Orientação Sexual e Identidade de Gênero no
Regime Internacional de Direitos Humanos
NASCIDOS
LIVRES E IGUAIS
Nova York e Genebra, 2012
Brasília, 2013
Orientação Sexual e Identidade de Gênero no
Regime Internacional de Direitos Huma...
Nota
A designação empregada e a apresentação do material nessa publicação não implicam,
de forma alguma, a expressão de qu...
5NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
ConTEÚDO
PREÂMBULO.................................................................................
6 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
Prevent torture and cruel, inhuman and degrading treatment of LGBT individuals
Decriminalize ho...
7NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
PREÂMBULO
A extensão dos mesmos direitos usufruídos por todos para pessoas lésbicas,
gays, bisse...
8 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
global como nacional, que é onde a implementação deve ocorrer.
Por todas as dificuldades, este ...
9NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
INTRODUçÃO
Após décadas em que as palavras “orientação sexual” e “identidade de gênero”
eram rar...
10 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
Apresentando o relatório ao Conselho no começo do debate, a Alta Comissária
Navi Pillay desafi...
11NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
Cada seção termina com recomendações aos Estados.
A proteção de pessoas baseada na orientação s...
12 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
13NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
RESUMO DAS RECOMENDAÇÕES
– CINCO PASSOS –
1. Proteger as pessoas da violência homofóbica e tra...
14 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
CINCO OBRIGAÇÕES LEGAIS DOS ESTADOS EM RELAÇÃO À
PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS DE PESSOAS LGBT...
15NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
POSIÇÕES TOMADAS PELOS MECANISMOS DE
DIREITOS HUMANOS DAS NAÇÕES UNIDAS
Indivíduos LGBT estão m...
16 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
Salvador, o Comitê de Direitos Humanos expressou:
preocupação com os incidentes envolvendo pes...
17NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
fundamental de todas as normas de direitos humanos que defendemos.
Estas práticas deveriam ser ...
18 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
As pessoas LGBT também estão entre as vítimas dos chamados assassinatos de
“honra”, realizados...
19NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
causa de sua orientação sexual. O Comitê expressa ainda preocupação
acerca da prática dos chama...
20 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
clara de que não é tolerada qualquer forma de assédio, discriminação
ou violência contra pesso...
21NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
Pedidos de asilo
Os Estados também têm o dever de conceder refúgio seguro a indivíduos
fugindo ...
22 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
ConclusÃO
A fim de respeitar, proteger e fazer cumprir os direitos à vida e à segurança
pessoa...
23NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
2. PrevenIR torturA E TRATAMENTO
CRUEL, DESUMANO E DEGRADANTE
DE PESSOAS LGBT
Os Estados tê...
24 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
POSIÇÕES TOMADAS PELOS MECANISMOS DE
DIREITOS HUMANOS DAS NAÇÕES UNIDAS
O Comitê contra a Tort...
25NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
Ele enfatizou que os prisoneiros transgêneros, em particular, são suscetiveis
a abusos físicos ...
26 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
Um problema ressaltado por especialistas é a prática de submeter homens
suspeitos de serem hom...
27NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
O Comitê contra a Tortura e o Relator Especial sobre tortura também criticaram o
uso de exames ...
28 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
ConclusÃO
Todos os indivíduos são protegidos contra tortura e tratamentos crueis, desumanos
ou...
29NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
3. DESCRIMINALIZAR A HOMOSSEXUALIDADE
Leis que criminalizam a homossexualidade dão origem a uma...
30 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
Declaração Universal dos Direitos Humanos
Artigo 2: Todo ser humano tem capacidade para gozar ...
31NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
POSIÇÕES TOMADAS PELOS MECANISMOS DE
DIREITOS HUMANOS DAS NAÇÕES UNIDAS
Pelo menos 76 países tê...
32 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
O Comitê interpretou que “a exigência de razoabilidade significa que a
interferência na vida p...
33NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
Do mesmo modo, no caso de Camarões, o Comitê declarou:
O Comitê permanece profundamente preocup...
34 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
Os relatores especiais e os grupos de trabalho do Conselho de Direitos Humanos
das Nações Unid...
35NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
enviaram uma carta conjunta exortando o Senado a reconhecer que o projeto
de lei era contrário ...
36 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
Relatores especiais chamaram atenção para a aplicação da pena de morte
como uma violação do re...
37NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
sexual. O Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos e a Declaração
Universal dos Dir...
38 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
“garanta que qualquer pessoa detida apenas em função de suas atividades
sexuais livres e mutua...
39NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
4. PROIBIR DISCRIMINAÇÃO BASEADA
EM ORIENTAÇÃO SEXUAL E
IDENTIDADE DE GÊNERO
Todas as pesso...
40 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
Declaração Universal dos Direitos Humanos
Artigo 2: Todo ser humano tem capacidade para gozar ...
41NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
POSIÇÕES TOMADAS PELOS MECANISMOS DE
DIREITOS HUMANOS DAS NAÇÕES UNIDAS
Indivíduos LGBT sofrem ...
42 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
justificadas e são de natureza comparável aos motivos expressamente
reconhecidos no artigo 2, ...
43NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
quando os Estados não reconhecem uma mudança de gênero pela emissão
de novos documentos de iden...
44 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
que não protege os indivíduos de discriminação em razão da orientação sexual
ou identidade de ...
45NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
sionais contra indivíduos “em razão da sua orientação sexual e/ou identidade
transexual.”102
El...
46 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
crimes e incitamento ao ódio relatados contra as mulheres por conta de sua
orientação sexual e...
47NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
O Comitê sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais tem observado com
consternação que as p...
48 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
manutenção do emprego baseado na (...) orientação sexual.”112
Este
princípio de não discrimina...
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
Nascidos livres e iguais - orientação sexual
of 68

Nascidos livres e iguais - orientação sexual

Direitos Humanos
Published on: Mar 3, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Nascidos livres e iguais - orientação sexual

  • 1. Orientação Sexual e Identidade de Gênero no Regime Internacional de Direitos Humanos NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
  • 2. Nova York e Genebra, 2012 Brasília, 2013 Orientação Sexual e Identidade de Gênero no Regime Internacional de Direitos Humanos NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
  • 3. Nota A designação empregada e a apresentação do material nessa publicação não implicam, de forma alguma, a expressão de qualquer opinião por parte do secretariado das Nações Unidas em relação à situação legal de qualquer país, território, cidade ou área, ou de suas autoridades, ou à delimitação de suas fronteiras ou limites. Os emblemas de documentos das Nações Unidas são compostos por letras maiúsculas e figuras. Menção de tal figura indica uma referência a um documento das Nações Unidas. Esta é uma tradução livre do UNAIDS Brasil. HR/PUB/12/06 ©2012 Nações Unidas para a versão em inglês ©2013 Nações Unidas para a versão em português Todos os direitos reservados
  • 4. 5NASCIDOS LIVRES E IGUAIS ConTEÚDO PREÂMBULO................................................................................. 07 INTRODUçÃO ............................................................................. 09 RESUMO DAS RECOMENDAÇÕES................................................. 13 CINCO OBRIGAçõES LEGAIS DOS ESTADOS EM RELAÇÃO À PROTEÇÃO DOS direitos humanos de pessoas lgbt.............. 14 1. Proteger indivíduos de violência homofóbica e transfóbica..... 14 2. Prevenir tortura e tratamento cruel, desumano e degradante de pessoas LGBT.............................................. 23 3. Descriminalizar a homossexualidade..................................... 29 4. Proibir discriminação baseada em orientação sexual ou identidade de gênero....................................................... 39 5. Respeitar as liberdades de expressão, de associação e de reunião pacífica............................................................ 56 CONCLUSÃO............................................................................... 63
  • 5. 6 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS Prevent torture and cruel, inhuman and degrading treatment of LGBT individuals Decriminalize homosexuality Prohibit discrimination based on sexual orientation and gender identity Respect freedom of expression, association and peaceful assembly Conclusion
  • 6. 7NASCIDOS LIVRES E IGUAIS PREÂMBULO A extensão dos mesmos direitos usufruídos por todos para pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT) não é radical e nem complicado. Ela apoia-se em dois princípios fundamentais que sustentam o regime internacional de direitos humanos: igualdade e não discriminação. As palavras de abertura da Declaração Universal dos Direitos dos Humanos são inequívocas: “todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos.” Entretanto, atitudes homofóbicas profundamente enraizadas, muitas vezes combinadas com uma falta de proteção jurídica adequada contra a discrimi- nação em razão de orientação sexual e identidade de gênero, expõem muitas pessoas LGBT, de todas as idades e em todas as regiões do mundo, a viola- ções evidentes de seus direitos humanos. Elas são discriminadas no mercado de trabalho, nas escolas e nos hospitais, e maltratadas e rejeitadas por suas próprias famílias. Nas ruas das cidades ao redor do mundo, são as “esco- lhidas” para o ataque físico – espancadas, agredidas sexualmente, torturadas e mortas. Em cerca de 76 países, leis discriminatórias criminalizam relações consensuais privadas entre pessoas do mesmo sexo – expondo indivíduos ao risco de serem detidos, acusados e presos. Preocupações com essas e outras violações têm sido expressas com frequência pelos mecanismos de direitos humanos das Nações Unidas desde o início da década de noventa. Estes mecanismos incluem os corpos de tratado esta- belecidos para monitorar os Estados a fim de que estejam em conformidade com os tratados internacionais de direitos humanos, e os Relatores Especiais e outros especialistas independentes nomeados pela antiga Comissão de Direitos Humanos e seu sucessor, o Conselho de Direitos Humanos, para investigar e informar a respeito dos desafios prementes dos direitos humanos. Em 2011, o Conselho de Direitos Humanos aprovou uma resolução expressando “grave preocupação” com a violência e a discriminação contra indivíduos em razão de sua orientação sexual e identidade de gênero. A necessidade de medidas para acabar com essas violações é cada vez mais evidente, se já não for universalmente aceita. Acabar com a violência e a discriminação contra indivíduos em razão de sua orientação sexual e identidade de gênero é um grande desafio dos direitos humanos. Espero que este livreto, que define as obrigações legais dos Estados para com as pessoas LGBT, possa contribuir para o debate, tanto em nível
  • 7. 8 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS global como nacional, que é onde a implementação deve ocorrer. Por todas as dificuldades, este é um momento de esperança: um número crescente de Estados passou a reconhecer a gravidade do problema e a ne- cessidade de ação. Com compromisso e esforço conjunto dos Estados e da sociedade civil, estou confiante de que iremos ver os princípios de igualdade e não discriminação transformados em realidade para milhões de pessoas LGBT em todo o mundo. Navi Pillay Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos
  • 8. 9NASCIDOS LIVRES E IGUAIS INTRODUçÃO Após décadas em que as palavras “orientação sexual” e “identidade de gênero” eram raramente proferidas em encontros formais e intergovernamentais nas Nações Unidas, um debate se desenvolveu no Conselho de Direitos Humanos, em Genebra, sobre os direitos de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros. As discussões no Conselho focaram sua atenção política nas leis discriminatórias, nas práticas em nível nacional e nas obrigações dos Estados perante o regime internacional de direitos humanos, para enquadrá-las através de medidas legislativas e outras normas. Em junho de 2011, o Conselho adotou a resolução 17/19 – primeira resolução das Nações Unidas sobre direitos humanos, orientação sexual e identidade de gênero. A resolução foi aprovada por uma margem pequena, mas recebeu significativo suporte dos membros do Conselho de todas as regiões. Sua adoção abriu caminho para o primeiro relatório oficial das Nações Unidas sobre o assunto, preparado pelo Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos.1 O relatório do Alto Comissariado apresentou evidência de um padrão de violência sistemática e de discriminação dirigidas às pessoas em todas as regiões em razão da sua orientação sexual e identidade de gênero – desde discriminação no emprego, na assistência médica e educação, à criminalização e ataques físicos seletivos, até mesmo assassinatos. O relatório incluiu um conjunto de recomendações dirigidas aos Estados designados para fortalecer a proteção dos direitos humanos de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT).2 Os resultados do relatório formaram a base de um painel de discussão que aconteceu no Conselho em 7 de março de 2012 – a primeira vez em que um corpo intergovernamental das Nações Unidas presidiu um debate formal sobre o assunto. 1  Relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, “Leis Discriminatórias, Práticas e Atos de Violência contra Indivíduos em Razão de sua Orientação Sexual e Identidade de Gênero” (A/HCR/19/41). 2  Os termos “lésbica”, “gay”, “bissexual” e “transgênero” são usados do início ao fim do relatório – frequentemente abreviados para “LGBT”. Esses termos têm apelo global, embora existam outros termos dependendo da cultura (incluindo hijra, meti, lala, skesana, matsoalle, mithli, kuchu, kawein, travesti, muxé, fa’afafine, fakaleiti, hamjensgara e two-spirits) que são usados para descrever comportamentos, identidades e relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo e identidades de gênero não binárias. Em vários lugares no texto, a discriminação contra pessoas intersexo (pessoas nascidas com características sexuais atípicas) também são citadas.
  • 9. 10 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS Apresentando o relatório ao Conselho no começo do debate, a Alta Comissária Navi Pillay desafiou os Estados a ajudarem a escrever um “novo capítulo” na história das Nações Unidas, dedicado ao fim da violência e discriminação contra todas as pessoas, independentemente de sua orientação sexual e iden- tidade de gênero. Falando via vídeo, o Secretário Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, descreveu a violência e discriminação contra as pessoas LGBT como “uma monumental tragédia para os que se preocupam e uma mancha na nossa consciência coletiva”. Ele também observou que se trata de uma violação do já existente regime internacional de direitos humanos. As obrigações legais dos Estados de proteger os direitos humanos de pes- soas LGBT e intersexo estão bem estabelecidas no regime internacional de direitos humanos baseado na Declaração Universal dos Direitos Humanos e posteriormente acordados nos tratados internacionais sobre o tema. Todas as pessoas, independente de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero, têm direito de gozar da proteção assegurada pelo regime internacional dos direitos humanos, inclusive em relação aos direitos à vida, à segurança pes- soal e à privacidade, o direito de ser livre de tortura, detenções e prisões arbitrárias, o direito de ser livre de discriminação e o direito às liberdades de expressão, de reunião e de associação pacífica. O propósito deste livreto é o de definir as principais obrigações que os Estados têm para com as pessoas LGBT e descrever como os mecanismos das Nações Unidas têm aplicado o direito internacional neste contexto. Nos últimos 18 anos, os corpos dos tratados de direitos humanos das Nações Unidas e os procedimentos especiais têm documentado violações de direitos humanos de pessoas LGBT e analisado a complacência do Estado com o regime interna- cional de direitos humanos. Eles acumularam evidências que mostram como indivíduos são alvos de ataques ou críticas em razão de sua orientação sexual ou identidade de gênero e publicaram um guia específico para os Estados. As seções a seguir resumem seus resultados e conselhos com o intuito de ajudar os Estados a tomar as medidas necessárias para satisfazer suas obrigações com os direitos humanos. O livreto também tem a intenção de ajudar os defensores dos direitos humanos e os detentores dos direitos em geral a reclamar aos Estados explicação sobre as violações do regime internacional de direitos humanos. O livreto consiste de cinco seções. Cada seção mostra uma obrigação do Estado, as relevantes leis internacionais de direitos humanos e os pontos de vista dos corpos dos tratados de direitos humanos e dos procedimentos espe- ciais. Trechos de seus relatórios dão exemplos dos tipos de abuso sofrido e retratam, de forma ampla, condições comuns de violência e discriminação.
  • 10. 11NASCIDOS LIVRES E IGUAIS Cada seção termina com recomendações aos Estados. A proteção de pessoas baseada na orientação sexual e identidade de gênero não requer a criação de novas leis ou direitos especiais para pessoas LGBT. Em vez disso, requer a garantia da não discriminação no gozo de todos os direitos. A proibição contra a discriminação com base na orientação sexual e identidade de gênero não está limitada ao regime internacional de direitos humanos. Tribunais de muitos países têm declarado que tal discriminação viola as normas constitucionais domésticas assim como o direito internacional. A questão também foi levantada pelos sistemas regionais de direitos humanos, principalmente pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos e pelo Conselho da Europa. Esse livreto organiza os tópicos por assunto e não por direitos específicos. Um ato ou omissão pode violar diferentes tipos de leis. Ele também não é completo. Examinando apenas o trabalho dos corpos dos tratados das Nações Unidas e dos procedimentos especiais, ele mostra uma visão limitada sobre as violações que as pessoas sofrem e as leis específicas que estão envolvidas. Os cinco tópicos apresentados aqui são os que mais aparecem no trabalho dos especialistas em direitos humanos das Nações Unidas. Algumas questões importantes ainda não foram tratadas por esses especialistas. Todavia, o princípio da não discriminação é transversal e a obrigação por parte do Estado é imediata. Simplificando, as pessoas não podem ser discriminadas no gozo de seus direitos por conta de sua orientação sexual ou identidade de gênero. Como a Alta Comissária declarou, “o princípio da universalidade não admite exceção. Os direitos humanos são, verdadeiramente, direitos inatos de todos os seres humanos.”3 3 Do discurso da Alta Comissária das Nações Unidas para Direitos Humanos, Navi Pillay, 63ª sessão da Assembleia Geral, Nova York, 18 de dezembro de 2008. Secretário Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, participa da discussão sobre igualdade para pessoas LGBT na Sede das Nações Unidas, Nova York, 10 dezembro de 2010.
  • 11. 12 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS
  • 12. 13NASCIDOS LIVRES E IGUAIS RESUMO DAS RECOMENDAÇÕES – CINCO PASSOS – 1. Proteger as pessoas da violência homofóbica e transfóbica. Incluir a ori- entação sexual e a identidade de gênero como características protegidas por leis criminais contra o ódio. Estabelecer sistemas efetivos para registrar e relatar atos de violência motivados pelo ódio. Assegurar investigação efetiva, instauração de processo contra os perpetradores e reparação das vítimas de tal violência. Leis e políticas de asilo devem reconhecer que a perseguição de alguém com base em sua orientação sexual ou identidade de gênero pode ser um motivo válido para um pedido de asilo. 2. Prevenir a tortura e o tratamento cruel, desumano e degradante às pessoas LGBT em detenção através da proibição e punição de tais atos, garantindo que as vítimas sejam socorridas. Investigar todos os atos de maus tratos por agentes do Estado e levar os responsáveis à justiça. Prover treinamento apropriado aos funcionários responsáveis pela aplicação da lei e garantir um controle eficaz dos locais de detenção. 3. Revogar leis que criminalizam a homossexualidade, incluindo todas as leis que proíbem a conduta sexual privada entre adultos do mesmo sexo. Assegurar que não sejam presos ou detidos em razão de sua orientação sexual ou identidade de gênero, e não sejam submetidos a exames físicos degradantes e desnecessários com a finalidade de determinar sua orientação sexual. 4. Proibir a discriminação com base na orientação sexual e identidade de gênero. Promulgar leis abrangentes que incluam a orientação sexual e iden- tidade de gênero como motivos proibidos para discriminação. Em especial, assegurar o acesso não discriminatório a serviços básicos, inclusive no con- textos de emprego e assistência médica. Prover educação e treinamento para prevenir a discriminação e estigmatização de pessoas intersexo e LGBT. 5. Proteger as liberdades de expressão, de associação e de reunião pacífica para as pessoas intersexo e LBGT. Qualquer limitação destes direitos deve ser compatível com o direito internacional e não deve ser discriminatória. Proteger indivíduos que exercitam seus direitos de liberdade de expressão, de associação e de reunião dos atos de violência e intimidação por grupos privados.
  • 13. 14 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS CINCO OBRIGAÇÕES LEGAIS DOS ESTADOS EM RELAÇÃO À PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS DE PESSOAS LGBT 1. Proteger indivÍduos DE VIOLÊNCIA HOMOFÓBICA E TRANSFÓBICA A violência motivada pelo ódio contra pessoas LGBT é tipicamente perpetrada por pessoas não ligadas ao Estado – indivíduos, grupos organizados ou orga- nizações extremistas. Todavia, falha de autoridades do Estado em investigar e punir este tipo de violência é uma violação da obrigação estatal de proteger os direitos à vida, à liberdade e à segurança pessoal, como garante o artigo 3 da Declaração Universal dos Direitos Humanos e os artigos 6 e 9 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos. Declaração Universal dos Direitos Humanos Artigo 3: Todos têm direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos Artigo 6: O direito à vida é inerente à pessoa humana. Este direito deverá ser protegido pela lei. Ninguém poderá ser arbitrariamente privado de sua vida. Artigo 9: Toda pessoa tem direito à liberdade e à segurança pessoal. Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados Artigo 33(1): Nenhum dos Estados contratantes expulsará ou repelirá (refouler) um refugiado, seja de que maneira for, para as fronteiras dos territórios onde a sua vida ou a sua liberdade sejam ameaçadas em virtude de sua raça, religião, nacionalidade, filiação a um certo grupo social ou opiniões políticas.
  • 14. 15NASCIDOS LIVRES E IGUAIS POSIÇÕES TOMADAS PELOS MECANISMOS DE DIREITOS HUMANOS DAS NAÇÕES UNIDAS Indivíduos LGBT estão mais expostos ao risco de serem alvos de violência nas mãos de atores privados. A violência homofóbica e transfóbica tem sido registrada em todas as regiões. Tal violência pode ser física (incluindo assas- sinatos, espancamentos, sequestros, agressões sexuais e estupros) ou psicológica (incluindo ameaças, coerção e privação arbitrária de liberdade).4 Estes ataques constituem uma forma de violência baseada no gênero, impulsionados por um desejo de punir aqueles vistos como violadores das normas de gênero. Assassinatos seletivos A obrigação de proteger a vida requer que o Estado efetue as devidas diligências na prevenção, punição, e reparação quando houver privação da vida por grupos privados, inclusive nos casos em que a vítima foi alvo de agressão em razão de sua orientação sexual e identidade de gênero.5 Os Estados têm obrigações perante o direito internacional de evitar execuções extrajudiciais, investigar tais assassinatos e levar os responsáveis à justiça. A Assembleia Geral das Nações Unidas, em uma série de resoluções, urgiu aos Estados que “garantissem a proteção do direito à vida de todas as pessoas sob sua jurisdição” e investigasse rápida e completamente todos os assassinatos, incluindo aqueles motivados pela orientação sexual da vítima.6 Qualquer falha de um Estado em executar a devida diligência sob este aspecto representa uma violação de suas obriga- ções perante a lei internacional. O assassinato de indivíduos motivado por sua orientação sexual ou identidade de gênero está bem documentado nos relatórios dos corpos do tratado sobre direitos humanos e procedimentos especiais.7 Por exemplo, no caso de El 4  Artigo 2 da Declaração sobre Eliminação de Violência contra as Mulheres menciona que a violência contra as mulheres abrange a violência dentro da família, dentro da comunidade, e violência física, sexual ou psicológica perpetrada e tolerada pelo Estado, onde quer que ocorra. 5  Comitê de Direitos Humanos, comentário geral nº 6 (sobre o direito à vida), e nº 31 (sobre a natureza da obrigação jurídica geral imposta aos Estados membros do Pacto), par. 8. 6 Assembleia Geral, resolução 57/214, 18 dezembro de 2002, par. 6; resolução 61/173, 16 de dezembro de 2006, par. 5(b); resolução 65/208, 21 de dezembro de 2010, par. 6(b). 7  Documentação de execuções extrajudiciais de pessoas LGBT: observações finais do Comitê de Direitos Humanos na Polônia (CCPR/CO/82/POL), par. 18; e El Salvador (CCPR/CO/78/SLV), par. 16; Relatório da Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias e arbitrárias em sua missão no México (E/ CN4/2000/3/Add.3), par. 91-92; Relatório da Relatora Especial sobre violência contra as mulheres em sua missão em El Salvador (A/HRC/17/26/Add.2), par. 28; Relatório do Relator Especial sobre os defensores dos direitos humanos em sua missão na Colômbia (A/HR/13/22/Add.3), par. 50; Relatório Punição sancionada pelo Estado reforça preconceitos existentes e legitimiza violência na comunidade e brutalidade policial direcionada aos indivíduos afetados.
  • 15. 16 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS Salvador, o Comitê de Direitos Humanos expressou: preocupação com os incidentes envolvendo pessoas sendo atacadas, ou até mortas, devido a sua orientação sexual (art 9), com o pequeno número de investigações montadas em tais atos ilegais. (...) O Estado membro deve provir proteção efetiva contra violência e discriminação baseadas na orientação sexual.8 Desde 1999, a Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias tem, com frequência, chamado a atenção para pessoas ameaçadas de morte ou assassinadas em razão de sua orientação sexual e identidade de gênero.9 Muitos dos casos envolveram pessoas transgênero.10 Apresentando seu relatório de 2006 para o Conselho dos Direitos Humanos, o Relator Especial declarou: Um assunto que no passado deu margem a controvérsia em relação a este mandato diz respeito à situação de gays, lésbicas, bissexuais ou transexuais. Ainda baseada na informação que recebi, é difícil imaginar um assunto que possa ser menos controverso. Essencialmente, os membros deste grupo roubaram minha atenção em dois contextos. O primeiro diz respeito àqueles que foram mortos por causa de sua identidade sexual, frequentemente por agentes do Estado, e seus assassinatos ficaram impunes. De fato, nunca houve uma instauração de processo. Afinal, eles eram apenas gays. Diferentemente, o segundo contexto envolve vingança, dirigida não contra os assassinos, mas contra aqueles que se envolvem em práticas consensuais privadamente. Eu continuo recebendo relatórios de tais indivíduos que foram sentenciados à morte por apedrejamento. Ambos os fenômenos envolvem uma negação da Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias e arbitrárias (A/HR/14/24/Add.2), par. 74; observações finais do Comitê sobre Eliminação da Discriminação contra as Mulheres na África do Sul (CEDAW/C/ZAF/CO/4), par. 39. 8 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos em El Salvador (CCPR/CO/78/SLV), par. 16. 9  Ver relatórios da Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias: E/ CN.4/1999/39, par.76; E/CN.4/1999/39, par. 76; E/CN.4/2000/3, par. 54; E/CN.4/2001/9 par. 48; E/CN.4/2002/74, par. 62; A/57/138, par. 38; E/CN.4/2003/3, par. 66; A/59/319, par. 60; A/HRC/4/20 e Add.1; A/HRC/4/29/Add.2; A/HRC/11/2/Add.7; A/HRC/14/24 / Ad.2 e A/ HRC/17/28/Add.1. 10  Assassinato de indivíduos transgêneros: Relatórios da Relatora Especial sobre execuções extrajudi- ciais, sumárias ou arbitrárias: E/CN.4/2000/3, par. 54 (“travesti profissional do sexo” no Brasil); E/ CN.4/2001/9, par. 49 (travesti baleado e morto em El Salvador); E/CN.4/2003/3/Add.2, par. 68 (profis- sional do sexo transsexual supostamente assassinado atrás da Catedral de São Pedro); E/CN.4/2003/3, par. 66 (assassinatos de três transexuais na República Bolivariana da Venezuela sem início de investigação por parte do governo).
  • 16. 17NASCIDOS LIVRES E IGUAIS fundamental de todas as normas de direitos humanos que defendemos. Estas práticas deveriam ser um assunto de grande preocupação e não uma fonte de controvérsia.11 Em relatório de 2007 sobre sua missão na Guatemala, a Relatora Especial declarou, acerca de execuções extrajudiciais, sumárias e arbitrárias: [A]pesar da extensão do envolvimento de agentes do Estado, a evidência mostra que o Estado tem responsabilidade perante o regime internacional de direitos humanos pelos assassinatos de (...) gays, lésbicas, transgêneros e transexuais. (...) Tem havido impunidade nos assassinatos motivados pelo ódio por pessoas identificadas como gays, lésbicas, transgêneros e transexuais. Informação crível sugere que houve pelo menos 35 destas mortes entre 1995 e 2006. Dado a falta de estatísticas oficiais e provável discrição, se não ignorância, por parte dos familiares das vítimas, há razão para acreditar que os números atuais sejam significativamente maiores.12 A Relatora Especial encorajou: Os governos a renovarem seus esforços para proteger a segurança e o direito à vida de pessoas pertencentes às minorias sexuais. Atos de assassinato e ameaças de morte devem ser prontamente e completamente investigados independentemente da orientação sexual das vítimas. Medidas devem incluir políticas e programas voltados para a superação do ódio e do preconceito contra homossexuais e a sensibilização de funcionários públicos e do público em geral para os crimes e atos de violência dirigidos aos membros das minorias sexuais. O Relator Especial acredita que a descriminalização da orientação sexual poderia contribuir muito para a superação da estigmatização social das minorias sexuais, e, assim, reduzir a impunidade para violações de direitos humanos direcionadas a estas pessoas.13 11  Apresentação oral do relatório E/CN.4/2006/53 pelo Relator Especial para o Conselho de Direitos Humanos, 19 de Setembro de 2006, disponível em www.un.org/webcast/unhrc/archive.asp?go=060919 (acessado em 1 junho de 2012). 12  Relatório da Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias em sua missão na Guatemala (A/HRC/4/20/Add.2), par. 12 e 32. 13 Relatório da Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias (E/CN.4/2000/3), par. 116.
  • 17. 18 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS As pessoas LGBT também estão entre as vítimas dos chamados assassinatos de “honra”, realizados contra pessoas vistas pela família e membros da comuni- dade como responsáveis pela vergonha e desonra familiar, frequentemente por transgredirem as normas de gênero ou pelo comportamento sexual, incluindo suposta ou real atividade sexual com pessoas do mesmo sexo. Apesar das mulheres serem alvo mais frequente deste tipo de punição, tais ataques podem ser dirigidos a indivíduos de qualquer sexo.14 Ataques não fatais Além de serem alvo de homicídios, pessoas LGBT são frequentemente vítimas de outras formas de violência por indivíduos não ligados ao Estado.15 Alegações de lésbicas sendo atacadas, estupradas, forçadas a engravidar e punidas de outras formas devido à sua orientação sexual vêm de muitas regiões.16 O Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres expressou grande preocupação sobre as ofensas sexuais relatadas contra mulheres em decorrência de sua orientação sexual.17 A Relatora Especial sobre violência contra as mulheres relatou supostos incidentes de estupros em grupo, violência familiar e homicídios sofridos por lésbicas, bissexuais e transgêneros em El Salvador, no Quirguistão e na África do Sul,18 onde a Relatora notou que “as lésbicas enfrentam um risco aumentado de se tornarem vítimas de violência, especialmente estupros, por causa de mitos e do grande preconceito”, incluindo, “por exemplo, que lésbicas mudariam sua orientação sexual se estupradas por um homem.”19 Nas suas observações finais sobre a África do Sul, o Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres declarou: [O] Comitê expressa grande preocupação com relação às ofensas sexuais relatadas e os homicídios cometidos contras as mulheres por 14 Ver Relatório do Secretário Geral sobre a violência contra as mulheres (A/61/122/Add.1), par. 124. Relatórios do Relator Especial sobre a violência contra a mulher: E/CN.4/2002/83, par. 27-28; A/ HRC/4/34 /Add.2, par. 19, e A/HRC/4/34/Add.3, par. 34. 15 Relatório da Relatora Especial sobre a violência contra as mulheres em sua missão no Quirguistão, A/ HRC/14/22/Ad.2, par. 37-38 (descrevendo o alto nível de violência contra lésbicas, bissexuais e trans- gêneros, incluindo estupros e violência familiar). 16 Ver A/HRC/17/26, par. 40. Ver também A/HRC/14/22/Add.2, par. 23, A/HRC/17/26/Add.1, par. 204-213, E/CN.4/2002/83, par. 102, A/HRC/4/34/Add.3, par. 34, e as observações finais do Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres na Federação Russa (C/USR/CO/7), par. 40-41. 17 Observações finais sobre África do Sul (CEDAW/C/ZAF/CO/4), par. 39-40. 18 Ver A/HRC/14/22/Add.2, par. 37-38, e A/HRC/17/26/Add.2, par. 28-29. 19  A/HRC/4/34/Add.1, par. 632-633. Tanto o Comitê para a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres como o Relator Especial sobre a violência contra as mulheres têm abordado o chamado estupro “curativo” ou “corretivo”, cometido por homens que afirmam que sua intenção é “curar” as mulheres de seu lesbianismo. Ver, por exemplo, as observações finais do Comitê sobre a África do Sul (CEDAW/C/ ZAF/CO/4), par. 39; e o Relatório da Relatora Especial em sua missão no Quirguistão (A/HRC/14/22/ Add.2), par. 38.
  • 18. 19NASCIDOS LIVRES E IGUAIS causa de sua orientação sexual. O Comitê expressa ainda preocupação acerca da prática dos chamados “estupros corretivos” de lésbicas.20 Assim como nas execuções extrajudiciais, a discriminação oficial pode legitimar tal violência e criar um clima no qual os perpetradores saem impunes. Como o Relator Especial sobre saúde notou, “[a] punição sancionada pelo Estado reforça preconceitos existentes, legitima a violência na comunidade e a brutalidade policial dirigida aos indivíduos afetados.”21 Assim, em suas observações finais sobre o Togo, o Comitê dos Direitos Humanos recomendou a descriminalização das relações sexuais consensuais entre adultos do mesmo sexo. Além disso, declarou que o Estado deve: tomar as medidas necessárias para por fim ao preconceito e à estigma- tização social contra a homossexualidade e mandar uma mensagem 20  Observações finais do Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres na África do Sul (CEDAW/C/ZAF/CO/4), par. 39-40. 21 Relatório do Relator Especial sobre o direito de toda pessoa de desfrutar o mais elevado nível de saúde física e mental (A/HRC/14/20), par. 20.
  • 19. 20 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS clara de que não é tolerada qualquer forma de assédio, discriminação ou violência contra pessoas em razão de sua orientação sexual.22 Os Estados têm a obrigação de aprovar legislação que proíba a discriminação por grupos privados, inclusive através de leis criminais contra o ódio que abranjam a violência homofóbica e transfóbica.23 No caso da Jamaica, de onde o Comitê recebeu a notícia de letras de músicas incitando a violência contra gays, o Comitê declarou que o Estado “deveria garantir que os indivíduos que incitam a violência contra homossexuais sejam investigados, processados e penalizados de forma apropriada.”24 No caso da Polônia, o Comitê de Direitos Humanos notou, “com preocupação, um aumento significativo na manifestação do discurso de ódio e intolerância direcionado a lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros.” O Estado membro deve garantir que todas as alegações de ataques e ameaças contra indivíduos devido a sua orientação sexual ou identidade de gênero sejam completamente investigadas. Deve também (...) reformar o código penal para definir o discurso de ódio e crimes de ódio em razão da orientação sexual ou identidade de gênero entre as categorias de infrações puníveis, além de intensificar atividades de conscientização visando à força policial e ao público em geral.25 O Comitê de Direitos Humanos também fez declarações semelhantes em relação à Mongólia, afirmando que o Estado deve “assegurar que pessoas LGBT tenham acesso à justiça e que todas as alegações de ataques e ameaças contra indivíduos por causa de sua orientação sexual ou identidade de gênero sejam completamente investigadas.”26 22 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre o Togo (CCPR/C/TGO/CO/4), par. 14. 23  Promulgar leis criminais contra o ódio: Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre os Estados Unidos da América (CCPR/C/USA/CO/3), par. 25; Uzbequistão (CCPR/C/UZB/CO/3), par. 22; observações finais do Comitê contra a Tortura, na Polônia (CAT/C/POL/CO/4), par. 19; Mongólia (CAT/C/MNG/CO/1), par. 25; República da Moldávia (CAT/C/MDA/CO/2), par. 27, Relatório da Relatora Especial sobre a violência contra as mulheres em sua missão no Quirguistão (A/HRC/14/22/ Add.2), par. 92; Relatório da Relatora Especial sobre a violência contra as mulheres em sua missão em El Salvador (A/HRC/17/26), par. 28-29, 77; Relatório do Relator Especial sobre os direitos humanos dos migrantes em sua missão na África do Sul (A/HRC/17/33/Add.4), par. 77(a) (“Tornar qualquer ato de violência contra indivíduos ou propriedade em razão de raça, nacionalidade, religião, etnia, orientação sexual ou identidade de gênero de uma pessoa (‘crime de ódio’) uma circunstância agravante.”). 24 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre a Jamaica (CCPR/C/JAM/CO/3), par. 8. 25 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre a Polônia (CCPR/C/POL/CO/6), par. 8. 26 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre a Mongólia (CCPR/C/MNG/CO/5), par.9; México (CCPR/C/MEX/CO/5), par. 21. Estados devem proteger “todas as pessoas, independente de (...) orientação sexual (ou) identidade transgênero, da tortura e de tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante”. Comitê das Nações Unidas contra a Tortura
  • 20. 21NASCIDOS LIVRES E IGUAIS Pedidos de asilo Os Estados também têm o dever de conceder refúgio seguro a indivíduos fugindo de perseguição decorrente de sua orientação sexual ou identidade de gênero. O artigo 33 da Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados estabelece que os Estados membros têm a obrigação de não expulsar ou repelir um refugiado para um lugar onde sua vida ou liberdade estão ameaçadas devido à sua raça, à sua religião, sua nacionalidade, por ser membro de um determinado grupo social ou por sua opinião política. O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) aconselha que os indivíduos que temem perseguições em razão de sua orientação sexual ou identidade de gênero sejam considerados membros de um “determinado grupo social”. Estados membros da Convenção devem garantir que tais indivíduos não retornem para um Estado onde suas vidas ou liberdade estejam em risco e, uma vez que estes indivíduos preencham os critérios para a condição de refugiados, reconheça-os como tal para que sejam tratados de acordo com as cláusulas da Convenção.27 Embora não se saiba o número exato, o ACNUR estima que pelo menos 42 Estados tenham concedido asilo a indivíduos com medo fundado de perseguição devido à sua orientação sexual ou à sua identidade de gênero. Alguns Estados concederam asilo mesmo sem haver uma política clara sobre o assunto, en- quanto outros não encontraram razão para conceder a condição de refugiado ou asilo. Mesmo em países que reconhecem tais condições para o asilo, práticas e procedimentos ficam, com frequência, aquém dos padrões internacionais. A análise das aplicações é às vezes arbitrária e inconsistente. Os funcionários pú- blicos podem ter pouco conhecimento ou sensibilidade em relação às condições enfrentadas pelas pessoas LGBT.28 Os refugiados são, por vezes, vítimas de violência e discriminação quando estão nos centros de detenção e, quando reassentados, podem ser alojados dentro de comunidades onde experimentam riscos relacionados ao gênero e à sexualidade. A repulsão dos requerentes de asilo que fogem de perseguição coloca-os em risco de violência, discrimi- nação e criminalização. Em alguns casos, são devolvidos com instruções para “irem para casa e serem discretos”, uma abordagem criticada pelo ACNUR.29 27 ACNUR, Nota de Orientação sobre Pedidos de Refugiados Relacionados à Orientação Sexual e Identi- dade de Gênero (ver nota de rodapé 1), par. 3; ver também o ACNUR em relação ao Secretário de Estado para os Assuntos Internos versus Patrick Kwame Otchere, 1988. 28 ACNUR, Nota de Orientação sobre Pedidos de Refugiados, par. 37 e 41. 29  Ibid., Par. 25, 26 e 41. Ver também a decisão do Supremo Tribunal do Reino Unido, HJ (República islâmica do Irã) e HT (Camarões) versus Secretário de Estado para os Assuntos Internos [2010] UKSC 31.
  • 21. 22 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS ConclusÃO A fim de respeitar, proteger e fazer cumprir os direitos à vida e à segurança pessoal garantidos pela lei internacional, os Estados devem efetivamente inves- tigar, processar e punir os criminosos responsáveis por execuções extrajudiciais e decretar leis que criminalizem o ódio e que protejam o indivíduo da violência baseada na orientação sexual e na identidade de gênero. Sistemas eficientes devem ser estabelecidos para registrar e relatar atos de violência motivados pelo ódio. Leis de asilo e políticas devem reconhecer que a perseguição por conta de orientação sexual ou identidade de gênero pode ser uma condição válida para um pedido de asilo.
  • 22. 23NASCIDOS LIVRES E IGUAIS 2. PrevenIR torturA E TRATAMENTO CRUEL, DESUMANO E DEGRADANTE DE PESSOAS LGBT Os Estados têm a obrigação perante o direito internacional de proteger indi- víduos contra a tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos e degradantes. Isso inclui a obrigação de proibir a tortura e outras formas de maus tratos e fornecer reparação por tais atos. A falha em investigar e trazer à justiça os perpetradores de tortura é, por si só, uma violação da lei internacional de direitos humanos. Ademais, a utilização de exame anal forçado viola a proi- bição contra a tortura e outros tratamentos crueis, desumanos e degradantes. Esses direitos são garantidos pelo artigo 5 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, artigo 7 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos e artigo 2 da Convenção contra a Tortura. Declaração Universal dos Direitos Humanos Artigo 5: Ninguém será submetido a tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante. Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos Artigo 7: Ninguém poderá ser submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes. Será proibido, sobretudo, submeter uma pessoa, sem seu livre consentimento, a experiências médicas ou científicas. Convenção contra a Tortura Article 1(1): Para fins da presente Convenção, o termo “tortura” designa qualquer ato pelo qual dores ou sofrimentos agudos, sejam físicos ou mentais, são infligidos intencionalmente a uma pessoa a fim de obter, dela ou de terceira pessoa, informações ou confissões; de castigá-la por ato que ela ou terceira pessoa tenham cometido ou sejam suspeitas de ter cometido; de intimidar ou coagir esta pessoa ou outras pessoas; ou por qualquer motivo baseado em discriminação de qualquer natureza; quando tais dores ou sofrimentos são infligidos por um funcionário público ou outra pessoa no exercício de funções públicas, ou por sua instigação, ou com o seu consentimento ou aquiescência. Não se considerará como tortura as dores ou sofrimentos que sejam consequência unicamente de sanções legítimas, ou que sejam inerentes a tais sanções ou delas decorram. Article 2(1): Cada Estado tomará medidas eficazes de caráter legislativo, administrativo, judicial ou de outra natureza, a fim de impedir a prática de atos de tortura em qualquer território sob sua jurisdição.
  • 23. 24 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS POSIÇÕES TOMADAS PELOS MECANISMOS DE DIREITOS HUMANOS DAS NAÇÕES UNIDAS O Comitê contra a Tortura, o Relator Especial sobre tortura e outros mecanismos e organismos de direitos humanos documentaram evidências importantes de abuso e maus tratos de indivíduos LGBT por policiais, guardas prisionais e outros funcionários responsáveis pela aplicação da lei.30 O Comitê contra a Tortura alertou que “homens e mulheres, meninos e meninas podem estar sujeitos a violações da Convenção por conta de sua real ou percebida não conformidade com os papeis de gênero determinados socialmente”.31 A Relatora Especial sobre a violência contra mulheres tem alegações detalhadas de metis32 no Nepal sendo espancadas pela polícia, que exigia dinheiro e sexo.33 Em um caso, em El Salvador, uma mulher transgênero foi detida em uma cela juntamente com membros de gangues, onde foi “estuprada mais de 100 vezes, às vezes com a cumplicidade de funcionários da prisão.”34 O Relator Especial sobre tortura também salientou em seus relatórios as alega- ções de maus tratos de prisoneiros e detentos por causa de orientação sexual ou identidade de gênero.35 Em relatório de 2001, escreveu: Parece que membros de minorias sexuais estão desproporcionalmente su- jeitos a tortura e outras formas de tratamento cruel, porque não estão de acordo com as expectativas de gênero socialmente construídas. A discrim- inação em razão da orientação sexual ou identidade de gênero pode con- tribuir para o processo de desumanização da vítima, que é uma condição necessária para que a tortura e os tratamentos crueis aconteçam.36 30  Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre os Estados Unidos da América (CCPR/C/ EUA/CO/3), par. 25; Observações Finais do Comitê contra a Tortura sobre os Estados Unidos da América (CAT/C/USA/CO/2), par. 32, 37; Equador (CAT/C/ECU/CO/3), par. 17; Argentina (CAT/C/C/ CR/33/1), par. 6 (g); Egito (CAT/C/CR/29/4), par. 5 (e); Comitê contra a Tortura, Comentário Geral no 2, par. 21; ver também as observações finais do Comitê sobre o Equador(CAT/C/ECU/CO/3), par. 17; Argentina (CAT/C/CR/33/1), par. 6; Brasil (A/56/44), par. 119. 31 Comitê contra a Tortura, Comentário Geral no 2, par. 22. 32  Meti é um termo usado no Nepal para descrever pessoas que foram consideradas como do gênero masculino ao nascimento e que têm uma expressão de identidade de gênero/expressão de gênero feminino. 33 Relatório do Relator Especial sobre a violência contra as mulheres: E/CN.4/2006/61/Add.1, par.1 e 2 e A/HRC/4/34/Add.1, par. 448-454. 34 Relatório do Relator Especial sobre a violência contra as mulheres (A/HRC/17/26/Add.2), par. 28-29. 35  Relatório do Relator Especial sobre a tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes punição: E/CN.4/2001/66/Add.2, par. 199; /CN.4/2005/62/Add.1, par. 1019, 1161; E/CN.4/2004/56/Add.1, par. 1327; E/CN.4/2003/68/Add.1, par. 446, 463-465, 1861; E/CN.4/2002/76/Add.1, par. 16, 507-508, 829, 1709-1716; E/CN.4/2001/66, par. 1171; E/ CN.4/2000/9, par. 145, 151, 726; E/CN.4/1995/34, par. 614. 36 Relatório interino do Relator Especial sobre a tortura e outros tratamentos ou castigos crueis, desumanos ou degradantes (A/56/156), par. 19.
  • 24. 25NASCIDOS LIVRES E IGUAIS Ele enfatizou que os prisoneiros transgêneros, em particular, são suscetiveis a abusos físicos e sexuais se colocados junto à população geral da prisão.37 Por exemplo, o Relator Especial relatou casos de transgêneros mulheres que foram espancadas intencionalmente nos seios e nas maçãs do rosto para que fossem liberadas toxinas, de minorias sexuais sendo sujeitas a vitimização pela polícia quando relatavam os crimes, e os guardas prisionais não tomando as medidas necessárias para reduzir o risco de violência física ou sexual contra os detentos LGBT.38 Em um caso, um casal de lésbicas no Brasil foi alegadamente espancado em uma delegacia de polícia, abusado verbalmente e forçado a realizar sexo oral.39 No Uzbequistão, uma defensora de direitos humanos que tinha sido acusada de homossexualidade foi espancada e ameaçada de estupro por policiais.40 É exigido dos Estados a proteção de “todas as pessoas, independentemente da (...) orientação sexual (ou) identidade de gênero”, da tortura e de tratamento ou castigos cruel, desumanos ou degradante (“maus tratos”).41 Perante o di- reito internacional, os Estados têm a obrigação de proibir, prevenir e fornecer reparação por torturas e tratamento cruel em todos os contextos sob custódia ou controle do Estado.42 A falta de investigação e punição dos perpetradores de tortura ou maus tratos pode dar origem a uma violação separada do direito internacional.43 Em suas observações finais sobre o Estados Unidos da América, por exemplo, o Comitê contra a Tortura manifestou sua preocupação sobre os relatos de agressões físicas e sexuais de pessoas de “diferentes orientações sexuais.” O Estado deve assegurar que “os funcionários responsáveis pela aplicação da lei sejam pronta, independente e completamente investigados e processados e os perpetradores julgados e devidamente punidos.”44 No caso da Costa Rica, o Comitê contra a Tortura recomendou programas de treinamento e consciêntização para policiais, guardas de fronteira e funcionários prisionais com o intuito de evitar o abuso de pessoas “em razão da sua orientação sexual e/ou identidade transexual.”45 37 A/56/156, par. 23. 38 A/56/156, par. 18; E/CN.4/2002/76/Add.1, par. 16, 1711. 39 E/CN.4/2001/66/Add.2, par. 199. 40 E/CN.4/2004/56/Add.1, par. 1878, 1899. 41 Comitê contra a Tortura, Comentário Geral nº 2, par. 21. 42  Comitê contra a Tortura, Comentário Geral nº 2, par. 15. 43  Comitê de Direitos Humanos, Comentário Geral nº 31, par. 18. 44  Observações finais do Comitê contra a Tortura sobre os Estados Unidos da América (CAT/C/EUA/ CO/2), em par. 32, 37. 45  Observações finais do Comitê contra a Tortura, Costa Rica (CAT/C/CRI/CO/2), par.11, 18.
  • 25. 26 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS Um problema ressaltado por especialistas é a prática de submeter homens suspeitos de serem homossexuais a exames anais não consensuais. Em alguns países, homens presos sob a acusação de homossexualidade são obrigados a passar por exames médicos que tentam obter evidência física de sexo anal. Além de serem cientificamente inúteis, tais testes são uma violação da inte- gridade corporal. Em um caso em que os homens foram submetidos a exames anais, o Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária declarou: Estes testes, realizados à força, são, por si, intrusivos em natureza, violam os direitos corporais do indivíduo perante as leis de direitos humanos (...). Consequentemente, o Grupo de Trabalho considera que (...) exames anais realizados à força violam a proibição de tortura e de outros tratamentos cruéis, desumanos e degradantes se, como no presente caso, são realizados com o intuito de punir, coagir uma confissão ou promover a discriminação. Ademais, eles são clinicamente inúteis para determinar se uma pessoa teve ou não uma conduta sexual com indivíduo do mesmo sexo ou se a pessoa esteve envolvida na prática usual de devassidão ou prostituição masculina.46 46  Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária, Opinião nº 25/2009 sobre o Egito (A/HRC/16/47/ Add. 1), par. 23, 28-29.
  • 26. 27NASCIDOS LIVRES E IGUAIS O Comitê contra a Tortura e o Relator Especial sobre tortura também criticaram o uso de exames anais forçados com o intuito de “provar” a homossexualidade.47 O Relator Especial sobre tortura descreveu “exames forenses invasivos”, como “intrusivos e degradantes”, com o potencial de “corresponder à tortura ou trata- mento cruel” e protestou sobre a prática em comunicações com os Estados.48 Uma segunda preocupação é a violência sexual. Os mecanismos de direitos humanos levantaram repetidas vezes a questão do abuso sexual de pessoas LGBT, muitas vezes por policiais ou em locais de custódia.49 A violência sexual pode constituir tortura quando é realizada por, ou por instigação de, ou com o consentimento ou aquiescência de funcionários públicos.50 Um dos propósitos proibidos pela definição de tortura é “a discriminação de qualquer tipo.” O abuso sexual dirigido a indivíduos LGBT é muitas vezes motivado pela discriminação. A Relatora Especial sobre a violência contra as mulheres notou: “Enquanto a violência sexual é muitas vezes encarada isoladamente, ela frequentemente se entrelaça com outras formas de discriminação, incluindo discriminação em razão de raça, etnia, religião, identidade sexual, condição social ou deficiência.”51 Ela ressaltou “a discriminação e a violência sofridas por alguns grupos de mulheres devido à sua orientação sexual e identidade de gênero.” Ela declara ainda em seu relatório: Perante o regime internacional de direitos humanos, particularmente a Declaração sobre a Eliminação da Violência contra as Mulheres e a Convenção contra a Tortura e Outros Tratamentos ou Castigos Crueis, Desumanas ou Degradantes, os Estados têm a obrigação de criminalizar atos de tortura e violência contra mulheres, processar os perpetradores e oferecer reparação às vítimas. Consequentemente, os Estados devem fazer o máximo para impedir a perpetração de violência sexual, tratar de qualquer ato de violência sexual e oferecer recurso judicial às vítimas.52 47 Observações finais do Comitê contra a Tortura sobre o Egito (CAT/C/CR/29/4), par. 5-6. 48 Relatório do Relator Especial sobre Tortura: A/56/156, par. 24; A/HRC/4/33/Add.1, par. 317; A/ HRC/10/44/Add.4, par. 61; e A/HRC/16/52/Add.1. 49 Abuso sexual de LGBT: CAT/C/USA/CO/2, par. 32; Relatórios do Relator Especial sobre a tortura: E/ CN.4/2003/68/Add.2, par.42; E/CN.4/2002/76, no Anexo III; A/56/156, par. 18, 23. 50 Relatório do Relator Especial sobre tortura (A/HRC/7/3), par. 34. 51  Violência sexual e discriminação múltipla: Relatório do Relator Especial sobre a violência contra as mulheres (A/HRC/14/22/Add.1), par. 17. 52  Obrigação do Estado em relação à violência sexual: A/HRC/14/22/Add.1, par. 19.
  • 27. 28 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS ConclusÃO Todos os indivíduos são protegidos contra tortura e tratamentos crueis, desumanos ou degradantes. Exames anais forçados e violência sexual por agentes do Estado podem constituir tortura ou tratamento ou castigos cruéis, desumanas ou degradantes. Perante o direito internacional, os Estados devem proibir e punir atos de tortura e tratamento cruel e devem fornecer reparação às vítimas de tais atos.53 Isso significa que um Estado deve definir tortura e tratamento cruel como ofensas perante o direito penal doméstico e deve garantir que todos os atos de brutalidade realizados por funcionários responsáveis pela aplicação da lei e outros agentes do Estado sejam completamente investigados, de forma independente e prontamente e que os responsáveis sejam levados à justiça. Os Estados devem prover um sistema através do qual as vítimas de tais atos possam procurar recurso, incluindo compensação. Os Estados também têm obrigação de tomar medidas preventivas, como o treinamento de funcionários responsáveis pela aplicação da lei e o monitoramento dos locais de detenção. 53 Comitê de Direitos Humanos, Comentário Geral nº 20; Comitê contra a Tortura, Comentário Geral nº 2.
  • 28. 29NASCIDOS LIVRES E IGUAIS 3. DESCRIMINALIZAR A HOMOSSEXUALIDADE Leis que criminalizam a homossexualidade dão origem a uma série de violações independentes, mas interrelacionadas. Tais leis violam o direito individual de ser livre de discriminação, estabelecido no artigo 2 da Declaração Universal de Direitos Humanos e em tratados internacionais de direitos humanos, assim como o direito de ser protegido contra interferência em sua vida privada e detenção arbitrária, protegidos pelos artigos 12 e 9 da Declaração Universal e artigos 17 e 9 do Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos. Além disso, leis que impõem a pena de morte para a conduta sexual, violam o direito à vida, garantido pelo artigo 3 da Declaração Universal e artigo 6 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos. Tais leis, mesmo que nunca sejam executadas, violam as obrigações do Estado perante o regime internacional de direitos humanos.
  • 29. 30 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS Declaração Universal dos Direitos Humanos Artigo 2: Todo ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as liber- dades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, idioma, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição. Artigo 7: Todas as pessoas são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção desta. Todos e todas têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação. Artigo 9: Ninguém será arbitrariamente preso, detido ou exilado. Artigo 12: Ninguém será sujeito a interferências em sua vida privada, em sua família, em seu lar ou em sua correspondência, nem a ataques a sua honra e reputação. Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos Artigo 2(1): Cada Estado membro do presente Pacto compromete-se a garantir a todos os indivíduos que se encontrem em seu território e que estejam sujeitos à sua jurisdição os direitos reconhecidos no presente Pacto, sem discriminação alguma por motivo de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de qualquer outra natureza, origem nacional ou social, situação econômica, nasci- mento ou qualquer outra condição. Artigo 6(2): Nos países em que a pena de morte não foi abolida, uma sentença de morte só pode ser pronunciada para os crimes mais graves em conformi- dade com a legislação em vigor no momento em que o crime foi cometido e não deve estar em contradição com as disposições do presente Pacto nem com a Convenção para Prevenção e Repressão do Crime de Genocídio. Esta pena não pode ser aplicada senão em virtude de um julgamento proferido por um tribunal competente. Artigo 9: Toda pessoa tem direito à liberdade e à segurança pessoal. Ninguém poderá ser preso ou encarcerado arbitrariamente. Ninguém poderá ser privado de sua liberdade, salvo pelos motivos previstos em lei e em conformidade com os procedimentos nela estabelecidos. Artigo 17: Ninguém poderá ser objeto de interferências arbitrárias ou ilegais em sua vida privada, em sua família, em seu domicílio ou em sua correspondência, nem de ofensas ilegais a sua honra e reputação. Artigo 26: Todas as pessoas são iguais perante a lei e tem direito, sem dis- criminação alguma, a igual proteção da lei. A este respeito, a lei deverá proibir qualquer forma de discriminação e garantir a todas as pessoas proteção igual e eficaz contra qualquer discriminação por motivo de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, de origem nacional ou social, de propriedade, de nascimento ou de qualquer outra situação.
  • 30. 31NASCIDOS LIVRES E IGUAIS POSIÇÕES TOMADAS PELOS MECANISMOS DE DIREITOS HUMANOS DAS NAÇÕES UNIDAS Pelo menos 76 países têm leis em vigor que são usadas para criminalizar relações consensuais entre adultos do mesmo sexo.54 Tais leis proíbem apenas certos tipos de atividade sexual ou qualquer intimidade ou atividade sexual entre pessoas do mesmo sexo. Em alguns casos, o idioma utilizado refere-se a conceitos vagos e indefinidos, tais como “crimes contra a ordem da natureza” ou “moralidade”, ou “libertinagem”.55 O que essas leis têm em comum é o seu uso para assediar e processar indivíduos por causa de sua sexualidade real ou percebida ou identidade de gênero.56 A criminalização do sexo privado e consensual entre adultos do mesmo sexo viola as obrigações do Estado perante o direito interna- cional, incluindo as obrigações de proteger a privacidade individual e garantir a não discriminação. Esta tem sido a posição consistente de especialistas em direitos humanos das Nações Unidas desde 1994, quando o Comitê de Direitos Humanos decidiu o caso Toonen versus Austrália. O caso Toonen correspondeu a uma contestação às leis do estado australiano da Tasmânia que criminalizava condutas sexuais consensuais entre pessoas de mesmo sexo. O Comitê achou que era “incontestável que a atividade sexual privada e consentida entre adultos fosse coberta pelo conceito de ‘privacidade’” nos termos do artigo 17 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos. Não importava que o Sr. Toonen, o autor da comunicação, nunca houvesse sido processado. A mera existência do código penal “interfere continuamente e diretamente com a privacidade do autor.”57 Nos termos do artigo 17, os indivíduos estão protegidos contra “interferências arbitrárias ou ilegais” na sua vida privada. Uma “interferência arbitrária” pode ser definida por uma lei que não atenda às exigências de estar “de acordo com as disposições, metas e objetivos do Pacto” e ser “razoável em circunstâncias específicas.”58 54 “Homofobia patrocinada pelo Estado: uma pesquisa mundial sobre as leis que criminalizam atos sexuais entre adultos”, Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e Intersexo (ILGA), Bruxelas, Maio 2011, p. 9. 55 Ver A/HRC/10/21/Add.3, par. 56-58. 56 Essas leis podem também ser usadas na “limpeza social”. Ver, por exemplo, E/CN.4/1995/111, par. 49, e E/CN.4/2005/7, par.71. 57  Toonen versus Austrália, Comissão de Direitos Humanos Comunicação nº 488/1992, CCPR/ C/50/D/488/1992, 04 de abril de 1994, par. 8.2. 58 Comitê de Direitos Humanos, Comentário Geral nº 16 (O direito ao respeito da vida privada, da família, do lar e da correspondência, e proteção da honra e da reputação). Pelo menos 76 países possuem leis em vigor usadas para criminalizar relações consensuais entre adultos do mesmo sexo.
  • 31. 32 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS O Comitê interpretou que “a exigência de razoabilidade significa que a interferência na vida privada deve ser proporcional ao fim pretendido e ne- cessária nas circunstâncias de determinado caso.”59 Concluiu que as leis na Tasmânia não eram nem proporcionais, nem necessárias. Elas não atingiam o objetivo de proteger a saúde pública e não eram necessárias para proteger a moral pública, como demonstrado pelo fato de que as leis criminalizando a homossexualidade haviam sido revogadas no resto da Austrália e não eram aplicadas na Tasmânia.60 Desde que o caso foi decidido, os corpos dos tratados de direitos humanos das Nações Unidas passaram a recomendar com insistência que os Estados reformulassem as leis que criminalizavam a homossexualidade ou as condutas sexuais entre pessoas do mesmo sexo e também que o poder legislativo ou judicial recebesse com agrado a revogação de tais leis.61 Por exemplo, no caso do Chile, a Comissão declarou: A continuação da legislação em vigor que criminaliza as relações homossexuais consentidas entre adultos envolve a violação do direito à privacidade protegida pelo artigo 17 do Pacto e pode reforçar atitudes de discriminação entre pessoas em razão da orientação sexual. Portanto: a lei deve ser alterada de forma a abolir o crime de sodomia entre adultos.62 Anos depois, o Comitê mencionou com satisfação que as leis chilenas criminalizando relações homossexuais consentidas entre adultos haviam sido revogadas.63 59 Toonen versus Austrália, par. 8.3. 60 Ibid., par. 8.5 e 8.6. 61 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre Togo (CCPR/C/TGO/CO/4), par. 14; Uz- bequistão (CCPR/C/UZB/CO/3), par. 22; Granada (CCPR/C/GRC/CO/1), par. 21; República Unida da Tanzânia (CCPR/C/TZA/CO/4), par. 22; Botsuana (CCPR/C/BWA/CO/1), par. 22: São Vicente e Granadinas (CCPR/C/VCT/CO/2); Argélia (CCPR/C/DZA/CO/3), par. 26; Chile (CCPR/C/CHL/CO/5), par. 16; Barbados (CCPR/C/BRB/CO/3), par. 13; Estados Unidos da América (CCPR/C/USA/CO/3), par. 9; Quênia (CCPR/C/CO/83/KEN), par. 27; Egito (CCPR/CO/76/EGY), par. 19; Romênia (CCPR/C/79/ Add.111), par. 16; Lesoto (CCPR/C/79/Add.106), par. 13; Equador (CCPR/C/79/Add.92), par. 8; Chipre, (CCPR/C/79 Add.88), par. 11; Estados Unidos da América (A/50/40), par. 287. Observações finais do Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais sobre Quirguistão (E/C.12/Add.49), par. 17, 30; Chipre (E/C.12/1/Add.28), par. 7. Observações finais do Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres sobre Uganda (CEDAW/C/UGA/CO/7), par. 43-44; Quirguistão (A/54/38), par. 127, 128. Observações finais do Comitê sobre os Direitos da Criança sobre o Chile (CRC/C/CHL/CO/3), par. 29. 62 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre Chile (CCPR/C/79/Add.104), par. 20. 63 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre Chile (CCPR/C/CHL/CO/5), par. 16.
  • 32. 33NASCIDOS LIVRES E IGUAIS Do mesmo modo, no caso de Camarões, o Comitê declarou: O Comitê permanece profundamente preocupado com a criminalização de atos sexuais consensuais entre adultos do mesmo sexo. (...) Como o Comitê e outros mecanismos internacionais de direitos humanos ressaltaram, tal criminalização viola os direitos à privacidade e à liberdade da discriminação consagrados no Pacto. (...) O Estado deve tomar medidas imediatas no sentido de descriminalizar atos sexuais consensuais entre adultos do mesmo sexo, com o intuito de alterar a legislação em conformidade com o Pacto.64 Em relação aos Estados Unidos da América, o Comitê expressou preocupação com “a violação grave da vida privada” nos estados que possuem sanções penais para as atividades sexuais consensuais entre pes- soas do mesmo sexo e as consequências de tais leis para “o gozo de outros direitos humanos sem discriminação.”65 Posteriormente, quando a Suprema Corte dos Estados Unidos considerou tais leis inconstitucionais no caso de Lawrence versus Texas, o Comitê recebeu com agrado a decisão.66 Como o Comitê observou em Toonen, a privacidade do indivíduo e seu direitos à não discriminação são violados, mesmo que a lei em questão nunca seja aplicada. Nas suas observações finais sobre a Etiópia, o Comitê declarou: “As preocupações do Comitê não são dissipadas pelas informações fornecidas pelo Estado membro de que a disposição em questão não é aplicada na prática.”67 Em alguns países que descriminalizaram as condutas sexuais consensuais entre adultos, continuam a existir diferentes idades de consentimento para relaciona- mentos homossexuais e heterossexuais. Os jovens que se envolvem em condutas sexuais com pessoas do mesmo sexo podem estar sujeitos a sanções penais, en- quanto aqueles que se envolvem em relacionamentos heterossexuais, não. Como corpos de tratados têm apontado, diferenciar idades de consentimento constitui discriminação em razão da orientação sexual.68 64 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre Camarões (CCPR/C/CMR/CO/4), par. 12. 65 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre os Estados Unidos da América (A/50/40), em par. 287. 66 CCPR/C/USA/CO/3, par. 9. 67 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre a Etiópia (CCPR/C/ETH/CO/1), par. 12. 68 Diferentes idades de consentimento: Observações finais do Comitê sobre os Direitos da Criança sobre o Chile (CRC/C/CHL/CO/3), par. 29; Ilha de Man, Reino Unido (CRC/C/15/Add.134), par. 22; Áustria (CCPR/C/79/Add.103), par. 13. A criminalização de relacionamentos consensuais entre adultos do mesmo sexo viola a obrigação do Estado perante o direito internacional de proteger a vida privada e garantir a não discriminação.
  • 33. 34 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS Os relatores especiais e os grupos de trabalho do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, conhecidos coletivamente como procedimentos especiais, têm frequentemente manifestado preocupação a respeito da criminalização de relacionamentos sexuais entre pessoas do mesmo sexo. Eles chamaram atenção para as maneiras como a criminalização da homossexualidade le- gitima preconceitos e expõe as pessoas a crimes de ódio, abusos policiais, tortura e violência familiar.69 Por exemplo, a Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias observou que a “criminalização de questões de orientação sexual” aumentam a estigmatização social e deixam as pessoas “mais vulneráveis à violência e aos abusos dos direitos humanos, incluindo ameaças de morte e violações do direito à vida, que muitas vezes são cometidos em um clima de impunidade.”70 Quando Burundi estava em processo de considerar um projeto de lei criminalizando atos sexuais entre pessoas do mesmo sexo, quatro dos mandatários dos procedimentos especiais 69  Ver, por exemplo, o relatório do Representante Especial do Secretário Geral para os defensores de direitos humanos (E/CN.4/2002/16/Add.1), par. 154; Relatório da Relatora Especial sobre a violência contra as mulheres (E/CN.4/1999/68), par. 15. Ver também, os relatórios do Relator Especial sobre tortura: C/CN.4/2002/76; e A/56/156, par. 18-25. 70 Relatório da Relatora Especial da Comissão de Direitos Humanos sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias (A/57/138), par. 37.
  • 34. 35NASCIDOS LIVRES E IGUAIS enviaram uma carta conjunta exortando o Senado a reconhecer que o projeto de lei era contrário ao regime internacional de direitos humanos, teria efeito negativo nos esforços nacionais de combate ao HIV/Aids e colocaria os de- fensores dos direitos humanos das pessoas LGBT em uma posição vulnerável, como alvos potenciais de ataques e atos de intimidação tanto por parte de autoridades como do povo.71 Em 5 dos 76 países, bem como em algumas regiões de pelo menos dois outros países, a pena de morte pode ser aplicada para ofensas relacionadas à homossexualidade.72 Além do fato de que a criminalização da conduta consensual entre pessoas do mesmo sexo viola os direitos à privacidade e à não discriminação, a imposição da pena de morte dá origem a uma violação independente, nos termos do artigo 6 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos e artigo 3 da Declaração Universal dos Direitos Humanos. O artigo 6 prevê que, nos países que não aboliram a pena de morte, uma “sentença de morte pode ser imposta apenas para os crimes mais graves.” Ofensas sexuais, incluindo conduta sexual entre pessoas do mesmo sexo, não se qualificam como “os crimes mais graves”. Resoluções sucessivas da antiga Comissão de Direitos Humanos pediam que os Estados assegurassem que “a pena de morte não fosse imposta para atos não violentos como (...) as relações sexuais consentidas entre adultos”.73 O trabalho dos corpos do tratado e procedimentos especiais ressalta este princípio.74 A respeito do Sudão, o Comitê declarou: A imposição no Estado membro da pena de morte por ofensas que não podem ser caracterizadas como as mais graves, incluindo fraude por funcionários oficiais, roubo com violência e tráfico de drogas, assim como práticas que não devem ser criminalizadas, como cometer um terceiro ato homossexual e sexo ilícito, é incompatível com o artigo 6 do Pacto.75 71 Relatório do Relator Especial sobre os defensores dos direitos humanos (A/HRC/10/12/Add.1), par. 353. 72  Os cinco países são República Islâmica do Irã, Mauritânia, Arábia Saudita, Sudão e Iêmen. Ver “Ho- mofobia patrocinada pelo Estado: uma pesquisa mundial sobre as leis que criminalizam atos sexuais entre adultos”, da ILGA, Bruxelas, Maio de 2011, p. 10. 73  Comissão sobre as Resoluções dos Direitos Humanos (sobre a questão da pena de morte): E/CN.4/ RES/2005/59, em par. 5; E/CN.4/RES/2004/67, par. 4; E/CN.4/RES/2003/67, par. 4; E/CN.4/ RES/2002/77, par. 4. 74 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos no Sudão (CCPR/C/79/Add.85), par. 8. Relatórios da Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias: A/HRC/14/24/Add.1, par. 450-451; E/CN.4/2006/53/Add.2, par.2; E/CN.4/2006/53/Add.4, par. 26, 35, 37, 104; E/ CN.4/2002/74, par. 65. 75 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre o Sudão (CCPR/C/SDN/CO/3), par. 19.
  • 35. 36 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS Relatores especiais chamaram atenção para a aplicação da pena de morte como uma violação do regime internacional de direitos humanos. Em relatório de 2000, a Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias descreve a questão da seguinte forma: É motivo de grande preocupação que em alguns Estados os relacionamentos homossexuais ainda sejam punidos com a morte. Deve-se recordar que nos termos do artigo 6 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, as sentenças de morte só podem ser impostas para os crimes mais graves, uma cláusula que exclui claramente as questões de orientação sexual.76 Comentando sobre a aplicação da charia em partes da Nigéria, a Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias afirmou: “Em relação à sodomia, a imposição da sentença de morte para uma prática sexual privada é claramente incompatível com as obrigações internacionais da Nigéria.”77 Quando a Nigéria respondeu que havia uma moratória de fato sobre as execuções, a Relatora Especial enfatizou que “a ‘mera possibilidade’ de que pode ser aplicada ameaça o acusado por anos e é uma forma de tratamento ou pena cruel, desumana ou degradante. Sua posição como lei justifica a perseguição por grupos vigilantes e convida ao abuso.”78 O Relator Especial sobre o direito de todos ao gozo do mais alto nível al- cançável de saúde física e mental, em seu relatório de 2010 para o Conselho de Direitos Humanos, declara: O Relator Especial acredita que a imposição da pena de morte para a conduta consensual entre pessoas do mesmo sexo não é apenas inescrupulosa, mas representa ainda a privação arbitrária da vida, constituindo uma violação do direito à vida, reconhecido no artigo 6 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos.79 Outra preocupação que surge no contexto da criminalização da conduta sexual entre pessoas do mesmo sexo é a prisão e detenção em razão da orientação 76 Relatório da Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias (E/CN.4/2000/3), par. 57. 77 Relatório da Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias (E/CN.4/2006/53/ Add.4), par. 37. 78  Relatório da Relatora Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias (A/HRC/8/3/ Add.3) par. 76. 79 Relatório do Relator Especial sobre o direito de toda pessoa de desfrutar o mais elevado nível de saúde física e mental (A/HRC/14/20), par. 20.
  • 36. 37NASCIDOS LIVRES E IGUAIS sexual. O Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos e a Declaração Universal dos Direitos Humanos garantem o direito de se estar livre de prisão arbitrária ou detenção. O Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária tem, consistentemente, sustentado que a detenção de um indivíduo por conta de sua orientação sexual é proibida pelo direito internacional. Em 2002, o Grupo de Trabalho considerou um caso envolvendo 55 homens que tinham sido presos em uma discoteca dentro de uma embarcação no Nilo. Os detidos foram acusados de “devassidão” e “dissensão social.” O Grupo de Trabalho concluiu que as detenções com estas justificativas eram discriminatórias, uma violação dos artigos 2 e 26 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, e que, portanto, a detenção era arbitrária.80 Em 2006, o Grupo de Trabalho emitiu um parecer sobre a detenção de 11 homens em Camarões, nos termos do artigo 347 bis do Código Penal, que criminaliza as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo. De forma consistente, considerou-se que a detenção era arbitrária, violando o direito internacional. O Grupo de Trabalho declarou: A existência de leis criminalizando o comportamento homossexual entre pessoas adultas e a aplicação de sanções penais contra pessoas acusadas de tal comportamento violam os direitos de privacidade e de ser livre de discriminação, previstos no Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos. Consequentemente, o Grupo de Trabalho considera que (...) a criminalização da homossexualidade na lei camaronêsa é incompatível com os artigos 17 e 26 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, cujo instrumento Camarões ratificou.81 O Grupo de Trabalho tem repetido estas conclusões em casos mais recentes.82 Por exemplo, em relação à detenção e posterior condenação de quatro ho- mens por devassidão em Agouza, Egito, o Grupo declarou: “A difamação e perseguição de pessoas por conta de sua sexualidade violam os princípios da lei internacional dos direitos humanos.”83 Da mesma forma, no caso da República Islâmica do Irã, o Comitê de Direitos Humanos solicitou que o Estado 80  Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária, Opinão nº 7/2002 sobre o Egito (E/CN.4/2003/8/ Add.1). 81 Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária, Opinião nº 22/2006, sobre Camarões (A/HRC/4/40/ Add.1), par. 19. 82  Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária, Opinião nº 42/2008 sobre o Egito (A/HRC/13/30/ Add.1), e nº 25/2009 sobre o Egito (A/HRC/16/47/Add.1). Ver também Relatório do Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária (A/HRC/16/47), no anexo par. 8(e) (categorizando privações de liberdade baseadas na discriminação em razão da orientação sexual, em violação do direito internacional, arbitrária). 83 Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária, Opinião nº 42/2008, par. 25.
  • 37. 38 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS “garanta que qualquer pessoa detida apenas em função de suas atividades sexuais livres e mutuamente consentidas ou por conta de sua orientação sexual, seja libertada imediatamente e incondicionalmente.”84 ConclusÃO A criminalização de práticas sexuais consentidas entre adultos do mesmo sexo viola as garantias legais internacionais de privacidade e de não discriminação. A aplicação da pena de morte para a conduta sexual consensual é uma vio- lação do direito à vida. Prender ou deter indivíduos, em razão de sua orientação sexual ou conduta sexual com pessoas do mesmo sexo também é proibido pela garantia contra a detenção arbitrária. Mesmo que nunca sancionadas, tais leis penais são um violação das obrigações do Estado perante o regime internacional de direitos humanos. Os Estados devem revogar imediatamente todas as leis que criminalizam condutas sexuais privadas e consensuais entre adultos do mesmo sexo. 84 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre a República Islâmica do Irã (CCPR/C/IRN/ CO/3), par. 10.
  • 38. 39NASCIDOS LIVRES E IGUAIS 4. PROIBIR DISCRIMINAÇÃO BASEADA EM ORIENTAÇÃO SEXUAL E IDENTIDADE DE GÊNERO Todas as pessoas têm direito de serem livres de discriminação, inclusive em relação à sua orientação sexual e identidade de gênero. Este direito é protegido pelo artigo 2 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, assim como as disposições sobre não discriminação dos tratados internacionais de direitos humanos. Além disso, o artigo 26 da Declaração Universal estabelece que todos são iguais perante a lei e têm direito, sem discriminação, a igual proteção da lei.
  • 39. 40 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS Declaração Universal dos Direitos Humanos Artigo 2: Todo ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as liber- dades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, idioma, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, situação econômica, nascimento, ou qualquer outra condição. Artigo 7: Todas as pessoas são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei. Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação. Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos Artigo 2(1): Cada Estado membro do presente Pacto compromete-se a garantir a todos os indivíduos que se encontrem em seu território e que estejam sujeitos à sua jurisdição os direitos reconhecidos no presente Pacto, sem discriminação alguma por motivo de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de qualquer outra natureza, origem nacional ou social, situação econômica, nascimento ou qualquer outra condição. Artigo 26: Todas as pessoas são iguais perante a lei e têm direito, sem dis- criminação alguma, a igual proteção da lei. A este respeito, a lei deverá proibir qualquer forma de discriminação e garantir a todas as pessoas proteção igual e eficaz contra qualquer discriminação por motivo de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, situação econômica, nascimento ou qualquer outra condição. Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais Artigo 2: Os Estados Membros do presente Pacto comprometem-se a garantir que os direitos nele enunciados se exercerão sem discriminação alguma por motivo de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de qualquer outra natureza, origem nacional ou social, situação econômica, nascimento ou qualquer outra condição. Convenção sobre os Direitos da Criança Artigo 2: Os Estados membros comprometem-se a respeitar e garantir os direitos previstos na presente Convenção a todas as crianças sujeitas à sua jurisdição, sem discriminação, independentemente de qualquer consideração de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, em relação à criança, aos seus pais ou representantes legais, ou da sua origem nacional, étnica ou social, situação econômica, incapacidade, nascimento ou de qualquer outra condição.
  • 40. 41NASCIDOS LIVRES E IGUAIS POSIÇÕES TOMADAS PELOS MECANISMOS DE DIREITOS HUMANOS DAS NAÇÕES UNIDAS Indivíduos LGBT sofrem discriminação em muitos aspectos diferentes da vida cotidiana. Sofrem tanto com a discriminação oficial, na forma de leis estaduais e políticas que criminalizam a homossexualidade (impedindo-os de trabalhar em determinados tipos de emprego ou lhes negando acesso a benefícios), como com a discriminação não oficial, na forma de estigma social, exclusão e preconceito inclusive no trabalho, em casa, na escola e em instituições de saúde. Contudo, o regime internacional de direitos humanos proíbe a discrimi- nação com base na orientação sexual e identidade de gênero. A orientação sexual e identidade de gênero – como a raça, o sexo, a cor ou a religião – são condições não permissíveis para distinção. O direito internacional define a discriminação como qualquer distinção, ex- clusão, restrição ou preferência ou qualquer tratamento diferencial direta ou indiretamente baseado em um motivo proibido para discriminação e que tem a intenção ou efeito de anular ou prejudicar o reconhecimento, gozo, ou exer- cício, em pé de igualdade, dos direitos garantidos pelo direito internacional.85 Diferenças de tratamento baseadas em condições proibidas são consideradas discriminatórias, a menos que um Estado possa mostrar que há uma justificativa razoável e objetiva para a diferença de tratamento. A Declaração Universal dos Direitos Humanos, o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos e o Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais incluem listas de condições proibidas para discriminação em suas garantias de não discriminação. Estas listas não incluem explicitamente “orientação sexual” ou “identidade de gênero”, mas todas terminam com as palavras “qualquer outra condição.” O uso da expressão “qualquer outra condição” mostra que as listas tinham o objetivo de serem abertas e ilustra- tivas: em outras palavras, os motivos de discriminação não estão fechados. De acordo com o Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais: A natureza da discriminação varia de acordo com o contexto e evolui com o tempo. Uma abordagem flexível para a expressão “qualquer outra condição” é, portanto, necessária, a fim de se capturar outras formas de tratamento diferencial que não podem ser razoáveis e objetivamente 85 Comitê de Direitos Humanos, Comentário Geral nº 18, par. 7 e Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, Comentário Geral nº 20, par. 7. Ver a Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as formas de Discriminação Racial, artigo 1º, a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discrimi- nação contra as Mulheres, artigo 1º, e a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, artigo 2.
  • 41. 42 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS justificadas e são de natureza comparável aos motivos expressamente reconhecidos no artigo 2, parágrafo 2. Estes motivos adicionais são geralmente reconhecidos quando refletem a experiência de grupos sociais vulneráveis que sofreram e continuam a sofrer marginalização.86 Em sua jurisprudência, seus comentários gerais e suas observações finais, os corpos dos tratados das Nações Unidas têm afirmado repeti- damente que a orientação sexual e identidade de gênero são motivos de discriminação proibidos pelo direito internacional. Ademais, os procedimentos especiais do Conselho de Direitos Humanos têm reco- nhecido tanto a discriminação da orientação sexual como da identidade de gênero. Em Toonen, o Comitê de Direitos Humanos afirmou que “a referência a ‘sexo’ nos artigos 2, paragrafo 1, e artigo 26 é para ser interpretada com a inclusão de orientação sexual.”87 Em Young versus Austrália, decidido em 2003, e X versus Colômbia, decido em 2007, o Comitê concluiu que as diferenças de tratamento na atribuição de benefícios de pensão para um par- ceiro do mesmo sexo eram uma violação do direito de ser livre de discriminação “em razão do sexo ou orientação sexual.”88 Desde Toonen, em numerosas observações finais, o Comitê dos Direitos Humanos solicitou aos Estados membros que “garantissem direitos iguais a todos os indivíduos, conforme estabelecido no Pacto, independentemente da sua orientação sexual.”89 Os Estados têm uma “obrigação legal (...) de garantir a todos os direitos reconhecidos pelo Pacto (...) sem discriminação em razão da orientação sexual.”90 A Comissão tem recebido com agrado a aprovação de legislação que inclui a orientação sexual entre os motivos proibidos para discriminação.91 O organismo também expressou preocupação 86 Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, Comentário Geral nº 20, par. 27. 87 CCPR/C/50/d/499/1992, par. 8.7. 88  Young v. Austrália, Comissão de Direitos Humanos, Comunicação nº 941/2000 (CCPR/ C/78/D/941/2000), par. 10.4; X v. Colômbia, Comitê de Direitos Humanos Comunicação nº 1361/2005 (CCPR/C/89/D/1361/2005), par. 9 89 Garantia de direitos iguais a todos e todas, independentemente da orientação sexual: Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre o Chile (CCPR/C/CHL/CO/5), par. 16. Ver também observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre San Marino (CCPR/C/SMR/CO/2), par. 7 e sobre a Áustria (CCPR/C/AUT/CO/4), par. 8. 90 CCPR/C/USA/CO/3, par. 25. 91 Dando as boas vindas à legislação anti discriminação: Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre Grécia (CCPR/CO/83/GRC), par. 5; Finlândia (CCPR/CO/82/FIN), par. 3; Eslováquia (CCPR/ CO/78/SVK), par. 4; Suécia (CCPR/C/SWE/CO/6), par. 3; Dinamarca (CCPR/C/DNK/CO/5), par. 4; França (CCPR/C/FRA/CO/4); Observações finais do Comitê sobre a Eliminação de Discriminação contra as Mulheres sobre Montenegro (CEDAW/C/MNE/CO/1), par. 4(b). A orientação sexual e a identidade de gênero – assim como raça, sexo, cor ou religião – são motivos inadmissíveis para distinção.
  • 42. 43NASCIDOS LIVRES E IGUAIS quando os Estados não reconhecem uma mudança de gênero pela emissão de novos documentos de identificação e tomou conhecimento da aprovação de legislação que concede o reconhecimento legal para a mudança de iden- tidade de gênero.92 O Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais afirmou que a garantia de não discriminação presente no Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais inclui a orientação sexual. Isto se reflete nos comentários gerais relativos aos direitos ao trabalho, à água, à segurança social, ao mais alto nível de saúde, bem como ao significado geral da garantia de não discrimi- nação.93 Em 2009, o Comitê explicou que a garantia de não discriminação inclui a identidade de gênero, afirmando que as pessoas “que são transgêneros, transexuais ou intersexos, muitas vezes enfrentam graves violações de direitos humanos, como assédio nas escolas ou nos locais de trabalho”.94 Em suas observações finais, o Comitê expressou preocupação com a discrimi- nação contra gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros no gozo de seus direitos econômicos, sociais e culturais e insistiu para que fosse adotada legislação para protegê-los da discriminação.95 O Comitê também elogiou os Estados que adotaram tal legistação.96 Da mesma forma, o Comitê sobre os Direitos da Criança também interpreta o direito à não discriminação no artigo 2 da Convenção sobre Direitos da Criança como inclusivo da orientação sexual97 e identidade de gênero98 . Em suas observações finais, o Comitê expressou preocupação sobre a legislação 92 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre Irlanda (CCPR/C/IRL/CO/3), par. 8; Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte (CCPR/C/GBR/CO/6), par. 5. 93 Orientação sexual: Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, Comentários Geral nº 20 (A não discriminação em matéria de direitos econômicos, sociais e culturais), par. 32; nº 19 (Direito à segurança social), par. 29; nº 18 (Direito ao trabalho), par. 12(b); nº 15 (Direito à água), par. 13; nº 14 (Direito ao mais alto nível de saúde), par. 18. 94 Identidade de gênero: Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, Comentário Geral nº 20 (Não discriminação nos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais), par. 32. 95 Observações finais do Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais sobre Polônia (E/C.12 / POL/ CO/5), par. 12; China (E/C.12/1/Add.107), par. 78; Trinidad e Tobago (E/C.12/1 /Add.80), par. 14. 96 Observações finais do Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais sobre Irlanda (E/C.12/1 / Add.35), par. 5; Suécia (E/C.12/1/Add.70), par. 8; Liechtenstein (E/C.12/LIE/CO/1), par.6; Mônaco (E/C.12/MCO/CO/1), par. 3; Brasil (E/C.12/CO/BRA/2), par. 3. 97  Comitê sobre os Direitos da Criança, Comentários Gerais nº 4 (Saúde e desenvolvimento dos adoles- centes no contexto da Convenção sobre os Direitos da Criança), par. 6 e nº 3 (HIV/Aids-VIH/SIDA e os direitos da criança), par. 8. 98  Comitê sobre os Direitos da Criança, Comentário Geral nº 13 (O direito da criança à liberdade de todas as formas de violência), par. 60 e 72(g) (salientando que os Estados membros devem abordar a discriminação contra grupos vulneráveis e marginalizados de crianças, incluindo as crianças que são gays, lésbicas, transgêneros ou transexuais).
  • 43. 44 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS que não protege os indivíduos de discriminação em razão da orientação sexual ou identidade de gênero e sobre os esforços inadequados para combater tal discriminação.99 Por exemplo, no que diz respeito ao Reino Unido, o Comitê ex- pressou preocupação de que “na prática, certos grupos de crianças, tais como (...) crianças lésbicas, bissexuais, gays e transgêneros (LGBT) (...) continuem a sofrer discriminação e estigmatização social.”100 O Comitê recomendou que o Estado reforce sua conscientização e outra ação preventiva contra a discriminação e, se necessário, adote ações afirmativas para o benefício de tais grupos de crianças. A Convenção contra a Tortura não inclui uma lista de motivos de discriminação. Em vez disso, o artigo 1 prevê que a imposição intencional de dor severa ou sofrimento por uma variedade de propósitos, incluindo razões “baseadas na discriminação de qualquer tipo”, constitui tortura. No seu Comentário Geral nº 2, o Comitê contra a Tortura explicou que a obrigação dos Estados membros de prevenir a tortura inclui a obrigação de garantir que “suas leis sejam, na prática, aplicadas a todas as pessoas”, independentemente de uma variedade de características pessoais, incluindo “orientação sexual” e “identidade transgênero.”101 Em suas observações finais, o Comitê expressou preocupação sobre o abuso sexual e físico pela polícia e funcionários pri- 99 Observações finais do Comitê sobre os Direitos da Criança sobre Nova Zelândia (CRC/C/NZL/CO/3- 4), par. 25; Eslováquia (CRC/C/SVK/CO/2), par. 27; Malásia (CRC/C/MYS/CO/1), par. 31; China (CRC/C/CHN/CO/2), par. 31; Ilha de Man, Reino Unido (CRC/C/15/Add.134), par. 22. 100  Observações finais do Comitê sobre os Direitos da Criança sobre o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte (CRC/C/GBR/CP/4), par. 24-25. 101 Comitê contra a Tortura, Comentário Geral nº 2 (aplicação do artigo 2 pelos Estados membros), par. 21.
  • 44. 45NASCIDOS LIVRES E IGUAIS sionais contra indivíduos “em razão da sua orientação sexual e/ou identidade transexual.”102 Ele afirmou: O Comitê considera que, particularmente, as regras sobre moral pública podem conceder poder discricionário à polícia e a juízes que, associados com preconceito e atitudes discriminatórias, podem conduzir a um abuso contra esse grupo.103 A Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres não inclui uma lista de motivos discriminatórios. No entanto, o Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres tem enfatizado a interseccionalidade de todas as formas de discriminação como a chave para a compreensão do escopo das obrigações do Estado perante a Convenção. “A discriminação de mulheres baseada no sexo e no gênero está intrinsecamente ligada a outros fatores que afetam as mulheres, tal como raça, etnia, religião ou crença, estado de saúde, classe, idade, classe social, casta, orientação sexual e identidade de gênero. (...) Estados membros devem reconhecer legalmente estas formas de interseção de discriminação, seu impacto negativo sobre as mulheres em questão e proibi- las.”104 Na Recomendação Geral nº 27, o Comitê descreveu a discriminação que as mulheres mais velhas sofrem como “frequentemente multidimensional, com o fator idade compondo outras formas de discriminação baseadas no gênero, origem étnica, deficiência, níveis de pobreza, orientação sexual e identidade de gênero, condição de migrante, estado conjugal e familiar, alfabetização e outros motivos.”105 O Comitê para a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres tem chamado a atenção para a discriminação contra as mulheres em razão de sua orientação sexual e identidade de gênero.106 Em suas observações finais sobre Uganda, em 2010, o Comitê expressou “séria preocupação com o assédio, violência, 102 Observações finais do Comitê contra a Tortura sobre a Costa Rica (CAT/C/CRI/CO/2), par.11, 18. Ver também, Letônia (CAT/C/LVA/CO/2), par. 19 (expressando preocupação com os atos de violência e discriminação contra a comunidade LGBT); Polônia (CAT/C/POL/CO/4), par. 20 (discurso de ódio e intolerância contra gays e lésbicas), Estados Unidos da América (CAT/C/USA/CO/2); Equador (CAT/C/ ECU/CO/2), para. 17. 103 CAT/C/CRI/CO/2, par.11. 104 Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres, Recomendação Geral nº 28 (sobre as principais obrigações dos Estados membros nos termos do artigo 2), par. 18. 105 Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres, Recomendação Geral nº 27 (sobre mulheres mais velhas e a proteção de seus direitos), par. 13. 106  Observações finais do Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres sobre o Panamá (CEDAW/C/PAN/CO/7), par. 22. Ver também, Alemanha (CEDAW/C/DEU/CO/6), par. 61- 62; Argentina (CEDAW/C/ARG/CO/6), par. 43-44; África do Sul (CEDAW/C/ZAF/CO/4), par. 39-40; Quirguistão (A/54/38, 20), par. 128. Indivíduos LGBT sofrem discriminação em muitos aspectos de suas vidas diárias.
  • 45. 46 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS crimes e incitamento ao ódio relatados contra as mulheres por conta de sua orientação sexual e identidade de gênero. O Comitê ainda está preocupado com a discriminação que elas enfrentam no emprego, saúde, educação e outros campos.” Eles apelaram para Uganda “fornecer proteção efetiva contra a violência e a discriminação contra as mulheres em razão de sua orientação sexual e identidade de gênero, em particular através da promulgação de legislação antidiscriminação abrangendo, entre outras coisas, a proibição de múltiplas formas de discriminação contra mulheres em todas as condições, inclusive em razão da orientação sexual e identidade de gênero.”107 Vários organismos do tratado de direitos humanos têm notado leis que dis- criminam em razão da identidade de gênero. No caso do Kuwait, o Comitê de Direitos Humanos expressou preocupação com “a nova infração penal de ‘imitar membros do sexo oposto’ e apelou ao Estado membro para revogar esta legislação”, a fim de trazer sua legislação em conformidade com o Pacto.108 107 Observações finais do Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres em Uganda (CEDAW/C/UGA/CO/7), em par. 43-44. 108 Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre o Kuwait (CCPR/C/KWT/CO/2), par. 30.
  • 46. 47NASCIDOS LIVRES E IGUAIS O Comitê sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais tem observado com consternação que as pessoas trans e intersexuais são caracterizadas como doentes mentais e também expressou preocupação com as violações do di- reito à saúde sexual e reprodutiva, uma violação do artigo 12 do Pacto. Ele pediu à Alemanha para promulgar medidas que protejam a “integridade pessoal e o direito à saúde sexual e reprodutiva” de indivíduos transgêneros e intersexuais.109 No caso da Costa Rica, o Comitê sobre a Eliminação de Discriminação contra as Mulheres acolheu novos regulamentos do cartão de identidade que respeita a identidade individual de gênero.110 Áreas de particular interesse O direito de ser protegido contra a discriminação em razão da orientação sexual e identidade de gênero se aplica ao gozo de todos os direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais. Discute-se aqui, em particular, as áreas de emprego, saúde e educação, mas os órgãos do tratado e os pro- cedimentos especiais também notaram discriminação em áreas de acesso a outros serviços básicos, tal como moradia e benefício social.111 Emprego O artigo 6 do Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais prevê: “Os Estados membros do presente Pacto reconhecem o direito ao tra- balho, o qual inclui o direito de todos à oportunidade de ganhar seu sustento pelo trabalho, que ele escolhe livremente ou aceita, e tomará as atitudes apro-priadas para defender este direito.” O Comitê sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais declarou que o Pacto “[p]roíbe discriminação no acesso e 109 Observações finais do Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais sobre a Alemanha (E/C.12 / DEU/CO/5), par. 26. 110 Observações finais do Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres sobre a Costa Rica (CEDAW/C/CRI/CO/5-6), par. 40. 111  Discriminação no acesso aos serviços básicos: Observações finais do Comitê de Direitos Humanos sobre Federação Russa (CCPR/C/RUS/CO/6), par. 27; Japão (CCPR/C/JPN/CO/5), par. 29; Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, Comentário Geral nº 20, par. 32; Relatórios do Relator Especial sobre moradia adequada como componente do direito a um padrão de vida adequado A/HRC/10/7/ Add.3, par. 50; A/HRC/4/18/Add.2, par. 125; E/CN.4/2006/118, par. 30; E/CN.4/2005/43, par. 63; Relatórios do Relator Especial sobre o direito de todos ao gozo do mais alto nível de saúde física e mental, E/CN.4/2004/49, par. 38; E/CN.4/2003/58, par. 68; Relatórios do Relator Especial sobre o direito à educação, E/CN.4/2006/45, par. 113; E/CN.4/2001/52, par. 75; Relatórios do Relator Especial sobre moradia adequada, A/HRC/10/7/Add.3, par. 50; A/HRC/7/16; A/HRC/4/18/Add.2, par. 125; E/CN.4/2006/118, par. 30; E/CN.4/2005/43, par. 63; Relatório da Relatora Especial sobre violência contra as mulheres, E/CN.4/2005/72/Add.1, par. 232-234.
  • 47. 48 NASCIDOS LIVRES E IGUAIS manutenção do emprego baseado na (...) orientação sexual.”112 Este princípio de não discriminação se aplica a todos os aspectos do direito ao trabalho. Os Estados têm, portanto, uma obrigação imediata de garantir que o direito ao trabalho seja exercido sem discriminação de qualquer tipo. Os Estados devem respeitar o direito ao trabalho por abster-se de negar ou limitar acesso ao trabalho decente para todas as pessoas e, especialmente, para “os grupos e indivíduos desamparados e marginalizados”.113 Qualquer discriminação no acesso ao mercado de trabalho ou aos meios e direitos para obtenção do emprego “constitui uma violação do Pacto.”114 Em relação aos benefícios do emprego, um Estado não pode distinguir entre casais heterossexuais e do mesmo sexo que não são casados. No caso de X versus Colômbia, o Comitê de Direitos Humanos achou que o Estado falhou ao estender os benefícios da pensão para o parceiro do mesmo sexo não casado, quando tal benefício era garantido para casais heterossexuais não casados, e foi uma violação dos direitos garantidos pelo Pacto.115 No caso de Young versus Austrália, que diz respeito a fatos muitos semelhantes, o Comitê declarou: O Estado membro não dá argumentos razoáveis e objetivos sobre a distinção entre parceiros do mesmo sexo, que são excluídos dos benefícios e pensão garantidos por lei, e parceiros heterossexuais não casados, que possuem tais benefícios. Ademais, não apresenta evidência que possa apontar para a existência de fatores justificando tal distinção. Nesse contexto, o Comitê acha que o Estado membro violou o artigo 26 do Pacto pela negação ao autor de pensão devido à sua orientação sexual.116 112  Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, Comentário Geral nº 18 (direito ao trabalho), par. 12(b)(1). 113 Ibid., Par. 23. 114 Ibid., par. 33. 115 CCPR/C/89/D/1361/2005, par. 7.2. 116 CCPR/C/78/D/941/2000, par. 10.4. Em relação a benefícios empregatícios, o Estado não pode distinguir entre casais heterossexuais não casados e casais do mesmo sexo.