0
FACULDADE DE ENFERMAGEM UNIC ARNALDO ESTEVÃO
CORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM
SUPERVISÃO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS III
PLANO D...
1
SUMÁRIO
TÉCNICA DE LIMPEZA E/OU DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCI. 2
DESINFECÇÃO EM LOCAL COM RESPINGOS OU DEPOSIÇÃO DE MATÉRIA
O...
2
ÁREA I - HIGIENIZAÇÃO, DESINFECÇÃOEESTERILIZAÇÃO.
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
Número:
POP - 001
Data da validação:
3...
3
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
Número:
POP - 002
Data da validação:
30/09/2015
Data da Revisão:
30/09/2015
DESINFECÇÃO ...
4
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
Número:
POP - 003
Data da validação:
30/09/2015
Data da Revisão:
30/09/2015
DESCONTAMINA...
5
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
Número:
POP - 004
Data da validação:
30/09/2015
Data da Revisão:
30/09/2015
CUIDADOS A S...
6
- Lavar com água e sabão;
- Fazer desinfecção com hipoclorito de sódio a 1% por 30 minutos;
- Lavar novamente;
 Colocar...
7
Limpeza e conservação:
- Lavar com água e sabão;
- esfregar com esponja sintética;
- secar com pano limpo.
DESENTUPIDOR ...
8
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
Número:
POP - 005
Data da validação:
30/09/2015
Data da Revisão:
30/09/2015
TÉCNICA DE V...
9
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
Número:
POP - 006
Data da validação:
30/09/2015
Data da Revisão:
30/09/2015
TÉCNICA DE L...
11
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
Número:
POP - 007
Data da validação:
30/09/2015
Data da Revisão:
30/09/2015
TÉCNICA DE ...
12
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
Número:
POP - 008
Data da validação:
30/09/2015
Data da Revisão:
30/09/2015
TÉCNICA DE ...
12
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
Número:
POP - 009
Data da validação:
30/09/2015
Data da Revisão:
30/09/2015
TÉCNICA DE ...
12
11- Retirar toda solução detergente do teto;
12- Imergir o pano na solução detergente, torcer e enrolar na
vassoura; 13...
12
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
Número:
POP - 010
Data da validação:
30/09/2015
Data da Revisão:
30/09/2015
TÉCNICA DE ...
12
4.j. Limpar o material de trabalho e guardà-lo em local apropriado;
5- Limpar instalações sanitàrias:
5.a. Separar o ma...
12
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
Número:
POP - 011
Data da validação:
30/09/2015
Data da Revisão:
30/09/2015
TÉCNICA DE ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
Número:
POP - 012
Data da validação:
30/09/2015
Data da Revisão:
30/09/2015
TÉCNICA DE LIM...
2 TÉCNICA DE ESTERILIZAÇÃO QUÍMICA DE MATERIAIS
Antes da desinfecção ou esterilização de qualquer tipo de material é funda...
minutos.
Desinfecção de médio nível: além dos
microorganismos destruídos na desinfecção
de baixo nível são atingidos o
Myc...
ser desprezado se sua concentração estiver abaixo de 1 a 1.5%, mesmo antes dos
14 ou 28 dias.
 Este agente químico é bast...
 Tempo: tempo de exposição conforme orientação do fabricante. Pode variar de poucos
minutos, quando é ativo contra a maio...
 Espectro de ação: tem amplo espectro de ação, chegando a ter ação sobre esporos de
B. subtillis. Atua a concentrações tã...
REFERÊNCIAS
BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de
Normas Técnicas. Normas para P...
of 24

Pop desinfecção plano micro karla nepomuceno

Procedimento operacional padrão de desinfecção.
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Pop desinfecção plano micro karla nepomuceno

  • 1. 0 FACULDADE DE ENFERMAGEM UNIC ARNALDO ESTEVÃO CORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM SUPERVISÃO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS III PLANO DE INTERVENÇÃO POP – PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOBRE DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO POP, elaborado por acadêmica de enfermagem Karla D. Aral Nepomuceno abrangendo conceitos e técnicas sobre desinfecção e limpeza. RONDONÓPOLIS 2015/2
  • 2. 1 SUMÁRIO TÉCNICA DE LIMPEZA E/OU DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCI. 2 DESINFECÇÃO EM LOCAL COM RESPINGOS OU DEPOSIÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA (SANGUE, SECREÇÕES, EXCRETAS E EXSUDATO) 3 DESCONTAMINAÇÃO DE SUPERFÍCIES CONTAMINADAS 4 CUIDADOS A SEREM OBSERVADOS COM OS MATERIAIS E PRODUTOS DE LIMPEZA 5 TÉCNICA DE VARREDURA ÚMIDA 8 TÉCNICA DE LIMPEZA DE PISOS 10 TÉCNICA DE LIMPEZA DE JANELAS E PORTAS 11 TÉCNICA DE LIMPEZA DO MOBILIÀRIO, BANCADAS E EQUIPAMENTOS 12 TÉCNICA DE LIMPEZA DE TETOS E PAREDES 13 TÉCNICA DE LIMPEZA DE BANHEIROS 15 TÉCNICA DE LIMPEZA DO APARELHO DE ARCONDICIONADO 17 TÉCNICA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DO BEBEDOURO 18 TÉCNICA DE ESTERILIZAÇÃO QUÍMICA DE MATERIAIS 19 RECOMENDAÇÕES ADEQUADAS NA UTILIZAÇÃO DO GLUTARALDEÍDO A 2% 20 GLUTARALDEÍDO 21 ÁLCOOL 22 HIPOCLORITO 22 REFERENCIAS 23
  • 3. 2 ÁREA I - HIGIENIZAÇÃO, DESINFECÇÃOEESTERILIZAÇÃO. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP - 001 Data da validação: 30/09/2015 Data da Revisão: 30/09/2015 TÉCNICA DE LIMPEZA E/OU DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIE EXECUTANTE: Auxiliar de serviços gerais ÁREA: Higienização, desinfecção e esterilização OBJETIVO: Realizar a limpeza e a higienização de superfícies Passos: 1- Lavar as mãos com água e sabão líquido e aplicar álcool glicerinado a 70% friccionando por 30 segundos: · antes de iniciar as tarefas de limpeza; · ao constatar sujidade; · antes e após uso de toalete; · após tossir, espirrar ou assoar o nariz; · antes de se alimentar; · após término das atividades. 2- Não comer ou fumar quando executar tarefas de limpeza; 3- Evitar o uso de bijouterias, jóias e relógios durante a execução do trabalho. 4- Usar uniforme durante o trabalho e o equipamento de proteção individual (EPI) de acordo com as circunstâncias de risco. 5- Preparar previamente todo o material necessàrio ao procedimento de limpeza e desinfecção a ser executado. 6- Remover o lixo do recinto, as roupas sujas e o material usado para os locais devidos, antes de iniciar a limpeza. 7- Não agitar peças de roupas, sacos de lixo, ou qualquer material contaminado, não espanar e não fazer varredura a seco nas áreas internas da Central de Material Esterilizado e Unidades de Saúde. 8 - Iniciar pelo mobiliàrio e/ ou paredes e terminar pelo piso. 9- Limpar com movimentos amplos, do lugar mais alto para o mais baixo e da parte mais distante para a mais próxima. 10-Começar a limpeza sempre do fundo dos recintos, salas e corredores e prosseguir em direção à saída. 11 - Limpar primeiro uma metade do recinto e depois a outra metade, deixando espaço livre para passagem de pessoas, remoção de equipamentos e mobiliàrios.
  • 4. 3 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP - 002 Data da validação: 30/09/2015 Data da Revisão: 30/09/2015 DESINFECÇÃO EM LOCAL COM RESPINGOS OU DEPOSIÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA (SANGUE, SECREÇÕES, EXCRETAS E EXSUDATO). EXECUTANTE: Auxiliar de serviços gerais ÁREA: Higienização, desinfecção e esterilização OBJETIVO: Garantir a retirada de sujidades Passos: 1. Utilizar luvas de autoproteção (làtex); 2. Retirar o excesso da matéria orgânica em papel absorvente; 3. Desprezar o papel em saco de lixo para resíduo infectante; 4. Aplicar o desinfetante e deixar o tempo necessàrio – 10 min; 5. Remover o desinfetante com pano molhado; 6. Proceder a limpeza com água e sabão.
  • 5. 4 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP - 003 Data da validação: 30/09/2015 Data da Revisão: 30/09/2015 DESCONTAMINAÇÃO DE SUPERFÍCIES CONTAMINADAS EXECUTANTE: Auxiliar de serviços gerais ÁREA: Higienização, desinfecção e esterilização OBJETIVO: Realizar a retirada de sujidades e focos de contaminação de superfícies Passos: 3. Utilizar luvas de autoproteção (látex); 4. Retirar o excesso da matéria orgânica em papel absorvente; 5. Desprezar o papel em saco de lixo para resíduo infectante; 6. Aplicar o desinfetante e deixar o tempo necessàrio – 10 min; 7. Remover o desinfetante com pano molhado; 8. Proceder a limpeza com água e sabão.
  • 6. 5 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP - 004 Data da validação: 30/09/2015 Data da Revisão: 30/09/2015 CUIDADOS A SEREM OBSERVADOS COM OS MATERIAIS E PRODUTOS DE LIMPEZA EXECUTANTE: Auxiliar de serviços gerais ÁREA: Higienização, desinfecção e esterilização OBJETIVO:Garantir a limpeza, assepsia e organização dos materiais e produtos a serem utilizados no processo de limpeza da unidade Passos: PANOS: Pano de chão: Utilizado para varrer, lavar e secar pisos. Deve ser de tecido forte, branco, embanhado ou aurelado e de tamanho suficiente para envolver o rodo ou vassoura. Limpeza e conservação: - Lavar com água e sabão; - Fazer desinfecção com hipoclorito de sódio a 1%, por 30 minutos; - Enxaguar  Colocar para secar. Pano para limpeza: Tecido macio embanhado ou aurelado, usado para remover poeira; pode ser umedecido em água, solução desinfetante ou àlcool a 70%. Limpeza e conservação: - Lavar com água e sabão; - Fazer desinfecção com hipoclorito de sódio a 1%, por 30 minutos - Enxaguar;  Colocar para secar. VASSOURA DE FIO SINTÉTICO: - Usada juntamente com o pano de chão. Limpeza e conservação: - Lavar com água e sabão;  Colocar para secar pendurada pelo cabo. VASSOURA DE VASO SANITÀRIO: - Utilizada para limpeza da parte interna do vaso sanitàrio. Limpeza e conservação:
  • 7. 6 - Lavar com água e sabão; - Fazer desinfecção com hipoclorito de sódio a 1% por 30 minutos; - Lavar novamente;  Colocar para secar pendurada pelo cabo. ESPONJAS: Esponjas de aço: - Usada para limpeza de superfícies com manchas ou resíduos. É descartável. Esponja sintética:  Usada na limpeza de superfícies que sofrem danos com esponjas de aço. ESCADAS: - Devem ser antiderrapantes com degraus emborrachados. Limpeza e conservação: - lavar com água e sabão;  Secar com pano limpo. BALDES: - Devem ser de plástico rígido; geralmente são estabelecidas duas cores: uma para água e outra para solução detergente. Limpeza e conservação: - Lavar com água e sabão;  Colocar emborcados para secar. PÀS DE LIXO: - São de metal ou plàstico com cabo longo de plàstico ou madeira, usados para recolher pequenas porções de lixo e pó. Limpeza e conservação: - Lavar com água e sabão; - Esfregar com esponja de aço; Guardar pendurada pelo cabo. RODO: - Utilizado para a remoção de água e limpeza de piso com pano. Limpeza e conservação: - Lavar com água e sabão; - Fazer desinfecção com hipoclorito a 1% se necessàrio;  Colocar para secar pendurado pelo cabo; ESPÀTULADEAÇO: - De aço inoxidàvel e cabo de madeira, usada para remover resíduos aderidos às superfícies.
  • 8. 7 Limpeza e conservação: - Lavar com água e sabão; - esfregar com esponja sintética; - secar com pano limpo. DESENTUPIDOR DE VASOS E PIAS: - É constituído de material emborrachado com cabo de madeira ou plàstico. Limpeza e conservação: - Lavar com água e sabão; - Fazer desinfecção com hipoclorito de sódio a 1% por 30min.; - Enxaguar;  Deixar secar pendurado pelo cabo. ESCOVAMANUAL DE FIOSSINTÉTICOS: - Usada para lavar superfícies com reentrâncias. Limpeza e conservação: - Lavar com água e sabão; - Fazer desinfecção com solução de hipoclorito de sódio 1% por 30min., sempre que necessàrio;  Enxaguar. ARAME: - Utilizado para retirar detritos no ralo e pequenos entupimentos, desprezar em recipiente rígido após o uso. LUVAS DE AUTO PROTEÇÃO: - Utilizada para contato com sangue ou líquidos corporais (material biológico) Limpeza e conservação: - Lavar com água e sabão; - Fazer desinfecção com solução de hipoclorito a 1% por 30 minutos; - Enxaguar; - Secar; - Guardar em local próprio.
  • 9. 8 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP - 005 Data da validação: 30/09/2015 Data da Revisão: 30/09/2015 TÉCNICA DE VARREDURAÚMIDA EXECUTANTE: Auxiliar de serviços gerais ÁREA: Higienização, desinfecção e esterilização OBJETIVO: Visa remover a sujidade do chão, devendo ser feita com pano limpo umedecido em água e sabão, a fim de evitar suspensão de partículas de poeira e dispersão de microrganismos. Passos: 1- Reunir o material de limpeza: · 2 baldes · vassoura e rodo · 2 panos limpos · água e detergente líquido · pà de lixo · luvas · botas · touca 2- Colocar o EPI. 3- Preparar o ambiente para limpeza e reunir mobiliàrio leve para deixar a área livre; 4- Encher os baldes até a metade, um com água limpa e o outro com água e detergente líquido. 5- Imergir o pano no balde com solução detergente, retirar o excesso e enrolar na vassoura ou rodo. 6- Passar o pano no piso, sem retirar o pano do chão, iniciando do fundo da sala e se dirigindo para a porta, de forma que todas as áreas do piso sejam limpas. 7- Recolher a sujidade e jogar no lixo. 8- Imergir outro pano no balde de água limpa, torcer e enrolar na vassoura. 9- Retirar o sabão do piso, iniciando do fundo da sala e se dirigindo para a porta. 10- Secar o piso usando o pano bem torcido. 11- Limpar os rodapés. 12 - Recolocar o mobiliàrio no local original. 13- Limpar o material de trabalho e guardar em localapropriado. - Este procedimento deve ser realizado diariamente;  Toda área que permanece úmida ou molhada tem mais condições de albergar e reproduzir germes gram negativos e fungos, as áreas empoeiradas podem albergar germes gram positivos, micobactérias e outros.  Conclui-se dessa forma que deve-se evitar excesso de água na limpeza, secar muito bem o piso e abolir varredura seca nos Estabelecimentos de Saúde.
  • 10. 9 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP - 006 Data da validação: 30/09/2015 Data da Revisão: 30/09/2015 TÉCNICA DE LIMPEZA DE PISOS EXECUTANTE: Auxiliar de serviços gerais ÁREA: Higienização, desinfecção e esterilização OBJETIVO: Visa remover a sujidade dos pisos mediante escovação. Passos: 1- Reunir o material para lavagem: · 2 baldes · vassoura e rodo · panos limpos · escova manual · água e detergente líquido · luvas de autoproteção · botas · touca 2- Colocar EPI; 3- Preparar o ambiente para a limpeza: · afastar os móveis da parede; · reunir o mobiliàrio leve para desocupar a área. 4- Encher a metade dos baldes, um com água limpa e outro com água e detergente líquido; 5- Colocar um pano seco na entrada da sala; 6- Imergir outro pano no balde com solução detergente e, sem retirar o excesso, enrolar na vassoura ou rodo; 7- Passar o pano no piso, molhando toda a área a ser escovada; 8- Esfregar a vassoura no piso, começando dos cantos em direção à porta; 9- Retirar a água suja, com rodo, até o ralo de escoamento; 10- Repetir toda operação até que a área fique limpa; 11- Limpar os rodapés com escova manual, se necessàrio; 12- Enxaguar o piso até retirar todo o sabão, utilizando o pano embebido em água limpa e enrolando no rodo ou vassoura; 13- Secar o piso, utilizando um pano limpo enrolado na vassoura ou rodo; 14- Recolocar o mobiliàrio no local original; 15 - Limpar o material de trabalho e guardar no localapropriado; - Este procedimento deve ser realizado quinzenalmente.
  • 11. 11 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP - 007 Data da validação: 30/09/2015 Data da Revisão: 30/09/2015 TÉCNICA DE LIMPEZA DE JANELAS E PORTAS EXECUTANTE: Auxiliar de serviços gerais ÁREA: Higienização, desinfecção e esterilização OBJETIVO: Consiste em retirar a poeira e manchas das janelas e portas de madeira, vidro ou metal. Passos: 1- Reunir o material necessàrio: · escada · 2 baldes · água · detergente líquido · esponja de aço fina · panos de limpeza · espàtula · panos de chão · cinto de segurança · touca · botas · luvas de autoproteção 2- Colocar o EPI; 3- Preparar o ambiente para a operação; afastar os móveis e os equipamentos das janelas e portas; 4- Forrar o piso com pano de chão, colocando-o debaixo da janela ou porta; 5- Encher metade de dois baldes, um com água e outro com água e detergente líquido; 6- Imergir o pano no balde com água limpa e torcer; 7- Remover a poeira passando o pano de cima para baixo e da esquerda para a direita; 8- Imergir o outro pano no balde com solução detergente; retirar o excesso e passar no vidro, moldura da janela ou porta, soleira da janela e maçanetas; 9- Imergir o outro pano de limpeza no balde com água limpa; 10- Passar o pano em toda a extensão da janela ou porta para remover a soluçãodetergente; 11- Secar a janela ou porta, com pano de limpeza seco; 12- Retirar o pano de chão colocado debaixo da janela ou porta; 13- Recolocar o mobiliàrio e equipamento no local original; 14- Limpar o material de trabalho e guardar em localapropriado. Observação:  Este procedimento deve ser realizado quinzenalmente.
  • 12. 12 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP - 008 Data da validação: 30/09/2015 Data da Revisão: 30/09/2015 TÉCNICA DE LIMPEZA DO MOBILIÀRIO, BANCADAS E EQUIPAMENTOS EXECUTANTE: Auxiliar de serviços gerais ÁREA: Higienização, desinfecção e esterilização OBJETIVO: Consiste em retirar a poeira, lavar, retirar manchas, polir e escovar bancadas, móveis e equipamentos, diariamente. Passos: 1- Reunir o material necessàrio: · panos de limpeza · 2 baldes · água · detergente líquido · escova · touca · botas · luvas de autoproteção 2- Colocar o EPI; 3- Encher metade dos baldes, um com água limpa e outro com água e detergente líquido; 4- Retirar os objetos de cima e, se possível, do interior do móvel ou equipamento a ser limpo; 5- Retirar a poeira do móvel ou equipamento com o pano úmido dobrado, para obter vàrias superfícies de limpeza; 6- Imergir o outro pano na solução detergente e retirar o excesso; 7- Limpar o móvel ou equipamento, esfregando o pano dobrado com solução detergente; se necessàrio usar a escova; 8- Retirar toda a solução detergente com pano umedecido em água limpa; 9- Enxugar o móvel ou equipamento; 10- Limpar o material de trabalho e guardar em local apropriado. Observação:  Este procedimento deverà ser realizado diariamente e sempre que necessàrio 12
  • 13. 12 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP - 009 Data da validação: 30/09/2015 Data da Revisão: 30/09/2015 TÉCNICA DE LIMPEZA DE TETOS E PAREDES EXECUTANTE: Auxiliar de serviços gerais ÁREA: Higienização, desinfecção e esterilização OBJETIVO: Consiste em retirar a poeira e substâncias aderidas ao teto, paredes, luminàrias e interruptores. Passos: 1- Reunir o material de limpeza: · escada · 2 baldes · vassoura · 3 panos de chão · esponja de aço fina · escova · espàtula · água · detergente líquido · touca · botas · luvas de autoproteção 2- Colocar o EPI; 3- Preparar o local para limpeza; · Afastar os móveis e equipamentos das paredes · Forrar os móveis e os equipamentos 4- Encher metade dos baldes, um com água limpa e outro com água e detergente líquido; 5- Imergir um pano no balde com água limpa, retirar o excesso de água, enrolar na vassoura ou rodo; 6- Retirar o pó do teto e paredes, com o pano úmido fazendo movimentos em um único sentido; 7- Enxaguar delimitando pequenas áreas; 8- Imergir outro pano na solução detergente, torcer e enrolar o pano em uma vassoura; 9- Esfregar o pano no teto, sempre num mesmo sentido, iniciando de um dos cantos; 10- Imergir o pano limpo na água limpa, torcer e enrolar na vassoura; 13
  • 14. 12 11- Retirar toda solução detergente do teto; 12- Imergir o pano na solução detergente, torcer e enrolar na vassoura; 13- Esfregar o pano na parede, sempre no mesmosentido; 14- Enrolar na vassoura o pano com água limpa e retirar toda solução detergente da parede; 15- Verificar se o teto e as paredes estão bem limpos, se necessàrio repetir aoperação; 16- Retirar a forração dos móveis eequipamentos; 17- Recolocar o mobiliàrio e os equipamentos no local original; 18- Limpar o material de trabalho e guardar no localapropriado. - Deve-se dividir o local para limpeza em pequenas áreas para que seja feito o enxàgüe antes de secar a solução detergente. - Paredes: iniciar na parte superior (próximo ao teto) até a metade da parede e deste ponto até a parte inferior (próximo ao piso). - Este procedimento deverà ser realizado mensalmente. 14
  • 15. 12 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP - 010 Data da validação: 30/09/2015 Data da Revisão: 30/09/2015 TÉCNICA DE LIMPEZA DE BANHEIROS EXECUTANTE: Auxiliar de serviços gerais ÁREA: Higienização, desinfecção e esterilização OBJETIVO: Consiste em remover a sujidade, substâncias aderidas, detritos do teto, paredes, lavatórios, mictórios, instalações sanitàrias e piso dos banheiros. Promove o controle de microrganismos, evitando transmissão de doenças, controla odores, mantém uma boa aparência e garante o conforto dos usuàrios. Passos: 1- Recolher o lixo (conforme rotina); 2- Limpar tetos e paredes (conforme rotina); 3- Limpar janelas e portas (conforme rotina); 4- Limpar pias: 4.a. Separar o material necessàrio: - panos de limpeza - detergente líquido - saponàceo - esponja sintética - arame - luvas de autoproteção - avental - botas - touca 4.b. Colocar o EPI; 4.c. Umedecer a esponja de aço e espalhar o sapóleo sobre ela; 4.d. Esfregar a esponja sintética com sapóleo na parte interna da pia; 4.e. Passar a esponja com detergente líquido na torneira; 4.f. Retirar os detritos localizados no interior da vàlvula, usando um gancho de arame; 4.g. Esfregar a parte externa da pia, as torneiras e encanamentos sob a pia com pano umedecido em água e detergente líquido; 4.h. Enxaguar a parte interna e externa da pia com água limpa; 4.i. Secar a pia com um pano seco, polindo a torneira; 15
  • 16. 12 4.j. Limpar o material de trabalho e guardà-lo em local apropriado; 5- Limpar instalações sanitàrias: 5.a. Separar o material necessàrio: - panos de limpeza - vassoura para vaso sanitàrio - escova sintética - 2 baldes - água - detergente líquido - sapóleo - hipoclorito de sódio a 1% - botas - luvas de autoproteção - avental - touca 5.b. Colocar o EPI; 5.c. Encher metade dos baldes, um com água limpa e outro com água e detergente líquido; 5.d. Dar descarga no vaso sanitàrio; 5.e. Esfregar o tampo do vaso por cima e por baixo, com a escova sintética, usando solução detergente; 5.f. Espalhar sapóleo no pano embebido em soluçãodetergente; 5.g. Esfregar o assento do vaso, por dentro e por fora com pano; 5.h. Esfregar a parte externa do vaso com pano embebido em solução detergente e sapóleo; 5.i. Enxaguar o tampo, o assento, a borda e a parte externa do vaso com água limpa; 5.j. Jogar solução detergente e sapóleo dentro do vaso, esfregando-o com vassoura de vaso, iniciando pela borda interna do vaso e terminando na saída de água; 5.k. Dar descarga no vaso sanitàrio continuando a esfregar a parte interna com vassoura de vaso, até a água ficar limpa; 5.l. Lavar a alavanca ou botão de descarga com pano umedecido em água e detergente; 5.m. Retirar o detergente com pano umedecido em água limpa; 5.n. Secar o tampo e o assento do vaso sanitàrio com pano limpo; 5.o. Secar a parte externa do vaso e a alavanca ou botão de descarga com pano limpo; 5.p. Limpar o material de trabalho e guardà-lo no local apropriado; 6- Lavar o piso (conforme rotina); Observação: - Este procedimento deverà ser realizado diariamente e sempre que necessàrio. 16
  • 17. 12 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP - 011 Data da validação: 30/09/2015 Data da Revisão: 30/09/2015 TÉCNICA DE LIMPEZA DO APARELHO DE AR CONDICIONADO EXECUTANTE: Auxiliar de serviços gerais ÁREA: Higienização, desinfecção e esterilização OBJETIVO: Visa remover a sujidade do aparelho de ar condicionado. Passos: 1- Separar o material necessàrio: · panos de limpeza · 2 baldes · água · detergente líquido · touca · luvas de auto proteção 2- Colocar o EPI; 3- Desligar o aparelho de ar condicionado da tomada; 4- Retirar a tampa externa do aparelho; 5- Encher metade dos dois baldes, um com água e outro com água e detergente; 6- Imergir o pano de limpeza no balde com solução detergente etorcer; 7- Limpar a tampa externa do aparelho com opano; 8- Passar o outro pano com água limpa na tampa externa do aparelho e remover toda a solução detergente; 9- Secar com pano limpo; 10- Retirar o filtro do aparelho; 11- Proceder a limpeza do filtro conforme orientações do fabricante; 12- Recolocar o filtro no aparelho. 13- Recolocar a tampa externa do aparelho. 14- Ligar o aparelho de ar condicionado na tomada. 15- Limpar o material de trabalho e guardar em local adequado. Observação: - Este procedimento deverà ser feito quinzenalmente. 17
  • 18. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP - 012 Data da validação: 30/09/2015 Data da Revisão: 30/09/2015 TÉCNICA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DO BEBEDOURO EXECUTANTE: Auxiliar de serviços gerais ÁREA: Higienização, desinfecção e esterilização OBJETIVO: Visa remover poeira e substâncias aderidas no bebedouro, com o objetivo de evitar a contaminação da água. Passos: 1- Separar o material necessàrio: · 2 baldes · 3 panos de limpeza · escova para reentrâncias · água · detergente líquido · touca · botas · luvas de autoproteção · àlcool a 70% 2- Colocar o EPI; 3- Desligar o bebedouro da tomada; 4- Encher metade dos dois baldes, um com água e outro com água e detergente; 5- Imergir o pano de limpeza no balde com solução detergente e torcer; 6- Passar o pano no bebedouro, fazendo movimentos retos, sempre de cima para baixo; 7- Molhar a escova no balde com solução detergente; 8- Utilizar a escova para lavar ao redor do dispositivo de saída da água e o acionador de água; 9- Passar o outro pano com água limpa no bebedouro e remover toda a solução detergente; 10 - Friccionar àlcool a 70% ao redor do dispositivo de saída de água , acionador de água e local de escoamento de água. Repetir o procedimento 3 vezes; 11- Ligar o bebedouro na tomada; 12- Limpar o material de trabalho e guardar em local adequado. Observação: - Este procedimento deverà ser realizado diariamente e sempre que necessàrio. 18
  • 19. 2 TÉCNICA DE ESTERILIZAÇÃO QUÍMICA DE MATERIAIS Antes da desinfecção ou esterilização de qualquer tipo de material é fundamental que seja realizada uma adequada limpeza, para que resíduos de matéria orgânica que possam ficar presentes nos materiais não interfiram na qualidade dos processos de desinfecção e esterilização. A limpeza dos materiais pode ser realizada através de métodos mecânicos, físicos ou químicos. Durante a limpeza mecânica é fundamental uma vigorosa escovação dos materiais, com auxílio de sabão e escovas de diferentes formatos. As escovas também devem sofrer processo de limpeza e desinfecção. Para uma adequada descontaminação, as escovas podem ser mergulhadas em hipoclorito de sódio a 1%, em recipiente plástico, durante 30 minutos, posteriormente enxaguadas e secas (em cima da estufa, por exemplo). Devem ser mantidas secas. Devem ser utilizadas barreiras de proteção pelo profissional que exerce a limpeza dos materiais, através de luvas de borracha grossas e de cano longo, máscaras e óculos de proteção, em situações de possibilidade de espirramento de secreções. Os materiais devem ser devidamente enxaguados e secos após sua limpeza. As compressas ou panos utilizados para secar o material devem ser somente para este fim e devem ser substituídos freqüentemente. Processos químicos também podem auxiliar na limpeza dos materiais, como por exemplo, através do uso de desencrostantes, soluções enzimáticas ou aparelhos de ultra- som, que auxiliam na remoção de matéria orgânica.Podem ser utilizadas soluções anti- ferrugem em instrumentais e materiais metálicos, para aumentar a vida útil dos mesmos. A desinfecção de instrumentais odontológicos geralmente é recomendada para os materiais termossensíveis, que não possam ser esterilizados em estufa ou autoclave, e para aqueles artigos com urgência de utilização. DESINFECÇÃO: classificação MÉTODOS E SOLUÇÕES GERMICIDAS Desinfecção de baixo nível: são destruídas as bactérias em forma vegetativa, alguns vírus e alguns fungos. O Mycobacterium tuberculosis, os esporos bacterianos ,o vírus da Hepatite B (HBV) e os vírus lentos sobrevivem. Álcool etílico e isopropílico Hipoclorito de Sódio (100ppm) Fenólicos Iodóforos* Quaternário de amônia obs.: tempo de exposição< ou= a 10 19
  • 20. minutos. Desinfecção de médio nível: além dos microorganismos destruídos na desinfecção de baixo nível são atingidos o Mycobacterium tuberculosis, a maioria dos vírus (inclusive o HBV)e a maioria dos fungos. Ainda sobrevivem os Mycobacterium intracelulare, os esporos bacterianos e os vírus lentos. Álcool etílico e isopropílico (70 a 90%) Fenólicos Iodóforos* Hipoclorito de Sódio (100ppm) Pasteurização 75o C a 30 minutos. Obs.: depende da concentração e/ou período de exposição. Desinfecção de alto nível: resistem apenas alguns tipos de esporos bacterianos mais resistentes e os vírus lentos. - Glutaraldeído - Solução de Peróxido de Hidrogênio - Hipoclorito de sódio (1000 ppm) - Cloro e compostos clorados - Ácido peracético. -Orthophtalaldeído. - Água super oxidada - Pasteurização 75o C a 30 minutos. Obs.: Tempo de exposição >ou= 20 minutos. A desinfecção e/ou esterilização através de agentes químicos muitas vezes não se apresenta como um método seguro e confiável devido às interferências pertinentes ao uso de desinfetantes e suas dificuldades durante o processo, referentes à possibilidade de inadequada desinfecção ou recontaminação do material. 2.1 RECOMENDAÇÕES ADEQUADAS NA UTILIZAÇÃO DO GLUTARALDEÍDO A 2%  A solução de glutaraldeído, após ativada, deve ser colocada dentro de caixas plásticas fechadas. Não devem ser utilizadas caixas metálicas, nem devem ser misturados instrumentos de diferentes tipos de metais dentro da solução, pelo risco de causar ferrugem.  A validade da solução após sua ativação será de 14 ou 28 dias, dependendo da marca de glutaraldeido que for comprada. A solução ativada de glutaraldeído deve ser identificada quanto ao seu prazo de validade. Preferentemente utililizar marcas de glutaraldeído que venham acompanhadas de fita para verificação da sua concentração. A concentração deve ser verificada diariamente e o glutaraldeído deve 20
  • 21. ser desprezado se sua concentração estiver abaixo de 1 a 1.5%, mesmo antes dos 14 ou 28 dias.  Este agente químico é bastante tóxico, por isto deve ser utilizado máscara com filtro de carvão ativado e luvas para proteção do profissional que estiver manuseando a solução. A máscara deve ser de uso individual e deve ser trocada quando danificada ou com o filtro gasto.  A caixa deve ser mantida sempre fechada, para evitar a evaporação do desinfetante e toxicidade.  Os materiais devem ser limpos antes de colocados em solução de glutaraldeído, pois este desinfetante não tem capacidade de penetração na matéria orgânica (sangue, saliva, pus, gordura, etc...), além de cristalizar estes resíduos orgânicos, tornando mais difícil sua remoção.  Os materiais devem ser colocados em solução previamente secos, para evitar a diluição do desinfetante (o que poderia diminuir o seu tempo de ação).  Os materiais devem ficar completamente mergulhados dentro da solução, para uma ação efetiva.  O glutaraldeído tem ação desinfetante em 20 a 30 minutos e ação esterilizante em 8 horas. Portanto, os materiais devem permanecer mergulhados na solução durante o tempo exato para se atingir o objetivo final do processo. Não deixar o material dentro da solução por tempo demasiado, pelo risco de danificar o material, sem necessidade.  Devido a sua toxicidade, os materiais devem ser bastante enxaguados após o tempo de desinfecção ou esterilização. Os materiais devem preferentemente ser enxaguados com água destilada estéril e secos com compressa estéril.  O armazenamento dos materiais tratados em glutaraldeído deve ser em recipientes fechados e estéreis, por exemplo, cubetas metálicas esterilizadas, ou em campos esterilizados e fechados.  O tempo de validade dos materiais que sofreram este processo não é muito garantido, portanto o ideal seria utilizar o material logo após a desinfecção ou esterilização. 2.1.1 Glutaraldeído  Aplicação e indicação: desinfetante de alto nível. Mais utilizado para tratamento de materiais termo sensíveis.  Ação germicida: alteração do RNA, DNA e síntese protéica. 21
  • 22.  Tempo: tempo de exposição conforme orientação do fabricante. Pode variar de poucos minutos, quando é ativo contra a maior parte dos vírus até 10 horas quando tem sua maior ação contra formas esporuladas. Sua ação contra mycobacterias requer no mínimo 20 minutos em concentração não inferior a 2%.  Esterilização a frio: variação segura de no mínimo 8 horas a 10 horas conforme orientação do fabricante.  Apresentação: solução ácida e básica.  Concentração para compra: no mínimo 2%. Exigir laudo do Ministério da Saúde.  Especificidades do método de utilização para artigos específicos:  Limpeza de endoscópios e outros materiais longos com lume de difícil higienização: utilizar detergente enzimático para auxiliar na efetiva remoção de sujidade .  Controle da utilização : Para instrumentos reutilizados e inseridos diretamente na árvore traqueobrônquica : utilizar solução recém ativada ou utilizar fita teste para medir a concentração de Glutaraldeído e utilizar apenas se concentração estiver a 2% ou mais.  Nomes comerciais: Cidex ® (Jonhson & Jonhson), Glutacide ®(Ceras Jonhson), Glutalabor ®. 2.1.2 Álcool  Ação: ruptura da membrana celular e rápida desnaturação das proteínas com subsequente interferência no metabolismo e divisão celular.  Espectro de ação: rápido e amplo espectro de ação contra bactérias vegetativas, vírus e fungos, mas não é esporicida.  Apresentação mais freqüente: álcool etílico e álcool isopropílico.  Concentração: entre 60 e 90%, sendo que abaixo de 50% sua atividade diminui bastante.  Compatibilidade com materiais: mais indicado para superfícies externas dos materiais e superfícies de vidro. Embora utilizado como secante em instrumentos óticos, pode danificar o cimento das lentes. Resseca plásticos e borrachas quando utilizado repetidas vezes ao longo do tempo. Opacifica material acrílico.  Características da ação: como evapora rapidamente sua ação é limitada, havendo necessidade de submersão de objetos para uma ação mais ampla. 2.1.3 Hipoclorito de Sódio  Aplicação: quanto maior a concentração e/ou o tempo maior o espectro de ação, podendo ser utilizado como desinfetante de baixo a alto nível. 22
  • 23.  Espectro de ação: tem amplo espectro de ação, chegando a ter ação sobre esporos de B. subtillis. Atua a concentrações tão baixas como 25 ppm para microorganismos mais sensíveis. Mais usualmente utilizada em concentração de 1000 ppm.  Características: é o desinfetante mais amplamente utilizado. Apresenta ação rápida e baixo custo. Bastante instável e inativado por matéria orgânica.  É considerado como prejudicial ao ambiente.  Compatibilidade com materiais: é bastante corrosivo, principalmente de metais e tecidos de algodão e sintéticos.  Aplicação: dependerá da concentração. Basicamente utilizado em superfícies fixas. Embora possua algumas recomendações para materiais de terapia respiratória os resíduos de cloro, principalmente com o uso prolongado se tornam impedimento. Altamente utilizado e recomendado para tratamento de tanques e tratamento de água.
  • 24. REFERÊNCIAS BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Normas Técnicas. Normas para Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde, Brasília, 1994.144p.1-Arquitetura Hospitalar. BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria Nacional de Assistência à Saúde. Processamento de Artigos e Superfícies em Estabelecimentos de Saúde, 2ª edição, Brasília, 1994.50p. BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal. COPAGRESS. Manual de Gerenciamento de Resíduos e Serviços de Saúde de Belo Horizonte – MG. 1999, 55p BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal, Secretaria Municipal de Saúde. Projeto sobre Central Distrital de Esterilizaçãoe Serviço Distrital de Processamento de Roupa.Comissão Técnica de Elaboração. Belo Horizonte, 1989. 23