Por Que Somos Diferentes dos
Profanos
Por Que Somos Diferentes dos Profanos
Helio P. Leite
Queridos Irmãos, creio que pode...
neófito por um veterano do grupo, e costuma consistir na exposição de novos
conhecimentos - inclusive segredos e mistérios...
Capital significa “cabeça”, como ensina São Tomás de Aquino [1224-1274], são
capitais os pecados que nos fazem perder a ca...
Atentem-se que a iniciação e os graus da escalada maçônica estimula o
iniciado a olhar para o interior de si mesmo e das t...
desenvolver a consciência plena de que todos somos Filhos do mesmo Pai,
seres da mesma espécie, e iguais entre si, indepen...
of 5

Por que somos diferentes dos profanos

PROFANO
Published on: Mar 4, 2016
Published in: Spiritual      
Source: www.slideshare.net


Transcripts - Por que somos diferentes dos profanos

  • 1. Por Que Somos Diferentes dos Profanos Por Que Somos Diferentes dos Profanos Helio P. Leite Queridos Irmãos, creio que podemos iniciar nossa conversa de hoje apresentado os conceitos de Iniciado e Profano, e a partir daí tentar explicar por que, enquanto iniciados na Arte Real, não somos iguais aos profanos. Profano [de pro e fanum] é a denominação que se aplica a todos aqueles não são iniciados em nossa Ordem Maçônica. Esse nome ou denominação vem correndo o mundo desde os primeiros iniciados nos mistérios antigos que chamavam de profanos aos estranhos aos seus segredos. Não se trata de uma denominação ofensiva, mas, apenas, uma distinção entre iniciado e não- iniciado. Iniciado, ao contrário de profano, denominam-se todos aqueles que têm conhecimento dos mistérios, isto é, aquele que conhece a ciência oculta, a arte sagrada, ou aquele que conhece os fundamentos da doutrina esotérica. Em suma, iniciado é aquele que se submeteu a um procedimento iniciático específico. Grosso modo, podemos concluir afirmando que em Maçonaria, o iniciado é aquele que passou pelas provas da iniciação, melhor dizendo, iniciado é aquele que vive a iniciação. Entretanto, para uma melhor compreensão do assunto, julgo que valeria a pena discorrer sobre iniciação e outros temas correlatos, como simbolismo, esoterismo, misticismos e filosofia maçônica, mas o espaço e o tempo de que disponho é insuficiente para tal desiderato. Vou me ater, rapidamente, ao termo iniciação. Fico devendo o resto. Iniciação [do latim initiatio] é um termo que remete o nosso pensamento à idéia de começo, entrada: iniciar um evento, ação, circunstância ou acontecimento. Também tem um significado de ascensão de um nível de existência para um outro de nível superior ou mais elevado. A iniciação é um tipo de cerimônia adotada em muitas sociedades místicas e esotéricas, na qual é recepcionado um novo membro após alguma tarefa ou ritual particular. Normalmente o ritual de iniciação envolve a condução do
  • 2. neófito por um veterano do grupo, e costuma consistir na exposição de novos conhecimentos - inclusive segredos e mistérios. Entre os objetivos de alguns tipos de iniciação, destacam-se o aprendizado de valores fundamentais para a vida no nível seguinte. O iniciado deve aprender a se fortalecer com o isolamento, sobreviver em condições precárias, estar preparado para as dificuldades da vida [por exemplo, muitas iniciações exigem que o iniciado construa a cabana em que ficará isolado durante o ritual], aprender a caçar, pescar, conhecer a fauna e flora, etc. O nosso ritual de iniciação maçônica é de todos conhecidos, por isso estou me referindo a outros tipos de iniciação em outras Ordens. A propósito da iniciação, os novos adeptos são “obrigados” a observarem ou cumprir as regras da associação a que deseja pertencer. Na Ordem maçônica, temos por livre convicção, entendido que: Um iniciado maçom, por livre e espontânea vontade é “obrigado”, pela sua condição de iniciado, a obedecer à lei moral e viver segundo os ditames da honra, praticar a justiça, amar o próximo e trabalhar incessantemente pela felicidade do gênero humano. E, se bem compreende a Arte Real, nunca será um ateu estúpido nem um libertino irreligioso. Mas, embora, nos tempos antigos, os pedreiros fossem obrigados, em cada país, a ser da religião desse país ou nação, qualquer que ela fosse, julga-se agora mais adequado obrigá- los apenas na religião na quais todos os homens concordam, deixando a cada um as suas convicções próprias; isto é, a serem homens bons e leais ou homens honrados e honestos, quaisquer que sejam as denominações ou crenças que os possam distinguir. Por conseqüência, a Maçonaria converte-se no Centro de União e no meio de conciliar uma amizade verdadeira entre pessoas que poderiam permanecer sempre distanciadas uns dos outros. Creio que com essas primeiras informações conceituais já podemos responder, em parte, porque somos diferentes dos profanos: Nós passamos e vivenciamos a nossa iniciação maçônica. A estrutura conceitual que acabo de apresentar constitui a introdução ao tema que me trouxe aqui nesta noite. E, prosseguindo, direi que o homem profano é aquele imerso nos erros e na mediocridade material, irremediavelmente submetido aos sete pecados capitais: orgulho ou soberba, inveja, ira, preguiça, avareza, gula e luxuria.
  • 3. Capital significa “cabeça”, como ensina São Tomás de Aquino [1224-1274], são capitais os pecados que nos fazem perder a cabeça e dos quais derivam inúmeros males. A propósito, o contrário da soberba, é a humildade; da inveja, o despojamento; da ira, a tolerância; da preguiça, o compromisso; da avareza, a partilha; da gula, a sobriedade; e da luxúria, o amor. E o homem iniciado, neste contexto frasal, é aquele que aprendeu a superar e a vencer os pecados [ou vícios] capitais que afligem o homem profano. E, aqui temos mais um indicativo da razão pela qual somos diferentes dos profanos com que convivemos em nosso dia-a-dia. Para bem se distinguir o iniciado do profano há que se considerar, ainda, muitas outras coisas, e essas outras coisas só se dão a conhecer mediante uma variedade de símbolos, ferramentas de trabalho, conceitos e idéias filosóficas, espirituais e sociológicas, sobretudo mediante o exercício de tarefas e trabalhos que revelem os diferentes níveis de consciência, esforço intelectual individual, estudo e disciplina férrea para, entre muitas outras competências, reconhecer no próximo um irmão com quem haveremos de repartir nosso pão e nossa água até que possamos alcançar, pelo livre-arbítrio, o domínio dos sentimentos e dos vícios, e pela ascese, a iluminação. Eis aqui, mais um forte argumento a indicar porque somos diferentes dos profanos. Somos diferentes dos profanos pelos laços de amizade, sinceridade, irmandade que assentada na tríplice argamassa que a iniciação maçônica nos une à liberdade, à igualdade e à fraternidade. Uma vez maçom, sempre maçom. Diz o lema que norteia a vida em Maçonaria. Quando o profano é admitido numa Loja Maçônica à iniciação, sua condição de iniciado perdura além do simbolismo da “pedra bruta” que caracteriza sua condição individual de aprendiz nos mistérios da Arte Real, para passar pela “pedra polida” e depois pela “pedra angular”, que é aquela apta a ser usada em toda e qualquer espécie de construção individual, e esta evolução processa-se junto com a responsabilidade individual que se assume com os próprios atos, constituindo-se um conceito a ser desenvolvido à medida que o iniciado progride em direção aos graus de companheiro e Mestre, até alcançar a plenitude maçônica.
  • 4. Atentem-se que a iniciação e os graus da escalada maçônica estimula o iniciado a olhar para o interior de si mesmo e das transformações da sua psique, e esta é a razão pela qual distingue-se o iniciado do profano. Tenho, assim, como acreditar que estou respondendo por que somos diferentes do homem profano. Somos iniciados e aptos a nós transformar, quando se fizer necessário, em iniciadores. Antes de concluir, talvez valha a pena apontar o que é necessário para um profano se tornar um iniciado. Em primeiro lugar, é preciso que ele tenha vocação maçônica, ou seja, que, para além de uma identificação com os grandes valores éticos da Maçonaria regular, tenha vocação para o simbolismo e para o ritual, e sobremodo, vocação para a prática maçônica. Para isto é necessário que o profano bata à nossa porta, isto é, que manifeste o seu interesse em entrar para a Maçonaria regular, isto no caso de não ter sido ainda cooptado por algum ou alguns maçons. O contacto com a Grande Loja leva a um conjunto de conversas, entrevistas ou inquéritos que poderão e deverão avaliar se o profano está em condições de entrar para a Maçonaria. É evidente que, segundo a tradição, só pode ser maçom aquele que for “livre e de bons costumes”, o que quer dizer, nos nossos dias, que deve ter meios de sustento, para si e para a sua família; que não deve ter problemas com a Justiça, e que tenha um comportamento ético e moral íntegros. Depois do Inquérito, é feita a votação, na Loja respectiva, uma vez que os Padrinhos e os Inquiridores tenham apresentado os seus relatórios; depois, no caso de uma votação positiva, é marcado o dia da Iniciação. Para além das condições éticas, vocacionais e espirituais, é preciso também que o futuro maçom possa satisfazer as suas obrigações materiais para com a Ordem [jóias, quotizações, etc.], para que ela possa ter condições materiais para exercer a sua ação. Profanos e Iniciados, um ponto de vista diferente – Acredito que num futuro não muito distante, a humanidade não mais precisará se distinguir entre iniciados e profanos, mas até lá, iniciados e não-iniciados [profanos], precisam
  • 5. desenvolver a consciência plena de que todos somos Filhos do mesmo Pai, seres da mesma espécie, e iguais entre si, independentemente de raças, origens, crenças e posições sociais ou desenvolvimento sócio, econômico, político e cultural. E encerro este quarto de hora com essa frase magistral do filósofo Friedrich Nietzsche: “Ao invés de mostrarem à altura da insustentável solidão da sua condição, os homens continuam à procura do seu Deus despedaçado e por Ele amarão até as serpentes que moram em meio das Suas ruínas”. Por isso, a concepção de Liberdade, Igualdade e Fraternidade ministrada aos iniciados maçons precisa ser expandida para toda a humanidade até congregar num só estado o gênero humano inteiro.

Related Documents