Apresentação para a disciplina de
Antropologia Visual
Integrantes:
Eleonora Bianco
Cantarelli
Leonardo Bonfim
Fernandes
Monna Ranzoti Rocha
Camargo
Um pouco sobre :
O que é antropologia.
Introdução à sua definição e
contexto histórico
• É uma disciplina que investiga as origens, o desenvolvimento e as
semelhanças das sociedades humanas, assim como as dife...
• A Antropologia, divide-se em duas grandes áreas de
estudo, com objetivos definidos e interesses teóricos
próprios: a Ant...
• Para pensar as sociedades humanas, a antropologia
preocupa-se em detalhar, tanto quanto possível, os seres
humanos que a...
• Embora o estudo das sociedades humanas remonte à
Antiguidade Clássica, a antropologia nasceu, como
ciência, efetivamente...
Parte I
Escolhendo um modelo de interpretação
cultural
O autor começa seu livro dizendo como é difícil para um antropólogo retratar
de forma respeitosa todos os temas abordados,...
Exemplo sobre cultura e evolução biológica: onde
as datações dos fosseis foram definitivamente
superadas, as datas foram s...
Um outro exemplo que pode ser citado nesse contexto de
sobreposição das novas descobertas científicas: os novos
estudos fe...
Segundo Takeshi Inomata, da Universidade do Arizona
(EUA), descobertas recentes feitas no sítio
arqueológico de Ceibal, no...
As visões dominantes sobre o surgimento dos maias são: que
a civilização se desenvolveu independentemente de outros
povos ...
Os povos da Mesoamérica
A descoberta não indica que os maias são anteriores
aos olmecas - já que o centro mais antigo conh...
"Há um substancial espaço entre as duas potências
olmecas: San Lorenzo e La Venta. As contribuições de San
Lorenzo às cult...
Os maias
O arqueólogo explica que os centros maias mais ao sul não
experimentaram esses novos elementos culturais antes de...
Segundo o pesquisador, enquanto em San Lorenzo a
civilização já era mais desenvolvida entre 1400 a 1150
a.C., os povos mai...
“As pessoas tendem a pensar que quando os primeiros assentamentos sedentários emergiram,
eles eram pequenas, simples vilas...
“O que é interessante sobre Ceibal é que um complexo
cerimonial formal estava estabelecido no início dos
assentamentos sed...
Grande complexo de Pirâmides de El Tajin Veracruz, México.
Xunantunich - a Mayan Ruin, Belize
Ruínas de Palenque, Chiapas, México.
E é justamente sob este
formato de teoria que ele
busca construir a sua
abordagem antropológica
Geerts evita tratar as ide...
Clyde Kluckholm apresenta 11 conceitos que podem coincidir
com a definição de cultura:
 o modo de vida global de um povo
...
Mas para fazer valer a sua proposta de
metodológica de uma pesquisa objetiva,
Geertz opta por um caminho ecletista.
O conc...
Ou seja, teorias mais centradas trazem
resultados mais satisfatórios que
teorias genéricas, sendo que o foco da
abordagem ...
Parte II
A piscadela e os carneiros – A relevância do
argumento interpretativo dos significados
para uma descrição densa
A ciência não é definida pelos seus resultados, mas pelo seu
processo. No caso da antropologia, o processo é
etnográfico.
Contudo, a eficiência da abordagem não está relacionada ao
método escolhido para se fazer etnografia, mas à qualidade da
d...
Por exemplo:
Duas pessoas piscam. Teoricamente,
ambas realizam o mesmo ato de
piscar. No entanto, uma delas pisca
devido à...
E é aqui aonde a “descrição densa” se difere da
“descrição superficial”:
enquanto a descrição densa atribui motivos para a...
Vídeo: problema na comunicação
https://www.youtube.com/watch?v=8Ox5LhIJSBE
Em suma, como diferença de significados que
um mesmo elemento pode ter é expressiva, o
antropólogo deve estar atentar para...
Parte III
A cultura é psicológica? -
Desentendimentos do conceito de cultura
No entanto, para uma descrição densa, ainda não é o status
ontológico dos elementos culturais que deve ser inspecionado,
m...
“Reificar”
é trata-la como um corpo único; como
uma entidade consciente com propósitos
e fins nela mesma.
“Reduzir”
é trat...
“A única coisa que (os brasileiros) se importam são CARNAVAL, SAMBA e
FUTEBOL. Todas suas MULHERES são MORENAS, BONITAS, G...
Clifford Geertz critica a linha de teórica de Ward
Goodenough, acusando-a de ser relativamente responsável pela
disseminaç...
Esta vertente de pensamento afirma que a cultura é
composta de estruturas psicológicas pelas quais
os componentes de um gr...
No entanto, conseguir
identificar, compreender e
reproduzir algo não é a coisa
em si.
“Para tocar violino é necessário
ter...
Um dos fatores determinantes
que levam a essa constatação
está no fato de a cultura ser
pública.
Um mesmo ato pode ter uma...
Dessa forma, afirmar que digerir o significado puro de
um símbolo é o mesmo que aprender a reproduzi-lo
somente em vias de...
Vídeo dos gestos
Aprender a piscar não é o mesmo que aprender a dar uma
piscadela, e aprender a reconhecer uma piscadela não é
reconhecer u...
As teorias antropológicas não podem
ser desenvolvidas nos mesmos meios
pelos quais as ciências exatas
elaboram suas conclu...
Portanto, Gueertz afirma que a cultura não
se trata de uma estrutura psicológica ou de
mero comportamento aprendido.
Parte IV
Como a pesquisa etnográfica e o seu objeto
devem ser avaliados
“Não estamos procurando tornar-nos nativos [...] O que
procuramos, no sentido mais amplo do termo, que compreende
muito ma...
O significado do comportamento humano varia
de acordo com o padrão de vida através do
qual ele é informado.
Os textos antropológicos são
interpretações; ficções no sentido
de que são “algo construído”, “algo
modelado”. (GEERTZ, p....
Geertz - Por uma descrição densa
Geertz - Por uma descrição densa
Geertz - Por uma descrição densa
Geertz - Por uma descrição densa
of 54

Geertz - Por uma descrição densa

Resumo do primeiro capitulo de Clifford Geertz; Por uma descrição densa
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Art & Photos      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Geertz - Por uma descrição densa

  • 1. Apresentação para a disciplina de Antropologia Visual
  • 2. Integrantes: Eleonora Bianco Cantarelli Leonardo Bonfim Fernandes Monna Ranzoti Rocha Camargo
  • 3. Um pouco sobre : O que é antropologia. Introdução à sua definição e contexto histórico
  • 4. • É uma disciplina que investiga as origens, o desenvolvimento e as semelhanças das sociedades humanas, assim como as diferenças entre elas. A palavra antropologia deriva de duas palavras gregas: anthropos, que significa "homem" ou "humano"; e logo, que significa "pensamento" ou "razão".
  • 5. • A Antropologia, divide-se em duas grandes áreas de estudo, com objetivos definidos e interesses teóricos próprios: a Antropologia Física ou Biológica e a Antropologia Cultural.
  • 6. • Para pensar as sociedades humanas, a antropologia preocupa-se em detalhar, tanto quanto possível, os seres humanos que as compõem e com elas se relacionam, seja nos seus aspectos físicos, na sua relação com a natureza, seja na sua especificidade cultural.
  • 7. • Embora o estudo das sociedades humanas remonte à Antiguidade Clássica, a antropologia nasceu, como ciência, efetivamente, da grande revolução cultural iniciada com o Iluminismo. • Até o século XVIII, o saber antropológico esteve presente na contribuição dos cronistas, viajantes, soldados, missionários e comerciantes que discutiam, em relação aos povos que conheciam, a maneira como estes viviam a sua condição humana, cultivavam seus hábitos, normas, características, interpretavam os seus mitos, os seus rituais, a sua linguagem. Neste século, a Antropologia adquiriu o status de ciência, tendo como objeto a análise das “etnias humanas".
  • 8. Parte I Escolhendo um modelo de interpretação cultural
  • 9. O autor começa seu livro dizendo como é difícil para um antropólogo retratar de forma respeitosa todos os temas abordados, uma vez em que as novas descobertas científicas vão respondendo velhas perguntas e propondo novas questões, tentando fazer uma mediação entre todos os artigos já publicados e as novas descobertas que ainda não foram colocadas no papel, pois deixar as pesquisas exatamente como foram escritas e argumentadas seria o mesmo que fornecer informações já ultrapassadas ligando-as a um conjunto de acontecimentos já superados.
  • 10. Exemplo sobre cultura e evolução biológica: onde as datações dos fosseis foram definitivamente superadas, as datas foram situadas mais longe no tempo, não há qualquer sentido em continuar a dizer ao mundo que os Australopitecnídeos remontam a um milhão de anos, quando arqueólogos estão encontrando fósseis de quatro a cinco milhões de anos.
  • 11. Um outro exemplo que pode ser citado nesse contexto de sobreposição das novas descobertas científicas: os novos estudos feitos pelas universidades dos Estados Unidos e do Japão levantando questionamentos sobre a verdadeira origem dos povos Maias
  • 12. Segundo Takeshi Inomata, da Universidade do Arizona (EUA), descobertas recentes feitas no sítio arqueológico de Ceibal, no México, indicam que a região foi palco de uma grande mudança cultural entre os anos.
  • 13. As visões dominantes sobre o surgimento dos maias são: que a civilização se desenvolveu independentemente de outros povos em um processo local; que ela surgiu pela influência direta dos olmecas, através do centro de La Venta. Segundo as descobertas; a civilização maia se desenvolveu através de um largo padrão de interação envolvendo o sul da Costa do Golfo, Chiapas e o sul da Costa do Pacífico. Em outras palavras, a interação com outras regiões foi importante (para o desenvolvimento dos maias), mas não foi influenciado por um único lugar (La Venta)", diz. A grande descoberta dos arqueólogos em Ceibal foi um complexo cerimonial, que era mais antigo em pelo menos 200 anos que um similar de La Venta, ambos de um padrão que é encontrado em outras cidades.
  • 14. Os povos da Mesoamérica A descoberta não indica que os maias são anteriores aos olmecas - já que o centro mais antigo conhecido destes é San Lorenzo, que prosperou entre 1400 a.C e 1150 a.C..
  • 15. "Há um substancial espaço entre as duas potências olmecas: San Lorenzo e La Venta. As contribuições de San Lorenzo às culturas mesoamericanas tardias foram importantes, mas eles não tinham complexos cerimoniais padronizados com pirâmides que vieram a caracterizar depois centros como La Venta, Ceibal, etc. Depois do declínio de San Lorenzo, vários grupos do sul da Mesoamérica, inclusive os moradores de Ceibal, começaram a experimentar com o legado de San Lorenzo e outros grupos antigos; eles selecionaram e adaptaram alguns elementos culturais, modificaram outros, e criaram novas formas de sociedade. Isso foi um tempo de grandes mudanças que formou a fundação das civilizações mesoamericanas tardias. Mas, novamente, essa grande mudança aconteceu através da interação entre vários grupos; não foi espalhada de um centro olmeca."
  • 16. Os maias O arqueólogo explica que os centros maias mais ao sul não experimentaram esses novos elementos culturais antes de 800 a.C. ou 700 a.C. - ou até mesmo depois disso. "Então, um ponto chave é que a mudança cultural e social ocorreu durante a interação entre diversos grupos por volta de 1000 a.C.", diz o cientista.
  • 17. Segundo o pesquisador, enquanto em San Lorenzo a civilização já era mais desenvolvida entre 1400 a 1150 a.C., os povos maias levavam uma vida nômade nas selvas. Contudo, uma mudança drástica ocorreu em um desses povoados por volta de 1000 a.C.. Pirâmide de Chichen Itza Yucatan, Mexico.
  • 18. “As pessoas tendem a pensar que quando os primeiros assentamentos sedentários emergiram, eles eram pequenas, simples vilas, e então os complexos cerimoniais formais e etc gradualmente cresceram assim que os assentamentos foram ficando maiores. Ceibal nos conta uma história diferente.” O grande complexo de Pirâmides de La Danta, ao lado escala de comparação de tamanho em relação às pirâmides Egípcias.
  • 19. “O que é interessante sobre Ceibal é que um complexo cerimonial formal estava estabelecido no início dos assentamentos sedentários, por volta de 1000 a.C.. Localizada no sudoeste das terras baixas maias, Ceibal provavelmente se beneficiou da interação próxima com estes povos que ocupavam Chiapas e o sul da Costa do Pacífico e começaram a desenvolver novas formas de arquitetura antes do resto das terras baixas maias.”
  • 20. Grande complexo de Pirâmides de El Tajin Veracruz, México.
  • 21. Xunantunich - a Mayan Ruin, Belize
  • 22. Ruínas de Palenque, Chiapas, México.
  • 23. E é justamente sob este formato de teoria que ele busca construir a sua abordagem antropológica Geerts evita tratar as ideias de forma universal, pois ao passo que uma ideia é esticada ao ponto em que qualquer coisa possa ser encaixada dentro de sua definição (desvirtuando para muito além do foco original), ela perde a solidez de suas definições e aplicações. Teorias mais diretas e fechadas tendem a obter resultados mais coesos e empíricos.
  • 24. Clyde Kluckholm apresenta 11 conceitos que podem coincidir com a definição de cultura:  o modo de vida global de um povo  o legado de um grupo social adquirido por seus indivíduos  uma forma de pensar, sentir e acreditar  uma abstração do comportamento  uma teoria antropológica que visa determinar os modos sociais de um conjunto humano  um celeiro de aprendizagem em comum  um conjunto de orientações padronizadas para os problemas recorrentes comportamento aprendido  uma regulação comportamental  um conjunto de técnicas para ajustarem os homens no ambiente e entre eles mesmos  um precipitado da história
  • 25. Mas para fazer valer a sua proposta de metodológica de uma pesquisa objetiva, Geertz opta por um caminho ecletista. O conceito de cultura escolhido por ele é o semiótico. Ele frisa que as análises dos elementos culturais deve ser interpretativa, visando explicar os seus significados, e não apenas descrevê-la e encaixá-la a leis
  • 26. Ou seja, teorias mais centradas trazem resultados mais satisfatórios que teorias genéricas, sendo que o foco da abordagem está na interpretação e na explicação dos elementos.
  • 27. Parte II A piscadela e os carneiros – A relevância do argumento interpretativo dos significados para uma descrição densa
  • 28. A ciência não é definida pelos seus resultados, mas pelo seu processo. No caso da antropologia, o processo é etnográfico.
  • 29. Contudo, a eficiência da abordagem não está relacionada ao método escolhido para se fazer etnografia, mas à qualidade da descrição. O autor defende o termo “descrição densa” como o modelo definitivo de descrição. Uma ação não o é devido somente ao ato de fazê-la, mas ao significado e propósito que ela carrega.
  • 30. Por exemplo: Duas pessoas piscam. Teoricamente, ambas realizam o mesmo ato de piscar. No entanto, uma delas pisca devido à um tique enquanto a outra faz uma piscadela conspiratória. Logo, as duas pessoas não estão mais realizando o mesmo ato, mas ações completamente diferentes devido à disparidade de sentido para cada propósito.
  • 31. E é aqui aonde a “descrição densa” se difere da “descrição superficial”: enquanto a descrição densa atribui motivos para a existência das atitudes observadas e se preocupa em descrever o significado (assumindo que o primeiro tem um tique e que o segundo deu uma piscadela), a descrição superficial descreve apenas os atos independentes de contexto (assumindo que amos estão apenas piscando, e portanto, realizando o mesmo ato).
  • 32. Vídeo: problema na comunicação https://www.youtube.com/watch?v=8Ox5LhIJSBE
  • 33. Em suma, como diferença de significados que um mesmo elemento pode ter é expressiva, o antropólogo deve estar atentar para uma descrição profunda e detalhada de cada componente estudado. O modelo metodológico da “descrição densa” é capaz de suprir essa necessidade.
  • 34. Parte III A cultura é psicológica? - Desentendimentos do conceito de cultura
  • 35. No entanto, para uma descrição densa, ainda não é o status ontológico dos elementos culturais que deve ser inspecionado, mas a sua importância: o que é transmitido e quais são as suas consequências As duas principais ladeiras de pensamento que embaçam a busca por este foco durante o processo de interpretação cultural surgem quanto a cultura é tratada de forma reificada ou reduzida.
  • 36. “Reificar” é trata-la como um corpo único; como uma entidade consciente com propósitos e fins nela mesma. “Reduzir” é trata-la unicamente como um padrão de comportamento em comum dentro de um grupo
  • 37. “A única coisa que (os brasileiros) se importam são CARNAVAL, SAMBA e FUTEBOL. Todas suas MULHERES são MORENAS, BONITAS, GOSTOSAS e FÁCEIS de levar pra cama (...). Os Brasileiros (...) jogam FUTEBOL o dia inteiro nos campos de terra enquanto escutam SAMBA, bebem CAIPIRINHAS e brincam com os seus animais de estimação, MACACOS. Todos os seus políticos são CORRUPTOS, todas as ruas são PERIGROSAS, os seus ídolos são PELÉ e RONALDINHO (...). Como você se sente depois de ter lido todos esses estereótipos? Você ficou com raiva? Respire profundo e relaxe. Esta lista de preconceitos não vem de pessoas estrangeiras.” (http://reallifeglobal.com/estereotipos-dos- gringos-o-que-nos-realmente-achamos-do- brasil/#sthash.ERbRmZPe.dpuf)
  • 38. Clifford Geertz critica a linha de teórica de Ward Goodenough, acusando-a de ser relativamente responsável pela disseminação deste desentendimento. Segundo o pesquisador questionado, “a cultura está na mente e no coração dos homens”, e que “(ela) consiste no que quer que seja que alguém tem que saber ou acreditar a fim de agir de uma forma aceita pelos seus membros”
  • 39. Esta vertente de pensamento afirma que a cultura é composta de estruturas psicológicas pelas quais os componentes de um grupo guiam o seu comportamento. Se esta constatação se confirma, confirma-se a relação na qual basta-se aprender os mecanismos de comportamento de um grupo que logo você será integrado a ele.
  • 40. No entanto, conseguir identificar, compreender e reproduzir algo não é a coisa em si. “Para tocar violino é necessário ter certos hábitos, habilidades, conhecimento e talento, estar com disposição de tocar e (como piada) ter um violino. Mas tocar violino não é nem o hábito, a habilidade, o conhecimento e assim por diante, nem a disposição ou (...) o próprio violino.”(GERTZ, p. 9)
  • 41. Um dos fatores determinantes que levam a essa constatação está no fato de a cultura ser pública. Um mesmo ato pode ter uma definição respectiva para cada meio cultural no qual ele é realizado, sendo que as diferenças de significado chegam ao ponto em que o sentido é transfigurado de tal forma que o próprio ato deixa de ser o mesmo.
  • 42. Dessa forma, afirmar que digerir o significado puro de um símbolo é o mesmo que aprender a reproduzi-lo somente em vias de ato é substituir a descrição densa pela superficial
  • 43. Vídeo dos gestos
  • 44. Aprender a piscar não é o mesmo que aprender a dar uma piscadela, e aprender a reconhecer uma piscadela não é reconhecer um piscar. E mesmo reconhecendo e sabendo dirigir uma piscadela não significa que o interlocutor irá identifica-la como tal, pois ele é refém do contexto que tecerá a sua interpretação. O que determina a eficácia da reprodução de sentido cultural está no contexto que a lê.
  • 45. As teorias antropológicas não podem ser desenvolvidas nos mesmos meios pelos quais as ciências exatas elaboram suas conclusões. Apoiando-se em Wittgenstein, Geertz finaliza ao atestar que conhecer uma cultura nunca o tornará parte efetiva dela, sendo impossível tornar-se nativo de um contexto externo ao seu.
  • 46. Portanto, Gueertz afirma que a cultura não se trata de uma estrutura psicológica ou de mero comportamento aprendido.
  • 47. Parte IV Como a pesquisa etnográfica e o seu objeto devem ser avaliados
  • 48. “Não estamos procurando tornar-nos nativos [...] O que procuramos, no sentido mais amplo do termo, que compreende muito mais do que simplesmente falar, é conversar com eles [...] Visto sob esse ângulo, o objetivo da antropologia é o alargamento do universo do discurso humano.”
  • 49. O significado do comportamento humano varia de acordo com o padrão de vida através do qual ele é informado.
  • 50. Os textos antropológicos são interpretações; ficções no sentido de que são “algo construído”, “algo modelado”. (GEERTZ, p. 10)

Related Documents