152
10
2006
invenções econômicas libertárias
na revolução espanhola
natalia montebello*
Flor de jazmín y toro degollado.
P...
153
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
ao pensar anarquicamente, não se trata da diferenciação
...
154
10
2006
os diferentes anarquismos, afirmação de liberdade, sem
intermediação, sem representação, uma questão, por-
tan...
155
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
de progresso não se circunscreve ao incremento da ri-
qu...
156
10
2006
soberania da vontade em lugar da soberania da razão;
em uma palavra, as paixões em substituição ao direito.
Qu...
157
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
dade, suas propriedades e suas faculdades, que reduzo
a ...
158
10
2006
A série reclama invenção. “Descobrir uma série é
perceber a unidade na multiplicidade, a síntese na di-
visão:...
159
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
to, na Espanha de 1936, novos costumes que afirmarão
rel...
160
10
2006
que se projeta federativamente, e livres também ao in-
corporar o princípio de secessão. Assim, o aperfeiçoa-
...
161
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
regime pode ser descrito por essa interação. Os gover-
n...
162
10
2006
princípio de liberdade, será naquelas relações que não
demandem de cada um mais liberdade da que se entre-
ga;...
163
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
Voltando à cartografia das relações econômicas, será
o c...
164
10
2006
mais ainda, o federalismo que se opõe ao regime buro-
crático será aquele que resulta da associação propicia-
...
165
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
Bakunin será um observador atento: lembra sem
descanso q...
166
10
2006
depois dos fatos, tratar-se-ia de um pensar presente,
que nem precede nem atesta.
Em 1869 Giuseppe Fanelli che...
167
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
sociações locais graças à liberdade.”18
Estes princípios...
168
10
2006
1919, ocorre o Congresso do Teatro da Comédia de Ma-
dri: desde então os sindicatos de ofício passarão a ser
s...
169
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
operários, os combate porque todos esses partidos or-
ga...
170
10
2006
palavras a vida: o anarquismo espanhol tem por proce-
dência mais evidente o comunismo libertário de Baku-
nin...
171
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
os homens. Porque não só rejeitava a autoridade exteri-
...
172
10
2006
ou menos criativos, os anarquistas tiveram imaginação.25
Ao abrir mão do senhor de esquerda, de direita, de ne...
173
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
ras, árvores de terras infecundas: sinais de problemas
e...
174
10
2006
usufruto de toda a comunidade. Com isso, aumenta-
ram as áreas semeadas, pela expropriação de terras im-
produ...
175
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
as relações econômicas livres prescindiram da moeda
naci...
176
10
2006
força. Nessa região, a coletivização acontece em dois
momentos: o primeiro, que resulta da necessidade de
mant...
177
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
momento. Conviveram, assim, durante a Guerra Civil,
um s...
178
10
2006
trial também foram atravessadas por invenções impro-
dutivas do ponto de vista econômico, e os anarquistas
nov...
179
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
anarquismo deixa de ser inscrever o anarquismo nas
lutas...
180
10
2006
sacrificando uma parte de sua liberdade para que todos possam permanecer
justapostos, sem se agredirem uns aos...
181
verve
Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola
16
Cf. Etienne de La Boétie. Discurso da servidão volunt...
182
10
2006
RESUMO
A analítica da série proposta por Proudhon permite pensar, na
Guerra Civil Espanhola, as relações econô...
of 31

Natalia montebello invenções econômicas libertárias na revolução espanhola

Natalia montebello invenções econômicas libertárias na revolução espanhola
Published on: Mar 3, 2016
Published in: Art & Photos      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Natalia montebello invenções econômicas libertárias na revolução espanhola

  • 1. 152 10 2006 invenções econômicas libertárias na revolução espanhola natalia montebello* Flor de jazmín y toro degollado. Pavimento infinito. Mapa. Sala. Arpa. Alba. La niña finge un toro de jazmines y el toro es un sangriento crepúsculo que brama. Federico García Lorca, Casida del sueño al aire libre, 1936 Economia e anarquismo O problema das práticas econômicas, no interior do anarquismo, transborda, como qualquer outro proble- ma para o anarquismo, as demarcações, tanto entre te- oria e prática, como entre campos de saber. Assim aqui, * Mestre em Ciências Sociais pela PUC/SP, realiza pesquisa de doutorado no Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais da PUC/SP sobre economia e anarquismo. É pesquisadora do Nu-Sol e associada do Centro de Cultura Social de São Paulo. verve, 10: 152-182, 2006
  • 2. 153 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola ao pensar anarquicamente, não se trata da diferenciação entre política e economia, muito menos de um assunto de teoria ou de história econômica. Pensa-se de um pon- to de vista das práticas libertárias as relações econômi- cas que atravessam diferentes anarquismos, e os tensio- nam, propiciando invenções, como costumes e relações, que subvertem o que se convenciona chamar, do ponto de vista da continuidade histórica, tanto de teoria como de prática. Como invenção, práticas anarquistas são des- continuidades, e não por isso faltas de contundência, pois de maneira eloqüente extravasam verdades, verídi- cas ou não, com afirmações de relações livres, para além das interpretações e dos julgamentos sobre, por exem- plo, a pertinência do anarquismo em um mundo supos- tamente fadado à autoridade universal e, mais ainda, universalmente desejada. Da história heróica do anarquismo que preserva a utopia de um mundo livre do Estado escapam experi- mentações de liberdade que acontecem sem o Estado, longe das relações que o multiplicam, arruinando-o, não pela possibilidade, mas pelo acontecimento de viver sem ele. O anarquismo arruína a política, ao pensar a políti- ca de fora do Estado, e portanto arruína também a eco- nomia, assim como a diferenciação entre ambas. Se ao afirmar relações livres do Estado e suas decorrências, o anarquismo interroga e, com isto, demole o princípio de autoridade universal que sustenta a hierarquia e a cen- tralização em nome da vontade geral, da mesma manei- ra a economia no anarquismo perpassa este desloca- mento e dissolve a especialização que a faz ciência do Estado, acoplada à política como campo no qual se pre- serva a obediência de todos para o bem de todos. Não existe uma economia anarquista, como não existe uma política anarquista: as relações econômicas no in- terior do anarquismo são práticas de liberdade, são, para
  • 3. 154 10 2006 os diferentes anarquismos, afirmação de liberdade, sem intermediação, sem representação, uma questão, por- tanto, de aqui e agora. Transborda, da história do anar- quismo, a coragem, e não o heroísmo, as invenções, e não a utopia, a generosidade, e não o humanismo. O que transborda é descontinuidade. E a descontinuida- de convida-nos a ensaios analíticos. Proudhon, as séries Como analítica, Proudhon pensa a série: se o absolu- tismo da teoria investe na continuidade da causa e do efeito, o movimento na série dispensa tanto o princípio quanto o fim, opondo à idéia de continuidade a de pro- gresso ou progressão. “A idéia de continuidade — diz Proudhon — é uma concepção de nosso entendimento análoga às de substância e de causa, quer dizer, sem realidade perceptível, e sinônimo de identidade absolu- ta. A continuidade é uma idéia verdadeira, mas cuja ver- dade é anterior à diferenciação dos seres; o que significa, para nós, anterior à sua criação. Essa idéia é legítima, já que a hipótese que ela exprime é produzida em virtude das leis de nosso entendimento e ela nos é sugerida atra- vés da própria observação da série, que é a sua contradi- tória. A coesão dos corpos e a sucessão dos fenômenos nos dão a idéia de continuidade, mas na verdade essa continuidade não existe em parte alguma.”1 A analítica serial, com a noção de movimento, pensa relações, con- frontos, choques, composições, deslocamentos, trânsi- tos, fugas, forças... O que não se move é idealização e imposição, preponderância da autoridade no pensamen- to, exercício de poder, não de raciocínio. Ao pensar, segundo Proudhon, devemos considerar, antes de mais nada, a idéia de movimento. O movimen- to, na história, traduz-se como progresso. Mas a idéia
  • 4. 155 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola de progresso não se circunscreve ao incremento da ri- queza material e moral, assim como daqueles que a des- frutam. Ainda que uma filosofia do progresso não ne- gue as vantagens de tal incremento, entende que se trata de um símbolo, de nenhuma utilidade analítica. A idéia de movimento dissolve a discussão sobre a preponderância dos sentidos ou do entendimento: para Proudhon, “(...) todas as idéias, tanto as instituições [idéias sensíveis] como os conceitos, têm uma mesma origem e ação simultânea, conjunta, adequada e no fun- do idêntica dos sentidos e do entendimento.”2 Da idéia de movimento se deduzem todas as instituições que se inscrevem na história. Se pensamos o movimento por- que o percebemos, o percebemos pelo movimento do pensamento, isto é, pela análise. O movimento se opõe ao absoluto, ou ao absolutis- mo. No interior dessa oposição, Proudhon equipara as teorias, mais ou menos utópicas, e as religiões, os sis- temas de governo, monárquicos ou democráticos, os regimes de propriedade privada ou comunistas e, claro, as revoluções. Há revolução quando as idéias resultam da afirmação — que aqui se opõe contundentemente à reação — de novas relações, ou de novos costumes. De resto, Proudhon observa a preservação de antigas rela- ções que não fazem mais do que prolongar — e isto é continuidade — a ação do princípio de autoridade, ou da preponderância da vontade, de um ou de muitos. Sobre a Revolução Francesa, este olhar mostra a conti- nuidade que interroga a suposta nova ordem: “O povo, vítima por tanto tempo do egoísmo monárquico, acredi- tou ter-se desfeito dele para sempre ao se declarar a si mesmo soberano. Mas, o que era a monarquia? A sobe- rania de um homem. E o que é a democracia? A sobera- nia do povo, ou melhor, da maioria nacional. Sempre a soberania do homem em lugar da soberania da lei, a
  • 5. 156 10 2006 soberania da vontade em lugar da soberania da razão; em uma palavra, as paixões em substituição ao direito. Quando um povo passa da monarquia à democracia, sem dúvida há progresso,3 porque, ao se multiplicar o soberano, existem mais probabilidades de que a razão prevaleça sobre a vontade; mas o caso é que não se re- aliza revolução no governo e que subsiste o mesmo prin- cípio.”4 Se a democracia é preferível à monarquia,5 ou se é preferível qualquer regime que amplie a ação do princípio de liberdade sobre o de autoridade — princí- pios únicos da política —, disto não se deduz que se trate da escolha entre, por exemplo, a monarquia e a democracia, e que desta escolha resulte o melhor en- tendimento: tanto um sistema como o outro, ou qual- quer sistema acabado é, antes de mais nada, absolutis- ta, chame-se ou não revolucionário. Sempre que há cristalização, sempre que uma idéia se pretende eterna e acabada, há absolutismo. Assim, o pensar de Proudhon se distancia da discussão sem fim sobre o melhor sistema, de pensamento ou de governo, investindo na analítica que experimenta ampliações progressivas de liberdades, analítica como movimento que requer pensar o presente, e pensar, por sua vez, que requer composição. Diante da unificação da dife- rença que a teoria impõe, a analítica do progresso, ou da série, opera por composição, dimensionando a uni- dade como grupo: “A substância pura, reduzida a sua mais simples expressão, absolutamente amorfa e à qual muito bem se poderia dar o nome de pantôgena, já que dela haveria nascido tudo, se eu não posso dizer de maneira alguma que não seja nada, é pelo menos para minha razão como se não existisse; é adequada ao nada. É o ponto matemático que não tem longitude, largura nem profundidade, e engendra, porém, todas as figu- ras. Apenas vejo em cada ser sua composição, sua uni-
  • 6. 157 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola dade, suas propriedades e suas faculdades, que reduzo a uma razão única, variável, suscetível de elevação até o infinito, o grupo.”6 Segundo Proudhon, o grupo, na ontologia, e a série, na lógica, descrevem a filosofia do progresso. E a filosofia do progresso, com o movimento, do grupo ou da série, investe na experimentação. Seri- ar é uma maneira de pensar, é raciocinar, diz Proudhon. Um pensar in progress? A série, então, é método. Método de classificação, de observação e de experimentação de relações, método, enfim, de composição. A analítica da série se distingue da ciência, na medida em que não interpreta, não ante- cipa, não mergulha na profundidade da causa primei- ra, não universaliza. Uma série não explica outra, seu objeto não se pretende universal: a série se opõe aos “(...) pretensos sistemas universais, construídos com base na atração, expansão, causação, deificação e ou- tros sistemas ontológicos, monumentos da preguiça e da impotência.”7 Fora da série proposta, a experimenta- ção deixa de existir: não há tradução para sistemas universais. A série nos lembra que não há para todos. Uma série funciona em seu ponto de vista e suas unidades, e as combinações ou relações que se esta- belecem entre elas. A série é, portanto, combinação de suas unidades, relações. Toda série tem ao menos duas unidades, e as combinações possíveis entre es- sas unidades acontecem segundo o ponto de vista da série: assim como não há predeterminação das uni- dades, não há pressuposição das combinações. As- sim, também, a série não é isenta de perturbações, não se funda sobre a idéia que, perfeita e acabada, deve ecoar na realidade. Com séries, entende-se que uma linha nunca é reta.
  • 7. 158 10 2006 A série reclama invenção. “Descobrir uma série é perceber a unidade na multiplicidade, a síntese na di- visão: não é criar a ordem em virtude de uma predispo- sição ou uma pré-formação da inteligência; é pôr-se em sua presença e, pelo estímulo da inteligência, receber a imagem dela.”8 Imagem da série: as séries de Proudhon produzem mapas, cartografias que descrevem, e com isso atualizam o que se pensa, pois trata-se de uma analítica interessada, que surge do ponto de vista de quem pensa. Pensar invenções de liberdade reclama o pensar livre, o pensar que afirma, prescindindo da uni- versalidade da verdade, portanto da hierarquia e da cen- tralização. Não se trata, então, de desvendar uma economia anarquista. Trata-se de pensar idéias econômicas que descrevem uma ética libertária, que propiciam proble- matizar e experimentar, longe da cega certeza desta ou daquela verdade e do eterno embate entre uma ou ou- tra. Idéias econômicas tensionando diferentes anarquis- mos: a série nos retira da unidade primordial, mesmo da que se poderia atribuir ao anarquismo, e nos projeta para a análise segundo o ponto de vista, nem mais nem menos. “A série se multiplica pela divisão: para atingir o indecomponível, ou seja, o indivisível, o incondicio- nado, o ser em si, é necessário sair da série, sair do fenômeno e nos lançarmos até Deus, que só conhece- mos pela fé.”9 O ponto de vista aqui não poderia ser a economia, nem mesmo o anarquismo. O ponto de vista, nesta sé- rie, opera com idéias econômicas que descrevem práti- cas libertárias: como se dá uma ética que afirma rela- ções livres, não contra, mas apesar do Estado? De que maneira certas práticas interrompem a decretada ne- cessidade do Estado para regular, e regulamentar, as relações econômicas? Como se põem em funcionamen-
  • 8. 159 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola to, na Espanha de 1936, novos costumes que afirmarão relações livres da continuidade do governo sobre todos? Ao pensar a Guerra Civil Espanhola, o ponto de vista é a interrupção da continuidade do Estado pela afirma- ção de relações livres, relações que acontecem, antes de mais nada, como relações econômicas. O aconteci- mento da Guerra Civil Espanhola evidencia a emergên- cia de novos costumes, de relações econômicas que são atravessadas por uma ética libertária, pela invenção de um estilo de vida: está aqui o movimento que dissolve, no interior do anarquismo, a diferenciação entre políti- ca e economia. O comunismo libertário de Bakunin... Nenhuma obrigação perpétua pode ser admitida pela justiça humana, única à qual reconhecemos autorida- de sobre nós, e nunca reconheceremos nenhuma obri- gação que não esteja baseada na liberdade. O direito de livre união, assim como o direito de secessão, são os primeiros e mais importantes de todos os direitos polí- ticos; faltando estes direitos, uma confederação seria simplesmente uma centralização disfarçada... Bakunin, Federalismo, socialismo e anti-teologismo Diante da centralização como princípio político que dimensiona o Estado moderno sob o argumento do go- verno da vontade geral, do anarquismo emerge a afir- mação de relações livres funcionando como federalis- mo descentralizado. Como pulverização da unidade ab- solutista do Estado, William Godwin equaciona a justiça política como aperfeiçoamento das relações, tanto mais livres na medida em que funcionem na comunidade,
  • 9. 160 10 2006 que se projeta federativamente, e livres também ao in- corporar o princípio de secessão. Assim, o aperfeiçoa- mento como movimento de ampliação de liberdades, fará prevalecer um “(...) sistema de núcleos políticos autô- nomos, com autoridade sobre pequenas extensões ter- ritoriais; isto haverá de permitir aos habitantes das mes- mas decidir melhor as questões que lhes afetam, já que conhecem melhor suas necessidades.”10 Em uma cartografia do pensamento econômico liber- tário, Gaston Leval11 nos permite observar que, ainda que Godwin pense federativamente, seu foco é a comu- nidade, dimensão que possibilita a solidariedade, orga- nizada pela participação direta e a livre secessão, mini- mizadas as relações entre comunidades. Ao pensar o funcionamento das relações econômicas, com Godwin, e seguindo a Leval, podemos desenhar na cartografia o comunismo libertário, o que nos leva de Godwin à Baku- nin, mas nos distancia de Proudhon. Tanto Godwin como Proudhon pensam a política como matemática: a simplificação do estudo das rela- ções políticas permite o argumento e a demonstração sobre as práticas de dominação que, seja por hábito seja por ignorância, preservam a obediência ao uno — o go- verno, de um ou alguns, mas unidade — sobre o todo — todos, súditos, muitos, mas também unidade. Mas se Godwin encontra na comunidade a dissolução da re- presentação das vontades, portanto do governo do uno centralizador, Proudhon vê, na comunidade, a conser- vação da unidade no governo, síntese, ação do princí- pio de autoridade. A interação dos princípios de autoridade e liberda- de, princípios únicos, contrários e inseparáveis da polí- tica, resulta, para Proudhon, nas formas de governo. As formas puras têm apenas valor analítico, mas qualquer
  • 10. 161 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola regime pode ser descrito por essa interação. Os gover- nos, então, podem estender-se em um eixo que vai da autoridade à liberdade, com n gradações. Analiticamen- te, Proudhon encontra quatro formas puras de governo, localizadas nos regimes de autoridade ou nos regimes de liberdade. Nos regimes de autoridade encontram-se a monarquia ou patriarcado, o governo de todos por um, e o comunismo ou panarquia, o governo de todos por todos. E nos regimes de liberdade aparecem a democra- cia, o governo de todos por cada um, e a anarquia ou self-government, governo de cada um por cada um. Se o regime de autoridade se caracteriza pela indivisão do poder, o de liberdade pela divisão do poder. O comunis- mo deriva da monarquia: com a morte do monarca, os súditos decidem preservar a unidade sem um novo che- fe. Este é o governo que se observa nas comunidades religiosas, diz Proudhon, e que, mais do que qualquer outro, atenta contra as liberdades individuais. Ainda como movimento analítico, Proudhon observa que “Não houve jamais uma república comunista per- feita; e é pouco provável que, por alto que seja o grau de civilização, de moralidade e de sabedoria a que se eleve o gênero humano, desapareça dele todo vestígio de au- toridade e de governo. Mas enquanto o comunismo é o sonho da maior parte dos socialistas, a anarquia é o ideal da escola econômica, que tende aberta e decidida- mente a suprimir todo estabelecimento de governo, e a constituir a sociedade apenas sobre as bases da propri- edade e do trabalho livres.”12 Mas ao pensar os gover- nos de fato, concentra-se na descrição do sistema fede- rativo que, pelo contrato sinalagmático e comutativo, impede a preponderância da autoridade na comunida- de, entendendo que ela é a imagem em miniatura do absolutismo. Se é nas relações econômicas que Prou- dhon encontra a possibilidade de ampliação da ação do
  • 11. 162 10 2006 princípio de liberdade, será naquelas relações que não demandem de cada um mais liberdade da que se entre- ga; e se a comunidade se sobrepõe à federação descen- tralizada, demanda do indivíduo toda a sua liberdade em seu favor, ou seja, a comunidade por si só exige o sacrifício de cada um em nome de todos. O comunismo como forma das relações econômicas será, para Prou- dhon, a reunião de todas as forças individuais em uma unidade superior a cada uma delas, isto é, o aniquila- mento de cada uma delas, novamente um absolutismo. Proudhon pensará as relações econômicas livres com o mutualismo: “A palavra mutual, mutualidade, mútuo — que tem por sinônimo recíproco e reciprocidade —, vem do latim mutuum, que significa empréstimo (de coi- sa fungível) e, em um sentido mais lato, câmbio. É sabi- do que no empréstimo de coisa fungível, o objeto em- prestado é consumido pelo mutuário, que apenas de- volve seu equivalente, já na mesma espécie, já sob qualquer outra forma. Suponha-se que o mutuante pas- se a ser por sua vez mutuário, e se obterá um emprésti- mo mútuo e, consequentemente, um câmbio. É esse o laço lógico que fez com que se desse o mesmo nome a duas operações diferentes. Nada mais elementar do que esta noção, portanto não insistirei mais em sua parte lógica e gramatical. O que nos interessa é saber como sobre essa idéia de mutualidade, de reciprocidade e de câmbio, de justiça — substituída às de autoridade, co- munidade ou caridade —, foi construído em política e em economia um sistema de relações que tende nada menos do que a modificar completamente a ordem soci- al.”13 As relações econômicas mutualistas perpassam o que Proudhon chamará de federação agro-industrial, a anarquia econômica que, com a supressão da centrali- dade do governo, potencializa a ação do princípio de liberdade.
  • 12. 163 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola Voltando à cartografia das relações econômicas, será o comunismo libertário, e não o mutualismo, o que ob- servamos como procedência na Espanha de 1936. Mas para apreciar o movimento que distingue o mutualismo do comunismo libertário devemos lembrar que tanto um quanto o outro funcionam na série que opera com rela- ções econômicas livres da centralização estatal. Um e outro são federalistas, afirmando a associação a partir da localidade, isto é, a partir de interesses e necessida- des reconhecidos diretamente, sem representação de vontade, em relações econômicas pautadas pela reci- procidade. Se Proudhon insistirá no livre câmbio, Baku- nin pensará as relações econômicas pela associação local, como reunião de forças — mas não como unifica- ção — que se projeta, como em Proudhon, como federa- ção agro-industrial. Enfim, não há oposição entre mu- tualismo e comunismo libertário; falamos de diferentes anarquismos e, aqui, não interessam as derivações ide- ais de cada pensamento, mas, repito, práticas econômi- cas e suas procedências, não para interpretá-las, mas para pensar na série proposta. O comunismo libertário de Bakunin funciona como federalismo, pois “(...) nenhuma comuna isolada seria capaz de resistir a tal centralização [a de uma república solidamente constituída]; seria esmagada por ela. Para não sucumbir nessa batalha, cada comuna teria de se unir com as comunas vizinhas em uma federação para a defesa comum; isto é, teriam que formar entre elas uma província autônoma. Além disso, se as províncias não são autônomas, terão de ser governadas por funci- onários designados pelo Estado. Não há meio-termo entre um federalismo rigorosamente coerente e um re- gime burocrático...”14 O federalismo rigorosamente coe- rente será aquele que resulta da associação local que se prolonga em associação federativa de localidades. E,
  • 13. 164 10 2006 mais ainda, o federalismo que se opõe ao regime buro- crático será aquele que resulta da associação propicia- da pelas relações econômicas. A organização política dos trabalhadores é, para Bakunin, corolário da organização do trabalho. Nas relações econômicas livres não só são acionadas as práticas que desarticulam as relações de dominação capitalista, como também emergem as idéias políti- cas que transbordam em uma ética anti-autoritária que, desta maneira, diria Bakunin, dão coerência à descentralização. O pensamento econômico libertá- rio pode também ser pensando pela idéia do governo das coisas, em detrimento do governo das vontades; e a força das coisas pode pôr em movimento práticas de liberdade que respondem aos costumes estabele- cidos pela força das idéias, das verdades, ou das von- tades. Assim, em 1869, escreve Bakunin: “Os funda- dores da Associação Internacional dos Trabalhadores atuaram com tanta mais inteligência evitando colo- car princípios políticos e filosóficos como base desta associação, e destinando a ela antes de mais nada, como único fundamento, a luta exclusivamente eco- nômica do trabalho contra o capital, porque tinham a certeza de que, desde o momento em que o operário põe os pés nesse terreno, desde o momento em que se compromete com seus companheiros de trabalho em uma luta solidária contra a exploração burguesa, ao ganhar confiança, tanto em seu direito como em sua força numérica, perceber-se-á necessariamente conduzido, pela força mesma das coisas e pelo de- senvolvimento dessa luta, a reconhecer rapidamente todos os princípios políticos, sociais e filosóficos da Internacional; princípios que de fato não são outra coisa que a justa exposição de seu ponto de partida, de sua finalidade.”15
  • 14. 165 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola Bakunin será um observador atento: lembra sem descanso que as lutas revolucionárias não raro resul- tam em acertos de conveniência, que não fazem mais do que atualizar relações de dominação. Lembra tam- bém que uma idéia, mesmo a mais nobre, sempre que imposta, é mais uma vez um exercício de força, um au- toritarismo. Se a liberdade não deve ser celestial, e se deve afetar a massa trabalhadora embrutecida pelo há- bito ou pelo medo, antes da discussão e propagação de idéias acerca da liberdade, cabe interromper o hábito e o medo pela afirmação de práticas de liberdade. Lutar no interior do sistema para conquistar direitos, vanta- gens oferecidas pelo próprio sistema, é mais do que per- der o tempo, é compactuar. E, desde La Boétie, o hábi- to, o medo e a conveniência preservam a obediência ao um, ou a servidão voluntária.16 A insubmissão contra as relações econômicas de dominação reverbera, inclusive, contra a dominação pelas idéias, já que “(...) desde o momento em que um operário, confiando na possibilidade de uma próxima transformação radical da situação econômica, associa- do aos seus companheiros, começa a lutar seriamente pela diminuição de suas horas de trabalho e o aumento de seu salário; desde o momento em que começa a se interessar vivamente por essa luta estritamente mate- rial, cabe estar seguro de que abandonará em pouco tempo todas suas preocupações celestiais, e que, se acostumando a contar cada vez mais com a força coleti- va dos trabalhadores, renunciará voluntariamente ao socorro do céu.”17 Não se trata, novamente, da separa- ção entre as idéias e os fatos, de antepor umas aos ou- tros, ou vice-versa: de novos costumes, de novas rela- ções emergem idéias que os acompanham. Mais do que um pensamento que se constrói e se afiança antes ou
  • 15. 166 10 2006 depois dos fatos, tratar-se-ia de um pensar presente, que nem precede nem atesta. Em 1869 Giuseppe Fanelli chega à Espanha. Apre- senta o programa da Aliança da Democracia Socialista, escrito por Bakunin. A Aliança é uma organização es- pecífica do anarquismo, coletivista. Junto a Bakunin, formam parte dela cerca de 30 intelectuais de diferen- tes países, dentre eles os irmãos Reclùs. Um ano mais tarde, no dia 19 de junho de 1870, seria fundada a se- ção espanhola da Primeira Internacional, no Congresso do Teatro Lírico de Barcelona. ... e a seção espanhola Gaston Leval resume os sete artigos da Aliança da Democracia Socialista que Fanelli apresenta aos operá- rios espanhóis: “A Aliança professa o ateísmo; quer a igualdade política, econômica e social dos indivíduos de ambos sexos... A terra, os instrumentos de trabalho, e todo o capital, ao se tornar propriedade coletiva da sociedade só devem ser utilizados pelos trabalhadores, isto é, pelas associações agrícolas e industriais. A Ali- ança quer, para todas as crianças de ambos sexos, e desde seu nascimento, iguais meios de desenvolvimen- to, isto é, de existência física, de instrução, de acesso a todos os aspectos da ciência, das indústrias e das ar- tes... Declara que todos os Estados políticos e autoritá- rios que existem na atualidade haverão de desaparecer na união universal das livres federações, tanto agríco- las como industriais... Não podendo, o problema social, encontrar uma solução definitiva e real a não ser sobre a base da solidariedade internacional dos trabalhado- res de todos os países, a Aliança rejeita toda política fundada no chamado patriotismo e na rivalidade das nações... Quer a associação universal de todas as as-
  • 16. 167 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola sociações locais graças à liberdade.”18 Estes princípios serão projetados em práticas de ampliação de liberda- des que, durante os quase 70 anos que distam entre a chegada de Fanelli à Espanha e a eclosão da Guerra Civil Espanhola, descrevem um estilo de vida, a produ- ção de relações livres como ética que responde contun- dentemente à continuidade do governo centralizador. A invenção de relações econômicas que prescindem da centralização não é resultado da propagação de uma idéia, não devém da imposição de um programa. Essas relações transbordam as palavras que as pensam, es- tão no meio, entre as palavras que delas emergem, e que dissolvem a figura do pensamento guia, interpreta- ção e síntese. No Congresso de Barcelona estão repre- sentados 40 mil trabalhadores, de uma população de 18 milhões de habitantes. E serão discutidos temas que percorrerão os anos seguintes na elaboração tanto de uma organização federalista, descentralizada e interna- cionalista, como também de novos costumes, contra o hábito, o medo e a conveniência da submissão. Em Barcelona, a comissão sobre organização social dos trabalhadores delineará o federalismo que será pen- sado vivamente na Espanha: cada comunidade se orga- nizará em seções ou sindicatos de ofício, incluída uma seção de ofícios vários; todas as seções de uma mesma comunidade se federalizarão, propiciando a cooperação; por sua vez, as associações de ofício de diferentes co- munidades também se federalizarão, propiciando a re- sistência; as federações locais conformarão a federação regional espanhola, e serão representadas em um con- selho federal eleito nos congressos; as federações de ofícios, locais e regional se regerão pelos regulamentos determinados nos congressos e todos os trabalhadores determinarão, por seus delegados nos congressos, os modos de ação e desenvolvimento da organização. Em
  • 17. 168 10 2006 1919, ocorre o Congresso do Teatro da Comédia de Ma- dri: desde então os sindicatos de ofício passarão a ser sindicatos de indústria e se afirma o comunismo liber- tário da Confederación Nacional del Trabajo, CNT, que fora fundada em 1910. Os congressos se sucederão durante mais de dez anos, ainda que o governo de Madri decretasse a ilega- lidade da Internacional em 1872. Nesse ano é realizado o Congresso de Zaragoza, no qual pela primeira vez se relaciona a emancipação feminina ao problema da pro- priedade, e pela primeira vez também, afirma Leval, o tema do ensino integral é objeto de análise tão profun- da que “quase se poderia dizer que — desde então — nenhum dos grandes mestres da pedagogia foi mais lon- ge.”19 Mas no Congresso de Zaragoza será posta em movimento uma frase que desde então percorrerá o anarquismo espanhol: em economia, o coletivismo, em política, a anarquia, em religião, o ateísmo.20 A proprie- dade comum dos meios de produção e, neste momento, a propriedade individual do produto do trabalho, e o desaparecimento dos governos serão variáveis sobre as quais a dissolução da separação entre política e econo- mia se projetará em práticas de autogestão. A partir de 1887, o coletivismo espanhol incorporará mais uma fra- se: a cada um segundo suas necessidades, de cada um segundo suas possibilidades. Desaparece a propriedade individual do fruto do trabalho. Em 1882, com o fim da clandestinidade, é realizado o congresso de reabertura da Internacional em Barce- lona. O confronto entre os dois socialismos, o marxista e o anarquista, é explicitado. Disse Marx, no Congresso de Haia de 1872: “A conquista do poder político é o pri- meiro dever do proletariado.” Dizem os anarquistas, em 1882: “Nossa organização, de caráter meramente eco- nômico, separa-se dos partidos políticos, burgueses e
  • 18. 169 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola operários, os combate porque todos esses partidos or- ganizam-se para a conquista do poder, enquanto que nós nos organizamos para destruir todos os Estados políticos atualmente existentes e substituí-los por uma federação livre de livres associações de trabalhadores li- vres.”21 Em 1872 os anarquistas são expulsos da Inter- nacional... Desde 1870, e também durante os nove anos que dura a clandestinidade, a imprensa libertária circula intensamente. Em 1936, publicações como Solidaridad Obrera, da CNT, de Barcelona, publica 40 mil exempla- res por número, ou a revista Estudios, de Valencia, en- tre 65 e 75 mil exemplares. A imprensa espanhola não gira em falso sobre a crítica ao sistema: afirma. A orga- nização econômica como ação libertária aparece entre as muitas publicações, e seus muitos exemplares. An- tes, durante e depois da clandestinidade, na intensa imprensa anarquista circularão os temas que perpas- sam as novas relações: a organização federalista e des- centralizada, a igualdade entre os sexos, a educação integral... Mesmo onde a economia é precária, e na Es- panha de então o era, e muito, ler, escrever, publicar, conversar ou pensar não deixava de ser um gesto vital do dia-a-dia. Em 1873, a Federação espanhola tem 162 federações locais constituídas e 62 em formação. Em 1887, o jornal de Barcelona El Productor publica o manifesto produzido no mais recente congresso: as relações livres pautam-se pela comunidade de interes- ses e a reciprocidade de direitos e deveres. São nova- mente traçadas as linhas que desenham um — entre uns — anarquismo. Se esse anarquismo, o que irrompe, na Espanha de 1870, e transborda, na de 1936, pode ser descrito como coletivista ou comunista libertário, é sempre bom lembrar que se trata aqui de uma analíti- ca, portanto não se trata de resumir em três ou quatro
  • 19. 170 10 2006 palavras a vida: o anarquismo espanhol tem por proce- dência mais evidente o comunismo libertário de Baku- nin, o que não quer dizer que esse anarquismo, suas idéias, sejam o duplo espelhado nos fatos. Na série, idéi- as perpassam, e atualizam e, como os fatos, são sempre composição. O manifesto, com a idéia de contrato, tam- bém nos leva a Proudhon: “A unidade social é essenci- almente o produtor... O primeiro grupo social é o grupo de produtores de um mesmo ramo de trabalho. O con- trato fundamental conclui-se entre o produtor e o gru- po correspondente dos produtores de um mesmo ramo.”22 Não há espelho, e idéias não capturam a vida. Como primeiro movimento na série, observamos, então, as relações econômicas como invenção que in- terrompe a política. Frank Mintz nos lembra que o anar- quismo espanhol “(...) foi uma tática que respondia às necessidades dos trabalhadores, e que foi a primeira que apareceu na Espanha. Portanto, os outros movi- mentos não tinham possibilidade de se desenvolve- rem.”23 Como força dessa invenção, então, podemos encontrar tanto o fato de ter sido o primeiro movimento operário que emerge na Espanha, como também o fato de tê-lo feito respondendo diretamente às necessida- des presentes. Mais do que como primeira forma de or- ganização, a força do anarquismo espanhol nos sugere que cabe pensá-lo como primeiro movimento contun- dente, dimensionando sua contundência como ação direta, talvez capacidade de se misturar, de mergulhar nos fatos e, com eles, ao uníssono, pensar. Sobre isso, Leval nos convida um pouco mais aos detalhes, quando nos diz que o anarquismo espanhol “(...) — digamos, melhor, o socialismo federalista anti-autoritário — pre- cedeu ao socialismo autoritário, ou de Estado, benefici- ando-se dessa antecipação. Mas, além da influência que exerceu sobre os espíritos, também conquistou melhor
  • 20. 171 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola os homens. Porque não só rejeitava a autoridade exteri- or ao indivíduo, diante da qual propunha o auto-gover- no: influenciava a sociedade mediante a obra cultural estendida nas massas.”24 Não foi a idéia de uma socie- dade livre que se impôs como programa a ser seguido, mas, na Espanha, observamos a construção de relações livres únicas, possíveis naquele tempo e lugar, entre aquelas pessoas e, assim, uma construção que foge às totalizações. Pois impor uma idéia de liberdade, ainda que não se apelasse à necessidade, passageira, do Es- tado, não deixaria de ser um absolutismo. Mas aqui não fazemos mais do que um gesto de palavras, já que, este ou aquele, o anarquismo é uma resposta contundente à continuidade da autoridade universal porque inventa a vida sem ela e, como invenção, se mostra único. Ou voltemos a Proudhon: se a idéia antecede aos fatos e, portanto, distancia-se do movimento, é, qualquer que seja, um absolutismo. E a liberdade absoluta é, obvia- mente, um absolutismo. Como idéias em movimento, o anarquismo projeta-se e potencializa-se das relações econômicas em novos costumes. Primeira e direta, clara e vital, diante da interrup- ção deste governo — reforma, chame-se revolucionária ou não — com a interrupção do governo, a invenção anarquista das relações econômicas na Espanha é tam- bém mais, mais ainda no detalhe: os anarquistas da Espanha compreenderam o problema espanhol do cam- po, em um país de economia muito mais agrícola do que industrial; souberam ser propagandistas mais do que entusiastas, certeiros, e escreveram, leram, ouvi- ram e conversaram, e como; compreenderam a impor- tância da educação integral, e a pensaram apaixonada- mente; souberam atuar na clandestinidade; foram os primeiros a transformar os sindicatos de ofício em sin- dicatos de indústria; e, diante dos reformadores mais
  • 21. 172 10 2006 ou menos criativos, os anarquistas tiveram imaginação.25 Ao abrir mão do senhor de esquerda, de direita, de nem uma coisa nem outra, do uno, um ou vários ou todos, enfim, ao ter a coragem de viver na desmesura, o anar- quismo espanhol evidenciou, para todas as nuances de Estado, do rei, do povo e do proletariado, ou melhor, do partido, “(...) que é possível uma convivência sem dita- dura; mais ainda: que é possível justamente por isso. Refutou a funesta mania da ditadura como etapa ne- cessária de transição ao socialismo e a desmascarou como um reflexo de fatos falsos que servem de folhas de louro a um novo despotismo.”26 Como segundo movimento da série, o anarquismo espanhol é uma invenção produtiva de relações econô- micas, lá onde a economia de Estado escancara a falên- cia. A Espanha de 1936 é um país — sem retórica — da miséria. E o anarquismo saberá inventar, sem a inter- venção do Estado, práticas livres e produtivas, de um ponto de vista econômico. Produzindo na revolução Em 1936, a Espanha tinha 24 milhões de habitan- tes, distribuídos em seus 505 mil quilômetros quadra- dos com solo produtivo de 28 por cento que, em 90 por cento de sua extensão, vai de rochas a terras medío- cres. Para uma economia agrícola, apenas dez por cen- to de terras altamente férteis já seria um problema, não tivéssemos ainda de considerar outras particularidades geográficas e a distribuição da propriedade. O relevo montanhoso subtende a um clima de extremos, entre chuvas e estiagem, ventos, estepes, aridez, solos poro- sos, frio, calor, isolamento... Enfim, um país agrícola, como lembra Leval,27 que acolhe, melhor do que qual- quer outra coisa, carneiros, animal de estepes, e olivei-
  • 22. 173 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola ras, árvores de terras infecundas: sinais de problemas econômicos. A propriedade da terra também é de extremos, e vai, fundamentalmente, do latifúndio ao minifúndio sem gradações. Com a devida concentração: 2,04 por cento dos 1 milhão 23 mil proprietários de terras possui 67,15 por cento delas. E mais de 60 por cento da população dependia diretamente da terra para sobreviver. E mais de 80 por cento dos proprietários de terras não obtinha delas mais do que uma peseta diária, sendo que, por exemplo, um quilo de carne custava aproximadamente cinco pesetas. A coletivização no campo foi um movimento, sim, revolucionário, mas evidentemente produtivo. A edição de julho de 2006 do jornal Tierra y Libertad, da Federa- ción Anarquista Ibérica, FAI, nos apresenta o impacto da produtividade das coletivizações agrícolas: “As cole- tividades demonstraram uma capacidade construtiva assombrosa, aumentando a produção agrícola. Novas terras foram preparadas para o cultivo, para o qual fo- ram introduzidos modernos procedimentos. Foram fei- tas também obras para irrigação e outras melhorias.”28 O aumento da produção agrícola lembrado por Tierra y Libertad expressa-se em um incremento de 30 a 50 por cento da produtividade da terra, possibilitado de início porque os anarquistas entenderam que o problema do campo não se resolve pela fragmentação, ainda que de caráter igualitário, das grandes propriedades de terra: a divisão da terra em pequenas propriedades é um aten- tado à produtividade da terra, e a proliferação de mini- fúndios garante a proliferação, ou manutenção, da mi- séria. Isso, em 1936, já estava mais do que claro. A co- letivização preservou, e incrementou, as extensões de terra cultivada e, sendo que a terra passa a ser da co- munidade, sua produtividade é potencializada para o
  • 23. 174 10 2006 usufruto de toda a comunidade. Com isso, aumenta- ram as áreas semeadas, pela expropriação de terras im- produtivas, foram aperfeiçoados métodos de cultivo, com a utilização racional da energia humana, animal e me- cânica, foram diversificados os cultivos, outro fator de incremento de produtividade, foram criadas escolas téc- nicas, e mais, foi iniciada a alfabetização de adultos, e feitas conferências, cinema, teatro, leituras... A auto- gestão no campo evidenciou que produzir na revolução não é apenas, o que já foi surpreendente na Espanha, potencializar os índices econômicos, é também, e com a mesma intensidade, potencializar as relações culturais, as convivências. Tanto no campo como na indústria, os anarquistas também souberam incorporar o saber técnico. Agrôno- mos, engenheiros, técnicos com conhecimentos espe- cíficos participaram de um planejamento econômico que, como não podia deixar de ser, emergia das relações di- retas de cada comunidade, das coletividades, estenden- do-se aos comitês locais e deles ao comitê regional. Sa- beres federados, dissolvida a estúpida oposição entre saber científico e saber popular, ou a burocrática, por- tanto improdutiva, distância entre ciência e relações de trabalho, graças à intermediação, obviamente autoritá- ria, do Estado e da propriedade privada, ou melhor, do lucro. Em poucas palavras, novamente Tierra y Liber- tad, para descrever um pouco mais o como deste movi- mento produtivo na revolução: “Foram organizados mu- nicípios livres federados, dando a cada população o sis- tema de vida mais acorde a suas necessidades. Os meios de produção foram socializados, tudo passou a ser pro- priedade do povo. O dinheiro foi abolido e foram organi- zados armazéns para a repartição dos alimentos, dando a cada um o bastante para cobrir suas necessidades.”29 A coletivização no campo espanhol foi longe, ao limite:
  • 24. 175 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola as relações econômicas livres prescindiram da moeda nacional. Foram ensaiadas várias experimentações: moeda local, bônus de consumo, ou simplesmente abo- lição da equivalência entre as coisas e a abstração mo- netária. Isso só aconteceu no campo. Se a coletivização como desdobramento produtivo na revolução foi mais forte no campo, e lembremos que a Espanha era um país fundamentalmente agrícola — isto nos leva a pen- sar que não se trata apenas, como nunca se trata, de relações de produção, mas de relações e distribuição de relações de poder —, é claro que não houve um abismo entre o campo e a cidade, nem mesmo distanciamento, pois a ética libertária que se desenhou aqui desde 1870 propiciou a dissolução de demarcações desse tipo, mas a coletivização industrial teve suas particularidades. A produção industrial durante a Guerra Civil esteve pautada pela economia de guerra: era necessário fabri- car instrumentos de combate. Mas, antes disso, pense- mos que se em 1936 a economia espanhola era uma economia agrícola, o país dependia industrialmente de economias estrangeiras, e isso, ainda sob os efeitos do acontecimento de 1929, descreve eloqüentemente a si- tuação da economia. Cerca de oito por cento da popula- ção espanhola de então30 estava empregada na indús- tria. Dentre eles, mais de 15 por cento, a maioria mu- lheres, trabalhava para a indústria de vestidos. A economia industrial sustentava-se nas indústrias têx- til, de construção e de alimentação. Estas indústrias ocupavam mais da metade do total dos trabalhadores. As indústrias, consideradas básicas, de mineração e me- talurgia, apenas absorviam um pouco mais de dez por cento dos trabalhadores. E cerca de 70 por cento da indústria concentrava-se na Catalunha. Foi na Catalunha que a coletivização industrial, ou sindicalização, como é chamada por Leval, teve maior
  • 25. 176 10 2006 força. Nessa região, a coletivização acontece em dois momentos: o primeiro, que resulta da necessidade de manter a indústria em funcionamento e de fazê-la fun- cionar no interior da guerra, é o momento da adminis- tração direta das fábricas por parte dos trabalhadores organizados em comitês. Não só porque a própria pro- dução industrial é evidentemente muito mais fragmen- tada do que a produção agrícola, mas também como resultado da urgência da produção de guerra, e da di- mensão dessa urgência diante de uma indústria peque- na e concentrada em uma região, é neste primeiro mo- mento que será mais intensa a fragmentação projetada nas relações econômicas. Se houve particularidades nos diferentes ensaios de sindicalização, de qualquer ma- neira podemos prosseguir na série das relações econô- micas livres. O segundo momento resulta do Congresso de Barcelona, de outubro de 1936. Seria pensada a so- cialização industrial, e, como resultado, seria implemen- tado o controle do governo catalão sobre a autogestão. Esse controle, porém, buscava evitar a concorrência e o confronto e coordenar a economia regional, mas não se sobrepunha à organização libertária da produção, pre- servando a autogestão de cada fábrica como base do sistema federalista: “O federalismo propiciava uma gran- de flexibilidade de ação indispensável, dadas as dife- renças regionais. Cada comitê regional, comarcal ou local podia tomar iniciativas sem ter de consultar comi- tês centrais mais ou menos conhecedores dos proble- mas.”31 A socialização das indústrias da Catalunha dirigiu- se às fábricas que empregavam mais de 100 trabalha- dores, àquelas abandonadas por seus donos, ou cujos proprietários tivessem sido considerados fascistas e, fi- nalmente, àquelas fábricas ocupadas em atividades con- sideradas essenciais para a economia nacional naquele
  • 26. 177 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola momento. Conviveram, assim, durante a Guerra Civil, um setor socializado e outro privado. Frank Mintz ob- serva que o ponto forte da coletivização industrial “(...) era que o comunismo libertário consistia em um siste- ma de trusts horizontais e verticais, de concentração de empresas para uma melhor e maior produção, elimi- nando a concorrência estéril e os interesses econômi- cos internacionais (sub-exploração mineira da Espanha para manter altos preços mundiais).”32 A organização de conjunto da economia industrial também resultou no fechamento de pequenas fábricas e da reunião de forças em empreendimentos maiores e de maior impor- tância estratégica. E prossegue Mintz, dimensionando a potência da organização econômica anarquista, que, federativa e descentralizada, faz circular as coisas a partir da localidade direta, mas em constante amplia- ção: “O comunismo libertário mostra-se como uma mis- tura de simplismo e de planejamento extremado capaz de ser aplicado a uma nação, e que na Espanha, dado o desequilíbrio social e econômico, era uma solução mais adequada do que a atual.33 Seu atrativo principal con- sistiu na tomada da direção pelos sindicatos sem der- rubar as estruturas existentes e seu chamado à união e coordenação de todos sobre bases concretas fora das discrepâncias teóricas.34 No segundo movimento da sé- rie, como no primeiro, notamos que as invenções liber- tárias não se esquivam de coexistir, e mais, a coexis- tência acompanha um pensar que, por sua vez, não se esquiva da vida. E na vida há tanta composição quanto risco. O movimento de reação, que aspira à pureza da idéia, deve, antes de mais nada, eliminar aquilo que não o repete. Coexistir na diferença só é possível quando é a vida, antes do que as idéias, o que interessa. Assim como no campo, ou melhor, assim como nos diversos anarquismos, as relações de produção indus-
  • 27. 178 10 2006 trial também foram atravessadas por invenções impro- dutivas do ponto de vista econômico, e os anarquistas novamente não deixaram de se dedicar apaixonadamen- te à mesma invenção de convivências que apareceram no campo. Aqui, mais do que de qualquer outra manei- ra, a afirmação de existências livres desmonta distânci- as entre campo e indústria. Enfim, É sempre bom lembrar que a escrita é uma prática. Pensar é uma prática, e o pensamento pode tanto ins- crever-se na linha dura da história das idéias, ecoando na eterna luta entre vencedores e vencidos, como tam- bém pode irromper como linhas de fuga que provocam confrontos, que nada pacificam, que nenhuma nova ordem estabelecem. Experimentar pontos de vista é uma prática, uma prática libertária, uma prática que faz do pensar uma questão de vida, não de vida ou morte. Um pensar vivo prescinde de demarcações e de dire- ções: prescinde da filiação a esta ou aquela teoria, ou mesmo a esta ou aquela tendência, e prescinde tam- bém do famoso vaivém entre a teoria e a prática, na eterna discussão sobre o que deve vir primeiro. Um pen- sar vivo acontece. Leva-nos a práticas, a costumes, a relações ou a confrontos. Confronta-nos, não com nos- sas idéias ou convicções, mas com a nossa vida. Muito mais do que ver ou tentar entender a vida, o que, mes- mo com a melhor das intenções, resultaria em um jul- gamento sobre o pensado, um pensar vivo é uma ques- tão de pele e de nervos. Muito mais do que idéias sobre a liberdade, há, no anarquismo, vida. Porque há inven- ção, insubmissões, insubmissas também com o pensa- mento que explica e julga. Um pensar vivo é um pensar anárquico e anarquizante. E, a esta altura, pensar o
  • 28. 179 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola anarquismo deixa de ser inscrever o anarquismo nas lutas que descrevem a história, deixa de ser tentar di- mensionar a vida segundo as idéias que a pacificam, entre demarcações e direções que não lhe pertencem. Um pensar anárquico desconhece a continuidade das lutas, dos acordos entre vencedores e vencidos, da com- placência dos que observam e acatam. Inventa. Os er- ros, os acertos e as contas para aqueles que querem sopesar, valorar, estabelecer e medir. Invenções irrom- pem, sem pedir licença, muito menos perdão. E agora que fazer com esta manhã desabrochada a pássaros? Manoel de Barros, Canção do ver Notas: 1 Pierre-Joseph Proudhon. “A ciência enquanto modo particular de seriação: negação da idéia de substância e de causa”, in Paulo-Edgar A. Resende e Ed- son Passetti (Org.). Pierre-Joseph Proudhon. Coleção Grandes Cientistas Sociais. Florestan Fernandes (Coord.). Tradução de Célia Gambini e Eunice Ornelas Setti. São Paulo, Ática, 1986, p. 43. 2 Pierre-Joseph Proudhon. Filosofía del progreso – Programa, con una carta del autor sobre sus ideas económicas. Tradução e prólogo de Pi y Magall. Primeira edição de 1851. Madrid, Librería de Alfonso Durán, 1869, p. 35. 3 Proudhon usa aqui progresso como avanço, apenas para mostrar que a demo- cracia é preferível à monarquia. 4 Pierre-Joseph Proudhon. ¿Qué es la propiedad? Tradução de Rafael García Or- maechea. Primeira edição de 1840. Barcelona, Ediciones Orbis, 1983, p. 44. 5 Cabe observar, entretanto, que Proudhon será um crítico severo, e certeiro, da democracia fundada nos princípios da teoria contratualista: “Segundo al- guns, a sociedade é a justaposição de indivíduos similares, cada um dos quais
  • 29. 180 10 2006 sacrificando uma parte de sua liberdade para que todos possam permanecer justapostos, sem se agredirem uns aos outros e viver juntos em paz. Tal é a verdadeira teoria de Rousseau, que não é mais do que o sistema da teoria go- vernativa, não mais, é certo, da arbitrariedade de um homem, príncipe ou tira- no, mas o que é muito mais grave, da arbitrariedade da multidão, da arbitrarie- dade do sufrágio universal. Segundo convenha à multidão ou aos que a inspi- rem estreitar mais ou menos o vínculo social, dar mais ou menos espaço às liberdades locais e individuais, o pretendido Contrato social pode ir desde o governo direto e parcial do povo até o cesarismo, desde as simples relações de vizinhança até a comunidade de bens e ganhos, de filhos e de mulheres. Tudo o que em matéria de extrema licença e de extrema servidão podem sugerir a razão e a história se deduz com igual facilidade e igual rigor lógico da teoria social de Rousseau.” (Proudhon, op. cit., 1869, pp. 47-48). E mais, no interior do anarquismo, desde A justiça política, de William Godwin, a crítica ao contra- tualismo desenha descontinuidades sobre o argumento da necessidade do go- verno sobre todos. Esta crítica radical à democracia, porém, não invalida o argumento de que quanto maior a preponderância do princípio de liberdade em um governo mais preferível será este governo, o que nos levaria a preferir uma democracia à uma monarquia. Proudhon retomará este argumento em 1863, com O princípio federativo. 6 Pierre-Joseph Proudhon, 1869, op. cit., pp. 46-47. 7 Pierre-Joseph Proudhon, 1986, op. cit., p. 45. 8 Idem, p. 47. 9 Ibidem, p. 51. 10 William Godwin. Investigación acerca de la justicia política, y su influencia en la virtud y la dicha generales. Tradução de Jacobo Prince. Primeira edição de 1793. Buenos Aires, Americalee, 1945, p. 250. 11 Gaston Leval. Conceptos econômicos en el socialismo libertario. Buenos Aires, Imán, 1935. 12 Pierre-Joseph Proudhon. El principio federativo. Primeira edição de 1863. Ma- drid, Aguilar, 1971, pp. 37-38. 13 Pierre-Joseph Proudhon. La capacidad política de la clase obrera. Buenos Aires, Proyección, 1974, p. 62. 14 Mikhail Bakunin. “Federalismo, socialismo y antiteologismo”, in Escritos de filosofía política, el anarquismo y sus tácticas. Compilação de G. P. Maximoff. Tradu- ção de Antonio Escohotado. Madrid, Alianza Editorial, 1990, p. 20. 15 Mikhail Bakunin. “Política de la Internacional”, in Eslavismo y anarquia – selec- ción de textos. Tradução de Ander Haritz Elorza Bizcarrondo. Madrid, Espasa, 1998, p. 248.
  • 30. 181 verve Invenções libertárias econômicas na Revolução Espanhola 16 Cf. Etienne de La Boétie. Discurso da servidão voluntária. Tradução de Laymert Garcia dos Santos. Primeira edição de 1577. São Paulo, Editora Brasiliense, 2001. 17 Mikhail Bakunin, 1998, op. cit., p. 254. 18 Gaston Leval. Colectividades libertarias en España. Livro 1. Buenos Aires, Proyec- ción, 1974a, pp. 18-19. A íntegra deste texto pode ser consultada em: Mijail Bakunin. “Programa de la sección de la Alianza de la Democracia Socialista en Ginebra (1868)”, in Bakunin, 1998, op. cit., pp. 241-242. 19 Gaston Leval, 1974a, op. cit., p. 25. 20 Esta frase aparece, pela primeira vez, no programa da Federação do Jura. Chega à Espanha já no Congresso de Barcelona, de 1870, mas, como observa Leval, é no congresso de Zaragoza que ela começará a tomar força. 21 Apud Gaston Leval, 1974a, op. cit., p. 29. 22 Apud, Idem, p. 32. 23 Frank Mintz. La autogestión en la España revolucionaria. Madrid, Las Ediciones de La Piqueta, 1977, p. 18. 24 Gaston Leval, 1974a, op. cit., p. 34. 25 Cf. Joaquín Maurín. Revolución y contrarrevolución en España. Paris, Ruedo Ibéri- co, 1966. 26 Rudolf Rocker. Revolución y regresión. Tradução de Diego Abad de Santillán. Puebla, Editorial Cajica, 1967, p. 822. 27 Cf. Gaston Leval. Colectividades libertarias en España. Livro 2. Buenos Aires, Proyección, 1974b. 28 Tierra y Libertad. Editado por la Federación Anarquista Ibérica. Madrid, Quei- mada, no. 216, julho de 2006, p. 8. 29 Idem, p. 9. 30 Ou, em outros termos, entre 22 e 23 por cento da população economicamen- te ativa, ou ainda, menos da metade da população empregada no campo. Cf. Gaston Leval, 1974b, op. cit. 31 Frank Mintz, 1977, op. cit., p. 68. 32 Idem, p. 52. 33 A primeira edição do livro de Frank Mintz é de 1976. Lembremos que a ditadura de Francisco Franco se encerra em 1975, com sua morte. 34 Frank Mintz, 1977, op. cit., p. 68.
  • 31. 182 10 2006 RESUMO A analítica da série proposta por Proudhon permite pensar, na Guerra Civil Espanhola, as relações econômicas no interior do anarquismo como invenções de liberdade que interrompem a continuidade da necessidade do governo sobre todos. Palavras-chave: analítica serial, anarquismo, relações econô- micas. ABSTRACT The series analysis proposed by Proudhon opens space to think, in the Spanish Civil War, the economic relations within anar- chism, as invention of freedom that shatters the continuity of the need of government for all. Keywords: series analysis, anarquism, economic relations. Recebido para publicação em 03/04/2006. Confirmado em 31/07/2006.

Related Documents