Saúde na mídia Brasília, 14 de outubro ...
Saúde na mídia Brasília, 14 de outubro de 2011 ...
Saúde na mídia Brasília, 14 de outubro de 2011 Correio Braziliense/BR Minis...
of 3

Por trás daqueles olhos

Retinoblastoma, câncer quetem 400 casos por anonoBrasil, pode ser notado até em foto
Published on: Mar 4, 2016
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Por trás daqueles olhos

  • 1. Saúde na mídia Brasília, 14 de outubro de 2011 Correio Braziliense/BR Ministério da Saúde | Institucional Por trás daqueles olhos SAÚDE sileiro de Oftalmologia, em Porto Alegre, em setembro, a especialista levantou a bandeira da causa. Ela contou que o mal não escolhe sexo nem raça. "Sa- bemos que 40% das ocorrências são por herança ge- nética. E, em todos os casos, o diagnóstico precoce é o melhor remédio", alerta, dizendo que a melhor for- ma dos pais estarem atentos a isso é tirar, com flash, uma fotografia do bebê. "Se em um dos olhos a pupila aparecer branca na foto, pode ser um sinal de que a criança esteja com esse tipo de câncer. O melhor é procurar imediatamente um oftalmologista", acon- selha. Retinoblastoma, câncer que tem 400 casos por ano no Brasil, pode ser notado até em fotos Segundo Zélia, o retinoblastoma é um tumor maligno que acomete a retina (parte do olho onde se forma a imagem que será traduzida pelo cérebro). Entre as causas não hereditárias (60% dos casos), está a al-Retinoblastoma, câncer que tem 400 casos por ano no teração de um gene situado no cromossomo 13, res-Brasil, pode ser notado até em fotos ponsável pelo controle da divisão celular da retina. Ele pode estar presente já no nascimento, mas, em ge-LUCIANE EVANS ral, aparece até os 2 anos e meio, podendo atingir um ou os dois olhos. "O mais comum é o problema serBelo Horizonte - O olhar de um bebê diz muito: se ele unilateral. O diagnóstico tem que ser dado o mais rá-está feliz, triste, irritado, com sono e, inclusive, com pido possível, pois a doença pode causar a morte. E is-câncer. É para essa janela da alma que of- so pode ocorrer em dois ou, no máximo, três anos",talmologistas e oncologistas de todo o mundo estão alerta a especialista.atentos - e preocupados. A incidência do tumor in-traocular, que atinge as crianças menores de 4 anos e Na sua evolução, o retinoblastoma invade o nervo óp-pode levá-las à morte, é, no Brasil, duas vezes maior tico e alcança o cérebro, podendo ainda determinarque nos Estados Unidos (EUA) e na Europa. Por ano, metástases. Em outras palavras, se o diagnóstico forsegundo dados do Instituto Nacional do Câncer tardio, há poucas chances de resultados favoráveis. O(Inca ),são diagnosticados 400 casos no país. Al- tratamento do retinoblastoma depende do estágio degumas cidades brasileiras registram entre 21,5 e 26 sua evolução. Tumores pequenos são tratados a laser.casos por milhão (nos EUA, esse indicador varia de Tumores médios precisam de quimioterapia, bra-10 a 12 casos por milhão). Apesar de não ser tão co- quiterapia e laser. Já os grandes, geralmente, só po-nhecido como outros tipos de tumor, o re- dem ser atacados com a remoção do globo ocular.tinoblastoma tem uma "vantagem" sobre váriosoutros cânceres: ele dá sinais de sua existência e pode O grande medo dos pais de pacientes com a en-ser percebido por meio de uma simples fotografia. fermidade, segundo lembra a médica, é a mutilação dos olhos. "O tratamento é a quimioterapia, a ra-A brasileira Zélia Correa é oncologista ocular e tem dioterapia ou, em alguns casos, a remoção dos olhos ese dedicado ao assunto na Universidade de Cin- a colocação de um olho de vidro", explica a on-cinnati, nos EUA. Durante o 36º Congresso Bra-Saúde na mídia pg.1
  • 2. Saúde na mídia Brasília, 14 de outubro de 2011 Correio Braziliense/BR Ministério da Saúde | Institucional Continuação: Por trás daqueles olhoscologista ocular, lembrando que o mal pode ser su- identificar sinais de doenças oculares, que, se não fo-gerido por meio do estrabismo precoce, da rem tratadas o mais rapidamente possível, podem le-dificuldade devisãoou daaparência anormaldo olho. var à cegueira. O Ministério da Saúde incentiva a realização do teste nas maternidades, mas ele aindaSegundo a oftalmologista Ângela Maestrini, es- não é obrigatório.pecialista em retina e catarata, a doença em adultos eidosos é mais traiçoeira, pois é assintomática. "Ela é Em Minas Gerais, desde 2007, ele se tornou obri-chamada de melanoma de coroide. Trata-se de um tu- gatório nas redes pública e privada. No Distrito Fe-mor escuro. Por isso, é importante, depois dos 40 deral, a obrigatoriedade para os estabelecimentosanos, ir sempre ao especialista da visão", alerta. A públicos foi estabelecida em lei aprovada em julhodoença pode acometer diferentes partes do olho, des- de 2008. Nos hospitais particulares, só ficaram obri-de as mais externas (pálpebras e conjuntiva) até as es- gados os que realizam partos. Minas Gerais e o DF es-truturas internas, como a íris, o corpo ciliar e a tão na vanguarda - somente em 10 dos 27 estadoscoroide. A que costuma ser mais acometida é a co- brasileiros o procedimento é obrigatório.roide, camada do olho entre a esclera e a retina. Essaparte não é visível a olho nu, sendo necessário dilatar A oncologista ocular Zélia Correa lembra que o teste,a pupila e examiná-la com equipamentos especiais. apesar de indicar se a criança tem catarata, glaucoma, má-formação no globo ocular, cicatrizes, tumores ouTeste retinopatia de bebês prematuros, que é a principal causa de cegueira infantil, não exige grande tec-O diagnóstico é feito pelo exame do fundo do olho. Se nologia. "Uma simples lanterna seria suficiente paradescoberto precocemente, o câncer pode ser curado, observar uma opacidade nas pupilas e levantar a sus-com a preservação da visão. Uma das lutas dos mé- peita do problema", diz.dicos brasileiros é tornar obrigatório, em todo o país,o chamado "teste do olhinho", um exame capaz deSaúde na mídia pg.2
  • 3. Saúde na mídia Brasília, 14 de outubro de 2011 Correio Braziliense/BR Ministério da Saúde | Institucional Continuação: Por trás daqueles olhosSaúde na mídia pg.3

Related Documents