CONGRESSO BRASILEIRO DO AÇO E EXPOAÇO 2011JOSÉ SERGIO GABRIELLI DE AZEVEDO - PRESIDENTESÃO PAULO, 2 DE JUNHO DE 20...
AVISO Estas apresentações podem conter previsões acerca de Aviso aos Investidores Norte- eventos futuros. Tais pre...
DE UMA EMPRESA DE ABASTECIMENTO, A PETROBRAS TORNOU‐SE UMA EMPRESA INTEGRADA E EQUILIBRADA ...
PRODUÇÃO CRESCENTE SUPORTADA POR DESCOBERTAS Produção Total da Pet...
CRONOGRAMA DOS PRINCIPAIS PROJETOS DE2010‐2014 Canapu Canapu Uruguá/Tambaú ...
ESTRUTURA DE CUSTO DA INDÚSTRIA ‐ NAVIO PETROLEIRO 15 % Administração ...
PERFIL DOS ESTALEIROS • Estaleiros Nacionais ‐> 269 empreendimentos ...
NOVAS EMBARCAÇÕES E AQUISIÇÃO DE NOVOS EQUIPAMENTOS ...
PROMEF 1. Construir navios no Brasil.  2. Alcançar nível mínimo de conteúdo nacional (65% ‐ 1ª...
EBN1 e EBN2 Classe de Navios Número de Navios Entrega Escuros 40‐45.000 DWT ...
DEMANDAS DE MATERIAIS ‐ PLANO DE NEGÓCIOS 2010‐2014Demanda anual por SKU Ton Chapas de Aço 2 MM Ton ...
PRINCIPAIS DEMANDAS DE AÇO DA PETROBRAS Item                                           Especificação ...
PRINCIPAIS DEMANDAS DE AÇO Demandas de equipamentos * (2010‐14) ...
OS PETRÓLEOS NACIONAIS SÃO TRADICIONALMENTE MAIS ÁCIDOS QUE OS DE OUTRAS REGIÕES Os óleos produzidos no Pré‐Sal ser...
DESAFIOS NA SELEÇÃO DE MATERIAIS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO SIDERURGIA – CHAPAS DE AÇO CARBONO 1 Aço Carbon...
PREÇOS DO AÇO NO BRASIL ENCONTRAM‐SE COM VALORIZAÇÃO ACIMA DO REFERENCIAL GLOBAL DEVIDO À VALORIZAÇÃO CAMBIAL PÓS‐CRISE FI...
TEMAS ESTRATÉGICOS Desafio ...
DESAFIOS DE RECURSOS HUMANOS 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 ...
19
of 19

Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação para o Congresso Brasileiro do Aço e Expoaço 2011

Published on: Mar 4, 2016
Published in: Investor Relations      Business      Entertainment & Humor      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Apresentação para o Congresso Brasileiro do Aço e Expoaço 2011

  • 1. CONGRESSO BRASILEIRO DO AÇO E EXPOAÇO 2011JOSÉ SERGIO GABRIELLI DE AZEVEDO - PRESIDENTESÃO PAULO, 2 DE JUNHO DE 2011 1
  • 2. AVISO Estas apresentações podem conter previsões acerca de Aviso aos Investidores Norte- eventos futuros. Tais previsões refletem apenas Americanos: expectativas dos administradores da Companhia sobre condições futuras da economia, além do setor de A SEC somente permite que as companhias de óleo atuação, do desempenho e dos resultados financeiros da e gás incluam em seus relatórios arquivados reservas Companhia, dentre outros. Os termos “antecipa", provadas que a Companhia tenha comprovado por "acredita", "espera", "prevê", "pretende", "planeja", produção ou testes de formação conclusivos que "projeta", "objetiva", "deverá", bem como outros termos sejam viáveis econômica e legalmente nas condições similares, visam a identificar tais previsões, as quais, econômicas e operacionais vigentes. Utilizamos evidentemente, envolvem riscos e incertezas previstos ou alguns termos nesta apresentação, tais como não pela Companhia e, consequentemente, não são descobertas, que as orientações da SEC nos garantias de resultados futuros da Companhia. Portanto, proíbem de usar em nossos relatórios arquivados. os resultados futuros das operações da Companhia podem diferir das atuais expectativas, e o leitor não deve se basear exclusivamente nas informações aqui contidas. A Companhia não se obriga a atualizar as apresentações e previsões à luz de novas informações ou de seus desdobramentos futuros. Os valores informados para 2011 em diante são estimativas ou metas. Estas apresentações possuem caráter meramente informativo, não constituindo uma oferta, convite ou solicitação de oferta de subscrição ou compra de quaisquer valores mobiliários no Brasil ou em qualquer outra jurisdição e, portanto, não devem ser utilizadas como base para qualquer decisão de investimento. 2
  • 3. DE UMA EMPRESA DE ABASTECIMENTO, A PETROBRAS TORNOU‐SE UMA EMPRESA INTEGRADA E EQUILIBRADA 124% Produção em % do refino 132% 110% 13% 2.980 3.950 1.971 2.356 3.196 kbpd 1.791 1.933 2.260 2.794 1.393 1.036 181 1980 2009 2014E 2020E Produção Volume processado Demanda de derivados A produção de petróleo e a demanda do mercado brasileiro, atualmente, ultrapassam a capacidade  de refino Em 2014, as exportações estão projetadas a alcançar quase 1 milhão bpd, mesmo enquanto a  capacidade de refino está sendo expandida para atender a demanda de processamento da  produção brasileira  3
  • 4. PRODUÇÃO CRESCENTE SUPORTADA POR DESCOBERTAS Produção Total da Petrobras (mil bpd) to 5.382 en escim ia  de Cr ax a Méd 4,5% p.y. a.a. 7,6% T 120 3.907 203 1.109 2.583 128 2.217 176 101 623 1.809 96 144 22 163 334 3.950 35 252 274 2.980 1.500 1.684 2.004 1,078 1.078 241 241 Pré-Sal Pre‐Salt 2002 2005 2010 ... 2014 ... 2020 Produção de Petróleo - Brasil Produção de Gás - Brasil Produção de Petróleo - Internacional Produção de Gás - Internacional Total de Reservas Petrobras (bln boe) ‐ SPE Critério 5.000 Estimativas  • 18º ano consecutivo de incorporação de  mais elevadas novas reservas (229% em 2010) 9.600 • R/P = 18,4 anos (critério SPE) Estimativas  mais baixas  8.100 29.000‐31.000 14.913 15.986 12.131Reservas Provadas 2002 Reservas Provadas 2005 Reservas Provadas 2010 Pontencial recuperável (Lula,  Cessão onerosa Total  de Recursos Cernambi, Iara, Guará e  Parque das Baleias) 4
  • 5. CRONOGRAMA DOS PRINCIPAIS PROJETOS DE2010‐2014 Canapu Canapu Uruguá/Tambaú Uruguá/Tambaú FPSO Cidade de FPSO Cidade de Santos Santos 35.000bpd Mexilhão Mexilhão Baleia Azul Baleia Azul 35.000bpd FPSO Cid. de FPSO Cid. deMil bpd Guará TLD Guará TLD Marlim Sul Anchieta Anchieta Produção Dinâmica Produção Dinâmica Marlim Sul 100.000 bpd 100.000 bpd Piloto de Guará Piloto de Guará 30.000 bpd 30.000 bpd SS P-56 SS P-56 FPSO FPSO 2.980 Module 3 Module 3 120.000 bpd Piloto de Tupi 120.000 bpd 2800 Piloto de Tupi 100.000 bpd 100.000 bpd Juruá/Araracanga Juruá/Araracanga Guará Norte Guará Norte Cidade de Angra dos Cidade de Angra dos FPSO FPSO Reis Reis Aruanã EWT Aruanã EWT Cidade Rio das Ostras 150.000 bpd 150.000 bpd 100.000 bpd 100.000 bpd Cidade Rio das Ostras 15.000 bpd 15.000 bpd Piloto de Lula NE Piloto de Lula NE Cachalote e Cachalote e FPSO FPSO 2400 Baleia Franca 120.000 bpd Cernambi Cernambi Baleia Franca Roncador 120.000 bpd Roncador FPSO FPSO FPSO Capixaba FPSO Capixaba SS P-55 SS P-55 150.000 bpd 150.000 bpd 100.000 bpd 100.000 bpd Módulo 3 Módulo 3 Roncador Roncador 180.000 bpd 180.000 bpd FPSO P-62 (Mod. 4) FPSO P-62 (Mod. 4) Parque das Parque das 2000 2.004 Lula NE TLD Lula NE TLD 100.000 bpd 100.000 bpd Baleias Carimbé TLD Carimbé TLD Tiro/Sidon Tiro/Sidon Baleias 30.000 bpd 30.000 bpd FPSO P-58 FPSO P-58 P-48 P-48 FPSO FPSO 24.000 bpd 100.000 bpd 100.000 bpd 180.000 bpd 180.000 bpd 24.000 bpd Carioca TLD Carioca TLD Papa-Terra Papa-Terra 15.000 bpd 15.000 bpd TLWP P-61 & TLWP P-61 & Guaiamá Guaiamá Jubarte Jubarte Aruanã Aruanã FPSO P-63 FPSO P-63 FPSO FPSO 1600 FPSO P-57 FPSO P-57 Cernambi (Iracema) Cernambi (Iracema) FPSO FPSO 150.000 bpd 150.000 bpd 100.000 bpd 100.000 bpd 180.000 bpd 180.000 bpd TLD TLD 100.000 bpd 100.000 bpd 15.000 bpd 15.000 bpd Tiro TLD Tiro TLD SS-11 Carioca NE TLD Carioca NE TLD 4 TLD 4 TLD 3 TLD 3 TLD 2 TLD 2 TLD SS-11 30.000 bpd 15.000 bpd 15.000 bpd Pré-sal Pré-sal Pré-sal Pré-sal Pré-sal Pré-sal 30.000 bpd 1200 2010 2011 2012 2013 2014 TLD = Teste de Longa Duração Óleo Intermediário/Pesado Pré‐sal Gás Natural  5
  • 6. ESTRUTURA DE CUSTO DA INDÚSTRIA ‐ NAVIO PETROLEIRO 15 % Administração 25 % Recursos Humanos 20 % Estrutura do Casco 60 % Aço e Perfis materiais 40 % Máquinas e Equipamentos - Navi peças Fonte: Sinaval 6
  • 7. PERFIL DOS ESTALEIROS • Estaleiros Nacionais ‐> 269 empreendimentos • Incluindo: • * 14 Plataformas de Produção • 2 Jack‐up  • 26 Navios do PROMEF 1 • 23 Navios do PROMEF 2  • 39 Navios (EBN1 e EBN2) * P-55; P-56 ;P-58 P-61 ;P-62; P-63; P-66; P-67; P-68; P-69; P-70; P-71; P-72; P-73 Fonte: Sinaval 2010 e Petrobras 180 80 Capacidade dos Estaleiros 70 Rio de Janeiro Rio Grande do Sul Pará São Paulo Pernanbuco 60Aço (mil ton/ano) Santa Catarina Ceará 50 40 30 20 10 0 En Rio els Br Eisa S ss D At  Gr jaí Ri It B ag e X  á en e it pe ça Ac M ú D e ip Al sil a M e vi s nt de W ure el ,  l ri ul on Oi S T au NA Son M c TW M ão  ind i‐R av es Ca SR av tro ua o  Ina Sh La igu a Su ian o a  S F lâ an ils n  av N Br rp as ico Ri Fonte: Sinaval Fonte: Sinaval - Abril de 2010 7
  • 8. NOVAS EMBARCAÇÕES E AQUISIÇÃO DE NOVOS EQUIPAMENTOS Plano de Entrega (a ser contratado) Situação Atual Valor Acumulado Recursos Críticos (Dez/10) 2013 2015 2020 Sondas de perfuração com profundidade 15 34 32 (1) 53 (2) acima de 2.000 m Embarcações especiais e de apoio 287 423 479 568 Plataformas de produção SS e FPSO 44 53 63 84 Outros (Jaqueta e TLWP) 79 81 83 85 Plataforma de Barco de apoio Sondas de Perfuração Produção (FPSO) 26 sondas contratadas, 28 a serem construídas até 2020 : construí até o Até 2013: 13 sondas contratadas antes de 2008 e uma sonda realocada de uma operação internacional *, + 12 novas sondas contratadas em 2008, através de licitação internacional; o 2013-2020: licitação em andamento, para contratar 28 sondas a serem construídas no Brasil. EAS ganhou a licitação para o primeiro pacote - construção e afretamento de sete sondas de perfuração a serem construídas no Brasil(1) O contrato da sonda realocada de operação internacional acaba em 2015, sendo assim não é considerada no valor acumulado de 2020(2) A demanda de longo prazo (2020) será ajustada conforme novas avaliações de demandas. 8
  • 9. PROMEF 1. Construir navios no Brasil.  2. Alcançar nível mínimo de conteúdo nacional (65% ‐ 1ª fase,  70% 2ª fase) 3. Proporcionar aos estaleiros condições necessárias para  garantir competitividade. US$ 4,2 Bilhões 2010‐14 Cronograma de Entrega 18 12 10 5 4 Promef 1 ‐ 23 navios Promef 2 – 26 navios (VLCC)Nota: navios a contratar 8 navios de ProdutosFonte: Transpetro 9
  • 10. EBN1 e EBN2 Classe de Navios Número de Navios Entrega Escuros 40‐45.000 DWT 3 Claros 40‐45.000 DWT 3 Navios em Escuros 30.000 DWT 2 construção: previsão de EBN 1 Claros 30.000 DWT 2 entrega entre Navios de bunker – AB<2.000 3 2011 e 2014. Navios de bunker – AB > 2.000 3 Gaseiros pressurizados 7.000 m3 3 Claros 60.000 a 80.000 DWT (5) Escuros 60.000 a 80.000 DWT(1) 6 Contratos Claros 40.000 a 45.000 DWT 4 assinados: previsão de EBN 2 Escuros 40.000 a 45.000 DWT 4 entrega entre Escuros 18.000 DWT 2 2013 e 2017. Gaseiros – 12.000 m3 2 Gaseiros – 8.000 m3 2 Total ‐ Escuros 12 Total ‐ Claros 14 Total ‐ Bunker 6 39 navios Total ‐ Gaseiros 7 10Fonte: Petrobras (AB-LO)
  • 11. DEMANDAS DE MATERIAIS ‐ PLANO DE NEGÓCIOS 2010‐2014Demanda anual por SKU Ton Chapas de Aço 2 MM Ton Ton Barras de Aço 58.000 Ton Chapas Barras de Aço Ton Forjados 16.200 Ton Ton Fundidos 74.000 Ton Forjados FundidosFonte: Prominp SKU - Stock Keeping Unit 11
  • 12. PRINCIPAIS DEMANDAS DE AÇO DA PETROBRAS Item                                           Especificação Demandas de aço 2011‐2015 * Aço Estrutural: ASTM Plataformas A‐131 756.000 t     AH‐36/DH‐36/EH‐36 Grau A Embarcações de Apoio ASTM: A‐131 AH‐32 AH‐36;EH‐32; EH‐36 282.776 t Casco de Navios Grau A ASTM:  A‐131; AH‐32;  AH‐36; EH‐32; EH‐36 600.000 t Grande Porte Aço Estrutural: Sondas ASTM: A‐131; AH‐36/DH‐36; EH‐37 500.000 t Equipamentos Carbono ‐ Liga ‐ Inox 502.384 t ASTM ‐ A‐178 ; A‐179; A‐192; Tubos de Condução A‐214; A‐106 ;A‐333  2.291.430 t   A‐335; API 5L gr. diversos Tubos de Produção e    API: 5CT; 5L; Cr‐13 746.340 t Revestimento Super Duplex Total 5.678.930 t 12* Demanda de aço calculada, usando como referência o PN 2010-14
  • 13. PRINCIPAIS DEMANDAS DE AÇO Demandas de equipamentos * (2010‐14) Item Demanda anual por família Válvulas 950.000 t     Bombas 19.200 t Trocadores de Calor 4.100 t Compressores 3.400 t Demandas de componentes * (2010‐14) Item Demanda anual por família Parafusos 8,7 milhões un Gaxetas 685 mil un * Demanda de aço calculada, usando como referência o PN 2010-14 Fonte: PROMINP 13
  • 14. OS PETRÓLEOS NACIONAIS SÃO TRADICIONALMENTE MAIS ÁCIDOS QUE OS DE OUTRAS REGIÕES Os óleos produzidos no Pré‐Sal serão mais difíceis, pelo  alto teor de gás carbônico, além do sal. Resistência mecânica  Tubos com alta  sem perda de  Resistência à Corrosão resistência ao colapso flexibilidade • Corrosão por Cloretos e  Oxigênio • Corrosão pelo H2S • Biocorrosão (BRS) • Corrosão pelo CO2 • Corrosão Bacteriológica • Interação Corrosão‐Fadiga • Corrosão‐Erosão • Corrosão sob tensão • Fragilização pelo  Hidrogênio Aços Martensíticos Aço Carbono Tubos com costura Tubos sem costura e Supermartensíticos 14
  • 15. DESAFIOS NA SELEÇÃO DE MATERIAIS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO SIDERURGIA – CHAPAS DE AÇO CARBONO 1 Aço Carbono Propriedades mecânicas elevadas Resistente à corrosão por CO2 e H2S Espessuras até 40 mm; 2 Aços Martensíticos e Supermartensíticos Elevado teor de Cromo Aplicação em tubos de produção de poços de petróleo e gás. INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO 3 Adequar as instalações para produção de tubos com costura com espessuras até 40  mm e com propriedades mecânicas elevadas; 4 Capacitação para a produção de tubos sem costura, fabricados em aços  martensíticos e supermartensíticos, aplicados na produção de poços de petróleo e  gás (Tubos OCTG). 15
  • 16. PREÇOS DO AÇO NO BRASIL ENCONTRAM‐SE COM VALORIZAÇÃO ACIMA DO REFERENCIAL GLOBAL DEVIDO À VALORIZAÇÃO CAMBIAL PÓS‐CRISE FINANCEIRA DE 2008Preço  do aço refere‐se à Bobina Laminado a QuenteFonte: Bloomberg / SBB 16
  • 17. TEMAS ESTRATÉGICOS Desafio O conteúdo local é parte  Aumentar o  da avaliação da Agência  Conteúdo  Nacional de Petróleo Local Temas Estratégicos Qualificação Política Industrial Desempenho Industrial Qualificação Capacidade Financiamento Regulação Sustentabilidade Competitividade Tecnológica Industrial Estímulo a micro  Segurança,  Qualificação Política Fiscal e pequenas  Meio Ambiente Profissional empresas e Saúde Carteira de Projetos do Prominp E&P TM Abastecimento GP&Dutos IP&G Meio Ambiente Tecnologia 17
  • 18. DESAFIOS DE RECURSOS HUMANOS 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 Plano de negócios 2008 – 2012 28 Sondas de perfuração 146 barcos de apoio Novas unidades de produção fixas Promef II Afretamento de 19 navios Refinaria Premium II Refinaria Premium I Replanejamento COMPERJ e RNEST Novos projetos 78.402 Profissionais Qualificados 212.638 Novas Demandas Plan.Neg. 2010-14Fonte: Prominp 18
  • 19. 19

Related Documents