PEDRO
LENZA
C O O R D E N A D O R
DIREITO
PREVIDENCIÁRIO
00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 1 10/3/2011 12:...
00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 2 10/3/2011 12:22:01
2011
PEDRO
LENZA
C O O R D E N A D O R
DIREITO
PREVIDENCIÁRIOMARISAFERREIRADOSSANTOS
Colaborador
RODRIGOCALEJON
00_Direito...
Filiais
AMAZONAS/RONDÔNIA/RORAIMA/ACRE
Rua Costa Azevedo, 56 – Centro
Fone: (92) 3633-4227 – Fax: (92) 3633-4782 – Manaus
...
à Professora Lúcia Valle Figueiredo Collarille.
00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 5 10/3/2011 12:22:02
00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 6 10/3/2011 12:22:02
Agradecimentos
O trabalho concluído é fruto do esforço de seu autor. Mas é, também, o resultado
das ideias lançadas em vár...
00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 8 10/3/2011 12:22:02
Apresentação
Durante o ano de 1999, pensando, naquele primeiro momento, nos alunos que
prestariam o exame da OAB, resolvem...
10 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos
Aliás, parece que a professora Ada Pelegrini Grinover ...
Nota da autora
Neste trabalho, denominamos Direito Previdenciário o estudo da Seguridade
Social, integrada à previdência s...
12 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos
Não basta, porém, estudar a matéria como hoje esta se ...
sumário
I. A SEGURIDADE SOCIAL...............................................................................................
14 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos
2. Contribuições sociais para o custeio da segurida...
15Sumário
III. O DIREITO À SAÚDE.............................................................................................
16 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos
2.8. Contagem recíproca para fins de aposentadoria....
17Sumário
3.4.4.1.4. Salário de benefício das aposentadorias por invalidez e especial,
auxílio-doença e auxílio-acident...
18 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos
3.5.3.1.4.6. O tempo de serviço público prestado à ...
19Sumário
3.5.10.3. Comunicação de Acidente do Trabalho (CAT)............................... 277
3.5.10.4. Cobertur...
20 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos
7.4.1. Regras permanentes: trabalhadores rurais que...
21Sumário
2.14. Possibilidade de fixação do valor máximo dos benefícios correspondente ao dos
benefícios do RGPS. O reg...
22 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos
4.1.4.3. Regras de transição: para os que ingressar...
23Sumário
4.1. Relação jurídica...........................................................................................
24 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos
3.3. Falsidade documental previdenciária..............
25Sumário
7.5.1. A justiça gratuita.......................................................................................
26 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos
11.7.	Intervenção do Ministério Público Federal........
I
A SEGURIDADE SOCIAL
1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA SEGURIDADE SOCIAL
A evolução socioeconômica faz com que as desigualdades s...
28 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos
Surgiu, assim, a assistência pública ou assistência so...
29I A Seguridade Social
O desenvolvimento do instituto do seguro fez surgir novas formas: seguro de
vida, seguros contra i...
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
Previdenciario 2011
of 661

Previdenciario 2011

Published on: Mar 4, 2016
Published in: Law      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Previdenciario 2011

  • 1. PEDRO LENZA C O O R D E N A D O R DIREITO PREVIDENCIÁRIO 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 1 10/3/2011 12:22:01
  • 2. 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 2 10/3/2011 12:22:01
  • 3. 2011 PEDRO LENZA C O O R D E N A D O R DIREITO PREVIDENCIÁRIOMARISAFERREIRADOSSANTOS Colaborador RODRIGOCALEJON 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 3 10/3/2011 12:22:02
  • 4. Filiais AMAZONAS/RONDÔNIA/RORAIMA/ACRE Rua Costa Azevedo, 56 – Centro Fone: (92) 3633-4227 – Fax: (92) 3633-4782 – Manaus BAHIA/SERGIPE Rua Agripino Dórea, 23 – Brotas Fone: (71) 3381-5854 / 3381-5895 Fax: (71) 3381-0959 – Salvador BAURU (SÃO PAULO) Rua Monsenhor Claro, 2-55/2-57 – Centro Fone: (14) 3234-5643 – Fax: (14) 3234-7401 – Bauru CEARÁ/PIAUÍ/MARANHÃO Av. Filomeno Gomes, 670 – Jacarecanga Fone: (85) 3238-2323 / 3238-1384 Fax: (85) 3238-1331 – Fortaleza DISTRITO FEDERAL SIA/SUL Trecho 2 Lote 850 – Setor de Indústria e Abastecimento Fone: (61) 3344-2920 / 3344-2951 Fax: (61) 3344-1709 – Brasília GOIÁS/TOCANTINS Av. Independência, 5330 – Setor Aeroporto Fone: (62) 3225-2882 / 3212-2806 Fax: (62) 3224-3016 – Goiânia MATO GROSSO DO SUL/MATO GROSSO Rua 14 de Julho, 3148 – Centro Fone: (67) 3382-3682 – Fax: (67) 3382-0112 – Campo Grande MINAS GERAIS Rua Além Paraíba, 449 – Lagoinha Fone: (31) 3429-8300 – Fax: (31) 3429-8310 – Belo Horizonte PARÁ/AMAPÁ Travessa Apinagés, 186 – Batista Campos Fone: (91) 3222-9034 / 3224-9038 Fax: (91) 3241-0499 – Belém PARANÁ/SANTA CATARINA Rua Conselheiro Laurindo, 2895 – Prado Velho Fone/Fax: (41) 3332-4894 – Curitiba PERNAMBUCO/PARAÍBA/R. G. DO NORTE/ALAGOAS Rua Corredor do Bispo, 185 – Boa Vista Fone: (81) 3421-4246 – Fax: (81) 3421-4510 – Recife RIBEIRÃO PRETO (SÃO PAULO) Av. Francisco Junqueira, 1255 – Centro Fone: (16) 3610-5843 – Fax: (16) 3610-8284 – Ribeirão Preto RIO DE JANEIRO/ESPÍRITO SANTO Rua Visconde de Santa Isabel, 113 a 119 – Vila Isabel Fone: (21) 2577-9494 – Fax: (21) 2577-8867 / 2577-9565 – Rio de Janeiro RIO GRANDE DO SUL Av. A. J. Renner, 231 – Farrapos Fone/Fax: (51) 3371-4001 / 3371-1467 / 3371-1567 Porto Alegre SÃO PAULO Av. Antártica, 92 – Barra Funda Fone: PABX (11) 3616-3666 – São Paulo Rua Henrique Schaumann, 270, Cerqueira César — São Paulo — SP CEP 05413-909 PABX: (11) 3613 3000 SACJUR: 0800 055 7688 De 2ª a 6ª, das 8:30 às 19:30 saraivajur@editorasaraiva.com.br Acesse: www.saraivajur.com.br Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida por qualquer meio ou forma sem a prévia autorização da Editora Saraiva. A violação dos direitos autorais é crime estabelecido na Lei n. 9.610/98 e punido pelo artigo 184 do Código Penal. Data de fechamento da edição: 18-2-2011 Dúvidas? Acesse www.saraivajur.com.br ISBN 978-85-02-11983-3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Santos, Marisa Ferreira dos Direito previdenciário esquematizado / Marisa Ferreira dos Santos. – São Paulo : Saraiva, 2011. Bibliografia. 1. Direito previdenciário 2. Direito previdenciário — Brasil I. Lenza, Pedro II. Título. 10-06751 CDU-34:368.4 (81) Índice para catálogo sistemático: 2. Brasil : Direito previdenciário 34:368.4(81) Diretor editorial  Antonio Luiz de Toledo Pinto Diretor de produção editorial  Luiz Roberto Curia Gerente de produção editorial  Lígia Alves Editor Jônatas Junqueira de Mello Assistente editorial Sirlene Miranda de Sales Assistente de produção editorial  Clarissa Boraschi Maria Arte, diagramação e revisão Know-how Editorial Serviços editoriais Elaine Cristina da Silva Vinicius Asevedo Vieira  Capa  Aero Comunicação Produção gráfica  Marli Rampim Impressão  Acabamento  125.441.001.001 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 4 10/3/2011 12:22:02
  • 5. à Professora Lúcia Valle Figueiredo Collarille. 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 5 10/3/2011 12:22:02
  • 6. 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 6 10/3/2011 12:22:02
  • 7. Agradecimentos O trabalho concluído é fruto do esforço de seu autor. Mas é, também, o resultado das ideias lançadas em vários ambientes: nos casos concretos, nas conversas, na leitura de jornais, nas salas de aula, nos embates processuais... Enfim, basta estar no mundo para que fervilhem ideias. São muitos os colaboradores. Porém, alguns merecem destaque, porque, sem eles, o trabalho talvez até fosse concluído, mas não teria as características que possui. Somos, no presente, o resultado do que vivemos no passado, com os acréscimos da experiência atual. Muitas pessoas entram e saem de nossas vidas, mas deixam e levam consigo marcas indeléveis, que estarão presentes no nosso futuro. O primeiro agradecimento é ao Professor Pedro Lenza, o criador do método “Esquematizado”. Honrada com seu convite, sou grata por sua confiança e incentivo. À minha mãe, sempre presente. Aos meus filhos, Otávio e Rodrigo, incentivadores constantes. A Rodrigo, pelo auxílio em grande parte deste trabalho. Aos meus alunos, por sua atenção e carinho. Aos servidores do meu gabinete no Tribunal Regional Federal da Terceira Re- gião. Com eles, travo os primeiros debates sobre as novas questões previdenciárias. Com eles, compartilho a indignação diante de tantas violações de direitos. 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 7 10/3/2011 12:22:02
  • 8. 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 8 10/3/2011 12:22:02
  • 9. Apresentação Durante o ano de 1999, pensando, naquele primeiro momento, nos alunos que prestariam o exame da OAB, resolvemos criar um estudo que tivesse linguagem “fá- cil” e, ao mesmo tempo, conteúdo suficiente para as provas e concursos. Depois de muita dedicação, “batizamos” o trabalho de Direito constitucional es- quematizado, na medida em que, em nosso sentir, surgia uma verdadeira e pioneira me- todologia, idealizada com base em nossa experiência dos vários anos de magistério, bus- cando sempre otimizar a preparação dos alunos, bem como atender às suas necessidades. A metodologia estava materializada nos seguintes “pilares”: esquematizado: verdadeiro método de ensino, em que a parte teórica é apresentada de forma direta, em parágrafos curtos e em vários itens e subitens. Por sua estrutura revolucionária, rapidamente ganhou a preferência nacional, tornando-se indispensável “arma” para os “concursos da vida”; superatualizado: com base na jurisprudência do STF, Tribunais Superiores e na linha dos concursos públicos de todo o País, o texto encontra-se em conso- nância com as principais decisões e as grandes tendências da atualidade; linguagem clara: a exposição fácil e direta traz a sensação de que o autor está “conversando” com o leitor; palavras-chave (keywords): a utilização do azul possibilita uma leitura pano- râmica da página, facilitando a recordação e a fixação do assunto. Normalmente, o destaque recai sobre o termo que o leitor grifaria com o seu marca-texto; formato: leitura mais dinâmica e estimulante; recursos gráficos: auxiliam o estudo e a memorização dos principais temas; provas e concursos: ao final de cada capítulo, o assunto é ilustrado com a apresentação de questões de provas e concursos ou por nós elaboradas, facilitan- do a percepção das matérias mais cobradas, bem como a fixação do assunto e a checagem do aprendizado. Inicialmente publicado pela LTr, à época, em termos de metodologia, inovou o mercado editorial. A partir da 12ª edição, passou a ser editado pela Saraiva, quando, então, se tornou líder de vendas. Realmente, depois de tantos anos de aprimoramento, com a nova “cara” dada pela Editora Saraiva, não só em relação à moderna diagramação mas também em razão do uso da cor azul, o trabalho passou a atingir tanto os candidatos ao Exame de Ordem quanto todos aqueles que enfrentam os concursos em geral, sejam da área jurídica ou mesmo aqueles de nível superior e médio (área fiscal), assim como os alunos de graduação e demais profissionais do direito. 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 9 10/3/2011 12:22:02
  • 10. 10 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos Aliás, parece que a professora Ada Pelegrini Grinover anteviu, naquele tempo, essa evolução do Esquematizado. Em suas palavras, ditas em 1999, “escrita numa linguagem clara e direta, a obra destina-se, declaradamente, aos candidatos às provas de concursos públicos e aos alunos de graduação, e, por isso mesmo, após cada ca- pítulo, o autor insere questões para aplicação da parte teórica. Mas será útil também aos operadores do direito mais experientes, como fonte de consulta rápida e imediata, por oferecer grande número de informações buscadas em diversos autores, apontando as posições predominantes na doutrina, sem eximir-se de criticar algumas delas e de trazer sua própria contribuição. Da leitura amena surge um livro ‘fácil’, sem ser redu- cionista, mas que revela, ao contrário, um grande poder de síntese, difícil de encontrar mesmo em obras de autores mais maduros, sobretudo no campo do direito”. Atendendo ao apelo de vários “concurseiros” do Brasil, resolvemos, com o apoio incondicional da Editora Saraiva, convidar professores e autores das princi- pais matérias dos concursos públicos, tanto da área jurídica como da área fiscal, para lançar a Coleção Esquematizado. Metodologia pioneira, vitoriosa, consagrada, testada e aprovada. Professores com larga experiência na área dos concursos públicos. Estrutura, apoio, profissiona- lismo e know-how da Editora Saraiva: sem dúvida, ingredientes suficientes para o sucesso da empreitada, especialmente na busca de novos elementos e ferramentas para ajudar os nossos ilustres concurseiros! Para o direito previdenciário, tivemos a honra de contar com o vitorioso trabalho de Marisa Ferreira dos Santos, que soube, com maestria, aplicar a metodologia “esquematizado” à sua vasta e reconhecida experiência profissional como professora, desembargadora federal do TRF3 desde 2002 e autora de consagradas obras, destacan- do-se, entre elas, Juizados especiais cíveis e criminais, federais e estaduais (v. 15, tomo II) e Direito previdenciário (v. 25) da Coleção Sinopses Jurídicas da Editora Saraiva. A autora, que já foi procuradora do Estado de São Paulo, como juíza e agora de- sembargadora do TRF3, tem larga experiência na área previdenciária, sendo uma das maiores autoridades da atualidade no assunto. Graduada pela Universidade de São Paulo, é mestre em direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), tendo ministrado aulas, sempre na área de direito previdenciário, no Complexo Jurídico Damásio de Jesus e, atualmen- te, no Federal Concursos. O grande desafio de tornar o direito previdenciário mais acessível, em nossa opinião, foi concretizado com perfeição pela autora, servindo o trabalho não apenas como precioso material para os concursos públicos e fonte segura para a graduação mas também indispensável ferramenta para todos os operadores do direito que mili- tam na área do direito previdenciário. Assim, não temos dúvida de que o presente trabalho contribuirá para “encurtar” o caminho do meu ilustre e “guerreiro” concurseiro na busca do “sonho dourado”! Sucesso a todos! Esperamos que a Coleção Esquematizado cumpra o seu pa- pel. Novamente, em constante parceria, estamos juntos e aguardamos qualquer crí- tica ou sugestão. Pedro Lenza (pedrolenza@terra.com.br) 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 10 10/3/2011 12:22:02
  • 11. Nota da autora Neste trabalho, denominamos Direito Previdenciário o estudo da Seguridade Social, integrada à previdência social, à assistência social e à proteção do direito à saúde. Adotamos essa denominação porque, apesar de tecnicamente incorreta, é a mais conhecida e amplamente utilizada. A maioria dos profissionais que hoje atuam na área previdenciária não teve for- mação na matéria durante os cursos de graduação, apesar de sua grande importância como instrumento de redução das desigualdades sociais. A questão previdenciária, no Brasil, era vista como direito de categoria inferior, ao qual poucos se dedicavam. Entretanto, com a reforma previdenciária introduzida pela Emenda Constitucional n. 20, de 1998, os trabalhadores dos setores privado e público foram alcançados pelo temor do futuro de suas aposentadorias e pensões. A constatação de que todos envelhecemos e que, de uma forma ou de outra, teremos que nos valer da previdência social despertou o interesse pela matéria. Mais consciente de seus direitos previdenciários, o cidadão passou a procurar com maior insistência e frequência os órgãos da Administração Pública. Não aten- dido o pleito na esfera administrativa, o caminho é dirigir-se ao Poder Judiciário. Para dar conta da demanda de massa, a Lei n. 10.259/2001 criou os Juizados Especiais Federais, nos quais atualmente tramita expressiva parcela das ações previdenciárias. O crescimento da demanda propiciou o aquecimento do mercado de trabalho para os advogados. No entanto, exigiu melhor aparelhamento dos órgãos públi- cos, não só no atendimento administrativo mas, principalmente, na defesa de seus interesses. De um lado, advogados com formação específica na área previdenciária. De outro, procuradores federais especializados para melhor defender os interesses da Administração. O Ministério Público, também em matéria previdenciária, desem- penha importante papel na sua atuação como fiscal da lei e na defesa dos direitos do cidadão. E o Poder Judiciário, federal e estadual, tem a importante função de fazer valer os direitos sociais relativos à previdência social, à assistência social e à saúde. O Direito Previdenciário, então, cresceu em importância, com reflexos nos con- cursos públicos, principalmente na área federal. O estudo do Direito Previdenciário no Brasil é, no entanto, marcado pela es- cassez de bibliografia e pelas constantes mudanças na legislação, o que dificulta o trabalho dos profissionais e o estudo dos nossos queridos “concurseiros”. 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 11 10/3/2011 12:22:02
  • 12. 12 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos Não basta, porém, estudar a matéria como hoje esta se apresenta no direito po- sitivo. Os mecanismos de proteção social na área passaram e continuarão passando por transformações, a fim de se adequarem a políticas econômicas e a novas necessi- dades sociais. Para entendê-las, é necessário compreender suas origens. Por isso, contamos a história de cada um dos benefícios e serviços de seguridade social, em todos os regimes de proteção (RGPS, RPSP e Previdência Complemen- tar). Desta forma, acreditamos que será mais fácil, para todos os que já atuam na área e também aos que estudam para os concursos, compreender o sistema. Tratamos da Assistência Social e do Direito à Saúde, dando ênfase às questões mais frequentemente debatidas no Poder Judiciário e que são objeto de questões nos concursos públicos. Analisamos os regimes previdenciários públicos – Regime Geral e Regime Pró- prio dos Servidores Públicos – e a previdência privada. Abordamos, ainda, a questão previdenciária, sob o enfoque do Direito Penal. Também tentamos aproveitar, neste trabalho, a experiência adquirida em nossa atuação no Poder Judiciário e no convívio com nossos alunos. Procuramos, com o método inovador do “Esquematizado”, utilizando uma lin- guagem simples e direta, ajudar o profissional e os “concurseiros” a desvendarem os mistérios do Direito Previdenciário e despertar seu interesse para as peculiares e importantes questões sociais subjacentes em cada um de seus institutos. 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 12 10/3/2011 12:22:02
  • 13. sumário I. A SEGURIDADE SOCIAL........................................................................................................ 27 1. Evolução histórica da seguridade social............................................................................... 27 1.1. A assistência pública................................................................................................... 27 1.2. O seguro social............................................................................................................ 28 1.3. A seguridade social...................................................................................................... 31 1.3.1. Do risco social à necessidade social................................................................. 33 2. A seguridade social na Constituição Federal de 1988 — Normas gerais............................ 34 2.1. Conceito....................................................................................................................... 34 2.2. A relação jurídica de seguridade social....................................................................... 36 2.3. Princípios..................................................................................................................... 38 2.3.1. Universalidade da cobertura e do atendimento................................................ 38 2.3.1.1. Universalidade da cobertura.............................................................. 38 2.3.1.2. Universalidade do atendimento......................................................... 39 2.3.2. Uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais.............................................................................................................. 39 2.3.3. Seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços........... 40 2.3.4. Irredutibilidade do valor dos benefícios........................................................... 40 2.3.5. Equidade na forma de participação no custeio................................................. 41 2.3.6. Diversidade da base de financiamento............................................................. 41 2.3.7. Caráter democrático e descentralizado da gestão administrativa. Participação da comunidade................................................................................................. 42 2.3.8. A regra da contrapartida................................................................................... 43 3. Fontes do Direito Previdenciário.......................................................................................... 43 4. Interpretação do Direito Previdenciário............................................................................... 43 5. Aplicação do Direito Previdenciário.................................................................................... 45 5.1. Aplicação no tempo..................................................................................................... 45 5.2. Aplicação no espaço.................................................................................................... 47 6. Questões............................................................................................................................... 48 II. O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL........................................................... 49 1. Normas gerais constitucionais. Financiamento de forma direta e indireta.......................... 49 1.1. Competência................................................................................................................ 49 1.2. Imunidade.................................................................................................................... 50 1.2.1. Imunidade das aposentadorias e pensões do RGPS......................................... 50 1.2.2. Imunidade das entidades beneficentes de Assistência Social.......................... 51 1.2.3. Imunidade das receitas decorrentes de exportação.......................................... 52 1.3. Anterioridade............................................................................................................... 53 1.4. Remissão e anistia....................................................................................................... 53 1.5. Prescrição e decadência............................................................................................... 53 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 13 10/3/2011 12:22:03
  • 14. 14 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos 2. Contribuições sociais para o custeio da seguridade social................................................... 56 2.1. Natureza jurídica......................................................................................................... 56 2.2. A relação jurídica de custeio....................................................................................... 57 2.2.1. O sujeito ativo.................................................................................................. 57 2.2.2. O sujeito passivo.............................................................................................. 58 3. Contribuições do empregador, da empresa ou da entidade a ela equiparada....................... 58 3.1. Alíquotas e bases de cálculo diferenciadas................................................................. 58 3.2. O empregador, a empresa e a entidade a ela equiparada............................................. 59 3.3. Contribuições sobre a receita ou o faturamento e o lucro .......................................... 60 3.4. Contribuições previdenciárias incidentes sobre a folha de salários e demais rendimentos do trabalho. Regras gerais....................................................................... 60 3.4.1. Fato gerador..................................................................................................... 60 3.4.2. Base de cálculo................................................................................................. 61 3.5. Contribuição das empresas (art. 22, I, do PCSS)........................................................ 63 3.6. Contribuição das empresas sobre a remuneração de contribuintes individuais (art. 22, III, do PCSS).................................................................................................. 64 3.7. Contribuição adicional de 2,5% das instituições financeiras (art. 22, § 1º, do PCSS)....... 64 3.8. Contribuição adicional ao SAT em razão do grau de risco da atividade preponderante (art. 22, II, do PCSS)................................................................................................... 65 3.8.1. O Fator Acidentário de Prevenção (FAP)........................................................ 66 3.9. Contribuição adicional ao SAT sobre a remuneração de trabalhadores expostos a condições especiais (art. 22, II, do PCSS)................................................................ 67 3.10. Contribuição sobre o valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços prestados por cooperados por intermédio de cooperativas de trabalho (art. 22, IV, do PCSS)..................................................................................................................... 68 3.11. Contribuição adicional para o financiamento da aposentadoria especial do segurado cooperado que preste serviços à empresa tomados por intermédio de cooperativa de trabalho e de produção (art. 1º, §§ 1º e 2º, da Lei n. 10.666/2003)........................ 69 3.12. Contribuição da associação desportiva que mantém equipe de futebol profissional (art. 22, § 6º, do PCSS)................................................................................................ 69 3.13. Contribuição do produtor rural pessoa física, do segurado especial e do consórcio de produtores rurais. Financiamento dos benefícios por acidente do trabalho (arts. 25 e 25-A do PCSS)........................................................................................... 70 3.14. Contribuição da agroindústria. O custeio da aposentadoria especial e dos benefícios por acidente do trabalho (art. 22-A do PCSS)............................................................. 71 4. Contribuição do empregador doméstico.............................................................................. 72 5. Contribuição do segurado..................................................................................................... 73 5.1. Salário de contribuição. Regras gerais........................................................................ 73 5.2. Verbas que integram o salário de contribuição: art. 28 do PCSS................................ 74 5.2.1. Segurado empregado e trabalhador avulso...................................................... 75 5.2.2. Segurado empregado doméstico...................................................................... 75 5.2.3. Segurado contribuinte individual..................................................................... 75 5.2.4. Segurado facultativo......................................................................................... 75 5.3. Verbas que não integram o salário de contribuição..................................................... 75 5.4. Contribuição do segurado empregado e do segurado trabalhador avulso................... 77 5.5. Contribuição do segurado empregado doméstico........................................................ 78 5.6. Contribuição do segurado contribuinte individual...................................................... 79 5.7. Contribuição do segurado facultativo.......................................................................... 80 6. Questões............................................................................................................................... 81 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 14 10/3/2011 12:22:03
  • 15. 15Sumário III. O DIREITO À SAÚDE............................................................................................................ 85 1. Conceito............................................................................................................................... 85 2. A execução dos serviços de saúde. O SUS.......................................................................... 86 2.1. A participação complementar..................................................................................... 87 2.1.1. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)......................................... 88 2.2. Objetivos..................................................................................................................... 89 2.3. Atribuições................................................................................................................. 89 2.3.1. Vigilância sanitária........................................................................................... 89 2.3.2. Vigilância epidemiológica............................................................................... 90 2.3.3. A saúde do trabalhador..................................................................................... 90 2.3.4. Assistência terapêutica integral, inclusive farmacêutica.................................. 90 2.3.4.1. Fornecimento de medicamentos........................................................ 90 2.3.4.2. Tratamento médico no exterior.......................................................... 91 2.3.4.3. Cirurgia plástica reparadora............................................................... 92 2.3.5. Formulação da política de medicamentos, equipamentos, imunobiológicos e outros insumos de interesse para a saúde e a participação na sua produção. O medicamento genérico.................................................................................. 92 2.3.6. Formulação e execução da política de sangue e seus derivados...................... 92 3. Descentralização da gestão do SUS..................................................................................... 94 4. Planos de saúde.................................................................................................................... 95 IV. A ASSISTÊNCIA SOCIAL..................................................................................................... 99 1. Conceito............................................................................................................................... 99 2. Financiamento...................................................................................................................... 100 3. Princípios e diretrizes........................................................................................................... 100 4. Organização e gestão............................................................................................................ 101 5. Prestações, serviços, programas e projetos de assistência social......................................... 102 5.1. O Benefício de Prestação Continuada (BPC)............................................................. 102 5.2. Benefícios eventuais................................................................................................... 112 5.3. Serviços...................................................................................................................... 112 5.4. Programas de assistência social e projetos de enfrentamento da pobreza.................. 112 6. Questões............................................................................................................................... 113 V. OS REGIMES PREVIDENCIÁRIOS..................................................................................... 115 TÍTULO I O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL 1. Conceito............................................................................................................................... 116 2. Disciplina constitucional...................................................................................................... 117 2.1. Proibição de adoção de requisitos e critérios diferenciados para a concessão de aposentadoria no RGPS............................................................................................... 117 2.2. Renda mensal nunca inferior ao salário mínimo......................................................... 117 2.3. Correção de todos os salários de contribuição utilizados para o cálculo da renda mensal do benefício..................................................................................................... 118 2.4. Preservação do valor real dos benefícios..................................................................... 118 2.5. Vedação de filiação ao RGPS, na qualidade de segurado facultativo, de pessoa filiada a regime próprio de previdência social............................................................. 119 2.6. Gratificação natalina para aposentados e pensionistas................................................ 119 2.7. Aposentadoria ............................................................................................................. 119 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 15 10/3/2011 12:22:03
  • 16. 16 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos 2.8. Contagem recíproca para fins de aposentadoria.......................................................... 120 2.9. Cobertura do risco de acidente do trabalho................................................................. 120 2.10. Incorporação dos ganhos habituais do empregado...................................................... 120 2.11. Sistema de inclusão previdenciária para trabalhadores de baixa renda....................... 121 3. O plano de benefícios da Previdência Social....................................................................... 121 3.1. Finalidade e princípios básicos. O Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS) e o Fórum Nacional de Previdência Social (FNPS).................................................... 121 3.2. Cobertura do Plano de Benefícios............................................................................... 123 3.3. Os beneficiários: segurados e dependentes.................................................................. 124 3.3.1. Os segurados.................................................................................................... 124 3.3.1.1. Aquisição da qualidade de segurado: filiação e inscrição................. 124 3.3.1.2. Segurados obrigatórios...................................................................... 125 3.3.1.2.1. Segurado empregado.................................................................... 126 3.3.1.2.2. Segurado empregado doméstico................................................... 130 3.3.1.2.3. Segurado contribuinte individual.................................................. 132 3.3.1.2.4. Segurado trabalhador avulso........................................................ 135 3.3.1.2.5. Segurado especial......................................................................... 136 3.3.1.3. Segurados facultativos....................................................................... 141 3.3.1.4. Manutenção, perda e reaquisição da qualidade de segurado............. 143 3.3.1.4.1. Manutenção da qualidade de segurado: o “período de graça”...... 143 3.3.1.4.2. Perda da qualidade de segurado: consequências.......................... 145 3.3.1.4.3. Reaquisição da qualidade de segurado......................................... 147 3.3.2. Os dependentes................................................................................................. 147 3.3.2.1. Perda da qualidade de dependente..................................................... 156 3.4. Regras aplicáveis às prestações em geral................................................................... 157 3.4.1. Períodos de carência......................................................................................... 157 3.4.2. Dispensa do período de carência...................................................................... 160 3.4.3. Contagem do período de carência.................................................................... 162 3.4.3.1. Regras gerais...................................................................................... 162 3.4.3.1.1. Segurado especial......................................................................... 163 3.4.3.1.2. Servidores públicos titulares apenas de cargo em comissão........ 163 3.4.3.1.3. Período de atividade rural anterior à competência novembro de 1991...................................................................................... 163 3.4.3.1.4. Recolhimento das contribuições do segurado empregado, do trabalhador avulso e do contribuinte individual.................................... 164 3.4.3.1.5. Recolhimento de contribuições para regime próprio de previdência............................................................................................. 164 3.4.3.1.6. Cômputo do período de recolhimento anterior à perda da qualidade de segurado............................................................................ 164 3.4.3.2. Para os segurados empregado e trabalhador avulso.......................... 164 3.4.3.3. Para os segurados empregado doméstico, contribuinte individual, especial e facultativo.......................................................................... 165 3.4.4. Cálculo do valor dos benefícios. Salário de benefício, salário de contribuição, Período Básico de Cálculo (PBC) e Fator Previdenciário (FP)....................... 165 3.4.4.1. Salário de benefício........................................................................... 171 3.4.4.1.1. Direito adquirido........................................................................... 174 3.4.4.1.2. Salário de benefício das aposentadorias por idade e por tempo de contribuição: regras permanentes.......................................................... 176 3.4.4.1.3. Salário de benefício das aposentadorias por idade e por tempo de contribuição: regras de transição........................................................... 177 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 16 10/3/2011 12:22:03
  • 17. 17Sumário 3.4.4.1.4. Salário de benefício das aposentadorias por invalidez e especial, auxílio-doença e auxílio-acidente: regras permanentes.............................. 177 3.4.4.1.5. Salário de benefício das aposentadorias por invalidez e especial: regras de transição...................................................................................... 178 3.4.4.1.6. Salário de benefício das aposentadorias por idade, por tempo de contribuição, por invalidez e especial, auxílio-doença e auxílio-acidente do segurado especial. Regras permanentes: art. 29, § 6º, do PBPS............ 178 3.4.4.1.7. Salário de benefício do contribuinte individual e do facultativo que façam recolhimento trimestral: art. 32, §10, do RPS........................... 178 3.4.4.2. Regras aplicáveis ao salário de benefício.......................................... 180 3.4.4.2.1. Piso e teto. Art. 29, § 2º, do PBPS e art. 32, § 3º, do RPS........... 180 3.4.4.2.2. Valores considerados na apuração do salário de benefício. Art. 29, §§ 3º e 4º, do PBPS e art. 32, §§ 4º e 5º, do RPS.......................... 181 3.4.4.2.3. Benefícios por incapacidade recebidos no PBC: art. 29, § 5º, do PBPS e art. 32, § 6º, do RPS.................................................................. 182 3.4.4.2.4. Inexistência de salários de contribuição no PBC.......................... 182 3.4.4.2.5. Aposentadorias precedidas de auxílio-acidente: art. 32, § 8º, do RPS ...................................................................................................... 182 3.4.4.2.6. Contribuição em razão de atividades concomitantes: art. 32 do PBPS e art. 34 do RPS........................................................................... 184 3.4.4.2.7. Comprovação dos salários de contribuição.................................. 185 3.4.4.3. Renda mensal do benefício................................................................ 186 3.4.4.3.1. Reajuste da renda mensal do benefício......................................... 188 3.5. Benefícios pagos aos segurados trabalhadores urbanos.............................................. 191 3.5.1. Aposentadoria por invalidez............................................................................ 192 3.5.2. Aposentadoria por idade.................................................................................. 199 3.5.2.1. Regras gerais...................................................................................... 199 3.5.2.2. Regras permanentes: segurados que ingressaram no RGPS após a publicação da Lei n. 8.213/91............................................................ 203 3.5.2.3. Regras de transição: segurados que ingressaram no RGPS antes da publicação do PBPS (25.07.1991)..................................................... 205 3.5.3. Aposentadoria por tempo de contribuição....................................................... 207 3.5.3.1. Regras gerais...................................................................................... 207 3.5.3.1.1. Qualidade de segurado.................................................................. 207 3.5.3.1.2. A EC 20/98 e o direito adquirido.................................................. 208 3.5.3.1.3. Aposentadoria proporcional......................................................... 209 3.5.3.1.4. Períodos computados para fins de aposentadoria por tempo de serviço/contribuição.................................................................................... 210 3.5.3.1.4.1. Contribuinte individual........................................................... 211 3.5.3.1.4.2. O tempo de serviço militar ..................................................... 212 3.5.3.1.4.3. O tempo intercalado em que o segurado esteve recebendo gozo de auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez, entre períodos de atividade............................................................................................. 212 3.5.3.1.4.4. O tempo de contribuição como segurado facultativo.............. 213 3.5.3.1.4.5. O tempo de serviço referente ao exercício de mandato eletivo federal, estadual ou municipal................................................................. 213 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 17 10/3/2011 12:22:03
  • 18. 18 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos 3.5.3.1.4.6. O tempo de serviço público prestado à administração federal direta e autarquias federais, bem como às estaduais, do Distrito Federal e municipais, quando aplicada a legislação que autorizou a contagem recíproca do tempo de contribuição........................................................ 213 3.5.3.1.4.7. O tempo de contribuição do servidor público da União, ocupante de cargo em comissão........................................................... 213 3.5.3.1.4.8. O período em que a segurada esteve recebendo salário-maternidade................................................................................. 213 3.5.3.1.4.9. O tempo de serviço do trabalhador rural anterior à vigência do PBPS ................................................................................................. 213 3.5.3.1.5. Comprovação do tempo de serviço/contribuição......................... 214 3.5.3.1.5.1. O Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS)............ 214 3.5.3.1.5.2. Prova documental.................................................................... 214 3.5.3.1.5.3. Início de prova material.......................................................... 216 3.5.3.1.5.4. Justificação administrativa ou judicial.................................... 220 3.5.3.1.5.5. Ação declaratória de tempo de serviço................................... 221 3.5.3.2. Regras permanentes: segurados que ingressaram no RGPS após a data da promulgação da EC 20/98 ................................................. 221 3.5.3.3. Regras de transição decorrentes da EC 20/98: segurados que ingressaram no RGPS a partir da vigência do PBPS e antes da EC 20/98, mas ainda não tinham cumprido todos os requisitos para se aposentarem na data da promulgação. Tempo de serviço/ contribuição, idade mínima, “pedágio” e aposentadoria proporcional... 222 3.5.3.3.1. O art. 4º da EC 20/98.................................................................... 223 3.5.3.3.2. O art. 9º, caput, da EC 20/98........................................................ 223 3.5.3.3.3. Aposentadoria proporcional......................................................... 224 3.5.3.4. Regras de transição decorrentes do PBPS: segurados que ingressaram no RGPS antes da vigência do PBPS, mas ainda não tinham completado todos os requisitos para se aposentarem na data da promulgação da EC 20/98............................................................. 225 3.5.4. Aposentadoria do professor.............................................................................. 227 3.5.4.1. Histórico............................................................................................ 227 3.5.4.2. Regras permanentes: professores que se filiaram ao RGPS a partir da vigência da EC 20/98.................................................................... 229 3.5.4.3. Regras de transição: professores que ingressaram no RGPS antes da vigência da EC 20/98, mas não haviam cumprido os requisitos para a aposentadoria..................................................... 230 3.5.5. Aposentadoria especial..................................................................................... 231 3.5.5.1. Histórico............................................................................................ 231 3.5.5.2. Comprovação do tempo de serviço/contribuição especial................. 244 3.5.5.3. O agente “ruído”................................................................................ 245 3.5.5.4. Conversão do tempo de serviço/contribuição especial para comum... 246 3.5.5.5. A atividade de professor.................................................................... 246 3.5.5.6. A configuração atual da aposentadoria especial................................ 247 3.5.6. Auxílio-doença................................................................................................. 249 3.5.7. Salário-família.................................................................................................. 253 3.5.8. Salário-maternidade......................................................................................... 257 3.5.9. Auxílio-acidente............................................................................................... 263 3.5.10. Acidente do trabalho........................................................................................ 270 3.5.10.1. Histórico.......................................................................................... 270 3.5.10.2. Conceito........................................................................................... 272 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 18 10/3/2011 12:22:03
  • 19. 19Sumário 3.5.10.3. Comunicação de Acidente do Trabalho (CAT)............................... 277 3.5.10.4. Cobertura......................................................................................... 277 3.5.10.5. Competência para o julgamento das ações acidentárias.................. 277 3.6. Benefícios devidos aos dependentes........................................................................... 278 3.6.1. Pensão por morte.............................................................................................. 279 3.6.1.1. Histórico............................................................................................ 279 3.6.1.2. Lei n. 8.213, de 24.07.1991 (PBPS). Requisitos atuais..................... 283 3.6.2. Auxílio-reclusão............................................................................................... 296 3.6.2.1. Histórico............................................................................................ 296 3.6.2.2. Lei n. 8.213/91 (PBPS). Requisitos atuais......................................... 298 3.7. Do benefício devido ao segurado, rural ou urbano, e ao dependente. Abono anual... 303 3.8. Serviços devidos ao segurado e ao dependente........................................................... 304 3.8.1. Histórico........................................................................................................... 304 3.8.2. Serviço social................................................................................................... 305 3.8.3. Habilitação e reabilitação profissional............................................................. 306 3.9. Contagem recíproca de tempo de serviço/contribuição................................................ 307 3.9.1. Histórico........................................................................................................... 307 3.9.2. Conceito........................................................................................................... 313 3.9.3. Regras gerais.................................................................................................... 314 3.9.3.1. Tempo de atividade em condições especiais..................................... 314 3.9.3.2. Tempo de atividades concomitantes.................................................. 315 3.9.3.3. Períodos já computados para concessão de aposentadoria em outro regime................................................................................................ 315 3.9.3.4. Pagamento das contribuições............................................................. 316 3.9.3.5. Cálculo das contribuições previdenciárias anteriores para fins de contagem recíproca....................................................................... 317 4. Decadência e prescrição....................................................................................................... 320 4.1. Decadência e prescrição para o segurado ou beneficiário........................................... 321 4.1.1. Decadência....................................................................................................... 321 4.1.2. Prescrição......................................................................................................... 321 4.2. Decadência e prescrição para o INSS.......................................................................... 322 5. Cumulação de benefícios..................................................................................................... 322 5.1. Histórico...................................................................................................................... 322 5.2. Lei n. 8.213/91 (PBPS). Regras atuais........................................................................ 323 6. Desaposentação.................................................................................................................... 324 6.1. Introdução.................................................................................................................... 324 6.2. Conceito....................................................................................................................... 325 6.3. O princípio da legalidade............................................................................................. 326 6.4. A devolução dos valores recebidos no período de gozo da aposentadoria.................. 332 7. O regime previdenciário dos trabalhadores rurais................................................................ 334 7.1. Histórico...................................................................................................................... 334 7.2. Benefícios devidos ao segurado trabalhador rural....................................................... 345 7.2.1. Regras gerais.................................................................................................... 345 7.2.1.1. Benefícios devidos ao trabalhador rural segurado empregado, avulso, contribuinte individual ou facultativo e aos seus dependentes....................................................................................... 345 7.2.1.2. Benefícios devidos ao trabalhador rural segurado especial e aos seus dependentes....................................................................................... 346 7.3. Aposentadoria por invalidez e auxílio-doença........................................................... 347 7.4. Aposentadoria por idade............................................................................................. 348 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 19 10/3/2011 12:22:03
  • 20. 20 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos 7.4.1. Regras permanentes: trabalhadores rurais que ingressaram no RGPS após a promulgação da CF de 1988............................................................................ 351 7.4.1.1. A aposentadoria por idade introduzida pela Lei n. 11.718/2008....... 356 7.4.2. Regras de transição: segurados que exerciam atividade rural antes da publicação do PBPS (25.07.1991)................................................................... 356 7.5. Aposentadoria por tempo de contribuição.................................................................. 360 7.5.1. Regras gerais.................................................................................................... 360 7.5.1.1. Qualidade de segurado...................................................................... 360 7.5.1.2. A EC 20/98 e o direito adquirido....................................................... 360 7.5.1.3. Períodos de trabalho rural computados para fins de aposentadoria por tempo de contribuição................................................................. 361 7.5.1.3.1. Atividade rural exercida a partir da vigência da Lei n. 8.213/91....... 361 7.5.1.3.2. Atividade rural exercida antes da vigência da Lei n. 8.213/91.......... 361 7.5.1.4. Comprovação da atividade rural....................................................... 362 7.5.1.4.1. Início de prova material................................................................ 363 7.5.2. Regras permanentes: segurados que ingressaram no RGPS após a data da promulgação da EC 20/98................................................................................. 367 7.5.3. Regras de transição decorrentes da EC 20/98.................................................. 368 7.5.4. Regras de transição decorrentes do PBPS........................................................ 368 7.6. Salário-maternidade.................................................................................................... 369 7.7. Auxílio-acidente......................................................................................................... 372 7.8. Benefícios devidos aos dependentes do segurado trabalhador rural.......................... 372 7.8.1. Histórico........................................................................................................... 372 7.8.2. Pensão por morte.............................................................................................. 373 7.9. Auxílio-reclusão.......................................................................................................... 374 8. Questões............................................................................................................................... 374 TÍTULO II O REGIME PREVIDENCIÁRIO DOS SERVIDORES PÚBLICOS CIVIS 1. Evolução histórica................................................................................................................ 384 2. Disciplina constitucional...................................................................................................... 395 2.1. Competência legislativa............................................................................................... 395 2.2. Princípios.................................................................................................................... 396 2.2.1. Solidariedade.................................................................................................... 396 2.2.2. Equilíbrio financeiro e atuarial......................................................................... 397 2.2.3. Princípio da unicidade de regime e gestão....................................................... 397 2.3. Aplicação subsidiária das normas do Regime Geral de Previdência Social (RGPS).. 397 2.4. Beneficiários................................................................................................................ 398 2.5. Benefícios.................................................................................................................... 400 2.6. Proibição de critérios diferenciados para a concessão de aposentadoria.................... 402 2.7. Proibição de proventos de aposentadorias e pensões superiores aos subsídios da atividade: extinção da integralidade....................................................................... 402 2.8. Proibição de mais de uma aposentadoria dentro do RPSP.......................................... 404 2.9. Preservação do valor real dos benefícios: extinção da paridade................................. 405 2.10. Contagem recíproca de tempo de serviço/contribuição (art. 40, § 9º e art. 201, § 9º).... 406 2.11. Aproveitamento das contribuições pagas ao RGPS.................................................... 406 2.12. Limitação dos proventos da inatividade...................................................................... 406 2.13. Proibição de contagem de tempo fictício..................................................................... 406 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 20 10/3/2011 12:22:03
  • 21. 21Sumário 2.14. Possibilidade de fixação do valor máximo dos benefícios correspondente ao dos benefícios do RGPS. O regime de previdência complementar dos servidores públicos... 407 3. Normas gerais....................................................................................................................... 408 3.1. Equilíbrio financeiro e atuarial.................................................................................... 408 3.1.1. Organização...................................................................................................... 408 3.1.2. Número mínimo de segurados......................................................................... 408 3.1.3. Exclusividade para servidores públicos titulares de cargos efetivos, militares e dependentes.................................................................................... 409 3.2. Vinculação do servidor cedido ao regime de origem.................................................. 409 3.3. O custeio dos regimes previdenciários próprios dos servidores públicos................... 409 3.3.1. Contribuição dos entes federativos: piso e teto................................................ 409 3.3.2. Responsabilidade subsidiária dos entes federativos......................................... 409 3.3.3. Alíquotas de contribuição................................................................................ 409 3.4. Plano de benefícios...................................................................................................... 410 3.5. Fundos previdenciários................................................................................................ 410 4. Benefícios devidos aos segurados do regime próprio de previdência dos servidores públicos.. 410 4.1. Aposentadoria.............................................................................................................. 410 4.1.1. A Emenda Constitucional n. 20/98.................................................................. 412 4.1.1.1. Regras permanentes........................................................................... 414 4.1.1.1.1. Aposentadoria por invalidez permanente..................................... 414 4.1.1.1.2. Aposentadoria compulsória.......................................................... 415 4.1.1.1.3. Aposentadoria por tempo de contribuição.................................... 416 4.1.1.1.4. Aposentadoria do professor.......................................................... 416 4.1.1.1.5. Aposentadoria por idade............................................................... 417 4.1.1.1.6. Aposentadoria especial................................................................. 417 4.1.1.1.6.1. A Orientação Normativa SRH/MPOG n. 10, de 05.11.2010... 419 4.1.1.1.6.2. A Instrução Normativa MPS/SPS n. 1, de 22.07.2010........... 420 4.1.1.2. Regras de transição............................................................................ 423 4.1.1.2.1. Aposentadoria por tempo de contribuição.................................... 424 4.1.1.2.2. Aposentadoria por tempo de contribuição dos magistrados, membros do Ministério Público e dos Tribunais de Contas....................... 425 4.1.1.2.3. Aposentadoria do professor.......................................................... 425 4.1.2. A Emenda Constitucional n. 41, de 19.12.2003............................................... 425 4.1.2.1. Regras permanentes........................................................................... 426 4.1.2.1.1. Cálculo do valor dos benefícios do RPSP.................................... 426 4.1.2.1.2. Reajustes dos proventos: fim da regra da paridade....................... 428 4.1.2.2. Regras de transição............................................................................. 428 4.1.2.2.1. Regras de transição do art. 2º da EC 41/2003.............................. 428 4.1.2.2.2. Regras de transição do art. 6º da EC 41/2003. A integralidade dos proventos.............................................................................................. 430 4.1.3. A Emenda Constitucional n. 47/2005.............................................................. 431 4.1.3.1. Aposentadoria especial...................................................................... 431 4.1.3.2. Regras de transição............................................................................ 432 4.1.3.2.1. Aposentadoria por tempo de contribuição.................................... 432 4.1.4. Situação atual das aposentadorias voluntárias do regime próprio dos servidores públicos........................................................................................... 433 4.1.4.1. Regras permanentes: para os que ingressaram no serviço público após 31.12.2003................................................................................. 433 4.1.4.2. Regras de transição: aplicáveis aos que ingressaram até 15.12.1998.. 434 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 21 10/3/2011 12:22:03
  • 22. 22 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos 4.1.4.3. Regras de transição: para os que ingressaram até 31.12.2003, na forma do art. 3º da EC 47/2005, que não optem por se aposentar na forma do item 4.1.4.2, letra b supra.............................................. 435 4.1.5. As alterações constitucionais e o direito adquirido dos servidores públicos..... 436 4.2. Licença-gestante.......................................................................................................... 437 4.3. Salário-família............................................................................................................. 438 4.4. Abono de permanência em serviço.............................................................................. 438 5. Benefícios devidos aos dependentes dos segurados do regime próprio de previdência dos servidores públicos........................................................................................................ 440 5.1. Pensão por morte......................................................................................................... 440 5.2. Auxílio-reclusão.......................................................................................................... 444 6. O financiamento do regime previdenciário dos servidores públicos.................................... 445 6.1. Contribuição dos servidores públicos em atividade.................................................... 445 6.2. Contribuição dos inativos e pensionistas..................................................................... 447 6.3. Contribuição dos inativos e pensionistas portadores de doenças incapacitantes........ 451 7. A previdência complementar dos servidores públicos......................................................... 452 7.1. Competência legislativa............................................................................................... 453 7.2. Características.............................................................................................................. 453 7.2.1. Caráter facultativo............................................................................................ 454 7.2.2. Entidades fechadas de natureza pública........................................................... 454 7.3. Beneficiários................................................................................................................ 454 8. Questões............................................................................................................................... 455 TÍTULO III O REGIME PREVIDENCIÁRIO DOS MILITARES 1. Histórico............................................................................................................................... 456 2. Os membros das Forças Armadas........................................................................................ 457 3. Transferência para a inatividade remunerada....................................................................... 458 4. Dependentes do servidor militar integrante das Forças Armadas. A pensão militar........... 459 4.1. Concessão, valor, perda e reversão da pensão militar. Hipóteses de acumulação...... 461 4.2. Contribuição para o custeio da pensão militar............................................................ 463 TÍTULO IV O REGIME PRIVADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR 1. Introdução............................................................................................................................. 463 2. Natureza jurídica.................................................................................................................. 464 2.1. Caráter complementar................................................................................................. 464 2.2. Autonomia................................................................................................................... 465 2.3. Facultatividade: natureza contratual............................................................................ 466 2.4. Constituição de reservas.............................................................................................. 467 2.5. Disciplina por lei complementar................................................................................. 468 3. Normas gerais....................................................................................................................... 468 3.1. A atuação do Poder Público........................................................................................ 468 3.2. Os planos de benefícios............................................................................................... 468 3.2.1. Tipos de planos................................................................................................ 469 3.3. Fiscalização................................................................................................................. 470 3.4. Intervenção e liquidação extrajudicial......................................................................... 471 3.5. Regime disciplinar....................................................................................................... 472 4. Entidades Abertas de Previdência Complementar (EAPC)................................................. 473 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 22 10/3/2011 12:22:04
  • 23. 23Sumário 4.1. Relação jurídica........................................................................................................... 473 4.2. Planos de benefícios.................................................................................................... 474 5. Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Fundos de Pensão) (EFPC)............... 475 5.1. Natureza jurídica contratual, desvinculada do contrato de trabalho............................ 475 5.2. Relação jurídica........................................................................................................... 476 5.3. Planos de benefícios.................................................................................................... 476 5.3.1. Benefício Proporcional Diferido (BPD)........................................................... 476 5.3.2. Portabilidade.................................................................................................... 477 5.3.3. Resgate............................................................................................................. 477 5.3.4. Autopatrocínio.................................................................................................. 477 5.4. Financiamento dos fundos de pensão.......................................................................... 477 6. Questões............................................................................................................................... 479 VI. OS BENEFÍCIOS DA LEGISLAÇÃO ESPECIAL.............................................................. 481 1. Introdução............................................................................................................................. 481 2. Pensão mensal vitalícia para os seringueiros (“soldados da borracha”).............................. 481 3. O ex-combatente.................................................................................................................. 484 3.1. Aposentadoria especial do ex-combatente.................................................................. 485 3.2. Pensão especial do ex-combatente e dependentes....................................................... 486 4. Pensão especial para dependentes das vítimas fatais de hepatite tóxica (Síndrome da Hemodiálise de Caruaru)...................................................................................................... 487 5. Pensão especial vitalícia — Síndrome da Talidomida......................................................... 488 6. Pensão especial às vítimas do acidente nuclear ocorrido em Goiânia-GO.......................... 492 7. Indenização especial de anistiado........................................................................................ 493 8. Questões............................................................................................................................... 496 VII. OS CRIMES CONTRA A PREVIDÊNCIA SOCIAL........................................................ 497 1. Introdução............................................................................................................................. 497 2. Conceito............................................................................................................................... 498 3. Os crimes em espécie........................................................................................................... 500 3.1. Apropriação indébita previdenciária........................................................................... 500 3.1.1. Conceito........................................................................................................... 500 3.1.2. Classificação..................................................................................................... 504 3.1.3. Abolitio criminis............................................................................................... 505 3.1.4. Figuras equiparadas: o § 1º do art. 168-A........................................................ 505 3.1.5. Extinção da punibilidade.................................................................................. 506 3.1.5.1. Pagamento do montante integral....................................................... 506 3.1.5.1.1. Parcelamento, Refis I e Refis II (Paes)................................. 506 3.1.5.2. Perdão judicial................................................................................... 508 3.1.5.3. Anistia................................................................................................ 508 3.1.6. Condição de procedibilidade para a ação penal: a Súmula Vinculante 24 do STF.............................................................................................................. 510 3.1.7. Continuidade delitiva....................................................................................... 511 3.2. Sonegação de contribuição previdenciária.................................................................. 512 3.2.1. Conceito........................................................................................................... 512 3.2.2. Classificação..................................................................................................... 513 3.2.3. Causa especial de diminuição de pena............................................................. 515 3.2.4. Transação penal. Suspensão condicional do processo..................................... 515 3.2.5. Extinção da punibilidade.................................................................................. 515 3.2.6. Condição de procedibilidade para a ação penal: a Súmula Vinculante 24 do STF.............................................................................................................. 515 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 23 10/3/2011 12:22:04
  • 24. 24 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos 3.3. Falsidade documental previdenciária.......................................................................... 516 3.3.1. Conceito........................................................................................................... 517 3.3.2. Classificação..................................................................................................... 518 3.3.3. Peculiaridades.................................................................................................. 519 3.3.4. Concurso de crimes.......................................................................................... 520 3.3.5. Extinção da punibilidade do crime-fim............................................................ 520 3.4. Estelionato previdenciário........................................................................................... 521 3.4.1. Conceito........................................................................................................... 522 3.4.2. Classificação..................................................................................................... 523 3.4.3. Questão controvertida...................................................................................... 524 3.5. Inserção de dados falsos em sistema de informações................................................. 525 3.5.1. Conceito........................................................................................................... 525 3.5.2. Classificação..................................................................................................... 527 3.6. Da modificação ou alteração não autorizada de sistema de informações................... 528 3.6.1. Conceito........................................................................................................... 528 3.6.2. Classificação..................................................................................................... 529 3.6.3. Causa especial de aumento de pena................................................................. 530 3.6.4. Transação penal. Suspensão condicional do processo..................................... 530 4. Questões............................................................................................................................... 531 VIII. O PROCESSO JUDICIAL PREVIDENCIÁRIO ............................................................. 535 1. Introdução............................................................................................................................. 535 2. A competência da Justiça Federal. Regras gerais................................................................ 535 3. Competência para o processamento das ações previdenciárias. Competência delegada. Juizados Especiais Federais. Acidente do trabalho. Mandado de segurança....................... 539 3.1. Competência da Justiça Federal. Regra geral.............................................................. 539 3.2. Competência delegada................................................................................................. 539 3.2.1. Vara Federal da Capital e Vara Federal do domicílio do autor: competência relativa. Súmula 689 do STF...................................................... 541 3.2.2. Vara Federal sediada na Comarca e domicílio do autor na sede da Comarca. Competência absoluta...................................................................................... 543 3.2.3. Domicílio do autor em município que não é sede de Vara Federal. Ação ajuizada na Justiça Estadual de outro município que também não é sede de Vara Federal................................................................................................ 543 3.2.4. Competência para julgamento dos recursos..................................................... 544 3.3. Juizado Especial Federal. Competência absoluta........................................................ 545 3.3.1. Juizado Especial Federal e Vara Federal ........................................................ 546 3.3.2. Juizado Especial Federal e Justiça Estadual..................................................... 547 3.4. As ações de acidente do trabalho. Benefícios previdenciários.................................... 548 3.5. Mandados de segurança............................................................................................... 549 4. Declaração de incompetência. A Súmula 33 do STJ........................................................... 551 5. Conflitos de competência..................................................................................................... 551 6. O prévio requerimento administrativo................................................................................. 554 7. Procedimento comum........................................................................................................... 556 7.1. Valor da causa............................................................................................................. 556 7.2. A antecipação de tutela. Concessão de ofício............................................................. 558 7.3. A correção monetária e os juros de mora.................................................................... 561 7.4. Os honorários de sucumbência. A Súmula 111 do STJ............................................... 562 7.5. Custas. Despesas processuais. A justiça gratuita......................................................... 565 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 24 10/3/2011 12:22:04
  • 25. 25Sumário 7.5.1. A justiça gratuita.............................................................................................. 565 7.5.2. A isenção de custas.......................................................................................... 568 8. Procedimento dos Juizados Especiais Federais.................................................................... 568 8.1. Aplicação subsidiária da Lei n. 9.099/95 e do Código de Processo Civil................... 568 8.2. Competência. O mandado de segurança ..................................................................... 569 8.3. Princípios. Oralidade. Simplicidade. Informalidade. Economia processual. Celeridade. Justiça gratuita. A busca da conciliação e transação................................ 571 8.3.1. Oralidade.......................................................................................................... 571 8.3.2. Simplicidade e informalidade.......................................................................... 572 8.3.3. Economia processual........................................................................................ 572 8.3.4. Celeridade ....................................................................................................... 572 8.3.5. Custas. Honorários periciais. Justiça gratuita.................................................. 574 8.3.6. Conciliação....................................................................................................... 574 8.4. Valor da causa............................................................................................................. 575 8.5. Medida cautelar. Antecipação da tutela. Concessão de ofício.................................... 577 8.6. O advogado. Representante para a causa. Honorários de sucumbência...................... 578 8.7. Os prazos..................................................................................................................... 582 8.8. A sentença líquida....................................................................................................... 583 8.9. Recursos. A remessa oficial. Mandado de segurança contra ato judicial................... 584 8.9.1. Recurso de decisão. Mandado de segurança contra ato judicial...................... 586 8.9.2. Recurso de sentença......................................................................................... 587 8.9.3. Remessa Oficial................................................................................................ 588 8.9.4. Embargos de Declaração.................................................................................. 588 8.10. Incidente de Uniformização........................................................................................ 588 8.10.1. Incidente de Uniformização Regional.............................................................. 590 8.10.2. Incidente de Uniformização Nacional.............................................................. 591 8.10.3. Incidente de Uniformização no STJ................................................................. 591 8.11. Recurso Especial. Recurso Extraordinário.................................................................. 592 8.12. Ação rescisória............................................................................................................ 592 9. A prova no Direito Previdenciário....................................................................................... 594 9.1. A prova do tempo de serviço/contribuição. Tempus regit actum. Início de prova material.............................................................................................................. 595 9.2. O exercício de atividades de natureza especial........................................................... 598 9.3. Incapacidade. Prova técnica........................................................................................ 598 9.4. Benefício assistencial. Prova técnica. Laudo social.................................................... 599 10. Recursos............................................................................................................................... 600 10.1. Apelação. Efeitos......................................................................................................... 600 10.2. Reexame necessário..................................................................................................... 601 10.3. Recursos para os Tribunais Superiores. Vedação do reexame de provas. Requisitos. Prequestionamento. Efeitos...................................................................... 603 10.3.1. Recurso Especial. Recursos Especiais repetitivos........................................... 606 10.3.2. Recurso Extraordinário. A repercussão geral................................................... 613 11. Ação rescisória..................................................................................................................... 619 11.1. A coisa julgada............................................................................................................ 620 11.2. Competência................................................................................................................ 622 11.3. Prazo. Decadência....................................................................................................... 624 11.4. Legitimidade. Os sucessores processuais.................................................................... 628 11.5. Valor da causa............................................................................................................. 629 11.6. Custas processuais. Depósito prévio. Honorários de sucumbência. Justiça gratuita............................................................................................................. 630 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 25 10/3/2011 12:22:04
  • 26. 26 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos 11.7. Intervenção do Ministério Público Federal................................................................. 630 11.8. Medida cautelar e antecipação de tutela...................................................................... 631 11.9. Objeto ......................................................................................................................... 631 11.10. Juízo rescindente e juízo rescisório............................................................................ 631 11.11. Hipóteses de cabimento. Art. 485 do Código de Processo Civil. Causa de pedir............................................................................................................. 632 11.11.1. Sentença resultante de dolo da parte vencedora em detrimento da parte vencida (art. 485, III)....................................................................................... 634 11.11.2. Ofensa à coisa julgada (art. 485, IV)............................................................. 637 11.11.3. Violação de literal disposição de lei (art. 485, V). A Súmula 343 do STF... 639 11.11.4. Prova falsa (art. 485, VI)............................................................................... 644 11.11.5. Documento novo (art. 485, VII).................................................................... 645 11.11.6. Erro de fato (art. 485, IX).............................................................................. 649 12. Questões............................................................................................................................... 651 Referências.............................................................................................................................. 655 00_Direito Previdenciário_Esquematizado_1-26.indd 26 10/3/2011 12:22:04
  • 27. I A SEGURIDADE SOCIAL 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA SEGURIDADE SOCIAL A evolução socioeconômica faz com que as desigualdades se acentuem entre os membros da mesma comunidade e da comunidade internacional. A pobreza não é um problema apenas individual, mas, sim, social. A concentração da maior parte da renda nas mãos de poucos leva à miséria da maioria, que se ressente da falta dos bens necessários para sobreviver com dignidade. No entanto, o homem sempre se preocupou em garantir seu sustento e o de sua família em situações de carência econômica, enfermidades e da capacidade de traba- lho, de redução ou perda de renda. Dessas situações o homem não consegue sair apenas com o seu esforço indivi- dual, necessitando do amparo do Estado para prevenir e remediar suas necessidades.1 Todos esses fatores levaram à busca de instrumentos de proteção contra as ne- cessidades sociais, com reflexos na ordem jurídica. Dividimos a evolução histórica da proteção social em três etapas: assistência pública, seguro social e seguridade social. 1.1. A assistência pública A primeira etapa da proteção social foi a da assistência pública, fundada na ca- ridade e, no mais das vezes, conduzida pela Igreja e, mais tarde, por instituições públicas. O indivíduo em situação de necessidade — em casos de desemprego, doença e invalidez — socorria-se da caridade dos demais membros da comunidade. Nessa fase, não havia direito subjetivo do necessitado à proteção social, mas mera expectativa de direito, uma vez que o auxílio da comunidade ficava condicio- nado à existência de recursos destinados à caridade. A desvinculação entre o auxílio ao necessitado e a caridade começou na Ingla- terra, em 1601, quando Isabel I editou o Act of Relief of the Poor — Lei dos Pobres. A lei reconheceu que cabia ao Estado amparar os comprovadamente necessitados. 1 Cf. H. F. Zacher e F. Kessler, apud Manuel Alonso Olea e José Luis Tortuero Plaza, Instituciones de seguridad social. 14. ed. Madrid: Editorial Civitas, 1995, p. 26: “... la seguridad social es necessaria si y cuando el esfuerzo personal no basta”. Traduzimos: “... a seguridade social é necessária se e quando o esforço individual não basta”. Direito Previdenciário Esquematizado_27-660.indd 27 10/3/2011 12:29:37
  • 28. 28 Direito Previdenciário Esquematizado Marisa Ferreira dos Santos Surgiu, assim, a assistência pública ou assistência social. Cabia à Igreja a administração de um fundo, formado com a arrecadação de uma taxa obrigatória. “... o Poder Público tornava cogente o binômio igualdade- -solidariedade”.2 A preocupação com o bem-estar de seus membros levou algumas categorias profissionais a constituírem caixas de auxílio, com caráter mutualista, que davam direito a prestações em caso de doença ou morte. Havia uma semelhança com os seguros de vida, feitos principalmente por armadores de navios.3 A assistência pública, no Brasil, foi prevista pela Constituição de 1824, cujo art. 179, § 31, garantia os socorros públicos. As desigualdades sociais marcantes, denunciadas pela Revolução Francesa, le- varam à criação de outros mecanismos de proteção social contra os abusos e injusti- ças decorrentes do liberalismo. 1.2. O seguro social Já não bastava a caridade para o socorro dos necessitados em razão de desem- prego, doenças, orfandade, mutilações etc. Era necessário criar outros mecanismos de proteção, que não se baseassem na generosidade, e que não submetessem o indi- víduo a comprovações vexatórias de suas necessidades. Na lição de Manuel Alonso Olea e José Luis Tortuero Plaza (traduzimos):4 “Dito de outra forma: amadurece historicamente a ideia de que se deve ter um direito à proteção, que as prestações previstas são ‘juridicamente exigíveis’, direito que deriva da contraprestação prévia em forma de quotas pagas pelo beneficiário ou por um terceiro por conta daquele”. Surgiram as empresas seguradoras, com fins lucrativos e administração baseada em critérios econômicos, com saneamento financeiro. O seguro do Direito Civil forneceu as bases para a criação de um novo instru- mento garantidor de proteção em situações de necessidade. A primeira forma de seguro surgiu no século XII: o seguro marítimo, reivindi- cação dos comerciantes italianos. Não eram, ainda, as bases técnicas e jurídicas do seguro contratual.5 2 Cf. Wagner Balera, Introdução à seguridade social. In: Introdução ao direito previdenciário. São Paulo: LTr, 1998, p. 28. 3 Cf. Floriceno Paixão e Luiz Antonio C. Paixão, A previdência social em perguntas e respostas. 38. ed. Porto Alegre: Síntese, 2001, p. 20. 4 Ob. cit., p. 27: “Dicho de otra forma: madura históricamente la idea de que se debe tener um derecho a la protección, que las prestaciones previstas son ‘jurídicamente exigibles’, derecho que deriva de la contraprestación previa em forma de primas o cuotas pagadas por el beneficiario o por in tercero por cuenta de aquél”. 5 Cf. Augusto Venturi, I fondamienti scientifici della sicurezza sociale. Trad. Gregorio Tudela Cam- bronero. In: Los fundamentos científicos de la seguridad social. Madrid: Centro de Publicaciones, Ministerio del Trabajo e Seguridad Social, 1994, p. 77. Direito Previdenciário Esquematizado_27-660.indd 28 10/3/2011 12:29:37
  • 29. 29I A Seguridade Social O desenvolvimento do instituto do seguro fez surgir novas formas: seguro de vida, seguros contra invalidez, danos, doenças, acidentes etc. O seguro decorria do contrato, e era de natureza facultativa, isto é, dependia da manifestação da vontade do interessado. Mas a proteção securitária era privilégio de uma minoria que podia pagar o prê- mio, deixando fora da proteção a grande massa assalariada. Era necessário, então, criar um seguro de natureza obrigatória, que protegesse os economicamente mais frágeis, aos quais os Estado deveria prestar assistência. Augusto Venturi ensina (traduzimos):6 “27. Diante das exigências das condições objetivas e da já difundida sensibilidade ante as ‘injustiças’ sociais, cada vez mais presentes na vida moderna, as soluções da benefi- cência, da assistência pública, do socorro mútuo, do seguro voluntário, inclusive soman- do todas as suas contribuições ao auxílio das vítimas das vicissitudes da vida, resulta- vam absolutamente inadequadas. Era necessário dar um novo passo adiante e este se deu com o reconhecimento de uma dupla necessidade: de um lado, tornar obrigatórias, para todos os que pertenciam a im- portantes categorias de trabalhadores, formas de seguro frente aos principais riscos a que se encontram sujeitos — questão que, necessariamente, devia ser competência do Estado —; de outro lado, ajudar os trabalhadores a suportar o custo desses seguros — e, também aqui, o Estado devia adotar alguma medida, chamando a contribuir a categoria dos empregadores”. O final do século XIX marcou o surgimento de um novo tipo de seguro, cuja garantia de efetividade dependia da distribuição dos riscos por grupos numerosos de segurados. Para isso, era necessário que as entidades seguradoras assumissem a co- bertura dos riscos, sem, contudo, selecioná-los.7 Nasceu o seguro social, na Prússia, em 1883, com a Lei do Seguro Doença, que criou o Seguro de Enfermidade, resultado da proposta de Bismarck para o programa social. A Lei do Seguro Doença é tida como o primeiro plano de Previdência Social de que se tem notícia. A partir de Bismarck e, principalmente, da Segunda Guerra Mundial, ganhou força a ideia de que o seguro social deveria ser obrigatório e não mais restrito aos 6 Ob. cit., p. 99: “27. Frente a las exigencias que las condiciones objetivas y la ya difundida sensibili- dad ante las ‘injusticias’ sociales, cada vez más evidentes en la vida moderna, las soluciones de la beneficencia, de la asistencia pública, del socorro mutuo, del seguro voluntario, incluso sumando todas sus aportaciones al auxilio de las victimas de las visicitudes de la vida, resultaban absoluta- mente inadecuadas. Era necesario dar um nuevo paso hacia adelante y este se Dio con el reconoci- miento de uma doble necesidade: de un lado, rendir obligatorias, para todos los que pertenencían a importantes categorias de trabajadores, forma de seguro frente a los riesgos que se encuentram suje- tos — cuestión que, necesariamente, debía ser competencia del Estado —; de outro lado, ayudar a los trabajadores a soportar el coste de estos seguros — y, también aqui, el Estado debía adoptar al- guna medida, llamando a contribuir la categoria de los empleadores.” 7 Cf. Olea e Plaza, ob. cit., p. 27. Direito Previdenciário Esquematizado_27-660.indd 29 10/3/2011 12:29:37

Related Documents