GUIA PARA UMA PARENTALIDADE PREFERIDA
Ana Teixeira de Melo
Prefácio: Madalena Alarcão
Ilustração: José Raimundo
2 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
2014
Vila Nova de Gaia
Edição de Autor
ISBN: 978­989­20­5045­4
Este trabalho está lice...
3POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Ana Teixeira de Melo
Nasceu em 1978 e vive em Vila Nova de Gaia.
É psicóloga, Doutorada...
4 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
A todos os que amam e ajudam a crescer
ATM
5POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
PREFÁCIO..................................................................................
6 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
12. A portas fechadas: O espaço do casal........................................110
12...
7POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
PREFÁCIO
Ser mãe ou pai é uma dádiva...
da vida para com o adulto;
do adulto para consi...
8 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Que pode ser mais ou menos refletido mas de que é útil guardar
memória, seja pararelem...
9POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
A experiência de ser pai ou mãe é única a cada indivíduo, às
circunstâncias que enquadr...
10 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
processo tão importante.
Existem muitas formas de ser família e muitas formas de ser
...
11POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
reflexão (e diversão) para pontuar esta viagem de preparação para ser
pai ou mãe. Este...
12 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
emergentes da relação entre os companheiros de viagem e da sua
preparação para a viag...
PARTE I 13
PARTE I ­ Planeamento da viagem e bagagem
1. Identidade do(s) viajante(s)
sta é uma viagem que, provavelmente, ...
POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)14
sobre o outro e sobre a opinião de cada um acerca disso.
1.1 Valores do viajante
ense ...
PARTE I 15
Quadro de valores
Alegria/entusiasmo Altruísmo Amizade Amor
Atividade/ trabalho/dinamismo Auto­confiança
Aventu...
POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)16
Principais Valores
Compromissodeproteger,apoiar,
cuidareeducardeumacriança.
(+ ou ­)
1...
PARTE I 17
No final, partilhe com o seu companheiro/a de viagem a reflexão
e comparem os valores de um e de outro.
Transfo...
POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)18
1.2 Projetos e sonhos do viajante
epois de pensar nos valores, propomos­lhe que reflit...
PARTE I 19
Escolha os três mais importantes e classifique­os numa escala de
0 a 10, pensando em que medida já os alcançou ...
POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)20
isso), seja intencionalmente (desenvolvendo esforços para que essas
mudanças se concre...
PARTE I 21
Se tivesse que escrever uma carta ao seu filho/filha sobre “como
me vejo nesta altura”, o que diria? O que é qu...
POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)22
1.4 O viajante e a parentalidade
m muitos momentos, ser pai/mãe pode ser uma tarefa
mu...
PARTE I 23
a. Qual a sua capacidade de adiar uma recompensa a que
considera que tem direito? Qual a sua capacidade de lida...
POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)24
d. Que necessidades suas podem, mais facilmente,
compatibilizarse ou incompatibilizar­...
PARTE I 25
1.5 Recomendação do viajante
e tivesse que fazer uma carta de recomendação para si
mesmo, tendo como destinatár...
POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)26
27PARTE I
28 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
2. Carta de motivação
vivência da parentalidade pode confrontá­lo/a com
dificuldades,...
29PARTE I
a ser pai ou mãe e que o/a podem ajudar a lidar com as dificuldades.
Seguidamente, depois da reflexão partilhada...
30 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
3. Os significados da parentalidade
er pai e mãe é uma experiência muito particular a...
31PARTE I
sentir­se
aconchegado;
proporcionar carinho; confortar;
partilhar momentos especiais; apreciar e
valorizar; anim...
32 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Para que vertentes ou dimensões da parentalidade remetem?
Remetem para questões mais ...
33PARTE I
Remetem mais para as dificuldades e obstáculos
ou para as recompensas e vantagens?
34 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Discutam o que isso pode significar acerca daquilo que, nesta
altura, vos preocupa e ...
35PARTE I
Conversem sobre as vossas respostas.
d. O que é que é mais específico e distintivo na tarefa de ser
pai/mãe comp...
36 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
4. Preparar a mala: Virtudes e Forças pessoais
al como para outras, também para esta ...
37PARTE I
QUADRO DE AVALIAÇÃO DE FORÇAS PARAA PARENTALIDADE
1
Nivel que esta
força habitualmen­
te tem em mim
(Escala de 0...
38 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Gostar de aprender
Dominar novas com­
petências, tópicos e
corpos de conheci­
mento q...
39PARTE I
Perseverança
[persistência,
laboriosidade]
Terminar o que se
inicia; persistir num
curso de ação apesar
dos obst...
40 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Bondade
[generosidade,
cuidado,compaixão,
amor altruísta,
“simpatia”]
Fazer favores e...
41PARTE I
Liderança
Encorajar um grupo
do qual se faz parte a
realizar as coisas e,
ao mesmo tempo,
manter boas relações
d...
42 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
TRANSCENDÊNCIA:
Apreciação da
beleza e excelência
[admiração,
maravilha,elevação)
Not...
43PARTE I
No final, destaquem as forças principais de cada um e
conversem sobre a forma como elas podem relacionar­se e me...
44 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
5. Para uma missão de aperfeiçoamento
sta viagem, apela às suas principais forças e v...
45PARTE I
1
Exercícios, ideias e es­
tratégias para desen­
volver/ampliar as Virtu­
des/Forças no meu
papel de pai/mãe
For...
46 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
5
3
2
4
47PARTE I
6. De outras viagens: Memórias selecionadas
sta pode, ou não, ser a sua primeira viagem por terras da
parentalid...
48 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
forma preferida de viver enquanto pai/mãe e de conduzir o rumo da
sua família. Segue­...
49PARTE I
c. Lembre­se daqueles que foram os momentos mais felizes da
sua infância. Que imagens, sons, sabores, sensações,...
50 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
f. Pense num conjunto de palavras­chave ou de objetos que
representem ideias e temas ...
51PARTE I
7. Mapa de estrelas
sta é uma atividade a ser realizada em conjunto.
Antigamente os viajantes utilizavam as estr...
52 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
As estrelas poderão estar organizadas em constelações
representando agregados de cara...
53PARTE I
estrelas. Vão colocando questões um ao outro e falando da forma
como preferem ver­se como pai/mãe e como família...
54 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
55PARTE I
No final, conversem sobre os vossos mapas refletindo sobre as
seguintes questões:
g. Que dificuldades sentiram, ...
56 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
8. As condições da viagem
ão existindo viagens absolutamente perfeitas, há,
certament...
57PARTE I
fazer uma diferença positiva, ajudando a cuidar melhor. Por
conseguinte, é importante saber onde poderá encontra...
58 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
APOIO/ORIENTAÇÃO E CONFORTO EMOCIONAL/ PARTILHA
DE EXPERIÊNCIAS E MOMENTOS
COMPANHIA/...
59PARTE I
CONHECIMENTO, INFORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
Apoio para reflexão e
fortalecimento
parental e familiar
Desenvolvime...
60 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
APOIO MATERIAL E INSTRUMENTAL
Apoio com bens, equi­
pamentos, géneros Apoio financeir...
61PARTE I
Preencha o diagrama colocando, em cada secção, o nome de
todas as pessoas de que se lembra que poderiam cumprir ...
62 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
8.2 As condições da viagem
epois de avaliar a sua rede de apoio propomos que reflita
...
63PARTE I
6. Preparação para gerir de forma eficaz a vida doméstica
corrente, no que diz respeito ao seu impacto nas finan...
64 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
HABITAÇÃO
Dimensão particular Avaliação(0 a 5) a) b)
1. Acessibilidade da habitação c...
65PARTE I
SAÚDE
Dimensão particular Avaliação(0 a 5) a) b)
1. Existência de limitações físicas ou doenças? Há condições
de...
66 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
a) 1= Totalmente insatisfatório 2= Pouco satisfatório 3= mais ou menos 4= Bastante sa...
67PARTE I
Dimensão particular Avaliação(0 a 5) a) b)
1. Existência de experiências positivas passadas de contacto
com cria...
68 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
a) 1= Totalmente insatisfatório 2= Pouco satisfatório 3= mais ou menos 4= Bastante sa...
69PARTE I
Num quadro resumo final pode escolher as cinco condições mais
favoráveis e as cinco mais desfavoráveis de modo a...
70 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
PARTE II­ Companheiros de viagem
9. A nossa história emoldurada
história do casal é u...
71PARTE II
determinada etapa ou dimensão da vossa história. Escolham uma
forma de compor a imagem que escolheram. Podem ap...
72 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Um dia sonhei com…
73PARTE II
Quando nos conhecemos…
74 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Quisemos ser…
75PARTE II
Transformamo­nos em…
76 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Guardamos memórias…
77PARTE II
Sonhamos com…
78 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Dececionamo­nos com…
79PARTE II
Descobrimos que…
80 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Iremos chegar a…
81PARTE II
No final…
82 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
10. A força do casal numa viagem partilhada
força da relação entre os companheiros de...
83PARTE II
Neste capítulo convidamos o casal a refletir sobre a sua forma
preferida de ser casal de modo a poder utilizar ...
84 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
a. Com que tipo de experiências conjugais conviveram à medida
que foram crescendo e q...
85PARTE II
b. Conversem sobre exemplos de relações de casal que admirem.
Podem ser relações imaginadas, de personagens de ...
86 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
c. Imaginem­se com uma idade muito avançada.Pensando nas
memórias que construíram sob...
87PARTE II
vi. O que gostariam de recordar acerca do modo como lidaram
com dificuldades e problemas diversos?
vii. O que g...
88 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
d. Tendo em consideração as respostas às questões anteriores,
em que medida considera...
89PARTE II
10.2 Jogar construindo
A relação é uma construção partilhada realizada com os
contributos de cada um, onde se j...
90 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Segue­se a descrição do jogo e as instruções para a preparação
do material necessário...
91PARTE II
carta de compensação consigo. Deve, ainda, com as cartas que já
estavam em jogo montar novamente algo para o ou...
92 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Acho que posso
contribuir para que a
nossa relação se forta­
leça se/quando_______
Si...
93PARTE I
Nos últimos tempos
senti uma admiração
especial por ti quando_
Gostava que me
admirasses por_______
Cartões de j...
94 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Se pudesse ir ao futuro e
voltar para escrever a
história da nossa relação
gostava qu...
95PARTE I
Acho que nos tempos/
momentos em que cada
um de nós está sozinho
(sem o outro) se tentás­
semos______________
en...
96 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Sinto que sou mais
respeitado por ti quan­
do_________________
Acho que se_________
e...
97PARTE II
Relativamente à forma
como exprimimos o que
pensamos acerca um do
outro sinto que_______
Acho que poderia ser
ú...
98 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Se quiséssemos realizar
mais coisas ou coisas
diferentes em conjunto
no tempo que tem...
99PARTE I
Cartões de jogo para imprimir e recortar.
Cartão construtivo
Sei que nas ocasiões __
não preciso de falar
porque...
100 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Esta semana proponho­
me tentar entender
melhor como é viver na
tua pele em geral/nu...
101PARTE II
Esta semana posso
tentar partilhar as coisas
boas que me acontece­
rem contigo da seguinte
forma (deve ser alg...
102 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Partilho contigo aquilo
que mais me faz sentir
assustado ou vulnerá­
vel:___________...
103PARTE II
Acho que, se estivesse
no teu lugar, poderia ser
mais compreensivo da
seguinte
forma_________
Para aumentar
Re...
104 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Aquilo que espero da
nossa relação relativa­
mente à forma como
gerimos a nossa vida...
105PARTE II
10.3 O meu presente para ti
sta é uma viagem partilhada para a qual contribuem as
qualidades, forças, talentos...
106 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Conversem sobre as principais vulnerabilidades de cada um,
particularmente aquelas q...
107PARTE II
c. Em que medida é que eu te posso ajudar a ser o melhor
pai/mãe possível? Em que medida é que a nossa relação...
108 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
11. Viver num T3+2
sta viagem realiza­se num tempo e num espaço próprio.
Enquanto o ...
109PARTE II
OS ESPAÇOS E OS TEMPOS DE UM T3 + 2
1
(Eu e Tu)
Como tenho funcio­
nado/quais são as
minhas preferências
2
(Nó...
110 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
12.1 Para lembrar: momentos especiais
ada relação tem aspetos únicos, mais ou menos
...
111PARTE II
quiserem representar. Podem optar por colocar apenas palavras com
mensagens chave ou usar palavras para comple...
112 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
especiais, os instantes felizes, os gestos e rituais que, no dia­a­dia do
casal cele...
113PARTE II
Planeie um passeio a um local
que possa agradar ao seu
companheiro (por estar rela­
cionado com os seus gostos...
114 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
Prepare uma “aventura culiná­
ria” com o seu companheiro.
Selecione um conjunto de
i...
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
Por terras-das-parentalidades
of 142

Por terras-das-parentalidades

Parentalidade
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Por terras-das-parentalidades

  • 1. GUIA PARA UMA PARENTALIDADE PREFERIDA Ana Teixeira de Melo Prefácio: Madalena Alarcão Ilustração: José Raimundo
  • 2. 2 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) 2014 Vila Nova de Gaia Edição de Autor ISBN: 978­989­20­5045­4 Este trabalho está licenciado por uma Creative Commons Licence. Para mais informações consultar: http://creativecommons.org/licenses/ Attribution­NonCommercial­NoDerivatives 4.0 International (CC BY­NC­ND 4.0) Para outras autorizações ou informações, contactar a autora: anamelopsi@gmail.com
  • 3. 3POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Ana Teixeira de Melo Nasceu em 1978 e vive em Vila Nova de Gaia. É psicóloga, Doutorada em Psicologia Clínica pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra onde realiza, atualmente, investigação, como bolseira de pós­doutoramento. Licenciou­se em Psicologia, na especialidade de Consulta Psicológica de Jovens e Adultos, pela Universidade do Porto e concluiu o Mestrado em Psicologia Clínica na Universidade do Minho. Tem desenvolvido a sua prática profissional e de investigação com um enfoque privilegiado na família. Os seus principais interesses prendem­se com a compreensão da complexidade da realidade humana, com as dinâmicas e os processos de desenvolvimento humano individual e familiar, em particular, com a relação entre ambos, bem como como desenvolvimento de estratégias diversas de apoio ao desenvolvimento positivo e florescimento das famílias. É autora do “Em Busca do Tesouro das Famílias”, um programa de fortalecimento familiar para família com crianças entre os 6 e 12 anos. Desenvolveu o Modelo de Avaliação e de Intervenção Familiar Integrada (MAIFI), dedicado a famílias multidesafiadas e um programa correspondente de formação e supervisão de profissionais. Tem desenvolvido atividades de formação, apoio e supervisão a equipas de profissionais que trabalham com famílias multidesafiadas. José Raimundo Nasceu em 1973 em Vila Nova de Gaia, onde reside atualmente. Desenvolveu o seu percurso profissional prioritariamente como desenhador, cultivando, contudo interesses diversos. Atualmente, mantém a sua especialização em desenho 3­D, e desenho digital, alargando o seu campo de atuação a outras atividades no campo do design de comunicação, entre as quais a ilustração.
  • 4. 4 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) A todos os que amam e ajudam a crescer ATM
  • 5. 5POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) PREFÁCIO..................................................................................... 7 INTRODUÇÃO.............................................................................. 9 PARTE I­ PLANEAMENTO DA VIAGEM E BAGAGEM..........13 1. IDENTIDADE DO(S) VIAJANTE(S)........................................13 1.1 Valores do viajante.................................................................... 14 1.2 Projetos e sonhos do viajante.................................................... 18 1.3 Apresentação do viajante...........................................................20 1.4 O viajante e a parentalidade...................................................... 22 1.5 Recomendação do viajante........................................................25 2. Carta de motivação......................................................................28 3. Os significados da parentalidade.................................................30 4. Preparar a mala: Virtudes e Forças pessoais............................... 36 5. Para uma missão de aperfeiçoamento......................................... 44 6. De outras viagens: Memórias selecionadas.................................47 7. Mapa de estrelas..........................................................................51 8. As condições da viagem .............................................................56 8.1 Os pais e a rede: Portos de abrigo e pontos de apoio................56 8.2 As condições da viagem............................................................62 PARTE II­ Companheiros de viagem..............................................70 9. A nossa história emoldurada........................................................70 10. A força do casal numa viagem partilhada................................. 82 10.1 Construções do casal preferido............................................... 83 10.2 Jogar construindo.................................................................... 89 10.3 O meu presente para ti.............................................................105 11. Viver num T3+2........................................................................ 108 ÍNDICE
  • 6. 6 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) 12. A portas fechadas: O espaço do casal........................................110 12.1 Para lembrar: momentos especiais..........................................110 12.2 O especial entre o banal: os momentos de todos os dias.........111 12.3 Grandes momentos: celebração formal do casal.....................115 PARTE III­ A nossa família, outras famílias e outras relações....... 117 13. À NOSSA maneira: O que preservamos, o que transformamos, o que inventamos................................................................................118 14. À nossa volta: relações e mutações...........................................122 PARTE IV­ A criança na família..................................................... 125 15. Eu pai, eu mãe...........................................................................126 16. De nós para ti: Inspiradores de sonhos......................................128 17. Celebrações............................................................................... 131 PARTE V­ Em família: viagem para o futuro..................................140 18. Carta à família do futuro........................................................... 140
  • 7. 7POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) PREFÁCIO Ser mãe ou pai é uma dádiva... da vida para com o adulto; do adulto para consigo próprio; do adulto para com outro(s) adulto(s); do adulto para com a criança que nasce e que vai crescer; do adulto para com outras crianças; do adulto para com a sociedade. A dádiva implica saber dar e saber receber... Tarefas que têm tanto de gostoso como de difícil! Em ambos os casos temos que descentrar­nos de nós próprios, seja para saber o que pode agradar ou ser útil ao Outro, seja para aceitar e usufruir daquilo que ele nos dá. Ser mãe ou pai é uma descoberta permanente... Porque a parentalidade não é instintiva; Porque nunca se é mãe ou pai da mesma forma com os diferentes filhos nem com o mesmo filho durante todo o seu processo de crescimento; Porque os interesses, as necessidades, os projetos de uma mãe e de um pai vão­se transformando consoante as experiências, os desafios e as interações que cada um e os dois vão tendo. Ser mãe ou pai é um projeto... Que nunca se constrói sem Outros, adulto(s) e criança(s); Que pode ser mais fácil ou mais difícil mas que levanta muitas questões que pode serútil partilhar;
  • 8. 8 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Que pode ser mais ou menos refletido mas de que é útil guardar memória, seja pararelembrar boas etapas, seja para evitar más experiências. Viagens por terras da(s) parentalidade(s) é um convite permanente à reflexão, ao jogo e à partilha, à experimentação, à construção e à memória. É um livro construído com base na experiência de um longo e árduo trabalho de investigação e intervenção com famílias multidesafiadas e de formação e supervisão com profissionais que com elas trabalham. É um livro escrito por amor às famílias e com o amor de quem põe as palavras e as imagens ao serviço de um projeto comum. Nesse sentido, Viagens por terras da(s) parentalidade(s) é também uma dádiva, um presente que qualquer um pode dar­se a si próprio ou a um Amigo. É uma excelente leitura para quem quer ser, ou já é, mãe ou pai ou para quem tem por missão ajudar outros a construir a sua parentalidade. Madalena Alarcão Coimbra, 17 de agosto de 2014
  • 9. 9POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) A experiência de ser pai ou mãe é única a cada indivíduo, às circunstâncias que enquadram a preparação e a emergência da parentalidade e a cada criança. Comum a todas as experiências são, porventura, a novidade implicada no processo, as transformações operadas nos indivíduos, as oportunidade de crescimento e fortalecimento do próprio e daqueles com os quais estabelece relações únicas que os tornam parte da mesma família! Neste manual propomos­lhe uma exploração das experiências associadas à vivência e construção da parentalidade e da forma como ela nasce, se relaciona e se transforma na relação com outras experiências familiares. Propomos­lhe que reflita sobre as primeiras etapas de uma viagem que, uma vez iniciada, é permanente na medida em que se espera uma ligação inquebrável entre si e essa criança. Esta é uma viagem única e irrepetível, cujo sabor e tonalidades dependerão de si, do /a seu/sua companheiro/a de viagem e das condições específicas em que a mesma se inicia e desenrola. Propomos­lhe uma exploração inaugural das experiências da parentalidade da qual esperamos que saia fortalecido/a e inspirado/a para se dedicar à educação da criança que lhe foi confiada e para com ela aprender. A experiência de cada um é singular mas a viagem pode e deve ser partilhada, ora com aquele/aquela que, consigo, é pai/mãe, ora com aqueles/aquelas com quem poderá partilhar a experiência de cuidar como pai/mãe, com aqueles que lhe são mais queridos e/ou com aqueles que mais facilmente poderão dar­lhe apoio neste INTRODUÇÃO
  • 10. 10 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) processo tão importante. Existem muitas formas de ser família e muitas formas de ser pai/mãe. Para efeitos deste guia, definiremos a parentalidade como o exercício intencional da capacidade de amar, dirigida à sobrevivência, crescimento, amadurecimento, autonomização e florescimento, enfim, à exploração do potencial de desenvolvimento positivo de um outro ser humano que necessita de receber, de forma dedicada, comprometida, previsível, continuada e prolongada, por parte de um outro ser, proteção, cuidado, apoio e orientação para cumprir com aquelas finalidades. Consoante a sua situação familiar, o manual pode adequar­se na totalidade ou, apenas, parcialmente. Embora o capítulo 3 seja especialmente dirigido a pais ou mães, que partilhem a experiência parentalidade no seio de uma relação íntima comprometida, todos os outros podem ser percorridos por qualquer viajante, integrado em qualquer tipo de família e envolvido (ou em vias de se envolver) em qualquer forma de parentalidade. Independentemente da sua situação, esta deve ser uma viagem acompanhada. No caso de não partilhar esta aventura com um/a companheiro/a íntimo convide alguém que possa apoiá­lo/a e com quem possa partilhar esta experiência (possivelmente nova) por terrenos da parentalidade, não só na sua fase inicial mas à medida que ela se vai desenvolvendo. É mais fácil cuidar quando também se recebe algum tipo de cuidado e se é apoiado, pelo que o convidamos a partilhar esta viagem. Nos próximos capítulos, proporemos momentos de ação e de
  • 11. 11POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) reflexão (e diversão) para pontuar esta viagem de preparação para ser pai ou mãe. Este não é um guia prático do “como fazer”. É uma aventura pelo terreno onde todas as outras competências parentais poderão ser cultivadas e praticadas: o terreno onde se “sente”, se “pensa”, se constrói e se partilha um sentido de ser pai/mãe. Quanto mais rico o solo que se preparar e o terreno que se percorrer melhor preparados estarão os viajantes para explorar outras vertentes da parentalidade. Todo aquele que se prepara para dirigir o seu amor a um outro ser em desenvolvimento é já mãe ou pai. Em qualquer etapa do processo de construção da parentalidade há algo que é oferecido à criança e algo que dela se recebe, mesmo antes de ela nascer. Nesta viagem convidá­lo­emos a focar­se nestas trocas. Ao envolver­se na experiência de cuidar de uma criança, possivelmente, envolver­se­á numa das mais paradoxais tarefas com que poderá confrontar­se ao longo da vida. Ser mãe/pai é, simultaneamente, das mais simples e comuns mas também das mais complexas e marcantes experiências de vida. Das mais discretas e das mais extravagantes, das mais banais e das mais emocionantes, das mais solitárias e das mais partilhadas. E, por tudo isso, merece a melhor preparação possível. Aventure­se, portanto, por terras da parentalidade e permita­se explorar os caminhos que, no seu encontro com a criança e na partilha com o seu/sua companheiro/a, o amor traçar. A parte I inicia­se com uma viagem pela experiência individual de cada um/a na preparação para a parentalidade, antecipando­se o cruzamento destas experiências e explorando­se os recursos
  • 12. 12 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) emergentes da relação entre os companheiros de viagem e da sua preparação para a viagem. A parte II é dedicada ao par que partilha a experiência da parentalidade, no contexto de uma relação de intimidade adulta. Espera­se ajudar os viajantes na antecipação dos desafios com que se confrontarão e a uma exploração das forças da sua relação que, melhor, lhe permitirão responder àqueles. A parte III coloca a nova família em relação com as “velhas famílias” e outras famílias, convidando os viajantes a explorar e preparar­se para as transformações que poderão ocorrer na sua rede de relações A parte IV foca­se na criança e na sua integração na família e a parte V convida os viajantes a espreitarem o futuro para voltarem ao presente mais fortalecidos e capazes de o explorarem plenamente rumo a um futuro preferido.
  • 13. PARTE I 13 PARTE I ­ Planeamento da viagem e bagagem 1. Identidade do(s) viajante(s) sta é uma viagem que, provavelmente, o/a vai transformar. As mudanças podem ser súbitas ou graduais, profundas ou ligeiras, e mais ou menos agradáveis ou custosas. Sendo possível antecipar que haverá mudanças, não é possível prever quais e como elas ocorrerão consigo, com o/a seu/sua companheiro/a, nem na vossa relação. O ponto de chegada e o caminho construído serão únicos. Não obstante, é importante saber com o que pode contar. Por isso propomos­lhe que, sozinho/a e em conjunto com o/a seu/sua companheiro/a, reflita sobre os caminhos já percorridos e aqueles que poderão antecipar. Ao longo desta viagem terá que fazer muitas escolhas. Ajudará manter presente aquilo que mais valoriza e o que mais deseja alcançar, individualmente e enquanto família. Neste capítulo apresentamos­lhe algumas questões para reflexão. A maioria destina­se a ser refletida individualmente mas propomos que, num segundo momento, debata as suas respostas com o/a seu/sua companheiro/a de viagem. Assim, cada um/a deve explorar cada tópico apresentado individualmente procurando, no processo, antecipar as reflexões do/a seu/sua companheiro/a de viagem. Num segundo momento, propomos que partilhem as reflexões pessoais e que as discutam pensando no modo como se relacionam, se conciliam ou enriquecem mutuamente, e nas implicações para a vida familiar e para a partilha da experiência de ser pai/mãe. Conversem sobre o que descobriram ou confirmaram um
  • 14. POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)14 sobre o outro e sobre a opinião de cada um acerca disso. 1.1 Valores do viajante ense sobre aquilo que são os seus principais valores e elabore uma lista. Pode apoiar­se no quadro que lhe apresentamos a seguir para identificar os seus valores e acrescentar outros.
  • 15. PARTE I 15 Quadro de valores Alegria/entusiasmo Altruísmo Amizade Amor Atividade/ trabalho/dinamismo Auto­confiança Aventura/ousadia Beleza/Estética Colaboração/companheirismo Compaixão/ empatia Competência social/lidar bem com outros Confiança Contribuir para outros Criatividade/imaginação Esperança/Fé Estabilidade Cumprimento de regras/normas/obediência Curiosidade Defesa de causas Eficácia/Eficiência Evolução/desenvolvimento/excelência Expressividade Fama Fidelidade/ Lealdade Convívio Coragem Honestidade/ transparência/sinceridade Honra Humildade/modéstia Independência Individualismo Integração Inteligência/ Sabedoria /sensatez Isolamento Justiça Lazer/Ócio Liberdade Liderança/ Poder Novidade/mudança Organização/ordem Otimismo/positividade Paciência Persistência Rigor Sensibilidade Simpatia/ cordialidade Tranquilidade Vaidade
  • 16. POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)16 Principais Valores Compromissodeproteger,apoiar, cuidareeducardeumacriança. (+ ou ­) 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 Selecione entre 7 a 10 dos principais valores e ordene­os por ordem de importância. Seguidamente, assine com um sinal de mais (+) ou menos (­) a medida em que cada um dos valores se relaciona, de forma positiva ou negativa, com o compromisso de proteger, apoiar, cuidar e educar de uma criança. Indique o tipo de transformações que poderão operar­se, ou que já se iniciaram, e a medida em que os seus valores e práticas e o compromisso de cuidar de uma criança podem conciliar­se de forma positiva; indique ainda em que medida ser pai/mãe permite cumprir com os valores assinalados.
  • 17. PARTE I 17 No final, partilhe com o seu companheiro/a de viagem a reflexão e comparem os valores de um e de outro. Transformações
  • 18. POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)18 1.2 Projetos e sonhos do viajante epois de pensar nos valores, propomos­lhe que reflita sobre os seus projetos de vida ou objetivos ou sobre os seus sonhos, conforme achar melhor. Faça, novamente, uma lista e ordene­a por ordem de importância. Projetos / Objectivos de vida ou Sonhos 4 3 2 1
  • 19. PARTE I 19 Escolha os três mais importantes e classifique­os numa escala de 0 a 10, pensando em que medida já os alcançou e qual o seu grau de importância. Reflita sobre a medida em que a entrada de uma criança na sua vida pode influenciar a forma como (e quando) poderá cumprir com esses objetivos. Pense em como ser pai/mãe, pode tornar o projeto, objetivo ou sonho mais fácil ou mais difícil de alcançar; pense no que (e quando) poderia fazer para tentar conciliar esse sonho com a parentalidade. Pense, também, no tipo de transformações que poderão ser realizadas ora nos seus projetos, objetivos ou sonhos ora na forma de viver a parentalidade (ex: nos projetos ou na forma de ser pai/mãe, e modo a compatibilizá­los, seja de forma natural (sem fazer nada por Projetos / Objectivos de vida ou Sonhos (Escala 0­10) 3 2 1 10 9 8 7 6 5 Projetos / Objectivos de vida ou Sonhos
  • 20. POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)20 isso), seja intencionalmente (desenvolvendo esforços para que essas mudanças se concretizem ou para lidar com elas). 1.3 Apresentação do viajante esta preparação para a sua viagem é importante refletir sobre aquilo que melhor o/a define nesta altura do seu trajeto de vida e da jornada especial que se iniciou por terrenos da parentalidade. Propomos­lhe que reflita sobre a sua própria identidade e as visões preferidas de si mesmo. Procure responder às seguintes questões, primeiro individualmente e depois em conversa com o seu companheiro(a) de viagem. Utilize os campos disponíveis para isso, ou faça­o num suporte separado, como preferir (na versão com formulários eletrónicos poderá escrever diretamente com base no seu dispositivo eletrónico).
  • 21. PARTE I 21 Se tivesse que escrever uma carta ao seu filho/filha sobre “como me vejo nesta altura”, o que diria? O que é que melhor o/a caracteriza? O que é que mais e menos aprecia na sua forma dominante de estar? E que outras facetas (ainda) não estão tão presentes mas aprecia?
  • 22. POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)22 1.4 O viajante e a parentalidade m muitos momentos, ser pai/mãe pode ser uma tarefa muito absorvente, podendo sobrepor­se a todas as outras. Reflita sobre as seguintes questões e a discuta­as com o/a seu/sua companheiro/a de viagem, pensando no modo como cada um lida com as questões assinaladas.
  • 23. PARTE I 23 a. Qual a sua capacidade de adiar uma recompensa a que considera que tem direito? Qual a sua capacidade de lidar com as dificuldades e frustrações? Em que medida é capaz de persistir numa tarefa de forma empenhada apesar das dificuldades? O que já o ajudou no passado e o que poderia ajudar agora? b. Qual a sua capacidade de ver/descobrir/criar coisas (e.g. momentos, oportunidades, avaliações, visões) boas por entre coisas más? Em que momentos demonstrou esta capacidade e como poderia desenvolvê­la? O que (ou quem) poderia ajudar?
  • 24. POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)24 d. Que necessidades suas podem, mais facilmente, compatibilizarse ou incompatibilizar­se com as necessidades e interesses de uma criança? Como poderá gerir e conciliar estas necessidades e os constrangimentos que podem surgir? Como gostaria de o fazer e o que lhe parece possível fazer? O que é que isto pode significar acerca de si enquanto pai/mãe? Em que medida já experimentou situações semelhantes? O que o/a ajudou nessa altura e o que poderia ajudar agora? c. Em que medida é capaz de colocar as necessidades e interesses de outra pessoa (em particular da criança) acima das suas? O que pode ser mais e menos difícil? Pense em momentos em que fez algo semelhante, bem como naquilo que o/a ajudou.
  • 25. PARTE I 25 1.5 Recomendação do viajante e tivesse que fazer uma carta de recomendação para si mesmo, tendo como destinatário a sua criança, o que escreveria? Procure redigir essa carta expondo os motivos pelos quais considera que a sua criança deveria escolhê­lo como pai/mãe. Seguidamente, prepare uma carta de recomendação para o seu companheiro de viagem. Leiam e discutam ambas cartas, de cada um.
  • 26. POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)26
  • 27. 27PARTE I
  • 28. 28 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) 2. Carta de motivação vivência da parentalidade pode confrontá­lo/a com dificuldades, e algumas frustrações. Para alguns podem ser tão ligeiras e ténues que passarão quase impercetíveis. Para outros, podem ser significativas, levando­os a questionarem os motivos que os/as levaram a iniciar a viagem pela parentalidade ou os motivos que os/as fazem levá­la até ao final, no caso de ela não ter sido planeada/desejada. Elabore uma carta de motivação que o/a possa ajudar, nos momentos de maior dificuldade, a ter presente a força que o/a impeliu Tarefa adicional 1 Peça cartas de recomendação a amigos, conhecidos ou familiares. Peça­lhes para escreverem a carta dirigida à vossa criança, a recomendar cada um como pai/mãe. Tarefa adicional 2 Entrevistem outros pais que conhecem e que admirem ou consultem pessoas que considerem ter experiência nesses assuntos e questionem­nas sobre as situações em que se viram confrontadas com dilemas ou desconforto associado ao conflito entre aquilo que precisavam ou que lhes apetecia fazer e aquilo que a criança precisava, ou que era importante para ela. Ouçam relatos de como as pessoas lidaram e lidam com estes dilemas. Peçam exemplos de situações do dia­a­dia.
  • 29. 29PARTE I a ser pai ou mãe e que o/a podem ajudar a lidar com as dificuldades. Seguidamente, depois da reflexão partilhada, assinalem as motivações comuns e sublinhem aquelas que gostariam que vos fortalecessem como companheiros de viagem pela parentalidade.
  • 30. 30 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) 3. Os significados da parentalidade er pai e mãe é uma experiência muito particular a cada um e pode assumir diferentes significados. Neste capítulo propomos que explore os significados da parentalidade e que construa o seu sentido de ser pai/mãe. Reflita sobre as questões que se seguem, discutindo­ as com o seu/sua companheiro/a de viagem. a. Complete as seguintes frases: Reflita posteriormente sobre os significados do que escreveu. Ser pai/ mãe é : Ser pai/mãe deveria/deverá ser : Aqueles que são pais/mães :
  • 31. 31PARTE I sentir­se aconchegado; proporcionar carinho; confortar; partilhar momentos especiais; apreciar e valorizar; animar; incentivar; ensinar a lidar com emoções negativas; orientar para a felicidade; etc Dimensão afetiva/emocional apoiar nas tarefas; organizar o dia; preparar rotinas e cumprir horários; estimular; garantir comida, roupa, cuidados de saúde, cuidar da casa, etc Dimensão instrumental Dimensão cognitiva estimular; ensinar a resolver problemas; ensinar a pensar positivo; apoiar a aprendizagem; transmitir saberes; proporcionar atenção; vigiar para proteger; dar a conhecer o mundo; dialogar; etc.
  • 32. 32 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Para que vertentes ou dimensões da parentalidade remetem? Remetem para questões mais pessoais ou familiares e sociais?
  • 33. 33PARTE I Remetem mais para as dificuldades e obstáculos ou para as recompensas e vantagens?
  • 34. 34 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Discutam o que isso pode significar acerca daquilo que, nesta altura, vos preocupa e sobre o que pensam e sentem sobre a parentalidade. b. Qual a importância e significado de ser pai/mãe do ponto do seu ponto de vista como pessoa individual? E do ponto de vista da criança e da sua família? E qual a importância para a comunidade ou sociedade em geral? c. O que considera ser mais relevante e importante na tarefa de ser pai/mãe? Sendo pai/mãe, o que gostaria de conseguir alcançar? O que é que isso significaria sobre cada um e sobre e a vossa relação?
  • 35. 35PARTE I Conversem sobre as vossas respostas. d. O que é que é mais específico e distintivo na tarefa de ser pai/mãe comparado com outras tarefas que assume na sua vida? Qual é a experiência mais próxima de ser pai/mãe já teve e como a viveu? Partilhem as vossas reflexões e comparem. Tarefa adicional 3 Consulte pessoas que conheça, aprecie ou valorize, ou mesmo profissionais e peça para enumerarem uma lista de benefícios ou motivações para ser pai/mãe. Analise com o/a seu/sua companheiro/a de viagens estas motivações e perceções e comparem­nas com aquilo que pensam ou já pensaram a este respeito. Conversem sobre as motivações que, no vosso caso, têm mais força.
  • 36. 36 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) 4. Preparar a mala: Virtudes e Forças pessoais al como para outras, também para esta viagem deve preparar­se o melhor possível. Parte dos preparativos implicam fazer a mala com o que de mais importante quer e pode levar consigo. Propomos­lhe que prepare uma mala muito especial com todas as suas forças pessoais, talentos e virtudes e que pense na forma como estas riquezas o podem ajudar a cumprir com os seus propósitos enquanto pai/mãe. A Psicologia Positiva tem chamado a atenção para a importância das forças e virtudes de carácter na forma como os indivíduos vivem a sua vida de uma forma feliz e significativa. Neste capítulo, sugerimos que avalie as suas forças e virtudes na perspetiva da parentalidade. Preencha a tabela de exploração de forças que se segue conversando com o/a seu/sua companheiro/a de viagem sobre cada uma, discutindo a medida em que estas forças, pela forma como estão presentes ou ausentes, podem contribuir para que viva uma parentalidade feliz e recompensadora, fazendo uma diferença positiva na vida da sua criança. Pode acrescentar outras virtudes e forças que considere importantes e que estejam ausentes da lista apresentada.
  • 37. 37PARTE I QUADRO DE AVALIAÇÃO DE FORÇAS PARAA PARENTALIDADE 1 Nivel que esta força habitualmen­ te tem em mim (Escala de 0­10) Em que medida esta virtude/força me pode ajudar a ser um melhor pai/mãe e a educar a minha criança para ela desenvolva as suas for­ ças e virtudes ? VIRTUDES E FORÇAS SABEDORIA E CONHECIMENTO: Este quadro é inspirado no estudo das Virtudes e Forças de Carácter conforme impulsionado pela Psicologia Positiva (e.g. Park, Peterson, & Seligman, 2004; Peterson & Seligman, 2004; Peterson, 2006). A definição das forças corresponde à VIA Classification of Strengths: É uma força que eu gostaria de aumentar? sim / não Como avalio o meu po­ tencial para desenvolver esta força em benefício da parentali­dade? (Escala de 0­10) Criatividade [origina­ lidade, ingenuidade] Pensar de formas no­ vas e produtivas para conceptualizar e fazer coisas; inclui realiza­ ções artísticas mas não está limitada a elas. Curiosidade [interesse, procura de novidade, abertura a experiências] Ter interesse nas expe­ riências em curso por elas mesmas; encontrar assuntos e tópicos fas­ cinantes; explorar e descobrir. Julgamento [Pensamento crítico] Pensar as coisas a fun­ do e examiná­las de todos os pontos de vis­ ta; não se precipitar a tirar conclusões; ser ca­ paz de mudar a sua posição face a evidên­ cias; pesar todas as evidências de forma justa. Forças cognitivas que implicam a aquisição e uso de conhecimento 1
  • 38. 38 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Gostar de aprender Dominar novas com­ petências, tópicos e corpos de conheci­ mento quer por si só quer formalmente; obviamente relacio­ nada com a força da curiosidade mas vai além dela para des­ crever a tendência de acrescentar algo, sis­ tematicamente, ao que já se sabe. Perspetiva [sabedoria] Ser capaz de oferecer conselho a outros; ter formas de olhar para o mundo de uma forma que faz sentido para o próprio e para as outras pessoas. Bravura [valor] Não se encolher pe­ rante a ameaça, desa­ fio, dificuldade ou dor; defender o que está certo mesmo se houver oposição; agir com base em con­ vicções mesmo se não forem populares; inclui bravura física mas não está limitada a ela CORAGEM: 1 (Cont.) ©Copyright 2004­2014, VIA Institute on Character. All Rights Reserved. Usado com permissão. www.viacharacter.org Forças emocionais que envolvem o exercício da vontade de alcançar objetivos face a oposição interna ou externa
  • 39. 39PARTE I Perseverança [persistência, laboriosidade] Terminar o que se inicia; persistir num curso de ação apesar dos obstáculos; “ter­ minar serviço”; ter prazer em completar tarefas. Honestidade [autenticidade, integridade] Falar a verdade e, de forma mais geral a­ presentar­se de forma genuína e sincera; ser sem pretensões; assu­ mir a responsabilida­ de pelos próprios sentimentos e ações”. Entusiasmo [vitalidade, vigor, energia] Abordar a vida com excitação e energia; não deixar as coisas pela metade; viver a vida como uma aven­ tura; sentir­se vivo e ativado. Amor Valorizar as relações com os outros, em particular com as relações em que a partilha e o cuidado são reciprocados; es­ tar próximo das pes­ soas. HUMANIDADE : [forças interpessoais que envolve inclinação para e amizade face a outros]
  • 40. 40 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Bondade [generosidade, cuidado,compaixão, amor altruísta, “simpatia”] Fazer favores e boas ações a outros; ajudá­ los; cuidar deles. JUSTIÇA: Inteligência social [inteligência emo­ cional, inteligência pessoal] Estar consciente dos motivos e sentimen­ tos das outras pes­ soas e do próprio; sa­ ber o que fazer para encaixar em diferen­ tes situações sociais; saber o que toca as outras pessoas. Trabalho de equipa [cidadania, responsabilidade social, lealdade] Trabalhar bem como membro de um grupo ou equipa; ser leal ao grupo; fazer a sua parte. Equidade Tratar todas as pes­ soas de acordo com as mesmas noções de equidade e justiça; não permitir que sen­ timentos pessoais in­ fluenciem decisões sobre os outros; ofe­ recer a todos uma oportunidade justa. Forças cívicas que sublinham uma vida comunitária saudável
  • 41. 41PARTE I Liderança Encorajar um grupo do qual se faz parte a realizar as coisas e, ao mesmo tempo, manter boas relações dentro do grupo; organizar atividades de grupo e assegurar que elas se realizam. Perdão Perdoar aqueles que realizaram algo de errado; aceitar os contratempos dos outros; dar às pessoas uma segunda oportu­ nidade; não ser vin­ gativo. Humildade Deixar que as suas realizações falem por si próprios; não se ver a si próprio como mais especial do que se é. Prudência Ser cuidadoso acerca das próprias escol­ has; não correr riscos desnecessários; não dizer ou fazer coisas de que se possa ar­ repender mais tarde. Auto­regulação [auto­controlo] Regular o que se sen­ te e faz; ser­se disci­ plinado; controlar os seus apetites e emo­ ções TEMPERANÇA: forças que protegem contra excessos
  • 42. 42 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) TRANSCENDÊNCIA: Apreciação da beleza e excelência [admiração, maravilha,elevação) Notar e apreciar a beleza, excelência e/ ou performance com­ petente em vários do­ mínios da vida, desde a natureza, à arte, à matemática e ciência, até à vida diária. Gratidão Estar consciente e grato pelas coisas bo­ as que acontecem; tirar tempo para ex­ pressar agradecimen­ to. Esperança [otimismo; orientação para o futuro] Esperar o melhor do futuro e trabalhar pa­ ra o alcançar; acre­ ditar um bom futuro é algo que pode ser realizado. Humor [brincadeira] Gostar de rir e de brincar; levar sorri­ sos a outras pessoas; ver o lado leve; criar piadas (não necessa­ riamente contar). Forças que forjam conexões com o universo maior e que conferem significado
  • 43. 43PARTE I No final, destaquem as forças principais de cada um e conversem sobre a forma como elas podem relacionar­se e melhor colocar­se ao serviço da sua criança. Espiritualidade [fé, propósito] Ter crenças coerentes acerca de um pro­ pósito maior e signi­ ficado do universo; saber onde uma pes­ soa se encaixa no esquema mais abran­ gente; ter crenças sobre o significado da vida que conduz e proporciona confor­ to.
  • 44. 44 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) 5. Para uma missão de aperfeiçoamento sta viagem, apela às suas principais forças e virtudes e oferece­lhe múltiplas oportunidades de crescimento e desen­ volvimento. Assim, ao cuidar de uma criança poderá, também, cuidar de si próprio. Pense naquelas que podem ser as suas principais vulnerabilidades ou naquilo que como pai/mãe o deixa mais inquieto. Imaginando que a parentalidade lhe pode oferecer uma oportunidade única para se aperfeiçoar reflita, em conjunto com o/a companheiro/a de viagem que aspetos gostaria de poder transformar ou melhorar e de que forma poderia tentar aproveitar a experiência de ser pai/mãe
  • 45. 45PARTE I 1 Exercícios, ideias e es­ tratégias para desen­ volver/ampliar as Virtu­ des/Forças no meu papel de pai/mãe Formas de nos ajudar­ mos e pessoas que podem ajudar no desen­ volvimento das forças para se melhorar a si próprio e, ao mesmo tempo, criar condições mais favoráveis para educar a sua criança para o desenvolvimento de virtudes e forças pessoais. Partindo da exploração das suas forças, que realizou anteriormente, indique entre uma e cinco forças que gostaria de desenvolver no curso desta missão tão importante de ser pai/mãe. Reflita (e converse com o/a companheiro/a de viagem ou outros pais) sobre como essas forças poderiam ser cultivadas no exercício da parentalidade ou a pretexto dela (de forma a aproximar­ se da sua forma preferida de ser pai/mãe). Pense em formas de otimizar essas oportunidades. Seguidamente discuta com o seu companheiro exercícios, atividades ou estratégias para desenvolver e ampliar cada uma destas forças. Discutam formas de se apoiar mutuamente e/ou identifiquem pessoas que vos possam ajudar. Virtudes/ Forças a desenvolver
  • 46. 46 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) 5 3 2 4
  • 47. 47PARTE I 6. De outras viagens: Memórias selecionadas sta pode, ou não, ser a sua primeira viagem por terras da parentalidade. Pode já ter participado num papel auxiliar, como observador ou como criança. Essas viagens deixaram, seguramente, memórias, impressões, ideias, sensações e sentimentos que podem influenciar o modo como vai viver esta sua viagem. Convidamo­lo/a, assim, a refletir sobre essas experiências na medida em que esta reflexão pode contribuir para se aproximar da sua Tarefa adicional 4 Pensando nas forças e virtudes pessoais, identifique pessoas conhecidas, reais ou de personagens de ficção, do círculo de relações próximas, distantes, ou figuras públicas que considere serem um bom exemplo dessas forças. Pense, ainda, noutros pais que apresentem as virtudes e forças que mais valoriza e que gostaria de desenvolver. Procure identificar de que formas as pessoas praticam essas forças. Reflita sobre a sua utilidade/valor e sobre estratégias para as desenvolver e praticar. Tarefa adicional 5 Consulte essas pessoas que apresentam, mais desenvolvidas, as virtudes que pretende desenvolver. Peça sugestões de pequenas atividades ou estratégias que o possam ajudar no seu projeto de melhoramento pessoal. Peça, ainda, que o ajudem a identificar formas utilizar as suas experiências parentais para beneficiar este projeto de melhoramento pessoal.
  • 48. 48 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) forma preferida de viver enquanto pai/mãe e de conduzir o rumo da sua família. Segue­se uma lista de questões para reflexão em torno das suas memórias de infância e da forma como foi cuidado/a enquanto criança. Sugerimos que as discuta com o/a seu/sua companheiro/a de viagem pensando sobre aquilo que o/a pode ajudar a construir experiências positivas enquanto pai/mãe. a. O que mais o/a marcou nas suas experiências de ser cuidado? Pense nas experiências mais positivas que considera ter vivido enquanto criança e no impacto que tiveram em si. Quem participou nessas experiências e que tipo de comportamentos adotou para consigo? Como sentiu essas experiências e como é que elas o fizeram sentir acerca de si e das pessoas envolvidas? Quais as características que tornaram essas experiências especiais? Pense em que medida isso se relaciona com o pai/mãe que deseja ser e como essas experiências podem influenciar a relação com a sua criança.
  • 49. 49PARTE I c. Lembre­se daqueles que foram os momentos mais felizes da sua infância. Que imagens, sons, sabores, sensações, ou intuições aparecem nessas memórias? Que significado lhes dá e o que é que elas lhe dizem acerca dos seus cuidadores e de si? Que ingredientes essenciais identifica e que gostaria de manter consigo? b. Que tipo de situações ou pessoas o/a fizeram sentir­se mais amado/a, cuidado/a, protegido/a e compreendido/a? O que acontecia nessas situações que o/a fizeram sentir­se assim? Que tipo de impacto podem estas experiências ter hoje em si como pai/mãe.
  • 50. 50 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) f. Pense num conjunto de palavras­chave ou de objetos que representem ideias e temas centrais positivos da sua infância, do seu passado ou da história da sua família que queira adicionar à sua mala de viagem. Escreva ou desenhe esses objetos e imagine que os coloca na mala para a viagem. Complete a frase: “Com a minha história enquanto criança eu aprendi que..." Ao ser pai/mãe desejo lembrar­me de... ..." ..."
  • 51. 51PARTE I 7. Mapa de estrelas sta é uma atividade a ser realizada em conjunto. Antigamente os viajantes utilizavam as estrelas como guias nas suas viagens. Nesta viagem propomos que criem o mapa de estrelas da família, pensando naquilo que, como família, podem proporcionar à família, para que saibam sempre o caminho a seguir e poderem orientar­se nos momentos em que se sentirem mais perdidos ou sem rumo definido. O mapa de estrelas deverá ser único, refletindo aquilo desejam para a criança e para a vossa família. Cada estrela deve representar um valor, uma orientação preferida ou um propósito, correspondendo a uma faceta das vossas imagens preferidas de si como pai/mãe e família. Tarefa adicional 6 Faça uma pesquisa junto das pessoas da sua família ou de outros significativos e recolha elementos que o ajudem a reconstruir os momentos mais importantes e mais significativos da sua história, aqueles em que foi cuidado ou se relacionou com alguém de uma forma que o fez sentir­se especial. Pode selecionar, igualmente, episódios engraçados e caricatos ou outras memórias que deseje salientar. Os elementos a recolher podem ser apenas relatos e testemunhos orais mas podem ser, também, fotografias, vídeos, músicas, objetos, etc. Partilhe essas memórias com o/a companheiro/a de viagem e reflita sobre a forma como o/a tocam ou afetam como pai/mãe e a influência que gostaria que tivessem em si.
  • 52. 52 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) As estrelas poderão estar organizadas em constelações representando agregados de características preferidas ou de propósitos e intenções na condução da vida familiar. De modo a facilitar a identificação dos temas a incluir nas estrelas,elaboramos uma lista de tópicos para reflexão, sugerindo que conversem sobre eles. Ao longo da conversa procurem ir tomando nota dos temas principais que surgem e de ideias a incluir no mapa de
  • 53. 53PARTE I estrelas. Vão colocando questões um ao outro e falando da forma como preferem ver­se como pai/mãe e como família. Segue­se a lista de questões para reflexão e debate: a. Como preferem descrever­se como pai/mãe e como família, no seu todo? b. Em que medida se descreveria de forma semelhante ou diferente dos seus próprios pais e das vossas famílias de origem? Em que aspetos? c. Nos momentos mais difíceis da vida da vossa criança como gostaria que ela vos visse, individualmente e como gostaria que se lembrasse da família? d. Imagine que a sua criança fala da sua família, um dia, aos seus próprios filhos. O que gostariam que ela contasse? Que legado e que mensagens gostariam de deixar para transmissão à geração seguinte? e. Que gestos ou expressões de cada um, e de ambos, em conjunto, gostariam que a vossa criança melhor recordasse? Que significados gostariam que lhes atribuísse? f. O que gostariam que a vossa criança pensasse um dia, sobre a vossa relação como companheiros de viagem? Depois de conversarem sobre estes temas procurem desenhar, em conjunto, o vosso mapa de estrelas. Variem o tamanho das estrelas consoante o seu grau de importância e organizem­no em constelações. Podem enfeitá­lo ou colori­lo como mais vos agradar.
  • 54. 54 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S)
  • 55. 55PARTE I No final, conversem sobre os vossos mapas refletindo sobre as seguintes questões: g. Que dificuldades sentiram, e o que foi mais fácil, ao tentarem elaborar, conjuntamente, o mapa? O que é que isso diz sobre a vossa família? h. Que tipo de família constituem com o vosso mapa de estrelas? Quais podem ser as forças ou as vulnerabilidades de uma família com este mapa?
  • 56. 56 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) 8. As condições da viagem ão existindo viagens absolutamente perfeitas, há, certamente, formas de otimizar as condições desta que está a iniciar. Como em qualquer viagem, a preparação prévia pode fazer alguma diferença, ainda que as condições possam alterar­se e possam surgir imprevistos. Neste capítulo propomos que, em conjunto com o/a seu/sua companheiro de viagem, avalie as condições disponíveis e pondere formas de criar condições mais favoráveis. 8.1 Os pais e a rede: Portos de abrigo e pontos de apoio ão muitos os desafios associados ao compromisso de cuidar de uma criança. O apoio disponível pode, nalguns momentos,
  • 57. 57PARTE I fazer uma diferença positiva, ajudando a cuidar melhor. Por conseguinte, é importante saber onde poderá encontrar apoio, que tipo de apoio, em que circunstâncias e com que vantagens e desvantagens. Propomos­lhe que se dedique a identificar e avaliar os seus principais pontos de apoio e portos de abrigo, ou seja, as pessoas e os locais onde poderá recorrer para responder a diferentes tipos e níveis de dificuldade. O diagrama seguinte convida a refletir sobre as fontes de apoio de que já dispõe em função de algumas necessidades passíveis de serem antecipadas de modo a avaliar a adequação do apoio da sua rede de suporte parental. Pode realizar a tarefa individualmente, e discuti­la, no final, comparando pontos fortes e vulneráveis, com o seu/sua companheiro/a de viagem ou podem realizar a tarefa conjuntamente, desde o início.
  • 58. 58 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) APOIO/ORIENTAÇÃO E CONFORTO EMOCIONAL/ PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E MOMENTOS COMPANHIA/ ENTRETENIMENTO Ao nível dos indivíduos/casal Ao nível família Aos pais Ao nivel da criança Para e/ou com crianças Companhia/entretenimento entre adultos/casais Em/entre família
  • 59. 59PARTE I CONHECIMENTO, INFORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Apoio para reflexão e fortalecimento parental e familiar Desenvolvimento de competências parentais Contactos para conhecimento e acesso de serviços de apoio ao desenvolvimento e estimulação Acesso e informação sobre materiais educativos e lúdicos
  • 60. 60 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) APOIO MATERIAL E INSTRUMENTAL Apoio com bens, equi­ pamentos, géneros Apoio financeiro Apoio para a realização de ativi­ dades concretas/tarefas da vida familiar e dos cuidados à criança OUTRAS NECESSIDADES E INTERESSES Apoio pontual para emergências diversas
  • 61. 61PARTE I Preencha o diagrama colocando, em cada secção, o nome de todas as pessoas de que se lembra que poderiam cumprir com as funções assinaladas. Se identificar outras funções relevantes para a sua rede de apoio sugerimos que reelabore o diagrama transformando­o, em conformidade. Em alternativa, pode optar por elaborar uma lista com o nome de todas as pessoas identificadas, dando­lhes um número que depois coloca no diagrama. Coloque por ordem os pontos de apoio: dos mais fortes para os menos fortes. Por forma a avaliar a “força” de cada ponto de apoio e respetiva relação consigo, reflita sobre o seguinte: a. Quem tende a esforçar­se mais para me/nos apoiar? b. Quem me poderá entender melhor nesta necessidade? c. Com quem me sinto mais confortável para partilhar esta necessidade? d. Em quem confio mais? e. Quem está mais próximo? f. Quem poderá estar mais disponível?
  • 62. 62 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) 8.2 As condições da viagem epois de avaliar a sua rede de apoio propomos que reflita sobre outras dimensões das condições da viagem. Sugerimos que utilize as tabelas seguintes onde encontra uma listagem de itens agregados por categorias. À medida que vai avaliando cada item, numa escala de 0 a 5, vá discutindo com o/a companheiro/a de viagem de que forma as condições existentes podem influenciar positiva e negativamente o exercício da parentalidade. Pense, ainda, em que medida se antecipam alterações nessas condições ao longo do tempo e no tipo de mudanças que poderá tentar desencadear. CONDIÇÕES FINANCEIRAS Dimensão particular Avaliação (0 a 5) a) b) 1. Adequação dos rendimentos às despesas estimadas c) 2. Estabilidade/previsibilidade na obtenção de rendimentos suficientes para fazer face às despesas, a médio prazo 3. Capacidade para realizar pequenas poupanças a curto ou médio prazo 4. Capacidade para lidar com imprevistos financeiros ligeiros a moderados (gastos extraordinários como medicação; consulta médico; aquisição ou substituição de equipamentos ou bens importantes, etc.) 5. Preparação/experiência acu­mulada para uma gestão eficaz da vida financeira familiar (e.g ter tido contacto com exemplos positivos)
  • 63. 63PARTE I 6. Preparação para gerir de forma eficaz a vida doméstica corrente, no que diz respeito ao seu impacto nas finanças familiares (planeamento de re­feições; planeamento de compras; gestão de despesas; implementação de estratégias de poupança/controlo de custos) 7. Adequação dos rendimentos a eventuais necessidades espe­ ciais de algum elemento da família (e.g. situações de saúde a requerer cuidados especiais; necessidades especiais de mobilidade) 8. Grau de entendimento do casal em matérias relacionadas com as prioridades financeiras e as estratégias de gestão das despesas 9. Entendimento do casal na distribuição de responsabilidades ao nível da gestão financeira e doméstica 10. Disponibilidade de fontes de apoio financeiro para situações de emergência 11. Capacidade para realizar poupanças a médio­longo prazo a) 1= Totalmente insatisfatório 2= Pouco satisfatório 3= mais ou menos 4= Bastante satisfatório 5= Muito satisfatório b) Sugerimos que nas áreas em que tem dúvidas que procure um profissional com quem possa trocar ideias e avaliar as suas competências nas áreas em questão c) Elabore uma lista com as principais despesas associadas ao cuidar de uma criança de modo a garantir a satisfação das principais necessidades. Consulte outros pais ou profissionais para desenvolver uma estimativa realista dos custos associados a diferentes etapas do desenvolvimento da criança, em particular aos primeiros anos.
  • 64. 64 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) HABITAÇÃO Dimensão particular Avaliação(0 a 5) a) b) 1. Acessibilidade da habitação considerando as necessidades de família no presente e as necessidades previstas a curto­médio prazo 2. Adequação da habitação em termos de dimensão (espaços adequados para o número de elementos previsto; condições de privacidade e espaços delimitados para funções particulares; espaços livres para as crianças brincarem e explorarem, etc.) 3. Adequação da habitação em termos de segurança e condições de habitabilidade 4. Adequação da habitação em termos de conforto 5. Adequação da habitação ao gosto do casal/família 6. Adequação da habitação às necessidades de privacidade e autonomia do casal 7. Adequação das condições financeiras para suportar despesas de habitação? Há apoio disponível, se necessário? a) 1= Totalmente insatisfatório 2= Pouco satisfatório 3= mais ou menos 4= Bastante satisfatório 5= Muito satisfatório b) Sugerimos que nas áreas em que tem dúvidas que procure um profissional com quem possa trocar ideias e avaliar as suas competências nas áreas em questão
  • 65. 65PARTE I SAÚDE Dimensão particular Avaliação(0 a 5) a) b) 1. Existência de limitações físicas ou doenças? Há condições de saúde adequadas dos pais para o exercício da parentalidade? É possível contornar/minimizar eventuais limitações existentes em termos de saúde física dos pais? Há apoio disponível a este nível? 2. Há condições de acesso e acompanhamento por parte de serviços de saúde adequados às necessidades específicas dos elementos da família e da criança, quando aplicável? 3. Há fatores específicos inibidores da prática das formas preferidas de parentalidade (e.g. biológica, adoção)? Há forma de os contornar (e.g. intervenções médicas possíveis; procedimentos jurídicos a concretizar)? 4. História de antecedentes familiares complicados que criem riscos de saúde especiais na criança ou nos pais? É possível controlar/minimizar os riscos? a) 1= Totalmente insatisfatório 2= Pouco satisfatório 3= mais ou menos 4= Bastante satisfatório 5= Muito satisfatório b) Sugerimos que nas áreas em que tem dúvidas que procure um profissional com quem possa trocar ideias e avaliar as suas competências nas áreas em questão
  • 66. 66 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) a) 1= Totalmente insatisfatório 2= Pouco satisfatório 3= mais ou menos 4= Bastante satisfatório 5= Muito satisfatório b) Sugerimos que nas áreas em que tem dúvidas que procure um profissional com quem possa trocar ideias e avaliar as suas competências nas áreas em questão Dimensão particular Avaliação(0 a 5) a) b) 1. Condições favoráveis à conciliação dos horários implicados na vida profissional/escolar e a vida familiar/cuidados à criança. Quais as condições? Há apoio disponível? 2. Compatibilidade das exigências do trabalho/vidas profissionais dos pais com as exigências, estabilidade na figura de quem cuida, ou seja, existir constância nas pessoas que cuidam). É possível realizar alterações? Em que medida e quais? 3. Compatibilidade das exigências do trabalho com as exigências práticas de cuidar de uma criança (ex.: dispor de tempo efetivo para cuidar, garantir rotinas e horários estáveis, ter disponibilidade nas horas do dia em que as principais rotinas do dia da criança têm lugar). 4. Potencial para adaptação da realidade laboral/escolar tendo em vista a compatibilização com as necessidades da criança. É possível alterar as fontes ou formas de apoio? TRABALHO PROFISSIONAL E ESCOLAR
  • 67. 67PARTE I Dimensão particular Avaliação(0 a 5) a) b) 1. Existência de experiências positivas passadas de contacto com crianças. Interesse, gosto, vontade de cuidar e acompanhar o desenvolvimento de uma criança. 2. Existência de conhecimento mínimo sobre o que esperar de uma criança em diferentes idades e as responsabilidades e tarefas parentais associadas. Conhecimento sobre a extensão do papel dos pais no desenvolvimento da criança e no modo como o podem afetar, positiva ou negativamente. 3. Existência de apoio para responder a dúvidas, inseguranças ou questões sobre as necessidades e o desenvolvimento da criança. 4. Existência de apoio para garantir uma estimulação positiva do desenvolvimento da criança. 5. Qualidade das condições de acesso a equipamentos educativos de qualidade, lúdicos e de apoio à estimulação do desenvolvimento da criança. 6. Disponibilidade e capacidade dos pais para aprenderem e se informarem de modo a apoiarem, o melhor possível, o desenvolvimento da criança. Capacidade de recorrer a ajuda externa. 7. Disponibilidade e capacidade dos pais para melhorarem as suas competências, aumentarem o seu conhecimento e a sua preparação para apoiarem e estimularem o desenvolvimento da criança (ex: capacidade de acesso a materiais educativos; capacidade de aprendizagem por via do contacto com outros; capacidade de aprendizagem por via do estudo autónomo, consulta de livros ou outros materiais educativos para pais; percurso educativo e experiências educativas ricas enquanto criança, por parte dos pais, etc.) 8. Conhecimento dos recursos disponíveis de apoio à parentalidade (ex: programas parentais; materiais educativos; instituições e profissionais)? EDUCAÇÃO, FORMAÇÃO E EXPERIÊNCIA DO PAI/MÃE
  • 68. 68 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) a) 1= Totalmente insatisfatório 2= Pouco satisfatório 3= mais ou menos 4= Bastante satisfatório 5= Muito satisfatório b) Sugerimos que nas áreas em que tem dúvidas que procure um profissional com quem possa trocar ideias e avaliar as suas competências nas áreas em questão
  • 69. 69PARTE I Num quadro resumo final pode escolher as cinco condições mais favoráveis e as cinco mais desfavoráveis de modo a detalhar um plano para explorar o potencial das primeiras e minimizar os riscos associados às segundas. Favoráveis Desfavoráveis a) Áreas/aspetos sobre os quais refletir ou avaliar melhor b) Estratégias que posso/podemos implementar c) Pessoas, instituições ou locais onde recorrer para procurar apoio Estratégias a implementar, incluindo:
  • 70. 70 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) PARTE II­ Companheiros de viagem 9. A nossa história emoldurada história do casal é uma componente importante da “bagagem” desta viagem. Aquilo que viveram, que experimentaram, que conheceram e que projetaram construiu caminhos que influenciarão o percurso que, agora, percorrerão. Convidamo­los a pensar nesta história, naquilo que dela retiram de mais valioso para transportar nesta nova jornada. Propomos que revejam esta história e que a preparem como se organizassem uma exposição da vossa vida. Devem escolher os quadros mais emblemáticos para representar cada etapa da vossa relação e dar­lhes um título que capte o essencial dessas experiências e o que elas significaram para o casal. Apresentamos, de seguida, uma série de molduras vazias em termos de conteúdo mas associadas a temas determinados. Propomos que, em conjunto, escolham uma imagem ou algum tipo de composição pictórica para cada quadro e que decidam por um título. O título pode ser acompanhado de datas que situem os temas na vossa história Podem acrescentar molduras com outros temas ou incluir molduras adicionais para representar etapas importantes da vossa história. A imagem não tem que ser uma representação fiel de acontecimentos ou etapas mas, acima de tudo, deve representar o significado que atribuem à forma como viveram cada tema ou uma 1 Este capítulo é particularmente indicado para as famílias em que os companheiros de viagem constituem um casal. Não obstante, há atividades que podem ser realizadas quando as relações são distintas. Sugerimos que leiam o capítulo e que adaptem as atividades que conseguirem e que acharem adequadas 1
  • 71. 71PARTE II determinada etapa ou dimensão da vossa história. Escolham uma forma de compor a imagem que escolheram. Podem apenas descrevê­ la no quadro ou criar um conteúdo mais artístico e fiel às vossas escolhas, usando desenhos, pinturas, colagens ou algum tipo de construções. Organizem os quadros por ordem cronológica e, no final, atribuam um título ao conjunto.
  • 72. 72 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Um dia sonhei com…
  • 73. 73PARTE II Quando nos conhecemos…
  • 74. 74 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Quisemos ser…
  • 75. 75PARTE II Transformamo­nos em…
  • 76. 76 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Guardamos memórias…
  • 77. 77PARTE II Sonhamos com…
  • 78. 78 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Dececionamo­nos com…
  • 79. 79PARTE II Descobrimos que…
  • 80. 80 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Iremos chegar a…
  • 81. 81PARTE II No final…
  • 82. 82 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) 10. A força do casal numa viagem partilhada força da relação entre os companheiros de viagem contribuirá, em larga medida, para o sucesso da mesma. Por outro lado, é possível que nesta viagem, a relação do casal se altere de várias formas. Se é verdade que algumas transformações podem, pelo menos numa fase inicial de adaptação, ser sentidas como perturbadoras ou estranhas, também podem ser positivas e contribuir para o fortalecimento e desenvolvimento da relação e de cada um como pessoa e como pai/mãe. Por conseguinte, valerá a pena explorar as forças da relação, a forma como elas podem contribuir para o sucesso desta viagem mas, também, dedicar alguma atenção ao fortalecimento do casal, na medida em que um casal forte contribuirá para uma vivência parental mais plena e satisfatória. Nos pontos seguintes propomos atividades orientadas para a exploração da relação do casal, tendo em vista, entre outros aspetos, o aumento do conhecimento, da proximidade, amizade, intimidade e compreensão entre os elementos do casal, bem como o cultivo de forças que contribuem para uma maior satisfação e força do casal. Propomos a exploração das potencialidades da relação e algumas atividades destinadas a ampliá­las. É possível que, no decurso das atividades, o casal se confronte não só com as suas forças mas, também, com as suas vulnerabilidades. Consideramos que, nesta situação, os exercícios propostos poderão ser, igualmente, úteis, na medida em que permitirão ao casal perceber em que áreas do seu funcionamento poderá investir de forma a fortalecer a relação. Os exercícios propostos poderão oferecer algumas dicas e pistas úteis para que o casal decida, autonomamente, fortalecer a sua relação. Não obstante, para alguns casais poderá ser útil beneficiar de apoio profissional 2 2
  • 83. 83PARTE II Neste capítulo convidamos o casal a refletir sobre a sua forma preferida de ser casal de modo a poder utilizar estas imagens como guias numa viagem onde deve continuar a existir e a fortalecer­se, na sua coexistência com a parentalidade. Propomos que se envolvam num conjunto de conversas orientadas pelas questões que, de seguida, se apresentam. 10.1 Construções do casal preferido construção da relação de um casal ocorre diariamente, alimentando­se das construções anteriores e ensaiando novas variações. Este trabalho pode ser mais satisfatório se o casal estiver vigilante para ir ao encontro da sua forma preferida de existir como casal, no presente e no futuro. 2 (Cont.) especializado, pelo que recomendamos que o casal discuta esta possibilidade tendo em vista preparar a sua relação para a transição para a parentalidade. Esta transição, sendo, na generalidade, muito positiva, comporta alguns riscos que podem ser minimizados com o fortalecimento da relação em áreas (faziam sentido dar alguns exemplos) que a investigação científica da especialidade tem identificado como sendo preditoras da adaptação positiva do casal às transições e a sua satisfação e preservação ao longo do tempo.
  • 84. 84 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) a. Com que tipo de experiências conjugais conviveram à medida que foram crescendo e que se foram desenvolvendo como indivíduos? O que se lembram das relações dos pais de cada um ou de outros casais adultos com quem conviveram enquanto crianças e jovens? O que retêm de positivo e negativo e de que forma estas experiências vos influenciaram? Como desejam gerir estas influências? O que foram pensando sobre o tipo de relação de casal que gostariam de construir? Em que medida a relação atual se aproxima ou se afasta dessa imagem idealizada ou daquelas outras relações?
  • 85. 85PARTE II b. Conversem sobre exemplos de relações de casal que admirem. Podem ser relações imaginadas, de personagens de ficção (e.g. filmes, romances), de figuras conhecidas ou de pessoas mais próximas que conheçam. Façam uma lista não só das características que admiram mas também de indicadores concretos das mesmas, ou seja, como se percebe que essas características existem (o que é que as pessoas fazem, dizem ou parecem sentir e pensar). Comparem com as características que consideram que a vossa relação apresenta e aquelas que gostariam de desenvolver. Discutam sobre as dimensões relativamente às quais, mais facilmente, atingem consenso, assim como sobre as que são de mais difícil conciliação. Conversem, também, sobre o que isso diz sobre a vossa relação e os aspetos gostariam de alterar. Assinalem, ainda, as divergências que, sendo de difícil resolução ou alteração, devem tentar aceitar, assumindo­as na vossa relação. Discutam sobre a medida em que estão preparados para aceitar estes pontos mais difíceis na vossa relação e como se podem ajudar mutuamente a conviver de forma positiva com eles.
  • 86. 86 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) c. Imaginem­se com uma idade muito avançada.Pensando nas memórias que construíram sobre a vossa relação, o que gostariam de ver sobressaído? ii. Que tipo de momentos positivos gostariam de registar? iii. Como é que cada um gostaria de se ver a contribuir para a relação? iv. O que gostariam de recordar acerca do modo como se apreciavam ou mostravam apreciação? v. O que gostariam de recordar acerca da forma como resolviam divergências e conflitos?
  • 87. 87PARTE II vi. O que gostariam de recordar acerca do modo como lidaram com dificuldades e problemas diversos? vii. O que gostariam de sublinhar acerca do tipo de apoio que forneciam um ao outro? viii. O que gostariam de recordar acerca do modo como a parentalidade se relaciona com a vida conjugal? ix. O que gostariam de dizer um sobre o outro e sobre a vossa relação?
  • 88. 88 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) d. Tendo em consideração as respostas às questões anteriores, em que medida consideram que há áreas sobre as quais têm opiniões menos bem definidas? Em que medida há áreas em que poderiam tentar melhorar/enriquecer/descobrir outras formas de funcionar que pudessem ser mais satisfatórias? Identifiquem­nas e pensem como poderiam tentar melhorar e enriquecer essa área da vida do casal . e. Imaginando que o primeiro modelo que a vossa criança terá de uma relação de casal será a vossa, o que gostariam de lhe ensinar acerca das relações que a orientasse e ajudasse, de uma forma positiva, um dia, na construção das suas relações? 3 O casal pode recorrer a apoio especializado em termos de aconselhamento conjugal tendo em vista o desenvolvimento e fortalecimento da sua relação em áreas chave. 3
  • 89. 89PARTE II 10.2 Jogar construindo A relação é uma construção partilhada realizada com os contributos de cada um, onde se joga uma certa dose de incerteza e esforços permanentes de reconstrução e procura de novos equilíbrios perante os desafios. Aquilo que resulta da relação é superior àquilo que cada um lá coloca. Embora esteja dependente destes contributos a relação é influenciada pela forma como estes contributos individuais são jogados e pelas circunstâncias de cada momento. Jogar construindo é um jogo onde se constrói algo, à medida que se fortalece e se (re)constrói a relação de casal. O resultado final dependerá dos contributos de cada um mas, também, dos esforços de articulação e cooperação de ambos e das circunstâncias do momento. O objetivo que se coloca aos jogadores é elaborarem uma construção com os cartões de jogo (lembram­se de construir castelos de cartas?), sem que a construção se desmorone. Antes de iniciarem o jogo o casal deve decidir com quantos cartões jogar. Podem escolher múltiplos de 4 (4/8/12/16/20). Por exemplo 4 cartas podem ser usadas num jogo rápido ao fim do dia, ou 16 para o jogo de fim­de­semana. Este é um jogo que pode ser jogado várias vezes. Na medida em que existem vários cartões podem conseguir fazer vários jogos sem que haja repetição de temas. Durante o jogo, o casal deve fazer pausas para refletir sobre o significado do que já foi dito e construído e as suas implicações. Devem ir projetando a relação conforme desejam que ela se desenvolva, negociando as formas da construção do jogo de modo a refletir a imagem preferida do casal.
  • 90. 90 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Segue­se a descrição do jogo e as instruções para a preparação do material necessário. Material para o Jogar Construindo Cartolinas (ou papel grosso) em que os cartões possam ser impressos para terem alguma solidez. Cartões de jogo construtivos­ imprimir e recortar para construir um “baralho construtivo” (ver adiante) Cartões de jogo de compensação­ imprimir e recortar para construir um “baralho de compensação” (ver adiante) Desenvolvimento e regras do jogo: O objetivo do jogo é conseguir construir algo utilizando os cartões de jogo, como se de um castelo de cartas se tratasse. O casal deve começar por decidir com quantas cartas vai jogar e separar o número correspondente do baralho “cartões construtivos”. Separadamente, parte deve colocar, num outro monte, os cartões do “baralho de compensação”. O primeiro jogador retira do baralho construtivo uma carta. Deve ler em voz alta o conteúdo e completar. Seguidamente pousa a carta para o segundo jogador usar. Doravante, cada jogador retira uma carta do baralho construtivo, lê, completa a frase e deve tentar juntar a sua carta às restantes de modo a construir algo, sem desmoronar a construção já conseguida (na primeira rodada o segundo jogador pode pegar na carta pousada do primeiro para a juntar à sua, como desejar). Caso o jogador abale a construção, desmoronando­a, ao colocar a sua carta, deve retirar uma carta do “baralho de compensação”, ler o conteúdo e completar a frase ou realizar o que é pedido, guardando a
  • 91. 91PARTE II carta de compensação consigo. Deve, ainda, com as cartas que já estavam em jogo montar novamente algo para o outro jogador dar seguimento à construção. De cada vez que a construção conseguida cai, o jogador retira uma carta do “baralho de compensação” e procede, como anteriormente, guardando a carta de compensação. Se algum jogador não conseguir completar uma frase ou realizar uma tarefa retira, também, uma carta de compensação. No final, quem tiver o menor número de cartas de compensação ganha o jogo. Podem, antecipadamente, decidir um prémio para o vencedor. No final do jogo, devem, ainda, conversar sobre as seguintes questões: i. O que sentimos durante o jogo? ii. O que é que, a forma como jogamos e nos relacionamos, durante o jogo, revela sobre a nossa relação? iii. O que é que o jogo nos indicou que poderiam ser aspetos a explorarmos/investirmos/melhorarmos na nossa relação? iv. O que podemos fazer de diferente doravante ou o que devemos continuar a fazer para fortalecer a nossa relação?
  • 92. 92 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Acho que posso contribuir para que a nossa relação se forta­ leça se/quando_______ Sinto que a nossa relação me tem ajudado a__________________ Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão construtivo Contribuis/ tens contri­ buído para que me sinta feliz quando_________ Aquilo que na nossa relação mais me ajuda (ou poderia ajudar) a lidar com os momentos de dificuldade é______ Aquilo que na nossa relação mais me ajuda (ou poderia ajudar) a identificar, criar ou apreciar momentos bons é__________________ Sinto que me ajudas a tornar­me uma pessoa melhor quando_______ Sinto que contigo sou mais forte relativamente a__________________ Entre as coisas que consigo fazer porque estou nesta relação con­ tigo e que seriam mais difíceis se não estivesse estão_______________ Aquelas que para mim são mais importantes são________________ Sinto que contribuis para que a nossa relação se fortaleça quando___ Gostaria que contribuís­ ses para que a nossa relação se fortaleça da seguinte forma:______ Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo
  • 93. 93PARTE I Nos últimos tempos senti uma admiração especial por ti quando_ Gostava que me admirasses por_______ Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão construtivo Relativamente a______ (um assunto da nossa relação/ vida conjunta com o qual tenho dificuldade em lidar) sinto que, mesmo sem resolver/alterar a situ­ ação me poderias ajudar a lidar melhor com ela se_________________ Ajuda­me/ajudar­me­ia a partilhar contigo expe­ riências mais difíceis quando/se___________ De entre as coisas que gostaria de entender melhor em ti/acerca de ti estão_____________ OU aquilo que acho que entendo melhor em ti/acerca de ti é_______ Entre aquilo que mais admiro em ti está_____ Relativamente a (um assunto da nossa relação/vida conjunta com o qual tens difi­ culdade em lidar) sinto que, mesmo sem resol­ ver/alterar a situação te poderia ajudar a lidar melhor com ela se____ Não concordo contigo relativamente a_______ mas respeito­te por____ ou sinto que conseguiria respeitar mais a tua posição se___________ Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Se pudesses fazer algo esta semana que contri­ buísse para a melhoria da nossa intimidade e/ou vida sexual seria______
  • 94. 94 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Se pudesse ir ao futuro e voltar para escrever a história da nossa relação gostava que ela incluísse o seguinte___________ Se tivesse que fazer uma escultura acerca da forma preferida de ver/viver a nossa relação ela seria assim_______ Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão construtivo Não te tenho dito/nunca te disse mas gostaria de dizer/contar/partilhar__ Quando outras pessoas olham para a nossa relação o que gostaria/ não gostaria que elas vissem era__________ Os momentos em que me sinto mais seguro contigo são quando___ Entre aquilo que (ainda) gostaria conhecesses/en­ tendesses/partilhasses mais acerca de mim está ___________________ Entre aquilo que (ainda) gostaria de conhecer/ entender/ partilhar mais acerca de ti está______ Sinto que estamos mais próximos quando_____ Aquilo que para mim é mais difícil de lidar relativamente a ti é____ Gostaria que me ajudasses da seguinte forma______________ Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo
  • 95. 95PARTE I Acho que nos tempos/ momentos em que cada um de nós está sozinho (sem o outro) se tentás­ semos______________ então_______________ Acho que nos tempos/ momentos em que esta­ mos com outras pessoas se tentássemos_______ então_______________ Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão construtivo Os momentos em que sinto mais apoiado por ti são________________ Se tivesse que definir a forma como normal­ mente transmitimos o que pensamos e sentimos um ao outro seria da seguinte forma: ___________________ Penso que isto_______ para a nossa relação. Se tivesse que melhorar algo na forma como transmitimos o que pen­ samos e sentimos um ao outro melhoraria o se­ guinte:_____________ Acho que o poderíamos fazer_______________ Os momentos em que me sinto mais entendido por ti são___________ Acho que nos tempos/ momentos em que esta­ mos só os dois se tentás­ semos______________ então_______________ Imagino que uma das situações mais difíceis que poderia acontecer na nossa relação seria_ Acho/acredito que a po­ deríamos resolver/evitar se_________________ Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Os momentos em que me sinto mais apreciado por ti são___________
  • 96. 96 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Sinto que sou mais respeitado por ti quan­ do_________________ Acho que se_________ eu sentir­me­ia mais respeitado. Sobre aquilo que cada um sabe sobre o que é importante para o outro na nossa vivência sexual e na nossa intimidade física e emocional, e sobre o modo como lidamos com isso penso que_______Penso que poderíamos melhorar a nossa relação se_____ Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão construtivo Sobre aquilo que cada um sabe sobre o que é importante para a vida/ percurso pessoal do outro e o modo como lidamos com isso penso que________________ Penso que poderíamos melhorar a nossa relação se_________________ Na nossa relação tenho dificuldade em lidar com_______________ Acho que me poderia ajudar se eu_________ e se tu______________ Acho que aquilo em que somos mais diferentes é ___________________ Penso que na nossa relação isto é/poderia ser uma vantagem quan­ do/se_______________ Se tivesse que identificar alguma área da nossa relação para a qual alguma ajuda/acon­ selhamento profissional poderia ser benéfico seria:_______________ Sobre a forma como comunicamos sobre a nossa vida sexual sinto que________________ Penso que, para a nossa relação isto__________ Sobre aquilo que cada um sabe sobre o que é im­portante para o outro na vida familiar e o mo­ do como lidamos com isso penso que_______ Penso que poderíamos melhorar a nossa relação se_________________ Sobre as relações de casal, gostaria que a nossa criança aprendes­ se, um dia, connosco o seguinte:____________ Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo
  • 97. 97PARTE II Relativamente à forma como exprimimos o que pensamos acerca um do outro sinto que_______ Acho que poderia ser útil para fortalecer a nossa relação se______ Relativamente à forma como exprimimos o que sentimos um pelo outro sinto que____________ Acho que poderia ser útil para fortalecer a nossa relação se______ Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão construtivo Vou/poderia ir buscar força à nossa relação nos momentos_______ Tu contribuis para esta força quando________ Eu sinto que contribuo para ela quando______ Se só pudesse alterar/ acrescentar um único aspeto novo na nossa relação ou um tipo de momento diferente entre os dois então escolhe­ ria_________________ porque_____________ Se só pudesse receber/ perceber o que tu sentes por mim de uma só forma e tivesse que es­ colher então_________ porque_____________ Acho que entre as principais forças da nossa relação constam_ ___________________ Acho que elas nos poderiam ajudar quando pensamos e sentimos algo de forma diferente acho que nos poderia ajudar se____________ A nossa relação é im­ portante para a minha vida pessoal porque/na medida em que:______ Acho que pode conti­ nuar/vir a ser ainda mais importante se/quando__ Se só pudesse escolher/ preservar um único mo­ mento para aproveitar/ saborear a minha rela­ ção contigo então es­ colheria as alturas em que________________ porque_____________ Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Acho que aquilo em que somos mais semelhantes é__________________ Penso na nossa relação isto é/poderia ser uma vantagem quando/se__
  • 98. 98 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Se quiséssemos realizar mais coisas ou coisas diferentes em conjunto no tempo que temos para dedicar um ao outro e à nossa relação acho que poderíamos tentar as seguintes____ Numa escala de 0 a 10 avalio o nível de diver­ timento que sinto que experimentamos na nos­ sa relação (sendo 10 o maior e 0 nenhum). Para o fortalecimento da nos­ sa relação acho que poderíamos tentar__ ou descobrir novas formas do seguinte modo_____ Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão construtivo Numa escala de 0 a 10 avalio a relevância (sen­ do o 10 a maior a e 0 nenhuma), para a nossa relação, de descobrir­ mos/aprendermos/institu irmos outras formas de passarmos tempo em conjunto. Acho que po­ deríamos recolher novas ideias em___________ Os momentos em que sinto que nos divertimos mais na nossa relação são________________ Acho que poderíamos estar mais próximos um do outro em momentos como______________ , da seguinte forma____ Relativamente à forma como ocupamos o tem­ po quando estamos jun­ tos, e tendo em vista o fortalecimento da nossa relação acho que pode­ ríamos_____________ De entre as coisas que mais aprecio realizar em conjunto/partilhar contigo estão________ Se pudesse acrescentar uma coisa seria_______ Se pudéssemos/quisés­ semos reservar algum tempo especial na nossa relação para conversar­ mos mais um com o outro acho que podería­ mos focar os seguintes temas:______________ De entre as coisas que eu mais gosto de fazer e que são mais importan­ tes para ti, e daquelas em que gostaria que pudesses participar mais , ou partilhar mais comi­ go estão____________ Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo
  • 99. 99PARTE I Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão construtivo Sei que nas ocasiões __ não preciso de falar porque quando_______ percebo que me enten­ deste bem. Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo Cartão construtivo
  • 100. 100 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Esta semana proponho­ me tentar entender melhor como é viver na tua pele em geral/num momento específico. Acho que para isso me poderia ajudar _______ Pensamos em formas de o conseguir fazer_____ Esta semana proponho­ me fazer algo que contribua especialmente para a melhoria da nossa intimidade e/ou vida sexual. Proponho o seguinte____________ Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão de compensação Esta semana vou tentar mostrar­te a minha apreciação pelos nossos melhores momentos e os teus contributos para a minha/nossa vida. Pode­ rias ajudar­me se_____ Esta semana que passou sinto que poderíamos ter criado momentos me­ lhores nas seguintes ocasiões_____________ OU se__________________ Partilho contigo um episódio passado que revela algo daquilo que eu mais aprecio/valorizo em mim_________ Esta semana vamos tirar um momento no dia para falarmos do que sentimos ao longo do dia. Proponho que esse momento seja________ (quando), _____ (onde), ___________________ (como). Esta semana vou tentar dizer­te de uma forma clara e positiva quando não gosto de alguma coisa. Acho que me poderias ajudar se____ Entre os momentos melhores da nossa relação na semana que passou estão:________ Esta semana comprome­ to­me a oferecer à nossa relação um momento especial. Planeamos es­ se momento em conjun­ to_________________ Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação
  • 101. 101PARTE II Esta semana posso tentar partilhar as coisas boas que me acontece­ rem contigo da seguinte forma (deve ser algo diferente do habitual)__ Esta semana, para que possa estar mais atento ao que sentes________ Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão de compensação Em relação a ti, gostava de te entender melhor acerca de___________ Esta semana tenho como tarefa tentar descobrir algo diferente/pouco ha­ bitual em ti mas que eu aprecie (naquilo que fazes, no que dizes, na forma como estás comi­ go e com os outros). No dia________________ a ____________ horas, no local____________ vou partilhar isso con­ tigo da seguinte forma_ ___________________ Gostava que me conhecesses melhor relativamente a_______ Esta semana, para que possas estar mais atento ao que eu sinto eu posso/farei__________ Esta semana posso tentar mostrar­te o que sinto da seguinte forma (deve ser algo diferente do habitual)_________ Acho que nunca te disse/contei_________ mas/e______________ Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação
  • 102. 102 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Partilho contigo aquilo que mais me faz sentir assustado ou vulnerá­ vel:________________ Partilho contigo aquilo que mais gostaria de mudar/melhorar na min­ ha forma de viver/sentir/ pensar o mundo e as coisas______________ Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão de compensação Partilho contigo algu­ mas ideias sobre coisas que gostava de experi­ mentar (viver, conhecer, sentir, pensar) ao longo da minha vida Se tivesse uma varinha mágica e nos pudesse transportar para um local especial escolhe­ ria_________________ porque_____________ Sinto que contribuo para que te sintas triste quan­ do_________________ Acho que aquilo que poderia tentar fazer de diferente era_________ Acho que me poderias ajudar se____________ Partilho contigo a minha visão do mundo. Se eu pudesse mudar apenas uma coisa nele ______ Partilho contigo algu­ mas ideias sobre coisas que gostava de partilhar contigo (viver, conhecer, sentir, pensar) ao longo da minha vida________ Partilho contigo aquilo que mais me faz sentir entusiasmado:_______ Esta semana vou tentar partilhar contigo os pe­ quenos e mais especiais momentos que tiver ex­ perimentado da seguinte forma:______________ Vamos conversar sobre isto depois no dia_____ a_______horas, no local ___________________ Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação
  • 103. 103PARTE II Acho que, se estivesse no teu lugar, poderia ser mais compreensivo da seguinte forma_________ Para aumentar Relativamente ao assunto_____________, relativamente ao qual temos opiniões diferen­ tes acho que aquilo que me poderia ajudar a perceber melhor a tua posição era________________. Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão de compensação Vamos depois conversar sobre as nossas expe­ riências. Esta semana proponho­ me fazer algo diferente contigo mas não te vou dizer o quê. Vou planear secretamente algo e im­ plementar. Vou pergun­ tar­te no dia_________ a______________horas o que achaste que eu fiz de especial/diferente. Sinto que, relativamente à forma como te mostro o que penso e sinto poderia melhorar_____ Acho que posso tentar fazer_______________ Acho que me poderias ajudar da seguinte forma ___________________ momentos de diverti­ mento na nossa relação esta relação comprome­ to­me a_____________ Sinto que contribuo para que te sintas feliz quan­ do_________________ Acho que poderia fazer mais vezes__________ Acho que me poderias ajudar a fazê­lo, mais facilmente se________ Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Para aumentar momen­ tos de intimidade/pro­ ximidade na nossa rela­ ção esta semana com­ prometo­me a________ Se pudesses fazer algo esta semana que contr­ ibuísse para que eu me sentisse melhor ou ti­ vesse um momento especial seria________ Cartão de compensação Cartão de compensação
  • 104. 104 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Aquilo que espero da nossa relação relativa­ mente à forma como gerimos a nossa vida financeira é_________ Aquilo que espero da nossa relação relativa­ mente à minha vida pessoal é____________ Cartões de jogo para imprimir e recortar. Cartão de compensação Entre os momentos que para mim foram mais satisfatórios/recompensa dores estão__________ Entre os momentos que para mim foram mais difíceis esta semana estão_______________ Aquilo que espero da nossa relação relativa­ mente à gestão da minha vida profissional/tra­ balho é_____________ Aquilo que espero da nossa relação relativa­ mente à minha/nossa vi­ da cultural é_________ Partilho contigo um episódio passado que revela algo sobre mim e a minha forma de funcionar preferida___ Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação Cartão de compensação
  • 105. 105PARTE II 10.3 O meu presente para ti sta é uma viagem partilhada para a qual contribuem as qualidades, forças, talentos e virtudes de cada um. Contudo, é na conjugação destas forças que poderá estar, na realidade, o maior trunfo dos companheiros de viagem. Nesta viagem têm a possibilidade de partilhar as forças de cada um, as suas virtudes e os talentos e podem fazê­lo de uma forma que complemente e contribua para o fortalecimento do outro ou que o apoie, acarinhe e lhe mostre cuidado, para que ele possa melhor cuidar da sua criança. Embora a criança seja, provavelmente, o maior dos presentes, nesta viagem os viajantes poderão presentar­se mutuamente, desde as primeiras etapas da jornada, com aquilo que cada um tem de melhor e que pode ajudar o outro, por sua vez, a dar o melhor de si. Conversem sobre a forma como se complementam nesta viagem parental e sobre a forma como se têm apoiado e podem vir a apoiar.
  • 106. 106 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Conversem sobre as principais vulnerabilidades de cada um, particularmente aquelas que poderão afetar a relação que construirão com a criança. Pensem depois sobre as seguintes questões e discutam­nas em conjunto: a. Em que momentos senti que as tuas (do companheiro de viagem) capacidades e virtudes me ajudaram a minimizar ou controlar as minhas vulnerabilidades? Em que situações é que isso aconteceu? O que aconteceu? O que é que eu fiz e o que é que tu fizeste? O que é que tu sentiste e pensaste? b. Como é que as tuas forças me podem ser úteis? Em que medida é que a nossa relação me pode ajudar a ser o melhor pai/mãe possível e tirar partido do melhor de mim? O que podemos fazer? Em que medida é que me podes ajudar a ser o pai/mãe que desejo ser? O que é que tu fazes que me poderá ajudar? Como me poderei sentir e pensar nessas alturas?
  • 107. 107PARTE II c. Em que medida é que eu te posso ajudar a ser o melhor pai/mãe possível? Em que medida é que a nossa relação me pode ajudar a ser o melhor pai/mãe possível e tirar partido do melhor de mim? O que podemos fazer? No final, pensem um pouco e imaginem que colocam nas vossas mãos um presente para oferecer ao outro. Deve tratar­se de um presente que não pode ser comprado mas que deve fazer parte e vir de cada um. Cada um deve imaginar que vai oferecer ao outro uma parte de si, uma forma de agir, uma força pessoal, ou uma intenção que o possa ajudar a construir a sua experiência de ser pai/mãe e a vivê­la de uma forma positiva. Preparem um embrulho para entregar ao outro, que simbolize o vosso presente. Segurando o embrulho entre as mãos, quando estiverem preparados, à vez, entreguem­no ao companheiro de viagem, completando a frase: “De mim, eu ofereço­te ___________ para que________. Faço­o porque ________. “ Dica: Podem oferecer mais do que um presente e repetir a entrega noutros momentos, com outras dádivas pessoais
  • 108. 108 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) 11. Viver num T3+2 sta viagem realiza­se num tempo e num espaço próprio. Enquanto o tempo se desenrola, os espaços alteram­se. Dos espaços individuais aos coletivos, provavelmente todos experimentarão algum tipo de mudanças. Neste capítulo, desafiamos o casal a refletir e preparar a transformação dos espaços, construindo um T3 (eu + tu + nós casal) + 2 (a criança + nós família). Propomos que reflitam sobre uma série de dimensões da vida familiar que podem ser afetadas e afetar estas transformações e que discutam sobre a forma como estão ou podem vivê­las de modo a garantir a maior satisfação possível com mudanças esperadas e a melhor preparação possível para aquelas impensadas. Na tabela seguinte, encontram­se uma série de questões para reflexão. Respondam, em conjunto, pensando na forma como a chegada de uma criança vai introduzir alterações na vida da família. Pensem na medida em que essas mudanças podem ser positivas ou negativas e em como se poderão preparar para elas. Pensem, ainda, como elas podem afetar cada um, o casal e a vida da família como um
  • 109. 109PARTE II OS ESPAÇOS E OS TEMPOS DE UM T3 + 2 1 (Eu e Tu) Como tenho funcio­ nado/quais são as minhas preferências 2 (Nós­casal) Como tenho funcio­ nado/quais são as minhas preferências 3 (Nós­família) Que transformações queremos/podemos/poderá ser necessário realizar? 3. Em que medida a chegada de uma criança pode afetar os nosso rituais ou rotinas preferidas? Pode fazer­lhe mais sentido pensar em rotinas ou em rituais ou em ambos. Por rotinas entendem­se coisas que se façam por hábito, mais ou menos da mesma maneira e de forma mais ou menos regular e previsível (ex. em horas ou momentos determinados). Por rituais entendem­se coisas que podem não ser habituais ou regulares mas que, quando são feitas, têm um carácter especial, como se celebrassem ou marcassem um momento de forma especial, sendo, para isso, feitas mais ou menos da mesma maneira. Assim, enquanto as rotinas são coisas que se fazem mais ou menos na mesma altura (embora possam ser feitas de forma diferente), os rituais são coisas que se fazem mais ou menos nas mesmas situações (embora podem não ser regulares) e da 1 1 1. Em que medida a chegada de uma criança vai afetar a maneira como vivemos os nossos espaços físicos (os locais onde costumamos estar em casa e frequentar fora dela)? 2. Em que medida a chegada de uma criança pode afetar o modo como vivemos o tempo de/para cada um, o tempo do casal e o nosso tempo como família? todo. Pensem, ainda, naquilo que podem fazer para que as mudanças resultem o mais positivas possível.
  • 110. 110 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) 12.1 Para lembrar: momentos especiais ada relação tem aspetos únicos, mais ou menos valorizados e especiais. Imaginem que têm a possibilidade de criar uma série de símbolos emblemáticos dos aspetos únicos e momentos especiais da história da relação do casal. Podem fazê­lo imaginando que criam um postal, um pin ou qualquer outro material que sirva de lembrança desses momentos ou dos acontecimentos que mais marcaram a relação, de uma forma positiva. Escolham as imagens, sons, cheiros ou formas desses símbolos, conforme aquilo que 12. A portas fechadas: O espaço do casal
  • 111. 111PARTE II quiserem representar. Podem optar por colocar apenas palavras com mensagens chave ou usar palavras para complementar as imagens. 12.2 O especial entre o banal: os momentos de todos os dias maginem que constroem um diário da relação de casal onde colocam todas as melhores memórias para recordação futura. Este deve ser um diário especial que registe não tanto os grandes eventos que a memória mais facilmente retém mas os pequenos acontecimentos e rituais que se diluem no dia­a­dia e passam despercebidos a um olhar externo ou menos atento, mas que marcam a relação com um carácter único e que a preservam, reforçando as suas fundações. Se fossem construir um diário desta natureza teriam que treinar o olhar para conseguir identificar os pequenos eventos
  • 112. 112 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) especiais, os instantes felizes, os gestos e rituais que, no dia­a­dia do casal celebram, pontuam e reforçam a relação. Sugerimos que desenvolvam uma atenção especial a estes momentos de modo a conseguirem, mais facilmente, identificá­los para, dessa forma, os poderem replicar, recriar ou expandir. Sugerimos que, durante uma semana, mantenham um registo de todos os pequenos gestos e momentos que preenchem a relação e que podem ocorrer no decurso de atividades diárias e em locais tão diversos como no quarto, na casa de banho, na garagem, na despensa ou arrumação da casa, na sala, num local público que o casal costume frequentar, ao telefone ou através de outra via de comunicação, em casa de amigos ou familiares, etc. Adicionalmente, procurem, durante um mês inventar novos pequenos rituais, que possam criar um momento feliz entre o casal nestes diferentes locais. Podem dividir os dias de modo que, em cada semana diferente, um elemento do casal esteja encarregue de criar um pequeno momento especial entre os eventos banais do dia­a­dia. Podem optar por retirar algumas ideias dos nossos cartões Mimos escondidos, ou, ainda, inventar ou criando inventar novos jogos que celebrem e preencham a relação com emoções e sentimentos positivos. Os cartões Mimos escondidos podem ser usados apenas em situações em que precisem de ideias novas ou como jogo. Nesse caso cada elemento do casal pode, na sua semana, ou na altura determinada, retirar um cartão, à sorte, encarregando­se de criar condições para implementar a atividade sugerida.
  • 113. 113PARTE II Planeie um passeio a um local que possa agradar ao seu companheiro (por estar rela­ cionado com os seus gostos e interesses pessoais, com algum episódio importante do seu passado ou da vossa história, com algum sonhos, etc.). Planeie alguma atividade especial ou algo para lhe oferecer durante o passeio que se relacione com o momento. Selecione uma música especial e convide o seu companheiro para dançar. Como alternativa por levar o seu companheiro a dançar “fora” ou contratar uma aula privada de dança (pode também recolher informação de passos de dança e criar uma sessão de treino/aprendizagem) Ofereça uma flor ou um objeto decorativo ou utilitário feito por si. Escolha o tema de acordo com as preferências do seu companheiro ou o simbolismo para a vossa relação e os materiais. Algumas ideias de objetos: pisa­papéis, marcador de livro, pin ou broche, acessório para ponta de lápis, suporte para copo, etc. CARTÕES “MIMOS ESCONDIDOS” PARA IMPRIMIR E RECORTAR Prepare uma surpresa culinária para o seu companheiro e crie um momento especial para lhe apresentar/dar a comer. (ex: pode cozinhar ou obter ajuda ou recursos para apre­ sentar essa refeição. O que conta é o cuidado da prepara­ ção e a intenção!)
  • 114. 114 POR TERRAS DA(S) PARENTALIDADE(S) Prepare uma “aventura culiná­ ria” com o seu companheiro. Selecione um conjunto de ingredientes e técnicas culiná­ rias e convide o seu compa­ nheiro a juntar­se a si na cozinha para fazerem algo de fora do comum ou mesmo para inventarem uma receita nova em conjunto (dica: podem partir de uma receita existente e tentar criar algo “à vossa maneira”) Prepare uma massagem para o seu companheiro. Tente perceber o tipo de massagens que lhe pode agradar mais e prepare previamente o ambi­ ente e a forma de lhe pro­ porcionar a massagem, bem como todos os acessórios (ex. produtos de massagem;música ambiente, aquecimento do es­ paço, decoração, aromatização do ambiente) necessários. Escolha uma música que o seu companheiro possa considerar romântica. Decore a letra e prepare uma serenata (pode cantar ao vivo ou em play­ back. Em alternativa pode en­ contrar músicos que preparem a serenata. Nesse caso prepare um discurso para a acompa­ nhar) Prepare um postal onde possa escrever algo sobre aquilo que tem ganho com a relação (descreva­os). Faça um postal o mais personalizado possível e deixe­o ficar num local onde o seu companheiro o possa encontrar de modo a ser surpreendido. CARTÕES “MIMOS ESCONDIDOS” PARA IMPRIMIR E RECORTAR