Por uma (des)necessária pedagogia do espectador1
Taís Ferreira – UFPel
taisferreirars@yahoo.com.br
RESUMO
Este trabalho bu...
É preciso ensinar a ser espectador?
Mais de uma vez, em situações distintas, fui interpelada pela pergunta acima.
Alunos e...
teatral, todos estes imbricados na construção da pergunta e de suas (im)possíveis
respostas.
Cumpre notar, ainda, que pret...
Apresentado este contexto contemporâneo incerto e volúvel no qual aprendemos
modos de ser e estar no mundo, não seria inút...
experiências sensoriais audiovisuais e possuidores de um repertório bastante
significativo e amplo como espectadores? Entr...
especificamente, com os objetos artísticos nas diferentes linguagens (cênica, musical,
literária, plástica, audiovisual, c...
cênicas. Aqui, sim, coloca-se a tensão entre o saber da vivência cotidiana e os novos
saberes propiciados pela experiência...
o ensino das artes (redimensionada no Brasil por Ana Mae Barbosa), que propõe três
eixos articulados no ensino das artes, ...
localizado na intersecção entre os campos do teatro, da educação e dos estudos
culturais, a escola já se apresentava, entã...
No caso do último estágio citado, este se apresenta como “um conjunto de
condições de possibilidade” dos processos recepti...
surpresa também é geradora de focos de atenção na relação teatral, no entanto, o
interesse pela linguagem e por seus eleme...
extracotidianas como ir ao teatro assistir a um espetáculo de dança ou de teatro, ir a um
concerto, freqüentar um museu ou...
HALL, Stuart. Da diáspora – Identidades e mediações culturais. Belo
Horizonte/Brasília: Ed. UFMG/UNESCO, 2003.
HARTMANN, L...
______. (coord.) Recepción y Mediaciones – Casos de investigación en América Latina.
Buenos Aires: Norma, 2002.
SOARES, Ma...
of 14

Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira

Artigo publicado na Revista VIS, da UnB, vol.11, jan/jun 2012.
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Education      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira

  • 1. Por uma (des)necessária pedagogia do espectador1 Taís Ferreira – UFPel taisferreirars@yahoo.com.br RESUMO Este trabalho busca problematizar a necessidade de desenvolver ações voltadas à formação do espectador, ou seja, a uma pedagogia do espectador nas escolas nos dias atuais. Para tanto, dialoga com autores como o teatrólogo italiano Marco de Marinis, a partir de sua provocação sobre o trabalho e a pesquisa com os “espectadores reais”. A necessidade de alfabetização e, indo além, de letramento, na linguagem teatral por crianças e jovens também é debatida. Palavras-chave: pedagogia do espectador – recepção teatral – espectadores reais ABSTRACT This paper aims to discuss the necessity of to developing actions aimed at spectator’s formation, that is, a spectator’s pedagogy in the elementary and high schools today. For this, dialogues with authors like the Italian researcher Marco de Marinis, from his provocation about the work and the research with the “real spectators”. The need for the reading instruction and beyond, the need for literacy in the theatrical language for children and young people is discussed. Key-words: spectator’s pedagogy – theatrical audience – real spectators 1 Artigo publicado em dossiê sobre recepção (organizado pelo Prof. Dr. Marcus Mota), publicado na Revista VIS, do PPGArtes, da Universidade de Brasília (UnB), Vol. 11, no 1, jan/jun 2012. Páginas 13 a 21.
  • 2. É preciso ensinar a ser espectador? Mais de uma vez, em situações distintas, fui interpelada pela pergunta acima. Alunos em disciplinas dos cursos de teatro e dança, participantes de mesas de debate e palestras que ministrei, professoras das redes de ensino básico e eu mesma fomos os emissores desta questão. Ainda que eu não goste de respostas prontas e que seja uma entusiasta das perguntas (muito mais do que de suas soluções), seria hipócrita se dissesse que não pensei, formulei, digeri diversas e variadas respostas para ela, já que está no centro de minhas vontades de pesquisa e me instiga há alguns anos. No entanto, antes de apresentar aqui minhas respostas (ou propostas?), parece-me preciso refletir acerca de tudo que “cerca” esta questão, ou pelo menos de alguns elementos que dão a ela condições de possibilidade, como questão promotora de (im)possíveis respostas e (des)necessárias práticas. Há alguns anos eu temia escrever textos propositivos, que apontassem “caminhos” ou mesmo “ideias para a resolução de problemas”. Hoje vejo nesta modalidade de textos uma produtividade que desconhecia, ao pensá-los não como propostas fechadas e terminadas, mas, como nos apontam Larrosa, Eco e tantos outros autores, como estruturas abertas e que não se encerram em si próprias e sim que reverberam através de seus leitores, dos usos e relações construídos por estes. De modo que, tudo que aqui for propositivo, deverá ser lido “sob rasura”, como nos diria Hall (2003), ser questionado no ato mesmo de ser lido, ser ressignificado, readequado, adaptado, transformado às necessidades, ao pensar e ao agir de cada leitor. Essa pode ser a produtividade do texto: construção de significados íntimos, que no caso de um tema como este, em que os modos de endereçamento textual pressupõem um leitor-professor, ou, no mínimo, um leitor interessado em teatro como relação (no espectador, portanto), possa reverberar de modo social/coletivo em aulas, discussões de grupos, debates, construção de planos de ensino, de projetos artístico-pedagógicos, etc. Claro, esta é uma pretensão, não uma consequência de fato. Assim, proponho-me, neste artigo, a discorrer sobre alguns dos elementos pressupostos da questão “É preciso ensinar a ser espectador?”: a educação e a escola, as crianças/ os jovens e os artefatos culturais contemporâneos, o teatro e a recepção
  • 3. teatral, todos estes imbricados na construção da pergunta e de suas (im)possíveis respostas. Cumpre notar, ainda, que pretendo tecer este texto num espaço de tensão, tensão esta que já demonstra que a dúvida e a incerteza estarão presentes nas colocações que vão se seguir a guisa de resposta. A tensão estabelece-se nesse espaço reflexivo no momento em que julgo ser desnecessário “formar” ou “educar” ou “ensinar a ser espectador”. No entanto, pretendo propor que a escola abra espaços para a construção de “identidades de espectadores”. Espaço desnecessário este, já que nos tornamos espectadores em todos os espaços de nossas vidas nos dias atuais? Para quê, portanto? Para aumentar a quantidade de conteúdos já homérica que professores, disciplinas e projetos político-pedagógicos devem dar conta na educação básica? Para onerar os professores com mais uma tarefa que não é cumprida pela família e pela comunidade? Para didatizar sobremaneira os processos de recepção teatral entre crianças e jovens, já tão repletos de didatismo vazio? Para cercear a espontaneidade da fruição estética? Para ensinar a ler espetáculos de forma A ou B? Nada disso, eu espero! Destarte, parto da premissa de que espectadores todos somos/estamos. Não é preciso retomar à exaustão as teorias de Guy Débord ou de Jean Baudrillard para citar nosso mundo contemporâneo como uma “sociedade do espetáculo” ou como “um mundo de simulacros”, todos hoje já ouvimos falar nestes conceitos tão explorados, os vivenciamos na pele e na carne de nossos corpos e podemos (re)pensar-nos a partir deles. Eles operam em nossas constituições cotidianas, como sujeitos e como sujeitos- espectadores. Inclusive, devemos lembrar que estamos atrelados por laços, por vezes invisíveis, por vezes de alta visibilidade, à chamada “aldeia global”, que nos impeliria a todos a conhecer as mesmas marcas, experimentar os mesmos gostos, vestir os mesmos jeans, desejar os mesmo objetos... Muitos filósofos, antropólogos e sociólogos têm se debruçado a refletir sobre estes temas tão caros a nossa “modernidade líquida”, conforme denominou Bauman (2001) o tempo presente, em que tudo é fluido e fugidio, em que mudanças e transformações de percepção e significados ocorrem mais ou menos como um fluxo descontínuo sobre o qual não temos mais controle (a modernidade “dura” ao menos dava ao sujeito a “sensação” do controle).
  • 4. Apresentado este contexto contemporâneo incerto e volúvel no qual aprendemos modos de ser e estar no mundo, não seria inútil pensar em educar, em formar, em ensinar? Aprender não seria uma simples conseqüência de se estar vivo em um mundo com tantos estímulos, tantas imagens, tantos sons, tantas informações e tantas mídias? Não seria suficiente uma “educação para os meios” ou uma “alfabetização audiovisual” que possibilitasse decodificar a enxurrada de sons e imagens cotidianas? Chegamos aí ao dilema da pedagogia dos anos iniciais: alfabetizar é suficiente? Aprende-se a ler (e a usufruir da leitura) por estar diante das letras e saber decifrá-las? Letramento e alfabetização são a mesma coisa? Letrar é mais importante que alfabetizar ou vice-versa?2 Voltando-me ao nosso tema: o que a aula de teatro tem proposto aos seus alunos, alfabetizar ou letrar nas linguagens cênicas (podemos pensar aí em teatro, dança, circo, performance)? Ensinar os elementos componentes da linguagem teatral é o suficiente para se ensinar a ser espectador de teatro? E possível formar um espectador de teatro assim como se forma um leitor? Mas, afinal, o que forma um leitor? O fato de ser alfabetizado? A escola? Os professores? A família? O meio? O acesso aos livros? Tudo e todos esses formam o leitor e o hábito de leitura? O que forma o leitor, forma também o hábito? Não, ousaria responder. Não “somente” a escola, os professores, os pais, a comunidade e a conjuntura formam uma identidade de leitor ou espectador; há uma série de prazeres que nos são ofertados diariamente pelas mídias, pela internet, pelos auto-falantes e outdoors, banhando-nos de imagens, sons, cores, linhas, formas, volumes, timbres... Estes elementos (trans)formam nossa percepção, o significado que conferimos a cada imagem-som que nos atravessa (ou não atravessa, tornando-nos incólumes ao mar de informações audiovisuais e sensoriais que nos é proposto, negando a experiência, conforme nos mostra Larrosa (2002) em conhecido texto de sua autoria). Desta feita, como nós, professores e artistas, podemos negar que crianças e jovens, e mesmo os bebês da educação infantil, chegam à escola e aos espetáculos repletos de 2 Alfabetizar e letrar são processos distintos, porém indissociáveis. Alfabetizar é fazer com que os alunos possam compreender e dominar o código da linguagem escrita, a leitura e a escrita de textos. Letrar é trabalhar a escrita e a leitura de forma contextualizada, criando sentidos e significados atrelados a situações reais de oralidade, leitura e escrita. Para aprofundamento sobre o tema alfabetização e letramento, ver textos e livros de Magda Soares, professora da UFMG, tal como o artigo Letramento e alfabetização: as muitas facetas, disponível em <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n25/n25a01.pdf>.
  • 5. experiências sensoriais audiovisuais e possuidores de um repertório bastante significativo e amplo como espectadores? Entretanto, será que isso os torna sujeitos de experiências com a teatralidade? Será que estas vivências audiovisuais contemporâneas, que os formam e constroem, são similares ou análogas à “relação teatral” proposta por De Marinis (1997, 2005)? Discorrerei, a seguir, brevemente sobre a proposta deste autor no que concerne aos estudos de recepção teatral, para que possamos contextualizar teoricamente este artigo, que também se deixa banhar por conceitos, propostas metodológicas e pontos de vista oriundos dos trabalhos de recepção do campo dos Estudos Culturais. Recepção teatral: relação? Relação, audição, fruição, apreciação, comunhão: nomenclaturas diversas são apresentadas nos estudos que podem ser compreendidos dentro daquilo que entendemos como recepção teatral. Audiência, público, platéia, espectador, ouvinte, leitor, consumidor, estas palavras confundem-se e cada campo do conhecimento elege as que melhor se adaptam aos seus propósitos. Poderíamos ligar a fruição e a apreciação a processos do campo da estética e das artes visuais, assim como a audição e a figura do ouvinte ao campo musical; já recepção e consumidor são termos usados freqüentemente em estudos das mídias e meios; além do campo cênico, o campo da comunicação também tem trabalhado com os conceitos de público, espectador e recepção. Leitores e texto são termos que serão caros tanto à literatura como à semiótica. A sociologia interessa-se pelos públicos e platéias, ou seja, pela coletividade que é formada pelo conjunto de espectadores; a psicologia das massas também se interessa pelas platéias. Por sua vez, a antropologia interessar-se-ia pelo espectador localizado, único, bem como os estudos de caso de diversos campos do conhecimento. Enfim, pensar na multiplicidade de modos de expressar aquilo que é indizível (o que sente, pensa, experimenta, constrói, significa o espectador ou o público) já nos mostra o quão inglória é a tarefa de tentar refletir, explicar, investigar e compreender as relações (afetivas, cognitivas, sensoriais, intelectuais, sociais) que os sujeitos empreendem ao longo de suas vidas com os artefatos culturais e, no campo das artes mais
  • 6. especificamente, com os objetos artísticos nas diferentes linguagens (cênica, musical, literária, plástica, audiovisual, cinestésica). Campos como a psicologia, a medicina, as artes e a literatura, a comunicação, a filosofia, a sociologia, a antropologia, entre outros, tiveram ou têm em suas investigações espaço para pensar as relações de recepção. Aqui, empreendo a tentativa de articular aos estudos de recepção outro campo, que é o da educação, e promover novas possibilidades na compreensão destes processos e de sua relação com a vida cotidiana, com a escola e com a formação de crianças e jovens. O pesquisador e professor italiano De Marinis, ao propor sua teatrologia e indagar o espectador e sua relação com o espetáculo (ou texto teatral, como ele e a semiologia do teatro identificam a obra cênica), nos diz que “... no teatro o espectador se encontra diante de ou em uma situação particularmente complexa da vida cotidiana (2005, p.95)3 ”. Sendo assim, mesmo que o teatro, de acordo a definição de jogo de Huizinga (2000), seja parte da vida cotidiana (ele caracteriza-se por ser uma fatia desta dotada de movimento, regras, ações e sentidos próprios, alheios ao cotidiano, criando um espaço- tempo extracotidiano), ele apresenta-se como acontecimento não-cotidiano e estranho ao dia a dia da maior parte das pessoas na contenporaneidade. Deste modo, todas as informações, dados e artefatos audiovisuais das mídias e TICs4 , com os quais se relacionam jovens e crianças, ocupariam um outro lugar (trivial, cotidiano, banal) na construção de sentidos e no surgimento do “foco de atenção” e do “interesse”, também conforme colocações de De Marinis (2005). Os artefatos do cotidiano mediariam a relação com artefatos extracotidianos, como o teatro. Mas não fariam, necessariamente, da experiência de espectador de teatro uma experiência banal, já que extracotidiana: seja pela freqüência, seja pelas novas possibilidades perceptivas e cognitivas que empreende na constituição destes espectadores. Portanto, mesmo que espectadores experientes dos meios audiovisuais, das mídias e das TICs, isso não faz das crianças e jovens espectadores experientes das linguagens 3 Citações de DE MARINIS neste artigo têm tradução minha. 4 Sigla utilizada para referir-se às tecnologias da informação e da comunicação (TICs).
  • 7. cênicas. Aqui, sim, coloca-se a tensão entre o saber da vivência cotidiana e os novos saberes propiciados pela experiência com o (quase) desconhecido. A tensão entre o horizonte de expectativas criado por estes artefatos e aquilo que as performances ou espetáculos cênicos estão dispostos e aptos a oferecer aos seus espectadores na construção da relação teatral, do teatro como acontecimento. Devemos, então, negar a existência destes outros artefatos (cotidianos)? Creio que não, pois estes constituem, na maioria das vezes, o horizonte de expectativas destes públicos em suas relações com as linguagens cênicas. No entanto, como já mencionado, não podemos ser simplistas e ingênuos ao pensar que somente o contato com os diversos objetos audiovisuais do cotidiano possibilitará às crianças e aos jovens uma “proficiência” na linguagem cênica, na compreensão contextualizada de seus códigos, regras e elementos e nos estágios ou etapas envolvidos em um processo de recepção5 . Voltamos, neste momento da reflexão que ora empreendemos, à questão da alfabetização e do letramento: é preciso sim, “alfabetizar”, para que uma relação profícua com o teatro se estabeleça. Entretanto, é impossível “letrar” em teatro se não levarmos em consideração a enorme quantidade de produtos da cultura visual e sonora que permeiam os cotidianos contemporâneos, em grandes e pequenas cidades, no oriente e no ocidente, nos hemisférios norte e sul. Partindo desta premissa, seguimos debatendo a recepção e a educação. Um lugar para uma pedagogia do espectador na educação As publicações e propostas para uma pedagogia do espectador no Brasil têm se encaminhado no sentido de pensar a aula de teatro como lugar privilegiado para formação de espectadores. E, inegavelmente, ela poderá ser, desde que conduzida também para este fim. Isso é promulgado, por exemplo, pelos Parâmetros Curriculares Nacionais em Arte (1997, 1998, 2000), através da metodologia/proposta triangular para 5 Aqui também me refiro a uma proposta de De Marinis (2005), que ao colocar o processo de recepção como eminentemente cognitivo (ainda que em indelével relação com processos emotivos), propõem um modelo provisório da relação teatral que estaria divido nos seguintes níveis ou subprocessos: percepção; interpretação (pragmática, semântica e semiótica); reações (cognitivas e emotivas); avaliação; memorização e evocação.
  • 8. o ensino das artes (redimensionada no Brasil por Ana Mae Barbosa), que propõe três eixos articulados no ensino das artes, sendo eles: 1) a prática expressiva nas linguagens, 2) a recepção de artefatos culturais e obras de arte e 3) a contextualização destas experiências, a reflexão a partir de conhecimentos da teoria, da história e dos componentes dos campos artísticos. Diversos artistas, pedagogos, professores de teatro e pesquisadores propõem uma pedagogia do espectador mediada pela aula de teatro6 . Há também possibilidades apresentadas por pesquisas que apresentam uma pedagogia do espectador atrelada à produção cultural, vinculada a projetos com cunho pedagógico, à mediação cultural, como aquela apresentada por Ney Wendell (2009) no Brasil ou por Roger Deldime na Bélgica (conforme DESGRANGES, 2003 e DELDIME, 2002). Como pesquisadora e professora de teatro, dediquei um longo tempo de minha carreira a estudos de recepção com crianças, pensando em como a relação destas com a linguagem teatral na contemporaneidade se dava, em estudos empíricos que buscavam dar voz às próprias crianças, tentando relacionar-me com seus desejos, usos, percepções e compreensão em relação ao/com o teatro. Esse estudo vai ao encontro das colocações de De Marinis, quando este critica a investigação que se dedicou, durante décadas, ao estudo de um “espectador ideal ou imaginário”, a exemplo das propostas da semiótica em um primeiro momento e da estética da recepção da Escola de Constança. Ele preconiza, em sua teatrologia, “... a postulação do receptor real como objeto teórico central e a adoção de uma metodologia empírica, experimental, para o estudo dos processos de compreensão em tal receptor (2005, p. 105, grifos do autor)”. No estudo citado (FERREIRA, 2010), amparei-me em trabalhos oriundos do campo dos Estudos Culturais, nas teorias construídas para pensar a recepção por Stuart Hall7 (2003) e na metodologia de investigação empírica baseada nas múltiplas mediações de Orozco-Goméz8 (1991, 1999, 2002). Como resultado deste processo investigativo 6 Para aprofundamento do tema, acessar o livro “História da Arte-Educação 2 – Módulo 16” (HARTMANN e FERREIRA, 2010), disponível integralmente no sítio eletrônico <http://www.slideshare.net/plateroeeu/historia-arte-ed2teatro2>. Ver especialmente a “Unidade 2 – O que é um espectador? Dos modos de constituir-se dentro e fora da aula de teatro”. 7 Hall vai propor a existência de diferentes níveis de leitura e de negociação de cada receptor em relação aos artefatos culturais, classificando-as como leituras preferenciais, leituras negociadas e leituras de ruptura. Para maior aprofundamento, ler o texto “Codificação/decodificação”, in Da Diáspora (2003). 8 Orozco-Goméz (1991, 1999, 2002) cria um modelo de investigação empírica, metodológico e conceitual, que possibilita operar a construção e a análise de dados em estudos de recepção dos meios com diversos públicos espectadores, baseado na teoria das mediações culturais de Martín-Barbero (1997).
  • 9. localizado na intersecção entre os campos do teatro, da educação e dos estudos culturais, a escola já se apresentava, então, como cenário, comunidade de apropriação, comunidade de interpretação e mediação preferencial entre as crianças e o teatro nos dias de hoje. Deste estudo empírico de recepção teatral com crianças espectadoras nasceram diversas questões que têm balizado e movido meus pensares e meus escritos sobre a educação e a recepção teatral. Assim, como proposição neste texto, de uma possível (quiçá desejável) relação pedagógica entre o campo da educação e a recepção teatral, lanço mão do modelo proposto por De Marinis, assim como já me fiz herdeira do modelo proposto por Orozco-Goméz no que concerne a estudos empíricos de recepção. Poderíamos traçar uma analogia entre os pressupostos explicitados por De Marinis e as mediações culturais propostas por Martín-Barbero (1997) e Orozco-Goméz, já que as duas teorias vão ao encontro uma da outra, complementando-se e afirmando-se. No entanto, neste texto, parece-me ser mais produtivo abraçar esta pequena parte da proposta de De Marinis como um apontamento pedagógico que possa ser desenvolvido pelas escolas, professores, grupos de teatro e artistas interessados na formação do espectador. Ao tratar das estratégias receptivas do espectador, De Marinis coloca três estágios ou momentos, que seriam: a) processos constitutivos do ato de recepção (percepção, interpretação, emoção, apreciação e atividade da memória); b) resultados (usos e efeitos) ou a compreensão (envolvendo indelevelmente aspectos estéticos, aspectos emotivos e aspectos semânticos); c) sistema de pré-condições receptivas, que atuaria ao lado dos fatores sociológicos tradicionais (como classe social, idade, gênero, profissão, escolaridade, religião, entre outros). Essas mediações seriam tudo aquilo que atravessa relação de um receptor com um artefato. Ele as classifica em seis diferentes categorias nos processos de recepção: mediações referenciais, mediações contextuais, mediações lingüísticas, mediações institucionais, mediações situacionais e mediações pessoais. Ver bibliografia destes autores e o texto “Estudos culturais, recepção e teatro: uma articulação possível?”, de FERREIRA, 2006. Disponível no sítio da web da Revista Fênix, da UFU, <www.revistafenix.pro.br>.
  • 10. No caso do último estágio citado, este se apresenta como “um conjunto de condições de possibilidade” dos processos receptivos, que antecedem, atravessam o ato e reverberam após o momento da recepção na concepção, nos sentidos conferidos e nos usos estabelecidos por um espectador em sua relação com um espetáculo ou performance cênica. O conjunto destes “pressupostos do ato de recepção” ou “sistema de pré-condições receptivas” parece ser um elemento bastante importante ao se pensar a relação da educação com a constituição de identidades de espectadores, ou uma possível pedagogia do espectador mediada também pela escola e pelos professores. Assim como são as mediações culturais9 . São assim definidos os pressupostos por De Marinis (2005): 1) conhecimentos gerais (teatrais e extrateatrais) do espectador; 2) conhecimentos particulares (informações prévias sobre o espetáculo, artista ou contato com paratextos teatrais); 3) metas, interesses, motivações e expectativas (em relação ao teatro em geral e em relação ao espetáculo ou performance em questão, em particular); 4) condições materiais da recepção (uso do espaço cênico, visibilidade, condições climáticas, entre outros); 5) as relações dos espectadores entre si (o coletivo, o comunitário da relação teatral e da constituição do público). Parece-me que construir um processo de letramento em teatro, atuando na constituição das identidades de espectadores de crianças e jovens, poderia ter como ponto de partida para o trabalho do professor, do artista ou do ativista cultural os pressupostos acima expostos. Este conjunto de condições fornece pistas valiosas para o planejamento de aulas e ou de atividades didáticas que antecedam ou sucedam a assistência a algum espetáculo cênico. Não quero propor aqui que todos estes fatores sejam extenuantemente desenvolvidos, mas que sejam tangenciados, tocados e trabalhados (ainda que de forma indireta), antes, durante ou após a experiência com algum espetáculo ou performance. A 9 Para aprofundamento sobre a articulação entre as mediações culturais, o teatro e a educação ver FERREIRA, 2010 e FERREIRA, 2006.
  • 11. surpresa também é geradora de focos de atenção na relação teatral, no entanto, o interesse pela linguagem e por seus elementos e pela espetacularidade em si podem ser estimulados com base no desenvolvimento destes pressupostos. Não devemos acabar com o elemento surpresa, que é um dos focos de interesse do espectador, mas devemos fornecer aos espectadores em formação ferramentas para que criem outros interesses e outras demandas em relação à linguagem teatral, ampliando o horizonte de expectativas construído por suas experiências como espectadores das mídias e TICs. Há inúmeras possibilidades de atividades, jogos, sequências didáticas, projetos de trabalho que poderiam compor metodologias para o desenvolvimento destes conteúdos (se os tomarmos como tal). Enfim, há um leque enorme de temas oriundos de uma possível pedagogia do espectador que poderiam fazer parte dos currículos, das ações de mediação cultural ou compor planos de aula que abrissem este espaço que proponho, de constituição de identidades de espectadores na e através da escola. Poderia o professor ou o artista-pedagogo deixar-se banhar pelos pressupostos de De Marinis no momento de pensar e construir suas aulas, como inspiração, como indutor, como fonte. Como negar, portanto, o teatro e a constituição de nossos alunos espectadores como um conteúdo legítimo e necessário à educação contemporânea? Os PCNs propõem estes conteúdos dentro das aulas de artes. Eu ousaria dizer que a formação de espectador deveria ser um tema transversal, que atravessasse todas as disciplinas do currículo, já que as concepções de crianças e jovens sobre natureza, sexualidade, gênero, raça, etnia, nacionalidade, ciências, comportamento, ética, família, trabalho, padrões de beleza, seus gostos musicais e fílmicos, e tantos outros assuntos e temas que nos formam, são fruto também de suas constituições identitárias como espectadores (das mídias, das TICs, da arte). Usufruir da linguagem teatral sempre será atravessado pelas diversas experiências com outros artefatos e linguagens. Como, então, ignorar estes atravessamentos? Como querer das crianças e jovens relações “puras” com a arte, “genuínas”? Uma educação que partir deste tipo de essencialismo hoje está fadada a afogar-se em si mesma, obsoleta e não funcional. Assim, parece-me profícuo traçar ligações entre as diversas linguagens e meios, mas sem concessões banalizadoras: não estou aqui defendendo que as crianças e jovens assistam, ouçam e mirem somente ao está próximo de suas experiências diárias, muito pelo contrário, proponho que a valorização de experiências
  • 12. extracotidianas como ir ao teatro assistir a um espetáculo de dança ou de teatro, ir a um concerto, freqüentar um museu ou galeria, presenciar uma performance de rua ou um folguedo, sejam trabalhados pela escola com esmero, com delicadeza, entretanto com olhos e ouvidos voltados ao mundo, abertos às relações que os alunos possam traçar com suas vidas cotidianas, com aquelas linguagens e artefatos que conhecem e apreciam, com suas experiências. Criar sentido e estimular a relação com linguagens quase desconhecidas das novas gerações, insólitas como a linguagem cênica, parece-me bem mais instigante partindo-se destas pistas. Assim, qualquer professor poderia (e deveria) desenvolver trabalhos, atividades e projetos que contemplassem estes conteúdos. Obviamente que para isso precisaríamos instrumentalizar estes professores, fornecer-lhes subsídios metodológicos e conceituais para o desenvolvimento de tal trabalho. Cursos de pedagogia, o ensino médio Normal e as licenciaturas deveriam conter em suas grades curriculares estes conteúdos e espaço para estas discussões. Mas este já é outro sonho, outro ideal que precisamos perseguir ao lado de tantos outros que são plataformas de reivindicações nos minorizados campos da arte e da educação neste país. Finalizo este texto sem respostas derradeiras, mas com a esperança de que reverbere em quem o ler, instigando e estimulando a novas práticas pedagógicas e, por que não?, artísticas, no âmbito de uma (des)necessária pedagogia do espectador. Referências bibliográficas BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Arte. Ensino Fundamental, Séries Iniciais, Livro 6. Brasília: MEC/SEF, 1997. Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Arte. Ensino Fundamental, Séries Finais, Livro 7. Brasília: MEC /SEF, 1998. Brasil. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros curriculares nacionais: Ensino Médio. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Secretaria de Educação Básica. – Brasília : MEC /SEB, 2000.
  • 13. HALL, Stuart. Da diáspora – Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte/Brasília: Ed. UFMG/UNESCO, 2003. HARTMANN, Luciana e FERREIRA, Taís. História da Arte-Educação 2 – Módulo 16. Brasília: Estação Gráfica Ltda., 2010. HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. 4 ed. São Paulo: Perspectiva, 2000. DELDIME, Roger. “Formar o espectador infanto-juvenil para ver e fazer teatro”. In: Revista Sala Preta, 2(2002): 229-232. DESGRANGES, Flávio. A pedagogia do espectador. São Paulo: HUCITEC, 2003. DE MARINIS, Marco. Compreender el teatro – Lineamientos para una nueva teatrología. Buenos Aires: Editorial Galerna, 1997. ______. En busca del ator y del espectador – Compreender el teatro II. Buenos Aires: Editorial Galerna, 2005. FERREIRA, Taís. A escola no teatro e o teatro na escola. 2 ed. Porto Alegre: Mediação, 2010. ______. “Estudos culturais, recepção e teatro: uma articulação possível?”. In: Fênix, Vol.3, Ano III, n 4(2006). Artigo 9. FERREIRA, Taís e FALKEMBACH, Maria. Teatro e dança nos anos iniciais. Porto Alegre: Mediação, 2012. LARROSA, Jorge. “Notas sobre a experiência e o saber de experiência”. In: Revista Brasileira de Educação, 19(2002): 20-29. MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações – Comunicação, cultura e hegemonia. 2 ed. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 1997. OROZCO GÓMEZ, Guillermo. “Mediaciones familiares y escolares en la recepción televisiva de los niños”. INTERCOM – Revista Brasileira de Comunicação, São Paulo, ano XIV, n. 64(jan/jun 1991): p. 8-19. ______. Recepción Televisiva – Três aproximaciones y una razón para su estúdio. México: Universidad Iberoamericana, 1991. ______. “Reception analysis seen from the multiple mediation model: some issues for the debate”. In: Intexto, Revista Digital do PPGCOM/UFRGS, n. 5(1999/01).
  • 14. ______. (coord.) Recepción y Mediaciones – Casos de investigación en América Latina. Buenos Aires: Norma, 2002. SOARES, Magda. “Letramento e alfabetização: as múltiplas facetas”. In: Revista Brasileira de Educação, 25(2004): 05-17. WENDELL, Ney. Cuida bem de mim – teatro, afeto e violência nas escolas. Ilhéus: Editus, 2009.