14
entrevistaministroaldorebelo
MARÇO 2014 15
‘Há uma
campanha
contra
a Copa’
„„ ApoucosmesesdaCopa,como osenhorexplicaqueum
terçodapopulação,segundoalgumaspesquisas,ainda
resisteàrealizaçãodoevento?O...
Não apresentam um fato, não apresentam uma evidência.
Mas de tanto repetir isso, sem um contraponto, porque o
governo não ...
„„ Além do BNDES, a Caixa não está financiando?
Não, só o BNDES. A Caixa é o órgão repassador. No caso do
estádio do Corin...
„„ Ofuteboléumatradiçãodopovobrasileiro,mas,com
ingressos tão caros, boa parte estará fora dos estádios,
assistindonatelev...
„„ Foi o que aconteceu desde junho do ano passado...
Sim. As pessoas querem se manifestar pacificamente, por
educação, saú...
„„ Algunscríticosdizemqueasremoçõesqueestãoacontecendo
paraaCopanoBrasilfazempartedeumnovomodelodegestão
dascidadespelomer...
„„ Aentidadedizqueessenúmerofazpartedeumlevantamento
feitonas12cidades-sedeescolhidasparasediarosjogos.
É uma farsa. Não d...
of 9

Entrevista do ministro do Esporte Aldo Rebelo para a revista Por Sinal.

‘Há uma campanha contra a Copa’
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Sports      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Entrevista do ministro do Esporte Aldo Rebelo para a revista Por Sinal.

  • 1. 14 entrevistaministroaldorebelo
  • 2. MARÇO 2014 15 ‘Há uma campanha contra a Copa’
  • 3. „„ ApoucosmesesdaCopa,como osenhorexplicaqueum terçodapopulação,segundoalgumaspesquisas,ainda resisteàrealizaçãodoevento?Osenhorchegouamencionar ocomplexodevira-latadapopulaçãobrasileira,lembrando NelsonRodrigues.Continuaacreditandonissoouachaqueo debateestámuitocontaminadopelaquestãoeleitoral? Há uma campanha contra a Copa. Uma campanha de um setor importante da mídia e de um setor importante da oposição. Quando se faz um cruzamento das informações e das pesquisas, você vê: é contra a Copa, contra o Bolsa Família, contra os médicos cubanos. Ou seja, é uma agenda contra o governo.EaCopa,comofoitrazidapelopresidenteLula,ainda integra a agenda de Lula, que está em pleno curso. Mas isso é natural, porque em 1950 foi a mesma coisa. Lacerda também não queria a construção do Maracanã, teve um debate grande no Rio de Janeiro. Mário Filho, que era um jornalista, irmão do Nelson Rodrigues, liderou a campanha a favor do estádio. Acho que hoje, de forma atualizada, o debate permanece. Nelson Rodrigues criou esta expressão“o complexo de vira-latas”. Ou seja, um setor do Brasil seria como uma espécie de Narciso às avessas já que Narciso admirava a própria ima- gem. E ele dizia que há no Brasil aquele que cospe na própria imagem. Acho que as crônicas do Nelson Rodrigues são mais atuais hoje do que no tempo em que foram escritas, há 50, 60 anos. Mas nós devemos ter tranquilidade e enfrentar esse debate. O pessimismo é uma coisa atávica no Brasil, desde o português lá na beira do Tejo, que achava que não devia ter navegação, não devia ter descobrimento, não devia ter nada. Esse pessimismo chegou no Brasil e ganhou contornos ideológicos e políticos. Mas quando a bola rolar na Copa, isso tudoperderásentido.NemprecisacomeçaraCopa.Sóogesto do Neymar, de levantar aquela criança sul-africana no jogo amistoso do Brasil, já reduziu bastante as motivações políticas e ideológicas de oposição à Copa. „„ Nomeiodetantasinformaçõesdesencontradasedemuita desinformação,comoosenhoravaliaacomunicaçãodogoverno emrelaçãoàCopa?Ondeelaestáfalhando?Quetiposde instrumentosdeveriamsercriadosparaestabelecerumdiálogo comapopulação?Jáqueosenhorcitouacampanhacontrada mídia,oqueachadodebatesobreademocratizaçãodosmeios de comunicação? Nós tivemos o aparato midiático repetindo que a Copa do Mundo é um desperdício; que a Copa do Mundo é desvio de dinheiro público; que a Copa do Mundo está tirando recursos da saúde e da educação; que a Copa do Mundo é sinônimo de corrupção; que a Copa do Mundo é superfaturamento. 16 entrevistaministroaldorebelo É com tranquilidade que o ministro Aldo Rebelo enfrenta a enxurrada de críticas que recebe cotidianamente, desde que aceitou continuar, a pedido da presidente Dilma, à frente do Ministério do Esporte, responsável pela organização de um dos principais eventos esportivos que o Brasil vai sediar daqui a menos de 70 dias. Mas esse alagoano, de fala mansa, é enfático, e muda seu tom de voz quando explica o porquê de tanta má vontade: “Há uma campanha de setores importantes da mídia e da oposição contra a Copa. No fundo, é uma agenda contra o governo.” Para o ministro, militante do PCdoB desde a década de 1970 e com uma carreira política sólida, as denúncias de desperdício do dinheiro público, de superfaturamento e de corrupção não têm consistência, estão contaminadas pela campanha eleitoral. Ele garante que não há nada no Brasil mais fiscalizado do que esta Copa do Mundo: “O TCU tem um ministro que cuida exclusivamente de Copa do Mundo e outro, exclusivamente de Olimpíada; a CGU tem um núcleo de trabalho que cuida só da Copa.” Confiante, Aldo Rebelo aposta no sucesso do evento: “Quando a bola rolar na Copa, isso tudo perderá sentido.” Flavia Cavalcanti
  • 4. Não apresentam um fato, não apresentam uma evidência. Mas de tanto repetir isso, sem um contraponto, porque o governo não dispõe de mídia própria capaz de fazer frente a esse poder avassalador das grandes empresas que têm rádio, TV, jornal e esse aparato de internet, acabam convencendo alguns. Mas isso não tem consistência. Por essa razão, acho que a campanha não vai permanecer. Não há nada no Brasil mais fiscalizado do que esta Copa do Mundo. „„ Explique melhor como isso é feito. O Tribunal de Contas da União tem um ministro que cuida exclusivamente de Copa do Mundo e outro, exclusivamente de Olimpíada. A CGU tem um núcleo de trabalho que cuida só daCopa,aliás,criadoporrecomendaçãodoprópriopresidente Lula quando trouxe a Copa do Mundo para o país. O presiden- te do Tribunal Superior do Trabalho visitou pessoalmente todososcanteirosdeobradosestados,nãofoiumaequipedo Tribunal, foi ele. Sei, porque me convidaram toda vez que ele ia. A fiscalização foi intensa. Uma vez, no Maracanã, o vice‑ governador do Rio me disse que lá dentro do estádio tinham 12 órgãos de controle, 24 horas: três tribunais de Contas: do município, do estado e da União; dois ministérios públicos: do estado e da União; dois ministérios públicos doTrabalho; duas defensorias: do estado e da União; o Iphan. Todos ali, organizando e fiscalizando. Mas tudo bem. A Copa do Mundo, do meu ponto de vista, deve ser uma referência e um padrão de transparência dos recursos públicos. Só que há poucos recursos públicos na Copa.ACopaéumempreendimentobasicamenteprivado.Os recursosdogovernofederalsãoparametrôs,aeroportos,obras de acessibilidade, de tráfego, de mobilidade urbana. Obras do PAC, que aconteceriam, independentemente de ter Copa do Mundo. Se não tivesse a Copa do Mundo no Brasil, o metrô de Fortaleza ia ser feito. A ligação da estação Jacu-Pêssego com a Radial Leste, na Zona Leste de São Paulo, também. Foram obras antecipadas por causa da Copa. E o dinheiro dos está- dios são empréstimos do BNDES. O governo federal não tirou dinheiro do orçamento; o Ministério do Esporte também não deu dinheiro do orçamento para fazer estádio. MARÇO 2014 17
  • 5. „„ Além do BNDES, a Caixa não está financiando? Não, só o BNDES. A Caixa é o órgão repassador. No caso do estádio do Corinthians, é dinheiro do BNDES repassado pela Caixa. No caso do Rio Grande do Sul, é dinheiro do BNDES repassado pelo Banrisul. Alguns, inclusive, nem pegaram esses empréstimos. Brasília não quis; Paraná pegou menos da metade; o Rio Grande do Sul, um pouco mais da metade. Massãoempréstimosconcedidosmediantetodasasgarantias exigidas pelo próprio banco. Então, eu vejo assim. Houve essa campanha, mas ela não sesustenta,porqueaprópriaCopaé,também,umamarca,um evento muito forte. E quando consultorias privadas anunciam que essa Copa pode gerar 3 milhões e 600 mil empregos no Brasil; pode gerar um acréscimo ao PIB do país de 0,4% ao ano até, pelo menos, 2019; que, para cada R$ 1 de investimento público, você pode ter R$ 3,4 de investimentos privados; as receitas tributárias que você ganha na União, nos estados e nos municípios, tudo isso mostra que a Copa do Mundo é também um grande negócio. Vocêvisitaessascidadesquevãoreceberasseleçõescomo centros de treinamento. Fui a Sorocaba, que vai receber a seleção da Nigéria, e vi todo o investimento, a construção de novas instalações para o alojamento dos jogadores. Eles estão retirando ainda R$ 5 milhões de empréstimos para investir nessecentroparareceberaseleçãodaNigéria.Porquê?Porque isso vai ficar também como uma referência para a cidade. Esse centrovai,depois,recebereventosesportivosenãoesportivos de todo o mundo. „„ Comoandaocronograma?Nocasodasobrasdemobilidade urbana—achoqueestavamprevistos40intervençõesem corredoresexpressos,VLTs,alargamentodasavenidas—,o quevaificarprontoparaaCopa?Quaisobrasvãoserentregues depois? E quando? Um cálculo muito simples de ser feito. O que não ficaria pron- to para a Copa, nós retiramos da Matriz de Responsabilidade. Só deixamos na Matriz aquilo que vai ficar pronto até a aber- turadaCopa.Mesmoobrasqueserãoentreguesparcialmente, mas que não vão ficar integralmente prontas, nós tiramos da Matriz. Algumas serão entregues logo depois. Nenhuma foi abandonada ou suspensa, porque são obras do PAC, ou seja, têm recursos. Muitas delas foram paralisadas por ações de órgãos de controle, ou suspensas pelo Ministério Público, ou pelo Iphan, ou por tramitação da própria máquina buro- crática do Estado — prefeitura, governo estadual e União. E elas vão ficar prontas. „„ O VLT de Cuiabá, por exemplo. OVLT de Cuiabá não vai ficar todo pronto, apenas um trecho. Uma parte dos trilhos foi instalada e alguns vagões já chega- ram à capital. Eu fui recebê-los junto com o governador. O pátio principal, onde ficarão os vagões e a saída do VLT, está praticamente pronto. Os viadutos por onde passarão os trens já estão prontos. Então, o que não ficar pronto até a Copa, Cuiabáreceberálogoemseguida.Opróprioprefeitodisseque a Copa antecipou em 30 ou 40 anos esseVLT. A cidade passa a ser outra. E não apenas Cuiabá. Também Várzea Grande, onde fica o aeroporto, uma cidade grande. OVLT sai deVárzea Grande para Cuiabá. O corredor Mario Andreazza, que faz a ligação de Várzea Grande com Cuiabá, vai ser duplicado. A cidade terá, portanto, outra mobilidade urbana depois da Copa do Mundo. „„ Pode-sedizer,então,queumdosprincipaislegadossociais daCopaseráamelhoriadaqualidadedevidadascidades?Isso está garantido? Sem dúvida. Aqui em São Paulo, nós vamos à Zona Leste. Itaquera é a região com o menor índice de desenvolvimento. A presença do estádio do Corinthians leva para lá uma univer- sidade que já está funcionando, teve vestibular (Fatec), uma escola técnica pronta, que será aberta depois da Copa, porque será usada como estrutura temporária, já que é o estádio da aberturadoevento.Asobrasviáriasemtornodoestádionãosão para o estádio, porque acho que nem as seleções passarão por elas,nemosturistas.SãoobrasparaapopulaçãodaZonaLeste. Quem conhece e anda pela Zona Leste sabe que é um tráfego intenso e que são necessárias obras que articulem todas as vias existentes para melhorar a mobilidade da região. Isso está acontecendo em todo o Brasil. O estádio do Recife não é no Recife, é em São Lourenço da Mata, ou seja, o metrô vai até o estádio. A rodovia que passa também já está concluída. Em todo o Brasil, a ideia é a integração metropolitana. „„ PortoAlegrevirouumcanteirodeobraseagentevêque vãoficarmuitasmelhoriasparaacidadedepois.Maslembro- medeterescutadoumaentrevistadoprefeitoFortunati,no anopassado,naqualeledissequenãopodiaficaràmercêda chantagemdealgunsempresários,queestavamdeixandoas obrasatrasaremparaforçarumarenegociaçãoemalguns contratos.Elenãoiarenegociarcontratoalgum,nãoiaceder. Foi o que ele fez. Com a nossa concordância, retirou algumas obras da matriz de responsabilidade e deu prosseguimento nas outras. Mas não paralisou nenhuma. 18 entrevista
  • 6. „„ Ofuteboléumatradiçãodopovobrasileiro,mas,com ingressos tão caros, boa parte estará fora dos estádios, assistindonatelevisão.Oqueogovernopodefazerparatornar afestadaCopamaispopular,paraqueaspessoassesintam participando desse evento? Nunca fui a uma Copa do Mundo, nunca vi um jogo de Copa do Mundo num estádio. Mas, pra mim, a Copa do Mundo nunca deixou de ser uma festa. Uma grande festa, da qual participava da minha maneira. Vendo com os amigos, com minha família; às vezes, com o pessoal do partido. A gente se juntava num canto, comprava umas cervejas. „„ MasnuncaaconteceunoBrasildepoisdaCopade1950, quando o senhor não era nascido. Tá certo, eu não era nascido. Mas, se pudesse, sinceramente, veria a Copa do Mundo em casa, com os amigos. Mas é claro quesepudessevercommeusamigosnoestádioseriamelhor. Nem todos eles, naturalmente, poderiam ir ao estádio. Estoumaispreocupadocomo preçodosingressosdepoisda Copa. Haverá espaço nos estádios que estão sendo construídosemodernizados para o torcedor mais pobre, paraaquelesdebaixarenda? Essaéumapreocupaçãoque tenho discutido com os dirigentes dos clubes. „„ Imagino telões nas praças ou em espaços públicos. Acho que a festa do futebol não é apenas a festa de quem vai paraoestádio.SoutorcedordoPalmeiras.Otimejogandoaqui em São Paulo e eu lá no interior de Alagoas, quando morava ainda na roça, ouvindo um rádio a válvula, que muitas vezes desaparecia,equandovoltavaosom,vocênãosabiaseoplacar continuava o mesmo. Pra mim, era uma festa. Estou preocupado muito mais com o preço dos ingressos, mas não para a Copa do Mundo. O problema da Copa é a limi- taçãodonúmerodeingressosquepodemservendidos.Écomo preçodosingressosdepoisdaCopa.Haveráespaçonosestádios que estão sendo construídos e modernizados para o torcedor maispobre,paraaquelesdebaixarenda?Essaéumapreocupa- ção que tenho discutido com os dirigentes dos clubes, com os operadoreseosproprietáriosdessesestádios.Euachoquesim. Na Copa do Mundo, é claro, uma parte vai fazer a festa no campo, vai poder ter acesso aos estádios; outros vão fazer a festa em casa, e muitos nas praças, porque as prefeituras, independentemente do Fan Fest da Fifa, vão criar condições paraqueopovo,sequiser,possaassistiremtelões,comoacon- teceu na Alemanha. E grande parte do turista, e é bom levar isso em conta, quer viver o clima da Copa fora dos estádios, passear pela cidade, ir às praças, conversar. „„ Em relação às possíveis manifestações de setores descontentesqueestãocobrandoumpadrãoFifaparaos serviçospúblicos,osenhordefendealgumtipodelegislação específicaparacoibiraviolênciaeasameaçasaopatrimônio público? Asmanifestaçõespacíficassãoprotegidasporlei,antes,durante edepoisdaCopa.Sãogarantiasinstitucionais.Asmanifestações violentasjásãocoibidasporlei.Há,emcurso,umadiscussãono MinistériodaJustiçasobremedidasadicionais,relacionadas,por exemplo,comessaquestãodousodemáscaras.Fizmovimento estudantil,fizpasseatasemépocasdifíceis.Haviaumarepressão violenta. Mas nós nunca usamos máscara. Há um paradoxo quando vejo militantes mascarados exigindo voto aberto na CâmaradosDeputados.Ouseja,vocêvaimascaradopedirque ooutrovoteemaberto.Vocêusamáscaraprafazerumpedido. Eu sempre digo: a ordem, num país democrático, serve à democracia. Num país ditatorial, serve à ditadura. E quando você não tem a ordem pública, pode ter a ordem privada. E a ordem privada é sempre a ordem do mais forte. Acho que nós nãodevemosaceitarquebra-quebras,depredações,agressões. Acho que, usando uma imagem que se usa na economia, esse tipodemanifestação,queéamámanifestação,terminaexpul- sando a boa manifestação. MARÇO 2014 19
  • 7. „„ Foi o que aconteceu desde junho do ano passado... Sim. As pessoas querem se manifestar pacificamente, por educação, saúde, transporte, segurança, ou seja lá qual for a razão, mas não querem integrar movimentos de depredação, como, por exemplo, quebrar o Itamaraty, ou invadir a Câmara Municipal do Rio de Janeiro e depredar ou pichar uma obra de arte do século XIX. Qual o sentido desse protesto? Aí você vê ummeninobem-intencionado,queachaquequebrarumaloja é protestar contra o capitalismo, que está mascarado. E vem outromascaradodoPCCprasaquearaloja,enãopraprotestar contra o capitalismo. Eu acho que num país democrático as manifestações têm de ser abertas. „„ Masoquepodeserfeito,jáqueexisteoriscodemanifestações terminaremematosdeviolência?Osenhorconcordaem enquadrarcomoterrorismoessasaçõesdevandalismo?O Congresso está discutindo isso. O conceito de terrorista, ainda hoje, é muito delicado. Nem a ONU conceituou o que é terror. Porque o que pode ser para uns pode não ser para outros. Então esta é uma discussão muito complicada, difícil. Mas é uma coisa que, acho, no Brasil é preciso ter muito cuidado. Uma coisa é você coibir que mascarados depredem o patrimônio público ou privado. Outra é você querer entrar na discussão do que é terrorismo, do que deixa de ser. Não é uma coisa simples. „„ Comoosenhorexplicaessasúltimasmanifestaçõesde racismonofutebolbrasileiro.Sóparacompletarapergunta,um amigocontouqueviu,numacidadericadointeriorpaulista,uma pichaçãoquedizia:“Foranordestinos”.Gostariaqueosenhor analisasseoqueestáacontecendo,noBrasilenomundo.O racismo está crescendo? Em primeiro lugar, é uma coisa inaceitável. Não pode haver nenhum tipo de condescendência com essas manifestações racistas. Eu dizia a uns jornalistas, que me perguntaram sobre o racismo no futebol, que a violência das torcidas que brigam nos estádios fere fisicamente; a manifestação racista fere a alma do país. Fere o que temos de mais profundo: uma nação miscigenada, que tem suas raízes, sua identidade, na fusão de troncos civilizatórios tão distintos quanto o indígena, o africano e o europeu. Nós somos isso. E temos orgulho dessa identidade.Nóslutamosporisso,nãoapenassocialmente,mas também intelectualmente. O que produzimos de melhor na nossasociologiafoipracombateressasmanifestaçõesracistas. Está aí a obra de Gilberto Freyre a demonstrar que devemos ter orgulho da nossa miscigenação. Acho que são manifestações de setores desesperados da sociedade. Não é representativa do povo brasileiro. Eu vi que, enquanto um grupo de torcedores xingou e agrediu o árbitro num jogo no Rio Grande do Sul, numa outra partida que ele apitou logo depois, a torcida toda o aplaudiu. Como um de- sagravodamaioriadopovogaúcho,condenandoaatitudede uma minoria que tem uma concepção absolutamente errada doqueéonossopaís.Fiqueiintrigado,porexemplo,comoque aconteceu no Peru. Uma população de ascendência indígena xingando um jogador brasileiro negro. Indígenas, que são também alvo de preconceito, de racismo, de discriminação. Não é uma coisa, assim, tão natural. Existe um problema mais profundo que precisa ser enfrentado. „„ Temalgumtipodeaçãocontraoracismoquepodeserfeito nesta Copa? Tem. Nós conversamos com a própria Fifa, com a ONU, com o comitêdoNobeldaPaz.Todosessessetoresestãointeressados emenfrentarecombateressaquestão.Porque,naEuropa,essas manifestações são muito fortes, e estão crescendo. Foi banido até um jogador da Croácia, que não vai participar da Copa, por esse tipo de manifestação. No Rio Grande do Sul, pedi ao secretário de Segurança que apurasse, investigasse e identi- ficasse os responsáveis. Fiz o mesmo pedido ao Ministério Público de São Paulo. entrevista A violência das torcidas que brigam nos estádios fere fisicamente; a manifestação racistafereaalmadopaís.Fereo quetemosdemaisprofundo:uma naçãomiscigenada,quetemsua identidadenafusãodetroncos civilizatóriostãodistintosquanto oindígena,oafricanoeoeuropeu. 20
  • 8. „„ Algunscríticosdizemqueasremoçõesqueestãoacontecendo paraaCopanoBrasilfazempartedeumnovomodelodegestão dascidadespelomercado,viamegaeventos.Istotemocorrido emtodosospaísesditosemergentes.AArticulaçãoNacional dosComitêsPopulares(Ancop)calculaque250milpessoas vão ser desalojadas por conta das obras da Copa. É uma mentira. E transformaram isso numa indústria. As remoções que acontecem são por conta das obras do PAC. Ou são remoções em áreas privadas, mediante indenização, para construir o metrô, o VLT, ou qualquer coisa. Nesse caso, quando o Estado, seja União, estado ou município, precisa daquelas áreas, paga uma indenização, porque existe uma lei que protege o proprietário. Não é como a China, onde o solo é propriedade do Estado e da União. Aqui, não. Têm muitas obras inviabilizadas pelo custo das desapropriações do ter- reno. Muitas prefeituras dizem que não podem construir o metrô porque o custo é inviável. Ou,àsvezes,trata-sedeáreaspúblicas,destinadasaobras de mobilidade urbana, e que foram ilegalmente ocupadas. Temos muitos desses casos. O metrô precisava passar por ali e, então,aáreafoidesapropriadapeloEstado,mascomoometrô demorou a chegar lá, ela foi ocupada ilegalmente. Você vai remover uma área pública para fazer uma obra de interesse público, e de interesse social, que é o transporte, por exemplo, de Fortaleza. É de interesse da população. E vai ter de remover aquelas pessoas. Mas todas essas remoções, mesmo em áreas ilegalmente ocupadas, estão sendo feitas sob acompanha- mento do Ministério Público, com acordo com os ocupantes. Eháoutroscasos,comooqueaconteceuemSãoPaulo,num parque em Itaquera. Foram ONGs ambientais que exigiram a remoção de quem estava dentro desse parque. Porque julgam maisimportantequeasárvoresocupemolugardaspessoas.Eeu, naturalmente,tomeiopartidodaspessoasepropusumacordo: “Ninguémentramais,porqueéumparque,eéimportantepre- servaraáreaverde,mastambémnãoprecisaexpulsarninguém. Os que estão aqui não ficam com a propriedade. Ficam com a possedaáreaenquantoviveremaqui.Sesaíremdaqui,perdem.” Propus esse acordo entre os ocupantes da área e a Prefeitura, e acho que em todos os casos podemos chegar a um acordo. Onde é que estão as 200 mil pessoas que estão sendo re- movidasporcontadaCopa?Copamesmo,sóosestádios.Ode Fortaleza foi num lugar que já tinha um estádio. Em Manaus, em Natal e no Rio, também. Ou seja: as remoções que estão acontecendo, e não nesse número, são por obras do PAC. Há uma diferença grande entre PAC e Copa. O PAC seria feito de qualquer jeito. Com Copa ou sem Copa, as obras do programa seriam executadas. MARÇO 2014 21
  • 9. „„ Aentidadedizqueessenúmerofazpartedeumlevantamento feitonas12cidades-sedeescolhidasparasediarosjogos. É uma farsa. Não demonstram nunca. „„ Asnovasgeraçõesqueocuparamasruasnoanopassado nãoestãofalandoempartido.Falamemoutrasformasde organização,maishorizontais.Isso,porqueestãodescontentes com os partidos atuais. Que tipo de diálogo é possível estabelecer com elas? Eu não concebo democracia sem partido. Se eles estão insa- tisfeitos com os atuais partidos, que procurem formar outros. Porque, sem partidos, que tipo de democracia você vai fazer? Uma democracia plebiscitária? Numa democracia plebiscitá- ria, nem sempre você termina por decidir de maneira madura questões importantes. Basta lembrar que a consulta direta absolveu Barrabás e condenou Jesus Cristo. Se não tiver os partidos e as instituições para levar em conta as emoções, mas também a razão, acho complicado. Se for para a consulta direta, por exemplo, alguém imagina como vai ser a legislação penal no Brasil? Faço só essa pergunta. É preciso levar em conta que, por mais deformadas e defeituosas que sejam as instituições democráticas, se é ruim com elas, pode ser muito pior com a ausência delas. É isso que eu penso. „„ Mastrata-sedemelhoraraqualidadedelas,diminuira influênciadopodereconômico.Comfinanciamentopúblico, por exemplo. Não há nenhum mecanismo no país impeditivo da melhoria dessas instituições. O poder econômico não influencia só as eleições,mastambémtudonasociedade—aimprensa,oscos- tumes, a agenda nacional, o consumo. Ele é a mercantilização de todas as relações. É um dos triunfos do fim do socialismo, do fim da União Soviética. Foi feito para que essas relações mercantis prevalecessem sobre tudo. E eles tomaram conta da agenda. „„ QualsuaavaliaçãodomovimentoBomSensoFutebolClube? Tenho uma boa avaliação. Porque eles despertaram para um debate que é o próprio destino do futebol. O futebol, que é, ao mesmo tempo, paixão, fantasia, afeto dos torcedores por seus grupos, ídolos, pela seleção, e que se transformou tam- bém num negócio importante para empresários, detentores de marcas, patrocinadores e de direitos de transmissão.Tudo começou porque alguns jogadores, ou clubes, ou um grupo deatletas,submetidosaumaagendapesada,aumcalendário exigente, começaram a discutir como iam jogar cinco partidas em pouco mais de uma semana. Aí eles passaram a debater a questão do calendário.Você tem uns que jogam 86 partidas por ano, e outros, de clubes menores, que não conseguem jogarnem15.Porqueparticipamdeumcampeonatoregional, às vezes são eliminados na primeira fase e ficam fora. Uma massa de profissionais, pais de família, sem ter um ganha-pão. É uma agenda muito interessante. O Ministério do Esporte está participando e querendo que outros atores tam- bémparticipem.Paraqueofutebol,semperderessacondição de ser paixão e fantasia, também gere empregos, renda, tribu- tos, cresça sua participação na economia do país. Para que o futebol brasileiro tenha participação maior na economia do futebol mundial. Essa é a parte que estamos fazendo. „„ FalandoemMinistériodoEsporte,oqueestásendofeito paravalorizarmaisoesporteamadornopaís?Existembolsas, incentivos?Ampliandoapergunta:ComooMinistérioestá trabalhandoasváriasdimensõesdoesporte,sejaoamador, ocompetitivo,sejaoesportecomolazerouligadoàsaúde? Nós trabalhamos com uma agenda que é própria do ministé- rio, com os nossos programas, e trabalhamos também com o Ministério da Educação. Estamos construindo 5 mil quadras nas escolas públicas e 265 centros de iniciação ao esporte, que são complexos capazes de acolher até 13 modalidades espor- tivas.Vamos dotar todos os estados de, pelo menos, uma pista oficial de atletismo. Dois terços dos estados não tinham isso. Estados grandes, como a Bahia, por exemplo, não têm uma piscinaolímpica.Nãotêmnemcondiçõesdeacolherumacom- petição oficial de natação. Estamos cuidando disso, fazendo, junto às universidades, principalmente a base física, porque todas elas, no plano diretor, já tinham uma área destinada à prática de esportes. Tanto as universidades federais quanto as estaduais. Estamos construindo uma rede de treinamento. Também, ampliamos o Bolsa Atleta. Hoje, temos mais de 5 mil atletas recebendo bolsa. Difícil você ver uma competição no mundo em que o atleta brasileiro conquiste uma medalha, ou pódio, que não seja bolsista. Estabelecemos uma coopera- ção com o Comitê Olímpico e com as federações de todas as modalidades esportivas, para que tenhamos um calendário a cumpriratéasOlimpíadas.Definimoscomometa,anopassado, o 10º lugar, pelo menos, na Olimpíada de 2016, mas é preciso registrar que nas competições oficiais mundiais, na média, o Brasil tem ficado em 8º lugar em número de medalhas. Isso é um indicador de que podemos ter crescimento nessa área. Foi muito importante combinar o esporte educacional com o es- portedelazer,comoesportedeentretenimento,inclusãosocial ealtorendimento.Nãoqueremosqueumsedêemprejuízodo outro. Todas as modalidades são importantes. 22 entrevista

Related Documents