1
2
3
Luiz Sérgio
NA HORA DO ADEUS
Psicografía: Irene Pacheco Machado
2a
Edição • 1997
Todos os direitos de publicação e repro...
4
Capítulo I
MEU NOVO AMIGO, UM JARDINEIRO DE JESUS
No Departamento do Trabalho o movimento era intenso, um
vaivém constan...
5
mais movimento têm. Mas no que pode este departamento lhe
ser útil?
— É verdade, talvez até nada encontre aqui, mas é de...
6
— Desencarnei há trinta anos, Luiz. Naquele tempo as meni-
nas brincavam de bonecas e os pais não eram escravos do
moder...
7
— Deixemos de brincadeira, você tem ido à Crosta?
— Tenho participado de muitos trabalhos de socorro. E
você, o que tem ...
8
— Obrigado, Rayto, não é só consentimento, vou precisar de
ajuda, estarei rondando as capelas e os cemitérios.
Rindo, gr...
9
— Você, irmão, terá a nossa permissão para mais esse traba-
lho, mas gostaria que alguém bastante experiente o
acompanha...
10
Despedimo-nos e dali saímos. Tinha vontade de abraçar e
beijar Enrico, tal a sua meiguice; mais parecia um "anjo" do
Se...
11
socorridos. Muitos eram jovens, ou melhor, crianças. Olhando
uma garota de seus onze anos, indaguei:
— Por que se suici...
12
possuirão. As crianças e os jovens são as maiores vítimas do
consumismo. Estão vivendo numa época onde vários
chamados ...
13
da juventude, a Casa sentirá a diferença, porque estará, toda
ela, enfeitada de flores, que são as crianças e os jovens...
14
inicia-se a sua decadência. Fomos chegando, devagar. Olhei
aquele adolescente que na mesa da capela era um personagem
s...
15
poderosa tinha poucos amigos verdadeiros, porque muitos dos
que ali se encontravam não podiam ser chamados de amigos.
A...
16
enfim, era um lugar bonito, mas imantado de dor e de saudade.
Muitos túmulos floridos escondiam corpos, cujos espíritos...
17
o álcool, o cigarro, não causam danos? Acho que isso é
conversa de traficante ou de dependente. É de se lastimar que
em...
18
— Perdoa, Senhor, perdoa meu filho!
Olhei para aquele trapo de mulher e enlacei seu ombro com
carinho, pensando: não de...
19
Capítulo V
POR QUE NÃO ESPERAR?
Em seguida, fomos à casa de Rogério, aquele a quem havía-
mos auxiliado na capela. O pa...
20
— Luiz, acho falta de respeito, ninguém vira santo de um dia
para outro e o espírito, quando deixa o corpo físico, busc...
21
perispírito muito ligado àqueles que conviveram com ele
durante anos. O que não é justo é o desrespeito àquele que
mudo...
22
Capítulo VI
CHORE, MAS NÃO APRISIONE
Durante o caminho, Enrico relatou o que aconteceu com Anita
e Laerte:
— Lutaram pa...
23
mais que esperemos, ela não surgirá como fazia antes. Longe
daqui será mais fácil viver.
Anita, olhando para os lados, ...
24
— Geni, proíbo-lhe de falar de Espiritismo nesta casa. Espi-
ritismo é coisa do demônio, e depois, só os ignorantes o
p...
25
— Enrico, como fica Clara na espiritualidade, diante de tudo
isso?
— Vamos, Sérgio, até a Colônia onde ela se encontra....
26
Enrico pousou a mão em sua testa e orou o Salmo CXLIII3
,
versículos l e 2:
Bendito seja o Senhor, minha rocha, que ade...
27
— Deus? Quem é Deus para dispor do nosso destino? Ele,
que dizem ser bondoso, separa uma filha dos seus pais; uma
mulhe...
28
— Não, Luiz, não podemos, deixemos que outros espíritos
levem a família a buscar uma Casa Espírita.
— Desculpe-me, mas ...
29
— Irmão, se cada homem se conscientizasse do valor da
busca espiritual, hoje não nos defrontaríamos com tantos
absurdos...
30
— Sabe, Enrico, espírito sofre!...
Coloquei meus braços em seus ombros e fomos caminhando,
contando as nossas experiênc...
31
isolamos tanto o ambiente, que nem o cantar dos pássaros era
ouvido. Ele e a enfermeira Marinette retiraram aquele
peri...
32
A mulher me pareceu um arco-íris; ficou com tanto medo
que o seu rosto adquiriu várias cores.
__Meu Deus! Meu Deus! Pai...
33
para aceitarmos a separação de Silene. Sabemos que jamais a
esqueceremos. Um vazio se faz entre nós, pois parte uma
irm...
34
— Eu amo você.
Já sem medo, ela respondeu:
— Eu também, meu filho — e começou a chorar.
Onorina chorou não de medo, mas...
35
alguém conversava dentro da capela, um dos filhos pedia
silêncio. Era a hora da despedida. Muitos choraram baixinho
qua...
36
se tomou uma casa iluminada. Ele jamais descuidou de sua
alma e de seu corpo. Quando os homens se conscientizarem de
qu...
37
Capítulo IX
NOVOS AMIGOS: PAMELA E PLÁCIDO
Analisando os dois mundos — o físico e o espiritual — pensei:
como pode o en...
38
os esclarecimentos, por que nascemos, por que adoecemos e por
que "morremos"? É mais fácil pegar o carrão, colocar a ga...
39
bem sua tarefa, os bons espíritos se afastam e partem em busca
de quem se mostre mais digno de sua assistência.
A orien...
40
A jovem não gostou das respostas, mas confesso que achei a
orientadora uma excelente espírita.
Em seguida fomos em dire...
41
dividido. Enrico nada falava, andando pela casa toda. E por falar
nela, que casa! Havia até um quarto de ginástica, ond...
42
gosto mais cavernoso! Elas pararam de lotear as coisas de Sibila,
e nós dali fomos saindo. Ainda olhei aquela mansão co...
43
— Não jogue fora as minhas bijuterias, as minhas roupas, eJ
as quero! Não, não, não façam isso, são as minhas cartas!
d...
44
Logo após o meu desencarne eu queria que doassem tudo,
como se esse gesto aliviasse a saudade que me invadia.
Enrico ac...
45
pela alfândega, enfim, primeiro vem a burocracia, depois é que
vamos conhecer o lugar visitado. Até chegar nesse ponto,...
46
dos é com o seu equilíbrio. Mas um dia quero reencontrá-la e
vou-lhe apresentar Deus, o nosso Pai amado. É fácil ser ma...
47
— Não é bem isso. Cada um tem o que é seu. Todos eles têm
casa, carro, jóias e boas roupas. Por que irão querer o que é...
48
pensar em tristeza, em saudade, em perdas. A meditação vai
levá-la à tranqüilidade de que tanto precisa.
— Não sei se s...
49
isso, a família se livrava de tudo o que considerava inútil. O
marido, fumando o seu cachimbo, pouca importância dava a...
50
físico? Tinha ainda muito a fazer. Estava bem no meu
emprego, tinha uma família bonita. O que vim fazer aqui?
— E o que...
51
Levei um susto.
— Pelo amor de Deus, o que estamos fazendo aqui?
— Pensei que o Luiz Sérgio que conheço gostaria de con...
52
expansão do perispírito, liga-se ao óvulo fecundado e vai
dirigindo a formação do corpo físico. No caso de Roberto, a c...
53
— Luiz, os centros de força têm a função de captar os fluidos
espirituais. O fluido universal, absorvido sob a forma de...
54
— Roberto foi assassinado e seu corpo material ficará na
terra, "voltará ao pó", mas ele era tão escravo do corpo físic...
55
Capítulo XII
O PESO DO ORGULHO E DO DESPOTISMO
Como sempre, o bate-boca era normal. Até risos eram ouvidos
ao lado do c...
56
família como gentileza aos amigos, para que ninguém sinta fome
durante o velório.
— Você acha certo, Enrico?
—Quem sou ...
57
—Avaro, trapaceiro, violento, vivia agredindo os outros com
palavras, pois se julgava daqueles que não levam desaforo p...
58
vezes presencio homens tratando a esposa como se ela fosse
débil mental. Fico com muita pena, ele se julga amado e
resp...
59
Capítulo XIII
CONSOLO AOS AFLITOS
Entramos na casa de Alaidinha e a encontramos deitada em um
sofá. Chorava baixinho. A...
60
— O que faz mal ao espírito são as revoltas, as blasfêmias. As
lágrimas e a saudade não irão mudar a caminhada do recém...
61
— Coitada da Alaidinha, está obsediada, o filho está-lhe
perturbando.
Doralice discordou da amiga, dizendo:
— Pelo amor...
62
mão, de Jesus amparando-a nas suas aflições. Todos nós, em
silêncio, escutamos, gratificados por ter Alaidinha, uma sau...
63
homem, que ele está cumprindo pena expiatória; que a mulher
que leva uma surra do marido está cumprindo com os desígnio...
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
Na hora do adeus (1)
of 279

Na hora do adeus (1)

Livro de irene Pacheco machado
Published on: Mar 3, 2016
Published in: Spiritual      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Na hora do adeus (1)

  • 1. 1
  • 2. 2
  • 3. 3 Luiz Sérgio NA HORA DO ADEUS Psicografía: Irene Pacheco Machado 2a Edição • 1997 Todos os direitos de publicação e reprodução desta obra estão reservadas ao REMA — Grupo Espírita Recanto de Maria Você recebeu essa obra gratuitamente, seria uma retribuição fraterna se fizesse uma doação no valor do livro para qualquer obra assistencial de sua escolha, ou alimentos, roupas, medicamentos a alguma pessoa carente de seu conhecimento. OBS.: a numeração das páginas não corresponde ao original.
  • 4. 4 Capítulo I MEU NOVO AMIGO, UM JARDINEIRO DE JESUS No Departamento do Trabalho o movimento era intenso, um vaivém constante. Olhando aquele prédio majestoso, som, pensando na cara do materialista que, ao desencarnar, constata que os espíritas não são tão doidos quanto ele imaginava. Que surpresa, ao perceber que sua roupa de griffe está desintegrando-se junto ao corpo físico, por ambos pertencerem à terra! E depois, aqui não existe "pistolão" nem se fura fila. Chegamos e percorremos todos os departamentos a que temos direito. Soraia, uma amiga espiritual, aproximando-se de mim, falou: — Olá, Luiz, você aqui? Posso saber o porquê? — Claro, minha linda, estou à procura de trabalho. — Não me diga que foi despedido... Pensei que houvesse estabilidade na Universidade Maria de Nazaré! exclamou e sorriu. — Desculpe, Soraia, estava brincando. Encontro-me em tra- balho; estou iniciando um estudo sobre a hora do adeus; como devem proceder aqueles que ficam no plano físico. — Interessante este assunto. Sempre achei também que os encarnados precisassem saber como agir nesse momento tão cheio de tristeza. — E você, irmã, por que gosta de trabalhar aqui? — Pertenço ao grupo de trabalho Hortênsias Lilases, mas sempre que posso aqui venho ajudar. Este é um dos locais que
  • 5. 5 mais movimento têm. Mas no que pode este departamento lhe ser útil? — É verdade, talvez até nada encontre aqui, mas é de muito proveito para o meu crescimento espiritual constatar que na hora de procurai trabalho não fiquei chorando ao lado dos meus entes queridos. Lembro-me, ainda, Soraia, de quando aqui cheguei. Estava assustado, sem saber o que me esperava. — É isso mesmo, Sérgio, comigo também foi assim. Desen- carnei com vinte e um anos, em acidente de automóvel. No momento em que meu corpo físico expulsou minha alma, a minha consciência resplandeceu de luz espiritual, tornei-me um espírito liberto e parti, sem olhar para trás. Para que olhar um cano retorcido junto a uma árvore, um corpo antes belo e bem tratado em estado quase semelhante àquele amontoado de ferro velho? — Como você se libertou tão facilmente, sendo ainda jovem? — Eu era filha única, de pais ricos, mas desde pequena sempre busquei Jesus e Ele era o meu maior amigo. Na faculdade, chamavam-me de beata, de fanática, mas eu sempre tentava ajudar os outros. O meu próximo é Jesus junto a mim. Por isso, Luiz Sérgio, minha consciência não era uma cadeia de culpas e de remorsos. — Eu sempre a admirei pelo carinho com que trata os estropiados que aqui chegam, mas nunca imaginei que você, quando encarnada, já fosse uma semente de luz. — Não brinque, Luiz! De luz, eu? — Claro, irmã, poucas pessoas têm um despertar tão lindo. As amarras da carne são como filetes cortantes, que doem e deixam marcas. Depois, Soraia, hoje em dia é muito difícil uma moça bonita como você viver espiritualmente ainda no corpo físico.
  • 6. 6 — Desencarnei há trinta anos, Luiz. Naquele tempo as meni- nas brincavam de bonecas e os pais não eram escravos do modernismo. Hoje é que alguns jovens estão cada vez mais presos à matéria. Não querem pensar, para não terem de buscar as verdades espirituais, que julgam aprisioná-los, roubando-lhes os gozos da carne. Estou-lhe contando a minha vida, mas não é isso o que você deseja relatar no seu livro. — Soraia, sua presença nas páginas de um livro é um perfume que todos desejam, nem que seja um pouquinho. Ela sorriu e logo alguém a chamou. — Até logo mais, Luiz, e, no que desejar, o departamento estará às suas ordens. — Obrigado. Ela se foi e eu saí brincando com as pedras pequeninas do meu caminho. Ainda olhei para aquele belo prédio, onde o pobre, o rico, o milionário, todos procuram trabalho. Ali se dá a igualdade dos seres. A paisagem, repleta de flores, alegrava ps pássaros. Lembrei-me de Francisco de Assis e os cumprimentei: — Bom dia, irmãos pássaros, que Deus os proteja! Eu amo vocês, muito! — Falando sozinho? Sabia que era maluco, mas não tanto. Procurei quem falara e não encontrei. Alguém se fizera invisível para mim1 continuei procurando, quando alguém me jogou para o alto. — Só podia ser você mesmo! Quando é que você vai criar juízo, Rayto? — Quando não existir nem mais um Luiz Sérgio na face da Terra, respondeu, rindo gostosamente. — Engraçadinho... 1 N.E. — Consultar o item 257 de O Livro dos Espíritos, no parágrafo referente à vista dos espíritos.
  • 7. 7 — Deixemos de brincadeira, você tem ido à Crosta? — Tenho participado de muitos trabalhos de socorro. E você, o que tem feito? Não está mais preocupado com o tóxico? — Luiz, não sei o que vai acontecer mais. Se o governo brasileiro não tomar urgentes resoluções, o Brasil será o campeão mundial do tóxico. Seja não o é. — E a espiritualidade, Rayto, o que está fazendo a respeito? — Tomando medidas drásticas, mas ficamos penalizados em saber que o país escolhido para a pátria do evangelho deseja liberar a droga. Em uma terra de famintos, a preocupação maior deveria ser com a educação, a saúde e a justiça social. Mas quero saber o tema do seu novo livro. — Sabe, Rayto, muitos me perguntam: Luiz Sérgio, o que faço para esquecer o meu marido que desencarnou? Dou a roupa dele? Choro ou não choro? Vou ou não vou ao cemitério? Arrumo o túmulo ou não? Corro atrás de mensagem ou o deixo viver em paz? São tantas as perguntas, que resolvi escrever um livro, não com o intuito de ensinar, mas de ajudar os meus amigos, aqueles que não sabem o que fazer na hora do adeus. — No meu entender, o fato mais desagradável é o encontro social no cemitério. Ao desencarnar o João ou o José, pessoas que há anos não se encontravam ficam a conversar, rindo ou relembrando os momentos finais do desencarnado. — É sobre isso, Rayto, que desejo escrever. Vim até aqui, primeiro para recordar meus primeiros passos no mundo espiritual e também para falar com o Palário, com você e com outros que sempre me ajudaram. Ele, sorrindo, esclareceu: — Por mim, pode escrever um, dois ou mil livros. Estarei ao seu lado eternamente, orando pelo seu crescimento espiritual.
  • 8. 8 — Obrigado, Rayto, não é só consentimento, vou precisar de ajuda, estarei rondando as capelas e os cemitérios. Rindo, gracejou: — Você nunca me enganou, tem cara de vampiro mesmo! — Não brinque, Rayto, você sabe que não vai ser fácil e depois, quero que o livro seja útil a todos. — Luiz, na sala mil e novecentos você encontrará alguém que o ajudará. E o Rayto aqui, basta você estalar os dedos que, como servo do Cristo, o atenderei de imediato e que Deus, o Criador da vida, seja eterno em seu trabalho. Um abraço. Depois saiu, rapidamente, saltitante. Olhei-o até desaparecer nas alamedas floridas daquela praça. Em seguida, procurei a sala indicada pelo Rayto. Recebido por Constância, fui logo levado até Luppe, que me cumprimentou sorrindo: — Seja bem-vindo, Luiz Sérgio, fico contente em saber que o irmão deseja ajudar os encarnados, quando eles passam por horas amargas. Mas lhe pergunto: será que o seu livro terá condição de mudar um comportamento de longos anos? O brasileiro há muito transforma a hora do adeus em momentos de desespero ou de bate-papos, rindo alto, não se importando com o corpo que ali jaz exposto para o último adeus. — Por isso, irmã Luppe, espero que o meu livro sirva para auxiliar o desencarnado, que às vezes se debate junto ao corpo físico, pedindo socorro, e ninguém faz uma prece para ajudá- lo, simplesmente por julgar que alija não se encontra. — Mas poucos serão aqueles que o lerão. — Não me importo. Se ele conseguir ajudar uma só família ou um só irmão que volta para a verdadeira pátria, já me sentirei muito feliz. Ela me deu "aquele" sorriso e depois falou:
  • 9. 9 — Você, irmão, terá a nossa permissão para mais esse traba- lho, mas gostaria que alguém bastante experiente o acompanhasse. Ele executa há anos essa tarefa, e somente agora participará de um livro. Nisso, um espírito com aparência idosa apareceu na sala. — Que a paz de Deus esteja entre nós. Bom-dia. — Luiz, este é Enrico, que irá acompanhá-lo. É um devotado trabalhador do Senhor. — Como vai, Luiz Sérgio? — Ô, amigo, como me sinto feliz em tê-lo ao meu lado! Que vontade de gritar seu nome para todo o Universo, tão alegre me encontro! — O grito, quando chega à garganta, já se fez ouvido pelo coração. Sinto-me feliz por mais uma tarefa — falou, timidamente. Enrico é um senhor dos seus setenta e cinco anos, e trabalhou na Crosta durante vinte anos como jardineiro. Seu olhar é cândido e amigo. — Desejo aos três a paz do Senhor, e que tudo se transforme para a glória de Deus. — Três? olhei, procurando o terceiro. Enrico sorriu: — O irmão não irá vê-lo. Ele estará ao nosso lado, mas nós não teremos condição nem de divisá-lo. Fiquei intrigado, mas nada perguntei. Luppe ainda acrescentou: — Trate do seu trabalho, Enrico, como bom jardineiro que é, e quando a terra desejar aprisionar a semente, faça com que ela busque a luz do Alto, só assim se libertará. O que é da terra à terra pertence. O que é luz resplandece no Universo. Que Deus os guie. — A quem agradeço, irmã Luppe. À irmã, ao Rayto, a quem? — A Deus, que confia em você.
  • 10. 10 Despedimo-nos e dali saímos. Tinha vontade de abraçar e beijar Enrico, tal a sua meiguice; mais parecia um "anjo" do Senhor. — Luiz, quero que saiba que tenho uma aparência idosa mas meu coração é de um bebê, que a cada dia espera crescer espiritualmente. Busco no meu próximo o meu Deus e faço do meu dia uma conquista para o meu espírito. Enlacei seu ombro e percorremos aqueles jardins lindíssimos, onde os pássaros cantam, transmitindo-nos muita paz. Capítulo II CRIANÇAS, NÃO CRESÇAM DEPRESSA Assim que chegamos ao plano físico, Enrico comunicou-me: — Luiz, vamos primeiro visitar uma Casa Espírita. — Claro, companheiro, precisamos contar com a ajuda de outros irmãos. Lá fomos nós ao encontro de Rafaela, a encarregada da disciplina que, sorrindo, recebeu-nos, colocando a sua Casa ao nosso dispor. Enrico, que a conhecia, também sorriu. Ele é possuidor do mais terno olhar que já vi. Rafaela dissertou sobre os últimos acontecimentos, sobre como estavam desencarnando irmãos por imprudência: através da droga, do álcool e da velocidade. — Mas esses três fatos estão entrelaçados. Geralmente, a droga e o álcool provocam o desequilíbrio do motorista — falei. Ficamos muito tristes quando ela nos levou até a enfermaria da Casa Espírita, onde alguns suicidas estavam sendo
  • 11. 11 socorridos. Muitos eram jovens, ou melhor, crianças. Olhando uma garota de seus onze anos, indaguei: — Por que se suicidou? — Julgava-se grávida. — Mas com essa idade já havia iniciado vida sexual? — Sim, mesmo ainda não havendo penetração ela brincava com o sexo. Os seus parceiros, também crianças, sem responsabilidade, julgavam-se os tais e quando o remorso lhe colheu a alma ela criou uma gravidez imaginária, apavorou-se e o único meio que encontrou foi o suicídio. — Ela não estava grávida? — Não, nem havia menstruado ainda. — Coitadinha, como pôde acontecer isso? indaguei. — Falta de orientação familiar, de disciplina de vida. Hoje os pais demonstram pressa em ver os filhos ficarem adultos e não percebem que as crianças e os jovens só têm a mente direcionada para o sexo e para os ditos prazeres da vida. Enrico, pensativo, ouvia Rafaela, que também nos disse da sua luta para trazer ao Centro os filhos dos espíritas que dele se distanciam cada vez mais. E por quê? Simplesmente porque o mundo lá fora corre a mil por hora e nessa correria eles também vão caindo e se levantando. Nas Casas Espíritas têm de buscar o seu interior, porque a Doutrina ensina a razão da vida. — Eu sempre me pergunto, irmã: o que podemos fazer para trazer a criança e o jovem à Casa Espírita, ou melhor, ao Evangelho? — Estamos tentando criar um estudo mais dinâmico. Não podemos nos esquecer de que hoje a vida moderna dá à criança e ao jovem muitas informações que ontem nós nem ousávamos pedir. Estamos na era da informática. O computador está ficando tão popular, que poucas casas não o
  • 12. 12 possuirão. As crianças e os jovens são as maiores vítimas do consumismo. Estão vivendo numa época onde vários chamados lhes chegam, por isso o chamado espírita tem de ser mais forte e atual. — Atual, Rafaela? Então temos de negligenciar a origem da Doutrina? — Nunca. Para embelezar uma casa não podemos desprezar o alicerce. As obras básicas são o alicerce da nossa Doutrina. Elas são o farol, o céu, a verdade, enfim, sem elas jamais teríamos condição de trazer os jovens para a nossa Casa. O que precisamos, nós, os orientadores, é corresponder às necessidades atuais da juventude. Os dirigentes devem fugir da ingenuidade, atualizando-se com pesquisas de alto nível. Só assim o jovem e a criança não irão debandar da Casa Espírita. Hoje convivem com uma sociedade materialista; do lado de fora vivem cercados de convites que os levam a julgar que isso é aproveitar a vida. Para que o jovem e a criança tomem gosto pelos estudos espirituais, os espíritas necessitam atualizar-se para responder-lhes com precisão. Enrico argumentou; — Também penso que as Mocidades precisam ser dirigidas por jovens espíritas capacitados e não por jovens inexperientes. Hoje uma criança de tenra idade convive com jogos eletrônicos e até estuda computação. Negligenciar o jovem e a criança é grande erro. Eles precisam muito da Doutrina e por que não toda a diretoria de uma Casa Espírita se proclamar em prol de sua Mocidade, abordando temas atuais e fazendo-os adentrar os estudos espirituais das obras básicas, enfim, toda a literatura respeitável da Doutrina? Ficando apenas nas palestras para jovens e crianças, perderemos para os vídeos, os jogos eletrônicos e os computadores. Insistimos: se toda a diretoria se unir em prol
  • 13. 13 da juventude, a Casa sentirá a diferença, porque estará, toda ela, enfeitada de flores, que são as crianças e os jovens. — Irmã Rafaela, a coisa está feia, as crianças de doze anos estão voltando para casa de madrugada, e o pior é que os pais julgam isso certo. — Tem razão, irmão. O Centro Espírita dá a evangelização, mas a família tem de apresentar Jesus nas suas atitudes. Enrico, sempre sorrindo, aduziu: — Conversar sobre a infância e a juventude é como contem- plar um jardim. Porém, para embelezá-lo, o jardineiro tem por dever usar o adubo, a terra e as ferramentas. Só a boa vontade não basta para que o jardim floresça. O jardineiro tem de livrá- lo das ervas daninhas e procurar o melhor método de fazê-lo florir. Mas agora devemos iniciar o trabalho. Espera-nos um irmão que desencarnou com overdose, ainda muito jovem, dezessete anos. — Que Deus os acompanhe, estaremos aqui orando por todos. Cumprimentamos Rafaela e dali saímos. Capítulo III A SOLIDÃO DE UM RECÉM-DESENCARNADO Antes de chegarmos à "estação da morte", já ouvíamos os gritos da mãe, dos avós, dos tios, dos amigos. Todos estavam desesperados. Rogério, naquela madrugada, havia-se excedido com um coquetel de tóxicos. Fizera a mais estranha mistura e rindo, muito alegre, julgara que o jovem corpo tivesse condição de tudo agüentar, não sabendo que a indumentária física é santuário do espírito. Desde que esta não é respeitada,
  • 14. 14 inicia-se a sua decadência. Fomos chegando, devagar. Olhei aquele adolescente que na mesa da capela era um personagem solitário, por estar só com a sua consciência, pois esta, atribulada, não lhe dava sossego. Enrico saiu para buscar um dos encarregados da prece, tentando fazer alguém orar. O irmão nos relatou que já se encontrava cansado de tentar intuir alguém à prece, mas ninguém captava os seus pensamentos. Enquanto isso, o espírito do nosso amigo se debatia, num estado desesperador. O suicídio por overdose é terrível e, ali, diante de muitas pessoas, um espírito sofria por demais, solitariamente. A mãe, sob altas doses de medicamentos, encontrava-se adormecida; o pai não acreditava que seu único filho tinha deixado de existir. Os familiares gritavam, não suportando a dor. Enquanto isso, várias pessoas, que compareceram apenas para cumprir uma obrigação social, sorriam e com voz baixa, para a família não ouvir, contavam a vida de Rogério: "eu sabia que esse menino iria ter esse fim. Drogava-se, bebia desde os doze anos, e os pais só lhe faziam o gosto. Ele mandava e desmandava em todos, era o filhinho do papai, dos avós, dos tios". Assim, ouvindo os comentários maledicentes sobre aquela família que agora sofria, pudemos constatar que poucos vão a um cemitério por amor e respeito ao desencamante. A obrigação social é que leva a fatos como este. O certo era que todos fossem contagiados pela dor da família. Pena que isso não aconteça, porque ouvimos até o comentário mais banal: olhe só o vestido da fulana, será que ela pensou que isto fosse um baile? A outra: baile à fantasia? Outro dizia: não acha que o pai está chorando pouco? Sabe quem é aquele senhor? Sei, o político tal. Enrico passeava entre as pessoas, buscando despertar um coração piedoso, mas, pelo que vimos, aquela família rica e
  • 15. 15 poderosa tinha poucos amigos verdadeiros, porque muitos dos que ali se encontravam não podiam ser chamados de amigos. Aproximamo-nos da família enlutada, mas todos eles estavam quase dopados. Haviam tomado comprimidos e não estavam em condição de doar fluidos de amor para o desencarnado. Um grupo espiritual de oração, que trabalha nos cemitérios, tentava ajudar Rogério, mas até pessoas fazendo negócios havia. Era uma boa ocasião, porque antigos amigos ali se reencontravam. Observei as imensas coroas de flores, as velas que queima- vam, o caixão luxuoso, e pensei: de que vale tudo isso, se o Senhor não está presente no coração das criaturas! Mas, mesmo assim, esforçávamo-nos para auxiliar Rogério. Voltei a fitá-lo: o jovem de ontem, rico, com roupas caras, carro importado, enfim, dono do conforto, ali jazia, lutando para compreender a "morte". E isso é fato real na vida de todos os encarnados. Rogério sofria, era um suicida inconsciente, mas, por mercê de Deus, aqueles que os "vivos" julgam mortos lá estavam para ajudá-lo. Mas ele queria muito ser socorrido, ansiava pela luz do esclarecimento para que pudesse voar, e voar para bem longe dali. Nisso, entrou o sacerdote da religião daquela família. Oramos juntos. Uma brisa beijou os cabelos de Rogério e ele pareceu ter encontrado um pouco de paz. Abracei Enrico e chorei muito, penalizado pela situação de Rogério. Mesmo aqueles que conduziam o corpo de Rogério longe se encontravam da hora do adeus. Um falava mal do jovem; outro, da riqueza da família; outro ainda, da beleza e da elegância da mãe. Mas ele, o espírito, parecia-me estar tentando salvar-se entre as bravias ondas da "morte". No cemitério, na alameda dos chamados "mortos", a brisa soprava baixinho, as campas estavam floridas, os pássaros cantavam,
  • 16. 16 enfim, era um lugar bonito, mas imantado de dor e de saudade. Muitos túmulos floridos escondiam corpos, cujos espíritos ainda se debatiam junto a eles. — Por que, Enrico, existe tanta vaidade e tanto orgulho no coração dos homens, mesmo sabendo que um dia terão de devolver à terra o que a ela pertence? Não seria mais fácil viverem com o Cristo? — Luiz, a Terra atingiu hoje um nível tal de tecnologia que o conforto inebriou os encarnados e estes, escravos dele, esquecem de buscar as coisas do espírito. — Enrico, os templos religiosos estão aí, esperando por todos, e por que eles relutam em curar suas almas? — O erro inicia-se no lar, onde os pais procuram dar conforto para os filhos, mas poucos lhes apresentam o Cristo. As maiores vítimas são os jovens: no trânsito, nos vícios, na luxúria, são eles que se matam dizendo estar aproveitando a vida. — E Rogério, o que será dele? — Será atendido, mas só ficará no hospital se assim o desejar. Sabemos que muitos, mesmo depois de assistidos, fogern em busca dos antigos companheiros encarnados e desencarnados. Do tóxico, não é fácil livrar-se. O homem deve lutar para que ele não lhe mate a dignidade. — Enrico, o que me diz da liberação das drogas leves? — É o mesmo que liberar a eutanásia e o assassinato, só muda a anua. O dano causado ao espírito é o mesmo, seja da DP2 ou da dita droga leve. Há pessoas que consomem heroína, cocaína e vivem por longos anos e outras na primeira dose já desencarnam. Cada organismo reage de uma forma, mas quem tem autoridade para dizer que as drogas ditas livres, tais como 2 N.E.—Droga Pesada.
  • 17. 17 o álcool, o cigarro, não causam danos? Acho que isso é conversa de traficante ou de dependente. É de se lastimar que em um país de famintos uma autoridade se preocupe tanto em liberar a maconha, com tanta coisa importante para fazer em beneficio da sociedade. Ali ficamos no jardim do adeus. Capítulo IV MÃE E FILHO SE DEFRONTAM De repente, ouvi alguém me chamando. Era Salustiana: — Luiz Sérgio, como é bom encontrar você! Não me conhece mais? Quando encarnada eu não o deixava em paz, apelava para você todas as vezes que meu filho Alfredo, completamente drogado, me agredia e aos seus irmãos, chegando até a me morder. Para acalmá-lo eu o chamava e aos Raiozinhos de Sol. — E ele, Salustiana, já concordou em ser tratado? — Não, Luiz, por isso aqui me encontro. Em uma das suas crises ele me agrediu tanto que vim a desencarnar. Fui socorrida, mas como posso ficar no paraíso quando meu filho vive nos umbrais da vida? Por mais que me esforçasse ele estava cada vez pior. Agora parece que tudo vai serenar, esta noite ele desencarnou, vítima da AIDS. — Quantos anos ele tem? — Vinte e dois, mas parece ter cinqüenta, tão maltratado foi pela vida — respondeu, com os olhos rasos de lágrimas. — Pois vocês vão para os quintos dos infernos, abraçados com ele!
  • 18. 18 — Perdoa, Senhor, perdoa meu filho! Olhei para aquele trapo de mulher e enlacei seu ombro com carinho, pensando: não deve existir dor pior do que a que sofre um coração de mãe ou de pai quando um filho vive agredindo a sociedade. Alfredo gritava, xingando-nos, mas Salustiana ia ser socorrida para ter condições de auxiliar o filho. — Amigos, ele será ajudado? —Sim, respondeu Enrico. Um filho de Deus não sofre eternamente, todos têm o seu dia de glória. — Deus meu, ajuda-me a conseguir força para poder ajudar o meu filho querido, que se perdeu nas estradas dos vícios. Ajuda-me, Senhor, para que eu possa segurar as mãos do meu filho e, juntos, chegarmos a Ti. Sei, Senhor, que falhei como mãe, mas mesmo assim fui feliz, porque me confiaste um dos Teus filhos, que prometo amar eternamente. — Todas as mães precisam de oração, porque elas moldam o caráter dos filhos. E estes precisam tanto delas!... enfatizou Enrico. Levamos nossa amiga para o pronto-socorro da Estação do Adeus. Ao ali deixá-la seu olhar de súplica me fez estremecer; aquele olhar de mãe sofrida nos implorava que voltássemos para socorrer Alfredo. Enrico tranqüilizou-a: — Pediremos aos Raiozinhos de Sol que ajudem seu filho, nossa tarefa hoje é outra, não temos meios para socorrê-lo. Mas Jesus está sempre presente ao lado dos que sofrem. Ela baixou a cabeça e nos acenou: — Até outra vez e muito obrigada. Tive vontade de chorar, mas Enrico, o italiano de Cristo, era tão firme nas decisões que me esforcei para não me desequilibrar.
  • 19. 19 Capítulo V POR QUE NÃO ESPERAR? Em seguida, fomos à casa de Rogério, aquele a quem havía- mos auxiliado na capela. O pai queria guardar barco, computador, guitarra, enfim, tudo do filho e a mãe estava louca para desocupar o quarto, a fim de não sofrer mais. Pedimos licença e adentramos aquela casa onde ninguém orava. Medrosos, não pisavam em Casa Espírita, tinham pavor. Eles haviam feito a sua própria religião: ganhar dinheiro e gastá-lo. Agora, na hora da dor, debatiam-se sem rumo. E aí é que chegaram as "comadres". Uma aconselhava: acho melhor vocês não chorarem, vai fazer mal a ele. Outra recomendava: pega tudo o que é dele, dá para os pobres, pois isso vai ajudá-lo. Outra dizia: acho melhor deixar o quarto como está, para ele dormir quando tiver vontade. Os pais, que até aquele momento julgavam que o dinheiro era tudo na vida, defrontaram-se com ela, a imbatível "morte", e por algumas horas julgaram-se muito pequenos. Ali ficamos orando por Rogério, pedindo a Deus que ele se recuperasse logo e buscasse os locais de aprendizado. Nem bem terminamos de orar, o aspirador de pó já limpava o quarto que ele ocupara e a mãe separava tudo o que podia ser vendido, querendo afastar a saudade. Julgava destruir as lembranças, não sabendo que quando se ama verdadeiramente a saudade é lembrança que o coração gosta de reavivar. O quarto ficou limpo para os pais de Rogério; nada que lembrasse o filho ficou à vista. Perguntei a Enrico: — É certo estar ainda o corpo intacto na cova e os familiares já mexerem nos documentos e pertences daquele que partiu?
  • 20. 20 — Luiz, acho falta de respeito, ninguém vira santo de um dia para outro e o espírito, quando deixa o corpo físico, busca, junto a ele, os apegos, as lembranças, as saudades. Não é justo o que fazem muitas pessoas: julgando ajudar, iniciam o inventário do "morto"; dão o chinelo para o fulano, o cobertor que ele tanto gostava para outro; enfim, vão-se desfazendo de tudo o que era dele. Alguém já parou para pensar o que se passa na cabeça e no coração do recém-desencarnado? Não basta a separação do corpo físico e ainda a família o deserda? — Então deve a família guardar tudo o que foi do desencar- nado? — Não, Luiz, não é guardar, mas conservá-los por uns seis meses, para depois começar a distribuí-los. Devemos lembrar que poucos desencarnados, ao deixarem o corpo físico, sentem-se felizes e libertos. A grande maioria desencarna mal e leva para o mundo espiritual as lembranças e as saudades das suas coisas. Por que não dar um tempo para distribuir os seus pertences? Com esse gesto repentino de caridade, a família não salvará aquele que partiu, ao contrário, irá fazê-lo sofrer. Vemos viúvas desesperadas no cemitério, mas na mesma noite do enterro reviram os pertences do marido em busca de documentos com receio de não receberem a pensão. Abrem gavetas, mexem em pastas, sem qualquer respeito, só em busca do seguro, da poupança, enfim, mais preocupadas em não ficar na miséria. — Mas em nosso país, se a família não abrir os olhos, a viúva fica até sem receber a pensão do marido!... —Não creio que no Brasil a família não possa esperar alguns dias para buscar os seus direitos. Tem de ser logo após o enterro? Acho que não. Isso, Luiz, é muito triste. O desencarnado, doente no mundo espiritual, necessitado de conforto, tamanha a saudade no seu coração, continua com seu
  • 21. 21 perispírito muito ligado àqueles que conviveram com ele durante anos. O que não é justo é o desrespeito àquele que mudou de plano. Portanto, não é certo o que muitos vêm fazendo. — Irmão,-mas em muitas Casas Espíritas existem orientado- res que mandam a família doar tudo, para a melhoria espiritual do Desencarnado. — Seria muito fácil se a família encarnada, quando tivesse um filho no erro, fosse aconselhada a doar tudo dele para receber a graça de vê-lo regenerado. Não, Luiz, não é assim. Para ajudar alguém que partiu, temos de buscar os abandonados da sociedade — os chamados pobres — e começar a nos preocupar com eles. É uma transformação lenta. Não é a doação de objetos que foram deixados que vai tomar caridosa a alma de quem fica. Os que assim pensam já demonstram falta de amor ao próximo. Muitas vezes esse doar prematuro traduz o desejo da família em mudar a decoração. Já vimos viúvas se desfazendo de tudo, desde as gravatas até as coleções do marido, consideradas como rivais. Esta irmã o estava ajudando? Claro que não. Estava, sim, levando-o ao desespero. — Complicado, irmão. Muito complicado. —Não, Luiz, complicada é a alma humana, porque tem apego às coisas da matéria. Fez uma pausa e depois acrescentou: — Vamos à casa de Anita e Laerte, eles se encontram desesperados.
  • 22. 22 Capítulo VI CHORE, MAS NÃO APRISIONE Durante o caminho, Enrico relatou o que aconteceu com Anita e Laerte: — Lutaram para ter um filho; Anita fez vários tratamentos e quando engravidou foi uma vitória, esperando a filha com amor e deslumbramento. A menina estudou nos melhores colégios, era a filha do coração, inteligente e brilhante como seu próprio nome: Clara. Entretanto, Clara veio a desencarnar quando estava com o noivo, em um desastre automobilístico. Ele corria, dando gostosas gargalhadas, e o carro, que não foi feito para voar por não possuir asas, partiu-se ao meio. — E os pais? perguntei. — Logo conheceremos o seu sofrimento. Chegamos à bela casa onde a tragédia havia feito morada. Fotos de Clara enfeitavam desde a entrada até a cozinha. Encon- tramos Anita deitada, com um livro de orações na mão, estática, indiferente a tudo. Laerte não demorou a chegar. Beijou a esposa e ambos choraram. Depois, ele tentou consolá-la, mas ela nada aceitava. Sua revolta era tamanha que, para ela, Deus não existia, ou, se existia, era indiferente à dor de um filho Seu. Aproximei- me de Anita e orei em silêncio, pensando: só a prece pode aplacar a dor da separação. Aquele coração de mãe era uma ferida aberta pela saudade. — Querida, vamos viajar para a Europa, você gosta tanto de obras de arte, sugeriu o marido. — A dor que sentimos está dentro de nós e não nos lugares onde vivemos. — Mas esta casa está repleta de lembranças, o sorriso de Clara, os seus passos, tudo ainda soa em nossos ouvidos e, por
  • 23. 23 mais que esperemos, ela não surgirá como fazia antes. Longe daqui será mais fácil viver. Anita, olhando para os lados, propôs: — Laerte, vamos nos suicidar? Assim ficaremos juntos dela. —Querida, não é fácil tirar a própria vida e depois, para mim, é um ato de covardia. Anita começou a gritar, gritar, numa crise de desespero. Adentrou o recinto uma enfermeira, que lhe aplicou uma injeção. Laerte saiu, cabisbaixo; encontrava-se cansado. Nós o seguimos e logo estava na porta de um dos quartos. Bateu, perguntando: — Posso entrar, Clarinha? Filhinha, responda logo, quero dar-lhe um beijo. Como a filha não mais estava ali para responder, foi abrindo devagar a porta. O quarto estava exatamente como Clara o havia deixado. Ele se sentou em uma cadeira à frente da escrivaninha e chorou. Depois saiu, dirigindo-se à cozinha. E nós atrás dele. — Geni, boa-noite! — Boa-noite, doutor Laerte. Que Deus o abençoe, respondeu a velha serviçal. — Geni, está na hora de levar a refeição a Clara, ela já está com fome. — Sim, senhor. Quando eleja ia saindo, Geni falou: — Doutor Laerte, por que o senhor não busca no Espiritismo o consolo? Só ele pode explicar o que aconteceu a Clara. — Por favor, Geni, não é a dor que vai me levar a um lugar de ignorantes e mentirosos. — Olha, doutor, já vi muitos pais serem por ele consolados. Será que a seu consolo não está em uma casa de gente simples, mas não ignorante nem mentirosa?
  • 24. 24 — Geni, proíbo-lhe de falar de Espiritismo nesta casa. Espi- ritismo é coisa do demônio, e depois, só os ignorantes o procuram. — Tá bem, doutor Laerte, desculpe-me, só queria ajudar. No Espiritismo eles iriam ensiná-lo que em vez do senhor dar comida para sua filha, que já desencarnou, seria melhor levar para quem está morrendo de fome. O senhor já viu quantos famintos peram-bulam pelas ruas da cidade? —Geni, se você não parar de falar em Espiritismo, eu lhe dou as contas. Minha filha não morreu, ela está lá no quarto. Não demore, ela já deve estar com fome. Não se esqueça do suco nem da sobremesa. Coloque na bandeja uma rosa vermelha, símbolo do nosso amor. — Sim, senhor, concordou Geni. Quando Laerte saiu, ela comentou com Marli, a copeira: — Estão ficando loucos e nem percebem, não sei como ajudá-los. — Espere que saiam, chame os espíritos e faça uma sessão aqui na cozinha. —Marli, a Doutrina Espírita que eu estudo não força ninguém a aceitá-la. — Sabe, Geni, para mim tudo é igual, desde que mexa com os mortos. Geni alisou os cabelos de Marli e falou: — Minha querida, você nunca vai entender a minha religião, principalmente com as minhas pobres palavras. Se você desejar conhecê-la é só buscá-la nos livros doutrinários, eles são muito ricos em ensinamentos! Marli respondeu, com desdém: — Detesto ler, gosto mesmo é de livrinho de amor. Geni nada mais disse, logo levaria para o quarto de Clara uma farta refeição.
  • 25. 25 — Enrico, como fica Clara na espiritualidade, diante de tudo isso? — Vamos, Sérgio, até a Colônia onde ela se encontra. Mas antes façamos uma prece para Laerte e Anita: Ainda que no caminho da vida o socorro e a alegria lhes faltem, busquem Jesus. Ainda que considerem findas as suas esperanças, busquem Jesus. Sabem que o desespero lhes banha as almas, mesmo assim busquem Jesus. Ainda que a porta deste lar esteja fechada para o socorro, que Ele, Jesus, com o Seu raio de luz e amor a todos desta casa proteja, hoje e sempre. o O o No hospital em que Clara ainda convalescia, procuramos nossa irmã Dorotéia, encarregada da ala onde Clara se recuperava. Dorotéia nos colocou a par do seu estado e contou da sua revolta por não querer aceitar o tratamento. Com a devida permissão, fomo£.em direção ao quarto de Clara. Quando entramos, vimos uma mulher belíssima, cabelos até a cintura, loiros e sedosos, os olhos verdes, lindos como uma esmeralda. Sorri-lhe: — Como vai, Clara? — Péssima. Estou louca para levantar-me desta cama, mas sinto náuseas; é como se alguém estivesse forçando-me a comer sem estar com fome, pois acabei de acordar. Quero chegar até a janela e ver o jardim, que dizem ser lindo, mas algo me detém, como que desejando colocar um peso nos meus pés. Quero mudar de roupa, mas não consigo, uma força desconhecida me faz ficar com este vestido com o qual me enterraram. De repente, começou a gritar: "papai, mamãe, Eduardo!..."
  • 26. 26 Enrico pousou a mão em sua testa e orou o Salmo CXLIII3 , versículos l e 2: Bendito seja o Senhor, minha rocha, que adestra as minhas mãos para a batalha, e os meus dedos para a guerra; minha misericórdia e minha cidadela, meu presídio e meu libertador, meu escudo e meu refúgio, que me submete os povos. Clara aquietou-se e olhou Enrico com imenso carinho, agra- decida pelo alívio que por momentos tivera. — Procure Deus para se libertar das lembranças do plano físico, Clara — falei. — Como fazer isso se os meus amores, pai, mãe, tios, noivo, todos ficaram? Como recomeçar diante de estranhos? —Não existem estranhos em nossa vida, todos somos irmãos. Procure reequilibrar-se, quem sabe assim você ajuda seus pais e eles a você? — Vocês conhecem meus pais? Enrico, com mais conhecimento, esclareceu: — Fomos à sua casa e lá encontramos até o seu chinelo no mesmo lugar em que você o deixou. Todas as refeições lhe são ainda servidas. Tudo o que lá é feito é para você. — Meu Deus, por isso esse mal-estar que sinto. É como se estivesse enleada em uma teia de aranha e, por mais que eu faça, não consigo desvencilhar-me. Ajude-me a socorrer meus pais. Sei que eles estão sofrendo muito mais do que eu. — Tem razão, mas você tem de procurar sarar. Depois a levaremos até eles para você mesma auxiliá-los. — Sinto-me tão fraca... Não tenho condição de ajudá-los. Estou revoltada; meu noivo não morreu, por que só eu morri? Engana-se, se você não morreu, agora é que está querendo morrer, não assumindo a nova vida que Deus lhe ofertou. 3 N.E. — Em algumas Bíblias, CXLIV
  • 27. 27 — Deus? Quem é Deus para dispor do nosso destino? Ele, que dizem ser bondoso, separa uma filha dos seus pais; uma mulher apaixonada do seu noivo? Que bondade é essa? Responda-me! — Sim. Ele é tão bondoso que lhe dá o direito de não O compreender, cada um de nós é livre para agir como tem vontade. Enquanto conversávamos, entrou o doutor Paulo. — Bom-dia, irmãos, como vai Clara? Apontando para Enrico, respondeu: — Ele segurou a minha cabeça, falou algumas coisas e eu melhorei. Enrico sorriu e Paulo pediu que nos retirássemos e o esperássemos na sala ao lado. Despedimo-nos de Clara e saímos. Não demorou muito e o doutor Paulo encontrou-nos na sala de espera. Agradecendo a Enrico a cooperação, contou-nos sobre a luta que estavam enfrentando por causa das invocações da família de Clara. — E o noivo, irmão, também está desesperado? — Não. Já está namorando outra, mas Clara ainda não sabe. — E os pais, sabem? — Não. O que vai ser outro drama. — Doutor, nós estivemos na casa de Clara e constatamos que o seu quarto nem foi desarrumado e que as refeições são- lhe oferecidas diariamente. — São lamentáveis certos comportamentos dos encarnados que, na hora do adeus, não sabem como agir e, apegados às lembranças, vão dia após dia se autodestruindo, fazendo muito mal para aquele que retornou a este plano. É preciso fazer com que a família de Clara mude de atitude. — Podemos tentar, Enrico?
  • 28. 28 — Não, Luiz, não podemos, deixemos que outros espíritos levem a família a buscar uma Casa Espírita. — Desculpe-me, mas poucas famílias ficam na Doutrina depois que passa a saudade. — Essas famílias, mesmo não ficando na Doutrina, passam por ela e algo aprendem. Uma das mais belas lições ensinadas pelos espíritas é a caridade. Ela é o remédio para a saudade. Os pais de Clara são espíritos comprometidos com o pretérito. O orgulho, a vaidade, o apego aos bens materiais são defeitos que carregam há muitos anos e a dor que hoje enfrentam é cobrança do passado. Quem fez chorar no ontem hoje tem os olhos transbordantes de lágrimas. Logo, com a ajuda dos amigos encarregados do consolo, eles buscarão um médium que terá condição de lhes dar algumas notícias. — Eles irão receber mensagens de Clara? — Agora é impossível, quem sabe daqui a alguns anos? — Anos, irmão...? espantei-me. — Luiz, você mesmo constatou o desequilíbrio de Clara, como podemos colocá-la para psicografar? — É mais complicado do que se imagina uma comunicação através da psicografia, porque o desencarnado tem de aprender a escrever novamente. E a família também tem de estar preparada, nem que seja um pouco. — É, irmão Paulo, mas existem os que brincam com coisas sublimes da Doutrina. Já imaginou o quanto é importante para uma família ter notícias do ente querido? — Espero que na próxima visita a Clara vocês a encontrem bem melhor. — Esperamos que sim, falei. Enrico apertou a mão de Paulo e comentou:
  • 29. 29 — Irmão, se cada homem se conscientizasse do valor da busca espiritual, hoje não nos defrontaríamos com tantos absurdos que são cometidos pelos que ficam. Até outra vez. — Enrico, muitos dos que se dizem espíritas ainda não conhecem o trabalho dos desencarnados, julgam que os espíritos sabem de tudo, não é mesmo? — Você bem conhece esse problema... — disse, apontando para mim. —Fico bastante triste quando me chamam para desatolar carro, consertá-lo e até para colocar gasolina!... Os que estão fazendo prova para vestibular também chamam e pedem para os espíritos fazerem as provas, enquanto que aqui cada um tem o seu trabalho, desempenhando aquilo que tem capacidade para fazer. Os encarnados precisam se conscientizar de que não é porque o espírito não tem mais um corpo de carne que ele aprendeu tudo, que tudo sabe. Um dia desses um marido queria, porque queria, que eu fizesse o parto da mulher dele, porque morria de ciúme dos médicos e relutava em levá-la ao hospital. Pedia e pedia para que eu fizesse o parto juntamente com Sadu, Samita, Rayto, enfim, todos os Raiozinhos de Sol. — E vocês fizeram o parto? Quis saber, Enrico, rindo. — Como? Apenas oramos para que o bom senso aflorasse naquele homem. — Luiz, quando as Casas pedem para os freqüentadores buscarem o estudo, muitos acham que já sabem de tudo sobre o Espiritismo, porque já leram inúmeros livros. Esse é o perigo, porque não basta ler este ou aquele livro e viver citando este ou aquele trecho. O que é preciso é buscar os livros educativos, eles, sim, os elucidarão como proceder com os espíritos. Ler os livros espíritas, os romances, está muito certo, mas eles são apenas os complementares. A raiz são as obras básicas da Codificação.
  • 30. 30 — Sabe, Enrico, espírito sofre!... Coloquei meus braços em seus ombros e fomos caminhando, contando as nossas experiências. Capítulo VII DOIS ESPÍRITOS PARA DESLIGAR Retomamos à Estação do Adeus, onde Silene estava sendo velada. Um caía ali, outro acolá, um gritava, puxando os cabelos; e ainda os sussurros e comentários. Silene estava grávida e fora assassinada pelo marido ciumento. Chegamos com dificuldade, porque os espíritos brincalhões, os zombeteiros, tudo faziam para que as pessoas ali presentes praticassem atos daquela natureza. E como se divertiam! Os encarregados das capelas tentavam ajudar Silene que, junto ao espírito que jazia em seu ventre, não conseguia libertar-se do corpo físico, tal a violência de que fora vítima. Juntamo-nos aos Samaritanos e oramos sem parar. Mas aquela hora, que deveria ser a hora do adeus, estava-se tornando um verdadeiro suplício. De um lado, médicos espirituais, socorristas e os amigos espirituais de Silene, todos oravam, procurando ajudá-la, assim como ao seu filho e, na parte física, os curiosos, que tinham ido àquele local mais para comentar o fato narrado pelos jornais. Ninguém fazia uma oração, só as velas e as flores ornavam aquela capela. Os gritos de dor e de vingança eram uma barreira para os seus amigos espirituais. Silene, com o espírito ainda se debatendo em seu ventre, não conseguia desprender-se, tal a perturbação que sofria. Nisso, entrou o doutor Terêncio Sabóia, pedindo que todos se pusessem em oração, pois iria tentar retirar o espírito do ventre de Silene. Todos nós, cientes da nossa responsabilidade,
  • 31. 31 isolamos tanto o ambiente, que nem o cantar dos pássaros era ouvido. Ele e a enfermeira Marinette retiraram aquele perispírito com forma dominuta. Silene adormeceu, o seu laço fluídico foi desamarrado e ela foi saindo, deslizando como se fosse uma bailarina. No instante em que Silene se desprendeu, seu corpo físico deu um estremecimento, percebido por alguns que choravam desesperados diante do caixão. Eles se assustaram tanto, pensando que Silene estivesse viva, que saíram correndo. E o tumulto se fez naquela capela. Falavam que ela tentara levantar-se, abrira os olhos, que levantara os braços. A família, apavorada, chamou um médico e ele sorriu, pois o corpo já estava rígido e os olhos da alma haviam perdido o brilho da vida física. Se ele fosse vidente, teria visto os fios, que levam o brilho aos olhos, sendo desligados graças à luta dos espíritos que nas capelas trabalham. Depois que o médico deu Silene por "morta", quase ninguém quis ficar ao lado do corpo, principalmente aqueles que o viram estremecer. Pensei: como seria bom se ela sentasse no caixão e falasse: Calem a boca, seus fofoqueiros; e voltasse a dormir o sono da vida J á que a morte do corpo físico ronda aqueles que distantes se encontram das coisas espirituais. Os gritos dimi- nuíram, mas de vez em quand^ om caía pelo chão. Vendo que ninguém fazi i uma prece, cheguei perto de Ono- rina, uma apreciadora do Espiritismo, como gosta de dizer. — Onorina... — chamei. Ela olhou para os lados, segurou o peito e pensou: meu Deus, me ajude, acho que a "defunta" está querendo entrar no meu corpo! Não deixe, por favor, meu Deus! Falei ao seu ouvido: __Onorina, eu não sou a Silene, sou um amigo espiritual. Quero pedir-lhe um favor: ore pela Silene, ela está precisando.
  • 32. 32 A mulher me pareceu um arco-íris; ficou com tanto medo que o seu rosto adquiriu várias cores. __Meu Deus! Meu Deus! Pai nosso que estais no céu... E assim Onorina orava, orava, orava, sem parar. Ninguém mais agtientava, pois ela não parava, com medo de ouvir novamente aquela voz nos seus ouvidos. A filha bateu em seu braço: — Mãe, pare, todos estão cansados. Ela nem respondeu, continuou orando o que sabia e o que não sabia. Tudo ela estava fazendo, porque "a voz" tinha-lhe pedido. — Onorina, falou uma amiga, o que está acontecendo? Ela, mais que depressa, respondeu: — Nada. — Sei que você é médium, fale para nós o que viu. — Não vi nada e nem quero ver. Senhor Jesus Cristo, ajude esta pobre mulher que precisa tanto do Senhor. Saí de perto para não rir. Aqueles que gritaram e desmaiaram foram-se retirando, correndo das ladainhas de Onorina. Aí mesmo é que ela não parou mais. Foi quando Enrico sussurrou em seu ouvido: — Que Deus a abençoe pela ajuda que está prestando a todos nós e que Jesus seja louvado hoje e sempre. — Jesus seja louvado hoje e sempre, repetiu Onorina. Repetia e repetia a frase de Enrico. A sala estava quase vazia, pois na hora do disse-que-disse todos gostam, mas na hora de louvar a Deus poucos ficam. Nisso, o espírito encarregado da capela, aproveitando a mediunidade de Onorina, fez uma oração que deixou a todos boquiabertos, pois Onorina era semi- analfabeta: —Pai amado, ouvi-me. Bem sabeis que esta vida é passagei- ra e na Terra estamos para evoluir. Ajudai-nos, dai-nos força
  • 33. 33 para aceitarmos a separação de Silene. Sabemos que jamais a esqueceremos. Um vazio se faz entre nós, pois parte uma irmã, uma filha, uma amiga. Perdoai nossa fraqueza e ajudai- nos a compreender a "morte", que ela é necessária e que a alma é levada para a morada espiritual. Tirai dos nossos corações o vazio e colocai neles a certeza de que nos reencontraremos além da matéria. Dai-nos esperança, fé e amor, e à nossa irmã, concedei a saúde espiritual e a paz. Quem já estava saindo, fugindo das ladainhas, voltou para ouvir a oração feita por Onorina. Agora, em vez dos gritos, eram os elogios e Onorina, toda feliz, dizia: — Obrigada, obrigada... Em momento algum ela disse que não havia sido ela e sim um espírito. Errado isso? Claro que não. Se ela revelasse para aquele povo sem fé que eram de um espírito as suas palavras, todos iriam rir. Mas ela estava feliz, algo estranho havia-lhe acontecido. Olhei a veste de carne, o vestido que servia o perispírito de Silene, e vi o seu duplo apagando-se, quase sem vida, juntando- se ao corpo, sentindo-se abandonado pelo espírito. Como pode um amontoado de carne, vísceras, ossos e nervos ser cultuado pelos materialistas que julgam que nada existe além do corpo físico? Será que eles nunca buscam a força que põe essa máquina a funcionar? Que guando a força — que é o espírito — está-se desligando do corpo físico, este vai enfraquecendo? Observei Silene, uma bela mulher, já ficando feia, pois o que embeleza a matéria é o espírito. E o dela, por mercê de Deus, já estava deitado no Hospital de Lucas, que paira sobre aquela Estação do Adeus. Não poderia deixar de dar um beijo em Onorina. Quando me aproximei, ela cerrou os olhos e me viu com mais nitidez. Arrepiou-se toda e falou: — Valha-me Deus! Beijei seu rosto com carinho e falei:
  • 34. 34 — Eu amo você. Já sem medo, ela respondeu: — Eu também, meu filho — e começou a chorar. Onorina chorou não de medo, mas de alegria, porque só ela sabia o que havia acontecido ali, na capela. Enrico me esperava junto aos outros e logo andávamos pelas alamedas do chamado cemitério. Com tristeza constatamos o abandono de muitos túmulos. Somente aqueles que a família paga se mantêm limpos, mas o que devia ser uma obrigação social, hoje é um comércio sujo, porque ultraja viúvas, filhos, mães e pais desesperados. — Até quando? perguntei a Enrico. Até quando assistiremos ao que está acontecendo hoje? Alguns espíritos, sentados sobre seus túmulos, relembravam a época em que ainda estavam presos a seus corpos. Outros lutavam para deles se libertar. Não posso dizer que foi um passeio agradável. Percorrendo as alamedas do cemitério, ou Estação do Adeus, constatamos que o encarnado não aprecia visitá-lo; seu desejo é ignorá-lo, porque ele faz com que o homem pare um pouco para indagar: para onde vamos? ou, não somos nada, tudo termina aqui? Agora, se o Espiritismo fosse ensinado nas escolas, tudo seria tão diferente! Desde criança o homem procuraria respeitar seu corpo físico para não ferir seu espírito. Capítulo VIII UM DESPRENDIMENTO TRANQUILO Quando pensei que já íamos embora, Enrico levou-me a outra capela. Sollano desencarnara e seus dois filhos oravam em silêncio junto ao seu corpo. Em um aparelho de som, as músicas clássicas eram um convite à meditação e quando
  • 35. 35 alguém conversava dentro da capela, um dos filhos pedia silêncio. Era a hora da despedida. Muitos choraram baixinho quando a valsa do adeus foi tocada. Não ouvimos comentários sobre a forma do desencarne de Sollano, como também nada ouvimos sobre ele. Já estávamos curiosos. Oramos junto àquela família. O Evangelho Segundo o Espiritismo era lido desde o primeiro capítulo e comentado pelos espíritas presentes. Quando paravam, o volume da música era aumentado para conter o possível bate-papo. Depois, cada pessoa fazia prece de acordo com seu sentimento. Busquei Sollano e fiquei contente. Já desprendido do corpo físico, ele palestrava junto a outros espíritos. Não podia estar melhor. — Como pode isso acontecer? perguntei a Enrico. — Meu filho, Sollano sempre foi um tarefeiro de Jesus. Na Casa Espírita que ele fundou, o alicerce foi colocado com o cimento da renúncia e as paredes, com o suor de cada fundador da Casa. Ele, Luiz Sérgio, fez do seu lar uma oficina de Jesus. Sempre cuidou da terra que lhe fora ofertada para arar. Jamais se "aposentou", ao contrário, cada vez mais o trabalho lhe roubava as horas de lazer. Fez da Doutrina Espírita o seu ideal de vida. Todos os familiares tomaram-se espíritas através dos seus exemplos. Era digno, jamais se julgou dono da verdade ou condenou alguém por não agir como ele. O dinheiro, às vezes pouco, multiplicava-se em prol dos pobres e da Casa Espírita. Repare nos espíritos que vieram recebê-lo! Inebriado, vi como o espírito de Sollano brilhava; os seus centros de força possuíam luminosidade radiante. Presenciei em seu corpo de carne uma luz e, intrigado, perguntei a Enrico por que o corpo físico de Sollano também brilhava. — Foi um convívio respeitoso entre corpo e espírito durante muitos anos e Sollano limpou tanto a sua casa física, que ela
  • 36. 36 se tomou uma casa iluminada. Ele jamais descuidou de sua alma e de seu corpo. Quando os homens se conscientizarem de que o corpo físico é uma casa que também precisa de cuidados, não colocarão excessos nele. A casa-corpo, que por alguns anos abrigou Sollano, não era hoje uma casa corroída e maltratada, não; era uma casa que agora estava vazia, mas que o seu dono soube perfumar com o amor e o trabalho. O corpo jazia frio e inerte. Os filhos e amigos o velavam, mas o espírito, junto aos outros amigos espirituais, esperava a hora do sepultamento, para depois buscar no plano mais alto um lugar para iniciar novos trabalhos, porque um espírito com Jesus é o amor em ação. — Posso me aproximar dele? — Pode, Luiz. Cheguei perto. — Sollano, seja bem-vindo. — Luiz Sérgio, irmão, que Deus o ilumine pelo consolo a tantas almas que o procuram. Fico feliz em abraçá-lo, esperando que cada vez mais o irmão busque em todos os lugares aqueles que precisam. Um dia li um dos seus livros e chorei de alegria, porque foi bom saber que a Espiritualidade Maior está sempre junto à sociedade atual, tão carente de elucidações. Abraçou-me forte. Enrico também aproximou-se para lhe dar as boas-vindas. Era a recepção a alguém que soube viver com dignidade.
  • 37. 37 Capítulo IX NOVOS AMIGOS: PAMELA E PLÁCIDO Analisando os dois mundos — o físico e o espiritual — pensei: como pode o encarnado fugir do assunto morte? Ele teme morrer, mas não procura inteirar-se para onde foram os seus entes queridos. Será que existe inferno? Ou todos julgam que os seus amados familiares foram para o ' 'céu' ? Observava o vaivém dos carros, uns um pouco velhos, outros de luxo, cujos motoristas passavam indiferentes àquele lugar; para muitos eía somente um depósito de corpos que adoeceram. Enrico, vendo-me pensativo, indagou: — Posso saber o porquê do olhar preocupado? — Meu bom amigo estava pensando como pode o homem encarnado julgar-se o dono do plano físico e ficar insensível diante dos fatos tristes da vida! — É mesmo, irmão, quantos homens no poder levam o país à miséria! Será que por onde eles passam não enxergam crianças sujas, famintas e maltrapilhas? Será que eles não lêem a seção criminal do jornal, onde a escola da miséria vive formando quadrilhas? Será que eles julgam que o mundo são só as reuniões com pessoas importantes e ricas e viagens internacionais? Se alguns deles parassem para meditar, compreenderiam melhor a posição que ocupam, que por mais importante que seja não é eterna. — É, Enrico, entristece muito o nosso coração quando visi- tamos lares paupérrimos, onde alguns trapos lhes servem de cobertas e a fome os maltrata muito. Depois visitamos lares ricos, onde o desperdício é constante. Todos são filhos de Deus vivendo dois pólos diferentes, uns na pobreza e outros na riqueza, todavia caminham todos para uma única estação, a da morte, a Estação do Adeus. Mas, quem deseja parar para buscar
  • 38. 38 os esclarecimentos, por que nascemos, por que adoecemos e por que "morremos"? É mais fácil pegar o carrão, colocar a gasolina e correr a duzentos por hora, como que fugindo do amanhã, que muitas vezes é o agora. Enrico e eu falamos muito sobre a indiferença do encarnado do quanto ele foge da Doutrina Espírita por temê-la. Por quê? Simplesmente porque ela iguala os homens. E para o rico é terrível julgar que poderá ocupar, amanhã, o barraco do pobre de hoje, em uma nova existência. E mais fácil chamar os espíritas de loucos do que ainda no corpo físico buscar o plano espiritual. Saímos daquela Estação, onde constatamos alguns fatos que aqui narramos. Agora iríamos dar uma chegada no Centro Espírita onde ouviríamos algumas palestras e esperaríamos novos companheiros. No início não gostei, estava tão bom eu e Enrico... Logo ficamos a par que teríamos companhia para o novo trabalho. Enrico indagou: — Por que você ficou preocupado ao saber que teríamos novos irmãos conosco? — Desculpe, amigo, mas é que todas as vezes que termino um livro, o meu coração chora de saudade. — Muito bonito, mas não é o certo. Não existe separação quando se quer bem, porque as distâncias deixam de existir. É só nos ligarmos pelo sentimento que nos une. — Enrico, você já é evoluído, eu gosto é de afagar as pessoas, estar perto delas. Ele deu aquele sorriso gostoso e amigo. Enlacei o seu ombro curvado e agradeci a Deus pela minha família espiritual. Quando chegamos ao auditório, uma irmã falava sobre mediunidade, alertando os médiuns da Casa sobre o perigo terrível da vaidade, mal que derruba qualquer médium. A mediunidade bem exercida permite a comunicação entre os dois planos. Ela só acontece com o fim de melhorar espiritualmente o médium e para dar a conhecer aos homens a verdade. Quando o médium não cumpre
  • 39. 39 bem sua tarefa, os bons espíritos se afastam e partem em busca de quem se mostre mais digno de sua assistência. A orientadora encarnada continuava sua aula dizendo como deve comportar-se um médium da Doutrina Espírita. Nas obras básicas encontramos diretrizes seguras para evitar os perigos da mediunidade mal dirigida. E nelas, como uma cascata de luz, chegam-nos os ensinamentos de como conseguir edificantes resultados na prática mediúnica. Ou ele aprende a servir ou toma-se um joguete fácil nas mãos de espíritos inferiores ou zombeteiros. Fomos avisados de que na sala treze éramos esperados, entretanto aguardamos o término daquela aula sobre mediunidade. Não podemos deixar de grafar aqui a pergunta de uma médium que ouvia a palestra. Levantou o dedinho e perguntou: — Como faço para exercer todas as mediunidades que tenho? — Minha irmã, faça tudo para se tornar uma tarefeira de Jesus. O Cristo nunca Se preocupou com a quantidade e sim com a qualidade. Veja qual é o dom que a irmã tem mais facilidade para exercer e busque fazê-lo bem, respondeu a orientadora. — E as outras, o que faço com elas? — Deixe-as de reserva. Já imaginou se um bom técnico de futebol colocasse todos os bons jogadores no campo? Não sobraria espaço para eles jogarem. Assim é o médium que deseja exercer todas as mediunidades. Ainda insistia a jovem: — Mas eu tenho todas as mediunidades!... A orientadora indagou: — Quem disse que a irmã é portadora de tantas mediunidades? — Escrevi uma carta a uma médium e ela na resposta me confirmou o que eu já sabia. —Cuidado com a vontade de pescar, pode pegar peixe podre.
  • 40. 40 A jovem não gostou das respostas, mas confesso que achei a orientadora uma excelente espírita. Em seguida fomos em direção à sala treze. Quando lá chega- mos a irmã Pérola, mentora da Casa, apresentou-nos Pamela e Plácido, nossos novos companheiros de trabalho. Enrico falou- lhes: — Sejam bem-vindos, o trabalho nos espera. Capítulo X A VAIDADE E O APEGO Nosso primeiro trabalho juntos era visitar um lar onde a dona da casa, Sibila, acabara de desencarnar. Os familiares já se encontravam de volta dos serviços fúnebres. O marido, meio perturbado, mergulhado na sua dor, permanecia calado, enquanto os três filhos discutiam o que iriam fazer com os pertences de Sibila. As duas moças, uma Jussara, outra Emi, já faziam a partilha dos pertences valiosos. As roupas chiques elas queriam, mas a maioria era colocada em caixas para serem doadas. Olhei os meus amigos de trabalho e falei a Pamela: — Já vi tanto esse filme!... Não sei por que a pressa em desarrumar o que está arrumado. — Acho, disse a nova companheira, que é o medo de sentir saudades. Talvez a própria dor leve a família a inventariar os pequenos pertences da vida doméstica. — A lei é sábia, falei. Se não tivesse inventário, seria um a partilha, as brigas bem maiores. Observando aqueles filhos invadindo a privacidade da mãe, presenciei, mais uma vez, como o homem encarnado vive fora da realidade. Jóias, retratos, cartas, roupas, tudo era vasculhado e
  • 41. 41 dividido. Enrico nada falava, andando pela casa toda. E por falar nela, que casa! Havia até um quarto de ginástica, onde Sibila mantinha seu corpo esbelto. Os objetos antigos e os quadros ainda não estavam sendo divididos. — E Sibila, como está? perguntei a Enrico. — Depois iremos saber, agora estamos aqui não apenas para presenciar uma família desmanchando a casa de alguém que partiu, mas para orar, pedindo a Deus que não deixe essa família inventariar, antes do tempo, os pertences de uma mulher apegada aos bens terrenos. — Ela é apegada às suas coisas? interrogou Pamela. — Muito. Ela e o marido viajavam bastante e em todas as suas viagens eram compradas obras de arte. O seu guarda-roupa consta de uma quantidade imensa de pares de sapatos e trajes, incluindo de passeio, esporte fino e toalete. Perfumes? Calculamos uns cento e cinqüenta frascos. — Para que tanto? indagou Plácido. — Dinheiro, irmão, dinheiro demais. — Enrico, de que desencarnou Sibila? perguntei. — Plástica. Tinha mania de fazer plástica e nessa última o coração não suportou. Fiquei calado, mas pensei: coitada, como deve estar furiosa por ter “morrido” ! O plano físico para Sibila era uma eterna festa. Oramos muito, tentando fazer Jussara e Emi terem um pouco de compaixão pela mãe. Mas, que nada! As duas eram como formi-guinhas no açúcar, loucas para comer até a última porção. Silvério irmão das duas, conversava ao lado do pai, tomando umas e outras dtfses de uísque. Orávamos e orávamos, quando Emi falou: — Estou cansada, amanhã voltaremos a separar as coisas. Meu Deus, como mamãe tinha tralha! Voltei a pensar: por que não esperam ao menos uma semana para a partilha? Tinham de começar na noite do enterro? Que
  • 42. 42 gosto mais cavernoso! Elas pararam de lotear as coisas de Sibila, e nós dali fomos saindo. Ainda olhei aquela mansão com seus mil e trezentos metros de área construída. Depois de morar em um casarão daquele, o corpo de Sibila encontrou refúgio em um estreito túmulo. O que é a cova, diante da grandeza espiritual? Queira Deus que ao despir-se do corpo físico você, leitor, só leve a lembrança das coisas boas que lhe aconteceram. Na casa, muito bonita, agora faltava a sua dona, a sua proprietária, que a embelezava, que fazia as coisas funcionarem. Sibila tinha vários empregados, era uma mulher muito rica. — Agora vamos prestar auxílio a Sibila, disse-nos Enrico. Confesso que estava louco para saber onde ela se encontrava. Perplexo, constatei que voltávamos para a Estação do Adeus. Olhei Pamela, mas ela estava orando. Busquei Plácido e ele perguntou: — Tem tão pouco tempo assim o desencarne da nossa irmã? Pois eu pensei que ela se encontrasse em algum dos nossos pron- tos-socorros. Enrico não respondeu. Acho que ele julgava desnecessário um esclarecimento sobre o fato. Caminhando à nossa frente, pediu permissão a Vilfredo, dirigente da paz, o encarregado daquele lugar. Falei baixo para Pamela: — O que quer dizer "da paz"? — É que sem ela, irmão, não respiramos, morremos inertes, sem socorro, a cada minuto — respondeu Vilfredo. Dei aquele sorriso amarelo, sem graça, envergonhado, e quem me afagou os braços? Pamela, a jovem de cabelos castanhos e olhos azuis, linda, uma boneca. Fomos levados até Sibila e ela, desesperada, gritava, gritava, julgando-se no hospital, sendo operada: — Falta-me o ar, estou morrendo! Não posso morrer, sou tãq jovem ainda!... Meu Deus, se você existe, salve-me! Na mesma hora, dizia:
  • 43. 43 — Não jogue fora as minhas bijuterias, as minhas roupas, eJ as quero! Não, não, não façam isso, são as minhas cartas! deu o direito a vocês de mexerem em meus pertences? Os enfermeiros e os médicos tudo faziam para adormecê-la mas a cada objeto que as filhas tocavam, Sibila sentia com< alfinetadas em seu corpo espiritual — Quanto apego às coisas materiais!... — exclamou Pamela — Minha irmã, os pertences de outrem não são nossos. — Mas, Enrico, ela "morreu". — Sim, ela desencarnou, Luiz, entretanto o seu espírito est vivo, consciente e lutando para compreender o que lhe aconteceu — Coitada, a família não é espírita, por isso está dividind tudo. — Luiz Sérgio, não são só os outros, de outras religiões, qu fazem o que vemos. Muitos espíritas julgam que beneficiam aquel que se foi ao darem os seus pertences. — Enrico, é certo ficar com tantos sapatos, quando existenj muitos pés descalços? — Irmão, as lojas estão lotadas de pares de sapatos. Se uri de nós adentrar suas portas sem autorização do dono, pegar un pares para dá-los aos pobres, a justiça será implacável contra nós Q mesmo se dá com aquele que parte. O certo é esperar um tempo porque o recém-desencanado receberá aulas sobre o desprendimento e aí, junto aos seus familiares, distribuirá a quem precisa aquilo que deixou. — Acho fantásticas essas escolas que elucidam sobre o desapego aos bens terrenos. Soube, Enrico, por Tácita, que muitos, mesmo freqüentando as aulas, relutam em dar alguns dos seus pertences. O apego é algo sério. Eu tinha uma coisa que não gostava que ninguém pegasse, era só minha. E ficava uma fera com o Cezinha quando ele a queria emprestada.
  • 44. 44 Logo após o meu desencarne eu queria que doassem tudo, como se esse gesto aliviasse a saudade que me invadia. Enrico acrescentou: — Cada um reage de uma maneira, você é um espírito esforçado. — Nem tanto... — falei, envergonhado. Os outros dois riram. Acho que não estão acostumados com o meu modo de ser. Mas eles chegam lá. A nossa Sibila estava muito perturbada; pude perceber que era linda, uma jovem senhora de seus quarenta e três anos que me parecia mais nova que os filhos, pois o Silvério já era careca e de aparência bem acabadinha. Cheguei perto dela, quando dizia: —Não pegue meu casaco que comprei na Áustria! Por favor, espere eu sarar, eu viajo com seu pai e trago um igualzinho! — Irmã, que Deus lhe dê a paz. — Ô, doutor, não fale assim, vou pensar que estou morrendo. Tenho pavor da morte! Apertei sua mão, pedindo a Deus que ela encontrasse a paz. Como um recém-desencarnado precisa de paz! Por isso os pregadores religiosos, os padres, os pastores, enfim, todos dizem: descanse em paz. Verdade. Feliz daquele que vive no mundo espiritual em paz com a sua consciência. Nisso, os enfermeiros foram levando Sibila. Ela ainda me olhou com carinho, como se me pedis ajuda. Por que o homem, por mais poderoso que seja, sente-se tão desesperado quando "morre"? É como se fosse para um país estrangeiro, onde ele não se preparou para visitar; está com a roupa do corpo, sem documentos e sem dinheiro. Por mais que procure um rosto conhecido, não o enxerga, porque conforme o estado emocional do recém-chegado ele não tem condição de seque cumprimentar aqueles que o esperam, até acertar tudo. Acontece o mesmo quando chegamos de viagem. Apresentamos passaporte nossas malas são revistadas
  • 45. 45 pela alfândega, enfim, primeiro vem a burocracia, depois é que vamos conhecer o lugar visitado. Até chegar nesse ponto, haja coração! Sibila estava sendo levada para um hospital. — Vamos acompanhá-la, convidou-nos Enrico. Foi o que fizemos. E lá, a nossa amiga sentiu-se mais aliviada Percebi uma lágrima beijando o seu lindo rosto. Enxuguei-a con a minha mão, ela me sorriu, falando: — Agora é que percebi que "morri", ao ser tocada pela sua mão. — Não entendi, falei. — Uma pessoa viva não tem a suavidade da sua mão. — Mas eu sou vivo!... — Desculpe, não compreendo bem essas coisas, mas agora lhe pergunto: morri? — Sim, você desencarnou. O espírito não morre, mas o seu| corpo físico não agüentou a operação e expulsou a sua alma. — Meu Deus, como poderei viver aqui, longe da minha família? — Mas você não vai ficar longe da sua família, ela está logo ali, é só dar um passo, os dois mundos se entrelaçam, só os encarnados é que não percebem. — E os outros, quem são? — Este é Enrico, o jardineiro de Jesus, que presta assistência a quem deixa o corpo físico na terra. Este é Plácido e esta é Pamela, nossos companheiros. Eu sou Luiz Sérgio e todos nós prestamos auxílio a quem necessita. — Obrigada, eu irei precisar muito. Não acreditava nessas coisas, era materialista. Não compreendo um Deus que mata, que se deixa ser torturado em uma cruz, que faz nascer aleijados, cegos, mudos e defeituosos. — A irmã está confundindo Jesus com Deus, mas não vou defender o nosso Criador agora. No momento estamos preocupa-
  • 46. 46 dos é com o seu equilíbrio. Mas um dia quero reencontrá-la e vou-lhe apresentar Deus, o nosso Pai amado. É fácil ser materia- lista, é a chave do "tudo podemos". Ignorar o pobre e a miséria, ganhar sempre, ser esperto, enfim, o materialista muitas vezes só pensa nele. — Tem razão, eu sempre pensei que havia sido uma das escolhidas para ser rica, e por que iria dar assistência àqueles que nem mesmo Deus quis? As religiões não têm respostas às perguntas inteligentes, todas elas só pregam a fé, fazendo do religioso um fantoche. Ele ama a Deus porque O teme, serve a igreja porque todos precisam de religião, assim dizem os religiosos. — Irmã, o que era a morte para você? — O fim. Julgava que, morto o corpo, tudo acabava. — Nunca procurou saber por que algumas vidas são tão passageiras? — Não, nem uma vez. A morte, para mim, sempre foi um tabu. Desde que nasci, nunca me faltou nada, como ia pensar em "morte", tendo tanta coisa para fazer? — Ninguém da sua família jamais lhe falou em Deus? — Minha mãe. Ela ajudava os padres e quando ia à Itália visitava o Papa; eu também fui recebida por ele, mas o resto nunca me aguçou a curiosidade. Volto a dizer: a minha vida era cheia de acontecimentos inesquecíveis. — A irmã nunca fez uma prece? — Espere... acho que sim. Quando, em uma viagem interna- cional, o avião nos pareceu que ia cair, lembrei-me de pedir a Deus, mesmo não acreditando n'Ele. — Irmã, e agora, o que sente? — Medo. Muito medo. E depois, sempre temia que com a minha morte os meus filhos se apoderassem dos meus bens. — Por quê? Eles não podem?
  • 47. 47 — Não é bem isso. Cada um tem o que é seu. Todos eles têm casa, carro, jóias e boas roupas. Por que irão querer o que é meu? Há pouco me pareceu que tudo o que me pertencia estava sendo desarrumado e me senti tão mal!... Mas agora sinto-me mais tranqüila. — E se, por acaso, seus filhos dessem todas as suas roupas e repartissem os seus bens? —Confesso que ficaria furiosa. Não quero que ninguém fique com minhas roupas. A casa é grande, que guardem meus pertences em um dos quartos. — E você ficará ao lado deles? —Não sei como a liberdade funciona aqui, se podemos ir em casa sempre. Enrico interrompeu nosso diálogo, aconselhando-a: —Irmã, descanse, amanhã será um dia difícil. Primeiro vai- se recuperar, depois será elucidada sobre as coisas do espírito. Até lá, esqueça os que ficaram e busque a paz interior. É muito bom, para o recém-desencarnado, limpar a sua casa mental. — Aprendi alguma coisa sobre meditação. Quando fui à índia, procurei um iogue e com ele aprendi a respirar e a meditar. - Seria muito bom para você, Sibila, começar logo a exer- citar a meditação. Gostaríamos que orasse, a prece é a mão de Deus em nós. Contudo usaremos a ferramenta com a qual a irmã sabe trabalhar e, como gosta de meditar, vamos iniciar um tratamento com a mente. Cada homem possui uma imensa responsabilidade com a sua mente. Não lhe é conveniente pensar em coisas más. Ele tem de pensar somente em coisas boas. A irmã, que tem conhecimento da meditação, tem por dever usar o pensamento para o bem. Não é aconselhável
  • 48. 48 pensar em tristeza, em saudade, em perdas. A meditação vai levá-la à tranqüilidade de que tanto precisa. — Não sei se seria capaz de meditar, estou tão perturbada... — Vamos então orar: Senhor, tem piedade do nosso espírito que, faminto e desesperado, deixou a veste física em busca da beleza espiritual e que jaz neste leito à espera de uma nova vida; que o nosso amanhã encontre as flores sorridentes de orvalho e as heras brilhantes pelo sol; que o nosso espírito, ainda peregrino, segure as mãos estendidas até nós, para nos levantarmos com fé em Ti, Pai amado. Ajuda-nos Senhor! Quando Enrico terminou a prece, Sibila ainda estava indife- rente. Durante a oração ela olhava tudo ao seu redor. A prece não lhe havia tocado o coração. Jamais fizera uma prece em sua vida. Não sei como pode alguém, nessa hora, ficar indiferente, olhando a própria roupa ou o ambiente ao seu redor. Seria tão bom se tivesse ouvido a prece de Enrico! Mas ela não encontrou Deus ainda. Por intermédio daquela irmã, percebi o quanto o homem precisa buscar a Deus. Muitos se deitam e se levantam sem se lembrar que Deus existe, mesmo sentindo a fragilidade do corpo físico, pois quem não tem uma dor de cabeça ou uma dor de dente? Continuam julgando-se donos da situação, não param para pensar o que está acontecendo nos hospitais e em muitos lares. E, assim, caminhando na terra, longe do mundo espiritual, vão amontoando iniqüidades e ficando cada vez mais sem coração, presos às coisas temporais. Egoístas, avaros e vaidosos, fazem da sua vida uma vida sem amanhã. Para eles só o hoje é importante. Estávamos diante daquela bela mulher que em busca de mais beleza encontrara o desencarne. Agora, no mundo espiritual, relutava em aceitar a verdade. Seu olhar vagava em busca de algo que lhe desse a certeza de que não morrera. Enquanto
  • 49. 49 isso, a família se livrava de tudo o que considerava inútil. O marido, fumando o seu cachimbo, pouca importância dava aos pertences da mulher. Algumas vezes seus filhos riam ao se depararem com algum objeto que eles achavam pavoroso. Olhamos a carteira da nossa irmã: os seus pertences ainda lhe eram importantes e o marido, cuidadoso, selecionava, junto ao atestado de óbito, todos os documentos que seriam requisitados para o recebimento do seguro. Se não fosse isso, até a carteira de identidade, tudo, iria para a lata do lixo. Os cartões de crédito nada mais valiam, distantes da sua dona. Fui saindo devagar, pensando: se todos fossem espíritas, mais fáceis seriam os desencarnes. Não sabemos ainda por que o homem teima em não aceitar algo tão verdadeiro. É só olhar ao seu redor e pensar o que estamos fazendo aqui, para onde foram os nossos familiares que já desencarnaram, o porquê do envelhecimento que sofremos. Nada me entristece mais do que presenciar pessoas fugindo dos compromissos espirituais e ficando cada vez mais apegadas à matéria, julgando que a vida física é eterna, sem dar uma educação religiosa para os filhos, deixando de buscar no estudo as respostas de que necessitam. Gostaria de gritar para que todos os surdos pela vaidade parassem por alguns instantes e meditassem sobre a própria vida. Tenho certeza que pelo menos um friozinho na barriga alguém iria sentir e talvez buscasse Deus no seu próximo, deixando o materialismo de lado. — Luiz, só é cego quem não deseja enxergar, os chamados estão aí — obtemperou Enrico. Não só pela nossa voz, mas em todas as religiões sérias o homem é convidado a reformular sua vida. Infeliz daquele que o emprego, a família, os amigos tomam todo o seu tempo. Esse, quando desencarnar, ficará sempre reclamando: por que o Senhor não me deixou no corpo
  • 50. 50 físico? Tinha ainda muito a fazer. Estava bem no meu emprego, tinha uma família bonita. O que vim fazer aqui? — E o que lhe será respondido? perguntei. — "A casa do pai é o Universo, a imensidade, o infinito", esclareceu. No dia em que o encarnado descobrir isso, buscará o caminho que nos leva a Deus. Mas enquanto ele estiver apegado à sua própria vida, passará pela terra e pouco proveito tirará dela. Terá uma vida comum, sem ajudar Deus na construção do Seu reino no coração das criaturas. O homem apegado às coisas temporais nega à família o acesso às coisas de Deus. Ele se lembra do Senhor somente na hora das amarguras e mesmo nessa hora o Senhor vem em seu auxílio; Ele nunca deixa de socorrer Seus filhos. Estávamos novamente junto à família de Sibila que, infeliz- mente, continuava a se desfazer dos seus pertences. Olhamos o quarto da nossa irmã em desalinho. Pensei que iríamos ajudar aquela família tão apegada à matéria, mas Enrico nos convidou a irmos embora. Capítulo XI GRAVE COMPROMETIMENTO Encontrávamo-nos agora em um cemitério, onde apenas umas dez pessoas davam adeus a Roberto. Se na parte física eram poucos, na parte espiritual eram tantos que para nos aproximarmos tivemos de vencer a multidão. — Quem é ele, Enrico? —Um matador profissional, um homem que se alimentou de ódio. É inacreditável o que fazem os sanguinários profissionais. Como pode um ser humano chegar a matar duzentas pessoas?
  • 51. 51 Levei um susto. — Pelo amor de Deus, o que estamos fazendo aqui? — Pensei que o Luiz Sérgio que conheço gostaria de contar aos seus leitores o que acontece com um espírito tão comprometido como o de Roberto. — E ele, onde está? Aí vemos apenas o seu corpo físico, se assim podemos chamar a um corpo deformado por várias perfurações a bala. — Se você aguçar sua sensibilidade, vai encontrar o espírito de Roberto. Eu tudo fazia para vê-lo, mas a minha curiosidade não m< permitia enxergá-lo e quando o consegui, levei outro susto. Robertc apresentava um corpo físico forte, musculoso, com mais ou menos um metro e oitenta de altura. Ali, enleado ao seu físico, havia um; massa perispiritual disforme, que rugia de ódio. — Enrico, como pôde isso acontecer? — Roberto perdeu a forma perispiritual. — Então o espírito retroage? indagou Plácido. — O espírito de Roberto jamais perecerá, pois Deus o criou uma chama eterna. Entretanto, a sua veste — o perispírito — foi| sendo rasgada a cada ação má cometida, respondeu-lhe Enrico. — E como ele vai andar? Não vejo suas pernas nem seus pés. — Irmãos, quando estamos encarnados, o perispírito serve de intermediário entre o espírito e a matéria, transmitindo ao espírito as impressões dos sentidos físicos e comunicando ao corpo as vontades do espírito. Quando morre o corpo físico, o perispírito dele se desprende, mas continua servindo ao espírito, pois é como seu intermediário para com os planos espiritual e material. Sendo o perispírito maleável, as ações do espírito são nele refletidas. Não esqueçamos que Roberto levou a morte física a mais de duzentas pessoas. O seu perispírito a cada má ação foi violentado, chegando à condição que se encontra hoje: totalmente disforme. Para reencarnar, um laço fluídico, que é a
  • 52. 52 expansão do perispírito, liga-se ao óvulo fecundado e vai dirigindo a formação do corpo físico. No caso de Roberto, a cada ato indigno o seu perispírito foi deformando-se. Ao reencarnarmos, muitas vezes voltamos com algumas lesões no perispírito, que no corpo físico se refletirão como doença ou deformidade. À medida que vivemos a moralidade no corpo físico, vão sendo repercutidas no perispírito as nossas boas ações. Com Roberto deu-se o contrário, ele só plasmou ódio no seu perispírito e hoje nem forma tem. Nós somos os arquitetos dos corpos físico e perispiritual. Deus criou o espírito imortal, mas se este não se tornar bom terá de sofrer as conseqüências dos seus atos. Com a explicação de Enrico, pudemos melhor divisar uma forma ovóide, gosmenta, lutando para voltar a ocupar o seu espaço junto ao corpo físico. Mas cada vez que tentava, as energias do duplo, como um esmeril, queimavam-lhe ainda mais a massa perispiritual. Era uma luta do hóspede indesejável para o corpo físico e o duplo, amigo do físico, era seu guardião implacável. E o espírito doente, atordoado, pois nunca procurou Deus quando no corpo físico, agora não compreendia os fatos. Alguém fez uma oração, mas aquele homem, que se orgulhava da sua coragem e tinha sede de sangue, trancafiado no túmulo da dor, nem sabia pedir socorro. Os fios que ligam os corpos, embaraçados, não tinham condição de se acomodar. O comprometimento de Roberto para com a lei de Deus era enorme. Deus cria sem cessar e Roberto matava os Seus filhos. Aquele espírito tão mau, que se orgulhava de tirar a vida dos seus semelhantes, ali jazia inerte, sem saber como libertar-se, agora que a laje do túmulo iria prendê-lo muito mais. Aproveitando o conhecimento de Enrico, indaguei: — E os centros de força, que ficam no perispírito, o que foi feito deles?
  • 53. 53 — Luiz, os centros de força têm a função de captar os fluidos espirituais. O fluido universal, absorvido sob a forma de fluido vital, circula por esses diversos centros de força, canalizando-o, segundo o padrão vibratório de cada pessoa, para as rodas energéticas que se encontram no duplo etérico e estas o distribuem para os órgãos que dão vitalidade ao corpo físico. Quando a nossa mente, por atos contrários à lei divina, prejudica essa harmonia, o perispírito sofre a agressão e vai-se deformando, porque a ação desequilibrante atinge os centros de força. No homem embrutecido eles se desajustam. Vivendo o corpo físico quase totalmente das reservas energéticas do duplo, os centros de força vão compensando um ou descarregando outro, enquanto o espírito desequilibrado vai cometendo seus desatinos. Quando chega o desencarne, o perispírito está deformado, as chamadas pás dos centros de força apresentam-se tão danificadas que dificilmente podemos divisá-las. Deus é quem está castigando Roberto? Claro que não. Ele é que não aproveitou o tesouro da reencarnação e usou mal a sua mente, destruindo tudo o que Deus planejou para ele. O espírito de Roberto debatia-se como se estivesse sem ar. — Podemos ajudá-lo? perguntei a Enrico. — Não. Para cuidar dos ovóides há irmãos qualificados e também de alta elevação. Só esses espíritos têm condição de prestar ajuda a doentes como Roberto. — E esses inúmeros espíritos que estão esperando por ele? — São as suas vítimas. Mas no dia em que Roberto puder sair de junto do corpo físico eles nem o verão, será uma ação tão rápida dos técnicos, que eles, coitados, guardarão o túmulo por muitos dias até perceberem que Roberto foi levado para a chamada Colônia da Segunda Morte. — Segunda Morte? Explique-nos, sim?
  • 54. 54 — Roberto foi assassinado e seu corpo material ficará na terra, "voltará ao pó", mas ele era tão escravo do corpo físico que, quando for retirado, sentirá como se tivesse morrido outra vez. E buscará, desesperadamente, o físico como se este fosse o seu dono. — Existem mais casos como o de Roberto? — Existem. Mas graças a Deus não são tantos os que defor- mam o seu perispírito como vemos o de Roberto. Olhei a família que dali se retirava e ainda fitei aquele espírito, temido até pelas autoridades, todo enrolado, mais parecendo um limai. Busquei seus olhos e constatei que sua cor era meio esverdeada, mas continham tanto ódio, que baixei a cabeça e orei. A boca, imensa, apenas compunha aquele disco informe. Como pode um ser deformar o seu perispírito dessa maneira? __Quanto tempo ele aí ficará? indagou Pamela. __Até dispersar um pouco mais seu fluido vital, respondeu Enrico. Entretanto os socorristas o ajudarão nessa tarefa. Fui saindo. Era demais para o meu espírito. O movimento no plano físico era pequeno, mas na espiritualidade era imenso. As vítimas daquele homem, verdadeiras feras, buscavam-no com ódio. Lembrei-me de O Evangelho Segundo o Espiritismo, Capítulo IX, item 9 — Bem-aventurados os que são brandos e pacíficos: Em seu frenesi, o homem colérico a tudo se atira: à natureza bruta, aos objetos inanimados, quebrando-os porque lhe não obedecem. Ah! se nesses momentos pudesse ele observar-se a sangue-frio, ou teria medo de si próprio, ou bem ridículo se acharia! Se ele tivesse tentado praticar a caridade, sua vida seria outra. Enrico demorou a sair de perto de Roberto, eu, porém, adiantei-me e procurei outra capela.
  • 55. 55 Capítulo XII O PESO DO ORGULHO E DO DESPOTISMO Como sempre, o bate-boca era normal. Até risos eram ouvidos ao lado do corpo. Em uma sala estavam os comes e bebes, nem parecia enterro e sim uma festa. Os filhos de Laurindo choravam muito, assim como sua esposa; entretanto, os ditos amigos conta- vam casos, riam e de quando em vez iam abastecer-se de comidas e refrigerantes. No plano espiritual, pelo menos uns dois metros e oitenta centímetros separavam o perispírito de Laurindo do seu corpo físico. Era como se ele estivesse em um mezanino, só que deitado em uma cama sendo tratado, enquanto o corpo, coberto de flores, era velado pela família e pelos amigos. Mesmo já separado do físico, Laurindo ainda dependia dele, pois estava ocorrendo o desligamento. Fixando bem o olhar, fui vendo que os fios que ligam o corpo perispiritual ao físico são uma expansão do perispírito. Quando ocorre o desligamento, estes fios voltam um a um para o seu real dono: o corpo perispiritual. Estando o espírito em desequilíbrio, há uma dificuldade imensa em ocorrer esse retorno e o espírito sofre até que se complete o desligamento, isto é, até que ocorra a volta de todos os elementos que pertencem ao perispírito Laurindo, que aparentava tranqüilidade, sofria como se estives sem ar, pois os fios me pareceram embaraçados. Nisso, entram os meus amigos e começamos a orar, tentando ajudá-lo. — Esse come-come não está perturbando a família, Enrico? — A família não, pois ela está também participando da festa a Laurindo sim, porque ele está-se sentindo asfixiado, custando- lhe alçar vôo. Hoje em dia até jantares são encomendados pela
  • 56. 56 família como gentileza aos amigos, para que ninguém sinta fome durante o velório. — Você acha certo, Enrico? —Quem sou eu para dizer não; o nosso trabalho não é criticar e sim esclarecer. Quem come ou serve algo na capela é dono de sua consciência. O que está me preocupando é que agora a capela está lotada, mas vamos ver daqui a pouco. E como Enrico tinha razão! Logo que a noite chegou, a família foi ficando sozinha. Interessante isso, poucos têm condição de passar a noite acordados. E apenas a família sofrida vela o corpo, pois os ditos amigos sentem sono. — Mas é duro passar a noite toda velando um corpo inerte... — Não, Luiz, não é o corpo que precisa de companhia e sim aqueles que estão sofrendo muito. Infelizmente, poucos têm a coragem e o desprendimento para praticar um ato tão nobre de fraternidade. Até às dez da noite ainda ficam, depois disso, não conseguem. O sono para muitas pessoas é como o ar, se lhes falta, sentem-se mal. E para outros, só o fato de estarem ajudando já lhes é gratificante. Reparei a viúva, os filhos e mais um senhor. Só eles ali ficaram, na fria e triste capela. Para Laurindo foi ótimo, depois que o silêncio se fez, ele conseguiu livrar-se do corpo físico e quando isso ocorreu, cerrou os olhos e adormeceu. Junto aos encarregados espirituais do cemitério, oramos a noite toda. As velas iam-se gastando, mas as nossas orações eram jatos de luz sobre o corpo e o perispírito de Laurindo. Bom será o dia em que todas as criaturas puderem compreender a grandeza da prece e mantiverem conduta digna em uma capela. Olhei o perispírito de Laurindo e percebi ser ele grosseiro, porém muito menos grosseiro do que o de Roberto, por isso, mesmo desencarnado, estava imantado dos elementos do mundo físico, sendo essa a causa de não conseguir alçar vôo. Perguntei aos meus amigos: — O que Laurindo fez? Como ele era no corpo físico?
  • 57. 57 —Avaro, trapaceiro, violento, vivia agredindo os outros com palavras, pois se julgava daqueles que não levam desaforo para casa. Era duro com a família, chegava a ser mesquinho, cobrando tudo dos filhos; a mulher, coitada, não tinha direito a nada. — Então ele não foi um homem mau, somente cri-cri, não é, Enrico? indaguei. — Sim. Ele não matou ninguém, nunca roubou, mas levou a tristeza e a preocupação a muitos corações. No trabalho, perseguia os colegas e era delator das faltas alheias. É por causa desse apego às coisas terrenas que ele, agarrado à matéria, está encontrando dificuldade em se ver livre do corpo físico. Apesar de já estar separado do corpo de carne, ainda tem os fios ligados ao físico. Fiquei olhando os dois corpos e pensei: como é triste o avarento! Ele não dá sequer amor à sua família, julgando que isso o enfraquece junto aos filhos. Aquele senhor, que ora tinha os olhos cheios de lágrimas, agora questionava: por que não me dediquei à família que tanto amo? Por que não tive coragem de lhes dizer o quanto eu os amo? Por que eu julgava tanto que eles só gastavam? De tudo eu reclamava. Sentia-se a pior das criaturas, quando sua esposa começou a recordar as horas em que ele era bondoso, preocupado com os filhos. E aquele corpo físico, velado com amor, como que expulsou as ligações que não mais tinham valor para ele. O respeito daquela viúva era grande para com o marido, mesmo tendo ele sido tão bruto para ela. O corpo inerte de Laurindo fez calar aquela voz tão dura, mas os lábios de uma mulher digna companheira lhe cobriram com o manto do amor e do respeito. Falei para o grupo: — Tenho horror de homem que se julga o dono da esposa só sabe gritar com ela, procurando desmoralizá-la a cada momento Acho que aquele que se julga com o direito de viver humilhando alguém é um infeliz, pois não sabe respeitar o seu próximo, as
  • 58. 58 vezes presencio homens tratando a esposa como se ela fosse débil mental. Fico com muita pena, ele se julga amado e respeitado, mas no fundo a mulher só lhe dedica companheirismo e amizade, há muito as suas grosserias mataram o seu amor. As mulheres, na sua totalidade, anseiam por delicadeza e educação. — Bravo! Está romântico!... — brincou Plácido. Eu apenas sorri. Quando presencio esses fatos, sinto vontade de me materializar para falar com esses tiranos domésticos que fazem que suas famílias e seus subordinados lhes sofram o peso do orgulho e do despotismo, como a quererem desforrar-se do constrangimento que, fora de casa, se impõem a si mesmos. Não se atrevendo a usar de autoridade para com os estranhos, que o chamariam à ordem, acham que pelo menos devem fazer-se temidos daqueles que lhes não podem resistir. Envaidecem-se de poderem dizer: "Aqui mando e sou obedecido ", sem lhes ocorrer que poderiam acrescentar: "E sou detestado "(O Evangelho Segundo o Espiritismo, Capítulo IX, item 6). — Defensor das mulheres, Luiz? — Não, Plácido, defensor da paz. Esses homens, doentes da alma, que gostam de gritar com os outros, só levam o desespero ao coração do seu próximo. Esbofeteiam filhos e vivem a agredi- los. Terminada a tarefa, Enrico convidou-nos a visitar outro lugar e dali saímos.
  • 59. 59 Capítulo XIII CONSOLO AOS AFLITOS Entramos na casa de Alaidinha e a encontramos deitada em um sofá. Chorava baixinho. A doméstica da casa a cada instante lhe oferecia alguma coisa, mas, chorosa e infeliz, nada aceitava. Foi quando um grupo de senhoras adentrou a sala; foram-lhe aplicar passes. Alaidinha recebeu-as com delicadeza, julgando que pudessem aliviar-lhe a dor. Contudo, logo começaram os "conselhos": — Alaidinha, não fique assim. Seu filho deve estar sofrendo por sua causa. Alaidinha, chorando, respondeu: —Por favor, não fale isso, jamais quero prejudicar meu filho, mas não consigo me alegrar. Outra mulher retrucou: — Você tem de tentar ir ao cinema, sair de casa, porque assim... — Pelo amor de Deus, fale: porque assim o quê? — Seu filho está.., E os conselhos iam chegando. A mulher, que antes estava triste, agora, além da tristeza, estava desesperada. Parecia que ela é que fora a culpada da morte prematura do filho de dezoito anos. Não aguentei, aproximei-me de Doralice e a intuí a dizer: — Que nada, Alaidinha, chore, ponha para fora do seu coração as tristezas. Não as guarde no peito, chore, que as lágrimas serão gotas orvalhadas de saudade. Jesus não Se zangou com as verônicas porque elas estavam chorando. Quem tem o direito de mandar uma mulher-mãe buscar o sorriso quando a sua alma chora? As outras não acreditavam no que estavam ouvindo: Doralice indo contra nossa orientação?
  • 60. 60 — O que faz mal ao espírito são as revoltas, as blasfêmias. As lágrimas e a saudade não irão mudar a caminhada do recém de- sencarnado. Uma das mulheres, discordando de Doralice, interrogou: — Você acha certo ela ficar deitada o dia todo, chorando? — Ela ainda não se levantou porque o seu corpo está fraco, trêmulo de dor e de saudade. Mas se todos os dias viermos aqui aplicar-lhe um passe e orar, logo ela estará em condições de voltar a viver normalmente. No momento, ninguém tem o direito de lhe perturbar o silêncio e a dor. Alaidinha gostou das palavras de Doralice e acentuou: — Só quem está passando por um momento difícil pode aconselhar o outro! É fácil mandar alguém parar de chorar, o difícil é ter condição de diminuir a dor do outro. Choro porque estou sentindo muita dor e tristeza. A aflição dilacera meu coração. — E Jesus disse: "Bem-aventurados os aflitos", completou Doralice. Alaidinha prosseguiu: — As preocupações do dia-a-dia, as tristezas e as dores nada são diante da aflição que estou vivendo. Sinto-me no fundo de um abismo desejando sair, mas por ter os olhos repletos de lágrimas não diviso a saída. Mas espero que Deus me dê o consolo. Minha fé em Jesus será a corda por onde buscarei a salvação. As outras ainda tentaram dizer: — Não chore, vai fazer mal ao espírito do seu filho. Coitadinho dele, com a sua tristeza ele está sofrendo... Meu Deus! Quem não tem condição de ajudar deve calar-se; mais fazem mal as palavras erradas do que o silêncio. Visitar quem está sofrendo é uma bênção, mas deve ter-se o cuidado para não aumentar a dor. Quando Alaidinha se afastou por um momento, as outras duas comentaram:
  • 61. 61 — Coitada da Alaidinha, está obsediada, o filho está-lhe perturbando. Doralice discordou da amiga, dizendo: — Pelo amor de Deus, Alaidinha é apenas uma mãe que está sofrendo. Seu filho jamais irá obsediar a quem tanto ama. —Coitado, ele não sabe que está perturbando a mãe, retrucou a outra. — Por favor, vamos mudar de assunto, sugeriu Doralice. Eu falei ao nosso grupo: — E pena que existam pessoas que estão na Doutrina, mas ainda não a aceitam como o Consolador prometido por Jesus. A Doutrina é um lenço branco que deve secar as lágrimas e jamais levar o desespero. Quando não se tem conhecimento é preferível calar. Falar bobagens, querendo ajudar, é o mesmo que desejar nadar sem saber, Quem está sofrendo precisa do remédio da esperança. Dizer a uma mãe que ela está sendo obsediada pelo filho é levá-la ao desespero. — É muito complicado o que pensa o homem em relação dor, disse Enrico. Ao falar "Bem-aventurados os aflitos", Jesus não quis dizer que a dor é uma felicidade, Ele quis ensinar que, bendito é aquele que mesmo em aflição tem força para buscar Criador e jamais blasfema contra Ele. Os aflitos são aqueles que passam por uma dor, como a que está sofrendo Alaidinha, ou que está atravessando um período de doença grave. As pequenas preocupações, as tristezas do dia-a-dia são incômodos para a alma, mas o ser humano delas se livra. Agora, nas aflições, só Deus e Jesus têm condição de ajudar. O homem pode dar o remédio da palavra amiga, mas só Eles curam as feridas das aflições. Se não fosse Doralice, Alaidinha teria ficado mais perturbada. Quando terminaram de falar, fizeram uma prece e se retiraram. Alaidinha abriu O Evangelho Segundo o Espiritismo, Capítulo V, Bem-aventurados os aflitos, e sentiu que o livro amigo era a
  • 62. 62 mão, de Jesus amparando-a nas suas aflições. Todos nós, em silêncio, escutamos, gratificados por ter Alaidinha, uma saudosa mãe, encontrado o consolo no Evangelho querido. Quando saímos, Enrico falou: — A Doutrina Espírita é uma doutrina de amor e esperança, pena muitos a julgarem um conto de terror. O que aconteceu com Alaidinha é um alerta para todos os que estudam a Doutrina dos Espíritos. Ficamos muito tristes quando ouvimos expositores e médiuns pregando uma doutrina de medo, que diz que todos vão para o umbral sem uma explicação sequer, só afirmando que todos têm de passar pelo umbral. — E não é verdade? indaguei. — Passam, nós mesmos estamos trabalhando nele. Mas poucos ficam durante anos nos vales de sofrimento. Quase todas as colônias de socorro estão nos umbrais, onde os espíritos são hospitalizados, tratados e têm condição de trabalhar. Para outras religiões existem o inferno e as penas eternas. Para a Terceira Revelação, que é a Doutrina Espírita, "há muitas moradas na casa do Pai" e os umbrais são zonas de sofrimento, por onde os espíritos imperfeitos irão passando de acordo com a sua vibração espiritual. Existem os vales de sofrimento, os vales dos ovóides, enfim, vários lugares, mas não conhecemos o "inferno" nem o umbral por onde dizem que obrigatoriamente todos têm de passar. — Enrico, já trabalhamos em lugares horríveis, o "inferno" mesmo... — Tais lugares existem, mas junto a eles Jesus sempre está dando a Sua assistência, e quem se propõe a dali sair logo é ajudado. Falamos isso porque estamos vendo que na Doutrina Espírita — o Consolador prometido por Jesus, uma Doutrina sem dogmas, sem talismãs, sem crendices, sem amuletos, sem estátuas — muitos espíritas invigilantes estão colocando a bandeira do medo, do terror, dizendo, ao encontrar um sofrido
  • 63. 63 homem, que ele está cumprindo pena expiatória; que a mulher que leva uma surra do marido está cumprindo com os desígnios de Deus; que o filho que agride os pais é porque é um inimigo do passado. — E não é, Enrico? — Não, não é. Existe a lei de ação e reação. O Consolador veio para explicar o que Cristo ainda não podia esclarecer, por estarem as criaturas na infância da Humanidade. A Doutrina ensina ao homem o quanto Deus é justo, o quanto o homem é amado por Ele, por ser Seu filho. — Para você, Enrico, não existe "carma"? — Nem conhecemos essa palavra. Para nós o que existe é a bondade de Deus manifestada sobre todas as Suas criaturas. Cada ser tem um livro de sua vida, no qual escreve com os sentimentos que carrega no coração. A reencarnação é o reencontro de tudo o que deixamos ontem, mas não é por isso que temos de pagar nossas dívidas de maneira dura e cruel para aliviarmos as partes envolvidas. O homem recebe de Deus uma consciência adormecida e seu espírito aprendeu nas aulas da espiritualidade que precisa ser bom. E vai buscar o inimigo de ontem. Ambos terão oportunidade de pagar suas contas pretéritas com trabalho, com lealdade, com amor. Caso contrário, se ao se reencontrarem iniciarem as mesmas brigas, os mesmos erros, ou se buscarem as noitadas, as orgias da vida, caminharão para a estrada da dor. Mas a todos Deus oferta uma nova oportunidade para que os faltosos se redimam e não que matem quem os matou ontem. — Entendi, entendi, entendi. —Por isso sempre aconselhamos: quem não tem ainda condição de oferecer a verdade do Cristo, através da Doutrina, deve ficar com as palavras de consolação. Quem está sofrendo não vai gostar de ouvir sobre débitos passados, não vai entender o que é obsessão. O sofredor está em busca de amor e de paz. Há

Related Documents