Expediente
Diretoria Executiva
Aldalice Moura da Cruz Otterloo
Instituto Universidade Popular (Unipop)
Damien Hazard
Vida...
Sumário
Apresentação.........................................................................................................
Soberania dos povos contra o esverdeamento do capital
Marcelo Durão e Luiz Zarref............................................
Apresentação
O
mundo vive hoje uma situação grave, de aquecimento global,
depredação da natureza, perda de biodiversidad...
É mais do que nunca o momento de pensar em um modelo de
desenvolvimento centrado nas necessidades humanas, que garanta a r...
Ecossocialismo:
alternativas de desenvolvimento
para superar o modelo
produtivista-consumista1
Michael Löwy
O famoso marx...
baseada no produtivismo e no consumismo, está conduzindo a humanidade – e
não o planeta – a uma catástrofe ecológica ou am...
Outro aspecto ainda mais inquietante é a subida do nível do mar, que resulta
do derretimento do gelo dos Polos Norte e Sul...
De quem é a culpa dessa ameaça sem precedentes na história da humanidade?
Os geólogos calculam que há 60 milhões de anos h...
tornasse impossível no planeta. Era uma possibilidade considerada pelos cientistas
do Pentágono. A única proposta que cons...
ao acordo de que era urgente não fazer nada, cada um com seus argumentos. O
resultado da conferência de Copenhague foi pra...
É uma crítica também, ou autocrítica, a certas concepções tradicionais na
esquerda em geral, e no marxismo em particular, ...
desenvolvimento mais além do produtivismo e do consumismo, coloca em questão
o paradigma da civilização capitalista ociden...
Outro exemplo interessante na América Latina é o que se deu recentemente
no Equador, onde há um governo de esquerda, o do ...
16
Desenvolvimento
Integral:
sentido profundo da
economia e da vida
Marcos Arruda1
“Recordando os relevantes acordos, convenç...
crescimento econômico ilimitado, de consumo e produção irresponsáveis, e que
não há alternativas. Este é o único mundo pos...
O que está em questão nesta conjuntura da história humana é o modo de
conceber e de implementar o desenvolvimento. Que des...
Desenvolvimento é um termo que está na boca de todos os políticos e
grandes empresários há mais de 50 anos. Para a ONU, “d...
* Entre 1990 e 2001, para cada US$ 100 de crescimento na renda global per
capita, apenas US$ 0,60 foram para os mais pobre...
Esses dados evidenciam que o sistema do capital é uma grande máquina
concentradora de riqueza e de privilégios, gerando e ...
os custos. Daí algumas práticas perversas ou abomináveis serem lugar comum
nos países capitalistas, como a produção e o co...
dos consumidores. Isso significa crescer e expandir-se sem cessar. Se não fizer
isso, ela naufraga. E com ela se vão os em...
antropológica que a permeia. Trata-se de um animal que ri, que se emociona, que
ama, que reflete e se comunica por meio de...
saúde econômica de um território ou um país de forma sempre mais eficiente.
Alguns, mais rudimentares, o definem como a pr...
DESENVOLVIMENTO COMO LIBERDADE
O crescimento leva ao aumento da quantidade de bens produzidos e
consumidos. Está relaciona...
sobre o Desenvolvimento.7 O conceito evoluiu e em 1974 a Declaração de
Cocoyoc identificou o termo com a necessidade de aj...
maior não é, pois, o crescimento, mas a distribuição equitativa dos seus benefícios.
Nesse contexto, discutamos agora a qu...
pobreza no mundo com crescente equidade e sustentabilidade, faz-se
necessário reduzir o consumo das sociedades do Norte, e...
comunidade, comparemos o grupo ao organismo humano. Neste existe, sim, uma
hierarquia relacionada com a função vital de ca...
DIMENSÕES OBJETIVAS DO DESENVOLVIMENTO ENDÓGENO
“Uma sociedade rica é uma sociedade sem ricos”.
Carlos Brandão
1. Desenvo...
5. A ancoragem das atividades econômicas no território em que vivem as
comunidades, envolvendo-as ativamente na gestão do...
A mudança de atitude inclui cultivar o sentido da solidariedade, da
reciprocidade positiva e do amor em relação aos outros...
• Pressionar os centros de poder por mudanças de políticas que protejam
os direitos humanos e naturais, visando reduzir a...
EXEMPLO DE CAMPOS PARA O PLANEJAMENTO
DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO INTEGRAL
DO
A Mandala acima apresenta diversos element...
Por novas concepções
de desenvolvimento
Ivo Lesbaupin1
maio 2012 2
“Nos últimos anos, diversos países latino-americanos, ...
A GRAVIDADE DA CRISE AMBIENTAL
A humanidade está hoje na direção da não-sustentabilidade, caminhando
rapidamente para torn...
Em consequência, os recursos naturais do planeta estão desaparecendo.
Alguns desses recursos não são renováveis e, em algu...
–, com um parque produtivo que foi atingido mas não destruído pelas políticas
neoliberais. Somos banhados pelo sol o ano i...
6
sistema atual, a humanidade desaparecerá . No dizer de Leonardo Boff, “a Terra
pode sobreviver sem nós, mas nós não pod...
A primeira conclusão a tirar desta crise é que a economia precisa ser
regulada, é necessário o controle da sociedade sobre...
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
Por um outro desenvolvimento
of 114

Por um outro desenvolvimento

Organizada pela Abong, a publicação reúne contribuições de três seminários de âmbito nacional e internacional realizados pela Abong entre 2010 e 2012, que tiveram por objetivo analisar o atual contexto de aquecimento global, depredação da natureza, perda de biodiversidade. Dada a urgência de pensar em um modelo de desenvolvimento centrado nas necessidades humanas, que garanta a reprodução da natureza, evite o desperdício e não esgote os bens de que precisamos para bem viver, o campo das organizações da sociedade civil em defesa dos direitos e bens comuns se coloca como desafio pensar uma economia que não seja produtivista-consumista.
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Por um outro desenvolvimento

  • 1. Expediente Diretoria Executiva Aldalice Moura da Cruz Otterloo Instituto Universidade Popular (Unipop) Damien Hazard Vida Brasil-BA Ivo Lesbaupin ISER Assessoria – Religião, Cidadania e Democracia Raimundo Augusto de Oliveira Escola de Formação Quilombo dos Palmares (Equip) Vera Maria Masagão Ribeiro Ação Educativa – Assessoria, Pesquisa e Informação Beloyanis Bueno Monteiro SOS Mata Atlântica Paulo Roberto Padilha Instituto Paulo Freire (IPF) Waldir Aparecido Mafra CARE BRASIL – Care Internacional Brasil Sudeste ES, MG, RJ Adriana Valle Mota Nova Pesquisa e Assessoria em Educação - NOVA Eleutéria Amora da Silva Casa da Mulher Trabalhadora (Camtra) Suplentes Sul PR, RS, SC Mauri José Vieira Cruz CAMP – Centro de Assessoria Multiprofissional Maribel Lindenal CEBI – Centro de Estudos Bíblicos Amazônia AC, AM, AP, MA, PA, RO, RR, TO Equipe Abong Ana Cristina Lima CUNHÃ Coletivo Feminista João Marcelo Pereira dos Santos CAMP – Centro de Assessoria Multiprofissional Diretorias Regionais Valdevir Both CEAP – Centro de Educação e Assessoramento Popular João Daltro Paiva APACC – Associação Paraense de Apoio às Comunidades Carentes Terezinha de Jesus Soares dos Santos IMENA – Instituto de Mulheres Negras do Amapá Centro-Oeste DF, GO, MS, MT Sem diretoria Nordeste I AL, PB, PE Luciel Araújo de Oliveira SEDUP – Serviço de Educação Popular Mércia Maria Alves da Silva CENDHEC - Centro Dom Helder Câmara de Estudos e Ação Social Ricardo José de Souza Castro Instituto PAPAI Nordeste II BA, SE Edmundo Ribeiro Kroger CECUP – Centro de Educação e Cultura Popular Renato Pêgas Paes da Cunha GAMBÁ – Grupo Ambientalista da Bahia Assistente de Diretoria Helda Oliveira Abumanssur Administrativo Marta Elizabete Vieira Comunicação Amanda Rigamonti Hugo Fanton Ribeiro da Silva Programa de Desenvolvimento Institucional e Relações Internacionais Isabel Mattos Porto Pato Luara Lopes Participaram desta publicação Coordenação Editorial Ivo Lesbaupin Edição e revisão de textos Fernanda Sucupira Apoio Helda Oliveira Abumanssur Hugo Fanton Ribeiro da Silva Isabel Mattos Porto Pato Luara Lopes Projeto Gráfico e impressão Maxprint Editora e Gráfica Ltda Patrick Oliveira VIDA BRASIL – Associação Vida Brasil - CE A Abong conta com os apoios de Evangelischer Entwicklungsdienst (EED) Fundação Ford Fórum Interacional das Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) Organização Interclesiástica para a Cooperação ao Desenvolvimento (Icco) Oxfam GB São Paulo São Paulo, junho de 2012 Nordeste III CE, PI, RN Suzany de Souza Costa CEARAH PERIFERIA – Centro de Estudos, Articulação e Referência sobre Assentamentos Humanos Alexandre Isaac CENPEC – Centro de Pesquisas em Educação e Cultura e Ação Comunitária
  • 2. Sumário Apresentação.................................................................................................................. 5 Ecossocialismo: alternativas de desenvolvimento para superar o modelo produtivista-consumista Michael Löwy ............................................................................................................. 7 Desenvolvimento integral: sentido profundo da economia e da vida Marcos Arruda..........................................................................................................17 Por novas concepções de desenvolvimento Ivo Lesbaupin............................................................................................................37 Cidadania ativa, democratização e “crise civilizatória” Cândido Grzybowski.................................................................................................49 Sociedade Civil na América Latina: conjuntura atual e perspectivas Lílian Celiberti...........................................................................................................61 3
  • 3. Soberania dos povos contra o esverdeamento do capital Marcelo Durão e Luiz Zarref....................................................................................67 Experiências de economia solidária como estratégias de um outro desenvolvimento Débora Rodrigues e Damien Hazard.......................................................................73 A monetarização das Amazônias: surfar na pororoca ou remar contra a maré? João Daltro Paiva......................................................................................................83 Semiárido: proposta de convivência com a seca João Suassuna............................................................................................................91
  • 4. Apresentação O mundo vive hoje uma situação grave, de aquecimento global, depredação da natureza, perda de biodiversidade. O nosso modo de viver e de produzir é insustentável. As mudanças climáticas que estamos sofrendo são um pálido exemplo do que pode vir a ocorrer. Corremos o risco de ver a humanidade desaparecer, se não tomarmos as providências que se fazem urgentes. Estamos convencidos de que o nosso modelo de desenvolvimento, produtivista-consumista, é inviável: com o tipo de consumo que temos hoje, a Terra não será suficiente para todos – e já não é. A concepção de economia praticada nos últimos duzentos anos e, sobretudo, nos últimos trinta anos, nos levará ao desastre. Esta é a razão pela qual a Abong decidiu investir no debate e na construção de novos paradigmas de desenvolvimento, que superem o modelo atual e revertam o quadro de destruição das condições de vida. É urgente tomarmos consciência dos limites de uma lógica econômica cujo único objetivo é aumentar os lucros de um pequeno grupo em detrimento da vida de todos. 5
  • 5. É mais do que nunca o momento de pensar em um modelo de desenvolvimento centrado nas necessidades humanas, que garanta a reprodução da natureza, evite o desperdício e não esgote os bens de que precisamos para bem viver. Um desenvolvimento que esteja voltado para a vida e não para a maximização do consumo. Esta é uma discussão muito recente no nosso campo: como pensar uma economia que não seja produtivista-consumista? Como superar a concepção neoliberal sem cair na concepção “crescimentista”? Como obter o que é necessário sem destruir as condições que nos permitem viver na Terra, sem acabar com a água, os peixes, os animais, a terra cultivável, as florestas, a diversidade biológica, social e cultural? Para contribuir com este debate, organizamos, entre 2010 e 2012, três seminários, de âmbito nacional e internacional. Convidamos palestrantes brasileiras/os e estrangeiras/os para nos ajudar a pensar esta questão. Reunimos neste livro algumas destas contribuições. Esperamos que ele seja um instigador nesta busca por uma outra sociedade, uma outra economia, um outro desenvolvimento. Cúpula dos Povos por justiça social e ambiental, contra a mercantilização da vida e da natureza e em defesa dos bens comuns Rio de Janeiro, junho de 2012 A Direção da Abong 6
  • 6. Ecossocialismo: alternativas de desenvolvimento para superar o modelo produtivista-consumista1 Michael Löwy O famoso marxista italiano Antonio Gramsci dizia que o revolucionário socialista deve combinar o pessimismo da razão com o otimismo da vontade. Desse modo, dividirei em duas partes este artigo que discute as alternativas de desenvolvimento para superar o modelo produtivista-consumista. Em primeiro lugar, tratarei do pessimismo da razão: as coisas vão mal. E, em seguida, do otimismo da vontade: quem sabe, elas podem mudar, e um caminho para isso é o do ecossocialismo. A primeira parte discorre, portanto, sobre o pessimismo da razão. Simplesmente somos obrigados a constatar que o atual modelo de desenvolvimento do capitalismo industrial moderno, particularmente em sua variante neoliberal, Conferência de abertura do Seminário Abong 20 anos, intitulada “Uma nova concepção de desenvolvimento - Para superar o modelo produtivista-consumista”. 1 7
  • 7. baseada no produtivismo e no consumismo, está conduzindo a humanidade – e não o planeta – a uma catástrofe ecológica ou ambiental sem precedentes em sua história. Por que digo “a humanidade” e não “o planeta”? Porque o planeta, qualquer que seja o estrago que façamos, vai continuar tranquilo, girando. Ele não será atingido. Quem será afetada pelo desastre ecológico será a vida no planeta, serão as espécies vivas, dentre elas a nossa, o Homo sapiens. Esse é o âmago do problema, que serve para evitar discussões um pouco abstratas, como “temos que salvar o planeta”. Porém, não é o planeta que está em perigo, somos nós e as outras espécies vivas. Isso porque a lógica atual do sistema, de expansão e crescimento ao infinito, e o atual modelo de desenvolvimento, que segue a lógica do produtivismo e do consumismo, conduzem, inexoravelmente – e independentemente da boa ou da má vontade de empresários ou governos – à degradação do meio ambiente e à destruição da natureza. Isso se manifesta em vários aspectos, como no desaparecimento de algumas espécies. Já se calcula que, com o business as usual, como diz a expressão americana, daqui a algumas dezenas de anos não vão mais existir os peixes. São espécies que existem há milhões de anos e que a humanidade consome há dezenas de milhares de anos. E já estão desaparecendo. Outro aspecto importante é o envenenamento, por meio da poluição, do ar das cidades, da terra, do solo, dos rios, do mar, ou seja, a degradação dos equilíbrios ecológicos. Uma série de aspectos que vão se acumulando, e, com todos esses elementos, o sinal vai passando do amarelo para o vermelho. No entanto, o mais grave de todos esses aspectos da destruição do meio ambiente e dos desequilíbrios ecológicos, o mais ameaçador e inquietante, é a mudança climática ou o aquecimento global. Não farei aqui uma análise científica disso, suponho que já seja de conhecimento geral. A emissão de gases a partir da queima dos combustíveis fósseis (carvão, petróleo, gás) e sua acumulação na atmosfera produzem o efeito estufa e o aquecimento global. Esse processo, a partir de certo nível de aquecimento, por volta de dois ou três graus a mais, vai conhecer uma espécie de aceleração e crescimento descontrolado que pode chegar a quatro, cinco, seis ou mais graus. E o que vai acontecer com isso? No livro “Six Degrees: Our Future on Hotter Planet” (Seis Graus: nosso futuro em um planeta mais quente), o especialista inglês Mark Lynas descreve como será o planeta quando a temperatura subir seis graus. Segundo ele, se compararmos o inferno de Dante com o planeta com seis graus a mais, o inferno de Dante vai parecer um passeio de fim de semana. O autor analisa as consequências disso, como o desaparecimento da água potável e a desertificação, dois fenômenos que estão interligados. Alguns pesquisadores já calcularam que o deserto do Saara pode atravessar o Mediterrâneo e chegar à Europa, às portas de Roma, dentro de uma longa lista de outros desastres. 8
  • 8. Outro aspecto ainda mais inquietante é a subida do nível do mar, que resulta do derretimento do gelo dos Polos Norte e Sul, em particular da Groenlândia, um gelo que não está sobre a água, mas sim em cima da terra. Já se calculou que, se o nível do mar subir poucos metros — um, dois ou três —, várias das principais cidades da civilização humana, como Londres, Amsterdã, Hong Kong, Rio de Janeiro, ficarão debaixo d’água. Também boa parte do que é a orla marítima dos países desaparecerá. E o que acontece se derreter todo o gelo que está no Polo Norte e no Polo Sul? O mar pode subir até setenta metros, para se ter uma ideia da magnitude da ameaça. Obviamente, isso não vai acontecer na próxima semana, mas esse processo de aquecimento global e de derretimento dos gelos está se acelerando. Há alguns anos, os especialistas diziam que esses processos estavam previstos para 2100, ou seja, para o fim do século XXI. Portanto, atingiria nossos bisnetos que ainda não nasceram, e precisamos pensar neles. Só que normalmente as pessoas não se preocupam com o que vai acontecer com os bisnetos que ainda não nasceram, não é uma prioridade. No entanto, os trabalhos mais avançados dos cientistas, os mais recentes, apontam para processos irreversíveis do aumento de temperatura, com todas as suas consequências, já nas próximas décadas, antes de 2100. Ninguém pode dizer se será daqui a vinte, trinta, quarenta ou cinquenta anos, mas a coisa está muito mais próxima. Um exemplo disso são os escritos do cientista americano James Hansen, o principal climatólogo dos Estados Unidos, que trabalha para a NASA, e que não é um homem de esquerda, não tem nada a ver com o marxismo. Hansen é um cientista que há alguns anos vem tocando o sinal de alarme, mas durante o governo do presidente George W. Bush tentaram proibi-lo de falar. Mandaram para ele um recado dizendo que ele era um funcionário do governo americano e que o que ele estava dizendo sobre o perigo do aquecimento global não era a linha do governo, o qual considera tudo isso uma bobagem. Pediam, por favor, que ele calasse a boca, e, mais que isso, afirmavam que estava proibido de falar. Um acontecimento sem precedente desde Galileu, quando a Inquisição ordenou a ele que não deveria dizer que a Terra se mexe, que estava proibido pela Igreja Católica. Desde essa época, não houve caso tão absurdo de um governo proibir um cientista de se manifestar. Obviamente ele não obedeceu, continua a protestar e a escrever sobre isso e é respeitado mundialmente como um grande climatólogo. Ele afirma que o processo está se acelerando e que é uma questão de décadas. E os especialistas do gelo — os glaciólogos, que vão para o Polo Norte e para o Polo Sul e medem e calculam esses fenômenos — dizem que não estão entendendo nada do que está acontecendo. Está tudo indo muito mais depressa do que eles pensavam. Em 2010, fizeram um cálculo de como o gelo estava derretendo e, em 2011, viram que o cálculo estava errado, que o modelo utilizado não estava funcionando, que estava indo muito mais rápido. Portanto, são questões científicas e políticas que têm a ver com o futuro da humanidade. 9
  • 9. De quem é a culpa dessa ameaça sem precedentes na história da humanidade? Os geólogos calculam que há 60 milhões de anos houve um processo de aquecimento global que matou quase tudo o que existia no planeta. Depois levou algumas dezenas de milhões de anos para a vida voltar ao planeta. Mas, desde que existe a humanidade, nunca existiu nada parecido, é algo sem precedentes. Os cientistas dizem que é culpa do ser humano, que o aquecimento global é resultado da ação humana. Os geólogos dizem que estamos entrando em uma nova era geológica chamada Antropoceno. Isto é, uma era geológica em que a situação do planeta, o clima, depende da ação humana e está sendo transformada por ela. Essa explicação é cientificamente correta, mas eu diria que é um pouco limitada politicamente. Isso porque a humanidade já vive no planeta há algumas dezenas de milhares de anos, desde que apareceu o Homo sapiens, e o problema do aquecimento global, essa acumulação de gases na atmosfera, vem da Revolução Industrial. Começou em meados do século XVIII, quando esses gases foram se acumulando, e se intensificou enormemente nas últimas décadas, as décadas da globalização capitalista neoliberal. Portanto, o culpado dessa história não é o ser humano em geral, mas um modelo específico de desenvolvimento econômico, industrial, moderno, capitalista, globalizado, neoliberal: esse é o responsável pela atual crise ecológica e pela ameaça que pesa sobre a humanidade. Quais são as soluções que propõem os representantes da ordem estabelecida? Há uma proposta que é a seguinte: as energias fósseis são as responsáveis pelo problema, por isso, vamos substituí-las por formas de energia limpas, que não produzem gases, e são seguras, como a energia nuclear. Está aí uma solução técnica e fácil para o problema: construir usinas nucleares. Isso foi feito em grande escala nas últimas décadas. Em 1986, houve um incidente desagradável, em Chernobyl, na União Soviética. Cientistas calculam que as vítimas de Chernobyl que foram morrendo no curso dos anos, resultado das irradiações, chegam a 800 mil mortos — mais do que todos os mortos de Hiroshima e Nagasaki, por decorrência da bomba atômica. O argumento dos responsáveis pela energia nuclear era de que isso aconteceu na União Soviética, um país totalitário, burocrático, com tecnologia e gestão atrasadas; no ocidente, com empresas privadas, isso não aconteceria. Esse discurso foi repetido muitas vezes até que ocorreu o acidente de Fukushima, no Japão, em 2011. A empresa responsável pela usina, Tokyo Electric Power Company (TEPCO), é a maior empresa privada de eletricidade do mundo. É a mais esplêndida manifestação do capitalismo privado no terreno da energia nuclear. Desse modo, fica claro que essa não é uma alternativa aos combustíveis fósseis, temos que procurar outras. Há alguns anos, na época Bush, vazou para a imprensa um documento secreto do Pentágono sobre a questão do aquecimento global. O governo dizia que esse problema não existia, mas os cientistas do Pentágono sabiam que sim. Apresentaram um documento prevendo o que iriam fazer se o aquecimento global escapasse de qualquer controle e chegasse a seis graus, e a vida humana se 10
  • 10. tornasse impossível no planeta. Era uma possibilidade considerada pelos cientistas do Pentágono. A única proposta que conseguiram elaborar foi a de mandar um foguete para o planeta Marte. Eles inclusive detalham quem estaria nesse foguete: o presidente dos Estados Unidos, o Estado Maior do Exército, cientistas etc. Como não estamos convidados para essa viagem, não nos interessa a proposta. Esse é apenas um exemplo do tipo de solução considerada. Obviamente, há tentativas mais sérias de solução, como a ideia de que precisamos desenvolver energias alternativas: hidrelétrica, eólica e solar. Com exceção da hidrelétrica, que já tem um desenvolvimento importante, em países como o Brasil, as outras são pouco desenvolvidas. E por uma razão bem simples: são menos rentáveis do que o petróleo e o carvão. Por isso, não interessa às empresas e aos Estados, com algumas exceções, investir maciçamente nessas energias. Em alguns países, chega a 10% o índice de energia produzida por fontes alternativas, mas o resto continua com o carvão e o petróleo. Seria necessária uma mudança em grande escala, acabar com os combustíveis fósseis e desenvolver energias alternativas. Por enquanto, nenhum governo está fazendo isso, embora os cientistas já tenham dado o recado: se não mudarmos drasticamente o padrão de matriz energética, nos próximos dez ou vinte anos a situação fugirá do controle. É uma questão de rentabilidade — que é o que conta — e de competitividade. Outra tentativa mais interessante por parte dos governos foram os Acordos de Kyoto. Eles têm alguns aspectos positivos no sentido de serem acordos em que os governos se empenham em reduzir as emissões de gás. Só que isso não funcionou, por várias razões, dentre as quais o método utilizado, que é o mercado dos direitos de emissão, que não poderia conduzir a uma efetiva redução. Mesmo que o objetivo de Kyoto tenha sido muito pequeno — reduzir em 8% as emissões, enquanto os cientistas estão dizendo que precisamos reduzir em 40% nos próximos anos —, ele não foi alcançado. Além disso, os principais poluidores, os Estados Unidos, não assinaram Kyoto. E o país que está aparecendo como o segundo colocado nas emissões, a China, tampouco assinou. Houve uma conferência em Copenhague, em 2009, para discutir esses problemas e o que fazer com as ameaças do aquecimento global. Os Estados Unidos utilizaram o argumento de que, embora sejam os maiores responsáveis pelas emissões de gases poluentes, a China está emitindo tanto quanto eles, e, se esse país não fizer nada, não serão eles que tomarão a iniciativa. A isso o governo chinês respondeu, com certa razão, que os Estados Unidos vêm emitindo gases há um século, têm uma responsabilidade histórica. Só agora que os chineses iniciaram, portanto, os Estados Unidos é que deveriam começar a reduzir suas emissões. Só depois disso, a China poderia discutir esse assunto. Ou seja, cada um jogou a peteca para o outro. E os governos europeus disseram que se os Estados Unidos e a China, que são os principais emissores, não fazem nada, não serão eles, os europeus, que irão resolver o problema. Dessa forma, todos os governos chegaram 11
  • 11. ao acordo de que era urgente não fazer nada, cada um com seus argumentos. O resultado da conferência de Copenhague foi praticamente zero. Isso ilustra, entre outras coisas, o poder da oligarquia fóssil, ou seja, os interesses do carvão, do petróleo, da indústria automobilística, enfim, de todo esse complexo gigantesco de que dependem as energias fósseis, que não tem a mínima vontade de mudar a matriz energética. Outra coisa que se deve dizer é que mesmo se as energias fósseis fossem substituídas pelas energias renováveis, estas também têm seus probleminhas, como os impactos socioambientais da energia hidrelétrica. Portanto, é uma ilusão achar que é só uma questão técnica, de mudar a matriz energética, embora isso seja fundamental. De qualquer maneira, teremos de reduzir significativamente o consumo de energia e, consequentemente, a produção econômica e o consumo. O desenvolvimento alternativo ao produtivismo e ao consumismo implica uma redução da produção e do consumo, a começar pelos países capitalistas avançados, evidentemente, que são os principais responsáveis e os maiores produtivistas e consumistas. Até aqui vai o pessimismo da razão. Agora, vamos começar com o otimismo da vontade, senão fica muito triste essa história. Vou iniciar com Copenhague, onde houve a conferência oficial, que não decidiu nada, mas que também foi palco de um protesto. Saíram às ruas 100 mil pessoas da Dinamarca e da Europa, protestando contra essa inércia das potências capitalistas, levando como palavra de ordem principal: “change the system, not the climate”, ou seja, “mudemos o sistema, não o clima” — o sistema capitalista, evidentemente. Essa é a esperança, a de uma luta por transformação sistêmica, por alternativas radicais. Radical vem do latim radix, que significa raiz. Se a raiz do problema é o sistema capitalista industrial, moderno, globalizado, neoliberal, então devemos atacar a raiz do problema. Essas seriam, portanto, as alternativas radicais pós-capitalistas. Aqui vem a proposta do ecossocialismo. Por que ecossocialismo? Em que se distingue do socialismo tradicional? O ecossocialismo é uma crítica, por um lado, do socialismo não ecológico, que foi a experiência fracassada soviética e de outros países, que do ponto de vista ecológico não representou nenhuma alternativa ao modelo ocidental. Pelo contrário, tratou de copiar o modelo produtivo do capitalismo ocidental. Ecossocialismo é uma crítica desse socialismo — ou pseudossocialismo — não ecológico, soviético, etc. Por outro lado, é uma crítica à ecologia não socialista, que acha que podemos ter um modelo alternativo de desenvolvimento nos quadros do capitalismo, do mercado capitalista. Do ponto de vista ecossocialista, achamos que isso é uma ilusão, pela própria dinâmica de expansão necessária ao capitalismo, de crescimento, que leva necessariamente a uma colisão com a natureza e com os equilíbrios ecológicos. O capitalismo sem crescimento, sem competição feroz entre empresas e países pelos mercados, é impossível e inimaginável. Temos no ecossocialismo, desse modo, uma crítica ao ecologismo de mercado. 12
  • 12. É uma crítica também, ou autocrítica, a certas concepções tradicionais na esquerda em geral, e no marxismo em particular, sobre o que é uma transformação socialista. Há uma visão clássica de que é preciso mudar as relações de produção — propriedade coletiva, em vez da privada — para permitir que as forças produtivas se desenvolvam, já que as relações de produção são um obstáculo ao livre desenvolvimento das forças produtivas. Mas não passa por aí. Primeiro, porque não é possível o desenvolvimento ilimitado das forças produtivas. E, em segundo lugar, porque pensar em uma transformação e em um modelo alternativo de desenvolvimento implica questionar não só as formas de propriedade e as relações de produção, mas as próprias forças produtivas, o próprio aparelho produtivo. Esse aparelho produtivo, criado pelo capitalismo ocidental, industrial, moderno, é incompatível com a preservação do meio ambiente, por sua matriz energética e por sua forma de funcionamento, que inclui o agronegócio, o uso de pesticidas, entre toda uma série de características que mostram que esse aparelho produtivo não serve. Temos que pensar em uma profunda transformação, não só das relações de produção, mas do aparelho produtivo. Mas não é só isso: precisamos pensar em uma transformação do padrão de consumo. É insustentável o padrão de consumo do capitalismo moderno. Isso significa que seria necessária uma redução do consumo, mas para quem? Nem todo mundo tem que apertar o cinto, não é bem assim. Primeiro, é uma questão de desigualdade social. O consumo é dez ou cem vezes maior nos países avançados. Eles são os primeiros que têm que começar essa mudança. Segundo, há uma diferença enorme entre o consumo ostentatório das elites dominantes e o consumo das classes populares: uns comem feijão e milho e outros compram iates enormes, helicópteros, etc. Não é a mesma coisa. Não é o que come milho que vai ter que comer menos milho. É o que compra palácios de luxo que vai ter que reduzir drasticamente seu consumo ostentatório. Além disso, existe no capitalismo algo que se chama obsolescência planificada dos objetos de consumo. Dentro do capitalismo, os objetos de consumo já têm, em sua própria concepção, sua obsolescência prevista para o mais rápido possível. Todo mundo sabe que a geladeira de quarenta anos atrás durava quarenta anos, e as geladeiras de agora duram três anos. Isso é necessário: para o capital vender mais e mais geladeiras, produzir mais e mais, precisa ter uma duração muito menor. É parte do padrão produtivista e consumista, e também precisa ser modificado. Precisamos, portanto, de mudanças nas formas de propriedade, no aparelho produtivo, no padrão de consumo, no padrão de transporte. O atual modelo, baseado no carro individual para as pessoas e no caminhão para as mercadorias, é insustentável, até porque depende do petróleo. Por isso, precisamos pensar no desenvolvimento do transporte coletivo, no trem em vez do caminhão, entre outras medidas. Tudo isso vai configurando uma mudança bastante radical no padrão de civilização. Na verdade, a proposta ecossocialista, de um novo modelo de 13
  • 13. desenvolvimento mais além do produtivismo e do consumismo, coloca em questão o paradigma da civilização capitalista ocidental, industrial, moderna. É uma proposta bastante profunda. Precisamos pensar em um novo padrão de civilização, baseado em outras formas de produzir, consumir e viver. Essa é a discussão que está colocada. É uma proposta revolucionária, mas talvez a revolução tenha que ser redefinida. Gosto muito de citar uma frase de Walter Benjamin. Em suas “Teses sobre o conceito de história”, ele diz: “Nós, marxistas, temos o hábito de dizer que as revoluções são a locomotiva da história. Mas talvez a coisa seja um pouco diferente. Talvez as revoluções sejam a humanidade puxando os freios de emergência para parar o trem.” É uma imagem bastante atual. Hoje em dia, somos todos passageiros de um trem, que é a civilização capitalista, industrial, ocidental, moderna. Esse trem está indo, com uma rapidez crescente, em direção ao abismo. Lá na frente há um buraco que se chama aquecimento global ou crise ecológica. Não se sabe a quantos anos de distância se encontra esse abismo, mas ele está lá. Portanto, a questão é parar esse trem suicida e mudar de direção. É o desafio colocado pela proposta ecossocialista. Agora, muitos dirão, com razão, que é uma proposta simpática e até interessante, mas e daí, como é que vamos daqui até lá? Não basta ter uma bela utopia. Acho que temos que partir da ideia de que o ecossocialismo é algo para um futuro imaginário, mas que devemos começar aqui e agora. Começando, modestamente, com movimentações, lutas, em função da busca de alternativas. Essas alternativas já estão se construindo em movimentos, experiências e lutas atuais. Um exemplo de uma luta desse gênero, de um brasileiro que é para mim o precursor do ecossocialismo: Chico Mendes, um socialista confesso e convicto, e ecológico. Chico Mendes organizou a Aliança dos Povos da Floresta para defender a floresta como patrimônio comum dos povos indígenas e camponeses, patrimônio do povo brasileiro em seu conjunto, e também da humanidade. A defesa da floresta é uma causa do conjunto da humanidade porque, como se sabe, as florestas — em particular a Amazônia — são os chamados “poços de carbono” que absorvem os gases que estão na atmosfera. Se não houvesse essas florestas tropicais, o processo de aquecimento global já teria escapado de qualquer controle e já estaríamos no meio da catástrofe. O que ainda breca um pouco o processo são as florestas tropicais. Na Aliança dos Povos da Floresta, Chico Mendes fez um primeiro movimento em direção ao ecossocialismo, com a ideia de propriedade comum, bem comum dos povos, bem comum da humanidade. No Fórum Social Mundial de Belém, em 2009, por exemplo, houve uma convergência interessante entre movimentos indígenas, camponeses, ecologistas, de mulheres, entre outros, em torno de uma exigência concreta em relação à Amazônia, ao Brasil, ao Peru e a todos os países amazônicos: desmatamento zero já. É uma exigência imediata, que tem a ver com a perspectiva de salvar a floresta tropical. 14
  • 14. Outro exemplo interessante na América Latina é o que se deu recentemente no Equador, onde há um governo de esquerda, o do presidente Rafael Correa. Nesse país, há uma região com um grande território de floresta tropical, onde vivem comunidades indígenas, chamada Parque Yasuní. Para desgraça dos indígenas, descobriram petróleo nessas terras. As multinacionais foram correndo para lá, pedindo autorização para cortar a mata e extrair petróleo. Os indígenas resistiram, protestaram, o protesto foi apoiado pela sociedade civil, pela opinião pública, pelos ecologistas, pela esquerda. O governo, que é progressista, aceitou a proposta dos indígenas e fez a proposição de deixar esse petróleo debaixo da terra, mas pedir aos governos dos países ricos, do Norte, que os indenizem em pelo menos metade do valor desse petróleo. Porque os países do Norte, da Europa, estão dizendo que querem reduzir a emissão de gases, e a melhor maneira de reduzir a emissão de gases é não queimar o petróleo e deixá-lo debaixo da terra. Essa é a proposta para o Parque Yasuní. Há atualmente uma negociação entre o governo do Equador e outros governos, e pelo menos um deles — o da Noruega — prometeu dar o dinheiro. Já é uma vitória e um exemplo para outros países, como a Indonésia, onde já está havendo mobilizações nesse sentido. Mencionei a manifestação de Copenhague, que também é um exemplo de esperança, de otimismo da vontade, com 100 mil pessoas nas ruas exigindo a mudança do sistema. E essa mobilização teve continuidade. De todos os governos que estavam em Copenhague, só um se solidarizou com o protesto, o governo da Bolívia. Evo Morales saiu da conferência e foi falar com os manifestantes, dizendo que eles tinham razão. E ele convocou, depois, uma conferência na Bolívia, em Cochabamba, chamada Conferência dos Povos contra o Aquecimento Global e em Defesa da Mãe Terra, que foi um evento importante, com a participação de 30 mil delegados de movimentos sociais, indígenas, camponeses, representantes da ecologia urbana, de sindicatos, de organizações de mulheres, etc. A partir daí se lançou uma campanha internacional. Esse tipo de mobilização e luta é a esperança de que a coisa possa mudar. Em cima dessas experiências é que podemos investir nosso otimismo da vontade. 15
  • 15. 16
  • 16. Desenvolvimento Integral: sentido profundo da economia e da vida Marcos Arruda1 “Recordando os relevantes acordos, convenções, resoluções, recomendações e outros instrumentos da ONU (...) relativos ao desenvolvimento integral do ser humano, ao progresso e desenvolvimento econômico e social de todos os povos (...)” Declaração da ONU sobre o Direito ao Desenvolvimento Introdução Para dar sentido a um diálogo sobre o desenvolvimento, faço primeiro uma reflexão sobre o caráter contraditório do desenvolvimento no sistema do capital mundial, a fim de desconstruir a ideia que prevalece de que ele é sinônimo de Economista e educador do PACS (Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul), Rio de Janeiro, facilitador da UNIPAZ e do Programa Educação Gaia. Associado ao Instituto Transnacional, Amsterdam. 1 17
  • 17. crescimento econômico ilimitado, de consumo e produção irresponsáveis, e que não há alternativas. Este é o único mundo possível, o do capital globalizado, o dos Estados nacionais e agências de governança global dominados pelas megacorporações, o do aprofundamento crescente das desigualdades, o das guerras em busca de recursos naturais alheios, o da destruição ambiental como preço necessário para continuar crescendo. Na segunda parte do ensaio, proponho uma visão e estratégias para outro desenvolvimento, informado por uma economia centrada no humano, planejada com consciência e sentido ético e solidário e atravessada pela inclusão do outro no meu bem viver, em harmonia com a Mãe Terra. Afirmo que um desenvolvimento endógeno, autogestionário, solidário e sustentável é possível e necessário. Ele dá sentido à atividade econômica e à reprodução ampliada da própria vida. Ele precisa ser integral, ou seja, precisa contemplar todos os aspectos e dimensões, e abranger todos os potenciais que possuímos como seres humanos. Um tal desenvolvimento não é mera utopia, pois já está brotando em diferentes iniciativas socioeconômicas e educativas, individuais, comunitárias, societárias, nacionais e até continentais numa variedade de locais em todo o planeta. I - OS FUNDAMENTOS CONTRADITÓRIOS DO CAPITAL MUNDIAL: O DESENVOLVIMENTO QUE NÃO QUEREMOS A crise financeira global, iniciada em 2007-2008, teve um prolongamento inesperado, apesar do pragmatismo dos responsáveis pela governança nacional e global. Depois de terem canalizado trilhões de dólares para salvar bancos privados, os governos dos EUA e da Europa se viram afogados em dívidas impagáveis! Sem nenhuma disposição de buscar as raízes da crise e de mudar as regras de um jogo em que todos perdem no longo prazo, os governantes e seus conselheiros, membros das agências financeiras regionais e multilaterais apelaram para a velha receita, imposta aos países devedores da América Latina e da África há três décadas: redução drástica de gastos públicos, privatizações e outras perversidades contra a população e o Estado nacional, a fim de manter o fluxo de pagamentos de juros aos bancos credores... Os povos, no entanto, não se submeteram e surgiram reações corajosas e inovadoras: a Islândia realizou dois plebiscitos que resultaram na recusa de o país pagar a dívida dos bancos islandeses a bancos ingleses e holandeses, à custa dos direitos civis do povo; na Grécia, Espanha, Portugal, Irlanda surgiram movimentos de rua de cidadãs e cidadãos indignados, protestando contra a imposição de austeridade à população em troca de mais capital para os bancos; nos Estados Unidos explodiram ocupações de pontos estratégicos das cidades, clamando pelos direitos dos 99%, sempre menosprezados pelo super-rico 1%. 18
  • 18. O que está em questão nesta conjuntura da história humana é o modo de conceber e de implementar o desenvolvimento. Que desenvolvimento? As populações começam a entender que o capitalismo globalizado não busca o desenvolvimento do ser humano, mas sim do próprio capital. E que os dois são incompatíveis. Gerar máximos lucros, acumular, produzir e consumir indefinidamente, como se os recursos da Terra fossem ilimitados, gerar produtos artificialmente perecíveis, fazer e comercializar produtos tóxicos para a saúde humana, fazer dos solos e das águas e até da estratosfera sepulturas de toneladas de lixo tóxico, acelerar processos de poluição ambiental e mudanças climáticas ameaçadoras da própria vida no planeta... Isso é desenvolvimento? De quem? Para quem? Por quem? São perguntas que os povos estão fazendo nesta segunda década do século 21. Olhemos brevemente para as contradições que permeiam o sistema do capital mundial, para depois explorarmos os caminhos de desconstrução e reconstrução do conceito e da práxis do desenvolvimento, que vem sendo proposto e realizado em diferentes partes do mundo, tomando como referenciais não o crescimento do consumo e da produção de bens materiais, mas sim a organização e gestão coletiva do desenvolvimento em comunidade, visando o melhoramento contínuo do bem viver (vida de qualidade), com base em níveis de consumo material satisfatórios e suficientes, sem esgotar o meio natural e sem comprometer as gerações futuras. 1. AUMENTA A RIQUEZA MATERIAL E APROFUNDA AS DESIGUALDADES Se olhamos os rostos de homens, mulheres e jovens trabalhadores escravos, alguns brancos, outros mulatos ou negros, outros de origem indígena vemos neles o doloroso retrato do ‘desenvolvimento’ brasileiro. O endereço econômico do Brasil pode ser declarado assim: país capitalista, célula média do sistema do capital mundial, chamado ‘emergente’ não tanto porque está saindo de um subdesenvolvimento histórico, mas porque os países ‘emergidos’ estão imergindo devido à crise financeira global de 2008, ao sobre endividamento público e privado e à tendência recessiva de suas economias. O corpo desse sistema econômico está fragmentado em classes sociais, que têm uma relação tensa e conflituosa entre si. Como estaria uma pessoa se os órgãos do seu corpo, em vez de colaborarem para o bem estar e a saúde do todo, estivessem em permanente conflito? Estaria cronicamente doente, impedido de usufruir da beleza da vida. Apesar de emergente, a economia do Brasil tem tido taxas de crescimento medianas e não altas. A despeito do sucesso na redução da miséria na última década, o país ainda mantém elevado índice de desigualdade social. Em alguns bairros das grandes cidades tem-se a impressão de estar em pleno mundo desenvolvido. Essa abundância contrasta com a ampla população favelada e empobrecida, que busca conceber os mais inventivos artifícios para sobreviver. É o que faz com que 53% da população em idade de trabalhar se ocupe em atividades informais. 19
  • 19. Desenvolvimento é um termo que está na boca de todos os políticos e grandes empresários há mais de 50 anos. Para a ONU, “desenvolvimento é um processo econômico, social, cultural e político abrangente, que visa ao constante melhoramento do bem viver de toda a população e de todos os indivíduos com base na sua participação ativa, livre e significativa no desenvolvimento e na justa distribuição dos benefícios que dele resultam.” Quanto tempo ainda falta para essa noção de desenvolvimento se tornar realidade neste país-continente, rico em recursos e pobre em governantes honestos e empresários íntegros? A população brasileira ainda mostra sinais de grave subdesenvolvimento, sobretudo social e humano. A gestão do orçamento público, que seria o principal financiador de um desenvolvimento endógeno, soberano e democrático, está refém da prioridade de pagar primeiro os credores da dinossáurica dívida pública e só depois investir na economia interna e nas necessidades da cidadania. Os investimentos públicos e as políticas fiscal e tarifária se orientam para a produção e comercialização de matérias-primas e produtos semimanufaturados, de baixo valor agregado, voltadas para os mercados externos. A sobrevalorização do real, a opção pelos altos juros e a falta de uma firme política cambial provocam uma tendência importadora que ameaça a indústria nacional. Os projetos-enclave de infraestrutura, energia e complexos industriais e portuários se impõem sobre as populações tradicionais e violam seus territórios, prometendo mais crescimento em benefício dos setores mais abastados. A opção por manter e aprofundar a dependência de capitais externos cria desequilíbrios e obstáculos a um desenvolvimento voltado para as necessidades do país e do povo. A cara de país rico que os sucessivos governos tentam dar ao Brasil fica toldada pela precariedade dos serviços públicos essenciais, como saúde, educação, saneamento, que dão ao rico Brasil a substância de país pobre e carente das condições mais básicas para o bem viver de todos. 2. DESFIGURA O DESENVOLVIMENTO REDUZINDO-O A CRESCIMENTO E IGNORANDO OS LIMITES DO PLANETA Alguns dados globais revelam contrastes extremos e provam que o crescimento tem servido para enriquecer poucos e manter pobre a maioria, seja nos espaços nacionais, seja no do planeta. * A classe social dos mais ricos do mundo aumentou em número 8,3% em 2010; passou a 10,9 milhões de bilionários (em dólar), contra 10 milhões em 2009. Sua riqueza aumentou em um ano de 39 trilhões para 42,7 trilhões de dólares. A renda da metade mais pobre da população mundial não passou de US$2/dia, ou US$ 720/ano, resultando num somatório de US$ 2,52 trilhões. A conclusão é que 10,9 milhões de ricos possuem riqueza que equivale a 17 vezes a renda de 3,5 bilhões de pessoas no planeta. 20
  • 20. * Entre 1990 e 2001, para cada US$ 100 de crescimento na renda global per capita, apenas US$ 0,60 foram para os mais pobres, que tinham renda diária inferior a um dólar. Para alcançar um dólar de redução da pobreza sem redistribuição da renda mundial eram necessários US$ 166 de acréscimo na produção e consumo global, com enormes impactos ambientais que afetam mais os mais pobres!2 * O PNUD (2010) mostra que os 20% mais ricos, que detinham 82,7% da renda global em 1992, alcançaram 91,5% em 2009. No mesmo período a renda correspondente aos 20% mais pobres caiu de 0,19% para 0,07%! Em 2010, o PIB global alcançou US$ 74 trilhões (PPP), tendo crescido 4,9% em termos reais. No entanto, esse crescimento tem beneficiado um número muito reduzido de pessoas. De fato, em vinte anos de crescimento econômico, a renda global se concentrou de maneira aberrante. Não podemos mais esperar que a redução e a erradicação da pobreza e as metas do desenvolvimento sustentável derivem do crescimento econômico. Elas têm que vir da redistribuição da renda e da riqueza, e isso só acontecerá com uma transformação do sistema de poder político. Fonte: PNUD, 2003 e 2010 Isso é desenvolvimento? De quem? Para quem? Não há dúvida de que esses milhões de bilionários não conseguem usufruir de toda essa riqueza que detêm em seu poder. Tenho chamado essa riqueza produzida socialmente, privatizada ilegitimamente e não utilizada, de riqueza morta. Não beneficia quem a possui nem ninguém mais. Nem a ética utilitarista, que está por trás da corrida desenfreada e sem limites ao dinheiro e aos bens materiais, justifica esse patrimônio! O sistema do capital globalizado tem se provado historicamente incapaz de prover as condições e de promover o desenvolvimento socioeconômico e humano da grande maioria da população mundial. NEF – New Economics Foundation, (1) “Growth isn’t Working”, Rethinking Poverty collection, UK, 2006. (2) “Growth isn’t Possible”, Rethinking Poverty collection, UK, 2010. http://www.neweconomics. org/sites/neweconomics.org/files/Growth_Isnt_Possible.pdf 2 21
  • 21. Esses dados evidenciam que o sistema do capital é uma grande máquina concentradora de riqueza e de privilégios, gerando e nutrindo uma divisão e fragmentação das sociedades e da espécie em classes sociais em permanente conflito. 3. TRANSFORMA O DINHEIRO E OS BENS MATERIAIS DE MEIOS EM FINS Em 2010, o mundo produziu uma renda cifrada em US$ 74 trilhões. Nesse mesmo ano, segundo o FMI, a quantidade de títulos financeiros existente nos mercados de capitais e na mão de especuladores na forma de derivativos alcançou US$ 601 trilhões. Quase nove vezes mais dinheiro sem nenhum lastro do que a riqueza real produzida naquele ano. A economia mundial está ‘financeirizada’ porque o dinheiro deixou de ser meio para se tornar fim. Para alguns esse dinheiro permite acumular bens materiais em excesso em relação a sua capacidade de usufruir deles. Essa riqueza morta acontece porque acumular ou consumir bens materiais passou a ser o próprio sentido da vida humana. Algo criado para satisfazer necessidades foi pervertido. A existência humana foi dessacralizada e, no seu lugar, se ergueu a cultura do materialismo vulgar e, com ele, todas as violências contra o ser humano, os povos e a vida passaram a ter justificativa. Desde Aristóteles existe o debate sobre se as necessidades humanas podem ser ilimitadas. Para ele nem os lares nem a cidade-Estado precisam de uma quantidade ilimitada de “coisas essenciais à vida e que se conservam”. Polanyi discute a questão com propriedade. A cultura atual, porém, tenta convencer a humanidade de que ela precisa e pode comprar e consumir produtos materiais indefinidamente. Polanyi aponta que Aristóteles critica a introdução do dinheiro e do ganho monetário como fatores que perturbam o bem viver e o reduzem a elementos utilitários. Essa crítica se aplica hoje, quando imperam duas éticas, a utilitária e a da acumulação como fim. A vida faustosa dos muito ricos, como vimos acima, é justificada por uma ética que transcende a utilitária: acumular riqueza material, mesmo que o patrimônio não tenha utilidade para seu detentor. Dinheiro, prestígio e poder foram convertidos em fins e deformaram o próprio sentido da existência humana. 4. REDUZ O HOMO SAPIENS A HOMO POSSEDENS Vimos que o desenvolvimento no capitalismo se limita ao crescimento dos lucros do capital e da riqueza dos muito ricos. Que premissa antropológica está por trás desse conceito e dessa prática? A premissa do eu-sem-nós, ou seja, do indivíduo absoluto, seja ele pessoa física ou jurídica, corporação, raça ou país. A premissa é que o Outro será sempre visto como competidor, adversário ou inimigo; se Eu não o venço, subordino ou elimino, serei Eu o vencido, o subordinado ou eliminado. A outra premissa é que pelo máximo lucro no menor prazo vale tudo, não importam 22
  • 22. os custos. Daí algumas práticas perversas ou abomináveis serem lugar comum nos países capitalistas, como a produção e o comércio de armas, de drogas, de órgãos humanos, de corpos, a prática da obsolescência planejada de produtos de consumo3, e tantas outras. E as práticas anticapitalistas dos grandes conglomerados capitalistas tais como o monopólio, o oligopólio e o cartel, a transferência ilegal de lucros através dos preços sobre ou subfaturados nas transações intrafirma, a sonegação de impostos, a fuga de capitais para o exterior, entre outras.4 A meu ver, o avanço tecnológico, o consumo de luxo e a sociedade do desperdício que decorrem da economia de ‘livre’ mercado não podem ser chamados de desenvolvimento. O progresso técnico é visível, mas... há civilizações que se desenvolveram muito no plano psíquico e espiritual, mostrando um reduzido desenvolvimento técnico. Digamos, portanto, mais apropriadamente, que há diversos aspectos e dimensões do ser humano a desenvolver, pois ele é um ser complexo e é o único animal que tem os atributos para ser o autor do seu próprio desenvolvimento. Se o desenvolvimento não é integral – abrangendo todos os aspectos e dimensões do ser humano – e se não é harmônico, ele dá lugar a um organismo com deformidades, desequilíbrios e insanidades. 5. BUSCA CRESCER E ACUMULAR DEIXANDO OS CUSTOS SOCIAIS E AMBIENTAIS PARA OUTROS PAGAREM “O que deve ser feito, na sua opinião de grande empresário, para que o mundo consiga implementar o desenvolvimento sustentável?”, perguntou a repórter a um executivo de um banco transnacional no Canal Bloomberg. “Investimentos em crédito de carbono, manejo de florestas tropicais, comercialização de recursos como a água, produção de energia da biomassa, dos mares e dos ventos, tudo isso está servindo para criar as bases de um crescimento sustentado”, respondeu o empresário. Note-se que ele substituiu o termo desenvolvimento sustentável por crescimento sustentado. Revelou a falácia que faz parte da retórica da grande maioria dos grandes empresários. Ele confunde, proposital ou negligentemente, desenvolvimento com crescimento contínuo da demanda, das vendas e do lucro, o que significa maior volume de produção, de consumo, de uso de recursos sempre mais escassos, de custo ambiental e, necessariamente, de desperdício. Na modernidade também faz sentido valorizar a comunidade e o bem viver, como fez Aristóteles. A grande empresa capitalista é obrigada pela lógica do sistema a que pertence a buscar maximizar seus lucros e reduzir seus custos, produzindo sempre mais, sem considerar se sua oferta corresponde ou não a necessidades essenciais http://www.youtube.com/watch?v=0bxzU1HFC7Q Andrew Simms e David Boyle, 2010, “ 3 4 23
  • 23. dos consumidores. Isso significa crescer e expandir-se sem cessar. Se não fizer isso, ela naufraga. E com ela se vão os empregos, única fonte de ganhos dos seus empregados no sistema assalariado, característico do capitalismo. Na era neoliberal, a partir dos anos 1980, as grandes empresas, com a cumplicidade dos respectivos governos, conseguiram fazer uma ofensiva exitosa contra as conquistas históricas dos trabalhadores: começaram a terceirizar a produção de bens e serviços, reduziram suas contribuições sociais, precarizaram a força de trabalho, privatizaram parte da previdência social, ou toda ela, e transformaram os fundos de pensão em agentes da especulação financeira. Isto aumentou a margem de lucros das empresas, aprofundou as desigualdades de renda e de riqueza e ampliou as tensões sociais. A onda da Economia Verde, liderada pela ONU, e marcada pelos interesses do grande capital, pretende responder à apreensão crescente com as consequências das mudanças climáticas, da escassez de água potável que atinge cada vez mais pessoas e regiões, do maciço desmatamento de florestas tropicais e equatoriais, da crescente desertificação, do anúncio do pico do petróleo e de outras matérias primas minerais etc., sem querer ir às causas dessas aflições. A contrapelo dessa proposta e paralela à Cúpula Oficial sobre Desenvolvimento Sustentável, que se realiza em junho de 2012 no Rio de Janeiro, as organizações da sociedade civil mundial prepararam a Cúpula dos Povos por Justiça Social e Ambiental. A polarização entre o capital e o complexo mundo do trabalho se conjuga hoje com outra polarização – aquela entre a ideologia do crescimento econômico ilimitado, centrado na grande empresa capitalista ou no Estado autocrático, e o projeto histórico do desenvolvimento integral do ser humano – pessoa e coletividade – em harmonia com o meio natural, realizado, sobretudo no espaço privilegiado da comunidade. II - DESENVOLVIMENTO INTEGRAL Diante de tamanhas aberrações realizadas em nome do desenvolvimento, uma corrente de pensadores e ativistas defende a bandeira do combate ao desenvolvimento. O termo desenvolvimento, para mim, tem uma natureza positiva, abrangente e transdisciplinar. Vindo da biologia, ele se faz presente em todas as esferas humanas, pois se refere ao “processo de desabrochar dos potenciais inerentes a um organismo ou sociedade na esfera da natureza, e ao indivíduo, coletividades e espécie na esfera do humano.”5 Essa definição, na esfera do humano, desafia à explicitação da premissa M. Arruda, 2006, “Tornar real o possível: economia solidária, desenvolvimento e o futuro do trabalho”, Editora Vozes, Cap. 3, p. 151. Quem quiser aprofundar a reflexão na linha conceitual que proponho aqui é convidado a ler este capítulo, que se intitula “Desenvolvimento: a arte de realizar nossos potenciais”. 5 24
  • 24. antropológica que a permeia. Trata-se de um animal que ri, que se emociona, que ama, que reflete e se comunica por meio de diversas linguagens, que se reconhece como eu e como nós, que evolui no contexto das relações consigo próprio, com outros seres e com o meio natural. Portanto, um ser que não tem uma natureza fixa ou definitiva, que está em processo contínuo de transformação, um ser que projeta e age para tornar real o que projetou, um ser complexo, ao mesmo tempo pessoa, comunidade e sociedade. Um ser tão próximo quanto distante dos seus parentes do reino animal, vegetal e mineral; uma pequena célula consciente de organismos maiores, interligado a todas as outras células que compõem esses organismos, desde outros seres humanos mais próximos, da mesma escala e dimensão, até os mais remotos no espaço e no tempo. Um ser material e espiritual, imanente e transcendente, cotidiano e histórico, temporal e transtemporal, que se movimenta e se auto-organiza nas diversas esferas de sua existência. Um ser capaz de gerir seu próprio desenvolvimento, e compartilhar com outros a gestão do desenvolvimento da comunidade, da humanidade e do Cosmos. Esse Homo no espaço da sociedade é quem pode e deve ser o sujeito do seu próprio desenvolvimento – como pessoa, comunidade e povo. Portanto, é legítimo afirmar, parafraseando Paulo Freire, que ninguém desenvolve ninguém, e ninguém se desenvolve sozinho. Essa concepção que proponho contém o projeto político democrático pleno. Postulo como sujeito do desenvolvimento, por direito e por responsabilidade, cada pessoa, cada comunidade e cada povo. Afirmo que a democracia plena não se limita à escolha periódica de representantes, mas implica no envolvimento de cada pessoa, cidadã e cidadão na ação de planejar e implementar o desenvolvimento de todos os aspectos e dimensões da sua existência. A outra implicação dessa definição é que toda educação serve a um determinado processo de desenvolvimento. Educar para que a mulher e o homem assumam a responsabilidade – individual e coletiva – de desenvolver, com a plenitude que lhe permitir a vida, seus potenciais de realização, de bem viver e de felicidade – essa é a educação libertadora, que chamo também de Educação da Práxis. Esse modo de desenvolvimento toma o ser humano no contexto maior dos biomas, dos ecossistemas e da Terra inteira. Demanda do Homo uma atitude de respeito, reciprocidade e cuidado com o meio natural que provê e mantém o necessário para a sua vida. Dá origem a modos de consumo e de produção de bens materiais e uso dos bens naturais baseados na lógica do suficiente e da reprodução sustentável da vida. DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Esse conceito, no sistema do capital mundial, se refere ao conjunto de ações de políticos, empresas e comunidades para promover o nível de vida e a 25
  • 25. saúde econômica de um território ou um país de forma sempre mais eficiente. Alguns, mais rudimentares, o definem como a promoção do aumento da renda nacional e da demanda efetiva (aquela que se origina no poder de compra), ou simplesmente como crescimento do PIB. O outro lado da definição é o da oferta: promover a eficiência econômica da empresa, visando aumentar a produtividade, a competitividade e a lucratividade das empresas, reduzindo ou externalizando todos os custos materiais, humanos e ambientais. Na perspectiva solidária, o desenvolvimento econômico é o processo de melhoramento das condições de vida de uma população, realizado mediante o planejamento e a gestão participativos, a fim de prover as condições materiais para o desenvolvimento dos potenciais e atributos superiores do ser humano. Os indicadores do desenvolvimento são determinantes, pois encarnam as premissas que dão sentido à ação transformadora e provêm os elementos para a definição de metas da atividade socioeconômica. O PIB é um índice de crescimento econômico apenas. Ele não mede a qualidade dos investimentos, nem o grau de satisfação das necessidades que a atividade econômica gerou, nem capta como foram distribuídos os ganhos e os custos deste crescimento. Outros índices estão sendo desenvolvidos, que buscam superar essas limitações6. Um equívoco que está na raiz dos desequilíbrios provocados pelo desenvolvimento do capital mundial é isolar e idolatrar o desenvolvimento econômico, fora do contexto maior que é o desenvolvimento do Homo e da vida. Outra vez, um equívoco fatal que converte meio em fim. A atividade econômica, a pesquisa científica e o progresso técnico são apenas meios para aprimorar a vida do Homo e capacitá-lo para melhor gerir e fazer progredir seu desenvolvimento como pessoa e como coletividade. O desenvolvimento econômico e técnico só tem sentido se está a serviço do desenvolvimento humano e social, isto é, do estabelecimento das condições necessárias ao desabrochar do conjunto das potencialidades humanas, das quais a relacionada com o corpo é apenas uma delas. A meu ver é preciso afirmar que todo progresso econômico, técnico, científico tem como força motriz o desenvolvimento humano e social, e não o contrário! Se nos ocupamos adequadamente da educação, da saúde, da pesquisa científica, do aprendizado da gestão participativa e do diálogo como metodologia para superar conflitos, do cultivo dos atributos do sentir, do conhecer e do relacionar-se de cada pessoa e coletividade, o planejamento e a implementação do desenvolvimento econômico e técnico ocorrerão sem atritos e com um mínimo de obstáculos e contradições. Índice de desenvolvimento humano. Índice de Progresso Genuíno ou índice de Bem Estar Econômico Sustentável. Índice de Felicidade Interna Bruta (FIB). Pesquisa Europeia de Qualidade de Vida. Índice do Planeta Feliz. Quadro de Melhores Vidas (OCDE). Índice Composto de Riqueza. Ver detalhes em http:// en.wikipedia.org/wiki/Gross_domestic_product 6 26
  • 26. DESENVOLVIMENTO COMO LIBERDADE O crescimento leva ao aumento da quantidade de bens produzidos e consumidos. Está relacionado às necessidades materiais. Na nossa cultura, o conceito de riqueza está particularmente relacionado aos bens materiais, a mídia e a propaganda comercial estão continuamente enfatizando isso, e criando novelas que em geral focalizam a vida e as mazelas cotidianas dos mais ricos, apresentando personagens que servem para alimentar o imaginário de milhões com sonhos de riqueza, prestígio e poder. O crescimento nessa cultura está associado à lógica da escassez. Empresas, bancos e nações têm um único objetivo explícito com a atividade econômica: aumentar indefinidamente, e sempre mais, as vendas, a produção, o consumo, o PIB. Se a empresa produz armas, ela quer guerras, pois elas são o seu mercado. Se ela produz remédios, ela quer doenças. O mercado é cego, sua ética é a compra e venda de qualquer coisa, inclusive do que não devia ser comercializado, como trabalho humano, terra, dinheiro, água, e outros bens comuns à humanidade. As emoções da ganância e da voracidade se escondem por trás da cultura da ideologia do crescimento ilimitado. E a lógica materialista vulgar que a caracteriza afasta o ser humano de si próprio, dos outros e da Natureza. Por tudo isso, o “sistema de mercado” provou-se humana e ecologicamente insustentável. O desenvolvimento, por sua vez, tem a ver com qualidade e sustentabilidade da vida. Ele vai além da economia, além dos bens materiais, para abranger a totalidade da existência atual e potencial do ser humano, pessoa, sociedade, espécie! Ele se move, no caso humano, no espaço da liberdade. E tudo que tolhe essa liberdade é obstáculo ao desenvolvimento. Amartya Sen, um grande economista indiano contemporâneo, fala de “desenvolvimento como liberdade”, e identifica diversos impedimentos estruturais à liberdade: carência de trabalho, alimento, educação, saúde, saneamento, habitação e todos os outros meios de satisfazer as necessidades físicas e ter uma vida humana digna. A essa lista eu acrescento dois impedimentos: • A ocupação da maior parte do tempo e da energia das pessoas com atividades ligadas à mera sobrevivência físico-animal; • E o sistema assalariado, que é a escravidão moderna a um trabalho remunerado como único meio para garantir o direito à vida. A riqueza que o desenvolvimento visa realizar consiste, mais que tudo, nos bens imateriais que mencionamos acima, aqueles que correspondem às qualidades e atributos superiores do ser humano! Essa é a riqueza que desejamos multiplicar e acumular em abundância e sem limites. ECODESENVOLVIMENTO Uma abordagem atraente e oportuna conecta economia e meio natural. Nasceu com o apelido de Eco-Eco, e em 1972 evoluiu para Ecodesenvolvimento, termo lançado por Maurice Strong, secretário geral da Conferência de Estocolmo 27
  • 27. sobre o Desenvolvimento.7 O conceito evoluiu e em 1974 a Declaração de Cocoyoc identificou o termo com a necessidade de ajudar as populações a educarse e organizar-se para valorizar os recursos específicos de cada ecossistema a fim de satisfazer suas necessidades fundamentais. A ênfase em “educar-se”, “organizar-se”, “recursos próprios dos seus escossistemas” e “satisfação das suas necessidades fundamentais” toma como referência os potenciais da população local e do ecossistema, e exclui agentes e projetos externos de qualquer protagonismo no Ecodesenvolvimento. O passo seguinte, dado pela Fundação Hammarskjöld, foi proclamar o desenvolvimento endógeno e dependente das suas próprias forças (self-reliant)8, submetido à lógica das necessidades de toda a população, e não à do consumo e da produção erigida como fins em si, consciente da sua dimensão ecológica, e buscando uma harmonia entre a sociedade humana e a natureza. Sachs mostra que essa definição contém uma filosofia e uma ética. Acrescento que também tem uma política, a democracia real. Sachs insiste que o Ecodesenvolvimento é um instrumento prospectivo de exploração de opções de desenvolvimento que busca alternativas ao crescimento desenfreado que prevalece hoje. E propõe uma solução que não questione o crescimento econômico. Eis aí um cerne de polêmica no espaço mesmo do Ecodesenvolvimento. Pois há toda uma tradição na Fundação para uma Nova Economia (NEF), assim como na obra dos economistas Serge Latouche, Tim Jackson, Herman Daly, entre outros, que oferece sólidos argumentos em favor de um freio ao crescimento. DESENVOLVIMENTO, CRESCIMENTO, SUSTENTABILIDADE O espaço não nos permite um debate mais profundo. Adianto minha proposta. A resposta a meu ver mais plausível e eficaz a essa questão é múltipla. A primeira reflexão é de que a dúvida precisa ser colocada no seu contexto. Tratase do desenvolvimento de quem, de quê? Centrar a economia no ser humano, em suas necessidades, capacidades, saber e criatividade significa focalizar com objetivo maior o desenvolvimento do ser humano. O crescimento econômico tem que estar a serviço do desenvolvimento humano e social, isto é, contribuindo para o melhor viver, não só no curto mas também no longo prazo, duravelmente. Então, é preciso rejeitar a hipocrisia do mercado autorregulado, distinguindo claramente entre crescer para acumular lucros e ampliar o controle dos mercados, e crescer para bem distribuir socialmente os frutos do crescimento. A questão Ignacy Sachs, 1980, “Stratégies de l’écodéveloppement”, Editons Economie et Humanisme, Paris, é uma obra seminal sobre o tema. 8 Xabier Gorostiada, nos anos da Nicaragua Sandinista, fez muito para divulgar o conceito de desenvolvimento próprio no continente latino-americano e caribenho, como autor, ativista político e diretor de um centro e um instituto de pesquisas econômicas e sociais situados em Manágua. 7 28
  • 28. maior não é, pois, o crescimento, mas a distribuição equitativa dos seus benefícios. Nesse contexto, discutamos agora a questão desenvolvimento e crescimento na perspectiva da sustentabilidade. 1. O crescimento econômico ilimitado é intrínseco à natureza do sistema do capital mundial, mas ele não é possível nem viável em um mundo de recursos limitados; deixado ao sabor do “livre” mercado, ele tem sido um fator de destruição de ecossistemas e de crescentes ameaças à vida. Para que o crescimento seja possível sob o controle de um plano de desenvolvimento que leve em conta as necessidades humanas e as condições ecossistêmicas, ele não pode ser movido pela motivação do lucro em mercados desregulados. Portanto, o sistema do capital mundial é incompatível com a sustentabilidade do planeta. 2. Por isso, é preciso suspender e abolir os projetos energéticos e de infraestrutura que desrespeitam as sociedades locais e destroem a Natureza em proveito de agentes externos a elas, e usando falsamente o nome de desenvolvimento. É o caso da represa de Belo Monte no rio Xingu, das represas do rio Madeira e das que estão planejadas para o rio Tocantins.9 A Amazônia precisa ter sua floresta equatorial e sua riquíssima diversidade biológica e humana preservadas, e não ser transformada em lagos emissores de CO2 e aceleradores do aquecimento da região. O mesmo digo do faraônico projeto de transposição do rio São Francisco, que está prejudicando o ecossistema da bacia e custando demasiado para beneficiar um número insuficiente de nordestinos. Em particular, se considerarmos que a alternativa proposta pela Agência Nacional das Águas custaria a metade e alcançaria mais que o dobro de famílias da região. 3. É preciso encontrar uma resposta adequada à realidade de cada país e região, aos diferentes setores da população e da produção de bens. Uma proposta geral pode ser decrescimento para os países ricos, em particular para as classes abastadas dos dois hemisférios, e crescimento planejado democraticamente para os países em via de desenvolvimento e as classes carentes, que são majoritárias. O argumento é simples. Se 20% da população mundial, concentrada especialmente nos países do Norte, mas também, mais e mais, nos emergentes, consomem entre 86 e 90% dos recursos do planeta, para que se caminhe com a urgência que se impõe no sentido da erradicação da fome e da Há estudos provando que a recuperação da produtividade das usinas hidroelétricas existentes no Brasil tornaria a oferta de energia superavitária e capaz de responder ao crescimento da demanda a médio prazo, além de custar uma fração ínfima do que os governos recentes têm investido de fundos públicos, para satisfazer a ganância das empreiteiras e das corporações que usufruem de tarifas de energia elétrica reduzidas. 9 29
  • 29. pobreza no mundo com crescente equidade e sustentabilidade, faz-se necessário reduzir o consumo das sociedades do Norte, e das elites dos países do Sul. Mas o crescimento voltado para as necessidades básicas da maioria deve ser concebido de outra maneira: a da democracia econômica. DESENVOLVIMENTO ENDÓGENO, AUTOGESTIONÁRIO, SOLIDÁRIO, SUSTENTÁVEL A democratização da economia10 faz parte de um novo paradigma de desenvolvimento. Ela exige o acesso da maioria trabalhadora à posse e à gestão compartilhada dos bens e recursos produtivos, a organização e capacitação das comunidades para o planejamento e a implementação do desenvolvimento endógeno, autogestionário, solidário e sustentável. A lógica autocêntrica da empresa capitalista faz com que ela precise crescer sempre para garantir sua sobrevivência e competitividade individual num ambiente hostil e competitivo. A democracia econômica e a economia solidária têm o poder de substituí-la pela lógica da cooperação e da reciprocidade positiva das redes de colaboração solidária em ambiente econômico planejado em função das necessidades, no qual o lucro é rebatizado como excedente, pois não evolve a exploração do trabalho humano, e assim não é mais um fim em si, mas apenas um meio para melhor servir às necessidades e aspirações humanas e sociais. Os passos para realizar a democratização da economia no sentido da equidade social e da sustentabilidade ecológica têm que ser postos nos três horizontes, de curto, médio e longo prazo. Não há um ritmo preciso para esse processo, pois o movimento da realidade e a correlação de forças serão os fatores determinantes. Ter uma visão clara dos passos, contudo, é essencial para definir como e para onde caminhar. AUTOGESTÃO O objetivo da autogestão é transcender as hierarquias. Como o ser humano é relação, sua primeira relação é consigo mesmo. Ele precisa aprender a gerir seu próprio ser complexo (corpo, mente, psique, espírito, relações com a Natureza, com a sociedade e a espécie, com cada pessoa, relação com o Princípio Vital e Amoroso que o anima). Essa é a autogestão de si próprio, e ela é uma condição não só para a boa saúde, o bem viver, o autofazer-se e o autodesenvolver-se em plenitude, mas também é condição para ser um bom gestor coletivo. Em relação a um empreendimento solidário ou ao desenvolvimento de uma Ver Ladislau Dowbor, 2010, “Democracia Econômica”, Vozes, Petrópolis e também em www.dowbor.org. 10 30
  • 30. comunidade, comparemos o grupo ao organismo humano. Neste existe, sim, uma hierarquia relacionada com a função vital de cada célula e de cada órgão. Mas essa hierarquia não é autoritária. Todos precisam de todos e um complementa o outro. Nenhuma célula, órgão ou membro compete com os outros, ou tenta se promover e ocupar o lugar do outro para ter mais poder. A lei que rege as relações entre eles é a COOPERAÇÃO! Assim também no organismo do empreendimento, das redes e da sociedade autenticamente democrática. A gente escolhe os diretores ou coordenadores e os eleitos assumem responsabilidades mais abrangentes do que as do pessoal da base. Mas nem por isso são mais importantes ou valiosos para o conjunto. Sua autoridade vem do seu carisma e da confiança que todos depositam neles. E se eles vacilam ou traem essa confiança, o conjunto, em assembleia, pode destituí-los e substituí-los. Assim devia ser também em relação aos cargos políticos eletivos no Estado É em assembleia que tudo que é importante é decidido: o sistema de direção do empreendimento, o modo de dividir os excedentes, a estratégia empreendedora, a estratégia de inserção nas redes de colaboração e nas cadeias produtivas solidárias, etc. Quando o empreendimento tem dezenas, centenas ou até milhares de associados, a organização das assembleias começa na base, na forma de assembleias por área ou por seção, que discute os temas de interesse do empreendimento e elege seus representantes para as assembleias mais abrangentes. Assim se garante que o poder de decisão é descentralizado e que todos usufruem dele. Cria-se então um fluxo de informação e de decisões que desce e sobe e desce outra vez, e sobe outra vez, num ciclo que é intensamente participativo e que, ao mesmo tempo, garante a eficiência do todo. Não esqueçamos, porém, que toda diversidade humana envolve desacordos, contradições e conflitos. Então, é preciso adotar métodos de resolução de conflitos que estejam incorporados a processos de FORMAÇÃO dos associados. A EDUCAÇÃO COOPERATIVA é uma dimensão fundamental da autogestão. E o DIÁLOGO é um processo que se aprende, que não se realiza de forma espontânea ou improvisada, pois ele envolve a sutileza que são as subjetividades, os egos das pessoas. As relações solidárias que prevalecem na COOPERAÇÃO e na AUTOGESTÃO precisam ser aprendidas, cultivadas e cuidadas por todos e por cada um. Elas incluem a superação de toda discriminação e desigualdade subjetiva, como a de gênero, de raça, de opção sexual, etc. Incluem também o desenvolvimento de uma espiritualidade que inspira e alimenta a humildade em lugar do orgulho, o respeito à diversidade, a ativação das complementaridades do que é diverso, e o envolvimento ativo na construção de unidades na diversidade. Na verdade, a COOPERAÇÃO e a AUTOGESTÃO têm que ser construídas sobre a base da ACEITAÇÃO DO OUTRO COMO AUTÊNTICO OUTRO NO CONVERSAR (essa é a definição de amor do biólogo Humberto Maturana!). 31
  • 31. DIMENSÕES OBJETIVAS DO DESENVOLVIMENTO ENDÓGENO “Uma sociedade rica é uma sociedade sem ricos”. Carlos Brandão 1. Desenvolvimento endógeno significa nascer a partir de dentro e não de fora. Portanto, as ações geradas fora do organismo biológico ou social podem contribuir, mas não devem ser determinantes do desenvolvimento. Os seus sujeitos são a pessoa, a comunidade e seus membros, o município e seus cidadãos e cidadãs, o país e sua população. 2. A referência seminal do desenvolvimento endógeno é dupla: comunidades de trabalhadoras e trabalhadores associados nos espaços de trabalho e comunidades de pessoas e famílias compartilhando sua vida num território local determinado.11 A perspectiva é de que essas comunidades se eduquem e se empoderem para planejar e gerir de forma autogestionária o seu próprio desenvolvimento, articuladas entre si em sistemas de redes colaborativas e de cadeias produtivas solidárias. O instrumento fundamental para seu desenvolvimento é o planejamento micro, meso e macro das atividades econômicas visando responder às necessidades e demandas dos seus membros, tendo com fim último maximizar o bem viver e a felicidade de cada um e de todos ao longo do tempo. 3. Desprivatização e democratização do Estado; fortalecimento do aparelho do Estado democrático para promover um processo multidirecional de planejamento e implementação do desenvolvimento: das comunidades para os diversos níveis de governo, e desses de volta às comunidades.12 Um novo aparato jurídico é necessário para viabilizar essas mudanças. A correlação de forças é um desafio maior a enfrentar no plano objetivo. O egocentrismo, o materialismo vulgar e a ambição de poder são os maiores desafios no plano subjetivo. 4. Direito econômico à participação: compartilhar a propriedade e o acesso aos bens produtivos; emancipar-se das prisões do salário e da simples sobrevivência animal dos nossos corpos; democracia integral. Essa proposta tem por lastro uma grande variedade de práticas em diferentes partes do mundo, que incluem modos de vida comunitária de povos tradicionais, comunidades autogestionárias, organizadas em rede; movimentos sociais tais como o movimento global de Economia Solidária, hoje animado pela Rede Intercontinental de Promoção da Economia Social Solidária, a Rede Global de Ecovilas, os movimentos Cidades em Transição e Cidades Sustentáveis, o movimento Corporações de Desenvolvimento Comunitário nos Estados Unidos, as redes de trocas solidárias usando moedas complementares em diversos continentes, e muitas outras mais. Os limites deste ensaio não me permitem avançar mais. 12 Ver detalhes dessa proposta em Marcos Arruda, 2008, “PLANIFICACIÓN DEMOCRÁTICA 11 DEL DESARROLLO - Contribución a la construcción de una Venezuela emancipada”, monografía, PACS, Rio de Janeiro. 32
  • 32. 5. A ancoragem das atividades econômicas no território em que vivem as comunidades, envolvendo-as ativamente na gestão do desenvolvimento de seus empreendimentos e de suas interconexões, indo do território para fora dele de forma autogestionária, relativamente autônoma e solidária. A abordagem territorial tem que ser combinada com a das redes e das cadeias produtivas, sendo que o critério prioritário para as decisões sobre de quem comprar e a quem vender é o da expansão do sistema da economia solidária. 6. A construção estratégica de redes de colaboração solidária e de cadeias produtivas solidárias que criem o ambiente propício para a integração de cada empreendimento associativo num contexto relacional que favoreça a concretização dos fluxos de produtos e de valores com a lógica da colaboração e da vantagem cooperativa, em vez da competição. 7. Sustentabilidade ambiental: o viver comunitário dentro dos limites ecossistêmicos; máxima utilização dos recursos renováveis e consumo mínimo de não renováveis; atitude de respeito e amor à Natureza, o que implica economizar, reutilizar, reciclar; e consumir quanto possível bens produzidos localmente. 8. Equidade: o progresso humano e social exige a distribuição da renda e da riqueza por dois meios: • Democratização da propriedade e da gestão dos recursos produtivos • Política fiscal equilibrada, que oriente os investimentos para as necessidades e metas sociais e ambientais; e política tributária progressiva. 9. Desmilitarização: • Cortes nos gastos militares, liberando recursos para o desenvolvimento • ONU: cumprir seu papel de controlar os fluxos de armas, promover efetivamente a paz, a autodefesa não provocadora, a resolução pacífica de conflitos, e a justa distribuição global dos benefícios e dos custos do desenvolvimento. DIMENSÕES SUBJETIVAS DO DESENVOLVIMENTO O desenvolvimento endógeno e autogestionário demanda mudanças subjetivas, de visão de mundo, de leitura da realidade complexa – do que é manifesto e do que está escondido. Elas são essencialmente mudanças de atitude. Têm a ver com a consciência de que tudo na Terra e no Universo está interligado, e por isso somos todos seres relacionais. Em consequência, não é a competição a referência principal da evolução da vida e do ser humano, mas sim a colaboração, isto é, trabalhar juntos pelo bem de todos e de cada um; e a cooperação, atuar juntos pelos mesmos objetivos. 33
  • 33. A mudança de atitude inclui cultivar o sentido da solidariedade, da reciprocidade positiva e do amor em relação aos outros seres humanos e também aos animais, às plantas, ao reino mineral, à Mãe Terra e a todo o Cosmos, entendendo que a vida é, na verdade, um fenômeno cósmico e nós fazemos parte intrínseca dele. Ao preparar uma palestra recente, li partes de um dos livros magistrais de Carlos Brandão13. Eu intuía que dele viria inspiração. E ela veio na forma de afirmação da urgência de uma Visão Solidária e Amorosa para com todos os reinos da Natureza, uma nova atitude de acolhimento e diálogo com animais, vegetais e minerais (a começar pela água!). A partir desse diálogo, a busca de modos novos de relação com eles, uma relação que reconhece a subjetividade da Natureza, em particular da Terra Mãe, Pachamama, e de cada ser que ela gerou. Uma relação de comunicação, de reciprocidade, de amor. Essa consciência é libertadora e exige mudanças na configuração da economia e do desenvolvimento para ser plenamente viável: 1. Do trabalho subordinado ao trabalho emancipado: • Sem patrão, autogestionário, escolhido livremente. O cooperativismo, o associativismo, a economia solidária já colocam em prática essa proposição; • Partilha solidária do tempo de trabalho necessário, sem perda de remuneração. Isso permite que o máximo tempo e energia humana esteja liberado para o desenvolvimento humano e social; • Diversas formas de renda mínima cidadã. 2. Direito ao desenvolvimento dos potenciais humanos: • Ética, estética, comunicação, partilha, irmandade, amor; • Relação solidária e amorosa para com os outros seres e reinos da Natureza. PRESSÃO POR MUDANÇAS MAIS URGENTES A metodologia da ação transformadora exige a combinação de três estratégias: • Pesquisar e analisar a situação atual e as raízes da opressão, da alienação e da atitude agressiva contra a Natureza e os biomas. Denunciar os fatores de injustiça, opressão e exclusão; Carlos Brandão, 2005, “Aprender o Amor – Sobre um afeto que se aprende a viver”, Papirus Editora, São Paulo, pp. 206-218. 13 34
  • 34. • Pressionar os centros de poder por mudanças de políticas que protejam os direitos humanos e naturais, visando reduzir as aflições sociais, regular a ação dos poderosos e melhorar a condição de vida da maioria oprimida; • Adotar as novas atitudes e criar o novo desenvolvimento nos espaços atuais de ação e relação, introduzindo inovações objetivas e subjetivas que demonstrem que a criação do novo já pode e deve acontecer, mesmo que o sistema do capital ainda seja hegemônico. Outras medidas incluem: • Promoção de campanhas de erradicação do consumismo, usando métodos como a criminalização da obsolescência planejada, pôr controles sobre a propaganda/marketing promotores da corrida ao consumo, política pública que limita o acesso ao crédito para o consumo supérfluo e pune os desperdícios, rigoroso controle de qualidade dos produtos que chegam ao mercado, a começar pelos alimentos industrializados, estímulo ao fortalecimento das entidades de defesa do consumidor, capacitando-as a desempenhar com vigor sua responsabilidade fiscalizadora, educativa e mobilizadora; • Redução do consumo de bens e de energia. Reduzir o desperdício, punir legalmente a obsolescência planejada. Reduzir até eliminar a produção e o comércio de armamentos. Romper a cadeia do endividamento ilegítimo. Eliminar as instituições que atuam secretamente, sem nenhum controle social (tipo CIA), e os espaços (tipo jurisdições financeiras secretas) clandestinos. Romper as cadeias do comércio injusto e das finanças especulativas, eliminando os refúgios fiscais. Eliminar o apoio a ditaduras e a intervenções armadas. Que as elites do Norte global aprendam a ouvir e a aprender, e não só a ensinar; • Adoção de novos indicadores de desenvolvimento, que inspirem metas de desenvolvimento integral, democraticamente estabelecidas. Essas metas darão a oportunidade às comunidades e às instituições de governança de planejarem o desenvolvimento econômico a serviço do desenvolvimento humano e social, no curto, médio e longo prazo. A avaliação participativa dará margem à geração de novos indicadores e à definição de novas metas, que serão a guia da nova etapa de planejamento, num balé que vai da ação à avaliação, ao planejamento e à nova ação. 35
  • 35. EXEMPLO DE CAMPOS PARA O PLANEJAMENTO DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO INTEGRAL DO A Mandala acima apresenta diversos elementos que compõem o sistema dinâmico e complexo do que chamamos Desenvolvimento Integral: 1. O núcleo da Mandala é ocupado pelo sujeito do desenvolvimento, no caso, a comunidade, sensibilizada e mobilizada para planejar e gerir seu desenvolvimento de forma autogestionária, relativamente autônoma e solidária ao mesmo tempo. O desenvolvimento humano e social é concebido como o desabrochar dos potenciais, atributos e qualidades de que o sujeito é portador, e da compreensão da consciência e da liberdade de escolha como os atributos superiores do animal Homo. Coloca-se no centro a Pessoa, a Comunidade, o Povo, a Espécie; 2. O fundamento político do Planejamento Participativo é a combinação criativa e dinâmica da Democracia Direta com a Representativa; 3. Da parte da comunidade, estão incluídos, como exemplo, campos da vida comunitária a serem desenvolvidos. Cada campo faz parte do todo e, ao mesmo tempo, precisa ser planejado, dando origem a outra Mandala, situada no contexto desse todo; 4. Entre os campos a desenvolver estão mencionados os nove que compõe o índice de Felicidade Interna Bruta. 36
  • 36. Por novas concepções de desenvolvimento Ivo Lesbaupin1 maio 2012 2 “Nos últimos anos, diversos países latino-americanos, como Equador e Bolívia, vêm incorporando em suas constituições, o conceito do bem-viver, que nas línguas dos povos originários soa como Sumak Kawsay (quíchua), Suma Qamaña (aimará), Teko Porã (guarani). Para alguns sociólogos e pesquisadores, temos aí uma das grandes novidades do início do século XXI. Redescobre-se agora um conceito milenar: o “Viver Bem”. “A expressão Viver Bem, própria dos povos indígenas da Bolívia, significa, em primeiro lugar, ‘viver bem entre nós’. Trata-se de uma convivência comunitária intercultural e sem assimetrias de poder (...). É um modo de viver sendo e sentindo-se parte da comunidade, com sua proteção e em harmonia com a natureza (...), diferenciandose do ‘viver melhor’ ocidental, que é individualista e que se faz geralmente a expensas dos outros e, além disso, em contraponto à natureza” – escreve Isabel Rauber, pensadora latino-americana, estudiosa dos processos de construção do poder popular na América Latina indo-africana”3. Ivo Lesbaupin é sociólogo, coordenador do Iser Assessoria e da direção nacional da Abong. Uma primeira versão deste artigo foi publicada em Le Monde Diplomatique Brasil, novembro de 2010. 3 Citação extraída de “Conjuntura da Semana - Campanha 10:10:10 e o “Tempo para a Criação” (www.ihu. unisinos.br – 29/09/2010). Cf. Isabel Rauber, apud http://isabelrauber.blogspot.com, 22/08/2010. 1 2 37
  • 37. A GRAVIDADE DA CRISE AMBIENTAL A humanidade está hoje na direção da não-sustentabilidade, caminhando rapidamente para tornar a Terra inabitável: estamos desmatando numa velocidade incrível por toda parte, seja para vender a madeira, seja para exportá-la, seja para dar lugar a grandes pastagens e plantações de commodities (no caso brasileiro, soja e etanol, principalmente). As florestas são fundamentais para garantir a biodiversidade, mas também, entre outras coisas, para termos chuva e lençóis freáticos abundantes. Nossa água doce está sendo utilizada em uma quantidade muito acima de sua capacidade de reposição. Além disso, ela está sendo poluída pelo não-saneamento (despejo de esgotos diretamente nos rios), pelos agrotóxicos, pelas indústrias e seus produtos tóxicos, pela mineração (na qual muitas vezes são usadas substâncias químicas). Por outro lado, o aquecimento global está derretendo fontes de água doce que são as geleiras, os glaciares e as calotas polares, o que pode tornar a vida muito difícil em inúmeras regiões do mundo. Nossos alimentos são cada vez mais envenenados pelos pesticidas e agrotóxicos – o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, à frente dos EUA. Alguns alimentos que consumimos são carregados desses produtos. Nós os colocamos em nosso organismo numa quantidade ínfima, mas dia a dia, ano a ano, ingeridos continuamente, esses venenos produzem doenças, entre as quais o câncer. Alguns elementos altamente poluentes e prejudiciais à saúde humana, entre os quais os combustíveis fósseis (petróleo, gás, carvão), há mais de cem anos são a principal fonte de energia utilizada pelos seres humanos. Nosso ar é permanentemente poluído pelo uso desses combustíveis e, por mais que a poluição incomode cada vez mais os habitantes das grandes cidades, não é possível contê-la, pois a cada dia aumenta o número de automóveis nas ruas. O automóvel se converteu no grande ídolo da nossa civilização, de sua lógica de produção e consumo: é em função dos carros, principalmente, que nossas cidades são construídas. Nosso sistema econômico, para gerar lucro, precisa incessantemente produzir e vender. É por isso que nossa sociedade é uma sociedade de consumo, porque as pessoas precisam consumir sempre mais. Essa é a lógica do capitalismo. E a propaganda é absolutamente fundamental, para tornar as pessoas consumidoras, para convencer as pessoas de que precisam comprar e, depois de comprar, comprar novamente. Os produtos não são feitos para ter durabilidade, eles são feitos para se tornar rapidamente obsoletos, de modo a que as pessoas tenham necessidade de comprar um novo. Mais produtos, mais embalagens, tudo isso gera lucros para as empresas, mas também consome intensamente as matérias primas de que são feitos os produtos, além de aumentar a quantidade de lixo que é descartado num volume maior que a capacidade do meio de absorvê-lo. 38
  • 38. Em consequência, os recursos naturais do planeta estão desaparecendo. Alguns desses recursos não são renováveis e, em algum momento, vão deixar de existir, em razão do consumo excessivo. Outros são renováveis, mas a velocidade com que estão sendo utilizados e a não-sustentabilidade de seu uso fazem com que não haja tempo de regeneração. O capitalismo é suicida porque ele não consegue se manter sem destruir as condições que a humanidade necessita para sobreviver: clima equilibrado, recursos naturais disponíveis a longo prazo e segurança alimentar. É desagregador das sociedades, porque tende a produzir fortes desigualdades. A distância entre os ricos, impondo padrões de consumo inalcançáveis, e os pobres, com suas esperanças cada vez mais frustradas, produz o ambiente propício para a proliferação do crime e da violência. A vida se mercantiliza, tudo vira mercadoria, inclusive as pessoas. A CRISE ECONÔMICA MUNDIAL E SUA NÃO-SOLUÇÃO A maior crise econômica mundial desde 1929 eclodiu publicamente em 2008. Ela foi produzida pelas políticas neoliberais e pela globalização econômica implementadas nos últimos trinta anos. Os dogmas neoliberais em poucos dias foram derrubados e as consequências da economia de mercado desregulada ficaram mais evidentes: desemprego, exclusão, aumento da desigualdade social, violência – tudo isso aliado a uma enorme destruição ambiental. Mesmo desnudado, porém, o capital financeiro não desistiu do seu caminho. A solução que os governos deram para a quebra de vários grandes bancos e multinacionais foi a injeção de recursos públicos (isto é, dos contribuintes, de todo o povo) nessas instituições. Salvaram os próprios bancos responsáveis pela crise. Agora, depois de salvos pelo dinheiro público, estão novamente tendo lucros privados, isto é, os prejuízos são pagos pelo povo, mas os lucros são reapropriados pelos bancos. As exigências de regulação do sistema financeiro, dos bancos, não foram colocadas em prática, o que significa que hoje estamos praticamente nas mesmas condições que geraram a crise de 2008: podemos portanto prever a eclosão de uma outra grave crise mundial, só não sabemos o momento exato. Por outro lado, a saída da crise mundial não pode ser a retomada do crescimento econômico anterior, apoiado na lógica “produtivista-consumista”: a saída é romper com o modelo econômico baseado na exploração e no lucro e estabelecer um modelo de sociedade baseado em uma economia solidária e ecológica, na relação respeitosa com a natureza, na busca do bem-viver, produzindo aquilo que é necessário, evitando o esgotamento dos bens que a natureza nos oferece. Nós temos um país com riquezas naturais invejáveis, dotado de uma enorme biodiversidade, com terra agricultável em quantidade, com uma imensidão de trabalhadores aptos a trabalhar – o principal recurso para o desenvolvimento 39
  • 39. –, com um parque produtivo que foi atingido mas não destruído pelas políticas neoliberais. Somos banhados pelo sol o ano inteiro, temos 13,8% da água doce do mundo e temos ventos: ou seja, poderíamos ter toda a nossa energia renovável, eólica, solar, geotérmica, oceânica e outras. É mais do que nunca o momento de pensar em um modelo de desenvolvimento centrado nas necessidades humanas, que garanta a reprodução da natureza, evite o desperdício e não esgote os bens de que precisamos para viver. Um desenvolvimento que esteja voltado para a vida e não para a maximização do consumo. POR UMA OUTRA CONCEPÇÃO DE DESENVOLVIMENTO Precisamos construir uma outra concepção de desenvolvimento, centrado na satisfação dessas necessidades. Desenvolvimento não é sinônimo de crescimento econômico, como afirma a teoria econômica dominante – difundida pela grande mídia –, desenvolvimento não é sinônimo de “produtivismo-consumismo”. Desenvolvimento é desdobrar as potencialidades existentes nas pessoas e na 4 sociedade para que tenham vida e possam viver bem . Isso implica garantir proteção social para que as pessoas se sintam seguras face às dificuldades imprevistas que podem atingir qualquer ser humano. O que é necessário para conseguir esses bens? Como obter aquilo de que precisamos sem destruir as condições que nos permitem viver na Terra, sem acabar com a água, os peixes, os animais, a terra cultivável, as florestas, a diversidade cultural, social e biológica? Como organizar a sociedade de modo que haja trabalho para todos? Não basta fazer coleta seletiva de lixo, não basta evitar o desperdício de água, substituir os carros a gasolina por carros elétricos. Na verdade, o que é preciso mudar, para interromper a destruição do planeta, é o tipo de desenvolvimento. Desde o século passado, a economia é centrada na produção crescente e no consumo incessante. O objetivo prioritário da economia dominante é o crescimento econômico: o critério universal de avaliação de um país é o PIB, o Produto Interno Bruto, quanto mais produzir, quanto mais vender, melhor é o 5 país, melhor está sua economia . Nessa toada, vão-se embora os bens naturais – a água, a terra fértil, o ar saudável, as árvores, etc. Os especialistas dizem que precisamos de mais de uma Terra para garantir o nível de consumo atual – os países desenvolvidos têm apenas 20% da população mundial, mas consomem 80% dos produtos. É fundamental mudar isso. Mais que fundamental, é urgente, é inadiável: se mantivermos o Cf. Marcos Arruda, Tornar real o possível, Petrópolis, Vozes, 2006; cf. também Michael Löwy, “Ecosocialism, democracy and planification”, 2007 (apud www.europe-solidaire.org); Ecologia e socialismo, São Paulo, Cortez, 2005. 5 Cf. Carlos Lopes, Ignacy Sachs e Ladislau Dowbor, “Crises e oportunidades em tempos de mudança”, 2010, 15 pp. (www.dowbor.org). 4 40
  • 40. 6 sistema atual, a humanidade desaparecerá . No dizer de Leonardo Boff, “a Terra pode sobreviver sem nós, mas nós não podemos viver sem a Terra”7. Essa é a preocupação do economista Joan Martínez Allier, no livro “Da 8 economia ecológica ao ecologismo popular” (1998) . Segundo esse autor – inspirado em Georgescu Roegen, o iniciador dessa linha de pensamento –, economia ecológica “é uma economia que usa os recursos renováveis (...) com um ritmo que não exceda sua taxa de renovação, e que usa os recursos esgotáveis (...) com um ritmo não superior ao de sua substituição por recursos renováveis (...)” (1998: 268). Um outro autor, Lester Brown, publicou em 2001 a obra Eco-economia: construindo uma economia para a Terra e, recentemente, em 2009, publicou Plano B4.0 – Mobilização para Salvar a Civilização9. Obras onde ele propõe outro tipo de economia: desde a mudança da matriz energética até o tipo de indústria que deveríamos ter, o tipo de agricultura, de transporte e assim por diante. E poderíamos citar outros, como Herman Daly, Manfred Max-Neef10. É POSSÍVEL ORGANIZAR A SOCIEDADE DE OUTRA FORMA - E MELHOR Não basta dedicar 2% do PIB mundial para tornar a economia sustentável, como afirma documento do PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) em preparação à Rio+2011. Em primeiro lugar, o capitalismo em sua forma neoliberal – hegemônica nos últimos 30 anos – produziu uma forte desregulamentação das atividades econômicas. As empresas, desreguladas, ficaram livres para fazer o que quisessem para obter mais lucros. O resultado foi um incrível aumento da exploração dos trabalhadores: as empresas e, dentre estas, especialmente as empresas financeiras, passaram a ter lucros crescentes, e seus executivos passaram a ter salários altíssimos, em absoluta desproporção aos salários pagos aos demais trabalhadores, severamente comprimidos. O primeiro ser natural a sofrer aumento de degradação neste período foi o ser humano, expresso na grande maioria da humanidade. Este foi o primeiro ser vivo a ter sua sobrevivência ameaçada, o primeiro a sofrer perda de direitos. Cf. Jared Diamond, Colapso: como as sociedades escolhem o fracasso ou o sucesso. Rio de Janeiro, Record, 2009. Ver, de Leonardo Boff: Sustentabilidade: o que é; o que não é. Petrópolis, Vozes, 2012. 8 Blumenau, Ed. da FURB. 9 Earth Policy Institute, W. W. Norton & Company. Lester Brown fundou em 1974 o Worldwatch Institute. Passou a publicar o relatório anual sobre “O Estado do Mundo”. Em 2001, fundou o Earth Policy Institute (www.earthpolicy.org). 10 Cf. Marcus Eduardo de Oliveira, “Manfred Max-Neef e Herman Daly: dois economistas alternativos”, www. ihu.unisinos.br – 18/06/2010; Ricardo Abramovay, “Para juntar economia e ética, sociedade e natureza”, www. folha.com – 02/05/2012; José Eli da Veiga, “Mundo em transe: do aquecimento global ao ecodesenvolvimento”, Campinas, Armazém do Ipê, 2009; Ignacy Sachs, “A Terceira margem: em busca do ecodesenvolvimento”, São Paulo, Companhia das Letras, 2009. 11 “Economia Verde precisa de 2% do PIB mundial” (www.unep.org.br – 17/11/2011). 6 7 41
  • 41. A primeira conclusão a tirar desta crise é que a economia precisa ser regulada, é necessário o controle da sociedade sobre a política econômica. Não se pode deixar as empresas decidirem o que e como fazer sem a interferência da sociedade na qual atuam, sem o conhecimento e a avaliação daqueles que sofrem as consequências de sua atuação. O ENFRENTAMENTO DA DESIGUALDADE SOCIAL Qualquer projeto de desenvolvimento baseado no cuidado ecológico, qualquer projeto de economia ecológica, tem de ter como prioridade a redução da desigualdade social - não basta a redução da pobreza. Temos assistido, no período recente, a crise econômica servir de pretexto para desmontar o Estado de bem estar social na Europa. Os trabalhadores vêem seus salários serem reduzidos sucessivamente, suas futuras aposentadorias serem rebaixadas e, mesmo, ameaçadas e uma parte significativa se vê desempregada e vivendo na informalidade, com os serviços públicos sofrendo constantes cortes de recursos. No entanto, para surpresa nossa, isso não se deve à diminuição da riqueza de cada país. Para dar um exemplo, vejamos o caso da França: nos últimos 30 anos, as aposentadorias foram reduzidas, os salários rebaixados, a população desempregada quintuplicou e as políticas sociais sofreram sérios cortes. Mas não foi por falta de recursos. Em 1980, o PIB da França era de 444 bilhões de euros. Em 2010, foi de 1.932 bilhões de euros (1 trilhão e 932 bilhões de euros). O PIB cresceu mais de 300%. Seria possível argumentar que isso ocorreu porque a população cresceu muito. Na verdade, cresceu bem menos que o PIB: ela passou de 36 milhões a 63 milhões de habitantes: um crescimento de 75%. Poder-se-ia dizer que a parte mais velha da população – aquela acima de 65 anos - cresceu muito mais. Mas esta parte aumentou menos de 40%. Nas mãos de quem foi parar a renda e a riqueza acrescida entre 1980 e 2010? No caso do Brasil, a pobreza diminuiu nos últimos anos, em razão principalmente de um aumento real do salário-mínimo e do programa BolsaFamília. Isso, porém, não significou mudança nas estruturas geradoras da desigualdade social. Ao contrário, a política econômica vem enriquecendo de modo exponencial os mais ricos – os 5% no topo da pirÀ