GRUPO MUNICIPALAssembleia Municipal de Abrantes___________________________________________________________________________...
GRUPO MUNICIPALAssembleia Municipal de Abrantes___________________________________________________________________________...
GRUPO MUNICIPALAssembleia Municipal de Abrantes___________________________________________________________________________...
of 3

Ponte tramagal 26 abril 2013

Published on: Mar 4, 2016
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Ponte tramagal 26 abril 2013

  • 1. GRUPO MUNICIPALAssembleia Municipal de Abrantes_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________2009-2013·· Página 1 de 3Exmo. Senhor Presidente da Assembleia MunicipalExma. Senhora e Senhores Membros da MesaExmas. Senhoras e Senhores Deputados Municipais e Presidentes de JuntaExma. Senhora Presidente da Câmara MunicipalExma. Senhora e Senhores VereadoresComunicação social e público presenteNa Assembleia Municipal de 22 de Fevereiro de 2010, o Grupo Municipal do PSD fez aseguinte intervenção, em relação à Concessão do Ribatejo, que passamos a citar:“Nos Passos do Concelho, nº66, edição especial, para não referir os restantes órgãos decomunicação social, podemos ler “ O futuro troço do Itinerário Complementar nº9 (IC9), quefará a ligação entre a A23, o Concelho de Ponte de Sôr e o norte Alentejano, num percurso de33 km vai ter perfil de autoestrada, com 4 faixas de rodagem, entre a auto-estrada da Beira -Interior e a estrada Nacional 118, até à localidade de Tramagal, fazendo a ligação à zonaindustrial da vila.O governo já garantiu a intenção de acelerar o processo de lançamento e concessão para aconstrução deste troço, reforçando assim o carácter de prioridade regional do IC9, quecontempla uma nova ponte rodoviária sobre o Tejo, na zona do Tramagal”.Sabemos que a Sra. Presidente é sensível a esta matéria. No entanto, não podemos deixar dequestionar e esperamos uma explicação à população no sentido de percebermos, por querazão, o que era considerado um dos aspetos fundamentais da campanha do PS no nossoDistrito – a concessão das autoestradas e estradas do Ribatejo – foi abandonado semqualquer explicação.
  • 2. GRUPO MUNICIPALAssembleia Municipal de Abrantes_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________2009-2013·· Página 2 de 3Estamos certamente no local indicado para obtermos tal resposta, pois temos o prazer deestar na presença do ilustre ministro dos Assuntos Parlamentares e Presidente da Mesadesta Assembleia.É com grande apreensão que recebemos a notícia da suspensão deste itinerário no querespeita ao troço Abrantes – Ponte de Sôr e que inclui a travessia do Tejo na zona deTramagal, que tem vindo a ser reivindicada por populações e instituições há largos anos.Apesar das promessas, efetuadas pelo próprio primeiro-ministro, a verdade é que estamosperante mais um adiamento sem qualquer horizonte em termos de datas, dado que o próprioministro das Obras Públicas já declarou que esta suspensão e outras sê-lo-iam por tempoindeterminado.Esta via, a concretizar-se, seria uma mais-valia para o território concelhio e, para além devalorizar os investimentos já existentes ou em curso, seria também e, sobretudo, mais umfator positivo para a decisão de implementar novos investimentos no concelho.Esta questão coloca com maior acuidade a requalificação da EN2, no troço como já foireferido pelos nossos vereadores em reunião de câmara (Arrifana - Rossio) e que atravessa acidade de Abrantes, já que parece ser, a curto prazo, a única via direita de entrada e saída dacidade a sul.Continuamos a pensar que é efetivamente necessário efetuar cortes de despesas a nívelnacional, mas naquilo que se conclua ser supérfluo e faraónico.Obras que revistam investimentos de proximidade e que contribuam para que determinadasregiões possam usufruir de fatores acrescidos de competitividade, como pensamos ser esta,deveriam ser prosseguidas, pois a sua análise custo/benefício é, sem dúvida, bastantepositiva no médio prazo. “Recordar-se-á a Senhora Presidente, quem respondeu a estas questões?Pela intervenção que ontem, dia 25 de Abril proferiu, pensamos que não se recorda!
  • 3. GRUPO MUNICIPALAssembleia Municipal de Abrantes_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________2009-2013·· Página 3 de 3Pois, vamos recordá-la:Foi o Sr. Dr. Jorge Lacão. Que saiu do lugar de presidente da Mesa e se dirigiu a estaAssembleia, pedindo desculpa pela não concretização do que foi uma bandeira e umapromessa eleitoral do PS nas autárquicas 2009.É inadmissível e intolerável, que agora em 2013, em pleno dia de Abril, em que o apelo aosvalores e à verdade são incontornáveis, de forma populista e demagógica, sabendoperfeitamente ao estado a que a má gestão do PS no governo conduziu o País, vem insinuarque é culpa deste governo a não concretização deste investimento!Perguntamos Senhora presidente, quanto foi o investimento no açude e no Aquapólis?Quanto custou? Não era suficiente para ter concretizado os anseios da população deTramagal? Investimento, esse, vital para a consolidação de todo o tecido económico daqueleterritório? Porque não fizeram um açude/ponte em Tramagal?Aqui está um exemplo (mau exemplo) de como a gestão socialista prefere o show-off, o ocoe a megalomania, em detrimento da ajuda e estímulo à economia local.Qual é o retorno, quais as mais-valias provocadas pela construção do açude no Rio Tejo?Quantos turistas atraiu? Quantas empresas, relacionadas com o turismo fixou? E quantasempresas esse mesmo montante poderia ter estimulado na Freguesia do Tramagal, se esseinvestimento tivesse sido canalizado para a construção de uma nova travessia?Esta ponte é devida ao Tramagal há décadas e, reforçaria a centralidade de Abrantes! Toda amargem Sul sairia a ganhar…Manuela Ruivo26 de Abril de 2013

Related Documents