1
APRESENTAÇÃO
NANOTECNOLOGIA, SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE
2
APRESENTAÇÃO
3
Paulo Roberto Martins (coordenador)
Richard Domingues Dulley
APRESENTAÇÃO
Regina M...
4
© 2007 by Paulo Roberto Martins
APRESENTAÇÃO
Direitos desta ediç...
5
APRESENTAÇÃO
SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO...
6
3.7 Transcrições, 67
3.8 Limitações do instrumento de coleta e dos entrevistados, 67
...
7
APRESENTAÇÃO
APRESENTAÇÃO
Este livro corresponde ao...
8
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
O agradecimento e...
9
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
DESENVOLVIM...
10
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
2 Cronologia do ...
11
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
tricas e impactos so...
12
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
de 2003), Oficina ...
13
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
• 2004
...
14
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
Dos seis projeto...
15
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
das ciências humanas...
16
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
desta mesma lei apon...
17
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
estiveram presentes ...
18
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
podemos observar...
19
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
É preciso ressa...
20
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
O resultado ...
21
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
Mas o grand...
22
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
mento da N...
23
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
São Paulo – USP In...
24
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
• Edital MCT/CNP...
25
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
atividades vêm sendo ...
26
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
b) Políticas públ...
27
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
vação em função dessa...
28
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
dam que há um otimis...
29
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
no Brasil, bem como e...
30
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
3 Em sua opinião...
31
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
competitividade d...
32
DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL
tar produzindo orient...
33
NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO
NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO
1 Intr...
34
NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO
• Materiais e fabricação,
• Transporte,
• Nan...
35
NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO
numerosa do que a quantidade de empresas identificadas....
36
NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO
importante rede de relacionamento em diversas áreas de t...
37
NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO
Esta empresa foi contemplada no Edital MCT/Finep n°...
38
NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO
Focada em soluções para mercados industriais, a Nano...
39
NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO
base de nanotecnologia na cobertura do painel de instrum...
40
NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO
9) Multivácuo
Localização: SP Mercado: diverso...
41
NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO
toque e maciez, de acordo com o diretor da Rhodia...
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente
of 156

Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente

Os autores do trabalho realizaram uma pesquisa qualitativa em cinco segmentos sociais (academia, políticas públicas, empresas, sindicatos e organizações não-governamentais) sobre o reconhecimento das nanotecnologias no país. Foram abordados outros cinco temas de interesse comum relacionados à nanotecnologia: mercado, regulação, impactos, comunicação e ética.
Published on: Mar 3, 2016
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente

  • 1. 1 APRESENTAÇÃO NANOTECNOLOGIA, SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE
  • 2. 2 APRESENTAÇÃO
  • 3. 3 Paulo Roberto Martins (coordenador) Richard Domingues Dulley APRESENTAÇÃO Regina Maria Bueno de Azevedo Oswaldo Sanchez Júnior NANOTECNOLOGIA, SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE em São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal São Paulo 2007
  • 4. 4 © 2007 by Paulo Roberto Martins APRESENTAÇÃO Direitos desta edição reservados à Xamã VM Editora e Gráfica Ltda. Proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios, sem autorização expressa da editora. Edição: Expedito Correia Capa: Hélcio Fonseca Revisão: Estela Carvalho Editoração eletrônica: Xamã Editora Dados Internacionais de Catalogação-na-publicação (CIP) N186 Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente em São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal / Paulo Roberto Mar- tins (coordenador) ; Richard Domingues Dulley, Regi- na Maria Bueno de Azevedo, Oswaldo Sanchez Júnior. — São Paulo : Xamã, 2007. 155 p. ; 23 cm. Bibliografia: p. 143-150. ISBN 978-85-7587-075-4 1. Nanotecnologia. I. Martins, Paulo Roberto. II. Dulley, Richard Domingues. III. Azevedo, Regina Maria Bueno de. IV. Sanchez Júnior, Oswaldo. CDD 620.5 Xamã VM Editora e Gráfica Ltda. Rua Itaoca, 130 - Chácara Inglesa CEP 04140-090 - São Paulo (SP) - Brasil Tel.: (011) 5072-4872 Tel./Fax: (011) 2276-0895 www.xamaeditora.com.br vendas@xamaeditora.com.br
  • 5. 5 APRESENTAÇÃO SUMÁRIO APRESENTAÇÃO, 7 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA NOS ESTADOS DE SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL 1 Uma possível definição de nanotecnologia, 9 2 Cronologia do desenvolvimento recente, 10 3 Perspectivas futuras, 25 4 Conclusões, 31 5 Recomendações, 32 NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO 1 Introdução, 33 2 Empresas e nanotecnologia, 34 3 Conclusões, 58 4 Recomendações, 61 NANOTECNOLOGIA, SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE NOS ESTADOS DE SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL 1 Introdução, 63 2 Objetivos, 63 3 Metodologia, 64 3.1 Estabelecimento dos cinco segmentos sociais a serem pesquisados (critérios), 64 3.2 Contexto e formulação do problema, 64 3.3 Pré-teste do instrumento de coleta de informações, 65 3.4 A seleção dos entrevistados, 66 3.5 O universo da pesquisa, 67 3.6 Entrevistas em profundidade, 67
  • 6. 6 3.7 Transcrições, 67 3.8 Limitações do instrumento de coleta e dos entrevistados, 67 APRESENTAÇÃO 3.9 Interpretação e análise das informações coletadas, 68 4 Apresentação e discussão dos resultados por macrotópicos e blocos de questões, 68 4.1 Macrotópico “mercado”, 69 4.2 Macrotópico “regulação/participação”, 83 4.3 Macrotópico “impactos”, 93 4.4 Macrotópico “comunicação”, 106 4.5 Macrotópico “princípios éticos”, 121 5 Conclusões, 134 5.1 Conclusões por macrotópicos, 134 5.2 Conclusões gerais, 138 6 Recomendações, 140 6.1 Aspectos gerais, 140 6.2 Aspectos específicos, 141 REFERÊNCIAS, 143 ANEXO A – QUESTÕES QUE COMPUSERAM AS ENTREVISTAS, 151 ANEXO B – ENTREVISTADOS, 153 SOBRE OS AUTORES, 155
  • 7. 7 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Este livro corresponde ao relatório final do projeto Nanotecnologia, Sociedade e Meio Ambiente nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal (Processo CNPq nº 400740/04-4, Edital nº 13/2004) coorde- nado pelo professor Paulo Roberto Martins, pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), e que contou em sua equipe com os professores Richard Domingues Dulley, do Instituto de Economia Agrícola (IEA), Regina Maria Bueno de Azevedo (IPT) e Oswaldo Sanchez Júnior (IPT) O trabalho foi iniciado por meio de pesquisa qualitativa obtendo-se dados primários em cinco segmentos sociais (academia, políticas públi- cas, empresas, sindicatos e organizações não-governamentais) de três uni- dades da federação (São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal). Foram abordados cinco temas de interesse comum (mercado, regulação, impac- tos, comunicação e ética) referentes às nanotecnologias e a partir das res- postas concluiu-se que todos reconhecem as nanotecnologias como im- portantes para a economia brasileira bem como o papel do Estado como indutor de ações nessa área. Houve convergência sobre a necessidade de alguma regulação, mas foram constatadas divergências sobre como ela deve ser realizada e quem assumiria tal responsabilidade. Também se reconheceu a possibilidade de impactos em várias áreas, mas houve divergência sobre sua extensão e intensidade em algumas áreas como emprego, obsolescência, preços e toxicidade. Também se verificou que a noção de riscos e a aplicação do princípio da precaução são heterogêneas e mereceriam maior aprofun- damento do debate. * * * A equipe do projeto agradece a todos os entrevistados pertencentes a universidades, órgãos públicos, empresas e associações empresariais, or- ganizações não-governamentais, sindicatos, centrais sindicais e órgãos de assessoria sindical, pela generosidade e presteza com que foi atendida por seus representantes para a realização de entrevistas, que foram funda- mentais para as reflexões realizadas neste projeto.
  • 8. 8 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL O agradecimento estende-se ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), pelo apoio financeiro no valor de R$ 25 mil que proporcionaram a execução deste trabalho. Ao Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT) e ao Instituto de Economia Agrícola da Secretaria de Agricultura e Abasteci- mento (IEA/SAA), pelas horas de trabalho que seus pesquisadores dedica- ram a esta pesquisa. Aos professores Marcos Antonio Mattedi, da Fundação Universidade Regional de Blumenau, Tânia Elias Magno da Silva, da Universidade Fede- ral de Sergipe e Edmilson Lopes Júnior, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte por sua colaboração e sugestões sempre bem-vindas. A coordenação da equipe agradece o empenho de todos os seus inte- grantes pela dedicação ao projeto, em especial ao colega Richard Domingues Dulley, por seu desprendimento, iniciativas, reflexões e muito trabalho, que levaram a bom termo este projeto. A Eiko Shiraiwa e Claudio F. F. Cassas, pelo trabalho de transcrição das entrevistas, o que nos proporcionou o material necessário a nossas análises.
  • 9. 9 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL 1 Uma possível definição de nanotecnologia Nanotecnologia, dito de forma simples, é uma ciência relacionada à ma- nipulação da matéria ao nível molecular, visando à criação de novos ma- teriais, substâncias e produtos, com uma precisão de átomo a átomo. A nanotecnologia está emergindo como a próxima revolução tecnológica, com eventuais efeitos sobre todos os aspectos da vida. De ambientalistas a estrategistas militares, há o consenso de que o crescimento da capaci- dade da construção molecular – manufatura molecular, fabricação molecular – mudará profundamente o mundo atual em que vivemos. (apud ALVES, 2005) A partir de uma cronologia publicada no livro Nanotecnologia: os ris- cos da tecnologia do futuro (ETCGROUP, 2005a) e de fontes complementa- res como, por exemplo, Laboratório de química do estado sólido, da Uni- versidade Estadual de Campinas (Unicamp), editado pelo professor Oswaldo Luiz Alves (2005), daremos uma visão panorâmica do desenvolvimento recente da nanotecnologia no Brasil, apontando as participações dos Esta- dos de São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal. Claro está que toda periodização é problemática. Sabemos de ante- mão que já existiam pesquisadores e grupos de pesquisadores trabalhan- do com nanotecnologia no século passado, bem como diversas teses de- fendidas sobre o assunto. Mas nossa opção foi iniciar nosso breve relato a partir de 2001, quando as ações do Estado brasileiro passaram a ser materia- lizadas em concepções e práticas e a dotar esta área de pesquisa com expressivos recursos financeiros (dentro do contexto brasileiro), que po- dem assim ser sintetizados: Quadro 1. Resumo dos investimentos em nanotecnologia no período de 2001 a 2006 (em reais) Ano 2001 2003 2004 2005 2006 TOTAL Recursos 25.468.471,25 11.652.097,00 17.515.128,45 80.057.406,88 5.200.000,00 139.893.103,58 Fonte: os autores, com base em: BRASIL (2006d, p. 12).
  • 10. 10 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL 2 Cronologia do desenvolvimento recente • 2001 Produto do Edital MCT/CNPq n° 01 (BRASIL, 2001), foram criadas qua- tro redes de nanociência e nanotecnologia financiadas pelo CNPq: NanoSemiMat e Renami, com sede em Recife; NanoBiotecnologia e NanoMat (ou Nanoestruturados), em Campinas. Embora estas redes de pesquisa tenham contribuído para descentralizar um pouco a produção de ciência e tecnologia (C&T) localizada na Região Sudeste, foi fundamental ao desenvolvimento das redes em si, e da nano- tecnologia no Brasil, a contribuição das seguintes universidades: USP (campi de São Paulo e São Carlos), Unicamp, Universidade Federal de Minas Ge- rais (UFMG) e Universidade de Brasília (UnB). Isto se verificou em função dos grupos de pesquisa pré-existentes às redes e da capacitação laboratorial e de recursos humanos então existente naquelas universidades. Os resultados obtidos pelas quatro redes foram assim constatados pela coordenação de nanotecnologia do MCT: Quadro 2. Produção das redes de nanotecnologia até 2005 Rede Pesquisadores Instituições Empresas Artigos Patentes Nanobiotecnologia 92 19 9 674 25 NanoSemiMat 55 18 1 970 15 Nanoestruturados 150 23 * 225 * Renami 61 17 3 450 57 TOTAL 358 77 13 2.319 97 * não fornecido Fonte: os autores, com base em: BRASIL (2006d, p. 12). Os dados apresentados indicam uma experiência cheia de êxito por parte das redes, por qualquer um dos aspectos que se olhe. Neste contex- to, claro está que a contribuição dos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal foi de fundamental importância. Isto indica que a forma de articulação via rede de pesquisas conseguiu realizar um potencial de pes- quisa que já se tinha, porém de forma desarticulada, e de certa forma contribuiu para a desconcentração da produção de C&T no Brasil; contu- do, o peso dos Estados acima referidos continua muito importante no con- texto da produção destas redes. A crítica a ser feita não está naquilo que foi realizado pelas redes, mas sim naquilo que não foi realizado, como, por exemplo, estudos de toxicologia e ecotoxicologia de partículas nanomé-
  • 11. 11 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL tricas e impactos sociais, ambientais e éticos da nanotecnologia. De um lado, tais aspectos foram ignorados pelas redes existentes e, de outro, não havia rede constituída qualificada para realizá-lo. • 2002 O Terceiro Programa de Apoio ao Desenvolvimento à Ciência e Tecnologia (III PADCT) criou os Institutos do Milênio, um programa do Minis- tério da Ciência e Tecnologia (MCT) para o desenvolvimento de pesquisas em diversos campos, incluindo as nanociências. O Instituto do Milênio, em sua versão ligada à nanotecnologia, denomi- nada Instituto de Nanociências, teve forte contribuição de cientistas de Minas Gerais e pouca de São Paulo (somente por meio do Laboratório Nacional de Luz Sincrotron – LNLS). Neste caso, a grande parceria em termos de Estado foi entre Minas Gerais e Rio de Janeiro. Cabe especificar que Minas Gerais esteve presente com a Universida- de Federal de Minas Gerais (UFMG), a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), a Universidade Federal de Viçosa (UFV), a Universidade Fe- deral de São João Del Rei (UFSJ), o Centro de Desenvolvimento de Tec- nologia Mecânica (CDTM) e a Fundação Centro Tecnológico de Minas Ge- rais (Cetec-MG). Isto significa que 6 das 13 instituições pertenciam ao Esta- do de Minas Gerais, o mesmo ocorrendo em relação à maioria dos 64 pesquisadores componentes deste instituto. A grande contribuição de Minas Gerais ao desenvolvimento da nano- tecnologia está relacionada ao estudo e produção de nanotubos de carbo- no executados no Instituto de Física da UFMG. Aqui, é preciso ressaltar as pesquisas relativas aos nanotubos de carbono executada pelo professor Marcos Pimenta e equipe, que tinham como objetivos: a) produção de nanotubos, fulerenos e endofulerenos; b) avanços nas propriedades óticas de nanotubos de carbono simples; c) iniciar fabricação de FET baseado em nanotubos de carbono. Um interessante projeto seria a reconstituição histórica da construção do nanotubos no Brasil. Certamente, este trabalho daria a dimensão corre- ta da contribuição de Minas Gerais ao desenvolvimento da nanotecnologia no Brasil. • 2003 As principais ações em relação ao desenvolvimento da nanotecnologia no Brasil foram: Grupo de Trabalho de Nanotecnologia do MCT (16 de maio
  • 12. 12 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL de 2003), Oficina de Nanociência e Nanotecnologia da Unicamp (junho de 2003), Programa de Estímulo à Integração Universidade-Empresa para apoio à Inovação (Fundo Verde Amarelo, setembro de 2003), Íntegra da Proposta do Grupo de Trabalho de Nanotecnologia (novembro de 2003), Edital de Nanotecnologia e Materiais Avançados (Fase 1, 17 de setembro de 2003 a 3 de novembro de 2003; Fase 2, 2 de março de 2004 a 30 de abril de 2004). A constituição do grupo de trabalho do MCT, por meio da Portaria n° 252 (BRASIL, 2003b), foi um marco importante no desenvolvimento da nano- tecnologia no Brasil. Em primeiro lugar, pode-se constatar a não-inclusão de pesquisadores da área de ciências humanas neste grupo. Isto indica que a visão hegemônica então presente no MCT (e que permanece até o presente) compreendia a nanotecnologia como um objeto de estudo das ciências exatas e biológicas. Segundo este entendimento, a multidiscipli- naridade compreende apenas estas duas vertentes da ciência. Outro ponto a ser observado diz respeito à presença do número de pesquisadores oriundos dos Estados de Minas Gerais (1, UFMG), São Paulo (3, Unicamp) e Distrito Federal (1, CNPq), totalizando 5 entre 13 membros, aproximadamente 40% da contribuição para a produção da proposta que foi a consulta pública nos meses de outubro e novembro de 2003. Esta consulta, contudo, não teve conseqüência, em função da troca de ministro e do secretário responsável pela área de nanotecnologia. Toda a colabora- ção dos inúmeros pesquisadores que atenderam à consulta pública foi ig- norada, de tal forma que o esforço feito foi em vão. Este foi o caso do trabalho elaborado por Paulo Roberto Martins, coor- denador da Rede de Pesquisa Nanotecnologia, Sociedade e Meio Ambien- te (Renanosoma), intitulado Contribuição a consulta pública do programa de desenvolvimento da nanociência e nanotecnologia1. Neste trabalho, o autor introduz a parte relativa à sociedade, já que a proposta elaborada só contemplava aspectos relativos à produção de nano- ciência e nanotecnologia e sua articulação com as empresas. Não havia a incorporação da sociedade, tampouco havia a incorporação das ciências humanas como produtora de conhecimentos necessários ao desenvolvimento desta ciência. Porém, como já salientado, a contribuição foi ignorada pela nova direção de nanotecnologia do MCT, que assumiu no início de 2004. 1 Este trabalho encontra-se disponível em: <http://www.nanotecnologia.iv.fapesp.br>. Acesso em: 10 jan. 2007.
  • 13. 13 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL • 2004 A segunda fase do Edital MCT/CNPq n° 01/2003 (BRASIL, 2003a), realiza- da em 2004 com apoio do Programa de Estímulo à Interação Universidade- Empresa para Apoio à Inovação (Fundo Verde e Amarelo), viabilizou a consti- tuição de pequenas redes focais dentro da área de nanociência e nanotec- nologia, basicamente em São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Bahia (BA), Minas Gerais (MG), Paraná (PR), Rio Grande do Sul (RS) e Distrito Federal (DF), com objetivos específicos de colaboração com o setor industrial. Os recursos investidos foram da ordem de R$ 5 milhões. Novamente, os três Estados analisados (SP MG e DF) foram de suma importância para , a produção e consolidação de conhecimentos sobre nanotecnologia no Brasil, correspondendo a aproximadamente 43% dos contemplados com a implantação destas redes. Mais uma vez, é preciso ressaltar que nenhuma das referidas redes estava constituída por profissionais das ciências humanas. Portanto, mais uma vez desenvolvimento em nanotecnologia significou apenas ciências exatas e biológicas. Em 2004 encontramos também o Edital MCT/Finep/FNDCT n° 01/2004 (BRASIL, 2004d), cuja ação visava apoiar projetos de pesquisa aplicados ao desenvolvimento de novos produtos, processos ou prestação de servi- ços baseados em nanotecnologia em todo o território nacional, desenvolvi- dos de forma cooperativa entre empresas públicas ou privadas e grupos de pesquisa atuantes na área. Os valores financeiros aplicados atingiram R$ 930.000,00. Abaixo, a relação dos projetos aprovados: Quadro 3. Projetos aprovados pela ação Fomento a Projetos Institucionais de Pesquisa e Desenvolvimento em Nanociência e Nanotecnologia em 2004 Título dos projetos Instituição Obtenção de nanocompósitos biodegradáveis derivados da composição de argilo- UFMG/Petrobras minerais com blendas polietileno-amido Desenvolvimento de sistemas micro e nanoestruturados com liberação controlada IPT/Valée de vitamina B12 para aplicações veterinárias Revestimentos cerâmicos especiais utilizando nanomateriais UFS/Cerâmica Sergipe Desenvolvimento e implementação de brackets cerâmicos de ZrO2 e Al2O 3 com UFRN/Tecnident adição de pigmentos Desenvolvimento de novas formulações utilizando nanodispositivos para o trata- UFMG/Biolab mento de doenças cardiovasculares Síntese e nanoestruturação de uma chalcona ativa para tratamento da leishmaniose IBCCF/Biosintética Fonte: os autores, com base em: BRASIL (2006d, p. 14).
  • 14. 14 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL Dos seis projetos aprovados, três encontram-se na no grupo objeto deste relatório técnico, o que significa 50% dos projetos aprovados. Mais uma vez, a importância destes estados para o desenvolvimento da nanotecnologia no Brasil fica patente, como também o alto nível de concentração da pro- dução de conhecimento nanotecnológicos e produtos deles originados. A seguir, cabe analisar os seguintes editais: 1) Edital MCT/CNPq n° 12/ 2004, de 8 de julho de 2004 (BRASIL, 2004b), de apoio a atividades de pesquisa e desenvolvimento de produtos de processos inovadores em nanotecnologia empreendidos em cooperação com empresas de base tecnológica; e 2) Edital MCT/CNPq n° 13/2004, de 8 de julho de 2004 (BRA- SIL, 2004c), de apoio a atividades de pesquisa voltadas para o estudo de aspectos éticos ou impactos ambientais da nanotecnologia e nanobio- tecnologia. Estes dois editais são referências especiais para a análise do desenvol- vimento da nanotecnologia no Brasil. O Edital MCT/CNPq n° 12/2004 (BRA- SIL, 2004b) refere-se a atividades no campo da nanobiotecnologia, sensores, materiais nanoestruturados e magnéticos. Os recursos financeiros dedica- dos a este edital foram de R$ 2 milhões. Em termos regionais, os Estados contemplados foram São Paulo (sete projetos), Minas Gerais (três) e Rio Grande do Sul (dois). Fica explícita a concentração de trabalhos aprova- dos neste edital nos Estados de São Paulo e Minas Gerais, unidades federa- tivas objeto deste estudo. O Edital MCT/CNPq n° 13/2004 (BRASIL, 2004c) aprovou cinco projetos, os quais tinham um limite de R$ 25.000,00. Esperava-se a aprovação de oito projetos, mas somente cinco foram aprovados, ainda assim, no valor de R$ 100.000,00. Os outros R$ 100.000,00 não se sabe aonde foram aplicados. A primeira observação a ser feita é que esta foi a única oportunidade aberta em temos de editais que contemplou a participação das ciências humanas. Portanto, podemos relacionar o valor em reais destinado a este edital com o valor em reais aplicado no Edital MCT/CNPq n° 12/04: os estu- dos previstos no Edital MCT/CNPq n° 13/04 significaram apenas 5% dos re- cursos aplicados no Edital MCT/CNPq n° 12/04. Mas, se a referência forem todas as ações governamentais no período 2001-2006 que deram suporte ao desenvolvimento da nanotecnologia no Brasil – que somaram R$ 139.893.103,58 –, a relação entre o valor do Edital MCT/CNPq n° 13/2004 e o total aplicado em 2001-2006 aproxima-se de zero. Este é o fato que materi- aliza a visão dominante em termos de concepção de desenvolvimento da nanotecnologia no Brasil, ou seja, a mais absoluta e proposital exclusão
  • 15. 15 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL das ciências humanas da produção de conhecimentos sobre nanotec- nologia. No Edital MCT/CNPq n° 13/04 (BRASIL, 2004c), a produção de conheci- mentos em nanotecnologia esteve mais desconcentrada em termos da origem geográfica dos projetos aprovados. Os Estados contemplados fo- ram RS, Santa Catarina (SC), PR, SP e RJ. Fica claro que também nesta área de pesquisa o Estado de São Paulo está presente, em trabalho que justamente proporcionou a elaboração deste relatório, com um conteúdo que apresenta pela primeira vez o desenvolvimento da nanotecnologia no Brasil visto por uma perspectiva diferente da dominante. Não consta dos documentos oficiais referência à constituição da Rena- nosoma, que organizou o Primeiro Seminário Internacional Nanotecnologia, Sociedade e Meio Ambiente2, realizado em 18 e 19 de outubro de 2004 na Casa da Cultura Japonesa, pertencente à Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP). Em outubro de 2004, a Renanosoma era constituída por 10 pes- quisadores(as) de 10 instituições; em abril de 2007, havia 30 membros de 21 instituições. Outro fato que aqui vamos tratar é da chamada Lei de Inovação, Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004 (BRASIL, 2004a). Na visão do governo federal, esta lei terá reflexo direto na produção de C&T no Brasil e, em decorrência, na produção de nanociência e nanotecnologia. O entendi- mento é o de que esta lei estimulará a inovação por meio da criação de mecanismos de gestão para as relações entre instituições de pesquisa, governo e setor produtivo. O objetivo é que as parcerias entre empresas, universidades e institutos científicos e tecnológicos ganhem força. A lei deve favorecer o investimento de empresas em pesquisa científica e tecnológica no Brasil, sejam elas nacionais ou multinacionais. A União incentivaria as empresas a apoiar e investir em atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico por meio da concessão de recursos financei- ros, humanos, materiais e de infra-estrutura. Ela “permitirá que o conheci- mento acumulado nas instituições de pesquisa seja oferecido à economia brasileira, para melhorar a produtividade e a capacidade de competir com o mercado global” (ETCGROUP 2005a, p. 167). Outras análises a respeito , 2 As conferências apresentadas nesse seminário encontram-se disponíveis em: <http:// www.nanotecnologia.iv.fapesp.br>. Acesso em: 10 jan. 2007; MARTINS (2005c).
  • 16. 16 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL desta mesma lei apontam algumas possíveis conseqüências de sua implementação: [...] discute-se que a lei de inovação não resolverá os gargalos da inovação tecnológica e submeterá as universidades e institutos de pesquisas públicos aos interesses das empresas e da geração de patentes. As ações do governo estão direcionadas para “desenvolver a capacidade de realizar Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) nas empresas e em instituições públicas e privadas, gerar patentes e transferir inovações para produtos e serviços”. A sustentabilidade do conhecimento gerado será garantida pela promoção de “interações institucionais e empresariais e uma articulação fina com os siste- mas educacionais e centros de pesquisas, de modo a que seja cultivado um novo ambiente industrial de cooperação”. Sem o menor escrúpulo, será “fa- cilitado o relacionamento entre centros de pesquisas, as empresas e o siste- ma de comercialização, além de se ajudar nos processos de fixação de mar- cas, registros de patentes, desenvolvimento de processos de qualidade, de- senho industrial, escala eficiente de produção, proteção ambiental, logística e distribuição, além da tradicional ação sobre a criação e aumento de capaci- dade”. As instituições científicas e tecnológicas, nos termos da lei, terão que estruturar os laboratórios de modo a criar sinergia de P&D, organizar os está- gios iniciais de pesquisa empresarial e transferir tecnologias e gestão para o setor produtivo. (ETCGROUP 2005a, p. 167) Esta lei também induziu alguns estados, como São Paulo, por exem- plo, a encaminhar aos respectivos parlamentos as versões estaduais da Lei de Inovação. Algumas das versões pretendem reestruturar seu sistema estadual de ciência e tecnologia, como é o caso novamente do Estado de São Paulo. Neste exemplo, em abril de 2007 o projeto de lei ainda se en- contrava em apreciação pelo parlamento paulista. Dentre os segmentos sociais entrevistados neste trabalho, podemos afirmar que a visão dominante da necessidade de uma lei de inovação nos moldes da que foi aprovada é compartilhada pelos segmentos acadê- micos, políticas públicas e empresas; discordância ou críticas foram reali- zadas pelos segmentos organizações não-governamentais e sindicatos. 2005 Em continuidade às ações da Renanosoma que não fazem parte da “história oficial” do desenvolvimento da nanotecnologia no Brasil está o seminário organizado durante o Quinto Fórum Social Mundial, realizado em Porto Alegre. No dia 28 de janeiro de 2005, em seis horas de atividades,
  • 17. 17 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL estiveram presentes conferencistas nacionais e internacionais discutindo nanotecnologia com um público oriundo de dezenas de países. Entre os conferencistas internacionais, estiveram presentes: Renzo Tomellini, chefe da Unidade de Nanotecnologia da União Européia; Pat Mooney e Silvia Ribeiro, do ETC Group; Kenneth Gould, da Saint Lawrence University, Estados Unidos; Simone Scholze, da Divisão de Ética em Ciên- cia e Tecnologia da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Os conferencistas nacionais foram: Sedi Hirano, diretor da FFLCH/USP; Silvia Guterres e Petrus Santacruz, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Paulo R. Martins, da Renanosoma; Marise Borba, da Uni- versidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Em abril, o MCT/Finep lançou o Edital MCT/Finep n° 03/2005, com o objetivo de [...] selecionar propostas visando o apoio financeiro a projetos de pesquisa aplicada ao desenvolvimento de novos produtos, processos ou prestação de serviços baseados em nanotecnologia, em todo o território nacional, desen- volvidas de forma cooperativa entre empresas brasileiras, grupos de empre- sas brasileiras ou consórcio de empresas brasileiras formalmente constituí- do e Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs), atuantes na área. No âmbi- to da Chamada Pública, serão apoiados projetos de inovação relacionados às aplicações da nanotecnologia nos seguintes segmentos: cadeia produtiva do agronegócio; saneamento básico e recursos hídricos; siderurgia; vidros e cerâmicos; setores de energia, eletroeletrônico, de pigmentos e tintas, quími- co e petroquímico, têxtil, de cosméticos e de saúde (humana e animal). (BRA- SIL, 2005d, p. 2) Os projetos aprovados neste edital estão expressos no Quadro 4, a seguir. Nele podemos observar que os Estados de SP e MG são responsá- veis por 2/3 dos projetos aprovados. Isto é mais um elemento comprobatório da importância destes estados no contexto da produção de nanotecnologia no Brasil, bem como que a concentração destas atividades na Região Su- deste ainda é bastante forte. No tocante ao apoio a projetos institucionais de pesquisa e desenvolvi- mento em nanociência e nanotecnologia, o Quadro 4 a seguir demonstra que, dos nove projetos aprovados, cinco vem sendo desenvolvidos por ins- tituições de pesquisa dos Estados de São Paulo e Minas Gerais, o que signi- fica aproximadamente 55% dos projetos aprovados. Quando a referência passa a ser empresas interessadas neste desenvolvimento tecnológico,
  • 18. 18 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL podemos observar que 2/3 delas encontram-se nos Estados de SP (cinco empresas) e MG (uma empresa). Quadro 4. Projetos aprovados pela ação Fomento a Projetos Institucionais de Pesquisa e Desenvolvimento em Nanociência e Nanotecnologia, em 2005 Título Instituição Instituição Instituição interveniente do projeto executora co-executora – Desenvolvimento tecnológico de nanocosméticos UFRGS Biolab Ltda. Desenvolvimento de biocerâmicas nanoestruturadas, para Inst. Nac. de Traumato Óssea Technology CBPF uso clínico, como material para regeneração óssea -Ortopedia/UFRJ Ind. e Com. Nanocompósitos de borracha natural para adesivos e Centro Tecnol. de EF Engenharia Unicamp outros produtos Couro, Calçados e Afins Ltda. Desenvolvimento de nanocosméticos de ação antioxi- IPT Natura Ltda. – dante e antiinflamatória Desenvolvimento de nanocompósitos de poliestireno – UFSC Cenpes contendo argilas modificadas Síntese de nanocompósitos de polipropileno por poli- Centro de Tecnologia Impem Petrobras S. A. merização in situ Mineral Desenvolvimento de sistemas nanoestruturados con- Fundação Centro UFMG Biocancer S. A. tendo antineoplásticos para tratamento de tumores Tecnológico de sólidos e queratoses actínicas Minas Gerais Dispositivos ópticos ultra-rápidos baseados em Quantum Unicamp – Padtec S. A. dots semicondutores Desenvolvimento de PP com alta força do fundido e Empr. Bras. de Ipen extensibilidade por meio da síntese de nanogéis de – Radiações Ltda. polipropileno (Embrarad) Fonte: os autores, com base em BRASIL (2006d, p. 14). Para a infra-estrutura laboratorial, recursos significativos foram reser- vados pelo MCT, conforme nos mostra o quadro abaixo: Quadro 5. Recursos destinados a infra-estrutura laboratorial Encomenda – laboratórios estratégicos valor (em R$) LNLS 12.000.000,00 InMetro 14.000.000,00 Laboratórios nacionais LNNA – Embrapa 1.000.000,00 CBPF 4.757.406,88 Cetene 0,00 TOTAL 58.557.406,88 Fonte: os autores, com base em: BRASIL (2006d, p. 11).
  • 19. 19 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL É preciso ressaltar que estas dotações foram determinadas pela secre- taria do MCT então responsável pela área de nanotecnologia, sem que as instituições contempladas tenham tido de participar de editais para serem aquinhoadas com os recursos. As razões oficiais deste procedimento fo- ram as seguintes: O objetivo desta ação é dotar o país de uma infra-estrutura laboratorial multiusuários para o domínio da nanotecnologia, por meio da construção e instalação de laboratórios, aquisição de equipamentos e materiais de reposi- ção, de material permanente e software. Em 2005, essa ação sofreu uma restrição quanto a sua estratégia de imple- mentação, prevista para ser operacionalizada via edital. Com o lançamento do edital das redes (Rede BrasilNano), optou-se por esperar a classificação das mesmas para então definir que laboratórios estratégicos apoiar, via enco- menda. Como as encomendas são implementadas pelos Fundos Setoriais, os recursos orçamentários (R$ 3.843.640,00) da ação “Implantação de Labo- ratórios e Redes de Micro e Nanotecnologia” seriam somados às encomen- das. Entretanto, tendo em vista a exigüidade de tempo para execução dos recursos dessa ação no exercício, via edital, e considerando a grande deman- da das redes para a aquisição de equipamentos, esses recursos foram inves- tidos na aquisição dos equipamentos das mesmas. Cabe mencionar que os recursos destinados às encomendas, no montante de R$ 15 milhões, foram internalizados na Finep em 2005 para contratação em 2006. Os laboratórios atendidos pelas encomendas foram: LNLS e InMetro (labora- tórios estratégicos) e os laboratórios nacionais Centro Brasileiro de Pesquisa em Física, Embrapa Instrumentação de São Carlos e Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste (Cetene) do Instituto Nacional de Tecnologia (INT). Foram previstos R$ 5 milhões para cada um desses laboratórios nacionais. (BRASIL, 2006d, p. 16) Dois destes laboratórios encontram-se no Estado de São Paulo: LNLS (R$ 12 milhões) e Embrapa Instrumentação de São Carlos (R$ 1 milhão) (BRASIL, 2006d). Outro Estado bem contemplado foi o do Rio de Janeiro, por meio do Centro Brasileiro de Pesquisa em Física e do Instituto Nacio- nal de Tecnologia. Portanto, em termos de infra-estrutura laboratorial, as instituições contempladas encontram-se concentradas no eixo São Paulo- Rio de Janeiro. Dois importantes editais foram lançados no ano de 2005: n°s 28 e 29. O primeiro deles foi destinado a jovens doutores com projetos em nanociência, nanotecnologia e nanobiotecnologia. O segundo referia-se à constituição de novas redes de pesquisa em nanotecnologia.
  • 20. 20 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL O resultado do Edital MCT/CNPq n° 28/2005 (BRASIL, 2005a) encontra- se a seguir apresentado: Quadro 6. Projetos apoiados pela ação Fomento a Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento em Micro e Nanotecnologia Título dos projetos Instituição Desenvolvimento de novos materiais nanoestruturados para aplicações em células so- Unicamp lares orgânicas e híbridas Efeito magneto-calórico em nanomateriais e nanoestruturas: refrigeração e aquecimento UFRJ Sistemas híbridos Nanotubos de Carbono@biomoléculas: propriedades e aplicações UFC Produção de nanopartículas de fármacos empregando tecnologia supercrítica URI Aplicações da nanobiotecnologia para o estudo de mediadores e mecanismos envolvi- UFMG dos na resposta inflamatória em modelos experimentais de isquemia e reperfusão Compósitos poliméricos reforçados com nanopartículas de superfície modificada para UEM aplicação em dentística restauradora Estudo do Exchange Bias em sistemas nanométricos com anisotropia arbitrária LNLS Nanomateriais a base de cucurbitandos USP-Ribeirão Preto Pigmentos nanométricos pelo método dos precursores poliméricos UFPB Fabricação e estudo de NanoLEDs brancos de GaN UFMG Nanosistemas de microorganismos como modelo para nanobiotecnologia UFRJ Acoplamento de emissores nanoscópicos de luz a modos ópticos de microcavidades Ufpe esféricas com alto fator de qualidade Desenvolvimento de nanomateriais luminescentes na faixa do infravermelho-próximo USP para aplicação em imagem e terapia Avaliação da ação de peptídeos antimicrobianos sobre membranas biológicas por meio Embrapa de microscopia de força atômica Apatitas nanocristalinas: síntese de nanocristais e recobrimentos bioativos nanométricos CBPF em substratos metálicos Preparação e utilização de nanopartículas de semicondutores para marcação celular e Ufpe para o desenvolvimento de novas técnicas de diagnósticos Crescimento de nanotubos de carbono para aplicação em sensores de gás UFMG Nanocompósitos à base de sílica dopados com íons latanídeos para aplicação em USP-Ribeirão Preto fotônica: preparação e caracterização estrutural Confinamento e manipulação de cargas e spins em semicondutores magnéticos diluídos UFRJ Fonte: os autores, com base em: BRASIL (2005a). O Edital MCT/CNPq n° 28/05 teve 19 projetos selecionados, dos quais 6 (47%) foram oriundos de instituições localizadas no Estado de São Paulo e 3 no Estado de Minas Gerais. Mais uma vez, dois dos estados estudados neste projeto afirmam-se como de intensa participação no desenvolvimento da nanotecnologia no Brasil.
  • 21. 21 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL Mas o grande edital definidor dos rumos da nanotecnologia no Brasil foi o Edital MCT/CNPq n° 29/05 (BRASIL, 2005b). Os recursos previstos nes- te edital foram de R$ 12 milhões. Ao final do processo, foram aprovadas as seguintes redes de pesquisa em nanotecnologia: Quadro 7. Redes de nanotecnologia atualmente apoiadas pelo Programa Nacional de Nanotecnologia Coordenador Projeto Instituição UF Simulação e Modelagem de Nanoestruturas Adalberto Fazzio USP SP Rede de Nanofotônica Anderson Stevenson L. Gomes Ufpe PE Rede Nacional de Nanobiotecnologia e Sistemas Eudenilson Lins de Albuquerque UFRN RN Nanoestruturados (Nanobioestruturas) Rede Cooperativa de Pesquisa em Revestimentos Fernando Lázaro Freire Júnior PUC RJ Nanoestruturados Microscopias de Varreduras de Sondas – Software e Gilberto Medeiros Ribeiro LNLS SP Hardware Abertos Marcos Assunção Pimenta Nanotubos de Carbono: Ciência e Aplicações UFMG MG Maria Rita Sierakowski Nanoglicobiotecnologia UFPR PR Oscar Manoel Loureiro Malta Rede de Nanotecnologia Molecular e Interfaces Ufpe PE Paulo César de Moraes Rede de Nanobiomagnetismo UnB DF Nanocosméticos: do Conceito às Aplicações Silvia Stanisçuaski Guterres UFRGS RS Tecnológicas Fonte: os autores, com base em: BRASIL (2006d, p. 13). O quadro acima mostra que duas redes estão associadas ao Estado de São Paulo, uma ao Estado de Minas Gerais e uma ao Distrito Federal. Isto significa que 40% das redes aprovadas têm sua coordenação/instituição responsável nos Estados objeto deste estudo. Também é preciso salientar que, entre as dez redes de pesquisa aprovadas, nenhuma delas é da área de ciências humanas, embora a Renanosoma tivesse enviado projeto ao referido edital3. Estas redes estão sob a gerência do conselho da Rede BrasilNano, constituída mediante Portaria MCT n° 614, de 1° de dezembro de 2004 (BRA- SIL, 2004e). Em 1° de dezembro, a Portaria n° 614 do Ministério de Ciência e Tecnologia institui a Rede BrasilNano como um dos elementos do Programa Desenvolvi- 3 Para detalhes do ocorrido no Edital MCT/CNPq n° 29 e as razões oficiais e reais para a eliminação da Renanosoma do rol das redes aprovadas, consulte: MARTINS (2007).
  • 22. 22 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL mento da Nanociência e Nanotecnologia, no âmbito da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior. A rede é composta por representantes do MCT, Finep, CNPq, Fórum de Secretários Estaduais de Ciência e Tecnologia, Fórum de Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa, Anpei, ABIPTII Anprotec, Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, quatro pesquisa- dores brasileiros de notória competência, dois pesquisadores estrangeiros de notória competência e dois representantes de empresas ou associações empresariais. (ETCGROUP 2005a, p. 167) A composição deste conselho deixa explícita a concepção de que nele não deve haver participação da sociedade, indicando que não se admite qualquer tipo de controle/participação social nas deliberações sobre o de- senvolvimento da nanotecnologia no Brasil. A importância dos estados estudados também pode ser constatada no Edital MCT/CNPq n° 31/05, conforme segue: Quadro 8. Projetos apoiados pelo Edital MCT/CNPq n° 31/2005 Coord. brasileiro Coordenador Outras instituições Instituições Título e instituição estrangeiro brasileiras estrangeiras Estudo por magneto-óptico do Exchange Bias em sistemas Flávio Garcia – CNRS, Paris VI, Maurizio Sachi CBPF, USP, UFG nanométricos com anisotropia Abtlus LMLN arbitrária Estrutura local de líquidos Francisco Augusto ESRF, Paris VI, Aymeric Robert magnéticos: da nanopartícula LNLS, USP, Ipen Tourinho – UnB CEA-Saclay à dispersão coloidal Nanocatalisadores alternativos Maria do Carmo para a reação de Fischer- Paris VII, Lille I, UFG, UFRGS, UFRJ, Edmond Payen Rangel Santos Tropsch: preparação, caracteri- Poitiers UEM, Uneb, UnB Varela – Ufba zação e avaliação Rede cooperativa Brasil-Fran- ça em processos de produção CNRS, Toulouse Silvia Stanisçuaski Hatem Fessi IPT, USP, Faenquil de nanopartículas para aplica- III, Lyon I Guterres – UFRGS ção em saúde Organização, ordem magnéti- Waldemar Augusto Dominique LMLN, Soleil, UFPR, UFRGS, UFRJ ca e estabilidade do magne- de Almeida Givord Paris VI tismo em nanoclusters Macedo – CDTN Fonte: os autores, com base em: BRASIL (2005c). Dos cinco projetos aprovados, somente um deles não tem a presença de instituições de pesquisa oriundas dos estados objeto deste trabalho. Isto significa que, em 80% dos projetos aprovados, instituições dos Estados de
  • 23. 23 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL São Paulo – USP Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), , IPT, Faculdade de Engenharia Química de Lorena (Faenquil), LNLS – e Distrito Federal – UnB – estão presentes neste edital internacional de pesqui- sa em nanotecnologia. De 19 a 21 de outubro de 2005, a Renanosoma realizou no IPT o Segun- do Seminário Internacional Nanotecnologia, Sociedade e Meio Ambiente4. Contribuíram neste seminário 9 conferencistas internacionais e 12 nacio- nais, os quais discutiram as relações entre nanotecnologia, inovação e economia, sociedade, meio ambiente, ética, agricultura e regulação. Os recursos financeiros para a realização deste seminário não vieram do MCT/ CNPq (que não aprovou nossas solicitações), mas sim do Ministério do Desenvolvimento Agrário/Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural (MDA/Nead). 2006 No início de 2006, a Renanosoma organizou seminário no Sexto Fórum Social Mundial de Caracas, com o objetivo de informar e discutir nanotecnologia com público não-especialista de diversos países. Neste seminário estiveram presentes: Pat Mooney, diretor do Grupo ETC, José Manoel Rodrigues Victoriano, professor do Departamento de Sociologia e Antropologia da Universidade de Valença, Espanha, além do coordenador da Renanosoma, Paulo R. Martins. Cabe ressaltar a iniciativa governamental referente aos Editais CNPq n°s 42 e 43/06. São editais diretamente ligados às nanotecnologias; em- bora seu cronograma indique que seus resultados estariam disponíveis ainda no ano de 2006, até a redação deste relatório (abril de 2007) os resultados não estavam disponíveis na página eletrônica do CNPq. As- sim, não será possível avaliar a participação dos Estados de SP, MG e DF em termos de projetos contemplados. De qualquer forma, acreditamos que ela se concretizará em termos semelhantes aos anos anteriores aqui analisados. Abaixo informações que dão a dimensão exata dos valores aplicados em cada um dos editais a seguir apresentados: 4 Disponível em: <http://nanotecnologia.incubadora.fapesp.br/portal/AUDIO>. Acesso em: 10 jan. 2007; MARTINS (2006b).
  • 24. 24 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL • Edital MCT/CNPq n° 42/2006. Apoio a projetos apresentados por jo- vens pesquisadores, para financiamento de atividades de pesquisa e de- senvolvimento em nanociência e nanotecnologia. 1.6.2 – Para este Edital estão alocados recursos orçamentários da Ação 8.655 “Fomento a Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento em Micro e Nanotecnologia” do Programa 1.388 “Ciência, Tecnologia e Inovação para a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (Pitce)”, no valor glo- bal estimado de R$ 1.830.000,00 (um milhão, oitocentos e trinta mil reais). As propostas aprovadas serão contratadas em 2006, estando prevista a libera- ção dos recursos ainda neste ano. (BRASIL, 2006b) • Edital MCT/CNPq n° 43/2006. Apoio a projetos de infra-estrutura laboratorial em nanotecnologia. 1.4.2 – Para este Edital estão alocados recursos orçamentários da Ação 7.391 “Implantação de Laboratórios e Redes de Micro e Nanotecnologia”, do Pro- grama 1.388 “Ciência, Tecnologia e Inovação para a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (Pitce)”, no valor global estimado de R$ 3.975.000,00 (três milhões, novecentos e setenta e cinco mil reais). As propos- tas aprovadas serão contratadas em 2006, estando prevista a liberação dos recursos ainda neste ano. (BRASIL, 2006c) • Edital MCT/CNPq n° 12/2006. Apoio a projetos de difusão e popularização de ciência e tecnologia. 1.5.1 – As propostas aprovadas serão financiadas com recursos no valor glo- bal estimado de R$ 4.190.000,00 (quatro milhões, cento e noventa mil reais) em 2006 e R$ 4.190.000,00 (quatro milhões, cento e noventa mil reais) em 2007, provenientes de Ação Transversal, a serem liberados de acordo com a disponibilidade orçamentária e financeira do CNPq, recursos oriundos do CT-Hidro, no montante de R$ 1.700.00,00 (hum milhão e setecentos mil reais), e do CT-Infra, no montante de R$ 6.680.000,00 (seis milhões, seiscentos e oitenta mil reais) pelo CNPq. (BRASIL, 2006a) Embora este último edital não tenha sido destinado especificamente à nanotecnologia, o coordenador da Renanosoma teve um projeto aprova- do, intitulado Engajamento Público em Nanotecnologia, no valor de apro- ximadamente R$ 120.000,00. Embora aprovado e contratado em 2006, seu início de fato só se deu no ano de 2007. Este projeto visa informar e discutir nanotecnologia com os diversos públicos não-especialistas, como, por exemplo, estudantes do ensino mé- dio, profissionalizante e universitário, sindicatos, associações, etc. Estas
  • 25. 25 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL atividades vêm sendo realizadas mediante um programa semanal de uma hora de duração transmitido via internet. Os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal têm papel importante também em relação a este aspecto do desenvolvimento da nanotecnologia no Brasil. Participam deste projeto inúmeros cientistas das mais diversas redes de pesquisa em nanotecnologia com atividades nes- tes Estados, os quais têm dado suas contribuições ao debaterem nanotecnologia com o público não-especialista ao longo dos diversos pro- gramas que foram e serão realizados em 2007 e 2008. 3 Perspectivas futuras As perspectivas futuras da nanotecnologia são aqui indicadas segundo a visão dos cinco segmentos sociais entrevistados acerca dos possíveis im- pactos das nanotecnologias nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Dis- trito Federal. 1 Qual a importância da nanotecnologia para a economia brasileira? a) Acadêmicos: consideram a nanotecnologia importante, mas demons- traram existir diferentes visões, graus de importância e de crença em seu desenvolvimento. As nanotecnologias estariam ligadas a inovações da mi- croeletrônica. Este segmento destaca que a indústria caminha para proces- sos e produtos inteligentes automatizados. Alguns consideram que há mui- ta promessa e expectativa, mas que com o tempo acontecerá de forma semelhante ao ocorrido com a internet, e assim as nanotecnologias tornar- se-ão mais comuns. Parte dos acadêmicos entrevistados considera que o país estaria ainda necessitando dominar algumas tecnologias referentes à década de 1970, pois continua a importá-las. A situação do desenvolvimento atual seria incipiente e com poucos resultados efetivos. Atualmente, a maior utilização seria a busca de melhoria e aperfeiçoamento dos produtos e processos de produção já existentes por meio da incorporação de insumos nanotecnológicos impor- tados. Isto caracteriza a visão incremental da nanotecnologia. Já existem produtos que estão sendo utilizados no dia-a-dia que incor- poram insumos nanotecnológicos. As nanotecnologias constituiriam uma área estratégica, mas que vai demorar ainda para dar retorno; entretanto, ele será extremamente compensador. Os entrevistados consideram impor- tante que o país domine essas tecnologias, desde entender seus funda- mentos científicos até começar a fabricar, processar produtos.
  • 26. 26 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL b) Políticas públicas: As considerações sobre a importância das nano- tecnologias para a economia brasileira feitas pelos entrevistados que es- tão trabalhando com políticas públicas em nanotecnologia levam-nos a identificar dois tipos de entendimento sobre este tema: no primeiro, os entrevistados atêm-se ao âmbito geral do tema, uma vez que consideram que o país está inserido no mercado global no qual a disputa é pelas tec- nologias, sejam elas quais forem. O Brasil não pode ficar alheio ao conhe- cimento das novas tecnologias e sem identificar quais são os nichos de mercado, pois, caso contrário, eventualmente acabará por perder “o bon- de da história” como outros países perderam, pelo menos na área de informática. Os entrevistados desse primeiro modo de ver consideram que a tecnologia vem-se revolucionando com uma velocidade espantosa, e no mercado a diferença fica por conta exatamente da qualidade e da capaci- dade para acompanhar essas mudanças tecnológicas que vêm acontecen- do. O país deve ter domínio, conhecimento e capacidade de desenvolver essas tecnologias de ponta que possam inserir os produtos e processos no mercado competitivo que temos hoje. O diferencial sempre foi a capacidade de acompanhar com velocida- de as mudanças tecnológicas, e foi isso que fez com que muitos países entrassem para o seleto grupo dos desenvolvidos. É necessário que se te- nha dinamismo no desenvolvimento das tecnologias para se ter o domínio sobre elas, mas é igualmente necessário o desenvolvimento dos instru- mentos de controle e uso dessas tecnologias para o bem da população, para o bem do meio ambiente. Tais entrevistados acreditam que em poucos anos estejamos vivendo o momento em que haverá espaço no mercado global para os países que apresentem certificados de que seus produtos vêm sendo desenvolvidos, e que as tecnologias estarão sendo aplicadas com os mais rigorosos instru- mentos de controle, prevenção, participação social, transparência e coo- peração. Entendem que esses princípios podem significar um diferencial aliado a esta capacidade de mudança tecnológica. O segundo tipo de entendimento identificado é aquele que consegue apontar a importância das nanotecnologias para a economia brasileira, indicando alguns dos setores em que isto poderá ocorrer. Consideram as nanotecnologias importantes na área de novos materiais que constituem uma tecnologia de fronteira. Como todos os setores produtivos tecnológicos de fronteira, trabalham muito com novos materiais, visando promover ino-
  • 27. 27 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL vação em função dessas características das nanotecnologias, como, por exemplo, os polímeros nanoestruturados. As nanotecnologias apresentam um potencial para mudar radical- mente os produtos e processos. Uma das características das nano- tecnologias é que elas já são utilizadas por várias empresas que produ- zem com base em nanoestrutura, etc., só que não dizem que estão fazen- do isso. Para esse segmento entrevistado, no Brasil a maior parte das patentes internacionais é da área de cosméticos e é de nanoencapsu- lamento. Este grupo considera que o Brasil tem alguma chance com as nanotecnologias mais na área química e materiais, e menos na eletrôni- ca; identifica uma debilidade em nossa indústria eletrônica e que na mi- croeletrônica, como decorrência de uma série de investimentos, o im- pacto será bem grande entre 10 e 15 anos. Atualmente, referem-se à exis- tência, no mercado de produtos, por exemplo de corantes sem metal pesado para batom (patente da Unicamp), bem como fármacos que fo- ram abandonados porque perderam a eficiência, mas, com a utilização das nanotecnologias, foi possível desenvolver outros, apenas alterando a estrutura cristalina da organização das moléculas. Isso aumenta muito sua absorção, reduzindo a quantidade, a toxicidade e melhorando as características do medicamento, o que abre novas oportunidades. Entendemos que as diferentes visões apresentadas não são absoluta- mente díspares, pois, quando indagados sobre a importância dessas novas tecnologias para a economia brasileira, não apresentaram uma análise profunda sobre o tema. Esse fato reflete não só as limitações pessoais dos formuladores de políticas públicas entrevistados, como também – e mais importante – reflete a falta de conhecimentos disponíveis sobre o tema, pois as nanotecnologias não foram objeto de pesquisa e reflexão por parte da produção cientifica brasileira no que toca à sua importância para a economia brasileira. c) Empresas: neste segmento, os entrevistados convergem em termos de atribuir grande importância à nanotecnologia, demonstrando conheci- mento da matéria, embora de forma genérica e heterogênea quanto a sua objetividade. Apresentam uma concepção majoritária de que ocorrerá uma ruptura tecnológica; entretanto, essa visão é também fragmentada, ou seja, não-articulada. d) ONGs: para os entrevistados deste segmento social, as respostas convergem para uma visão generalista, indicando que consideram que, em princípio, haverá ganho para a economia brasileira, embora enten-
  • 28. 28 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL dam que há um otimismo exagerado em termos da dimensão atribuída aos impactos econômicos decorrentes da adoção da nanotecnologia. e) Sindicatos: os entrevistados deste segmento avaliaram a importância das nanotecnologias para a economia brasileira apenas em termos genéri- cos, ou seja, haveria oportunidades de se agregar valor em termos de produ- to, de melhoria a qualidade dos produtos para o consumidor e de exportar não só commodities. Consideram também que isso evitaria o estabeleci- mento de um gap tecnológico em relação aos paises desenvolvidos. 2 Quais seriam as aplicações da nanotecnologia nos diversos setores da economia? a) Acadêmicos: nesta questão das aplicações da nanotecnologia nos diversos setores da economia brasileira, de modo geral os entrevistados deste segmento admitem que elas serão quase infinitas, dadas suas inter- seções transversais, pela possibilidade de se adicionar “inteligência” e/ou resistência aos mais variados produtos: misturar materiais nanométricos ao material plástico, cerâmico, tecido, etc., reforçando-os, nanocápsulas que liberam drogas, sensores nanométricos de químicos, gases, drogas, biológicos. No caso específico da agricultura/agronegócio, poderão ser aplicados sensores de umidade, de pH, de contaminação, da presença de transgêni- cos, nanocápsulas de agroquímicos e no setor de embalagens. A liberação de insulina poderá ser controlada de acordo com a taxa de glicose do sangue. Os entrevistados relacionaram os setores nos quais os impactos decorrentes da nanotecnologia estarão presentes: à eletrônica/nanoeletrô- nica, têxteis, vidros, panelas, proteção de carros, catalisadores, fertilizan- tes, tintas, cosméticos, área médica farmacêutica (fármacos), microcom- putadores, pastas de dente, revestimentos de materiais, química, especial- mente a petroquímica e plásticos. Na área de energia, os acadêmicos consideram que será possível fa- bricar transformadores cerca de mil vezes mais eficientes e mais resisten- tes do que os convencionais. Na área ambiental, seria possível controlar derramamentos de petróleo por meio da utilização de partículas nano- métricas que funcionariam como esponjas. Também admitem as aplica- ções no controle de doenças de pouco interesse para os laboratórios co- merciais e kits de diagnóstico, atualmente muito caros. Verifica-se, portanto, que o leque de aplicações citadas indica que o nível de conhecimentos relativos a este tema pode ser considerado como de conhecimento geral, apoiado em resultados de pesquisas realizadas
  • 29. 29 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL no Brasil, bem como em relatos de resultados de pesquisas realizadas no exterior. b) Políticas públicas: os entrevistados deste segmento citaram as se- guintes aplicações para as nanotecnologias: microeletrônica, meio ambi- ente, tratamento de esgoto sanitário, filtro para melhorar a qualidade da água, materiais mais resistentes, computação, nanocatalizadores, redu- ção de emissão de poluição decorrente de uso de combustíveis, transmis- são de energia elétrica por condutores com nanomateriais, substituição do cobre por condutores com nanotubos de carbonos, pilhas com maior capa- cidade de armazenamento de energia. Sensores nanométricos serão usa- dos para detectar qualquer tipo de poluentes, para filtragens de líquidos, e haverá produtos inovadores com componentes nanotecnológicos, tais como: roupas que não mancham, meias que não dão mau cheiro nos pés, pisos autolimpantes, administração de drogas pelos efeitos de nanomagnetismo, novos catalisadores, semicondutores, baterias de celulares. Ainda segun- do os entrevistados deste segmento, as aplicações das nanotecnologias poderão ser encontradas nos setores têxteis, automobilísticos, aviação e comunicações via satélite. Também foi identificada por um dos entrevistados a aplicação em te- cidos que bloqueiam a radiação ou soltam produto hidratante, e também foi feita referência às aplicações das nanotecnologias no setor agrícola. O leque de aplicações citadas indica que o nível de conhecimentos relativos a este tema pode ser considerado como de conhecimento geral do entrevistado, apoiado mais em leituras realizadas sobre nanotecnologia do que em produtos e processos que foram resultado das ações de políti- cas públicas no Brasil. c) Empresas: A visão dos entrevistados deste segmento foi heterogê- nea. Demonstraram conhecimento sobre as aplicações em termos de se- tores produtivos como químico, plástico, agrícola, eletroeletrônico, etc. To- dos corroboram a visão de que a tecnologia traz inovação com ruptura. d) ONGs: neste segmento, as respostas apresentaram uma visão incipiente, porém todos admitem uma grande amplitude das possibilida- des colocadas pela nanotecnologia, pois ela abrange de forma transversal todos os setores da economia. e) Sindicatos: a maioria absoluta dos entrevistados deste segmento foi capaz de identificar vários setores em que a economia será afetada pelas nanotecnologias, captando, assim, a dimensão de seu impacto na econo- mia e no mundo do trabalho.
  • 30. 30 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL 3 Em sua opinião, quais seriam as principais motivações para os inves- timentos em nanotecnologia? a) Acadêmicos: as motivações para este segmento social colocam-se em diversos campos que vão desde o de cunho pessoal, passando pela busca incessante por conhecimentos científicos e tecnológicos de frontei- ras, até aplicações militares, aumentar a performance do produto e dimi- nuir o consumo de energia, formação de recursos humanos, controle de doenças sociais, redução dos danos causados ao meio ambiente. b) Políticas públicas: foram citadas motivações de várias ordens. Uma delas é a motivação econômica direta, tanto para o setor privado quanto para o público. No primeiro caso, no âmbito do mercado, a competitividade, o domínio de tecnologia, visando às ações das empresas em sua luta pela apropriação de mercado e geração de lucros; no segundo, as motivações para investimentos encontram-se relacionadas à competitividade do país, ao aumento da renda nacional e ao processo de dependência tecnológica e conseqüente dispêndio de recursos com pagamento de royalties, que poderia ser eliminado. As outras motivações situam-se nas questões do meio ambiente e da saúde humana. Estas áreas foram citadas enquanto portadoras de motiva- ções para investimentos em nanotecnologia. Por fim, verificou-se a existên- cia da compreensão de que a motivação para investimentos em nanotecnologias é a mesma que sempre houve para que tivéssemos o de- senvolvimento cientifico e tecnológico ao longo da história moderna da hu- manidade. c) Empresas: As respostas no segmento das empresas foram heterogê- neas e genéricas, indicando que para o setor público é estratégico investir para gerar valor para o país e induzir a uma certa visão de futuro para as indústrias. Em termos de setor privado, seria para antecipar oportunida- des, melhorar a performance e a aceitação dos produtos. Outra motivação seria conhecer para poder decidir corretamente. As principais motivações citadas foram a existência de uma estratégia das nanotecnologias para a economia, pois isso permitiria o melhoramento de produtos já existentes e o aumento de conhecimento geral. d) ONGs: As respostas deste segmento convergem no sentido de que as motivações seriam a aquisição e disseminação de conhecimentos so- bre nanotecnologias, com diferentes objetivos. Para as ONGs especifica- mente, o objetivo seria poder cumprir seu papel social. e) Sindicatos: A maioria absoluta dos entrevistados identificou como principal motivação a necessária intervenção do Estado para assegurar a
  • 31. 31 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL competitividade do país e a margem de lucro das empresas e os benefíci- os sociais. Um dos entrevistados referiu-se à produção de novos conheci- mentos e métodos de criar novos produtos como a motivação para investi- mentos em nanotecnologias. 4 Conclusões O descrito anteriormente retrata o processo de constituição e desen- volvimento da nanociência e nanotecnologia nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal e a importância destes estados dentro do contexto do desenvolvimento da nanociência e nanotecnologia no Brasil. Podemos afirmar que os estados estudados neste trabalho são de funda- mental importância para este desenvolvimento tecnológico brasileiro, dado o conhecimento acumulado, recursos humanos disponíveis, infra-estrutu- ra laboratorial, articulação científica internacional, articulação política na- cional5, que os fazem estar presentes nas diversas instâncias públicas deliberativas e nas etapas relativas à execução dos diversos editais. Portanto, não é possível entender o processo de desenvolvimento da nanociência e nanotecnologia no Brasil sem entender este processo nos es- tados aqui estudados. É preciso entender a rede sociotécnica que se consti- tuiu neste três estados, suas ações dentro e fora do laboratório, para que se possa compreender de forma integral este processo de desenvolvimento. Seguindo a tendência nacional, as áreas abrangidas são as áreas das ciências exatas e biológicas. A interdisciplinaridade é entendida como exe- cutada entre a química, a física, a biologia e as engenharias, sendo paten- te a exclusão das ciências humanas no âmbito dos projetos que configura- ram este desenvolvimento. Como parte da história não-oficial do desenvolvimento da nanotec- nologia, é preciso registrar que foi neste grupo de estados estudados que se iniciou (outubro de 2004) uma rede de pesquisa em nanotecnologia, sociedade e meio ambiente – Renanosoma –, com pesquisadores oriun- dos das ciências humanas e que estão transformando a nanotecnologia em objeto de estudo das ciências humanas. Embora esta rede tenha tido a capacidade de se articular nacionalmen- te, de produzir diversos seminários internacionais e nacionais, e de já es- 5 Apenas a título de exemplo, pode-se verificar a composição da diretoria e, em especial, a Presidência da Sociedade Brasileira de Física (SBF) ao longo do período estudado.
  • 32. 32 DESENVOLVIMENTO RECENTE DA NANOTECNOLOGIA EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E DISTRITO FEDERAL tar produzindo orientações e teses de mestrado, relatórios de pesquisa (como o presente relatório), ainda não foi capaz de inverter a concepção dominante de exclusão das ciências humanas do desenvolvimento da nano- tecnologia no Brasil e nos estados estudados, bem como de se articular politicamente para estar presente nas diversas instancias públicas deli- berativas e nas etapas relativas à execução dos diversos editais. As perspectivas futuras da importância das nanotecnologias para a eco- nomia brasileira são vistas como promissoras por todos os segmentos en- trevistados, embora com diferentes ênfases – mais ou menos otimistas – e em diferentes níveis de análise (incremental versus revolucionária e glo- bal versus local), indicando que estas tecnologias poderão até contribuir para evitar o aumento do gap tecnológico entre Brasil e países desenvolvi- dos. Todos os segmentos entrevistados foram capazes de identificar seto- res em que as nanotecnologias deverão estar presentes na economia bra- sileira, e várias indicações de usos específicos foram indicadas. As motiva- ções para os investimentos em nanotecnologia são variadas, abrangendo um grande leque, pelos diversos segmentos entrevistados, que abrange questões gerais, como formação de recursos humanos, aumento da performance do produto e diminuição do consumo de energia, aumento da competitividade da indústria e do país. 5 Recomendações 1) Realizar projeto de pesquisa cujos objetos a serem pesquisados se- rão as redes sociotécnicas que se constituíram neste três Estados, suas ações dentro e fora do laboratório, para que se possa compreender de forma integral este processo de desenvolvimento; 2) Reconstituir na forma de história oral, junto aos principais protagonistas sociais deste período, o desenvolvimento recente da nanotecnologia nos estados estudados; 3) Implementar a real interdisciplinaridade nos estudos de nanotecnologia, envolvendo necessariamente as três áreas da ciência: exatas, humanas e naturais; 4) Induzir, via edital público (como já realizado anteriormente), a criação formal de uma rede de pesquisas em nanotecnologia, sociedade e meio ambiente, com recursos oriundos em ações previstas no Plano Plurianual 2008-2011; 5) Incorporar pesquisadores oriundos das ciências humanas nos diversos comitês de seleção de projetos dos diversos editais destinados a estudos no campo da nanotecnologia.
  • 33. 33 NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO 1 Introdução Embora o objetivo deste capítulo seja estudar as questões de mercado em nanotecnologias relativas ao Brasil, mais especificamente a três uni- dades da federação (SP, MG, DF), a seguir apresentaremos uma rápida visão do mercado relativo à nanotecnologia no contexto mundial. O obje- tivo é apenas dar uma pincelada para situar o leitor no que tange a este aspecto econômico da nanotecnologia. Segundo Renzo Tomellini, chefe da unidade de nanotecnologia da Comissão Européia: A primeira informação importante são os gastos em pesquisa relacionada à nanotecnologia, da ordem de 8 bilhões de dólares ou euros, dependendo da taxa de câmbio, em gastos públicos e privados. Digamos que um dólar tenha o mesmo poder de compra de um euro. Então, a segunda informação importante: em 2004, os gastos privados ultrapassaram pela primeira vez os gastos públicos. E isto é importante no momento em que pensamos sobre a economia. A indústria está investindo cada vez mais e está muito interessa- da na nanotecnologia. Em termos de distribuição dos investimentos, tendo em conta os países da União Européia mais Suíça, Estados Unidos, Japão e outros, vemos que muito dinheiro público está sendo investido, especial- mente na Europa. A Europa gasta mais dinheiro público do que outras áre- as. Onde vemos a Europa fraca e outros países fortes é na área do setor privado. Na Europa, as indústrias estão descapitalizadas. E esse é um pro- blema para nosso sistema, que também se reflete na nanotecnologia. (TOMELLINI, 2006) As dimensões dos investimentos globais em pesquisas, em particular os realizados pelas empresas privadas, indicam que elas entendem que este marcado relativo a produtos, processos e serviços nanotecnológicos é importante. Para demonstrar esta importância, cabe citar o Instituto Inova- ção em seu trabalho denominado Nanotecnologia, produzido em setem- bro de 2005: De acordo com estudos recentes, realizados principalmente nos Estados Unidos, fica bastante claro o impacto da nanociência e nanotecnologia atra- vés dos benefícios potenciais que são bastante atraentes para diversas áreas. São estas as mais pesquisadas no mundo:
  • 34. 34 NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO • Materiais e fabricação, • Transporte, • Nanoeletrônica e semicondutores, • Medicina e saúde, • Aeronáutica e exploração espacial, • Energia e meio ambiente, • Biotecnologia agricultura, • Segurança nacional, • Educação, • Competitividade nacional. A nanotecnologia já gerou produtos e serviços que atualmente movimentam mais de US$ 100 bilhões ao ano no mundo. A expectativa é que, de 2010 a 2015, o mercado mundial para materiais, produtos e processos industriais baseados em nanotecnologia atinja US$ 1 trilhão. (INSTITUTO INOVAÇÃO, 2005, p. 32) O mercado relativo à nanotecnologia em termos de processos, produ- tos e serviços no Brasil, e também nos Estados de SP, MG e DF, é um mer- cado em constituição, ainda na fase inicial, com poucos anos de existên- cia. Entre outras coisas, isto implica que não há estatísticas elaboradas, pesquisas realizadas, fluxos de informações estabelecidos, conhecimen- tos acumulados em grandes quantidades, publicações setoriais e/ou aca- dêmicas voltadas ao tema. Contudo, este não é um trabalho que tem como objetivo realizar aná- lises de microeconomia ao nível de empresas e de produtos, analisando sua viabilidade. Aqui se propõe uma apresentação sintética das empresas, com referência ao produto que já contenha componentes nanotecnológicos, ou a que pesquisa e desenvolvimento a empresa se propõe a fazer em nanotecnologia, razão pela qual ela foi inserida neste rol de companhias. Após esta apresentação, o leitor encontrará uma análise das tendências observadas neste processo, que ainda está no princípio. Assim, este será um dos primeiros textos a tratar do tema, apresentan- do uma série de informações coletadas em fontes identificadas (primárias e secundárias), bem como em função da experiência da equipe técnica que vem trabalhando com o tema nanotecnologia já há alguns anos. 2 Empresas e nanotecnologia A produção acadêmica de nanociência e nanotecnologia realizada pelas quatro redes de pesquisa existentes de 2001 a 2005 é muito mais
  • 35. 35 NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO numerosa do que a quantidade de empresas identificadas. Isto também pode ser visto pelo pequeno número de patentes depositadas na área de nanotecnologia, já que existe relação direta entre numero de patentes registradas e número de empresas em determinado país. De 231 patentes relacionadas à nanotecnologia registradas no Brasil, identificadas no Insti- tuto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) pelo professor Fernando Galembeck em junho de 2004, apenas 19 patentes foram de autoria de brasileiros; as demais foram de autoria de estrangeiros (INSTITUTO INO- VAÇÃO, 2005). Somente a empresa L’Oreal depositou igual número de patentes às depositadas por brasileiros. A líder de patentes em termos na- cionais é a Unicamp. Segundo o Instituto Inovação, Acredita-se que empresas que atuam na área química estão mais atentas à nanotecnologia, principalmente no desenvolvimento de catalisadores mais eficientes. Segundo dados recentes do Diário Comércio Indústria e Serviços (DCI), pouco mais de 15 empresas no Brasil incorporaram a nanotecnologia em seus processos, sendo que a maioria com atuação nas áreas petroquímica, química, cerâmicos, metálicos e poliméricos (plásticos e borrachas). A previ- são é que até o final de 2007, o número de empresas que utilizam produtos ou processos nanotecnológicos no Brasil deva crescer na ordem de 200%. Para especialistas do setor, as empresas que não acompanharem as inova- ções terão que se ater aos nichos de mercado e ainda correrem o risco de ficar dependentes tecnologicamente, o que é muito ruim, uma vez que o setor apresenta altos índices de inovação e alto dinamismo. (INSTITUTO INO- VAÇÃO, 2005, p. 34-35) Um indicador de identificação de empresas atuantes neste campo da nanotecnologia pode ser a Nanotec Expo 2006, Segunda Feira e Congresso Internacional de Nanotecnologia, realizada em São Paulo de 6 a 8 de no- vembro de 2006. Eis a relação dos expositores e de seus produtos: 1) Orbys Localização: SP Mercado: plásticos, embalagens, calcados, saúde, cons- . trução civil, brinquedos, autopeças. Patente: sim. A Orbys nasceu em 2003 com o objetivo de identificar oportunidades inovadoras de alto nível tecnológico. Após inúmeras pesquisas, a nanotec- nologia foi o ramo de maior destaque. Por isso, iniciou-se o desenvolvi- mento de nanocompósitos de látex de borracha natural e argila conforme patente da Unicamp. Em seus dois anos de atividades, a Orbys tornou sua marca reconhecida pelo mercado no setor de nanotecnologia e formou
  • 36. 36 NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO importante rede de relacionamento em diversas áreas de tecnologia, es- pecialmente centros de P&D, indústrias e agências de fomento. Sua tecnologia atingiu o estágio de testes industriais de protótipos de produtos para diversas aplicações. O produto desenvolvido pela Orbys é o Imbrik, marca de nanocompó- sitos poliméricos de argila e látex de borracha natural. Trata-se de um material de tecnologia de ponta, produzido em um convênio com a Uni- camp. Sua aplicação prática poderá ser em adesivos, embalagens, calça- dos, artigos esportivos, elastômeros para saúde, aditivos para concreto, brinquedos e autopeças. 2) Santista Têxtil Localização: SP e outros estados. Mercado: têxtil e confecções. Paten- te: sim. A empresa apresentou dois novos produtos tratados com tecnologia nano, o Technopolo Light e o Image. Empresa com fábricas em vários muni- cípios, mas aqui incluída no rol das empresas paulistas. Technopolo Light: o tecido é 100% algodão, com maior leveza do que a versão original do Technopolo, apropriado para a confecção de camisas. O acabamento NanoComfort proporciona toque e resistência diferencia- dos, além do acabamento antimicrobial, que elimina os odores da trans- piração. Image: produto 100% poliéster, com visual, toque e caimento de tecido de lã ou poliéster/lã, utilizado geralmente para confecção de ternos e con- juntos sociais masculinos e femininos. Também absorve rapidamente a transpiração, como uma roupa de fibra natural, tem facilidade na remo- ção de manchas e mantém as funcionalidades de um produto sintético. 3) Suzano Petroquímica Localização: SP Mercado: automotivo, embalagens. Patente: sim. . Líder latino-americana na produção de polipropileno, depositou sua primeira patente em nanotecnologia junto ao Inpi. O registro diz respeito ao uso de nanotecnologia em produtos voltados para o setor automotivo e de embalagens, segmentos com grande representatividade para o merca- do de polipropileno, que representam cerca de 55% do share que a compa- nhia detém no mercado brasileiro. Embora tendo unidades fabris nos Esta- dos de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, para efeito deste estudo é aqui também enquadrada como empresa paulista, embora saibamos que ini- ciou suas atividades em 1974 no Pólo de Camaçari, BA.
  • 37. 37 NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO Esta empresa foi contemplada no Edital MCT/Finep n° 1/06, referente à subvenção econômica. O projeto aprovado refere-se a desenvolvimento de nanocompósitos propileno argila: método e obtenção e validade industrial. 4) Embrapa Localização: SP Mercado: indústria de alimentos, bebidas, café, água, . comercialização de alimentos. Patentes: sim. A Embrapa expôs dois produtos: o revolucionário filme protetor co- mestível e a língua eletrônica. Estes produtos são um trabalho da Embrapa Instrumentação, sediada em São Carlos, SP. Filme Comestível: é aplicado diretamente sobre os alimentos, como frutas e legumes; garante sua qualidade e aparência, permitindo o consu- mo imediato sem nenhuma necessidade de tratamentos ou limpezas sub- seqüentes. Língua Eletrônica: o sensor permite com rapidez, precisão, simplicida- de e a baixo custo verificar a qualidade da água, se existem contaminantes, pesticidas, substâncias húmicas e metais pesados. A Língua Eletrônica di- ferencia sem dificuldade os padrões básicos de paladar, doce, salgado, azedo e amargo, em concentrações abaixo do limite de detecção do ser humano. O sistema também apresenta excelentes resultados na diferenci- ação de bebidas com o mesmo paladar, sendo possível distinguir diferen- tes tipos de vinho, café, chá e água mineral. 5) MM Importadora Localização: SP. Mercado: Importação para mercado têxtil, medica- mentos. Patente: não. A MM, empresa paulista, expôs diversos produtos importados de Cingapura e China, entre eles tecidos, cartões de saúde que agregam princípios ativos de medicamentos para dores de cólica e cabeça; tecidos luminosos, lâmpa- das que purificam e destroem bactérias venenosas em ambientes. A companhia trouxe para o Brasil também tecidos nanotecnológicos desenvolvidos com fibra ótica capazes de brilhar no escuro. “Todos esses materiais já estão disponíveis para a indústria têxtil brasileira”, afirma Vidal dos Santos Rodrigues Filho, representante da MM. Outra novidade, desen- volvida pela Santista, é o tecido feito 100% de plástico reciclado de garra- fas PET, que é capaz de absorver líquidos graças à nanotecnologia. 6) Nanox Localização: SP Mercado: indústria de vidro, cerâmica, plásticos, meta- . lúrgica. Patente: sim.
  • 38. 38 NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO Focada em soluções para mercados industriais, a Nanox desenvolve produtos com diferencial de mercado utilizando a nanotecnologia como instrumento de vantagem competitiva. A tecnologia Nanox para síntese de nanomateriais é proveniente do método bottom-up, mais especificamente dos métodos de síntese quími- ca. A empresa emprega tanto métodos de síntese química hidrolítica quanto de síntese química não-hidrolítica em seus processos produtivos. Por meio de suas tecnologias, a Nanox produz compostos nanométricos com tama- nho e distribuição de partículas controladas, elevada homogeneidade, estequiometria controlada, com baixo custo e escala industrial. Ademais, estes processos permitem que materiais com diferentes características sejam compatibilizados, ou seja, materiais polares podem ser transforma- dos quimicamente para serem incorporados ou reagirem com materiais apolares, proporcionando grandes alterações nas propriedades dos mate- riais. Dessa forma, a Nanox constrói materiais em escala atômica, mode- lando as propriedades dos materiais e das superfícies, e pode produzir um range de materiais amorfos e cristalinos, incluindo óximos metálicos sim- ples e mistos, coatings, nanocompósitos e materiais para energia limpa. Os produtos desta empresa são: Nanox Barrier: protege superfícies contra processos de corrosão e abrasão, especialmente a altas temperaturas, e pode ser aplicado em su- perfícies de formas complexas, como metais, cerâmicas e plásticos. Nanox Clean: coatings nanoestruturados aplicados em superfícies que facilitam os processos de limpeza e esterilização, que degradam materiais orgânicos e possuem propriedades biocidas. Aplicado em metais, vidro, cerâmicas e plásticos. Nanox Hidrocell: possibilita sínteses especiais de nanopartículas com formas complexas e controle das condições de contorno. Baseado nos prin- cípios de geotermia, o equipamento traz avanços para síntese de estrutu- ras especiais e materiais inteligentes. A Nanox está diretamente ligada a uma segunda razão social, a Science Solution. Com esta razão social, foi contemplada no Edital MCT/Finep n° 1/ 2006, voltado à subvenção econômica a empresas. O título do projeto apro- vado é Design de Cerâmica Nanoestruturada para Aplicação em Plástico. 7) Audi Localização: SP Mercado: automotivo. Patente: sim. . O público pôde ver de perto o novo Audi A3 Sportback, repleto de recursos nanotecnológicos em sua estrutura. O veículo utiliza camadas à
  • 39. 39 NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO base de nanotecnologia na cobertura do painel de instrumentos para evi- tar reflexos da luz externa. Na linha de montagem, robôs colocam compo- nentes críticos em um banho de imersão, para revestir com películas am- bos os lados dos vidros que cobrem os instrumentos do painel, tornando o cockpit completamente anti-refletivo. Outro destaque do veículo é o retrovisor interno fotocrômico, que con- tém uma camada que escurece quando recebe energias elétricas, evitan- do com isto a distração ao volante, causada pelos efeitos da luz nos olhos do condutor. Com o retrovisor auto-regulável em função da claridade, isso não ocorre. O espelho, disponível em toda a linha Audi, tem dois sensores – um na frente e outro atrás. Quando o sensor de trás registra aumento de luz e o da frente indica escuridão, a nanopelícula entra em ação. Depen- dendo das condições de luz, diferentes voltagens são aplicadas para inici- ar um processo químico no qual o movimento dos íons de lítio faz com que os átomos se reagrupem em finas camadas. Isso altera a transparência da película, produzindo o efeito desejado. A Audi ainda oferece como equipamento original para o modelo, um kit de tratamento da parte externa do pára-brisa, vidros laterais e traseiros, que forma um filme capaz de evitar a adesão da água, permitindo que a mais de 60 km/h não seja necessário usar o limpador de pára-brisa porque as gotas de água simplesmente escorrem pela superfície, como acontece, por exemplo, na superfície de uma flor de lis. As lâmpadas do A3 Sportback também têm recursos de nanotecnologia, já que são transparentes, mas emitem luz amarela ou azulada quando estão ligadas. A partir de diversas fontes secundárias de informações, como periódi- cos e sítios da internet, por exemplo, podemos identificar as seguintes empresas com atividades no campo da nanotecnologia: 8) Nanotex Localização: DF. Mercado: têxtil. Patente: sim. A empresa do DF tem a proposta de trabalhar em engenharia molecular em nível nanométrico e submicrométrico da fibra para produzir esses teci- dos. Devido a um processo similar ao aplicado no vidro, um tratamento com nanopartículas atribui ao pano a propriedade de repelir líquidos. Pode- se derramar café quente ou Coca-Cola gelada que nada pega. Os avanços das utilizações práticas reforçam as projeções crescentes de investimentos na área de nanotecnologia (RIBEIRO, 2003).
  • 40. 40 NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO 9) Multivácuo Localização: SP Mercado: diversos tipos de indústrias. Patente: sim. . Contando com apoio do programa Pipe/Fapesp, a empresa desenvol- veu peneiras moleculares a partir de materiais à base de carbono. As PMCs são materiais com estrutura porosa com predomínio de nanoporos, classi- ficadas em função de tamanho e forma. Integram a família dos materiais carbonosos avançados, produtos de baixo peso e alta resistência, e são aplicadas em processos especiais de absorção, como controle e purifica- ção do ar atmosférico, processos de separação de gases, sistemas industri- ais que empregam vácuo ou ar comprimido, separação de impurezas or- gânicas e recuperação de solventes, em cromatografia gasosa, entre ou- tras possibilidades (RIBEIRO, 2003). 10) Brasken Localização: RS. Mercado: automotivo, eletroeletrônico, utilidades domésticas. Patente: sim. Gigante da petroquímica brasileira sediada Rio Grande do Sul, mas de propriedade do grupo baiano Odebrecht, a empresa vem trabalhando há alguns anos com nanotecnologia, principalmente em parceria com a UFRGS. Entre seus produtos está o novo polipropileno, um plástico mais rígido e resistente a impactos que em breve deverá estar disponível para compor painéis e pára-choques de automóveis, gabinetes de aparelhos eletrônicos. Dois outros produtos estão em fase de estudo: a argila nacional e o policloreto de vinila (PVC). Diferencial: possui estrutura nanométrica e resulta em maior resistência a impactos e a quebras. O produto final tem 30% a mais de rigidez e 4 vezes mais resistência a impactos. O primeiro produto a ser testado com a resina nanocomposta foi a estrutura externa de uma garrafa térmica produzida pela empresa Termolar. A Brasken teve seu projeto Desenvolvimento e Estudos de Nanocom- pósitos de Policloreto de Vinila aprovado no Edital MCT/Finep n° 1/2006, referente à subvenção econômica a empresas (RIBEIRO, 2003). 11) Rhodia Localização: SP Mercado: têxtil. Patente: sim. . A subsidiária brasileira do grupo francês está desenvolvendo no país uma segunda geração de emulsões de nanotecnologia de silicone para a indústria têxtil. Essa nova geração difere da primeira por contar com partí- culas de emulsões menores, o que permite maior interação química dos tecidos com as emulsões e propicia melhores características de conforto,
  • 41. 41 NANOTECNOLOGIA, EMPRESAS E MERCADO toque e maciez, de acordo com o diretor da Rhodia Silicones América Latina, Lucas Freire. (GAZETA MERCANTIL, 2006) 12) Natura Localização: SP Mercado: cosmético. Patente: sim. . A empresa reafirma sua posição de liderança no setor de cosméticos e produtos de higiene e de perfumaria. Consolida-se, principalmente, como empresa comprometida com a qualidade das relações que estabelece com seus diferentes públicos – que congrega na chamada Comunidade Natura – e com a inovação e o aperfeiçoamento constante de seus produtos e servi- ços, dentro de um modelo de desenvolvimento sustentável de negócios. Desde a sua fundação, em 1969, contando com um laboratório e uma pequena loja na cidade de São Paulo, a Natura já era movida por duas paixões fundamentais: pela cosmética como veículo de autoconhecimento e de transformação na vida das pessoas; e pelas relações, cujo encadea- mento permite a expressão da vida. O setor de pesquisa da Natura está dividido em diferentes áreas de atuação, as quais são complementares e trabalham em total sinergia, a fim de gerar continuamente tecnologias inovadoras. As pesquisas em nanotec- nologia estão relacionadas a tecnologia de embalagens e a um novo siste- ma de liberação controlada, também conhecido como Delivery System. A nova linha de hidratantes da Natura é a primeira a utilizar a nano- tecnologia aplicada ao processo de fabricação. O tamanho das partículas é reduzido para, em média, 150nm por meio de um equipamento de alta pressão. Um nanômetro corresponde à divisão do metro em 1 bilhão de partes ou do milímetro em 1 milhão de partes. Devido a essa tecnologia, a linha Brumas de Leite de Natura Ekos combina uma hidratação intensa com uma textura leve, fácil de espalhar, de rápida absorção e secagem.1 13) O BoticÀ

Related Documents