessa forma, esse livro ímpar na literatura portuguesa, esperando assim contribuir para o despertar da curiosidade intelectual pelo escritor e pela sua criação literária, gerando um entendimento aprofundado da sua vida e obra. O relativamente pequeno, mas nem por isso menos rico, espólio do escritor e do militante, nem sempre fornece de uma forma simples e óbvia, indicações sobre a sua vida, obra, modos de criação e de actuação politica, literária e cívica. Como um puzzle, fomos reunindo matéria de 1 Os primeiros de 1 935 a 1 940, e mais alguns poucos que escreveu isolada e posteriormente até entrar na clandestinidade. 2 Soeiro Pereira Gomes dividiu o romance "Esteiros" em quatro partes que correspondem às quatro estações do ano: Outono, Inverno, Primavera e Verão. 13 -
  • 14. estudo acerca de Soeiro, cruzando informações, textos, factos, interpretações diversas, indo colher também em outras fontes e instituições3 para uma melhor compreensão, não somente do homem, mas do legado cultural e de cidadania que nos deixou. Tarefa difícil não apenas por uma certa discretude da vida privada e pessoal do autor, como pelo facto de alguns - muitos? - documentos terem sido destruídos quando entrou para a clandestinidade, assim como não nos podemos esquecer que esta era uma época de silêncio, de censura, de acções mais ou menos secretas e 'ilegais'. Este texto pretende ser, deste modo, apenas mais um passo, um arrancar de silêncios, mais uma peça da 'engrenagem' que pode conduzir a uma investigação mais ampla e profunda de uma das referências da literatura do século XX e do movimento neo-realista. Na Esteira da Liberdade. A esteira, o sulco que Soeiro traçou com a sua vida, na sua vida, em prol de uma Causa: a da igualdade/justiça, a da liberdade/direito de ser humano. Mas também, em Soeiro, o direito ao conhecimento, ao saber, à cultura que são uma forma de Liberdade. "Esteiros", a sua obra-prima (no seu duplo sentido), termina significativamente desta forma: "Gaitinhas-cantor vai com o Sagui correr os caminhos do mundo, à procura do pai. E quando o encontrar, virá então dar liberdade ao Gineto e mandarpara a escola aquela malta dos telhais - moços que parecem homens e nunca foram meninos." A libertação de Gineto da prisão é inteligível metáfora da liberdade para a humanidade, mas sobretudo da liberdade que almejava para o seu país agrilhoado, constrangido no pensamento, nas palavras e nas acções, oprimido pela falta de cultura e novos horizontes - o desejo de um futuro de homens livres em que os todos homens possam ter sido meninos, verdadeiramente meninos. 3 Museu de Alhandra, Biblioteca Municipal e Museu Municipal de Vila Franca de Xira. 4 Como o próprio Soeiro referiu na entrevista ao jornal O Primeiro deJaneiro a propÓSito da edição de Esteiros. 14 -
  • 15. Da liberdade da sua infância pelas serranias do Douro, à ausência de liberdade em tempos de clandestina luta por essa mesma liberdade, este Valor humano percorre e penetra a vida, a obra e a personalidade de Soeiro. Daí a imagem-síntese que escolhemos para a capa: Soeiro, a bordo da fragata "Liberdade", num dos 'Passeios do Tejo', espaço de livre comunicação e compartilha de ideais, cabelos ao vento e olhar no horizonte - a utopia - e mãos seguras - a consciência. Assim fomos na esteira de um homem que quis fazer da liberdade o seu exemplo, a sua esteira. Dos primórdios da vocação literária de Soeiro pouco se sabe, apenas que em jovem fazia versos e canções, e desse seu versejar adolescente pouco restou, senão em testemunhos de familiares: "Nasci nos montes da aldeia Tenho por cama o granito As estrelas por candeia E portecto o infinito"5 Quadras feitas à desgarrada com a irmã Alice, - esta, guardada pela irmã Berenice-, num desses tempos de férias, ou com intenções de um concurso literário no Porto. Remanescem também páginas de um juvenil diário, redigido por entre sonhos e memórias, e os anseios às portas da vida adulta: 5 Ricciardi. Giovanni. Soeiro Pereira Gomes. UmaBiografia Literária. Lisboa: Editorial Caminho (CoI. Universitária). 1999. p. 36. Esta monografia constitui uma referência fundamental no entendimento da vida do escritor. pela sua extensão e rigor. 15 -
  • 16. "A aldeia também sonha. Sonham as almas, cansadas pelo árduo labor do dia; sonham talvez com os prados, as sementeiras, o pão que hão-de colher. Bendito sonho que faz germinar a terra!" Poderiam ser devaneios imaturos ou frases ingénuas, sem intenção de porvir, mas quando logo adiante escreve: "E eu de tanto sonhar fiz-me poeta." perguntamo-nos: poeta? homem das letras, versejador? ou simplesmente sonhador? E, como nos respondesse em seguida: "Ser poeta é sonhar a vida inteira."6 Poeta trovador, poeta idealista, na escrita e nos actos, escrever com poesia e viver na poesia, metáfora existencial de um cavaleiro andante7 ou de quixotesca vida. Este à-vontade com as letras deve-lhe ter servido para mais tarde, não apenas para as copias das revistas que compôs e encenou com a mulher, mas para toda a sua escrita ficcional, onde o sentido poético se foi apurando. Crê-se que a sua infância feliz e generosa nas terras serranas do Douro, no seio de uma família que, entre as influências republicanas do pai - de justiça e liberdade - e o perspicaz mas firme matriarcado, foi basilar na construção do homem e do escritor, mantendo sempre presentes - inerentes - valores ligados à terra, como a simplicidade, a solidariedade e a generosidade. 6 Do diário de Soeiro, "Da Aldeia (Carias ao meu amor)", 23 Março 1929. 7 Como o designou José Gomes Ferreira emA memória daspalavras. 16 -
  • 17. literárias, contactando com o movimento presencista, cujo primeiro número da revista "Presença" surgiu a 1927. Soeiro completou o Curso de Agricultor Diplomado com 19 anos, e com uma média de 13 valores9. Foi na festa de formatura, a 20 de Maio de 1928, através do seu colega de curso José Câncio Reis que conheceu a irmã, Manuela, sua futura mulher. A meio do seu curso, por razões de dificuldades económicas, a família deixou Gestaçô e foi para o Porto, em 1924, onde já se encontrava Alice, a estudar, possibilitando deste modo que os filhos mais novos também pudessem prosseguir os estudos. Essas razões contribuíram igualmente para que Soeiro não ingressasse no ensino universitário, como pretendia: "Quase às portas da Universidade, retrocedi em busca doutra estrada mais longa e, por isso, mais ruim. E fiquei na encruzilhada da Vida".10 Terminados os estudos, Soeiro tentaria arranjar trabalho na zona do Porto. Depois de infrutíferos esforços para conseguir algo compatível com as suas habilitações, apenas conseguindo dar algumas explicações particulares, decidiu tentar a sorte indo para África respondendo a um anúncio da Companhia Agrícola de Cassaquel. Foi para Catumbela, perto do Lobito, em Angola, no final de 1930, não para trabalhar num escritório ou para exercer o seu curso, mas para laborar no armazém. Tal como sucedera a Alves Redol, o padecimento com as febres das doenças tropicais, além de que a sua desadaptação e revolta relativamente ao ambiente social que se vivia em terras coloniais, pela exploração quase escrava dos negros, fez com que tomasse a decisão de regressar, após uns poucos meses, voltando "mais pobre ainda"11. 9 Documentos pessoais pertencentes ao seuespólio: Certificadoe Diploma de Curso. MNR A2!7.8 e MNRA2!7.9. 'o "Estradado meu destino". Conto. [1939-1940?]. MNR A2/2.11/B. " Carta para oirmãoAlfredo, de 30 Agosto de1936.Cito por Ricciardi, Giovanni. Soeiro PereiraGomes. Uma Biografia Literária. Lisboa: Editorial Caminho (Cal. Universitária). 1999. 18 -
  • 18. Recorde-se um fragmento da "Última carta"8, crónica-conto escrita na clandestinidade, e destinado a um novo "livro, em preparação", "Diário de um foragido": "e eu descuidei-me a contemplar algumas vacas turinas, que me lembravam os quinteiros da pacífica aldeia em que nasci." Meninice bem-aventurada que não viu em muitos dos moços que, anos mais tarde, ajudou a aprender a ler, a nadar e a acreditar, almejando para eles, ou seus filhos, que conseguissem ainda ser meninos. Na Casa do Vilar, em Gestaçô, cresceu, nos primeiros anos, com as duas irmãs mais novas, Alice e Berenice, com as duas tias e a avó paterna - uma casa de mulheres -, além dos pais Celestina e Alexandre. No ano em que saiu de casa para estudar em Espinho, junto da tia-avó materna e madrinha Leopoldina da Costa, é que nasceram os três irmãos, Alexandre, Jaime e Alfredo. Começou a frequentar a escola primária no ano lectivo 1 91 5-16 , com 6 anos. Ao que se sabe, depois frequentou o Colégio Externato de Espinho, sucursal do Colégio dos Carvalhos de Vila Nova de Gaia, tendo reprovado no 2° ano do Liceu, na disciplina de latim. Com este revés, e frustrando as aspirações familiares de seguir Medicina, Soeiro matriculou-se em Outubro de 1920, em regime de internato, na Escola Nacional de Agricultura em Coimbra, no curso de Regentes Agrícolas. Prosseguia deste modo o vínculo às suas raízes, talvez esperando mais tarde cuidar das propriedades da família na zona de Gestaçô. Nas férias escolares, voltava sempre a terras do Douro e aos braços do afecto e da alegria familiar. Enquanto aluno foi um bom atleta a ginástica, especialmente nas argolas, integrava o clube de futebol da escola, gostava de natação, hipismo, dedilhava guitarra, fazia serenatas, ia aos bailaricos e arrais populares. Na cidade dos estudantes, frequentava livrarias e tertúlias 8 Dedicadaao camaradaAlexandre.pseudónimo de Alfredo Diniz, assassinado em 5 de Julho de f945, pela PIDE. MNR A2/2.13 17 -
  • 19. Ainda enfermo, chegou a Lisboa num barco de carga, indo restabelecer-se uns dias para Alhandra, na casa da avó do colega José e da futura mulher Manuela, antes de voltar para o Porto. Joaquim Soeiro Pereira Gomes e Manuela Câncio Reis casaram em Coimbra, a 25 de Maio de 1 931; ele com 22 anos, ela com 21 . Depois de uns dias naquela cidade e de uma viagem à terra natal de Soeiro, foram morar para Alhandra. Primeiro habitaram na casa dos sogros, depois sozinhos na "quintinha da viúva Câncio", propriedade da avó de Manuela, designação da Quinta do Álamo, em São João dos Montes, a dois quilómetros da vila ribeirinha. Ao domingo, único dia de lazer, muitas vezes davam passeios pelos montes da região, a cavalo, emprestado por um vizinho, ou alugando bicicletas, ou então ficavam pela quinta dos vinhedos que lembrava as encostas dourienses, e Soeiro ficava a ler na sua cadeira de lona, a carpinteirar, a pintar; de manhã, sempre que podia jogava futebol na vila. Aquele lugar tornou­ se um refúgio para Soeiro, mesmo quando foram viver, em 1934, para a casa da Rua Augusto Marcelino Chamusco, nO 9, frente ao rio e aos esteiros. Era naquela quinta onde ia passar uns dias de vez em quando, como que em retorno às suas origens, que Soeiro "retemperava as forças (.. .) De regresso do trabalho, estiro-me numa cadeira de repouso e filosofo com os botões, praguejo com os jornais (. . .) sobre Espanha"12 Entretanto, assim que chegou a Alhandra, e por intermédio do sogro Francisco Filipe dos Reis, começou a trabalhar nos escritórios da Fábrica "Cimento Tejo", num ambiente industrial, que lhe era necessariamente desconhecido. "Tudo me foi estranho desde o primeiro dia. O chefe, rotundo e severo, indicou-me o lugar no escritório. Apresentou-me: - O novo "Idem. 19 -
  • 20. 20 - 1 __ 111.111 II 00 ___ •• TEAT�O SALVAPOR MABQUES Alhandra DOMINGO. 2 DE JUNHO DE 1935 ;-�"-�___-;---- As 21,1(/ 1I0H·�!:I ----"'-----.h!b; Desempenho a cargo de dislinclos enladores (Ew:ml< � OE Aüoüslu Beilhülü ORl511<11L DE II"Um (mUIl, Torc e ira r8prbS8 "taçâo fRAnUlm 11l/1[ UUI RElI da inleressanle Ruisla Fanlasia ! 1. 1.PtlflU 8�MU _ em , prólogo e 2 actos '..., [A88A Al ••• ----LI______2JG) o 1ST R I B U I C A O @ 1 1_ i, " SOllho dtdtIH', !cr",,,.'., 1'1"J!...;"h.�, Mocidade. QuelxUlllfl-. Chl _ nlh . RI"!oqurl(",,. fhln{lO ,lu NOfCI', Rrio ..... Ilplnli" Publlc•• Vlol""., T,,(th'ln_, fiou'. AIVRrCI A'I•• dorl.Ctlltlfll." Nlullorldo1ód',lIh:I., F• •h..I.�. fllturo!l M.ulnhrlros, Arrudl, CCHJ••,.ildtlal.h: '-1.111"., Almurula_, R"rbt.!t'I" 1 t.nc..IIr1loJ. dI VIJ., SIIllaç'" c ('rnw," N'10"lllulrJ el;mulu I'" Surlrdld,. (ulor!!••'hnllrrau r ie luboil DIr�cçio musicai dlt francilo(.O Flllplt dQ5 Rti' l' I! L II Cartazes das peças de revista escritas e encenadas por Soeiro Pereira Gomes. �. /Ii' ;,::)::::nn,.u� l'e rU"Jl X' )":I j" ','"-- . . � i H�GRO S����JD O R � m�RºU€S �. :;::" S���ôo )1 Ôt lulho t OOlllingo I Ô! !lIJoslo Ôt 1937 -- t'l ?1.�O t10�f'" Apresentação da rcyjsla local, em 2 actos e 4 quadr� Original de Manuela Canei, leis I de Ath"dr� t ,elO cuu,u.d, oImadtr ::./._S:::..=p-:c,:,re=lf:a=G=o=m:e�sl..--,::"� ,:..�[ ,�Sr AllUNDR( R[IS 't. .�. X 20 NUMEROS DE MÚSICA 1ft MANUElA CAIICto R[IS, el.r.pl;:oII�, por IIIU DrquU1r1l eoJlp�,'. di "9I1n5 dC.5 rntlhtru I�tltlllr�ICi dl Soclt�.tt [ultr,' Alhlll�'tnn. f' de Jarl,sl:ts de llslrol. lob. r.guda di lulora L'r. *..... I,'" A eTO L,,___ L! ijllllj lm �[ m[li� na mmu �a !lIRRO n�Y� "mÓ, III). Iflhldo�, c..:ln�'o do Puc.:!. "'ir t Sonh,,. I�" �: _...... 2," AeTO ",,� 1.lijUJlli I'ijlillO �mmil�IPI[JIA [mI611�!.JOIO � Alc:lchOI,ms t C.1l1h:n 110 S. Jo;o, AUll1p'II1ullltIlIO� 1I111111�"" ptln Sn MAI!lItl [ "Uf'I_, _L R_" _. _ ,1f(_J,."" 1.111/" /",rUI I'�'"" . I" ..�I "fl ",'(1"4 /"1,, .'rJr, , ml/.'''''''' I',,,,..r,, ';c",.,.' "'1""'1<.' ('. un.'ln.) I�·I...." 1:,�,.'1 "ti I/,{ -ii DISTRIBUIÇAo F : Sr. Alunndre Wd... Sr. I::dlllfdt, dt SnU'1I • Vircm" G on(� lvn • "'anu'" P",�ira • Jorge Vb". t1'Almd.,.. - • J...�qul", 10u'1'n(0 , G;lbrlt'lloo,II'" . _ 'J,'''� nilO� • fllnclloCo "'hchlra , J....� A.'rli�n P,,�h3 . _ .rnin; Glrb:rI:I Mo,�I.. Io:lda Vlro(HI.ldlã" "'hrl� Adt'lahJt I rlfrl,.. C:lormlnd;l t.��I'.' .11,,,,,,,,,./,'/1 .1"h.'. _ "'h,ia I"·r,·,,,. (;:".._'h" ..."',1, I,.,bd ,It }nlli �o"u 1I1'.l!nd,. Unrstt Can�I"iS-l�lIfu: Srs. Jde BeUJ t' A�tl Bon_ ".,.:.lIl;�f1. o!. ,.t.,. " ,,','II1S If,J"��"" i'.·Uf,ú.. .J ." Aa...I,.. ;.'..] ',: .'. Ti,.. "'�"I(H(I "II"'NORA Sofislas Hosoumerosdeeonlunlo ...f1�I:.""t<J�,. p,U"{f.'. r(. !i. �1I/r�" ,/... IJ·:" •. ,1011101 I ;;.'J(/�,J, d," .1/1')v' /',.",,, :-. /,..,,', ,'" I ,M"jJ.. JJ/e,. .""'./",, /."/.,,,. r",,· " ��t,�'��.�;;����:I:��:·(�:::: fr"� /...�J,-" u�"u .tl",,,,/.: I" ,Ia,,'.,", LIZf',�';J (Ii'" A,.· � �·:l�;.����,�j,:(:::'�::.,;·,;· f:/(l!t/.J /.1"11. •1,,,,,.,1 ...1 Pu",u. No. ,_f� I ""g, ,I... ::: :�/I�;��;'�':}';�:·'.,:��, ii .11,,,,,, " ,.",,,./.. (lU:, :í: �,;:.��/��:,,�:'!/;,'r�:;�':Á�: � Ú14/I/:/oIIf.1/1'J" f �;,,,,,.0,1,. ...1-.1. r.d.• �,I. �. I'"� ',..:,'1:.., /ltI/I..I' f
  • 21. Clube Desportivo da Casa de Recreio para o Pessoal da Fábrica Cimento Tejo. I naugurada a 2 Junho de 1936, tendo Soeiro sido um dos promotores desta iniciativa, fazendo parte da Direcção como Secretário. Soeiro Pereira Gomes, Manuela Câncio Reis e Maria Helena Vicente, na Piscina de Alhandra (Charca da Hortinha), em 1936. 21 -
  • 22. empregado, o sr. João da Silva. Os outros tomaram ar solene nas secretárias, como reis em trono, miraram-me. Adivinhei-lhes o pensamento: - um concorrente."13 No seu romance "Engrenagem", Soeiro recupera este conto sobre a entrada de um novo funcionário (no caso, a personagem é o sr. Paulo Amaro) numa fábrica 'semelhante' à sua, integrando-o no capítulo I, secção 2, com poucas alterações. Não podemos dizer que seja auto-biográfico, contudo, recupera concerteza algo da sua própria realidade, ou de uma realidade a que assistiu de perto, para a reconstruir ficcionalmente na narrativa. Embora o sogro estivesse envolvido em actividades desportivas e culturais em Alhandra, sendo um dos mais entusiastas, Soeiro só começou a participar activamente mais tarde, se exceptuarmos a criação de aulas de ginástica infantil para os filhos dos operários da fábrica no Verão de 1 933. 1 935 foi um ano crucial para Soeiro, na medida em que começou a realizar projectos muito diferentes e decisivos: a colaboração no Teatro Salvador Marques, a construção da Piscina e:a escrita do seu primeiro conto, "O Capataz". Com a mulher Manuela e o sogro Francisco Filipe dos Reis, escreveu e encenou a revista "Carnaval", representada pelo Grupo Dramático de Alhandra, constituído por adultos e crianças daquela vila operária. A peça foi, obviamente, à censura por ser uma apresentação pública, tendo sido aprovada com cortes.14 Desde logo a imprensa local faz eco do sucesso da revista e do papel importante de Soeiro: 'J. S. Pereira Gomes secundou brilhantemente a revista (. . . ), sendo impressão geral que à sua actuação muito deve o êxito alcançado".15 Dois anos mais tarde, o casal, já sem Francisco Filipe dos Reis, apresentou "Sonho ao Luar", no mesmo palco da Sociedade Euterpe Alhandrense, levando também o espectáculo 13 "Estrada do meu destino". Conto. MNR A2/2.11/A e B. No originaldactiloscrito. sem parágrafos a partir do segundo. "PT-TT-SNI/DGE/l/1271. "Carnaval", 1935. Documento Composto, 92 p. Direcção Geral dos Serviços de Espectáculos. proc. 1271. ANTT documento manuscrito. 15 ''A revista ..Carnaval» no Teatro Salvador Marques de Alhandra". ln MensageirodoRibatejo, Ano IV, nO 279, 16 Junho 1935, p. 1. 22 -
  • 23. a Vila Franca e a Lisboa, ao Teatro Éden. Esta peça tinha sido igualmente sujeita a exame prévio, com o mesmo desenlace da anterior.16 Aquando da representação no Teatro Éden, em Lisboa, Soeiro fez uma "curta palestra onde definiu o objectivo da sua colaboração na «Festa do Riso»"17 Os ensaios diários foram basilares na aproximação do escritor às gentes de Alhandra, ao conviver com os participantes das revistas, muitos deles crianças carenciadas, ou mulheres e homens operários de fábricas vizinhas, e deste modo, Soeiro começou a contactar gradualmente, não apenas com a realidade do operariado que já conhecia parcialmente através da fábrica "Cimento Tejo", mas também as colectividades locais, a que se dedicou muito civicamente, a partir daí. Ao mesmo tempo, trabalhava intensamente para que Alhandra tivesse uma piscina. De uma constatação, ou sonho inicial, de "Falta aqui uma piscina"18, quando debruçado na janela de sua casa via os miúdos a chapinhar nos esteiros, até ao iniciar de trabalhos na Charca da Hortinha, foi um ápice. Depois foram árduos anos, documentados pelos relatórios anuais que ia fazendo como presidente da Comissão Autónoma da Piscina do Alhandra Sporting Club.19 Três anos até ser inaugurada a primeira fase, e mais quatro na melhoria das condições e no bom funcionamento da piscina; sete anos de empenho, não apenas na construção de um equipamento socio-desportivo, mas porque aquela estrutura iria desenvolver e promover as condições físicas, intelectuais e morais das crianças e dos jovens - à época, eram ainda muitos os preconceitos e convencionalismos acerca da juventude e do desporto, nomeadamente em relação o feminino: 16 PT-TT-SNI/DGE/1/1692. "Sonho ao luar", 1937. Documento Composto, 67 f. Direcção Geral dos Serviços de Espectáculos. proc. 1692. Revistalocal da autoria de Manuela Câncio Reis e Joaquim Soeiro Pereira Gomes. Peça aprovadacom cortes, representadano Teatro "Salvador Marques", emAlhandra. ANTT documentodactilografado. 17 Na "Festa do Riso» efectuada no Éden-Teatro em Lisboa, em beneficio da Colónia Infantil do jornal "O Século» a primeira parte foi preenchida pela revista "Sonho ao Luar»". lnMensageiro doRibatejo, Ano IX, nO 401, 27 Fevereiro 1938, p. 1 18Reis, Manuela Câncio. A Passagem. Uma Biografia de SoeiroPereira Gomes. Lisboa: Editorial Caminho (Biografias). 2007, p. 67. 19 MNR A2/5.1 a MNR A2/5.7. 23 -
  • 24. "Uma ideia, um esforço, uma vontade - e tudo é possível."20 "Pereira Gomes (. . .) animador incansável dessa iniciativa" [piscina]"21, como foi também de outras iniciativas: a construção da Casa de Recreio para o Pessoal da Fábrica Cimento Tejo, onde se instalou o respectivo Club Desportivo, inaugurado a 2 de Junho de 1 936 , e de cuja primeira Direcção era Secretário, a constituição de várias bibliotecas - a do Club Desportivo daquela fábrica, a do Alhandra Sporting Club e a da Sociedade Euterpe Alhandrense, em 1 940. Além de fundador de bibliotecas populares, Soeiro, sobretudo nos primeiros anos da década de 40 , proferiu diversas palestras nestas e noutras colectividades locais22: uma sobre os princípios básicos, conceitos e desenvolvimento infantil através da Educação Física23, outra sobre a água e recursos hídricos24, e em Março 1 942, proferiu uma palestra na Universidade Popular de Lisboa, "Educação física e desporto"25, entre outras. Foi naquele ano de 'mudança' que Soeiro escreveu o seu primeiro conto, "O Capataz". Datado de 30 de Dezembro de 1935,26 era para ser publicado no jornal "O Diabo", como revela a carta timbrada, em que Rodrigues Lapa lhe comunica que a novela "O capataz" fora integralmente censurada pela PIDE, em prova tipográfica. Texto escrito para um concurso, mas que correspondia já a um desejo de se dedicar à escrita, como revelou numa entrevista27: "Sempre ambicionei escrever". 20 Palavras de Soeiro, ao jornal Vida Ribatejana, 1938. 21 Costa, José Patricio da. "A piscina do Alhandra Sporting Clube". lnMensageiro do Ribatejo, Ano IV, nO 287, 18 Agosto 1935, p. 1. 22 No Atlético Clube de Portugal, no Sport Grupo Sacavenense, na Sociedade Recreativa Musical 1o de Agosto Santa Iriense. Ver Correspondência, MNR A2/6.2. 23 "[Palestra sobre instrução e educação física]". Original dactilografado com emendas manuscritas. MNR A2/4.4. 24 MNR A2/4.2. 25 Original dactilografado com emendas manuscritas. MNR A2/4.3/B. Ver também a carta em que lhe é solicitado pelo Sport Club de Monte-Pedral, a repetição da Conferência dada na Universidade Popular. MNR A2/6.2.23 26 Cópia dactilografada com emendas manuscritas. MNR A2/2.4. "Ao jornal "O Primeiro de Janeiro", de 10 de Fevereiro de 1943. 24 -
  • 25. Este conto constitui-se como efectivo precursor de um género de narrativas que só apareceria publicado um par de anos mais tarde; de características marcadamente neo-realistas, um cunho social vincado, atendendo aos aspectos da pobreza e miséria do operariado, conta a história de um operário que "atormentado de remorsos" sacrifica a vida, "salvando os camaradas". 28 De quase quatro anos que medeia até ao próximo conto, não se conhece mais nada da escrita de Soeiro. Provavelmente estaria tão atarefado com as obras da Piscina e outras actividades que não havia tempo para a literatura. Sabe-se que em 1 939 começou a escrever um manuscrito de "Esteiros"29, embora a ideia de escrever um romance há muito se desenvolvesse no seu espírito, talvez desde os tempos em que se mudou para aquele 1 o andar e, dali, observava os meninos nos Telhais, na sua labuta sazonal. Esse último ano da década de 30, foi também o ano do início da sua colaboração com "O Diabo", com duas Crónicas: "[As crianças da minha rua...]" e " [Moro numa casa de dois andares. . .]", e no ano seguinte, antes do encerramento do periódico, ainda publica outra "Crónica [Eu e êle - companheiros de um dia]" e o conto "O Pàstiure". Estas breves narrativas, entre a ficção e o real, entre o conto e a crónica, surgem do seu mundo próximo, de uma realidade que observava atenta e activamente: "A vida literária nasce dum «contacto» entre o mundo exterior e o mundo interior do artista. É ele que determina a necessidade profunda de escrever. Se ele (contacto) não se produz, vale mais não escrever. Eu lembro-me do conselho de Tolstoi: "Se vós podeis não escrever um livro, não o escrevei"30 Até 1 943, ainda publicou mais três contos ''Alguém'', "Um conto I Coisas quase inacreditáveis" e "Breve história dum sábio", no "República" e n' "O Castanheirense". Outras intenções de " MNRA2/6.2.1. 29 Carta ao irmão Alfredo de 1 5 de Fevereiro de 1939. 30 Do seu Bloco de notas "Notas para o romance "Companheiros" e "Diário dum Foragido"" (crónicas) (MNR A2/2.3).
  • 26. publicação, como a no "Sol Nascente", ficaram por cumprir, pelo encerramento coercivo do periódico, ficando assim alguns dos escritos, inéditos em vida, tendo sido editados apenas em 1 950 , no volume "Refúgio perdido". Voltando ao ano de 1 940 , no Verão, a 1 O de Agosto sai n' "O Diabo", um excerto do romance "Esteiros" intitulado "Vocação Perdida". Ora se o manuscrit031 está datado pelo autor, onde logo na primeira folha, aparece "Começado em Outubro de 1 940 " e foi terminado em Maio de 1 941 , haveria um outro documento (texto? rascunho?) prévio? Certo é que Soeiro publicou este excerto meses antes, fragmento que corresponde à Primavera (III Parte, 2° capítulo), tal qual a versão em 1a edição. Envolto em alguma imprecisão está também o momento em que Soeiro decidiu usar o apelido da mãe, tornando-o patente no seu próprio nome. No seu primeiro conto tinha assinado como J. S. Pereira Gomes", mais tarde adopta apenas os dois últimos apelidos. É nos "Esteiros" que se denota uma certa oscilação: na folha de rosto do original dactilografado com emendas manuscritas, que datamos entre Maio e Agosto de 1 941 , surge como autoria 'Joaquim Pereira Gomes"; na 1a edição de "Esteiros", aparece pela primeira vez o nome "Soeiro Pereira Gomes" apenas na capa, pois na folha de rosto do livro, a autoria surge como "Pereira Gomes", assim como na 2a e 3a edições desta obra, nestes casos na capa e na folha de rosto. Até que ponto Soeiro interferiu nestas escolhas, ou foram decisões da editora? As Edições Sírius foram a segunda editora a receber o manuscrito, depois da recusa da Editora Inquérito; Alexandre Babo, um dos sócios fez-lhe uma proposta32 e com as ilustrações de Álvaro Cunhai33, a 1a edição sai em Novembro de 1 941 , granjeando desde logo críticas elogiosas, que levam a uma reedição em menos de seis meses. Desde então foram inúmeras as edições deste notável romance, algumas com ilustrações feitas propositadamente, tendo também sido traduzido para outras línguas, designadamente para italiano, em 1 955, francês e castelhano. 31 o espólio possui dois documentos, duas versões, uma manuscrita e outra dactiloscrita. 32 MNR A2/6.2.11. 33 Carta sobre a alteração da capa da I' edição, referindo os desenhos de Álvaro Cunhal. MNR A2/6.2.12. 26 -
  • 27. "No realismo não basta a exactidão: é preciso também a interpretação. A exactidão dá-nos o ambiente, os conflitos. Mas é pela interpretação que se verificam as contradições, e se encontra o caminho da luta, a solução".34 Da sua circunstância concreta - o trabalho na Fábrica Cimento Tejo - Soeiro já se tinha inspirado na criação de algumas das suas narrativas, a "Crónica [Coisas quasi inacreditáveis]", os contos "Pesadelo" e "Estrada do meu destino". Este último, como já referimos, foi recuperado integralmente e com poucas alterações, e integrado no romance "Engrenagem".35 "Para os trabalhadores sem trabalho - rodas paradas de uma engrenagem caduca." "Engrenagem", principia com esta dedicatória, levantando o véu sobre a temática da narrativa: a industrialização e as condições sociais dos trabalhadores. Com algumas analogias à própria vida do autor, o romance desenvolve-se em torno de uma vila, que de carácter rural se vai transformando em centro industrializado, expressando ficcionalmente os conflitos entre o mundo rural e a proletarização dos trabalhadores, parecendo opor camponeses a operários da grande fábrica. Segundo romance de Soeiro, foi publicado pouco depois da sua morte, em 1 951 , utilizando como texto-base, a versão dactiloscrita de 1 944.36 O manuscrito, iniciado em Novembro de 1942, foi recomeçado em Setembro de 1 943. No final da I Parte, Soeiro redigiu "Interrompido em Dezembro de 1 943" e imediatamente antes da II Parte, "Recomeçado em Julho de 1 944"; no final do manuscrito, encontramos o seguinte: "Acabado em 2/10/1 944", com Soeiro já na clandestinidade. O original dactilografado, que se pensava ser posterior ao manuscrito, 34 Do Bloco de notas - "Notas para o romance "Companheiros" e "Diário dum Foragido.... (crónicas) - última página manuscrita (MNR A2/2.3) " Ver Parte I, capítulo 2, deste romance. 36 MNR A2/2.2./B. 27 -
  • 28. encerra com a data de "Setembro / 1 944", não apresentando emendas de vulto, ao contrário do manuscrito que inclui inúmeras correcções. Será que a passagem para o dactiloscrito foi acompanhando a escrita do manuscrito, e não foi um documento posterior? Mesmo assim, fica a questão por aclarar. Acerca da terceira versão abordá-Ia-emos mais à frente. Junto ao manuscrito de "Engrenagem" estavam notas e apontamentos37 que ajudam a compreender, não apenas o método de trabalho de Soeiro, mas que encontram paralelismo no Bloco de notas: "Notas para o romance «Companheiros» e «Diário dum Foragido» (crónicas)". Pela primeira vez, adoptou um pseudónimo, João Amargo, apresentando-o no manuscrito e no original dactilografado com emendas manuscritas38; escolheu-o também para nomear a autoria de "O Pio dos Mochos", um dos "Contos Vermelhos". A escolha do pseudónimo não é de modo algum casual - 'amargo' é a tradução do vocábulo russo Gorki -, decorre do nome do escritor marxista Máximo Gorki. Literatura, cidadania e política, três conceitos que progressivamente se foram cruzando e interligando em Soeiro, desde meados dos anos 30, através de actividades culturais e militantes, projectando reflexos cada vez mais intensos na sua obra; uma ideologia que se traçava numa praxis, e uma acção que corroborava um pensamento. "O Diabo", jornal em que colaborava desde Novembro de 1 939 (depois da tentativa gorada de publicação do conto "O Capataz", nos inícios de 1 936), foi uma peça importante na reorganização do PCP em 1 939 e 1 940.39 Não apenas porque através da sua redacção se conseguiu restabelecer o contacto com pessoas que se tinham afastado do partido um pouco antes, como na criação de ligações com novos simpatizantes. Para além dessa colaboração literária havia, no ponto de encontro que era a própria Redacção e sede do jornal, no Bairro Alto, na rua de S. Pedro de Alcântara, um intenso convívio entre intelectuais, estudantes e personalidades da cultura, animado pela figura consciencializadora de Piteira Santos. Com este, 37 Que comestarevisão do tratamento documental do Espólio foram desanexados. já que setratam de documentos complementares e preparatórios à elaboração do romance. MNR A2/2.2/D. 38 MNR A2/2.2/A e MNRA2/2.2/C. J9Ventura. Cândida. O socialismoque eu vivi. Lisboa:O Jornal. 1984. p. 36. 2B -
  • 29. �o - Soeiro Pereira Gomes declamando, num dos Passeios do Tejo. A fragata Liberdade. A Soeiro
  • 30. Soeiro trocou alguma correspondência no ano de 1 940, não apenas sobre a eventual censura de um conto-crónica que estava para publicação n' "O Diabo"40, mas também sobre assuntos culturais em que fazia a ligação entre Fernando Lopes-Graça e Manuela Câncio Reis, ou expôs a Soeiro um projecto de um volume de contos, uma antologia41 - seria a que deu origem ao primeiro livro colectivo e neo-realista de "Contos e poemas de vários autores modernos portugueses", em 1 942, organizado por Francisco José Tenreiro e Carlos Alberto Lança? Não há certezas quanto à data da aproximação e do ingresso de Soeiro no Partido Comunista, embora alguns dados apontem para 1 939-1 940 . Por um lado, antes da reorganização do partido, tudo estava demasiado indefinido para que houvesse essa estruturação e consequente filiação, por outro, dada a história pessoal de Soeiro, parece deduzir-se que possa ter havido uma sensibilização progressiva às condições sociais e económicas do povo e dos trabalhadores com que contactava diariamente. E se o republicanismo do pai foi marcante no despertar do seu sentido de liberdade e justiça, também a sua própria generosidade e humanidade, reconhecidas por todos os que com ele conviviam, assim como o contacto com o seu colega Albino, "o comunista",42 nos tempos de Coimbra, poderão tê-lo motivado nesta sua opção militante. Por via de Alves Redol, que o levara para o seio do grupo neo-realista de Vila Franca, é patente, não só a ligação com o grupo de "O Diabo", como ao Partido Comunista; data de 1 939, uma carta daquele para Soeiro que principia por "Prezado Camarada"43, cujo assunto consistia na preparação de um Serão de Arte em Alhandra, no qual Alves Redol e outros companheiros iriam participar. A organização de sessões culturais em instituições operárias e cívicas (que Soeiro já vinha promovendo na segunda metade da década de 30 , embora inicialmente sem certezas de uma 40 Carta de Fernando Piteira Santos, original manuscrita timbrada de "O Diabo", acerca dapublicação (ea eventual censura) de uma Crónica/contodeSoeiro (talvez a que saiu a 5 de Outubro de 1940 - Crónica (Eu e êle - companheiros de um dia]). MNR A2/6.2.1O 41 Carta de Fernando Piteira Santos, escrita da Nazaré, a 10 de Setembro de 1940. MNR A2/6.2.9 42 Reis, ManuelaCâncio. A Passagem. Uma Biografia de Soeiro Pereira Gomes. Lisboa: EditorialCaminho (Biografias). 2007. 43 Carta manuscrita de Alves Redol. MNR A2/6.2.3. 29 -
  • 31. OP"ERAR lOS E CA MP.ONESES! Trabalhadores ! Fil.hos e filhas d � nosso Povo! G R E V E D E D O I S D I A S p e l o Pã o e p e l Q S . <Sénl:!�os ! 01'(''';01 c o�r�rlu ! t:ami'nre;c', e cunrOn!UI! Comti"�tiro;:i�'Ir.b.lh�e. de ,o{,illlenlot 'rrmio.! no fomee fi:> mi.ri;)! Vdhol (·"nll"o"heiro• •tll lulu (lmpOlltUI.!t ",.10 de Uln e du /{rnu opcrhi,U dr julho.•�",,,.! " . ' .' .11 VO� do partido Conwnisla de novo vos chama para a lula. l �O�,��la de pedir'c de felicitu. n�ll. de io!,u. DII�� de e'r"l que ,. ",,," C p�!� fome 001, l'�b� butt ele S�'!t��l��I{��i�t:��:.•���II'��;:'�:� i llr:�·�,:�I��b����'II�:!�d: r ::;��.d�::�I�:��,�!:·(lO���:;:r�� I oul" � ol,lnlllçõ!JIlIc." n '<mt'Du�m .• III�m"HClr, I UPfC'btn, ;J IOllb�r1<.. poJO .o.III�fnlode qUI o p<lYOv�;::�::��Dío t ..ln. <111(111 r.:ío r'eme :Dln pod: Inbllh.r� , " ,., " • V.11.12:t�r.1I���h:r��"��o�'::::Ipo��·tbfi'���::��·c��;;,,��:,!·IIO��J.��.�I ����a:"r:�:I����:!. �::�'to,aJ����:��i�':� ' �:e r ,�:1���� I !'r!�:�;�1����:n���I;�I�:��"Q��:':lfh:::'� t I�er�:::rf t :! ����� �,'�!id�d:��l����.�::;���c1�trft�"�t�':,;,/,��:,:�·�it�:,9o�ce:I'�::':a��.e..�'p��iJ:,:jd:lg:t.;:�d,ej:I�::" ''''' ' d' ·''''!'' Que nos ' dias :8 ' e 9 de. m · ai� . PARE O TRÁBALHO NAS FABRICAS E EMPRÊSÁS ; :. PARE . 0: , TRA.B./iLHO:. NO� CAMPOS QlIf. "'" "ln ti c () dt .II.uio, .,1'0.0 d:lç, h'r!.u ; '!l . IIIC cont".,UJ,,,.,, Queu lunl�OIhomenr, U1111hr• .EM"·"CRANDES. 'MANIFESTAÇÕÊS ,D( PROTESTO p e l o ' P ã o ':,e: pelós G é n e ros , Rerolcô. i�:.b_.'h'.dor•• d'_ relll",o II. LI.i.�'_1 ). ynt! NI �nhldo ..u� 8 '1'IuenU;u ' ' O IUI rchiudlr'l(6u lO) r�troD'IO. plrali,.if, Ir'b�lho. C21 l(fUi':l rud m.nlr(lI.i�6c.tde rUIptlo p::o I ib!�,jt,�,�rib;(����� I .�:h�?�6:r�:.,�il:!:��1��;:b!:,'!ba��:Iro��.OIÔ i ::'lr!I���l�"::�'��I�!b: :��:!i:,�,�':'j��:;i��;·;��h:��:,�%·;;�, �h��o��l::."o�J�:hi�,�;:" d�o��'·::iJ��·b�:�:�!�, o :,�i,� Clmh' 6 c'Hn u...:.brlJ, . . . " , • . . ' . . ' : flUI��:.':Ji:,p:;rlli:d,:��I!e:IG::::o:."'D�"�:'';':'�Il:�:·ne�:H�!�ll�l�tl�:' :IO;!"t�.·��!�. , t"IUU, old. �rlltl.";1Ie" ItnJufOllltc, queru, PJo, :' . ' ' 8e, n." dI•• " I! 9J O ,0.e,r!8 t••.II.'.'.·nIll8 u.:lr d• •loí'1:.'. p.r• •am o. ",.,,1- r••tante• •,CIII' ·a...ci.r.t,ll�. ' .. � ' . ',.. ,_ , ', " , . ... .voltcii ao trab!).lho rí'l.') dia ..10;· quarta-feira . Aulm ln,Is rnollr,,jo . tOOU f,)'ç., i.Ygsl'. unilo,I "Olll dllcirJinl, lO ';"'('00 1.,.(ul. e 'v't.plo- �:��c:�;l�!��!��:iJ:d����;(���(:�Lt�.�::�tiI.,:��al��e':o�::b���d��(,:lder�:!�!�O������..;�t,� �1�1l"I�uli�J���·,i:.,,��f,��;b'p:.'n�'&1:lIi��h,Oó.oi::i�!r.oro n c��,:h!��6:�I:h�Od����.�:-rao. ao "ae, •• no. dl.i II ., Ir fi ao�'''.n.' ii. S.I..... d.... d. wlolfrlcl. r.-,r::. faz... oal:.r O po.o. lO: cnlli, c.J:'IlfI .õ, .. r(,r�.,arml,I.�;tonlollo,!(,ldJd� I ruêrcm (IJU tomum coru o rei,', 11I:�i,lhcl <Iue H'" 01 ,eus l:m;QJ de cl.ue e de IIn!:ur, 'Se o 10l!tao flJcI,u p'cndu eJ Utbllh•.tar!t t: ucreu ,fllli�ci�, c...... luo. ,1"JCIIC�d��r4 •!,e(lljICllldt. Oporo tuilli,S, tm m.�.... O 1'.lti�o C�H'!'U,,;.I', no momenl('l 11I1IO, 0< t"JIC.1.rA Q CJ'nlnhu • t�II"Ir, 'yo,'indu:�r' o Clmlnhl> di ,,6rla, O PIIHdo l:c'..munl..� formou U,., 00",116 DI,.i"eQte d. Ore•., qle'" III.fo,:!li·a "O teU p6110IlJU oriulJr IJljudar01 h.t;,·Ihld()l'rJ. " . ,.. , • • • . " , 3- N<l' d,....R c 9 & m,i". ,"tJ:'I .'n::.çi" rOIIl,�U�1I aCompuhu" 1 lulld:ai nu,," populs,u,' Yd$� soldados elo ex/reifoJ ' cla :J>5J>J ela gPR.J .,ill. fllhar do 1>0'"" rtrJ.dol,r"u!"ittl;5f,n�ncHe mrlr.llh,r Çl VOIIOI Irmlp. lI�h)lh,d"ru. . , VdsJ oficiais 'CJnIiM/ascisf(!s � palrioltts} ,rccu..ltl. úu o,dellS d. ..Ioli!la."" ,6:" ( 0 ;0'.0. " , , • ' . • . • ' , ' , ,Vds, pequenos lavr.,dorlsJ C:om.rcialJ/u e (rtc{tls/riais, lpoutfh II Irç&.FO,")"::',""'lU", lO: "·rir.':'!. "oo(" ,C) '�IOpuSprio inilr.ito: (I ta" 'lIo r'.schl. de5.1,,r. . vt�. "flTI·FASCI5TA!!i � PITp.IOTle. VÓS, PORTUGUESES IIO.lrAm", 'P 4••(i,rv: lôJa�J' ru,rol1 �; lUlu d3"".mtUIJ,, O ro;oT"IIh1tch JH3111�,se POnu. o rrinJdo uh,urilj• .te (OCDt, leuor e tlll,�o, , Trélbalhadores ! Unidos .até à vitória. , A L U T A ! ' I) Stcrtll��Jo do-CVmht-ç�",.)i ao P.rtiJo-C0I'l1l.l!lin3.p..:>fIU$�'�1 Página do 'Bloco de Notas' de Soeiro Pereira Gomes. Manifesto do PCP apelando à "Greve pelo pão e pelos géneros", em 1 944. 31 -
  • 32. intenção politizada, porque pensamos que a motivação fosse sobretudo de cariz humano e social) ou a criação de bibliotecas populares, com leitura e alfabetização, ia ao encontro dos preceitos que mais tarde o partido explicitou: "entrar para sócios de organizações desportivas e recreativas" e "procurar aproximar-se dos operários e camponeses por meio de aulas, leituras ou por quaisquer outros meios úteis à vida destes, conseguindo assim captá-los e ligá-los ao nosso Partido".44 Para Soeiro, a partir de 1 940-41 , e coincidindo com a publicação de "Esteiros", essa actividade de conferencista e de dinamizador, já com um propósito militante, foi-se intensificando. Aliás, corroborado pelo próprio Avante, um ano após a morte do militante, em 1 950 , que "foi a partir de 1 940-41 , período da reorganização do partido, que a dedicação de Pereira Gomes ao Partido e à causa do povo mais se fez sentir, continuando em ritmo ascendente"45. À época, Soeiro foi, com António Dias Lourenço, depois da saída de Redol, um dos principais estruturadores do partido na zona industrial e rural do Baixo Ribatejo, através do respectivo Comité Regional da Federação Portuguesa das Juventudes Comunistas, além de já fazer parte da célula da Fábrica Cimento Tejo e de integrar o Comité Local de Alhandra. Além de reuniões secretas ou distribuição de propaganda, outras acções políticas tinham a ver com o conhecimento de documentos e textos políticos que eram lidos, analisados e discutidos, fosse em ambientes mais descontraídos, como nos Passeios do Tejo a bordo da fragata Liberdade, ou nos montes das redondezas, em encontros mais restritos com elementos claramente empenhados, em que, por exemplo, Soeiro lia o "Manifesto Comunista" e ajudava os mais novos e menos conhecedores, "numa clandestina exegese, (. ..) a analisar e a apreender".46 Sendo um dos responsáveis regionais, e depois das falhas e deficiências sucedidas nas malogradas greves de 1 943 no Ribatejo, encabeçou, no ano seguinte em Alhandra e na zona 44 D Militante. 21Julho1943.Gil. por Pereira, José Pacheco. Álvaro Cunhal- Uma biografiapolitica. Volume2: "Duarte», o DirigenteClandestino (1941- 1949). Lisboa: Temas e Debates, 2001, p. 129. 45 "Há um ano morreu Joaquim Soeiro Pereira Gomes". lnAvante!. S. 6, nO 154 (Dez. 1950), p. 1. 46 Santos, Arquimedes da Silva. Testemunhos de neo-realismos. Lisboa: Livros Horizonte. 2001, p. 29. 32 -
  • 33. ribeirinha de Sacavém a Vila Franca, um dos movimentos grevistas mais marcantes deste período, pela extensão da mobilização e pela consequente e violenta repressão de que foram alvo os grevistas e os que participaram na 'marcha do pão' Soeiro, pertencente ao Comité Regional da Greve do Baixo-Ribatejo, foi um dos impulsionadores naquela zona, da Greve de 8 e 9 de Maio de 1 944, a 'Greve pelo Pão e pelos géneros'. Movimento grevista, de extensão nacional, em que Alfredo Dinis, o "Alex" a quem após a morte o escritor dedica um texto "Última Carta"47, teve um papel decisivo na mobilização interna - ao próprio comité central e secretariado -, e externa - no apoio às bases e às células. Acerca da elaboração do "Manifesto do PCP apelando à Greve" do Secretariado do Comité Central, distribuído nas vésperas do dia 8 de Maio, não é atribuída autoria, como aliás em muitos dos documentos do partido, por questões ideológicas relativas ao conceito de 'colectivo' . Se há "no manifesto um tom intimista como se a voz do PCP fosse uma voz familiar (00') [relativamente] aqueles a quem chama «velhos companheiros»48 (00') [, uma] proximidade, esta falta de distanciamento" talvez se deva ao facto de, provavelmente, ter sido escrito pela mão de Soeiro. Encontramos no 'Bloco de notas'49 do seu espólio, uma página com o rascunho do texto do manifesto, no qual as datas (talvez ainda por decidir) estão em branco (em pontilhado). Este é um dado que pode elucidar sobre o envolvimento activo de Soeiro na preparação das Greves de 1 944, na região de Lisboa. O escritor, aliás e como seria natural, dado o seu à-vontade com as letras, já diversas vezes tinha sido convocado para escrever pequenos apelos, manifestos ou textos de protesto que circulavam clandestinamente, em particular a nível local, no meio fabril da zona de Alhandra. Na sequência da violenta repressão da marcha entre Alhandra e Vila Franca que terminou com a detenção, durante quase dois dias na Praça de Touros, e das perseguições, buscas e prisões que se lhe seguiram, Soeiro Pereira Gomes passa à clandestinidade a 1 1 de Maio de 1 944, 47 Cópia dactilografa com emendas manuscritas. dedicada ao camarada Alexandre (Alex). MNR A2/2.12. " Pereira. José Pacheco.Álvaro Cunhal - Uma biografia política. Volume2: «Duarte», oDirigente Clandestino (1941-1949). Lisboa: Temas e Debates, 2001. p. 396-397. " MNR A2/2.3. 33 -
  • 34. dedicando-se totalmente ao partido. Como tinha antecipado mais de dois anos antes, numa das cartas ao irmão Alfredo: "Se amanhã for preciso ou me pedirem que largue a literatura para usar o braço noutra coisa tendente ao mesmo fim, largo a literatura, E isto será - e oxalá - o mais certo".50 A literatura ou a vida 'normal', de um dia-a-dia vulgar? Nessa tarde saiu de casa para, contra as suas próprias esperanças, não voltar mais: "Ele contou-lhe, enquanto arrumava à pressa os seus livros e papéis, que a polícia o procurava, por causa da greve. - E agora, Raul?! - Passarei à vida clandestina; continuarei a lutar. E como ela se encolhesse toda perante a derrocada que as suas palavras provocaram, ele tentou consola-Ia: - Mas tu podes ficar. Não tenho o direito de te arrastar para uma vida de sacrifícios que te desagrada. Ela pôs-lhe a mão na boca, desesperada E antes que ele abraçasse, comovido, gritou-lhe: - Eu vou contigo! O meu lugar é ao teu lado".51 Na noite de 11 para 12, Soeiro foi acolhido por Alexandre Cabral, na sua casa em Lisboa; dois dias depois, a sua residência em Alhandra foi alvo de buscas pela PVDE52, a sua mulher Manuela detida como coerção para que Soeiro se entregasse. 50Carta de 12deJaneiro de 1942. Cito por Ricciardi. Giovanni. SoeiroPereira Gomes. Uma Biografia Literária. Lisboa: Editorial Caminho (CoI. Universitária). 1999, p. 110. " Possivelmente páginas do romance "Comunistas" ou do "Diário dum foragido (Crónicas)". MNR A2/2.14/B. 52 Policia de Vigilância e Defesa do Estado. designação da PIDE. anterior a 1946. 34 -
  • 35. o escritor militante não cedeu, e começou uma nova vida, vida de fugas e refúgios, de cuidados e resistência. Substituiu como funcionário do partido Dias Lourenço, ficando responsável pela Direcção Regional do Alto Ribatejo, e começou a usar o pseudónimo de Serrano; também lhe são atribuídos os de Vaz e o de Silva. Na clandestinidade, viveu em Pernes, perto de Santarém, fez parte da comissão executiva do MUNAF53, movimento que se tinha começado a formar em 1 942 e assumido publicamente dois anos depois. Criou o "Ribatejo - Boletim Regional de Unidade Nacional Antifascista", órgão daquele movimento para a região ribatejana, encarregando-se da sua redacção e direcção desde o n o 1 , em Novembro de 1 945, ao Verão de 1 947. Após a saída do país de Álvaro Cunhal, Soeiro substituiu-o como elemento de ligação da Direcção do Partido com o MUNAF, no ano seguinte ao da sua eleição para o Comité Central do PCP no IV Congresso (ou II Ilegal) em 1 946 ; há quem coloque a hipótese de já fazer parte desta estrutura de topo, no ano anterior, depois das prisões que ocorreram, e por alguns membros do Comité Central terem sido despromovidos (Piteira Santos e Joaquim Campino), expulso(?) (Forjaz de Lacerda) ou morto pela PIDE (Alfredo Dinis).54 Em Abril de 1 949, era um dos 7 elementos do Comité Central que permanecia activo,55 mesmo depois de já se ter diagnosticado a doença que o levaria à morte. Escreveu, em Agosto de 1 946 , o texto político "Praça de Jorna"56, ensaio sobre o ajuntamento dos assalariados rurais para conseguirem trabalho, redigido com um particular cuidado didáctico e que foi publicado em "O Militante". Na revista clandestina "Ressurgimento", publica o texto "Unir e lutar".57 Um outro interessante texto político que integra o seu espólio, e que não conseguimos datar, pois pode ter servido de base a alguma 5 3 Movimentode Unidade Anti-Fascista. S< Pereira. José Pacheco. Álvaro Cunhal - Uma biograliapolítica. Volume2: «Duarte". o Dirigente Clandestino (1941-1949). Lisboa: Temas e Debates. 2001. p.876. 55 Como suplente. juntamente com Octávio Pato. 56 Opúsculo editado pelaOrganização dos TécnicosAgrícolas da DREL do PCP; com ilustrações de Álvaro Cunhal; impresso a 22 Setembro 1976. MNR A2/4.7. 57 MNR A2/4.8. 35 -
  • 36. palestra ainda antes da clandestinidade, ou ter sido escrito depois, é um artigo sobre os meios de produção e a força do trabalho.58 Ainda nesse ano, participou de um modo muito empenhado na Comissão dos Escritores, Jornalistas e Artistas Democráticos (C.E.J.A.D.) do Movimento de Unidade Democrática (M.U.D.), como revelam algumas cartas do espólio. Nessa correspondência, o escritor fazia sugestões de actividades e modos de intervenção aos intelectuais, chamando a atenção para o papel que esta Comissão poderia ter na denúncia internacional da situação de Portugal, nomeadamente, no Congresso Internacional de Escritores; numa última carta, manifestou-se sobre a subscrição do protesto contra a demissão e prisão dos professores Bento de Jesus Caraça e Azevedo Gomes, por parte do ex-deputado Ângelo César, fazendo ainda referência ao assassinato do médico Ferreira Soares.59 A adesão de Soeiro ao MUD tinha ocorrido em 1 945, assinando a lista que integrou inúmeros escritores e intelectuais, permanecendo até depois do lançamento da candidatura do general Norton de Matos, em Julho de 1 948. Foi uma época em que Soeiro saiu do Ribatejo e andava por Lisboa em contactos com representantes do MUNAF e do MUD. No seu espólio encontram-se vários apontamentos em tópicos, como propostas de actividades para "reunião dos intelectuais" do Partido: "- Obras e escritos sobre Tarrafal", no plano "editorial: livros nacionais", "publicação duma revista doutrinária - traduções - jornal de combate Réplica", " - Angariação de fundos: exposições, festas de arte, plano de infiltração no teatro e cinema", " - Poemas sobre a vida ilegal, - folheto sobre política do vaticano"6o, " - Desenhos (jornal?) alusivos ao Estado Novo - crítica pi [pela] caricatura, - Apelo aos intelectuais para a defesa da paz".61 Embora numa situação de ilegalidade, Soeiro continuava atento ao que se passava no país e 58[Texto sobre meios deprodução e força do trabalhaI. MNR A2/4.10. 59 MNR A2/6,1.4/A e B, MNR A2/6.1 .5. MNR A2/6 1 .6/A. 60 Do espólio faz parte um texto politico "[A Igreja Católicavoltaa desempenhar...]". sobre o apoio da Igreja Católica aos regimes fascistas e nazi, e aos movimentos anti-soviéticos. MNR A2/4.5. 61 A reunião dos intelectuais. MNR A2/4.6. 36 -
  • 37. no mundo, como mostram os poucos documentos que restaram; por exemplo, as " [Notas sobre as Eleições presidenciais e aspectos sacio-económicos do país] ", um conjunto de apontamentos acerca das eleições presidenciais de 1 949, da política económica, sobre o imperialismo, a crise agrícola-industrial, a balança comercial, as colónias, e os monopólios62; ou a transcrição(?)manuscrita de um texto do rHumaníté por Florímond Bouté,63 com a data de 28 de Fevereiro de 1 946 . No constrangimento de liberdade da condição de clandestinidade, Soeiro numa noite de Inverno de 1 947, quando fazia uma jornada de bicicleta nos arredores de Pernes, a caminho de Alcanena, pressentiu a perseguição e, na fuga, deu uma grave queda. A partir daí, a saúde foi abandonando-o, a ele desportista, incansável obreiro, caminheiro clandestino; detectaram-lhe, em análises posteriores, um cancro. A circunstância de viver na ilegalidade dificultou os tratamentos; "alguns militantes intelectuais foram chamados a participar em tarefas relacionadas com a necessidade de levar Soeiro ao médico"64 porque havia exames que não podiam ser feitos em casa. No Verão de 1 949, Soeiro esteve no Porto na casa de Nina Perdigão, morada segura, pertença de uma família abastada, e por isso menos suspeita, aonde se abrigaram também outros militantes clandestinos, como Cândida Ventura65 e Pires Jorge. Deve ter sido nessa ocasião, documentada fotograficamente, que se encontrou com a irmã Berenice e com os pais.66 Nessa residência foram batidos à máquina, os contos escritos na clandestinidade, dando origem à primeira edição clandestina "Contos Vermelhos: 1a parte" em papel bíblia amarelo.67 Da sua produção literária durante a clandestinidade, para além das três narrativas de "Contos Vermelhos" (Primavera de 1 945, Novembro de 1 948 e Janeiro de 1 949), projectos houve 62 [Notas sobre as Eleições presidenciais e aspectos socio·económicos dopaisl. [pos!. 21 Abr. 1949). MNR A2/4.9. " MNR A2/4.14. 64 Madeira, João. Os engenheiros das almas. P Partido Comunista e osIntelectuais. Lisboa: Editorial Estampa, p. 186. 65 Que na clandestinidade era conhecida como '�oana", e também anteriormente assinava como "Margarida". 66 MNR A2/8.20. 67 Legado por Francisco Melo, que inclui os contos: "Refúgioperdido", "O pio dos mochos' e "Mais umherói",este incompleto (faltapelomenos a últimafolha do documento). MNRA2/2.17/A. 37 -
  • 38. que ficaram inacabados. Porém, Soeiro conseguiu ainda trabalhar na última versão de "Engrenagem", re-atribuindo-Ihe o título de "Embate"; em cima de uma cópia dactilografada, terminada a Setembro de 1 944, já na ilegalidade, o escritor acrescenta, emenda, reescreve. Revogará com este seu trabalho, ao longo dos subsequentes cinco anos, o que tinha afirmado em 1 944, acerca do estado inacabado do seu segundo romance? Será que esta versão68 terá sido considerada pelo próprio escritor a última e acabada? Fica a interrogação, mas também há certeza que, a de 1 944, publicada em 1a edição em 1 951 69, não cumpre as correcções e a reescrita dos seus últimos anos70. Ainda desse período, remanescem apontamentos num bloco de notas com folhas soltas,l1 descrevendo personagens, cenas, lugares e sequências de enredo, do que se julga ser - por encabeçar o caderno - para dois livros: um romance "Companheiros", já em fase avançada de concepção, e um livro de crónicas "Diário de um foragido", ao qual pertence provavelmente a "Última carta" (de 1 945). Quatro folhas manuscritas, sete páginas, anteriormente inventariadas como dois documentos distintos, deslindam-se, na reinventariação do espólio que actualmente decorre, como pertencentes a um só texto: " [O almoço que ela preparara com desvelo. . .]". 12 Sem relação de personagens ou situações com o romance "Companheiros", que está bem anotado no referido 'Bloco de notas', estes fólios poderão constituir uma das crónicas do "Diário de um foragido". Mas, pelo conteúdo do conto, pela sua estrutura que faz adivinhar, não apenas uma história antecedente, mas uma delineada progressão, ousamos aventar que pode constituir um excerto do romance "Comunistas"73, mencionado por Jaime, irmão de Soeiro. 68 MNR A2/2.2/C. 69 o dactiloscrito foi executadoprovavelmenteentreJulho 1944 e Setembro 1944, na clandestinidade. Esta versãofoi publicadana l' ediçãodo livro em 1951. MNR A2/2.2/B 70 Versãoque foi fixada emObra completa. Lisboa : Editorial Caminho, 1992. lntr. de LuisAugustoCostaDias. Inclui "Esteiros", "Engrenagem", "Contos Vermelhos" e "Contos e Crónicas". 71 MNR A2/2.3. 72 Original manuscrito. MNR A2/2.13/B. 73 Esta hipótese vai ao enconlro da mesma questão levantada porGiovanniRicciardi, op. cit, p. 184. 38 -
  • 39. Precisamente três meses antes de morrer, escreve as suas disposições testamentárias que entrega a este seu irmão: "As minhas últimas disposições Prevendo que pouco tempo terei de vida, expresso aqui as minhas últimas disposições. Peço ao meu querido irmão Jaime que as ponha em prática. 1 ) Os direitos deautordo meu romance Esteiros, assim como de quaisqueroutras publicações minhas, ficarão a pertencer ao meu partido - o Partido Comunista Português. 2) O manuscrito e as cópias do meu romance inédito Engrenagem ou Embate serão destruídas, por não lhe achar mérito bastante para ser publicado. 3) Aos meus sobrinhos João Paulo e José Pedro será dada metade da minha corrente de ouro. A medalha da mesma ficará para a minha mulher. 4) O meu irmão Jaime ficará com a minha cigarreira de prata, e os meus outros irmãos e irmãs poderão escolher, entre os meus fracos trastes, qualquer lembrança. 5) Ao meu afilhado (o filho do escritor A. R.74) será entregue um pequeno talher de prata que está num estojo, e também a minha caneta e lapiseira. 6) Os meus botões de punho serão entregues à camarada que, usa o pseudónimo de Carlota. À camarada Margarida será dado o meu relógio de pulso, se, antes, não lhe tiver oferecido um novo. 7) Os meus livros serão entregues, em partes equivalentes, às bibliotecas do Alhandra Sporting Club e Sociedade Euterpe Alhandrense, excepto os livros de técnica agrícola, a que o Partido dará o destino que entender. Em 5 de Setembro de 1 949 Joaquim Soeiro Pereira Gomes" 74 Alves Redol (A.R.). O filhodo escritor, António Mota Redol é afilhado de Soeiro PereiraGomese de Cândida Margarida Ventura. 39 -
  • 40. Cada vez mais doente, e já em Lisboa, a irmã Alice e o cunhado Adolfo Casais Monteiro conseguiram ainda interná-lo, no Instituto Português de Oncologia, com um nome falso. Sem esperanças, a família levou-o para casa na Avenida Luís Bívar, onde morreu a 5 de Dezembro de 1 949. Soeiro, algum tempo antes de morrer, escreveu às suas tias Natividade e Maria Cândida que continuavam a viver em Gestaçô, a sua terra. Mais do que uma explicação da sua ausência e silêncio, foi o seu testemunho por uma opção de vida, expresso de um modo simultaneamente afectivo e consciente. Foi pelo sonho, pela utopia que Soeiro cumpriu a 'estrada do seu destino', e em coerência ideológica, ou idealista, fez a sua escolha, a escolha pela sua 'vocação', última e primeira, e não 'perdida', a de "Ser poeta [e] sonhar a vida inteira": "Minhas queridas tias (.. . ) desde há alguns anos em que sou considerado estrangeiro na própria terra, por amor à terra e aos homens. (.. . ) E cheio de esperança em melhores dias - no dia da liberdade que há-de vir para todos os portugueses - espero a hora (. . .) Esse dia virá, queridas tias, E, então, de viva voz, hei-de explicar-lhes bem por que tenho e por quem tenho lutado e sofrido, como tantos que na história dos séculos sonharam com um mundo melhor, sem misérias e sofrimentos - um mundo de paz e amor e felicidade para toda a humanidade."75 75 Carta para as tias Natividade e Maria Cândida. Originat dactilografado com emendas manuscritas. MNR A2/6.1.7. (sublinhados nossos) 40 -
  • 41. Bibliografia Bibliografia Activa Monografias Esteiros. Lisboa : Edições Sirius (Romance, 2). 1 a edição, 1 941 . Capa e desenhos de Álvaro Cunhal. MNR GMS/LiV2223 Esteiros. Lisboa : Edições Sirius (Romance, 2). 2a edição, 1 942. Capa e desenhos de Álvaro Cunhal. Autoria: Pereira Gomes. MNR GMS/LiV31 1 8 Esteiros. imp. Lisboa : Editorial Gleba (Romancistas de hoje, 5). 3a edição, 1 946. Desenhos de Álvaro Cunhal. Autoria: Pereira Gomes. Desenho da capa inspirado no 2° desenho original de Álvaro Cunhal (para "Outono") de autoria desconhecida. MNR GMS/LiV241 1 Esteiros. imp. Lisboa : Publicações Europa-América (Século XX, 43). 4a edição, 1 962. Capa de Sebastião Rodrigues. MNR GMS/LiV0751 Esteiros. Lisboa : Publicações Europa-América (Livros de Bolso, 1). 1 971 . Desenho da capa de Dorindo de Carvalho. MNR GMS/LiV0850 Esteiros. Lisboa : Edições Avante. 1 977. MNR GMS/LiV0750 Esteiros. Lisboa : Edições Avante. 5a Edição, 1 979. Desenhos de Álvaro Cunhal. Introdução de Isabel Pires de Lima. MNR GMS/LiV 091 5 Esteiros. imp. Lisboa : Círculo de Leitores (Romances Portugueses - Obras-primas do século XXI dir. David Mourão-Ferreira). 1 988. Capa de Antunes. Introdução de Isabel Pires de Lima ( incluindo: Perfil biográfico, A obra de SPG no contexto do movimento neo­ realista, "Esteiros" ou a arte de sonhar o futuro, Bibliografia, Antologia Crítica, Cronologia Comparada). MNR GMS/LiV1 731 Esteiros. Mem Martins : Publicações Europa-América (Livros de bolso, 1). 9a edição, 1 990. Desenho da capa de Dorindo de Carvalho. MNR GMS/ LiV2165 Esteiros. imp. Lisboa : Editorial Caminho (Caminho jovens. Grandes romances da literatura juvenil, 26). 1 993. Capa sob ilustração de José Miguel Ribeiro. MNR GMS/LiV3765 Esteiros. Lisboa : Editores Reunidos (Narrativa actual). 1 994. MNR GMS/LiV3702 Esteiros. Lisboa : Planeta DeAgostini (Os grandes escritores portugueses actuais / dir. Urbano Tavares Rodrigues). 2000. Nota biobliográfica de Urbano Tavares Rodrigues. MNR GMS/LiV6834 Esteiros. Porto : Edições Asa. 2002. Ilustrações de Álvaro Cunhal. Retratos de Soeiro Pereira Gomes por José Rodrigues e de Álvaro Cunhal por Armando Alves. Prefácio de Urbano Tavares Rodrigues. MNR GMS/LiV7429 Esteros. Tradução de Mário Merlino. Madrid: Alfaguara (Juvenil Alfaguara, 330). 1 988. Desenho da capa de Fuencisla dei Amo. MNR GMS/LiV1 732
  • 42. Engrenagem. Porto : Edições SEN. [1]a edição, 1 951 . Apresentação de Alice Gomes. Com retrato de Soeiro Pereira Gomes. MNR GMS/LiV651 2 Engrenagem. Mem Martins : Publicações Europa-América (Livros de bolso, 50) . 2a edição, s.d. MNR GMS/LiV01 67 Engrenagem. imp. - Lisboa : Europa-América (Os livros das três abelhas, 42). 3a edição, 1 964. MNR GMS/Lit/2580 Engrenagem. imp. Mem Martins : Publicações Europa­ América (Livros de bolso, 50), 1 973. MNR Bib. Alexandre Cabral ex. 13 Engrenagem. imp. Lisboa : Edições Avante (Obras de Soeiro Pereira Gomes), 2a edição, 1 983. MNR GMS/Lit/01 69 Contos vermelhos: ta parte. Edição clandestina, policopiada, 1949. MNR A2/ 2.1 7/A Contos vermelhos. [1 ]a edição, 1 957. Lisboa. MNR A2/ 2.17/B Contos vermelhos [Texto fotocopiado]. s.l. [2]a edição, 1967, Desenhos de Álvaro Cunhal para "Esteiros". Inclui "Refúgio perdido", "O pio dos mochos" e "Mais um, herói". MNR GMS/LiV31 06 Contos vermelhos [Texto policopiado]. [Porto] [3]a edição, 1 971 . Inclui "Refúgio perdido", "O pio dos mochos" e "Mais um herói". MNR GMS/ LiV3621 ,12 - Contos vermelhos. Lisboa : Movimento da Juventude Trabalhadora. 1 974. Inclui "Refúgio perdido", "O pio dos mochos" e "Mais um herói!". MNR GMS/LiV0476 Refúgio perdido : inéditos e esparsos. Porto : Edições SEN. [1]a edição, 1 950. Notaprévia de Manuel de Azevedo. Capa de Veloso e Mário Bonito. Inclui "Pequena entrevista a Pereira Gomes", Contos: "O Pàstiure", "Estrada do meu destino", O capataz", "Coisas quase inacreditáveis", "Um caso sem importãncia", Crónicas: "As crianças da minha rua", "O meu vizinho do lado", "Pesadelo", "Companheiros de um dia", "Alguém", "Breve história dum sábio", e "Fogo! (Páginas do romance inédito "Engrenagem»" MNR GMS/LiV4571 Refúgio perdido e outros contos. [Lisboa] : Edições Avante (Obras de Soeiro Pereira Gomes), 1 975. Evocação de Soeiro Pereira Gomes, por Dias Lourenço; Prefácio de Augusto Costa Dias. Capa de Luis Filipe da Conceição. Inclui "Contos Vermelhos", Outros Contos ("O Pàstiure", "Estrada do meu destino", O capataz", "Coisas quase inacreditáveis", "Um caso sem importância"), Crónicas ("As crianças da minha rua", "O meu vizinho do lado", "Pesadelo", "Companheiros de um dia", "Alguém", "Breve história dum sábio"), "Pequena entrevista a Pereira Gomes", e "Última Carta". MNR Biblioteca Alexandre Cabral ex. 1 5 Contos vermelhos e outros escritos. Lisboa: Edições Avante. 2009. Edição comemorativa do centenário do nascimento 1 909- 2009. Prefácio de Luís Augusto Costa Dias.
  • 43. Inclui "Contos Vermelhos" ( "Refúgio perdido", "O pio dos mochos" e "Mais um herói") e outros escritos ("O capataz", "[As crianças da minha rua] ", "[O meu vizinho do lado] ", "Pesadelo", "[Companheiros de um dia]", "O Pàstiure", "Um conto [Coisas quase inacreditáveis]", "Alguém", "Breve história dum sábio", "Estrada do meu destino, "Um caso sem importância" e "Última Carta"). Praça de jorna. [Lisboa] : Organização dos Técnicos Agrícolas da Direcção da Organização Regional de Lisboa do PCP. [1]a edição, 1 976. Ilustrações de Álvaro Cunhal ("Desenhos da Prisão") MNR Biblioteca Alexandre Cabral cx. 1 5 Obras Completas de Soeiro Pereira Gomes. Mem Martins : Publicações Europa-América (Biblioteca Europa-América, 4), 1 968. Inclui "Esteiros", "Engrenagem", "Refúgio perdida (Contos e Crónicas)". MNR Biblioteca Alexandre Cabral cx.15 Obras completas de Soeiro Pereira Gomes. Lisboa : Edições Avante, 1 979. Introdução António Dias Lourenço. Ilustrações de Álvaro Cunhal. Arranjo gráfico e 3 ilustrações de Rogério Ribeiro. Inclui "Esteiros", "Engrenagem", "Contos Vermelhos", Outros Contos", "Crónicas" e "Esparsos". Edição foi feita por ocasião do 700 Aniversário do nascimento e 300 da morte de Soeiro Pereira Gomes. MNR GMS/LiV3796 Obra completa. Lisboa : Editorial Caminho, 1 992. Introdução de Luís Augusto Costa Dias. Inclui "Esteiros", "Engrenagem", "Contos Vermelhos" e "Contos e Crónicas". MNR GMS/LiV3389 Antologias Um Conto : Coisas quási inacreditáveis. ln Contos e poemas de vários autores modernos portugueses. Lança, Carlos Alberto; Tenreiro, Francisco José (org. e eds.). 1a edição, 1 942. Lisboa : Imprensa Lucas & c.a, imp. Capa de Costa Martins. MNR Biblioteca Alexandre Cabral cx. 1 7 Periódicos Crónica [As crianças da minha rua...] ln O Diabo, na 255, 1 2 Agosto 1 939, p. 4. Crónica [Moro numa casa de dois andares]! [O meu vizinho do lado. ln O Diabo, na 267, 4 Novembro 1 939, p. 8. Vocação Perdida - Trecho de "Esteiros" ln O Diabo, Ano VII, na 307, 10 Agosto 1940, p. 2. Crónica [Companheiros de um dia]. ln O Diabo, Ano VII, na 315, 5 Outubro 1 940, p. 5. O Pàstiure. ln O Diabo, Ano VII, na 318, 26 Outubro 1 940, p. 5. Alguém ln República, 1 6 Novembro 1 942 Um conto / Coisas quase inacreditáveis. ln O Castanheirense, 1 0 Setembro 1 942 ln O Castanheirense, 1 0 Outubro 1 942 Breve história dum sábio. ln O Castanheirense, Ano VII, na 220, 20 Setembro 1 943, p. 2. Um conto de Soeiro Pereira Gomes ln Leitura - Crítica e informação bibliográfica, Ano III, na 35, Rio de Janeiro, Novembro 1 945, p.1 1 -13. 43 -
  • 44. Bibliografia Passiva Monografias AA.W. As greves de 8 e 9 de Maio de 1944. Lisboa: Edições Avante (Documentos para a história do Partido Comunista Português, 6). 1 979. Balsinha, Antónia. As Mulheres de Alhandra na Resistência. Anos quarenta, século XX. V.N.Gaia: Editora Ausência. 2005. Chaves, José António Garcia de. A metade podre da maçã . [Texto policopiado]. Funchal: Universidade Católica Portuguesa, 2001 . Dias, Augusto da Costa. Literatura e luta de classes: Soeiro Pereira Gomes. Lisboa: Estampa, 1 975. Gonçalves, Manuela; Dias, M. Carlos. Soeiro Pereira Gomes, Esteiros : uma proposta de leitura. Lisboa: Básica Editora, 1 982. Madeira, João. Os engenheiros das almas: O partido comunista e os intelectuais. Lisboa: Editorial Estampa, 1 996. Oliveira, Carlos Alberto Marques de. Soeiro Pereira Gomes, Pioneiro do neo-realismo literário português. [Mémoire de Maitresse, Texto fotocopiado]. Paris: Université de la Sorbonne Nouvelle. 1 982-1 983. Pereira, José Pacheco. Álvaro Cunhal- Uma biografia política. Volume 2: «Duarte», o Dirigente Clandestino (1941-1949). Lisboa: Temas e Debates, 2001 . Pimentel, Irene Flunser. A história da PIDE. Lisboa: Círculo de LeitoresfTemas e Debates. 2007. Pina, Álvaro. Soeiro Pereira Gomes e o Futuro do Realismo em Portugal. Lisboa: Editorial Caminho (Letras, 4), Lisboa, 1 977. 44 - Reis, Manuela. Se a vida se lembrar de mim... : Rádio­ Romance. Lisboa: Edição de autor (1 958). Reis, Manuela Câncio. Eles vieram de madrugada. Lisboa: Editorial Caminho, 1 981 . Reis, Manuela Câncio. A Passagem. Uma Biografia de Soeiro Pereira Gomes. Lisboa: Editorial Caminho (Biografias). 2007. Ricciardi, Giovanni. Soeiro Pereira Gomes. Uma Biografia Literária. Lisboa: Editorial Caminho (CoI. Universitária). 1 999. Pref. Urbano Tavares Rodrigues. Rosas, Fernando; Brito, J. M. Brandão (dir.). Dicionário de história do Estado Novo. Vol. 1 . Lisboa: Círculo de Leitores. 1 996. Santos, Arquimedes da Silva. Testemunhos de neo­ -realismos. Lisboa: Livros Horizonte. 2001 . Silva, A. T. Garcez. Alves Redol e o Grupo Neo-Realista de Vila Franca. Lisboa: Editorial Caminho, 1 990. Pref. António Pedro Pita. Ventura, Cândida. O socialismo que eu vivi. Lisboa: O Jornal, 1 984. Vieira, Anabela da Cândida, e outros. Os Meninos-Homens em Capitães deAreia de Jorge Amado e Esteiros de Soeiro Pereira Gomes. Lisboa: Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões, 1 995. Outros AA.W. 50 anos a ler Esteiros de Soeiro Pereira Gomes 1941- 1991. Catálogo da Exposição. Vila Franca de Xira: Museu do Neo-Realismo. 1 991 . Fichas de leitura: "Esteiros» de Soeiro Pereira Gomes. Porto: Porto Editora; Coimbra: Livraria Arnado; Lisboa: Fluminense, (1 978).
  • 45. Periódicos Costa, José Patrício da. "A revista «Carnaval» sobe á cena no próximo sábado". ln Mensageiro do Ribatejo, Ano IV, nO 274, 1 2 Maio 1935, p. 1 . ''A revista «Carnaval» ". ln Mensageiro do Ribatejo, Ano IV, nO 275, 1 9 Maio 1935, p. 1 . "A revista «Carnaval» no Teatro Salvador Marques de Alhandra". ln Mensageiro do Ribatejo, Ano IV, nO 279, 16 Junho 1 935, p. 1 . Costa, José Patrício da. "A piscina do Alhandra Sporting Clube". ln Mensageiro do Ribatejo, Ano IV, nO 287, 1 8 Agosto 1 935, p. 1. Costa, José Patricia da (Entrevista de). "O sr. Pereira Gomes um dos autores do «Sonho ao Luar» faz-nos declarações sobre a revista". ln Mensageiro do Ribatejo, Ano VIII, nO 374, 4 Julho 1 937, p. 2. Costa, José Patricia da. "Teatro em Alhandra". n Mensageiro do Ribatejo, Ano VIII, nO 377, 1 Agosto 1 937, p. 2. ''A revista «Sonho ao Luar» (. . .) obteve um brilhante e assinalado sucesso". ln Mensageiro do Ribatejo, AnoVIII, nO 377, 8 Agosto 1 937, p. 3. "Na «Festa do Riso» efectuada no Éden-Teatro em Lisboa, em benefício da Colónia Infantil do jornal «O Século» a primeira parte foi preenchida pela revista «Sonho ao Luar» ". ln Mensageiro do Ribatejo, Ano IX, nO 401 , 27 Fevereiro 1938, p. 1 . Andrade, João Pedro de. "Esteiros (Romance) por Soeiro Pereira Gomes". ln Seara Nova, (Livros), nO 758, 21 Fevereiro 1 942, p. 26-27. Dionísio, Mário. "Ficha 2". ln Seara Nova, nO 759, 28 Fevereiro 1 942, p. 38. Serrão, Joel. "Esteiros (Romance - Ed. Sírius) - Soeiro Pereira Gomes". ln Horizonte, (Notas de Leitura), Ano I, 8 Março 1 942, p. 2. Gorjão, Felipe. "Um Escritor Antifascista Português: Soeiro Gomes". ln Leitura - Crítica e informação bibliográfica, Ano III, nO 35, Rio de Janeiro, Novembro 1 945, p. 57-58. "A morte de Soeiro Pereira Gomes foi um rude golpe". ln República, 7 Dezembro 1 949. MNR A2/9.58. "Morreu Joaquim Soeiro Pereira Gomes!" ln Avante!, S. 6, nO 145, 2a Quinz. Dezembro 1 949, p. 1 . Monteiro, Adolfo Casais. "Soeiro Pereira Gomes e o mundo da infância". ln O Primeiro de Janeiro, 8 Fevereiro 1 950. MNR A2/9.63. 45 -
  • 46. "Dos nuevas vitimas de la dictadura salazarista". ln Mundo Obrero, 2 Março 1 950. "«Refúgio Perdido» por Soeiro Pereira Gomes". ln O Primeiro de Janeiro, (Das Artes e das Letras - Livros novos), 25 Outubro 1950, p. 3. "Há um ano morreu Joaquim Soeiro Pereira Gomes" ln Avante!, S. 6, nO 154, Dezembro 1 950, p. 1 . Nogueira, Franco."«Engrenagem» Romance de Soeiro Pereira Gomes". ln A semana, (Crítica literária), Ano 1°. N° 12, 2 Junho 1 951 , p. 4. "Engrenagem de Soeiro Pereira Gomes". ln Diário de Lisboa, (Livros e Autores), 22 Agosto 1 951 . p. 5. Dionísio, Mário. " Engrenagem". ln Vértice, vaI. 1 2, nO 1 04, Abril 1 952, p. 1 80-1 81 . Fidanza, Manuel. "A propósito de Soeiro Pereira Gomes". ln A Ilha, ano XIV, nO 1 061 , 26 Julho 1 952. Gaucheron, Jacques. "«Esteiros» par Pereira Gomes". ln LHumanité. 1 3 Dezembro 1 954. p. 2. "Há 10 anos morreu Soeiro Pereira Gomes" ln Avante!, S. 6, nO 284, 2a Quinz. Novembro 1 959, p. 6. 45 - "Soeiro Pereira Gomes - conhece?" ln Comércio do Porto.1 9 Agosto 1 969. MNR A4/9.1 1 9. Lima, Manuel Campos. "A literatura de resistência e Soeiro Pereira Gomes". ln Diário de Notícias, 1 2 Maio 1975. MNR A1 3/4.66 Pina, Álvaro. "A arte de Soeiro Pereira Gomes. . . ". ln Vértice, vaI. 39, nO 41 8/41 9, Março/Abril 1979, p. 133-1 52. Rodrigues, Urbano Tavares. "O real e o imaginário em «Esteiros» de Soeiro Pereira Gomes". ln Revista Colóquio/Letras, n.o 51 , Setembro 1 979, p. 25-34. Lacaze, Gérard. 'Joaquim Soeiro Pereira Gomes e seu romance Engrenagem". ln Boletim Cultural, Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, nO 4, 1 989-1 990. Lourenço, António Dias. ""Os Esteiros» foram publicados há cinquenta anos". ln Avante!, 5 Dezembro 1 991 , p. 22-23. Trindade, Luís. "Soeiro Pereira Gomes e a Engrenagem". ln Vértice, II série, nO 76, Janeiro-Fevereiro, 1997, p. 66-78. Rodrigues, Urbano Tavares. "Soeiro Pereira Gomes ficcionista - poeta pioneiro do Neo-Realismo". ln Vértice, II série, nO 93, Janeiro-Fevereiro, 1999, p. 7-1 4. Ferreira, Serafim. "Em louvor de Soeiro Pereira Gomes". ln Jornal "a Página", ano 8, nO 86, Dezembro 1999, p. 29.
  • 47. Madeira, João. "Nos trilhos da Clandestinidade (1 944-1949). Soeiro Pereira Gomes e o PCP". ln História, nO 20, novasérie, ano XXI, Dezembro 1 999. Lisboa, Ed. Publicultura, p. 58-67. Ferreira, Serafim A censura fascista e os autores portugueses. ln Jornal "a Página", ano 1 7, nO 1 8 1 , Agosto/Setembro 2008, p. 40. 47 -
  • 48. , , Retrato de Soeiro Pereira Gomes, por José Rodrigu�. j � .. , .. ... .. . -"" " -':'" .
  • 49. de aprofundamento. Soeiro desempenha um papel importante na organização das históricas greves de 8 e 9 de Maio de 1 944, integrando o "Comité Regional da Greve do Baixo-Ribatejo" e participando na organização de uma marcha da fome em Alhandra. A PVDE aperta o cerco e, na tarde de 14 de Maio de 1 944, Soeiro Pereira Gomes passa à clandestinidade. Na sua situação de funcionário clandestino, de revolucionário profissional a tempo inteiro, é-lhe confiada a responsabilidade da Direcção Regional do Alto Ribatejo - onde virá a desenvolver um notável trabalho de alargamento da organização, da actividade e da influência do seu Partido. Em Julho de 1 946, no IV Congresso, é eleito para o Comité Central do Partido. Nesse mesmo ano, é destacado para a comissão executiva do MUNAF e acompanha a actividade dos militantes comunistas no MUD. Passa pouco depois a ser o elemento de ligação da Direcção do Partido com o MUNAF. * Entretanto, o escritor continuava; continuava escrevendo. Em Agosto do ano de 1 946 escreve "Praça de Jorna", que é publicado no Militante. "Praça de Jorna" é um notável texto sobre um problema concreto de organização económica, social e política de massas camponesas (ou, mais rigorosamente, de assalariados rurais). O texto, que se desenvolve ao longo de 8 secções numeradas, abre com a descrição do que os próprios assalariados rurais chamam "praça de jorna" ou" praça de trabalho" e com um esboço do seu significado histórico e fecha, ligando a tarefa de utilizar as "praças de jorna" e a formação de comissões de Praça e outras estruturas de Unidade Camponesa, com a construção de "um Movimento de Unidade Camponesa para o derrubamento do fascismo". Entre esses dois momentos, o texto argumenta a necessidade de defender e criar praças de jorna, entendidas como fruto da sociedade capitalista, espaço da luta de classes e terreno em que os camponeses se podem e devem unir contra os senhores das terras. O texto começa por uma questão de terminologia que o seu autor articula com 52 -
  • 50. casa, encontram-se outros intelectuais comunistas - escritores como Alves Redol, Sidónio Muralha e Alexandre Cabral. * Em 1 941 publica o seu primeiro romance, Esteiros, nas Edições Sirius, com capa e desenhos de Álvaro Cunhal, a quem o ligava uma grande amizade. Esteiros é um dos primeiros romances neo-realistas e um dos mais belos romances de adolescência da literatura portuguesa. Esteiros abre como uma dedicatória: "Para os filhos dos homens que nunca foram meninos, escrevi este livro". Essa dedicatória, justamente célebre, homenageia solidariamente as suas personagens. * Entretanto, Soeiro passa a integrar o Comité Regional do Ribatejo e participa da reorganização de 40-41 que, consolidada nos III e IV Congressos do PCP (os dois primeiros Congressos na clandestinidade), vai preparar o partido para se transformar de partido de vanguarda da classe operária, simultaneamente, em grande partido nacional que, sem perder a sua natureza de classe, se torna a força aglutinadora e unificadora das forças sociais cuja aliança e convergência exprimia a "unidade da nação portuguesa na luta pelo pão, pela liberdade e pela independência" (do relatório de Álvaro Cunhal ao III Congresso), e era necessária para abrir "o caminho para o derrubamento do fascismo" (IV Congresso). É por essa altura que Soeiro, com Redol e Dias Lourenço, organizam os célebres passeios de fragata no Tejo - que eram formas de proporcionar encontros entre intelectuais e quadros do PCp, fora do alcance da vista e dos ouvidos do inimigo fascista. A integração do intelectual revolucionário no partido da classe operária entra numa nova fase 51 -
  • 51. Joaquim Soeiro Pereira Gomes nasceu há 100 anos, em 1 4 de abril de 1 909, em Gestaçô, concelho de Baião, no distrito do Porto. Morreu há 60 , em 5 de Dezembro de 1 949, em Lisboa. Morreu relativamente jovem, alguns meses depois de ter feito 40 anos. Filho de uma família de pequenos agricultores, fez a instrução primária, em Espinho. Com 21 anos concluíu o curso de regente agrícola na Escola Nacional de Agricultura de Coimbra. Em 1 930 , parte para Angola, onde, trabalha como guarda-livros na Companhia de Catumbela. Devido ao clima e às condições de trabalho apenas aí permaneceu 1 ano. Regressado a Portugal, casa em Coimbra com Manuela Câncio Reis e vem fixar-se em Alhandra, onde trabalha como empregado de escritório na Fábrica de Cimentos Tejo. Data desses duros anos 30 , o seu contacto com a brutal exploração e as desumanas condições do trabalho operário. O contacto transforma-se em consciência e a consciência exprime-se em acção de animação cultural e actividade política. Na viragem dos anos 30 para a década de 40 , o PCP iria reorganizar-se na clandestinidade, e essa sua reorganização não se limitaria a um reforço da sua organização autónoma mas traduz-se no aumento da sua capacidade para organizar a luta de massas e alargar a sua influência política, simultaneamente entre os intelectuais e as massas operárias. Entretanto, Soeiro Pereira Gomes ajudava a criar bibliotecas populares nas colectividades de cultura e recreio, a promover cursos de alfabetização e de ginástica, sessões de poesia e palestras, e até promove a construção de uma piscina - a Charca - para o povo de Alhandra. Nessa sua intensa actividade acaba por encontrar o Partido Comunista Português, ao qual adere. Como militante, integra a célula da empresa Cimentos Tejo e a seguir passa a fazer parte do Comité Local de Alhandra. A sua actividade de animação cultural intensifica-se e, instigado por Alves Redol, em 1 939 e 1 940 publica crónicas e contos no jornal O Diabo. Em sua so -
  • 52. Soeiro Pereira Gomes tomar a palavra: dedicatórias e promessa Manuel Gusmão 1 . Quando quem dedica um conto, também dedica a vida A obra ficcional que Soeiro Pereira Gomes pôde deixar-nos é simultaneamente escassa e singular. Escassa porque, além de outros factores que referiremos, há que ter em conta que morreu com 40 anos; por outro lado, a sua obra manifesta um conjunto de qualidades que marcam a sua singularidade. A sua obra é daquelas que imperiosamente solicita o estabelecimento de uma relação com a biografia do seu autor. É essa relação que não apenas nos permite dar conta das razões da escassez da obra, mas também de certos modos de ser dela e, nesse sentido, da sua singularidade. Dito de outro modo, essa relação vai mostrar-nos como, sem perder a sua dimensão de artefacto estético, a sua obra se apresenta como um projecto de sentido que de outras formas encontramos como intenção e forma de vida. Esse projecto coloca uma questão que podemos formular assim: Soeiro Pereira Gomes é o nome de um escritor que era militante comunista ou de um militante comunista que era escritor? Podemos antecipar a resposta, que procuraremos argumentar: Soeiro Pereira Gomes foi alguém, um indivíduo histórico concreto, que foi indissociavelmente uma e outra coisa, que construiu com a sua vida essa unidade íntima e concreta entre duas actividades distintas, num período histórico difícil mas exaltante. Essa unidade podemos figurá-Ia através do gesto da dedicatória literária. Direi então que a repetição, como veremos constante, desse gesto não só inscreve um determinado ethos que une quem narra e as suas personagens, como dá a ler a postura ética que determina esse impulso da solidariedade. Com Soeiro Pereira Gomes, quem dedica um conto, uma narrativa, é alguém que, por esse e outros gestos, dedica simultaneamente a sua vida. Dedicação da vida e dedicatória de narrativas são o gesto de um militante activo e de um escritor que é daqueles em que a atenção às formas de vida e de funcionamento do mundo social seu contemporâneo se processa como imaginação na construção de mundos ficcionais, de populações que os habitam e na inscrição da hipótese e do desejo da sua transformação. 49 -