TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S. A.
Contatos
TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A.
Ruggero Caterini
Diretor de ...
A Administração
“Para a Tele Celular Sul, 1999 foi um ano especialmente desafiador, pois exigiu de
...
no ano é representado basicamente pelo crescimento da planta e pelas alterações nas
taxas de depreciação (R$29,4 milhões)....
Despesa Financeira
As Despesas Financeiras do ano foram de R$ 72 milhões, 52% de crescimento em
EBITDA ...
pressionados por subsídios na vendas de aparelhos e na migração para o sistema
digital; 2) despesas com um marketing agres...
continua estratégia inovadora, com o lançamento de produtos e serviços de valor
agregado, de modo a ampliar as vantagens c...
Receita Operacional
3º Trim./99 4º Trim./99 4º Trim./98 ...
Dados Selecionados
3º Trim./99 4º Trim./99 4º Trim./98 1999 ...
TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A.
BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 1999 E 1998
...
TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A.
BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 1999 E 1998
...
TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A.
DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO
PAR...
of 11

Press Release 4 T99 Tele Celular Sul

Published on: Mar 4, 2016
Published in: Business      Economy & Finance      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Press Release 4 T99 Tele Celular Sul

  • 1. TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S. A. Contatos TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. Ruggero Caterini Diretor de Finanças e de Relações com Investidores Joana Dark Fonseca Serafim Relações com Investidores (41) 312-6862 jserafim@telecelularsul.com.br Rafael J. Caron Bosio Relações com Investidores (41) 312-6623 rbosio@telecelularsul.com.br Website http:/www.timsul.com.br TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. DIVULGA OS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO QUARTO TRIMESTRE DE 1999 E RESULTADO ANUAL Curitiba, 24 de março de 2000 – A Tele Celular Sul Participações S.A. (BOVESPA: TCLS3 e TCLS4; NYSE: TSU), Empresa que controla a Telepar Celular S.A., Telesc Celular S.A. e CTMR Celular S.A., operadoras lideres na prestação de serviço móvel celular no Sul do Brasil, anuncia os resultados referentes ao 4º trimestre de 1999 e exercício social findado em 31.12.1999.
  • 2. A Administração “Para a Tele Celular Sul, 1999 foi um ano especialmente desafiador, pois exigiu de sua administração um grande empenho tanto na organização da empresa quanto nas atividades que lhe permitiram manter a liderança no mercado. Como resultado, a Companhia atingiu um sólido acréscimo da base de clientes, ultrapassando a marca de 1 milhão, 70% além da registrada em dezembro de 1998 e manteve o Market Share de 86%, o maior no mercado brasileiro de telefonia celular. Market Share Maior índice A Companhia mantêm a liderança do mercado onde atua, encerrando o ano com de Market aproximadamente 86% de Market Share. Share Nacional e menor índice Churn A taxa de penetração total do mercado foi estimada em 8,4 acessos celulares por 100 habitantes, demonstrando portanto, o grande potencial para o crescimento da telefonia celular. A Tele Celular Sul também administrou o churn ao nível de 11%. Receita Operacional A Receita Operacional Bruta da Companhia foi de R$857,6 milhões em 1999, 33% superior a verificada em 1998. No 4º trimestre/99, o montante foi de R$ 263,0 milhões, um incremento de 27% em relação ao terceiro trimestre. A Receita Operacional Líquida Total do ano foi de R$ 680,4 milhões e a do 4º trimestre/99, foi de R$211,1 milhões. A Receita Operacional Líquida com Venda de Aparelhos atingiu R$ 149,2 milhões e R$61,6 milhões, considerando os mesmos períodos. Composição da Receita Bruta Operacional Composição da Receita Operacional 31/12/99 - R$ 857,6 milhões 31/12/98 - R$ 644,1 milhões Outras Vendas de Aparelhos Uso de Outras Habilitação Uso da Rede 12,8 Rede 166,6 99,1 5,4 20,9 136,6 42,7 Aluguéis Crescimento de 17,1 Aluguéis 158,7 317,3 70% na base total 167,4 357,1 de assinantes Utilização Utilização Assinatura Assinatura Em 1999 a base total da Companhia expandiu 70%, atingindo 1.034.266 assinantes, representando um acréscimo de 423.885 mil novos assinantes, dos quais 279.092 são usuários do serviço pré-pago. Custos e Despesas Operacionais Os Custos dos Serviços Prestados no ano foram R$234,9 milhões, um acréscimo de 39% em relação a 1998. Para o 4º trimestre/99, isoladamente, o valor foi de R$ 65,0 milhões comparado com R$ 62,6 milhões do 3º trimestre/99. O aumento verificado
  • 3. no ano é representado basicamente pelo crescimento da planta e pelas alterações nas taxas de depreciação (R$29,4 milhões). Composição dos Custos dos Serviços Prestados Composição dos Custos dos Serviços Prestados 31/12/99 - R$ 234,9 milhões 31/12/98 - R$ 169,1 milhões Serviços Serviços de Fistel Pessoal Terceiros Pessoal de Terceiros 11,7 3,5 8,4 Fistel 6,2 12,3 22,7 47,8 54,0 Depreciação Uso e Amortização 53,2 98,7 41,0 de Rede 44,5 Uso de Rede Depreciação e Aluguel de Aluguéis Amortização Meios de meios Os Custos de Venda de Aparelhos no ano foram R$ 204,8 milhões e R$ 92,0 milhões relativos ao 4ºtrimestre/99 As Despesas Gerais e Administrativas totalizaram R$62,1 milhões comparadas com R$ 39,5 milhões registradas em 1998. Alguns dos integrantes significativos desse montante: 1) as despesas relativas ao faturamento (emissão de fatura), incrementadas com o crescimento da planta; 2) despesas com sistemas de faturamento e gestão junto às empresas fixas, os quais foram substituídos por sistemas próprios a partir de outubro de 1999 e 3) aumento do quadro de pessoal (1.024 empregados em 1999 e 358 em 1998). As Despesas Comerciais do ano representaram R$117,3 milhões comparadas com R$ 68,2 milhões em 1998. No quarto trimestre/99 o valor foi de R$35,1 milhões, um acréscimo de 9% em relação ao trimestre anterior. Despesas de Créditos com Liquidação Duvidosa do ano, classificadas como Despesas Comerciais, representaram R$ 50,3 milhões (R$46,9 milhões em 1998), ou seja; 6% da receita total. No terceiro trimestre de 1999, a Companhia adotou critérios mais realísticos para o provisionamento dos créditos com liquidação duvidosa. Essas mudanças resultaram no acréscimo de R$ 2,8 milhões nas despesas. O novo Sistema de Faturamento, implantado no quarto trimestre de 1999, permitirá que Companhia implemente através da sua Central de Tele Cobrança medidas mais rigorosas de controle de crédito e cobrança. As Despesas com Publicidade e Propaganda de R$ 35,1 milhões (R$ 5,1 milhões em 1998), caracterizam a transição para o ambiente competitivo. Considerando esse cenário, o custo de aquisição por assinantes - SAC foi de R$ 230,8 no 4º trimestre/99 e R$ 207,3 acumulado para o ano de 1999. A Tele Celular Sul tem incentivado seus clientes a migrarem do sistema analógico para o digital, o que tem resultado na constituição de estoques de aparelhos usados. Esses estoques foram ajustados ao valor de mercado, de forma a representarem o valor efetivo de venda. Estes ajustes foram provisionados como Outras Despesas Operacionais no valor de R$ 6,3milhões.
  • 4. Despesa Financeira As Despesas Financeiras do ano foram de R$ 72 milhões, 52% de crescimento em EBITDA no 4º relação a 1998, nas quais estão inclusas as Despesas com Juros sobre o Capital trim./99 foi de R$32,2 milhões Próprio de R$ 16,9 milhões (apropriadas no quarto trimestre) e o impacto da desvalorização do Real, ocorrida no início de 1999, de R$ 31,9 milhões. O Endividamento Oneroso da Tele Celular Sul, em 31 de dezembro de 1999, foi de R$ 222,2 milhões, representando 40% do Patrimônio Líquido. Moeda Estrangeira 26,1 196,1 Moeda Nacional EBITDA O EBITDA do ano representou R$ 170,4 milhões e uma margem de 25% sobre a Receita Líquida - ou 32%, incluindo-se os subsídios, porém sem venda de aparelhos. O decréscimo apresentado em relação 1998 (R$ 268,1 milhões e margem de 53%), deve–se basicamente ao incremento nos custos de comercialização, a prática de subsídios nas vendas de aparelhos e na migração de clientes do sistema analógico para o digital e aos ajustes comentados anteriormente. A partir de outubro de 1999, a Companhia elevou os preços de comercialização dos celulares de forma a reduzir os impactos dos subsídios nos seus resultados. O efeito desta política não foi totalmente observado no quarto trimestre em função da estratégia de marketing adotada especificamente para o período das festas de final de ano, caracterizadas pelo elevado volume de vendas, bem como pela intensa migração ocorrida no período. A Tele Celular Sul estimulou a migração de 194.921 clientes para o sistema digital em 1999, dos quais 64.893 ocorreram no quarto trimestre. Resultado Não Operacional A Companhia substituiu equipamentos e tecnologia para a digitalização de sua rede o que resultou na baixa de ativos mobilizados. O impacto no resultado anual foi de R$ 5,4 milhões – valor líquido das provisões para futuras vendas. Lucro Líquido O lucro líquido consolidado no ano foi de R$ 34 milhões comparado com R$ 124 milhões em 1998. Os principais fatos que contribuíram para a redução de margens e, conseqüentemente, para o recuo do lucro líquido foram: 1) forte expansão sob um período de acirrada concorrência, fazendo com que os resultados fossem
  • 5. pressionados por subsídios na vendas de aparelhos e na migração para o sistema digital; 2) despesas com um marketing agressivo e um maior volume de comissões pagas aos agentes credenciados; 3) desvalorização cambial; 4) alterações das taxas de depreciação e, 5) mudanças no critério de provisionamento dos créditos com liquidação duvidosa. Investimento A companhia investiu R$ 298,4 milhões no ano, mais 46% do que em 1998 (R$ 192 milhões), dando prioridade ao incremento e digitalização da planta de telefonia, além do desenvolvimento de novos sistemas, com o objetivo de atender à demanda dos clientes e manter a posição de liderança absoluta no mercado de telefonia móvel na região. Digitalização da Rede ERB´S Canais Digital Analógica Digital Analógica 556 106 16.917 18.326 84% 16% 48% 52% Recursos Financeiros Grande parte do forte programa de investimentos realizados durante o ano de 1999 foi custeada pela geração própria de caixa. Entretanto, para complementar os recursos necessários. A Tele Celular Sul promoveu duas importantes captações no segundo semestre de 1999, por meio de suas controladas Telepar Celular e a Telesc Celular. A primeira, no montante de R$ 144 milhões (valor líquido de R$ 122 milhões), se deu mediante emissão de Notas Promissórias com vencimento em 360 dias e custo aproximado de 103% do CDI. A segunda, no valor de R$ 73 milhões (aproximadamente US$ 40 milhões) e prazo de 5 anos, foi contratada com o Export- Import Bank of the United States “Eximbank). Como esses recursos ingressaram somente em janeiro de 2000, não estão considerados na posição de endividamento de dezembro de1999. Como parte da política de hedge, a primeira operação teve a taxa flutuante CDI coberta por uma operação de swap de taxa, tornando-se uma taxa pré-fixada de 23,85% ao ano. Para a segunda operação foi contratada um operação de hedge cambial, transformando o passivo em reais. Expectativas Para o ano 2000, a Tele Celular Sul acredita que a evolução tecnológica e o aumento do quadro competitivo, com a entrada de empresas operando nas freqüências PCS (Personal Computer Service), continuará a estimular o crescimento do setor, ao mesmo tempo em que trará um conjunto de novos desafios, conduzindo a contínuas melhorias de qualidade. A consolidação da empresa, da infra-estrutura tecnológica e dos novos sistemas de informação, fatores aliados ao capital humano qualificado, apontam para uma
  • 6. continua estratégia inovadora, com o lançamento de produtos e serviços de valor agregado, de modo a ampliar as vantagens competitivas. A Companhia continuará trabalhando para manter sua posição de líder no mercado onde atua, empregando esforços na recuperação da margem de rentabilidade e na melhoria da qualidade dos serviços, aspecto que contribuirá com os esforços da empresa para a fidelização de clientes. A expectativa é de que o custo de aquisição do cliente sofra reduções ao longo do novo exercício. A Tele Celular Sul buscará a meta de geração de valor para seus acionistas, clientes e empregados, bem como superar os novos desafios impostos pelo mercado. xxxxxxxxxxxxxx
  • 7. Receita Operacional 3º Trim./99 4º Trim./99 4º Trim./98 1999 1998 Vendas de Aparelhos 45.819 65.250 - 166.592 0 Utilização 83.007 99.179 81.106 357.099 317.340 Assinatura 40.577 47.677 35.580 167.377 158.660 Aluguel 2.888 1.070 9.704 17.075 42.743 Uso da Rede 34.395 42.648 27.591 136.663 99.091 Habilitação 0 0 4.687 0 20.789 Outras (342) 7.169 1.431 12.793 5.384 Receita Operacional Bruta 206.344 262.993 160.099 857.599 644.007 Tributos e outras Deduções (41.066) (51.918) (34.958) (177.152) (139.806) Receita Operacional Líquida 165.278 211.075 125.141 680.447 504.201 Receita Operac. Líquida de Serviços 125.734 149.480 125.141 531.256 504.201 Receita Operacional Líquida de Vendas 39.544 61.595 - 149.191 - Custos e Despesas Operacionais 3º Trim./99 4º Trim./99 4º Trim./98 1999 1998 Custo de Serviços e Mercadorias 119.833 156.985 52.244 439.681 183.618 Custos dos Serviços 62.561 64.991 52.244 234.888 169.113 Custos de Mercadorias e Outros 57.272 91.994 0 204.793 14.505 Despesas Operacionais 67.744 84.378 76.020 268.498 158.736 Despesas Comerciais 32.086 35.055 24.644 117.314 68.176 Despesas Gerais Administrativas 16.198 18.489 8.790 62.108 39.549 Despesas Financeiras 11.860 23.205 41.618 72.447 47.716 Outras Despesas Operacionais 7.600 7.629 968 16.629 3.295 Custos e Despesas Operacionais 187.577 241.363 128.264 708.179 342.354 Despesas com Créditos de Liquidação 16.892 13.961 28.763 50.263 46.900 Duvidosa – DCLD xxxxxxxxxxxxxxx
  • 8. Dados Selecionados 3º Trim./99 4º Trim./99 4º Trim./98 1999 1998 Assinantes Total 891.144 1.034.266 610.381 1.034.266 610.381 Pós-pago 726.175 755.174 610.381 755.174 610.381 Pré-pago 163.969 279.092 0 279.092 0 População estimada da região (milhões) 14,6 14,7 14,3 14,7 14,3 Municípios Atendidos 202 216 188 216 188 Penetração ( TSU ) 6% 7% 4% 7% 4% Market share 89% 86% 99% 84% 99% ARPU TOTAL 1 R$51 R$53 R$69 R$56 R$75 ARPU – pós-pago 1 R$53 R$60 R$41 R$63 R$75 ARPU – pré-pago 1 R$26 R$26 - R$26 - MOU ( entrante) 87 82 - 87 102 MOU ( sainte) 59 73 - 70 78 MOU do Pré-pago (sainte) 21 23 - 22 - MOU do Pré-pago (entrante)3 - 85 - - - Investimentos ( milhões ) 62 129 108 298 192 Adições Brutas 146.027 173.032 80.133 512.940 195.898 Desconexões 26.756 28.911 19.041 89.055 45.501 Churn 2 3% 3% 3% 11% 8% Pontos de vendas (incluso lojas próprias) 549 555 503 555 503 Lojas Próprias 16 17 10 17 10 Empregados Totais 1.112 1.156 825 1.156 825 Efetivos 943 1.024 358 1.024 358 Contratados e Estagiários 169 132 467 132 467 Notas: (1) Receita média por assinante ( Líquida e sem venda de aparelhos). Em 1998foi excluída a Receita de Habilitação. (2) Calculado sobre a base média de assinantes. (3) Dados disponíveis apenas para o 4º Trimestre/99.
  • 9. TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 1999 E 1998 (Em milhares de reais) AT I VO Controladora Consolidado 1999 1998 1999 1998 ATIVO CIRCULANTE 37.683 126.436 292.711 268.441 Caixa e Equivalentes de Caixa 673 3.894 2.084 151.495 Contas a Receber - - 191.566 78.970 Empréstimos Empresas Associadas - 94.436 - - Tributos Diferidos e a Recuperar 2.993 291 33.829 24.598 Estoques - - 44.993 3.718 Outros Ativos 34.017 27.815 20.239 9.660 REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 114.803 6.503 50.452 13.218 Empréstimos Empresas Associadas 114.008 6.503 - - Tributos Diferidos e a Recuperar 795 - 40.521 13.168 Depósitos Judiciais - - 9.781 50 Outros Ativos - - 150 - ATIVO PERMANENTE 439.952 440.179 809.361 623.519 Investimentos 439.922 440.163 20 20 Imobilizado 30 16 791.022 623.093 Diferido - - 18.319 406 TOTAL 592.438 573.118 1.152.524 905.178
  • 10. TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 1999 E 1998 (Em milhares de reais) PASSIVO Controladora Consolidado 1999 1998 1999 1998 PASSIVO CIRCULANTE 29.056 32.182 440.098 213.485 Pessoal, Encargos e Benefícios Sociais 3.934 9 5.980 4.095 Contas a Pagar e Desp. Provisionadas 4.397 115 169.316 97.037 Tributos Diretos e Indiretos a Recolher 1.606 533 27.127 18.623 Dividendos e Participações no Resultado 15.575 31.525 21.164 41.034 Empréstimos Empresas Associadas 2.908 - - - Empréstimos e Financiamentos 5 - 214.991 50.124 Provisão para Contingências 631 - 1.520 2.572 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 2.341 22.757 11.773 Empréstimos e Financiamentos - - 7.207 10.070 Provisão p/ Compl. de Aposentadoria 1.839 - 1.880 1.702 Tributos Indiretos - - 10.150 - Provisão para Contingências 502 - 3.520 1 PARTICIPAÇÕES MINORITÁRIAS 128.628 138.984 PATRIMÔNIO LíQUIDO 560.966 540.861 560.966 540.861 Capital Social 175.872 175.872 175.872 175.872 Reservas de Lucros 143.399 157.435 143.399 157.435 Lucros Acumulados 241.695 207.554 241.695 207.554 RECURSOS CAPITALIZÁVEIS 75 75 75 75 TOTAL DO PASSIVO 592.438 573.118 1.152.524 905.178
  • 11. TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 1999 E 1998 (Em Milhares de Reais) Controladora Consolidado 1999 1998 1999 (*) 1998 Receita Operacional Bruta - - 857.599 644.007 Deduções da Receita Bruta - - (177.152) (139.806) Receita Operacional Líquida - - 680.447 504.201 Custo dos Serviços Prestados - - (439.681) (183.618) Lucro Bruto - - 240.766 320.583 Receitas (Despesas) Operacionais 6.811 110.921 (173.148) (101.470) Comercialização - - (117.314) (68.176) Despesas Gerais e Administrativas (6.004) (873) (62.108) (39.549) Equivalência Patrimonial 13.658 111.752 - - Outras Receitas/Despesas Operacionais (843) 42 6.274 6.255 Lucro Operacional antes dos Efeitos Financeiros 6.811 110.921 67.618 219.113 Receitas / Despesas Financeiras 37.191 (7.778) (49.056) (15.692) Lucro Operacional 44.002 103.143 18.562 203.421 Receitas/Despesas não Operacionais - 9 (5.823) (38.241) Lucro Antes dos Tributos, Participações e Reversão dos JSCP 44.002 103.152 12.739 165.180 Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro (9.939) (7.284) (529) (48.507) Provisão para Participação dos Empregados (1.233) - (2.103) (965) Participações Minoritárias 7.357 (32.059) Lucro Antes da Reversão dos JSCP 32.830 95.868 17.464 83.649 Reversão de Juros sobre o Capital Próprio (JSCP) 1.502 30.741 16.868 40.346 Lucro Líquido do Período 34.332 126.609 34.332 123.995 Ações em Circulação na Data do Balanço (milhões) 334.399 334.399

Related Documents