Problemas de profesores principiantes en sus procesos de inserción profesional
INFORMES DE INVESTIGACIÓN
NARRATIVAS DE PRO...
pesquisadoras num diálogo com autores que abordam o uso da narrativa na pesquisa e
os anos iniciais da docência. No trabal...
Com o intuito de apresentar uma nova interpretação, novos direcionamentos, ou outros
direcionamentos para a compreensão do...
Os fins do trabalho docente, ou seja, os objetivos por meio das várias dimensões que o
trabalho do professor tem, também s...
tias professoras, que cursou o Magistério e a Pedagogia, cumprindo seus respectivos
estágios, levanta um aspecto da realid...
mas na comunidade e no lar e era para isso que ele se esforçava. A isso, o autor ressalta
a necessidade de ouvirmos “as pr...
Pudim (Entrevista Narrativa, 16 dez. 2011), quando iniciou em Jundiaí, entrou no lugar de
uma professora da escala rotativ...
“acontecimento”, algo que independe de “meu saber, nem de meu poder, nem de minha
vontade”, é exterior à pessoa. E pelo fa...
com as colegas de profissão – a coordenadora Trufa, a Ne e demais professoras, que
socializaram com ela a prática da escol...
Goodson, Ivor F.. Dar voz as histórias de vida dos professores e o seu desenvolvimento
profissional. In: Nóvoa, António. V...
of 10

NARRATIVAS DE PROFESSORES SOBRE O INÍCIO DE CARREIRA

Os dados e as análises utilizados neste trabalho referem-se ao recorte de uma pesquisa, da primeira autora, que teve como foco nas trajetórias estudantis e profissionais de professoras que atuam nos anos iniciais do ensino fundamental, a partir daquilo que elas narram. A pesquisa foi realizada com dez professoras que atuam do primeiro ao terceiro ano do ensino fundamental em uma mesma escola da de uma cidade do estado de São Paulo/Brasil. A documentação da pesquisa foi constituída de: entrevistas narrativas textualizadas (Jovchelovitch; Bauer, 2005); e devolvidas às professoras entrevistadas; transcrição das audiogravações de dois encontros do grupo de discussão (Weller, 2006), os quais tomaram como questões centrais os temas considerados convergentes nas entrevistas narrativas; diário de campo da pesquisadora, produzido após cada entrevista e cada encontro do grupo; e registros das professoras, quando devolveram as transcrições das entrevistas para a pesquisadora via e-mail. Para esta comunicação será apresentada parte de uma das categorias de análise: a constituição profissional: ser professora. Discutiremos a questão: o que leva cada professora a se manter na profissão docente? A partir dessa questão, delimitamos o seguinte objetivo: buscar indícios das experiências marcantes no início de carreira docente e os processos de inserção profissional.
Published on: Mar 3, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - NARRATIVAS DE PROFESSORES SOBRE O INÍCIO DE CARREIRA

  • 1. Problemas de profesores principiantes en sus procesos de inserción profesional INFORMES DE INVESTIGACIÓN NARRATIVAS DE PROFESSORES SOBRE O INÍCIO DE CARREIRA BOLOGNANI, Marjorie Samira Ferreira marjonet@gmail.com Instituição Universidade São Francisco BERNARDO, Renata brenatta@gmail.com Instituição Universidade São Francisco Palavras-chave: anos iniciais da docência – entrevistas narrativas – formação de professores. Os dados e as análises utilizados neste trabalho referem-se ao recorte de uma pesquisa, da primeira autora, que teve como foco nas trajetórias estudantis e profissionais de professoras que atuam nos anos iniciais do ensino fundamental, a partir daquilo que elas narram. A pesquisa foi realizada com dez professoras que atuam do primeiro ao terceiro ano do ensino fundamental em uma mesma escola da de uma cidade do estado de São Paulo/Brasil. A documentação da pesquisa foi constituída de: entrevistas narrativas textualizadas (Jovchelovitch; Bauer, 2005); e devolvidas às professoras entrevistadas; transcrição das audiogravações de dois encontros do grupo de discussão (Weller, 2006), os quais tomaram como questões centrais os temas considerados convergentes nas entrevistas narrativas; diário de campo da pesquisadora, produzido após cada entrevista e cada encontro do grupo; e registros das professoras, quando devolveram as transcrições das entrevistas para a pesquisadora via e-mail. Para esta comunicação será apresentada parte de uma das categorias de análise: a constituição profissional: ser professora. Discutiremos a questão: o que leva cada professora a se manter na profissão docente? A partir dessa questão, delimitamos o seguinte objetivo: buscar indícios das experiências marcantes no início de carreira docente e os processos de inserção profissional. A literatura aponta para a importância dos anos iniciais da carreira, pois eles são determinantes para a permanência ou não na docência, bem como a forma como o professor vai enfrentar os desafios postos pela prática docente. São apresentados os casos das professoras, evidenciando o trabalho docente e a formação de cada uma delas. Os casos serão apresentados considerando dois momentos significativos das narrativas das professoras: o ingresso na profissão docente; e a reprodução de práticas vivenciadas. Esses momentos serão tecidos com as reflexões teóricas das
  • 2. pesquisadoras num diálogo com autores que abordam o uso da narrativa na pesquisa e os anos iniciais da docência. No trabalho as professoras são identificadas por pseudônimo de doces conforme a escolha das participantes. Também apresentaremos uma reflexão sobre os referenciais teóricos sobre o tema. O ingresso na profissão docente: No que se refere à pesquisa sobre a profissionalização, escolhas e mundo do trabalho que esteja atrelado aos profissionais no início de carreira docente aponta-se para um caminho árduo que ainda precisa ser trilhado para que as fronteiras, as possibilidades e os limites desta investigação. Saujat (2004) aponta que as pesquisas sobre formação de professores e as mudanças dos paradigmas relacionados à pesquisa no campo da educação que se iniciaram a partir de 1970, passando por outros paradigmas em 1980, delinearam dispositivos que cercam o campo da pesquisa em educação a partir das modificações nestas décadas e também a partir de 1990 e 2000, apontando para o conceito de profissionalidade que consiste no homem (professor) se tornando professor a partir da ação de sua profissão. Em relação à profissão docente Tardif e Lessard (2005, p. 16) apontam para um novo paradigma que se consolida nos estudos para a pesquisa da formação docente, considerando-a atividade de interação dentre as relações humanas, sendo a constituição da profissão docente marcada pelas tensões e confrontações / contradições do tempo e espaço em que esta inserida. Nos tempos atuais é inegável que se percorre um processo de transformação da concepção do trabalho docente, reflexão que passa pela concepção de grupo de coletividade e de campo de trabalho e de acordo com o autor “[...] longe de ser uma ocupação secundária ou periférica em relação à hegemonia do trabalho material, o trabalho docente constitui uma das chaves para a compreensão das transformações atuais da sociedade do trabalho” (Tardif, Lessard, 2005, p. 23), trazendo novas perspectivas de se compreender o trabalho docente, sua investigação, compreensão e aperfeiçoamento, não deixando de lado as interferências culturais, humanas e sociais pelas quais as sociedades passam. Placco e Souza (2006) em estudo sobre a aprendizagem do professor destacam que, existem fatores internos e externos que influenciam no desempenho docente, sendo que, as motivações internas residem no “desejo, interessem compromisso, necessidade, curiosidade, disciplina, gosto pelo que se faz, dimensionamento da tensão, preconceito, teimosia, emoções, vínculo, entusiasmo, alegria, euforia e determinação”, enfatizando que todas elas contribuem para o aperfeiçoamento e formação continuada do professor, não dispensando as motivações externas, pontuando-as como, [...] ajuda mútua, organização e sistematização da situação e do conteúdo, exigência de rigor, diversidade de campos de atuação, amplitude e profundidade exigidas, natureza do conhecimento, desafio permanente, contexto sóciopolítico-pedagógico, respeito à diversidade cultural [...] (p. 18). Contudo, é importante ressaltar que, atualmente, existem várias frentes e olhares que cercam o que contemplam o trabalho docente como objeto de pesquisa perpassando pela aprendizagem do professor, formação em formação, formação acadêmica, cotidiano de trabalho, enfim, um arcabouço de possibilidades para a compreensão do trabalho docente.
  • 3. Com o intuito de apresentar uma nova interpretação, novos direcionamentos, ou outros direcionamentos para a compreensão do trabalho do professor Machado (2007) abarca discussão das concepções que tratam do trabalho docente, como objeto de estudo, principalmente o desenvolvimento destas concepções, pontuando e questionando o conceito de trabalho com a ideia da investigação do conceito utilizado na pesquisa em educação para a superação do próprio conceito para o desenvolvimento de um olhar crítico e afinado na produção e metodologia da ciência. A autora ao discutir as pré-noções sobre o trabalho considerou-se os diferentes significados dados para o conceito de trabalho apontando para a importância das relações sociais e históricas na construção do discurso em relação ao trabalho e na própria construção e conformação da palavra trabalho, aponta para as múltiplas significações do termo. Para isso, Machado (2007) aborda também que os processos históricos constituintes dos significados do termo “trabalho” trazendo um panorama desde a antiguidade traçando os aspectos e conotações negativas e positivas construídas para o termo “trabalho” apontando que a partir do século XVIII com a produção industrial, a idéia de trabalho ganha outras proporções, neste sentido, a apropriação do termo pode ser considerada pelo viez marxista que traz significações distintas para o que é “verdadeiro trabalho” e “trabalho alienado”, apontando que o “verdadeiro trabalho” “[...] seria aquele que engaja a totalidade do humano e potencializa o desenvolvimento de suas capacidades” (p. 84), abordando o trabalho intelectual não produtor de bens materiais mas como objeto legítimo de estudo chamando atenção para as novas orientações para a compreensão do trabalho nos tempos atuais, onde a linguagem tem papel de destaque nas suas relações e a comunicação apresenta-se como palavra de ordem, privilegiando o estudo da linguagem nas situações de trabalho. Ao aprofundarmos nas pesquisas relacionadas à profissão docente teremos outros apontamentos. Lembro-me de um trabalho de pesquisa de uma colega do Mestrado em que o estudo vinculado às teorias da História Cultural, analisou diversos livros autobiográficos de professoras, mulheres professoras do início do século XX e o que se tem como narrativa, não é uma relação virtuosa nem com a profissão muito menos com os alunos. Há relatos da incomodo de lidar com crianças, com a “burrice” das crianças e da necessidade daquele trabalho para a sobrevivência, desconstruíndo assim concepções ligadas ao gênero feminino com afinidades evoluídas ao trabalho docente. Portanto, reafirmamos a importância das colocações acima para o direcionamento da análise dos dados coletados nesta pesquisa, que segue, e para o condicionamento da formação de um corpus delimitado de campo de pesquisa que vem a ser o trabalho docente. Para analisar os dados obtidos a partir das respostas e das narrativas da pesquisa em questão e os elementos que cercam o trabalho docente, apoiamo-nos principalmente nas produções de Tardif e Lessard (2005) que tratam de questões pontuais do trabalho docente. Tardif e Lessard (2005) indicam vários elementos que desenham o que é o trabalho do professor como a carga de trabalho, as condições de trabalho do professor no cotidiano a escola, as várias ações e tarefas realizadas no dia a dia pelos docentes, enfim, abarcam diversas nuances do trabalho docente para melhor compreendê-lo.
  • 4. Os fins do trabalho docente, ou seja, os objetivos por meio das várias dimensões que o trabalho do professor tem, também são indicadores de como este trabalho é exercido e por meio de quais processos de interação se constitui como a jornada de trabalho do professor e as diferentes formas de trabalho coletivo entre os professores, como o tempo e o cotidiano do trabalho do professor, a organização diária, enfim o trabalho docente é complexo e pressupõe um entendimento amplo, assim, “[...] quando nos aprofundamos mais especificamente nas atividades que preenchem concretamente as grandes unidades precedentes, descobrimos que as rotinas e os ritmos escolares não são mais suficientes para explicar o trabalho docente” (Tardif, Lessard, 2005, p. 169). Neste sentido as questões propostas para os sujeitos desta pesquisa perseguem o início do trabalho como professor, as maiores dificuldades enfrentadas, o relacionamento entre pares, com os colegas de trabalho, chefia e com os alunos; quais os elementos motivacionais para sua atuação, entre outros. O ingresso na profissão docente nas vozes das professoras: Fiz o estágio e a professora gostou muito do meu trabalho e no ano seguinte, ela me atribuiu uma classe. Eu comecei com uma classe especial, montadinha pra mim, só com aluno problema, os que não aprendiam. Foi o meu desafio. Quando ela me entregou a classe, falou que era um teste, pra eu ver se eu ia gostar da profissão. (Beijinho, Entrevista Narrativa, 20 out. 2011). Ao falarem do ingresso no Magistério, as entrevistadas ocuparam um tempo maior para narrar. Como podemos ver nesse pequeno excerto tirado da narrativa de Beijinho, são vários pontos que o tema suscitará para a análise. Ao textualizar o material produzido nas entrevistas, percebemos que, ao relatarem seu ingresso no Magistério, as professoras narravam, na maioria das entrevistas, um processo de transformação que será analisado posteriormente. As professoras apresentaram algumas peculiaridades, por exemplo, Cocadinha era respeitada pelos alunos e até ganhava verduras, como veremos a seguir. Mas, na maior parte da narrativa, observam-se as características de uma realidade comum aos ingressantes na profissão, mesmo não sendo citada por todas. Foram afirmações que, pela recorrência, se tornam atributos da profissão: o choque com a realidade; a equipe gestora; a família; a relação com os alunos/ a classe atribuída; a itinerância e/ ou a substituição; os recursos; as expectativas; o conhecimento que vale mais que outro; a escola em que atua hoje; o descontentamento causado pela insuficiência do conhecimento adquirido na formação; entre outros. O trabalho de sala de aula faz parte da carreira1 pedagógica. É na atividade docente que esta seção está focada para pensar a fase inicial da carreira, trajetória que nos conta sobre características de uma pessoa numa organização, no caso, a escola, e como essas influenciam e são influenciadas pela organização (Huberman,1995) . A seguir, apresentamos as análises possibilitadas pelos excertos, momento em que as vivências, as lembranças e as experiências individuais traçam sinais de uma memória coletiva. O choque com a realidade ao iniciar a carreira do Magistério não é uma percepção só vivenciada por Merengue (Entrevista Narrativa, 1 set. 2011). A professora que tem mãe e 1 O conceito de carreira adotado é o de Huberman (1995, p. 38), focalizado no exercício da profissão em uma “abordagem a um tempo psicológica e sociológica”.
  • 5. tias professoras, que cursou o Magistério e a Pedagogia, cumprindo seus respectivos estágios, levanta um aspecto da realidade desse período na profissão docente. Huberman (1995, p. 39) chama o popular “choque do real” de “sobrevivência” e a define como “a confrontação inicial com a complexidade da situação profissional”. Como nos aponta o autor, as narrativas dos educadores possuem aspectos da realidade da sala de aula que estão distantes dos ideais dos professores: a “relação pedagógica” e a “transmissão de conhecimentos”; além da “fragmentação do trabalho” (Huberman, 1995, p.39). Esses fatores podem se somar aos aspectos que se destacam nas entrevistas: a participação da família; a relação com os alunos; o material didático; a equipe gestora, que pode auxiliar nesse início, mas que, na maioria das vezes, se mostra omissa; a insuficiência do conhecimento adquirido na formação, que gera a insegurança do professor e muitas vezes a indisciplina dos alunos; e as expectativas. No que diz respeito às expectativas com relação ao trabalho com os alunos, Paçoca (Entrevista Narrativa, 22 mar. 2012) acredita ser gratificante a profissão docente e assegura: “as minhas expectativas com relação à profissão foram alcançadas. É gratificante ser professor. É muito gratificante”. Como Paçoca, Suspiro (Entrevista Narrativa, 30 set. 2011) também teve suas expectativas alcançadas. Ela justifica: “eu acho assim... Eu acho que é um dom ser professora. Eu me sinto realizada, eu gosto”. Cajuzinho afirma ter as expectativas alcançadas pelo reconhecimento. Como pode ser observado no seguinte trecho: “as minhas expectativas foram alcançadas. Foram, porque você vê o seu trabalho sendo reconhecido” (Cajuzinho, Entrevista Narrativa, 20 out. 2011). Para Merengue (Entrevista Narrativa, 1 set. 2011), as expectativas começaram a surgir quando saiu do curso do Magistério, como pontua: “achava que ia mudar o mundo... Eu acho que as expectativas vão sendo alcançadas”. Como Merengue, Beijinho (Entrevista Narrativa, 20 out. 2011) cita as expectativas que são traçadas ao longo da carreira: “eu acho que as expectativas a cada ano a gente vai traçando uma. A gente tem uma expectativa, a gente alcança aquela expectativa e logo a gente quer outra expectativa. Acho que é um ciclo”. Brigadeiro (Entrevista Narrativa, 30 ago. 2011) também atingiu seus desejos e explica como foi a princípio: “acho que eu cheguei com muita expectativa, com muita sede ao pote”. A expectativa de Cocadinha (Entrevista Narrativa, 12 dez. 2011) é a de “que a escola muda”. Essa ideia de mudança lhe causa “frustração”. Ela explica: “as pessoas que estão ao meu redor não me ajudam para que isso aconteça”. Ao criticar os colegas que não acreditam no poder da escola como redentora social, Cocadinha (Entrevista Narrativa, 12 dez. 2011) exemplifica, citando a necessidade de estabelecer parceria com as famílias: “a família é o essencial. Por isso que às vezes, quando uma mãe vem na escola, quando uma mãe briga, eu não consigo ver naquela mãe uma mala, porque eu prefiro a mãe que vem e exige, que quer, se não entende, ela vem”. Mas em que essa visão, de Cocadinha, vem a corroborar esta pesquisa? Goodson (1995, p.66), ao falar sobre as investigações das histórias de vida dos professores, histórias consideradas importantes para a investigação educacional, relata o caso de seu mentor, no período em que se formou, que tinha como objetivo “manter os alunos da classe trabalhadora na escola”. Acreditava ser a escola um caminho de emancipação para tal classe. O centro de gravidade daquele professor não estava no currículo acadêmico,
  • 6. mas na comunidade e no lar e era para isso que ele se esforçava. A isso, o autor ressalta a necessidade de ouvirmos “as prioridades dos professores”. A prioridade do professor é a resposta para a pergunta feita há pouco. Já Pudim (Entrevista Narrativa, 16 dez. 2011) diz: “Objetivos e expectativas eu tinha muitos, mas que não alcancei aquilo que eu quero. Eu quero ser uma professora de excelência, eu quero saber muito mais, entende?”. Talvez, diferente das demais professoras, Pudim ainda não sinta seu trabalho reconhecido ou ainda está na fase dos questionamentos. Outra forma de encontrar o porquê de Pudim não ter alcançado seus objetivos e suas expectativas é tentar descobrir o que é ser “uma professora de excelência” para ela. Laranjinha e Bombom dizem que não tinham expectativas com relação a serem professoras e admitem: “quando eu fiz o Magistério, eu não tinha expectativa nenhuma” (Bombom, Entrevista Narrativa, 26 out. 2011); “Não sei se no Magistério tinha muito expectativa, não” (Laranjinha, Entrevista Narrativa, 21 out. 2011). A fase da “sobrevivência” encontra-se no período de “exploração”, em uma opção provisória, “em proceder a uma investigação dos contornos da profissão experimentando um ou mais papéis” (Huberman, 1995, p. 37), sendo limitada pelas particularidades da instituição. O tempo de provisoriedade varia de pessoa para pessoa e é influenciado pela “descoberta”: o entusiasmo inicial das professoras entrevistadas pode ter acontecido pelo fato de ingressarem no concurso público, por exemplo, Brigadeiro diz que “o meu sonho era ser professora efetiva, eu queria ter a minha sala de aula, queria poder fazer um trabalho com a sala de aula, e não ficar substituindo”; a experimentação, como o caso da Cocadinha (Entrevista Narrativa, 12 dez. 2011) que conseguiu alfabetizar pela primeira vez; e o sentimento de pertença a um grupo de professores (Huberman, 1995). Hubermam (1995) afirma que os aspectos de “sobrevivência” e “descoberta” podem existir juntos no professor e podem aparecer de outras formas, pela indiferença, pela serenidade ou pela frustação. Ainda com relação às expectativas, as professoras revelaram que idealizavam uma turma para o início da carreira. Foram contrariadas, pois, na escola pública, turmas difíceis eram atribuídas a quem não tinha experiência. Nota-se que à Beijinho (Entrevista Narrativa, 20 out. 2011) deram uma classe com a qual ela teria dificuldade para trabalhar, como pode ser observado no depoimento: “eu comecei com uma classe especial, montadinha pra mim, só com aluno problema, os que não aprendiam. Foi o meu desafio”. Um desafio com tom de zombaria, completa a protagonista: “pra eu ver se eu ia gostar da profissão”. À Bombom foi dado outro desafio, entre outras dificuldades, ela relata: Uma turma muito sofrida. Os professores todos gritando com os alunos. Inclusive eu tinha que gritar para a classe permanecer em paz, em ordem, sentada, mas aula mesmo quase nem se dava. Porque a maior parte do tempo perdendo tempo em chamar atenção, buscando aluno, eles se batiam demais. (Bombom, Entrevista Narrativa, 26 out. 2011). Brigadeiro (Entrevista Narrativa, 30 ago. 2011) também teve dificuldades com sua primeira turma e isso, com o passar do tempo, a deixou doente. Além dos problemas gerados pela falta de experiência, o imaginário criado para o espaço que atendia crianças da Casa Transitória também podia contribuir negativamente para a expectativa da turma idealizada pela professora.
  • 7. Pudim (Entrevista Narrativa, 16 dez. 2011), quando iniciou em Jundiaí, entrou no lugar de uma professora da escala rotativa e sofreu resistência dos alunos. Ela diz: “não foi fácil, porque, além de eu não ter a didática para trabalhar com eles, eu tinha a rejeição deles”. Laranjinha iniciou o trabalho no Magistério na escola estadual, em um primeiro ano, antes mesmo de se formar, como aconteceu com Beijinho e com Paçoca. Ela gostava de lecionar, mas não recebeu pelo trabalho. Contou que substituiu uma professora que abandonou a turma e que a diretora não sabia da situação. Como ainda não era formada, Laranjinha (Entrevista Narrativa, 21 out. 2011) diz que lecionava “sem método nenhum, eu não tinha roteiro, não tinha nada, foi tudo na intuição, e fiquei com essa classe”. Como ela, Merengue (Entrevista Narrativa, 1 set. 2011) também iniciou a carreira com um primeiro ano, “Logo de cara, me atribuíram um primeiro ano, alfabetização”. Merengue se queixa do isolamento na sala de aula, “os dois primeiros anos que eu trabalhei em Campo Limpo, foram os mais difíceis porque eu não tinha experiência e não tinha quem me auxiliasse”. Cocadinha (Entrevista Narrativa, 12 dez. 2011) também teve que alfabetizar em seu primeiro ano de docência, o que pode ser um dificultador para o professor em início de carreira, e o isolamento também foi citado em sua entrevista: “era uma primeira série e nenhum aluno dela lia no mês de julho... peguei a licença dela, só por um mês... Porque eu não tinha nem aquela sequência, eu não tinha aprendido essas coisas na escola, e lá era rural, então, não tinha muitas amigas para dividir”. A turma seguinte para a qual Cocadinha lecionou também era de uma escola rural no município de Jarinu e constituía- se de uma classe multisseriada: “eu trabalhava de maneira tradicional também. Eram quatro séries e eu trabalhava com o livro didático. Eu separava os conteúdos, alguns eu dava junto”. Sobre essa experiência, ela ainda diz: “eu aprendi meio que sozinha na sala de aula”. Paçoca (Entrevista Narrativa, 22 mar. 2012) lecionou pela primeira vez em uma escola de zona rural. Ela se queixa da falta de materiais, um dos aspectos suprar relacionados da complexidade da situação profissional, e pontua o seguinte: “eu acho que de um limão se faz uma limonada, porque eu trabalhava em uma escola de sítio, e conseguia inventar. A escola não tinha material didático, trabalhávamos com tampinhas de garrafas. Não se tinha material concreto vindo da secretaria”. Para Cajuzinho (Entrevista Narrativa, 20 out. 2011), o problema não foi o trabalho na escola particular, como pontua: “se outras professoras faltassem, eu ficava na sala dando aula. Mas a maior parte do tempo eu auxiliava a professora do maternal e na hora da saída eu fazia a saída das crianças”. Depois de formada, quando iniciou na escola pública, também adoeceu por causa do trabalho. Como as demais, ela não pôde escolher a idade para a qual queria ensinar, o que dificultou ainda mais sua adaptação. Outra característica constatada nas narrativas das professoras, que potencializa, e muito, o choque nesse início de carreira, é que, geralmente, ao professorado inexperiente é atribuída a classe mais complicada. Os professores ficam ansiosos e sem a colaboração dos docentes mais experientes e do trabalho da gestão da escola chegam a um nível elevado de estresse. Por não terem com quem compartilhar as dificuldades encontradas, alguns adoecem, como nos casos de Brigadeiro e Cajuzinho, e, em outros casos, podem até abandonar a profissão. Há também as professoras que superam a fase do “choque” e dela geram conhecimento para docência. Apoiando-me em Larrosa (2011, p.5), posso afirmar que o choque é um
  • 8. “acontecimento”, algo que independe de “meu saber, nem de meu poder, nem de minha vontade”, é exterior à pessoa. E pelo fato de as professoras não se identificarem com esse acontecimento, fazendo com que ele permaneça externo a elas, podem viver um dos princípios da experiência: a exterioridade, a alteridade e a alienação (Larrosa, 2011). Tardif e Raymond (2000, p.229) explicam: “com o passar do tempo, os professores aprendem a conhecer e a aceitar seus próprios limites. Esse conhecimento torna-os mais flexíveis. Eles se distanciam mais dos programas, das diretrizes e das rotinas, embora os respeitando em termos gerais”. Na escola que estão hoje, algumas das professoras entrevistadas mostraram evidências do início da “estabilização”, fase que requer certo período positivo no papel que se ocupa. Merengue (Entrevista Narrativa, 1 set. 2011), por exemplo, fala do compromisso que encontrou nos professores da EMEB: “Em 1 de setembro eu vim para a EMEB. O comprometimento era muito diferente. Porque aqui se tem um compromisso diferente, temos metas”.O “compromisso” centra a atenção para o domínio das diversas características do trabalho docente (Huberman,1995, p. 37). Huberman (1995, p.40, grifo do autor) afirma que a estabilização é precedida ligeiramente ou acompanhada por “um sentimento de competência pedagógica crescente”. Mais confiante, o professor consegue tomar decisões tendo claro seu objetivo e podendo “enfrentar situações mais complexas ou inesperadas” (Huberman, 1995, p.40). A EMEB para as professoras, deixa de ser o local de trabalho e passa a ser um espaço onde ocorre o desenvolvimento profissional (Gonçalves, 1995). A segurança de ser capaz é um motivo forte que leva as entrevistadas a seguirem a carreira. Mas, o que leva cada professora a se manter na profissão docente? Para Tardif e Raymond (2000, p.224), o estudo da carreira apoia-se na análise de dois fenômenos: “a institucionalização da carreira”, normas que regem os papéis formais ou informais que os profissionais, no nosso caso professoras, deverão desempenhar e “sua representação subjetiva entre os atores”. Com relação à dimensão subjetiva, os autores afirmam que esta “remete ao fato de que os indivíduos dão sentido à sua vida profissional e se entregam a ela como atores cujas ações e projetos contribuem para definir e construir sua carreira” (Tardif, Raymond, 2000, p.225). Desse modo, destacam-se três marcas evidenciadas nas vozes das professoras entrevistadas: a ajuda dos pares, os professores mais experientes e o ambiente de trabalho. Em algumas entrevistas as professoras citaram a ajuda dos pares para solucionar conflitos vivenciados na profissão. No excerto de Pudim (Entrevista Narrativa, 16 dez. 2011), exposto anteriormente, ela conta que, além de ser bem recebida na escola no início da carreira, foi auxiliada por uma professora: “ela que me trazia material, porque eu não tinha material, não sabia aonde procurar”. Brigadeiro (Entrevista Narrativa, 30 ago. 2011), ao relatar sobre quando ingressou na escola pelo concurso para trabalhar na educação Infantil, afirma: “eu tive um grupo de professores que me auxiliaram muitooo, elas foram excelentes para me amparar, me acolher, me ajudar, a gente fazia tudo junto, todas as dúvidas a gente tirava, a gente tem amizade até hoje”. A professora Bombom (Entrevista Narrativa, 26 out. 2011) conta que antes e depois de passar no concurso lecionou em muitas escolas. Mas que foi em duas escolas que ela teve cumplicidade para trabalhar e aprender. Aprendeu a ser professora nas escolas G., com a coordenadora Is e na EMEB. Nesta última escola, foi bem recebida, aprendeu
  • 9. com as colegas de profissão – a coordenadora Trufa, a Ne e demais professoras, que socializaram com ela a prática da escola – e com os alunos, pelo desafio de ensinar. Em relação à estabilização na carreira do Magistério, Tardif e Raymond (2000) destacam como facilitadoras as condições iniciais necessárias, entre elas está o apoio da direção e dos colegas de trabalho com os quais se pode contar. Ao buscar uma melhor preparação para enfrentar as condições de trabalho, os professores interessados buscam o apoio dos profissionais mais experientes. Brigadeiro declara: Eu busco com a minha coordenadora, com essa minha cunhada, que tem bastante material. Troco ideias com os professores, da própria turma, dos terceiros anos que é com o que eu trabalho, ou com as outras professoras, quando eu trabalho, em outro período, ou ainda com a professora Isa, que é de matemática, ou das outras disciplinas quando eu substituo as outras professoras. (Brigadeiro, Entrevista Narrativa, 30 ago. 2011). Brigadeiro narra uma “fonte de aprendizagem do trabalho” docente, a busca da experiência dos pares, como citada por Tardif e Raymond (2000, p.230). Essa aprendizagem é importante tanto no início de carreira como no decorrer dela, quando aparecem situações difíceis. Pudim fala da liberdade que sente, na escola em que trabalha, para se colocar, para questionar: Aqui na escola precisei parar, pensar e dizer: ‘não sei, me ensina’. Não tive medo delas falarem: “a Pudim está dando aula e não sabe”. Nas duas escolas que eu trabalhei, eu ficava quieta, porque eu não queria me manifestar que eu não sabia. Lá, ninguém sabia que eu não sabia. Aqui não, por eu ter essa intimidade com as meninas. De você, de você, eu não tenho medo de você, das minhas coordenadoras eu morria de medo, de chegar e dizer: ‘eu não sei fazer’. Com você, eu cheguei e falei: ‘não sei fazer, me ensina’. E você sempre disse: “Pudim, vem aqui, vou te ensinar”. Então, é diferente. (Pudim, Grupo de Discussão II, 27 jun. 2011). Como ela, Bombom (Entrevista Narrativa, 26 out. 2011) sente nesta escola um espaço profissional, “é aqui, onde eu trabalho. Que fala com propriedade o que é ser professor”. Como a profissão docente é coletiva, ela constrói-se na escola, o discurso regula as práticas da escola. Uma construção “identidária” que define “um compromisso durável com a profissão” (Tardif, Raymond, 2000, p.232). Assim, não é qualquer ambiente de trabalho que contribui para que o professor se mantenha na profissão. É necessário o âmbito em que cada um possa experimentar, reproduzir, conhecer e transformar a própria realidade e aquela na qual se encontram. Referências bibliográficas Bolognani, Marjorie Samira Ferreira (2013). Narrativas de professoras dos anos iniciais do ensino fundamental: marcas da escola e da matemática escolar.2013.168 f. Dissertação (Mestrado em Educação)–Linha de Pesquisa: Matemática, cultura e práticas pedagógicas, Universidade São Francisco, Itatiba, SP. Clot, Yves. Trabalho e poder de agir (2010). Trad. Guilherme J. F. Teixeira e Marlene m. z. Vianna. Belo Horizonte: Fabrefactum. Série Trabalho e Sociedade. Gonçalves, José Alberto M.(1995). A carreira das professoras do ensino primário. In: Nóvoa, António. Vidas de professores. Porto: PortoEditora, 5.p.141-169.
  • 10. Goodson, Ivor F.. Dar voz as histórias de vida dos professores e o seu desenvolvimento profissional. In: Nóvoa, António. Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1995. p.63- 77. Huberman, Michaël (1995). O ciclo de vida profissional dos professores. In António Nóvoa, Vidas de professores (pp.31 – 61). Porto: Editora Porto. Jovchelovitch, Sandra & Bauer, Martin W. (2005). Entrevista narrativa. In Martin W. Bauer & G. Gaskell (orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático (pp. 90-113). 4ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes. Larrosa, Jorge (2011). Experiência e alteridade em educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v.19, n2, jul./dez. p. 1-24. Machado, Anna Rachel (2004). Por uma concepção ampliada do trabalho do professor. In.: Saujat, Fréderic. O trabalho do professor nas pesquisas em educação: um panorama. In.: Machado, Anna Rachel (org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, p. 33-34. Tardif, Maurice & Raymond, Danielle (2000). Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, ano XXI, nº 73, dezembro, p.209-244. Tardif, Maurice; Lessard, Claude (2005). O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. Weller, Wivian (2006). Grupos de discussão na pesquisa com adolescentes e jovens: aportes teórico-metodológicos e análise de uma experiência com o método. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.32, n.2, maio/ago, p. 241-260.