Equipe:
 
 
Ronaldo
 Laranjeira
 
Helena
 Sakiyama...
  www.inpad.org.br/lenadfamilia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 LENAD
 Família
 
  2
 
1. Por
 que	...
  www.inpad.org.br/lenadfamilia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 LENAD
 Família
 
  3
 
familiares
 ...
  www.inpad.org.br/lenadfamilia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 LENAD
 Família
 
  4
 
3. Qual
  é	...
  www.inpad.org.br/lenadfamilia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 LENAD
 Família
 
  5
 
4. A
 influê...
  www.inpad.org.br/lenadfamilia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 LENAD
 Família
 
  6
 
 
 
 ...
  www.inpad.org.br/lenadfamilia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 LENAD
 Família
 
  7
 
Gráfico
 8:	...
  www.inpad.org.br/lenadfamilia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 LENAD
 Família
 
  8
 
 
7. Histór...
  www.inpad.org.br/lenadfamilia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 LENAD
 Família
 
  9
 
 
 
 ...
  www.inpad.org.br/lenadfamilia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 LENAD
 Família
 
  10
 
8. O
 impac...
  www.inpad.org.br/lenadfamilia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 LENAD
 Família
 
  11
 
 
9. O
 ...
  www.inpad.org.br/lenadfamilia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 LENAD
 Família
 
  12
 
Mais
 da
...
of 12

Press familia

Published on: Mar 4, 2016
Published in: Science      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Press familia

  • 1.                           Equipe:     Ronaldo  Laranjeira   Helena  Sakiyama   Maria  de  Fátima  Rato  Padin   Sandro  Mitsuhiro   Clarice  Sandi  Madruga
  • 2.   www.inpad.org.br/lenadfamilia                    LENAD  Família     2   1. Por  que  este  estudo  é  relevante?     Segundo  o  relatório  sobre  a  “Carga  Global  das  Doenças”  (Global  Burden  of  Disease  -­‐ GBD)  da  Organização  Mundial  da  Saúde  (OMS),  o  uso  abusivo  de  álcool  e  drogas  está   entre  os  maiores  responsáveis  pela  morte  prematura  e  pela  perda  de  vida  saudável  e   produtiva  nas  Américas,  causando  um  grande  impacto  social,  econômico  e  de  saúde   pública  dessas  nações.  Entretanto,  estes  dados  são  mensurações  estatísticas  que  não   capturam   todas   as   dimensões   do   transtorno   do   uso   de   substâncias   como,   por   exemplo,  o  sofrimento  dos  familiares.  Embora  muito  pouco  estudadas,  sabe-­‐se  que  as   experiências   cotidianas   vividas   pela   família   com   parente   usuário   de   drogas   são   devastadoras   nos   aspectos   físico,   financeiro,   de   relações   interpessoais   e   sociais.   O   impacto   também   se   dá   na   perspectiva   subjetiva,   causando   sentimentos   negativos   como  tensão,  estresse,  preocupação,  estigma,  raiva  e  culpa.   O  II    Levantamento  Nacional  de  Álcool  e  Drogas  (II  LENAD),  realizado  recentemente   pelo   INPAD,   estimou   que   existe   na   população   cerca   de   5.7%   de   Brasileiros   que   são   dependentes  de  álcool  e/ou  maconha  e/ou  cocaína,  representando  mais  de  8  milhões   de   pessoas.   Este   levantamento   também   estimou   que   os   domicílios   no   Brasil   são   compostos  por  uma  média  de  4  pessoas.  Tendo  em  vista  estas  informações,  estima-­‐se   que   pelo   menos   28   milhões   de   pessoas   vivem   hoje   no   Brasil   com   um   dependente   químico.  Todavia,  não  existia  até  então  no  Brasil  nenhum  estudo  de  âmbito  nacional   focado  nas  famílias   Os   poucos   estudos   que   avaliam   as   famílias   dos   dependentes   de   álcool   e/ou   substâncias   ilícitas   demonstram   evidências   consistentes   do   impacto   causado   particularmente   aos   familiares   mais   próximos,   tais   como   cônjuges,   pais   e   filhos.   Determinados  processos  familiares,  tais  como  rituais,  funções,  rotinas,  estruturas  de   comunicação,   vida   social   e   finanças   da   família   são   geralmente   afetados.   Da   mesma   maneira,  problemas  que   incluem  violência  doméstica,  abuso   infantil,   roubo   de  bens   familiares,  condução  de  veículos  em  estado  de  embriaguez  e  ausências  prolongadas   são   comportamentos   tipicamente   descritos   pelos   familiares.   A   exposição   a   estas     experiências  muitas  vezes  se  manifesta  na  forma  de  sintomas  físicos  e  psicológicos  nos
  • 3.   www.inpad.org.br/lenadfamilia                    LENAD  Família     3   familiares  mais  próximos,  tornando-­‐os  uma  população  vulnerável  e  com  necessidades   de   atenção   e   cuidados   específicos.   O   conhecimento   do   perfil   dos   cuidadores   do   dependente  químico,  bem  como  do  impacto  que  esta  condição  tráz  para  toda  a  família   é   de   fundamental   importância   para   o   planejamento   de   tratamentos   mais   amplos   e   eficientes  e  de  políticas  de  saúde  pública  visando  o  amparo  desta  população.       2. Sobre  o  LENAD  Família   No  período  de  junho  de  2012  a  julho  de  2013,  o  INPAD,  com  financiamento  do  CNPQ,   realizou   um   estudo   abrangendo   todas   as   regiões   do   Brasil   com   3.153     famílias   de   dependentes  químicos  em  tratamento.                     Gráfico  1:Proporção  de  participantes  entrevistados  nas  cinco  Regiões  Brasileiras     Informações   sobre   as   características   sócio-­‐demográficas,   percepção   do   problema   e   tempo   para   a   busca   por   ajuda,   impacto     financeiro   e   psicológico   da   família   e   impressões   sobre   os   tratamentos   utilizados   foram   investigadas   por   meio   de   entrevistas  estruturadas.     Figura  1:  Instituições  investigadas  pelo  levantamento
  • 4.   www.inpad.org.br/lenadfamilia                    LENAD  Família     4   3. Qual   é   o   perfil   das   famílias   de   dependentes   químicos   em   tratamento?       Dentre  os  familiares  entrevistados,  as  mulheres  são  a  maioria  (80%)  e  46%  são  mães     que   sofrem   com   impacto   negativo     causado   pela     dependência     de   álcool   e/ou   de   substancias  ilícitas.  Essas  mães  ,  além  do  forte    impacto  sofrido,  são  responsáveis  pelo   tratamento  (66%)  e  mais  da  metade    delas  é  considerada  “chefe  da  Família”.Ou  seja,   tem   uma   sobrecarga   de   cuidar     do     filho   dependente   e     de   ser   responsável   pelos   cuidados  da  família.                           Gráfico  2  e  3:  Gênero  e  estado  civil  e  raça  dos  familiares  entrevistados.           Gráfico  4:  Parentesco  do  entrevistado  com  o  paciente    em  tratamento.
  • 5.   www.inpad.org.br/lenadfamilia                    LENAD  Família     5   4. A  influência  familiar  no  consumo  de  substâncias     Mais   da   metade   (57.6%)   das   famílias   possui   algum   outro   familiar   usuário   de   substâncias.   Todavia,   os   entrevistados   desconsideram   esse   fator   como   de   alto   risco   para  uso  de  substâncias  do  paciente,  acreditando  que  as  más  companhias  (46.8%)  e   auto  estima  baixa  (26.1%)    foram  responsáveis  pelo  uso.     Gráfico  5:    Proporção  de  entrevistados  que  possuem  casos  de  dependentes  químicos  na  família   5. Qual  é  o  perfil  do  paciente  em  tratamento?     Grande  parte  dos  pacientes  em  tratamento  para  dependência  química  eram  homens,   com  idade  entre  12  a  82  anos,  e  média  de  idade  de  32  anos.  Quase  um  terço  (26%)   tinha  ensino  superior  incompleto  ou  completo.     Gráfico  6:    Grau  de  instrução  dos  pacientes  em  tratamento
  • 6.   www.inpad.org.br/lenadfamilia                    LENAD  Família     6                     Gráfico    7:  Substâncias  utilizadas  regularmente  pelos  pacientes  em  tratamento     A  maioria  dos  pacientes  em  tratamento  era  poli-­‐usuária  (73%),  sendo  mais  da  metade   consumidores   de   maconha   (68%)   em   combinação   com   outras   substâncias.   Quase   metade  (42%)  dos  pacientes  em  tratamento  relatou  usar  crack  regularmente.  O  tempo   médio  de  uso  de  substâncias  foi  de  13  anos.       6. Como  é  a  trajetória  do  tratamento?     O  tempo  médio   para  a  busca  de  ajuda  após  o  conhecimento  do  consumo   de  álcool   e/ou  drogas  foi  de  3  anos,  sendo  2  anos  para  usuários  de  cocaína  e/ou  crack  e  7.3  anos   entre   os   dependentes   de   álcool.   Os   familiares   relataram   ter   o   conhecimento   do   consumo  de  drogas  pelo  paciente  por  um  tempo  médio  de  9  anos.  Mais  de  um  terço   (44%)   relatou   ter   descoberto   o   uso   devido   a   mudanças   no   comportamento   do   paciente,  enquanto  15%  refere  ter  visto  o  paciente  fazendo  o  consumo  da  substância   fora  de  casa.  Os  familiares  relataram  que  a  recusa  do  paciente  foi  a  principal  razão  pela   demora   para   procurar   o   tratamento.     Somente  um   terço   dos   familiares   procuraram   ajuda  imediatamente  apos  ter    o  conhecimento  do  uso  da  substância  pelo  paciente.
  • 7.   www.inpad.org.br/lenadfamilia                    LENAD  Família     7   Gráfico  8:  Tempo  levado  para  buscar  ajuda  entre  usuários  de  Crack  e  Álcool  nas  cinco  Regiões   Brasileiras       O   Centro-­‐Oeste   apresentou   a   maior   média   de   tempo   para   a   busca   de   tratamento,   enquanto  o  Sudeste  e  Sul  tiveram  médias  semelhantes  com  2  anos  e  meio  de  latência   para  esta  busca.     A  falta  de  orientação  familiar  acarreta  outras  sérias  implicações:      A  identificação  do  uso:    Apesar  da  média  de  uso  dos  pacientes  ser  de  13  anos,  a   média  do  conhecimento  do  uso  pelos  familiares  é  de  8,8  anos.  A  percepção  do   uso   pelos   familiares   só   ocorre   quando   existem  mudanças   no     comportamento   (agressivo,  alienado  ,  indiferente  -­‐  44,3%).    A  busca  pelo  tratamento:  O    tempo  médio    para  procurar    ajuda  foi  de  3  anos   após  ter  conhecimento  do  uso,  sendo  2  anos  para  usuários  de  cocaína  e/ou  crack   e  7.3  anos  entre  os  dependentes  de  álcool.
  • 8.   www.inpad.org.br/lenadfamilia                    LENAD  Família     8     7. Histórico  de  Tratamentos   Mais  da  metade  (53.2%)  dos  pacientes  estava  internada  no  momento  da  entrevista,  na   sua  maioria,  em  comunidades  terapêuticas  (62%)  e  mais  de  um  terço  (33%)  em  clínicas   e/ou  hospital  dia.     Gráfico  9:  Tipos  de  tratamentos  procurados  e  impressão  de  eficiência.       Quanto  `a  primeira  ajuda  procurada,  a  internação  foi  a  mais  citada  (21%),  bem  como  a   que  recebeu  uma  avaliação  mais  positiva  quanto  a  sua  eficácia  (56%),  de  acordo  com   os  familiares  entrevistados.  Grupos  como  AA,  NA  e  Amor  exigente  foram  citados  por   14%  dos  entrevistados.  Já  o    apoio  e  orientação    vem  de    Grupos  de  ajuda  mútua  como   Alanon,   Amor   Exigente,   Pastoral   da   Sobriedade,   que   foram   citados   por   14%   dos   entrevistados.
  • 9.   www.inpad.org.br/lenadfamilia                    LENAD  Família     9                                       Gráfico   10   e   11:   Conhecimento   da   existência   do   CAPS-­‐AD   e   histórico   de   procura   nas   cinco   regiões  Brasileiras.           O  estudo  também  detectou  que  metade  dos  participantes  desconhecia  o  serviço  do   CAPS-­‐AD,   e   entre   os   cientes   de   sua   existência,   menos   da   metade   (46%)   nunca   procurou  este  serviço.
  • 10.   www.inpad.org.br/lenadfamilia                    LENAD  Família     10   8. O  impacto  nas  finanças  da  família   O   estudo   detectou   que   em   mais   da   metade   dos   casos,   o   tratamento   foi   pago   exclusivamente  pelo  próprio  familiar  (58%),  enquanto  o  uso   de  convênios  foi  citado   em  mais  de  9%  dos  casos.         Gráfico  12:  Fonte  de  pagamento  do  tratamento     O  impacto  do  pagamento  do  tratamento  afetou  muito  ou  drasticamente  as  finanças  da   família  em  quase  metade  dos  casos  entrevistados  (45%).       Gráfico  13:  Impacto  financeiro  do  tratamento
  • 11.   www.inpad.org.br/lenadfamilia                    LENAD  Família     11     9. O  impacto  na  saúde  da  família   A   família   do   dependente   químico   geralmente   se   apresenta   em   situação   de   vulnerabilidade  e  de  riscos  para  o  desenvolvimento  de  problemas  de  saúde.  O  estudo   mostrou  que  familiares  de  dependentes  químicos  apresentam  significativamente    mais   sintomas  físicos  e  psicológicos  que  a  média  da  população.  Observou-­‐se  também  que  os   as  mães  sofrem  mais  sintomas  físicos  e  psicológicos  decorrentes  do  uso  de  seus  filhos   que  outros  familiares,  independente  da  substância  que  levou  ao  tratamento.       Gráfico  14:  Problemas  mais  comuns  associados  ao  uso  e  perspectivas  de  melhora.
  • 12.   www.inpad.org.br/lenadfamilia                    LENAD  Família     12   Mais  da  metade  dos  familiares  relatou  que  sua  habilidade  de  trabalhar  ou  estudar  foi   afetada  com  o  consumo  de  substâncias  de  seu  familiar,  enquanto  metade  refere  que  o   uso  do  seu  parente  incomoda  e  atrapalha  sua  vida  social.  Quase  um  terço  relatou  que   seu  familiar  rouba  seus  pertences  ou  pede  emprestado  e  não  devolve  e  12%  já  foram   ameaçados  pelo  parente  dependente.         Gráfico  15:  Índice  de  sintomas  físicos  e  psicológicos  entre  mães  e  outros  familiares

Related Documents